Você está na página 1de 179

Audemir Lima de Souza

Dário Souza Rocha


Genilce Ferreira Oliveira

Matemática
Elementar IV

Manaus 2007
FICHA TÉCNICA

Governador
Eduardo Braga
Vice-Governador
Omar Aziz
Reitor
Lourenço dos Santos Pereira Braga
Vice-Reitor
Carlos Eduardo S. Gonçalves
Pró-Reitor de Planejamento e Administração
Antônio Dias Couto
Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários
Ademar R. M. Teixeira
Pró-Reitor de Ensino de Graduação
Carlos Eduardo S. Gonçalves
Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa
Walmir de Albuquerque Barbosa
Coordenador Geral do Curso de Matemática (Sistema Presencial Mediado)
Carlos Alberto Farias Jennings
Coordenador Pedagógico
Luciano Balbino dos Santos

NUPROM
Núcleo de Produção de Material
Coordenador Geral
João Batista Gomes
Projeto Gráfico
Mário Lima
Editoração Eletrônica
Helcio Ferreira Junior
Revisão Técnico-gramatical
João Batista Gomes

Souza, Audemir Lima de.


S729m Matemática elementar IV / Audemir Lima de Souza, Dário Souza
Rocha, Genilce Ferreira Oliveira. – Manaus/AM: UEA, 2007. –
(Licenciatura em Matemática. 2. Período)

179 p.: il. ; 29 cm.

Inclui bibliografia

1. Matemática – Estudo e ensino. I. Rocha, Dário Souza. II.


Oliveira, Genilce Ferreira. III. Série. IV. Título

CDU (1997): 51
CDD (19.ed.): 510
SUMÁRIO

Palavra do Reitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07

UNIDADE I – Razões trigonométricas no triângulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09


TEMA 01 – Trigonometria no triângulo retângulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
TEMA 02 – Relações entre seno, cosseno e Tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
TEMA 03 – Resolução de triângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

UNIDADE II – Trigonometria na circunferência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27


TEMA 04 – Arcos e ângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
TEMA 05 – Ciclo trigonométrico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
TEMA 06 – Seno, cosseno e tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
TEMA 07 – Razões recíprocas do seno, cosseno e tangente e outras relações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
TEMA 08 – Redução ao 1.º quadrante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

UNIDADE III – Funções circulares e identidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49


TEMA 09 – Função seno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
TEMA 10 – Função cosseno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
TEMA 11 – Função tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
TEMA 12 – Outras funções circulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
TEMA 13 – Identidades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

UNIDADE IV – Fórmulas da adição, multiplicação e divisão de arcos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63


TEMA 14 – Transformações: Fórmulas de adição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
TEMA 15 – Arco duplo e triplo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
TEMA 16 – Arco metade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
TEMA 17 – Fórmulas de transformação em produto para seno, cosseno e tangente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71

UNIDADE V – Equações e inequações trigonométricas | Funções trigonométricas Inversas . . . . . . . . . . . . . . 75


TEMA 18 – Equações trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
TEMA 19 – Inequações trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
TEMA 20 – Funções trigonométricas inversas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

UNIDADE VI – Números complexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91


TEMA 21 – Forma algébrica e potências de i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
TEMA 22 – Igualdade, soma e subtração de números complexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
TEMA 23 – Multiplicação, conjugado e divisão de números complexos na forma algébrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

UNIDADE VII – Números complexos na forma trigonométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103


TEMA 24 – Representação geométrica, módulo e argumento de um número complexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
TEMA 25 – Forma trigonométrica de um número complexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
TEMA 26 – Multiplicação e divisão com números complexos na forma trigonométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
TEMA 27 – Potenciação e Radiciação de números complexos na forma trigonométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

UNIDADE VIII – Polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123


TEMA 28 – Polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125
TEMA 29 – Polinômios Idênticos e Operações com polinômios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
TEMA 30 – Divisão de Polinômios (parte I) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
TEMA 31 – Divisão de Polinômios (parte II) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
TEMA 32 – Divisão de Polinômios (parte III) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135

UNIDADE IX – Equaçãoes algébricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141


TEMA 33 – Equações algébricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
TEMA 34 – Multiplicidade das raízes e raízes complexas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
TEMA 35 – Raízes racionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
TEMA 36 – Relações de Girard . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149

Respostas de Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
PERFIL DOS AUTORES

Audemir Lima de Souza


Licenciado em Matemática – UFAM
Bacharel em Processamento de Dados – UFAM
Especialista em Engenharia de Produção – UFAM

Dário Souza Rocha


Licenciado e Bacharel em Matemática – UFAM
Especialista em Matemática – UFAM

Genilce Ferreira Oliveira


Licenciada em Matemática – UFAM
Especialista em Matemática – UFAM
PALAVRA DO REITOR

A realidade amazônica, por si só, é um desafio à educação tradicional, aquela que teima em ficar arraigada
à sala de aula, na dependência única dos métodos triviais de ensino. A Universidade do Estado do
Amazonas já nasceu consciente de que o ensino presencial mediado é a única estratégia capaz de respon-
der aos anseios de um público que, por estar disperso, tem de ser atendido por projetos escudados em
dinamismo técnico−científico.

Assim, a Licenciatura Plena em Matemática, ancorada no Sistema Presencial Mediado, nasceu para ofere-
cer aos discentes as habilidades necessárias para que eles venham a construir seus próprios objetivos exis-
tenciais, estimulando−lhes a ousadia de aceitar o novo e de criar novas possibilidades de futuro, dando−
lhes uma visão multifacetada das maneiras de educar.

Os livros−textos em que o curso se apóia são produzidos com o rigor didático de quem sabe que a história
da educação, no nosso Estado, está sendo reescrita. Os agentes desse processo têm visão crítica e apos-
tam na formação de novos professores que saberão aliar inteligência e memória, não permitindo que o ensi-
no em base tecnológica ganhe a conotação de “um distanciado do outro”.

A autonomia de agir que cada um está aprendendo a conquistar virá, em breve, como resposta aos desafios
que se impõem hoje.

Lourenço dos Santos Pereira Braga


Reitor da Universidade do Estado do Amazonas
UNIDADE I
Razões trigonométricas no triângulo
Matemática Elementar IV – Razões trigonométricas no triângulo

podem ser calculadas, através da trigonome-


tria, alturas de montanhas, larguras de rios,
TEMA 01
distância entre corpos celestes, etc.

TRIGONOMETRIA NO TRIÂNGULO
RETÂNGULO

1.1 Um pouco de história


As dimensões do universo sempre fascinaram
os cientistas. O astrônomo grego Aristarco de
Samos (310 a.C. - 230 a.C.) foi um dos pri-
1.2 Alguns conceitos de ângulos
meiros a calcular as distâncias entre a Terra, a
Lua e o Sol; o matemático grego Arquimedes Ângulo é a reunião de duas semi-retas de
(287 a.C. – 212 a.C.) estimou o número de mesma origem, mas não contidas na mesma
grãos de areia necessários para preencher o reta. O ponto O é chamado de vértice, e as
Universo conhecido até então; o físico alemão semi-retas e são os lados do ângulo.
Albert Einstein (1879–1955) avaliou o raio do Denotaremos o ângulo pelo símbolo A^
OB.
Universo, que, de acordo com seus estudos, é
finito.
O papiro de Rhind, escrito no Egito em 1650 a.
C. aproximadamente, é uma das principais fon-
tes de informação sobre a matemática egípicia.
Esse documento, constituído de um texto ma-
temático com 85 problemas, apresenta no pro-
blema 56 um dos mais antigos registros co-
Ângulo Raso é o ângulo formado por duas
nhecidos sobre trigonometria.
semi-retas opostas.
Na construção de pirâmides, era essencial
manter uma inclinação constante nas faces, e
pode ter sido essa preocupação que levou os
construtores a usar razões entre medidas dos
lados de triângulos, chamadas atualmente de

razões trigonométricas. Ângulo de uma volta e ângulo nulo são for-


mados por duas semi-retas coincidentes.

Interior do ângulo A^OB é a intersecção de


dois semiplanos cujas origens são retas con-
correntes.

Hoje, com o auxílio de um teodolito (instru-


mento portátil utilizado em topografia e em as-
tronomia com a finalidade de medir ângulos)

11
UEA – Licenciatura em Matemática

Os pontos do interior de um ângulo são pon- O ângulo que mede menos que 90o é chama-
tos internos ao ângulo. do ângulo agudo, e o ângulo cuja medida está
entre 90o e 180o é chamado de ângulo obtuso.
Exterior de ângulo A^OB é o conjunto dos pon-
tos que não pertencem nem ao ângulo A^ OB Dois ângulos são complementares se, e so-
nem ao seu interior. mente se, a soma de suas medidas é 90o.

1.3 Triângulo
Três pontos A, B e C, não colineares, deter-
⎯ ⎯ ⎯
minam três segmentos de reta: AB, BC e AC.
⎯ ⎯ ⎯
A reunião dos segmentos de reta AB, BC e AC
é chamado de Triângulo ABC.

Os pontos do exterior de um ângulo são pon-


tos externos ao ângulo.

Unidade de medida de ângulos


Consideraremos um ângulo raso A^ OB. Divi-
dindo esse ângulo em 180 partes iguais, Vértices: A, B e C.
⎯ ⎯ ⎯
chama-se ângulo de 1o (um grau) ao ângulo Lados: AB, BC e AC.
⎯ ⎯ ⎯
que corresponde a do ângulo raso. Medidas dos lados: AB = c, BC = a e AC = b.

1.4 Razões trigonométricas no triângulo retân-


gulo
Dado um ângulo agudo qualquer de medida α,
considere os infinitos triângulos retângulos que
possuem ângulos de medida α. Alguns desses
triângulos são:

Submúltiplos do grau
Dois submúltiplos do grau merecem destaque:
o minuto e o segundo.
Observe que os triângulos OAB, OCD, OEF e
Um minuto (1’) é igual a do grau: OGH são semelhantes. Assim, a razão entre
dois lados quaisquer de um deles é igual à ra-
zão entre os lados correspondentes dos outros
dois, ou seja:
Um segundo (1”) é igual a do minuto:

Dois ângulos são suplementares se, e so-


mente se, a soma de suas medidas é 180o.
Se dois ângulos são adjacentes (um lado co- As constantes r1, r2 e r3 dependem exclusiva-
mum, mas não têm pontos internos comuns), mente da medida α, e não das dimensões do
suplementares e têm medidas iguais, então triângulo escolhido para obtê-las. Como os
cada um deles é chamado de ângulo reto e infinitos triângulos retângulos que possuem o
sua medida é 90o. ângulo agudo de medida α são semelhantes

12
Matemática Elementar IV – Razões trigonométricas no triângulo

entre si, as constantes r1, r2 e r3 podem ser ob- Medimos, com o auxílio da régua, os lados do
tidas, de maneira análoga, a partir de qualquer triângulo ABO. Temos:
um deles, ou seja:
AB = 2,7cm; AO = 3,0cm;
BO = 4,1cm.
Calculamos:

Nota: Com o uso da régua, cometemos, inevi-


tavelmente, erros de aproximação. Portanto os
resultados obtidos são valores aproximados.
Estas razões trigonométricas r1, r2 e r3 são cha- Existem métodos mais eficientes, que calculam
madas, respectivamente, de seno do ângulo esses valores com precisão desejada.
(sen α), co-seno do ângulo (cosα) e tangente
do ângulo (tg α). 2. Sabendo que sen 36° = 0,58, cos 36° = 0,80 e
Dado o triângulo retângulo abaixo: tg 36° = 0,72. Calcular o valor de x em cada
figura:
a)

Podemos dizer que:


b)

Exemplos:
1. Com o auxílio de régua graduada e transfe-
ridor, calcular sen 42°, cos 42° e tg 42°.
Solução: c)

Construímos um ângulo de 42°:

Solução:
Traçamos uma perpendicular a um dos lados
desse ângulo e obtemos o seguinte triângulo a) A razão trigonométrica que deve ser apli-
retângulo: cada é aquela que se relaciona com os
elementos (queremos cateto oposto e te-
mos a hipotenusa). A razão é o seno.

Temos:

Logo, x = 5,8cm

13
UEA – Licenciatura em Matemática

b) Temos a hipotenusa e queremos encontrar


cateto adjacente ao ângulo de 36°. A razão
é o co-seno.
1. Dado o triângulo ABC retângulo em A, calcule:

Logo, x = 4m

c) Temos o cateto oposto e queremos o cate-


to adjacente, ao ângulo de 36°. A razão é a
tangente.

a) sen^
B b) cos^
B
c) tg^
B d) sen^
C
e) cos^
C f) tg^
C

Logo, x = 27,8km (aprox.). 2. Calcule as razões trigonométricas seno, co-


seno, tangente dos ângulos agudos do tri-
3. Um engenheiro deve medir a largura de um rio. ângulo retângulo em que um dos catetos me-
Para isso, fixa um ponto A na margem em que de 3 e a hipotenusa 2 .
se encontra e um ponto B na margem oposta
(conforme a figura). A seguir, desloca-se 40m 3. Num triângulo ABC reto em A, determine as
perpendicularmente à reta até o ponto C e medidas dos catetos, sabendo que a hipo-
mede o ângulo A^ CB, obtendo 44°. Qual é a lar-
tenusa vale 50 e .
gura do rio? (Dados: sen 44º = 0,69, cos 44º =
0,71 e tg 44º = 0,96)
4. Seja ABC um triângulo retângulo em A. São
dados e hipotenusa a = 6. Calcule

os catetos b e c.

5. Sabendo que sen 28º = 0,46, cos 28º = 0,88 e


tg 28º = 0,53, calcule o valor de x na figura:

a)
Solução:
Relacionando com ângulo de 44°, queremos
calcular o cateto oposto e temos a medida b)
do cateto adjacente que é 40m. A razão trigo-
nométrica que usaremos é a tangente. Logo,
temos:

A largura do rio é 38,4m. c)

6. Um alpinista deseja calcular a altura de uma

14
Matemática Elementar IV – Razões trigonométricas no triângulo

encosta que vai escalar. Para isso, afasta-se,


horizontalmente, 80m do pé da encosta (con-
forme a figura) e visualiza o topo sob um ângu-
lo de 55° com o plano horizontal. Calcule a
altura da encosta. (Dados: sen 55° = 0,81, cos
55° = 0,57 e tg 55° = 1,42)

b) Usando a régua graduada para medir seg-


mentos, complete as igualdades abaixo com
as medidas em centímetros (com uma casa
decimal):
OA = .......................
CC’ = .......................
DD’ = .......................
OD’ = .......................
7. Um teleférico deve unir os topos A e B de dois
OE’ = .......................
morros. Para calcular a quantidade de cabos ⎯
de aço necessária para unir A e B, um en- c) Considerando a medida do raio OA como
genheiro mediu as alturas dos morros em uma unidade u, complete as igualdades
relação a um mesmo plano horizontal, obtendo abaixo com as medidas na unidade u (com
uma casa decimal):
108m e 144m. A seguir, mediu o ângulo que a
reta forma com a horizontal, obtendo 32°. OA = .......................
a) Desenhe na figura abaixo um esquema que CC’ = .......................
represente a situação. DD’ = .......................
OD’ = .......................
OE’ = .......................
d) Usando as medidas que você obteve, com-
plete as igualdades:
sen 30º = .......................
sen 45º = .......................
cos 45º = .......................
cols 60º = .......................
tg 45º = .......................
b) Calcule a distância entre os pontos A e B,
sabendo que sen 32º = 0,52, cos 32º = 0,84 9. Se as medidas dos lados de um triângulo re-
e tg 32º = 0,62. tângulo estão expressas em uma mesma uni-
dade tal que a hipotenusa mede 1, complete
as sentenças de modo a torná-las verdadeiras:
8. A figura a seguir mostra um de uma circun-
a) O seno de qualquer ângulo agudo desse
ferência de centro O dividido em seis partes triângulo é a própria medida do cateto
congruentes. Com o auxílio do esquadro, trace ............... a esse ângulo.
pelos pontos B, C, D, E e F as retas per- b) O co-seno de qualquer ângulo agudo desse
pendiculares ao raio OA, que cruzam esse raio triângulo é a própria medida do cateto
nos pontos B’, C’, D’, E’ e F’, respectivamente. ............... a esse ângulo.

15
UEA – Licenciatura em Matemática

(Dado )

a) 16,6m
1. (U. Católica de Salvador–BA) Na figura abaixo,
b) 15,5m
tem-se o triângulo ABC, retângulo em B, no
⎯ ⎯ c) 14,4m
qual o lado BC = 8cm. A altura BH, relativa ao
vértice B, mede 4,8cm. A tangente do ângulo d) 13,3m
B^AH é igual a:
e) 12,2m

5. O valor de sen 30° – cos 60° é:


a) 0
b) 1

c)
a) b)
d)
c) 1 d)
e)
e)

2. (U. F. Santa Maria–RS) Num triângulo retân-


gulo, o co-seno de um ângulo é e a hipo-

tenusa mede 10cm. A soma dos catetos, em


centímetros, é:
a) 10 b) 12
c) 14 d) 16
e) 10

3. (UFRS) No triângulo retângulo da figura,


⎯ ⎯
BC = 10 e cos α = 0,8. O valor de AB é:

a) 8
b) 6
c) 5
d) 4
e) 2

4. Se os raios solares formam um ângulo α com o


solo, qual é, aproximadamente, o comprimento
da sombra de um prédio com 10m de altura?

16
Matemática Elementar IV – Razões trigonométricas no triângulo

Se x é a medida de um dos ângulos agudos de


TEMA 02 um triângulo retângulo, temos:
sen2 x + cos2 x = 1 (Relação Fundamental)

RELAÇÕES ENTRE SENO, CO-SENO E Calculemos agora o valor da tangente de um


TANGENTE dos ângulos agudos, por exemplo, o ângulo ^
A.

Temos:
2.1 Propriedades e relação fundamental
Veremos algumas relações muito importantes
entre as razões trigonométricas estudadas.
Notemos que:
Observe o triângulo retângulo ABC da figura
abaixo.
Logo, (o mesmo ocorre com ^
C).

Então, concluímos:
Se x é a medida de um dos ângulos agudos de
um triângulo retângulo, temos:

Observação – Você verá mais adiante que as


Temos: e
relações acima são verdadeiras para outros

Logo, sen A = cos C ângulos.


Exemplos:
Temos ainda: e
Se α e β são as medidas dos ângulos agudos
Logo, sen C = cos A de um triângulo retângulo e , deter-
Concluímos, então:
minar sen β, cos β, cos α, tg α e tg β.
Se dois ângulos são complementares (soma
igual a 90°), o seno de um deles é igual ao co- Solução:
seno do outro. Como α + β = 90° , temos que sen α = cos β,
Calculemos agora o valor da expressão então: .
(sen A)2 + (cos A)2, a qual também indicamos
por sen2 A + cos2 A. Como sen2 α + cos2 α = 1 ⇒
Como e temos:

sen2 A + cos2 A =
.
Mas a2 + c2 = b2 pelo teorema de Pitágoras.
Sabendo que cos α = sen β, temos que
Portanto:
.

⇒ sen2 A + cos2 A = 1
Calculando as tangentes, temos:
Observe que esse resultado não depende do
ângulo ^
A. De modo análogo, teremos para o
^
ângulo C que, sen2 C + cos2 C = 1. Então,
concluímos:

17
UEA – Licenciatura em Matemática

Traçando a altura CH, temos que, sendo um


triângulo eqüilátero, ela será também mediana

de AB e bissetriz de^ C.

Observação – No triângulo retângulo, a hipo-


tenusa é o maior dos lados; concluímos que
para 0º < α < 90º temos:
0 < sen α < 1; 0 < cos α < 1 ; tg α > 0.

2.2 Razões trigonométricas especiais


Os valores do seno, do cosseno e da tangente
podem ser determinadas utilizando-se uma
calculadora científica ou fazendo-se uso de ta-
belas, chamadas tábuas.
Para alguns ângulos, esses valores podem ser
determinados facilmente, conforme veremos. A medida da altura será determinada aplicando
a) Ângulo de 45° o teorema de Pitágoras no triângulo retângulo
AHC:
Consideremos um quadrado cujo lado mede
a unidades (ver figura abaixo). O teorema .
de Pitágoras fornece-nos a diagonal d:
Então, .

Desse modo, temos:

a2 + a2 = d2 ⇒ d2 = 2a2 ⇒ d = a .
Então, no triângulo retângulo ABC, temos:

c) Ângulo de 30°
Como 30° + 60° = 90° (30° e 60° são com-
plementares), temos:

b) Ângulo de 60º
Consideremos um triângulo eqüilátero cujo
lado mede a unidades (ver figura abaixo).
Como todo triângulo eqüilátero é também
eqüiângulo, cada um de seus ângulos me- Observação – Os valores encontrados não de-
de 60°. pendem do valor de a.

18
Matemática Elementar IV – Razões trigonométricas no triângulo

Essas razões trigonométricas podem ser co-


locadas numa tabela de dupla entrada:

θ sen θ cos θ tg θ

30º

45º 1

60º
Solução:
Temos:
Exemplos:

1. Um foguete é lançado a 200m/s, segundo um


ângulo de inclinação de 60° (ver figura). De- x = 50 . ⇒ x ≈ 86,7m.
terminar a altura do foguete após 4s, supondo
a trajetória retilínea e a velocidade constante. 2.3 Como calcular os valores das razões trigo-
nométricas com o auxílio de calculadora
científica ou da tábua trigonométrica
Vimos exemplos apenas com ângulos que co-
nhecemos os valores trigonométricos, casos
particulares (30°, 45° e 60°).
Veremos como calcular as razões trigonomé-
tricas de um ângulo agudo qualquer.
Para usar uma calculadora científica, é neces-
sário primeiramente dar uma boa lida no ma-
nual de instruções para saber quais teclas
serão utilizadas em seus cálculos.
Tenha o cuidado de verificar a unidade de me-
dida de ângulos com que a calculadora está
operando, ou seja, se o “modo” está em graus
ou não.
Solução:
As calculadoras usam as seguintes teclas:
Após 4s, ele percorre 4.(200m) = 800m . Seno – sin para encontrar o seno do ângulo
Temos que: que está no visor; sin–1 para encontrar o ângu-
lo cujo seno está mostrado no visor.
Cosseno – cos para encontrar o co-seno do
ângulo que está no visor; cos–1 para encontrar
A altura é aproximadamente 692,8m. o ângulo cujo cosseno está mostrado no visor.

2. Uma pessoa está na margem de um rio, onde Exemplos:


existem duas árvores (B e C na figura). Na ou- 1. Calcular sen 42°.
tra margem, em frente a B, existe uma árvore A, Solução:
vista de C segundo um ângulo de 30°, com Verifique se o “modo” está em DEG; se não
relação a B. Se a distância de B a C é de 150m, estiver, coloque-o. Depois digite 42 e pressione
Qual é a largura do rio, nesse trecho? sin. Deverá aparecer 0,6691 (aproxim.).

19
UEA – Licenciatura em Matemática

2. Sendo^ A um ângulo de um triângulo retângulo Exemplos:


tal que cos ^
A = 0,8290, determinar quantos 1. Calcular:
graus mede o ângulo ^
A.
a) sen 71º
Solução:
b) cos 50º
Verifique o “modo”, digite 0,8290 e pressione Solução:
sin–1. Aparecerá 42° (aproxim.)
a) O ângulo de 71° não consta em nossa
Veremos como operar, no caso de não poder- tábua, pois ela só vai até 45°. Mas sen
mos contar com este recurso. 71º = cos 19º (ângulos complementares)
Para isso, necessitamos da seguinte tábua, na Esse valor está na tábua.
qual apareçam os senos e cossenos dos ân-
Como cos 19º = 0,9455, temos que
gulos de 1° a 45°.
sen 71º = 0,9455
Tábua dos senos e cossenos b) O ângulo de 50° também não consta na
tábua, mas cos 50º = sen 40º e como
sen 40º = 0,6428, temos que cos 50º = 0,6428

2. Calcular tg 23º.
Solução:
Na tábua, não existe coluna referente à tan-
gente (há tábuas que possuem). No entanto
temos que:

1. Determine o seno, o cosseno e a tangente do


maior ângulo agudo de um triângulo ABC,
onde a, b e c são as medidas dos seus lados,
nos casos:
a) a = 4cm, b = 8cm e o ângulo ^
C é reto.
b) a = 4cm, b = 8cm e o ângulo ^
B é reto.

2. O perímetro de um triângulo retângulo mede


264m e a hipotenusa mede 110m. Qual o seno
do menor ângulo agudo desse triângulo?

3. Um triângulo retângulo ABC é reto em ^ B. Sa-


be-se que tg A = 1 e que um dos catetos mede
15cm. Ache o perímetro do triângulo.

4. Sendo α e β as medidas dos ângulos agudos


de um triângulo retângulo, determine:
a) cos α, sen β, cos β, tg α e tg β, sabendo que

20
Matemática Elementar IV – Razões trigonométricas no triângulo

b) sen α, cos α, sen β, tg α e tg β, sabendo que a) 12m


. b) 33,3m
c) 17m
5. Em um triângulo retângulo um ângulo agudo d) 66,6m
mede 30°, e o lado oposto a esse ângulo mede
e) 50m
120m. Calcule quanto mede cada um dos ou-
tros lados.
4. (COVEST–89) Um barco atravessa um rio num
trecho onde a largura é 100m seguindo uma
6. A hipotenusa de um triângulo retângulo mede
direção que forma um ângulo de 30° com uma
60m, e um dos seus ângulos mede 60°. De-
das margens. Assinale a alternativa certa para
termine o perímetro desse triângulo.
a distância percorrida pelo barco para atra-
vessar o rio.
7. O menor cateto de um triângulo retângulo me-
de 15cm e o maior dos ângulos agudos mede a) 100m
60°. Ache a hipotenusa. b) 200m

8. Utilizando a tábua de senos e co-senos, cal- c) m


cule:
d) 150m
a) sen 39º b) cos 16º
e) 250m
c) sen 70º d) cos 85º
e) tg 47º f) tg 29º 5. Uma rampa lisa de 20m de comprimento faz
um ângulo de 30° com o plano horizontal. Uma
pessoa que sobe a rampa inteira eleva-se ver-
ticalmente:
a) 17m
b) 10m
1. Sabendo que sen 15º ≅ 0,2588, podemos dizer c) 15m
que cos 75º (aprox.), é igual a: d) 5m
a) 0,9659;
e) 8m
b) 0,3256;
c) 0,2588;
d) 0,0872;
e) nenhuma das respostas anteriores.

2. Um terreno triangular tem frentes de 6m e 8m,


em ruas que formam um ângulo de 90°. A me-
dida do terceiro lado do triângulo é igual a:
a) 9m b) 10m
c) 11m d) 12m
e) 13m

3. (CESEP–82) Num terreno de forma triangular


em que o lado maior mede 100m, o maior ân-
gulo entre os lados é 90° e um dos outros dois
ângulos é a metade do outro, seu lado menor
mede:

21
UEA – Licenciatura em Matemática

3.3 Lei dos senos


TEMA 03 Iremos aprender agora uma relação muito im-
portante, envolvendo as medidas dos lados com
os senos dos ângulos de um triângulo. Essa
RESOLUÇÃO DE TRIÂNGULOS relação é chamada lei dos senos.
Mostraremos que ela é verdadeira apenas quan-
3.1 Introdução do um triângulo for acutângulo. Mais adiante,
no momento oportuno, você verá como ela é
Vamos estender para quaisquer triângulos as
aplicada para qualquer tipo de triângulo.
propriedades trigonométricas aplicáveis aos
triângulos retângulos. Trataremos não só de Assim sendo, tomemos um triângulo acutân-
seus lados e tipos de ângulos, mas também de gulo ABC, no qual a, b e c são as medidas de
sua área. Por tratarmos de triângulos obtusân- seus lados, e mostremos que é verdadeira a
gulos, apresentaremos senos e cossenos de seguinte afirmação:
ângulos suplementares. (Lei dos senos)

3.2 Ângulos suplementares Para isso, observe a figura a seguir.


Os valores dos senos de dois ângulos suple- Traçamos a altura relativa ao lado AB.
mentares coincidem, isto é:
sen(180° – x) = sen x, sendo x a medida de um
ângulo de um triângulo.

Exemplo:
Sendo x = 45°, temos:

A figura acima mostra que:

Logo, sen(180º – x) = sen(180º – 45) = sen 135º ⇒

Os valores dos co-senos de dois ângulos su- (1)


plementares diferem apenas no sinal, ou seja:
cos( 180° – x) = – cos x, sendo x a medida de Na figura abaixo, temos o mesmo triângulo com
um ângulo de um triângulo. a altura relativa ao lado BC.

Exemplo:
Sendo x = 60°, temos:

Logo,
cos( 180° – x) = cos( 180° – 60) = cos 120° ⇒ Temos que:

Observação – Para o caso particular de


x = 90°, temos sen 90° = 1 e cos 90° = 0.

22
Matemática Elementar IV – Razões trigonométricas no triângulo

mostremos que é verdadeira a seguinte afir-


(2)
mação:

De (1) e (2), concluímos que é verdadeira a afir- a2 = b2 + c2 – 2 . b . c . cos A


mação: (Lei dos co-senos)
Demonstração:
(Lei dos senos)
No triângulo retângulo CHB, da figura abaixo,
pelo teorema de Pitágoras, temos a2 = h2 + n2,
Exemplo: como h = c – m, podemos escrever que
Na figura abaixo, determinar os valores de x e y. a2 = h2 + (c – m)2.

Solução:
Temos que α + 45° + 60° = 180°, portanto
α = 75°. Como

A lei dos senos permite escrever:


Portanto, como h = b . sen A e m = b . cos A,
temos:
a2 = (b . sen A)2 + (c – b . cos A)2
Nessa igualdade de três razões, podemos en-
contrar os valores das variáveis igualando duas a2 = b2 . sen2 A + c2 – 2 . b . c . cos A + b2 . cos2 A
a duas, de forma que cada igualdade fique . c . cos A
apenas com uma variável.
1. Temos que: Dessa forma, concluímos:
a2 = b2 + c2 – 2 . b . c . cos A
(Lei dos co-senos)
De modo análogo, demonstra-se que:
b2 = a2 + c2 – 2 . a . c . cos B
2. Temos também que: e
c2 = a2 + b2 – 2 . a . b . cos C

Exemplo:
Dado o triângulo ABC (ver figura), determinar
x, α e β.
Então, os lados medem:
x ≅ 7,32cm e y ≅ 8,97cm.

3.4 Lei dos co-senos


Assim com a lei dos senos, a lei dos co-senos
é muito importante para determinação de la-
dos e ângulos de um triângulo.
Consideremos um triângulo acutângulo ABC e

23
UEA – Licenciatura em Matemática

Solução: Exemplo:
Pela lei dos cossenos, temos: Determine, em centímetros quadrados, a área
x2 = 502 + 402 – 2 . 50 . 40 . cos 60° do triângulo representado na figura abaixo.

Substituindo cos 60° por 0,5, obtemos:


x2 = 2100, portanto x ≅ 45,83.
Aplicando a lei dos senos, temos:

Temos:

Com o auxílio de calculadora científica ou con-


sultando a tábua trigonométrica, teremos:
α ≅ 71°. Como sen 30° = 0,5
Como β = 180° – 60° – α, temos que:
β ≅ 180° – 60° – 71°, portanto β ≅ 49°. Logo,

3.5 Cálculo da área de um triângulo em função A = 10cm2


das medidas de dois lados e do ângulo
compreendido por eles.
Para calcular a área do triângulo MNP, vamos
indicar por h a medida da altura relativa ao lado

NP:
1. Dois lados consecutivos de um paralelogramo
medem cm e 2cm e formam entre si um ân-
gulo de 30°. Calcule a medida da maior dia-
gonal desse paralelogramo.

2. Seja ABC um triângulo isósceles tal que


⎯ ⎯
AB = AC = 18cm e , onde α é a medi-

Assim, a área A desse triângulo é dada por: da do ângulo B^AC. Sendo M o ponto médio do
⎯ ⎯ ⎯
lado AB e P o ponto de AC tal que AP = 6cm,
(I) calcule o perímetro do quadrilátero MPCB.

No triângulo MNQ, temos , ou ainda: 3. Dois lados consecutivos de um paralelogramo


h = a . sen α (II) medem 5cm e 10cm e formam entre si um ân-
gulo de 120°. Calcule as medidas das diago-
Substituindo (II) em (I), obtemos a área do tri-
nais desse polígono.
ângulo em função de a, b e α:

4. Um triângulo ABC está inscrito numa circun-



ferência de raio r. A medida do lado BC é igual
ou seja: a r. Calcule a medida do ângulo ^ A.

5. (Vunesp) Os lados de triângulo medem 2


ângu- ,
e3+ .loDetermine a medida do
oposto ao lado de medida .
Observe que esse cálculo foi feito para α < 90°;
porém o resultado vale também para α = 90°
ou α > 90°.

24
Matemática Elementar IV – Razões trigonométricas no triângulo

tivamente, então a tangente do ângulo oposto


1. (Fuvest) Um triângulo ABC é retângulo em ^A. ao menor lado é:
^
Se o seno do ângulo B é 0,8, qual o valor da
a) 2
tangente de ^
C?
a) 0,25 b)
b) 0,50
c) 0,75 c)
d) 1,00
e) 1,25 d)

2. (UEPB) Com uma velocidade constante de e) 3


30km/h, um móvel parte de A e segue numa
direção que forma com a reta um ângulo 6. (UF–PI) Sejam e os ângulos internos de um tri-
de 30°. Após 4h de percurso, a que distância o
ângulo retângulo, satisfazendo a condição
móvel se encontra da reta ?
sen α = 2 sen β. Se a medida do lado oposto
a) 60km ao ângulo α mede 20cm, a medida, em cen-
b) 60 km tímetros, do lado oposto ao ângulo β é:

c) 120km a) 10 b) 20
d) 75km c) 30 d) 40
e) 50km e) 50

3. (UF–PI) Um avião decola, percorrendo uma tra- 7. (Cefet–MG) Uma escada que mede 6m está
jetória retilínea, formando com o solo um ân- apoiada em uma parede. Sabendo-se que ela
gulo de 30° (suponha que a região sobrevoada
forma com solo um ângulo α e que ,
pelo avião seja plana). Depois de percorrer
1000 metros, a altura atingida pelo avião, em a distância de seu ponto de apoio na parede
metros, é: até o solo, em metros, é:
a) 500 a) 4
b) 750 b) 5
c) 1000 c) 2
d) 1250
d) 3
e) 1500
e)

4. (UF–CE) Sejam α e β os ângulos agudos de


8. (UF–PR) Calcule o seno do maior ângulo de um
um triângulo retângulo. Se sen α = sen β e se
triângulo cujos lados medem 4, 6 e 8 metros.
a medida da hipotenusa é 4cm, a área desse
triângulo (em cm2) é:
a) b)
a) 2
b) 4
c) d)
c) 8
d) 12
e)
e) 16
5. (UFAM) Se um cateto e a hipotenusa de um 9. (Mackenzie–SP) Num retângulo de lados 1cm
triângulo retângulo medem 2a e 4a, respec- e 3cm, o seno do menor ângulo formado pelas

25
UEA – Licenciatura em Matemática

diagonais é: um pneu circular cujo diâmetro mede 1m. Quan-


do o pneu tiver dado 100 voltas, o menino terá
a) b) percorrido aproximadamente:
a) 156m
c) d)
b) 314m

e) c) 412m
d) 628m

10. (Unifor–CE) Um terreno de forma triangular tem e) n.d.a.


frentes de 10m e 20m, em ruas que formam,
entre si, um ângulo de 120°. A medida do ter- 15. (UF–CE) Um relógio marca que faltam 15 minu-
ceiro lado do terreno, em metros, é: tos para as 2 horas. Então, o menor dos dois
ângulos formados pelos ponteiros das horas e
a) 10
dos minutos mede:
b) 10
a) 142°30’
c) 10
b) 150°
d) 26
c) 157°30’
e) 20
d) 135°

11. (Unifor–CE) As medidas de dois lados conse- e) 127°30’


cutivos de um paralelogramo são x cm e x
cm, e a diagonal maior tem medida 2xcm.
Então, a medida da outra diagonal, em cen-
tímetros, é igual a:
a) x
b) x
c) x
d) x
e) x

12. (U.F.Ouro Preto–MG) Um ciclista de uma prova


de resistência deve percorrer 500km em torno
de uma pista circular de raio 200m. O número
aproximado de voltas que ele deve dar é:
a) 100 b) 200
c) 300 d) 400
e) 500

13. (UFAM) A medida do menor ângulo central for-


mado pelos ponteiros de um relógio que está
marcando 10h30min, em graus, é:
a) 150 b) 120
c) 105 d) 135
e) 115
14. (PUC–MG) Ao mesmo tempo em que anda em
uma pista, um menino acompanha e faz girar

26
UNIDADE II
Trigonometria na Circunferência
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

Medida de um arco
TEMA 04 A medida de um arco de circunferência é feita
por comparação com um outro arco da mesma
circunferência tomado como a unidade de
ARCOS E ÂNGULOS
arco. Se u for um arco de comprimento unitário
(igual a 1), a medida do arco é o número
4.1 Introdução de vezes que o arco u cabe no arco .

Trabalhamos com várias relações envolvendo Na figura abaixo, a medida do arco é 5


as medidas de lados e ângulos de um triân- vezes a medida do arco u. Denotando a me-
gulo. Entre as relações estudadas, estavam as dida do arco por m( ) e a medida do
razões trigonométricas de ângulos agudos: se- arco u por m(u), temos m( )=5 m(u)
no, cosseno e tangente.
O ramo da matemática que estuda esses tipos
de relações é chamado trigonometria (do gre-
go trígonon, triângulo, e metria, medição, ato
de medir). O vocábulo foi criado em 1595, pelo
matemático alemão Bartholomäus Pitiscus A medida de um arco de circunferência é a
(1561-1613). mesma em qualquer um dos sentidos. A medi-
Nesta unidade, prepararemos o terreno para o da algébrica de um arco AB desta circunfe-
estudo das funções trigonométricas. Essas fun- rência é o comprimento deste arco, associado
ções são muito importantes, pois inúmeros a um sinal positivo se o sentido de A para B for
fenômenos que ocorrem em nossa volta são anti-horário, e negativo se o sentido for horário.
descritos por funções desse tipo. Por exemplo,
ocorre com a eletricidade, com as ondas so- O número pi
noras, com os estudos topográficos, etc.
Para toda circunferência, a razão entre o perí-
metro e o diâmetro é constante. Esta constante
4.2 Arcos e ângulos
é denotada pela letra grega , que é um número
Se um ponto móvel em uma circunferência par-
irracional, isto é, não pode ser expresso como
tir de A e parar em M, ele descreve um arco
a divisão de dois números inteiros. Uma apro-
. O ponto A é a origem do arco, e M é a
ximação para o número é dada por:
extremidade do arco.
π = 3,141592653589793238462643383...
Quando escolhemos um dos sentidos de per-
curso, o arco é denominado arco orientado e
Unidades de Medidas de arco
simplesmente pode ser denotado por se o
sentido de percurso for de A para B e quan- A unidade de medida de arco do Sistema In-
do o sentido de percurso for de B para A. ternacional (SI) é o radiano, mas existem ou-
tras medidas utilizadas pelos técnicos que são
Quando não consideramos a orientação dos
o grau e o grado. Este último não é muito usa-
arcos formados por dois pontos A e B sobre
uma circunferência, temos dois arcos não- ori- do, por isso não falaremos sobre ele..
entados sendo A e B as suas extremidades. Radiano – Medida de um arco que tem o mes-
mo comprimento que o raio da circunferência
na qual estamos medindo o arco. Assim, o arco
tomado como unidade tem comprimento igual
ao comprimento do raio ou 1 radiano, que de-
notaremos por 1 rad.

29
UEA – Licenciatura em Matemática

Observação: 0° = 0 rad.
O grau tem seus submúltiplos. Sabemos que:
1° = 60’ e que 1’ = 60”.
Faremos algumas operações com medidas em
graus, minutos e segundos.

Grau – Medida de um arco que corresponde a


Adição
do arco completo da circunferência na Na adição de duas medidas em graus, minu-
tos e segundos, somamos separadamente, os
qual estamos medindo o arco. Portanto a cir-
graus, os minutos e os segundos.
cunferência tem 360°.
Podemos estabelecer os resultados seguintes:
Exemplos:
1. Efetuar: 32°45’17” + 26°36’50”
Solução:

Podemos expressar esse arco por: 90° ou .

Como 60”= 1’, podemos escrever 67’ = 1’7”.


Logo, 58° 82’ 67” = 58° 82’ 7”
Temos, ainda, que 60’ = 1°, o que nos permite
escrever 82’ = 1°22’.
Temos a metade da circunferência que cor- Logo, 58° 81’ 7” = 28° 22’ 7”
responde a 180° ou π rad
Subtração:
2. Efetuar: 53° 26’ 17” – 53° 34’ 15”
Solução:

3. Considerando-se um relógio com ponteiro das


Corresponde 270° ou rad. horas e dos minutos, calcular:
a) O deslocamento do ponteiro das horas em
1 hora.
b) O deslocamento do ponteiro das horas em
1 minuto.
c) O deslocamento do ponteiro dos minutos
em 1 hora.
d) O deslocamento do ponteiro dos minutos
em 1 minuto.
Temos uma volta completa na circunferência, e) O menor arco determinado pelos ponteiros
que corresponde 360° ou 2πrad. quando for 3h10min.

30
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

Solução:
a) Veja o que ocorre, por exemplo, das 3h às
4h.

Às 3h, o arco das horas era de 3 . 30, ou


seja 90°.
Nos 10min, o ponteiro das horas deslocou-
O mostrador está dividido em 12 partes
se 10 . 0,5º grau, ou seja, 5° (aumentou o
iguais; para cada hora, corresponderá um
arco).
deslocamento de 360 dividido por 12, ou
Nos mesmos 10min, o ponteiro dos minutos
seja, em 1 hora o ponteiro das horas deslo-
deslocou-se 10 . 6°, ou seja, 60°. Para
ca-se 30°.
encontrarmos o arco procurado, efetuamos
b) Sabemos que em 1 hora (60 min) o ponteiro uma subtração do percurso feito pelo pon-
das horas se desloca 30°. Efetuamos, teiros das horas com o percurso feito pelo
então, uma regra de três simples e direta: ponteiro dos minutos.
Tempos (min) Deslocamento (graus) Temos: (90° + 5°) – 60° = 35°
60 → 30 Então, o menor arco às 3h10min mede 35°.
1 → x
Conversão de Graus para radiano e vice-
Temos que:
versa.
Dado um arco em graus, para conhecermos
seu valor em radianos, ou vice-versa, usaremos
Então, em cada minuto o ponteiro das ho- a relação (considerada mais simples):
ras desloca-se 0,5°. 180° - - - - - - - - π rad
c) Em 1 hora, o ponteiro dos minutos dá uma
volta completa, ou seja, o deslocamento é Exemplos:
de 360°. 1. Para determinar a medida em radianos de um
arco de medida 60 graus, fazemos:
d) Em 1 hora (60 min), o ponteiro dos minutos
se desloca 360°. Temos a regra de três sim- Solução:
ples e direta: 180° - - - - - - - - π rad
Tempos (min) Deslocamento (graus) 60° - - - - - - - - - x
60 → 360 Como é uma regra de três simples e direta,
1 → x podemos escrever:

Temos que: rad.

2. Determinar a medida em graus de um arco de


medida 1 radiano.
Então, em cada minuto o ponteiro dos mi-
nutos desloca-se 6°. Solução:

d) Vamos analisar o que ocorre desde as 3h 180° - - - - - - - - π rad


até 3h10min. x - - - - - - - - - - 1 rad

31
UEA – Licenciatura em Matemática

2. Numa circunferência que tem 28cm de diâme-


Temos que: tro, um arco tem 12cm de comprimento. Qual
é a medida (em rad) do ângulo central corre-
(como π ≅ 3,14), x ≅ 57,32° spondente?

4.3 Medida de um ângulo central


Um ângulo, com vértice no centro de uma cir-
cunferência, é chamado de ângulo central.
A figura abaixo mostra o ângulo central A^
OB.

Solução:
Se o diâmetro mede 28cm, então o raio mede
14cm. Temos a seguinte regra de três simples
e direta:
Ângulo central (rad) Comprimento do arco (cm)
O número que exprime a medida de um ângu-
2.π 2 . π . 14
lo A^
OB (central) é o mesmo que exprime a
medida do arco . Assim, se a medida do x 12
arco for em graus, o ângulo terá sua medida Temos que:
em graus; se a medida do arco for em radianos,
o ângulo terá sua medida em radianos.

Portanto o ângulo central mede aproximada-


Exemplos:
mente 0,86rad.
1. A circunferência abaixo tem 8cm de raio. Um
inseto parte do ponto A e anda sobre ela até o 3. Determinar quanto mede o raio de uma circun-
ponto B. Sabendo que a medida do ângulo ferência, sabendo que um arco que mede
central A^OB é 60°, determinar quantos cen-
10cm corresponde a um ângulo central de
tímetros andou o inseto.
radianos.
Solução:
Ângulo central (rad) Comprimento do arco (cm)
2.π 2.π.r
10

Temos que:
Solução:
Lembrando que o comprimento da circunfe-
rência é C = 2 . π . r e que o raio r = 8cm, te-
mos a seguinte regra de três simples: Portanto o raio da circunferência mede 12cm.
Ângulo central comprimento do arco
360° ----------------------------------- 2 . π . 8
60° ----------------------------------- x
Então:
1. Efetue:
a) 50º 35’ 40” + 27º 30’ 35”
O inseto andou aproximadamente 8,37cm. b) 30º – 23º 7’ 30”

32
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

2. Exprima em radianos: c) d)
a) 60° c) 270°
b) 120° d) 330° e)

3. Usando π = 3,14, determine:


2. O ângulo agudo formado pelos ponteiros de
a) O comprimento de um arco de circunferên-
um relógio quando ele marca 1h20min é:
cia (em cm), sabendo que ela tem 12cm de
raio, e o ângulo central correspondente mede a) 120°
20°. b) 110°
b) O ângulo central (em rad) correspondente a c) 100°
um arco de 15cm de comprimento, saben-
d) 90°
do que ela tem raio de 20cm.
e) 80°
c) A medida do raio de uma circunferência (em
cm), sabendo que nela um ângulo central
3. (UFPI) Supondo que o movimento dos ponteiros
de 15° corresponde a um arco de 30cm.
de um relógio seja contínuo (não aos saltos), o
ângulo que esses ponteiros formam quando o
4. A roda dianteira de uma bicicíeta tem 40cm de
relógio marca 11 horas e 45 minutos é:
raio.
a) 60°30’
a) Quantos metros ela percorre ao dar 5000
voltas? b) 72°

b) Quantas voltas ela deve dar para percorrer c) 60°


9420m? d) 82°30’
e) 85°
5. Quando Pedrinho comprou sua bicicleta, o
pneu era bem borrachudo e tinha 35cm de
raio. Nessa época, para ir de sua casa à esco- 4. (Faap–SP) Dois ciclistas percorrem, no mesmo
la, o pneu girava 345 vezes. Depois de muito sentido, uma pista circular de 50 metros de diâ-
uso, o pneu ficou “careca”, tendo perdido 0,5 metro. A cada volta, o primeiro percorre 2,5m a
cm de sua casca. Quantas vezes a roda da mais do que o segundo. Supondo que man-
bicicleta deverá girar para fazer o mesmo traje- tenham o mesmo ritmo, o primeiro ciclista terá
to, agora com pneu “careca”? (Usar π = 3,14) percorrido 1 radiano a mais do que o segundo
após:
6. Numa pista de autorama, uma curva tem 60cm a) 20 voltas;
e é arco de uma circunferência. Se o ângulo
b) 15 voltas;
central correspondente é de , determine
c) 10 voltas;
o raio da circunferência. d) 5 voltas;
e) 2,5 voltas.

1. (Fesp–SP) A medida em radianos de uma arco


de 12° é:

a) b)

33
UEA – Licenciatura em Matemática

Os quadrantes são usados para localizar pon-


tos e a caracterização de ângulos trigonomé-
TEMA 05
tricos. Por convenção, os pontos situados so-
bre os eixos não pertencem a qualquer um dos
CICLO TRIGONOMÉTRICO quadrantes.

5.2 Arcos com mais de uma volta


5.1 Noções gerais
Em Trigonometria, algumas vezes precisamos
Considere uma circunferência de raio unitário
considerar arcos cujas medidas sejam maiores
com centro na origem de um sistema carte-
do que 360°. Por exemplo, se um ponto móvel
siano ortogonal e o ponto A=(1,0). O ponto A
parte de um ponto A sobre uma circunferência
será tomado como a origem dos arcos orien-
no sentido anti-horário e para em um ponto M,
tados nessa circunferência, e o sentido posi-
ele descreve um arco . A medida desse
tivo considerado será o anti-horário. A região
arco (em graus) poderá ser menor ou igual a
contendo essa circunferência e todos os seus
pontos interiores é denominada círculo trigo- 360° ou ser maior do que 360°. Se essa medi-
nométrico. da for menor ou igual a 360°, dizemos que esse
arco está em sua primeira determinação.

Acontece que o ponto móvel poderá percorrer


Nos livros de língua inglesa, a palavra “círculo”
refere-se à curva envolvente da região circular, a circunferência uma ou mais vezes em um
enquanto circunferência de círculo é a medida determinado sentido, antes de parar no ponto
dessa curva. No Brasil, a circunferência é a M, determinando arcos maiores do que 360°
curva que envolve a região circular. ou arcos com mais de uma volta. Existe uma
infinidade de arcos mas com medidas diferen-
Os eixos OX e OY decompõem o círculo trigo-
tes, cuja origem é o ponto A e cuja extremi-
nométrico em quatro quadrantes, que são enu-
dade é o ponto M.
merados como segue:
Seja o arco , cuja primeira determinação
tenha medida igual a m. Um ponto móvel que
parta de A e pare em M pode ter várias me-
didas algébricas, dependendo do percurso.

1.° Quadrante – abscissa: positiva; ordenada:


positiva; 0° < ângulo < 90°

2.° Quadrante – abscissa: negativa; ordenada:


positiva; 90° < ângulo < 180°

3.° Quadrante – abscissa: negativa; ordenada:


negativa; 180° < ângulo < 270°
4.° Quadrante – abscissa: positiva; ordenada:
negativa; 270° < ângulo < 360°

34
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

Se o sentido for o anti-horário, o ponto M da


k = –3
circunferência trigonométrica será extremidade
de uma infinidade de arcos positivos de medi-
k = –4
das algébricas.
m, m + 2π, m + 4π, m + 6π... ...
Se o sentido for o horário, o ponto M será ...
extremidade de uma infinidade de arcos nega-
tivos de medidas algébricas. k = –n

m – 2π, m – 4π, m – 6π...


5.3 Arcos côngruos e ângulos
Temos, assim, uma coleção infinita de arcos com
extremidade no ponto M. Arcos côngruos – Dois arcos são côngruos se
a diferença de suas medidas é um múltiplo de
Generalizando esse conceito, se m é a medida
2π.
da primeira determinação positiva do arco AM,
Exemplo: Arcos de uma mesma família são
podemos representar as medidas desses arcos
arcos côngruos.
por: µ( ) = m + 2 . k . π, onde k é um
número inteiro. Ângulos – As noções de orientação e medida
algébrica de arcos podem ser estendidas para
Família de arcos – Uma família de arcos { }
ângulos, uma vez que cada arco da cir-
é o conjunto de todos os arcos com ponto ini- cunferência trigonométrica corresponde a um
cial em A e extremidade em M. ângulo central determinado pelas semi-retas
→ →
Exemplo: OA e OM.

Se um arco de circunferência tem origem em A Como no caso dos arcos, podemos considerar
e extremidade em M, com a primeira determi- dois ângulos orientados: um positivo (sentido
anti-horário) com medida algébrica a corres-
nação positiva medindo , então os arcos pondente ao arco e outro negativo (sen-
tido horário) com medida b = a – 2π corres-
desta família { }, medem:
pondente ao arco .
Determinações positivas:
Existem também ângulos com mais de uma
volta, e as mesmas noções apresentadas para
k=0 arcos aplicam-se para ângulos.

k=1

k=2

k=3

...
... 5.4 Arcos de mesma origem, simétricos em
relação ao eixo OX.
k=n
Sejam os arcos e na circunferência
Determinações negativas:
trigonométrica, com A=(1,0) e os pontos M e
M' simétricos em relação ao eixo horizontal OX.
k = –1
Se a medida do arco é igual a m, então a
medida do arco é dada por:
k = –2
µ( ) = 2π – m.

35
UEA – Licenciatura em Matemática

Exemplos:
1. Obter a primeira determinação positiva dos
arcos cujas medidas são:
a) 125° b) 1250°

c) d) 380°30’

5.5 Arcos de mesma origem, simétricos em Solução:


relação ao eixo OY. a) 125°
Sejam os arcos e na circunferência Como 0° < 125° < 360°, então a primeira
trigonométrica com A=(1,0) e os pontos M e M' determinação positiva é 125°.
simétricos em relação ao eixo vertical OY. Se a b) 1250°
medida do arco for igual a m, então a
Observando que cada 360° corresponde a
medida do arco será dada pela expressão
uma volta no ciclo, temos que:
µ( ) = π – m.

portanto 1250º = 3 . 360 + 170º.


Então, a primeira determinação positiva é 170°.

c)

Lembrando que cada 2π rad corresponde a


uma volta no ciclo, temos:
Os arcos da família { }, isto é, aqueles com
origem em A e extremidade em M', medem:
µ( )= 2kπ + π – m = (2k + 1)π – m, em que
assim sendo, a primeira determinação po-
k é um número inteiro.
sitiva é .
5.6 Arcos de mesma origem, simétricos em
c) 380°30’
relação à origem.
Temos que:
Sejam os arcos e na circunferência
trigonométrica com A=(1,0) e os pontos M e M' Então, a primeira determinação positiva é
simétricos em relação a origem (0,0). 20°30’.
2. Calcular a primeira determinação positiva, e a
primeira determinação negativa dos arcos cujas
medidas são:
a) –45° b) 400°
c) –800° d)

Solução:
Se a medida do arco é igual a m, então a a) –45°
medida do arco é dada por: Essa é a primeira determinação negativa.
µ( )= π + m. Como a primeira determinação negativa do
arco trigonométrico µ(AM) = m + k . 360º,
Arcos genéricos com origem em A e extremi- com k ∈ , ocorre quando k = –1, temos
dade em M' medem: que:
µ( )= 2kπ + π + m = (2k + 1)π + m –45º = m – 1 . 360 ⇒ m = 360º – 45º = 315º

36
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

Então a primeira determinação positiva é 315° Como cada –2π rad corresponde a uma
e a primeira determinação negativa é –45°. volta no ciclo, dada no sentido negativo,
Veja a ilustração: temos que:

Assim, é a primeira determinação

b) 400° negativa. Como no arco trigonométrico


µ(AM) = 40° + k . 2π, com k ∈ , a primei-
Temos que 400° = 360° + 40°.
ra determinação negativa ocorre quando k
Assim sendo, a primeira determinação posi- = –1, temos:
tiva é 40°.
O arco trigonométrico é, portanto:
concluí-
µ(AM) = 40° + k . 360º, com k ∈ , mos que a primeira determinação
Como a primeira determinação negativa positiva é e a primeira determinação
ocorre quando k = –1, temos:
m = 40° – 360° = –320° negativa é .
Dessa forma, concluímos que a primeira
determinação positiva é 40° e a primeira
determinação negativa é –320°.
Veja a ilustração:

1. Dê a primeira determinação positiva e a primei-


ra dos arcos cujas medidas são:
a) 54°
c)

b) 840°
c) –800°
Note que cada -360° corresponde a uma d)
volta no ciclo, dada no sentido negativo.
Então:
2. Calcule a primeira determinação negativa dos
arcos cujas medidas são:

Assim, a primeira determinação negativa é a) 64°


–80°. b) 540°24’
Como no arco trigonométrico µ(AM) = m +
c)
k . 360º, com k ∈ , a primeira determi-
nação negativa ocorre quando k = –1, d)
temos:
–80° = m – 360° ⇒ m = 360° – 80° = 280°
3. Obtenha a primeira determinação positiva e a
primeira determinação negativa dos arcos de
d)
medidas:

37
UEA – Licenciatura em Matemática

a) –100°
b) –800° TEMA 06
SENO, COSSENO E TANGENTE
c)

d) 6.1 Seno e co-seno


Dada uma circunferência trigonométrica con-
4. No arco trigonométrico µ = m + 2 . k . π, k ∈ ,
tendo o ponto A=(1,0) e um número real x,
calcule:
existe sempre um arco orientado sobre
a) a primeira determinação negativa, se a pri- essa circunferência, cuja medida algébrica cor-
meira determinação positiva for . responde a x radianos.
Seno – No plano cartesiano, consideremos
b) a primeira determinação positiva primeira uma circunferência trigonométrica, de centro
determinação negativa for . em (0,0) e raio unitário. Seja M=(x',y') um ponto
dessa circunferência, localizado no primeiro
quadrante; este ponto determina um arco
5. No arco trigonométrico µ = m + 2 . k . π, k ∈ , que corresponde ao ângulo central a. A proje-
calcule: ção ortogonal do ponto M sobre o eixo OX
a) a primeira determinação negativa, se a pri- determina um ponto C=(x',0) e a projeção or-
meira determinação positiva for 145°. togonal do ponto M sobre o eixo OY determina
outro ponto B=(0,y').
b) a primeira determinação positiva, se a pri- ⎯
meira determinação negativa for –240°. A medida do segmento OB coincide com a or-
denada y' do ponto M e é definida como o seno
do arco que corresponde ao ângulo a,
denotado por sen( ) ou sen(a).

Como temos várias determinações para o mes-


mo ângulo, escreveremos:
sen( ) = sen(a) = sen(a + 2kπ) = y’
Para simplificar os enunciados e as definições
seguintes, escreveremos sen(x) para denotar o
seno do arco de medida x radianos.
Cosseno

Como antes, existem várias determinações para

38
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

este ângulo, razão pela qual, escrevemos: ponto M = (x, y) possui abscissa negativa e
cos( ) = cos(a) = cos(a + 2kπ) = x’ ordenada positiva, o sinal do seno do ângulo a
no segundo quadrante é positivo, o co-seno
6.2 Tangente do ângulo a é negativo e a tangente do ângu-
lo a é negativa.
Seja a reta t tangente à circunferência trigo-
nométrica no ponto A=(1,0). Tal reta é perpen-
dicular ao eixo OX. A reta que passa pelo ponto
M e pelo centro da circunferência intercepta a
reta tangente t no ponto T=(1,t'). A ordenada
deste ponto T é definida como a tangente do
arco correspondente ao ângulo a.

Outro caso particular importante é quando o

ponto M está sobre o eixo vertical OY ( )e

neste caso:

, e
Assim, a tangente do ângulo a é dada pelas
suas várias determinações:
6.5 Arcos no terceiro quadrante
tg( ) = tg(a) = tg(a + kπ) = t’
O ponto M=(x,y) está localizado no terceiro
quadrante, o que significa que o ângulo per-
6.3 Ângulos no segundo quadrante
Arcos no primeiro quadrante tence ao intervalo: . Este ponto
Podemos escrever M = ((cos a), (sen a)) e M = (x,y) é simétrico ao ponto M'=(-x,-y) do
T = (1, tag(a)), para cada ângulo a do primeiro primeiro quadrante, em relação à origem do
quadrante. O seno, o cosseno e a tangente sistema, indicando que tanto a sua abscissa
de ângulos do primeiro quadrante são todos qaunto a sua ordenada são negativos. O seno
positivos.
e o co-seno de um ângulo no terceiro qua-
Um caso particular importante é quando o pon- drante são negativos, e a tangente é positiva.
to M está sobre o eixo horizontal OX. Nesse
caso:
cos(0)=1, sen(0) = 0 e tg(0) = 0
Ampliaremos essas noções para ângulos nos
outros quadrantes.

6.4 Arcos no segundo quadrante


Se, na circunferência trigonométrica, tomamos Em particular, se a = π radianos, temos que:
o ponto M no segundo quadrante, então o ân-
⎯ cos π = –1, sen π = 0 e tg π = 0
gulo a entre o eixo OX e o segmento OM
pertence ao intervalo . Do mesmo 6.6 Arcos no quarto quadrante.
modo que no primeiro quadrante, o co-seno O ponto M está no quarto quadrante,
está relacionado com a abscissa do ponto M e
. O seno de ângulos no quarto
o seno com a ordenada deste ponto. Como o

39
UEA – Licenciatura em Matemática

quadrante é negativo, o cosseno é positivo


e a tangente é negativa.

Sejam A=(1,0) um ponto da circunferência, a o


ângulo correspondente ao arco e b o ân-
Quando o ângulo mede , a tangente não gulo correspondente ao arco . Desse mo-
do:
está definida, pois a reta não intercepta a
sen(b) = sen(a)
reta t, estas são paralelas. Quando ,
cos(b) = –cos(a)
temos: tg(b) = –tg(a)

6.8 Simetría em relação à origem.


,
Seja M um ponto da circunferência trigonomé-
6.7 Simetria em relação ao OX e OY trica localizado no primeiro quadrante, e seja
M’ simétrico de M em relação à origem; estes
Em uma circunferência trigonométrica, se M é
pontos M e M' possuem ordenadas e abscis-
um ponto no primeiro quadrante e M' o simé-
sas simétricas.
trico de M em relação ao eixo OX, estes pontos
M e M' possuem a mesma abscissa e as orde-
nadas possuem sinais opostos.

Sejam A=(1,0) um ponto da circunferência, a o


ângulo correspondente ao arco e b o ân-
gulo correspondente ao arco . Desse modo:
Sejam A=(1,0) um ponto da circunferência, a o sen(b) = –sen(a)
ângulo correspondente ao arco e b o ân-
cos(b) = –cos(a)
gulo correspondente ao arco , obtemos:
tg(b) = tg(a)
sen(b) = –sen(a)
cos(b) = cos(a)
6.9 Seno e co-seno de ângulos notáveis
tg(b) = –tg(a)
Uma maneira de obter o valor do seno e co-
Seja M um ponto da circunferência trigonomé- seno de alguns ângulos que aparecem com
trica localizado no primeiro quadrante, e seja muita frequência em exercícios e aplicações,
M' simétrico a M em relação ao eixo OY, estes sem necessidade de memorização, é por
pontos M e M' possuem a mesma ordenada, e meio de simples observação no círculo
as abscissa são simétricas. trigonométrico.

40
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

4. Sabendo que , qual é o valor do co-

seno de:

a) b)

5. Qual é o sinal de cada uma das expressões:


a) y1 = sen 45º + cos 45º

b)

6. Calcule as expressões:

Exemplos: a)

a) b)

b)

c) 7. Sabendo que , qual é o valor da


tangente de:
d)

a)
e)

b)
f)

1. Calcule as expressões:

a)

b)

2. Sabendo que , qual é o valor do


seno de:
a) b)

3. Calcule as expressões:
a)

b)

41
UEA – Licenciatura em Matemática

7.2 Relações entre as razões trigonométricas

TEMA 07 A figura abaixo mostra um ciclo trigonométrico,


no qual foi destacado um arco que mede
x rad.
RAZÕES RECÍPROCAS DO SENO, CO-
SENO, DA TANGENTE E OUTRAS
RELAÇÕES.

7.1 Cotangente, secante e cossecante de um


arco trigonométrico
Essas três novas relações têm relativa impor-
tância na trigonometria, pois sempre que exi-
gidas podem ser substituídas por expressões
em seno, cosseno e tangente.
Indicamos a cotangente de um arco α, a se-
cante de α e a cossecante de α pelos símbo- O triângulo retângulo OMM1 fornece-nos:
los cotg α, sec α e cosec α, respectivamente.
Definições:

, para sen α ≠ 0;

, para cos α ≠ 0;

, para sen α ≠ 0;

Observe, pela definição de cotg α, que, se Aplicando o teorema de Pitágoras, obtemos a


além de sen α ≠ 0 tivermos também cos ≠ 0, relação fundamental:
então: sen2 x + cos2 x = 1
Analisando agora, o triângulo retângulo OAT
fornece-nos:

Exemplos:
1. Calcular:
a) cotg 30º
b) sec 180º
c) cosec 90º
Solução:

a) Os triângulos OMM1 e OAT são semelhantes,


pois possuem ângulos de mesma medida. As-
sim sendo, seus lados homólogos são propor-
b) cionais. Portanto:

c)

42
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

Como x é do 2.o quadrante, o valor do co-


, esta relação é verdadeira
seno é negativo.
para todo x tal que cos ≠ 0.
Portanto: .
Sabendo, portanto, que OT = sec x, temos:
b) tg α =?
Temos que:

2. Sendo tg x = com , determinar

cos x.
Aplicando teorema de Pitágoras no triângulo
Solução:
retângulo OAT, encontramos:
Temos que 1 + tg2 x = sec2 x.
1 + tg2 x = sec2 x
A relação acima é verdadeira sempre que as
razões envolvidas existam, ou seja, quando M Então: 1 + ( )2 = sec2 x = 1 + 2 + 3 ⇒
não coincidir com B ou com B1.
Além disso, temos:
Como o co-seno é negativo no 3.º quadrante,

temos:

Logo, 1 + cotg2 x = cos sec2 x


Relações desse tipo, que fornecem sentenças
numéricas verdadeiras para qualquer valor de 1. Calcule as expressões:
x, são chamadas de identidades.
a)

Exemplos:
b)
1. Sabendo que , com , deter-

mine:
2. Sabendo que , qual é o valor da
a) cos α
co-tangente de:
b) tg α
c) sec α a) b)
Solução:
a) cos α = ? 3. Sabendo que , qual é o valor da se-

Temos que : cante de:

a)

b)

43
UEA – Licenciatura em Matemática

4. Qual é o sinal de cada uma das expressões:


a) y1 = sec 269º + sen 178º TEMA 08

b)
REDUÇÃO AO 1.º QUADRANTE
Vamos deduzir fórmulas para calcular as ra-
5. Sabendo que , qual é o valor zões trigonométricas de x, com x não perten-
cente ao 1.o Quadrante, relacionando com al-
da secante de:
gum elemento do 1.o quadrante. A meta é ficar
conhecendo sen x, cos x e tg x a partir de uma
a)
tabela que dê as razões circulares dos reais

b) entre .

6. Qual é o sinal de cada uma das expressões: 8.1 Redução do 2.o ao 1.o quadrante
a) y1 = cos91º + cosec 91º Dado o número real x tal que , seja P
b) y2 = sen 107º + sec 107º a imagem de x no ciclo (ou seja, = x). Seja
P’ o ponto do ciclo, simétrico de P em relação
ao eixo dos senos.

Temos:
+ ’ = π (no sentido anti-horário) e,
como = ’, vem: + ’ = π, portan-
to ’ = π – x.
Podemos concluir que:
sen x = sen(π – x)
cos x = –cos(π – x)
Levando em conta as relações fundamentais,
também temos que:

cot gx = –cot g (π – x)
sec x = –sec(π – x)
cosec x = cosec(π – x)

Exemplos:
sen 115º = sen(180º – 115º) = sen 65º
cos 120º = –cos(180º – 120º) = –cos 60º

44
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

8.2 Redução do 3.o ao 1.o quadrante

Dado o número real x tal que , seja P

a imagem de x no ciclo (ou seja, = x). Seja Temos:


P’ o ponto do ciclo, simétrico de P em relação + ’ = 2π (no sentido anti-horário) e,
ao centro. como ’= , vem: + = 2π, por-
tanto ’ = 2π – x.
Podemos concluir que:
sen x = –sen(2π – x)
cos x = cos(2π – x)
Em conseqüência, temos:

cotgx = –cotg(2π – x)
Temos:
sec x = sec(2π – x)
– ’ = π (no sentido anti-horário), por- cosec x = –cosec(2π – x)
tanto ’ = x – π.
Podemos concluir que: Exemplos:

sen x = –sen(x – π) sen 280º = –sen(360º – 280º) = –sen 80º

cos x = –cos(x – π) cos 340º = cos(360º – 3400º) = cos 20º

Em conseqüência, temos:

cotgx = cotg(x – π)
sec x = –sec(x – π)
8.4 Redução de a
cosec x = –cosec(x – π)
Exemplos: , seja P
Dado o número real x tal que
sen 115º = sen(180º – 115º) = sen 65º
a imagem de x no ciclo (ou seja, AP = x). Seja
cos 225º = –cos(225º – 180º) = –cos 45º P’ o ponto do ciclo, simétrico de P em relação
à bissetriz do 1.o quadrante.

8.3 Redução do 4.o ao 1.o quadrante


Dado o número real x tal que , seja

P a imagem de x no ciclo (ou seja, AP = x).


Seja P’ o ponto do ciclo, simétrico de P em
relação ao eixo dos co-senos.

45
UEA – Licenciatura em Matemática

Temos: (no sentido anti-horário) e, 2. Sabendo que e , calcule:

como = ’, vem: , então


a) cos x b)
.
c) d)
Considerando a congruência de triângulos
OPP2 e OP’P’1 , temos:
e) f)

g)

Em conseqüência, temos: 3. Calcule:

01. (Cefet–MG) Os valores de x, de modo que a ex-

pressão exista, são:

Exemplos:
a) –1 ≤ x ≤ 1
sen 71º = cos(90º – 71º) = cos 19º
b) –2 ≤ x ≤ 2
cos 60º = sen(90º – 60º) = sen 30º
c) –1 ≤ x ≤ 2
tg 50º = cotg(90º – 50º) = cotg 40º
d) 1 ≤ x ≤ 2
e) 1 ≤ x ≤ –1 ou 1 ≤ x ≤ 2

02. (EU–CE) Se ,

então n2 + 1 é igual a:
a) 2

b)

1. Reduza ao intervalo . c) 4

d)
a) sen 261º b)
e) 5
c) d)
03. (Unifor–CE) Sendo e ,

conclui-se que, dos intervalos abaixo, o único


e)
ao qual x pode pertencer é:

46
Matemática Elementar IV – Trigonometria na Circunferência

a) 2 sec x
a)
b) 2 cosec x
b) c) 2 sec2 x
d) 2 cos x
c) e) cos x

7. (FMU/Fiam/Faam–SP) Sabendo que tg α = 2e


d)
que α é um arco do 3º quadrante, sen α vale:
e) n.d.a.
a) b)
04. (UFAM) A área do triângulo mostrado a seguir
é: (sendo )
c) – d)

e) –

8. (Ucsal–BA) Se x e y são números reais tais que


, então y é igual a:

a) a) 2 . sec x . tg x
b) 2 . sen x . cos x
b) 3 c) 2 . cos2 x
d) 2 . sec x
c) 12
e) sen x

d)

e) 4

05. (unifor–CE) O valor de tg 150º + 2 sen 120º – cos


330º é igual a:
a)

b)

c)

d)

e)

06. (UF–AM) Quando simplificamos a expressão


, obtemos:

47
UNIDADE III
Funções Circulares e Identidades
Matemática Elementar IV – Funções Circulares e Identidades

Temos, então, definida a seguinte correspon-


dência:
TEMA 09
A todo número real x está associado um único
ponto P da circunferência trigonométrica.
FUNÇÃO SENO
9.3 Função seno
9.1 Introdução Na circunferência trigonométrica dada abaixo,
Vamos estudar as seis razões trigonométricas seja P o ponto associado a um número real x;
do ponto de vista das funções. Para um bom P1 é a projeção ortogonal de P em Oy. Sabe-
entendimento, devemos ter um conhecimento mos que a ordenada OP1 do ponto P é o seno
razoável das definições e propriedades que ca- do arco de medida algébrica x, cuja extremi-
racterizam essa teoria. dade é P.

9.2 Conceito de função


Dados dois conjuntos A e B, diferentes do con-
junto vazio, uma função ƒ, de A em B, é uma
A
correspondência que associa a cada elemento
de A um único elemento de B.
O conjunto A é denominado domínio de ƒ; o
conjunto B é denominado contradomínio de
Escrevemos, então, que:
ƒ; se x é um elemento qualquer de A, então o
único y de B, associado a x, é denominado A ordenada OP1 do ponto P denomina-se seno
imagem de x pela função ƒ e é indicado por do número real x.
y = ƒ(x). Deve ser observado que ao número real x
O conjunto de todos os elementos de B que associamos o ponto P, extremidade de um arco
são imagem de alguns elementos de A é de- ; por sua vez, ao arco está associado
nominado conjunto imagem de ƒ e é indicado um único número real OP1, que é o seno de ;
por Im(ƒ). assim, fica definida uma função ƒ de lR em lR
para a qual f(x) = sen x. que é denominada
Função real de variável real função seno.
Uma função ƒ, de A em B, diz-se função real O domínio da função é lR.
de variável real se A ⊂ |R e B ⊂ |R. Para todo x real –1 ≤ sen x ≤ 1, temos que:

Correspondência entre um número real e Im (f) = [–1; 1]


um ponto da circunferência trigonométrica
Definição de função periódica
Consideremos a circunferência trigonométrica
dada abaixo. Já sabemos que, dado um núme- Uma função f, de domínio A ⊂ lR, diz-se perió-
ro real x, existe sempre um arco orientado , dica se existe um real T, não nulo, tal que
cuja medida algébrica é x radianos. F (x + T) = f (x), ∀ x ∈ A
Período de uma função periódica f é o menor T
positivo que satisfaz a condição acima.

Gráfico da função seno


Comparando agora com a definição de função
periódica, temos T = 2kπ; o menor valor de T,
Portanto é claro que, dado x, fica determinado positivo, é obtido fazendo k = 1; temos, assim, o
um único ponto P da circunferência trigonomé- período 2π da função seno. Pois, sen x = sen
trica, extremidade do arco . =(x + 2π) = sen (x + 4π) = … = sen (x + 2kπ).

51
UEA – Licenciatura em Matemática

Sendo assim, para a construção do gráfico de Solução:


f(x) = sen x, vamos considerar alguns valores Tabela
particulares para x no intervalo [0; 2π], já pre-
x rad sen x y = 2 sen x
viamente sabendo que a “figura” obtida nesse
0 0 0
trecho será repetida à esquerda de 0 e à direi-
ta de 2π. 1 2

Tabela: π 1 0

–1 –2

2π 0 0

O domínio é D(ƒ) = lR
A imagem é Im(ƒ) = [–2, 2]
O período é 2πrad.

2. Construa o gráfico e determine o domínio, a


imagem e o período da função .

Solução:
Tabela

sen x

0 0 0

π 1
Devemos observar que:
π 2π 0
• A função seno é crescente no intervalo
3π –1
e decrescente no intervalo ,
2π 4π 0
voltando a ser crescente no intervalo

.
• O sinal da função é positivo nos 1.o e 2.o
quadrantes e negativo nos 3.o e 4.o qua-
drantes. D(ƒ) = lR
• Também podemos dizer que é uma função Im(ƒ) = [–1, 1]
ímpar, pois sen(–x) = –sen x para todo x real.
O período é 4πrad.
Exemplos: 3. Determinar os valores reais de m de modo que
1. Determinar o domínio, a imagem, o gráfico e o exista a igualdade sen x = 5m – 1.
período da função ƒ(x) = 2sen x. Solução:

52
Matemática Elementar IV – Funções Circulares e Identidades

Sabemos que –1 ≤ sen x ≤ 1. Logo, –1 ≤ 5m –1 b) y = –2 + sen x


≤ 1. Somando 1 a cada membro dessa dupla
desigualdade, temos: 3. Dê o domínio e a imagem das funções:
– 1 +1 ≤ 5m – 1 + 1 ≤ 1 + 1
a)
ou seja:
0 ≤ 5m ≤ 2 b) y = sen(–3 x)
Dividindo os membros dessa última desigual-
4. Dê o período das seguintes funções:
dade por 5, obtemos .
a) y = sen(7x)
Portanto a desigualdade sen x = 5m – 1 só
b)
existe m ∈ lR e

Observamos que pode haver mudança no pe- c)


ríodo. Essa mudança ocorre quando multipli-
camos o arco por uma constante (não-nula e
diferente de 1). 5. Na função f(x) = sen(k . x), determine k de
modo que o período da função seja:
De modo geral, temos que o período da função
a)
y = sen kx é dado por .

b)
Exemplos:

a) temos . 6. Construa o gráfico das funções:

. a) b) f(x) = sen(–x)
Logo, o período é

b) y = sen (–2x) temos k = –2. 9.4 História

Logo, o período é A idéia da função corda, precursora da nossa


função seno, foi trabalhada com bastante in-
tensidade durante muitos séculos anteriores a
Ptolomeu. No seu Almagesto, obra composta
de 13 livros, em que são estudados os movi-
mentos dos planetas, aparece uma tábua da
função corda, desde 0,5 grau até 180 graus, de
1. Lembrando que a função seno é uma função meio em meio grau.
ímpar, verifique quais das sentenças abaixo
A função corda relacionava um arco de circun-
são verdadeiras:
ferência com a corda respectiva. Com a natural
a) sen (–30º) = –sen 30º evolução do pensamento matemático, quando
b) –sen (–45º) = sen 45º alguém pensou em utilizar uma tábua relacio-
c) sen (–60º) = sen 60º nando a metade da corda de um arco duplo,
estava inventada a nossa função seno, que em
d) latim era designada sinus. Há registros de que,
por volta do século V de nossa era, o matemá-
2. Dê o domínio, a imagem, o período, e construa tico hindu Aryabhata já calculava essas semi-
o gráfico das funções: cordas.
a) y = 3 . sen x

53
UEA – Licenciatura em Matemática

O termo co-sinus foi utilizado pela primeira vez


no século XVII, por Edmund Gunter, para in-
dicar o seno do complemento, combinando as
palavras “complemento” e “sinus”, que em
português ficou co-seno.
Idéias equivalentes às nossas conhecidas fun-
ções tangente e co-tangente apareceram há
mais de três milênios, tanto em cálculos relati-
vos à construção de pirâmides, como em cál-
culos envolvendo relógios de sol. Esses reló-
gios mostravam a relação entre as horas do dia
com o comprimento da sombra de uma vara,
chamada gnômon.
No caso de a vara ser vertical, a sombra era
projetada no chão, e no caso de ser horizontal,
a sombra era projetada numa parede. Veja isso
nas figuras seguintes.

54
Matemática Elementar IV – Funções Circulares e Identidades

TEMA 10

FUNÇÃO COSSENO

Na circunferência trigonométrica dada abaixo,


seja P o ponto associado a um número real x;
P2 é a projeção ortogonal de P em Ox. Sabe-
mos que a abscissa OP2 do ponto P é o co-
seno do arco de medida algébrica x, cuja ex-
tremidade é o ponto P.
Escrevemos, então, que
A abscissa OP2 do ponto P denomina-se co- Temos, assim:

seno do número real x.


Fica, assim, estabelecido que ao número real x
associamos um único número real OP2, que é
o co-seno de x; está, então, definida uma fun-
ção f de lR em lR, denominada função co-
seno, para a qual:

Observe que:
A função cosseno é decrescente no intervalo
[0; π] e crescente no intervalo [π; 2π].
O sinal da função é positivo nos 1.o e 4.o qua-
drantes e negativo nos 2.o e 3.o quadrantes.
É uma função par, pois cos (–x) = cos x para
f(x) = cos x. que é denominada função co-
todo x real.
seno.
O domínio da função é lR. Exemplos:
Para todo x real –1 ≤ cos x ≤ 1, temos que: 1. Determinar o domínio, a imagem, o gráfico e o
Im (f) = [–1; 1] período da função ƒ(x) = 2 cos x.
Solução:
Gráfico da função co-seno. Tabela
O menor valor de T, positivo, é obtido fazendo x rad cos x y = 2cos x
k = 1; temos, assim, o período 2π da função 0 1 –2
co-seno. Pois, cos x = cos (x + 2π) = cos (x + 0 –3
4π) = … = cos (x + 2kπ).
π 1 –4
A exemplo do que fizemos para a função seno,
0 –3
vamos construir o gráfico de f (x) = cos x no
intervalo [0; 2π] e “completá-lo em seguida”. 2π 1 –2

55
UEA – Licenciatura em Matemática

2. ƒ(x) = cos(–2x), k = 2, portanto o período é:


rad

O domínio é D(ƒ) = lR 1. Lembrando que a função seno é uma função


ímpar, verifique quais das sentenças abaixo são
A imagem é Im(ƒ) = [–2, 2] verdadeiras:
O período é 2πrad. a) cos(–30º) = –cos 30º
b) –cos(–45º) = cos 45º
2. Determinar o domínio, a imagem, o gráfico e o
período da função ƒ(x) = –3 + cox x. c) cos(–60º) = cos 60º

Solução: d)
Tabela

x rad cos x y = –3 + cos x 2. Dê o domínio, a imagem, o período e o gráfico


0 1 2 da função:
0 0 a) y = 3 . cos x b) ƒ(x) = –2 – cos x

π –1 –2
3. Dê o período das funções:
0 0
a) y = 8 cos x
2π 1 2
b) ƒ(x) = cos x(–5x)

c)

d)

O domínio é D(ƒ) = lR
A imagem é Im (ƒ) = [–2, 2] 01. (PUC–MG) Considere a função f: lR → lR defi-
nida por ƒ(x) = 1 + cos x. O conjunto imagem
O período é 2πrad.
dessa função é o intervalo:
O valor do período é calculado da mesma for-
a) [–3, 4] b) [–3, 5]
ma que foi feita para a função seno, ou seja
c) [3, 4] d) [3, 5]
dividindo-se 2πrad por |k|, ou seja, .
e) n.d.a.
Exemplos:
02. (Vunesp–SP) Se x é a medida de um ângulo
em radianos e , então:
1. , portanto o período é:
,
a) cos x > 0 b) cos 2x < 0
rad
c) tg x > 0 d) sen x < 0
e) sen 2x > 0

56
Matemática Elementar IV – Funções Circulares e Identidades

03. (CESGRANRIO–91) Se tg x = , então sen2 x


é igual a: TEMA 11

a) b) FUNÇÃO TANGENTE

c) d) Na circunferência trigonométrica dada abaixo,


seja P o ponto associado a um número real x;
e) T é o ponto de interseção da reta com o
eixo Az. Sabemos que a ordenada AT, do pon-
to T, é a tangente do arco de medida algébrica
04. (CESGRANRIO–91) Se x é um arco do 3.o qua-
x, enquanto que OP1 e OP2 são, respectiva-
drante e tg x = 1, então cos x é:
mente, o seno e o co-seno desse mesmo arco.

a) b) –1

c) – d)

e)

05. (UF–PA–84) Sendo x um arco do 2.o quadrante


e sec x = –3, então cosec x é:
Lembrando que, se o ponto P coincidir com B
a) – b) ou com B’, isto é, se , não existe a

c) 2 d) tangente; excluindo esses pontos, temos as-


sociado ao número real x um único número
e) real tg x, que sabemos ser igual ao quociente
entre sen x e cos x.
Fica, então, definida uma função f de lR
06. ( UF–PA–85) Qual a menor determinação posi-
tiva de um arco de 1000°? - em lR, para a qual ƒ(x) = tg x e

a) 270° b) 280°
tg x = .
c) 290° d) 300°
e) 310° Deve ser notado que o domínio da função
tangente é em que
07. (PUC–SP) sen 1200º é igual a: estão excluídos os reais x para os quais cos x
a) cos 60º b) –sen 60º = 0.

c) cos 30º d) –sen 60º A tangente pode assumir qualquer valor real;
assim: Im(f) = lR.
e) cos 45º
Pela definição, temos T = kπ, de onde tiramos,
08. (UNICAMP–87)Para x = 1410º, assinale a alter- para k = 1, o período π da função tangente.
nativa que corresponde ao valor de Podemos obter o gráfico de ƒ(x) = tg x no in-
. tervalo e, em seguida, ampliá-lo para

a) 1 + b) 1 – o domínio A.

c) – 1 + d) –1 –

57
UEA – Licenciatura em Matemática

Vamos analisar, na figura abaixo, o gráfico Solução:


f(x) = tg x no intervalo de ]0; π[; a tangente Para determinarmos o domínio, devemos ter:
cresce indefinidamente, percorrendo todo o
conjunto imagem lR, de –∞ a +∞.

O domínio é:

Período – O coeficiente do arco x é k = 1.


Logo, p = πrad.

3. Determinar tg x e o quadrante do arco x, sen-


do e .

Solução:
tg x = ?
Temos: .

Então:

Como o seno e cosseno são negativos, con-


cluímos que x é do 3.o quadrante.

1. Dê o período das funções:


O sinal da função é:
a) b)
Positivo no 1.o e no 3.o quadrante.
Negativo no 2.o e no 4.o quadrante.
c) d)
A função é impar, pois tg(–x) = –tg x.
Observações:
2. Dê o domínio das funções:
O período da função ƒ(x) = tg(kx) para k ≠ 0 é
dado por: a) b)

c) d)

Exemplos: 3. Determinar sen x e o arco x, sendo e


1. A função y = tg 8x é periódica, de período ,
ou seja, rad. .

4. Esboce o gráfico de cada uma das funções:


2. Achar o domínio e o período das funções:
a) y = tg 3x
a) b) ƒ(x) = tg(4x) b)

58
Matemática Elementar IV – Funções Circulares e Identidades

12.2 Função secante

TEMA 12

OUTRAS FUNÇÕES CIRCULARES

12.1 Função cotangente


Na circunferência trigonométrica dada abaixo,
seja P o ponto associado a um número real x;
S é o ponto de interseção da reta com o
eixo Bs. Sabemos que a abscissa Bs do ponto
S, é a cotangente do arco de medida algébrica Já vimos que a todo número real x está asso-
x, enquanto que OP1 e OP2 são, respectiva- ciado um único número real cos x.
mente, o seno e o cosseno desse mesmo arco. Se cos x ≠ 0, isto é, se x ≠ , existe e é

único, o seu inverso = sec x. Definimos,

então, função secante como sendo uma fun-

ção f de R - em lR, dada por

Lembrando que, se o ponto P coincidir com A


f(x) = sec x =
ou com A’, isto é, se x = kπ, não existe a
cotangente; excluindo esses pontos, temos
associado ao número real x um único número O domínio da função secante é
real cotg x, que sabemos ser igual ao quoci-
A=
ente entre cos x e sen x.
Fica, então, definida uma função f de lR - {kπ, Como para todo x ∈ A, temos sec x ≤ –1 ou
k ∈ Z} em lR, para a qual f(x) = cotg x e sec x ≥ 1,
cotg x = . Im (f) = {y ∈ R / y ≤ –1 ou y ≥ 1}
É claro que, se x ∈ A
Deve ser notado que o domínio da função co-
tangente é A = {x ∈ lR | x ≠ kπ, k ∈ Z} em que sec x = sec (x + 2π) = sec (x + 4π) = … =
estão excluídos os reais x para os quais sec (x + 2kπ) e, por isso, a função secante é
sen x = 0. periódica e seu período é p = 2π.
A tangente pode assumir qualquer valor real;
assim: Im (f) = lR.
Deve-se observar, inicialmente, que para todo x
do domínio A da função
cotg x = cotg (x +π) = cotg (x + 2π) =
cotg (x + 3π) = ... = cotg (x + kπ), k ∈ Z, ver-
emos que a função co-tangente é periódica e
seu período é p = π.
O gráfico da função f(x) = cotgx é chamado
co-tangentóide e aparece na figura abaixo.
12.3 Função co-secante
Já vimos que a todo número real x está asso-
ciado um único número real sem x.
Se sen x ≠ 0, isto é, se x ≠ k , existe, e é único,
oseu inverso = cosec x. Definimos, en-

tão, função co-secante como sendo uma fun-

59
UEA – Licenciatura em Matemática

função f de lR - {kπ, k ∈ Z} em lR, dada por


f(x) = cosec x = . TEMA 13

O domínio da função co-secante é


IDENTIDADES
A = {x ∈ R / x ≠ kπ, k ∈ Z}
Como para todo x ∈ A temos cosec x ≤ –1 ou
y ≥ 1, 13.1 Definição
Im (f) = {y ∈ R / y ≤ –1 ou y ≥ 1} Sejam f e g duas funções de domínio D1 e D2
É claro que, se x ∈ A respectivamente. Dizemos que ƒ é idêntica a g,
(indicamos por ƒ ≡ g) se, e somente se, ƒ(x) =
cosec x = cosec (x + 2π) = cosec (x + 4π) =
g(x) para todo x em que ambas as funções
… = cosec (x + 2kπ), a função co-secante é
estão definidas. Colocando em símbolos:
periódica e seu período é p = 2π.
ƒ ≡ g ⇔ ƒ(x) = g(x), ∀x ∈ D1 ∩ D2
Exemplos:
1. ƒ: ℜ → ℜ tal que ƒ(x) = (x +1)2 – (x – 1)2 e
g : ℜ → ℜ tal que g(x) = 4x são idênticas, pois:
ƒ(x) = x2 + 2x + 1 – x2 + 2x – 1 = 4x
ƒ(x) = g(x), ∀x ∈ ℜ.

2. ƒ: ℜ → ℜ tal que ƒ(x) = x + 1 e g : ℜ – {1} → ℜ

tal que são idênticas, pois:

ƒ(x) = g(x), ∀x ∈ ℜ – {1}


1. Determine domínio e período das funções rais:
3. ƒ: ℜ → ℜ tal que ƒ(x) = sen2 x e g : ℜ → ℜ tal
a) que g(x) = 1 – cos2 x são idênticas, pois:

b) g(x) = sec 2x
ƒ(x) = sen2 x = 1 – cos2 x
ƒ(x) = g(x), ∀x ∈ ℜ
c)

2. Em cada caso, determine o conjunto ao qual m 4. tal que


deve pertencer de modo que existe x, satis-
fazendo a igualdade: ƒ(x) = sec2 x – tg2 x e g : ℜ → ℜ tal que
g(x) = 1 são idênticas, pois:
a)
ƒ(x) = sec2 x – tg2 x = (1 + tg2 x) – tg2 x = 1
b) sec x = 3m – 2
ƒ(x) = g(x) para todo .
c) cosec x =

13.2 Demonstração de identidade


3. Simplifique
Para demonstrar uma identidade trigonométri-
ca, podemos aplicar qualquer uma das fórmu-
4. Dê uma expressão, em função de cotg x, equi- las (que são também identidades) estabeleci-
lente a das na teoria, a saber, as relações fundamen-
tais, as fórmulas de redução, as de adição, as

60
Matemática Elementar IV – Funções Circulares e Identidades

de multiplicação, as de divisão e as de trans-


formação em produto (estas últimas veremos
em unidades posteriores).
Existem basicamente três processos para pro-
var uma identidade. Conforme a dificuldade da 3. Prove que
demonstração, escolhemos o método mais ade-
quado entre os seguintes: para
1. ) Partimos de um dos membros (geralmente
o
todo x real, .
o mais complicado) da identidade e trans-
formamos no outro. Solução:
2.o) Transformamos o 1.o membro (ƒ) e, separa-
Fazendo ƒ(x) = 2 . sec x . tg x e
damente, o segundo membro (g), chegan-
do com ambos na mesma expressão (h). A
validade deste método é justificada pela
propriedade: Começaremos nosso desenvolvimento por g.

3.o) Construímos uma função h = ƒ – g e pro-


vamos que h ≡ 0. A validade deste método
é justificada pela propriedade:
ƒ–g≡0⇔ƒ≡g

Exemplos: 4. Prove que a igualdade tgx . cotg x = sec x .


cosec x, sendo U = {x ∈ ℜ | sen x ≠ 0 e cos x ≠0}.
1. Prove que .
Solução:
Solução: Temos:
A expressão do 2.o membro g(x) é mais com-
plicada.

Logo, tg x . cotg x = sec x . cosec x em U.

1. Verifique as seguintes identidades:


Então ƒ(x) = g(x) é verdadeira para qualquer
valor de x onde as funções estão definidas. a) sec x + cotg x = (cosec x)(cos x + tg x)
b) sec2 θ + cosec2 θ = sec2 θ . cosec2 θ
2 2
2. Prove que (1 + cotg x)(1 – cos x) = 1 para
c) tg2 x + tg4 x = sec4 x – sec2 x
todo x real, x ≠ kπ.
Solução: 2. Prove que
Fazendo ƒ(x) = (1 + cotg2 x) (1 – cos2 x) (1 – tg x)2 + (1 – cotg x)2 = (sec x – cosec x)2

para todo x real, .

61
UEA – Licenciatura em Matemática

3. Demonstre as identidades:
a)
a)

b)
b) (tg x + cotg x) . sen x = sec x em
U = {x ∈ ℜ | sen x . cos x ≠ 0}.
c) sec x

4. Verifique se as identidades abaixo são ou não d) 2 cosec x


identidades nos respectivos conjuntos universo: e)
a) tg x . cotg x = 1 em U = R
b) 1 + cot g2 x = cosec2 x
4. (PUC–SP) A expressão com
em U = {x ∈ ℜ | sen x ≠ 0}
cos x ≠ 0 e sen x ≠ 0, é identicamente igual a:
5. Demonstre a identidade:
a) cotg3 x
b) sec2 x
c) sen2 x + cos x
d) tg2 x + sec x
e) cosec3 x

1. (PUC–PR) Sendo x um número real em que as


funções são definidas e o denominador diferente
de zero, a expressão é

igual a:

a) 1
b) 1 – cos x
c) 1 + cos x
d) sen x
e) –sen x

2. (Cescem–SP) Se sen θ ≠ 1, a expressão


é igual a:

a) tg θ
b) sen θ . cos θ
c) 1 + cos θ
d) 1 + sen θ
e) Nenhuma das respostas anteriores.

3. (FGV) A expressão para

sen x ≠ 0, é idêntica a:

62
UNIDADE IV
Fórmulas da adição, multiplicação e divisão de arcos
Matemática Elementar IV – Fórmulas da adição, multiplicação e divisão de arcos

2 – 2 . cos(a + b) = 2 – 2 . cos a . cos b +


TEMA 14 + 2 . sen a . sen b
e, então temos a fórmula:

TRANSFORMAÇÕES: FÓRMULAS DE cos(a + b) = cos a . cos b – sen a . sen b


ADIÇÃO
2. Co-seno da diferença
Vamos deduzir as fórmulas para calcular as fun-
ções trigonométricas da soma (a + b) e da di- cos (a – b) = cos[a + (–b)]
ferença (a – b) de dois números reais quais- cos(a – b) = cos a . cos(–b) – sen a . sen(–b)
quer a e b, conhecidas as funções circulares
Sabemos que cos(–b) = cos b e
de a e b.
sen(–b) = –sen b.
1. Co-seno da soma Então:
Sejam P, Q e R os pontos do ciclo associados cos(a – b) = cos a . cos b + sen a . sen b
aos números a, (a + b) e –b, respectivamente.
Em relação ao sistema cartesiano, as coorde- 3. Seno da soma
nadas desses pontos são:

Então:
sen(a + b) = sen a . cos b + sen b . cos a

4. Seno da diferença
sen(a – b) = sen[a + (–b)] =
= sen a . cos(–b) + sen(– b) . cos a =
P(cos a, sen a)
Q(cos (a + b), sen(a + b)) sen a . cos b + (–sen b) . cos a

R(cos b, –sen b) Então:

Os arcos e têm a mesma medida, por- sen(a – b) = sen a . cos b – sen b . cos a
⎯ ⎯
tanto as cordas AQ e RP têm medidas iguais.
Aplicando, então, a fórmula da distância entre 5. Tangente da soma
dois pontos da Geometria Analítica, temos:
2
dAQ = (XQ – XA)2 + (YQ – YA)2 =
= [cos (a + b) – 1]2 + [sen(a + b) – 0]2 = =
= cos(a + b)2 – 2 . cos(a + b) + 1 +
+ sen2 (a + b) = 2 – 2 cos(a + b)
2
dRP = (XP – XR)2 + (YP – YR)2 =
= [cos a – cos b]2 + [sen a + sen b]2 =
= cos2 a – 2 . cos a . cos b + cos2 b +
+ sen2 a + 2 . sen a . sen b + sen2 b =
= 2 – 2 . cos a . cos b + 2 sen a . sen b
d2AQ = d2RP Então:

65
UEA – Licenciatura em Matemática

Solução:

1.
Essa fórmula só é aplicável se:

2.

6. Tangente da diferença 3. cos(x + y) = cos x . cos y – sen x . sen y =

então:

1. Calcule cotg165º, sec 255º e cosec 15º.


Essa fórmula só é aplicável se:
2. Dados tg A = 2 e tg B = 1, determine tg (A – B).

3. Calcule o valor da expressão sen 105º – cos 75º.


Exemplos:
1. Calcule os valores de: 4. Sabendo que e com
a) cos 15º b) sen 105º
c) tg 75º d) sec 285º , calcule tg(a + b).
Solução:
a) cos 15º = cos(45º – 30º) =
5. Sabendo que ,
= cos 45º . cos 30º + sen 45º . sen 30º =
e , calcule sen(x + 1), cos(s + y) e

tg(x + y).
b) sen 105º = sen(60º + 45º) =
= sen 60º . cos 45º + sen 45º . cos 60º =
6. Sabendo que tg 75º = 2 + e tg 60º = ,
calcule tg 15º.

c)

1. (FMU/FIAM–SP) O co-seno de de 105° vale:

a) b)
d)

c) – d)

e)
2. Dado: e , calcule o
2. (F. Ibero-Americana–SP) Dado ,
cos(x + y), sabendo que e
calcule cos 2x.
.

66
Matemática Elementar IV – Fórmulas da adição, multiplicação e divisão de arcos

a) b)
TEMA 15

c) d)
ARCO DUPLO E TRIPLO
e)
Vamos agora achar as funções trigonométri-
cas do dobro de um arco.
3. (U. E. Ponta Grossa–PR) Sendo ,
15.1 Seno do arco duplo
então é correto afirmar que: Fazendo b = a na expressão
sen(a + b) = sen a . cos b + sen b . cos a,
a) obtemos:
sen 2a = sen(a + a) = sen a . cos a + sen a . cos a
b)
sen 2a = 2sen a . cos a

c) 15.2 Co-seno do arco duplo

Fazendo b = a na expressão
d)
cos(a + b) = cos a . cos b – sen a . sen b, obte-
mos:
e) cos 2a = cos(a + a) = cos a . cos a – sen a . sen a
cos 2a = cos2 a – sen2 a

4. (UFCE) Se , então , e o valor Podemos também representar o cos 2a de ou-


tras formas:
de é: • Fazendo cos2 a = 1 – sen2 a, obtemos:
cos 2a = 1 – sen2 a – sen2 a ou

a) 25; cos 2a = 1 – 2 . sen2 a

b) 30; • Fazendo sen2 a = 1 – cos2 a, obtemos:

c) 35; cos 2a = cos2 a – (1 – cos2 a) ou

d) 40; cos 2a = 2 . cos2 a – 1

e) 45. 15.3 Tangente do arco duplo

5. Sejam α um arco do 1.o quadrante e β um arco Fazendo b = a na expressão


do 2.o quadrante tais que cos α = 0,8 e , obtemos:
sen β = 0,6. O valor de sen(α + β) é:
a) 0,00 . Portanto:
b) 1,40
c) 0,96
d) 0,48 , para e ,
com k∈ .
e) 0,70
Exemplos:
1. Sabendo que sen 27º = 0,454 e cos 27º = 0,891,
calcular sen 54º.

67
UEA – Licenciatura em Matemática

Solução:
sen 2x = 2 . sen x . cos x
sen 54° = 2 – sen 27° . cos 27°
sen 54° = 2 . 0,454 . 0,891 = 0,809

2. Dado , com , calcule

a) sen 2x b) cos 2x c) tg 2x
Solução:
a) sen 2x 1. Determine sen 2x, cos 2x, e tg 2x nos seguintes
casos:

a) e

b) cotg x = –5 e
como x é um arco do primeiro quadrante,

então . Daí: 2. Se , com e

, determine o valor de y.

3. Sabendo que sen 20° = 0,342 e cos 20° = 0,940,


qual o valor de sen 40°?
b)

4. (FEI–SP) Calcule sen 2x sabendo que


tg x + cot gx = 3.

c) 5. Dado , , calcule cos 2x e

sen 2x.

6. Dada tg 35° ≅ 70, calcule tg 70° e cotg 70°.

3. Sabendo que , calcular o valor 15.4 Seno do arco triplo

sen 3a = 3sen a – 4sen3 a


de sen 2a.
Solução: Demonstração:

sen 3a = 2sen a cos a cos a + sen a(1 – 2sen2 a)

sen 3a = 2sen x (1 – sen2 a) + sen a – 2sen3 a


4. Sabendo que tg x + cotg x = 5, determinar o sen 3a = 2sen a – 2sen3 a + sen a – 2sen3 a
valor de sen 2x. sen 3a = 3sen a – 4sen3 a
Solução:
15.5 Co-seno do arco triplo

cos 3a = 4cos3 a – 3cos a

68
Matemática Elementar IV – Fórmulas da adição, multiplicação e divisão de arcos

Demonstração:
TEMA 16

cos 3a = (2cos2 a – 1)cos a – 2sen a cos a sen a


ARCO METADE
Vamos agora achar as funções trigonométricas
cos 3a = 2cos a – cos a – 2cos a(1 – cos a)
3 2 da metade de um arco, partindo das anteriores.

cos 3a = 2cos3 a – cos a – 2cos a + 2cos3 a


16.1 Seno do arco metade
cos 3a = 4cos3 a – 3cos a
Podemos escrever:

Exemplos: cos 2a = (1 – sen2 a) – sen2 a = 1 – 2sen2 a

Daí vem:
1. Sendo , calcular sen3 a.

Solução: Fazendo , vem:

sen 3a = 3sen a – 4sen3 a


Podemos escrever, então, a fórmula do seno
do arco metade como segue:

Observação: o sinal algébrico vai depender do


quadrante ao qual pertenceo arco .

2. Sendo , calcular cos 3a.


16.2 Co-seno do arco metade
Solução: Sabemos que cos(2a) = cos2 a – sen2 a.
cos 3a = 4cos3 a – 3cos a Substituindo sen2 a, por 1 – cos2 a, já que
sen2 a + cos2 a = 1, vem: cos 2a = 2 . cos2 a – 1.
Daí, vem:

Fazendo , vem, .

Podemos escrever, então, a fórmula do co-


seno do arco metade como:

em que o sinal algébrico vai depender do qua-

1. Calcule: drante ao qual pertence o arco .

a) sen 3a, sendo sen a = 1


16.3 Tangente do arco metade
b) cos 3a, sendo .
Dividindo membro a membro as equações (I)
e (II) anteriores, lembrando que
2. Calcule sen 9x, sabendo que .

, vem:
3. Sendo , calcular cos 6a.

69
UEA – Licenciatura em Matemática

Mas, . Logo:

em que o sinal algébrico vai depender do qua-


drante ao qual pertence o arco .

Exemplos:

1. Sendo , calcular

e .
Portanto .
Solução:
3. Verifique a identidade:

Como o arco x pertence ao primeiro quadran-


te, a função seno é positiva. Solução:
Logo:

Como o arco x pertence ao primeiro quadran-


te, a função co-seno é positiva.
1. Dado , com , calcule
Logo:
e .

2. Dado , com , calcule .

Como o arco x pertence ao primeiro quad- 3. Calcule sen 22°30’.


rante, a função tangente é positiva.
4. Mostre que tg 22°30’ = –1
Logo:

5. , quais são os possíveis valores de


?

2. Calcular o valor de sen 112º 30’. 6. Se , com , calcule e

Solução: .
Temos:
sen 112º 30’ = sen(90º + 22º 30’) 7. Dado , calcule o valor de cos x.
Pelas identidades trigonométricas,
sen(90º + x) = cos x. Assim : 8. Dado , calcule os valores possíveis

sen(90º + 22º 30’) = cos 22º 30’ de sen x.

70
Matemática Elementar IV – Fórmulas da adição, multiplicação e divisão de arcos

TEMA 17

FÓRMULAS DE TRANFORMAÇÃO EM PRO-


DUTO PARA SENO, CO-SENO E TAN- Exemplos:
GENTE
1. Transformar em produto a soma sen 80º + sen
20º.
17.1 Fórmulas de tranformação em produto para Solução:
seno, co-seno Aplicando a fórmula de transformação da so-
O uso da fatoração em cálculos algébricos tem ma em produto, temos:
facilitado a resolução de vários problemas. sen 80º + sen 20º =
Em trigonometria, a fatoração tem sido útil na
resolução de algumas equações trigonométri-
cas, bem como na adaptação de expressões
= 2 . sen 50º . cos 30º =
trigonométricas ao cálculo logarítmico.
Vamos relembrar as fórmulas do seno e co-
seno da adição e subtração de dois arcos.
(I) sen (a + b) = sen a . cos b + sen b . cos a 2. Transformar em produto y = sen 70º + cos 30º.
(II) sen (a – b) = sen a . cos b – sen b . cos a Solução:
(III) cos (a + b) = cos a . cos b – sen a . sen b sen 70º = cos(90º – 70º) = cos 20º
(IV) cos (a – b) = cos a . cos b + sen a . sen b Então temos: y = cos 20º + cos 30º
Fazendo: Pela fórmula de transformação em produto,
(I) + (II) ⇒ obtemos:
sen(a + b) + sen(a – b) = 2 . sen a . cos b (V)
(I) – (II) ⇒
y = 2 . cos 25º . cos(–5º)
sen(a + b) – sen(a – b) = 2 . sen b . cos a (VI)
Como cos(–5º) = cos 5º, temos:
(III) + (IV) ⇒
y = 2 . cos 25º . cos 5º.
cos(a + b) + cos(a – b) = 2 . cos a . cos b (VII)
Podemos também resolver esse item fazendo:
(III) – (IV) ⇒
cos 30° = sen(90° – 30°) = sen 60°
cos(a + b) – cos(a – b) = –2 . sen a . sen b (VIII)

Chamando p, e ∈ lR e resolvendo o Dessa forma, teríamos y = sen 70° + sen 60° e


assim obteríamos y = 2 . sen 65° . cos 5°.
sistema, vamos encontrar:

3. Transformar em produto a soma + sen 10°,

Substituindo (a + b) por p, (a – b) por q, a por


sendo o valor de um arco no 1.o quadrante.
e b por nas expressões (V), (VI),

(VII) e (VIII), obtemos: Solução:

71
UEA – Licenciatura em Matemática

4. Transforme em produto: Observação – Os dois modos conduzem


a) y = sen 2x + sen x à mesma resposta, pois
b) y = 1 + sen x , devido à identi-
c) y = cos 2x – 1
d) y = sen x + cos x dade cos(–α) = cos α.
Solução:
a) y = sen 2x + sen x 5. Fatore a expressão
y = sen x + sen 3x + sen 5x + sen 7x.
Solução:
Agrupando os termos dois a dois, temos:
y = (sen x + sen 3x) + (sen 5x + sen 7x)
b) y = 1 + sen x
Substituindo-se 1 por , temos:
y = 2 . sen 2x . cos(–x) + 2 .sen 6x . cos (–x)
Sendo cos(–x) = cos x, vem:
y = 2 . cos x . (sen 2x + sen 6x)

y = 4 . cos x . sen 4x . cos (–2x)


c) y = cos 2x – 1
logo, y = 4cos x . cos 2x . sen 4x.
y = cos 2x – cos 0

y = –2 . sen x . sen x = –2 sen2 x


d) y = sen x + cos x
1.° modo – Substituindo-se sen x por 1. Transforme em produto:
a) sen 36º + sen 22º
:
b) sen 72º – sen 8º

2. Transforme em produto:
a) cos 23º + cos 7º
b) cos 258º + cos 12º

3. Transforme em produto:
a) y = sen 7x + sen 5x
b) y = 1 – sen 2x
2.° modo – Substituindo-se cos x por
c) y = cos 9x + cos x
:
d) y = cos(3x – π ) – cos x

4. Fatore as expressões:
a) y = sen x – cos x
b) y = sen 2x + 2cos x
c) y = cos 8x + cos 6x + cos 4x + cos 2x
d) y = sen x + 2sen 3x + sen 5x

72
Matemática Elementar IV – Fórmulas da adição, multiplicação e divisão de arcos

17.2 Fórmulas de tranformação em produto para


tangente

Considerando e , com 1. Transforme em produto as seguintes expres-


k∈ , são válidas as segintes fórmulas: sões:
a) y = tg 50º – tg 32º
b) y = 1 + tg x

Observação:
Há casos em que será preciso “desfazer” alguns
Demonstração: produtos e transformá-los em somas.

Exemplos:

1. Calcular o valor de: .

Solução:
Sabemos que,
cos(a + b) + cos(a – b) = 2 . cos a . cos b
Então:

Exemplos:
1. Transformar em produto as expressões:
a) y = tg 2x + tg x
b) y = 1 – tg x
Solução:
a) y = tg 2x + tg x

b) y = 1 – tg x 1. Transforme em produto a expressão


y = tg 50º – tg 30º.

2. Transforme em produto a expressão


y = 1 + tg x.

73
UNIDADE V
Equações e Inequações Trigonométricas
Matemática Elementar V – Equações e inequações trigonométricas

.
TEMA 18
As soluções particulares podem ser obtidas a
partir da solução geral, bastando para isso atri-
EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS
buir valores a κ (κ∈ ) e verificar se a solução
pertence ao intervalo considerado.
18.1 Introdução
Por exemplo, na equação sen x = 1, cuja solu-
Equações trigonométricas são igualdades que
envolvem uma ou mais funções trigonométri- ção geral é se considerarmos o
cas de arcos incógnitos.
intervalo 0 ≤ x < 2π, obteremos:
Exemplos:
• para κ = 0,
1. sen x = 1
2. sen x – cos x = 0
• para κ = 1,
3. sec2 x – 1 = tg x
Resolver uma equação trigonométrica significa Observe que o arco não pertence ao inter-
determinar o conjunto de valores dos arcos,
para os quais essa equação é verdadeira. valo 0 ≤ x < 2π. Logo:
Toda equação trigonométrica é verdadeira para
uma infinidade de arcos. A equação sen x = 1,
por exemplo, é verdadeira para arcos e medi- Na verdade, não há um processo único para
da resolver todas as equações trigonométricas.
com κ∈ . Acompanhe pelo gráfico: Diante disso, procuramos reduzi-las a equa-
ções mais simples, do tipo sen x = a, cos x =
a e tg x = a, denominadas equações fun-
damentais, as quais passaremos a estudar.
Observação:
Quando não se fizer menção do intervalo a ser
considerado, admite-se como tal o conjunto lR.
Observe que existem infinitos arcos que satis-
fazem à equação sen x = 1, entre os quais 18.3 Equações do tipo sen x = a
estão os arcos , e . A equação sen x = a terá solução somente se
–1 ≤ a < 1.
A equação sen x = 1 tem como solução geral
Para determinar os valores de x que satisfazem
o seguinte conjunto solução:
essa equação, vamo-nos basear na seguinte
S = {x ∈ lR } propriedade:
Se dois arcos têm senos iguais, então eles são
côngruos ou suplementares.
18.2 Soluções particulares
Seja x = α uma solução da equação
Na resolução de equações trigonométricas, po-
demos obter soluções particulares. Para isso, sen x = a.
basta estabelecer intervalos dentro dos quais As outras soluções são todos os arcos côn-
essas equações são verdadeiras. gruos ao arco α ou ao arco π – α, isto é:
Voltando ao gráfico, observe que, se estabele-
cermos o intervalo 0 ≤ 2 < 2π, o conjunto
solução da equação sen x = 1 passará a ser sen x = sen α ,

77
UEA – Licenciatura em Matemática

com κ∈ .

Portanto:
S = {x ∈ lR ∈ }

3. Resolver a equação sen 2x = sen x.


Portanto a solução geral da equação sen x = a é: Resolução:
S{x∈lR| ∈ } • Quando os arcos 2x e x são côngruos:

Exemplos:
• Quando os arcos 2x e x são côngruos:
1. Resolva a equação

Solução:

Portanto:
Então, a equação tem como solu-
S = {x ∈ lR ∈ }
ção todos os arcos côngruos ao arco ou ao

arco π – , isto é:

sen x = sen 1. Resolva as seguintes equações :

a)

Portanto: b) sen x = 1

c) , no intervalo 0 ≤ 2 ≤ 2π.

2. Resolver a equação sen2 x = 1.


2. Resolva a equação no in-
Resolução:
tervalo [0, 2π]
sen2 x = 1 ⇒ sen x = ≠ 1 ⇒
3. Resolva a equação sen 5x = sen 3x.

Então temos: 18.4 Equações do tipo cos x = a


A equação cos x = a tem solução somente se
–1 ≤ a < 1
Vamos então obter todos os valores de x que
satisfazem à equação proposta, a partir da se-
guinte propriedade:
Se dois arcos têm co-senos iguais, então eles
são côngruos ou replementares.
Seja x = α uma solução particular da equação
cos x = a.

78
Matemática Elementar V – Equações e inequações trigonométricas

As outras soluções são todos os arcos côn-


3. Resolver a equação no inter-
gruos ao arco α ou ao arco –α (ou ao arco 2π
– α), isto é: valo 0 ≤ 2 < 2π.
Solução:
cos x = cos α

com κ∈ . Então, temos:

Observa que – não pertence ao intervalo con-

siderado. Portanto:

A solução geral é dada por:


S = {x ∈ lR }
1. Resolva as equações:
Exemplos:
a) cox = 1
1. Resolver a equação .
b) no intervalo 0 ≤ x ≤ 2π.
Solução:
Observe que: c) 2 . cos x – = 0, no intervalo 0 ≤ x ≤ π.

2. Resolva a equação cos 4x – cox x = 0

3. Resolva a equação cos(x – π) = 0, no intervalo


0 ≤ x ≤ 2π.
Portanto:

S = {x ∈ lR } 18.5 Equações do tipo tg x = a


A equação tg x = a tem solução para todo
a∈lR.
2. Resolver a equação cos 2x = cos x.
Os valores de x tais que com κ∈
Solução:
• Quando os arcos 3x e x são côngruos: que satisfazem essas equações podem ser ob-
tidos a partir da seguinte propriedade:

• Quando os arcos 2x e x são côngruos: Se dois arcos têm tangentes iguais, então eles
são côngruos ou explementares.
Seja x = α uma solução particular da equação
Portanto: tg x = a.
S = {x ∈ lR } As outras soluções são todos os arcos côn-
gruos ao arco α ou ao arco π + α, isto é:

79
UEA – Licenciatura em Matemática

2. Vamos resolver a equação com


tg x = tg α
x ∈ lR.
Solução:
com κ∈ .
Um valor possível para 2x é: pois:

Então, temos

Portanto,

Portanto a solução geral da equação é dada


por: Logo, o conjunto solução é:
S = {x ∈ lR }
S = {x ∈ lR }

Exemplos:

1. Vamos resolver a equação

Solução:
Observe, na figura, que todos os arcos de ex-
tremidades em M e em M1 são soluções dessa 1. Resolva as equações que seguem.
equação. Portanto uma das soluções é
a) tg (4x) = com x ∈ lR
e outra é .
b) tg (2x) = –1, com x x ∈ lR
c) – tg x = 0 com 0 ≤ x ≤ 2π.

2. Resolva a equação 2 . cos x = 3 . tg x, com x


∈ lR.

3. Se e tg x = 1, quanto vale x?

4. Resolva a equação tg2 x – 3 = 0, com 0 ≤ x ≤ 2π.

5. Se , determine os valores de x para os

quais se tenha:
• Se x [0, 2π], a solução é:
3 . tg2 x – 4 . tg x + 3 = 0

• Se x ∈ lR a solução é:

S = {x ∈ lR }

80
Matemática Elementar V – Equações e inequações trigonométricas

TEMA 19

INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS

19.1 Introdução
Um jardineiro precisa construir um canteiro tri-
angular, com um lado medindo 8m, outro me-
dindo 10m e uma área de, no mínimo, 20m2. A inequação sen α ≥ é exemplo de inequa-
Qual deve ser o ângulo de abertura dos dois la-
ção trigonométrica.
dos citados?
Chamamos de inequação trigonométrica qual-
quer inequação em que a incógnita está asso-
ciada a alguma função trigonométrica.
Veja outros exemplos de inequações trigono-
métricas.

a)
Seja α a medida de um ângulo que satisfaz as
b)
condições dessa situação.
Note que a área o triângulo, em m2, é dada por c) tg 2x ≤ π
d) 0 < sen α < 1
em que o valor de h é h = 8 . sen α.

19.2 Resolução de inequações trigonométricas


Dessa forma, para 0 < α < π a área do triân-
gulo é: Do mesmo modo que fizemos para as equa-
ções trigonométricas, estudaremos alguns ti-
pos de inequações trigonométricas Em geral,
essas inequações recaem em inequações trigo-
Como a área deve ser de, no mínimo, 20m2, te- nométricas mais simples, porém equivalentes.
mos que:
19.2.1 Inequações do 1.o tipo
São inequações que podem ser colocadas em
uma das seguintes formas:
Sabemos que e, para
sen x > a ou sen x ≥ a ou sen x < a ou sen x ≤
a, com –1 ≤ a ≤ 1
qualquer valor de α entre e , o valor de

sen é maior que .

Assim, o problema proposto possui infinitas


soluções, pois qualquer valor real de α tal que

≤α≤ torna a sentença sen α ≥


ver-
dadeira.
Veja isso na figura a seguir, na qual B e C são
dois dos vértices do canteiro.

81
UEA – Licenciatura em Matemática

Exemplos:
3. Resolva a inequação com 0 ≤ x ≤ 2π.
1. Resolva a inequação com x ∈ lR.
Solução:
Solução:
Observe o gráfico da função y = sen x e os
Observando a figura abaixo, notamos que per- pontos que nesse gráfico correspondem às
correndo o ciclo no sentido positivo, a partir de
soluções da inequação no interva-
A, temos:
lo 0 ≤ x ≤ 2π.
e

Logo,

S = {x ∈ lR

O conjunto solução é obtido ao se percorrer o


ciclo no sentido positivo, a partir de A, até com-
pletar uma volta e, em seguida, generalizamos
a medida do arco obtido para qualquer volta: 1. Considerando o gráfico da função y = sen x,
determine os valores de x, com 0 ≤ x ≤ 2π, para
S = {x ∈ lR } os quais se tem:
a) sen x < 0
b) sen x ≥ 0
2. Resolva a inequação com x ∈ lR.
c)
Solução:
Observando a figura do exemplo anterior, nota-
mos que os arcos 2x são tais que:

ou

com κ∈ .

• 2. Qual é a inequação trigonométrica cuja solu-


ção no intervalo [0, 2π] está representada no
ciclo trigonométrico abaixo?

Logo,
S = {x ∈ lR ou

, κ∈ }

82
Matemática Elementar V – Equações e inequações trigonométricas

3. Resolva a inequação |sen 2x| ≤ , para S = {x ∈ lR

0 < x < π.
∈ }
19.2.2 Inequações do 2.o tipo
São inequações que podem ser colocadas em
uma das seguintes formas:
cos x > a ou cos x ≥ a ou cos x < a ou
cos x ≤ a com –1 ≤ a ≤ 1 1. Resolva as inequações trigonométricas, com
x ∈ lR.
a) cos x ≤ 0

b)

c)

2. Resolva:

a) com 0 ≤ x ≤ 2π

Exemplos:
b) com 0 ≤ x ≤ 2π
1. Resolva a inequação com x ∈ lR.

Resolução: 19.2.3 Inequações do 3.o tipo


Procedendo como nas inequações do 1.o tipo, São inequações que podem ser colocadas em
temos: uma das seguintes formas:
tg x > a ou tg x ≥ a ou tg x < a ou tg x ≤ a, com
e
com κ∈ .
Veja a figura:

Logo, o conjunto solução obtido é: Exemplos:


S = {x ∈ lR } 1. Resolva a inequação tg x > , com x ∈ lR.
Solução:

2. Resolva a inequação cos x > , com x ∈ lR. Percorrendo o ciclo no sentido positivo, a par-
tir de A, temos:
Solução:
Observando a figura do exemplo anterior, en-
contramos o conjunto solução: Veja a figura:

83
UEA – Licenciatura em Matemática

TEMA 20

FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS INVERSAS

20.1 Introdução
Quando, na disciplina Matemática elementar III,
aprendemos os conceitos de função inversa,
vimos que somente as funções bijetoras (ou
seja, injetoras e sobrejetoras) tinham inversa.
Veremos agora como ajustar aqueles concei-
Logo, o conjunto solução obtido é:
tos para as funções trigonométricas aprendidas.

S = {x ∈ lR
20.2 Função arco seno

} Vamos rever a definição da função seno:


f: lR:→ lR tal que f(x) = sen x
Agora veja o gráfico dessa função:
2. Resolva a inequação tg x ≤ , com x ∈ lR .
Solução:
Observando a figura do exemplo anterior, en-
contramos o conjunto solução:

S = {x ∈ lR
Por ele, vemos que a função não é sobrejetora,
pois a imagem dela é im(f) = [–1, 1], e o seu
contradomínio é lR.
} A figura mostra também que a função não é
injetora, pois, para um mesmo valor x1∈lR,
existem infinitos valores de x, tais que sen
x = sen x1 como, por exemplo,

Então, nas condições apresentadas, a função


1. Resolva as inequações:
y = sen x não possui inversa.
a) tg x ≥ 1, com x ∈ [0, 2π]
No entanto, podemos restringir o contrado-
b) |tg x | ≤ 1, com x ∈ [0, π] mínio ao conjunto [-1,1], intervalo esse onde
estão todos os valores de sen x para qualquer
c) 0 < tg x ≤ 1 com
x ∈ lR. Fazendo isso, a função é sobrejetora.

d) 3 . tg x ≥ , com x ∈ lR Vamos agora restringir o domínio, de modo que


a função seja também injetora.
Existem infinitos intervalos onde tal peculiari-
dade ocorre, como, por exemplo,

(veja figura). No entanto conven-

cionamos adotar para domínio o intervalo

84
Matemática Elementar V – Equações e inequações trigonométricas

no qual a mesma peculiaridade tam-


b)
bém ocorre.
Dessa forma, temos a função

F: → [–1, 1]

definida por F(x) = sen x.


Nessas condições, a função é bijetora e, por-
tanto, tem inversa. Ela é definida assim:

F : [–1, 1] →
–1

–1
tal que F (y) = arc sen y
(entende-se: arco cujo seno é y).
Veja o esquema:
Portanto rad.

1. Determine o valor de y nos casos:


Exemplos:
a)
Achar y nos casos seguintes

a) y = arc sen b)

c) y = 2 . arc sen (0,342)

b) 2. Calcule y = 2 . cos(arc sen 0,8).

Solução: 3. Calcule o valor de N, sendo


.
a) y = arc sen

20.3 Função arco co-seno


Do mesmo modo que a função seno, a função
co-seno definida por
f: lR → lR tal que f(x) = cos x,
não é bijetora e, portanto, não tem inversa.
Restringindo o contradomínio ao intervalo [–1, 1],
a função é sobrejetora.
Convencionamos restringir o domínio ao inter-
valo [0, π], no qual a função é injetora. Dessa
Portanto rad.
forma, temos a função:

85
UEA – Licenciatura em Matemática

F: [0, π] → [–1, 1], tal que F(x) = cos x.

Agora, então, a função é bijetora e, portanto, tem


inversa:

F–1 : [–1, 1] → [0, π]

tal que

F–1(y) = arc cos y

(entende-se: arco cujo co-seno é y).

Veja o esquema:

Portanto rad.

Exemplos: 1. Determine y sabendo que:

Determine y:
a)
a) y = arc cos
b) y = arc cos (–1)

b) c)

Solução:
2. Calcule o valor de N para:

a) y = arc cos a) N = arc cos(0,9703)

b)

20.4 Função arco tangente


A função tangente foi definida assim:
f: lR1 → lR tal que f(x) = tg x,

com lR1 = {x ∈ lR }.

Nessas condições, a função é sobrejetora, pois


tg x assume qualquer valor real, mas não é in-
jetora. Desse modo, não é bijetora e, portanto,
não tem inversa.
Portanto rad.
Vamos restringir o domínio a um intervalo onde
ela assuma todos os valores reais e, além dis-
so, seja injetora. Existem infinitos intervalos on-
b)
de isso ocorre.
Convencionamos restringir o domínio ao

86
Matemática Elementar V – Equações e inequações trigonométricas

intervalo aberto . A função fica assim


rad
determinada:

F: → lR, definida por F(x) = tg x


Chamando , temos:
A função agora é bijetora e, portanto, tem inver-
sa:

F–1: → definida por F–1(y) = arc tg y rad

(arco cuja tangente é y).


Veja o esquema: Como

rad.

Portanto rad.

Exemplos:
Determine y nos casos abaixo::
1. Determine y nos casos:
a) y = arc tg
a) y = arc tg (–1)

b)
b)

Solução: c) y = sen(arc tg 3) + cos(arc tg 3)


a) y = arc tg d) y = tg(arc tg 4) – arc tg 1

2. (U.MACK–82)Para todo n inteiro sen(b + nπ) é


Temos que igual a:
a) sen b
b) (–1)n cos b
c) (–1)n+1 sen b
d) (–1)n sen b
e) cos b

3. (CESGRANRIO–83) Para κ= 1, 2, 3,... o núme-


ro de valores distintos de é:

a) 2;
Portanto rad.
b) 6;
c) 8;
b)
d) 16;
Chamando z = arc tg 1, temos: e) infinito.

87
UEA – Licenciatura em Matemática

4. (V.UNIF–RS) O período e a imagem da função


real ƒ definida por ƒ(x) = 3sen 2x, respecti- 9. (UF–GO) Se , então cos 2θ vale:
vamente, são:
a) b)
a) π e [–3, 3]
b) 4πe [–3, 3]
c) d)
c) e [–2, 2]
e)
d) 6π e [–2, 2]
e) 2π e [–1, 1]
10. (PUC–SP) O valor de
(cos2 1º + cos2 2º + ... + cos2 89º)2 –
5. (CESGRANRIO–90) Se e ,
– (sen2 1º + sen2 2º + ... + sen2 89º)2 é:
então tg x vale:
a) –1;
a) b) b) 0;
c) 1;
c) d)
d) 89;
e) impossível calcular sem tabela trigonométrica.
e)
11. (FUVEST) Se , então cos x vale:
6. (U.C.mg–81) Seja ƒ(x) ≠ 0 uma função definida
para todo número real x > 0. Então, a função a) b)

é:
c) d)
a) apenas ímpar;
b) apenas par; e)
c) par e ímpar;
d) nem par nem ímpar;
12. (U.F.PA) Qual das expressões abaixo é idêntica
e) simétrica em relação ao eixo x.
a ?
7. (UNICAP–87) Sabendo que x – y = 60º, assi-
nale a alternativa que corresponde à expressão a) sen x
(cos x + cos y)2 + (sen x + sen y)2. b) cos x

a) 1 b) c) tg x
d) cosec x
c) 2 d) 3
e) cotg x
e)

13. (UF–RN) A expressão (sec x – tg x)(sec x + tg


x) é equivalente a:
8. (EAESP–FVG) Se , então
a) –2
(1 + tg α)(1 + tg β) é igual a: b) –1
a) 1 b) 2 c) 0
c) 2tg α d) 2tg β d) 1
e) tg α . tg β e) 2

88
Matemática Elementar V – Equações e inequações trigonométricas

19. (CESGRANRIO–90) O número de raízes reais


14. (UF–PA) A expressão mais simples de
da equação + cos x = 0 é:
é:
a) sec 2a a) 0;
b) sec2 a b) 1;
c) sen2 a c) 2;
2
d) cot a d) 3;
e) tg 2a e) maior do que 3.

15. (UF–PR) Qualquer que seja o valor de x, 20. (PUC–SP) A igualdade sen πx = 0 é verdadeira
(sen x + cos x)2 é igual a: se, e somente se, sen x é:
a) sen 2x a) Real.
b) 2sen x b) Inteiro.
2
c) 2sen x – 1 c) Complexo.
2
d) 2cos x – 1 d) Racional.
e) . sen x . cos x e) Irracional.

21. (CESGRANRIO–88) O arco x é medido em ra-


16. (UCDB–MS) Sendo sen x + cos x = , o valor dianos. Então, a soma das duas menores raí-

de sen 2x é: zes positivas de é:

a) 0,48
b) –0,48 a) b) π

c) –0,96
c) d)
d) –0,8
e) –0,6
e)

17. (UNIFOR–Ce) O período da função ƒ: ℜ → ℜ,


definida por ƒ(x) = cos2 x – sen2 x é: 22. (F.SANTANA–83) Uma das soluções da equa-
ção sen 3x = sen x é:
a) b)
a) – b)

c) π d)
c) d)
e) 2π
e)
18. (CESGRANRIO–88) Sendoκ∈ , as soluções
da equação são da forma: 23. (CESGRANRIO–80) O menor zero positivo da

função é:
a) b)
a) b)

c) d) c) d)

e) e)

89
UEA – Licenciatura em Matemática

24. (UC–PR–82) Para ser verdadeira a desigualda- 29. (PUC–PR) O conjunto domínio de
de tg θ . sec θ < 0, θ deve ser um arco perten- ƒ(x) = arc sen (2x – 3) está contido no intervalo:
cente apenas:
a) ao 1.o quadrante; a)

b) ao 2.o quadrante;
b) [–1, 1]
c) ao 4.o quadrante;
c) [0, 1]
d) ao 2.o ou 4.o quadrantes;
d) [1, 2]
e) ao 3.o ou 4.o quadrantes.
e)
25. (FEI–SP) Se 0 < x < 2π e sen x > cos x, então:

30. (Unifor–CE) Se , então cos θ é


a) b)
igual a:
c) d)
a) b)
e)
c) d)

26. (PUC–RS) Se x ∈ [0, 2π], o conjunto solução


e)
para a inequação x – sen x ≥ 0 é:

a) b) [0, 2π]

c) [0, π] d) (0, +∞)


e) ℜ

27. (Unifor-CE) Se , então tg α é

igual a:

a) –
b) –1

c) –

d)

e)

28. (Unit-SE) A solução da equação


arc sen(arc cos x) = 0 é:

a) x = 0

b) x =

c) x = 1
d) x = π
e) n.d.a.

90
UNIDADE VI
Números Complexos
Matemática Elementar IV – Números Complexos

Em manuscrito datado de 1777 e publicado


posteriormente em 1794, o matemático suíço
TEMA 21
Leonhard Euler (1707-1783) foi o primeiro a uti-
lizar a letra i para representar .
FORMA ALGÉBRICA E POTÊNCIAS DE i
A partir da unidade imaginária, começava a con-
21.1. Um pouco de história figurar-se um novo conjunto, o dos números
complexos, que será indicado por .
Os números complexos, assim como são co-
nhecidos hoje, surgiram por volta do século XVI,
21.3 Potências de i
quando ainda os matemáticos ocidentais mal
haviam superado as dificuldades com os nú- Vejamos agora como podemos calcular potên-
meros irracionais e negativos. cias de i.
As primeiras idéias sobre esses novos núme- i0 = 1
ros foram observadas em trabalhos de vários
matemáticos italianos quando da descoberta i1 = i
da solução algébrica de equações cúbicas. i2 = –1
Em 1545, Cardano publica Ars magna (Arte i3 = i2 . i = –1 . i = –i
maior), uma obra dedicada à álgebra, em que
i4 = i3 . i = –i . i = –i2 = 1
relata a solução da equação x3 + px = q. Nes-
sa obra, ele faz uma observação acerca desses i5 = i4 . i = 1 . i = i
novos números.
i6 = i5 . i = i . i = i2 = –1
Inspirado no trabalho de Cardano, o matemá-
i7 = i6 . i = –1 . i = –1
tico bolonhês Rafael Bombelli (cerca de 1526-
1573), ao resolver a equação cúbica incom- i8 = i7 . i = –i . i = i2 = 1
pleta x3 – 15x – 4 = 0, passou a operar com o .
:
símbolo .
Observando os valores obtidos para essas po-
Mais tarde, outros matemáticos também utiliza-
tências, verificamos que eles se repetem a gru-
ram esse símbolo. A partir daí, os números com-
po de quatro potências, assumindo os valores
plexos começaram a perder um pouco do ca-
ráter sobrenatural que tinham até então, mas 1, i, –1 e –i.
só foram totalmente aceitos no século XIX.
21.4 Processo prático para calcular potências
Esses números inauguraram um extenso cam-
po de estudos na matemática. Um exemplo dis- de i
so são suas aplicações no estudo das equa- Dado in, com n ∈ lN, temos:
ções algébricas.
Na física, eles são usados, por exemplo, no ele-
tromagnetismo e na eletricidade, em circuitos
elétricos

21.2 O número i
O resto r da divisão de n por 4 será sempre um
Ao resolver a equação x2 + 4 = 0, obtemos as destes valores: 0, 1, 2 ou 3.
raízes – e , ou seja, números não-reais.
Se considerarmos U = lR, teremos como con-
junto solução o conjunto vazio, isto é, S= ∅.
A solução de equações como essa passou a ser
possível devido à introdução de um elemento
matemático, denominado unidade imaginária,
que será indicado pela letra i, tal que: Portanto o valor da potência de i depende do
i= ou i2 = –1 resto r. Observe o quadro:

93
UEA – Licenciatura em Matemática

Valor de r 0 1 2 3
valor de ir 1 i –1 –i

1. Calcule:
Exemplos:
a) i329
1. Calcular: b) i105
a) i250
c) i94
b) i931
2. Calcule:
Solução:
a) i4n – 2
a) i250
b) i3 + 8n

3. Calcule o valor de:

Logo, i250 = i2 = –1
21.5 Forma algébrica de um número complexo
b) i931
Todo número complexo pode ser colocado na
forma
z= a + bi
denominada forma algébrica, em que a e b
são números reais, e i é a unidade imaginária.
Logo, i931 = i3 = –i O número a é a parte real de z, e indicamos
por Re(z) = a.
2. Calcular o valor das seguintes expressões:
O número b é a parte imaginária de z, e indi-
a) i39 + i42 – i14 camos por Im(z) = b.
b) i25 + i148 – 2i79 • Se Re(z) = 0, então z é um número imagi-
nário puro.
Solução:
• Se Im(z) = 0, então z é um número real.
a) i39 + i42 – i14
Todo número real a é o número complexo a +0i.
Logo, lR ⊂ . Podemos visualizar essa relação
de inclusão no diagrama:

Logo, i39 + i42 – i14 = i3 + i2 – i2 = –i

b) i25 + i148 – 2i79

Exemplos:

Logo, 1. z = 2 + 7i ⇒ Re(z) = 2 e Im(z) = 7


i25 + i148 – 2i79 = i1 + i0 – 2i3 = 2. z = –4i ⇒ Re(z) = 0 e Im(z) = –4
= i + 1 – 2 (–i) = i + 1 + 2i = i + 3i 3. z = 2 ⇒ Re(z) = 2 e Im(z) = 0

94
Matemática Elementar IV – Números Complexos

4. Considerando o número complexo


z = (3 – 5m) + (2k + 3)i, determinar m e k reais,
TEMA 22
tais que:
a) z seja um número real;
IGUALDADE, SOMA E SUBTRAÇÃO DE
b) z seja um número imaginário puro.
NÚMEROS COMPLEXOS
Solução:
22.1 Igualdade de números complexos
a) z é um número real se Im(z) = 0. Então,
devemos fazer: Dois números complexos z1 = a + bi e
z2 = c + di são iguais se, e somente se, suas
2k + 3 = 0, ou seja, k = –
partes reais e imaginárias forem respectiva-
b) z é um número imaginário puro se Re(z) = 0. mente iguais, ou seja:
Então: z1 = z2 ⇔ a + bi = c + di ⇔ a = c e b = d

3 – 5m = 0, isto é, m = Exemplos:
1. Sendo z1 = 8x + 3i e z2 = –5 + 4yi, deter-
Nesse caso, devemos ter k ≠ – . minar os números reais z e y de modo que
z1 = z2.
Solução:
Se z1 = z2, devemos ter:

1. Determine a parte real e a parte imaginária de


cada um dos números complexos:
a) z = –3 + 4i e) z = 3 2. Determinar os números reais x e y de modo que
b) z = 2 – 1i f) z = – i 3x = –5x + 2 + (y + 3)i
c) z = 4 + i g) z = 3 + 2πi Solução:
d) z = 5i Devemos ter:

2. Dado z =(m2 – 4) + (k – 5)i, determine m e k


reais, tais que:
a) z seja um número real;
b) z seja um núero imaginário puro.

3. Determine os números reais p e q, tais que z = 0,


nos seguintes casos:
a) z = 2p – 10 + (q + 1)i 1. Determine os números x e y nas seguintes
igualdades:
b) z = p – 2 + (q2 – 9)i
a) 5x –3yi = 2 + 12i
c) z = p2 + 3p – 4 + (q + 4)i
b) (x – 3) + (y + 1)i = 6 + 4i
c) (x2 – 2x – 15) + (3y – 9)i = 3i
4. Qual deve ser o valor de x para que o número
d) (4 – x + 5y) + 3yi = 0
complexo z = (x – 4) + (x2 – 4x + 3)i seja um
e) 15 + 3x + 6i = –2yi
número real?

2. Calcule os números reais a e b para que se te-


5. Determine o valor de x para que o número com-
nha a + 7i = –5 + bi.
plexo z seja imaginário puro:
a) z = (x2 – 4x + 4) + (x – 2)i 3. Determine os reais x e y para que seja válida a
b) z = (x2 – 6x + 5) + (x – 5)i igualdade (2x – 1) + 5i = 11 – (y + 2)i.

95
UEA – Licenciatura em Matemática

22.2 Adição de números complexos 3. Elemento neutro:


Sejam os números complexos z1 = a + bi e 0 = 0 + 0i é o elemento neutro da adição, pois
z2 = c + di, com a, b, c, d ∈ lR. Então, temos: z + 0 = 0 + z = z, ∀z ∈ .
z1 + z2 = (a + bi) + (c + di) = a + bi + c + di ⇒ 4. Oposto:
Todo complexo z = a + bi possui um oposto,
–z = –a – bi, tal que z + (–z) = 0

22.3 Subtração de números complexos


Exemplos: Sejam os números complexos z1 = a + bi e
z1 = c + di, com a, c, d ∈ lR. Então, temos:
1. Sendo z1 = 3 + 4i e z2 = –1 + 2i, determinar z1 – z2 = (a + bi) – (c + di) = a + bi – c – di ⇒
z1 + z2.
Solução:

Exemplos:
2. Dados z1 = 3 + 6i, z2 = –2 – 5i e , 1. Sendo z1 = 5 + i e z2 = –1 + 3i, calcular
z1 – z2.
calcule:
Solução:
a) z1 + z2
b) z2 + z3
c) z1 + z2 + z3
Solução: 2. Dados z1 = 1 + 2i, z2 = –3 – i e z3 = 5i,
calcule:
a) z1 + z2
a) z1 – z2
(3 + 6i) + (–2 – 5i) = (3 – 2) + (6 – 5)i = 1 + i
b) z1 + z2 – z3
b) z1 + z3
Solução:
a) z1 – z2

b) z1 + z2 – z3
c) z1 + z2 + z3

3. Calcular os reais x e y de modo que se verifique


a igualdade 2x + xi + 3y – yi – 2 = 0 .
Solução:
22.2.1 Propriedades
A adição de números complexos goza das pro-
priedades seguintes:
Igualando as partes reias e as partes imaginá-
1. Associativa: rias, temos:
(z1 + z2 ) + z3 = z1 + (z2 + z3), ∀z1 ∈ , ∀z2 ∈
e ∀z3 ∈
2. Comutativa:
z1 + z2 = z2 + z1, ∀z1 ∈ e ∀z2 ∈

96
Matemática Elementar IV – Números Complexos

a) z1 + z2
b) z3 – z1
c) z3 – z2 + z1
1. Efetue:
a) (3 + 7i) + (2 – 6i) 8. Calcule:
b) (3 – 4i) + (2 + 3i) a) 4 + 2 –(–4 – 2i)
c) (1 + 2i) – (1 + i) b) – 6 + 8i –(–6 – 8i)
d) (3 – 5i) + (2 + 3i) – (1 – i)
c)
2. Determine a parte real e a parte imaginária dos
seguintes números complexos:
d)
a) z = (5 + i) – (–2i)
b) z = (1 – i) + 2(3i – 4)
9. Calcule:
3. Determine os números reais x e y nas seguin- a)
tes igualdades:
a) (2x – i) + (x – 2yi) = –2i b)

b) –3yi – (2x + yi) = 1 – i c) (m + ni) – (–m + ni)


c) (x + y) + (x – yi) = 0 d) –(a + bi) + (a – bi)
d) (x – 3yi) – (2yi) = 3 – i
10. Calcule:
4. Dada a igualdade 1 +(x + y)i = 2y – x – 4i, em
que i é a unidade imaginária, determine a rela- a)

ção , sendo x e y números reais.


b)

5. Dados z1 = 2 + 5i, z2 = –6 + i, z3 = 1 – 3i e c)
z4 = –2 – i, calcule:
a) z1 + z2 d)

b) z3 + z4
11. Calcule os reais x e y nas igualdades:
c) z2 – z3
d) z1 – z4 a)
e) z1 + z2 + z3 + z4
b)
f) z1 – z2 – z3 – z4
12. Calcule os reais x e y na igualdade:
6. Dados , cal-

cule:
13. Calcule os reais x e y na igualdade:
a) z1 + z2
b) z2 – z3
c) z1 – z2 – z3

7. Dados ,
calcule:

97
UEA – Licenciatura em Matemática

3. Determinar o valor de A para que o produto


(a + 2i)(3 – 2i) seja real.
TEMA 23
Solução:
(a + 2i)(3 – 2i) = 3a – 2ai + 6i – 4i2
MULTIPLICAÇÃO, CONJUGADO E DIVISÃO
DE NÚMEROS COMPLEXOS NA FORMA (a + 2i)(3 – 2i) = 3a – 2ai + 6i + 4
ALGÉBRICA (a + 2i)(3 – 2i) = (3a + 4)+ (–2a +6)i
para que o produto seja real, devemos ter
23.1 Multiplicação de números complexos na
–2a + 6 = 0, ou seja, a = 3
forma algébrica
Consideremos os números complexos 4. Determinar os números reais x e y para que:
z1 = a + bi e z2 = c + di, com a, b, c, d ∈ 2(x – yi) + (x + 3y)i = 1 – 2i.
lR. Assim:
Solução:
2(x – yi) + (x + 3y)i = 1 – 2i
2x – 2yi + xi + 3yi = 1 – 2i
2x + (–2y + x + 3y)i = 1 – 2i
2x + (y + x)i = 1 – 2i

e
Exemplos:
1. Sendo z1 = 2 – 3i e z2 = 1 + i, determinar
z1 . z2.
Solução: 5. Dado o número complexo z = 2 + 3i, calcule:
a) –z b) i . z c) z2 d) z3 e) z4
Solução:
a) –z = (–1) . z = (–1)(2 + 3i) = –2 – 3i
2. Dados z1 = 3 – 4i e z1 = 5 – i, calcular:
b) i . z = i(2 + 3i) = 2i + 3i2 =
a) X = 3z1 – 2z2
2i + 3(–1) = –3 + 2i
b) Y = (z2)2
c) z2 = z . z = (2 + 3i)(2 + 3i) =
c) K = z1 – 2(z2) 2
4 + 6i + 6i + 9i2 = –5 + 12i
Solução: d) z3 = z2 . z = (–5 + 12i)(2 + 3i) =
a) X = 3z1 – 2z2 –10 – 15i + 24i + 36i2 = –46 + 9i

X = 3(3 – 4i) – 2(5 – i) e) z4 = z2 . z2 = (–5 + 12i)(–5 + 12i) =


25 – 60i – 60i + 144i2 = –119 – 120i
X = 9 – 12i – 10 + 2i
X = –1 – 10i
23.1.1 Propriedades
b) Y = (z2)2
A multiplicação de números complexos goza
Y = (5 – i)2 = 25 – 10i + i2 das propriedades seguintes:
Y = 25 – 10i – 1 = 24 – 10i 1. Associativa:
c) K = z1 – 2(z2)2 (z1 . z2). z3 = z1 . (z2 . z3), ∀z1 ∈ , ∀z2 ∈
K = 3 – 4i – 2(5 – i)2
e ∀z3 ∈
K = 3 – 4i – 2(25 – 10i – 1) 2. Comutativa:
k = 3 – 4i – 50 + 20i + 2 = –45 + 16i z1 . z2 = z2 . z1, ∀z1 ∈ e ∀z2 ∈ .

98
Matemática Elementar IV – Números Complexos

3. Elemento neutro: 9. Efetue os produtos z1 = i(2 – 3i)(3 – 2i) e


1 = 1 + 0i é o elemento neutro da multipli- z2 = (1 + 2i)(2 + 3i)(1 – 2i)(2i + 3) e respon-
da:
cação, pois z . 1 = 1 . z = z, ∀z ∈
4. Inverso: a) Qual deles é real?
Todo complexo não nulo z possui um inver- b) Qual deles é imaginário puro?

so , tal que . 10. Determine dois números complexos cuja soma


é 4 e cujo produto é 29.

11. Obtenha dois números cuja soma seja -6 e cujo


produto seja 10.

12. Dados , calcule:


1. Sendo z1 = 2 – 2i e z2 = 1 + 3i, calcule:
a) z1 . z2
a) z1 + z2 e) (z1)2
b) z2 . z3
b) z1 – z2 f) (z2)2 c) z1 . z3
c) z2 – z1 g) (z1)2 . (z2)2 d) z1 . z2 . z3
d) z1 . z2 h) 2z1 – z2

13. Dados ,
2. Dado o produto (3x – i)(2 – 3i), determine o valor
de x para que esse produto seja um número calcule:
real. a) z1 . z2
b) z2 . z3
3. Mostre que o número (2 – 3i)(2 + 3i) é um nú-
c) z3 . z4
mero real.
d) z4 . z2 . z1
4. Determine o valor de x para que (x – 3i)(2 + 6i)
seja real. 14. Dados , calcule:
a) z1 . z2
5. Efetue: b) z1 . z3
a) (3 + i) . (7 – 3i) c) z2 . z3
b) (3 – 2i) . (1 + 2i)
15. Calcule:
c) (5 – 4i) . (5 + 2i) . i
a) i(2 + 3i)
d) (4 + i) . (1 + i) . (–2i)
b) –3i(–1 – 2i)
6. Efetue: c) 2(3 – i) + i(–1 + 2i)
a) (5 + i) . (5 – i) + (2 + i). i d)
2
b) (1 + i) . (1 – 2i) – (1 + i) . i
c) i . (1 + i) + (1 + i) . (2 + i) – (2 + i). (3 + 2i) 16. Calcule:
a) (2 – 6i)(3 – i)
7. Obtenha a parte real x e a parte imaginária y do
complexo x + yi = (1 + i) . i .(1 – 3i).
b)

8. Calcule x e y reais de modo que


x = yi . (2 + 3i) = 1 + 8i. c)

99
UEA – Licenciatura em Matemática

6. Determine o número complexo z tal que


d)
2z + iz– = 7 – i.
17. Calcule: Solução:
a) Fazendo z = a + bi e, portanto, z– = a – bi,
temos:
b)
2a + 2bi + ai + b = 7 – i ⇒

18. Calcule: (2a + b) + i(2b + a) = 7 – i


E então:
a)
b)

cuja solução é a = 5 e b = –3, logo z = 5 – 3i.


19. Calcule os reais x e y em cada igualdade:
a)
23.2.1 Propriedades do conjugado
b)
Sejam z1, z2 e z3 números complexos quais-
quer. Então, são válidas as seguintes proprie-
dades:
23.2. Conjugado de um número complexo
Dado um número complexo z = a + bi, deno- 1.
minamos conjugado de z ao número complexo 2.

z– = a – bi 3. z = z– ⇒ z ∈ lR
Exemplos: 4. , com n ∈ lN
1. Se z = 2 + 5i, então: z– = 2 – 5i =
5. z = z
2. Se z = –4 + 2i, então: z– = –4 – 2i
3. Se z = 3i, então: z– = –3i
4. Se z = 2, então: z– = 2
Observação:
1. Determine o conjugado dos seguintes núme-
O conjugado de um número real é o próprio ros complexos:
número. a) z = 8–i
5. Sendo z – 2z– = 3 + 2i, calcular z. b) z = 1– i
c) z = 13
Solução:
d) z = 7i
Façamos z = a + bi, com a e b reais. e) z = p – qi, sendo p e q reais
Então, z– = a – bi.
2. Determine o valor de z, com z ∈ , em cada ex-
Substituindo z e z– na expressão dada, temos:
pressão:
z – 2z– = 3 + 2i ⇒ a + bi – 2(a – bi) = 3 + 2i ⇒
a) 2z – z– = 3 – 6i
a + bi – 2a + 2bi = 3 + 2i ⇒ –a + 3bi = 3 + 2i
b) z + 5z– = 6 + 16i
Pela igualdade de dois números complexos,
c) z– – 2z = –2 +6i
temos:
d) 3z – 2z– = 5i
–a = 3 ⇒ a = –3
e) z . z– + (z – z–) = 2 – 2i
3b = 2 ⇒ b =
3. Dados os complexos z1 = 3 + 2i e z2 = 1 + i,
verifique a validade das seguintes igualdades:
Portanto, o número procurado é: z = –3 + i

100
Matemática Elementar IV – Números Complexos

a)
b)
4. Sendo z =(4 + 3i) + (5 – 2i) – (11 – 7i), Fazendo o mesmo para
determine seu conjugado z–.

5. Sabendo que z = (2 + i)(3 + i)(4 + i), calcule


seu conjugado z–. , logo,

6. Mostre que z = z– se, e somente se, z é real.

7. Calcule o número complexo z que satisfaz a


condição (z – z– – 1)i + (z + z– – 2) = z. 3. Dado z = 2 + i, calcular .

Solução:
8. Obtenha o número complexo z que verifica a
condição z . z– + (z – z–) = 13 + 6i

23.3 Divisão de números complexos na forma


algébrica
Sejam os números complexos z1 e z2, com z2 ≠ 0.
O número complexo é obtido multiplicando
4. Determine x ∈ lR de modo que o número

o numerador e o denominador pelo conjugado complexo seja imaginário puro.


do denominador, isto é:
Solução:

Exemplos: Devemos ter 2 – 2x2 = 0 e –5x ≠ 0, portanto, re-


solvendo a equação –2x2 + 2 = 0, obtemos
1. Sendo z1 = 5 + 3i e z2 = 1 – 4i, calcular z1 ÷ z2.
x = 1 ou x = –1.
Solução:

1. Calcule:

a) e)

2. Colocar na forma a + bi a expresão: b) f)


.
c) g)
Solução:
d)
Colocando na forma a + bi

2. Coloque na forma a + bi as seguintes expres-


sões:

101
UEA – Licenciatura em Matemática

a) b)

3. (UFBA) Existe um número real x tal que o


quociente é um número imaginário puro.

Determine o simétrico de x.

=
4. Dado z = 3 + 5i, determine o complexo z .

5. Determine o valor de k, com k ∈ lR, para que


o número complexo seja:

a) real;
b) imaginário puro.

6. Dado o complexo z = 2 + 5i, verifique se z + z–


é um número real.

7. Determine o número complexo z tal que


.

8. Divida 2 + i por 1 + i.

9. Calcule os quocientes:

a)

b)

c)

d)

10. Calcule o inverso de z em cada caso:


a) z = 4 – 3i
b) z = 12 + 5i
c) z = i
d) z = 1 + i

102
UNIDADE VII
Números complexos na forma trigonométrica
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

número complexo z = a + bi, sendo a e b


números reais:
TEMA 24

REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA, MÓDULO E


ARGUMENTO DE UM NÚMERO COMPLEXO

História
No fim do século XVIII, em 1797, um topógrafo
norueguês, Caspar Wessel, entregou à Aca-
demia Dinamarquesa de Ciências e Letras uma
Memória, publicada em 1799, “Sobre a repre- O ponto P do plano denomina-se imagem ou
afixo de z.
sentação analítica da Direção” em que, pela
primeira vez, foi apresentada uma representa- O eixo Ox, das abscissas, é chamado eixo real,
ção geométrica dos números complexos. Há e o eixo Oy, das ordenadas, é chamado eixo
qualquer coisa de novo, para além da idéia de imaginário.
coordenadas cartesianas, pois, na representa- Podemo também indicar um número complexo
ção a que acabamos de nos referir, todos os z = a + bi como par ordenado, isto é, z = (a, b).
complexos da forma O + bi, isto é, todos os
imaginários puros têm representação sobre o Exemplos
eixo Oy. 1. Representar no plano de Argand-Gauss os com-
Mas o trabalho de Wessel foi esquecido duran- plexos:
te um século e, só alguns anos depois, em z1 = 4 + 9i, z2 = 4i, z3 = –2 + 6i, z4 = 7 e
1806, o suiço Jean-Robert Argand (1768-1822) z5 = 6 – 4i.
criava, por sua vez, a mesma representação.
Solução:
Foi o seu nome que ficou ligado a ela durante
muitas dezenas de anos.
Entretanto Gauss escreveu, numa carta datada
de 1811:
“... da mesma maneira que se pode representar
todo o domínio das quantidades reais por meio
de uma linha recta indefinida, pode representar-
se o domínio complexo de todas as quantidades,
as reais e as imaginárias, por meio de um plano
indefinido; onde cada ponto determinado pela
sua abcissa a e pela sua ordenada b representa,
ao mesmo tempo, a quantidade a + bi.”

24.1 Representação geométrica de um


número complexo
Entre os séculos XVIII e XIX, três obras sobre a
representação geométrica dos número com-
plexos foram publicadas: a de Caspar Wessel, 2. Colocar na forma algébrica o complexo
a de Gauss e a de Argand. z = (–2, 5).
Atualmente, essa representação é conhecida Solução:
como Argand-Gauss. Sendo z = (–2, 5), então temos a = –2 e b = 5.
Agora, observe, no gráfico, a representação do Logo, z = –2 + 5i.

105
UEA – Licenciatura em Matemática

Aplicando o teorema de Pitágoras no triângulo


retângulo, vem:

1. Represente em um único plano os pontos cor-


respondentes aos seguintes números comple-
Portanto o módulo do número complexo z é
xos:
dado por:
z1 = –3 + 5i, z2 = –3i, z3 = 5, z4 = 7 – 2i,
z5 = –4 e z6 = 5 + 3i

Observação:
2. Coloque na forma algébrica os seguintes nú-
meros complexos: ρ é real não-negativo.
a) z1 = (–3, 1) b) z2 = (0, 3)
Exemplos:
c) z3 = (4, –0) d) z4 = (–5, 0)
e) z5 = (–1, 1) f) z6 = (–2, –2) 1. Calcular os módulos de z1 = 3 + 4i, z2 = –3 + 4i,
z3 = 4 – 3i e z4 = –4 –3i.
3. Dado o número complexo z = 2 + 3i, repre-
sente, no plano complexo de Argand-Gauss, os Solução:
afixos de z, i . z, i2 . z e i3 . z.

4. Dado o número complexo z = –3 + 4i, repre-


sente, no plano complexo de Argand-Gauss, os
afixos de z, do seu conjugado z– e do seu opos-
to –z.

5. Represente, no plano complexo, os afixos de Os afixos de z1, z2, z3 e z4 estão todos na cir-
z = –4 – 5i, do seu conjugado e do seu oposto –z. cunferência de centro O(0,0) e raio r = 5.

6. Sendo z = 2i, represente, no plano complexo,


os afixos z, iz, i2z e i3z.

7. Marque, no plano complexo, os afixos z, iz, i2z,


i3z e i4z, sendo z = 3.

24.2 Módulo de um número complexo


Seja P o afixo do número complexo z = a + bi.
Denomina-se módulo de z a distância de P à
origem (0, 0).
O módulo de z será indicado por |z| ou pela 2. Calcular o módulo do número complexo
letra grega ρ (rô). z = –6i.
Graficamente, temos:
Solução:
Como z = –6i, temos a = 0 e b = –6. Daí:

3. Calcular o módulo do número complexo


z= + i.
Solução:

106
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

24.2.1 Propriedades do módulo 2. Dados z1 = 1 + 2i e z2 = 3 + i, calcule:


• |z| ≥ 0
a) |z1 + z2| d)
• |z1 . z2| = |z1 |.|z2|
b) |z1|+|z2| e) |z1|.|z2|
• |z| = 0 ⇔ z = 0
c) f) |z–2|

• |zn| = |z|n 3. Calcule o módulo de cada um dos seguintes


números complexos:
Exemplos:
a) (1 – 2i)(3 – 2i)

1. Dado z1 = 3 + i, z2 = 1 + 2i e z3 = 3 + 4i, cal- b) (4 + 3i)4


cular:
c)
a) |z1 . z2| b) c)

Solução: 4. Calcule o módulo dos seguintes números com-


plexos:
a) = a) 2 + 2 i e) 3i
b) –3 + 4i f) –3i
c) –12 – 5i g) 4
b)
d) h) –
c)

5. Calcule o módulo do número complexo z tal


Observação:
que z = (2 – 7i) + (3 – 3i) – 2i.
Se z = a + bi for real, ou seja, b = 0, temos:
6. Calcule o módulo do número complexo z tal
que z = (2 + 2i)(1 – i).
Isto é, o módulo de z é igual ao módulo de a,
noção já estudada no campo dos números reais. 7. Determine o módulo do complexo .
Por exemplo:
z = 5 ⇒ |z| = 5 8. Sendo , calcule |z|.
z = –3 ⇒ |z| = 3
z = 0 ⇒ |z| = 0
24.3 Argumento de um número complexo
Seja P o afixo do número complexo z = a + bi,
representado no plano:

1. Determine módulo dos seguintes números


complexos:
a) z1 = 3 + 4i
b) z2 = 2 – 2i
c) z3 = 5i
θ
d) z4 = 1 + 2i
e) z5 = 2 + 3i

107
UEA – Licenciatura em Matemática

Denomina-se argumento de z a medida do



ângulo θ, formado pelo segmento OP e pelo
eixo x, medido em radianos no sentido anti-
horário, com 0 ≤ θ < 2π.
Então, temos:

Indicamos por arg(z) = θ (leia: argumento de


zê igual a teta) .
Geometricamente, temos: Conhencendo e , determi-

namos um único valor de θ no intervalo 0 ≤ θ


< 2π. Na figura abaixo, indicamos os “arcos
notáveis” do intervalo [0, 2π[ com seus respec-
tivos co-senos e senos.

Exemplos

1. Representar, geometricamente, cada um dos se-


guintes números complexos:
a) z1 = 5i
b) z2 = –4i
c) z3 = +i
Solução:
a) z1 = 5i ⇒ z1 = 0 + 5i
Módulo:
Sendo a = 0 e b = 5, temos:

(I)

e (II)

108
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

O ângulo , que satisfaz as con- Então, temos o seguinte gráfico:

dições (I) e (II), é: .

2. Determinar o argumento de z = 1 + i.
Solução:
b) z1 = 4i ⇒ z1 = 0 – 4i
Temos:
Módulo:
Sendo a = 0 e b = –4, temos:

(I)

e
(II)

O ângulo satisfaz as condi-

ções (I) e (II).


Então, temos:

3. Determinar o argumento de z = – i.
Solução:
Temos:

c)

Módulo:

(I)

e
1. Determinar o módulo ρ e o argumento θ de
(II) cada um dos seguintes números complexos:
a) z1 = 2 – 2i b) z2 = 4i
O ângulo satisfaz as con- c) z3 = –3 d) z2 = 1 + i
dições (I) e (II). e) z5 = –3 – 3i

109
UEA – Licenciatura em Matemática

b) z = –3i
TEMA 25 Temos: a = 0 e b = –3
Módulo:

FORMA TRIGONOMÉTRICA DE UM Temos ainda:


NÚMERO COMPLEXO

Vimos, anteriormente, que:

(I) Portanto

(II) Graficamente, temos:

Substituindo (I) e (II) em z = a + bi, temos:

Portanto:
Essa expressão é a forma trigonométrica ou
forma polar do número complexo z = a + bi,
de módulo ρ e argumento θ.

Exemplos
2. Colocar z = 1 + i na forma trigonométrica.
1. Dar a forma trigonométrica dos seguintes nú-
Solução:
meros complexos:
Temos: a = 1 e b = 1
a) z = – 1 + i
Módulo:
b) z = –3i
Solução:
a) z = – 1 + i
Temos: a = – 1 e b = 1
Módulo: Portanto

ou

Portanto
3. Colocar z = – i na forma trigonométrica.
Solução:
Temos: a = e b = –1
Graficamente, temos:
Módulo:

Portanto

110
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

b)

4. Escrever, na forma algébrica, o número complexo:


c)
.
Solução:
Solução:
O arco é do quarto quadrante. Então, temos: a)

Substituindo os valores encontrados na expres-


são dada, vem:
b)

c)

5. Escrever, na forma algébrica, os seguintes nú-


meros complexos:

e
. 1. Calcule o módulo, o argumento e escreva os
seguintes números complexos na forma trigo-
Solução: nométrica. Em seguida, represente-os no pla-
no complexo, indicando na figura o módulo e o
argumento.
a) z = 5 + 5i i) z = 3i

b) z = 1 – i j)
e
c) z = –2 + 2i k) z = – i

l)
d) z = –1 – i

e) z = 1 + i m)
6. Escrever, na forma algébrica, os seguintes nú-
meros complexos: f) z = +i n) z = 5
g) z = –i o) z = –5
a)
h) z = 2i

111
UEA – Licenciatura em Matemática

2. Escreva na forma algébrica os seguintes


números complexos:
TEMA 26
a)
MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO COM
b) NÚMEROS COMPLEXOS NA FORMA
TRIGONOMÉTRICA
c)

26.1 Multiplicação
d)
Sejam os números complexos
e)
z1 = ρ1 . (cos θ1 + i . sen θ1) e
f) z2 = ρ2 . (cos θ2 + i . sen θ2)
O produto desses dois números é dado por:
3. Dado z = 1 + i, escreva na forma trigo- z1 . z2 = ρ1ρ2[(cos θ1 cos θ2 + isen θ2 cos θ2 +
nométrica os seguintes números complexos:
= + isen θ1 cos θ2 – sen θ1 sen θ2)]
a) z b) z2 c) z2 . z–
Então, temos:
4. Dada a representação geométrica do afixo de z1 . z2 = ρ1ρ2[(cos θ1 cos θ2 – sen θ1 sen θ2 )+
um número complexo z, escreva-o na forma
trigonométrica: + i(sen θ1 cos θ2 + sen θ2 cos θ1)]

a) b) Sabendo que:
cos(θ1 + θ2 ) = cos θ1 cos θ2 – sen θ1 sen θ2
sen(θ1 + θ2 ) = sen θ1 cos θ2 + sen θ2 cos θ1
Concluímos:
z1 . z2 = ρ1 . ρ2 [cos(θ1 + θ2 ) + i . sen(θ1 + θ2 )]
Note que, para obter o módulo de z1 . z2, mul-
5. Coloque na forma trigonométrica o complexo
tiplicamos os módulos de z1 e z2 e para obter o
.
argumento de z1 . z2, somamos os argumentos
de z1 e z2.
6. Coloque na forma algébrica os complexos:
a) z1 = 2(cos 135º + isen 135º) Exemplos

b) z2 = 30(cos 300º + isen 300º) 1. Dados

e ,
7. Escreva na forma trigonométrica o complexo z
tal que z = (i + 1)+(i + 2)+(i – 3). determinar z1 . z2.

8. Escreva na forma trigonométrica o complexo z Solução:


tal que z = (1 – 2i)(3 + 4i)+2i(1 + i). Temos:
ρ1 . ρ2 = 4 . 5 = 20
9. Obtenha na forma trigonométrica, o complexo
z tal que .

Portanto:

112
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

2. Sendo Em z1 . z2 houve uma rotação positiva a z1 de


um ângulo igual ao ângulo de z2. Ou seja,
e ,
nesse caso, houve uma rotação de a z1.
calcule z1 . z2.
Solução:
Como o argumento de z1 era e z1 recebeu
Temos:
ρ1 . ρ2 = 2 uma rotação de , o produto z1 . z2 passa a ter

argumento igual a . Já o módulo de

Portanto: z1 . z2 é 6, que corresponde a 2 . 3 ou |z1|.|z2|.


Observação:
Considerando o produto de n números com-
plexos, temos:
3. Sendo

e ,

calcule z1 . z2. Exemplo


Solução:
Sendo ,
Temos:
ρ1 . ρ2 = 3 . 2 = 6
e ,

calcule z1 . z2 . z3.
Portanto: Solução:
Temos:

4. Calcule o produto z1 . z2 com

e .
Portanto:

Solução:

Fazendo a interpretação geométrica deste 1. Dados os números complexos


problema temos:

, calcule:

113
UEA – Licenciatura em Matemática

a) z1 . z2 f) z2 . z3 . z4 Solução:
b) z1 . z3 g) z1 . z2 . z3 . z4
c) z1 . z4 h) (z4)2
d) z2 . z3 i) (z3)3
e) z1 . z2 . z3 j) (z1)3

2. Obtenha, na forma trigonométrica, o complexo


u . v, sendo dados u = i – 1 e v = i – .

3. Obtenha, na forma trigonométrica, o complexo


t . u . v, sendo dados t = 1 + i, u = i e
v = –1 + i .
1. Dados os números complexos

, e
26.2 Divisão
Considere os números complexos: , calcule:
z1 = ρ1 . (cos θ1 + i . sen θ1) e
z2 = ρ2 . (cos θ2 + i . sen θ2). a)
Aplicando o raciocínio análogo ao da multipli-
cação, chegaremos à expressão: b)

, com z2 ≠ 0. c)

Note que para obter o módulo de , dividi- 2. Dados os números complexos

mos o módulo de z1 pelo módulo de z2. e ,

calcule e .
Exemplos:

1. Dados

e ,

calcular .

Solução:

2. Calcule o quociente para

114
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

Escrevendo na forma algébrica, temos:


TEMA 27

POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO DE
NÚMEROS COMPLEXOS NA FORMA
TRIGONOMÉTRICA

27.1 Potenciação
Considere o número complexo
Logo, .
z = ρ . (cos θ + i . sen θ). Então, temos:
z2 = z . z = ρ2 . (cos 2θ + i . sen 2θ) 2. Calcular ( + i)10.
z3 = z2 . z ⇒ z3 = ρ3 . (cos 3θ + i . sen 3θ) Solução:
z4 = z3 . z ⇒ z4 = ρ4 . (cos 4θ + i . sen 4θ) Temos: ( + i)10 = z10.
Generalizando, temos: Vamos passar o número complexo z = +i
para a forma trigonométrica.
zn = ρn . (cos nθ + i . sen nθ).
Essa fómula é denominada primeira fómula Módulo:
de De Moivre.

Exemplos:
1. Dado , calcule z6.
A forma trigonométrica é .
Solução:
Aplicando a primeira fómula de De Moivre, temos:
Aplicando a primeira fómula de De Moivre, te-
mos:

Portanto .

3. Determine o menor valor de n ∈ lN*, para o qual


(2 i + 2)n é real positivo.
Passando o número complexo z = 2 i+2
para a forma trigonométrica:

Portanto Módulo:

2. Dado o número , deter-

mine z7.
Solução:
Aplicando a primeira fómula de De Moivre, temos:
A forma trigonométrica é .

Aplicando a primeira fómula de De Moivre, te-


mos:

115
UEA – Licenciatura em Matemática

Para que zn seja real e positivo, devemos ter: a) (1 – 3i)3 e) (1 + i)4


b) (3 – 3i)5 f) ( + i )9

c) ( +i )7 g)

Como n ∈ lN*, fazemos: d) (–1 – i)100 h) (– 3i)17

4. (UFMG) Determine o menor inteiro n, tal que


( –i )n seja um número real negativo.

.
:

Abraham de Moivre nasceu no dia 26 de


Logo, o menor valor de n ∈ lN* é 6.
maio de 1667, em Vitry (próximo a Paris),
Nesse caso, temos: França, e morreu no dia 27 de novembro de
1754, em Londres, Inglaterra. Depois de passar
cinco anos em uma academia protestante, em
que é um número real positivo. Sedan, Moivre estudou lógica em Saumur, de
1682 até as 1684. Ele foi, então, para Paris,
estudando no Collège de Harcourt, e tendo au-
las particulares de matemática com Ozanam.

1. Dados

,
, z3 = 1 + i,

, e

, calcule:

a) (z1)4 e) (z5)3
Um protestante francês, Moivre emigrou para
b) (z2)8 f) (z6)4
a Inglaterra, em 1685, seguindo a revogação do
c) (z3)6 g) (z3)100 Édito de Nantes e a expulsão de Huguenots.
d) (z4)9 Ele se tornou tutor particular de matemática e
esperou por uma cadeira da matéria, mas não
conseguiu, visto que os estrangeiros estavam
2. Dado , calcule as potên-
em desvantagem. Em 1697, ele foi eleito um
cias: membro da Sociedade Real.

a) z2 b) z6 c) z9 d) z12 Em 1710, Moivre foi designado à Comissão


montada pela Sociedade Real para revisar as
3. Usando a fórmula de De Moivre, calcule as po- reivindicações rivais de Newton e Leibniz de
tências:

116
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

quem seria o descobridor do cálculo. Sua


nomeação para esta Comissão foi devido à
sua amizade com Newton. A Sociedade Real
soube a resposta que queria!
Moivre abriu caminho para o desenvolvimento Portanto:
da geometria analítica e a teoria de probabi-
lidade. Ele publicou A Doutrina de Chance em
1718. A definição de independência estatística ,
aparece neste livro junto com muitos problemas com k ∈ e 0≤k<n
com dados e outros jogos. Ele também inves-
Essa expressão é conhecida como segunda
tigou estatísticas de mortalidade e a fundação
fórmula de De Moivre.
da teoria de anuidades.
Para k = 0, temos :
Em Miscellanea Analytica (1730), aparece a
fórmula de Stirling (injustamente atribuída a
Stirling) que Moivre usou em 1733 para deri-
var a curva normal como uma aproximação Para k = 1, temos:
para a binomial. Na segunda edição do livro,
em 1738, Moivre dá crédito a Stirling por uma
melhoria para a fórmula.
..........................................................................
Moivre é lembrado também pela sua fórmula
para (cos x + isin x)n que levou trigonometria Para k = n – 1, temos:
em análise.
Apesar da eminência científica de Moivre, a
sua renda principal estava no ensino da ma- Para k = n, temos: Wn = W0
temática, e ele morreu na pobreza. Ele, como
A partir daí, para k = n + 1, k = n + 2, etc.,
Cardan, é afamado por predizer o dia da pró-
recairemos em valores já obtidos. Então, pode-
pria morte. Ele achou que estava dormindo
mos concluir:
15 minutos a mais cada noite, e somando a
progressão aritmética, calculou que ele mor- O número de raízes n-ésimas de um número
reria no dia que dormisse durante 24 horas. complexo z é igual a n.
Ele estava certo! Observações:
1. As n raízes do número complexo z têm o
27.2 Radiciação
mesmo módulo .
Considere o número complexo z, não-nulo, da-
2. Como é constante, verifica-se que os
do na forma trigonométrica:
afixos estão situados sobre uma mesma cir-
z = ρ . (cos θ + i . sen θ) cunferência de centro na origem e raio ,
Denomina-se raiz n-ésima de z o número com- e dividem essa circunferência em n partes
plexo , com n ∈ lN*, dado por: iguais.

W = r(cos θ + i . sen θ) 3. Os n argumentos ϕ0, ϕ1, ϕ2,...., ϕn – 1, das n


raízes, estão em progressão aritmética de
Então, temos:
⇒ Wn = z ⇒ rn(cos θ + i . sen θ) = razão e cujo primeiro elemento é .

= ρ (cos θ + i . sen θ)
Temos , etc.
Dessa igualdade, obtemos:
Exemplos:
e 1. Calcular as raízes cúbicas de i.

117
UEA – Licenciatura em Matemática

Solução: Solução:
Temos: Temos:
z = –1 ⇒ ρ = 1 e θ = π

Para as raízes cúbicas (n = 3), temos:


Para as raízes cúbicas (n = 3), temos:
Módulo :
Módulo :
Aplicando a segunda fórmula de De Moivre, as
Aplicando a segunda fórmula de De Moivre, as raízes cúbicas de i são:
raízes cúbicas de i são:
•k=0
•k=0

•k=1

•k=1

W1 = 1 . (cos π + i sen π) = –1
•κ=2

•k=2
Geometricamente, temos:

Geometricamente,

Observe que as raízes cúbicas de z = –1, re-


presentadas no plano de Argand-Gauss, formam
Os afixos das raízes cúbicas de i estão numa um triângulo eqüilátero inscrito em uma cir-
circunferência de centro O(0,0), raio r = 1 e di- cunferência de raio unitário e centro na origem.
videm essa circunferência em três partes iguais.
3. Encontre as raízes quartas do número com-
2. Calcular as raízes cúbicas de –1 e representá- plexo 1 + i.
las geometricamente. Solução:

118
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

Temos:

Para as raízes quartas (n = 4), temos:


Módulo :
Aplicando a segunda fórmula de De Moivre, as
raízes quartas de z são:
•k=0

1. Determine as raízes quartas de 16.

2. Calcule as raízes cúbicas de –27i.

3. Calcule e represente geometricamente as raí-


zes cúbicas de 8i.
•k=1
4. Encontre as raízes quartas dos seguintes nú-
meros complexos :
a) –1 d) –8 – 8 i
b) –1 – i e) +i
c) –i

•k=2 5. Calcule e represente geometricamente as raí-


zes cúbicas de –i.

1. (CEFET–PR) A expressão , na qual i

•k=3 é a unidade imaginária, é igual a:

a) b)

c) 1 + 2i d) 1 – 2i

e)

Geometricamente, as quatro raízes quartas es-


2. (UFAL) seja o número complexo
tão sobre uma circunferência de raio e di-
videm a circunferência em quatro arcos congru- z = i101+ i102+ i103+ i104+ i105+ i106.
Calculando-se z2, obtém-se:
entes a , formando um quadrado de vér-
a) –2i b) 2i
tices P0, P1, P2, e P3. c) –1 + i d) 2 – 2i
e) –6 + 6i

119
UEA – Licenciatura em Matemática

3. (PUC–MG) O produto (a + bi)(3 + 2i) é um nú- 8. (UEFS–92) O valor da expressão E = x–1 + x2,
mero real. O valor de 2a + 3b é: para x = 1 – i, é:
a) –3 a) –3i
b) –2 b) 1 – i
c) 0 c) 5/2 + (5/2)i
d) 2 d) 5/2 - (3/2)i
e) 3 e) 1/2 – (3/2)i

4. A forma de a + bi de é: 9. (UEFS–93) Simplificando-se a expressão


E = i7 + i5 + (i3 + 2i4)2, obtém-se:
a) b) a) –1 + 2i
b) 1 + 2i
c) d) c) 1 – 2i
d) 3 – 4i
e) e) 3 + 4i

5. A representação cartesiana dos números com- 10. (UEFS–93) Se m - 1 + ni = (3+i).(1 + 3i),


plexos 1 + 2i, –2 + i e –1 –2i são vértices de então m e n são respectivamente:
um quadrado. O quarto vértice desse quadra- a) 1 e 10
do corresponde a:
b) 5 e 10
a) 1 – i
c) 7 e 9
b) 2 – i
d) 5 e 9
c) 1 + i
e) 0 e -9
d) 1 – 2i
e) –2 – 2i 11. (UEFS–94) A soma de um numero complexo z
com o triplo do seu conjugado é igual a –8 – 6i.
6. (MACK–SP) O valor da expressão O módulo de z é:
é: a)
a) 1 b)
b) i c) 13
c) –i d) 7
d) –1 e) 5
e) –6 + 6i
12. (FESP/UPE) Seja z = 1 + i , onde i é a unidade
7. (UF–BA) O número complexo z que satisfaz a imaginária. Podemos afirmar que z8 é igual a:
igualdade é: a) 16 b) 161
c) 32 d) 32i
a) b)
e) 32+16i

c) d)
13. (UCS–AL) Sabendo que (1+i)2 = 2i, então o
valor da expressão y = (1+i)48 – (1+i)49 é:
e)
a) 1 + i b) –1 + i

120
Matemática Elementar IV – Numéricos Complexos na forma Trigonométrica

c) 224 . i d) 248 . i d) tg 225º

e) –224 . i e) sen 45º

19. (UFS–SE) O módulo de um número complexo


14. (CESCEM–SP) O conjugado de vale:
é igual a 2 , e seu argumento é igual a ;

a) a expressão algébrica deste número é:


a) 4 + 4i
b) –
b) 2 + 2i
c) 1 + i c) –2 – 2i

d) d) –i
e) +i
e) (1 – i)–1
20. A forma trigonométrica do número complexo
15. (UFS–SE) Se o número complexo z é tal que y=4 + 4i é:
Z = 3 – 2i, então (z– )2 é igual a:
a) 8(cos 30º + isen 30º)
a) 5
b) 8(cos 45º + isen 45º)
b) 5 – 6i
c) 8(cos 60º + isen 60º)
c) 5 + 12i
d) 8(cos 120º + isen 120º)
d) 9 + 4i
e) 8(cos 150º + isen 150º)
e) 13 + 12i
21. (FEI–SP) o módulo do número complexo
16. (CESGRANRIO-RJ) Se , então
é:
z + z– + z . z– vale:
a) 0 b) 1 a) b) 1

c) –1 d) –
c) d)
e)
e)

17. (PUC–MG) O número complexo z, tal que


5z + z– = 12 + 16i é igual a: 22. A forma algébrica do número complexo
a) –2 + 2i
é:
b) 2 – 3i
c) 1 + 2i
a) b)
d) 2 + 4i
e) 3 + i
c) d)

18. (UEL–PR) O número complexo tem


e)
módulo igual ao valor de:
a) sen 150º
23. (Unificado–RJ) Sejam z1 e z2 os números com-
b) cos 315º plexos z1 = 3(cos 30º + isen 30º) e
c) sen 60º z2 = 5(cos 45º + isen 45º). O produto de z1 por

121
UEA – Licenciatura em Matemática

z2 é o número complexo: 27. (CESGRANRIO-RJ) Entre os complexos abai-


xo, aquele que é uma raiz quadrada de
a) 15(cos 1350º + isen 1350º)
b) 8(cos 75º + isen 75º) é:
c) 8(cos 1350º + isen 1350º)
d) 15(cos 15º + isen 15º) a)

e) 15(cos 75º + isen 75º)


b)
24. (UNICAMP–SP) Dado o número complexo
w = cos 60º + isen 60º, assinale a alternativa
c)
que corresponde à soma 1 + w + w2 + w3:
a) i
d)
b) i
c) i
e)
d) i
e) i 28. (FGV–SP) As raízes quadradas do número
3 + 4i onde, i representa a unidade imaginária
25. (UFPE) Considere o seguinte gráfico, que re- são:
presenta o número complexo z = a + bi
a) {2 + 2i; –2 – i}
b) {1 + i; –1 – i}
c) {3 + i; –3 – i}
d) {4 + i; –4 – i}
e) n.d.a.

29. (UCS–BA) Considere o número complexo z, tal


que z6 = –64. O número z pode ser:

⎯ a) +i
Sabendo que o segmento OZ mede duas uni-
b) 1 + i
dades de comprimento, assinale a alternativa
correta: c)
a) z = +i
b) z = +i d)

c) z = 1 + +i e) –i
d) z = + i
e) z = 1 – i

26. (ULBRA–RS) Sendo z = 1 + i na forma


algébrica, o valor de z5 é:
a) 16 b) 16 + i

c) d) 16 + 16i

e) 16 – 16i

122
UNIDADE VIII
Polinômios
Matemática Elementar IV – Polinômios

TEMA 28

POLINÔMIOS

28.1 História
Originalmente, a história dos polinômios asso-
cia-se à busca de solução para equações line-
ares e quadráticas. O problema clássico de re-
solver equações polinomiais é bastante antigo
e influenciou muito o desenvolvimento da Ma-
temática ao longo de vários séculos. Já na Me-
sopotâmia, os babilônios encontraram um pri- Com a contribuição de Johann Gensfleisch Gutemberg –
meiro algoritmo que resultaria em uma equa- que inventou a composição com letras móveis de metal –

ção quadrática, embora não tivessem noção de houve um aumento na produção e divulgação dos trabal-

equação. Nas culturas grega, hindu e árabe, os hos matemáticos.

matemáticos também lidavam implicitamente


com equações quadráticas. Como conseqüência desse período de
mudanças, o estudo matemático, no Renas-
cimento, assumiu características de Mate-
mática Aplicada, a qual passou a ser utilizada
em campos como arte, óptica, mecânica, car-
tografia e contabilidade.
Somente no século XVI, as primeiras equações
cúbicas foram resolvidas algebricamente pelo
matemático Scipione del Ferro (1465–1526),
que utilizou o conhecimento hindu de números
negativos. Nessa época, matemáticos como
Niccolo Tartaglia (1500–1557) e Ludovico
Ferrari (1522–1565) contribuíram para a res-
olução das equações cúbicas e quadráticas,
respectivamente. Mas somente em 1545,
Gerônimo Cardano (1501–1576) publica Ars
Magna com a resolução dessas equações,
constituindo-se num marco importante para os
Estamparia da Renascença, do frontispício algebristas da época.
de um livro de Erasmo de Roterdam. Cardano, médico e jogador, dedicou grande
parte da sua vida à álgebra e ao reconheci-
Durante o Renascimento, a Matemática passa mento da importância das raízes negativas,
também a assumir um outro papel, mais apli- chamadas por ele de “fictícias”. Embora falas-
cada aos avanços da época. Em meados do se das raízes quadradas dos números nega-
século XV, deu-se um sensível aumento na pro- tivos, não chegou ao conceito dos imaginários.
dução de trabalhos matemáticos. Para isso, A continuidade desse seu estudo foi realizada
contribuíram fatos relevantes, como a queda de por Bombelli.
Constantinopla, em 1453, as grandes navega- Os polinômios possuem diferentes aplicações
ções e o invento da impressão com tipos mó- na Matemática, por exemplo, em aproximações
veis, que possibilitaria a maior difusão das obras. de funções que são usadas na teoria e prática

125
UEA – Licenciatura em Matemática

de computação, nos cálculos realizados em uma P(x) = (a – 1)x3 + 3x2 – 5x + 6


máquina de calcular. • se a ≠ 1, gr(P) = 3.
• se a = 1, gr(P) = 2.

28.4 Polinômio reduzido e ordenado


Observe, como exemplo, o polinômio
P(x) = 2x3 – 5x4 + 2x – 3x2 + x3 – 1 + 8x
P(x) apresenta termos semelhantes que podem
ser somados (2x3 e x3, 2x e 8x). Se escrever-
mos P(x) com essas somas efetuadas e orde-
narmos seus termos segundo potências cres-
centes ou decrescentes de x, diremos que ele
está reduzido e ordenado.

Frontispício de uma edição (1529) de Rechenmeister,


de Adam Riese, que representa uma
28.5 Valor numérico de um polinômio
competição entre um algorista e um abacista. Consideremos o polinômio
A algoritmia é uma c do cálculo e envolve a
aritmética e a álgebra. Os polinômios e as equações polinomi- P(x) = a0 + a1x + a2x2 + a3x3 + ....+ an–1xn–1 + anxn
ais são ferramentas fundamentais da álgebra.
e o número complexo. Substituindo x por α,
obtemos o número complexo P(α), tal que:
28.2 Polinômios
P(x) = a0 + a1α + a2α2 + a3α3 +....+ an–1αn–1 + anαn
Já estudamos, na Teoria das Funções, o binô-
mio do 1.o grau f(x) = ax + b e o trinômio do 2.o que é chamado de valor numérico de P(x) para
grau f(x) = ax2 + bx + c (ambos com a ≠ 0). x = α.

Essas expressões ax + b e ax2 + bx + c são Por exemplo, sendo


os primeiros exemplos de polinômios que te- P(x) = 2x3 – 5x2 + x – 2,
mos. temos:
Então, P(x) = 2x – 3, Q(x) = –x + 4 são exem- • para x = 3:
plos de polinômios do 1.o grau na variável x, e
P(3) = 2 . 33 – 5 . 32 + 3 – 2
P(x) = x2 – 4x + 6, Q(x) = x2 – 3 são exemplos
de polinômios do 2.o grau na variável x. P(3) = 54 – 45 + 1
De modo geral, as expressões redutíveis à P(3) = 10
forma: 10 é o valor numérico de P(x) para x = 3.
P(x) = a0 + a1x + a2x2 + a3x3 + ....+ an–1xn–1 + anxn • para x = –1:
(em que n é um número natural, a0, a1, a2, ..., an, P(–1) = 2 . (–1)3 – 5 . (–1)2 + (–1) – 2
são números quaisquer (ai ∈ , com
P(–1) = –2 – 5 – 3
i{0, 1, 2, 3, ..., n}), denominados coeficientes,
e x uma variável do conjunto), tais expressões P(–1) = –10
são chamadas polinômios na variável x. –10 é o valor numérico de P(x) para x = –1.
• para x = 2:
28.3 Grau de um polinômio
P(2) = 2 . 23 – 5 . 22 + 2 – 2
Se an ≠ 0, dizemos que n é o grau de P(x), e
indicamos gr(P) = n. P(2) = 16 – 20

Assim, o grau de P(x) é o maior dos expoentes P(2) = –4


de x com coeficiente não-nulo. –4 é o valor numérico de P(x) para x = 2.
Por exemplo, no polinômio: Considere, agora,

126
Matemática Elementar IV – Polinômios

P(x) = a0 + a1x + a2x2 + a3x3 +....+ an–1xn–1 + anxn P(x) = (a + 1)x3 + (3 – b)x2 + x – 8
com an ≠ 0. Então, temos:
São de grande importância e utilidade os se- • Se a + 1 ≠ 0, isto é, a ≠ –1, então gr(P) = 3.
guintes resultados: • Se a = –1 e 3 – b ≠ 0, isto é, b ≠ 3, então
I. Se P(α) = 0, isto é: gr(P) = 2.
a0 + a1α + a2α2 + a3α3 +....+ an–1αn–1 + anαn = 0 • se a = –1 e b = 3 então gr(P) = 1.
α é a raiz ou zero de P(x).
2. Calcule a soma dos coeficientes e o termo in-
P(α) = 0 ⇔ α é a raiz de P(x)
dependente do polinômio
Por exemplo, em P(x) = x4 – 3x2 + 5x – 14,
P(x) = (x3 + 3x – 5)7
temos:
Solução:
P(2) = 24 – 3 . 22 + 5 . 2 – 14
Para determinar a soma dos coeficientes, bas-
P(2) = 16 – 12 + 10 – 14
ta fazer x = 1:
P(2) = 0
P(1) = (13 + 3 . 1 – 5)7
Então, 2 é raiz (ou zero) de P(x).
P(1) = (1 + 3 – 5)7
II. Para x = 1, temos:
P(1) = (–1)7
P(1) = –1
ou seja, em qualquer polinômio, P(1) represen- P(1) = (1 + 3 – 5)’ –(–1)’ = –1
ta a soma dos coeficientes. Logo, Scoef = –1
III. Para x = 0, temos P(0) = a0, ou seja, em qual- Para determinar o termo independente, basta
quer polinômio, P(0) é o seu termo indepen- fazer x = 0:
dente.
P(0) = (03 + 3 . 0 – 5)7
P(0) = termo independente de P(x)
P(0) = (–5)7
28.6 Polinômio identicamente nulo P(0) = –57
Se todos os coeficientes de um polinômio P(x) Logo, a0 = –57.
são iguais a zero, dizemos que P(x) é um po-
linômio identicamente nulo, e indicamos : 3. Determine k no polinômio
P(x) ≡ 0 P(x) = 2x3 – x2 + (2 + k)x + 1
(É evidente que, neste caso, P(x) assume o valor de modo que:
zero para todo x.) a) P(2) = 5
Por exemplo, se P(x) = ax2 + bx + c ≡ 0, deve-
b) –2 seja raiz de P(x)
mos ter a = b = c = 0.
Solução:
É importante que você saiba que não se define
grau para o polinômio identicamente nulo. a) P(2) = 5
P(2) = 2 . 23 – 22 + (2 + k) . 2 + 1
Exemplos: 5 = 16 – 4 + 4 + 2k + 1
5 = 17 + 2k
1. Dado P(x) = ax3 + 3x2 – bx2 + x3 + x – 8, discu-
ta, segundo os valores de a e b, o grau de P(x). 2k = –12
Solução: k = –6
Vamos reduzir e ordenar o polinômio: b) Se –2 é raiz de P(x), então
3 2 2 3
P(x) = ax + 3x – bx + x + x – 8 P(–2) = 0

127
UEA – Licenciatura em Matemática

P(–2) = 2 .(–2)3 – (–2)2 + (2 + k) . (–2) + 1 3. a) Dado P(x) = x3 + 2x2 – 5x – 6, calcule P(1),


0 = –16 – 4 – 4 – 2k + 1 P(–1), P(2) e P(–2).

0 = –23 – 2k b) Dos elementos do conjunto {1; –1; 2; –2},


quais são raízes do polinômio dado no item a?
2k = –23
c) Dado P(x) = x3 + (k – 1)x2 + 8x + k, deter-
mine k de modo que P(1) = 10.
d) No polinômio do item c, determine k de mo-
4. Determine a e b de modo que o polinômio do que P(–3) = 20.
e) No polinômio do item c, determine k de mo-
P(x) = (a + b)x2 – a + 2b – 3 seja identicamen-
do que 2 seja raiz.
te nulo.
f) No polinômio do item c, determine k de mo-
Solução:
do que –1 seja raiz.
Para que P(x) ≡ 0, devemos ter todos os seus
g) Determine a e b em P(x) = ax + b de modo
coeficientes nulos:
que P(2) = 7 e P(–1) = –2.
a + b = 0 e –a + 2b – 3 = 0
h) Determine a e b em P(x) = 2x3 – ax + b de
Resolvemos, então, o sistema: modo que P(1) = 5 e –2 seja raiz.

4. a) Determine a, b e c para que


---------------------- A(x) = (a – 1)x3 + (b + 2)x2 + (c + 1)x seja
3b – 3 = 0 idênticamente nulo.
b=1 b) Sendo
Substituindo o valor de b primeira equação, P(x) = (a + b + c)x2 + (a – b –3c)x + c – 4 ≡ 0,
vem: a = –1. determine a, b e c.

1. Dê o grau de cada um dos polinômios na variá-


vel x:
a) P(x)=x4 – 3x5+7x3 –2x2+5x+3x5+2x4 – 8+x – 1
b) R(x) = ax3 + 3x2 + 5x – 1
c) Q(x) = ax2 + 3x – 5 + 8 + 6x – 3x2
d) A(x) = x3 – 3x2 + 5x + 3x2 – x3 + 1
e) B(x) = 0x2 + 0x + 7
f) R(x) = ax2 + bx + c

2. Determine a soma S dos coeficientes e o termo


independente (t) dos polinômios:
a) P(x) = (x2 + 7x – 8)2
b) P(x) = (2x + 1)(3x – 4)(7x2 – 1)
c) P(x) = (x – 1)13 + (x2 + 1)5
d) P(x) = (x3 + 1)(x3 – 2) – (x – 3)3

128
Matemática Elementar IV – Polinômios

Multiplicando a equação (i) por , temos:


TEMA 29

POLINÔMIOS IDÊNTICOS E OPERAÇÕES


COM POLINÔMIOS Observe que a2 – b2 = (a + b)(a – b), logo

29.1 Polinômios Idênticos


Dois polinômios A(x) e B(x) são idênticos (in- Vamos substituir (i) em (ii) e adicioná-las:
dica–se A(x) ≡ B(x)), quando todos os coe-
ficientes de A(x) são iguais aos corresponden-
tes coeficientes de B(x).
---------------
A(x) = a0 + a1x + a2x2 + a3x3 +....+ an–1xn–1 + anxn
2a = 5
B(x) = b0 + b1x + b2x2 + b3x3 +....+ bn–1xn–1 + bnxn
A(x) ≡ B(x) ⇔ ai = bi, ∀i∈ {0, 1, 2, 3,...,n}.
Por exemplo, se A(x) = ax3 + bx2 + cx + d
e B(x) = 5x2 – 7x + 8, para que A(x) ≡ B(x)
devemos ter: Portanto podemos escrever:
a = 0, b = 5, c = –7 e d = 8
(É claro que, sendo idênticos, A(x) e B(x) têm
valores numéricos iguais para todo x.)

Exemplos:
1. Determine a e b para que se tenha:
(a + b –2)x2 + (a – 2b – 3)x + 5 ≡ x2 + 6x + 5.
Solução: 1. a) Determine a, b e c para que se tenha
Para que a identidade se verifique, devemos ter:

b) Determine a, b e c para que a identidade


---------------------
3b + 1 = –5
b = –2
se verifique.
a=5
c) Determine a e b para que se tenha
2. Escreva o binômio 2x+ 4 na forma (x+a) – (x+b) .
2 2 A(x) ≡ B(x), sendo

Solução: A(x) = (2a + b + 1)x2 + 3x + a – b + 4 e


B(x) = –x2 + 3x – 3.
Devemos ter (x + a)2 – (x + b)2 ≡ 2x + 4. Então:
x2 + 2ax + a2 – (x2 + 2bx + b2) ≡ 2x + 4 d) Determine a para que se tenha

x2 + 2ax + a2 – x2 – 2bx – b2 ≡ 2x + 4 (x + a) (x2 – 3) ≡ x3 + a2 x2 – 3x – 3a.

(2a – 2b)x + a2 – b2 ≡ 2x + 4
2. a) Escreva o binômio 6x – 15 na forma
Daí temos: (x + a)2 – (x + b)2.
b) Escreva o binômio 8x + 8 na forma
(x + a)2 – (x – b)2.

129
UEA – Licenciatura em Matemática

Observe o exemplo:
c) Escreva a fração polinomial na
forma Considere os seguintes polinômios:
• P1(x) = 2x3 – x2 + 4x + 1
d) Escreva a fração polinomial na
• P2(x) = x3 – 2x2 + 2x – 1
forma
• P3(x) = x2 – 3x + 2
Vamos multiplicar P1(x) por P3(x) e fazer [P3(x)]2.
29.2 Adição e subtração
Resolução:
A soma de dois ou mais polinômios é o polinô-
a) P1(x) . P3(x) =
mio cujos coeficientes são obtidos adicionan-
do-se os coeficientes dos termos que apresen- = (2x3 – x2 + 4x + 1).(x2 – 3x + 2)
tam o mesmo grau. E a diferença é feita de for- Aplicamos a propriedade distributiva da mul-
ma análoga, ou seja, o polinômio cujos coefici- tiplicação e reduzimos os termos semelhan-
entes são obtidos subtraindo-se, numa certa tes.
ordem, os coeficientes dos termos que apre-
= 2x3 . (x2 – 3x + 2) – x2 . (x2 – 3x + 2)+
sentam o mesmo grau.
+ 4x . (x2 – 3x + 2) + 1 . (x2 – 3x + 2)+
Vamos relembrar com exemplos. Considere os
= 2x5 – 6x4 + 4x3 – x4 + 3x3 – 2x2
seguintes polinômios:
+ 4x3 – 12x2 + 8x + x2 – 3x + 2
• P1(x) = 2x3 – x2 + 4x + 1
P1(x) . P3(x) = 2x5 – 7x4 + 11x3 – 13x2 + 5x + 2
• P2(x) = x3 – 2x2 + 2x – 1
• P3(x) = x2 – 3x + 2 b) [P3(x)]2 = (x2 – 3x + 2)2
= (x2 – 3x + 2) . (x2 – 3x + 2)
29.2.1 Adição
= x2.(x2 – 3x+2) – 3x.(x2 – 3x+2)+2.(x2 – 3x+ 2)
P1(x) + P2(x) =
= x4 – 3x3 + 2x2 – 3x3 + 9x2 – 6x + 2x2 – 6x + 4
= (2x3 – x2 + 4x + 1)+(x3 – 2x2 + 2x – 1)
[P3(x)]2 = x4 – 6x3 + 13x2 – 12x + 4
Eliminamos os parênteses e fazemos a redu-
ção dos termos semelhantes.
Exemplo:
= 2x3 – x2 + 4x + 1 + x3 – 2x2 + 2x – 1
Determine o polinômio P(x) do 2.o grau tal que
P1(x) + P2(x) = 3x – 3x + 6x
3 2
P(0) = 3 e P(x) – P(x + 1) ≡ 2x.

29.2.2 Subtração (diferença) Solução:

P1(x) – P3(x) = (2x3 – x2 + 4x + 1) – (x2 – 3x + 2) Seja P(x) = ax2 + bx + c

Eliminamos os parênteses e fazemos a redu- Devemos, inicialmente, ter P(0) = 3.


ção dos termos semelhantes. P(0) = a . 02 + b . 0 + c
= 2x3 – x2 + 4x + 1 – x2 + 3x – 2 P(0) = c ⇒ c = 3
P1(x) – P3(x) = 2x – 2x + 7x – 1
3 2
Então, escrevemos P(x) = ax2 + bx + 3.
Equacionemos, agora, P(x) – P(x + 1) ≡ 2x
29.3 Multiplicação (lembrando que P(x + 1)obtém-se substituin-
Para se obter o produto de dois polinômios, do-se, em P(x), x por x + 1).
faremos, inicialmente, a multiplicação de cada ax2 + bx + 3 – [a(x + 1)2 + b(x + 1) + 3] ≡ 2x
termo de um deles, por todos os termos do
ax2 + bx + 3 – [ax2 + 2ax + a + bx + b + 3] ≡ 2x
outro (propriedade distributiva dos números
complexos). Posteriormente, faremos a adição ax2 + bx + 3 – ax2 – 2ax – a – bx – b – 3 ≡ 2x
dos resultados. –2ax – a – b ≡ 2x

130
Matemática Elementar IV – Polinômios

TEMA 30
Entao:
Portanto o polinômio pedido é: DIVISÃO DE POLINÔMIOS (PARTE I)
2
P(x) = ax + bx + 3.
30.1 Introdução
P(x) = –x2 + x + 3.
Observe as duas contas de divisão entre nú-
meros naturais:

Evidentemente, a conta da direita está incor-


1. a) Determine o polinômio P(x) do 2.o grau tal reta, apesar de verificar a condição:
que P(0) = 5 e P(2) ≡ 15x2 – 3x. (Dividendo) = (divisor) . (quociente) + (resto)

b) Determine o polinômio P(x) do 2.o grau tal 17 = 3 . 5 + 2 17 = 3 . 4 + 5


que P(0) = –1 e P(x + 1) – P(x) ≡ 6x + 1. Isso ocorre porque, na divisão de naturais, não
c) Determine o polinômio P(x) do 2. grau tal
o basta que a condição acima fique satisfeita. É
que P(0) = 0 e P(x + 1) – P(x – 1) ≡ 2x. necessário, você lembra, que o resto seja menor
que o divisor.
2. Calcule m e n de modo que sejam idênticos os Assim, são duas condições que devem ser satis-
polinômios: feitas na divisão entre os naturais a e b (b ≠ 0):
(x2 – 3x + 3)(mx + n) e 2x3 – 2x2 – 6x + 12 (i) a = b . q + r
(ii) r < b
(r ∈ IN e q ∈ IN)

(r ∈ IN e q ∈ IN)
a=b.q+r
r<b
Há uma grande similaridade entre a divisão de
naturais e a divisão de polinômios (não apenas
na definição, mas também no mecanismo de
dividir).
Observe:
Dados os polinômios A(x) e B(x), B(x) não nulo,
dividir A(x) por B(x) é determinar dois poli-
nômios Q(x) e R(x) (chamados quociente e resto,
respectivamente), que satisfaçam as duas con-
dições:
(i) A(x) ≡ B(x) . Q(x) + R(x)
(ii) gr(R) < gr(B)

Vamos, agora, fazer a divisão de polinômios


estudando alguns métodos de resolução.

131
UEA – Licenciatura em Matemática

30.2 Método da chave escrito na forma completa e, a seguir, proce-


demos como no exemplo anterior.
Vamos ver esse método por meio dos exem-
plos a seguir.
1. Vamos dividir P(x) = 6x3 – 13x2 + x + 3 por
D(x) = 2x2 – 3x – 1.
• Tanto o dividendo P(x) como o divisor D(x)
estão ordenados segundo as potências de-
crescentes de x. Caso não estivessem, de-
veríamos, inicialmente, ordená-los desse
modo.
6x2 – 13x2 + x + 3
• Dividimos o primeiro termo do dividendo 6x3
pelo primeiro termo do divisor 2x2, obtendo,
assim, o primeiro termo do quociente 3x. 1. Calcule o quociente da divisão de:
3x3 + 17x2 + 7x – 2 por 3x + 2.
6x2 – 13x2 + x + 3

2. Determine o resto da divisão de:


• Multiplicamos o quociente obtido pelo di- 2x4 + 9x3 + x2 – 15x + 6 por x2 – 3x + 2.
visor 2x2 – 3x – 1 e obtemos o produto:
6x3 – 9x2 – 3x, que será subtraído do divi- 3. Determine o resto da divisão de:
dendo. x4 – 3x2 + 8x + 5 por x2 – x + 2.
Subtrair 6x3 – 9x2 – 3x do dividendo é equi-
valente a somar com o polinômio oposto. 4. Divida 6a3 +7a2 – 8a – 5 por 3a2 + 2x – 5; a
seguir, determine o valor numérico do
quociente para a = – .

• A divisão encerra-se quando o grau do res-


to for menor que o grau do divisor. Como
isso ainda não ocorreu, devemos prosseguir
a divisão, considerando, agora, o resto
–4x2 + 4x + 3 como novo dividendo, e
procedendo como nos itens anteriores.

• Agora, o grau do resto é menor que o grau


do divisor, logo a divisão está encerrada.
Obtivemos para quociente Q(x) = 3x – 2, e
para resto R(x) = – 2x + 1.

2. Agora, vamos dividir o polinômio


P(x) = 4x3 + 3x + 18 por D(x) = 2x + 3.
Como o polinômio P(x) é incompleto, ele será

132
Matemática Elementar IV – Polinômios

Solução:
TEMA 31 gr(Q) = gr(P) – gr(D) ⇒ gr(Q) = 4 – 3 = 1 e
gr(R) < gr(D), ou seja, gr(R) < 3.
DIVISÃO DE POLINÔMIOS (PARTE II) Façamos Q(x) = ax + b e R(x) = cx2 + dx + e.
Então, temos:

31.1 Método dos coeficientes a determinar


(ou de Descartes)
Quando temos a divisão de P(x) por D(x), obte-
mos a seguinte identidade de polinômios:
Portanto:

Por meio dessa identidade, podemos determi-


nar um desses polinômios, conhecendo-se os
demais. Esse método é chamado de método Logo, Q(x) = 2x – 5 e R(x) = –2x2 + x + 9.
dos coeficientes a determinar ou método de
Descartes.
Vejamos alguns exemplos de aplicação desse
método.
1. Determine o quociente e o resto da divisão de
1.
x4 + 5x2 – 27 por x2 + x – 3.

2. Aplicando o método de descartes, dê o quo-


ciente da divisão de:
3x5 + 2x4 + 7x3 – x2 + 3x – 2 por
Solução:
3x3 – x2 + 2x – 1.
• gr(Q) = gr(P) – gr(D) ⇒ gr(Q) = 3 – 2 = 1
O polinômio quociente é de grau 1 e, por- 3. Divida o polinômio 18x3 + 3x2 – 28x – 12 por
tanto, da forma: Q(x) = ax + b (a ≠ 0) (3x + 2)2. Subtraia x – 2 do quociente encon-
trado. Qual o resultado obtido?
• gr(R) < gr(D), ou seja, gr(R) < 2, portanto o
resto é da forma R(x) = cx + d.
Então: 31.2 Divisão de um polinômio por um binômio
do 1.o Grau
Observe o que ocorre com o resto da divisão
de um polinômio P(x) por um binômio do tipo
(x + b).
Para que se verifique a identidade devemos ter:

Como o divisor x + b tem grau 1, o resto R(x)


tem grau zero ou é nulo e, portanto, R(x) é uma
constante.
logo, Q(x) = 3x – 2 e R(x) = –2x + 1. Então, temos: P(x) ≡ (x + b) . Q(x) + R
Calculando o valor de P(x) para x = –b, temos:
2. Vamos obter o quociente e o resto da divisão de
P(x) = 2x4 – 5x3 – 2x + 4 por D(x) = x3 + x + 1, P(–b) = (–b + b) . Q(b) + R
usando o método de Descartes. P(–b) = R

133
UEA – Licenciatura em Matemática

Então, obtemos uma importante conclusão:


O resto da divisão de um polinômio P(x) por
(x + b) é o valor numérico de P(x) para x = –b.
Assim, por exemplo, o resto da divisão de
P(x) = 2x3 – 4x2 + 2x – 1 por (x + 2) é: b) 5x3 – 11x2 + 3x – 2 por x – 2

P(–2) = 2(–2)3 – 4(–2)2 + 2(–2) – 1


P(–) = –16 – 16 – 4 – 1
R = 5(2)3 – 11(2)2 + 3(2) – 2
P(–2) = –37
R=0
O resto da divisão de P(x) por (x – 3) é P(3),
pois (x – 3) = [x + (–3)]’. Então, o resto é:
Do teorema do resto, temos como conseqüên-
P(3) = 2 . 33 – 4 . 32 + 2 . 3 – 1 cia o teorema de D’Alembert:
P(3) = 54 – 36 + 6 – 1 Um polinômio P(x) é divisível pelo polinômio
P(3) = 23 ax + b se, e somente se,
Vamos generalizar esse resultado consideran-
do a divisão de um polinômio P(x) por um Assim, por exemplo, o polinômio
binômio da forma (ax + b). P(x) = 2x3 – 5x2 + 4x – 4 é divisível por x – 2,
Quando dividimos um polinômio P(x) pelo pois P(2) = 2(2)3 – 5(2)2 + 4(2) – 4 = 0
binômio do 1.o grau ax + b, já vimos que o resto
é uma constante. Então, temos:
Exemplos:
P(x) ≡ (ax + b) . Q(x) + R

Calculando o valor de P(x) para , 1. Vamos verificar se o polinômio


obte- P(x) = x3 – 4x2 – 11x + 30 é divisível por
mos: B(x) = x2 – 7x + 10.
Solução:
Observe que x2 – 7x + 10 = (x – 2)(x – 5). Para
que P(x) seja divisível por B(x), devemos ter
P(x) divisível por (x – 2) e por (x – 5).
P(2) = 23 – 4 . 22 – 11 . 2 + 30

Com isso, provamos o seguinte teorema: P(2) = 8 – 16 – 22 +30

Teorema do resto: P(2) = 0

O resto da divisão de um polinômio P(x) pelo Logo, P(x) divisível por (x – 2).
binômio ax + b é igual ao valor numérico de P(5) = 53 – 4 . 52 – 11 . 5 + 30

P(x) para . P(2) = 125 – 100 – 55 + 30


P(2) = 0

Exemplo: Portanto, P(x) divisível por (x – 5).

Vamos calcular o resto da divisão de: Logo, P(x) é divisível por B(x).

a) 2x3 – 5x2 + 4x – 4 por 2x – 3


2. Um polinômio P(x) dividido por (x + 1) dá resto 6,
Resolução: e dividido por (x – 3) dá resto 2. Vamos calcular
o resto da divisão de P(x) por (x + 1)(x – 3).
Solução:

134
Matemática Elementar IV – Polinômios

Temos (x + 1)(x – 3) = x2 – 2x – 3. O divisor é


um polinômio do 2.o grau, portanto o resto é
TEMA 32
um polinômio cujo grau é no máximo 1, isto é,
o resto é da forma ax + b.
DIVISÃO DE POLINÔMIOS (PARTE III)
Isso nos leva a P(x) ≡ (x2 – 2x – 3) Q(x) + R(x)
P(x) ≡ (x + 1)(x – 3)Q(x) + ax + b
32.1 Dispositivo de Briot–Ruffini
Então:
A divisão de um polinômio P(x) por um binômio
P(–1) = (–1 + 1)(–1 – 3)Q(–1) + a(–1) + b da forma (x – a) também pode ser feita utilizan-
P(–1) = –a + b = 6 do-se o dispositivo de Briot–Ruffini.

P(3) ≡ (3 + 1)(3 – 3)Q(3) + a(3) + b Acompanhe o exemplo para ver como esse dis-
positivo funciona.
P(3) = 3a + b = 2
Vamos dividir o polinômio
Resolvemos o sistema: P(x) = 5x4 – 3x2 + x – 1 pelo binômio (x – 2).
Identificando (x – a) com (x – 2), temos que a = 2.
a = –1 e b = 5.
As setas indicam os passos do dispositivo de
Logo, R(x) = –x + 5. Briot a serem seguidos.

Coeficientes de P(x) ordenados segundo as


potências decrescentes de x

1. Aplicando o teorema do resto, calcule o resto


Cálculo: 5 . 2 + 0 = 10
da divisão de 5x3 – 3x2 + 4x – 3 por x – 2.

2. Qual o resto da divisão de 2x4 – 3x3 + 5x2 – 2x + 1


por 2x – 1?

3. Verifique se o polinômio de P(x)= x3 – 3x2 – 6x + 1


é divisível por 3x + 2. Cálculo: 10 . 2 +(–3) = 17

4. Determine m e n de modo que o polinômio


x4 + mx3 – 3x2 – nx + 6 seja divisível por
(x – 1) e (x + 2).

5. Um polinômio P(x), quando dividido por (x – 4), Cálculo: 17 . 2 + 1 = 35


dá resto 2, e quando dividido por (x + 3), dá
resto –5. Qual o resto da divisão por
(x – 4) . (x + 3)?

Cálculo: 35 . 2 + (–1) = 69

135
UEA – Licenciatura em Matemática

Na última linha do dispositivo, temos os núme- b) P(x) = x5 – 4x4 – 3x3 – 11x2 + 7x – 10 e


ros 5, 10, 17, 35 e 69. O último deles (69) é o D(x) = x – 5.
resto da divisão. Os outros são os coeficientes
c) P(x) = x3 – 5 e D(x) = x + 1.
do quociente Q(x) que tem grau 3.
d) P(x) = x4 – 9 e D(x) = x + 3.
Logo, o quociente é:
Q(x) = 5x3 + 10x2 + 17x + 35;
2. Determine p para que o polinômio
o resto é R = 69.
P(x) = 3x3 – 4x2 + px + 3 seja divisível por x – 1.
Exemplos:

1. Vamos dividir o polinômio 3x3 – 5x2 + 2x – 3


por x + 3.
Solução: POLINÔMIOS
Temos: x + 3 = x – (–3) ⇒ a = –3
1. (CEFET–PR) Os valores de A e B de forma que

são, respectivamente:

a) 1 e –2 b) –1 e –2
Cálculos:
c) –1 e 2 d) 1 e 2
3.(–3) – 5 = –14
e) –2 e –1
–14.(–3) + 2 = 44
44 .(–3) – 3 = –135 2. (UF–PA) Dos polinômios abaixo, qual o único
Logo, o quociente é Q(x) = 3x – 14x + 44, e o
2 que pode ser identicamente nulo?
resto é R = – 135. a) a2 . x3 + (a – 1)x2 – (7–b)x
b) (a + 1)x2 + (b2 – 1)x + (a – 1)
2. Vamos verificar se P(x) = x4 – x3 – 4x2 + 16x – 24
é divisível por (x – 2) . (x + 3). c) (a2 + 1)x3 – (a – 1)x2

Solução: d) (a – 1)x3 – (b + 3)x2 + (a1 – 1)

Em primeiro lugar, calculamos o resto da divi- e) a2 x3 – (3 + b) x2 – 5x


são de P(x) por (x – 2). Se o resultado for zero,
calculamos o resto da divisão do quociente obti- 3. (UNIFOR–CE) Dados os polinômios p, q e r de
do por (x + 3). graus 2, 4 e 5, respectivamente, é verdade que
o grau de p + q + r :
a) não pode ser determinados;
b) pode ser igual a 2;

Logo, P(x) é divisível por (x – 2) . (x + 3). c) pode ser igual a 4;


d) pode ser menor que 5;
e) é igual a 5.

4. (PUC–BA) Se os polinômios x2 – x + 4 e
(x – a)2 + (x + b) são idênticos, então a + b é
1. Aplicando o dispositivo de Briot–Ruffini, determi- igual a:
ne o quociente e o resto de P(x) por D(x) nos
a) 0 b) 1
seguintes casos:
a) P(x) = 5x4 – 14x3 + 10x2 – 7x + 7 e c) 2 d) 3
D(x) = x – 2. e) 4

136
Matemática Elementar IV – Polinômios

11. (PUC–BA) Dado o polinômio


5. (PUC–MG) Se com x ≠ 0
P(x) = x3 – 2x2 + mx – 1, onde m ∈ lR e seja
e x ≠ –1, é correto afirmar que o produto A.B é P(a) o valor de P para x = a. Se P(2) = 3.P(0),
igual a: então P(m) é igual a:
a) –5 b) –3
a) –3 b) –2
c) –1 d) 1
c) 0 d) 2
e) 14
e) 3
12. (UEL–PR) Sejam os polinômios f = 2x3 – 3x2 + 3;
6. (UEPG–PR) Os valores de a e b que tornam g = x2 + 3 e h = x3 – 2x2. Os números reais a
idênticos os polinômios P1(x) = x2 – x – 6 e e b, tais que f = a.g + b.h, são, respectiva-
P2(x) = (x + a)2 – b são, respectivamente: mente:
a) –2 e –1 b) –2 e 1
a) 1 e 7 b) –1 e –5
c) –1 e –2 d) 1 e –2
c) –1 e 7 d) 1 e 5
e) 1 e 2
e) –1/2 e 25/4
13. (PUCC–SP) Dado o polinômio
7. (UEL – PR) – Sendo f, g e h polinômios de P(x) = xn + xn–1 +...+ x2 + x + 3, se n for ímpar,
graus 4, 6 e 3, respectivamente, o grau de então P(–1) vale:
(f + g).h será: a) –1 b) 0
a. 9 b. 10 c) 2 d) 1
c. 12 d. 18 e) 3

e. 30 14. (PUC–SP) O polinômio


P(x) = (x – 1).(x – 2)2.(x – 3)3 .(…).(x – 10)10 tem
8. (UFRS)–Se P(x) é um polinômio de grau 5, grau:
então o grau de [P(x)]3 + [P(x)]2 + 2P(x) é: a) 10 b) 10!
a) 3 b) 8 c) 102 d) 110
c) 15 d) 20 e) 55
e) 30
15. (UF–BA) O polinômio
P(x) = (C2m – 1)x2 + (Amn – 20)x + (p – 8)! – 2 é
9. (CEFET–PR) Se A(x – 3)(x – 2) + Bx( x – 3 ) + identicamente nulo, se mnp é:
Cx(x – 2) = 12, então:
a) 10 b) 20
a. A = 2; B = 1 e C = –3; c) 50 d) 80
b. A = 2; B = –6 e C = 4; e) 100
c. A = 2; B = 0 e C = –2;
16. (FUVEST–SP) Um polinômio
d. A = 2; B = 1; C qualquer; P(x) = x3 + ax2 + bx + c satisfaz as seguintes
e. Não existem valores reais de A, B e C. condições: P(1) = 0; P(–x) + P(x) = 0, qual-
quer que seja x real. Qual o valor de P(2)?
10. (UF–PR) Se os polinômios a) 2 b) 3
P(x) = 4x4 – (r + 2)x3 – 5 e Q(x) = sx4 + 5x3 – 5 c) 4 d) 5
são idênticos, então r3 – s3 é: e) 6
a. 279 b) –343
17. (UFV–MG) Para que o polinômio de segundo
c. –407 d) –64
grau P(x) = ax2 – bx + c seja o quadrado do
e. –279 polinômio Q(x) = dx + e, é necessário que:

137
UEA – Licenciatura em Matemática

a) b2 = 4c b) b2 = 4ac a) R(x) = 2x – 2 b) R(x) = –2x + 4


c) b2 = 4a d) b2 = 4a2c c) R(x) = x + 2 d) R(x) = 4x – 4
e) b2 = 4a2 e) R(x) = –x + 4

18. (UMPA) – Sejam P(x) e Q(x) dois polinômios de 5. (PUC–PR) O resto da divisão de
grau n. Se p é o grau de P(x) + Q(x),temos: x4 – 2x3 + 2x2 + 5x + 1 por x – 2 é:
a) p < n b) p ≤ n a) 1 b) 20
c) p = n d) p ≥ n c) 0 d) 19
e) p > n e) 2

19. (VUNESP–SP) Sabe–se que a soma dos n pri- 6. (PUC–BA) O quociente da divisão do polinô-
meiros termos da sucessão mio P = x3 – 3x2 + 3x – 1 pelo polinômio
ak = k.(k + 1), k = 1, 2, 3,... é um polinômio de q = x – 1 é:
grau 3. Esse polinômio é: a) x b) x – 1
c) x2 – 1 d) x2 – 2x + 1
a) b)
e) x2 – 3x + 3

c) d) 3n3–n
7. (UEM–PR) A divisão do polinômio
e) n 3 2x4 + 5x3 – 12x + 7 por x – 1 oferece o seguinte
resultado:

POLINÔMIOS – OPERAÇÕES a) Q = 2x3 + 7x2 + 7x – 5 e R = 2


b) Q = 2x3 + 7x2 – 5x + 2 e R = 2

1. (UF–MG) O quociente da divisão de c) Q = 2x3 + 3x2 – 3x – 9 e R = 16


P(x) = 4x4 – 4x3 + x – 1 por q(x) = 4x3 +1 é: d) Q = 2x3 + 7x2 – 5x + 2 e R = 0
a) x – 5 b) x – 1 e) Q = 2x3 + 3x2 – 15x + 22 e R = 2
c) x + 5 d) 4x – 5
8. (CESGRANRIO–RJ) O resto da divisão de
e) 4x + 8
4x9 + 7x6 + 4x3 + 3 por x + 1 vale:

2. (UF–PE) Qual o resto da divisão do polinômio a) 0 b) 1


x3 – 2x2 + x + 1 por x2 – x + 2 ? c) 2 d) 3
a) x + 1 b) 3x + 2 e) 4
c) –2x + 3 d) x – 1
9. (UF–RS) A divisão de p(x) por x2 + 1 tem quo-
e) x – 2
ciente x – 2 e resto 1. O polinômio P(x) é:

3. (CEFE–PR) O quociente da divisão de a) x2 + x – 1


P(x) = x3 – 7x2 +16x – 12 por Q(x) = x – 3 é: b) x2 + x + 1
a) x – 3 b) x3 – x2 + 1 c) x2 + x
c) x2 – 5x + 6 d) x2 – 4x + 4 d) x3 – 2x2 + x – 2
e) x2 + 4x – 4 e) x3 – 2x2 + x – 1

4. (UNICAMP–SP) O resto da divisão do polinômio 10. (UF–SE) Dividindo-se o polinômio f = x4 pelo


P(x) = x3 – 2x2 + 4 pelo polinômio polinômio g = x2 – 1, obtém-se quociente e
Q(x) = x2 – 4 é: resto, respectivamente, iguais a:

138
Matemática Elementar IV – Polinômios

a) x2 + 1 e x + 1 d) x2 – 1 e –1 a) x – 3 b) x + 3
b) x2 – 1 e x + 1 e) x2 + 1 e 1 c) x – 1 d) x + 1
c) x2 + 1 e x – 1 e) x + 2

17. (UFPA) Sejam P e Q dois polinômios de grau n


11. (FATEC–SP) Se um fator do polinômio
e m respectivamente. Então, se r é o grau de R,
P(x) = x3 – 5x2 + 7x – 2 é Q(x) = x2– 3x + 1,
resto da divisão de P por Q , temos:
então o outro fator é:
a) r = n/m b) r = n – m
a) x – 2 b) x + 2
c) –x – 2 d) –x + 2 c) r ≤ m d) r < m

e) x + 1 e) r < n – m

12. (CESCEM–SP) Dividindo x3 – 4x2 + 7x – 3 por 18. (EESCU–SP) – Seja Q o quociente e R o resto
um certo polinômio P(x), obtemos como quo- da divisão de um polinômio A por um polinô-
ciente x – 1 e resto 2x –1. O polinômio P(x) é mio B . Então, quando A é dividido por 2B:
igual a: a) quociente é 2Q e o resto 2R;
a) 2x2 – 3x + 2 b) x2 – 3x + 2 b) quociente é Q/2 e o resto R/2;
c) x2 – x + 1 d) 2x2 – 3x + 1 c) quociente é Q/2 e o resto é R;
e) n.d.a. d) quociente é 2Q e o resto R;
e) quociente é 2Q e o resto R/2.
13. (UFU–MG) Dividindo–se um polinômio f por
(x – 3), resulta um resto (–7) e um quociente
19. (PUC–PR) O resto da divisão de
(x – 4) . O polinômio é:
P(x) = 3x3+4x2 –2x+1 por x+1 é :
a) 2x
a) 2 b) 4
b) x + 4 / x – 4
c) –1 d) 0
c) 2x2 – x + 14
e) 5
d) x2 – 14x + 33
e) x2 – 7x + 5 20. (PUC–SP) O resto da divisão do polinômio
P(x)= x4–2x3+x2–x+1 por x+1 é:
14. (S. CASA–SP) Dividindo–se um polinômio f por a) 3 b) 4
x2 – 3x + 1 obtém–se quociente x + 1 e resto
c) 7 d) 5
2x + 1. O resto da divisão de f por x + 1 é:
e) 6
a) –2 b) –1
c) 3 d) 2x – 1 21. (UNESP–SP) Indique o resto da divisão
e) 2x + 1
.

15. (UF–PA) O polinômio x3 – 5x2 + mx – n é divisí-


a) 32 b) 30
vel por x2 – 3x + 6 . Então, os números m e n
são tais que m + n é igual a: c) –60 d) 28

a) 0 b) 12 e) 62

c) 24 d) 18
22. (CESGRANRIO–RJ) O resto da divisão do poli-
e) 28 nômio x100 por x+1 é:
a) x–1 b) x
16. (UF–GO) Se o polinômio x3 + kx2 – 2x + 3 é
divisível pelo polinômio x2 – x + 1, então o quo- c) –1 d) 0
ciente é: e) 1

139
UEA – Licenciatura em Matemática

23. (FGV–SP) O resto da divisão de 5x2n – 4x2n+1 – 2 30. (UEPG–PR) Sabendo-se que o polinômio
(n é natural) por x+1 é igual a: P(x)= 6x3+ax2+4x+b é divisível por
D(x)= x2+4x+6, então a+b vale:
a) 7 b) 8
a) 8 b) –32
c) –7 d) 9
c) –8 d) 32
e) –9
e) 64
24. (UF–RN) Se o polinômio f(x)= 3x2+7x–6K é
divisível por x–3, então K é igual a: 31. (UEL–PR) Se o resto da divisão do polinômio
p= x4–4x3–kx2–75 por (x–5) é 10, o valor de k é:
a) 2 b) 3
a) –5 b) –4
c) 5 d) 7
c) 5 d) 6
e) 8
e) 8
25. (PUC–SP) Qual é o resto da divisão de x31+31
32. (PUC–BA) Dividindo-se um polinômio f por
por x+1?
8x2+1 obtém-se quociente 3x–1 e resto 4x–2.
a) 0; Qual é o resto da divisão de f por x–1
b) 1; a) 22 b) 20
c) 30x; c) 10 d) –2
d) 31; e) –10
e) um polinômio de grau 30.
33. (PUC–PR) O resto da divisão de f(x)= xn–an por
26. (UF–RS) O resto da divisão de g(x)= x–a, é:
p(x)= x3+ax2–x+a por x–1 é 4. O valor de a é: a) 0; d) 2an, se n for par;
a) 0 b) 1 b) 1; e) 2an, se s for ímpar.
c) 2 d) 4 c) –a;
e) 6
34. (FGV–P) Para que o polinômio
27. (UFCE) Se x +px–q é divisível por (x+a),
2 P(x)= x3–8x2+mx–n seja divisível por
então: (x+1). (x–2), m.n deve ser igual a :

a. a2=ap b. a2+pa=q a) –8 d) 8

c. a2–q=ap d. p–q=a b) 10 e) –6
c) –70
e. nda

28. (UEL–PR) O valor de K para que o polinômio 35. (UF–PE) Seja p(x) um polinômio com coefici-
p(x)= kx2+kx+1 satisfaça a sentença entes reais. Assinale a alternativa certa para o
p(x) –x = p(x–1) é : resto da divisão de p(x) por x2–5x+6, sabendo-
se que p(2)= 2 e p(3)= 3:
a) –1/2 d) 1
a) 2x+1 d) x–2
b) 0 e) 3/2
b) x+1 e) x
c) 1/2
c) x–3

29. (UF–PA) Sabendo-se que os restos das divi-


36. (PUC–SP) O resto da divisão do polinômio
sões de x2+px+1 por x–a e x+2 são iguais, p(x)= (x–1). (x–2).(...).(x–n)+b pelo polinômio
então o valor de p é: g(x)= x é:
a) –2 b) –1 a) b d) (–1)n n!
c) 0 d) 1 b) (–1)n b e) (–1)n n! + b
e) 2 c) n! + b

140
UNIDADE IX
Equações Algébricas
Matemática Elementar IV – Equações algébricas

Resolução:
TEMA 33 Como não há termo independente, podemos co-
locar x em evidência, assim:
Equações algébricas x3 – 7x2 + 12x = 0

33.1 Introdução x(x2 – 7x + 12) = 0

Equação polinomial ou algébrica na incógnita x = 0 ou x2 – 7x + 12 = 0


x é toda equação do tipo P(x) = 0, onde Resolvendo a equação x2 – 7x + 12 = 0,
P(x) = anxn + an–1xn–1+....+ a3x3 + a2x2 + a1 + a0 encontramos x = 3 ou x = 4.

sendo n ∈ lN e an, an–1,...., a3, a2, a1 e a0 Logo, as raízes complexas dessa equação são
números complexos. O maior expoente de x 0, 3 e 4.
de coeficiente não-nulo é o grau da equação.
2. x3 – 5x2 + 14x – 20 = 0
São exemplos de equações algébricas:
Resolução:
a) 5x3 – 3x2 + 2x – 1 = 0, que é uma equação
polinomial do 3.o grau na incógnita x. Fatorando o polinômio do 1.o membro, temos:
b) 3y4 – 5y2 + 1 = 0, que é uma equação po- x2(x – 5) + 4(x – 5) = 0
linomial do 4.o grau na incógnita y. (x – 5)(x2 + 4) = 0

33.2 Raiz de uma equação algébrica Resolvendo as equações obtidas, temos:

Dizemos que o número complexo z é raiz da •x–5=0 ⇒ x=5


equação P(x) = 0 se, e somente se, P(z) = 0. • x2 + 4 = 0 ⇒ x2 = –4 ⇒ x ± 2i
Como exemplo, vamos verificar quais números Logo, as raízes complexas dessa equação são
do conjunto A ={1, 2, 3, i} são raízes da equa-
5, –2i e 2i.
ção x3 – x2 – 14x + 24 = 0.
a) Para x = 1, temos:
13 – 12 – 14 . 1 + 24 = 1 – 1 – 14 + 24 = 10
Logo 1 não é raiz.
b) Para x = 2, temos:
1. A equação x3 + 2x2 – 5x – 6 = 0 tem três raízes
23 – 22 – 14 . 2 + 24 = 8 – 4 – 28 + 24 = 0 que pertencem ao conjunto {–3, –1, 1, 2}.
Logo 2 é raiz. Quais são elas?

c) Para x = 3, temos:
2. Quais dos números – 2, – 1, 1, 2, – i e i são
33 – 32 – 14 . 3 + 24 = 27 – 9 – 42 + 24
raízes da equação x4 – 3x3 + 3x2 – 3x + 2 = 0?
x=0
Logo 3 é raiz. 3. Ache o valor de k de modo que a equação
x5 + kx4 – 2x2 + 8 = 0 tenha o número – 2 como
d) Para x = i, temos:
raiz.
i3 – i2 – 14 . i + 24 = –i + 1 – 14i + 24 = 25 – 15i
Logo i não é raiz. 4. Resolva as equações abaixo, sendo o conjun-
Vejamos como encontrar as raízes de algumas to dos números complexos o universo.
equações do 3.o grau, tendo como universo o a) 2x3 + 10x = 0
conjunto dos números complexos e usando a b) x3 – 9x2 + 18x = 0
fatoração. c) x3 + 2x2 – 9x – 18 = 0
1. x3 – 7x2 + 12x = 0 d) x4 + x3 – 7x2 – x + 6 = 0

143
UEA – Licenciatura em Matemática

33.3 Decomposição de um polinômio em um dividir P(x) por x – 2:


produto de fatores do 1.o grau.
Para as equações algébricas, é válida a se-
guinte propriedade, demonstrada pelo mate-
mático CarI Friedrich Gauss em sua tese de
doutorado, em 1799, que ficou conhecida como
teorema fundamental da álgebra. Logo, Q(x) = x2 – x – 12.
Toda equação algébrica de grau (n ≥ 1) possui Resolvendo a equação x2 – x – 12 = 0, encon-
pelo menos uma raiz complexa. tramos as raízes – 3 e 4. Logo, as raízes de P(x)
Considerando são –3, 2 e 4; assim, a decomposição de P(x) é:

P(x) = anxn + an–1xn–1+....+ a3x3 + a2x2 + a1x + a0 P(x) = an(x – z1) . (x – z2) . (x – z3)
P(x) = 1.[x – (–3)] . (x – 2) . (x – 4)
e com base no teorema fundamental da ál-
P(x) = (x + 3) . (x – 2) . (x – 4)
gebra, temos:
a) Se z1 é raiz da equação P(x) = 0, então, 2. Vamos resolver a equação polinomial
dividindo P(x) por x – z1, encontramos o
x4 – 5x3 + 10x2 – 10x + 4 = 0, sabendo que
quociente Q1(x) e o resto P1(z1) = 0. Logo,
duas de suas raízes são 1 e 2.
podemos escrever a equação:
Resolução:
P(x) = (x – z1) . Q1(x) = 0 na qual x – z1 = 0
Como 1 e 2 são raízes da equação, podemos
ou Q1(x) = 0, sendo que Q1(x) tem grau n – 1.
escrever:
b) Se z2 é raiz da equação Q1(x) = 0, então,
P(x) = (x – 1)(x – 2) . Q(x) = 0.
dividindo Q1(x) por x – z2, encontramos o
quociente Q2(x) e o resto Q2(z2) = 0. Logo, Para achar Q(x), vamos dividir P(x) por x – 1 e,
podemos escrever a equação: a seguir, dividir o resultado obtido por x – 2:

P(x) = (x – z1) . (x – z2) . Q2(x) = 0 na qual


x – z1 = 0, x – z2 = 0 ou Q2(x) = 0, sendo
que Q2(x) tem grau n – 2.
Procedendo dessa maneira, tantas vezes
quantas for o grau da equação P(x) = 0, che-
garemos a:
Logo, Q(x) = x2 – 2x + 2.
P(x) = an(x – z1) . (x – z2) . (x – z3)...(x – zn)
Para encontrarmos as outras raízes, devemos
o que nos permite concluir que: resolver a equação:
Toda equação algébrica de grau n (n ≥ 1) x2 – 2x + 2 = 0
admite n raízes complexas.
∆ = (–2)2 – 4 . 1 . 2
∆ = –4
Exemplos:

1. Vamos escrever o polinômio


P(x) = x3 – 3x2 – 10x + 24 na forma fatorada, Logo, o conjunto solução é S = {1, 2, 1 – i, 1 + i}.
sabendo que uma da raízes é 2.

Resolução:
Se 2 é raiz de P(x), então P(x) é divisível por
x – 2 . Daí: P(x) = (x – 2) . Q(x). 1. Fatore o polinômio x3 – 8x2 + 4x + 48, saben-
Aplicando o dispositivo de Briot–Ruffini, vamos do que P(6) = 0.

144
Matemática Elementar IV – Equações algébricas

2. Fatore o polinômio P(x) = x4 – 2x3 – 10x2 + 10x – 75,


ainda não tiveram êxito. [...] É impossível
sabendo que duas de sua raízes são 3 e –5.
resolver a equação geral do quinto grau por
radicais.
3. Fatore o primeiro membro da equação
Conseqüentemente: também é impossível re-
x4 – 16 = 0 e determine suas quatro raízes. solver por radicais equações de graus maio-
res que cinco.
4. Fatore o primeiro membro da equação
Mais tarde, Abel perguntou-se se também
x3 – x2 + 10x – 10 = 0 e determine suas raízes.
era impossível averiguar quais as equações
de quinto grau que podiam ser solucionadas.
Este problema foi resolvido em 1831, por
Évariste Galois. Penetrar nos pensamentos
de Abel e Galois leva-nos à álgebra moderna
[...] algo que ultrapassa nosso tema ele-
mentar. [...]
Fonte: Reproduzido de BEKKEN, Otto B. Equaçães de Ahmes

até Abel. Trad. José Paulo Guimarães Carneiro. Rio de Janeiro,

Universidade Santa Úrsula/GEPEM,1994.

Nieis Henrik Abel (1802 – 1829)

E o que fazemos com a


equação do quinto grau?

Passaram-se aproximadamente três mil anos


para ir das equações de primeiro ou segundo
grau às equações de terceiro e quarto graus.
Foi necessário que transcorressem mais uns
trezentos anos para que a equação de quinto
grau fosse compreendida, [...] Viète resolveu
equações de terceiro grau por redução ao se-
gundo grau, e equações de quarto grau por
redução ao terceiro grau. Tanto Euler quanto
Lagrange (1770) tentaram encontrar reduções
correspondentes para a equação do quinto
grau. Paolo Ruffini (1799) mostrou que a es-
tratégia de Lagrange não podia levar ao resul-
tado.
Foi o norueguês Nieis Henrik Abel que resol-
veu este importante problema em 1824. Co-
mo ele mesmo diz:
Os matemáticos têm-se ocupado muito, ten-
tando encontrar soluções gerais de equações
algébricas, e são muitos os que têm tentado
mostrar que é impossível. Se não me engano,

145
UEA – Licenciatura em Matemática

2. Vamos verificar qual é a multiplicidade da raiz


2 na equação x4 – 5x3 + 6x2 + 4x – 8 = 0.
TEMA 34
Resolução:
MULTIPLICIDADE DAS RAÍZES E RAÍZES Devemos dividir o polinômio do 1.o membro da
COMPLEXAS equação por x – 2 o quociente encontrado por
x – 2, o novo quociente por x – 2, e assim por
diante, até obtermos um resto diferente de zero,
34.1 Multiplicidade de uma raiz ou todos os restos nulos.
Ao fatorarmos um polinômio P(x), pode acon-
tecer que um fator (x – z) apareça exatamente
m vezes. Dizemos, então, que o número z é a
raiz de multiplicidade m do polinômio P(x) ou
da equação P(x) = 0
Assim, no polinômio Logo, 2 é raiz de multiplicidade 3.
P(x) = x (x – 2) (x + 1) (x – 5), dizemos que:
4 3 2

• o número zero é a raiz de multiplicidade 4 3. Vamos resolver a equação


(ou raiz quádrupla); x4 – 10x3 + 32x2 – 38x + 15 = 0, sabendo que
• o número 2 é raiz de multiplicidade 3 (ou 1 é raiz de multiplicidade 2.
raiz tripla); Resolução:
• o número –1 é raiz de multiplicidade 2 (ou Se 1 é raiz de multiplicidade 2, então podemos
raiz dupla); escrever: P(x) = (x – 1)2 . Q(x)
• o número 5 é raiz de multiplicidade 1 (ou Para obtermos Q(x), devemos dividir P(x) por
raiz simples). (x – 1) duas vezes seguidas:

Exemplos:

1. Dada a equação algébrica


(x – 5)(x + 3)4(x – 1)2=0, vamos determinar o
que se pede.
Logo, Q(x) = x2 – 8x + 15.
Resolução:
Resolvendo a equação Q(x) = 0, encontramos
a) O grau da equação
as outras raízes: 3 e 5.
Somando os graus de cada fator, obtemos
Logo, o conjunto solução é: S = {1, 3, 5}.
o grau da equação: 1 + 4 + 2 = 7
Logo, o grau é 7.
b) O conjunto solução nos complexos
(x – 5)(x + 3)4(x – 1)2 = 0
x–5=0 ⇒ x=5
1. Na equação 3(x + 2)3 (x – 5)2 (x + 4) = 0, dê a
(x + 3)4 = 0 ⇒ x + 3 = 0 ⇒ x = –3 multiplicidade da raiz:
(x – 1)2 = 0 ⇒ x – 1 = 0 ⇒ x = 1 a) –4 b) –2 c) 5
Logo, o conjunto solução é:
2. Determine a multiplicidade:
S = {–3, 1, 5}
c) A multiplicidade da raiz –3 a) da raiz 5 na equação polinomial
x4 – 14x3 + 60x2 – 50x – 125 = 0
A raiz –3 tem multiplicidade quatro, pois o
polinômio x + 3 aparece quatro vezes na b) da raiz 1 na equação polinomial
forma fatorada da equação. x4 – 5x3 + 9x2 – 7x + 2 = 0.

146
Matemática Elementar IV – Equações algébricas

34.2 Raízes complexas 2. Vamos resolver a equação


Teorema: x4 – 4x3 + 12x2 + 4x – 13 = 0, sabendo que
uma de suas raízes é 2 – 3i.
Se um número complexo z = a + bi (b ≠ 0) é
raiz de uma equação algébrica de coeficientes Resolução:
reais, então o conjugado de z, z– = a – bi, tam- Se 2 – 3i é raiz da equação, então 2 + 3i tam-
bém é raiz da equação. bém é raiz.
Demonstração: Portanto:
Seja P(x) = 0 uma equação com raiz z = a + P(x) = [x – (2 + 3i)].[x – (2 – 3i)].Q(x) = 0
bi com b ≠ 0. Para demonstrar o teorema,
P(x) = [x2 – 4x + 13).Q(x) = 0
basta que P(x) seja divisível por (x – z–).
Dividindo P(x) por x2 – 4x + 13, encontramos
Dividindo P(x) por (x – z) . (x – z–), obtemos um
quociente Q(x) e um resto R(x) = px + q. Q(x) = x2 – 1.
Assim, temos: Para obtermos as outras raízes, devemos ter:
P(x) = (x – z)(x – z–) Q(x) + R(x) x2 – 1 = 0 ⇒ x = ±1

P(x) = (x – z)(x – z–) Q(x) + px + q Logo, S {–1, 1, 2 – 3i, 2 + 3i}

Calculando P(z), temos:


P(z) = (z – z)(z – z–) Q(x) + pz + q = 0
pz + q = 0 ⇒ p(a + bi) + q = 0
pa + q + pbi = 0
1. Qual o menor grau de uma equação que tem
4, 2 + 3i e 1 + i por raízes.

Temos, então, p = 0; substituindo na primeira 2. Encontre uma equação de menor grau possí-
equação do sistema, temos q = 0, portanto vel que tenha por raízes 2 e 1 + 5i.
R(x) = 0. Assim, temos P(x) divisível por z–, logo
z– é raiz de P(x) = 0. 3. Resolva a equação x4 – 5x3 + 5x2 + 25x – 26 = 0,
sabendo que 3 + 2i é uma de suas raízes.
Conseqüências do teorema
1. ) Se uma equação algébrica de coeficientes reais
a
4. A equação x3 – x2 + 2x – 2 = 0 tem duas raízes
admite a raiz z = a + bi (b ≠ 0) de multipli- complexas não-reais. Quais são essas raízes?
cidade m, então admite também como raiz o
conjugado z– = a – bi de mesma multiplicidade.
2.a) Toda equação algébrica de coeficientes reais e
grau ímpar admite pelo menos uma raiz real,
pois o número de raízes não-reais é sempre
par.

Exemplos:

1. Vamos ver qual é o menor grau que pode ter


uma equação de coeficientes reais que admita
as raízes 2, 3i e 1 + i.
Resolução:
A equação algébrica terá no mínimo 5 raízes:
2, 3i, – 3i, 1 + i, 1 – i.
Logo, o menor grau da equação é 5.

147
UEA – Licenciatura em Matemática

Exemplo:
TEMA 35 Vamos resolver a equação
6x4 – 11x3 – 6x2 + 9x – 2 = 0
RAÍZES RACIONAIS Solução:
A equação tem coeficientes inteiros.
35.1 Introdução Como a0 = –2 e p é divisor de a0 temos que
A seguinte propriedade possibilitar-nos-á de- p ∈{±1, ±2}.
terminar todas as raízes racionais de uma equa- Como an = 6 e q é divisor de an., temos que
ção algébrica de coeficientes inteiros. q∈{±1, ±2, ±3, ±6}.
Se com p e q primos entre si é uma raiz Dividindo p por q, obtemos as possíveis raízes
racionais da equação dada:
racional da equação algébrica de coeficientes
inteiros anxn + an–1xn–1+....+ a2x2 + a1x + a0 = 0,
então p é divisor de a0 e q é divisor de an (com
an ≠ 0 e a0 ≠ 0) Primeiro, vamos determinar as raízes inteiras,
Demonstração: se existirem. Observe que elas são divisores do
termo independente. Achando o valor numérico
Sejam p e q inteiros, primos entre si e
do polinômio do 1.o membro da equação para
P(x)= anxn + an–1xn–1+....+ a2x2 + a1x + a0 = 0,
as possíveis raízes inteiras, temos:
uma equação algébrica de coeficientes
inteiros. P(–2) = 6(–2)4 – 11(–2)3 – 6(–2)2 + 9(–2) – 2

Fazendo x = , temos: P(–2) = 140 ⇒ –2 não é raiz.


P(–1) = 6(–1)4 – 11(–1)3 – 6(–1)2 + 9(–1) – 2
P(–1) = 0 ⇒ –1 é raiz.
P(1) = 6(1)4 – 11(1)3 – 6(1)2 + 9(1) – 2
P(1) = –4 ⇒ 1 não é raiz.
Multiplicando os dois membros da igualdade P(2) = 6(2)4 – 11(2)3 – 6(2)2 + 9(2) – 2
por qn, temos:
P(2) = 0 ⇒ 2 é raiz.
anxn + an–1xn–1+....+ a1pqn–1 + a0qn = 0
Dividindo P(x) por (x + 1).(x – 2), temos:
n
Isolando a0q no 2º membro, vem:
P(x) = (x + 1).(x – 2)Q(x)
anpn + an–1pn–1q+....+ a1pqn–1 = –a0qn
Dividindo os dois membros por p, temos:

No 1.o membro, os números p, q, n e os coe- Logo, Q(x) = 6x2 – 5x + 1.


ficientes são números inteiros, portanto o 1.o
Igualando Q(x) a zero, temos 6x2 – 5x + 1= 0.
membro representa um número inteiro.
Resolvendo essa equação, encontramos as
Então, a0qn é múltiplo de p e, como p e q são
outra raízes: , .
números primos entre si, qn não é múltiplo de
p, ou seja, p é divisor de a0.
De modo análogo, podemos provar que an é Logo,
múltiplo de q, isto é, que é divisor de an.

148
Matemática Elementar IV – Equações algébricas

TEMA 36

1. Determine as possíveis raízes inteiras da equa- RELAÇÕES DE GIRARD


ção 6x4 – 4x3 + 15x2 – x + 4 = 0.

36.1 Introdução
2. Quais as possíveis raízes fracionárias positivas
da equação 6x3 – 13x2 + x + 2 = 0?
As relações entre os coeficientes de uma equa-
ção algébrica e as raízes da mesma equação
3. Resolva as equações seguintes:
foram enunciadas em 1629, pelo matemático
a) x3 – 2x2 + 9x + 18 = 0 Albert Girard (1590–1632). Essas relações po-
b) 2x3 + 5x2 – 9x – 18 = 0 derão ser-nos úteis na resolução de equações
algébricas quando tivermos mais alguma infor-
c) 6x4 – x3 – 25x2 + 4x + 4 = 0
mação a respeito de suas raízes.

4. Uma piscina tem a forma de um paralelepípe- Vejamos essas relações para uma equação do
do retângulo. Suas dimensões, expressas em 2.o grau.
metros, são 2a, a + 1 e a – 3. Calcule o valor Sendo x1 e x2 as raízes da equação
de a, sabendo que essa piscina comporta até ax2 + bx + c = 0 (a ≠ 0), temos:
40.000 litros.
ax2 + bx + c = a(x – x1).(x – x2)

5. O volume de um prisma, em cm3, é represen- Dividindo os dois membros por a, obtemos:


tado pelo polinômio 2a3 – 9a2 + 7a + 6.
Determine o valor que a deve ter para que o
prisma tenha 18cm3 de volume.

6. A altura de um prisma hexagonal regular mede


(3x – 2)cm, e uma aresta da base mede xcm.
a) Expresse o polinômio que representa o vo- Essas são as relações de Girard para uma
lume desse prisma. equação do 2.o grau.
b) Se o volume desse prisma for 24 cm3, qual Consideremos, agora, uma equação qualquer
o valor de x? do 3.o grau:
ax3 + bx2 + cx + d = 0 (a ≠ 0),
7. Gabriela pensou em um número natural. Ele-
cujas raízes são x1, x2 e x3. Procedendo do
vou esse número ao cubo e somou o resultado
mesmo modo, temos:
com o triplo dele. Danilo pensou no mesmo
número, multiplicou por 3 o quadrado dele e ax3 + bx2 + cx + d = a(x – x1).(x – x2).(x – x3)
somou 65 ao resultado. Os dois obtiveram o Logo,
mesmo número. Em que número eles pensa-
ram?

8. Um recipiente cilíndrico tem internamente 6dm


de atura. Seu espaço interior é ocupado por Portanto,
uma esfera cujo raio tem a mesma medida do
raio do recipiente e por 18dm3 de água. Deter-
mine a medida do raio desse recipiente.

149
UEA – Licenciatura em Matemática

Essas são as relações de Girard para uma Solução:


equação do 3.o grau.
Como a = 6, b = – 13, c = 9 e d = –2, pelas
Prosseguindo com esse raciocínio, encontra- relações de Girard, temos:
mos para uma equação algébrica de grau n da
forma
anxn + an–1xn–1+....+ a3x3 + a2x2 + a1x + a0 = 0
(n > 1 e an ≠ 0) as seguintes relações:

• A soma das raízes é

• A soma dos produtos das raízes tomadas


duas a duas é
a)
• A soma dos produtos das raízes tomadas

três a três é
b)
.
:
• O produto das n raízes da equação é
c) (y + z + w)2 = y2 + z2 + w2 + 2(yz + yw + zw)

Exemplos:

1. Vamos escrever as relações de Girard para


equação ax4 – 2x3 – 25x2 + 26x + 120 = 0.
Solução:
Temos:
a = 2, b = – 2, c = – 25, d = 26 e e = 120
Sendo x1, x2, x3 e x4 as raízes da equação,
temos:
3. Vamos resolver a equação x3 – 3x2 – 4x + 12 = 0,
sabendo que duas raízes são opostas.
Solução:
Temos: a = 1, b = – 3, c = – 4, e d =12
Digamos que as raízes da equação sejam p,
–p e m. Então, pelas relações de Girard ob-
temos:
p – p + m = –(–3) = 3 ⇒ m = 3
3 2
2. Dada a equação 6x – 13x + 9x – 2 = 0 de
p(–p) + pm + (–p)m = –4
raízes y, z, e w, vamos calcular:
–p2 = –4 ⇒ p2 = 4 ⇒ p = ±2
a)
Logo, S{–2, 2, 3}

b) 4. Vamos resolver a equação


x3 – 15x2 + 66x – 80 = 0, sabendo que suas raí-
c) y2 + z2 + w2 zes estão em PA.

150
Matemática Elementar IV – Equações algébricas

Solução: 7. Uma das raízes da equação x3 + 6x2 – x – 30 = 0


Temos: a = 1, b = – 15, c = 66 e d = – 80 é a soma das outras duas. Qual o conjunto so-
lução dessa equação.
Sejam as raízes p – r, p e p + r, com r > 0.
Então, pelas relações de Girard, temos:
8. Determine quais são as raízes da equação
p – r + p + p + r = –(–15) x3 – x3 – 6x2 – 4x + 24 = 0, sabendo que elas
3p = 15 ⇒ p = 5 estão em PA.

(p – r).p.(p + r) = –(–80)
(5 – r).5.(5 + r) = (80)
25 – r2 = 16 ⇒ r2 = 9 ⇒ r = 3
p–r=5–3=2
EQUAÇÕES ALGÉBRICAS
p=5 TEOREMA DA DECOMPOSIÇÃO
p+r=5+3=8 TEOREMA DE D' ALEMBERT
Logo, S = {2, 5, 8}.
1. (FGV–SP) O valor de m , de modo que –1 seja
raiz da equação x ³ + (m+2)x² + (1–m)x – 2 =
0, é igual a:
a) 0 b) –1

1. Sendo a, b e c as raízes da equação c) 1 d) –2


x3 – 2x2 – 13x – 10 = 0, calcule: e) 2
a) a + b + c
2. (UF–RN) Seja
b) ab + ac + bc
P(x) = x³ + 6x – x – 30. Se P(2) = 0, então o
c) abc conjunto solução de P(x) = 0 é :
a) {–2, –3, –5}
2. Determine m, n e p, sabendo que a equação
x3 + mx2 + nx + p = 0 tem raízes 2, 3 e 5. b) {2, –3, –5}
c) {2, –2}
3. Encontre uma equação de grau 3 que tenha
d) {2, 3, 5}
por raízes –2, 3 e .
e) {2, 6, 30}

4. Estabeleça as relações de Girard para as equa-


3. (PUC–SP) A equação do terceiro grau cujas
ções:
raízes são 1, 2 e 3 é:
a) 3x4 + 19x3 – 23x2 – 59x + 30= 0
a) x³ – 6x² + 11x – 6 =0
b) x3 – 15x2 + 74x – 120 = 0
b) x³ – 4x² + 3x – 5 = 0

5. Dada a equação x3 – 11x2 + 38x – 40 = 0, deter- c) x³ + x² + 3x – 5 = 0


mine: d) x³ + x² +2x + 3 = 0
2 2 2
a) a bc + ab c + abc e) x³ + 6x² – 11x + 5 = 0
b) a2 + b2 + c2
4. (FGV–SP) Na equação x4 + px³ + px² + p = 0,
c) sabendo–se que 1 é raiz, então:
a) p = –1/4

6. Resolva a equação x3 – x2 – 49x + 49 = 0, sa- b) p = 0 ou p = 1


bendo que duas de suas raízes são opostas. c) p = 0 ou p = –1

151
UEA – Licenciatura em Matemática

d) p = 1 ou p = –1 a) –6, –4, 1 b) –6, 1, 4


e) p = –1/3 c) –4, –1, 6 d) –1, 4, 6
e) 1, 4, 6
5. (CESGRANRIO–RJ) A soma das raízes da
11. (UFSE) Sabe-se que –1 é raiz de multiplicidade
equação vale:
2 da equação 2x³ + x² – 4x – 3 = 0. A outra raiz
dessa equação é um número:
a) –10 b) –7
a) racional e não inteiro;
c) –3 d) 7
b) inteiro;
e) 21
c) irracional e negativo;
6. (ACAFE–SC) A maior raiz da equação d) irracional positivo;
x³ + 4x² + 3x = 0 é: e) complexo e não real.
a) –4 b) –1
12. (UF–RN) Se 2 é raiz de multiplicidade 3 da equa-
c) 0 d) 2
ção x4 – 9x³ + 30x² – 44x + 24 = 0, então seu
e) 3 conjunto solução é:
a) {1; 2} b) {1;3}
7. (CESCEM–SP) A equação
c) {2;3} d) {1;2;3}
2x³ – 5x² – x + 6 = 0 admite uma raiz igual a 2.
Então, as outras duas raízes são: e) {1;2;3;4}

a) –3/2 e 1 b) –2 e 1
13. (PUC–SP) A raiz x = 1 da equação
c) 3 e –1 d) 3/2 e –1 x4 – x³ – 3x² + 5x – 2 = 0 é:
e) 3/2 e 2 a) simples b) dupla
c) tripla d) quádrupla
8. (UEL–SP) A equação 2x³ – 5x² + x + 2 = 0 tem
e) quíntupla
três raízes reais. Uma delas é 1. As outras duas
são tais que: 14. (FATEC–SP) Se a, b e –1/2 são as raízes da
a) ambas são números inteiros; equação 2x³ + 3x² – 3x – 2 = 0, então ab é igual
a:
b) ambas são números negativos;
a) –1 ou 0 b) –1/2 ou 2
c) estão compreendidas entre –1 e 1;
c) 2 d) 1/2 ou –1/2
d) uma é o oposto do inverso da outra;
e) –2 ou 1
e) uma é a Terça parte da outra.
15. (OSEC–SP) O grau de uma equação polino-
9. (PUC–BA) É verdade que a equação mial P(x) = 0 , cujas raízes são 3, 2 e 4 com
(x – 4x).(x² + 2x + 1) = 0, no inverso IR: multiplicidade de 5, 6 e 10, respectivamente, é:

a) tem quatro soluções distintas; a) 9; b) 300;

b) tem uma solução que é número irracional; c) menor que 20; d) 21/9;

c) tem cinco soluções distintas; e) 21.

d) não tem soluções;


16. (MACK–SP) Na equação (x³ – x² + x – 1 ) = 0,
e) tem apenas duas soluções distintas. a multiplicidade da raiz x = 1 é:
a) 1 b) 9
10. (PUC–SP) O polinômio
P(x) = x³ + x² – 26x + 24 é divisível por x – 4. c) 18 d) 36
Os zeros deste polinômio são: e) 54

152
Matemática Elementar IV – Equações algébricas

17. (CESCEA–SP) Assinale, entre as equações abai- 5. (PUC–SP) As raízes da equação


xo, a que representa raiz de multiplicidade três: 3x3 – 13x2 + 13x – 3 = 0 são:
a) x³ – 1 = 0 a) 7; 6 e 1/7 b) 6; 5 e 1/6
b) (x–2) = 0 c) 1; 3 e 1/3 d) 2; 4 e 1/2
c) x – 4x² = 0 e) 5; 7 e 1/5
d) (x–1)3 . (x+1) = 0
6. (PUC–RJ) Sobre as raízes da equação
e) n.d.a. x3 – x2 + 3x – 3 = 0, podemos afirmar que :
a) nenhuma raiz é real;
EQUAÇÕES ALGÉBRICAS TEOREMA DAS b) há uma raiz real e duas imaginárias;
RAÍZES RACIONAIS E COMPLEXAS
c) há três raízes reais, cuja soma é 3;
d) há três raízes reais, cuja soma é 1;
1. (UF–MG) Sabe–se que a equação
e) há três raízes reais, cuja soma é – 3.
x4 – 6x3 +15x 2 – 18x + 10 = 0 admite as raízes
complexas 1 – i e 2 + i. Quais as demais raízes
7. (ITA–SP) A equação (1 – x) (1 – x).x = 1 – x2 tem:
dessa equação?
a) três raízes reais;
a) –1 – i e –2 + i
b) uma raiz dupla igual a 1;
b) 1 + i e 2 + i
c) não tem raízes complexas;
c) –1 + i e –2 – i
d) S = {1; i ; – i};
d) 1 – i e 2 – i
e) n.d.a.
e) 1 + i e 2 – i

8. (CEFET–PR) Os valores de p e q para que i


2. (PUC–SP) Qual dos números abaixo é raiz da
seja raiz da equação 2x3 + px2 + qx + 2= 0,
equação 15x3 + 7x2 – 7x + 1 = 0 ?
são respectivamente:
a) 7/15 b) 1/2
a) 2 e 2 b) –1 e 0
c) 2/3 d) 3/5
c) 1 e –1 d) 1/2 e 2
e) 1/3
e) 1/2 e 0

3. (VUNE–SP) Uma das raízes da equação 2x3 +


9. (UEPG–PR) O polinômio P(x) = x3 – x2 + x + a
x2 – 7x – 6 = 0 é x = 2.pode–se afirmar que:
é divisível por x – 1.Suas raízes são:
a. as outras raízes são imaginárias;
a) 1, i e – i b) –1, – i e i
b. as outras raízes são 17 e – 19; c) 0, 1 e i d) 1, – 1 e – i
c. as outras raízes são iguais; e) n.d.a.
d. as outras raízes estão entre – 2 e 0;
e. só uma das outras raízes é real. 10. (PUC–SP) O grau mínimo que um polinômio de
coeficientes reais admite, sabendo-se que
4. (UF–RN) A equação (x + 1) (x2 + 4) = 0 tem: 1 + i e – 1 + i são raízes, é :

a) duas raízes reais e uma imaginária; a) 1.o grau; b) 2.o grau;

b) uma raiz real e uma imaginária; c) 3.o grau; d) 4.o grau;

c) duas raízes reais e duas imaginárias; e) 5.o grau.

d) uma raiz real e duas imaginárias; 11. (ITA–SP) A equação 4x3 – 3x2 – 4x – 3 = 0
e) apenas raízes reais. admite uma raiz igual a i (unidade imaginária).

153
UEA – Licenciatura em Matemática

Deduzimos que : a) – 8 e – 4
a) tal equação não admite raiz real menor que b) – 8 e 4
2; c) – 4 e 1
b) tal equação admite como raiz um número d) – 1 e 4
racional;
e) 4 e 8
c) tal equação não admite como raiz um
número positivo; 5. (FGV–SP) A soma e o produto das raízes da
d) tal equação não possui raiz da forma bi, equação x4 – 5x3+ 3x2+ 4x – 6 = 0 formam
qual seguinte par de valores?
com b < 1;
a) –5; 6
e) n.d.a.
b) 5; –6

12. (MACK–SP) A equação c) 3; 4


2x4 – 3x3 – 13x2 + 37x – 15 = 0 tem uma raiz d) 1; 6
igual a 2 + i. As outras raízes da equação são: e) 4; 3
a) 2 – i; – 3; 1/2
6. (PUC–PR) Se a, b e c são raízes da equação
b) 2 + i; 3; –1/2
x3– 4x2– 31x + 70 = 0, podemos afirmar que
c) 3 – i; –3; 1/2 log2(a + b + c) é igual a:
d) 3 + i; – 1 ;–3/2 a) 4
e) 2 – i; 1; 3/2 b) 0
c) 1
EQUAÇÕES ALGÉBRICAS d) 2
RELAÇÕES DE GIRARD e) n.d.a.

7. (UNESP–SP) Consideremos a equação


1. (AMAN–RJ) A soma das raízes da equação
x2+ ax + b = 0. Sabendo-se que 4 e –5 são as
x4– x3– 4x2+ 4x = 0 é igual a:
raízes dessa equação, então:
a) 0 b) 1
a) a = 1, b = 7
c) –4 d) 4
b) a = 1, b= –20
e) n.d.a. c) a = 3, b = –20
d) a = –20, b = –20
2. (UF–PR) A média aritmética das raízes da equa-
ção x3 – x2 – 6x = 0 é: e) a = b = 1
a) 1 b) 1/3
8. (PUC–SP) Os números complexos 1 e 2 + i
c) 8/3 d) 7/3 são raízes do polinômio x3+ ax2 + bx + c,
e) 5/3 onde a, b e c são números reais. O valor de c
é:
3. (CESGRANRIO–RJ) A soma das raízes de a) –5
x4 + 1 = 0 é: b) –3
a) 1 b) –1 c) 3
c) 0 d) i d) 5
e) –i e) 9

4. (UF–SE) A soma e o produto das raízes da 9. (UFMT)– Sejam –2 e 3 duas das raízes da
equação x3 + x2 – 8x – 4 = 0 são, respectiva- equação 2x3– x2 + kx + t =0, onde k, t ∈ lR.
mente: A terceira raiz é:

154
Matemática Elementar IV – Equações algébricas

a) –1 a) 2, –2, 1
b) –1/2 b) 2, –1, 3
c) 1/2 c) 3, –2, 1
d) 1 d) 1, –1, –2
e) n.d.a.
e) n.d.a.

10. (UE–CE) Se p e q são as raízes da equação


16. (CEFET–PR) Se a, b, e c são raízes da equação
2x2– 6x + 7= 0, então (p + 3)(q + 3) é igual a:
x3– 8x2 + 24x – 16 = 0, então o valor de
a) 41/2
sen(p /a + p /b + p /c) será:
b) 43/2
a) –1
c) 45/2
b) 1
d) 47/2
c) –8/24
11. (UF–MG) As raízes da equação 2x – 2bx + 3 = 0
2
d) –16/24
são positivas, e uma é o triplo da outra. Então,
e) 1/2
o valor de b é:
a) –2 b) –2
17. (ITA–SP) A soma dos quadrados das raízes da
c) 2 d) 2 equação x3+ x2 + 2 + 8 = 0 é igual a:
e) 4
a) 5

12. (MACK–SP) Uma das raízes da equação b) 5 – 4


x2+ ax + 2b =0, a e b reais, é 1 – i. Os val- c) 12
ores de a e b são, respectivamente:
d) 9 + +2
a) –2 e 3/2
e) n.d.a.
b) –2 e –3/2
c) 2 e –3/2 18. (PUC–SP) O produto de duas das raízes da
d) 2 e 2/3 equação 4x3– 33x2 + 68x – 15 = 0 é 3/4. A
e) 2 e 3/2 soma das duas maiores raízes da equação é:
a) 13/4
13. (FGV–SP) Se a soma das raízes da equação
kx2 + 3x – 4 = 0 é 10, podemos afirmar que o b) –2
produto das raízes é: c) 21/2
a) 40/3 b) –40/3 d) 8
c) 80/3 d) –80/3 e) 11
e) –3/10
19. (MACK–SP) As raízes (x1, x2, x3) da equação
14. (UFP–RS) A soma dos inversos das raízes da x3– 3x2 + cx + d = 0 formam uma progressão
equação x3– 2x2 + 3x – 4 = 0 é igual a: aritmética de razão 3, então o valor de
x1 . x2 . x3 é:
a) –3/4 b) –1/2
c) 3/4 d) 4/3 a) –8

e) 2 b) 12
c) 3
15. (MACK–SP) Uma raiz da equação
d) 9
x3– 4x2 + x + 6 = 0 é igual à soma das outras
duas. As raízes dessa equação são: e) 6

155
Respostas dos Exercícios
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

UNIDADE I c) sen 30º = 0,5


Razões trigonométricas no triângulo sen 45º = 0,7
cos 45º = 0,7
sen 60º = 0,5
tg 45º = 1
TEMA 1 9. a) oposto
b) Adjacente
TRIGONOMETRIA NO
TRIÂNGULO RETÂNGULO

Pág. 14 Pág. 16

1. b 2. c 3. b 4. d 5. a
1. a)

b)

c) TEMA 02

d) RELAÇÕES ENTRE SENO,


COSSENO E TANGENTE
e)

f)

2. Seno: e Pág. 20

Cosseno: e
1. a)

Tangente: e
b)
3. b = 40 e c = 30
4. b = 2 e c=4 2.
5. a) x = 3,52cm
b) x = 2,3cm 3. (30 + 15 )cm
c) x = 5,3dm
4. a)
6. 113,6m
7. b) 69,23m, aprox.
8. a) OA = 5,0 cm
CC’ = 2,5 cm
DD’ = 3,5 cm b)
OD’ = 3,5 cm
OE’ = 2,5 cm
5. 240 m e aprox. 207,8 m
b) OA = 1 u
CC’ = 0,5 u 6. Aprox. 141,96 m
DD’ = 0,7 u 7. 30cm
OD’ = 0,7 u 8. a) 0,6293 b) 0,9613 c) 0,9397
OE’ = 0,5 u d) 0,0872 e) ≅1,0724 f) ≅0,5543

159
UEA – Licenciatura em Matemática

c)

Pág. 21
d)

1. c 2. b 3. e 4. b 5. b 3. a) aprox. 4,19 cm
b) aprox. 43°
c) aprox. 115 cm
4. a)12560m
TEMA 03
b) 3750 voltas
5. 350 voltas
RESOLUÇÃO DE TRIÂNGULOS
6. ≅ 229,3cm

Pág. 24
Pág. 33
1.
2. 27 + 9 1.a 2. e 3. d 4. c
3. 5 cm e 5 cm
4. ^
A = 30º
5. α = 30º
TEMA 05

CICLO TRIGONOMÉTRICO
Pág. 25

1. c 2. a 3. a 4. b 5. b
6. a 7. a 8. a 9. e 10. c
11. a 12. d 13. d 14. b 15. a Pág. 37

1. a) 54°
b) 120°
UNIDADE II c)
Trigonometria na circunferência
d)

2. a) –296°
TEMA 04 b) –(179°36’)

ARCOS E ÂNGULOS c)

d)

3. a) 1ª determinação positiva é 260° e 1ª deter-


Pág. 33
minação negativa é -100°
1. a) 78°06’15” b) 1ª determinação positiva é 280° e 1ª deter-
b) 6°52’30” minação negativa é –80°

2. a) c) 1ª determinação positiva é e 1ª

b) determinação negativa é

160
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

d) 1ª determinação positiva é e 1ª de-


TEMA 07
terminação negativa é
RAZÕES RECÍPROCAS DO SENO, COSSENO
E TANGENTE E OUTRAS RELAÇÕES.
4. a) –

b)

5. a) –215° Pág. 43
b) 120°

1. a)

b)
TEMA 06
2. a) –
SENO, COSSENO E TANGENTE
b)

3. a) –2
b) –2
Pág. 41 4. a) y1<0
b) y2 >0
5. a)
1. a)
b) –
b)
6. a) y1 > 0
2. a) b) y2 <0

b) –

3. a) TEMA 08

REDUÇÃO AO 1º. QUADRANTE


b)

4. a) –
Pág. 46
b) –
1. a) –cos 9º
5. a) y1 > 0
b) y2 = 0 b) –cos

6. a) 1 +
c) –cos

b) d) –cos

7. a) –
e) –cot g
b)

161
UEA – Licenciatura em Matemática

Im(ƒ) = [–3, –1]


2. a) período = 2π rad

b) –

c)
d) –

e) –

f) – 2 3. a) D(ƒ) = lR
Im(ƒ) = [–1, 1]
g) b) D(ƒ) = lR
Im(ƒ) = [–1, 1]
3. –1
4. a) rad

b) 10π rad
c) rad
Pág. 46
5. a) ±
1. b 2. a 3. c 4. b
5. e 6. a 7. c 8. a b) ±12

6. a)

UNIDADE III
Funções circulares e identidades
b)

TEMA 09

FUNÇÃO SENO

TEMA 10

Pág. 53 FUNÇÃO COSSENO

1. a, b e d
2. a) D(ƒ) = lR
Pág. 56
Im(ƒ) = [–3, 3]
período = 2π rad
1. c
2. a)

b) D(ƒ) = lR

162
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

O domínio é D(ƒ) = lR
c) D(ƒ) = {x∈lR|
A imagem é Im(ƒ) = [–3, 3]
O período é 2π rad
d) D(ƒ) = {x∈lR|
b)

3. e x é do 4º

4. a)

O domínio é D(ƒ) = lR
A imagem é Im(ƒ) = [–3, 1]
O período é 2π rad

3. a) rad
b)
b)

c)

d) 8π rad

Pág. 56

1. b 2. b 3. e 4. d
TEMA 12
5. e 6. b 7. c 8. b

OUTRAS FUNÇÕES CIRCULARES

TEMA 11

FUNÇÃO TANGENTE Pág. 60

1. a) e p(ƒ) = π

Pág. 58 b) e p(g) = π

1. a) πrad c) e p(h) = 2π
b) 2πrad
2. a) m ≤ 2
c) rad
b) m ≤ ou m ≥ 1
d) 2πrad
2. a) D(ƒ) = {x∈lR| c) 0 ≤ m < ou <m≤

3. cotg x
b) D(ƒ) = {x∈lR|
4. cotg3 x

163
UEA – Licenciatura em Matemática

5.
TEMA 13

IDENTIDADES

6. tg 15º = 2 –
Pág. 61

1. Demonstração
2. Demonstração
3. Demonstração Pág. 66
4. a) Não é identidade em ℜ
b) É identidade em U 1. e 2. a 3. a 4. a 5. a
5. Demonstração

TEMA 15

Pág. 62 ARCO DUPLO E TRIPLO

1. e 2. d 3. d 4. a

Pág. 68

UNIDADE IV
Fórmulas da adição, 1. a)
multiplicação e divisão de arcos
b)

TEMA 14 2.

3. 0,643
TRANSFORMAÇÕES: FÓRMULAS DE ADIÇÃO
4.

5.
Pág. 66
6. tg 70º ≅ 2,7; cot g 70º ≅ 0,36

1. a) cot g 165º = –(2 + )


b) sec 255º = –( + )
c) cos sec 15º = +
Pág. 69
2.

1 a) –1
3.
b) –1
2. –1
4.
3. 1

164
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

d) 4 . cos2 x . sen 3x
TEMA 16

ARCO METADE

Pág. 73

Pág. 70 1. a)

1. b)

2.

3.

4. Demonstração Pág. 73

5.
1.
6.
2.
7. –

8.
UNIDADE V
Equações e Inequações Trigonométricas
Funções Trigonométricas Inversas
TEMA 17

FÓRMULAS DE TRANFORMAÇÃO EM PRODU-


TEMA 17
TO PARA SENO, COSSENO E TANGENTE
EQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS

Pág. 72
Pág. 78
1. a) 2 . sen 29º . cos 7º
b) 2 . sen 32º . cos 40º
1. a) S={x∈lR }
2. a) 2 . cos 15º . cos 8º
b) –2 . sen 35º . sen 23º
b) S={x∈lR }
3. a) 2 . sen 6x . cos x
b) c)

c) 2 . cos 5x . cos 4x 2.
d) –2 . cos 2x . cos x
4. a) 3. S={x∈lR }

b)

c) 4 . cos x . cos 2x . cos 5x Pág. 79

165
UEA – Licenciatura em Matemática

2. sen x ≥
1. a) S = {x∈lR }

b)
3. {x∈lR

c)

2. S = {x∈lR }

Pág. 83
3.

1. a) {x∈lR κ∈ }

b) {x∈lR
Pág. 80
}
1. a) S = {x∈lR }
c) {x∈lR
b) S = {x∈lR }
}
c)

2. a) {x∈lR
2. S = {x∈lR }

b) {x∈lR
3.

4.

5.

Pág. 84

TEMA 19 1. a) {x∈lR

INEQUAÇÕES TRIGONOMÉTRICAS b) {x∈lR

c) {x∈lR

Pág. 82
1. a) π ≤ x ≤ 2π d) {x∈lR
b) 0 ≤ x ≤ π
}
c) 0 ≤ x ≤ ou ≤ x ≤ 2π

TEMA 20

166
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

FUNÇÕES TRIGONOMÉTRICAS INVERSAS


TEMA 21

FORMA ALGÉBRICA E POTÊNCIAS DE i


Pág. 85

1. a) rad b) – rad c) 40º

2. 1,2
Pág. 94
3. 1,1

1. a) i
b) i
c) –1
Pág. 86

1. a) rad 2. a) –1
b) πrad b) –i
3) i
c) rad

2. a) 14º

b)

Pág. 95

1. a) Re(z) = –3 e Im(z) = 4
Pág. 87
b) Re(z) = 2 e Im(z) = –1
1. a) – rad
c) Re(z) = 4 e Im(z) =
b) – rad
d) Re(z) = 0 e Im(z) = 5
c) e) Re(z) = 3 e Im(z) = 0
f) Re(z) = e Im(z) = –
d) 4 –
g) Re(z) = 3 e Im(z) = 2π
2.d 3.c 4.a 2. a) K = 5
5.a 6.b 7.d b) m = ± 2 e k ≠ 5 (k real)
8.b 9.e 10.b
3. a) p = 5 e q = –1
11.d 12.b 13.d
14.b 15.a 16.c b) p = 2 e q = 3 ou p = 2 e q = –3
17.c 18.a 19.a c) p = 1 e q = –4 ou p = –4 e q = –4
20.b 21.b 22.b 4. x = 1 ou x = 3
23.e 24.e 25.a 5. a)
26.b 27.e 28.c
b) x = 1
29.d 30.a
UNIDADE VI TEMA 22
Números complexos

167
UEA – Licenciatura em Matemática

b) 16i d) – i
IGUALDADE, SOMA E SUBTRAÇÃO DE
9. a) 6
NÚMEROS COMPLEXOS
b)

c) 2m
Pág. 95 d) –2bi

1. a) x = 4 e y = –4 10. a) c)
b) x = 9 e y = 3
c) x = –3 e y = 4 ou x = 5 e y = 4 b)
d) x = 4 e y = 0
e) x = –5 e y = –3 d) 7x – 5yi
2. a = –5 e b = 7 11. a) x = –2, y = –
3. x = 6 e y = –7
b) x = 4, y = 2
12. x = 5, y = 6
13. x = 2, y = 3
Pág. 97

1. a) 5 + i b) 5 – i
c) –3i d) 4 – i TEMA 23
2. a) Re(z) = 5 e Im(z) = 3
b) Re(z) = –7 e Im(z) = 5 MULTIPLICAÇÃO, CONJUGADO E
DIVISÃO DE NÚMEROS COMPLEXOS
3. a) x = 0 e y =
NA FORMA ALGÉBRICA
c) x = 0 e y = 0
b) x = – e y=
Pág. 99
d) x = 3 e y =
1. a) 3 + i e) –8i
4.
b) 1 – 5i f) –8 + 6i
5. a) –4 + 6i c) –1 + 5i g) 48 + 64i
b) –1 – 4i d) 8 + 4i h) 3 + 7i
c) –7 + 4i 2.
d) 4 + 6i
e) –5 – 2i 3. Demonstração
f) 11 + 2i 4. x = 1
5. a) 24 – 2i c) 17 + 30i
6. a)
b) 7 + 4i d) 10 – 6i
6. a) 25 + 2i
b)
b) –3 + 3i
c) –4 – 3i
c)
7. x = 2 y = 4
7. a) 3 i 8. x = 2 e y = 1
b) + 1 + (– – 1)i 9. a) z1
c) 2 + + (–1 – )i b) z2
10. 2 + 5i e 2 – 5i
8. a) 8 + 4i c) – 2i
11. –3 + i e –3 – i

168
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

12. a) 1+ 5i 6. Demonstração
b) 26 7. z = –i
c) 10 + 2i 8. z = 2 + 3i ou z = –2 + 3i
d) 26 + 26i
13. a) 17

b)

c) Pág. 101

d) 1. a) e)

14. a) –6
b) f) –2i
b) 6 + 12i
c) 2 + 2 i
15. a) –3 + 2i c) g)
b) –6 + 3i d) + i
c) 4 – 3i
2. a)
d)
16. a) 12 + 6i
b)
b) 3. 3
=
4. z = 3 + 5i
c) 2 –i
5. a) k = 4
d) –1 – 12 i
b) k = –1
17. a) –10 – 4i
6. Demonstração
b) 24 – 7i
7. z = 3 + 2i
18. a) –3 + 9i
b) –25 + 22i 8.
19. a) x = –1, y = 1 ou x = –2, y = 2
b) x = y = ±1
9. a)

b)

Pág. 100 c)
d) – i
1. a) z– = 8 + i 10. a)
b) z– = 1 + i
c) z– = 13 b)
d) z– = –7i
e) z– = p + qi
c)
2. a) z = 3 – 2i
b) z = 1 – 4i d)
c) z = 2 – 2i
d) z = i
e) z = 1 – i ou z = 1 + i
3. Demonstração
4. z– = –2 – 8i Unidade VII
5. z– = 15 – 25i Números complexos na forma

169
UEA – Licenciatura em Matemática

trigonométrica

TEMA 24

REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA, MÓDULO E


ARGUMENTO DE UM NÚMERO COMPLEXO

6.
Pág. 106

1.

7.

2. a) z1 = –3 + i
b) z2 = 3i
e) z5 = –1 + i
c) z5 = –4 – 3i
d) z4 = –5
f) z5 = –2 + 2i

3.

Pág. 107

1. a) ρ1 = 5 d) ρ4 =
b) ρ2 = 2 e) ρ5 =
c) ρ3 = 5
2. a) 5
4. b) +

c)

d) 10
e) 5
f)
3. a)
b) 625
c) 2
4. a) 4 e) 3
5. b) 5 f) 3
c) 13 g) 4

170
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

d) 1 h) c)
5. 13
6. 4
7.

8. |z| = 10

Pág. 109

1. a) d)

b)
c)

TEMA 25

FORMA TRIGONOMÉTRICA
DE UM NÚMERO COMPLEXO

e)
Pág. 111
1. a)

f)

b)

g)

171
UEA – Licenciatura em Matemática

l)

h)

m)

i)

n) ρ = 5, θ = 0
z = 5(cos 0 + isen 0)

j)

o) ρ = 5, θ = π
z = 5(cos π + isen π)

k)

2. a) z = 3 +3 i
b) z = – +i

c)

d) z = –2 – 2i
e) z = –7
f) z = –2 –2i

172
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

3. a) i)

b) j)

2.
c)

3.
4. a)

b)

5.
Pág. 114
6. a)
b)
1. a)
7.

8. z = 9(cos 0 + isen 0) b)
9.
c)

2. a)

b)
TEMA 26

MULTIPLICAÇÃO E DIVISÃO COM NÚMEROS


COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA TEMA 27

POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO DE NÚMEROS


COMPLEXOS NA FORMA TRIGONOMÉTRICA
Pág. 113

1. a) Pág. 116

b) 1. a) –4 e) 64
b) 256 f) –104
c) c) –8i g) –250
d) 81 i
d)
2. a) c) –625 i

e) b) –125 d) 15625
3. a) – 2 – 2i b) –972 + 972i
f) c) 64 – 64 i d) –299 – 299 i
e) – 8 – 8 i f) –512i
g)
g) h) –317i
h)
4. n = 4

173
UEA – Licenciatura em Matemática

Pág. 119
e

1. –2i, 2i, –2 e 2

2.

3. 5.

4. a) e

b)
Pág. 119
,
1. A 2. A 3. C 4. B
e 5. B 6. B 7. B 8. B
9. D 10. A 11. A 12. A
13. E 14. C 15. C 16. A
17. D 18. C 19. C 20. A
21.E 22. E 23. E 24. C
c) ,
25. B 26. E 27. D 28. A
29. A
,

e Unidade VIII
Polinômios
e

TEMA 28

d) , POLINÔMIOS

e Pág. 128

1. a) 4.
b) 3, se a ≠ 0; 2 se a = 0
c) 2, se a ≠ 3; 1, se a = 3.
e)
d) 1.

174
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

e) 0
f) 2, se a ≠ 0;
TEMA 30
1, se a = 0 e b ≠ 0;
0, se a = b = 0 e c ≠ 0;
DIVISÃO DE POLINÔMIOS (PARTE I)
não se define grau se a = b = c = 0.
2. a) S = 0 e t = 64
b) S = -18 e t = 4
c) S = 32 e t = 0
d) S = 6 e t = 25 Pág. 132
3. a) -8; 0; 0; 4.
b) -1 e 2 1. x2 + 5x – 1 2. 3x – 2
c) k = 1 3. 2x + 3 4. zero
d) k = 8
e) k = -4
f) k = 5
g) a = 3 e b = 1. TEMA 31
4. a) a = 1; b = -2; c = -1
b) a = 4; b = -8; c = 4. DIVISÃO DE POLINÔMIOS (PARTE II)

TEMA 29 Pág. 133

POLINÔMIOS IDÊNTICOS E OPERAÇÕES 1. Q(x) = x2 – x + 9 e R(x) = –12x


COM POLINÔMIOS 2. x2 + x + 2

3. x –

Pág. 129

1. a) a = 5; b = 3; c = –3
Pág. 135
b) c = ± 1; b = 3; c = ± 3
c) a = –3; b = 4
1. 33
d) a = 0 ou a = 1
2. 1
2. a) (x – 1)2 – (x – 4)2
3. não é divisível.
b) (x + 3)2 – (x – 1)2
4. m = 3 e n = –7
c) 5. (x – 2)

d)

TEMA 32

DIVISÃO DE POLINÔMIOS (PARTE III)


131

1. a) P(x) = 5x2 – 3x + 5
b) P(x) = 3x2 – 2x – 1 Pág. 136

c) P(x) = x2
1. a) Q(x) = 5x3 – 4x2 +2x –3 e R = 1
2. m = 2 e n = 4 b) Q(x) = x4 –+ x3 + 2x2 – x + 2 e R = 0

175
UEA – Licenciatura em Matemática

c) Q(x) = x2 – x + 1 e R=4
d) Q(x) = x3 – 3x2 + 9x – 27 e R = 72 TEMA 34
2. –2
MULTIPLICIDADE DAS RAÍZES
E RAÍZES COMPLEXAS

Pág. 136
Pág. 146
POLINÔMIOS
1. a) 1
b) 3
1. c 6. e 11. b 16. e
c) 2
2. d 7. a 12.e 17. b
2. a) 3
3. e 8. c 13. c 18. b
b) 3
4. e 9. b 14. e 19. d
5. a 10. c 15. e

POLINÔMIOS - OPERAÇÕES Pág. 147

1. b 10. e 19. b 28. c 1. 5


2. c 11. a 20. e 29. d 2. (x – 2)(x – 1 – 5i)(x – 1 + 5i) = 0
3. d 12. b 21. e 30. b 3. {–2, –1, 3 – 2i, 3 + 2i}
4. d 13. e 22. e 31. e 4. –i ei
5. d 14. b 23. a 32. b
6. d 15. c 24. e 33. a
7. a 16. b 25. c 34. c
TEMA 35
8. c 17. d 26. c 35. e
9. e 18. c 27. c 36. e RAÍZES RACIONAIS

UNIDADE IX
Equaçãoes algébricas Pág. 148

1. – 4, –2, –1, 1, 2 e 4
2.
TEMA 33
3. a) {–3, 2, 3}

EQUAÇÕES ALGÉBRICAS b)

c)

4. 4
Pág. 143 5. 4
6. a)
1. (x – 4).(x + 2).(x – 6)
2. (x – 3)(x + 5)(x + i )(x – i ) b) 2cm
3. –2i, 2i, –2 e 2 7. 5
4. 1, i , –i 8. 3dm

176
Matemática Elementar IV – Respostas dos exercícios

EQUAÇÕES ALGÉBRICAS
RELAÇÕES DE GIRARD
TEMA 36

1. b 6. d 11. d 16. a
RELAÇÕES DE GIRARD
2. b 7. b 12. a 17. b
3. c 8. a 13. a 18. d
4. d 9. b 14. c 19. a
5. b 10. b 15. b
Pág. 151

1. a) 2
b) –13
c)10
2. m = –10, n = 31 e p = –30
3. 2x3 – 5x2 – 9x + 18 = 0

4. a)

b) 15, 74, 120


5. a) 440
b)45

c)

6. {–7, 1, 7}
7. {–5, –3, 2}
8. – 2, 2 e 6

Pág. 151

EQUAÇÕES ALGÉBRICAS TEOREMA DA


DECOMPOSIÇÃO TEOREMA DE D' ALEMBERT

1. c 6. c 11. a 16. c
2. b 7. d 12. c 17. d
3. a 8. d 13. c
4. e 9. a 14. e
5. e 10. b 15. e

EQUAÇÕES ALGÉBRICAS TEOREMA DAS


RAÍZES RACIONAIS E COMPLEXAS

1. e 5. c 9. a
2. e 6. b 10. d
3. d 7. d 11. b
4. d 8. a 12. a

177
REFERÊNCIAS

CALCULU'S - O lado divertido e curioso da vida: paginas.terra.com.br/educacao/calculu .Acesso


10/12/2006
Só Matemática: www.somatematica.com.br/biograf/abel.php . Acesso 10/12/2006
Matemática Essencial: <http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica/index.html>. Acesso em 10/12/2006
Do Carmo, Manfredo Perdigão, Trigometria e Números Complexos, SBM.
Iezzi, G.: Fundamentos de Matemática Elementar, vol. 3, Atual Editora.
IEZZI Gelson et.al. Matemática. São Paulo: Atual, 1997.
PAIVA, Manoel R. Matemática. São Paulo: Moderna, 2000. vol 1 e 3.
Lima, E. L. [et al]. A Matemática do Ensino Médio - Coleção do Professor de Matemática - Sociedade
Brasileira de Matemática - Vols 1 e 3.
Antar Neto, A. Matemática Básica. São Paulo, Atual, 1991.
Bianchini, E. e Paccola, H. Matemática. São Paulo, Moderna, 2004. v. I, II e III.
Dante, L. R. Matemática: Contexto & Aplicação. São Paulo, 2004. v. III
BUCCHI, Paulo. Curso prático de Matemática. São Paulo: Moderna. Vol 1 e 3
Gentil,N. et al. – Matemática para o segundo grau. São Paulo, Ática, 1997. Vol 3.
Machado, A. S. – Matemática na escola do segundo grau. . São Paulo, Atual, 1996. Vol 3.