Você está na página 1de 2

1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO


FACULDADE DE LETRAS
LINGUÍSTICA III
PROFESSORA: Adriana Leitão Martins

AULA 14: O DESDOBRAMENTO DA FLEXÃO EM TEMPO E CONCORDÂNCIA

1. A categoria funcional FLEXÃO (IP) não é homogênea. Além de tempo e concordância,

poderíamos incluir nela aspecto e modo.

2. Não está claro se o elemento que projeta a FLEXÃO (o núcleo I de IP) é T ou CONC, ou

uma combinação dos dois.

3. Uma solução para esta situação consiste em desdobrar a FLEXÃO, isto é, atribuir o

estatuto de núcleo funcional autônomo a cada um dos seus elementos: TEMPO (T) e

CONCORDÂNCIA (AGR). Um traço projetando uma categoria.

4. Dados do francês e do inglês (Pollock 1989)

OBS: Advérbios e partículas de negação sublinhados e verbos em negrito.

 Jean embrasse souvent Marie.

 *Jean souvent embrasse Marie.

 John often kisses Mary.

 *John kisses often Mary.

 Jean n’embrasse pas Marie.

 John does not kiss Mary.

 Ne pas embrasser Marie...

 Ne pas embrasser souvent Marie...

OBS: A proposta de Pollock (1989):

IP

NEGP

VP

Adv /
Quant
2

TP

NP T’

T NEGP

NEG’

NEG AGRP

AGR’

AGR VP

Adv / V
Quant

5. Dados neuropsicológicos

 Problemas de indivíduos com patologia da linguagem que afetam só alguns traços

da flexão verbal.

 Hipótese da poda da árvore proposta por Friedmann & Grodzinsky (1997) – parte

mais superior da árvore comprometida.

6. A dominância de TP sobre AGRP ou de AGRP sobre TP

 A proposta de Pollock (1989): TP domina AGRP.

 A proposta de Belletti (1990) e Chomsky (1991): AGRP domina TP. Ex.:

falávamos.

 A questão da incorporação de afixos x A questão da checagem de traços.

7. Orações finitas e orações infinitivas: as orações infinitivas flexionadas do português.