Você está na página 1de 189
APRESENTAÇÃO Entre os dias 23 de novembro e 4 de dezembro de 1998, a Associação Paranaense
APRESENTAÇÃO
Entre os dias 23 de novembro e 4 de dezembro de 1998, a
Associação Paranaense de História (APAH) promoveu o curso de extensão
“Religião e poder”, que contou com a participação de professores e alunos
dos cursos de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do
Paraná. O interesse pelo tema, bem como a colaboração de professores do
Departamento de Antropologia de nossa Universidade na execução do
curso de extensão, culminou com a elaboração do dossiê “Dimensões do
sagrado”, tema central da revista História: Questões & Debates em seu
número 28.
Os artigos aqui apresentados prezam por sua unidade temática, ao
mesmo tempo que referem-se a especificidades espaço-temporais e meto­
dológicas. O estudo de Selma Baptista é exemplo de uma abordagem
metodológica distinta, que parte de uma análise antropológica para analisar
a constituição do discurso dos pentecostais. Já os artigos apresentados por
Euclides Marchi e Sandra Jacqueline Stoll referem-se a questões afetas aos
problemas da religiosidade no Brasil no final do século XIX e durante o
século XX.
Os outros dois trabalhos que encerram o dossiê “Dimensões do
sagrado” tratam de temas vinculados à Europa quinhentista e seiscentista.
Wilson Maske apresenta a trajetória histórica dos menonitas, desde os seus
primórdios como grupo associado ao movimento reformador do século
XVI e suas posteriores ramificações, seu estabelecimento na Prússia,
Rússia e, a partir do século XIX, sua imigração para o Canadá e para o
Brasil. Já Leandro Henrique Magalhães desenvolve sua análise sobre o
messianismo português na obra de um dos mais ilustres pensadores lusi­
tanos do século XVII, o padre Antônio Vieira, em um momento de grande
importância para o reino de Portugal, o da Restauração Portuguesa, iniciada
pelo monarca D. João IV, pertencente à dinastia de Bragança.
Além dos artigos que integram o dossiê “Dimensões do sagrado”,
contamos neste número com a colaboração de dois estudos para a seção
“Historiografia e documentos”. Marcos Napolitano nos oferece uma inte­
ressante visão sobre a música popular brasileira durante a década de 60,