Você está na página 1de 201

ISSN 0102-2571

Nº 36 Nº 36 Nº 36
2017 2017 2017

Neste número
Alexandre Alves Costa

Antonio Augusto Arantes Neto

Chiara Bortolotto

Dominique Poulot

Flávio de Lemos Carsalade

George Yúdice

Juan Luis Isaza Londoño

Luciane Gorgulho

Marcia Sant’Anna

Ulpiano Toledo Bezerra de Meneses

Virgolino Ferreira Jorge

Patrimônio:
desafios e perspectivas
Revista do Patrimônio
Histórico e Artístico Nacional
Revista do Patrimônio
Histórico e Artístico Nacional nº 36 / 2017
ISSN 0102-2571

Patrimônio:
desafios e perspectivas
OrganizaçãO: Andrey Rosenthal Schlee
Presidente da rePública do brasil
Michel Temer

Ministro de estado da cultura


Sérgio Sá Leitão

Presidente do instituto do PatriMônio


Histórico e artístico nacional
Kátia Bogéa revisão e PreParação dos textos A Revista do Patrimônio é publicada
Gilka Lemos (artigos 1 a 4) pelo Instituto do Patrimônio
diretores do iPHan José Tarcísio Junior e Luciana Dupin Histórico e Artístico Nacional, do
Andrey Rosenthal Schlee Gade (artigos 5 a 11) Ministério da Cultura, desde 1937.
Hermano Queiroz Os artigos são autorais e não
Marcelo Brito tradução refletem necessariamente a posição
Marcos José Silva Rego Paula Zimbres (artigo 4 - inglês) do Iphan e do organizador deste
Robson Antônio de Almeida Sara S. Morais (artigo 2 - francês) número, Andrey Rosenthal Schlee.

cHefe de Gabinete do iPHan direção de arte e diaGraMação Instituto do Patrimônio Histórico


Rafael Arrelaro Cristiane Dias (a partir do projeto e Artístico Nacional
gráfico de Victor Burton) SEPS 713/913, Bloco D, Edifício
assessoria de coMunicação do iPHan Iphan. 70390-135 - Brasília (DF)
Fernanda Pereira seleção das iMaGens
Andrey Rosenthal Schlee
orGanização Assessoria de Comunicação
Andrey Rosenthal Schlee Autores
Cristiane Dias
orGanizadores-colaboradores
António Miguel de Sousa colaboradores
Hermano Queiroz Adélia Soares
Yussef Daibert de Campos Carolina di Lello Silva
Glayson Nunes
edição e coPidesque Ivana Cavalcante
Caroline Soudant (artigos 1 a 4) Karina Monteiro de Lima
José Tarcísio Junior e Luciana Dupin Leonardo Prudente
Gade (artigos 5 a 11) Roberto Stanchi

foto da caPa
Marcel Gautherot
Patrimônio:
desafios e perspectivas
Juan Luis Isaza Londoño Marcia Sant’Anna
Uma ordem imaginada 13 Desafios e perspectivas da política federal 95
de salvaguarda do patrimônio cultural
Chiara Bortolotto
Patrimônio e o futuro da autenticidade 23 Dominique Poulot
A compreensão do patrimônio 107
Ulpiano T. Bezerra de Meneses contemporâneo e seus limites
Repovoar o patrimônio ambiental urbano 39
Flávio de Lemos Carsalade
Antonio Augusto Arantes Neto A preservação do patrimônio como 137
Oportunidades globais para o patrimônio 53
construção cultural
imaterial: novos desafios para as vidas
locais Alexandre Alves Costa
Quando a luz se encontra com o silêncio 151
GeorgeYúdice
Músicas plebeias 61 Virgolino Ferreira Jorge
Salvaguarda dos bens histórico- 163
eclesiásticos em Portugal

Luciane Gorgulho
Financiamento às instituições culturais sob 179
a ótica da sustentabilidade de longo prazo:
o BNDES na preservação do patrimônio
cultural brasileiro

Ouro Preto
Acervo: Cyro Corrêa Lyra.
Kát i a B ogéa
A pr e s e nta ç ã o

Nos períodos de maior escravização Reunida com minha diretoria, e


do indivíduo, Grécia, Egito, artes e ciências não refletindo sobre a crise moral, política e
deixaram de florescer. Será que a liberdade é uma
econômica que tem abalado o país e todas
bobagem? Será que o direito é uma bobagem?...
as suas instituições, concluímos que a
A vida humana é que é alguma coisa a mais que as
ciências, artes e profissões.
única maneira de fortalecer o Instituto do
E é nessa vida que a liberdade tem um sentido, e o Patrimônio Histórico e Artístico Nacional
direito dos homens. A liberdade não é um prêmio, seria dialogar. Dialogar com todos. Com a
é uma sanção. Que há de vir. sociedade brasileira e com seus representantes
legitimamente constituídos. Desde então, e
Mário de Andrade1
especialmente ao longo de 2017, o ano das
comemorações dos oitenta anos de criação
do Iphan, botamos literalmente o bloco na
rua. Com tal espírito, levantamos nossa única
bandeira, a do patrimônio, e passamos a
lutar no sentido de garantir condições reais
para que o Instituto continue a cumprir
com sua missão constitucional, pelos menos,
nos próximos oitenta anos... Com o slogan
IPHAN + 80, e estabelecendo parcerias que
pudessem apoiar nossas ações, definimos
uma extensa programação de eventos. O foco
foi sempre o mesmo: mostrar o que fizemos
em prol da conservação e da salvaguarda
do patrimônio cultural nacional, salientar a
precariedade das condições atuais de trabalho Cavaleiro da Festa do
Divino Espírito Santo
1. Trecho de palestra “O Movimento Modernista”, proferida por e questionar a sustentabilidade do modelo de de Pirenópolis, GO
Mário de Andrade em 1942, no Rio de Janeiro, a convite da Casa Acervo: Iphan/
do Estudante do Brasil. gestão patrimonial existente no Brasil. Saulo Cruz.
Vou dar um exemplo. Ao tomar Este segundo número comemorativo
Patr imônio: desafios e per spectivas

conhecimento da escolha do enredo “Só com da Revista, também organizado por


a c i o n a l

a ajuda do Santo”, desenvolvido pela Estação Andrey Rosenthal Schlee, não apresenta
Primeira de Mangueira para o Carnaval de uma lógica estrutural. Mas apenas uma
n

2017, imediatamente buscamos colaborar provocação de fundo: pensar o futuro


r t í s t i c o

com a iniciativa. O tema era “nosso”, ou do patrimônio. Ao todo são onze artigos
seja, nada mais ligado à trajetória do Iphan assinados por especialistas de renome
a

do que celebrar, na maior festa do planeta, internacional e que, a partir de contextos


e

Kátia Bogéa
i s t ó r i c o

a imensa diversidade de expressões culturais ou áreas de atuação absolutamente


associadas à devoção popular. O trabalho específicos, apresentam contribuições
H

conjunto, além do deslumbrante e premiado capazes de agregar conteúdo à discussão e à


a t r i M ô n i o

desfile criado por Leandro Vieira, resultou construção de um modelo, certamente mais
em uma festejada exposição realizada no participativo e compartilhado, de gestão
P

Centro Cultural do Paço Imperial, no para o patrimônio cultural no Brasil. São


d o

Rio de Janeiro. No catálogo da exposição responsáveis pelos artigos, o colombiano


e v i s t a

expliquei que uma das funções do Iphan, Juan Luis Isaza Londoño, o norte-americano
desde a sua criação em 1937, sempre foi George Yúdice, os franceses Dominique
r

ser um instrumento do Estado que, para Poulot e Chiara Bortolotto, os portugueses


além da preservação do patrimônio cultural Alexandre Alves Costa e Virgolino Ferreira
brasileiro, também teria como missão dar Jorge, e os brasileiros Ulpiano Bezerra de
visibilidade às “identidades” nacionais. Meneses, Antonio Augusto Arantes, Márcia
Sant’Anna, Flávio de Lemos Carsalade e
Conforme afirmei ao apresentar o
8
Luciane Fernandes Gorgulho.
número 35 da Revista do Patrimônio Histórico
A quem agradecemos.
e Artístico Nacional, o Iphan tem uma
vocação genuinamente pública e republicana. Meu desejo é que a leitura deste número
Preservamos e salvaguardamos o patrimônio 36 da Revista desperte, em todos, uma
cultural do Brasil para o usufruto, no consciência patrimonial ampliada e uma
presente e no futuro, de Todos. Por isso, vontade redobrada de colaborar com o Iphan.
nos apresentamos como uma Instituição
de Estado. Acontece que, com oitenta anos
de existência, o Instituto do Patrimônio
Histórico e Artístico Nacional tornou-se
ele próprio um patrimônio e, como tal,
cabe à Nação Brasileira buscar os meios que
garantam a sua serena continuidade e
plena atuação.
r e v i s t a d o P a t r i M ô n i o H i s t ó r i c o e a r t í s t i c o n a c i o n a l
9

Kátia Bogéa Patr imônio: desafios e per spectivas


A pr e s e nta ç ã o d a Va l e

Para a Vale, investir em cultura é uma


forma de reconhecer o que é genuíno e
tem significado para a vida das pessoas.
Contribuímos com iniciativas e projetos
que promovam a identidade da nossa gente
e seus patrimônios culturais, a conexão e o
aprendizado para o desenvolvimento.

Os oitenta anos do Iphan são motivo


de orgulho para todos nós brasileiros, que
reconhecemos e valorizamos o patrimônio
cultural.

Ao patrocinar a publicação da edição


especial da Revista do Patrimônio,
reforçamos as nossas crenças e valores, que
compartilhamos como forma de homenagear
a identidade do nosso país.

Por isso, convidamos vocês para conhecer


a história e inúmeras contribuições do Iphan
Renda de bilro
para o presente e para o futuro do nosso rico Acervo: Iphan.

patrimônio.

Vale
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

12
Juan Luis Isaza Londoño Uma ordem imaginada
Juan Luis Isaza Londoño

a c i o n a l
U ma

n
ordem imaginada

r t í s t i c o
a
e
i s t ó r i c o
H
a t r i M ô n i o
Uma ordem imaginada se encontra sempre em Uma l i s ta e l a b o r a d a
risco de desmoronar, porque depende de mitos, e
estes desvanecem quando deixamos de
Segundo se aceita hoje, os gregos da

P
acreditar neles.

d o
Antiguidade tinham o hábito de elaborar

e v i s t a
Yuval Noah Harari1. listas (os nossos atuais top ten) com os maiores
ou os mais belos, entre muitos outros tipos

r
de listas; também se aceita que o sete era um
número mágico para eles, da mesma forma
como é sagrado em algumas religiões.
Talvez uma das primeiras ordens
imaginadas e uma das primeiras listas
relacionadas ao patrimônio cultural e sobre a
qual há um consenso universal tenha sido a 13
das Sete Maravilhas do Mundo Antigo. Essa
lista foi construída ao longo de vários séculos
e autores muito diferentes nela deixaram
sua marca. Presume-se que Heródoto de
Halicarnasso (c. 484 a.C–c. 425 a.C.), tido
como o primeiro historiador, e Calímaco de
Cirene (c. 310 a.C–c. 235 a.C.), um poeta
e erudito alexandrino, contribuíram para
determinar essas maravilhas. No entanto,
a lista elaborada em que havia uma série
de obras humanas destacáveis no mundo
(com valor universal excepcional) se deve
a Filão de Bizâncio (290–220 a.C.), que Carranca
Acervo: Copedoc/Iphan/
só se referiu a locais dali. A lista que surgiu Marcel Gautherot.

1. Harari, 2015. Trecho em tradução livre.


um século depois é atribuída a Antípatro de William Morris (1834–1896), Camillo Boito
Uma ordem imaginada

Sídon (século II a.C.), poeta grego que fez (1836–1914), Alois Riegl (1858–1905),
a c i o n a l

uma relação dos monumentos e construções Gustavo Giovannoni (1873–1947), Nikolai


do mundo clássico que eram considerados o Konstantinovich Roerich (1874–1947),
máximo da beleza. Carl Ortwin Sauer (1889–1975), Cesare
n
R t í s t i c o

A primeira menção de uma obra romana Brandi (1906–1988) e os participantes do


Juan Luis Isaza Londoño

em alguma lista de que se tem notícia I Congresso Internacional de Arquitetos e


a

é recuperada por Gregório Nazianzeno Técnicos de Monumentos, que, quando


e

(329–389 d.C.), um arcebispo cristão de reunidos em Atenas (Grécia), em 1931,


i s t ó R i c o

Constantinopla. Na Alta Idade Média, adotaram a Carta de Atenas para Restauração


Beda, o Venerável (c. 672–735 d.C.), um de Monumentos Históricos, mais conhecida
H

monge beneditino e erudito, escreveu como Carta de Atenas. Essa lista foi
a t R i m ô n i o

sobre muitos temas, desde música até delimitada, mas não encerrada, com a famosa
religião; em sua obra De septem mundi Carta Internacional para Conservação
P

miraculis (As sete maravilhas do mundo), e Restauração de Monumentos e Sítios,


d o

ele incluiu construções romanas e descartou conhecida como Carta de Veneza e assinada
e v i s t a

as pirâmides. Aparentemente, a fixação durante o II Congresso Internacional de


R

definitiva da Lista se deve a Gregório de Tours Arquitetos e Técnicos de Monumentos


(538–594 d. C.), um bispo e historiador; Históricos, que aconteceu em Veneza (Itália)
entretanto, e, talvez, sem querer, coube ao em 1964, e com a Convenção sobre Proteção
holandês Marten Jacobszoon Heemskerk van do Patrimônio Mundial Cultural e Natural,
Veen (1498–1574), um retratista e pintor, adotada em 16 de novembro de 1972 pela
famoso por suas reconstruções hipotéticas Conferência Geral da Unesco, em sua
e imaginárias das sete maravilhas do mundo XVII reunião realizada em Paris (França).
14
antigo, amplamente divulgadas por meio de Seguiram-se muitas reuniões de especialistas
gravuras, definir os limites e os itens incluídos e as cartas e documentos de Burra, Cracóvia,
nesse hortus conclusus (grupo fechado). Assim, Florença, México, Nara, Quito, San Antonio,
uma entre nossas numerosas listas, dá como Viena, Washington, Xi’An e Zimbábue, entre
certo que o Colosso de Rodes, o Tempo de outros tantos, que foram conformando o
Ártemis, o Farol de Alexandria, a Grande extenso conjunto e erigindo e ampliando o
Pirâmide, os Jardins Suspensos da Babilônia, espaço do hortus conclusus da nossa lista.
a Estátua de Zeus em Olímpia e o Mausoléu Hoje admitimos os conceitos e definições
de Halicarnasso foram os sítios de patrimônio de autenticidade, excepcionalidade,
mundial da Antiguidade. integridade, representatividade, unicidade
Entre muitas outras pessoas, passaram e universalidade, entre muitos outros, e
pela história e contribuíram para a criação nossas atuações, práticas e pensamentos
da nossa lista Prosper Mérimée (1803– contribuem para reforçar a estrutura com que
1870), Eugène-Emmanuel Viollet-le-Duc desenvolvemos essa enteléquia complexa e
(1814–1879), John Ruskin (1819–1900), crítica. Como se sabe, nós, os seres humanos,
levamos cerca de 2,5 mil anos construindo do Patrimônio Cultural Imaterial (2003), sem

Uma ordem imaginada


os conceitos, ideias e os acordos coletivos em dúvida o maior acordo global relacionado

a c i o n a l
que confiamos e acreditamos sobre o que é ao patrimônio que a espécie humana já
patrimônio cultural, as pegadas que nossa conseguiu ao longo de toda a sua história.
espécie tem deixado no planeta e, há pouco Ambas as convenções (1972 e 2003)

nR t í s t i c o
tempo, no sistema solar, e que, dentro de possuem, entre muitos outros aspectos e

Juan Luis Isaza Londoño


certos consensos e ordenações, merecem ser instrumentos, listas que têm criado uma

a
conservadas, protegidas e valorizadas. verdadeira vertigem. A Lista do Patrimônio

e
Mundial inclui 1.073 bens e a Lista

i s t ó R i c o
Representativa do Patrimônio Cultural
Imaterial da Humanidade tem 429 itens.

H
Resumindo, e fazendo contas rápidas e

a t R i m ô n i o
ligeiras, temos hoje mais de 1,5 mil itens
materiais e imateriais que todos concordamos

P
serem importantes para os humanos, de todos

d o
os rincões do planeta.

e v i s t a
São muitas e longas as discussões entre

R
não especialistas e “especialistas”, indicando
que nem todos os itens estão nas listas, e nem
todos são o que se pensa; entretanto, há um
radiografia imprecisa certo consenso internacional, que é aceito por
do presente muitos, apesar de suas contradições e lacunas.
Nas últimas três décadas do século XX e
Desde 2011, são 195 os estados-membros no decorrer do século XXI, temos construído
15
da Organização das Nações Unidas para e consolidado as listas do que, por consenso,
Educação, Ciência e Cultura – Unesco. Até consideramos que possui importância
o momento, 193 Estados depositaram seus patrimonial para todos os humanos. As
respectivos instrumentos de aceitação, adesão, listas tendem a crescer e assim acontece ano
aprovação ou ratificação da Convenção após ano, mas, são infinitas? É difícil supor
sobre Proteção do Patrimônio Mundial, quando também chegaremos a um consenso
Cultural e Natural (1972); as Diretrizes para decidir que tais listas estão encerradas. A
Práticas para a aplicação da Convenção do argumentação para inscrever um sítio na Lista
Patrimônio Mundial insistem que mais do Patrimônio Mundial está cada vez mais
países adiram à Convenção e elaborem listas difícil e complicada, assim como também
indicativas e propostas de inscrição de bens a argumentação para demonstrar seu Valor
na Lista do Patrimônio Mundial. Um total Universal Excepcional; muitos dos estados-
Pegada do homem na Lua
de 174 Estados depositou seus respectivos membros empregam suas redes e estruturas de Acervo: www.google.com.co/
search?q=huella+del+hom-
instrumentos de aceitação, adesão, aprovação poder e política para inscrever novos sítios e bre+en+la+luna&source=lnms&-
tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKE-
wjlnoS33o7VAhVCZCYKHcTTBS-
ou ratificação da Convenção para Salvaguarda itens presentes em seus territórios, em um afã gQ_AUICigB&b
por conquistar ou manter uma posição dentro Deve-se fazer todo o possível para manter
Uma ordem imaginada

desse top ten patrimonial que, obviamente, se um equilíbrio razoável entre patrimônios
a c i o n a l

traduz em políticas não apenas patrimoniais cultural e natural inscritos na Lista do


ou culturais, mas também econômicas e Patrimônio Mundial. A imensa maioria dos
turísticas. Há um fortíssimo componente sítios que herdamos do passado longínquo e
n
R t í s t i c o

político e econômico por trás de muitos distante já está incluída nessa Lista.
Juan Luis Isaza Londoño

dos recursos de nomeação de sítios e itens,


prever
a

que são habitualmente disfarçados com o fUtUro nUnca


e

argumentos culturais, sociais ou ecológicos, foi fácil


i s t ó R i c o

mais cândidos e altruístas.


Já se preveem e prognosticam a unificação Os próprios enunciados dos dez critérios
H

das listas e a revisão das convenções da para a inscrição de um sítio na Lista do


a t R i m ô n i o

Unesco em muitos foros de diversos tipos e Patrimônio Mundial são suficientemente


origens, no sentido de obter novos conceitos, flexíveis, amplos, gerais, indefinidos,
P

consensos e listagens elaboradas sobre interpretativos e “universais”, de modo que


d o

patrimônio cultural (material e imaterial) e possam abarcar não só os sítios que já estão
e v i s t a

natural. inscritos, mas também outros tantos, ou


R

É sempre viável e possível descobrir os para que se possam fazer novas leituras e
valores universais excepcionais de um novo reinterpretações dos sítios inscritos, como já
sítio ou a representatividade de algum item; tem acontecido com certa frequência. Assim,
no entanto, a Lista do Patrimônio Mundial já ainda estamos sujeitos a novas descobertas
começa a mostrar seus limites, apesar de estar arqueológicas e, também, a novas leituras
indicado clara e explicitamente nas Diretrizes ou aproximações conceituais com relação
Práticas para a Aplicação da Convenção do aos sítios e elementos incluídos nas listas.
16
Patrimônio Mundial que não se fixou um Também é certo que o gênio criador
limite ao número de itens que nela podem ser humano não para e sempre produz sítios e
inscritos, o que permite entender-se que se itens que merecem proteção e salvaguardas
encontra aberta e pode ser infinita. no âmbito global.
Existe uma Estratégia Global para uma Embora se trate de um processo que
Lista do Patrimônio Mundial representativa, não é recente, originado nesse passo
equilibrada e crível, que já foi concebida fundamental que permitiu que os humanos
para identificar e preencher as principais começassem lenta e paulatinamente a se
lacunas dessa Lista do Patrimônio Mundial. apropriar da natureza em uma situação
Inicialmente, essa estratégia se referia apenas de produção, gerando o desenvolvimento
ao patrimônio cultural. A pedido do Comitê progressivo da agricultura e da pecuária
do Patrimônio Mundial, ampliou-se a (que hoje conhecemos como revolução
estratégia para também incluir o patrimônio agrícola), estamos presenciando agora, dia
natural, bem como o de natureza mista a dia, a extinção de inúmeras espécies não
(cultura e natural). humanas, os alarmantes fenômenos que
causam o aquecimento global (tais como o tecnologia, artes monumentais, planejamento

Uma ordem imaginada


degelo das calotas polares e a consequente urbano ou criação de paisagens. A criação de

a c i o n a l
elevação do nível do mar, assim como a seca cidades que se assemelham bastante a estações
e a desertificação de novas áreas) e somos espaciais, em meio a condições em que é
obrigados a tomar várias decisões urgentes muito difícil se desenvolver vida humana,

nR t í s t i c o
e irrevogáveis para a proteção de sítios não estariam entre esses sítios? Também

Juan Luis Isaza Londoño


que ainda são exemplos eminentemente não estariam ali as plataformas marinhas de

a
representativos de processos ecológicos e pesquisa e exploração de combustíveis fósseis?

e
biológicos da evolução e do desenvolvimento E, como se trata de troca de valores, também

i s t ó R i c o
dos ecossistemas terrestres, aquáticos, não seria o caso dos grandes aeroportos e
costeiros e marinhos e das comunidades portos internacionais?

H
de vegetais e animais terrestres, aquáticos,

a t R i m ô n i o
costeiros e marinhos; mesmo assim, torna-se
urgente proteger essas áreas cada vez mais

P
ameaçadas e restritas em que se encontram

d o
os hábitats naturais mais representativos e

e v i s t a
importantes para a conservação in situ da

R
diversidade biológica, incluindo aqueles em
que sobrevivem espécies ameaçadas.
Igualmente ao que está acontecendo
com os indivíduos não humanos, as
formas de vida tradicionais e seus hábitats
correspondentes (incluindo assentamentos, Essa mudança irreversível está na ordem
caminhos e, fundamentalmente, arquiteturas do dia e a absorção de nossa cultura global,
17
genuínas, tão frágeis e vulneráveis, que predadora e dominante, que avança como
estão sendo arrasadas todos os dias por uma mancha de óleo sobre testemunhos
novas formas de ocupação do território, únicos ou, pelo menos excepcionalmente,
técnicas modernas de construção e sistemas sobre tradições culturais ou civilizações vivas
homogeneizados com padrões de conforto ou desaparecidas, não nos obriga hoje a tomar
idealizados e dominadores) terão de ser medidas urgentes?
analisados pelos especialistas e protegidos No caso particular da América Latina
material e imaterialmente pelas comunidades e do Caribe, os assentamentos humanos
e pelos Estados. irregulares de crescimento espontâneo, que
Ao longo do século XX e no decorrer do são estabelecidos em geral nos arredores das
século XXI, são muitos e variados os sítios grandes cidades e se caracterizam por serem
Plataforma petrolífera
que testemunham uma troca considerável muito pobres, pela miséria e altos índices de https://www.google.com.co/
search?q=plataformas+petrole-
ras&source=lnms&tbm=isch&-
de valores humanos durante um período criminalidade, não constituem um exemplo sa=X&ved=0ahUKEwiR-vH-4I-
7VAhVBPiYKHQNbBTAQ_AUICi-
definido ou em uma área cultural determinada bastante representativo de um tipo de gB&biw=1366&bih=638#q=pla-
taformas+petroleras&tbm=is-
ch&tbs=isz:l&imgrc=q1HE0g-
do mundo nos âmbitos de arquitetura ou construção ou de conjunto arquitetônico ou FoymqlgM:
tecnológico ou de paisagem que ilustra um permitirão registrar tais acontecimentos,
Uma ordem imaginada

período significativo da história humana? tão característicos de nossa época, para


a c i o n a l

Poderíamos considerar algumas áreas da as gerações futuras, por estarem direta ou


Rocinha (no Rio de Janeiro), de Ciudad Bolí- materialmente associados a acontecimentos
var (em Bogotá) ou de Iztapalapa (na Cidade ou tradições vivas, ideias, crenças e obras
n
R t í s t i c o

do México) como patrimônio mundial? São, artísticas e literárias que possuem importância
Juan Luis Isaza Londoño

sem dúvida, assentamentos, ocupações do universal excepcional. Nesse âmbito, não


a

território, paisagens culturais e formas de vida podem ficar de fora sítios que, por exemplo,
e

muito características do século XX. no âmbito científico, tenham sido cenários de


i s t ó R i c o

Os arranha-céus, conjuntos importantes avanços científicos e cognitivos


multifamiliares, unidades fechadas não são relacionados à natureza, ao cosmos e além.
H

exemplos destacados de formas tradicionais E, como se apontou anteriormente, o gênio


a t R i m ô n i o

de assentamento humano durante os séculos criador humano não para e sempre produz
XX e XXI? sítios e bens que merecem proteção e
P

As monoculturas de alta tecnologia não salvaguarda no âmbito global: a arquitetura,


d o

são exemplos representativos do uso da terra a filosofia, as artes em geral, a literatura e


e v i s t a

ou do mar, representando uma cultura (ou demais âmbitos da criação humana, que
R

várias) ou a interação do homem com o meio, modelam e transformam nossas listas.


sobretudo quando este último se tornou À medida que as fronteiras agrícolas
vulnerável devido ao impacto provocado por e a depredação de paisagens avançam,
mudanças irreversíveis? certamente renovaremos nossos olhares sobre
Com referência à relação entre humanos os territórios onde será possível identificar,
e não humanos, existe evidentemente uma proteger e valorizar fenômenos naturais
grande lacuna nessas listas. Não é possível ou áreas de beleza natural e importância
18
interpretar a paisagem cultural industrial estética excepcionais. Mas as obras humanas
de Fray Bentos, no Uruguai, incluída na de transformação desses territórios que
Lista do Patrimônio Mundial em 2015, também geram beleza com novas estéticas
como sendo um campo de concentração e excepcionais cabem dentro dessa categoria?
extermínio de gado? Aí encontraríamos, por exemplo, as grandes
Nas últimas décadas, temos visto o hidroelétricas e represas.
extremismo, o fanatismo, o fundamentalismo Embora existam hoje vários sítios incluídos
e o terrorismo avançarem; junto com estes, na na Lista do Patrimônio Mundial que são
grande maioria dos casos, também avançam exemplos eminentemente representativos das
o extermínio (humano e não humano), grandes fases da história da Terra, incluindo o
o genocídio, o deslocamento forçado e as testemunho da vida, dos processos geológicos
migrações. Tais fenômenos, em geral, têm durante a evolução das formas terrestres ou
origem na incapacidade que nós, humanos, de elementos geomórficos ou fisiográficos
temos de admitir e respeitar diferenças. significativos, nem todos estão incluídos.
Certamente há sítios e manifestações que Por um lado, os avanços científicos e, por
outro, a destruição dos entornos naturais expansões, cidades planejadas e favelas, como

Uma ordem imaginada


possibilitarão que renovemos nossos olhares patrimônio por construção ou adição. Grandes

a c i o n a l
sobre os territórios onde será possível desenvolvimentos tecnológicos, ainda em
identificar, proteger e valorizar lugares em que uso ou em desuso (tais como plataformas
ainda se podem identificar as grandes fases da petrolíferas, canais, minas a céu aberto,

n
R t í s t i c o
história da Terra, incluindo o do testemunho estações espaciais, observatórios astronômicos,

Juan Luis Isaza Londoño


da vida, dos processos geológicos durante a pontes e viadutos) também serão incluídos.

a
evolução das formas terrestres ou de elementos Também como já foi apontado, serão inseridas

e
geomórficos ou fisiográficos significativos. as grandes obras de infraestrutura, tais como

i s t ó R i c o
aeroportos, portos, represas, canais, centrais
somas e sUbtrações atômicas, hidroelétricas e usinas térmicas,

H
silos para conservação e armazenamento de

a t R i m ô n i o
Ao longo da história (a nossa história), grãos, fábricas e muitos outros bens e itens que
temos protegido duas classes fundamentais testemunham a história e o desenvolvimento

P
de bens e itens que me permito denominar humano dos séculos XX e XXI, que hoje não

d o
patrimônio por criação, construção ou estão representados ou estão sub-representados.

e v i s t a
adição e patrimônio por destruição, extinção Há sempre essa dificuldade em considerá-

R
ou subtração. Novas obras (materiais ou los sob uma lente patrimonial, devido à sua
imateriais) se somam a um repertório existente proximidade estética, funcional, material e
e, por diversas razões, se tornam paradigmas, temporal, entre outras dimensões, que não
divisores de águas, primeiros de uma série excluem a econômica e a política.
ou ícones de determinado período, cultura
ou região. Também protegemos geralmente p at r i m ô n i o por
obras humanas (materiais ou imateriais) destrUição, extinção
19
e da natureza que consistem em relíquias, oU sUbtração
restos, marcas, ruínas ou formas tangíveis de
uma época que já se passou. Estas também No futuro, é possível arriscar e afirmar
merecem conservação e salvaguarda por sua que protegeremos relíquias de arquitetura
singularidade, escassez, excepcionalidade e popular, tradicional ou genuína que
unicidade. As listas nacionais e internacionais ainda permaneçam à margem dos grandes
estão cheias dessas obras. desenvolvimentos tecnológicos e estilísticos,
construídos com o concreto armado,
p at r i m ô n i o por criação, as estruturas metálicas e da arquitetura
constrUção oU adição moderna como patrimônio por destruição,
extinção ou subtração. Também, como já
No futuro, é possível arriscar e afirmar têm feito alguns Estados, protegeremos
que protegeremos cidades ou partes delas legados materiais e imateriais das minorias
e os assentamentos humanos dos séculos culturais étnicas, políticas, religiosas, sexuais
XX e XXI, formais e informais, incluindo e sociais, entre outras.
Considerando a extinção generalizada da Como já foi apontado, aumentarão os
Uma ordem imaginada

diversidade biológica, é possível supor que sítios e itens protegidos e salvaguardados


a c i o n a l

estabeleceremos e protegeremos santuários por causa de extremismo, fanatismo,


de espécies não humanas extintas ou em vias fundamentalismo e terrorismo, bem
de extinção, além de sítios que testemunham como, nos escopos físicos e geográficos
n
R t í s t i c o

nossas relações com tais espécies, tais como de extermínio (humano e não humano),
Juan Luis Isaza Londoño

incubadoras, fábricas, fazendas, laboratórios, genocídio, deslocamento forçado e migrações.


a

matadouros e parques zoológicos. Também Embora prever o futuro nunca tenha


e

com relação às espécies não humanas, o sido fácil, certamente o maior protagonista
i s t ó R i c o

número de paisagens culturais relacionadas (ou um dos maiores protagonistas) será o


com técnicas agropecuárias tradicionais território: territórios naturais, relíquias da
H

(onde sejam preservadas) e de novos natureza, espaços ainda sem intervenção


a t R i m ô n i o

desenvolvimentos relacionados com radical por humanos, assim como territórios


monoculturas extensivas possivelmente extensos e bem diversos transformados leve
P

aumentará. ou significativamente por nossos congêneres.


d o

A transformação que hoje realizamos O território implica uma visão mais ampla
e v i s t a

nos territórios, com alta tecnologia e grandes e complexa do que as paisagens culturais ou
R

maquinários, está gerando uma alteração das naturais e também implica a consideração de
paisagens naturais de tal forma que podemos muitos componentes e variáveis.
imaginar que, em um futuro não distante,
aumentará a proteção das paisagens extrativas, n ormas qUe , apesar de
das grandes minas (subterrâneas e a céu existirem Unicamente em nossa
aberto) e das instalações relacionadas com estas imaginação , acreditamos
(tais como acampamentos, infraestrutura de serem reais e invioláveis
20
transformação e transporte de materiais etc.).
Considerando a mudança climática Atualmente, a nova fé no crescimento
evidente e inevitável, haverá muitos sítios econômico, que, segundo parece, é a origem
e itens que serão fortemente impactados, de todo o bem, nos convida a esquecer ou
ficando em risco de extinção. Serão superar dilemas éticos; tudo que gerar algum
definidas novas orlas costeiras, com todas tipo de obstáculo é esmagado sob as rodas do
as suas consequências; desaparecerão carro do crescimento econômico, e isso não
glaciares, locais ermos, neves eternas e exclui os hábitats ecológicos, as estruturas
massas de gelo; determinadas espécies sociais e os valores tradicionais. São cada
serão propagadas e outras serão reduzidas vez mais frequentes casos (alguns bastante
ou desaparecerão. Considerando esses referidos, divulgados e discutidos) em que
fenômenos, que já presenciamos hoje, não esse crescimento econômico se interpõe nos
ficaremos indiferentes e, adotando uma ótica patrimônios cultural e natural. Os casos
patrimonial, também tomaremos medidas de do Santuário do Órix Árabe, em Omã, e o
proteção e salvaguarda urgentes. Vale do Elba, em Dresden, Alemanha, que
foram eliminados da Lista do Patrimônio referências

Uma ordem imaginada


Mundial em 2007 e 2009, respectivamente,

a c i o n a l
são exemplos claros do que muito certamente Embora o texto seja uma criação própria, em que não
se indicou nenhuma citação ou notação bibliográfica,
aumentará: os estados-membros e seus
o autor está em dívida e é profundamente influenciado
governos pesam as vantagens de proteger e

n
pelas obras e pelo pensamento do doutor Yuval Noah

R t í s t i c o
conservar seu patrimônio ou de se render Harari. Assim, suas obras são amplamente recomendáveis

Juan Luis Isaza Londoño


e determinantes no texto:
ao crescimento econômico: a corda sempre

a
arrebenta do lado mais fraco... HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: breve historia del

e
Talvez seja prudente e oportuno pensar mañana. Barcelona: Debate, 2016.

i s t ó R i c o
______. Sapiens: de animales a dioses. Breve historia de la
que essa ordem imaginada e as normas humanidad. Barcelona: Debate, 2015.
que reforçam a sustentação mundial dos

H
patrimônios cultural e natural podem ter

a t R i m ô n i o
começado a ser solapadas e que sua estrutura
principal também pode estar em risco de

P
colapso; talvez ainda demore muitos anos

d o
para serem seriamente afetadas, mas vale a

e v i s t a
pena pensar nisso.

R
21
Estátua de São Jorge
e seu cortejo
Acervo: Jean Baptiste Debret.
1816-1831.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

22
Chiara Bor tolotto Patr imônio e o futuro da autenticidade
Chiara Bor tolotto

a c i o n a l
p atrimônio

n
e o fUtUro da aUtenticidade

r t í s t i c o
a
e
i s t ó r i c o
H
a t r i M ô n i o
Concebido historicamente como objeto torno da noção proscrita de autenticidade,
de preservação, cujo monumento é o tanto no cenário internacional quanto em
exemplo mais paradigmático, o patrimônio escalas nacionais e locais. Essas controvérsias

P
é doravante definido como um recurso

d o
permitem apreender, de modo específico, o

e v i s t a
dinâmico constantemente recriado, em que problema da transformação em direção a um
o imperativo da transmissão do vivo faz do novo paradigma de patrimonialização, em

r
futuro o seu tempo forte. Essa transformação que o ideal de perenização é substituído por
coloca à prova os princípios fundadores um imperativo moral de durabilidade que
da instituição patrimonial e, em primeiro
afasta o patrimônio do reino da conservação
lugar, a noção de autenticidade. Dentre
do passado e aproxima as questões
as inúmeras implicações da instituição do
patrimoniais daquelas da sobrevivência
patrimônio cultural imaterial – PCI para
ecológica. Essa mudança tem efeitos sobre
pensar o futuro do patrimônio, a eliminação 23
o plano operacional da governança do
da autenticidade como critério para a
patrimônio, pois implica novas abordagens
identificação do patrimônio abre, assim,
para a sua gestão. Ela tem também um
perspectivas inéditas que colocam um grande
interesse antropológico mais geral, porque o
desafio à retórica patrimonial autorizada,
ao introduzir novas ambiguidades. Baseado questionamento dos princípios fundadores da

em uma etnografia da implementação da instituição patrimonial ilustra a evolução de


Convenção para a Salvaguarda do Patrimônio nossos modos de utilizar a cultura.
Cultural Imaterial (Unesco, 2003), este
artigo1 apresenta controvérsias surgidas em Uma pa l av r a i n t e r d i ta

1. Agradeço a Aurélie Elisa Gfeller, Christoph Brumann e Harriet Em 2010, quatro anos após a entrada
Deacon por seus preciosos comentários sobre as versões anteriores
deste texto. Chérif Khaznadar, Marc Jacobs, Panayiota Andria- em vigor da Convenção para a Salvaguarda
nopoulou e Riecks Smeets por terem compartilhado comigo seus
pontos de vista de especialistas sobre a relação entre o valor da do Patrimônio Cultural Imaterial, o Comitê São Francisco
autenticidade e a governança do PCI. Sou grata a Simone Toji Acervo: Copedoc/Iphan/
por sua ajuda na redação deste artigo. Intergovernamental de Salvaguarda do Marcel Gautherot.
Patrimônio Cultural Imaterial2 se reunia Os órgãos de avaliação4 responsáveis
Patr imônio e o futuro da autenticidade

em Nairóbi, no Kenyatta International pela análise das candidaturas nas Listas


a c i o n a l

Conference Centre, para sua sessão anual da Convenção ressentem-se regularmente


do uso de um “vocabulário inapropriado”
de trabalho. Como de costume, o ápice
n

nos dossiês, sublinhando que eles fazem


dessas sessões são as inscrições nas Listas
R t í s t i c o

“menções recorrentes à singularidade ou à


do Patrimônio Cultural Imaterial da
raridade de bens específicos” e que insistem
Humanidade, a “Lista Representativa”, e a
a

sobre “seu caráter excepcional ou valioso”,


e

denominada “Lista de Salvaguarda Urgente”. apoiando-se sob “referências às origens e


i s t ó R i c o

Chiara Bor tolotto

O dossiê submetido pelo México, intitulado à autenticidade” (Unesco, 2011a:9). Os


“A cozinha tradicional mexicana – cultura avaliadores reforçam aos países, portanto, que
H
a t R i m ô n i o

comunitária, autêntica, viva e ancestral, a Convenção não está preocupada em saber

o paradigma de Michoacán”, provocou quanto um bem, ou uma prática, é “original”


ou “autêntico”, nem se tem a forma “ideal”;
uma manifestação por parte do delegado
P

“o importante é, acima de tudo, saber como


d o

marroquino, que lembrou a seus colegas


um bem existe na vida de seus praticantes na
e v i s t a

que “os termos ‘autêntico’ e ‘autenticidade’ atualidade” (Unesco, 2011b:8). Por exemplo,
R

não estão de acordo com o espírito da em 2011, o órgão “subsidiário” notou,


convenção”3. A decisão da inscrição foi dentre as medidas de salvaguarda, “esforços
adotada pelo Comitê, com a condição de visando estabelecer uma certa forma pura
que o termo “autêntico” fosse suprimido da ou canônica de um bem ou restaurar suas
denominação do bem. Ainda que um debate características ‘”originais” (Unesco, 2011a:9)
e incitou os países
sobre a coerência de se utilizar a noção de
24 autenticidade para definir e identificar o
4. Diversamente do Comitê do Patrimônio Mundial, que se
apoia nas avaliações de duas ONGs – o Icomos e a UCN –, o
PCI tenha sido interrompido pela alegria Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimônio
Cultural Imaterial é assistido por um organismo de avaliação
da sala – habitual após uma inscrição –, composto por doze membros por ele nomeados: seis especialis-
tas qualificados nos diversos domínios do patrimônio cultural
a intervenção do Marrocos levantou uma imaterial representantes dos Estados Parte não membros do
Comitê e seis organizações não governamentais credenciadas à
questão central e controversa para o Comitê, Convenção. Esse organismo estabelece um relatório de avaliação
dos dossiês de candidatura para a inscrição na Lista de Salvaguar-
apontando para um problema destinado a da Urgente e na Lista Representativa, assim como as proposições
de projetos que refletem as melhores práticas de salvaguarda e
ser reapresentado regularmente nos anos as demandas de financiamento internacional superiores a 100
mil dólares norte-americanos. Baseado nesses relatórios, ele
subsequentes. formula as recomendações ao Comitê para decisão. À época dos
fatos aos quais faço referência aqui, dois órgãos, denominados
“órgão subsidiário” e “órgão consultivo”, eram responsáveis pela
2. O Comitê Intergovernamental para a Salvaguarda do Patrimô- avaliação das candidaturas para inscrição na Lista Representativa
nio Cultural Imaterial é um órgão homônimo da Convenção. Ele e na Lista de Salvaguarda Urgente, das proposições de projetos de
é formado por 24 representantes eleitos entre os Estados Parte, melhores práticas de salvaguarda e das demandas de financiamen-
de acordo com os princípios da repartição geográfica e de rotação to internacional superiores a 25 mil dólares norte-americanos,
equitativa. Reúne-se todos os anos, a convite de um dos seus respectivamente. O organismo consultivo era composto por seis
membros, e assegura a implementação da Convenção, incluindo organizações não governamentais credenciadas e seis especialistas
o exame das demandas de inscrição nas Listas do PCI da Huma- independentes nomeados pelo Comitê. O órgão subsidiário era
nidade estabelecidas pela Convenção. composto por seis representantes dos Estados Parte da Convenção
3. Essa citação foi retirada do meu caderno de campo. e membros do Comitê.
(...) a considerarem a importância de respeitar sempre no centro do dispositivo do PCI.

Patr imônio e o futuro da autenticidade


o espírito e o texto da Convenção, que não visa Uma pesquisa nos dossiês dos bens inscritos
promover concorrência entre os bens ou fixar

a c i o n a l
nas Listas da Convenção entre 2009 e
o patrimônio cultural imaterial em uma forma
2012, os primeiros anos do programa,
engessada e idealizada (Unesco, 2011a:9).
mostrou que, de fato, os termos “autêntico”

n
R t í s t i c o
e “autenticidade” são amplamente utilizados
De modo ainda mais explícito, o órgão
sem, no entanto, indicar alguma tendência
subsidiário, na avaliação de uma candidatura

a
geográfica, nem evolução nesse período: para

e
para inscrição na Lista Representativa
os 168 bens inscritos na Lista Representativa

i s t ó R i c o

Chiara Bor tolotto


do Patrimônio Cultural Imaterial da
durante esses quatro anos, encontram-se
Humanidade, solicitou abertamente ao
89 ocorrências desses termos. Quinze delas

H
país implicado que “vele pela coerência das
foram encontradas nos dossiês de trinta bens

a t R i m ô n i o
medidas propostas e evite as referências à
inscritos na Lista de Salvaguarda Urgente. Em
autenticidade” (Unesco, 2012:32).
muitos casos, essas palavras foram utilizadas
Essa abordagem é coerente com a

P
diversas vezes no mesmo dossiê (Bortolotto,

d o
concepção dinâmica que a Convenção almeja
2011). O dossiê mexicano acima mencionado

e v i s t a
lançar nos modos de pensar o patrimônio
é significativo nesse sentido, pois, se o
imaterial como “recriado permanentemente

R
termo foi suprimido da denominação do
pelas comunidades e grupos em função de seu
bem, ele pode ser encontrado nove vezes no
ambiente, de sua interação com a natureza e
decorrer do documento. A manutenção da
de sua história” (Unesco, 2003, art. 2). Como
autenticidade é explicada como um “desejo de
evidencia uma funcionária da Unesco, esse
não falsificar os originais” (Unesco, 2010:4),
paradigma se afasta radicalmente do modelo
sendo a autenticidade apresentada como uma
incorporado pelo Patrimônio Mundial,
propriedade de certos territórios; é associada
em que a autenticidade é um critério 25
às culturas indígenas, à harmonia ambiental
fundamental: com o PCI trata-se mais de
e à sustentabilidade e é apresentada como
identificar “o que é útil para as comunidades
ameaçada pela economia e pelo turismo. Esse
na sua vida cotidiana, do ponto de vista
exemplo é representativo dos argumentos
material ou espiritual”5.
realçados em diversos outros casos, em que
o termo “autenticidade”, frequentemente
as v i o l a ç õ e s d o ta b U
associado à ideia de tradições apresentadas
como milenares, refere-se geralmente a um
Se a expressão “autenticidade”
traço territorial.
não é coerente com os princípios e os
Como a análise dos usos desse conceito
objetivos declarados da Convenção e está,
nos dossiês dos sítios inscritos na Lista do
consequentemente, banida da terminologia
Patrimônio Mundial demonstrou, insistir
autorizada, na prática essa noção se encontra
sobre a autenticidade do patrimônio
tem visivelmente a função de construir a
5. Entrevista com Susanne Schnuttgen; citação retirada do meu
caderno de campo. imagem de uma cultura nacional sólida
por parte dos países (Labadi, 2010). Esse destaca-se o argumento contrário, pois o
Patr imônio e o futuro da autenticidade

“essencialismo estratégico” (Spivak, 1987) estabelecimento de uma regulamentação para


a c i o n a l

é evidente também no universo do PCI, a produção e marketing é considerado útil


em que não faltam referências ao gênio para a manutenção da autenticidade. Aqui
as referências à autenticidade fazem eco aos
n

nacional de inspiração herderiana. Assim, por


R t í s t i c o

exemplo, segundo um dos pais fundadores da discursos associados à produção da tipicidade


Convenção, diplomata e jurista, “O PCI (...) para as certificações, como as indicações
a

é para a Nação o que a alma é para a pessoa geográficas, que permitem a uma comunidade
e

humana” (Bedjaoui, 2004:153). Dentre vários reivindicar direitos de propriedade intelectual


i s t ó R i c o

Chiara Bor tolotto

outros exemplos, o dossiê da arte dos Ashiqs e ganhos de monopólio sobre práticas
de Azerbaijão, inscrita na Lista Representativa culturais representadas como especificidades
H

culturais locais (Coombe e Aylwin, 2011).


a t R i m ô n i o

em 2009, oferece uma visão interessante sobre


essa retórica: O programa de “capacitação” e as
instruções para redigir as candidaturas
P

Pelo fato de essa arte constituir um dos estratos colocadas à disposição aos Estados Parte pelo
d o

os mais profundos e mais autênticos da cultura secretariado da Unesco acabará por eliminar
e v i s t a

nacional, sua proteção permitirá certamente o termo “autenticidade” dos documentos


salvaguardar as raízes nacionais e históricas da
R

a ela submetidos pelos países. A mesma


cultura azeri. pesquisa sobre os dossiês dos bens inscritos
em 2015 já mostra os efeitos desses esforços:
Esses usos nacionalistas do patrimônio, os termos “autêntico” e “autenticidade” são
cuja literatura sobre a invenção das utilizados (repetidamente) somente em dois
tradições nos deu numerosos exemplos dos 28 dossiês inscritos. Livrar-se desse termo
após o século XIX (Hobsbawm & Ranger, delicado parece, entretanto, simplesmente
26 1983), coexistem com os usos econômicos um exercício de retórica, como aponta um
e turísticos que atendem, por outro lado, especialista durante a reunião de 2015 do
à demanda da nova economia global. Nos fórum das ONGs credenciadas à Convenção.
dossiês analisados, um discurso ambivalente Dissociar a noção de autenticidade do
circunda turismo e comercialização: o conceito de patrimônio parece, de fato,
turismo dito “cultural” é às vezes apresentado um desafio impossível de ser realizado, e
como uma ferramenta que pode sustentar a não somente para os promotores locais de
autenticidade de uma prática, outras vezes patrimônio. Mesmo os especialistas que
como um fator folclorizante. Da mesma intervêm no debate no seio da Unesco não
forma, a comercialização é frequentemente compreendem essa evolução e insistem sobre
apresentada como um risco. Contudo, em a necessidade de recorrer a essa noção para
certos dossiês, particularmente aqueles indicar o “contexto natural” da execução de
relacionados aos saberes artesanais, como uma prática (Unesco, 2005:17). Quando
a renda, a tecelagem, a fabricação de essa noção é discutida fora dos limites oficiais
instrumentos musicais ou de tapetes, da Convenção, os mesmos especialistas que,
como delegados dos seus países, esforçam- dos diferentes tipos de ator face à eliminação

Patr imônio e o futuro da autenticidade


se em respeitar o vocabulário autorizado, da noção de autenticidade: as oficinas de

a c i o n a l
reconhecem a dificuldade dessa restrição. “capacitação” organizadas pela Unesco, os
Por exemplo, segundo um ator-chave da projetos de valorização patrimonial pelos
delegação japonesa, essa ideia é necessária atores locais ou as reuniões de ONGs

n
R t í s t i c o
para exprimir a natureza patrimonial (Kono, credenciadas à Convenção. Assim, por
2012). O delegado do Marrocos, que chamou exemplo, a participação como formadora6 em

a
a atenção do Comitê a respeito do uso do uma oficina de “capacitação” organizada em

e
termo “autêntico” para caracterizar a cozinha 2011 em Cetinje (Montenegro) pela Unesco,

i s t ó R i c o

Chiara Bor tolotto


mexicana, em outro contexto, como etnólogo em colaboração com o Ministério da Cultura
atento aos usos sociais do patrimônio, observa desse país, permitiu que eu observasse as

H
como a crença na autenticidade de uma

a t R i m ô n i o
reações dos profissionais do patrimônio
expressão cultural, ainda idêntica a si mesma frente à eliminação do vocabulário da
desde o começo dos tempos, motiva os autenticidade. Os dezesseis participantes

P
agentes do patrimônio em seu compromisso dessa oficina, consagrada ao tema “inventários

d o
(Skounti, 2009:77). pelas comunidades”, eram etnólogos

e v i s t a
A defesa em recorrer à noção de formados pela Universidade de Belgrado e

R
autenticidade parece, ainda, uma questão técnicos do Museu Nacional, dos museus
de terminologia que poderíamos comparar locais ou dos parques naturais. Apoiando-
ao que os antropólogos chamam de um me sobre o material de formação fornecido
“tabu linguístico”. No entanto, uma certa pela Unesco, expliquei que, no âmbito da
complacência é exercida vis-à-vis esse tabu, Convenção, a noção de autenticidade não
embora as razões para recorrer a essa noção é considerada pertinente para identificar
não sejam as mesmas para os diferentes tipos os bens do PCI a serem incluídos em um
27
de atores do patrimônio. inventário. Rapidamente compreendi que os
participantes estavam incomodados com o
a a U t e n t i c i d a d e pa r a a que eu dizia. Um ruído se disseminou pela
p r á t i c a d o pat r i m ô n i o : sala e os participantes começaram a discutir
U m va l o r i n c o n t o r n á v e l de maneira bastante animada entre eles.
Eu não conseguia acompanhá-los porque o
Ao lado da observação dos trabalhos tradutor, conquistado pelo animado debate,
do Comitê, minha posição híbrida de participava da discussão e tinha parado de
pesquisadora e de especialista e, portanto, traduzir.
de agente no dispositivo que eu observo,
deu-me acesso, após uma dezena de anos, 6. Em março de 2011, convidada pela Seção PCI da Unesco,
participei de uma “formação de formadores” com outros nove
a inúmeras situações nas quais a aplicação “especialistas regionais”. Essa primeira formação, organizada em
da Convenção gera tensões com os regimes Sophia, foi seguida por uma reunião de exame do programa em
2014, ainda em Sophia, e por inúmeras reuniões organizadas pelo
patrimoniais existentes. Essas zonas de Secretariado da Unesco em correspondência às sessões do Comitê
Intergovernamental das quais participam diversos facilitadores
contato permitem compreender as reações ativos em todas as regiões.
O organizador local dessa oficina, esse episódio revela como as profissões do
Patr imônio e o futuro da autenticidade

a conselheira para as políticas do PCI, patrimônio podem estar vinculadas ao valor


a c i o n a l

explicava-me entrementes que a autenticidade da autenticidade e está de acordo com a


era a noção-chave da nova lei nacional análise de Regina Bendix sobre o papel desse
conceito na formação da antropologia como
n

sobre o patrimônio, que acabava de ser


R t í s t i c o

aprovada alguns meses antes . Como é o 7 disciplina acadêmica nos Estados Unidos e de
caso também de outras legislações nacionais etnologia na Alemanha.
a

(Lixinski, 2014), o objetivo principal da lei O trabalho tenaz de documentação


e

de culturas autênticas oculta “uma visível


i s t ó R i c o

era a preservação do patrimônio (material


Chiara Bor tolotto

e imaterial) “na sua forma autêntica”. Os ansiedade de perder seu domínio de


murmúrios de insatisfação da sala cessaram competência” (Bendix, 1997:10), pois
H

“atestar a autenticidade de qualquer coisa não


a t R i m ô n i o

somente quando a conselheira do ministro


tranquilizou os participantes dizendo que somente legitima o objeto que foi declarado
a lei nacional tinha prioridade sobre os autêntico, mas também aquele que estabelece
P

princípios que eu havia exposto. As tensões a autenticidade” (Bendix, 1997:7). De fato,


d o

manifestadas nessa situação, contudo, não como pressentiram meus interlocutores


e v i s t a

revelam unicamente a constatação de um montenegrinos, se o critério da autenticidade


R

conflito entre os princípios da legislação do passado é doravante substituído pelo da


nacional e aqueles da Convenção da Unesco transmissão das práticas vivas imaginadas
que eu apresentava. Um problema mais como recursos de desenvolvimento, a

específico perturbava meus interlocutores, autoridade do conhecimento científico


e técnico necessário à autenticação e à
explicitado quando um participante pediu
conservação desaparece. Tal dispersão da
a palavra para reagir às minhas colocações:
autoridade patrimonial, induzida pela
28 “se a senhora diz que nós não devemos
contestação do critério citado, é similar à crise
demonstrar a autenticidade, toda a nossa
de autoridade etnográfica percebida pelos
credibilidade como etnólogos cai por terra”.
antropólogos com a aparição das primeiras
A essa intervenção seguiu-se um barulho
elites indígenas e a ascensão de uma classe
nervoso na sala, que se transformou em um
de antropólogos nativos que reivindicavam
debate animado. Embora a sobreposição
a legitimidade de ser representados e de
das vozes tornasse em vão o trabalho do
contestar o discurso dos antropólogos vindos
tradutor, ele me esclareceu que meu discurso
do exterior (Wittersheim, 1999; Clifford,
incomodava profundamente uma boa parte
1988). A autorização patrimonial baseada na
dos meus interlocutores, por razões de ordem
autenticidade seria então útil à manutenção
profissional. Confirmando as observações
da “autoridade e à solenidade do saber
de Natalie Heinich (2009) sobre os
especializado” (Smith, 2006:69) que engloba
pesquisadores do Inventário Geral na França,
a retórica patrimonial autorizada.
Essa análise acompanha a explicação dada
7. Protection of Cultural Property Act, aprovada em 27 de julho
de 2010. por diversos especialistas envolvidos com a
Acervo: Iphan.
r e v i s t a d o P a t r i M ô n i o H i s t ó r i c o e a r t í s t i c o n a c i o n a l

Sítio Roberto Burle Marx


29

Chiara Bor tolotto Patr imônio e o futuro da autenticidade


criação da Convenção e, posteriormente, em dossiê por uma reivindicação explícita de
Patr imônio e o futuro da autenticidade

sua implementação em âmbito internacional. autenticidade:


a c i o n a l

Esse ponto de vista foi claramente expresso


durante uma reunião de especialistas sobre (...) o carnaval de Limoux não é um
espetáculo, ele é o oposto de um desfile: é um
n

os critérios da inscrição nas duas Listas da


R t í s t i c o

folclore em estado puro, sem reconstituição


Convenção8. O uso recorrente do termo
alguma, e é por isso que ele se vincula tanto à sua
“autenticidade” nos dossiês dos bens inscritos
cidade e à sua região.
a

explica-se, segundo eles, pelo fato de que


e

a autenticidade seria um valor para os


i s t ó R i c o

Chiara Bor tolotto

A autenticidade é, portanto, mobilizada


especialistas e funcionários governamentais
diretamente pelos “detentores” do patrimônio
que redigiram os dossiês de candidatura,
H

para afirmar uma ligação com um território,


a t R i m ô n i o

valor que eles contribuem a construir


uma retórica que pode ser encontrada
(Jones e Yarrow, 2013). Segundo meus
entre os que acreditam em uma economia
interlocutores, contudo, essa mesma noção
da cultura, que propõem, por exemplo,
P

não seria importante para os “detentores do


d o

a criação de “distritos culturais” pela


patrimônio” (Bortolotto, 2013).
e v i s t a

exploração de “’embriões culturais locais”9


As observações dos usos dessa noção pelos
percebidos como autênticos do ponto de
R

promotores locais do patrimônio matizam


vista geográfico, social e cultural (Mizzau e
essa segunda tese. Minha participação
Montanari, 2008:652). Essa noção está, sem
nos trabalhos do Comitê do Patrimônio
dúvidas, na base do marketing territorial,
Imaterial e Etnológico, estabelecido em como mostra também o dossiê francês das
2012 para aconselhar o ministro francês ostensions septennales limousines. Entre outras
da Cultura sobre o conjunto de questões medidas de salvaguarda, o dossiê propõe
30
relativas à aplicação da Convenção Nacional “que uma sinalização apropriada, sem utilizar
do Patrimônio Cultural Imaterial, deu-me os emblemas da Unesco ou da Convenção,
acesso às primeiras fichas de inventário seja colocada na entrada de cada lugar
preparadas e redigidas diretamente pelos ostensionnaire, indicando que se trata de
atores do patrimônio, uma evolução em uma comuna onde a tradição das ostensões
relação à abordagem mais clássica utilizada septenais limusinas é ainda viva e que elas
até então, de confiar essa tarefa a especialistas, pertencem ao patrimônio cultural imaterial
frequentemente etnólogos (Bortolotto, 2012). reconhecido (na versão inglesa do dossiê o
Um dos formulários submetidos no contexto termo utilizado é authenticated) pela Unesco.”
desse programa tratava sobre o Carnaval A unidade suíça do Conselho
de Limoux. A associação responsável pela Internacional das Organizações de Festivais
organização do carnaval apresentou o de Folclore e de Artes Tradicionais, uma
ONG credenciada à Convenção, tem uma
8. Reunião de especialistas – Evaluating the Inscription Criteria
for the Two Lists of Unesco’s International Research Centre for
Intangible Cultural Heritage in the Asia-Pacific Region – IRCI, 9. N.T: traduzido pela autora do original em inglês como “germes
Tóquio, 10 e 11 de janeiro de 2013. culturels locaux”.
perspectiva similar sobre a autenticidade originária da região indiana de Mithilâ, era

Patr imônio e o futuro da autenticidade


como resultado da relação entre patrimônio tradicionalmente aplicado nas paredes, mas,

a c i o n a l
e comunidades localizadas. A definição de após uma enchente, a partir dos anos 1960
“danças autênticas” contida no glossário passou a ser feita também em papel. Segundo
minha interlocutora, trata-se de uma inovação

n
redigido por essa associação para o Fórum

R t í s t i c o
suíço para o patrimônio cultural imaterial em relação à tradição. Essa variação, contudo,
admite que as danças sofrem modificações permanece autêntica, contrariamente àquela

a
ao longo do tempo. A ligação entre os feita em Deli não mais pelos “detentores

e
praticantes e seu ambiente é, portanto, nativos” e, ainda assim, comercializada como

i s t ó R i c o

Chiara Bor tolotto


entendido como primordial e determinante “pintura Madhubani”.
para definir a autenticidade dos grupos de Como os antropólogos puderam constatar

H
em uma infinidade de casos, a noção de

a t R i m ô n i o
dança folclórica que
autenticidade é aqui mobilizada para
(...) podem ser considerados como originais reivindicar direitos sobre expressões culturais

P
e autênticos, na medida em que salvaguardam (Comaroff e Comaroff, 2009). Em outras

d o
as próprias danças em seu ambiente geográfico, palavras, ela tem para uma comunidade a

e v i s t a
na sua aldeia ou em sua região (Centre CIOFF mesma função que o estatuto do autor para
Suisse, s.d.).

R
os indivíduos (Noyes, 2006:33), revelando-
se um componente essencial nos usos
A autenticidade aglutina, ainda, contemporâneos da cultura e das tradições
indivíduos, nos coletivos que se percebem como recurso social, político e econômico
como “reais, essenciais e vitais, dando a seus (Brown, 2003; Yúdice, 2003).
membros uma motivação, uma unidade e um
extraordinário sentimento de pertencimento” conclUsão: de Uma
(Lindholm, 2008: 1). 31
aUtenticidade à oUtra
Essa mesma associação entre a noção
de autenticidade e uma comunidade de A eliminação da autenticidade,
determinado local retorna no discurso compreendida como efeito da preservação
da representante de uma ONG indiana de uma forma originária, permite
credenciada à Convenção. Interrogada sobre entender a transformação do regime de
o significado que ela atribuía à noção de patrimonialização tradicional, que prosperou
autenticidade, recorrente nas suas colocações, na Europa dos séculos XIX e XX, em direção
explicou que a autenticidade de uma a um novo regime em imposição. Essas
expressão cultural depende da manutenção duas abordagens se apoiam sobre maneiras
dessa prática no círculo de seus detentores diferentes de articular passado, presente e
nativos, mais que da reprodução idêntica futuro no projeto patrimonial. Essa evolução
de uma determinada prática. O exemplo põe em crise o agenciamento de categorias
da arte Madhubani dado por ela serve para temporais que pareciam evidentes para
ilustrar sua colocação. Esse estilo de pintura, pensar o patrimônio, bem como os objetivos
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

32
Chiara Bor tolotto Patr imônio e o futuro da autenticidade

Diogo Vianna.
Acervo: Iphan/
Carimbó
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l
33

Chiara Bor tolotto Patr imônio e o futuro da autenticidade


clássicos da ação patrimonial, passando da garantir a sustentabilidade de um patrimônio
Patr imônio e o futuro da autenticidade

ideia estática de conservação de vestígios do em processo, cuja transmissão envolve a


a c i o n a l

passado à da salvaguarda de práticas e de transformação, incluindo-o, por vezes, em


conhecimentos considerados necessários no uma função econômica.
presente, bem como igualmente preciosos No entanto essa perspectiva demonstra
n
R t í s t i c o

para o porvir. Essa perspectiva dinâmica uma contradição intrínseca ao discurso da


provoca uma transformação profunda Unesco: se a eliminação da autenticidade
a

dos modos de pensar o patrimônio, não como critério de seleção patrimonial era
e

somente considerado como vivo, mas necessária para ir mais além no regime da
i s t ó R i c o

Chiara Bor tolotto

também imaginado como um agente de preservação do patrimônio, ela se revela


mudança política, econômica e social numa problemática para responder às necessidades
H

perspectiva de desenvolvimento valorizado e expectativas de seus detentores, que estão


a t R i m ô n i o

como sustentável. colocados no coração desse dispositivo e


Os atritos gerados por essa proscrição que fazem uso estratégico dessa noção.
P

mostram, portanto, que a autenticidade Por um lado, a Convenção, centrada nas


d o

continua sendo um valor-chave tanto para comunidades, visa dar-lhes voz principal
e v i s t a

as profissões como para os empreendedores na atribuição do valor patrimonial e na


R

do patrimônio. Uma diferença fundamental, gestão do patrimônio, dando prioridade


contudo, distingue os objetivos dessas duas a seus objetivos e a suas lógicas sobre
categorias de atores: no primeiro caso, trata- aquela dos especialistas da preservação;
se de fixar a forma e a matéria de objetos por outro lado, ela proíbe um dos valores
singulares em uma questão de perenização considerados primordiais para essas mesmas
(Fabre, 2014), em que o papel principal é comunidades. Essa ambiguidade torna-se
desempenhado pelo presente. Na segunda, embaraçosa quando esses atores reivindicam
34
para construir o que James Clifford denomina direitos de propriedade intelectual para
“futuros tradicionais” (2004), em que o beneficiar ganhos de monopólio sobre sua
orgulho por essas tradições se associa a seus cultura, questão delicada que não tem sido
usos turísticos e comerciais e cujo papel voluntariamente abordada no âmbito da
principal é desempenhado pelo futuro. Se Convenção, tanto pela dificuldade jurídica
no primeiro caso a autenticidade se inscreve de associar direitos de propriedade aos
como valor fundamental do regime clássico processos culturais evolutivos e coletivos
de patrimonialização, qual seja, o regime frequentemente não apropriados ou não
de preservação de objetos inalienáveis, no apropriáveis, como por razões de ordem
segundo, longe de ser nostálgica do passado institucional, visto que haveria implicações
ou filologicamente correta (Raibmon, ao intervir na esfera de competência da
2005), ela é o fundamento em prol dos Organização Mundial da Propriedade
usos da cultura como meio. Essa segunda Intelectual (Cornu, 2004).
perspectiva entra em sintonia com aquela da Ao longo dos anos, diante da
salvaguarda proposta pela Unesco, que visa importância atribuída ao valor de
autenticidade pelos empreendedores do Nesse sentido, o exemplo das marcas

Patr imônio e o futuro da autenticidade


patrimônio, a Unesco busca dar uma de autenticidade admite como coerente

a c i o n a l
coerência à sua posição. Segundo um com o espírito da Convenção o recurso
antigo secretário da Convenção, ativamente às marcas de certificação que autorizam
envolvido no programa de capacitação, a atualização de uma prática liberando-a

n
r t í s t i c o
o recurso à noção de autenticidade – que da lógica da preservação, ao fundar sua
ele encara como aceitável – por parte das razão de ser em referência a um contexto

a
comunidades se opõe àquela dos especialistas cultural, social e geográfico imaginado

e
(técnicos, etnólogos etc.) porque essas como fixo e imutável. Trata-se, além

i s t ó r i c o

Chiara Bor tolotto


categorias fazem, como vimos, usos muito disso, de admitir uma dinâmica cultural,
diferentes dessa noção . Assim, um dos
10
ao estabelecer uma ligação exclusiva com

H
exemplos dados no material utilizado grupos específicos para evitar os riscos de

a t r i M ô n i o
pelas oficinas de capacitação comenta “descontextualização” contra os quais a
denominações, como o Label of Authenticity Convenção (Unesco, 2016, art. 102) nos

P
registrado pela National Indigenous adverte (Deacon e Smeets, 2013).

d o
Arts Advocay Association Incorporated Essa abordagem se inscreve em uma

e v i s t a
na Austrália ou a marca Authentically tendência largamente observada pelos

r
Aboriginal, utilizada pelas primeiras antropólogos: por um lado, considera-
nações do Canadá, para introduzir uma se que a autenticidade de uma cultura
distinção entre a acepção de autenticidade pode ser autodeterminada por um grupo
como sinônimo da perenidade de uma cuja identidade cultural é cada vez mais
expressão cultural, que teria sido conservada compreendida como “o objeto de uma
inalterada, e uma acepção de autenticidade, escolha e de uma autoconstrução”; por
tal como as dessas marcas, que retorna à outro lado, consideram-se esses grupos
35
ideia de continuidade que uma comunidade como imutáveis, essenciais e fixos e sua
reivindica através de uma expressão dada11. identidade, como “o produto
Essa perspectiva faz eco àquela dos etnólogos incontestável da biologia, da
que militam ao lado de seus interlocutores genética, da essência humana”
e que consideram o patrimônio como uma (Comaroff e Comaroff,
ferramenta para “agir num mundo cada 2009:1). Em outras palavras,
vez mais global e interconectado, de modo “dessencializa-se” a cultura,
a manter um sentimento de identidade mas “essencializam-se” as
e de continuidade”, considerando que relações entre seus detentores.
“em tal contexto, são os atores locais Promover um dispositivo
que estabelecem seus próprios valores de fundado pelos usos estratégicos
autenticidade” (Alivizatou, 2012:139). da cultura, purificando acepções
essencialistas, revela-se, em
10. Anotações de campo. resumo, algo extremamente
11. UNESCO, s.d. Notas do facilitador, plano de curso, Políticas
e instituições do PCI, Unidade 10:9. utópico.
referências COMAROFF, Jean; COMAROFF, John. Ethnicity, Inc.
Patr imônio e o futuro da autenticidade

Chicago : University of Chicago Press, 2009.


ALIVIZATOU, Marilena. “Debating heritage COOMBE, Rosemary ; AYLWIN Nicole. Bordering
a c i o n a l

authenticity: kastom and development at the Vanuatu diversity and desire: using intellectual property to mark
Cultural Centre”. International Journal of Heritage place-based products. Environment and Planning A, v. 43,
Studies, v. 18, nº 2, p. 124-143, 2012. nº 9, p. 2.027-2.042, 2011.
n
r t í s t i c o

BEDJAOUI, Mohammed. “La Convention portant CORNU, Marie. “La protection du patrimoine culturel
sauveguarde du patrimoine culturel immaterial: un cadre immatériel”. In: MEZGHANI, Nébila ; CORNU,
juridique et des principes universellement reconnus”. Marie (org.). Intérêt culturel et mondialisation. Les aspects
a

Museum International, nº 221-222, Unesco, Paris, p. internationaux. Paris : L’Harmattan, 2004, p. 197-218.
e

150-155, 2004. DEACON, Harriet; SMEETS, Rieks. “Authenticity,


i s t ó r i c o

Chiara Bor tolotto

BENDIX, Regina. In search of authenticity. The value and community involvement in heritage
formation of folklore studies. Madison: The University management under the World Heritage and Intangible
of Wisconsin Press, 1997. Heritage Conventions”. Heritage & Society, v. 6, nº 2,
H

p.129-143, 2013.
a t r i M ô n i o

BORTOLOTTO, Chiara. Il patrimonio immateriale


e l’autenticità: una relazione indissolubile. La Ricerca FABRE, Daniel. “La pérennité”. In: HEINICH,
Folklorica, nº 64, p. 7-17, 2011. Nathalie ; SCHAEFFER, Jean-Marie ; TALON-
HUGON, Carole (org.). Par delà le beau et le laid. Les
_____. “The French inventory of intangible cultural
P

valeurs non esthétiques de l’oeuvre d’art. Rennes : Presses


heritage : Domesticating a global paradigm into French
d o

Universitaires de Rennes, 2014, p. 83-103.


heritage regime”. In: BENDIX, Regina; EGGERT,
e v i s t a

Aditya; PESELMANN, Arnika (orgs.), Heritage regimes HEINICH, Nathalie. La fabrique du patrimoine. De
and the State. Göttingen: Universitätsverlag Göttingen, la cathédrale à la petite cuillère. Paris: Éditions de la
r

2012, p. 269-286. Maison des sciences de l’homme, 2009.


_____. Authenticity: A non-criterion for inscription on HOBSBAWM, Eric J.; RANGER, Terence (orgs.). The
the Lists of UNESCO’s Intangible Cultural Heritage invention of tradition. Cambridge: Cambridge University
Convention. Final report of the experts meeting on Press, 1983.
ICH - Evaluating the inscription criteria for the two KONO, Toshiyuki. Taking stock of the elements inscribed
lists of Unesco’s intangible cultural heritage convention, on the Lists: actual trends, categories and examples. Open
International Research Centre for Intangible Cultural ended intergovernmental working group on the right
Heritage in the Asia-Pacific Region (IRCI), 2013, p. scale or scope of an element. Unesco Headquarters, 22 e
76-82. 23 out.2012. Disponível em: https://ich.unesco.org/doc/
36 src/ITH-12-7.COM_WG-4-EN.doc. Último acesso em
BROWN, Michael F. Who owns native culture?
Cambridge: Harvard University Press, 2003. 12 de julho de 2017.
CENTRE CIOFF SUISSE, s.d. Terminologie relative à ICOMOS. Venice Charter for the conservation and
la culture traditionnelle et aux expressions du patrimoine restoration of monuments and sites, 1994. Disponível em:
culturel immatériel. Disponível em: http://www.cioff.ch/ http://www.international.icomos.org/charters/charters.
doc_fr/PCI_Terminologie_F.pdf. Último acesso em 22 pdf. Último acesso em 9 de maio de 2012.
de agosto 2014. JONES Sian; YARROW Thomas. “Crafting
CLEERE, Henry. “The uneasy bedfellows: universality authenticity: an ethnography of conservation practice”.
and cultural heritage”. In: LAYTON, Robert; STONE, Journal of Material Culture, v. 18, nº 1, p. 3-26, 2013.
Peter G.; THOMAS, Julian (orgs). Destruction and LABADI, Sophia. “World heritage, authenticity and
conservation of cultural property. London: Routledge, post-authenticity”, In: LABADI Sophia; LONG Colin
2001, p. 22-29. (orgs.). Heritage and globalization. Londres; Nova York:
CLIFFORD, James. The predicament of culture: Routledge, 2010, p. 66-84.
twentieth-century ethnography, literature, and art. ______. Unesco, cultural heritage, and outstanding
Cambridge: Harvard University Press, 1988. universal value: value-based analyses of the World Heritage
CLIFFORD, James. “Traditional futures”. In: and Intangible Cultural Heritage Conventions. Lanham,
PHILLIPS, Mark; SCHOCHET Gordon (org.). Md.: AltaMira Press, 2013.
Questions of tradition. Toronto: University of Toronto LINDHOLM, Charles. Culture and authenticity. Oxford:
Press, 2004, p. 152-168. Blackwell, 2008.
LIXINSKI, Lucas. “A tale of two heritages: claims of Disponível em: https://ich.unesco.org/doc/src/ITH-11-6.

Patr imônio e o futuro da autenticidade


ownership over intangible cultural heritage and the myth COM-CONF.206-8+Corr.+Add.-FR.pdf. Último acesso
of “authenticity””. Transnational Dispute Management, nº em 23 de maio de 2017.

a c i o n a l
2, p. 1-9, 2014. UNESCO. Rapport de l’Organe subsidiaire sur ses travaux
MIZZAU Lorenzo; MONTANARI, Fabrizio. “Cultural en 2012 et évaluation des candidatures pour inscription en
districts and the challenge of authenticity: the case of 2012 sur la Liste Représentative du Patrimoine Culturel

n
Piediment, Italy”. Journal of Economic Geography, nº 8, p. Immatériel de l’Humanité, ITH/12/7.COM/11 Add.3

r t í s t i c o
651–673, 2008. Paris, 5 dez.2012. Unesco, 2012. Disponível em: https://
NOYES, Dorothy. “The Judgment of Solomon: global ich.unesco.org/doc/src/ITH-12-7.COM-11_+Add.3-FR.
doc. Último acesso em 23 de maio de 2017.

a
protections for tradition and the problem of community

e
ownership”. Cultural Analysis, nº 5, p. 27-55, 2006. UNESCO. Directives opérationnelles pour la mise en

i s t ó r i c o
œuvre de la Convention Pour la Sauvegarde du Patrimoine

Chiara Bor tolotto


RAIBMON, Paige. Authentic indians: episodes of
Encounter from the Late-Nineteenth-Century Northwest Culturel Immatériel. Unesco, 2016. Disponível em:
Coast. Durham, NC: Duke University Press, 2005. http://www.unesco.org/culture/ich/doc/src/ICH-

H
Operational_Directives-6.GA-PDF-FR.pdf. Último
SKOUNTI, Ahmed. “The authentic illusion: humanity’s

a t r i M ô n i o
acesso em 13 de janeiro de 2017.
intangible cultural heritage, the Moroccan experience”.
In: SMITH, Laurajane; AKAGAWA, Natsuko (orgs.). WITTERSHEIM, Éric. “Les chemins de l’authenticité.
Intangible hertitage. Nova York: Routledge, 2009, p. Les anthropologues et la Renaissance mélanésienne”.
L’Homme, v. 39, nº 151, p. 181-205, 1999.

P
74-92.

d o
SMITH, Laurajane. Uses of heritage. London: Routledge, YÚDICE, George. The expediency of culture: uses of

e v i s t a
2006. culture in the global era. Durham: Duke UP, 2003.
SPIVAK, Gayatri Chakravorty. In other worlds: essays in

r
cultural politics. Londres: Methuen, 1987.
UNESCO. Convention for the Safeguarding of the
Intangible Cultural Heritage. Paris, 17 out.2003. Unesco.
Disponível em: https://ich.unesco.org/fr/convention.
Último acesso em 23 de maio de 2017.
UNESCO. Réunion d’experts sur les Inventaires du
Patrimoine Culturel Immatériel. Paris, 17–18 mar.2005.
Unesco. Disponível em: https://ich.unesco.org/doc/
src/00036-FR.pdf . Último acesso em 23 de maio de
37
2017.
UNESCO. Dossier de candidature n° 00400 pour
l’inscription sur la Liste Representative du Patrimoine
Culturel Immatériel en 2010. Unesco, 2010. Disponível
em: https://ich.unesco.org/doc/src/ITH-10-5.COM-
CONF.202-6-FR.pdf. Último acesso em 23 de maio de
2017.
UNESCO. Rapport de l’Organe subsidiaire sur ses travaux
en 2011 et évaluation des candidatures pour inscription
en 2011 sur la Liste Représentative du Patrimoine
Culturel Immatériel de l’Humanité, ITH/11/6.COM/
CONF.206/13 Add. Bali, 25 nov.2011. Unesco, 2011a.
Disponível em: https://ich.unesco.org/doc/src/ITH-11-
6.COM-CONF.206-13+Corr.+Add.-FR.pdf. Último
acesso em 23 de maio de 2017.
UNESCO. Évaluation des candidatures pour inscription
en 2011 sur la Liste du Patrimoine Culturel Immatériel
nécessitant une sauvegarde urgente, ITH/11/6.COM/
CONF.206/8 Add. Bali, 23 nov.2011. Unesco 2011b.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

38
U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s Repovoar o patr imônio ambiental urbano
Ulpiano T. Bezer ra de Meneses

a c i o n a l
r epovoar

n
o patrimônio ambiental Urbano

r t í s t i c o
a
e
i s t ó r i c o
H
a t r i M ô n i o
A premissa destas reflexões é o valor Segue-se listagem em que encontramos,
cultural entendido como o potencial de derivados da mesmíssima matriz, espaços,
qualificar (diferencialmente) qualquer tempo objetos, estruturas, práticas, saberes

P
ou segmento da vida humana integral e corporificados, mediações sensoriais e outras

d o
e v i s t a
seus processos de socialização pela interação formas de objetivação da vida.
recíproca com espaços, coisas, práticas. Não A redação e a estrutura dos incisos e pa-

r
se justificam, assim, polaridades excludentes rágrafos, assim como os artigos correlatos,
entre sujeito e objeto, utensílios e usuários, apresentam certas estranhezas e alguma ambi-
hábitat e habitante, patrimônio material guidade. Por exemplo, o inciso V do mesmo
e imaterial. No entanto, a intervenção artigo retoma valores (históricos, artísticos,
do Estado institucionalizando a esfera da arqueológicos etc.), que parecem inerentes
preservação tem favorecido, no campo do aos bens (conjuntos urbanos e sítios). Apesar
patrimônio ambiental urbano, a concepção disso, as inovações introduzidas são preciosas. 39
de cidade como essencialmente artefato. Antes de mais nada, a matriz do valor cultural
Serão apresentados, porém, alguns caminhos passa do Estado para a sociedade, substituin-
do conhecimento para superar uma presença do o Decreto-lei no 25/1937, segundo o qual
apenas fantasmagórica do habitante. o tombamento é que instituía o patrimônio
A Constituição Federal de 1988, ao nacional; agora, instituinte é a sociedade,
conceituar o patrimônio cultural brasileiro, ou melhor, seus “grupos formadores”, cuja
armou uma bomba-relógio que está longe de identidade, ação e memória são alimentados
ser desativada. Diz seu artigo 216: e alimentam determinados bens materiais ou
imateriais, indistintamente. Deve-se reco-
Constituem patrimônio cultural brasileiro os
nhecer a interação de bens e sujeitos como
bens de natureza material e imaterial, tomados
individualmente ou em conjunto, portadores característica do patrimônio. O poder público
de referência à identidade, à ação, à memória pode ter função declaratória e protetora – e,
dos diferentes grupos formadores da sociedade mesmo assim “com a colaboração da comuni- Salvador
Acervo: Copedoc/Iphan/
brasileira, nos quais se incluem (...). dade” (art. 216, parágrafo 1º). Marcel Gautherot.
Judiciosamente, Antônio A. Arantes (2009) locais e os especialistas. Os próprios
Repovoar o patr imônio ambiental urbano

tem insistido em que a atribuição de valor na organismos internacionais têm se preocupado


a c i o n a l

esfera pública e a interveniência da proteção com esse “despovoamento” do patrimônio.


criam dinâmicas diferentes e especificidades O International Centre for the Study of the
consideráveis que colocariam o patrimônio Preservation and Restoration of Cultural
n
R t í s t i c o

cultural distante das simples mediações cultu- Property – Iccrom montou um projeto de
rais de objetos e práticas. Quero crer, todavia, formação denominado The People-Centred
a

que há porosidade e interpenetrações poten- Approach (abordagem centrada em pessoas).


e

ciais ou efetivas e inserções que criam tanto A chamada conservação integrada, surgida
i s t ó R i c o

continuidades quanto divergências. nos anos 1960/1970 numa Itália que ainda
U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s

Seja como for, ocorre que, na maioria procurava cicatrizar suas feridas de guerra,
H

das agências de proteção, procedeu-se a um colocou o habitante como protagonista


a t R i m ô n i o

peculiar juízo de Salomão: o patrimônio das (destinatário e agente) dos planos de


pessoas ficou com o caput do artigo 216, urbanização e desenvolvimento. Ao mesmo
P

que define o patrimônio brasileiro, todo tempo em que se priorizava o favorecimento


d o

o patrimônio brasileiro, sem fraturas; já das classes mais desguarnecidas, introduziu-se


e v i s t a

no patrimônio de pedra e cal optou-se por a necessidade de integrar, no planejamento


R

manter a ideologia e os critérios do Decreto- urbano, todos os mais diversos componentes


lei n 25/1937.
o
e atores presentes no território urbano –
A tendência de base é universal, mas capitalizados pela expressão de patrimônio
essa linha esquizofrênica vem provocando ambiental urbano. Sem dúvida, a difusão
pesadas críticas e apelos à paz entre o tangível do imperativo de conservação integrada
e o intangível, sem afetar as especificidades. produziu uma verdadeira revascularização do
A palavra de ordem, no repúdio, é a sigla pensamento patrimonial, internacionalmente,
40
AHD (Authoritative Heritage Discourse), e abriu perspectivas para aceitação da
que caracteriza um discurso autoritário e natureza social do patrimônio e de suas
excludente (Ludwig, 2016). Chega-se a funções como tal, reforçadas com a
declarar que já é tempo de reconhecer que obrigação da sustentabilidade. Hoje há
as pessoas e suas ações não podem mais ser pouca discordância quanto à prioridade dos
consideradas uma perturbação e um perigo à usos sociais do patrimônio. Todavia, como
conservação do patrimônio (Craith e Kockel, falar de usos sociais quando, mesmo que a
2016). Também se nega que a diversidade escala permita, se desconhece ou se conhece
cultural seja atributo apenas dos valores pouquíssimo o habitante, ou quando ele
sociais, em contraposição aos valores técnicos, é um ente estatístico em levantamentos
supostamente em harmonia com categorias socioeconômicos e fator abstrato nos
universais. Por isso, muitas pesquisas estudos urbanos? Há tempos que, dentro da
demonstram, como indicam Spennemann, mencionada revascularização de critérios,
Lockwood e Harris (2001), a divergência a arquitetura vernacular ganhou status de
entre valores professados pelas comunidades cidadania; seu parente próximo, o habitante
vernacular, apenas dispõe da condição de O turismo cultural, tema conexo,

Repovoar o patr imônio ambiental urbano


residente permanente. também tem despertado vasta bibliografia,

a c i o n a l
Impõe-se, portanto, repovoar o que alerta contra danos e incômodos trazidos
patrimônio urbano, nele reintroduzir o seu ao habitante por essa indústria de massa. É
protagonista. Se examinarmos a bibliografia

n
raro, porém, que o habitante seja mais que

R t í s t i c o
nacional disponível, veremos que nossos uma atração passiva ou parceiro de interesses.
estudiosos produziram um vasto rol de dados Contudo, uma categoria especial de tu-

a
e análises sobre o papel do Estado, da política, rismo cultural oferece condições propícias à

e
dos intelectuais, dos interesses econômicos, emergência do habitante concreto, nas suas

i s t ó R i c o
das ideologias, da trajetória dos órgãos de singularidades e interações: refiro-me ao

U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s
preservação, dos aspectos técnicos e sociais chamado dark tourism (turismo em lugares

H
da preservação e conservação, da reabilitação

a t R i m ô n i o
emblemáticos de pobreza, tragédias humanas
urbana e temas conexos. Há também ou naturais, ou sofrimento em geral), fenô-
numerosos estudos de muita qualidade sobre meno das últimas décadas e que tem incen-

P
cidade e cultura, cidade e patrimônio, cultura tivado a atenção de estudiosos, sem excluir o

d o
urbana. Conviria, agora, dar ao habitante, tratamento específico do patrimônio cultural

e v i s t a
no universo do patrimônio cultural, uma (Convey, Consane e Davis, 2014). No Brasil,

R
presença menos etérea. a favela vem despertando um interesse cada
As referências que a seguir apresento vez maior de turistas e pesquisadores. Não
não têm qualquer pretensão de revisão por acaso, já que, nesses contextos, subjetivi-
bibliográfica ou seleção de obras exemplares. dade e destinos humanos são componentes
Destinam-se essencialmente a atrair a atenção fortes. Aí são mais frequentes as abordagens
para temas ou abordagens com potencial de que melhor põem em cena o visitado – e o
incentivar pesquisas que contemplem um visitante. Um bom exemplo vem da favela 41
perfil mais definido do habitante. da Rocinha, no Rio de Janeiro, que conta até
Uma oportunidade está nos estudos
com um museu comunitário em que o habi-
de impactos da consagração de cidades
tante autorrepresenta. A pesquisa de Bianca
como patrimônio mundial, gerando efeitos
Freire-Medeiros (2010) demonstra como se
negativos sobre a população. Há muitos
pode trabalhar a interação entre os habitantes
trabalhos sobre tais “efeitos perversos” de uma
e os demais agentes envolvidos, quando “as
“tragédia do patrimônio” ou a “alienação dos
identidades são constituídas, observadas e
sujeitos” e assim por diante. Rogério Proença
julgadas, não apenas exibidas”. Assim,
Leite (2004), que tem se dedicado ao tema
do enobrecimento urbano (gentrification)
(...) moradores, turistas, guias, pesquisadores
em Pernambuco (2004) e alhures, e outros mais estamos todos constantemente
também formulou um arcabouço teórico- negociando e renegociando uma nova gramática
metodológico que pode abrir caminhos para cuja pretensão é acomodar, no território da favela
analisar o comportamento do habitante na turística, lazer e pobreza, diversão e comiseração
esfera pública e na ação política. (Freire-Medeiros, 2010:49).
r e v i s t a d o P a t r i M ô n i o H i s t ó r i c o e a r t í s t i c o n a c i o n a l

42
U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s Repovoar o patr imônio ambiental urbano
Rio de Janeiro
Acervo: Iphan/Iluchar Desmons.
r e v i s t a d o P a t r i M ô n i o H i s t ó r i c o e a r t í s t i c o n a c i o n a l
43

U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s Repovoar o patr imônio ambiental urbano


Uma vertente que ainda tem pouca populações e com a qualidade e eficácia
Repovoar o patr imônio ambiental urbano

expressão entre nós, mas grande potencial dos serviços que lhes são prestados. Assim,
a c i o n a l

para explicar características mais ricas no segmento do patrimônio, aplica-se


e diversificadas dos habitantes, é a dos aos critérios, objetivos e procedimentos
movimentos sociais, pois enseja vê-los em para dialogar com um interlocutor mais
n
R t í s t i c o

ação e desvelando seus compromissos e subjetivo e com múltiplas possibilidades de


representações. Uma amostra da viabilidade interagir. Razão técnica e razão social não são
a

de desfazer a polaridade entre o patrimônio excludentes. Em 2006, em Londres, mais de


e

material e o imaterial, contribuindo para quatrocentos profissionais do movimento


i s t ó R i c o

“repovoar” o patrimônio cultural, é um se reuniram (Clark, 2006) para revisar


U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s

estudo sem maiores pretensões, mas bem critérios e instrumentos de ação: debates
H

encaminhado, que analisa a mobilização obrigatórios, audiências públicas, consultas


a t R i m ô n i o

popular ocorrida em Belo Horizonte quando e referendos (inclusive de grande escala),


a municipalidade pretendeu esvaziar o canais diretos de participação e comunicação,
P

Mercado Distrital de Santa Tereza de suas compromissos de transparência absoluta nos


d o

funções (Araújo e Castriota, 2007). Os procedimentos administrativos, disseminação


e v i s t a

ingredientes estão completos e imbricados: de informação, vários canais de inserção


R

o bem material, na plenitude de seu do habitante nas avaliações contínuas,


funcionamento e significações, nas referências preocupações educacionais etc. Como se
de identidade e memória, na multiplicidade vê, não são novidades extraordinárias, mas
de atores interagindo, nos conflitos, na ação o que conta é a vontade política de integrar
política, com projeção de futuro e, mais o habitante e fazê-lo participar da formação
ainda, na explicitação de valores, motivações de uma filosofia das preferências do órgão,
e interesses. que admite, solicita, discute e incorpora
44
Vale a pena também incluir como criticamente aquilo que é apresentado, passo
movimento social um exemplo inglês eficaz para se beneficiar do conhecimento
sui generis, pois aglutina, com caráter do habitante na produção e operação de
marcadamente político, membros da significados, valores e representações do
administração pública. Trata-se do “Public patrimônio como experiência vivida.
Value Governance”. A fim de superar a Tema que, no contexto do patrimônio,
noção de público consumidor, alvo das parece convidar a presença do habitante é
pesquisas de mercado ou, na melhor das a habitação, já que é ele quem, ao habitar,
hipóteses, das pesquisas de opinião, gosto produz empiricamente a habitação.
ou preferências, esse movimento surgiu no Entretanto, ainda aqui, até mesmo em obras
quadro das políticas culturais, definindo de bom nível e interesse (como em Lima e
como bandeira privilegiar o valor público. Maleque, 2004) essa figura costuma aparecer
Public Value, nesse contexto, pressupõe mais por procuração – como “usuário”,
administração pública compromissada “beneficiário”, destinatário de projetos para
com as necessidades e demandas das prover “condições dignas de morar”, parceiros
com os quais se dialoga para “incentivar o Valor histórico e valor estético são dois

Repovoar o patr imônio ambiental urbano


cidadão a preservar a identidade cultural e critérios fundamentais da prática cotidiana do

a c i o n a l
artística de cada época” e assim por diante profissional de patrimônio. Paradoxalmente,
–, mas não como sujeito ativo, que tenha pouco se conhece das percepções do
definido, nas suas práticas e representações, habitante urbano. Grande parte dos estudos

n
R t í s t i c o
seus valores e expectativas e formas do imaginário, das representações sociais,
diferenciadas de se apropriar do que lhe é da iconografia etc. dedica-se à legibilidade

a
oferecido. De notar que certos recortes, como da cidade e suas projeções – opção legítima

e
os usos da rua (Frehse, 2009) são sempre –, mas tem deixado à sombra o “leitor”

i s t ó R i c o
férteis de possibilidades, quando há interesse concreto, contextualizado e histórico dessa

U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s
nas sociabilidades. mesma cidade-imagem (Meneses, 1996).

H
É na França que a difusão da pesquisa de A história acadêmica começa a esboçar

a t R i m ô n i o
campo de tipo etnográfico, para investigar o caminhos para desfazer essa sombra,
processo do habitar ao vivo, tem produzido principalmente na Inglaterra e nos Estados

P
algumas obras que definem o habitante na Unidos. David Carr (2014) acredita numa

d o
experiência cultural. A coletânea La ville abordagem fenomenológica, em que, em vez

e v i s t a
patrimoine (Saint-Pierre, 2014) põe em de perguntar o que é história ou como se

R
cena o caráter performático do patrimônio conhece história – para nós: o que é histórico
habitado. Habiter le patrimoine (Gravari- no patrimônio? –, procura saber como as
Barbas, 2005) tem, como denominador pessoas vivem a história na dimensão de
comum das diversificadas contribuições, fenômeno. O que se privilegia é a experiência
a importância das apropriações de tempo do histórico, como a história se apresenta,
e espaço, que vão interferir nos modos de entra na vida das pessoas, quais as formas
habitar, salientando-se que o ato de “habitar de existir que ela configura. Para tanto,
45
um patrimônio” não é neutro. Os quinze trabalha com o espaço vivido, o tempo
ensaios de Les monuments sont habités (Fabre vivido, inclusive o “tempo cultural”. Carr
e Iuso, 2009), fruto de pesquisa franco- trata tais questões como matéria de teoria
italiana, acentuam a historicidade dos padrões da história e não se preocupa com estudos
de viver em espaços patrimonializados ou empíricos. Interesses comparáveis dominam
nas imediações, o que torna inteligíveis no campo conhecido como da história
as heterogeneidades, contradições e pública, basicamente história não acadêmica,
mutabilidade. A pesquisa canadense, expressa cuja ambição é socializar o mais possível o
na coletânea La patrimonialisation de conhecimento histórico e cujo efeito constitui
l’urbain (Bernier, Dormaels e Le Fur, 2012) também objeto de pesquisa (Beck, 2012).
demonstra a fecundidade desses estudos, ao O que mais nos interessa da história pública
diversificar as situações: apropriações de elite são os estudos de consumo da história, como
versus apropriações do habitante, mudanças ocorre na obra de Jerome de Groot (2009)
de função, intervenção de agentes sociais, o apoiada em experiências no Reino Unido,
banal e o excepcional, reações identitárias. EUA, França e Alemanha. Aqui, o objetivo
é examinar como a sociedade incorpora estética por hierarquias de cânone ou estilo
Repovoar o patr imônio ambiental urbano

a história, possibilitando um melhor restringe muito seu sentido.


a c i o n a l

entendimento da cultura popular. Para tanto, Quando se faz do habitante sujeito da


valem todos os suportes de representações: cidade, a estética urbana deveria incluí-lo
TV, “docudramas”, cinema, mídia impressa como produtor de experiências estéticas,
n
R t í s t i c o

e eletrônica, games, literatura (romances apto a estetizar seu ambiente. Para tanto,
históricos ou “de época”, livros para crianças), é a prática da cidade – antes de mais nada,
a

quadrinhos, museus, etc. No bojo da história a prática do espaço – que lhe fornece os
e

pública vem se desenvolvendo uma disciplina insumos, através dos quais ele procura
i s t ó R i c o

que tem recebido o nome de história inteligibilidade e fruição no cotidiano. A


U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s

popular, de que Roy Rosenzweig (2013) estética é condição seminal para a cidade
H

é referência. Para ele, o que importa, mais significar, gerando subjetivação. Assim, numa
a t R i m ô n i o

que a interpretação popular dos conteúdos condição excessivamente utilitária do espaço


recebidos, como fazia uma insuficiente como a nossa, em prejuízo de conteúdos
P

sociologia da recepção, é a própria produção perceptivos, simbólicos, axiológicos, dá-se


d o

nova de sentidos, na concretude dos aquela redução semântica, de que falava


e v i s t a

múltiplos contextos e nos efeitos da mútua Lepetit 200:144), com embaçamento da


R

interação, na esteira de uma sociologia da possibilidade de significar fomentando a


apropriação cultural. alienação ou o stress.
Em relação à estética, é de notar que a “Produzir sentido, no mundo, envolve
expressão estética urbana presta-se a muitos interpretá-lo como sensível”, é ideia que
significados mal circunscritos. Tanto pode percorre o livro clássico de Mary Douglas
ser a cidade como obra de arte, componente (1996:49). Mais uma vez, porém, a estética
histórico da forma urbana, quanto a do citadino comum não despertou interesse,
46
“ornamentação” da cidade (como nos antigos embora haja exceções: uma delas, de novo, é
planos de “embelezamento”), ou, mais a favela, na visão de Paola B. Jacques (2001),
adequadamente, nos modos de qualificação como ocasião de tomar a estética como um
ou requalificação de áreas da cidade sistema perceptivo próprio, com seus traços
(incluindo o paisagismo). Já a fluida categoria próprios, componente do mundo real que se
arte pública acentua conteúdos espaciais e quer conhecer e que organiza a apropriação
frequentemente assume sentidos políticos corporal do espaço, incluindo as múltiplas
como forma de apropriação do espaço urbano dimensões, valores e práticas do cotidiano,
em modalidades, tais como o grafite, o teatro, das contingências e das escolhas.
a dança e a música de rua etc. A expressão, Uma das consequências de acreditar
ainda, tem a ver com a morfologia urbana, num cânone hierarquizado é a falta de
com a paisagem urbana (categorias muitas critérios para encaminhar problemas estéticos
vezes superpostas); tem a vantagem de colocar nas intervenções urbanas. Deixo de lado
a forma como um problema crucial para a os problemas da «cidade multicultural»
vida urbana. Todavia, a contaminação da (Macagno, 2014), embora não me furte a
Acervo: Iphan.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l
47

Cuias do baixo Amazonas


U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s Repovoar o patr imônio ambiental urbano
assinalar a existência, em vários países, de da cidade. Duas posturas são recorrentes,
Repovoar o patr imônio ambiental urbano

códigos estéticos oficiais, guias, padrões além da cobrança de estudiosos e órgãos


a c i o n a l

normativos – em suma, instrumentos de de planejamento e políticas urbanas, por


controle estético, inclusive jurídico. serem lentos em incorporar a crítica do
Nessa perspectiva, é preciso recuperar o reducionismo e centralidade da visão
n
R t í s t i c o

sentido presente na palavra estética originada (oculocentrismo), seja na espetacularização


no grego aísthesis, que significa percepção. da cidade, seja na limitação dos estudos;
a

Restaurada no século XVIII, foi aos poucos se em decorrência, ganham destaque a


e

acomodando no território artístico (lembre-se multissensorialidade/intersensorialidade.


i s t ó R i c o

que a arte é apenas uma das manifestações Rapidamente começaram a surgir, nas
U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s

do estético). A estética concerne a mediação áreas de arquitetura e urbanismo, estudos


H

do eu com o mundo externo, funcionando de diverso alcance e orientação. Poucos


a t R i m ô n i o

como a ponte fundamental que os sentidos têm caráter abrangente, como, em 1996, o
fornecem para sairmos de dentro de nós e pequeno e famoso livro de Pallasmaa (2005,
P

organizarmos as múltiplas relações com o trad.bras.) e mais alguns, como Zardini


d o

meio ambiente, com nossos semelhantes (2005), com inclinação fenomenológica,


e v i s t a

e até com o transcendente. Nesse rumo, a num contexto museológico, ou outros


R

estética é condição de vida social, melhor poucos numa perspectiva histórica (Cowan &
dizendo, é a mediação que nos faz humanos. Steward 2007).
Correlatamente, tem-se que associar a A maior parte dos estudos, porém, elegeu
mediação sensorial, a sensorialidade, um sentido específico (além da visão, cuja
com o corpo, já que, como dizem os abundância dispensa referências): o olfato,
fenomenologistas, mais que termos um com seu poder de orientar fortemente os
corpo, somos um corpo, como modo de ser modos de experimentar espaço e lugar
48
no mundo – até na superação da condição (Henshaw, 2014) ou servir às políticas
corporal. Daí a importância que o corpo vem de higienização social (Rago, 1987). A
assumindo na compreensão da cidade, muito arquitetura aural não está ausente (Blesser
além de uma problemática funcionalista e e Salter, 2006), mas estranhamente – já que
ergonômica (Britto, Pereira e Jacques, 2010). é um dos alvos prediletos da antropologia
Fala-se hoje que haveria uma “virada sensorial – o sentido do tato está mal
sensorial” no universo das ciências sociais, representado, embora sejam numerosos
gestada no interior da história, da sociologia os estudos do chamado haptic design, de
e, sobretudo, da antropologia, a partir da tendência mais tecnológica, fornecedora de
década de 1980 (Howes e Classen, 2014). parâmetros para a arquitetura. Até para o
Daí também a proposição de questões paladar se encontraram algumas (poucas)
especificamente sensoriais no campo pistas para iluminar os espaços urbanos
de estudos da arquitetura, urbanismo e (Lemasson 2006).
patrimônio, no esforço de investigar o papel Do ponto de vista aqui privilegiado – o
do sensorial na formação das experiências habitante –, seu peso é ainda insuficiente
nesses estudos, mas as perspectivas que aos suportes materiais do patrimônio e seus

Repovoar o patr imônio ambiental urbano


se abrem são alvissareiras, sem contar os contextos e atores hegemônicos.

a c i o n a l
insumos teórico-metodológicos. Corpo Ressalve-se, ainda, que é impróprio
e sensorialidade implicam experiências separar sujeitos e bens. Laurajane Smith
de seres concretos e já começa a aparecer, (2006) pretende que o patrimônio é mais

n
R t í s t i c o
principalmente em estudos com bem entendido como processo, ou verbo,
compromissos metodológicos, uma presença, e não substantivo. Eu acrescentaria: como

a
mais que inferida, do habitante. Pinar verbo transitivo, que necessita de objetos

e
Yelmi (2015) cuida do projeto Soundscape diretos para se realizar. Cidade e cidadão estão

i s t ó R i c o
of Istanbul, que organiza mapas sonoros e o unidos até mesmo pelos vínculos indissolúveis

U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s
arquivo dos sons do cotidiano e medidas de da etimologia.

H
proteção, mas também desenvolve inúmeras Aqui, o protagonismo estratégico,

a t R i m ô n i o
atividades comunitárias, como oficinas com portanto, não pretende desqualificar
adultos e crianças dos locais. Já Alessandra nosso precioso acervo de saber já

P
Mariani (2008) examina a recriação virtual acumulado, nem desmobilizar doravante

d o
em museu de uma “imersão sensível” de as atividades dos órgãos de patrimônio

e v i s t a
habitantes (e demais visitantes) em ambientes ou de pesquisa e sugerir outro paradigma.

R
de Montreal, como exercício de interpretação Fundamentalmente, desejei chamar a atenção
sensorial de seu viver na cidade. para uma lacuna que precisa ser anulada
-- o que certamente revitalizará o paradigma
conclUindo vigente. Por isso mesmo é que não toquei
em aspectos práticos, organizacionais ou
O objetivo maior destas reflexões foi metodológicos de pesquisa. Desejo apenas
ressaltar ser conveniente, para respeitar a salientar a responsabilidade especial da
49
natureza social do patrimônio ambiental universidade e instituições semelhantes –
urbano, transferir o excessivo e por vezes aliás, positivamente convocadas para os
exclusivo foco de interesse nos bens (materiais registros de patrimônio imaterial, assim
ou imateriais), e no poder público, para como nos levantamentos do Centro Nacional
os sujeitos – os agentes humanos, nas suas de Referência Cultural – CNRC. Por isso, o
multiformes interações. Contudo, longe de Inventário Nacional de Referências Culturais
qualquer inaceitável perspectiva relativista – INRC (Corsino et al., 2000) e demais
ou paternalista, o importante é evitar, na inventários de patrimônio poderiam servir
arena do patrimônio, atores ocultos. Assim, o de ponto de partida para o desenvolvimento
protagonismo dos sujeitos aqui explícito deve de alguns novos temas e abordagens. Última
ser considerado apenas como uma espécie de observação: seria bom introduzir entre as
“ação afirmativa”, para compensar essa antiga rotinas de pesquisa alguns dos protocolos
marginalização e a consequente carência de da etnografia urbana (Magnani, 2002),
conhecimento, principalmente em face de um mesmo que o objetivo não se limite a
quadro muitíssimo mais fornido em relação estudos de caso.
Políticas de patrimônio cultural urbano referências
Repovoar o patr imônio ambiental urbano

terão sempre um débito em aberto, se


a c i o n a l

desconhecerem o universo de valores, que ADAMS, Mags; GUY, Simon. Editorial: senses and the city. The
Senses & Society, v. 2, nº 2, p. 133-136, 2007.
tornam humanas aquelas imbricações de vária
ARANTES, Antonio Augusto. “Patrimônio cultural
natureza, produzidas e produtoras, na/da vida
n

e cidade”. In: FORTUNA, Carlos; LEITE, Rogério


R t í s t i c o

do habitante, como um todo. Proença (orgs.). Plural de cidade: novos léxicos urbanos.
Coimbra: Almedina, 2009, p.11-24.
ARAÚJO, Guilherme M.; CASTRIOTA, Leonardo B. Um
a

capítulo da preservação em Belo Horizonte: o destino do


e
i s t ó R i c o

Mercado de Santa Tereza. In: FÓRUM PATRIMÔNIO,


AMBIENTE CONSTRUÍDO E PATRIMÔNIO
U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s

SUSTENTÁVEL, v. 1, Belo Horizonte, p. 1-15, 2007.


H

BECK, Peter J. Presenting history. Past and present.


a t R i m ô n i o

Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2012.


BERNIER, Lyne; DORMAELS, Mathieu ; LE FUR,
Yann (orgs.). La patrimonialisation de l’urbain. Québec :
Presses de l’Université du Québec, 2012.
P
d o

BLESSER, Barry ; SALTER, Linda-Ruth. Spaces speak,


e v i s t a

are you listening? Experiencing aural architecture.


Cambridge: MIT Press, 2006.
BRITTO, Fabiana; PEREIRA, Margareth; JACQUES,
R

Paola B. (orgs.). Corpocidade. Debates em estética urbana


2. Salvador;Rio de Janeiro: UFBA/UFRJ, 2010.
CARR, David. Experience and History. Phenomenological
perspectives on the historical world. Oxford: Oxford
University Press, 2014.

Coreto em Belém
Acervo: Iphan/
Fernando Madeira.
50
CLARK, Kate (org.), Capturing the public value of LEPETIT, Bernard. “É possível uma hermenêutica

Repovoar o patr imônio ambiental urbano


heritage. The proceedings of the London Conference. urbana?” In: Por uma nova história urbana (seleção de
Londres: English Heritage, 2006. Heliana Salgueiro). São Paulo: Edusp, 2002, p. 137-154.

a c i o n a l
CONVEY, Ian; CONSANE, Gerard; DAVIS, Peter. LIMA, Evelyn Furquim; MALEQUE, Miria Roseira
Displaced Heritage. Dealing with disaster and suffering. (orgs.). Cultura, patrimônio e habitação. Possibilidades e
Martlesham: Boydell & Brewer, 2014. modelos. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2004.

n
R t í s t i c o
CORSINO, Célia; ARANTES, Antonio Augusto; LUDWIG, Carol. “From bricks and mortar to social
LONDRES, Cecília et al. Inventário nacional de heritage: planning space for diversities in the AHD”.
referências culturais: manual de aplicação. Brasília: Iphan, International Journal of Heritage Studies, v. 22, nº 10, p.

a
2000. 811-827, 2016.

e
COWAN, Alexander; STEWARD, Jill. The city and the MACAGNO, Lorenzo. “Multiculturalismo e cidade”. In:

i s t ó R i c o
senses: urban culture since 1500. Burlington: Ashgate, O dilema multicultural. Rio de Janeiro; Curitiba: Graphia/

U l p i a n o T. B e z e r r a d e M e n e s e s
2007. UFPR, 2014, p. 161-172.
CRAITH, Máiréad Nic; KOCKEL, Ullrich. “(Re-) MAGNANI, José Guilherme C. De perto e de dentro: notas

H
building heritage: integrating tangible and intangible”. para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências

a t R i m ô n i o
In: LOGAN, William; CRAITH, Máiréad Nic; Sociais, v. 17, nº 49, jun.2002.
KOCKEL, Ullrich (orgs.). A companion to heritage MARIANI, Alessandra. L’immersion sensible en
studies. Chichester: Wiley Blackwell, 2016, p. 426-442. exposition: sensations urbaines. Une approche différente

P
DE GROOT, Jerome. Consuming history. Historians à l’urbanisme au Centre Canadien d’Architecture. Revue

d o
and heritage in contemporary popular culture. Londres: de la Culture Matérielle, v. 67, p. 9-24, 2008.

e v i s t a
Routledge, 2009. MENESES, Ulpiano T. Bezerra de. Morfologia das
DOUGLAS, Mary; ISHERWOOD, Baron. The world cidades brasileiras: introdu-ção ao estudo histórico da

R
of goods. Towards an anthropology of consumption. iconografia urbana. Revista USP, nº 30, p. 144-155, jun-
Londres: Routledge, 2. ed., 1996. ago.1996.
FABRE, Daniel ; IUSO, Anna. Les monuments sont PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele. A arquitetura e os
habités. Paris: Éditions de la Maison des Sciences de sentidos. Porto Alegre: Bookman, 2005.
l’Homme, 2009. RAGO, Margareth. “A desodorização do espaço urbano”.
FREHSE, Fraya. “Usos da rua”. In: FORTUNA, Carlos; In: RAGO, M. (org.). Do cabaré ao lar. A utopia da cidade
LEITE, Rogério P. (orgs.). Plural de cidades: novos léxicos disciplinar. Brasil: 1890-1930. Rio de Janeiro: Paz &
urbanos. Coimbra: Almedina, 2009, p. 151-170. Terra, 1987, p. 163-203.
FREIRE-MEDEIROS, Bianca. Entre tapas e beijos: a ROSENZWEIG, Roy; THELEN, David. “The presence 51
favela turística na perspectiva de seus moradores. Revista of the past: popular uses of history in american life”. In:
Sociedade e Estado, v. 25, nº 1, p. 33-51, jan-abr.2010. KEAN, Hilda; MARTIN, Paul (orgs.). The public history
GRAVARI-BARBAS, Maria (org.). Habiter le patrimoine: reader. Londres: Routledge, 2013.
enjeux, approches, vécu. Rennes: Presses Universitaires SAINT-PIERRE, Caroline de (org.). La ville patrimoine.
de Rennes, 2005. Forme, logique, enjeux et stratégies. Rennes : Presses
HENSHAW, Victoria. Urban smellscapes: understanding Universitaires de Rennes, 2014.
and designing city smell environments. Nova York: SMITH, Laurajane. Uses of heritage. Abingdon:
Routledge, 2014. Routledge, 2006.
HOWES, David; CLASSEN, Constance. Ways of sensing: SPENNEMANN, Dirk; LOCKWOOD, Michael;
understanding the senses in society. Londres: Routledge, HARRIS, Kellie. The eye of the professional vs opinion
2014. of the community. Cultural Research Management, v. 24,
JACQUES, Paola Berenstein. Estética das favelas. nº 2, p. 16-18, 2001.
Arquitextos, 013.08, ano 2, jun.2001. YELMI, Pinar. “Protecting contemporary soundscapes
LEITE, Rogério Proença. Contra-usos da cidade. Lugares as intangible cultural heritage: sounds of Istambul”.
e espaço geográfico na experiência urbana contemporânea. International Journal of Heritage Studies, v. 22, nº 4, p.
Campinas; Aracaju: Unicamp/UFS, 2004. 302-311, 2015.

LEMASSON, Jean-Pierre. Le goût et la ville. Une ZARDINI, Mirko. Sense of the city. An alternate
difficile rencontre. Notes de Recherche, v. 30, nº 3, p. approach to urbanism. Montreal: Canadian Center for
153-166, 2006. Architecture, 2005.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

52
Antonio Augusto Arantes Neto Opor tunidades globais para o patr imônio imater ial: novos desafios para as vidas locais
Antonio Augusto Arantes Neto

a c i o n a l
o portUnidades globais para o patrimônio
imaterial : novos desafios para as vidas locais *

n
r t í s t i c o
a
e
i s t ó r i c o
H
a t r i M ô n i o
Histórico reconstruídas por meio de relações com
parceiros distantes. Tais relações podem
Para discutir as oportunidades, ameaças e ser diretas, como no caso de viagens, ou

P
acontecer por meio de migração espontânea

d o
desafios apresentados pela globalização para

e v i s t a
o patrimônio imaterial, eu começaria do ou forçada, ou da mediação de sofisticados e
seguinte ponto de vista. O assunto desta mesa eficientes sistemas de comunicação, como a

r
redonda deriva, por um lado, das restrições internet, a televisão interativa etc.
e possibilidades características de contextos Além disso, em muitos ambientes sociais,
etnográficos específicos e concretos. Por valores e atitudes não são mais aceitos
outro lado, deriva de processos econômicos, simplesmente como ecos atuais de tradições
culturais e políticos induzidos por agências vivas. Tornam-se altamente reflexivos e,
que operam em escalas sociais mais amplas do agora, sua legitimação exige sólidos e bons
que os territórios imediatos dos grupos sociais argumentos, de preferência validados e 53

envolvidos e que os incluem. apoiados pelo que cada vez mais se torna
Em primeiro lugar, vamos considerar uma esfera pública global efetiva – ainda que
alguns exemplos. As finanças e os negócios, virtual. Não é de espantar que as diferenças
por exemplo, atualmente se tornaram uma culturais estejam sendo novamente ressaltadas
esfera praticamente autônoma de atividade pela agenda de política cultural da maior
social. Cruzam fronteiras nacionais, parte dos países!
provocados pelas flutuações do mercado Assim, as realidades globais pertencem
monetário. simultaneamente ao nosso mundo comum
Quanto à organização e às estruturas da vida cotidiana e a âmbitos que vão
sociais, elas tendem a ser dinamicamente além de qualquer espaço que possa ser
concretamente delimitado e experimentado
*. Discurso na ocasião da conferência da Unesco-UNU realizada por agentes sociais individuais. Assim, elas
em Tóquio, em 26 de agosto de 2004, sobre o tema
“Globalização e patrimônio cultural imaterial: oportunidades,
pressupõem, por sua própria natureza, a Capoeira
Acervo: Iphan/
ameaças e desafios”. construção institucional e o acesso a redes de Carlos Café.
comunicação eficientes. Como é característico a globalização não apenas aumenta ou
Opor tunidades globais para o patr imônio imater ial: novos desafios para as vidas locais

dos fenômenos culturais, as realidades globais amplifica uma realidade anterior, mas tem
a c i o n a l

são claramente objetos sistêmicos e, portanto, por característica estimular o surgimento de


devem ser compreendidas holisticamente novas necessidades e tendências, bem como
como tal. Entretanto, se um de seus aspectos a incorporação de novos valores éticos e
n
R t í s t i c o

tiver que ser ressaltado como crucial para estéticos pelo ambiente social anterior.
nossa discussão, sem dúvida eu escolheria a Por meio de um complexo processo de
a

governança, ou seja, a capacidade de gerir enraizamento de sensos globais de lugar –


e

– em termos práticos – a conexão entre as em esferas locais –, linguagens, símbolos


i s t ó R i c o

várias escalas e nódulos da complexa teia em e significados são desenvolvidos, não


que todos vivemos hoje, e o interesse de cada necessariamente opondo as realidades sociais
H

grupo específico de pessoas envolvidas em internas e externas como distintas uma da


a t R i m ô n i o

territórios específicos. outra. Os chamados padrões culturais híbridos


Grupos sociais cujo patrimônio cultural muitas vezes criam pontes entre diferenças
P

ou natural é identificado pelas agências de culturais ao construir fronteiras permeáveis


d o

preservação como excepcional e, por essa e flexíveis por meio da articulação de signos
e v i s t a

razão, digno de salvaguarda, muitas vezes de diversas origens. Essa é, talvez, uma das
R

se transformam em recursos usados para a características notáveis das fronteiras simbólicas


Antonio Augusto Arantes Neto

produção de bens de consumo e serviços. Em construídas pelas culturas contemporâneas:


consequência, são envolvidos e enredados elas não pretendem ser puras, mas de natureza
pelos sistemas globais de circulação – de híbrida. Não muros, mas pontes a serem
pessoas, signos, bens de consumo e capital –, atravessadas por aqueles que conhecem os
que operam em múltiplas escalas e impõem códigos de identificação corretos.
a eles demandas quantitativas e qualitativas Nesse sentido, são signos adequados
54
de uma nova espécie. O volume e o ritmo para a construção de identidades que não
do que é produzido tende a aumentar: as pretendem ser exclusivas, ou excludentes.
pessoas tendem a produzir mais e com maior Pelo contrário, elas contribuem para colocar
frequência. Além disso, a organização dos o mundo externo em diálogo e interação
processos de trabalho, bem como a concepção com as autoimagens, memórias e tradições
e criação dos bens de consumo, tem que próprias das comunidades locais.
responder a demandas estabelecidas pelos Voltando à globalização, e dando
vendedores, consumidores e outras agências, sequência ao argumento anterior, pode-se
que são em grande parte externas às redes dizer que, em tais casos, diferentes escalas e
sociais, reais ou virtuais, construídas por texturas étnicas intersectam-se de tal forma
qualquer membro individual do grupo local. que as realidades hiperlocais, como pequenas
Mas isso não é tudo. Processos culturais, vilas exóticas, distantes povoados rurais,
que acontecem em um nível mais profundo, ambientes domésticos, se tornam inseparáveis
devem ser identificados e levados em das demandas regionais, provinciais, nacionais
consideração no presente debate. De fato, ou globais e vulneráveis a elas.
aquelas voltadas para processos culturais,

Opor tunidades globais para o patr imônio imater ial: novos desafios para as vidas locais
Essas hipóteses, que apontam
principalmente para o tema do “patrimônio frequentemente alcançam apenas parte de

a c i o n a l
como economia”, levantam questões seus objetivos. Algumas razões importantes
importantes para a compreensão e para essa limitação dizem respeito à
dificuldade que planejadores e instituições

n
monitoramento da preservação cultural hoje.

R t í s t i c o
Consequentemente, oferecem uma base normalmente encontram para incorporar, no
relevante para nossa discussão: ressaltar o desenvolvimento, implementação e avaliação

a
bem-estar de pessoas concretas; os direitos de tais ações, as motivações, prioridades e

e
legais relacionados às atividades realizadas por projetos das populações-alvo, bem como

i s t ó R i c o
elas, bem como ao conhecimento e formas de estimular sua capacidade ativa como
expressão que desenvolveram coletivamente; protagonistas dos processos sociais em que

H
e, finalmente, a eficiência e o compromisso estão envolvidos.

a t R i m ô n i o
democrático de agências multilaterais na Em outras palavras, aspectos cruciais
regulação e monitoramento dos processos por de tais problemas derivam de seu modo de

P
meio dos quais as realidades globais se tornam implementação, ou seja, de como ocorre

d o
parte das vidas locais. a articulação real entre as agências que

e v i s t a
executam políticas sociais e os segmentos
territorializando sociais envolvidos. E isso, é claro, depende

R
as

Antonio Augusto Arantes Neto


p o l í t i c a s c U lt U r a i s dos valores e atitudes, das formas de
organização e dos processos decisórios que
Um dos principais desafios à preservação são, implícita ou explicitamente, impostos
do patrimônio cultural (material ou imaterial) por tais agências. Não há “imparcialidade” ou
é a capacidade de efetuar uma mudança de “neutralidade” no que diz respeito à agência
escala adequada entre as diretrizes gerais cultural, uma vez que a dinâmica cultural
é fundamentalmente um processo de “re- 55
formuladas à distância, pelas instituições
que elaboram as políticas, e as circunstâncias produção” e “re-criação” da diferença social.
locais da vida social. Esse desafio teórico e Tais dificuldades podem facilmente
prático que se apresenta aos especialistas em ser compreendidas meramente em termos
patrimônio inclui necessariamente uma crítica formais ou lógicos. Portanto, talvez elas
de seu próprio papel e posição no ambiente tenham interesse limitado para a presente
social onde acontecem tanto o diálogo reunião. Entretanto, as etnografias
intercultural quanto as negociações políticas1. argumentam amplamente que os processos
Políticas sociais relacionadas à saúde, culturais muitas vezes incluem questões
educação ou distribuição de renda, bem como inesperadas e que seus desenvolvimentos
não podem ser deduzidos de seus primeiros
princípios. Além disso, vale a pena olhar para
1. ARANTES, Antonio Augusto. “Reconsidering the social a questão de forma mais próxima e em termos
aspects of sustainability: integrated conservation of the urban en-
vironmental heritage”. In: ZANCHETI, Silvio (org.). Conserva- concretos. Esse será o próximo passo desta
tion and urban sustainable development: a theoretical framework.
Recife: UFPE, 1999, p. 41-49. apresentação, em que farei breve referência
a observações etnográficas conduzidas no alegando que o Catolicismo popular deve ser
Opor tunidades globais para o patr imônio imater ial: novos desafios para as vidas locais

Brasil, para finalmente retornar a alguns absorvido pelas atividades oficiais da igreja.
a c i o n a l

princípios gerais pertinentes a esta discussão. Os pastores evangélicos, mais rigorosos,


argumentam que tais celebrações não
p at r i m ô n i o como recUrso deveriam acontecer porque não são expressões
n
R t í s t i c o

c U lt U r a l aceitáveis do Cristianismo.
Entretanto, a despeito dessa situação
a

No contexto do recente aumento conflituosa – que é, ela mesma, parte da


e

dos investimentos em turismo e em cena cultural local –, o rito não perdeu


i s t ó R i c o

empreendimentos imobiliários, as seu significado tradicional. Novas regras e


celebrações populares que acontecem critérios construídos na prática por “nativos”
H

no sul da Bahia, Brasil, tornaram-se e “forasteiros” abriram a instituição a


a t R i m ô n i o

uma significativa fonte de renda para participantes de fora. Entretanto, ao mesmo


as economias locais. Tradicionalmente, tempo, tais regras e critérios a regularam
P

são rituais do Catolicismo popular, como uma arena política, reforçando assim o
d o

celebrações de santos padroeiros que têm papel dos líderes locais como protagonistas de
e v i s t a

o importante papel de reforçar a estrutura todo o processo.


R

social das comunidades locais, o senso de Trata-se de um bom exemplo de


Antonio Augusto Arantes Neto

pertencimento dos membros da sociedade e, situação em que uma nova circunstância


consequentemente, constituem as principais foi incorporada pela vida social como
arenas para a negociação de prestígio e a oportunidade de a tornar simbolicamente
representação da estratificação social. mais eficiente em termos das necessidades
Nos últimos anos, a população dessas e gostos atuais e, também, como forma
vilas aumentou rapidamente. Na atualidade, de fortalecer o patrimônio como signo da
56
incluem novos residentes, principalmente continuidade histórica, da identidade social e
jovens vindos das grandes cidades, pessoal e da autoestima.
procurando paisagens de “paraíso na terra”, Porém, na realidade, a acomodação do
além de novas formas e oportunidades, costume à circunstância tem limite. Enquanto
lícitas e ilícitas, de ganhar dinheiro. algumas áreas específicas do ritual foram
Visitantes regulares, como políticos, abertas aos novos membros da comunidade,
profissionais e celebridades da mídia, outras, como preparar as refeições, executar
também voltam a cada estação. música, dançar ou pintar, foram mantidas
É crucial para a inclusão dos recém- como prerrogativa das pessoas ligadas por
chegados na vida local que eles sejam aceitos nascimento aos grandes grupos de parentesco
como participantes ativos de tais celebrações. que formam o núcleo sociológico da
Mais recentemente, disputas religiosas comunidade nativa.
também se tornaram parte do jogo. Padres O exemplo é bem sugestivo de várias
católicos, que voltaram recentemente à região, questões relacionadas ao tema que nos reuniu
tentam assumir o controle dessa atividade, na discussão desta tarde. Em primeiro lugar,
Wajãpi

Heitor Reali.
Acervo: Iphan/
Pintura corporal
r e v i s t a d o P a t r i M ô n i o H i s t ó r i c o e a r t í s t i c o n a c i o n a l
57

Antonio Augusto Arantes Neto Opor tunidades globais para o patr imônio imater ial: novos desafios para as vidas locais
mostra que alguns aspectos de uma prática de salvaguarda, participamos da vida local
Opor tunidades globais para o patr imônio imater ial: novos desafios para as vidas locais

social complexa podem ser menos permeáveis de forma semelhante à dos recém-chegados
a c i o n a l

à inovação que outros. Carregados de um que acabamos de mencionar. Os objetos


forte senso de identidade local, eles dão à escolhidos para salvaguarda oficial tendem
performance cultural sua condição de símbolo a ser aqueles louvados pelas comunidades
n
R t í s t i c o

ativo da comunidade, refletindo o que o culturais como seus próprios tesouros,


grupo considera como sua própria “tradição” sagrados e frágeis, com raízes profundas na
a

e, portanto, sua propriedade legítima. estrutura social. De forma semelhante, são


e

É extremamente relevante para nossa também altamente valorizados pelo mercado


i s t ó R i c o

discussão que tais manifestações «tradicionais» de bens culturais, e visados por nós, os
da vida comunitária tenham um certo grau responsáveis pelas políticas culturais. Em
H

de ambiguidade. Embora consideradas um minha opinião, os recursos que gerimos,


a t R i m ô n i o

dos mais queridos e singulares símbolos da sejam materiais ou simbólicos, entram


vida comunitária, tais celebrações não são na vida social através das fissuras abertas
P

totalmente exclusivas: são, na verdade, feitas por essa flexibilidade ambígua. Torna-se,
d o

de forma a serem parcialmente permeáveis então, extremamente relevante enfrentar


e v i s t a

a pessoas de fora. Do meu ponto de vista, criticamente as consequências de nossa


R

essa permeabilidade parcial é atributo-chave interferência na vida local. Até que ponto
Antonio Augusto Arantes Neto

do valor de troca do patrimônio cultural na ela é desejável e desejada pela comunidade


vida contemporânea. No contexto de uma local? Quais são suas consequências positivas
radical mudança de escala, de um evento local e negativas?
da vida cerimonial baseada em parentesco
para um evento global, articulando pessoas a ta r e f a d a s a lva g U a r d a
e agências de várias esferas, tais rituais
58
incorporam novos atores sociais e são abertos Em regiões menos desenvolvidas da
à inovação. No entanto, isso acontece sem Europa, vários programas relacionados ao
que necessariamente se perca a aura de desenvolvimento humano e social baseiam-se
autenticidade e sacralidade de que depende na valoração do conhecimento e formas de
sua verossimilhança. expressão tradicionais, bem como em agregar
De fato, é como se tivesse um núcleo duro valor cultural a mercadorias. De forma
protegido por uma zona de amortecimento geral, esses programas geraram benefícios
de bordas macias e permeáveis: essa é materiais, psicossociais e políticos para suas
a característica estrutural que ajuda a populações-alvo. Em suma, estão fortalecendo
compreender a relativa força de algumas sentimentos de autoestima, práticas de
práticas de patrimônio que, de outra forma, inclusão social e conscientização sobre os
poderiam ter sido devastadas nos anos direitos do cidadão. Portanto, é tanto válido
recentes de mudança social intensa. quanto desejável usá-los como inspiração
Um último aspecto que vale a pena ou adaptá-los como base para a salvaguarda
apontar é que nós, como agentes das políticas do patrimônio imaterial em realidades
contextuais particulares em outras partes 5. Participação ativa da comunidade nos

Opor tunidades globais para o patr imônio imater ial: novos desafios para as vidas locais
do mundo. inventários e registros que preservam e

a c i o n a l
No Brasil, por exemplo, eles estão dão às gerações presentes e futuras acesso
sendo levados em consideração para
ao conhecimento acumulado.

n
desenvolvimento e implementação pelo

R t í s t i c o
Iphan. Fazemos referência a alguns projetos
experimentais de salvaguarda do patrimônio Um último aspecto do assunto ainda

a
imaterial, no contexto de programas locais de deve ser mencionado. Trata-se de saber se

e
i s t ó R i c o
preservação integrada, focados no patrimônio a comunidade local se organiza ou não, e
material e imaterial de grupos sociais como, para interagir com as agências externas
específicos e seus territórios.

H
de salvaguarda e desenvolvimento. Esse

a t R i m ô n i o
Com base no argumento aqui
problema, de natureza política, não se encerra
desenvolvido, para conseguir os efeitos
no plano institucional. O empoderamento
desejáveis gerados por tais políticas é

P
necessário observar algumas premissas básicas, das comunidades locais é absolutamente

d o
central para assegurar a viabilidade e a eficácia

e v i s t a
entre as quais eu apontaria as seguintes ao me
aproximar do fim desta apresentação: de programas sociais como aqueles enfocados

R
pela presente reunião. Muitas vezes, a

Antonio Augusto Arantes Neto


1. Conservação das condições materiais e efetividade das políticas planejadas por nossas
ambientais da produção do patrimônio, agências depende de importantes mudanças
considerando a possibilidade de expansão
políticas, seja no âmbito da organização social
da demanda do mercado;
e política de nossas comunidades-alvo e/ou
2. Controle, pelas agências locais, das nas visões de mundo e nos valores colocados
59
formas costumeiras de transmissão
em prática por especialistas e outros
do conhecimento e de formas de
profissionais envolvidos com o planejamento,
expressão, tendo em vista o enraizamento
avaliação e implementação de tais ações.
do patrimônio na cosmologia e na
organização social; Para nós, gestores de uma nova política
de patrimônio cultural, que tem como
3. Monitorarmento das mudanças
prioridade o significado dos bens culturais
provocadas direta ou indiretamente
pelos programas de salvaguarda na vida para as populações a que pertencem e que

cotidiana da comunidade, por exemplo, aproveita seu potencial de melhorar as


na organização familiar, na política local; condições de vida dessas mesmas populações,
trata-se de um desafio socialmente relevante
4. Salvaguarda dos direitos coletivos no
que diz respeito à propriedade intelectual e, além disso, profissionalmente muito
e aos direitos autorais do conhecimento e estimulante.
das formas de expressão tradicionais; Cabe a nós enfrentá-lo!
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

60
G e o rge Y ú d i c e Músicas plebeias
George Yúdice

a c i o n a l
m úsicas plebeias *

n
r t í s t i c o
a
e
i s t ó r i c o
H
a t r i M ô n i o
Imaginemos uma mulher quase extravagantes, bregas e vulgares? E não apenas
septuagenária que veste collant de bolinha nesses exemplos, mas também nas músicas
ou oncinha, com decote generoso, uma mais escutadas e dançadas na América Latina.

P
juba loura e garras com as quais provoca Este ensaio questiona a transformação

d o
e v i s t a
seu público no YouTube. Imaginemos agora das culturas populares em relação aos pro-
uma menina andina de 12 anos que canta cessos transnacionais e tecnológicos atuais

r
folclore aos berros e um camponês, também pela análise das músicas que caracterizo como
indígena, que veste um traje de vaqueiro plebeias1. Por “plebeias”, refiro-me a práticas
e grita “não pode ser!”. E, para desafiar a culturais das classes de baixa renda e/ou de
imaginação, digamos que estão cantando grupos racializados ou subordinados que não
uma homenagem a Israel. E o que diremos tenham se domesticado ao negociarem sua
quando nos contarem que eles têm mais entrada nas esferas midiáticas nacionais ou
de 40 milhões de acessos no YouTube, globais. E, por “domesticação”, refiro-me à 61
que se tornaram famosos, que assinaram modificação ou afinação que essas práticas
contratos fonográficos e apresentações ao sofreriam para serem aceitas ou patrimoniali-
redor do mundo? Agora, visualizemos uma zadas como “expressão do povo” e, portanto,
jovem encaixando o traseiro rebolante entre “cultura popular”, por públicos hegemônicos,
as pernas de um rapaz... em um colégio
distrital de Bogotá. Uma reportagem diz: *. Agradeço a Sylvie Durán Salvatierra pelas longas conversas
sobre os temas aqui tratados e as muitas sugestões. Este é quase
“Na Colômbia, crianças a partir de 8 anos um trabalho escrito a quatro mãos e, definitivamente, por
duas almas comunicantes. Também gostaria de agradecer pelos
ou menos frequentam fiestas de choque, o comentários de Ana María Ochoa e Pablo Vila e pelas respostas
de Santiago Alfaro às minhas perguntas sobre os temas deste
que acontece especialmente nos setores ensaio.
1. “A articulação problemática das práticas socioculturais,
mais pobres das cidades, pois se trata de um políticas e artísticas das chamadas culturas populares na América
Latina, frente aos processos globais de homogeneização,
baile caracterizado não só por seu conteúdo massificação, transnacionalização e tecnocracia do capitalismo
sexual, mas também pelo status social que global” é o tema do “Colóquio Interdisciplinar: Memórias,
saberes e redes das culturas populares na América Latina em
implica” (Páez, 2011). O que explica a tempos de capitalismo global”, em que se apresentou uma versão
Festa do Guerreiro
preliminar deste ensaio na Pontificia Universidad Javeriana, Acervo: Copedoc/Iphan/
proliferação, hoje em dia, dessas performances Bogotá, em 14 a 16 de maio de 2013. Marcel Gautherot.
ou para serem dignas de apoio financeiro da – foram valorizadas na primeira metade do
Músicas plebeias

publicidade que financia o sistema midiático . 2


século XX à medida que ocorriam processos
a c i o n a l

Como se verá, o que está em jogo são os jul- de consolidação nacional na América Latina.
gamentos de valor, provenientes de diversas O tango na Argentina, o samba no Brasil,
o son em Cuba e a ranchera no México, que
G e o rge Y ú d i c e
n

posições estético-ideológicas; a elite ilustrada


R t í s t i c o

ou as vanguardas artísticas que reivindicam eram expressões que pouco antes haviam sido
a “qualidade” ou a “ruptura” estéticas; fol- consideradas pelas elites como toscas, quando
a

cloristas e gestores que adotam critérios do não incultas, exerceram um papel importante
e

tipo Unesco e apadrinham práticas culturais nessa consolidação. Em Cuba, podemos ver
i s t ó R i c o

(festas, rituais e tradições orais, musicais e de essa transformação entre demonização e valo-
dança) de comunidades rurais, étnicas e su- rização na pessoa de Fernando Ortiz. No iní-
H

cio do século XX, o futuro defensor das práti-


a t R i m ô n i o

balternas urbanas como patrimônio local ou


nacional; críticos que encontram um valor de cas culturais afro-cubanas argumentava que o
resistência ou subversão nas práticas culturais; contato dos brancos com os rituais religiosos,
P

e comentaristas que celebram ou reprovam as musicais e de dança afro-cubanos os faria


d o

preferências de massa das indústrias culturais. “se tornarem negros”, ou seja, regredir civi-
e v i s t a

Pois bem, as músicas plebeias a que me refiro lizatoriamente (Ortiz, 1973:174). Algumas
décadas depois, Ortiz escandalizou as elites ao
R

não são valorizadas por nenhuma dessas cate-


gorias e, mais ainda, são insultadas por todas pedir a músicos afro-cubanos que tocassem
elas. E, quando há tentativas de patrimonia- os tambores rituais batá pela primeira vez
lização, como no caso da champeta de Car- em público no Teatro Campoamor, em 1936
tagena de Índias, estas provêm de “cidadãos (Ortiz García, s.f.:700). Nesses mesmos anos,
de bem”, ainda que as versões “bregas” ou a indústria fonográfica e de espetáculos popu-
“vulgares” dessas expressões continuem sendo lares já vinha matizando – Moore (1997:126)
62 diria embranquecendo – o componente mais
as mais populares entre as dezenas de milhares
africano da música afro-cubana ao convertê-
de pessoas que frequentam esses bailes3.
-la em vitrine da nacionalidade cubana com
relação aos processos político-culturais con-
1. as c U lt U r a s p o p U l a r e s
junturais (por exemplo, um anti-imperialismo
n a p r i m e i r a m e ta d e d o
apoiado na especificidade cultural do “verda-
sécUlo xx
deiro povo”) e perante o olhar das vanguardas
culturais europeias que cultivavam o gosto
Consideremos primeiramente como certas
por um primitivismo modernista (ou seja,
expressões populares – com ênfase na música
jazz, son, samba)4.
2. Como se verá ao longo deste ensaio, nem toda expressão que
provém das classes de baixa renda – sejam rurais ou, menos ainda, 4. Considerando que Moore se interessa pelo contexto nacional
urbanas – é considerada “popular” no sentido de ser expressão do e pelo som como “ponte cultural”, presta menos atenção às
povo e, portanto, patrimônio nacional. expressões menos “vitrinizáveis” nessa época (como a columbia)
3. Embora eu não continue colocando essas palavras entre aspas, ou às expressões afro-cubanas “de raiz” influenciadas pela
faço isso neste início do ensaio para indicar de que se trata da indústria da música (rádio e fonografia), que deslancha nos
caracterização que se faz dessas músicas a partir das categorias anos 1920, o que não quer dizer que não as mencione (Moore,
mencionadas. 1997:91-92).
Cada uma das “elevações”, a símbolo de cultura popular, “corrigida” em um campo de

Músicas plebeias
identidade nacional, ocorre em conjunturas forças hegemonizante, possibilitou enfrentar

a c i o n a l
bastante específicas, embora existam o eurocentrismo com uma singularidade
características comuns, como a confluência valorizada.

G e o rge Y ú d i c e
de diversas migrações para as cidades, os A ênfase na nacionalização das culturas

n
R t í s t i c o
processos de urbanização e educação popular populares, entre os anos 1920 e 1940, dá
e o auge do rádio e do cinema, que também menos destaque às expressões “rebeldes” que

a
cumprem uma função formativa. Isso continuavam nos pagodes (festas) das favelas

e
resulta em um duplo polimento: as práticas e nas rumbas dos terreiros. Por “rebeldes”,

i s t ó R i c o
populares são profissionalizadas, polindo-se não me refiro a expressões em influências
as “bordas desiguais”, um processo que, por de outras formações culturais, mas àquelas

H
sua vez, serve para modernizar, conformar e que não se encaixam na estrutura ideológica

a t R i m ô n i o
até disciplinar as massas. Por exemplo, sob estudada pelas culturas populares. Até os anos
o regime de Getúlio Vargas nos anos 1930, 1920, predominava a rejeição ao indígena,

P
as classes populares e os afrodescendentes ao afro-americano e ao mestiço. Depois,

d o
foram incorporados às escolas de samba surgiram a visão transcultural de figuras

e v i s t a
do Carnaval, estendendo-se assim seu como Gilberto Freyre ou Ortiz ou a visão

R
reconhecimento social e cultural e ampliando- afrocêntrica dos movimentos de negritude.
se os direitos dos subalternos, mas, ao mesmo No entanto, sabe-se menos da vida cotidiana
tempo, exigindo-se que registrassem essas das comunidades populares no século XIX
escolas (inclusive na polícia), obedecessem a e no início do século XX. E sabe-se menos
uma nova bateria de regulações, orientassem ainda das apropriações de outras formas
suas apresentações aos gostos das elites e se culturais dentro de suas práticas “de raiz” para
convertessem em combustível para a máquina seus próprios desígnios, e não para o interesse
63
política clientelista (Raphael, 1980:cap. 3). que os intelectuais possam ter tido na nação.
Em Cuba, nesse mesmo período, e segundo Em “Del rancho al Internet” (Da fazenda
Moore (1997:126), “promoveu-se uma à Internet), Carlos Monsiváis assinala que o
música afro-cubana “embranquecida”... que popular, tal como se entendia na primeira
reforçaria a imagem de uma nação aceita por metade do século XX na América Latina,
muitos, doméstica e internacionalmente,... é resultado da migração das experiências e
assegurando que a cultura cubana mantivesse tradições rurais para a cidade, um fenômeno
sua vitalidade e não sucumbisse a influências impulsionado pela transformação capitalista
norte-americanas”, ou seja, ao imperialismo. e pelas guerras (por exemplo, a Revolução
Nessa época, a cultura popular era moderada Mexicana) e que é captado no cinema, na
pelo Estado, e a indústria cultural servia música gravada e no rádio, três mídias que
não apenas como fundamento para uma costuram, por assim dizer, os diversos grupos
consolidação nacional interna, mas também em uma identidade nacional. Monsiváis
como uma plataforma de resistência contra nos ensinou que os gêneros populares –
a penetração externa e neocolonialista. A quadrinhos, rádio e cinema – proporcionam
modelos de conduta e constituem a escola (Aí está o detalhe), em que rompe-se toda
Músicas plebeias

de comportamentos em que se determina a lógica, moral, honra e pretensão social, a


a c i o n a l

o que é interessante e aceitável. As mídias partir da irreverência e da ousadia da fala


de massa transformam os paradigmas de popular, e aponta-se o pobre – tanto de
G e o rge Y ú d i c e

comportamento. “Entre 1930 e 1950, sendo origem camponesa quanto migrante do norte
n
R t í s t i c o

uma companhia inevitável e o centro acústico – e sua fala. Monsiváis (2002) esclarece que
do local, o rádio recompõe as dimensões não se trata de um virtuosismo logístico,
a

familiares e destrói as impressões tradicionais mas de uma fala limitada e incoerente


e

do isolamento” (1999:6). Com relação aos que se manifesta e, talvez, compensa com
i s t ó R i c o

quadrinhos, ele descreve que estes demandam “risadinhas, meneios de cabeça, movimentos
a identificação com tramas, personagens, de dança... lutas ou duelos de luta livre com
H

atmosferas... Identificar-se consiste em a sintaxe e o desenrolar audacioso da falta


a t R i m ô n i o

reafirmar valores, e não se distanciar, de vocabulário”. Porém, longe de ser uma


mitigar a angústia do deslocamento e da deficiência, essa fala meio gesticulada acaba
P

marginalização (1983:72-73). E Monsiváis sendo “graciosa, divertida, significativa”


d o

caracteriza o melodrama – o gênero mais e, mesmo assim, é “condenada... pela


e v i s t a

importante do cinema mexicano – como elite, e é persuasiva, devido a seu poder de


R

“atmosfera formativa... [que] provê às famílias contaminação”. Poderia ser adaptada a noção
o linguajar utilizável na hora da solenidade de ilusão entre fala e gestos que Martín-
e das tormentas emocionais, ratifica as Barbero atribui (1987:127-128) ao parentesco
proibições da moral em uso, condiciona a do cinema com o melodrama: “a proibição da
psicologia conveniente na crise da alma e palavra nas representações populares – com a
nas representações da honra, ensina sobre as necessidade correspondente de um excesso de
reações convenientes aos dilemas entre o bem gestos – e a expressividade dos sentimentos
64
e o mal, oferece as fórmulas verbais adequadas em uma cultura que não teria podido ser
no processo amoroso e na convivência “educada” pelo patrão burguês”. Esse excesso
familiar, além dos blocos de expressões a é a outra face do melodrama, que aponta
serem empregados em casos de paixões, um “universo dessacralizado” (idem:131).
tragédias, métodos de reparação, incertezas Lembrando que Cantinflas começou sua
que resultam em canalhice ou sacrifício, carreira nas lonas circenses, pode-se ecoar
obediência aos pais ou enfrentamentos Martín-Barbero, para quem o “bobo”, por
dramáticos com estes, preocupações com a um lado, relaxa a tensão do melodrama
honra e heroísmos da pobreza” (2005:27). “depois de um forte momento de tensão”
Logicamente, nesse mesmo cinema e, por outro lado, “remete... ao plebeu, ao
mexicano, Monsiváis nos diz que anti-herói incapaz e até grotesco, com sua
comediantes, como Cantinflas e Tin Tan, linguagem deselegante e grosseira, escapando
mudam para um melodrama que confirma da correção e da retórica dos protagonistas,
padrões morais por meio do transbordamento introduzindo a ironia de sua aparente
da fala popular, como em Ahí está el detalle incapacidade física, atuando como um
equilibrista, com sua fala repleta de ditados e que acreditava-se que este acarretava o risco

Músicas plebeias
jogos de palavras” (idem:130). É justamente de estimular desejos contra-hegemônicos,

a c i o n a l
esse aspecto plebeu que procuro destacar. sobretudo em mulheres e crianças, mas, ao
Adiante, veremos como o plebeu exerce um mesmo tempo, engajava-os em um novo

G e o rge Y ú d i c e
papel importante na nova conjuntura da regime de coordenação social (Ewen, 1976).

n
R t í s t i c o
internet, global e do capitalismo afetivo em Atualmente, o consumismo cada vez mais
que se reconfigura a mediação equilibrada em personalizado e de conteúdo simbólico e de

a
que o melodrama operava entre o “folclore informação, em vez de mercadorias físicas,

e
das feiras e o espetáculo popular-urbano” do constitui um dispositivo central na sociedade

i s t ó R i c o
passado (idem:131). de controle, já que são gerados dados com
cada consumo, que servem não apenas para

H
2. plUralização de adequar a oferta ao que os consumidores

a t R i m ô n i o
imaginários desejam, mas também para obter todo
tipo de informação sobre estes. A “polícia”

P
Nessa nova conjuntura, a identidade foucaultiana se transformou: na sociedade

d o
coletiva ou a comunidade imaginada que se de controle, estimula-se o cidadão a querer o

e v i s t a
procurava com a nacionalização de certas que lhe der a vontade perfeita, conseguindo,

R
músicas e culturas populares são cada vez assim, rastrear molecularmente toda
menos persuasivas, pois nem a ranchera, nem atividade, penetrando em cada segundo da
o tango, nem o son definem a mexicanidade, vida, sobretudo se a pessoa estiver conectada
a argentinidade ou a cubanidade, se é que ao celular. Pareceria ser contraintuitivo, mas
alguma vez o fizeram para todos os residentes a redução da disciplina é fundamental para
desses países. E o que entendemos por a coordenação social. Longe de induzirmos
música popular – especialmente o que chamo uma volta ao moralismo disciplinador,
65
de músicas plebeias – não “referenda as esta reflexão deveria levar à inovação de
proibições da moral em uso”. E isso ocorre perspectivas pós-moralistas, como já vêm
por muitas razões. E uma das principais é que postulando pensadores, tais como Jesús
se vem passando da sociedade disciplinar para Martín-Barbero e Néstor García Canclini.
a sociedade de controle. Elaborarei mais essa No que tange ao audiovisual, embora
observação na conclusão, mas cabe antecipar cadeias televisivas que geravam um imaginário
a seguinte proposta: a redução da disciplina comum para todos os espectadores tenham
é funcional para o novo controle social. A dominado por várias décadas, a televisão se
sociedade disciplinar pretendia “formatar” pluralizou na segunda metade do século XX
o espírito por meio de técnicas corporais, com os serviços pagos de difusão por cabo
condicionando os sujeitos-cidadãos para o e satélite. Neste novo milênio, a internet dá
trabalho e a coesão social. Essa disciplina acesso a todo tipo de programação a um
é tão mais importante ao passo que o número crescente de cidadãos conectados,
consumismo evolui (a partir do início do com uma penetração de 45% ou mais em 10
século XX nos países industrializados), já dos 20 países latino-americanos e uma taxa
de crescimento de mais que o dobro da média magros, compactos e ágeis da publicidade
Músicas plebeias

mundial (ComScore, 2013). A telefonia para as classes A e B. Não é que as classes


a c i o n a l

móvel, que conta atualmente, na América populares fiquem fora da publicidade e


Latina, com uma penetração de 123% e que do consumo; pelo contrário, já que sua
G e o rge Y ú d i c e

tem mais de 70% de usuários únicos, promete capacidade aquisitiva aumentou nas últimas
n
R t í s t i c o

aumentar ainda mais a taxa de navegação duas décadas, e as marcas e os meios de


online, já que os internautas se conectam cada comunicação vêm abrindo espaço para
a

vez mais por meio do celular (Statista, 2014 representações do popular, muitas vezes em
e

e 2014a). O crescimento do uso da internet sentido contrário ao que impera nas mídias,
i s t ó R i c o

é significativo porque personaliza mais o incorporando o “povo feio” (Fontanella,


consumo midiático: os blogs, as redes sociais 2005:33) com “formas até então renegadas
H

(Facebook, YouTube etc.) e uma multidão de pelas elites que dominavam a produção
a t R i m ô n i o

programas para fazer e editar vídeos e músicas das indústrias culturais”, retrabalhadas
possibilitam que se consuma cada vez mais na linguagem persuasiva das indústrias
P

conteúdos gerados e/ou compartilhados e culturais, mas também “uma adaptação


d o

interagidos pelos usuários, algo que se fazia dessa linguagem para que esse público possa
e v i s t a

de modo limitado na época das mídias de entendê-la e aceitá-la dentro de seu próprio
R

massa. Embora o rádio continue tendo repertório” (idem:90). Voltarei à disputa de


importância, pois é escutado ao longo do dia, corpos na cultura popular/plebeia.
a internet facilita a aproximação das gerações As músicas circulam transnacionalmente
jovens ao princípio de consumo fundamental e, antes da internet, faziam isso muito
atualmente: “eu quero o que quero, onde e frequentemente com pessoas que se
quando me der a vontade perfeita”. Com um deslocavam de um lugar para outro – como
serviço de streaming, já não é necessário baixar os DJ do funk carioca, que visitavam Nova
66
uma música da internet para escutá-la onde e York apenas para comprar LPs (Vianna, 1988;
quando quiser. Yúdice, 2002) –, gerando etnopaisagens
No entanto, o aspecto das músicas híbridas a partir de representações
plebeias que mais dá prazer é o baile, que transculturais, que mal se caracterizariam
não se pode ter onde e quando se quer e como homogeneizadas. A relação entre
que se expõe mais ao controle espacial. Os etnopaisagens e paisagens midiáticas é
bailes plebeus são realizados em espaços complexa (Appadurai, 2001). As migrações
periféricos, fora da visão das classes ricas, transformam as paisagens culturais. Os
cuja fuga do “brega” e do “vulgar” se migrantes buscam se apropriar das mídias,
resume adicionalmente ao cultivo de corpos como as comunidades étnicas que migram
diferentes, refinados por uma bateria de para Lima e, em horas fora da programação
produtos de beleza e técnicas de estilização de máxima audiência, incorporam músicas
(dieta, exercício e cirurgia plástica). O tipo de suas regiões de origem, informações sobre
de corpo que se vê nas músicas plebeias é festas, acontecimentos em seus povoados etc.
fundamental por seu contraste com os corpos (Martín-Barbero, 2002; Alfaro, 2009). E até
o rádio, que era uma mídia propícia para Os fatores que conduzem a essas diferenças

Músicas plebeias
incorporar o rural ao urbano, mudou. Como são múltiplos e complexos. Nessa conjuntura,

a c i o n a l
escreve Rosalía Winocur (2005:2), contrariamente à primeira metade do século
XX, os tratados de livre-comércio geram mais
desde o seu início, o rádio, em seu afã de

G e o rge Y ú d i c e
n
processos de abertura do que de isolamento

R t í s t i c o
conquistar o gosto do público, produziu narrativas
em economias protegidas, e essa abertura
sobre a presença rural na cidade, ao mesmo tempo
é acompanhada por ideologias e práticas
que aproximava a sensibilidade urbana à cultura

a
camponesa. O imaginário, que, no início, permitia culturais que transcendem as fronteiras

e
nacionais: consumismo e migrações. O

i s t ó R i c o
que os migrantes (futuros habitantes pobres
dos bairros periféricos, operários, empregados e consumismo já não é massivo, mas se sustenta
vendedores ambulantes) e as famílias tradicionais em uma proliferação de identidades. O

H
pensassem e concebessem uns aos outros a partir

a t R i m ô n i o
negócio de cauda longa – a venda de poucos
do fato de viverem e progredirem na cidade, bens para cada um dos muitos conjuntos
está agora fragmentado. Viver na cidade já não
de consumidores em vez de uma venda
constitui uma aspiração de superação pessoal ou um

P
massiva (e, portanto, homogênea) a um único

d o
horizonte de progresso, mas um cenário de conflitos
agrupamento de massa de consumidores – é

e v i s t a
multiculturais, que se expressam na disputa por
espaço, serviços e acesso aos canais midiáticos. concomitante com a constituição de múltiplas

R
comunidades de consumidores contrariamente
Ou seja, as mídias já não entregam uma a uma massa de cidadãos. Ou seja, esse tipo
audiência de massa nacional, mas apontam de consumismo promove a diversificação.
para diversos públicos. Adicionalmente, o direito já não é por
Em Del rancho a internet, um ensaio reconhecimento de grupos como parte de uma
resumido na tabela a seguir, Monsiváis comunidade nacional homogênea, mas sim por
(1999) elabora as diferenças entre a época uma cidadania cultural baseada na diferença.
67
das grandes comunidades imaginadas e o Por outro lado, as migrações de constante ida
fracionamento de hoje: e volta e as remessas culturais multidirecionais
fazem com que estilos e gêneros transitem

Carlos Monsiváis – Del rancho a internet


ANTES DEPOIS

Homogeneidade do gosto Construção setorial dos modos de vida


A família como segundo espaço eclesiástico Migrações culturais
Intimidação ante as metrópoles Uso monopolístico do tempo infantil
Homenagem contínua aos heróis nacionais Elevação dos famosos ao nível de santos (idolatria frenética)
Analfabetismo Multimidialismo
Estilos múltiplos e perda do medo do que dirão ou ao fazer
Sensibilidade popular ao rádio e ao cinema
algo ridículo
Cultura oral Promoção desenfreada da indústria do espetáculo
Medo da tecnologia Geografias do consumismo
Maneiras únicas de entender o feminino e o masculino Reconhecimento das minorias
Fonte: elaboração a partir de Gallardo Luque (2003) e, por sua vez, a partir de Monsiváis (1997).
rapidamente de um lugar para outro, o que se seu ensaio: o Big Brother estreou em 1999. Há
Músicas plebeias

verifica com a transculturalização de gêneros, todo tipo de oferta cultural, inclusive muita
a c i o n a l

tais como hip hop, reggaeton e cumbia e sua oferta trazida pelos que antes se chamavam
ampla hibridização. público, não só nos reality shows, mas também
G e o rge Y ú d i c e
n

na internet, onde surgem artistas plebeus de


R t í s t i c o

3. as músicas plebeias destaque, tais como La Tigresa del Oriente e


“ingênUas” e kitscH Wendy Sulca, que definitivamente não têm
a

medo de passar ridículo, e essa falta de medo


e

Observaremos que as músicas plebeias lhes têm rendido não só zombaria – de forma
i s t ó R i c o

disputam o espaço público e sonoro, abundante –, mas também colaborações com


mas não necessariamente com relação ao artistas, tais como Dante Spinetta, Fito Páez,
H

reconhecimento do Estado, embora existam


a t R i m ô n i o

Dani Umpi e Gabi Kerpel, e a admiração do


zonas de intermediação, sobretudo com as trio musical Calle 13. Os vídeos no YouTube
mídias, pois a cultura plebeia não serve aos pelos quais se tornaram conhecidas – “Nuevo
P

purismos ideológicos da filosofia política ou amanecer” (O novo amanhecer) e “La


d o

a certo conservadorismo etnomusicológico tetita” (A tetinha) – alcançaram 9.831.286 e


e v i s t a

no que se refere a mercado e comercialização, 12.131.983 reproduções até julho de 2014,


R

como se a qualidade artística ou o resistente respectivamente5.


punk DIY (faça-você-mesmo) fossem mais La Tigresa e Wendy Sulca são dois
válidos que as músicas plebeias. Estas não exemplos de muitos outros cantores
têm papas na língua (ou melhor, na bateria plebeus que buscam reconhecimento. Eles
eletrônica) com relação à opinião dos representam o lado “ingênuo” das músicas
“purificadores” (Ochoa Gautier, 2006) – plebeias. Mais adiante, me estenderei sobre
filósofos, acadêmicos, críticos etc. –, que o lado “vulgar” do plebeu, que parece
68
decretam e patrulham, legitimados por sua ser o predominante, ou que pelo menos
educação e sua posição social. Monsiváis recebe mais atenção. Porém quero começar
(1999:15) faz uma pontuação que se comentando as músicas plebeias a partir
enquadra bem aqui. Ele diz que os “latino- do que, a princípio, pareceria ser um kitsch
americanos da primeira metade do século ingênuo, embora o aspecto carnavalesco
XX, que ainda retinham o pudor ou as que surge à medida que são zombadas
inibições qualificadas como recatadas, ainda combine essa ingenuidade e uma aparência
conservavam o terror não tanto pelo pecado, desafiadora, sobretudo no caso da Tigresa,
mas por suas consequências teológicas,
cuja voz está muito longe de ser “artística”,
e ainda mantinham algo igualmente
em qualquer acepção dessa palavra, e que,
transcendente, mesmo que não se reconheça:
o medo do ridículo, que dissolve o prestígio 5. Na verdade, teriam havido muito mais acessos, mas teríamos
às gargalhadas”. Monsiváis se refere aqui aos de somar a concorrência com as várias versões dessas músicas que
se encontram no YouTube. Ver: “Nuevo amanecer”, disponível
talk shows, que se transmutam em reality em https://www.youtube.com/watch?v=f5UcgTuvCmU,
e “La tetita”, disponível em http://www.youtube.com/
shows, justamente no ano em que publicou watch?v=693m7iCh-TE.
Músicas plebeias
a c i o n a l

G e o rge Y ú d i c e
n
R t í s t i c o
a
e
i s t ó R i c o
H
a t R i m ô n i o
P
d o
e v i s t a
Viola de Cocho
Acervo: Iphan/
Francisco da Costa.

R
com sua extravagância e “roupa de oncinha” Bayly responde: “é uma grande sabedoria!”6
(como diz Jaime Bayly em uma entrevista), O arremate acontece quando Bayly fala para
se assemelha a uma comediante em um show a Tigresa que gosta da estética do vídeo,
de variedades. Ou seja, a apresentação que fazendo referência à incongruência do
a Tigresa faz é complexa. Sua vontade de surgimento abrupto de um bailarino vestido
69
se apresentar como artista – considerando como halterofilista e de um cavalo ao lado
sua voz e sua indumentária – provoca de uma jovem seminua que faz algum tipo
zombaria. A primeira entrevista que ela fez de dança do ventre ou rebolado exagerado.
com Bayly fornece algumas pistas de como Diante disso, Bayly exclama “ótimo, muito
lidar com o plebeu nas mídias. Para mim, interessante, mudei de opinião, um aplauso,

como espectador, fica evidente a fascinação por favor, para a Tigresa”7.

de Bayly pela Tigresa e uma ironia contida Nessa entrevista, a Tigresa parecia en-
carnar o que Celeste Olalquiaga caracteriza
em relação à sua trajetória artística: ela
como o primeiro grau do kitsch, enquanto
explica que o sucesso de sua música “Nuevo
Bayly é o segundo grau. Os que produzem o
amanecer” se deve “à letra, que tem muita
mensagem muito bonita”, e ele responde
6. Ver a primeira parte (de quatro) da entrevista com Jaime Bayly,
que “não há dúvida” e pergunta, com leve de 7’25” a 7’51”. Disponível em https://www.youtube.com/
watch?v=xBKT0nT5zJ0.
ironia: “e qual é a mensagem oculta cifrada 7. Ver a segunda parte da entrevista com Jaime Bayly, de
6’00” a 6’33”. Disponível em https://www.youtube.com/
na música?” Ela cita uma parte da letra e watch?v=xBKT0nT5zJ0.
kitsch de primeiro grau têm fascinação com o dessa iconicidade produz um prazer que deriva
Músicas plebeias

poder (religioso, estético, social) de um objeto do reconhecimento do disparate que surge


a c i o n a l

ou fenômeno que gera uma forte emoção no quando o estilo prevalece sobre o significado
artista. Na verdade, o que se procura é alcan- que se procura (artisticidade, religiosidade,
çar esse poder por meio do estilo do objeto ou bom gosto etc.). Susan Sontag identificou esse
G e o rge Y ú d i c e
n
R t í s t i c o

performance. Porém, a partir de uma perspec- segundo grau como “camp”, uma sensibilidade
tiva de cultura, o artista comum não possui as que aprecia a estilização por cima do conteúdo,
a

ferramentas culturais para reproduzir o estilo um prazer pelo diferente, por coisas que não
e

associado com o valor religioso, estético ou são exatamente o que pretendem ser. Sontag
i s t ó R i c o

social aprovado. Nas definições tradicionais descreveu pela primeira vez a estética particu-
do kitsch, insiste-se de maneira tosca e incon- lar gay, segundo a qual se tem prazer com as
H

gruente para se aproximar do estilo “apropria- características exageradas da feminilidade: vem


a t R i m ô n i o

do”. Essa parece ser a relação que a Tigresa daí o gosto pelos “filmes de mulher” dos anos
mantém com o papel de artista-músico, que, 1940, protagonizados por atrizes como Greta
P

na entrevista, é caracterizado em termos da Garbo, Marlene Dietrich, Bette Davis, Tallulah


d o

popularidade do vídeo que, como diz Bayly, Bankhead etc. O camp implica uma falsidade:
e v i s t a

obteve mais acessos no YouTube do que os de ele precisa da inocência do kitsch do primeiro
Madonna ou Shakira. E o espectador “bem grau, que, a partir de uma posição “superior”
R

informado” da entrevista quase consegue ler (de segundo grau), se vê subvertida pela ex-
o pensamento de Bayly: a Tigresa obtém esses travagância da qual não se está consciente no
acessos apesar de ser uma versão “inferior” primeiro grau. Trata-se de um sentimento,
dessas superestrelas globais8. um prazer, mas não um julgamento (Sontag,
No kitsch de segundo grau, se está cons- 1964). Essa parece ser a reação de Bayly ante a
ciente da separação entre o contato desejado Tigresa, embora sua ironia condescendente se
70 com o poder e a representação rebaixada com deixe ver aos poucos9. Uma reação que poderia
que procura estabelecer esse contato. O que ser resumida com a frase de Oscar Wilde, cita-
prevalece é o valor de ícone do objeto ou da por Sontag: “A gente deveria ser uma obra
fenômeno e a peculiaridade da aproximação de arte ou vestir uma obra de arte” (idem:277).
empobrecida ou quimérica ao poder. Para o Ou seja, a Tigresa vê a si mesma como artista,
artista de segundo grau do kitsch, a constatação e Bayly a enxerga como trajando-se comica-
mente mal como tal, mas aprecia a estilização
do defeito. Curiosamente, o camp parece pas-
8. Logicamente, poderia se falar de algumas das superestrelas
que tiveram certo glamour ou aparência contracultural (tais sar por um processo semelhante ao “puro”, tal
como Cher ou Cindy Lauper) que, à medida que tentam manter
esse encanto na velhice, a única coisa que parece se manter é a como define Kant (2003:62): a razão estimula
caricatura kitschificada do que foram. Idade e gênero, além do a imaginação a conceber uma ideia impossível
talento, exercem um papel no julgamento do que é “apropriado”:
o extravagante parece ser aceito mais em mulheres jovens (por de representar (como o infinito) e a dor do
exemplo, Madonna, nos anos 1980, e Lady Gaga, atualmente)
e em homens velhos (por exemplo, Mick Jagger, Steven Tyler).
Compare Cher em um show em 2012, disponível em https://
www.youtube.com/watch?v=O8aH7iLegP0, e Cindy Lauper em 9. De fato, em uma segunda entrevista em 2009, Bayly zomba
um show em Montreal em 2014, disponível em https://www. abertamente da Tigresa. Disponível em https://www.youtube.
youtube.com/watch?v=_mFfBe02dUE. com/watch?v=oheigH1Nasw.
fracasso é compensada por um deleite ante a segundo grau), mas por seu reconhecimento,

Músicas plebeias
intuição do suprassensível. Talvez se poderia valorização e manuseio e prazer nos códigos

a c i o n a l
dizer que o camp ou kitsch de segundo grau é estético-sociais. Em meados dos anos 1980,
um “puro plebeizado” – que, para Kant, teria Gerardo Mosquera escreveu sobre uma arte
sido impossível, já que o “puro” não admite que questiona as transformações de referência

G e o rge Y ú d i c e
n
R t í s t i c o
rebaixamento ou desproporção de nenhum pelas quais transitam os objetos ou signos. Para
tipo)10. Mosquera (1986:58), essa arte pós-moderna
não procura resgatar formas de outro sistema

a
Contudo, também existe um kitsch de

e
terceiro grau. Nesse tipo, recicla-se o kitsch de de significação (estilo histórico ou popular):

i s t ó R i c o
primeiro grau em um contexto artístico apro- quem se apropria de formas kitschificadas não
vado. Olalquiaga se refere às obras de artistas pode deskitchificá-las ou devolvê-las ao status

H
feministas chicanas, que incorporam os altares que perderam. Porém, como assinala Rubén

a t R i m ô n i o
tradicionais de suas avós em seus quadros ou Torres Llorca, um dos artistas dessa geração de
instalações, que são exibidos em galerias e recicladores do kitsch, há recursos de seus siste-
museus. Assim, valoriza-se o simples11, o que mas estéticos que podem ser trabalhados criti-

P
d o
se acredita a partir de estéticas domésticas, camente (Knafo y Fusco, 1986:47). Voltando

e v i s t a
que já não são apreciadas por sua ridiculari- aos altares chicanos, tudo depende da estrutura
dade ou excesso (como no caso do kitsch de interpretativa com que se enxerga o kitsch ou o

R
ridículo, para fazer alusão ao termo usado para
10. De fato, Kant exclui um meio de acesso ao “puro”, pois o referir-se à afetação mexicana: sua representa-
prazer estético, ainda que se dê necessariamente “na relação com
o corpo”, não obstante “se fundamenta em algum princípio
ção de uma comunidade, uma sensibilidade
anterior”, que é a liberdade. No entanto, essa liberdade é o que compartilhada, um rebaixamento paródico
pode levar a uma representação estética no limite do excesso,
caracterizada como grotesca: “Dessa maneira, o gosto inglês das referências culturais de um ou outros, uma
pelos jardins e o gosto extraordinário pelos móveis impulsionam
a liberdade da imaginação ao limite do grotesco – com a ideia consagração patrimonial, uma crítica da cul-
sendo que, nessa ausência de qualquer restrição de regras, produz- tura dominante etc. Parece que, no momento
se a instância precisa em que o gosto pode exibir sua perfeição 71
ao máximo nos projetos da imaginação”. Porém Kant mantém a de abordar e se referir ao kitsch, não podemos
linha divisória entre o que pertence propriamente à obra e o que
excede como “ornamento” ou qualquer outro material “externo” deixá-lo em paz12.
ou “estranho”, o que resulta no que Derrida chama de “lógica de
parergonalidade”, que se refere ao excesso com relação ao qual se
constitui o interior do sistema. Entre esses elementos “estranhos”,
o mais mencionado por Kant é o encanto (2003:33), que se
associa ao “grosseiro” (238), ao “impuro” (74), ao “grotesco” (54), 12. Proveniente da academia e do mundo das grandes fundações,
ao “repugnante” (226), ao “monstruoso” e ao “extraordinário” que valorizam as práticas genuínas como fontes de saber e
(61), à “superstição” (69), aos “ídolos” (237), ao “delírio”, ao sensibilidade. Tomás Ybarra-Frausto resgata o “ridículo” e a
“fanatismo” e à “mania” (76), aos “índios caribe” e aos “índios diferença entre o que não é kitsch e o camp, argumentando que
iroqueses” (91), e aos “cumprimentos cansativos e estudados as artistas chicanas o assumem como plataforma para colocar
dos chineses” (237). Portanto, no início da estética moderna, em dúvida as sensibilidades endossadas no mundo da cultura
encontramos a rejeição a tudo que possa ser associado ao plebeu. hegemônica (ver entrevista com Ybarra-Frausto em Yúdice,
11. Não é fácil encontrar um termo que não seja ideologicamente Franco y Flores). Poderia dizer-se que o olhar de Ybarra-Frausto
comprometido para se referir ao que o pessoal sem muita faz parte de um zeitgeist em que se reivindicam culturas genuínas
escolaridade ou conhecimento formal produz, pois “tradicional” subalternas como patrimônio. García critica essa posição
é mais ou menos sinônimo de “popular”, um termo já apropriado porque, segundo ele, reflete mais uma perspectiva acadêmica
para se referir ao folclore ou a outra produção reconhecida pelos e de classe média do que a dos chicanos da classe operária que,
especialistas por seu valor, algo que se determina a partir de uma segundo García, rejeitam ver a si mesmos como pobres, bregas
estrutura ideológica particular. Outros possíveis termos seriam: e carentes de bom gosto. Em todo caso, o que García valoriza
“simples”, “ingênuo”, “humilde” ou “franco”, com cada um tendo é o poder crítico de uma sensibilidade limítrofe, que coloca em
seus inconvenientes. É por isso que se opta por usar “tradicional” dúvida tanto a sensibilidade camp gay eurocêntrica quanto o
em alguns casos, mas sem atribuir-lhe um sentido oficial ou heterossexismo predominante na comunidade chicana. Nenhum
institucionalizado. Certamente, “plebeu” é o termo que uso para dos dois valoriza o kitsch ou o ridículo pelo prazer que isso pode
me referir ao que ilude uma aprovação. produzir ou remete ao valor de uma comunidade ou da crítica.
Existem várias maneiras de trabalhar os das composições dos três cantores: a
Músicas plebeias

processos que geram o kitsch, para além do exclamação “não pode ser!”, diante dos
a c i o n a l

que se entende por pós-moderno. É difícil acontecimentos transcendentais, com a


classificar o vídeo “En tus tierras bailaré” qual Quishpe inicia todos os seus vídeos; as
G e o rge Y ú d i c e

referências e as paisagens andinas dele e de


n

(Dançarei em suas terras)13, protagonizado


R t í s t i c o

por La Tigresa del Oriente, Wendy Sulca Wendy e as incongruências dos vídeos da
e Delfín Quishpe. Este último, um cantor Tigresa, já apontadas por Bayly. Além do
a

tradicional equatoriano, se tornou famoso, tema da composição, o que mais surpreende


e

muitos comentaristas é como esses três


i s t ó R i c o

assim como as outras duas, com vídeos virais


na internet, que comentam acontecimentos chegaram a criar um vídeo em homenagem
de relevância mundial. Por exemplo, há a Israel a partir da cultura andina plebeia.
H

Há muitas referências na internet – a


a t R i m ô n i o

um vídeo em que lamenta-se a queda das


Torres Gêmeas, com quase 12 milhões maioria não confiável –, mas o que se pode
de acessos; outro vídeo diz respeito à compilar é que eles tiveram a ideia do vídeo
P

contaminação ambiental; e há ainda outro como brincadeira com um “publicitário


d o

mais recente dedicado à Copa do Mundo. que fez campanhas para a Asociación
e v i s t a

Ele também tem feito vários comerciais em Solidaridad España-Israel”, uma cantora
R

seu estilo tradicional quase inimitável14. de sinagoga e locutora argentina e outros


Digo “quase” porque “En tus tierras bailaré” dois publicitários, incluindo o escritor da
eles conseguem ser bastante fiéis ao estilo letra (Febres, 2011). Eles contataram Gaby
desses cantores tradicionais. No começo Kerpel, um notável compositor argentino

do vídeo, eles lamentam as representações que mistura folclore e música eletrônica


e que, sob o nome de King Coya, produz
negativas de Israel (por exemplo, o risco
electrocumbia, e o cineasta e fotógrafo Picky
72 que seus habitantes vivem, embora não se
Talarico, que havia feito videoclipes para
diga nada sobre a agressividade israelense
artistas como Julio Iglesias, Juanes, Paulina
contra os palestinos) e começam a celebrar
Rubio, Chayanne, Julieta Venegas, Gustavo
Israel, o que parece ser uma anomalia
Cerati e Bajofondo.
excêntrica no contexto latino-americano
O vídeo reproduz em grande parte
e, sobretudo, no contexto andino popular.
o estilo naïf dos vídeos dos três cantores
O vídeo mantém as características plebeias
plebeus, com, por exemplo, a superposição
13. Ver “En tus tierras bailaré. Wendy, Delfín y La Tigresa. Juntos
das figuras dos cantores sobre imagens
por primera vez”. Disponível em https://www.youtube.com/ de Israel ou a colocação de animais
watch?v=xzMUyqmaqcw.
14. Ver “Torres Gemelas”, disponível em https://www. incongruentes (por exemplo, camelos em
youtube.com/watch?v=NecoBo0BhEk; “Que pasará en
este mundo”, disponível em https://www.youtube.com/ uma paisagem andina). Também assemelha-
watch?v=51uXL6zf6W0 e https://www.youtube.com/
watch?v=jboJySFVNWA. Entre suas publicidades, ver “Delfín se aos vídeos andinos que descrevemos
Hasta el Fin y su Aceite Sabrosón”, disponível em https://www. mais adiante e que, para Santiago Alfaro,
youtube.com/watch?v=z0ljQdqTkCs e “Don Pepe y Delfín
Quishpe – Comercial”, disponível em https://www.youtube.com/ seu comentarista mais assíduo, constituem
watch?v=ZdvcEHIMG2g, que o estabelecem como um Salvador
Dalí ou Andy Warhol tradicional da música plebeia. uma grande indústria cultural popular
comparável a Nollywood. O contraste electrocumbia, tecnohuayno, músicos plebeus

Músicas plebeias
com os videoclipes profissionais do tipo andinos sobrepostos em cenários israelenses,

a c i o n a l
MTV de Talarico é extremo, inclusive camelos nos Andes e um sotaquezinho
com aqueles que parecem ter sido filmados chassídico17.

G e o rge Y ú d i c e
n
entre bastidores ou em um ensaio de baile, Aponto este último aspecto porque

R t í s t i c o
tais como “Pa’ Bailar – Fiesta Tanguera- vários comentaristas alegam que o vídeo
Electrónica”, de Bajofondo, e outros com foi comissionado como parte de uma

a
câmera manual trêmula e iluminação campanha propagandística da Brand Israel

e
i s t ó R i c o
deficiente, mas em contraste com a má para melhorar a imagem de Israel, arruinada
qualidade do cinema de Nollywood pela apropriação de terras palestinas e pelos
determinada pela infraestrutura pirata ataques brutais à Faixa de Gaza. No começo

H
a t R i m ô n i o
(Larkin, 2004) e muitos dos vídeos andinos do vídeo, a voz do típico apresentador dos
a que faço referência adiante, os videoclipes vídeos andinos anuncia: “As superestrelas
de Talarico combinam uma vanguarda da música popular reunidas para uma

P
audiovisual com um ritmo pop MTV, mas mensagem de amor e igualdade”; e Wendy

d o
surge cantando: “Caminando por Israel,

e v i s t a
com a simplicidade do andino-popular . 15

A música também contrasta bastante com un amorcito encontraré, cariñito, amorcito,

R
o que Kerpel compõe geralmente. Embora vamos, vamos a cantar” (Caminhando
folclore e música de baile jutem-se em “En por Israel, encontrarei um amorzinho,
tus tierras bailaré”, a composição contrasta paixãozinha, amorzinho, vamos, vamos
bastante com a música mais vanguardista de cantar) (0’36” a 1’09”). Como observou
King Coya (um alter ego de electrocumbia Residente, do Calle 13, embora a música
de Kerpel) e as vozes combinadas e ágeis seja um tipo de “We are the World” do
de cantores de folclore, como Balvina YouTube e “saia de um coração honesto, 73
Ramos . Mesmo com a maioria dos
16 com disposição de melhorar as coisas”, no
comentários aos mais de 10 milhões de entanto “deve-se entender que a beleza da
reproduções consistindo de ataques e música pode ser a desinformação, o que
ofensas, há numerosos espectadores que não é culpa deles, mas das circunstâncias de
gostam do kitsch, e outros (entre os quais sua vida. Afinal, a mensagem é de amor e
me incluo) que se sentem contagiados pelo igualdade” (Gorodischer). O articulista da
estilo audiovisual e musical incongruente:
17. Posso me equivocar, mas creio que sou capaz de identificar
um sotaque na música que os chassídicos dançam no refrão
15. Alguns vídeos de Talarico são encontrados em http://imvdb.com/video/ “Israel, Israel, qué bonito es Israel/Israel, Israel, en tus tierras
bajofondo/pa-bailar. bailaré”, o que se torna explícito na sequência entre 1’54” e
16. Pode-se ouvir as composições de Cumbias de Villa Donde, de 2’02”, em que se vê um grupo de chassídicos dançando na
King Coya, em https://www.youtube.com/watch?v=WB9YezxA- rua. O recorte dos chassídicos dançando na rua se assemelha
pA&index=9&list=PL97ISVilOoYAqO_Xt1a1-VObjRwsCsFOj ao que se vê e ouve no vídeo “Jasídicos bailando en las calles
e o canto de Balvina Ramos no disco Tiro Torito, com de Tel Aviv”, disponível em https://www.youtube.com/
composições de Kerpel, em http://www.youtube.com/ watch?v=jy1fsK38TMI (por exemplo, 0’42” a 1’08”), e
watch?v=ADafNRrsf0M&list=RDADafNRrsf0M#t=10. Os em “Thousands of Orthodox Jews dancing with enthusiasm,
“Popular Gaby Kerpel Videos” são encontrados em https://www. amazing”, disponível em https://www.youtube.com/
youtube.com/watch?v=73VLT-QwJOw&list=PLToO4F_H- watch?v=gj9Ceyo6Vug&list=RDlibQkHDEOMI&index=8 (por
gZWjah24ThuKstbZrHaE28jO. exemplo, 1’00” a 1’30”).
Página 12, que inclui a citação de Residente, ... porém 93,83483645% dos comentários
Músicas plebeias

editorializa: “os criativos tiveram a ideia são de zombaria. Falando sério, vamos analisar.
A letra da música tem uma mensagem bastante
a c i o n a l

de criar algo como uma “ingenuidade


clara, mas, por sua vez, é muito simplória e carece
artificial”, encobrindo um insólito sionismo
de criatividade, sendo pouco poética, patética
G e o rge Y ú d i c e

panfletário. Por que não transformar essa


n

e, inclusive, até divertida, e por “divertida” me


R t í s t i c o

aposta tediosa em uma possível “campanha refiro a zombar. Fica claro que ninguém sabe
viral” que parecesse um ato espontâneo?” cantar!! Principalmente o decote dessa Tigresa,
a

(idem). velha gorda sexagenária... hahahahahaha. Outra


e

Se formos acreditar, os publicitários coisa, musicalmente é patético, não tem arranjos


i s t ó R i c o

disseram que não se tratava de uma musicais, não tem harmonias profundas capazes
propaganda pró-Israel, mas sim de um de tocar o coração ou alma de uma pessoa. Se é
H

uma música para dançar, Celia Cruz fazia música


encanto com a suposta autenticidade
a t R i m ô n i o

dançante e a profundidade de seus arranjos e


ingênua dos vídeos dos três cantores
das letras com sentimento verdadeiro têm dado
plebeus. “Me fascinei com a candidez e a
o que falar ainda depois de sua morte. Como
P

autenticidade que transmitiam”, disse um falante de espanhol hispânico, eu me orgulho de


d o

dos publicitários, e o articulista acrescenta me identificar com uma mulher como ela, e não
e v i s t a

que sentiu que as músicas e os vídeos dos com esses palhaços de picadeiro musicalmente
R

plebeus eram “um gênero musical autóctone, incorretos em todos os sentidos. Falando sério,
um folclore particular que merece ser dizem que é uma boa produção musical, mas
classificado como arte”. O mesmo escutando o nível da produção musical que
ouvimos, o que digo? Hein, MTV? Para dizer
videomaker Talarico disse: “Vi uma ausência
qualquer coisa, pois a diferença é gigantesca,
absoluta de pré-julgamentos e preconceitos
inclusive intelectual, por favor, se não fosse pelo
com relação à lente real: o que deve ser e o YouTube, eu acharia que a música é monofônica
que não deve. Depois de ter feito duzentos ou talvez é uma pista midi que transformaram
74
vídeos musicais, eu nunca pude filmar em mp3. u.u. Concluindo, LIXO!! (pudrete
com esse nível de ingenuidade. Já estava na delfinwendytigresacollardetetas, cit. em Serquén).
hora disso acontecer” (cit. em Gorodischer,
2010). Para eles, trata-se de um tipo de grau Esses comentários comprovam a opinião
zero estético, válido em si mesmo, e todo o do publicitário, para quem os compatriotas
contrário da maioria dos comentários, como dos plebeus “se negam a ser representados”
o que se segue, em resposta a um elogio ao por eles (cit. em Gorodischer). Além da
sincretismo audiovisual de “Israel, Israel, diferença dos valores sociais (tratando-se
en tus tierras bailaré” e à diversão que se de “índios [sem] cabeça”, que a Tigresa
produz: “pobres índios, passando ridículo é uma sexagenária peituda, que os três
perante o mundo e, depois, acreditando que são palhaços), o contraste estético é mais
representam algo, mas nada que eu saiba; interessante. Para os publicitários, tal como
lamento a falta de cabeça para se deixarem para Kerpel e Talarico, o que está faltando
manipular por gente tão perversa... haha” para o segundo comentarista (arranjos e
(Xavier, cit. em Serquén, 2010). harmonias profundas) é justo e valioso, algo
que tiveram de se esforçar para se aproximar. travestido e com uma voz que ele próprio diz

Músicas plebeias
Se formos acreditar em Kerpel e Talarico, não ser horrível, embora diga que encanta (“O

a c i o n a l
se trata de kitsch. Trata-se sobretudo do que novo”). Ou seja, ele reconhece que “o mundo
Ana María Ochoa Gautier (“Disencounters”) está cheio de vozes pessoais” e que a voz se

G e o rge Y ú d i c e
chamou de atrativo estético (“the allure of encaixar dentro dos registros normativos não

n
R t í s t i c o
art”) como razão para a circulação de algo faz falta para que seja interessante. Pode-se
que fascina os fanáticos e que, nesse caso, pensar na voz de Satchmo ou Bob Dylan para

a
pode ser o gosto pelo kitch ou bizarro ou pelo reconhecer que um cantor interessante não

e
êxtase artístico. De fato, eles compareceram precisa ter uma voz bonita ou treinada. Em

i s t ó R i c o
à Ciudad Cultural Konex, em Buenos todo caso, Umpi classifica a si mesmo como
Aires, para o show You Fest, alguns meses um personagem que faz performances, um

H
ícone e, da mesma forma, valoriza Wendy

a t R i m ô n i o
após o lançamento de “Israel, Israel en tus
tierras bailaré” . Não se trata de um espaço
18 Sulca: “Foi minha obsessão por um tempo
qualquer, pois o Konex é um dos ícones e, toda vez que eu ia ao Peru, a visitava.

P
do underground, para “oferta alternativa, Cantei com ela, conheço sua família. Me

d o
inovadora e vanguardista de qualidade” . 19 interessou como ícone” (idem). A seguir,

e v i s t a
Cabe apontar que Wendy Sulca e La no mesmo artigo, Umpi revela que, para

R
Tigresa del Oriente também tiveram uma ele, ser um ícone é ser um freak, um bufão,
aparição como convidadas no videoclipe e que isso “dá muito poder, pois ninguém
“Pa’ tras”, de Dante Spinetta com Calle 13 e quer estar ali” (idem). Ele tende a identificar
Andrés Calamaro . Essa e outras aparições
20 sua bizarrice com a posição subalterna de
em videoclipes de artistas notáveis sugerem Wendy: “Wendy Sulca é uma artista que vem
que o pop começava a aceitá-las, pelo de uma tradição folclórica e responde a uma
menos como fenômenos ou curiosidades história antiquíssima, que vem evoluindo.
75
de celebridade. Porém Wendy Sulca tem Por isso, me parece que o fenômeno em
feito esforços para se converter em uma torno dela fala de todos os preconceitos que
cantora pop legítima, com covers, como as pessoas têm e como lidam com o exótico e
“Like a virgin”, de Madonna, em 2011. No da ignorância que elas têm de outras culturas,
mesmo ano, ela colaborou com Dani Umpi pois a zombaria com relação a Wendy se
e Fito Páez, em “El tiempo pasar” (O passar refere basicamente a três coisas: seu tom de
do tempo), do álbum Mormazo, de Umpi. voz; o aspecto racial, quando a chamam de
Conhecido por suas performances underground “macaquinha”; e o último, que é o aspecto
e bizarras, Umpi aparece em cena meio cultural, quando riem de músicas como “La
tetita”, que fala de amamentar... Escolhe-se a
18. Ver “You Fest ‘los origenes’ HD oficial”, https://www.youtube. zombaria e, no meu caso, uma personagem
com/watch?v=i3WYb215w-Q&index-4&list=PL929175E-
CB9911EDA. como Wendy Sulca me interessa muito, pois
19. Ciudad Cultural Konex, http://www.ciudadculturalkonex. sempre estou adotando o personagem do
org/?page=institucional&subpage=mision-vision-valores. Ver
“You Fest”. bufão” (Mardones, 2012). Se, para Umpi,
20. Ver “Dante Pa’ tras”, disponível em https://www.youtube.
com/watch?v=yZ-o3Bzfy0E. a bizarrice e a bufonaria são performances
pessoais com valor político, não parece ser troca os brinquedos e a roupa de sua infância
Músicas plebeias

o caso de Wendy Sulca. Umpi a assume por um visual mais roqueiro e sai em vários
a c i o n a l

em um ato de solidariedade, mas a própria cenários da Cidade do México com dois


Wendy Sulca não compartilha essa visão. integrantes da boy band Los Elektropoppers.
G e o rge Y ú d i c e

Ela canta “Viro hardcore/já não sou menina/


n

Mas sim, ela disse – em uma entrevista –


R t í s t i c o

que aprende com as críticas. A estética de viro hardcore/vou mudar minha vida/viro
Umpi não é pós-moderna e apolítica, como hardcore/vou me acabar no mundo/viro
a

descreve Olalquiaga, mas tem dimensões hardcore/agora é a minha vez/.../quero ser


e

políticas do pessoal (identidade sexual, racial, uma estrela/e vou conseguir/ser a maior diva/
i s t ó R i c o

cultural) e, referindo-se a alguns artistas de de todo o meu país/e andar em Nova York/e
performance, Muñoz (2003:121) caracterizou conquistar Paris”, justo o que diziam, mutatis
H

mutandis, poetas de vanguarda, como Vicente


a t R i m ô n i o

essa estética como sendo política, camp e de


desidentificação. Huidobro23. Além disso, o vídeo é uma
Umpi distingue Wendy e La Tigresa: propaganda para a marca da tortilha chips
P

enquanto a primeira cultiva – agora seria Doritos24. Nessa viagem ao México, lançou
d o

mais correto dizer “cultivava” – um estilo sua nova música “Explosión” (Explosão), que é
e v i s t a

tradicional arraigado na cultura popular um cover de “Wrecking ball”, de Miley Cyrus,


filmado no estilo audiovisual e de figurino
R

andina, “La Tigresa del Oriente parte de


um ponto mais humorístico” (Mardones). dos videoclipes de Selena Gomez “Come and
Porém talvez se engane. Wendy Sulca parece get it” e “Un año sin lluvia” (Um ano sem
ter optado pela normalização de sua voz; chuva)25.
ela tem treinado sua voz, assimilando-a ao Talvez seja La Tigresa que se pareça mais
estilo pop de Shakira ou Miley Cyrus, ambas com Umpi. Depois do êxito viral de “En tus
objeto de seus covers. Na entrevista com tierras bailaré”, ela começou a cultivar um
76
estilo mais burlesco, inclusive colaborando
Bayly, ela concorda com o apresentador,
com um travesti, La Pocha Leiva, com quem
que sugere que ela pretende ser o “novo
gravou um vídeo provocador na Catedral
rosto latino-americano”21. No final do
de La Plata, onde ambas se caracterizaram
documentário “Wendy Sulca Nuevo Tema
como “deusas do desejo sexual” e “crentes em
‘Nadie Puede con el Amor’ 2014” (Wendy
Nosso Senhor Jesus Cristo”, razão pela qual
Sulca Novo Tema “Ninguém Pode com o
Amor” 2014), a vemos já sem seus trajes
23. Wendy Sulca, “Me pongo hardcore”, disponível em https://
tradicionais, no estúdio, misturando a nova www.youtube.com/watch?v=bTdxjL1vZkM.
24. Essa integração de videoclipe e publicidade já tinha se
música com uma nova voz pop22. Em “Me tornado rotineira em videoclipes como “On the Dance Floor”,
de Jennifer Lopez, disponível em https://www.youtubecom/
pongo hardcore” (Viro hardcore), vê-se que ela watch?v=EPo5wWmKEaI, e “Give me Everything Tonight”,
de Pitbull, disponível em https://www.youtube.com/
watch?v=EPo5wWmKEaI.
21. “Wendy Sulca en ‘Sin peros en la lengua’ (America TV)”, 25. Wendy Sulca, “Explosión”, disponível em https://www.
https://www.youtube.com/watch?v=UnLyzxbaBVM, 2’04” a youtube.com/watch?v=XtuPbHTTtrs e https://www.youtube.
2’11”. com/watch?v=My2FRPA3Gf8; Selena Gomez, “Come and
22. “Wendy Sulca Nuevo Tema ‘Nadie Puede con el Amor’ 2014”, Get It”, disponível em https://www.youtube.com/watch?v=n-
https://www.youtube.com/watch?v=bAlc-04H_Tk, 10’42”a D1EB74Ckg; e “Un año sin lluvia”, disponível em https://www.
12’30”. youtube.com/watch?v=n-D1EB74Ckg.
o arcebispo Aguer as acusou de blasfêmias e discriminação) para um desfile gay e, no

Músicas plebeias
censurou La Tigresa por estimular a aceitação show de Bayly, ela manda “um abraço a

a c i o n a l
dos gays, que ele considera depravados . E, 26
todos os amigos gays em Buenos Aires”, com
de fato, La Tigresa parece ter entrado nesse o que o apresentador responde que “com

G e o rge Y ú d i c e
universo de estrelas pop seguidas por um

n
isso, se enchem dez boates” (2’24” a 3’06”).

R t í s t i c o
público gay que cultiva a estética camp . Ela 27
“O exagero dos trejeitos” já era evidente
encarna a figura com que Umpi refere a si nas performances de La Tigresa, mas, no

a
mesmo e a Wendy: um ícone. De fato, na videoclipe “Dáte placer con mi cuerpo” (Vou

e
cultura gay ou LGBTIQ, o termo “ícone gay” lhe dar prazer com meu corpo), cover de “Do

i s t ó R i c o
tem grande ressonância. A Wikipédia possui what u want”, de Lady Gaga, ela multiplica à
um verbete sobre isso: enésima potência o aspecto burlesco evidente

H
a t R i m ô n i o
na performance da norte-americana29. Vemos
Um ícone gay ou LGBT é uma figura histórica, a quase septuagenária Tigresa e a obesa
uma celebridade ou um personagem público Berta Rodas assumindo poses de femmes

P
que serve como referência em determinados
fatales, imitando Lady Gaga e Christina

d o
âmbitos das comunidades lésbica, gay, bissexual
Aguilera; a primeira com um vestido de

e v i s t a
e transgênero. As qualidades de um ícone gay
noite rosa sem oncinha, e a segunda – com
incluem frequentemente beleza, elegância e

R
glamour, força frente à adversidade, androginia, longa trajetória na gayzíssima Fiesta Plop,
exagero de trejeitos e, no caso dos artistas, que para a qual fizeram o clipe – com um traje
sejam intérpretes ou autores de alguma obra idêntico. Cabe citar o que um comentarista
famosa que a comunidade gay tenha assumido gay escreve sobre o videoclipe: “E o resultado,
como parte de sua cultura . 28
apesar de elas cantarem como se estivessem
atropelando quinze caminhões carregados
Além disso, La Tigresa se une ao ativismo de concreto enquanto macacos oligofrênicos
77
gay (como já haviam feito Madonna, Midler, arrancam todos os pelos de seus corpos, é
Cher, Lady Gaga), o que se verifica na francamente surpreendente, por causa dessa
entrevista que Bayly fez com ela e Wendy base cumbia-reggeatonera do Do What You
Sulca. Provocativamente, Bayly disse que Want nos ENLOUQUECE” (Hidroboy).
tinha muitos amigos gays que “adoram” E La Tigresa consolida seu status de ícone
La Tigresa e ela confirma o que preocupa ao participar de outros vídeos burlescos30.
o arcebispo de La Plata: ela gravou uma Poderíamos dizer, junto com Martín-Barbero
música chamada “Sin discriminación” (Sem (1987:251), que La Tigresa encarna a lógica
circense de “transações... entre credos e cultos
26. “La Tigresa del Oriente & La Pocha Leiva - ‘El Cuerpo de
Cristo’ - Fiesta Yumy”, disponível em https://www.youtube.com/ incompatíveis”.
watch?v=Fv-JX89O4wA, e “El arzobispo de La Plata contra
los gays y la Tigresa del Oriente”, disponível em http://www.
diarioregistrado.com/sociedad/95692-el-arzobispo-de-la-plata- 29. “La Tigresa del Oriente & Berta - Dáte placer con
contra-los-gays-y-la-tigresa-del-oriente.html. mi cuerpo”. Disponível em https://www.youtube.com/
27. As referências dos EUA são Judy Garland, Cher, Cindy watch?v=UWj70gloOtA.
Lauper, Bette Midler, Madonna, Lady Gaga, entre muitas outras. 30. Aparece rebolando em https://www.youtube.com/
28. Ver “ícone gay” em https://pt.wikipedia.org/ watch?v=o3joEf01FsY; e aparece em fio dental, disponível em
wiki/%C3%8Dcone_gay. https://www.youtube.com/watch?v=NY0LTF0_98E.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

78
G e o rge Y ú d i c e Músicas plebeias
Luiz Santos.
Acervo: Iphan/
Recôncavo Baiano
Samba de Roda do
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l
79

G e o rge Y ú d i c e Músicas plebeias


4 . p e r U w o o d 31 de e-mail para que quem quiser possa
Músicas plebeias

encomendar produções de sua música


a c i o n a l

A internet possibilita obter visibilidade, ou festa tradicional. É o que vemos nos


mas, depois, negocia-se com as plataformas videoclipes “La tetita” (2008), “Cerveza”
G e o rge Y ú d i c e
n

que se tornam disponíveis para um ou (Cerveja) (2009) e “Papito” (Papaizinho)


R t í s t i c o

outro artista: os shows de variedades e os (2009), em que o apresentador anuncia “a


festivais gay carnavalescos para La Tigresa pequena Wendy” e é possível ver o logotipo
a

e a música pop para Wendy Sulca. Embora


e

de “Producciones Musicales Danny”, com


i s t ó R i c o

Wendy venha deixando para trás o folclore


endereço em Mesa Redonda32, região das
em que seguia os passos de seu pai músico
produtoras dos vídeos andinos e da venda
e sua mãe letrista, a música tradicional
H

informal de CD e DVD. Os apresentadores


a t R i m ô n i o

tropicalizada e eletrificada segue sendo


também fazem referência à família,
muito popular nos contextos andinos.
Seus vídeos iniciais compartilham muito comunidade e comarcas. A produção
P

musical é dirigida por unidades econômicas


d o

do estilo dos vídeos andinos que Santiago


e v i s t a

Alfaro estuda, nos quais se protagoniza familiares, com divisão de trabalho pobre,
a música folclórica andina, tanto para movimentadas por pessoas envolvidas na
R

as comunidades de migrantes na costa indústria da música ou que, depois de tocar


do Peru como na cordilheira. Trata-se em batismos, casamentos e festas locais,
de uma indústria que vende centenas de decidiram entrar no negócio, considerando
milhares de CD, VCD e DVD em um
o baixo custo dos equipamentos digitais e
“mercado de produção formal e circulação
da generalização dos aparelhos de DVD na
informal de vídeos com conteúdos criados
população peruana. Os escritórios dessas
80 por setores sociais populares até agora
pequenas empresas se encontram onde os
marginalizados na história da indústria
audiovisual nacional. Videoclipes de cumbia vídeos piratas são vendidos. As cópias máster

peruana e música andina, filmes de baixo são entregues aos copiadores piratas, que
custo feitos em regiões onde não existem distribuem os vídeos entre os vendedores
salas de cinema, documentários de festas ambulantes espalhados pelo país (Alfaro,
e rituais tradicionais, assim como esquetes 2009 e 2013). Como se verá mais adiante,
de comediantes, inundam hoje as ruas existem outros modelos de músicas e
(por meio do comércio ambulante) e a audiovisuais plebeus.
internet (por meio do YouTube), onde são Como no caso do cinema nigeriano,
normalmente postados” (Alfaro, 2013:70).
trata-se, mutatis mutandis, de representações
Cada vídeo leva o nome da produtora
e seu número telefônico e/ou endereço 32. Em 0’25” a 0’25” de “La Tetita”, disponível em https://
www.youtube.com/watch?v=ZO8R1kjpoo0; em 0’12” a
0’34” de “Cerveza”, disponível em https://www.youtube.com/
31. Este é o título de um ensaio recente de Santiago Alfaro watch?v=hyOG7y5K1LE; e em 0’28” a 0’37” de “Papito”,
Rotondo (“Peruwood”) sobre os vídeos andinos. disponível em https://www.youtube.com/watch?v=-vA9jbCliW4.
inspiradas nas tradições locais33, conferindo abrindo espaço para outras sexualidades,

Músicas plebeias
aos vídeos formas que contrastam com como é o caso dos MCs travestis, como MC

a c i o n a l
o cânone euro-norte-americano (Alfaro, Transnitta, que, segundo uma reportagem de
2013:71), embora se fundam com outros televisão, “brilham em um reduto machista e

G e o rge Y ú d i c e
n
gêneros e estilos. Talvez pudéssemos falar de homofóbico”35.

R t í s t i c o
tradições translocalizadas entre comunidades As músicas plebeias são
serranas e costeira ou com a diáspora, que se empreendimentos, com suas próprias

a
comunicam por meio da circulação desses formas de circulação, que são cada vez mais

e
i s t ó R i c o
vídeos. Também surgem estrelas do folclore demandadas por atores sociais (tais como os
pop que se tornam tão populares que são travestis do funk carioca) ou atores estatais e
requisitadas por programas de rádio e até de do terceiro setor. Em conjunturas específicas,

H
a t R i m ô n i o
TV. É o caso de Dina Páucar, a “bela deusa ocorrem transformações empresariais e
do amor [que era] muito venerada pelo institucionais, o que quer dizer que isso
público em massa antes de ser filmada em também ocorre nos processos de gestão e

P
uma minissérie de TV de grande sucesso” intermediação. Não há casos em que “a

d o
e v i s t a
(Alfaro, 2009:7). A popularidade de Páucar própria população” toma as rédeas dos
e outras estrelas dessa música tem a ver processos institucionais e os altera a seu gosto.

R
justamente com o observado por Fontanella, A “atuação” popular não acontece de forma
citado mais acima, sobre a incorporação pelas direta, mas em uma estrutura complexa
mídias de formas renegadas pelas elites. É de forças, entre as quais se encontram os
justo o que reconhece Alfaro com relação a intermediários e os gestores (Yúdice, 2012a
Páucar: “tem a ver com sua personificação dos e 2014:230-234). O escritor, linguista e
fenótipos, etnias e classes de seus públicos, etnólogo peruano José María Arguedas, a
algo que estava ausente na grande mídia, quem Alfaro se refere em suas reflexões sobre 81
em uma sociedade em que as elites brancas a música popular andina híbrida na indústria
tratam as populações indígenas e mestiças cultural no final do século XX, foi justamente
com condescendência ou desprezo”34. E a um dos intermediários mais interessantes no
abertura para as músicas plebeias não se limita processo de reconversão dessa música. Ele foi
a corporalidades raciais. As mulheres exercem Chefe do Setor de Folclore do Ministério da
um papel protagonista no tecnohuayno, Educação no final dos anos 1940 e nos anos
assim como no tecnobrega (observado 1950. Javier García Liendo dedica grande
mais adiante), e, no funk carioca, vem-se parte de sua tese ao papel de Arguedas como

33. Segundo o produtor Charles Igwe, o fato de não existir 35. Ver o programa “A Liga”, dedicado aos “Travestis do
fora da Nigéria uma expressão audiovisual que tenha a ver Funk”, de 19 de agosto de 2014, disponível em https://www.
com as peculiaridades nigerianas deixa um hiato no mercado, youtube.com/watch?v=JPpsTQDAs24. Logicamente, nem tudo
que o cinema nigeriano preencheu. Ele acrescenta que esse é paradisíaco para outras sexualidades em qualquer cenário
cinema não enfatiza o sexo e a violência gratuitos e se arraiga plebeu. Por exemplo, no dancehall jamaicano, vários músicos
nas narrativas de interesse local. Ver “Good Copy Bad Copy”, têm se destacado por sua agressividade e hostilidade para com
26’12” a 26’42”, disponível em https://www.youtube.com/ homossexuais, razão pela qual grupos de direitos LGBTQI
watch?v=ZKiLI7XFB9k. estrangeiros (sobretudo ingleses e norte-americanos) têm
34. Alfaro, comunicação pessoal, 12 de novembro de 2009. boicotado shows desses músicos. Ver Henry (2012).
intermediário. Ele escreve que Arguedas músicas desse tipo no âmbito da Plazuela
Músicas plebeias

“não trata de congelar a cultura tradicional de las Artes. E, no Seminário de Indústrias


a c i o n a l

dentro da tecnologia, mas estimula sua Culturais de Lima, ele se juntou a artistas
metamorfose e reconhece as possibilidades e desenhistas de materiais gráficos para a
G e o rge Y ú d i c e

que a cultura de massas oferece... Arguesas


n

cumbia e a música folclórica para um diálogo


R t í s t i c o

nota que a nova tensão em suas práticas


com aqueles que estabelecem políticas
intelectuais tem a ver não apenas com a
culturais36. Esses artistas e empreendedores
a

cultura nacional antiga, mas também com a


têm conseguido protagonismo no mercado
e

cultura de massas, no estilo americano, que


i s t ó R i c o

das indústrias culturais para as classes


está se expandindo rapidamente a partir de
sua base em Lima. A influência dessa cultura populares, já que se trata de um mercado
H

de massas não se limita à capital, pois a bastante grande. Na verdade, como mostra
a t R i m ô n i o

migração alimenta um maior intercâmbio Alfaro em seu estudo, elas não precisam das
entre esta e as províncias, entre os migrantes classes médias e altas para obter sucesso; elas
P

e seus locais de origem (“Cultura” 395). têm conseguido tudo sem ajuda do Estado e
d o

Segundo García Liendo, Arguedas não com seus próprios gestores e intermediários
e v i s t a

rejeitou a cultura de massas em favor de uma no mercado.


R

cultura popular idealizada; por outro lado,


enxergou nela a possibilidade de utilizar 5. as músicas plebeias
o potencial comunicativo das então novas
vUlgares
tecnologias para que a cultura peruana se
desenvolvesse, minimizando os conteúdos
O processo de reconhecimento das
incluídos com a tecnologia norte-americana
expressões das comunidades étnicas é muito
(idem).
82
Arguedas não pretendia desalienar as diferente, sobretudo a partir dos anos 1980,
classes populares – pois não as enxergava em que se reconhecem diversos componentes
como alienadas –, mas sim ajudar e servir de das nações pluriculturais, principalmente
intermediário em sua ocupação do espaço indígenas e afrodescendentes. Por exemplo,
contra-hegemônico cultural. Santiago Alfaro no Brasil, a Constituição de 1988 assegurou
vinha fazendo algo parecido, primeiramente os direitos das comunidades etnorraciais (e
em seus estudos do tecnohuayno e, agora, das mulheres), algo que vem se repetindo
em seu novo cargo de Subgerente de Artes à medida que outros países reescrevem ou
Cênicas e Indústrias Culturais de Lima. reformam suas Cartas Magnas, nas quais
Recentemente, em maio, organizou um
se declaram multiétnicos e pluriculturais,
espetáculo da música popular de Túpac
como aconteceu na Colômbia em 1991 e
Amaru, na Plazuela de las Artes del Teatro
Municipal. Também tem convidado grupos 36. No Peru e na Argentina, usa-se o termo folclore para músicas
de cumbia e convidou um grupo de punk populares, inclusive as que entram na indústria cultural (como o
tecnohuayno) ou que se tecnificam (como as que cantam Balvina
rock. É a primeira vez que se apresentam Ramos e Gaby Kerpel).
em outros países37. Menciono esse entorno enfatizam sua hibridização de ritmos e outros

Músicas plebeias
jurídico porque isso ajuda a avaliar a elementos africanos, caribenhos hispânicos e

a c i o n a l
complexidade da valorização dos elementos não hispânicos e colombianos locais.
étnicos e raciais nas músicas populares. O Tem surgido recentemente um desejo

G e o rge Y ú d i c e
em declarar algumas músicas plebeias de

n
interesse na patrimonialização imaterial

R t í s t i c o
surge mais ou menos na mesma época em raiz afro (como a champeta e o reggaeton)
que se procura reconhecer a composição como patrimônio cultural imaterial,

a
multiétnica ou racial e a pluriculturalidade considerando-se que derivam de comunidades

e
subalternas com visões de mundo baseadas

i s t ó R i c o
de cada nação. De fato, existe um vínculo
entre esse reconhecimento e a necessidade em parte nessa subalternidade e também
de apontar apropriadamente as tradições nos habitus formados nos cruzamentos dessa

H
subalternidade com as tradições étnicas

a t R i m ô n i o
correspondentes. Para a Unesco, o patrimônio
imaterial se refere a “tradições ou expressões e as indústrias culturais. Por um lado, o
vivas herdadas de nossos antepassados e patrimônio deve transmitir valores estimáveis

P
transmitidas a nossos descendentes, tais como de comunidades étnicas; por outro lado,

d o
essas duas músicas/danças se associam

e v i s t a
tradições orais, artes de espetáculo, usos
com condutas “vulgares”. Logicamente,
sociais, rituais, atos festivos, conhecimentos e

R
tanto o estimável quanto o vulgar remetem
práticas relacionadas à natureza e ao universo
a julgamentos de valor ancorados em
e saberes e técnicas vinculados ao artesanato
complexos de estilos de vida, vontades e
tradicional” (Unesco, 2003). Em seguida, o
expectativas associados à classe social, gênero
texto da Unesco explica que o patrimônio
e etnicidade, ou seja, esquemas generativos
cultural imaterial é integrador e representativo
ou habitus a partir dos quais se percebe a
e se baseia na comunidade. Portanto, esse
vida (Martín Criado, 2009). A pergunta a ser
processo de transmissão entre antepassados 83
feita é: a partir de quais posições sociais e em
e descendentes define linhagens, nas quais
quais campos de força vão sendo construídos
se distinguem os grupos sociais. O tipo de
os discursos que celebram e ofendem essas
hibridização proposto por García Canclini e
expressões plebeias?
as mediações referidas por Martín-Barbero
Entretanto, antes de abordar essa
requerem uma flexibilização da compreensão
pergunta, cabe dizer alguma coisa sobre as
das interações sociais que são formuladas a
músicas plebeias “vulgares”. Em primeiro
partir de depósitos patrimoniais. E, de fato,
lugar, elas são “vulgares” por causa da letra
os estudos mais recentes sobre a champeta (que se refere explicitamente a órgãos e
atos sexuais), da atitude (muitas vezes
37. O único país com reconhecimento jurídico anterior
aos anos 1980 é o Panamá (1971). Depois, instituíram-se a subordinadora da mulher) e do modo de
multietnicidade e a pluriculturalidade na Nicarágua (1986), no
Paraguai (1992), no Peru (1993), na Argentina (1994), na Bolívia dançar (rebolando e simulando o ato sexual
(1994, 2009), no Equador (1994, 1998, 2008), na Venezuela ou, como dizem alguns comentaristas,
(1999) e no México (2001) (Carrasco et al.). Esta não é uma lista
completa, e nem se supõe que as leis tenham sido respeitadas. fazendo “sexo com roupa”). As músicas
Entretanto, os instrumentos jurídicos servem como plataforma
para que se possam reclamar os direitos especificados. plebeias contemporâneas (como o dub
jamaicano, o hip hop, a champeta e o funk não de autoria, o que requer uma correção
Músicas plebeias

carioca) se originam do disco físico (da ou flexibilização do direito para abarcar a


a c i o n a l

manipulação de discos de vinil e fitas variedade de novas práticas nos setores formal
eletromagnéticas) e, depois, da extração e (streaming) e informal – neste último caso,
G e o rge Y ú d i c e

mistura (sampleamento) de pistas digitais. cabe esclarecer que nem todas as músicas
n
R t í s t i c o

O sampleamento digital intensifica a plebeias seguem o mesmo padrão. Isso se deve


prática histórica e consuetudinária da ao fato de que a maior ganância acontece
a

intertextualidade transnacional38, e é nas casas de show ou picós, que pagam os


e

aproveitado pelas músicas plebeias: o compositores e músicos por obras que devem
i s t ó R i c o

funk carioca é alimentado pelo funk afro- gerar demanda, ou seja, atrair o público
americano, pelo hip hop e pelo samba, entre que gosta de dançar. Botero, Ochoa e Pardo
H

outras músicas; a champeta combina pistas apontam que esse setor industrial se baseia na
a t R i m ô n i o

de discos africanos com ritmos caribenhos competitividade por contratos exclusivos, já


(rap, raggareggae, zouk, soca e calipso) e que as melhores composições geram demanda
P

colombianos (bullerengue, mapalé, zambapalo entre os que gostam de dançar.


d o

e barco); o tecnobrega sampleia um amplo Como a dança é erótica no caso da


e v i s t a

espectro do pop internacional, de ritmos maioria dessas músicas, o corpo exerce


R

caribenhos, de danças regionais (como o um papel crucial. Como explica Muñoz


forró) e do enorme acervo de música brega . 39
Vélez (2003:22), “Na dança da champeta,
Além disso, essa prática atenta contra o o afrodescendente expõe corporalmente
direito de autor, tal como formulado no os sinais eróticos, sem nenhum tipo de
século XX, no contexto de uma economia mascaramento, os comunica diretamente,
industrial, embora, como argumentam ignora simples e despretensiosamente
Botero, Ochoa e Pardo (2011) com relação o obsceno e torna o prazer do corpo
84
à champeta, se respeite o direito no que se visualmente perceptível, tornando-o
refere à distribuição e ao consumo, mas explícito para os demais e o exibindo
desavergonhadamente, pois, para si, o
38. É possível afirmar que a história da literatura é a história da erótico faz parte de sua ritmicidade”. Por
intertextualidade: por exemplo, a epopeia suméria Gilgamesh
na Bíblia hebraica; lendas populares nas jarchas e muwaxajas sua vez, Contreras Hernández (2003:36)
na Hispânia muçulmana; os romances de cavalaria em Dom
Quixote. E ocorre um processo parecido na música: a country se refere aos “corpos abraçados com os
dance inglesa influi na countredanse francesa, que chega a Cuba
com os produtores de açúcar franceses expulsos do Haiti, gerando dois braços e com sexo contra sexo, como
a contradanza e a danza, que, por sua vez, cede lugar ao danzón
(Carpentier, 1946); milhões de outras composições poderiam ser
representação de cópula” e a “cenas de dança
citados. em que o dançarino abraça apertadamente
39. “Brega” se traduz no espanhol como “cursi” e “de mal
gusto” (de mau gosto) e, na música brasileira, se refere a gêneros a parceira que está de costas para ele e se
sentimentalistas e românticos protagonizados por artistas, como
Reginaldo Rossi e Paulo Sérgio. Não existe um ritmo específico esfrega sobre ele e é roçada com os genitais”,
que defina o brega, pois este inclui boleros, sambas, rock e os
estilos indicados mais acima. Roberto Carlos, uma referência condutas que o autor atribui à televisão e
reconhecível para os hispano-americanos, é um dos poucos que ao cinema, que têm criado uma atmosfera
cultivou esse estilo e conseguiu escapar dessa caracterização
depreciativa, embora exista quem o classifique como tal. Em todo indecente que tem “erodido pouco a pouco
caso, cantores do brega, como Reginaldo Rossi, assumiram esse
rótulo com orgulho. a censura ao erotismo”. A reportagem “La
champeta sigue viva” (A champeta continua e rebola para produzir a máxima tensão

Músicas plebeias
viva) apresenta quatro elementos que sexual nos cafuçus, homens brutos de origem

a c i o n a l
caracterizam a champeta: o ritmo africano popular que se comportam vulgarmente
(que é “mais saboroso” e uma “diversão [que (xingam, falam em voz alta, mexem nos

G e o rge Y ú d i c e
n
excita ou desinibe] a gente, 3’31” a 3’51”); o genitais, cospem etc.). As piriguetes e os

R t í s t i c o
espírito comunitário (um dos entrevistados, cafuçus vão ao baile brega para se sentirem
Wilson Muñoz, cantor e apresentador de hipermulheres e hiper-homens (Soares,

a
champeta, diz: “A champeta é, para mim, a 2012:62-63). Na champeta, moças chamadas

e
expressão musical dos bairros populares de

i s t ó R i c o
de “extremas” ou “boletas” “dançam com os
Cartagena”, 1’51” a 2’09”, “é um símbolo membros de um grupo específico de fãs ou
de identidade cultural”, 4’31”); um gerador do pessoal do picó, mas com uma tendência

H
a t R i m ô n i o
de participação que produz sustentabilidade a sentir a ereção de seu parceiro – como
para fortalecer a identidade dos habitantes uma exploração corporal do outro”. De
(5’38” a 5’50”); e é uma dança erótica fato, essas moças não dançam a menos que

P
“desavergonhada”, que se vê nas imagens, sintam a ereção de seu parceiro de dança

d o
mas da qual não se fala nada40. (Muñoz Vélez, 2003:42). Mas isso não quer

e v i s t a
Semelhantemente, no caso do reggaeton, dizer que elas transem com esses parceiros

R
o rebolado simula o ato sexual, uma dança de dança. Da mesma forma, no reggaeton,
que talvez derive do dancehall jamaicano que, as mulheres rebolam de forma provocativa,
por sua vez, deriva do reggae do fim dos anos mesmo quando as letras das músicas
1970. No filme Dancehall Queen (1997), parecem degradantes42. Em “El jaleo del
pode-se verificar o balanço dos quadris e das perreo” (O motim do rebolado), a escritora
nádegas e o impulso do púbis com que as portorriquenha Ana Lydia Vega argumenta
dançarinas competem . Semelhantemente,
41
que o hipermacho acaba sendo uma 85
no tecnobrega, os bailarinos executam caricatura, enquanto a mulher se impõe: “Por
coreografias que ilustram as letras das músicas sua parte, as mulheres se entregam sem pudor
(Fontanella, 2005:25). ao frenesi corporal. Alheias ao estardalhaço
Uma mudança de direção importante do macho da espécie, elas praticam um
em todas essas músicas é o crescente tipo de terrorismo sexual autossuficiente.
protagonismo das mulheres. No brega, Enquanto eles fazem rap, elas rebolam. A
destaca-se a figura da piriguete (vocábulo paródia inconsciente da masculinidade e da
provavelmente derivado de pretty girl), uma feminilidade sabota, em alguma medida, a
mulher exibicionista que procura seduzir glorificação dos papéis convencionais”
os homens. Ela se veste provocativamente (Vega, 2002).
Embora o dancehall, que talvez tenha
40. Héctor Crespo Salcedo, “La champeta sigue viva” (Cartagena
de Indias, 2007). Disponível em https://www.youtube.com/ a exibição mais extrema da sexualidade
watch?v=uk11-HZLHtw.
41. Dancehall Queen, dirigido por Rick Elwood e Don Letts.
Hawk’s Nest Productions, Jamaica, 1997. Disponível em https:// 42. “Mujeres bailando reggaeton locamente 2014 HD”. Disponível
www.youtube.com/watch?v=4vBVBCGBEVg. em https:/www.youtube.com/watch?v=qm_Wq4yx8QM.
aberta e “vulgar” da mulher, receba muitos Outra reviravolta desse tipo de
Músicas plebeias

ataques, também possui seus defensores. empoderamento é a liberação do corpo com


a c i o n a l

Citando Bakare-Yusuf, Walker (2013) relação aos corpos “perfeitos” (aerodinâmicos,


considera que as dançarinas são o aspecto lipoaspirados e malhados pelo exercício) aos
cultural mais importante do dancehall,
G e o rge Y ú d i c e

quais a publicidade e toda a parafernália do


n
R t í s t i c o

sendo mais importantes que os DJ e as consumismo nos têm acostumado. No brega,


próprias músicas. Por meio de seus corpos, existem muitas cantoras que se apresentam
a

elas manifestam sua “atuação”, um sentido em vestidos mínimos, justos e provocantes,


e

de autoempoderamento, que muitas vezes debaixo dos quais palpitam corpos generosos.
i s t ó R i c o

não é aceito fora do círculo de pessoas com Artistas como Michelle Melo e Gaby
ideais afins. Segundo Walker, as mulheres Amarantos “não aceitam os padrões corporais
H

têm a opção de formar uniões temporárias de beleza que são vistos na TV” (Fontanella,
a t R i m ô n i o

baseadas no atrativo físico do homem. “Na 2005:13). Vários autores associam essa
pista de baile, as mulheres têm a vantagem, resistência à “perfeição” consumista: Judith
P

e seu parceiro de dança só vai tão longe Butler disse que se trata de uma performance
d o

quanto elas permitirem. A epígrafe de em que não se repetem fielmente as normas em


e v i s t a

Bakare-Yusuf (“Eu amo a mim mesma vigor, tais como o carnavalesco bajtniano ou
enquanto estou dançando e me excitando”)
R

o dionisíaco nietzscheano (Fontanella, 2005;


propõe que as mulheres se sintam atuantes Sodré e Paiva, 2002). Seria uma resistência
na suposta objetificação na dança” (Walker, ao consumismo possibilitada por esse mesmo
2013:18). Semán e Vila (2013:193), que consumismo, tal como acontece nos reality
analisam as relações de gênero na cumbia shows, como, por exemplo, o Britain’s Got
das comunidades pobres, concordam. Citam Talent, em que o apresentador Simon Cowell
várias feministas de terceira geração que “descobre” cantores talentosos “gordos e feios”
86 propõem que “as mulheres se empoderam (segundo os gostos hegemônicos), como Susan
não só por optarem pela feminilidade, mas Boyle e Jonathan Antoine.
também pelo sexo propriamente dito. Poderia
parecer que assumem a feminilidade a partir 6. conclUsão: o qUe é
de indicadores femininos tradicionais, mas pat r i m ô n i o e pa r a q U e
a preferência [dessas mulheres] se associa ao serve?
empoderamento e ao desejo de independência
e à sexualidade para si mesmas em vez de Como cidadãos em uma época de
fazer sexo apenas para o prazer do homem”43. reconhecimento dos direitos culturais, os
músicos plebeus têm todo o direito de
utilizar os espaços públicos até hoje em dia
43. O dancehall tem sido criticado por suas letras homofóbicas,
a tal ponto que grupos de direitos LGBTQI no Reino Unido e monopolizados pela alta cultura e pelas
nos Estados Unidos têm boicotado artistas jamaicanos que não representações folclóricas autorizadas.
tenham “limpado” suas músicas. Os boicotes tiveram efeito,
pois os músicos criaram duas versões de suas músicas: uma para É justamente esse o tipo de argumento
o rádio e outra, homofóbica e/ou vulgar, para os clubes (Henry,
2012; Walker, 2013). usado pelos Novos Estudos Críticos
Acervo: Iphan/
Bonecas Karajá

Telma Camargo da Silva.


R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l
87

G e o rge Y ú d i c e Músicas plebeias


do Patrimônio (New Critical Heritage instrumentos, objetos, artefatos e espaços culturais
Músicas plebeias

Studies), pois reconhecem que as políticas que lhes são inerentes) que as comunidades,
os grupos e, em alguns casos, os indivíduos
a c i o n a l

patrimoniais têm sido atos políticos e, em


reconhecem como parte integrante de seu
uma época democratizante e reconhecedora
patrimônio cultural. [Esse patrimônio inclui...]
G e o rge Y ú d i c e

da diversidade, esses atos políticos devem ser


n

tradições orais, artes performáticas, práticas


R t í s t i c o

expostos ao questionamento. Seu manifesto sociais, rituais, eventos festivos, conhecimentos e


diz: “O nacionalismo, o imperialismo, o práticas relacionados à natureza e ao universo ou
a

colonialismo, o elitismo cultural ocidental conhecimentos e habilidades para a produção de


e

triunfalista, a exclusão social por motivos


i s t ó R i c o

ofícios tradicionais.
de classe e etnia e a fetichização do
conhecimento especializado têm exercido Várias críticas têm sido feitas ao conceito
H
a t R i m ô n i o

forte influência sobre como se utiliza, define e à sua aplicação: porque o conceito é muito
e administra o patrimônio” . É possível
44
amplo, não havendo nada que não se encaixe
estabelecer que a patrimonialização é um nele; por exigir especialistas – mais que
P

tipo de disciplinamento e, em uma época os “próprios portadores da cultura” – que


d o

de desdisciplinamento relativo, é válido determinem a designação e a catalogação do


e v i s t a

perguntarmos para que serve o próprio que será incluído; por uma noção de resgate
R

conceito de patrimônio, sobretudo quando que tende a essencializar bens e práticas;


os processos de gestão e intermediação se pela quase inevitável hierarquização de
pluralizam cada vez mais. expressões “de destaque”, relegando outras
O conceito de patrimônio imaterial a status menores; por enfatizar produtos e
(que, em grande medida, inclui tudo o ofícios acima dos processos e relações que os
que antes se conhecia como folclore) surge originam; por tratar esses produtos e ofícios
justamente quando os países do mundo como propriedade dos Estados-Nação; por
88
entram em um processo de reconhecimento fomentar a comercialização do patrimônio
de sua pluriculturalidade na América Latina. no turismo e sua estereotipagem nos meios
Trata-se de um novo processo de governança, de comunicação; e por entender a cultura
em alguns casos, e de uma ampliação das mais como um processo de consenso do que
formas de consumo, em outros. Mas o que como uma disputa de poder (Villaseñor e
é o patrimônio, sobretudo o patrimônio Zolla, 2012). Com relação ao último ponto,
imaterial, que se pretende salvaguardar? cabe esclarecer que não se trata apenas de uma
Segundo a Unesco (2003), o patrimônio disputa de poder com relação ao Estado, mas
imaterial consiste de: sim no interior da sociedade, na cultura e em
suas associações. Para que e para quem serve
... os usos, representações, expressões, o conceito de patrimônio? A resposta não é
conhecimentos e técnicas (junto com os simples, mas sim confusa, devido à entrada
e saída de intermediários, incluindo as novas
44. Association of Critical Heritage Studies, “Manifesto”. mídias, que, como vimos nos casos das músicas
Disponível em http://archanth.anu.edu.au/heritage-museum-
studies/association-critical-heritage-studies. plebeias kitsch, chegaram a ocupar espaços
antes reservados para artistas sancionados Todavia, como as músicas “ingênuas” da

Músicas plebeias
pelas instituições culturais e para celebridades cada vez mais burlesca Tigresa del Oriente

a c i o n a l
formadas nas mídias e indústrias culturais. e da popificada Wendy Sulca, essas músicas
O que quer dizer o Conselho Distrital “vulgares” ganham força, tanto na internet

G e o rge Y ú d i c e
como nas mídias. Como propus no início,

n
de Cartagena ao propor a champeta como

R t í s t i c o
candidata a patrimônio cultural imaterial? me parece que se vem produzindo um
Será que se superou a estigmatização da desdisciplinamento e que os critérios de valor

a
champeta e da cultura afrodescendente da (que, por sua vez, se sustentam na distinção

e
qual ela emerge? Quer dizer que já não se e, portanto, na hierarquização social) vêm

i s t ó R i c o
rejeita (o que a “gente de bem” considera deixando de ser necessários. Logicamente,
ser) o que é baixo e vulgar? Logicamente, me refiro ao nível geral de uma sociedade ou

H
nação: se o patrimônio é direito de todos,

a t R i m ô n i o
continuarão existindo vozes que rejeitam essas
músicas plebeias. Por exemplo, a champeta então a tendência já é não subordinar práticas
continua sendo estigmatizada como vulgar, simbólicas. Mas, se nos posicionarmos

P
violenta, desprovida de qualidade e coisa de no nível das instituições particulares e da

d o
negro: “incita ao sexo desenfreado, ao vício sociedade civil (por exemplo, as igrejas), fica

e v i s t a
em drogas e à violência e não é cultural” é um evidente que continua-se advogando contra

R
comentário típico de um artigo do jornal El os direitos de certos grupos, principalmente
Universal de Cartagena, no qual se informa os LGBTQI. Ou seja, existem tentativas
que o prefeito propõe incluir a champeta de disciplinamento a partir de valores
nos espetáculos patrocinados pela prefeitura específicos. Além disso, em um nível geral,
(Mejía Mesa, 2012) . Semelhantemente, o
45 continua-se disciplinando no sentido de
reggaeton tem sido contestado – e até mesmo conduzir os atores segundo as oportunidades
restringido nas transmissões radiofônicas em de trabalho, os lugares em que se pode
89
Cuba, República Dominicana, Guatemala tocar, o acesso às mídias e ao público, a
e Venezuela – por ser “vulgar”, “medíocre” visibilidade etc. Porém as músicas (e não
e [...] conter “textos agressivos, sexualmente necessariamente os músicos) a que se faz
explícitos e obscenos, que tergiversam sobre referência neste ensaio prosperam nos
a sensualidade como parte integrante da mercados informais e, até certo ponto,
mulher... projetando-a como um objeto também nos formais (sobretudo em shows
sexual grotesco em um entorno gestual ainda e bailes), apesar dos pavores morais, que

mais grotesco”. Críticas semelhantes são feitas são muitas vezes hipócritas. As músicas
plebeias vêm conquistando espaço e, senão
com relação ao tecnobrega, o funk carioca e a
sempre, aprovação. A proliferação de opções
cumbia das comunidades pobres.
de consumo apoia essa observação. Existe
45. Um comentarista que condena a champeta a partir de sua alguma coisa para todos os gostos. Mas,
condição de “negro fino” se transforma em objeto de zombaria se é assim, isso também quer dizer que o
de outros comentaristas: por exemplo, um que escreve: “Amigo,
não sei o que é negro fino, pois, até onde sei, são os cachorros que já foi rebelde e subversivo (o burlesco,
que têm raça fina”. Esse comentário expõe o racismo por trás da
aversão de muita “gente de bem” à champeta (Mejía Mesa, 2012). o grotesco, o antinormativo) perde agora
um pouco de seu poder. O plebeu pode à estirpe desavergonhada de nossos senhores. O
Músicas plebeias

continuar a ser o que é sem necessidade de controle é de curto prazo e de mudança rápida,
mas também é contínuo e ilimitado, enquanto
a c i o n a l

se purificar e se transformar em uma cultura


a disciplina era de longa duração, infinita e
popular patrimonizável. Existem outros
descontínua. O homem já não está isolado, mas
G e o rge Y ú d i c e

mecanismos para estabelecer o controle nas


n

está, sim, endividado. É verdade que o capitalismo


R t í s t i c o

sociedades contemporâneas.
tem mantido a extrema pobreza de 75% da
Tenho que esclarecer que, ao constatar humanidade como constante, com estes sendo
a

um relaxamento relativo da disciplina demasiadamente pobres para se endividarem,


e

comportamental, no sentido foucaultiano,


i s t ó R i c o

mas demasiadamente numerosos para serem


não há nenhum argumento que continue isolados. O controle não só terá de se preocupar
dominando as pessoas que compõem a com a erosão das fronteiras, mas também com as
H

sociedade. O disciplinamento surge no final explosões nas comunidades pobres ou nos guetos.
a t R i m ô n i o

do século XVIII, ao mesmo tempo que a


emergente sociedade burguesa tem de legislar O consumo de mercadorias de mensagens
P

a si mesma. Trata-se de uma internalização da audiovisuais é parte fundamental desse


d o

lei, que era exercida externamente no período controle, mas também se abrem brechas
e v i s t a

do soberano absoluto. O consumismo que importantes.


Logicamente, existem sociedades em
R

surge no início do século XX é uma espada


de dois gumes: por um lado, contribui para que o consumo é anátema, sobretudo onde
que diversos setores da população vão se há governos teocráticos. Além disso, nessas
destacando e que, por meio do consumo, vão sociedades, associa-se o consumismo ao
reclamando direitos, sobretudo no período imperialismo ocidentalizante. Na América
pós-fordista; por outro lado, o consumo é Latina, há poucos lugares onde se adota essa
uma maneira de exercer controle, pois chega- perspectiva e, em todo caso, até o folclore
90
se a conhecer a fundo as preferências dos de raiz indígena e afrodescendente entra nas
consumistas, sobretudo no novo milênio, vias consumistas de reconhecimento das
com a análise dos megadados. diferenças culturais. A pluralização ocorre
Segundo Deleuze (1991): lado a lado com o consumismo, de modo
que a ampliação do que é patrimonizável não
... as conquistas do mercado acontecem resolve os dilemas do controle social, embora
com a tomada de controle e já não mais pelo satisfaça (até certo porto) as demandas de
disciplinamento, mas sim fixando-se a taxa de reconhecimento. Tampouco se resolve a
câmbio em vez de baixar os custos, transformando distribuição de riqueza deficiente por meio do
o produto em vez de especializar a produção.
reconhecimento cultural e do consumismo. É
Nesse contexto, a corrupção obtém maior poder.
por isso que qualquer política cultural tem de
O marketing é agora o centro ou a alma da
corporação. Somos ensinados que as corporações
se articular transversalmente com políticas de
têm alma, o que é a notícia mais terrível do outros setores, tais como educação, emprego,
mundo. A operação dos mercados é, atualmente, moradia, serviços, urbanismo etc. Porém esse
um instrumento de controle social e corresponde já é um assunto para outro ensaio.
referências Deleuze, Gilles. “Posdata sobre las sociedades de

Músicas plebeias
control”, em Christian Ferrer (comp.). El lenguaje
literario. Tomo 2. Montevideo: Editorial Nordan.
Alfaro Rotondo, Santiago. “Economía y cultura de la

a c i o n a l
Disponível em http://www.scribd.com/doc/199731815/
música andina en Lima Metropolitana”. Dissertação de
Delleuze-Guilles-Sobre-lassociedades-de-control-pdf.
licenciatura. Pontificia Universidad Católica del Perú.
Consultado em 2 de junho de 2014.
Facultad de Ciencias Sociales, 2009. Sociologia.

G e o rge Y ú d i c e
n
Derrida, Jaques. La verdad en pintura. Barcelona: Paidós,

r t í s t i c o
_____________.. “Peruwood: La industria del video
2001
digital en el Perú”, em Latin American Research Review,
48, número especial dedicado a las polìticas culturales Ewen, Stuart. Captains of Consciousness: Advertising and
the Social Roots of the Consumer Culture. New York:

a
latinoamericanas, 2013, pp. 69-99.

e
McGraw Hill, 1976
Appadurai, Arjun. La modernidad desbordada:

i s t ó r i c o
Dimensiones culturales de la globalización. Montevideo: Febres, Eduardo. “Dos preguntas para un interné meme”,
Trilce; Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, em Plomo 2 (maio de 2011), p. 19. Disponível em http://
2001. issuu.com/revistaplomo/docs/plomo_02. Consultado em 14

H
de junho de 2014. Também se encontra em: http://pasapor-

a t r i M ô n i o
Bakare-Yusuf, Bibi. “‘T Love Myself When T am
misvidrios.blogspot.com/2011/10/dos-preguntas-para-un-
Dancing and Carrying On’: Refiguring the Agency
-internememe.html. Consultado em 14 de junho de 2014.
of Black Women’s Creative Expression in Jamaican
Fontanella, Fernando Israel. “A Estética do Brega:
Dancehall Culture”, in International Journal of Media

P
Cultura de Consumo e o Corpo nas Periferias do Recife”.
and Cultural Politics 1.3, 2005, pp. 263-276.

d o
Tese de Mestrado, Universidade Federal de Pernambuco,
Botero, Carolina; Ochoa, Ana María; e Pardo, Mauricio. CAC, Comunicação. Abril de 2005. Disponível em

e v i s t a
Economías informales en la música de las ciudades de http://www.scribd.com/doc/213856054/A-estetica-do-
Cartagena, Barranquilla y Santa Marta en Colombia. Rio brega-cultura-de-consumo-eo-corpo-nas-periferias-do-

r
de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas; Bogotá: Colegio Recife. Consultado em 20 de agosto de 2014.
Mayor de Nuestra Señora del Rosario, 2011. Disponível
García, Ramón. “Against Rasquache: Chicano identity
em http://idlbnc.idrc.ca/dspace/handle/10625/49902.
and the politics of popular culture in Los Angeles”. In:
Consultado em 20 de agosto de 2014.
Critica: A Journal of Critical Essays. San Diego, CA:
Carpentier, Alejo. La música en Cuba. México: Fondo de Primavera, 1998, pp. 1-26.
Cultura Económica, 1946.
García Canclini, Néstor. Culturas híbridas. Estrategias
Carrasco H., Noelia et al. “Los derechos indígenas en para entrar y salir de la modernidad. México: Grijalbo/
el ámbito constitucional”, em Informe de la comisión CONACULTA, 1990
verdad histórica y nuevo trato, vol. III, tomo III, cap. _____________.. “Introducción a la nueva edición. Las 91
VII. Santiago: República de Chile, 2003, pp. 1.628- culturas híbridas en tiempos globalizados”, em Culturas
1.630. Disponível em http://biblioteca.serindigena.org/ híbridas. Estrategias para entrar y salir de la modernidad.
libros_digitales/cvhynt/v_iii/t_iii/v3_t3_c7-VIII_.html. Nova edição. Buenos Aires: Paidós, 2001, pp. 13-33.
Consultado em 20 de agosto de 2014.
García Liendo, Javier. “Cultura de masas alternativas:
Christensen, Ralf; Johnsen, Andreas & Moltke, Intelectuales, tecnología y comunicación en Angel Rama y
Henrik. Good Copy Bad Copy. 2007. Rosforth José María Arguedas”. Tese de doutorado. 2011. Princeton
Producciones. Disponível em https://www.youtube.com/ University, Princeton, NJ. Proquest/UMI. Disponível
watch?v=ZKiLI7XFB9k. Consultado em 14 de junho de em http://search.proquest.com/docview/854862310.
2014. A parte do tecnobrega vai de 40’00” a 52’30”. Consultado em 20 de agosto de 2014.
ComScore. “Futuro Digital Latinoamericano: El Estado Gorodischer, Violeta. “Que la inocencia te valga”, em
Actual de la Industria Digital y las Tendencias que Están Radar, Suplemento de Página 12. 17 de outubro de
Modelando el Futuro”. Maio de 2013. Disponível em 2010. Disponível em http://www.pagina12.com.ar/
http://www.slideshare.net/MercadoNegroAD/futuro- diario/suplementos/radar/9-6544-2002-02-15.html.
digitallatinoamerica-2013. Consultado em 28 de junho Consultado em 20 de agosto de 2014.
de 2014. Henry, Davina. “J-Flag Stands Behind Dancehall-Gay-
Contreras Hernández, Nicolás Ramón. “Champeta/ Rights Group Bats for Reformed Dancehall Artistes”. In:
terapia: más que música y moda, folclor urbanizado del The Gleaner. 16 de dezembro de 2012. Disponível em
Caribe colombiano”, em Huellas (Universidad del Norte, http://jamaica-gleaner.com/gleaner/20121216/ent/ent1.
Barranquilla), 2003, pp. 67-68, 33-45. html. Consultado em 20 de agosto de 2014.
Hidroboy. “La Tigresa y Berta versionando Do What Instituto de Seguridad y Servicios Sociales de los
Músicas plebeias

You Want para la Fiesta PLOP!” 30 de abril de 2014. Trabajadores del Estado, 1999. Disponível em http://
Disponível em http://estoybailando.com/la-tigresa- nomadasyrebeldes.files.wordpress.com/2010/03/del_
a c i o n a l

yberta-versionando-do-what-you-want-para-la-fiesta- rancho_al_internetmonsivais.pdf. Consultado em 20 de


plop/. Consultado em 20 de agosto de 2014. agosto de 2014.
Infobae. “Lo nuevo de Dani Umpi, electropop uruguayo”. _____________. “Ahí está el detalle”: El habla y el cine
G e o rge Y ú d i c e
n

11 de janeiro de 2012. Disponível em http://www. de México. 18 agosto de 2002. Disponível em http://


r t í s t i c o

infobae.com/2012/01/11/1041938-lo-nuevo-dani-umpi- www.voltairenet.org/article120422.html. Consultado em


electropopuruguayo. Consultado em 20 de agosto de 20 de agosto de 2014.
2014.
a

_____________.. “Se sufre porque se aprende. De


e

Kant, Manuel. Crítica del juicio. S/L: Biblioteca Virtual las variedades del melodrama en América Latina”.
i s t ó r i c o

Universal, 2003. Disponível em http://www.biblioteca. Artigo apresentado em “Educar la mirada: Seminario


org.ar/libros/89687.pdf. Consultado em 20 de agosto Internacional. Buenos Aires: FLACSO-Argentina, 2005.
de 2014. Moore, Robin. Nationalizing Blackness: Afrocubanismo
H

Knafo, Robert; Fusco, Coco. “Interviews with Cuban and Artistic Revolution in Havana, 1920-1940.
a t r i M ô n i o

Artists”. In: Social Text 15. Outono de 1986, pp. 41-53. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1997.
Larkin, Brian. “Degraded Images, Distorted Sounds: Mosquera, Gerardo. “Bad Taste in Good Form”, in Social
Nigerian Video and the Infrastructure of Piracy”. In: Text 15 (Outono de 1986), pp. 54-64. El original es: “La
P

Public Culture 16.2, 2004, pp. 289-314. buena forma de las formas malas”, em Unión: Revista de
d o

Mardones, Felipe. “Dani Umpi, un aprendiz en la UNEAC 2 (1984), pp. 35-48.


e v i s t a

frontera”. Paniko, novembro de 2012. Disponível em Muñoz, José Esteban. Disidentifications: Queers of Color
http://www.paniko.cl/2012/11/dani-umpi-unaprendiz- and the Performance of Politics. Minneapolis: University
r

en-la-frontera/. Consultado em 20 de agosto de 2014. of Minnesota Press, 1999.


Martín-Barbero, Jesús. De los medios a las mediaciones: Muñoz Vélez, Enrique Luis. “La música popular: bailes
Comunicación, cultura y hegemonía. Barcelona: Ediciones y estigmas sociales. La champeta, la verdad del cuerpo”,
G. Gili, 1987 em Huellas (Universidad del Norte, Barranquilla), 67-68,
_____________.. “Culturas populares”, em Términos 2003, pp. 18-32.
críticos de sociología de la cultura. Buenos Aires: Ed. _____________. “Disencounters Between Music’s Allure
Carlos Altamirano. Paidós, 2002 and The Expediency Of Culture In Colombia”, in Latin
Martín Criado, Enrique. “Habitus”, em Román Reyes American Research Review 48 (Número especial sobre
(dir.). Diccionario de las ciencias sociales. 4 tomos. Políticas y mercados culturales en América Latina, 2013,
92
Madrid; México: Editorial Plaza y Valdés, 2009. pp. 1229.
Disponível em http://pendientedemigracion.ucm.es/info/ Ochoa Gautier, Ana María. “Sonic Transculturation,
eurotheo/diccionario/H/habitus.htm. Consultado em 20 Epistemologies of Purification and the Aural Public
de agosto de 2014. Sphere in Latin America”, in Social Identities 12.6
McCormack, Kirsty. “‘It was like Susan all (novembro de 2006), pp. 803-825.
over again’: Simon Cowell finds another unlikely star at Olalquiaga, Celeste. “Holy Kitschen: Collecting
BGT auditions”, in Daily Mail, 8 de fevereiro de 2012. Religious Junk from the Street 1995”, in Megalopolis:
Disponível em http://www.dailymail.co.uk/tvshowbiz/ Contemporary Cultural Sensibilities. Minneapolis:
article-2098063/Britains-Got-Talent-2012Simon- University of Minnesota Press, 1992, pp. 36-55.
Cowell-finds-unlikely-star-London-auditions.html. Ortiz, Fernando. Hampa afro-cubana: Los negros brujos
Consultado em 20 de agosto de 2014. (Apuntes para un estudio de etnologia criminal). Miami:
Mejía Mesa, José Rafael. “Que resurja la champeta”, em Ediciones Universal, (1906) 1973.
El Universal, 21 de julho de 2012. Disponível em http:// Ortiz García, Carmen (s.f.). “Cultura popular y
www.eluniversal.com.co/cartagena/local/queresurja-la- construcción nacional: La institucionalización de los
champeta-84834. Consultado em 28 de junho de 2014. estudios de folklore en Cuba”, em Revista de Indias,
Monsiváis, Carlos. “Cultura Popular: Reír llorando”, em 43.229: pp. 695-736.
Política Cultura del Estado Mexicano. México: Centro de Páez, David. “Choque. Depravación, pornografía
Estudios Educativos-SEP, 1983. ¿o el baile de moda?” 21 de janeiro de 2011.
_____________.. Del rancho al Internet. México: Disponível em http://blogs.elespectador.
com/melomaniacos/2011/01/21/choque- 2003. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/

Músicas plebeias
depravacionpornografia-o-el-baile-de-moda/. Consultado images/0013/001325/132540s.pdf. Consultado em 20
em 20 de agosto de 2014. de agosto de 2014.

a c i o n a l
“Por ‘vulgar’, Cuba analiza prohibir el reggaeton”. Vega, Ana Lydia. “El jaleo del perreo”, em El
5 de dezembro 2012. Disponível em http://www. nuevo día. 23 de maio de 2002. Disponível
clarin.com/sociedad/vulgar-Cuba-analiza-prohibir- em http://www.adendi.com/archivo.

G e o rge Y ú d i c e
n
reggaeton_0_823117733.html.

r t í s t i c o
asp?num=503531&year=2002&month=%20
Raphael, Alison. “Samba and Social Control: Popular 5&keyword. Consultado em 20 de agosto de 2014.
Culture and Racial Democracy in Rio de Janeiro”. Tese Vianna, Hermano. O Mundo Funk Carioca. Rio de

a
de doutorado. 1980. Columbia University. Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

e
Semán, Pablo; Vila, Pablo. “Gender tensions in cumbia

i s t ó r i c o
Villaseñor Alonso, Isabel y Zolla Márquez,
villera’s lyrics”, in Cumbia! Scenes of a Migrant Latin Emiliano. “Del patrimonio cultural inmaterial o
American Music Genre. Héctor Fernández L’Hoeste & la patrimonialización de la cultura”, em Cultura
Pablo Vila (eds). Durham, NC: Duke University Press, y Patrimonio 6.12 (março de 2012), pp. 75-101.

H
2013, pp. 188-212.

a t r i M ô n i o
Disponível em https://www.academia.edu/1452889/
Serquén, Beto. “En tus tierras bailare de la Tigresa del Del_patrimonio_cultural_inmaterial_o_la_patri
Oriente, Wendy Sulca y Delfin hasta el fin: sincretismo monialzacion_de_la_cultura. Consultado em 20 de
puro”. Blog: La Voz del Edén. 23 de abril de 2010. agosto de 2014.

P
Disponível em http://blog.pucp.edu.pe/item/96000/en-
Walker, Aleia. “Art imitating life: how heteronormative

d o
tus-tierras-bailare-dela-tigresa-del-oriente-wendy-sulca-y-
values shape and encourage the censorship of Jamaican

e v i s t a
delfin-hasta-el-fin-sincretismo-puro. Consultado em 20
dancehall music”. Dissertação de mestrado. 2013.
de agosto de 2014.
Universidade de Miami.

r
Soares, Thiago. “Conveniências performáticas num
Winocur, Rosalía. “¿Y, qué hicimos con los medios de
show de brega no Recife: Espaços sexualizados e desejos
comunicación? Problemas y desafíos afrontados por el
deslizantes de piriguetes e cafuçus”, em LOGOS 36
Grupo de Cultura Urbana”. Trabajo presentado en el
Comunicação e Entretenimento: Práticas Sociais, Indústrias
Laboratorio de cultura urbana: Los conflictos culturales
e Linguagens. 19.1 (1º semestre de 2012), pp. 55-67.
en el futuro de las ciudades. Ciudad de México, 11-13 de
Disponível em http://www.logos.uerj.br/PDFS/36/04_
maio de 2005.
logos36_soares_conveniencias_performaticas .pdf.
Consultado em 20 de agosto de 2014. “You Fest, You Fest, en tus tierras bailaré”, in Rolling
Stone 23 de outubro de 2010. http://www.rollingstone.
Sodré, Muniz; Paiva, Raquel. O império do grotesco. Rio
com.ar/1317897. Consultado em 20 de agosto de 2014. 93
de Janeiro: Mauad, 2002.
Sontag, Susan. “Notes on ‘Camp’”, in Against Yúdice, George. “La funkificación de Río”, em El
Interpretation and Other Essays. New York: Farrar, Straus recurso de la cultura: Usos de la cultura en la era global.
and Giroux, 1964, pp. 275-292. Barcelona: Gedisa, 2002, pp. 137-165.

Statista. Mobile penetration rate in Latin America from _____________. “De la Sociedad sin relato a la gestión
2007 to 2015. 2014. Disponível em http://www.statista. de la sociedad”, em Voces híbridas: Ciudad, Juventud e
com/statistics/218141/mobile-penetration-rate-inlatin- Interculturalidad. Eduardo Nivón Bolán (ed.). México:
america-since-2007/. Consultado em 10 de junho de Siglo XXI & Universidad Autónoma Mexicana-
2014. Iztapalapa, 2012a.

_____________. Moblile phone user penetration in _____________. “Translator’s Introduction”, em Néstor


Latin America from 2009 to 2015. 2014a. Disponível García Canclini. Imagined Globalization. Trad. George
em http://www.statista.com/statistics/183586/mobile- Yúdice. Durham: Duke University Press, 2014. vii –
phone-userpenetration-in-latin-america-since-2009/. xxxiii.
Consultado em 10 de junho de 2014. Yúdice, George, Jean Franco & Juan Flores (comps.).
Unesco. Convencion para la Salvaguardia del “Interview with Tomás Ybarra-Frausto: The Chicano
Patrimonio Cultural Inmaterial. Ratificada na sessão Movement in a Multicultural/Multinational Society”.
32 da Conferência Geral da Organização das Nações In: On Edge: The Crisis of Contemporary Latin American
Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, Culture. Minneapolis, University of Minnesota Press,
em Paris, de 29 de setembro a 17 de outubro de 1992, pp. 207-215.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

94
Marcia Sant’Anna Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural
Marcia Sant’Anna

Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural


a c i o n a l
d esafios e perspectivas da política federal de

n
salvagUarda do patrimônio cUltUral

R t í s t i c o
r
a
e
H r i c o
i s t ó R
m ô n i o
introdUção Embora inserida em um contexto
internacional e em diálogo com esse contexto,

R i M
a t r
Com uma história que tem mais de 80 que, capitaneado pela Unesco, também se

P
voltou para a matéria, essa política teve,

d o
anos e que, portanto, antecede a própria fun-

e v i s t a
dação do Instituto do Patrimônio Histórico desde o início, contornos muito próprios
e Artístico Nacional (Iphan), as propostas e e mesmo descolados das formas como essa

Marcia Sant’Anna
R
r
ações do Brasil em torno da salvaguarda do questão vinha sendo conduzida no plano
que denominamos hoje de patrimônio cultural internacional. Com base numa bagagem
imaterial ganharam, nos últimos 15 anos, im- conceitual e numa prática própria, o
portância nacional e o respeito internacional. Brasil construiu seu caminho de modo
Sob diversas denominações, entre as quais se independente, mas, ao mesmo tempo,
destaca a noção de patrimônio artístico de influente, uma vez que a participação de
Mário de Andrade, e com diversas perspecti- especialistas brasileiros nas discussões e 95

vas, entre as quais se destacam a dos folcloris- tratativas que culminaram na Convenção
tas, nos anos 1950, e a do Centro Nacional de para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural
Referências Culturais, nos anos 1970, o poder Imaterial em 2003 foi reconhecidamente

público no país se ocupa dessa salvaguarda decisiva.1

desde os anos 1930, ainda que com distintas Mas, em que exatamente consiste essa

intensidades e muitos altos e baixos. Mas, a abordagem própria, e no que ela se diferencia
daquela preconizada em nível internacional?
partir de discussões que foram retomadas no
Mesmo antes da aprovação da
final dos anos 1990, e, principalmente, com a
Convenção de 2003, a Unesco propunha
criação de instrumentos legais e técnicos espe-
como modelo, para os países membros, a
cíficos, além de espaço institucional próprio,
política de salvaguarda de origem japonesa
na década de 2000, uma política federal de
que ficou mundialmente conhecida como
salvaguarda desse patrimônio foi formulada e
vem sendo implementada de modo sistemático Carranca
1. Participaram dessas discussões, como especialistas convidados, Acervo: Copedoc/Iphan/
e bem-sucedido. Maria Cecília Londres Fonseca e Antônio Augusto Arantes. Marcel Gautherot.
Tesouros Humanos Vivos. Uma política, outra direção e com outros objetivos. Se nos
Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural

em suma, centrada no reconhecimento de reportarmos às iniciativas pioneiras de Mário


a c i o n a l

indivíduos e grupos produtores/praticantes de de Andrade, expressas nas suas expedições


manifestações culturais como “patrimônios ao Nordeste para registro de manifestações
vivos” e no fortalecimento dos processos de culturais no final dos anos 1920 (Andrade,
n
R t í s t i c o

transmissão de seus saberes e habilidades 2015, pp. 206-246), já se percebe não


para novas gerações. Além de promover somente uma abordagem etnográfica, que
a

uma personalização do patrimônio cultural focaliza os contextos sociais e territoriais,


e

imaterial, essa política não inclui os contextos mas que traz para o centro a expressão
i s t ó R i c o

territoriais, ambientais e sociais de produção cultural, seus atores no dia a dia, sua vida,
desses bens culturais, tendendo a ressaltar o seu trabalho. Em suma, uma visão ampla
H

virtuosismo e a performance de determinados e compreensiva da produção e reprodução


a t R i m ô n i o

detentores. Nada mais estranho à trajetória da manifestação cultural. Ainda que com
histórica do Brasil. especificidades, é possível verificar que essa
P

Uma rápida pesquisa no conteúdo abordagem foi adotada por folcloristas nos
d o

da Lista Representativa da Convenção anos 1940, 50 e 60, como Edison Carneiro e,


e v i s t a

de 2003, de fato, mostra a influência mais tarde, pelos projetos da antiga Fundação
asiática na abertura dessa nova vertente de
Marcia Sant’Anna
R

Nacional Pró-memória, nos quais essa visão


patrimonialização e na definição dos focos da de conjunto foi praticada. Mas os mestres
salvaguarda. Os países dessa região respondem mais destacados dessas expressões culturais
por 122 (36,3%) das 336 inscrições nacionais não foram descuidados. Constantemente,
nesta lista, portanto muito à frente dos eles foram distinguidos e registrados, mas
outros.2 Entre as inscrições asiáticas – embora sempre inseridos nos contextos territoriais,
um mesmo bem possa estar registrado em ambientais, sociais e econômicos em que
96 mais de uma categoria –, a maioria diz atuavam. É possível, então, afirmar que se
respeito a artes performáticas (59 bens), nas deve a esse tipo de abordagem a opção do
quais a habilidade individual se destaca, e os governo brasileiro de patrimonializar o bem
países mais contemplados são China, Japão e cultural, e não as pessoas que o produzem,
República da Coreia. Não por acaso, Japão e reconhecendo-se, desse modo, que a
Coreia estão entre os países que, muito antes salvaguarda não depende somente delas,
da Convenção da Unesco, já praticavam a nem apenas da sua vontade e participação,
política dos Tesouros Humanos Vivos.3 mas também de certas condições materiais,
A tradição brasileira de valorização de ambientais, sociais, de circulação e consumo
bens culturais imateriais foi construída em que possibilitam a existência, transmissão
e reprodução desse bem. Em suma,
2. O Grupo II, correspondente aos países eslavos e do leste
europeu, fica em segundo lugar com 60 inscrições (17,9%), e o possibilitam sua permanência e continuidade.
Grupo III, dos países da América Latina, em quarto lugar com 48 A partir da década de 2000, com a
inscrições (14,3%). Fonte: https://ich.unesco.org/en/lists, acesso
em 30/6/2017. promulgação do Decreto n° 3.551 e a criação
3. O Japão criou esta política em 1950, sendo seguido por Coreia
e Filipinas. do Departamento do Patrimônio Imaterial
(DPI) do Iphan, uma política de salvaguarda 2016). Sem dúvida, entre as principais

Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural


do patrimônio cultural imaterial começou conquistas, deve ser ressaltada a boa recepção

a c i o n a l
a ser estruturada nessas bases. A despeito social e o grande interesse despertado pela
do seu sucesso e do reconhecimento da salvaguarda de bens culturais imateriais, o
sua importância, muitos estados brasileiros

n
que pode ser confirmado não somente pela

R t í s t i c o
optaram pelo caminho apontado pelo sistema significativa atuação de setores da sociedade e
Tesouros Humanos Vivos. Esse sistema, instituições não governamentais neste campo,

a
contudo, não foi implementado aqui de mas, principalmente, pelo grande número

e
modo completo e com a necessária vinculação de solicitações de registro e inventário que

i s t ó R i c o
dos mestres patrimonializados a programas chegaram ao Iphan a partir do ano 2000. A
de transmissão dos seus saberes e habilidades mobilização social em torno da salvaguarda

H
(Castro & Fonseca, 2008). Tem funcionado

a t R i m ô n i o
de bens, como o Modo de Fazer Viola de
muito mais como uma política afirmativa e Cocho, o Frevo e a Roda e o Ofício dos
de reparação, de forte cunho assistencialista, Mestres de Capoeira, dá uma boa medida

P
do que como política de salvaguarda capaz do apreço e do acolhimento devotados a essa

d o
de fortalecer a prática e a continuidade dos política junto a amplos setores da sociedade.

e v i s t a
bens culturais a ela relacionados. Com isso, Como expressão desse interesse, têm-se os 41

Marcia Sant’Anna
R
o Brasil acabou abrigando duas formas e bens culturais registrados entre 2002 e 2017,
entendimentos de salvaguarda que, até o 35 processos em instrução, 58 arquivados, 38
momento, não se integraram, e este é, sem em análise preliminar e, aproximadamente,
dúvida, entre outros, um dos grandes desafios 160 inventários concluídos em todas as
que se coloca para o Iphan no futuro. regiões do país.4
O Iphan, por meio do DPI e da sua
c o n q U i s ta s , problemas Unidade Especial, o Centro Nacional de
97
e desafios Folclore e Cultura Popular (CNFCP),
tem também investido sistematicamente
Nos últimos 15 anos, a política federal no treinamento e formação de pessoas,
de salvaguarda do patrimônio cultural dentro e fora da instituição, para lidar
imaterial logrou importantes conquistas. com a salvaguarda do patrimônio cultural
Para além da abertura e consolidação de um imaterial em todas as etapas e dimensões
espaço institucional e da aplicação, teste e desse processo. Essas unidades têm cumprido,
aperfeiçoamento do instrumental conceitual, ainda, de modo sistemático e constante,
técnico e normativo que a ampara, o Iphan,
o princípio basilar dessa política que diz
por meio do Departamento do Patrimônio
respeito ao seu caráter necessariamente
Imaterial (DPI), tem demonstrado uma
grande capacidade de flexibilidade e de 4. Fonte: Inventários concluídos - http://portal.iphan.gov.br/
adaptação, aprendendo com erros, revendo e pagina/detalhes/681/; registros – http://portal.iphan.gov.br/
uploads/ckfinder/arquivos/Lista%20Bens%20Registrados%20
regulamentando procedimentos (Instituto do por%20estado%202017%20(3).pdf. Há ainda 20 inventários em
andamento em todo o Brasil. Fonte: http://portal.iphan.gov.br/
Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, pagina/detalhes/680/
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

98
Marcia Sant’Anna Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural
Acervo: Iphan/
Glauco Fernandes.
Cavalo Marinho, PE
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l
99

Marcia Sant’Anna Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural


participativo e à busca incessante do têm sido, nesses casos, apropriadas com fins
Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural

fortalecimento da autonomia dos produtores meramente político-partidários e imagéticos,


a c i o n a l

e detentores de bens culturais ao longo do sem qualquer compreensão dessas noções e


processo de salvaguarda. O cumprimento dos fundamentos da política implementada
desses princípios tem permitido que, após 15
n

pelo Iphan.
R t í s t i c o

anos, seja possível identificar alguns processos Tomemos como exemplos, desse tipo de
de salvaguarda que já podem ser considerados apropriação oportunista e inconsequente, as
a

sustentáveis ou que estão se desenvolvendo recentes declarações, por parte do Estado e


e

claramente no sentido de conseguir essa da Prefeitura do Rio de Janeiro, da Torcida


i s t ó R i c o

condição, como os relativos à Arte Kusiwa do Flamengo como patrimônio imaterial


Wajãpi, ao Samba de Roda do Recôncavo municipal, do Biscoito Globo, dos táxis
H

Baiano e ao Carimbó. O cumprimento da


a t R i m ô n i o

amarelinhos e da Caminhada com Maria,


determinação do Decreto n° 3.551/2000 de de Fortaleza, como patrimônio nacional,
que, após dez anos, o processo de salvaguarda por iniciativa do Poder Legislativo Federal.
P

do bem registrado seja avaliado para efeito Cabe registrar que, nesses casos, o título
d o

de revalidação do seu título de Patrimônio de patrimônio cultural foi outorgado


e v i s t a

Cultural do Brasil, tem sido uma esplêndida mediante instrumentos legais específicos
Marcia Sant’Anna
R

oportunidade de conhecimento desses que contêm unicamente essa disposição.5


sucessos e também dos problemas e dilemas Independentemente de se discutir se essas
que têm pontilhado esse caminho. práticas constituem ou não referências
Num sentido muito amplo, é possível culturais, o seu reconhecimento institucional
apontar como um dos principais problemas, como bens culturais imateriais depende
com os quais se depara atualmente a política diretamente da existência de grupo social, ou
federal, a dificuldade de compreensão por grupos, que concebam essas práticas como
100
parte de setores e agentes fundamentais elementos importantes dos seus patrimônios
da sociedade, como os poderes executivo e
e estejam dispostos e comprometidos a
legislativo, nas esferas municipais, estaduais
continuar reproduzindo-as, mantendo-as
e federal, das sutilezas que envolvem a noção
e transmitindo-as. Assim, os bens culturais
de patrimônio cultural imaterial e da natureza
imateriais não são passíveis de salvaguarda
complexa de sua salvaguarda. A despeito
por si mesmos, mas somente por meio da
dos esforços do Iphan em demonstrar o
atribuição a eles de um valor especial por
contrário, o entendimento equivocado do
parte daqueles que os detêm ou praticam,
registro e da salvaguarda como um mero
e do sentimento de pertencimento e de
título que se outorga a uma prática cultural,
enraizamento na vida que promovem junto
sem qualquer participação ou envolvimento
a indivíduos e grupos sociais. Portanto,
dos segmentos ou grupos sociais a ela
relacionados, tem sido constante e crescente 5. Como ilustram o Decreto Municipal do Rio de Janeiro,
nos últimos anos. A noção de patrimônio n° 28.787, de 04/12/2007, e a Lei Federal 13.330, de 2015,
referentes, respectivamente, à Torcida do Flamengo e à
cultural imaterial e a ideia de salvaguarda Caminhada com Maria.
um instrumento legal que simplesmente e conhecem bem suas referências culturais.

Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural


institua – a partir da visão ou da opinião O que é necessário é alertá-las para as

a c i o n a l
isolada de quem quer que seja – que tal ou manipulações oportunistas e inconsequentes
qual manifestação cultural é patrimônio do seu patrimônio e informá-las das ações
não significa nada. Além disso, uma de identificação, documentação, apoio

n
R t í s t i c o
declaração dessa natureza não pode ter e fomento, disponíveis para ajudar a
qualquer consequência em termos de salvaguardá-lo.

a
salvaguarda – aqui entendida como Embora sério, o problema acima

e
processo de fortalecimento da existência e mencionado, infelizmente, não é o único

i s t ó R i c o
continuidade do bem cultural – já que lhe a colocar em risco os resultados da política
falta algo essencial, ou seja, uma base social de salvaguarda que o Iphan vem realizando.

H
ativa e comprometida com esse processo. Mesmo “dentro de casa”, ou seja, no próprio

a t R i m ô n i o
Mesmo assim, diversos governos estaduais e Iphan, tem havido muita dificuldade de
municipais, além de câmaras legislativas das integrar as políticas relativas às dimensões

P
várias esferas, têm trilhado esse caminho. Um material e imaterial do patrimônio cultural

d o
caminho, mais do que inócuo, que esvazia o e mesmo de dividir equilibradamente, entre

e v i s t a
conteúdo e, mesmo, compromete a política elas, os recursos financeiros da instituição.

Marcia Sant’Anna
R
exemplar que vem sendo implementada pelo Essa dificuldade decorre, em grande parte,
Iphan nessas quase duas décadas. da persistência de uma cultura interna,
O DPI vem tentando contornar esse longamente sedimentada, que privilegia
problema não apenas mediante investida o patrimônio construído e concentra
junto às instâncias de poder, seminários, muitos recursos – financeiros e humanos
congressos, oficinas, mas também por meio – em obras de conservação e restauração,
da publicação da série Patrimônio cultural em detrimento de ações sistemáticas de
101
imaterial: para saber mais (2012, 2017a, promoção da preservação do patrimônio
2017b), na qual, com linguagem acessível ao cultural pela sociedade e demais esferas de
grande público e também aos detentores de governo. Decorre ainda da dificuldade de se
bens culturais, e mediante fartas ilustrações, transformar uma prática institucional ainda
a delicadeza, a complexidade e o trabalho muito centrada no especialista e no seu saber
sério e constante exigidos na salvaguarda de técnico, em outra, de cunho mais aberto e
referências culturais são explicitados. Mas é participativo, a exemplo do que já é feito na
preciso ir mais além nessa cruzada de bem área do patrimônio cultural imaterial. Essa
informar. Instrumentos de comunicação, diferença de abordagem constitui um entrave
como redes sociais e outros, devem ser importante para a integração das políticas
também utilizados por meio da produção, relativas às dimensões imaterial e material do
por exemplo, de vídeos ou outras formas de patrimônio e contribui para separar as duas
comunicação da era digital, que auxiliem a áreas. A salvaguarda do patrimônio imaterial
atingir mais amplamente esse objetivo. Não sofre as consequências mais danosas dessa
há dúvida de que as pessoas sabem o que é situação, já que sua exemplaridade e eficiência
não têm sido suficientes para que recursos partir de agora, objeto de reflexão e revisão.
Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural

humanos e financeiros mais adequados lhe Há mais de 30 anos reivindica-se que a


a c i o n a l

sejam destinados, diante da eterna urgência preservação do patrimônio cultural seja uma
de salvar edifícios e obras de arte atividade interdisciplinar. Não seria este,
da destruição. então, o momento de se começar a praticar
n
R t í s t i c o

Esforços recentes no sentido dessa institucionalmente essa ideia?


necessária integração, contudo, devem Nos primeiros anos de implementação
a

também ser registrados. O projeto Gestão e da política federal de reconhecimento e


e

salvaguarda do patrimônio cultural integrado valorização do patrimônio cultural imaterial,


i s t ó R i c o

dos terreiros tombados, que integrou os foi listado como um princípio fundamental
departamentos do Patrimônio Material para a sustentabilidade dos processos de
H

e Imaterial do Iphan e foi realizado em salvaguarda a articulação dessa política com


a t R i m ô n i o

parceria com a Universidade Federal da outras das áreas de educação, saúde, meio
Bahia (UFBA),6 produziu planos integrados ambiente, desenvolvimento social, trabalho,
P

de gestão e salvaguarda desse patrimônio justiça, indústria e comércio, entre outras.


d o

com a participação ativa das comunidades Diversas tentativas de promoção dessas


e v i s t a

de culto (Gestão e salvaguarda de terreiros, articulações foram feitas, como nas ações de
s/d).7 Esses planos, ainda que apresentem
Marcia Sant’Anna
R

reconhecimento e valorização da diversidade


distintos níveis de elaboração e detalhamento, linguística do Brasil e na montagem do
constituem um exemplo importante de antigo Programa Nacional de Salvaguarda e
ação conjunta a ser sistematicamente Incentivo à Capoeira (Pró-Capoeira), mas a
estimulada e fomentada. Mas os terreiros dificuldade de fazê-las prosseguir e prosperar
de candomblé não são, certamente, os tem sido muito grande, dependente de
únicos espaços patrimonializados em que as conjunturas políticas específicas e mesmo da
102 dimensões material e imaterial se encontram dedicação pessoal de determinados servidores
e interagem. Isso ocorre também, e em públicos. Mas, embora essas tentativas não
particular, nas cidades e sítios urbanos tenham logrado ainda a devida continuidade
tombados. A estrutura institucional dividida e sustentabilidade institucional, quando se
em departamentos que cuidam de uma ou de realizam, demonstram cabalmente o seu
outra dimensão do patrimônio, embora tenha enorme potencial.
sido fundamental para garantir o espaço No serviço público, as dificuldades de
institucional necessário para a formulação integração e articulação são, de fato, enormes.
e implantação da política de salvaguarda Entretanto, não se deve desistir disso, pois é a
do patrimônio imaterial, talvez deva ser, a maneira mais segura para se atingir objetivos
essenciais para a salvaguarda – objetivos, que,
6. Projeto coordenado pelos Profs. Drs. Tânia Fisher e André
Santos, no âmbito do Centro Interdisciplinar de Gestão Social da muitas vezes, por limitações institucionais,
Universidade Federal da Bahia (UFBA). não estão ao alcance do Iphan e dos demais
7. Os terreiros tombados da Casa Branca do Engenho Velho,
Gantois, Axé Opô Afonjá, Bate Folha, Alaketu e Omo Ilé organismos de preservação. Como garantir,
Agboulá; e os então em vias de tombamento, Tumba Junsara, São
Jorge Filho da Gomeia, Tumbenci, Pilão de Prata e Mokambo. por exemplo, que detentores de saberes, como
Acervo: Iphan/
Barbalha, CE

Maurício Albano e
Jeferson Hamaguchi.
de Santo Antônio,
R
r e v i s t a d o P a t r
R i M
m ô n i o H i s t ó R
r i c o e a R t í s t i c o
r n a c i o n a l

Festa do Pau da Bandeira


103

Marcia Sant’Anna Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural


os vinculados às produções de violas de cocho de participação, entre outras. Essas avaliações
Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural

ou de panelas de barro, continuem tendo vêm demonstrando, ainda, que o período


a c i o n a l

acesso às matérias-primas que necessitam, se de 10 anos após o registro do bem cultural


o acesso às fontes desses materiais é muitas é insuficiente para lograr a consolidação de
vezes impedido por leis ambientais? Como
n

processos de salvaguarda sólidos e autônomos.


R t í s t i c o

contribuir para a continuidade de línguas Embora não exista qualquer determinação


reconhecidas como referências culturais legal de que uma década seja o prazo final
a

do Brasil, se as comunidades falantes não para o fim da participação do Iphan em


e

puderem ter acesso a escolas bilíngues? Como processos de salvaguarda,8 a meta de tornar
i s t ó R i c o

propiciar a construção de mais segurança esses processos autônomos, e relativamente


previdenciária para os mestres de capoeira independentes da ação do Estado, não deve
H

que dedicaram suas vidas à transmissão


a t R i m ô n i o

ser esquecida para o próprio bem da política


dessa prática e se encontram sem qualquer de salvaguarda. O abandono dessa meta terá,
amparo? Como garantir que as cerca de 1.400 no mínimo, como consequência, a limitação
P

edificações arruinadas no Centro Histórico da própria ação do Iphan. Lidando com


d o

de Salvador sejam reabilitadas e utilizadas, meios continuamente muito limitados, o


e v i s t a

sem articulação com políticas vinculadas ao comprometimento dos recursos da instituição


Marcia Sant’Anna
R

planejamento e ao desenvolvimento urbano sempre com os mesmos processos impedirá,


e à produção habitacional? São inúmeras as obviamente, o atendimento de novas
situações que demonstram a impossibilidade demandas e a ampliação da ação institucional.
de que uma ação isolada do Iphan, mesmo Assim, um dos grandes desafios colocados
que dedicada e constante, seja suficiente para o futuro é o de fortalecer e ampliar as
para uma efetiva salvaguarda das dimensões ações de salvaguarda que buscam diretamente
material e imaterial do patrimônio. a sustentabilidade social e o crescimento
104
Como comentado anteriormente, da autonomia desses processos. Isso não
a necessidade de revalidar os títulos de significa, naturalmente, o abandono do apoio
Patrimônio Cultural do Brasil recebidos pelos dispensado pelo Iphan aos bens culturais
primeiros bens culturais registrados tem sido já registrados, mas deve implicar que, para
uma oportunidade preciosa, não somente de que um processo de salvaguarda possa ser
avaliar ações de salvaguarda bem-sucedidas, considerado bem-sucedido, uma progressiva
mas também de identificar os problemas diminuição de dispêndio ocorra. Em suma, o
que surgem ao longo desses processos. O processo de salvaguarda deve, acima de tudo,
sistema de monitoramento e avaliação que
perseguir uma progressiva diminuição da
foi desenvolvido pelo DPI nos últimos
intervenção estatal.
anos mostra-se ferramenta importante
nessa avaliação e aponta dificuldades como 8. Cabe observar que o sentido inicial da revalidação do título
as relativas à manutenção de uma efetiva de Patrimônio Cultural do Brasil a cada dez anos não era avaliar
a consolidação da autonomia do processo de salvaguarda, e sim
mobilização social além do momento do avaliar a permanência e continuidade do bem, assim como as
transformações ocorridas no período. O sentido de avaliar o
registro, à consolidação dos canais de gestão e próprio processo de salvaguarda surgiu depois.
Uma das grandes virtudes do DPI tem referências

Desafios e perspectivas da política federal de salvaguarda do patrimônio cultural


sido a manutenção de um olhar crítico e,

a c i o n a l
como já apontado, de uma postura flexível ANDRADE, Mário de. O turista aprendiz; edição de
texto apurado, anotada e acrescida de documentos por
que tem possibilitado a não mecanização da
Telê Ancona Lopez, Tatiana Longo Figueiredo; Leandro
implementação da política, de seus concei-

n
Raniero Fernandes – colaborador. Brasília: Iphan, 2015.

R t í s t i c o
tos e abordagens, bem como o permanente CASTRO, Maria Laura Viveiros de; FONSECA, Maria
aperfeiçoamento de seus instrumentos e pro- Cecília Londres. Patrimônio imaterial no Brasil. Brasília:
Unesco: Educarte, 2008.

a
cedimentos. Essa postura deve ser defendida
GESTÃO E SALVAGUARDA DE TERREIROS –

e
de modo intransigente no futuro, e, para

i s t ó R i c o
Gestão e salvaguarda do patrimônio cultural dos povos
tanto, é preciso permitir que a realidade e as e comunidades de terreiros. Salvador: CIAGS/UFBA;
Brasília: Iphan, s/d.
necessidades, em última análise, conduzam a

H
INSTITUTO do Patrimônio Histórico e Artístico
ação, pois são as normas e os procedimentos

a t R i m ô n i o
Nacional. Documentos de referência da Política de
institucionais que devem se adaptar a elas, e Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial. Brasília:
Iphan/DPI, outubro/2016.
não o contrário. Não se permitir, sobretudo,
INSTITUTO do Patrimônio Histórico e Artístico

P
que um excesso de burocracia administrativa

d o
Nacional. Patrimônio cultural imaterial: para saber mais.
obscureça a percepção da realidade e das ações Texto e revisão de Natália Brayner – 3ª ed. Brasília:

e v i s t a
efetivamente necessárias para que o sucesso Iphan, 2012.

dessa política continue. INSTITUTO do Patrimônio Histórico e Artístico

Marcia Sant’Anna
R
Nacional. Salvaguarda de bens registrados: patrimônio
O fortalecimento de uma concepção de cultural do Brasil: apoio e fomento. Coordenação e
patrimônio cultural plural, democrática e organização Rívia Ryker Bandeira de Alencar. Brasília:
Iphan, 2017a.
inclusiva, nas últimas décadas, deve muito
INSTITUTO do Patrimônio Histórico e Artístico
à atuação do Iphan no campo da salvaguar-
Nacional. Salvaguarda da Roda de Capoeira e do Ofício
da do patrimônio cultural imaterial. Neste dos Mestres de Capoeira: apoio e fomento. Coordenação
momento em que a instituição completa 80 e organização Rívia Ryker Bandeira de Alencar. Brasília:
Iphan, 2017b. 105
anos, essa conquista deve ser reconhecida e
louvada, mas, principalmente, deve ser com-
preendida como resultado da implementação Convento da Ajuda
Acervo: P.G. Bertichem,
1837-1856.
de uma política participativa cujos princípios
e abordagens devem ser amplamente absor-
vidos, no âmbito da instituição, nas demais
áreas em que atua. Deve ser apropriada, en-
fim, como um farol capaz de
iluminar o futuro.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

106
D o m i n i q u e Po u l o t A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites
Dominique Poulot

a c i o n a l
a compreensão do patrimônio contemporâneo

n
e seUs limites

r t í s t i c o
a
e
i s t ó r i c o
H
a t r i M ô n i o
A compreensão do Patrimônio deve criados durante os anos 19902. A presença de
refletir sobre uma questão recentemente objetos desse tipo nos museus pode assumir
levantada pelo antropólogo Igor Kopytoff: uma legitimidade científica, tanto quanto

P
d o
“é possível falar em valor de uso para coisas apela-se para o que podemos chamar de

e v i s t a
“melancolia cultural”. Eles ressaltam uma
que ficaram obsoletas?”1. Um caso extremo
antropologia de restos ou resíduos. Sabemos
é o dos objetos identificados precisamente

r
que, desde os anos 1930, Marcel Mauss
com a vanguarda da história, como
estimulava os etnólogos considerá-la mais
instrumentos ou como fatores de progresso.
uma “lata de conserva” do que uma joia,
Este é o caso das ferramentas da pesquisa afirmando que “ao pesquisarmos um monte
científica ou, mais ainda, das obras de arte de lixo, podemos entender toda a vida de
contemporânea. uma sociedade”3.
Com o passar do tempo, e com sua De fato, a lata de conserva em uma 107

obsolescência, os instrumentos técnicos exposição de Jacques Hainard não é aquela


ou científicos que se multiplicam pelos da seção dedicada ao talento de Nicolas
laboratórios são descartados. Alguns, no Appert no museu de Châlons-sur-Marne,
nem é aquela de um museu dedicado à
entanto, permanecem em consequência
história das embalagens4. Pelo menos, a Mosteiro de
de usos específicos. Na França, a maioria São Bento - RJ
Acervo: Iphan/
lata abandonada pode ser consumida post- Caio Reisewitz.
dos objetos identificados ou caracterizados
como técnico-científicos recentes são 2. Ver o colóquio “Musées et sociétés” de Mulhouse-Ungersheim,
em junho de 1991, editado por Eliane Barroso e Emilia Vaillant.
patrimonializados por meio dos museus Paris: Direção dos museus da França, 1993.
3. Uma fórmula de Michel Leiris, inspirada por Mauss, Michel
Leiris, “Instructions sommaires pour les collecteurs d’objets eth-
1. Igor Kopytoff, ““The Cultural Biography of Things: Commod- nographiques.” Paris, mueu de etnografia do Trocadéro e missão Da-
itization as Process”, in Arjun Appadurai, ed., The Social Life of kar-Djibouti (1931), e ver Jean Bazin,”N’importe quoi”, Gonseth
Things. Commodities in Cultural Perspective. Cambridge, Cam- M.-O., Hainard L., Kaehr R. (dir.), Le Musée cannibale, Neuchâ-
bridge University Press: 1986, pp. 64-94, aqui p. 67. Kate Hill ed. tel, Museu de etnografia, 2002, pp. 282-283.
Museums and Biographies. Stories, Objects, Identities, Boydell Press, 4. Catherine Roth. “Etude sur le patrimoine scientifique: les en-
2012. No original : «How does the thing´s use change with its jeux culturels de la mémoire scientifique.” Missão do Patrimônio
age and what happens to it when it reachs the end of usefulness?» Etnológico–Ciências Recursos (2000): 1-65.
festum5. Seguramente, a mediação é mais provas de práticas científicas. Atualmente,
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

difícil, para dizer o mínimo, no caso de estudos sobre conservação (tais como
a c i o n a l

um bem patrimonial marcado pelo éthos aqueles evocados por Françoise Waquet ou
do progresso, pelo culto à instrumentação Peter Burke em suas respectivas histórias7)
n

expressamente escrita em linguagem consideram como lógico o desejo de preservar


R t í s t i c o

matemática. O interesse por objetos os objetos, que vão de máquinas de escrever a


científicos ultrapassados não foi alimentado computadores. O risco é que a documentação
a

por essa melancolia democrática tão pura cause o esquecimento dos objetos, e
e

que estes, portanto, fiquem de fora de todo o


i s t ó R i c o

intimamente ligada ao prazer dos museus


desde o século passado, nem pela exaltação interesse da conservação: nisso, o patrimônio
de uma continuidade consentida pela científico e técnico compartilha o destino
H
a t R i m ô n i o

academia nem pelas metamorfoses próprias de parte do patrimônio artístico, quando

do campo artístico. também privilegia a documentação das obras


D o m i n i q u e Po u l o t

de arte contemporâneas.
P

Contudo, a noção de patrimônio


os
d o

amigos dos objetos


científico e técnico no Ocidente tem uma
e v i s t a

científicos e técnicos
incontestável profundidade histórica.
R

Nesse sentido, materiais didáticos foram


A cultura material da ciência
conservados, nos termos cunhados por Robert
contemporânea tem sido quase
Halleux, no interior dos “observatórios,
completamente desprezada pela política de
laboratórios e armários”, das instituições
memória francesa. Sua ausência é notável no
de ensino e pesquisa. No interior das
volumoso conjunto de Locais de Memória,
universidades, os instrumentos de observação,
assim como na maioria das histórias gerais
108
as ferramentas de medida e os dispositivos
acerca do Patrimônio6. Primeiramente, os
experimentais mantiveram-se estáveis, por
historiadores consideravam exclusivamente
muito tempo, no que diz respeito à sua
a documentação e se desinteressavam pelos
construção, seus materiais e princípios ou
objetos – com a exceção notável de Maurice mecanismos de seu funcionamento.
Daumas. Em seguida, a patrimonialização dos A especificidade francesa, como em outros
objetos passou a funcionar, logicamente, em locais, decorre da década revolucionária e
conexão com o trabalho dos pesquisadores de diversas formas de nacionalização dos
e arquivistas sobre os documentos técnicos bens aos quais ela deu origem. Isso que não
ou as revistas de laboratórios, vestígios e chamamos mais de patrimônio científico
e técnico tem seu lugar nos projetos
5. Françoise Waquet, L’ordre matériel du savoir: comment les savants
travaillent. Paris, Editions du CNRS, 2015; Peter Burke, A social inspirados no mito do Museu de Alexandria:
history of knowledge II: From the encyclopaedia to Wikipedia. Vol. 2.
Londres, Polity, 2012.
6. [nota do tradutor: (em francês, Trente Glorieuses) são os 7. Françoise Waquet, L’ordre matériel du savoir: comment les savants
30 anos que se seguiram ao final da Segunda Guerra Mundial, travaillent. Paris, Editions du CNRS, 2015; Peter Burke, A social
de 1945 a 1975, um período de forte crescimento econômico na history of knowledge II: From the encyclopaedia to Wikipedia. Vol. 2.
grande maioria dos países desenvolvidos. Londres, Polity, 2012.
o matemático Bossut estava presente, por da indústria e a fundação de museus

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


exemplo, na equipe encarregada de inaugurar especializados – do Museu Industrial (em

a c i o n a l
o Museu Central da República no Louvre. torno de 1840) aos Museus Tecnológicos
Como um estabelecimento consagrado às do Fim do Século – de modo a recuperar as
“artes mecânicas”, o Conservatório de Artes e categorias propostas pouco tempo depois

n
R t í s t i c o
Ofícios nasceu em 1794 como um depósito por Françoise Hamon. O surgimento da III
de aparelhos científicos, modelos de máquinas República incluiu, graças ao Tour de France

a
e invenções, graças ao abade Grégoire. Em (Circuito da França) de Madame Bruno, a

e
seguida, após 1819, ele exerceu um papel de importância do martelo-pilão de Creusot

i s t ó R i c o
ensino formal, particularmente de química para a indústria francesa e, mais amplamente,
industrial, mecânica e economia política, para o orgulho nacional. Essa tradição de

H
como demonstrou Jacques Payen. diferentes Tours nacionais se manifestou em

a t R i m ô n i o
Grégoire, tão importante para o toda a Europa. Até os anos 1950, muitos

D o m i n i q u e Po u l o t
posicionamento sobre a política patrimonial livros escolares elogiavam uma ou outra

P
francesa, estigmatiza os mais diversos tipos de proeza, tecnológica ou humana (tal como

d o
destruição em seus diferentes Rapports sur le é o caso, notadamente, das descobertas

e v i s t a
vandalisme (Relatórios de Vandalismo). Pois científicas). Pasteur, cuja residência foi

R
o vandalismo que ele queria eliminar não se transformada em museu, precedeu Marie
resume apenas ao ataque ou ao desprezo de Curie no perfil legendário nacional.
obras de arte, mas também compreende as As “virtudes e os vícios” do patrimônio
perseguições praticadas contra os homens científico e técnico vão desta primeira
da ciência e os obstáculos colocados contra era até os Gloriosos Anos 1930 – talvez
o progresso do saber e das práticas. Nesse o episódio do Concorde seja o último a
sentido, reúne-se o patrimônio imaterial da ter mobilizado tal rede de representações
109
ciência aos patrimônios materiais das “artes”, coletivas, de patriotismo científico e
como já dissemos antes, liberais e mecânicas. empresarial para hábitos populares. As obras-
Por fim, as espoliações cometidas em primas tecnológicas povoam ainda mais a
detrimento dos diferentes príncipes europeus, iconografia de marca – por exemplo, La
em favor dos sucessos militares republicanos, Rance ou Pleumer-Bodou. Qualquer que
ocorreram igualmente com as ciências e as seja a razão, temos visto se instalar então
tecnologias. Mais tarde, a reorganização certa negligência, mais ou menos assumida,
das exposições e dos museus executada com relação aos testemunhos materiais da
pelo ministro Chaptal ou, adicionalmente, ciência e da tecnologia. O relatório oficial
a configuração das coleções das Escolas de Françoise Héritier, produzido em 1991,
Centrais se inspiraram sempre nos modelos sobre a penúria dos museus de educação
enciclopédicos. nacionais marca uma tomada de consciência
O século XIX viu o estabelecimento quanto aos investimentos a serem dados
de ligações estreitas e frequentemente e aos ajustes a serem feitos. A elaboração
determinantes entre as exposições temporárias da grande Galeria da Evolução no Museu
Nacional de História Natural ou, após muitos documentação dos dispositivos e objetos
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

debates, a restauração do Conservatório no através das histórias de vida dos cientistas e


a c i o n a l

Museu Patrimonial, em vez de uma nova dos assistentes de laboratório faz parte de uma
configuração para a seção Exploratória “era do testemunho”. Essa patrimonialização
de um Palácio da Descoberta ou de uma relaciona-se de fato com o que Philippe
n
R t í s t i c o

Cidade das Ciências, indicam as etapas da Lejeune chama de “pacto autobiográfico”, que
patrimonialização contemporânea. proporciona um estímulo a uma estrutura –
a

A originalidade atual da Missão do graças à condução regulada de uma entrevista


e

Patrimônio Científico e Técnico relaciona-se e à inscrição de uma obra legítima – em um


i s t ó R i c o

inicialmente ao seu lema “fora do museu”: retorno individual, frequentemente afastado


semelhante situação explica em grande parte da vida profissional, de seu contexto e de suas
H

uma série de singularidades com relação às ferramentas de pesquisa.


a t R i m ô n i o

normas clássicas do patrimônio e também Por isso o papel de uma patrimonialização


D o m i n i q u e Po u l o t

responde por certa fragilidade, como no institucional é a superação da anedota, de


P

caso dos ecomuseus. Elas têm se baseado modo a permitir a comunidade relacionar-se
d o

na complexidade das mudanças ocorridas com objetos, antes testemunhos obsoletos


e v i s t a

na organização administrativa da cultura da evolução tecnológica e científica, bastante


científica e tecnológica.
R

específicos. Todos esses objetos foram


Da mesma forma, surge a questão condenados, pois foram ultrapassados por
dos “interesses”: quais são os grupos que novos modos de trabalho e dispositivos
compartilham afinidades em relação a tais valorados como melhores e mais eficazes.
objetos? Como mostram os registros, os Neste caso, se utilizarmos a escala de Aloïs
colecionadores particulares e suas associações Riegl, o valor do que é novo parece ter de
são parte envolvida no processo de triagem ser exclusivamente superior a tudo que
110
de objetos, na elaboração de procedimentos o precede. Dessa forma, a destruição e a
e nos julgamentos de valor (científico, reciclagem constituem o primeiro destino
histórico e quase patriótico). Um orgulho de objetos científicos e técnicos obsoletos.
regional se expressa efetivamente quando A obsolescência de tais objetos não pode
se trata de conservar e, se for o caso, de se tornar um item social ou culturalmente
expor os elementos mais notáveis de um nostálgico social ou cultural – exceto
patrimônio científico e técnico. Essa marginalmente, para o caso de alguns
abordagem não tem, então, nada a dever aos especialistas de procedimentos antigos e sob
processos descritos em outros lugares sobre formas senão sempre paradoxais ou irônicas,
inventário8, ou museus, quanto à escolha ao menos superficialmente sofisticadas.
dos objetos contemporâneos9. Por fim, a Certamente, no caso de determinados
cientistas, a conservação desses dispositivos
8. www.patstec.fr/ e, sobretudo, seu uso eventual ou ocasional
9. Catherine Cuenca, “La sauvegarde du patrimoine scientifique
et technique contemporain”, In: Que reste-t-il du présent? Collecter poderiam permitir a reaprendizagem de
le Contemporain dans les musées de Société, Bodeaux, Editions Le
Festin, 2013, pp. 256-263. habilidades esquecidas e, portanto, sempre
prolíficas no cenário da vida laboratorial a algum outro aspecto da vida cultural.

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


atual e futura. Algumas pessoas não gostam Dispositivos e ferramentas podem ser aceitos

a c i o n a l
do caráter mais elaborado de algumas de no Museu Nobel de Estocolmo como
suas novas ferramentas, que apresentam uma fetichização de objetos ligados a um ou outro
construção teórica que já está integrada à pesquisador. O museu de ciências tradicional

n
R t í s t i c o
medida. Contudo, à exceção dos artistas, o conserva, de fato, materiais de seus grandes
uso de uma instrumentação antiga é uma vultos – com efeito, esses instrumentos

a
excentricidade – da mesma forma que o uso puderam se parecer rapidamente com

e
nostálgico de ferramentas ultrapassadas por relíquias, bem antes de sua musealização,

i s t ó R i c o
um profissional é uma vaidade sem grande assim como foi o caso de Galileu, em
importância coletiva se não estiver dentro do Florença. Além disso, o objeto de Galileu

H
cenário de uma dramatização. tem tido uma carreira notável, sob a forma

a t R i m ô n i o
O novo patrimônio da ciência obsoleta autêntica e como réplicas, até como seus usos

D o m i n i q u e Po u l o t
Durante a primeira modernidade nas representações de Galilée de Brecht, no

P
científica, os dispositivos antigos de várias Piccolo Teatro de Milão, no passado. Nos dois

d o
gerações podiam ser utilizados para usos casos (museu e teatro), os dispositivos valem

e v i s t a
pedagógicos ou mercantis: entre esses estão as evidentemente como símbolos do avanço do
máquinas de vácuo, os dispositivos elétricos espírito humano. A proposta museográfica

R
ou o planetário físico ou de demonstração do historiador Raoul Hilberg, que queria
cujas telas de Joseph Wright of Derby nos colocar uma lata de zyklon B sobre um
legaram um testemunho. Porém, atualmente, pedestal, como obra-prima representativa do
os dispositivos de ontem são muito nazismo, no Museu do Holocausto, responde
sofisticados para serem usados dessa forma precisamente a esse tipo de destaque nas
em um processo de mediação científica e exposições11. Porém a polêmica de 1995 sobre
tecnológica, que exige dispositivos operados 111
o local do bombardeiro de Hiroshima, o
ad hoc10. Enola Gay, exposto no Museu da História do
Certamente, não é difícil pensar que, Ar e do Espaço do Smithsonian, demonstrou
no meio de tantos dispositivos com funções as ambiguidades da mediação de um
obscuras e aparências insignificantes para o objeto tratado, ora em nome do progresso
profano, podem-se encontrar alguns dignos científico e técnico, ora em nome de seus usos
de uma museografia. Instrumentos ligados históricos12.
à vida de um cientista notável podem ser O cuidado de uma interatividade é
reunidos, enquanto relíquias, em um museu atualmente constante nos museus de ciência
dedicado às glórias contemporâneas ou e está ligado à necessidade de preencher
um abismo entre a cultura cotidiana e
10. Duas apresentações recentes foram objeto dessa considera-
ção: Bernard Schiele, “Science museums and centres”. Routledge
Handbook of Public Communication of Science and Technolo- 11. Raoul Hilberg, La Politique de la mémoire, Paris, Gallimard,
gy (2014):40, e Serge Chaumier, “Le musée de science: agent de 1996.
socialisation aux sciences ou acteur de changement? Du musée 12. Vera L. Zolberg, “Museums as contested sites of remembrance:
temple aux sciences citoyennes”. THEMA. La revue des Musées de the Enola Gay affair.” The Sociological Review 43, nº 1 (1995):
la civilisation 2 (2015):10-22. 69-82.
o mundo dos cientistas. Supomos que a nossa segurança fisiológica”14, ao contrário
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

interatividade deve desenvolver a capacidade dos museus que apresentavam “objetos


a c i o n a l

de todos de modo criativo. Por outro lado, de grande valor, aparelhos e dioramas que
ela constitui uma aposta teórica, na reflexão ilustram e identificam a história das grandes
contemporânea, sobre as relações entre
n

descobertas”15.
R t í s t i c o

humanos e não humanos. Por fim, ela realça- Portanto, a experiência da espetacularização
se sobre o corpo do visitante no momento é uma tentação. Pode-se aplicar a noção da
a

em que o corpo do cientista tem se afastado sala histórica (ou period room) a conjuntos que
e

da experiência, momento este registrado por conservam instrumentos e/ou ferramentas


i s t ó R i c o

meio de diversas próteses13. O resultado de de laboratórios. Imaginamos o que um


tais investimentos tem sido o de produzir cenógrafo poderia extrair de uma instalação
H

dispositivos orientados a diversos destinos,


a t R i m ô n i o

de máquina de escrever (para uma peça de


que, algumas vezes, operam ao contrário Michel Vinaver!), de um posto de controle
D o m i n i q u e Po u l o t

de seus pressupostos democráticos, uma de uma central nuclear ou de um laboratório


P

fascinação prejudicial com um reflexo sobre biológico. Por fim, em certos casos, os museus
d o

as coleções, como sublinha Andrew Barry. de tecnologia ou ciência podem sacrificar


e v i s t a

Porém a exposição dos aparelhos é em reconstituições de época – re-enactments – mais


vão se não for realizada concomitantemente
R

ou menos singulares, ao produzir operações


à conservação dos dispositivos, ou seja, se técnicas ou de experiências configuradas
não houver a sua recuperação orientada para em modalidades ultrapassadas, convocando
o público e, se for o caso para os atores, o cirurgiões aposentados para atuarem ao redor
conjunto de modalidades que governam sua
de mesas cirúrgicas ultrapassadas ou pilotos
utilização. Afinal, os dispositivos, aparelhos e
para atuarem em painéis de instrumentos
outros materiais dos laboratórios das últimas
112
desatualizados. Ou também podemos fazer
gerações não foram vistos, tais como as
isso na apresentação de unidades ecológicas,
experiências e descobertas para as quais eles
características da “museologia analógica”
serviram. Isso foi constatado no Palácio da
(Raymond Montpetit) e do intercâmbio
Descoberta na Exposição Internacional de
sintagmático. Isso é o inverso da constituição
1937. Jean Perrin e Paul Langevin queriam
paradigmática de séries e de variantes
proporcionar “uma exposição vívida, onde
tecnológicas e geográficas (em função de
seriam reproduzidas, de modo espetacular
fabricantes de materiais ou de particularidades
e com os recursos mais modernos, as
de uso nas indústrias e nos laboratórios de um
descobertas fundamentais que ampliaram
dado lugar) que a Mission Patstec desenha por
nosso conhecimento e asseguraram nossa
meio de seus diferentes depósitos e da criação
influência sobre a matéria, ou aumentaram
de um banco de dados.
13. Essas três reflexões organizam o capítulo de Andrew Barry:
“Om interactivity. Consumers, citizens and culture ”, in Sharon 14. Ver A.J. Rose, ““Les musées au service de l’éducation. Le Palais
Macdonald ed. The Politics of Display: Museums, science, culture, de la Découverte. Conception moderne d’une éducation scientifique
London – New York, Routledge, 1998, dedicado principalmente à pour tous”, 1980.
la Cité des sciences et de l’industrie de La Villette. 15. A.J. Rose, op. cit.
Ao contrário dessas valorizações crítica institucional que era parte integrante

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


respeitosas da “ressonância” do objeto, resta de seus mundos.

a c i o n a l
a apresentação em uma perspectiva eventual, Após uma crise de confiança com
como uma maravilha: uma tentativa que relação a isso, que assumiu diversas formas,

n
realça o desvio e consiste em uma variante de acordo com países e instituições, esses

R t í s t i c o
um pouco heterodoxa, mas que hoje está estabelecimentos entenderam mais uma
relativamente banalizada com a multiplicação vez, no fim do século XX, que suas coleções

a
de muitas coleções de curiosidades . Por 16
tinham alimentado continuamente a “criação”

e
isso os museus de tecnologia e ciência, tal

i s t ó R i c o
e que continuavam a fazê-lo. Exposições
como os de ciências naturais, montam cada como Museum as Muse foram igualmente
vez mais exposições dedicadas à estética ou afirmações da responsabilidade do museu

H
a t R i m ô n i o
à apropriação indevida das peças. O prazer pela arte atual18. Simultaneamente, dentro
da mudança de cenário ou da desorientação, da história da arte, a “maneira de ver”19

D o m i n i q u e Po u l o t
e até de uma fascinação verdadeira, parece, particular do museu tem sido objeto de um

P
então, preponderar sobre o (re)conhecimento reconhecimento amplamente reafirmado,

d o
dos contextos e dos significados primários realizada enquanto fundadora da disciplina.

e v i s t a
dos objetos. O Museu de Artes e Ofícios tem, Tais proposições podem ser consideradas

R
assim, se sobreposto à arte contemporânea, como uma das respostas às descobertas feitas
mobilizando objetos de cientistas ou pelos próprios artistas, a partir da década
tecnológicos, ora a capricho da inspiração de 1970, acerca dos poderes do museu20.
de um artista convidado17, ora para evocar Em seu artigo fundamental “Função do
(como a suíte de Lautréamont, de 1869) a Museu”, Daniel Buren reconheceu um papel
“beleza como (…) o encontro fortuito de triplo para a instituição: estético, econômico
uma máquina de costura e um guarda-chuva e místico (“o museu/galeria confere 113
sobre uma mesa de dissecção”. imediatamente o status de “arte” a tudo que
se expõe com credibilidade (...) O museu
os poderes do mUseU (galeria) é o corpo místico da arte”)21. No
de arte caso de outros autores, a história do museu
é a de um controle social: trata-se de uma
Se os objetos científicos colocam a aparência de prisão, sugerida por Krzysztof
questão dos interesses e das mediações Wodiczko, quando este faz considerações
ao patrimônio de uma maneira nova e,
muitas vezes, inesperada, os museus de arte 18. The museum as muse, artists reflect, MoMA, 1999.
19. Svetlana Alpers, ‘Ways of Seeing’, in Ivan Karp and Steven
contemporânea têm de fazê-lo frente a uma D. Levine, Exhibiting Cultures: The Poetics and Politics of Museum
Display, Washington, Smithsonian Institute Press, 1991, pp.
25-32.
16. Stephen Greenblatt, “Resonance and wonder.” Bulletin of the 20. Museums by Artists, ed. AA Bronson and Peggy Gale, Art
American Academy of Arts and Sciences (1990): 11-34. Metropole, Toronto, 1983.
17. Mécanhumanimal – Enki Bilal No Museu de artes e ofícios – ex- 21 “Fonction du Musée”, (New York, oct. 1970), in cat. Function
posição de 4 de junho de 2013 em 5 de janeiro de 2014; Michael of the Museum, Oxford: Museum of Modern Art, mars 1973,
D. Picone, “Comic Art in Museums and Museums in Comic Art. reimpresso em Daniel Buren, Les Écrits, (1965-1990), tome I:
“European Comic Art 6, nº 2 (2013): 40-68. 1965-1976, pp. 169-173.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

114
D o m i n i q u e Po u l o t A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

Nelson Kon.
Acervo: Iphan/
Museu de Arte Sacra-BA
sobre os museus, observando a grande de Bordéus27, ou, no caso de Kwame Anthony

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


escala das imagens que se transformam em Appiah, diante das considerações de David

a c i o n a l
monumentos de agressão ou repressão22. Rockefeller sobre arte africana28.
Para Douglas Crimp23, a crítica da
colocação do helicóptero Bell D47 no os U s o s d a c o n s e r va ç ã o

n
R t í s t i c o
MoMA, um objeto de design, mas também
uma ferramenta de guerra usada contra O trabalho de naturalização da
experiência do museu nos últimos séculos

a
guerrilhas na América Latina, iniciou, a partir

e
de então, um registro bem conhecido de tem levado a um triunfo da visualidade e

i s t ó R i c o
protestos, um princípio de várias intervenções das tendências que lhe são associadas – é
artísticas. Estes podem se apoiar na natureza isso que Jonathan Crary tem chamado de

H
das peças expostas ou, ainda, se apoderar diferentes imperativos de controle de si

a t R i m ô n i o
do dispositivo do museu como tal. A próprio e da retenção social, da atenção,
do silêncio e da imobilidade, que quase

D o m i n i q u e Po u l o t
denúncia acerca da ligação dos museus com
não eram despertados nos primeiros

P
os poderes políticos, industriais, financeiros,

d o
e até militares-industriais, tomou depois estabelecimentos e são manifestados pelo

e v i s t a
a aparência de lugar-comum24. A crítica ideal da conversação29. Encontramos uma
institucional25 quis, de fato, pensar o museu ilustração notável no caso de Marcel Proust,

R
dentro do que os sociólogos da arte (junto em que a celebração do museu passa por uma
com Howard Becker) chamam de “mundos negação de sua materialidade: uma “sala de
da arte”, e que compreendem, junto com o museu […] simboliza (...) por sua nudez e seu
mercado, o colecionismo e o espaço público despojamento de todas as particularidades, os
da crítica26. Nesse cenário, o catálogo de espaços internos onde o artista se abstrai para
exposição se torna o objeto por excelência criar”. Como observa Antoine Compagnon, o
dos estudos críticos por parte dos semiólogos, propósito, que parece se referir ao triunfo do 115

historiadores da arte ou filósofos, e, ainda, no cubo branco descrito por Brian O’Doherty
caso de Louis Marin, a partir de um exemplo em meados dos anos 1970, quase não tem
relação com “as paredes dos museus com que
Proust estava familiarizado” ou com “as telas
que eram apresentadas nos salões artificiais”30.
22. Assim como no Museu Whitney, em 1989 “Image World: Art
and Media Culture”.
23. Douglas Crimp, On the Museum’s Ruins, Cambridge, MA:
MIT Press, 1997.
24. O movimento dos indignados de Wall Street, de 20 de
outubro de 2011, criou, junto com o artista Noah Fischer, um 27. “La célébration des œuvres d’art: notes de travail sur un cata-
moveimento Occupy Museums! para combater “a intensa comer- logue d’exposition”, Actes de la Recherche en sciences sociales, 1975,
cialização e cooptação da arte”. n° 5-6: La critique du discours lettré, pp. 50-65.
25. Benjamin Buchloh, “From the Aesthetic of Administration 28. Kwame Anthony Appiah, “Is the Post- in Postmodernism the
to Institutional Critique (Some Aspects of Conceptual Art 1962- Post - in Postcolonial?”, Critical Inquiry, 17:2 (1991:Winter) p.
1969”, L’art conceptuel: une perspective, edited by C. Gintz. Paris: 336.
Musée d’art moderne de la Ville de Paris. 1989, pp. 41-54. Andrea 29. Jonathan Crary, “Géricault, the panorama, and sites of reality
Fraser, ““From the Critique of Institutions to an Institution of in the early nineteenth Century”. Grey Room Fall 2002, Nº 9,
Critique,” in John C. Welchman, ed., Institutional Critique and pp. 5-25.
After, Zurich: JPR/Ringier, 2006, pp. 123-136. 30. Antoine Compagnon “Proust au musée”, Marcel Proust,
26. Howard S. Becker, Les mondes de l’art. Paris, Flammarion, l’écriture et les arts, sous la direction de Jean-Yves Tadié, Galli-
1988. mard-BnF, RMN, 1999, p. 71.
Pelo contrário, a materialidade da de Copenhague35. Além disso, a revisão
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

instituição se tornou evidente depois de documental mais notória trazia uma confusão
a c i o n a l

algumas décadas: La Jeunesse des musées (A provinda dos sistemas de informação ligados
Juventude dos Museus), em Orsay, expôs a novas tecnologias e pelo uso dos museus
pouco tempo depois esses museus como que como fontes para interrogar, in situ ou não.
n
R t í s t i c o

tornados por estrangeiros, povoados por A coleta de dados diz respeito não apenas às
bancos repletos de pelos e vitrines obscuras, obras expostas ou conservadas, mas também
a

enquanto a moda das coleções de curiosidades ao conhecimento de seus contextos históricos


e

começava a tornar essa acumulação uma e à sucessão de suas interpretações. Ela


i s t ó R i c o

referência obrigatória da museografia31. impõe mais que uma simples atualização dos
Uma preocupação semelhante quanto aos conhecimentos elaborados ou difundidos
H

dispositivos materiais dos museus antigos pelos museus: ela usa sua legitimidade
a t R i m ô n i o

está ligada a debates arquitetônicos atuais e científica e até política. A nova ambição
D o m i n i q u e Po u l o t

à atualidade das construções e instalações32, de um atlas de obras dos estabelecimentos


P

mas sobretudo com o cuidado de afirmar deixa, no final, as antigas classificações


d o

ou revisar as práticas de exposição de arte ultrapassadas para o benefício de um cenário


e v i s t a

contemporânea33. Além disso, para certos global a partir das coleções reexaminadas,
profissionais, o museu deverá, nos próximos virtualmente completas ou reconfiguradas.
R

anos, conservar e expor certo número de No contexto desse patrimônio generalizado,


novos fatos artísticos, “do teatro verbal de desenha-se uma memória cultural coletiva
instalação ou teoria até práticas parateatrais e também artificial, que propicia formas de
de artista-historiador”34. comercialização.
Os novos museus, tal como o museu Fica claro que o ponto de apoio das
consagrado a Magritte, em Bruxelas, reúnem classificações de museu é, a partir de então,
116 um material real – comprovado com o acompanhamento das reconfigurações da
marchands ou colecionadores, com planilhas geografia da história da arte36. O surgimento
contábeis e excertos de imprensa, que vão recente de uma categoria de “museu
bem além das coleções mais características do universal” – expressão nova e polêmica, que
culto a si mesmo e das lembranças familiares defende um ideal de cosmopolitismo e se
que alimentam as exposições, tais como as opõe aos museus de identidade – combate
Hammershøiana expostas em um museu assim as reivindicações de restituições
pós-coloniais ou, ainda, de processos de
31. La jeunesse des musées: les musées de France au XIXe siècle, Paris,
Réunion des musées nationaux, 1994.
32. Victoria Newhouse, Art and the Power of Placement, Mo-
nacelli Press, 2005; Judith Rugg, Michèle Sedgwick ed. Issues
in curating contemporary art and performance, Bristol: Intellect
Books, 2007. 35. Hammershøiana: Drawings, photographs and other memories:
33. Ariane Lemieux, “Les collections permanentes du Louvre et cette exposition de memorabilia de l’artiste, tels que la mère de
l’exposition de l’art contemporain.” CeROArt. Conservation, expo- Vilhelm Hammershøi (1864-1916), les avait, pour l’essentiel,
sition, Restauration d’Objets d’Art. Nº 9, 2014. collectionnés, est destinée, de manière remarquable, à célébrer le
34. Matthew Jesse Jackson, “Para-performative Practices and Late centenaire de Den Hirschsprungske Samling, 2011.
Modernism: on contemporary art and the museum” Museum, Nº 36. Robert S. Nelson, “The Map of Art History”, The Art Bulle-
235 (Vol. 59, Nº 3, 2007). tin, Vol. 79, Nº. 1 (Mar., 1997), pp. 28-40.
reconhecimento de múltiplas implicações37. – ao se perguntarem sobre a reputação

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


Ela recusa superficialmente a invenção das injustificada de uma obra ou assumindo

a c i o n a l
artes – e dos patrimônios – autóctones, escândalos do passado41, a propósito, assim
ligadas ao reconhecimento de especificidades como os falsos Vermeer e o verdadeiro Van
culturais e processos políticos. Porém, na Meegeren42. Quando o museu começa a

n
R t í s t i c o
verdade, as ligações entre os museus e os manifestar sua responsabilidade artística,
poderes nesse novo cenário “global” ressaltam escolhe a partir de agora a forma de se dirigir

a
“uma etnografia da produção e do movimento diretamente ao público.

e
dos objetos”, dentro de um “comércio” O museu Boijmans, de Roterdã,

i s t ó R i c o
cultural inédito nessa escala e dentro desta consagrou uma sala às telas “rejeitadas” da
“forma”38. Nesse sentido, as configurações coleção permanente, que explica as razões

H
locais de apresentação de obras (se fossem que fizeram com que fossem descartadas.

a t R i m ô n i o
mundializadas) permanecem determinantes. Aprendemos que uma coleção permanente

D o m i n i q u e Po u l o t
O museu de arte, que quase não tem deve excluir telas por razões de espaço ou de

P
proposto ou conhecido outras classificações qualidade tanto material quanto artística ou,

d o
além do sistema de escolas elaborado entre ainda, devido a conveniências para com a

e v i s t a
o final do século XVIII e o início do século sua amarração e suspensão. Porém, além das
XIX, tem visto surgir outros modelos opiniões de um especialista, há o gosto do

R
na segunda metade do século XX39, cuja conservador, que assume sozinho sua escolha
proposta temática de Nicolas Serota para a de exposição. Um dos aspectos problemáticos
Tate Modern constitui uma ilustração. Tal nessa ocorrência é que ele se parece com um
reinvenção do modo do século passado, ou colecionador particular, por meio de uma
do que se chama de “coleção de curiosidades”, série de negativas e identificações paradoxais.
também tem servido como classificações Em uma sala do museu, a 27, lemos, de
alternativas40. Ao ligarem-se às tradições fato, com relação a uma seleção de obras 117

“históricas”, certos museus de arte têm “pequenas, íntimas e modestas” de Redon,


pretendido demonstrar os erros cometidos Vuillard ou Ensor, doadas por colecionadores,
este panegírico paradoxal: “Aqueles que
usam fundos públicos para comprar em
37. “Déclaration sur l’importance et la valeur des musées univer-
sels”, décembre 2002 Les Nouvelles de l’Icom, 1, 2004, p. 4.
nome de uma instituição tendem a comprar
38. Fred Myers explicou as apostas a serem percebidas na exposição de maneira diferente (dos colecionadores).
do MAAO de arte australiana em 1993 (La Peinture des aborigènes
d’Australie) (A Pintura dos Aborígenes da Austrália) – no contexto Querem com frequência saber previamente
de outros museus, franceses e estrangeiros: “o recente destaque colo-
cado na apropriação e nas representações primitivas não é suficiente por que uma obra deverá ser comprada e
para entender o que acontece quando tais objetos circulam (...),
como são produzidos, influenciados e citados nos dispositivos insti- se incomodam com a política seguida pelo
tucionais concretos, que possuem histórias distintas, mas objetivos e estabelecimento. As autoridades adoram
estruturas próprios.” (“Uncertain regard: an exhibition of aboriginal
art in France”, Ethnos, vol. 63:1, 1998, pp. 7-47).
39. Ver Christine Peltre et Philippe Lorentz éd. La notion d’école,
Presses Universitaires de Strasbourg, 2007.
40. “Assim, lembramos constantemente ao visitante que vemos o 41. Mark Jones, Fake?: the art of deception, London, The British
passado através da moldura do presente”, Nicholas Serota, Expe- Museum Press, 1990.
rience or Interpretation. The Dilemma of Museums of Modern Art, 42. Friso Lammertse et alii, Van Meegeren’s Vermeers. The Con-
Londres, Thames & Hudson, 1996, p. 5. noissseur’s Eye and the Forger’s Art, Museum Boijmans, 2011.
relatórios, o colecionador ama a arte”. Essas afirmava assim: “Não existe maneira boa ou
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

afirmações, de um aparente senso comum, ruim de visitar um museu” e “a regra mais


a c i o n a l

são evidentemente ideológicas: não será difícil importante que você deve ter em mente
comparar a semelhança do heroísmo ideal do quando passa pela porta consiste em seguir
n

colecionador e do investimento museográfico seu próprio instinto”44. Se essa fórmula


R t í s t i c o

público, entre outras semelhanças. não vale necessariamente para todos os


Porém o estabelecimento da narrativa museus, ela aparece como a base de várias
a

dos poderes do museu nas paredes recomendações e está absolutamente de


e

responde, de certo modo, à generalização da acordo com a quantidade de afirmações do


i s t ó R i c o

reprodutibilidade técnica das obras, que tem mesmo nível com relação a práticas culturais.
transformado a visita ao museu, que pode se Não evocaremos aqui os “direitos de leitor”
H
a t R i m ô n i o

desenvolver a partir de então no interior das listados ao mesmo tempo pelo romancista
salas dispostas em rede, cheias de informações Daniel Pennac, que deseja permitir uma
D o m i n i q u e Po u l o t

que alimentam canais heteróclitos. Como leitura prazerosa, e também tão casual quanto
P

o historiador da cultura americana Neil possível, em nome do verdadeiro amor pela


d o

Harris tem comentado, a partir de agora, literatura e da recusa de constrangimentos


e v i s t a

cada experiência deve ser renegociada escolares.


R

constantemente em termos de significado Alguns dos debates recentes evocam uma


e valor, levando a uma “necessidade de identificação dos interiores dos museus com o
reconstrução fenomenológica de cada aspecto espaço público, no qual galerias de exposição
do saber no museu” . 43
ocupam ruas – o que se observa desde o
Museu de Arte Moderna e Contemporânea
as at e n ç õ e s d o p ú b l i c o de Estrasburgo até o Tate Modern – para

118
o grande desgosto dos que defendem o
Os museus têm colocado os interesses fechamento dos espaços de contemplação
do público em primeiro plano nas últimas e criticam a abertura das portas de vidro
décadas. Contrariamente aos modos de acesso para o percurso de escultura do Louvre. Em
regulados ao conhecimento especializado, todos esses casos, a promoção de um museu
sempre exigentes, ou mesmo intimidatórios, concebido como lugar de deambulação
a possibilidade de uma visita ao museu, urbana queria acabar com a limitação
livre de todo constrangimento devido à falta tradicional à arte e ao conhecimento. As
de aprendizado, tem parecido ser o novo intenções nos estabelecimentos buscaram
ideal. Entre outros elementos, o sucesso o convite aos seus visitantes por meio de
de livrarias de David Finn, lançado em práticas de apropriação e caça ilegal. No
1985, com o título How to visit a museum, lugar da autoridade exclusiva do conservador

43. Neil Harris, ‘Polling for Opinions’, Museums News, 69, 44. David Finn, How to visit a museum, New York, 1985, pp. 10-
5, 1990, pp. 48-53. Ver também Julia D. Harrison, “Ideas of 11, citado por Donald Preziosi,
Museums in the 1990s”, Museum Management and Curatorship “Palpable and Mute as a Globed Fruit: Art and/as Embodiment”,
(1993), 13, pp. 160-176. Tate Papers, 15, 1, abril de 2011.
sobre as coleções, surgiu, mais ou menos passa por uma apropriação singular do

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


timidamente, um reconhecimento das conhecimento e da expertise desviados.

a c i o n a l
experiências do visitante – evidente quando Assim o Le Monde pôde saudar, em 1989,
“objetos de família” se tornam objetos a apresentação de uma relíquia no museu
de museu no Museu de Etnologia, como

n
de Caen – era o sapato perdido por Maria

r t í s t i c o
escreveu recentemente Chantal Georgel, Antonieta quando subiu no cadafalso,
porém, a partir de agora, ampliado para tendo sido comprado pelo conde de

a
muitas coleções . Assim, o museu se torna
45
Guernon-Ranville, ministro de Charles

e
algumas vezes um teatro de lembranças e

i s t ó r i c o
X. Presenciamos a apresentação de um
saberes dos visitantes. objeto em três locais de descanso, segundo
Em certos casos, principalmente, trata-se os diferentes momentos do processo, sob

H
a t r i M ô n i o
de um museu em que se simula a discussão a forma de um culto fetichista, ao qual
pública da memória e da história, de suas os visitantes foram levados, de fato, a

D o m i n i q u e Po u l o t
apostas e seus méritos respectivos nos debates transformar em zombaria.

P
cívicos e políticos. Nos museus do holocausto,

d o
Mais geralmente, uma geração de
do terror ou de genocídios, o passado é

e v i s t a
artistas (de Warhol a Fred Wilson)
conjugado ao presente dentro do ritmo de
tem começado a explorar as

r
exposições comemorativas. Sarah Gensburger
reservas dos museus ao atualizar
e Marie-Claire Lavabre são interrogadas, junto
certas peças e testemunhar
a outras pessoas, sobre “o fato de se imputar
passados difíceis ou
uma eficácia à memória, à evocação do passado
contestáveis. Esse é
ou, mais ainda, a uma narrativa histórica”,
especialmente o caso
entre a instrumentação e a instrumentalização.
de Hans Haacke,
O desafio consiste em “compreender essa
quando, depois de 119
crença na capacidade da memória em atuar
atacar a biografia
nas representações coletivas e nas ligações
cultural de objetos,
constituídas em um contexto paradoxal, não
descobriu a sucessão
obstante ainda permeado por uma razão
ritualizada; a afirmação de uma crise das de proprietários

afiliações, das representações coletivas e da da Botte d’asperges de


centralidade das instituições”46. Manet, por meio de
É assim que, em outros locais, de fato, o uma instalação, Project
ângulo crítico sobre as coleções esquecidas 74, concebida para
o Museu Wallraf-
45. Chantal Martinet, “Objets de famille/Objets de musée: Richartz, que fora
Ethnologie ou muséologie?.” Ettnologia francesa (1982): 61-72.
46. “Un point de vue sur la controverse”, Jean-Pierre Babelon et finalmente exposta
alii, Quel musée d’histoire pour la France ? Armand Colin, 2011, pp.
85-94, p. 92; “Entre devoir de mémoire et abus de mémoire: la em uma galeria
sociologie de la mémoire comme tierce position”, Bertrand Muller
éd. Histoire, mémoire et épistémologie. A propos de Paul Ricoeur,
Lausanne, Payot, 2005, pp. 76-105.
de Colônia47. A questão da propriedade das a
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

m U ta ç ã o d o pat r i m ô n i o
obras, antigas e modernas, é particularmente i m at e r i a l
a c i o n a l

central nessa perspectiva. Ela liga os destinos


anteriores a expectativas depositadas em A assinatura da Convenção da Unesco50
novos locais. Trata-se de um conhecimento
n

sobre o patrimônio cultural imaterial pela


R t í s t i c o

acerca não só das transferências e espoliações, França, em 2006, marcou uma mudança na
mas também das devoluções e, enfim, relação nacional com objetos do patrimônio.
a

de horizontes inéditos com os quais os Ela coincidiu com a abertura do museu


e

dispositivos contribuíram. do Cais Branly, dedicado às “culturas do


i s t ó R i c o

Certas iniciativas dos museus, como os mundo”, cujo movimento arquitetônico leva
do Vaticano, que, depois do verão de 2012, a crer que seu responsável (Jean Nouvel)
H

colocaram dois sacerdotes no interior de


a t R i m ô n i o

também reivindicava uma sensibilidade


seus espaços para satisfazer as demandas inédita ao imaterial. Daniel Fabre, grande
D o m i n i q u e Po u l o t

eventuais dos visitantes, de modo a assegurar testemunha da etnologia francesa, comenta


P

a pastoral48, parecem escolher, no sentido então que “pela primeira vez, uma inflexão
d o

oposto, uma tradição da destinação das obras significativa na instituição da cultura


e v i s t a

em vez daquela da lógica do museu, que é, não se refere à experiência histórica e à


contudo, estrangeira. A situação pós-colonial
R

jurisprudência ocidental, particularmente a


impõe, paralelamente, e de modo um pouco francesa”. De fato, “em nenhum momento
geral, a constatação de que muitos objetos de sua história a nação francesa não é
são tornados como impróprios nos museus. reconhecida – quer dizer, não está encarnada
Portanto, é possível pensar que a contestação – em seus saberes orais, bem como não deixa
dos museus se dará cada vez mais em nome jamais de ser reconhecida em seus museus
das culturas dos visitantes – das novas de etnografia nacional”. Para Jean Guibal,
120 culturas da visita, ou então de perspectivas do o autor de um dos textos sobre o futuro do
“nativo”49. Museu das Artes e Tradições Populares, trata-
se do fim de um monopólio de seus bens
culturais “maiores” (entenda-se: artísticos e
monumentais), que é designado pela história
da arte ocidental e pelo reconhecimento da
47. Hans Haacke, Framing and Being Framed: 7 Works 1970-75,
New York, New York University, 1975, pp. 9-10.
diversidade das culturas humanas51.
48. “Com os museus constituindo um elemento dentro das insti-
tuições culturais do Vaticano e sendo um tipo de espelho refletin-
do o interesse dos papas pela mais alta expressão da arte das dife-
rentes épocas, parece ser útil sublinhar que também podem ser um 50. A proteção do patrimônio cultural imaterial, formulada pela
instrumento de difusão das Boas Novas. Em uma instituição que Unesco em sua Convenção de 2003, foi adotada por uma lei em
recebe todo o mundo, qualquer que seja a religião ou a origem dos 5 de julho de 2006 (Lei no 2006-791), acarretando sua aprovação
visitantes, o importante para todos está frequentemente em uma pela França; e houve o decreto ad hoc no 2006-1402, datado de 17
obra de arte que indica para o que somos chamados. A presença de de novembro de 2006.
sacerdotes nesse contexto pode enriquecer essa abordagem.” Cita- 51. Jean Guibal, “La diversité des cultures au Musée dauphinois de
ção do Vaticano de 26 de julho de 2012. VA. The Vatican Today, Grenoble”, Emilia Vaillant et Germain Viatte (dir.). Le musée et les
http://www.news.va/fr/news/musees-du-vatican cultures du monde, Paris: École nationale du patrimoine, 1999, pp.
49. Susan Sleeper-Smith, ed. Contesting Knowledge: Museums 257-259 ; e “Patrimoines, diversité culturelle et dynamique terri-
and Indigenous Perspectives, Lincoln, University of Nebraska toriale”, L’Observatoire, Observatoire des politiques culturelles, n°
Press, 2009. 29, Grenoble, 2006.
Esses dois atores do patrimônio criadoras dos bens expostos na própria

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


etnológico francês enxergam assim a concepção do museu.”53

a c i o n a l
ratificação de “uma decisão que rompe com Contudo, além do projeto presidencial
dois séculos de hierarquização estética dos do Museu do Cais Branly, a construção
bens culturais”. pluridisciplinar do Museu das Confluências

n
R t í s t i c o
De fato, a definição do patrimônio de Lyon54, a construção do Museu de Artes
francês permanece em grande parte e Civilizações Mediterrâneas em Marselha

a
dominada pelos interesses tradicionais. Ela assim como a reorganização do Museu do

e
é mais estrita do que aquela imaginada pelo Homem55 têm marcado a década de 201056.

i s t ó R i c o
Conselho da Europa, a propósito da herança O fenômeno merece ser notado, pois a
cultural europeia, “constituída por criações divulgação da etnografia francesa vulgarizada

H
da natureza e do homem, por riquezas por meio de certas narrativas de sucesso nos

a t R i m ô n i o
materiais, mas também por valores morais e anos 1970-1980, ligadas à nostalgia de um

D o m i n i q u e Po u l o t
religiosos, por convicções e conhecimentos, mundo perdido57, não resultou em uma

P
por temores e esperanças e por visões de renovação das exposições ou museus.

d o
mundo e modos de vida, cuja diversidade é Muito pelo contrário, Jean Jamin notou,

e v i s t a
a origem da riqueza da cultura comum sobre em 1991, que “museus, coleções e objetos quase
a qual se funda a construção europeia”. Para não parecem interessar à antropologia. Por causa

R
os juristas franceses, certas atividades ou de uma deserção tanto física quanto intelectual
práticas, tais como os costumes, as tradições
e as habilidades, não têm “necessidade de 53. A segunda reprimenda é desenvolvida particularmente em
um enquadramento jurídico para poder se Sally Price, Paris primitive. Jacques Chirac’s Museum on the Quai
Branly, Chicago, University of Chicago Press, 2007, capítulo 5,
manifestar. Nesse sentido, o patrimônio “An anti-palace on the Seine”, que enxerga um dispositivo de pu-
rificação de eventuais comunitarismos no museu, em nome do
no aspecto jurídico não cobre mais que princípio da laicidade. O texto de Daniel Fabre (“O patrimônio
um subgrupo do patrimônio no aspecto cultural imaterial. Notas sobre a conjuntura francesa”) acompanha 121
a apresentação do relato do estudo de Gaetano Ciarcia, O prejuízo
amplo. O legislador seleciona certo número permanente. Relatório de um estudo sobre a noção de “patrimônio
imaterial”, Ministério da Cultura e Comunicação, 2006.
de elementos para organizar seu regime 54. A apresentação do projeto no site na internet evoca: “sete expo-
sições de declínio, por exemplo: conflitos e exclusões, diversidade
de proteção. A direita francesa está hoje cultural e mestiçagem, biodiversidade e todas as questões ligadas
ao domínio do moderno”. Michel Côté, seu diretor, publicou,
concentrada na proteção dos elementos durante o ano de 2008, uma série de trabalhos sobre a aposta do
projeto (A paixão da coleção: as origens do Museu das Confluências,
materiais do patrimônio, em uma abordagem séculos XVII-XIX, maio; Práticas de exposição e mediação e atividades
bem mais restritiva”52. As críticas endereçadas culturais, setembro; Coleções, política e práticas, dezembro; todos
editados pelo Departamento do Rhône).
ao Museu do Cais Branly revelam uma 55. Isso após um primeiro relatório de Jean-Pierre Mohen, O Novo
Museu do Homem, Paris, Odile Jacob-Muséum nacional de his-
situação marcada continuamente pelo tória natural, 2004. Sobre sua história Claude Blanckaert, éd. Le
Musée de l’Homme. Histoire d’un musée laboratoire, Paris, Musée de
“culto exclusivo do objeto tridimensional, l’Homme, 2015.
desprezando todas as outras expressões de 56. Em 16 de fevereiro de 2009, a Ministra da Cultura divulgou
um relatório sobre os “diferentes sítios prováveis de acolher o fu-
culturas” e pela “ausência das comunidades turo Museu da História da França”, entre os quais Fontainebleau,
Mansão de Soubise, Invalides, Versalhes e Vincennes. Com relação
a esse fenômeno paralelo da museologia francesa, eu me permito
reenviar a D. Poulot a referência “Gloires et opprobres politiques au
musée”, Sociétés & Représentations, n° 26, nov. 2008, pp. 197-217.
52. Marie Cornu, Droit des biens culturels et des archives, Legame- 57. Assinala Philippe Joutard em Ces voix qui nous viennent du
dia, novembro de 2003. passé, Hachette, 1983.
r e v i s t a d o P a t r i M ô n i o H i s t ó r i c o e a r t í s t i c o n a c i o n a l

122
D o m i n i q u e Po u l o t A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

Acervo: Iphan.
de Belém
Ladrilho hidráulico
r e v i s t a d o P a t r i M ô n i o H i s t ó r i c o e a r t í s t i c o n a c i o n a l
123

D o m i n i q u e Po u l o t A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


por parte da comunidade profissional, estes foi proferida... nenhum daqueles arquivos
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

foram quase abandonados ou reduzidos a oficiais conservará vestígios. [... ] Do ponto


a c i o n a l

uma função comemorativa”58. O comentário, de vista do conhecimento, a justificativa


por mais que valorize a evolução geral da é sempre a mesma: deve-se empenhar em
etnologia, é particularmente pertinente no coletar na fonte, com esta talvez se tornando
n
R t í s t i c o

caso francês, em que as etnologias do pós- a fonte para os pesquisadores do futuro (...).
guerra foram paralisadas devido à lembrança Porém essa opção unânime causa uma seleção
a

de Vichy. Os sucessivos colóquios ligados tácita e insidiosa dos sujeitos de estudo: nós
e

à crise do Museu das Artes e Tradições penderemos preferencialmente para uma


i s t ó R i c o

Populares durante a década de 1990 oscilaram etnografia de obras, conferindo a esse último
regularmente entre o retorno enraivecido de termo seu sentido mais amplo. Os objetos da
H

certas lembranças e a seleção do patrimônio vida cotidiana, os saberes, as ferramentas e os


a t R i m ô n i o

após um inventário. Por fim, as exposições produtos de trabalho, os habitats e lugares,


D o m i n i q u e Po u l o t

retrospectivas mostradas no interior de as artes populares, a música e a literatura


P

diversos estabelecimentos se parecem com oral... são sempre os primeiros eleitos e, por
d o

homenagens devotadas aos fundadores da isso, sua descrição externa, sua numeração e,
e v i s t a

etnologia francesa, respeitando uma liberdade portanto, sua capitalização patrimonial são
às vezes suavizante. Nesse contexto, não imediatamente concebíveis60”. Entretanto,
R

deixa de ser interessante que uma evolução esse paradigma tem ele próprio uma história,
aparentemente terminológica – de que o e os “últimos” puderam conhecer certas
patrimônio imaterial substituiu o patrimônio épocas de ressurreições.
etnológico – consiste em uma mudança Como demonstrou David L. Hoyt, “ao
dentro do âmbito disciplinar e político59. contrário da imagem de relíquias ou fósseis
de uma cultura desaparecida, cultivada
124 a energia do primitivo e pelos estudos das últimas décadas do século
a p o l í t i c a f o l c l o r i s ta XIX, os etnógrafos do século XX têm seus
objetos vivos. Eles não têm mais necessidade
Em longo prazo, a tentativa da etnologia de restaurar a vida nas coleções”61. A
parece se confundir com a busca por objetos, afirmação de um sujeito vivo se opera no
em número sempre crescente, suscetíveis de reconhecimento de um “primitivo” sempre
também se tornarem materiais de exposição. ativo, atuante no presente, e não no passado.
Daniel Fabre evocou, em seu propósito, um Não se trata mais de coletar restos de uma
“paradigma dos últimos”: o etnólogo seria “o cultura desaparecida ou dos últimos exemplos
último a poder dizer: tal prática, tal crença, tal de tal costume ou prática: abandonamos
objeto ou tal conhecimento existiu; tal palavra
60. Daniel Fabre, “L’ethnologue et ses sources”, Terrain, n° 7, Paris,
1986, pp. 3-12; “D’une ethnologie romantique”, Daniel Fabre
58. Jean Jamin, “Les musées d’anthropologie sont-ils dépassés ?”, et Jean-Marie Privat (dir.), Savoirs romantiques. Une naissance de
Le futur antérieur des musées, Ed. du Renard, maio de 1991, p. 113. l’ethnologie, Presses universitaires de Nancy, 2010.
59. Gérard Derèze demonstrou isso para o francófono belga em 61. David L. Hoyt, “The Reanimation of the Primitive: Fin-de-
“De la culture populaire au patrimoine immatériel”, Hermès, 42, Siècle Ethnographic Discourse in Western Europe”, History of
2005, pp. 47-53. Science, vol. 39, pp. 331-354.
a perspectiva histórica e positivista para o que apresentaram um olhar erudito sobre

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


benefício de uma abordagem sincronizada seus objetos de estudo: assim, os pioneiros

a c i o n a l
que coloca um fim na tese das sobrevivências. do folclore, da Mélusine ou da Revue des
Uma mudança semelhante de pontos traditions populaires, aparecem como cientistas
de referência temporais resulta em uma inúteis para a recuperação francesa. Maurice

n
R t í s t i c o
articulação do regionalismo e da etnologia, Barrès também condena a salvaguarda das
que se transformam em ferramentas igrejas da França, que assumiram a forma de

a
políticas62. museus ou pontos culturais, sem, portanto,

e
No final do século XIX, diversos museus defenderem similarmente o catolicismo, fato

i s t ó R i c o
nasceram após a organização de uma sala da este dado após a separação da Igreja e do
França no Museu de Etnografia do Trocadéro, Estado em 1905. Este é o nome da energia

H
em 1884 (que fechou em 1928). Esses nacional, da força de suas paisagens e dos

a t R i m ô n i o
museus eram o Museu Basco, de Bayonne, modos de vida imbuídos nos monumentos,

D o m i n i q u e Po u l o t
o Museu Bretão, de Quimper, ou o Museon bem como das tradições, que não devem

P
Arlaten, de Arles, concebido em 1898 por ser conservadas para fins de estudo ou

d o
Frédéric Mistral. Em 1904, inaugura-se um arquivamento, mas sim mobilizadas a fim de

e v i s t a
Museu de Dauphine, em Grenoble, concebido alimentar um projeto efetivo. Nada é pior que
por Hippolyte Müller, destinado para “recriar o embalsamento dos museus ou a restauração

R
o pensamento que criou o objeto”. Todavia, a segundo os procedimentos científicos como
França não conhecia o importante museu ao os de Viollet-Le-Duc.
ar livre, ao contrário dos “Museus das casas”, Basta citar Arnold Van Gennep, fundador
que se multiplicavam no início do século da etnologia francesa, para compreender a
XX nos países escandinavos, na Holanda, na diferença assim declarada: “quem se interessa
Alemanha e também na Romênia, no Reino por folclore, escreve ele, o torna vivo e direto;
Unido e nos Estados Unidos. é isso que queremos, na biologia sociológica, 125

Porém os neotradicionalistas do tal como feito na etnografia. É muito bom


movimento organizado por Charles- reunir objetos em uso nas diversas províncias
Brun colocaram a defesa das diferenças nos museus; mas isso não é mais que um
regionais e das especificidades culturais no acessório do folclore: é sua parte morta. O
primeiro plano de suas preocupações63. que nos interessa é o emprego desses objetos
Eles acusaram os antiquários das gerações para se tornarem seres realmente vivos, com
anteriores de terem embalsamado a cultura, os costumes sendo realmente vivenciados
diante de nossos olhos, com uma pesquisa das
condições complexas, sobretudo psíquicas,
62. David L. Hoyt, “Dialects of modernization in France and acerca desses costumes. Ora, a vida social se
Italy, 1865-1900”, in Karen Oslun, The Study of Language and the
Politics of Community in Global Context, Lexington Books, 2006, altera sem parar e, em consequência disso, as
p. 85 sq.
63. Jean Charles-Brun, Le régionalisme, Paris, 1911. Maurice investigações folclóricas não podem parar”64.
Barrès, La grande pitié des églises de France, Paris, 1913, e seus
comentários por Michel Leymarie e Michela Passini em La
grande pitié des églises de France, Lille, Presses Universitaires
du Septentrion, 2012. 64. Arnold Van Gennep, La culture moderne, Paris, Stock, 1924.
Van Gennep rejeitou a condição de se analisado plenamente essa relação67. Além
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

identificar o folclore com a cultura material disso, atualmente, a importação e a tentativa


a c i o n a l

e sua museografia, colocando em primeiro de uso do termo “patrimônio imaterial” são


frequentemente interpretadas como uma
plano os “mecanismos da produção e da
reconciliação suplementar de dispositivos
n

fabricação tecnológica e as condições físicas e


R t í s t i c o

utilizados primeiramente em terrenos “exóticos”.


sociais subjacentes, cujos objetos não são mais
que testemunhas”, como escreveu em 1931. Uma
a

modernidade
e

O programa ao mesmo tempo erudito m i l i ta n t e : o s m U s e U s d a


i s t ó R i c o

e político do folclore francês resultou, sociedade


paralelamente, na instalação do Museu do
H

Também foi após a Segunda Guerra


a t R i m ô n i o

Homem em 1937, consistindo numa primeira


Mundial que se constituiu uma verdadeira
versão do Museu Nacional de Artes e Tradições
D o m i n i q u e Po u l o t

rede de museus regionais e locais com o


Populares encomendada por Georges-Henri
P

modelo imaginado por Georges-Henri


d o

Rivière. O folclorismo estava aí bem presente, Rivière68. Assim, o programa do Museu da


e v i s t a

mas esses empreendimentos foram todos Bretanha, aberto em 1957, em Rennes,


interrompidos pela guerra. O princípio da
R

pretendia apresentar “o tempo e o espaço ao


legítima “aplicação” da disciplina desapareceu redor de um território cedido, as ligações do
irremediavelmente com o fim de Vichy65. homem e da natureza”. Por sua vez, o Museu
Nacional de Artes e Tradições Populares abriu
A nova invenção da etnologia francesa
somente mais tarde, entre 1972 e 1975, em
após 1945 fez parte de um movimento de
um bairro burguês e periférico de Paris – nos
retorno à identidade própria, do longínquo
limites do Jardin d’Acclimatation –, sob os
126 ao próximo, que substituiu de alguma forma auspícios do estruturalismo de Claude Lévi-
a antropologia do outro pela antropologia Strauss (pelo menos é o que foi declarado em
de si mesmo . As causas são complexas,
66
suas paredes) e do modernismo internacional
misturando o processo de descolonização, corbusiano na arquitetura69.
a reconversão da antropologia universitária A palavra “ecomuseu” apareceu em 1971,
o ano da criação do Ministério do Ambiente,
e, mais tarde, a elaboração de um
no contexto da instalação de parques
questionamento público, graças à Missão
do Patrimônio Etnológico, que interveio 67. Ver Schéma directeur de la recherche en sciences humaines 2005-
2008 dans les musées nationaux, Paris, fevereiro de 2005. Dois
entre a pesquisa e os museus, sem jamais ter trabalhos de caráter parcialmente autobiográfico são úteis nesse as-
pecto: Martine Segalen, Vie d’un musée, 1937-2005, Paris, Stock,
2005, e Jean Cuisenier, L’héritage de nos pères, Paris, La Martinière,
65. Gérard Lenclud, “La question de l’application dans la tradition 2006.
anthropologique française” in: Jean-François Bare (éd.), Les appli- 68. Nascido em 1897, fundador do Museu de Artes e Tradições
cations de l’anthropologie. Un essai de réflexion collective depuis la Populares da França, depois diretor do ICOM (International
France, Paris, Karthala, 1995, pp. 65-84, ici pp. 79-80. Council of Museums, Unesco), de 1948 a 1966.
66. Florence Weber, “Politiques du folklore en France 1930- 69. Jean Dubuisson é um grande representante da arquitetura
1960”, Pour une histoire des politiques du patrimoine, Paris, Comité francesa dos Gloriosos Anos 1930. Ver Jean Dubuisson par lui-
d’histoire du ministère de la culture, 2003, pp. 269-300. même, Paris, Linteau, 2008.
naturais regionais, vistos como ferramentas acerca do território ao qual está fixada, em

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


de conhecimento do espaço e do “projeto relação às populações que a precederam, na

a c i o n a l
de vida” de uma população70. Os primeiros descontinuidade ou continuidade das gerações.
ecomuseus, concebidos em Marquèze, no É um espelho que essa população oferece a
seus componentes, para se compreenderem

n
contorno do Parque Natural Regional de

R t í s t i c o
Landes de Gascogne, e, depois, em Ouessant, melhor, com relação a seu trabalho, seus
dentro do Parque Natural Regional da comportamentos e sua intimidade”71.

a
Armórica, servem como referências. Essa Museu do homem e da natureza, o

e
ecomuseu visa valorizar o restabelecimento

i s t ó R i c o
geração de ecomuseus é resultado do ativismo
de representantes políticos ou líderes do ponto temporal em que o homem
apaixonados que encontraram os meios para apareceu e, depois, a demonstração tanto da

H
sociedade tradicional, quanto da sociedade

a t R i m ô n i o
um reconhecimento coletivo. Os exemplos
industrial, resultando finalmente no futuro,
mais célebres são, então, os ecomuseus

D o m i n i q u e Po u l o t
em nome de uma “função de informação e
da Comunidade Urbana de Creusot

P
análise crítica”. O ecomuseu ideal reivindica
Montceau-les-Mines, de Fourmies-Trélon, de

d o
a dupla qualidade de ser conservador do

e v i s t a
Nord-Dauphiné e da cidade nova de Saint-
patrimônio natural e cultural das populações
Quentin-en-Yvelines.
referidas, bem como de ser o laboratório deste

R
Um ecomuseu reúne, em princípio,
patrimônio, porque é assunto, ao mesmo
diferentes lugares no interior de uma região e
tempo, de estudos teóricos e práticos, assim
oferece a seus visitantes os meios para conhecer
como da operacionalização desses estudos.
a história e a geografia locais; ele mostra
Concretamente, trata-se de um conjunto de
as ligações estreitas estabelecidas por uma
museus constituídos em rede, organizados
comunidade de habitantes entre o ambiente,
por pessoas com status algumas vezes incerto,
os recursos naturais e as técnicas agrícolas, 127
entre voluntário e profissional.
artesanais, manufatureiras ou industriais. A maior parte deles é construída
Assim, o ecomuseu é definido como o oposto com vistas às atividades em vias de
do museu tradicional (“o templo da cultura”) desaparecimento, mesmo que isso não seja
e se assenta sobre um território, sua paisagem seu princípio: eles apresentam as ferramentas
e a população. Em 1976, Georges-Henri e técnicas tradicionais e convidam artesãos
Rivière precisou esta definição: “É um espelho antigos para dar explicações aos visitantes e
onde essa população se vê e reconhece, até realizar diversas demonstrações72. Nesse
onde ela procura por uma explicação sentido, eles participam de uma dinâmica do
“patrimônio” na sociedade, a qual as pesquisas
70. A primeira definição de ecomuseu, proposta por Georges-Henri
Rivière, foi adotada em 1971, na Nona Conferência do Conselho
Internacional de Museus, nestes termos: “o ecomuseu é um museu 71. Hugues de Varine, Nouvelles Muséologies, Macon, Editions
aberto e interdisciplinar, que exibe o homem no tempo e no espaço, W./M.N.E.S., 1986.
em seu ambiente natural e cultural, convidando toda a população 72. Ver o manifesto de Terrain, a revista da Missão do Patrimônio
a participar de seu próprio desenvolvimento por intermédio de di- etnológico do Ministério da Cultura; Fleury (E.), “Avant-propos”,
versos meios de expressão baseados essencialmente na realidade dos Terrain, nº 11, 1988, pp. 5-7. Um balanço dessa etnologia é forne-
sítios, dos edifícios, dos objetos, das coisas reais mais falantes que as cido por Martine Segalen (sob a direção de), L’autre et le semblable,
palavras ou que as imagens que invadem nossa vida”. Paris, Presses du CNRS, 1989.
comandadas simultaneamente pela Missão A categoria dos “Museus da Sociedade”
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

do Patrimônio sobre as práticas e políticas foi imaginada no seio da Diretoria dos


a c i o n a l

culturais de identidade podem comprovar. Museus da França em 1991, de modo que


Durante as últimas décadas, esses pudesse, para além das disputas tipológicas
estabelecimentos têm passado por
n

ou de gerenciamento, reagrupar os museus


R t í s t i c o

reorganizações importantes, tendo alguns de etnologia e os museus de artes e tradições


deles se tornado museus “verdadeiros” ou populares, os museus técnicos e industriais,
a

contribuído para um desenvolvimento os museus de história, os museus de sítio


e

turístico, que não era seu primeiro objetivo.


i s t ó R i c o

e ar livre, os museus marítimos etc. Esta


Outros foram fechados. Por fim, muitos museografia teria, para além da exposição de
dos ecomuseus posteriores nasceram do objetos e documentos, semelhanças para com
H

desejo de conservar os vestígios de uma


a t R i m ô n i o

os recursos de diversas mediações, atendo-


atividade, tecnológica ou não, ligada à se para uma participação mais ou menos
D o m i n i q u e Po u l o t

história local. Hugues de Varine, um dos explícita dos habitantes. Esses Museus da
P

pais dessa nova museologia da década de Sociedade dedicados ao “espírito de um local”


d o

1970, e particularmente de Creusot73, oscila,


e v i s t a

desejam revelar um território e sua paisagem,


nesse caso, entre a fúria e a amargura em seu uma comunidade e seus modos de vida.
R

diagnóstico das “transformações” acerca dos Eles participam da exaltação do particular


ecomuseu74. Isac Chiva, ao lembrar-se, em ao relembrar voluntariamente o tempo em
1990, dos vinte anos anteriores, identificou
que as formas valorizadas concordavam
um “retorno ao passado”, “uma aspiração à
essencialmente com os recursos do meio.
natureza e, por fim, um reagrupamento sob a
Seu crescimento gerou um conflito real
bandeira do local”75. Alguns anos mais tarde,
no mundo dos museus. O Inspetor-Geral
Christian Bromberger reconheceu que a
128 Edouard Pommier atentou-se para isso em
década dos anos 1980 conheceu “uma condição
1991, dizendo que se ressentia com um excesso
prolífica em projetos arrebatados ou mais
de Museus da Sociedade, e os campeões
razoáveis – e que, sem dúvida, proporcionou
da museologia etnológica e antropológica
uma resposta institucional da qual surgiram
responderam77. O afrontamento assumiu a
os conceitos e formas de gerenciamentos
proliferação de estabelecimentos desse tipo,
do patrimônio etnológico, que ofereceram
depois de uma quarentena durante os anos
coordenação, orientação e controle dessa
1950-1960, até chegar a cerca de 800 no limiar
proliferação criativa e errática”76.
do século XXI78. Atualmente, as coleções da
73. Hugues De Varine foi diretor do ICOM de 1964 a 1974.
74. Em uma conferência proferida em 15 de outubro de 1993, 77. Edouard Pommier, “Prolifération du musée ” [Proliferação do
na Universidade de Utrecht, “Tomorrow’s Community Museums”. museu], in Le Débat [O Debate] nº 65 maio-agosto de 1991, pp.
75. Isac Chiva, “Le patrimoine ethnologique: l’exemple de la 144-149. O tema se tornou comum mais tarde, assim sob a forma
France”, Encyclopaedia Universalis, Symposium, Paris 1990, pp. de uma deploração do abuso de centros de interpretação abusivos
229-241, ici p. 235. no Canadá em Luc Noppen e Lucie K. Morisset. “Grandezas e
76. Christian Bromberger, “Ethnologie, patrimoine, identité. Y declínio do centro de interpretação”. Téoros. Revista de Pesquisa em
a-t-il une spécificité de la situation française?” in Daniel Fabre Turismo 24.24-2 (2005): 72-75.
(éd.), L’Europe Entre Cultures et Nations. Paris, Éditions de la Mai- 78. Jean Cuisenier et Martine Segalen, Ethnologie de la France,
son des Sciences de l’Homme, pp. 16-18. Paris, PUF, 1986, p. 34.
sociedade representam, no sentido amplo, saberes. “Essa imaterialidade foi, nesse caso,

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


entre um quarto e um quinto do número total decisiva, pois justificou o posicionamento da

a c i o n a l
de museus franceses: a rudeza das discussões Missão ao lado da Diretoria do Patrimônio,
político-administrativas fica ligada tanto a uma propriamente em três ou duas dimensões,
competição pelos recursos quanto a lógicas permanecendo como o principal atributo

n
R t í s t i c o
institucionais contraditórias79. dos museus. Entretanto, o Conselho reuniu
em sua composição todos os atores da cadeia
a

a
a p o s ta d o i n v e n t á r i o patrimonial, com as diferentes diretorias

e
d o pat r i m ô n i o i m at e r i a l do ministério interessadas na música,

i s t ó R i c o
dança, espetáculos ao vivo, arquivos etc. e,
Após o decreto de 2006, a Missão do evidentemente, em museus”82.

H
Patrimônio Etnológica, depois transformada Tratava-se de investigar a identidade em

a t R i m ô n i o
em Missão de Etnologia, teve o objetivo geral e sua transmissão, mas sem o cuidado

D o m i n i q u e Po u l o t
de “estudar e promover, junto com outras de um inventário, nem de conservação83. Ao

P
instâncias competentes, diversos aspectos contrário, dois representantes eminentes da

d o
dos patrimônios material e imaterial que antropologia francesa insistiam, nesse caso,

e v i s t a
interessam à etnologia através do território no imperativo de assegurar que os objetos
estudados (festas, práticas, manifestações etc.)

R
nacional ou que dizem respeito aos campos
de ação da Diretoria, notadamente os não fossem “mais tratados como sobreviventes
territórios e a arquitetura”. A primeira de fatos antigos que foram degenerados, mas
Missão, fundada após o relatório “A que, pelo contrário, fossem tratados como a
Etnologia da França. Necessidades e Projetos”, expressão contemporânea de representações
apresentado por Redjem Benzaïd, Inspetor- conflituais das identidades [... ] e dos grupos
Geral de Finanças, em 197980, já considerava sociais de que participavam”84. A tarefa do
centro de pesquisas ligado ao CNRS, que 129
todos os objetos da futura convenção com
um título emblemático, como provam os
pedidos de oferta regulares81, publicados na
82. Em 1980, foram criados dois organismos distintos, em nível
revista Terrain. Daniel Fabre acreditou assim ministerial: o Conselho do Patrimônio Etnológico e a Missão
do Patrimônio Etnológico. Ambos substituindo a Diretoria de
que o Conselho do Patrimônio Etnológico Arquitetura e Patrimônio, com a missão de “recensear, estudar,
proteger, conservar e divulgar o patrimônio arqueológico, arqui-
do Ministério da Cultura, criado em 1980, tetônico, urbano, etnológico, fotográfico e das riquezas artísticas
da França”. O Conselho do Patrimônio Etnológico, formado por
teve, desde a origem, o cuidado de defender quatro anos por representantes do governo e especialistas, era “a
os bens “imateriais”, caracterizando os instância científica que definia, dentro do ministério encarregado
pela cultura, as orientações de uma política nacional de etnologia
modos de vida, e as formas de pensamento e da França”. A Missão do Patrimônio Etnológico era ser o órgão
de execução, composto por um grupo de funcionários centrais e
“etnólogos regionais” ou “conselheiros de etnologia”, em princí-
pio no número de catorze, pertencentes às Diretorias Regionais de
Assuntos Culturais.
79. Ver em outro campo Nathalie Heinich, “La collecte du 83. Sylvie Grenet, “Problématiques et enjeux du patrimoine
contemporain comme enjeu professionnel” [“A coleta do culturel immatériel au Ministère de la culture”, Patrimoine culturel
contemporâneo como desafio profissional”], Bulletin du Musée immatériel et transmission la polyphonie corse traditionnelle peut-elle
basque [Boletim do museu Basco] (2012): 56-60. disparaître? Centre des musiques traditionnelles corses, 22 e 23 de
80. Rapport sur l’ethnologie de la France. Besoins et projets. op. cit. junho de 2006, Ajaccio.
81. A Terrain foi lançada em 1983, e a coleção “Ethnologie de la 84. Jean Cuisenier et Martine Segalen, Ethnologie de la France,
France” foi iniciada no ano seguinte, sob a forma de duas séries. Paris, PUF, 1986, p. 87.
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l

130
D o m i n i q u e Po u l o t A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

Aurelio Fabian.
Acervo: Iphan/
Feira de Caruaru, PE
Artesanato tradicional da
R e v i s t a d o P a t R i m ô n i o H i s t ó R i c o e a R t í s t i c o n a c i o n a l
131

D o m i n i q u e Po u l o t A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


abrigava o museu das ATP, se envolveu em Um
A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites

desafio mUseológico
uma perspectiva paralela: analisar o objeto do e mUseográfico
a c i o n a l

museu menos como patrimônio do que como


signo ou suporte para a patrimonialização em Se a assinatura da Convenção marca
n

curso, considerando as suas bases85. bem a entrada no terreno do patrimônio


R t í s t i c o

Essa situação particular da pesquisa etnológico, graças à aculturação da


em etnologia francesa explica que um dos modernidade internacional, seu efeito utiliza
a

o eventual enxerto do patrimônio imaterial


e

constantes debates nos últimos anos tem


i s t ó R i c o

nos museus franceses. Ora, o paradoxo


sido sobre a oposição, ou ao menos a relação
da conservação imaterial pode levar os
ambígua entre etnologia aplicada, chamada
conservadores a criticar sua leitura sobre
H

por seus oponentes de “governo”, e ciência


a t R i m ô n i o

o afeto ou a estética como único modo de


desinteressada”. Isso mobilizou essencialmente
compreensão dos “objetos” dentro de seus
D o m i n i q u e Po u l o t

a reflexão dos conselheiros de etnologia que


estabelecimentos. Uma museografia capaz
P

faziam parte das Diretorias Regionais de


d o

de entender o imaterial e apresentá-lo supõe


Assuntos Culturais (DRAC), relacionados
e v i s t a

uma articulação que se esforça ainda mais87.


diretamente com os trabalhos ligados ao Nesse aspecto, o destino do Museu Nacional
R

Patrimônio Etnológico, e a os etnólogos de Artes e Tradições Populares representa


“acadêmicos”, seus colegas de laboratório. preferencialmente um revés anunciado.
Assim, foi no momento da publicação de O museu imaginado por Georges-
um trabalho sobre o patrimônio rural que os Henri Rivière apresentava uma visão eterna
defensores da sociologia “crítica” dirigiram das tradições francesas em uma ligação
seus ataques contra o Ministério da Cultura, de empatia, senão de conivência, com o
132
suscitando respostas argumentadas . 86 público, apesar dos protestos de ascetismo
científico e estético. A decisão de suprimir o
MNATP foi tomada em 1998 por Catherine
85. “Três dimensões centrais constituem a especificidade desse la- Trautmann, quando era Ministra da Cultura,
boratório: uma reflexão sobre a memória e a patrimonialização:
que é o papel de um Museu da Sociedade tanto no aspecto da e foi confirmada por Jean-Jacques Aillagon:
história quanto no da memória, particularmente na memoraliza-
ção do contemporâneo; uma reflexão sobre o sentido do objeto e
ele foi fechado no outono de 2005. Michel
sobre a ligação (tanto prática quanto simbólica) com os objetos da Colardelle, que chegou à chefia em 1996,
vida cotidiana; uma interrogação sobre o papel dos pesquisadores
em um museu: papel crítico e papel de mediador entre os discursos havia previsto um novo estabelecimento
dos atores sociais e do museu.” Dois trabalhos de caráter parcial-
mente autobiográfico são úteis nesse aspecto: Martine Segalen, Vie em Marselha, que deveria considerar
d’un musée, 1937-2005, Paris, Stock, 2005, e Jean Cuisenier, L’hé-
ritage de nos pères, Paris, La Martinière, 2006. os objetos, pelo contrário, como sendo
86. O dossiê reuniu o ataque de Gilles Laferté e de Nicolas Rena-
hy, “Campagnes de tous nos désirs”... d’ethnologues”, L’Homme, profundamente inseridos na história. Em
166, 2003, pp. 225-234; a resposta dos autores do trabalho incri-
minado, André Micoud, Laurence Bérard, Philippe Marchenay e
Michel Rautenberg, “Et si nous prenions nos désirs en compte?”, 87. Christian Hottin, “Entre ratification et inscriptions. La mise
ibid., pp. 235-238; e, por fim, a réplica ”L’ethnologue face aux en œuvre d’une politique du patrimoine culturel immatériel en
usages sociaux de l’ethnologie”, ibid. pp. 239-240. Ver Jean-Fran- France [Entre ratificação e inscrições. A implantação de uma
çois Baré (dir.), Les applications de l’anthropologie. Un essai de ré- política imaterial do patrimônio cultural na França] (2006-
flexion collective depuis la France, Paris, Karthala 1995, pp. 87-118. 2010).” Terrain. 57 (2011): 144-157.
2001, ele acabou por decidir pela ampliação sala chamada “Escritório do etnólogo”

A compreensão do patrimônio contemporâneo e seus limites


geográfica e pela extensão de sua proposta: pretendia mostrar o trabalho do etnólogo

a c i o n a l
de “civilização”, e não apenas de “cultura nos Museus da Sociedade. Tratava-se de
popular”88. Ele resumiu o projeto nestes introduzir o visitante à prática cotidiana
termos: “Diante dos movimentos potentes

n
do etnólogo em sua coleta de informações,

R t í s t i c o
de desistências de identidade e comunitárias por meio de entrevistas e filmes. O novo
que caracterizam o mundo contemporâneo, museu queria aparecer na condição de

a
torna-se indispensável criar locais de herdeiro da tradição das ATP, de forma que

e
encontro e abertura. Diante dos muros ele influencia ainda hoje os estabelecimentos

i s t ó R i c o
que são levantados, das incompreensões da região. Mas essa declaração de intenção
que se acumulam e das rejeições que são nunca foi completamente condenada. Como

H
preparadas, torna-se indispensável restabelecer

a t R i m ô n i o
escreveu, nesse caso, Christian Bromberger,
as pontes entre as culturas europeia e “o MuCEM mistura as fronteiras e não

D o m i n i q u e Po u l o t
mediterrânea […]. A criação do MuCEM corresponde a nenhuma entidade política

P
traduz preferencialmente a vontade de reatar estabelecida: nem Marselha, nem Provença,

d o
em vez de se enclausurar, de escolher trocar nem França, nem Europa. O projeto não

e v i s t a
e compartilhar em vez de rejeitar o outro, pretende, em suas melhores bases, apresentar
de criar um grande lugar de encontro e

R
sucessivamente ares culturais, mas (…),
meditação entre as culturas em Marselha”. preferencialmente, reforçar identidades e
Portanto, o Museu das Civilizações mudar como se pensam as convergências,
da Europa e do Mediterrâneo (MuCEM) os parentescos e as diferenças. Esse
se interessava pelas civilizações da Europa estabelecimento, onde não se questionaria
e do Mediterrâneo, da Idade Média até nem a si mesmo, nem aos outros, mas a
a época contemporânea, apoiando-se no
si mesmo e aos outros em conjunto, suas
133
conjunto das ciências sociais, com a etnologia
afinidades, seus atritos e seus conflitos, não se
permanecendo como disciplina central. O
sujeita às dimensões habituais de um museu,
programa museográfico se pautava em um
podendo gerar incômodo”89.
questionamento reduzido para cinco temas,
Durante o ano de 2008, Stéphane
com estes sendo renovados a cada cinco
Martin, presidente do Museu do Cais
anos: “O paraíso”, “A água”, “A cidade”,
“O caminho” e “Masculino e feminino”. 89. Christian Bromberger, membro do Conselho Científico do
Na espera de sua realização definitiva, o MuCEM, a propósito de seu projeto científico, em “D’un mu-
sée… l’autre. Réflexions d’un observateur participant”, etnográ-
MuCEM realizou uma série de exposições fica, novembro de 2007, 11 (2), pp. 407-420: “não está certo
em qual estágio estaremos se a configuração escolhida for a mais
temporárias que definiam notadamente a pertinente e a mais convincente”. “Falta considerar a deslocaliza-
ção e a transformação do MNATP em termos de continuidade ou
ambição de sua campanha de coleta. Uma ruptura? A área coberta pelo museu também deveria ser vasta e se
estender da Escandinávia ao Saara, de Portugal ao Irã e à Rússia?
Se a conservação das coleções do MNATP é uma prioridade na-
88. Michel Colardelle, Le Musée et le Centre Interdisciplinaire cional, ele deve ocupar um local preeminente no futuro museu
d’études des civilisations de l’Europe et de la Méditerranée, Étude focado no presente, sem negligenciar seu fundo histórico e em um
préalable pour un projet de “délocalisation” du MNATP-CEF de espaço que se situe bem longe na França rural? Sem dúvida, falta
Paris à Marseille. Et Michel Colardelle, Réinventer un musée, considerar dois sítios, na condição de dois projetos distintos, cada
RMN, 2002 um marcado por seu tempo.”
Branly, recebeu a missão de conduzir uma entre uma m