Você está na página 1de 5

CESÁRIO VERDE: POESIA

Setentrional
Campo/cidade: campo, símbolo do amor e da felicidade no passado; cidade, símbolo da confusão no amor e da infelicidade - no
presente. No presente, ao campo opõe-se não só a cidade onde vive o poeta, mas também o convento, onde vive a mulher
amada. Cidade e convento identificam-se: para o poeta, a cidade é a morte e para a mulher amada, o convento é sepultura. A
mulher bonita, no campo, vive com alegria e, na cidade/convento, a mulher é tristíssima.
Movimento de fuga: "fugiste comigo da Babel"; o movimento de regresso: "E foste sepultar-te, ó serafim/No claustro das Fiéis
emparedada"; fuga da Babel/cidade para o campo e o ambiente de amor, de ósculos, de gestos e atitudes ternas em diversos
tempos e espaços; regresso à cidade/convento e separação lamentada em "censura" à mulher amada logo nos primeiros versos.
Sentimentalismo romântico: os meigos ditirambos dos rouxinóis; abraçado com as heras; tão calado como a morte…
A ironia e o vocabulário presentes na última estrofe.
"ó bonina", "mulher como não há nem na Circássia", "tristíssima Helena" - progressão da alegria para a tristeza.
eu/tu: da 1.ª à 6.ª estrofes; o nós: da 7.ª à 10.ª estrofes - caminhávamos, ouvíamos; de novo o eu/tu: da 11.ª à 13.ª estrofes.

Nós
Cidade/campo, duas realidades concretamente antinómicas no plano real:
 Cidade: estrofes 1, 3, 4, 5, 6, 7 e 13, 14, 15, 16, 17.
 Campo: estrofes 2, 8, 9, 10, 11, 12.
Metáfora da fuga: "E em permanência? grandes chuvas" (ll.39-40)
Tom conversacional de confidência: Nós, a alusão aos seus familiares e às suas vicissitudes.
Saída da cidade/estada no campo/regresso à cidade, uma conceção espacial igual à de "Setentrional": alusão ao clima doentio
da cidade (1.ª estrofe); interrupção para falar da vida saudável do campo (2.ª estrofe); descrição da cidade como limitação,
repressão, doença e morte (3.ª à 7.ª estrofe); descrição do campo exaltando a sua fecundidade, espaço amplo de liberdade,
saúde e vida (8.ª à 12.ª estrofe); descrição da cidade novamente com as mesmas características negativas (13.ª à 17.ª estrofe).
Campo espaço livre e de opulenta fertilidade: 8.ª a 11.ª estrofe.
Metáfora do regresso: "Tínhamos nós voltado à capital maldita" (v.48).
Os acontecimentos trágicos e o triunfo final da cidade: Morte de um deles (irmão), o sujeito poético continua na cidade (ela
venceu) mas triste e desgostoso.
Protesto, rebeldia e desprezo, manifestações do poeta: estrofes 16 e 17.
Expressividade da linguagem:
 métrica: versos alexandrinos (doze sílabas - dodecassílabos);
 rima: cruzada (ABAB);
 ritmo: binário e ternário;
 sonoridades: aliteração do s na 1.ª estrofe, ecos rimáticos, etc;
 comparações: vv.4, 19 e 20, 34 e 35; III - vv.10, 11, 15;
 metáforas: vv.39-40 e 48;
 hipérboles: I - vv.3, 11, 12, 17, 18.

Deslumbramentos
Mulher, produto de convenções mundanas e identificação com a cidade: 1.ª estrofe.
Mulher fatal de humilhante indiferença como a mulher de "Les Fleures du Mal" de Baudelaire: "gestos de neve e de metal",
"Grande dama fatal, sempre sozinha/E com firmeza e música no andar!"
Mulher, arcanjo e demónio: 6.ª estrofe.
Erotismo de humilhação: redução do amante à condição de servo: vv.15, 16; 26-28.
Transposição do plano individual para o plano coletivo: vingança contra a ordem social personificada pelas "miladies": duas
últimas estrofes.
Expressividade da linguagem:
 métrica: versos decassílabos;
 rima: cruzada (ABAB);
 ritmo: binário;
 sonoridades: aliterações, ecos rimáticos, etc.;
 adjetivações: quase sempre duplas: vv.2, 10, 12, 15, 16, etc.;
1
 estrangeirismos: Milady, toilettes;
 apóstrofes: vv.1, 13, 25, 37, etc.;
 comparações: vv.9, 15, 23, 32;
 metáforas: vv.15 e 16, 22, 37, 38;
 antítese: vv.11 e 12, 22, 23, 24;
 ironia: vv.26 a 28.

A Débil
Mulher de cidade sem lhe pertencer: vv.2, 3, 6, 15, 16, 19, 20, etc.
O "narrador" cede à influência corruptora da cidade e liberta-se pela adesão fiel à mulher do poema em estudo: vv.10, 11, 12;
Patriarca, Titulares, etc., acentuam a vulnerabilidade na cidade ameaçadora: vv.21 a 24, 39 a 44, 48.
Reencontro do homem feio, leal com o homem varonil, rejeitando o decadentismo das poses citadinas: 1.ª e última estrofes.
A Débil, qual frágil bonina de Setentrional, partilha da experiência do amor libertador: vv.33-36, 49-52.
Expressividade da linguagem:
 métrica: versos decassílabos;
 rima: emparelhada e interpolada (ABBA);
 ritmo: ternário;
 sonoridades: aliterações, ecos rimáticos, etc.;
 adjetivações: triplas e duplas: vv.1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, etc.;
 tipos de frases: declarativas;
 valor do imperfeito do indicativo: indicação de que o fascínio que ela exerceu no sujeito poético é durável, perdura;
 antíteses: feio/bela; vv.47/48, 51/52;
 metáforas: vv.7, 47 e 48;
 hipálage: v.5.

Contrariedades
O poeta denuncia a imprensa, a adulação e o suborno; pela engomadeira denuncia a escravidão: está doente e tem de trabalhar,
"mal ganha para sopas". 1-2 estrofes = poeta; 3-4 = engomadeira; 5-8 = poeta; 9-10 = engomadeira; 11-12 = poeta; 13 = poeta e
engomadeira.
Podemos considerar a existência de seis momentos no desenvolvimento do tema:
1. Nas duas primeiras estrofes, o sujeito apresenta-se-nos "cruel, frenético, exigente", com dor de cabeça e contrariado, por razões
que conheceremos mais adiante;
2. Nas 3ª. e 4ª. estrofes, somos já confrontados com uma das causas do seu sofrimento - a miserável situação de uma engomadeira
tuberculosa;
3. Nas estrofes 5-12, deparamos, por outro lado, com uma violenta crítica à imprensa porque um jornal havia recusado publicar os
seus versos ("A imprensa … solene").
4. Abrange as estrofes 13 e 14 e nele o poeta foca de novo a miserável condição da engomadeira, que se "fina ao desprezo", e se
mantém "a chá e pão";
5. Nas estrofes 15 e 16, o poeta parece conformar-se com a sua situação ("Perfeitamente. Vou findar sem azedume") e chega, por
momentos, não sem alguma dose de ironia a deixar-se embalar por um sonho de sucesso (…"eu rico e noutros
climas,/Conseguirei… rimas");
6. Finalmente, na última estrofe, assistimos a um paralelo entre a situação do sujeito e da engomadeira, verificando-se que esta é
muito pior e merece toda a solidariedade:
o "E estou melhor; passou-me a cólera. E a vizinha (…) Que mundo! Coitadinha!".
O poeta tem necessidade de desabafar e, desabafando, fica "melhor". A engomadeira sofre de doença física que perdura e,
explorada, não pode inverter o seu "status".
Ora em ritmo acelerado ora em ritmo lento: ritmo acelerado - estado psicológico; ritmo lento - apresentação de factos.
A adjetivação expressiva: no poema.
A ironia, sobretudo dirigida à sociedade, que esquece os que mais precisam, e à imprensa que promove medíocres e recusa a
originalidade:
 "Mais duma redação, das que elogiam tudo,/Me tem fechado a porta".
 "Eu nunca dediquei poemas às fortunas Mas sim, por deferência a amigos ou artistas. Independente! Só por isso os jornalistas
Me negam as colunas".
 "… tais coisas, tais autores". "Arte? Não Ihes convém", visto que os seus leitores "Deliram por Zaccone". "Obtém dinheiro,
arranja a sua coterie"."Eu raramente falo aos nossos literatos" "Perfeitamente" "Quem sabe se depois, eu rico (…) (…) Impressas
em volume?"
2
Na estrofe dezasseis chega a haver sarcasmo na maneira violenta como se refere às estratégias ou "manobras" que se
utilizavam para comprar o sucesso: a "réclame", a intriga, o anúncio, a "blague".
A exclamação é muito utilizada para traduzir emoções ou mesmo uma posição crítica face à realidade - no poema.
A interrogação que, muitas vezes, reforça a intenção irónica: no poema.
O advérbio expressivo aparece também várias vezes:
 "Consecutivamente" (estrofe 1);
 "insensatamente" (estrofe 2);
 "lidando sempre" (estrofe 4);
 "tão lívida" (estrofe 4);
 "muitíssimos" (estrofe 7);
 "raramente" (estrofe 12);
 "fracamente" (estrofe 14).
Os estrangeirismos "coterie", "réclame" (comentário pago pelo editor sobre um livro antes de lançar) e "blague" denunciam a
apropriação lisboeta dos termos e métodos usados em Paris.
O diminutivo final seguido de exclamação ("Coitadinha!") tem um duplo valor semântico: por um lado, exprime o carinho e a
solidariedade do sujeito em relação à pobre engomadeira, por outro lado, faz recair na sociedade ("Que mundo!") todo o odioso
da sua situação.
De notar ainda a insistência aliterante no som g seguido da vogal aguda u ("… os gumes/E os ângulos agudos"), a sugerir a
angústia do sujeito face à "depravação" que o rodeia. Dir-se-ia que o mal-estar que a sociedade Ihe provoca é traduzido por
símbolos de geometricidade.
Também a cor branca aparece simbolicamente associada à ideia de fraqueza e morte: "Pobre esqueleto branco entre
as nevadas roupas! Tão livida".
Síntese: poderá dizer-se que, neste poema, se vislumbram já algumas das influências e características que fazem de Cesário
Verde o ponto de encontro de várias correntes que tinham sido ou haviam de ser importantes na história da cultura portuguesa:
o realismo, o impressionismo, o simbolismo, o parnasianismo (da segunda metade do séc. XIX) e mesmo o surrealismo e o
neorrealismo (do século XX) - acetato cm resumo esquemático do poema.

Num Bairro Moderno


Tempo: dez horas da manhã.
Espaço: num bairro moderno.
Personagens/narração/descrição: eu descia, sem muita pressa, para o meu emprego; E rota, pequenina, azafamada, notei de
costas uma rapariga.
Versos 34 e 35: corpo orgânico x vendedeira (magra/enfezadita); versos 16, 51…
A antítese remete-nos para essa injustiça.
O episódio do criado: desdém e arrogância com que atira um cobre Iívido, oxidado", símbolo de quem ele serve.
Na estrofe 15: fuga ao romantismo.
Divisão em partes:
1. 1.ª parte: 1.ª e 3.ª estrofes: relação de oposição entre o sujeito poético que se dirige ao emprego e o bairro que ainda dorme;
2. 2.ª parte: 4.ª e 6.ª estrofes: entrada da vendedeira de fruta e hortaliça, que desperta no sujeito sentimentos de simpatia e
solidariedade;
3. 3.º parte: 7.ª e 12.ª estrofes: transfiguração dos frutos e hortaliças da giga da vendedeira num corpo humano;
4. 4.ª parte: 13.ª e 20.ª estrofes: o sujeito poético, desperto pelo pedido de ajuda da vendedeira vai dispersar-se pela observação
do mundo à sua volta.

O Sentimento dum Ocidental

"Ave-Marias"

1. Elementos que contribuem para o ambiente: sombras, bulício, Tejo, maresia; céu, gás, edifícios, chaminés, cor; adjetivos ou
equivalentes; baixo, de neblina, extravasado, monótona, londrina. 1.ª estrofe, 4.º verso. Sofrimento, angústia e desespero.

2. No poeta (o desespero); pelas edificações emadeiradas/gaiolas e os carpinteiros/morcegos (opressão); as varinas apinham-se


num bairro onde miam gatas/E o peixe podre gera focos de infeção (miséria).

3. Plano do real: os carros de aluguer e a via férrea.


3
4. Plano do irreal: o verbo "ocorrer"/lembrar é o suporte do pensamento ou do sonho (passado). Apenas os que se vão = felizes
noutros países; a metáfora de "ir" = libertar-se. De novo, o plano do irreal: evocou o passado glorioso, não de outros países, mas
do próprio Portugal.

5. A comparação: "como viveiros", "semelham-se" e "como morcegos"; metáfora: "ao cair das badaladas".

6. O poeta entra ("embrenho-me a cismar") na miséria moral - boqueirões e becos e lança o olhar ao largo, no horizonte, donde
regressavam as naus da glória e agora apenas chegam "botes".

7. Hotéis da moda/bairro aonde miam gatas; tinido de louças e talheres/às portas enfadam-se os lojistas; o fim de tarde, ao poeta,
incomoda: vazam-se os arsenais e as oficinas, apressam-se as obreiras, mas em terra tinem os talheres.

Noite Fechada

Prisão e denúncia social: os loucos "loucuras mansas" e a prisão de mulheres "Aljube".

Depressão: "aneurisma/Tão mórbido me sinto…/À vista das prisões, da Velha Sé, das Cruzes,/Chora-me o coração que se enche
e que se abisma".
Recriação poética da lua: vv.9-12.
Evocação do Passado: as sombras das igrejas recordam-lhe o mundo da Inquisição "um ermo inquisidor severo".
Hipálage: "saudoso largo", "sinos dum tanger monástico e devoto".
Anticlericalismo: v.14.
Contraste Presente/Passado: o Passado ainda o afronta "Muram-me", "Afrontam-me". Evocação de Camões: recorda
novamente um passado de glória, associado ao povo e ao mar "num recinto público vulgar,/Com bancos de namoro e exíguas
pimenteiras,/Brônzeo, monumental, de proporções guerreiras,/Um épico de outrora ascende, num pilar!"
Contraste entre palácios e casebres: v.28.
Referência à cólera e à febre: vv.25, 26.
A repressão: os soldados e as patrulhas de cavalaria, defensores sombrios da ordem social.
Contraste social: entre as elegantes, que se podem dar ao luxo de gastar com o supérfluo "montras dos ourives" e as costureiras
e floristas que têm de trabalhar à noite no teatro para sobreviverem "muitas delas são comparsas ou coristas".
Solidão do Poeta versus o convívio dos emigrados: vv.41-44.
Autorretrato irónico: contraste entre a sua soturnidade, a sua inquietação e a aparente despreocupação dos emigrados que
jogam dominó. A sua "luneta de uma lente só" pode levá-lo a ter uma visão limitada do real mas pode também demonstrar que
há sempre causas de revolta na realidade objetiva.

Ao Gás

Copulativa: liga à continuação da descrição da cidade "E saio".


Opressão crescente: "moles hospitais" cria uma atmosfera de alucinação, opressão e histeria: "A noite pesa, esmaga".
Associações: prostitutas/hospitais "impuras… hospitais" e comercio/lgreja "lojas… catedral" como se fosse uma catedral profana
a rua das prostitutas com as impuras, doentes e as lojas cheias de tentações.
Paralelismo entre o Profano e o Religioso: vv.5-10.
Anticlericalismo e denúncia da falsa prática religiosa: novamente abordado sob o ponto de vista da repressão "As burguesinhas
do Catolicismo/ Resvalam pelo chão minado pelos canos;/E lembram-me, ao chorar dolente dos pianos,/As freiras que o jejum
matavam de histerismo".
Contraste doença/saúde: 1.ª e 4.ª estrofes.
Hipálage: "moles hospitais, lojas tépidas".
Função criadora do artista: vv.17, 18.
Metáfora: "grande cobra" pérfida, enganadora, falsa.
Ligação metonímica: ambas são uma imitação, uma expressão da sociedade vaidosa e falsa.
Ironia: vv.27, 29.
Contraste compradores/vendedores: vv.25-36.
A cidade é gradualmente abandonada à solidão: vv.37-40.

4
Miséria na cidade e miséria no ensino - melancolia noturna: diferenças sociais entre as lojas e o ratoneiro, a lúbrica pessoa, a
velha de bandós e o velho professor de latim.
Imagens: "Um forjador maneja um malho, rubramente" (Visual); "de uma padaria exala-se, inda quente,/Um cheiro salutar e
honesto a pão no forno." (Olfativa), contrasta com as estrofes anteriores - o povo sempre como o único autêntico e honesto.
Sentimentos expressos: espanto e escárnio, solidão - "E aquela velha de bandós… a esterilidade sufocadora dos flocos de pó-de-
arroz".

Horas Mortas

Desejo de fugir: vv.1-4 "transmigrar".


Caracterização da cidade prisão: embora ainda enclausurante a cidade já não esmaga pois já permite o sonho "a quimera azul";
confirma a prisão fantasmagórica da cidade - "Por baixo, que portões! Que arruamentos!/Um parafuso cai nas lajes, às
escuras:/Colocam-se taipais, rangem as fechaduras,/E os olhos dum caleche espantam-me, sangrentos".
Expressividade da linguagem: substantivos e verbos expressivos.
Associação entre os olhos das estrelas e os da caleche: vv.3 e 8.
Contraste entre a pesada fixidez das estruturas confinantes da cidade e a fragilidade etérea das notas da flauta: "Dupla
correnteza augusta das fachadas;/infaustas e trinadas,/As notas pastoris duma longínqua flauta" emblema da libertação
associada com o campo.
Associação ruas retas/linhas retas da pauta: vv.9-10.
O amor só é possível em liberdade: vv.17-24.
O presente é morte, o futuro poderá ser vida: "Se eu não morresse nunca! E eternamente/Buscasse e conseguisse a perfeição
das cousas!/Esqueço-me a prever castíssimas esposas,/Que aninhem em mansões de vidro transparente!" mas ela só é possível
nas gerações futuras "Ó nossos filhos! Que de sonhos ágeis,/Pousando, vos trarão a nitidez às vidas!/Eu quero as vossas mães e
irmãs estremecidas,/Numas habitações translúcidas e frágeis".
Associação aves/sonhos: um sonho equivalente ao passado heroico, navegar de novo nas "vastidões aquáticas", fugir ao
aprisionamento da cidade - "Que de sonhos ágeis,/Pousando".
Desfalecer da esperança: a renovação da vitalidade criadora é impossível na cidade "Mas se vivemos, os emparedados…
tabernas".
Aprisionamento e doença da cidade e espaço citadino favorável às desgraças: escuridão "Nebulosos corredores", esterilidade
"Sem árvores, no vale escuro das muralhas", miséria "uns tristes bebedores", solidão "Amareladamente, os cães parecem
lobos", "guardas que revistam", "imortais… Tossem, fumando" e morte "prédios sepulcrais".
Metaforização das ruas: v.29.
Circularidade simbólica do poema: vv.37-40.
Dor pessoal torna-se a dor da humanidade: vv.41-44.
Visão do mundo: às avessas, prédios com a dimensão de montes, a dor que campeia, a cidade que aterra e arrasa.