Você está na página 1de 18

DESDOBRAMENTOS DA EVOLUÇÃO DO ETNOCENTRISMO DE AXELROD & HAMMOND: UM MODELO COM AGENTES DE RACIONALIDADE INDUTIVA Pedro Vitor Ramos Halbout Carrão 1 - 2018

RESUMO

Estudos a respeito do comportamento social e das decisões de cooperação dos indivíduos intra e entre diferentes grupos étnicos ou culturais têm ganhado crescente importância nas ciências econômicas, em especial no campo da economia comportamental. Axelrod e Hammond (2006) desenvolveram um modelo de simulação baseado em agentes para se tentar entender melhor os fundamentos desse fenômeno. O presente estudo visa expandir o modelo criado pelos autores adicionando um processo de racionalidade indutiva para a tomada de decisão dos agentes. As principais inspirações para a nova modelagem foram as teorias de Thales e Dawes (1998) e Brian (1994) sobre a estratégia de comportamento tit-for-that e a racionalidade indutiva respectivamente. Os resultados essenciais encontrados foram que indivíduos que compreendem e interpretam parte do ambiente que estão inseridos e reagem de forma indutiva ao meio são mais cooperativos em detrimento da estratégia discriminatória e etnocêntrica encontrada no modelo original.

Palavras-chave: Economia comportamental; dilema dos prisioneiros; racionalidade indutiva; modelos baseados em agentes.

ABSTRACT Studies on the social behavior and cooperation decisions of individuals within and between different ethnic or cultural groups have gained increasing importance in economic sciences, especially in the field of behavioral economics. Axelrod and Hammond (2006) developed an agent-based simulation model to better understand the fundamentals of this phenomenon. The present study aims to expand the model created by the authors adding a process of inductive rationality for the decision making of the agents. The main inspirations for the new modeling were the theories of Thales and Dawes (1998) and Brian (1994) on the strategy of tit-for-that behavior and inductive rationality. The essential results found were that individuals who understand and interpret part of the environment that are inserted and react inductively to it tend to be more cooperative to the detriment of the discriminatory and ethnocentric strategy found in the original model. Keywords: Behavioral economics; prisoner's' dilemma; inductive reasoning; agent-based modeling.

Classificação JEL: C73, Z13.

Indicado para a área Área 7: Microeconomia e Organização Industrial

1 Aluno do curso de mestrado em Ciências Econômicas da Universidade Federal do Paraná.

1

INTRODUÇÃO

A divisão social, muitas vezes impulsionada por características étnicas e culturais, é um fenômeno

frequente na organização das sociedades humanas. O fenômeno do etnocentrismo é estudado por Axerod

e

Hammond (2006) utilizando técnicas de modelagem baseada em agentes para melhor entender o mesmo.

O

etnocentrismo é caracterizado pelos mesmos como um comportamento onde atitudes discriminatórias de

um grupo que se considera com valores virtuosos e superiores a de outros grupos. Dessa forma o comportamento etnocêntrico se forma com maiores taxas de cooperação intra grupo enquanto as interações com grupos externos são não-cooperativas.

Pesquisas recentes em economia comportamental se aprofundam, frequentemente baseadas na psicologia, nesses temas e nos fundamentos do comportamento humano. Autores como Gordon Allport (1954), Yamamoto e Araújo (2009), Masuda (2012) Pettigrew (1997, 1998) e Axelrod (1984) sugerem que as interações entre grupos distintos podem modificar as percepções dos agentes e modificar, inclusive, as atitudes dos mesmos com pessoas de organizações sociais distintas.

Trabalhos empíricos como de Powers e Ellison (1995), Desforges et. al (1991), Werth (1992) corroboram com essa ideia realizando experimentos e desenvolvendo hipóteses a respeito do fenômeno da cooperação intra e entre grupos sociais. Destaque deve ser dado à Sherif (1961) com um experimento clássico desenvolvido onde resultados apontam que a interação cooperativa acontece de maneira mais intensa quando os envolvidos estão sujeitos a um objetivo em comum.

Thaler e Dawes (1998) também apresentam teorias sobre o comportamento humano e a tomada de decisão

a respeito de cooperação com outros. É apontado que o raciocínio indutivo é a forma de tomada de decisões

mais comum no pensamento humano. Através dela o ser é capaz de formular hipóteses e a partir de experiências observadas e as mesmas determinam diretamente as ações futuras dos indivíduos. Em seguida,

as novas experiências geram novas hipóteses e ações diferentes nos períodos subsequentes. Os autores destacam que o pensamento indutivo é muito mais presente do que o raciocínio dedutivo.

Pesquisas notórias realizadas por Simon (1959) também apontam que o raciocínio humano é limitado e que

a capacidade de armazenar e obter informações não seria completa. O indivíduo não seria capaz de

identificar, processar, armazenar e concluir a respeito de todas as informações disponíveis. Na nossa estratégia de modelagem buscamos incorporar essa característica limitando a informação que o agente é capaz de absorver e guardar.

A modelagem desenvolvida inicialmente por Axelrod e Hammond (2006) para se estudar o fenômeno do

etnocentrismo se baseia em agentes estáticos cujos comportamentos são definidos na sua criação. Se torna interessante, portanto, adaptar o modelo desenvolvido pelos autores de acordo com as teorias desenvolvidas

pela economia comportamental. Dessa forma teríamos um comportamento que se altera ao longo da vida do indivíduo de acordo com as suas experiências passadas, se adequando melhor à nossa realidade e trazendo resultados mais adequados.

O trabalho busca, então, através de um modelo de simulação baseado em agentes, encontrar algumas

reflexões a respeito da convivência entre diferentes grupos sociais. Nos focamos em entender sobre a possibilidade de que uma maior convivência entre grupos possa aumentar a tolerância e as taxas de cooperação entre os mesmos. Esses resultados podem contribuir com as discussões, inclusive, de políticas públicas que buscam trazer maior interação entre grupos sociais diferentes, como a criação de escolas com cotas para diferentes etnias ou classes sociais, em prol de aumentar a tolerância entre esses grupos.

Nosso estudo propõe construir um modelo de simulação baseado em agentes, onde as unidades enfrentam decisões baseadas em um jogo no formato do dilema dos prisioneiros onde determinam suas chances de reprodução e, portanto, sua sobrevivência no universo simulado. A estratégia de modelagem se baseia fortemente no livro The Evolution of Ethnocentrism, publicada por Axelrod e Hammond (2006). Uma modificação fundamental será feita ao modelo original visando representar um agente capaz de fazer uma nova decisão adaptativa, onde o mesmo reage indutivamente às interações passadas modificando sua estratégia de interação inicial. A ideia tem como base o argumento de que a percepção que um agente tem de outros grupos sociais pode ser formada e modificada pela interação com esses outros grupos ao longo de sua vida e não é uma característica fixa determinada em seu nascimento, como é sugerido pela literatura estudada.

2.1 O modelo original

Em The Evolution of Ethnocentrism Axelrod e Hammond (2006) criam um modelo com quatro etapas principais: imigração, interação, reprodução e morte. Na primeira etapa, os agentes são gerados de acordo com uma taxa de imigração fixa e distribuídos aleatoriamente no espaço. O grupo em que o agente pertence também é determinado aleatoriamente entre quatro possibilidades e permanece o mesmo até sua morte. Outra característica determinada na criação dos elementos simulados é a sua estratégia de interação, existem quatro possibilidades formadas pela combinação de dois traços: ajudar ou não com agentes do mesmo grupo e ajudar ou não com agentes de outros grupos. Em seguida, os agentes interagem em um jogo no formato do dilema dos prisioneiros onde os mesmos podem escolher entre perder chances de se reproduzir para aumentar as chances de reproduzir do outro jogador em maior proporção(ajudar), essas decisões são baseadas na estratégia definida no primeiro passo de modelo. No terceiro passo, os agentes se reproduzem, dada uma probabilidade definida por uma porcentagem fixa (12% no modelo base) somada ao resultado estabelecido pela interação anterior. Os descendentes pertencem ao mesmo grupo que seus pais e tem a mesma estratégia de interação, com a exceção de alguns agentes que modificam suas características de acordo com uma taxa de mutação baixa e fixa (0.5% no modelo base). Finalmente, os agentes morrem a uma taxa, também, baixa e fixa para abrir espaço para novos na segunda rodada da simulação (5% no modelo base).

É notável que o espaço de interação dos agentes tem o formato toroidal de 50x50, ou seja, o número máximo de agentes presentes simultaneamente no modelo é de 2500. As crias dos mesmos podem surgir aleatoriamente em todas as quatro direções pois não existe limite para nenhuma direção. As interações também são feitas sempre com até quatro outros vizinhos, dependendo apenas se os vizinhos existem (não morreram em rodadas recentes). A necessidade de movimentação aleatória no espaço das unidades simuladas parece ser suprida devido ao fato de que os agentes se reproduzem várias vezes ao longo da simulação e gerando seus filhotes nas quatro direções levando a uma dinâmica similar a um movimento aleatório no espaço.

2.2 Reação

Nosso modelo procura trazer um contributo adicionando um passo a mais em que as unidades podem reagir modificando sua estratégia de interação inicial. É importante enfatizar que o objetivo do estudo é ter um caráter complementar à pesquisa realizada anteriormente por Axelrod e Hammond (2006) com uma nova adição em uma estratégia de reação indutiva para os agentes. Enquanto os autores originais utilizam uma estratégia fixa de interação e focam nos resultados dessas estratégias, tentamos analisar com mais detalhes a formação das mesmas e sua viabilidade e, principalmente, identificar quais tem maior potencial de sobrevivência em um ambiente onde os agentes modificam seu comportamento de forma indutiva e não são formados de maneira totalmente aleatória.

Intitulamos o novo estágio proposto para o modelo de reação, nele os agentes terão uma probabilidade de trocar a parte da estratégia de interação definida em sua criação. Essa característica é correspondente ao

fato do elemento simulado cooperar ou não com os elementos de outros grupos. A probabilidade de reação será dada por uma função baseada na última interação que o agente teve com outros grupos. Um agente que não ajuda estrangeiros terá maior probabilidade de se tornar propenso a ajudar outros grupos se teve boas relações com os mesmos nessa rodada, ou seja, se interagiu com uma unidade e recebeu ajuda da mesma. O inverso também acontece, um agente que tem relações ruins com agentes de outros grupos tem maior probabilidade de modificar sua estratégia e se tornar um agente que não ajuda estrangeiros.

Devemos detalhar melhor, portanto, a função que determina a probabilidade. Ela foi modelada como uma função linear que multiplica o coeficiente “Chance de Reação” (CR) pela quantidade de interações realizadas na rodada na qual o agente recebeu um tratamento diferente da escolha que realizou na rodada. Ou seja, um agente cuja estratégia é de não ajudar estrangeiros e interage com dois agentes estrangeiros que o ajudaram terá duas vezes o coeficiente CR de probabilidade de modificar sua estratégia e passar a cooperar com estrangeiros. O inverso também pode acontecer fazendo um agente que ajuda estrangeiros passar a não ajudar os mesmos se não receber o mesmo tratamento. Dessa forma quanto maior a quantidade de vizinhos influenciando o agente maior a chance de o mesmo reagir modificando sua estratégia inicial.

2.3 Estratégia de modelagem

Brian (1994) observa que, em situações complexas, o raciocínio dedutivo humano é limitado e a presença de um raciocínio indutivo é mais frequente. O ser humano seria extremamente competente para ver, reconhecer ou combinar padrões. Com o modelo proposto buscamos trazer um raciocínio indutivo para os agentes, que tomariam suas decisões baseadas em informações adquiridas ao longo de sua existência e criaram hipóteses sobre qual estratégia é a mais adequada para sua sobrevivência. Esse processo influencia as decisões e ações do indivíduo fazendo, possivelmente, a mudança de estratégia de interação com outros grupos sociais.

Nosso modelo procura incorporar uma estratégia inspirada no tit-for-that sugerido por Thaler e Dawes (1998). Nesse modelo de comportamento o agente busca retribuir uma ação em um jogo repetido da mesma forma que o seu oponente agiu com ele, ou seja, iria não ajudar(ajudar) um agente que não ajudou(ajudou) ele no último período. No nosso modelo o indivíduo reagiria às interações passadas para decidir qual estratégia adotar. Um grupo social que ajuda muito estrangeiros os influencia a ajudar de volta outros grupos estrangeiros, inclusive o próprio. É importante destacar que a estratégia adotada não é perfeitamente tit-for-that já que os agentes não reagem necessariamente à ajuda com a ajuda na próxima interação. O que acontece é que a ajuda aumenta a probabilidade dos agentes a formar uma nova hipótese que possa influenciar suas decisões de ajudar outros no futuro.

Thaler e Dawes (1998) também apontam que as pessoas tendem a cooperar entre si quando acreditam que pertencem ao mesmo grupo social. Deve ser dada ênfase ao fato de que a cooperação existe até o momento em que os indivíduos interpretam que estão sendo injustiçados, ou seja, quando estão ajudando outros e não recebendo ajuda em resposta. Depois desse momento, eles reagem e deixam de cooperar. Buscamos incorporar essa reação no modelo pois é possível que a mudança de estratégia ocorre quando os indivíduos não recebem ajuda de outros grupos e passam a não ajudar os mesmos. A situação onde um indivíduo ajuda outros grupos, mas não recebe ajuda em troca é pouco provável de acontecer por muito tempo dada a probabilidade do mesmo modificar sua estratégia a cada rodada que esse fenômeno acontece.

Tesfatsion (2005) apresenta três definições para sistemas adaptativos complexos, nosso artigo procura se incluir na terceira definição proposta. Nesta definição sistemas adaptativos complexos incluem agentes que reagem e se adaptam de acordo com unidades direcionadas a objetivos e que procuram ter um certo controle de seu ambiente para alcançar as finalidades traçadas no processo. Buscamos modelar os elementos para que eles planejem suas ações para formar alianças com os membros de outros grupos sociais. O objetivo é representar o fato de que os mesmos acreditariam que é mais provável prosperar quando cooperam, ou seja, quando se ajudam mutuamente, logo estariam tomando suas ações em prol de um objetivo final que é a

sobrevivência, logo as escolhas diferentes de escolhas totalmente aleatórias como no modelo original. Os agentes também atuam de acordo apenas com as informações percebidas por eles e possuem características adaptativas, pois somente os mais adequados ao meio ambiente têm maiores chances de se reproduzir pois

a probabilidade de reprodução é uma função direta da ajuda recebida e, consequentemente, prosperar.

Um destaque importante deve ser dado à forma como os indivíduos modelados percebem e armazenam a informação no modelo. As unidades só estão conscientes de suas interações com os vizinhos. Não se

conhece nem toma em consideração as decisões e as estratégias de cooperação dos vizinhos nem suas ações com os outros, apenas se percebe se o vizinho ajudou ou não na última interação. A memória dos agentes

é limitada e eles podem armazenar informações por um período definido. Esta modelagem busca ser

consistente com a teoria da racionalidade limitada de Simon (1959) pois os indivíduos apenas possuem informações possíveis de serem obtidas e não possuem armazenamento e processamento ilimitados de

informações.

3 Resultados

3.1 Teste geral dos parâmetros

Para analisar os resultados de forma robusta devemos adotar uma estratégia similar à adotada na literatura sobre modelagem baseada em agentes. Portanto o modelo foi testado com variações nos parâmetros fundamentais, sendo eles: variação no custo em termos de chances de reprodução de dar ajuda, na taxa de mutação das unidades, na taxa de imigração dos agentes (quantos agentes são criados por rodada), na quantidade de etnias diferentes representadas pelos grupos, na taxa de mortalidade e, principalmente, no parâmetro CR que representa a sensibilidade do agente à interação com outros grupos. Temos que destacar

que apesar de variar o custo de ajudar a estrutura do jogo se mantêm no formato do dilema dos prisioneiros.

A variação no custo da ajuda também dispensa a variação nos benefícios da ajudado dado que o interessante

é a proporção entre esses dois parâmetros. Variar o tamanho do espaço onde os agentes interagem também

é pouco interessante devido a característica toroidal do mesmo, tendo sempre espaços disponíveis para a

interação nas quatro direções para todas as unidades do modelo.

nas quatro direções para todas as unidades do modelo. Os parâmetros básicos utilizados estão representados na

Os parâmetros básicos utilizados estão representados na Quadro 1 Parâmetros básicos. O valor de cada coeficiente principal foi variado para se testar a tendência do modelo em diferentes circunstâncias. Para tal, também utilizamos o CR nos valores 0 ou 0.25, sendo o primeiro modelo onde não existe nenhuma possibilidade de reação dos agentes (CR = 0) e o segundo onde ela é alta (CR = 0.25). O coeficiente 0.25 foi escolhido pois o agente pode ser influenciado por até outros 4 vizinhos em cada rodada e nesse caso a influência total seria de 1. Ou seja, no caso onde quatro vizinhos influenciam um agente a trocar de estratégia o mesmo teria 100% de chances de fazê-lo, representando a reação máxima ou o tit-for-that. Após analisar os efeitos dos parâmetros básicos e as tendências gerais do modelo investigaremos mais a fundo os efeitos do parâmetro CR, por fim, incorporamos no modelo a possibilidade de mobilidade no espaço sugerida por De et. al (2015). Os testes da variação dos parâmetros básicos todos foram feitos com

10 simulações de 2000 períodos e se avaliaram as proporções das estratégias dos indivíduos sobreviventes simulados.

Tabela 1 - Influência do custo de ajudar

CR = 0

CR = 0.25

Custo de ajudar

Estratégias

Proporção média

Desvio-padrão

Proporção média

Desvio-padrão

0,005

CC

0.18

0.03

0.76

0.04

0,005

CD

0.73

0.03

0.16

0.04

0,005

DC

0.02

0.01

0.06

0.02

0,005

DD

0.06

0.01

0.01

0.01

0,01

CC

0.14

0.03

0.67

0.03

0,01

CD

0.75

0.03

0.23

0.04

0,01

DC

0.02

0.01

0.07

0.02

0,01

DD

0.08

0.01

0.03

0.01

0,015

CC

0.10

0.03

0.57

0.05

0,015

CD

0.74

0.04

0.28

0.05

0,015

DC

0.02

0.01

0.10

0.02

0,015

DD

0.13

0.02

0.05

0.01

0,02

CC

0.10

0.02

0.44

0.05

0,02

CD

0.65

0.05

0.34

0.05

0,02

DC

0.04

0.01

0.13

0.03

0,02

DD

0.21

0.05

0.10

0.02

Nota: As siglas das estratégias correspondem ao agente ajudar o próprio grupo e outros grupos respectivamente. Sendo: cc - ajuda todos, cd - ajuda apenas o próprio grupo, dc - ajuda apenas outros grupos e dd - não ajuda. Fonte: Elaboração própria utilizando o software Netlogo 6.0.2

A tabela 1 acima mostra os resultados médios e desvios entre os experimentos simulados para cada uma

das variações do custo da ajuda. Os resultados apresentam uma diminuição drástica da estratégia CC quando o custo de ajudar se aumenta. A redução é similar em termos relativos tanto para o modelo com alta reação quanto para o modelo original, sem reação. Esse é um resultado bastante intuitivo pois com o aumento do custo de ajuda, mesmo mantendo o paradigma do dilema dos prisioneiros, a estratégia de ajudar o vizinho tem menos chances de sobrevivência.

Destaque deve ser dado para o comportamento etnocêntrico (CD) que é menos estável no modelo com reação em relação ao modelo original. Um dos principais argumentos em Axelrod e Hammond (2006) é de

que essa estratégia é estável mesmo quando a variação dos parâmetros existe. É notável que, com a variação do custo de ajudar entre 0.005 e 0.01 a mesma se reduz em uma proporção pequena no modelo original enquanto no modelo com reação ela mais que dobra de valor com o aumento do custo. Isso pode acontecer devido ao fato de que uma das vantagens evolutivas da estratégia etnocêntrica é a de suprimir indivíduos de grupos diferentes dentro de sua área de domínio. Com a adição da reação essa vantagem perde força e, consequentemente a estratégia perde sua estabilidade em relação às variações no custo e se comporta como

as

outras estratégias (DC e DD) absorvendo a variação negativa da estratégia CC. A forte predominância

da

estratégia CC, principalmente em valores baixos para o custo da ajuda, também é influência fundamental

no baixo valor da estratégia CD. Também deveremos evidenciar que o modelo com reação é muito menos estável em relação ao original com a variação do parâmetro.

Tabela 2 - Influência da taxa de mutação

Taxa de mutação

Estratégias

CR = 0 Proporção média

Desvio-padrão

CR = 0.25

Proporção média

Desvio-padrão

0.0025

CC

0.11

0.03

0.74

0.08

0.0025

CD

0.83

0.04

0.19

0.09

0.0025

DC

0.01

0.00

0.06

0.01

0.0025

DD

0.05

0.01

0.02

0.01

0.005

CC

0.12

0.03

0.66

0.05

0.005

CD

0.77

0.02

0.24

0.04

0.005

DC

0.02

0.01

0.07

0.01

0.005

DD

0.09

0.02

0.03

0.01

0.0075

CC

0.18

0.03

0.65

0.06

0.0075

CD

0.68

0.04

0.21

0.06

0.0075

DC

0.03

0.01

0.11

0.03

0.0075

DD

0.10

0.02

0.03

0.01

0.01

CC

0.20

0.02

0.58

0.07

0.01

CD

0.63

0.02

0.27

0.06

0.01

DC

0.04

0.01

0.10

0.01

0.01

DD

0.12

0.03

0.05

0.01

Nota: As siglas das estratégias correspondem ao agente ajudar o próprio grupo e outros grupos respectivamente. Sendo: cc - ajuda todos, cd - ajuda apenas o próprio grupo, dc - ajuda apenas outros grupos e dd - não ajuda. Fonte: Elaboração própria utilizando o software Netlogo 6.0.2

Na tabela 2 temos a variação da taxa de mutação. Podemos notar que para maiores valores da mesma o caráter aleatório aumenta, aproximando as proporções a um resultado equivalente para cada estratégia. Para ambos os modelos, com e sem reação, temos o destaque inicial de uma estratégia que diminui ao se aumentar a taxa de mutação dos agentes. Nota-se que, apesar de em ambos os modelos a estratégia dominante perder destaque com aumento da mutação no modelo com reação essa diferença é ligeiramente menor em termos relativos. Uma possível explicação é a de que a estratégia etnocêntrica depende de a capacidade dos agentes cooperarem apenas com os do próprio grupo e uma maior quantidade de agentes com características aleatórias pode gerar mais interações entre grupos distintos diminuindo a efetividade da estratégia. Já a estratégia CC, dominante no modelo com reação, é efetiva quando grande parte da população adota a mesma e, consequentemente, muitos ganham os benefícios de receber ajuda apesar de também pagarem os custos de ajudar. Quando a aleatoriedade do modelo aumenta a presença generalizada de agentes CC diminui fazendo com que a estratégia perca efetividade.

Tabela 3 - Influência da taxa de imigração

Taxa de imigração

Estratégias

CR = 0 Proporção média

Desvio-padrão

CR = 0.25

Proporção média

Desvio-padrão

1

CC

0.11

0.03

0.65

0.05

1

CD

0.83

0.04

0.20

0.04

1

DC

0.01

0.00

0.12

0.02

1

DD

0.05

0.01

0.04

0.01

2

CC

0.12

0.03

0.57

0.05

2

CD

0.77

0.02

0.24

0.04

2

DC

0.02

0.01

0.14

0.01

2

DD

0.09

0.02

0.06

0.01

3

CC

0.18

0.03

0.55

0.05

3

CD

0.68

0.04

0.23

0.04

3

DC

0.03

0.01

0.15

0.02

3

DD

0.10

0.02

0.06

0.01

4

CC

0.20

0.02

0.50

0.03

4

CD

0.63

0.02

0.23

0.03

4

DC

0.04

0.01

0.18

0.02

4

DD

0.12

0.03

0.09

0.02

Nota: As siglas das estratégias correspondem ao agente ajudar o próprio grupo e outros grupos respectivamente. Sendo: cc - ajuda todos, cd - ajuda apenas o próprio grupo, dc - ajuda apenas outros grupos e dd - não ajuda. Fonte: Elaboração própria utilizando o software Netlogo 6.0.2

Os resultados para a taxa de imigração são similares devido ao mesmo fator e podem ser observados na tabela 3. Maior taxa de imigração inclui com maior frequência agentes aleatórios no modelo diminuindo a tendência da predominância das estratégias CD e CC nos modelos sem e com reação, respectivamente.

A influência da taxa de mortalidade, por sua vez, é bem pequena nas proporções das estratégias em ambos os modelos como pode ser notado na tabela 4. É notável que uma maior taxa de mortalidade aumenta a predominância da estratégia CD no modelo sem reação e da estratégia CC no modelo com reação. Podemos argumentar que isso acontece decorrente da maior necessidade de cooperação devido ao menor número de interações que veio a levar a uma diminuição na estratégia DD e um aumento nas demais para ambos os modelos.

Tabela 4 - Influência da taxa de mortalidade

CR = 0

CR = 0.25

Taxa de

Desvio-

mortalidade

Estratégias

Proporção média

Desvio-padrão

Proporção média

padrão

0.025

CC

0.14

0.03

0.57

0.05

0.025

CD

0.66

0.05

0.22

0.05

0.025

DC

0.04

0.01

0.15

0.03

0.025

DD

0.15

0.03

0.06

0.02

0.05

CC

0.11

0.02

0.63

0.04

0.05

CD

0.75

0.03

0.23

0.05

0.05

DC

0.03

0.01

0.11

0.02

0.05

DD

0.12

0.03

0.04

0.01

0.075

CC

0.12

0.03

0.70

0.04

0.075

CD

0.77

0.04

0.17

0.04

0.075

DC

0.02

0.01

0.10

0.02

0.075

DD

0.10

0.02

0.02

0.01

0.1

CC

0.15

0.04

0.66

0.07

0.1

CD

0.75

0.04

0.24

0.07

0.1

DC

0.02

0.01

0.07

0.01

0.1

DD

0.08

0.01

0.03

0.01

Nota: As siglas das estratégias correspondem ao agente ajudar o próprio grupo e outros grupos respectivamente. Sendo: cc - ajuda todos, cd - ajuda apenas o próprio grupo, dc - ajuda apenas outros grupos e dd - não ajuda. Fonte: Elaboração própria utilizando o software Netlogo 6.0.2

Por fim temos a variação do número de grupos e sua influência geral nos resultados do modelo representada pela tabela 5. Assim como na taxa de mortalidade a influência desse parâmetro é pouca em ambos os modelos que continuam com uma grande concentração nas estratégias CD e CC nos modelos com e sem reação nessa ordem. Podemos notar uma pequena diferença em ambos modelos quando o número de grupo se reduz para apenas 2, isso acontece devido ao fato de que interações entre grupos distintos diminuem drasticamente para o número reduzido. É interessante notar que, mesmo nesse caso onde as interações entre grupos são baixas o resultado do modelo com reação é drasticamente diferente do modelo sem reação mostrando a importância dessa mudança para a modelagem.

Tabela 5 Influência do número de grupos

 

CR = 0 Proporção média

Desvio-padrão

CR = 0.25

Número de grupos

Estratégias

Proporção média

Desvio-padrão

2

CC

0.17

0.03

0.57

0.02

2

CD

0.62

0.05

0.23

0.03

2

DC

0.06

0.02

0.15

0.03

2

DD

0.15

0.03

0.05

0.01

4

CC

0.11

0.02

0.65

0.07

4

CD

0.73

0.03

0.20

0.06

4

DC

0.03

0.01

0.11

0.02

4

DD

0.13

0.02

0.04

0.02

8

CC

0.10

0.02

0.67

0.07

8

CD

0.78

0.02

0.21

0.06

8

DC

0.02

0.01

0.09

0.02

8

DD

0.09

0.01

0.03

0.01

16

CC

0.13

0.13

0.66

0.06

16

CD

0.75

0.15

0.21

0.06

16

DC

0.03

0.02

0.09

0.01

16

DD

0.09

0.01

0.03

0.01

Nota: As siglas das estratégias correspondem ao agente ajudar o próprio grupo e outros grupos respectivamente. Sendo: cc - ajuda todos, cd - ajuda apenas o próprio grupo, dc - ajuda apenas outros grupos e dd - não ajuda. Fonte: Elaboração própria utilizando o software Netlogo 6.0.2

3.2. Análise da sensibilidade da Chance de Reação (CR)

Com a adição da etapa de reação temos uma mudança na tendência geral do modelo. Como podemos notar o modelo com reação dos agentes traz uma tendência maior para a estratégia onde todos ajudam todos. Isso se dá por dois motivos principais, o primeiro é de que a capacidade de um grupo se diferenciar através da estratégia etnocêntrica diminui, pois, os agentes de outros grupos tendem a retribuir a não cooperação com não cooperação e o grupo etnocêntrico acaba recebendo pouca cooperação de fora. Outro motivo possível é o fato de que um grupo que ajuda com estrangeiros passa a receber maior ajuda de estrangeiros tendo uma sobrevivência maior do que a dos grupos etnocêntricos. Torna-se importante estudar mais a fundo a influência do parâmetro CR nessa mudança de tendência.

Figura 1 Variação do parâmetro CR 2

Figura 1 – Variação do parâmetro CR 2 Sendo: cc-percent - ajuda todos, cd-percent - ajuda

Sendo: cc-percent - ajuda todos, cd-percent - ajuda apenas o próprio grupo, dc-percent - ajuda apenas outros grupos e dd-percent - não ajuda, todos em termos percentuais. Fonte: Elaboração própria utilizando o software Netlogo 6.0.2

Na figura 1 temos no eixo horizontal a variação do coeficiente CR entre 0 e 0.25 e no eixo vertical a porcentagem média de cada estratégia. Podemos notar que a dinâmica é sensível ao parâmetro CR se modificando com o mesmo a uma taxa marginal decrescente. A principal diferença está na decisão dos agentes em cooperar com estrangeiros, o que modifica a estratégia dominante de CD para CC e diminui a importância da estratégia DD em favor da estratégia DC.

Podemos dividir as estratégias em dois grupos principais, as cooperativas intragrupo (CC e CD) e as não cooperativas intragrupo (DD e DC). A partir disso é notável que a proporção das mesmas se mantém ao longo do modelo, mostrando a vantagem evolutiva da cooperação intragrupo. A variação do CR modifica apenas a decisão de ajuda entre grupos aumentando a ajuda em detrimento da não ajuda entre grupos. Percebe-se também que para valores baixos do coeficiente, abaixo de 0.05, a dinâmica já se modifica indicando uma maior vantagem para a cooperação entre grupos.

Na figura 2 temos a quantidade média de agentes por grupo no final de 2000 períodos pela variação do CR. O número médio se mantém relativamente estável dividindo igualmente entre os 4 grupos os 2500 espaços, nota-se que quase todo o espaço está preenchido por agentes no final da simulação para todos os valores de CR. É interessante reparar na tendência de diminuição do desvio padrão com o aumento do CR. Isso pode nos indicar uma distribuição mais igualitária entre os grupos no final do experimento, trazendo uma sociedade simulada mais diversa em comparação com uma sociedade com um grupo hegemônico mais intenso nos valores baixos do CR.

2 Para se avaliar a porcentagem de cada estratégia foi feita a média da participação de cada uma nos 100 últimos períodos e o modelo foi simulado 50 vezes para cada uma das 26 possibilidades. Cada simulação utilizou 2000 rodadas e os parâmetros básicos foram: custo da ajuda: 1%; benefício da ajuda: 3%; taxa base de reprodução: 12%; taxa de imigração: 1 agente p/ rodada; taxa de mortalidade: 5%; taxa de mutação: 0,5% e 4 grupos sociais.

Figura 2 Quantidade média de agentes e desvio padrão por grupo 3

Quantidade média de agentes e desvio padrão por grupo 3 3.3 Migração De et. al (2015)

3.3

Migração

De et. al (2015) apresentam uma outra variação do modelo original de Axelrod e Hammond (2006). Nele, os autores incluem uma etapa adicional no final de cada rodada onde os agentes têm uma chance de migrar para qualquer outro espaço aleatório no universo dada por um parâmetro “m”. Incorporamos essa chance de migração no nosso modelo e apresentamos os resultados na tabela 6.

Podemos notar que a medida que a migração aumenta o modelo nos revela menos vantagem nas estratégias que visam cooperação intragrupo (CD e CC). No modelo sem reação a estratégia etnocêntrica perde espaço para uma estratégia individualista, sem cooperação entre os agentes (DD). Um fenômeno similar acontece no modelo com reação, onde a estratégia de cooperação irrestrita perde espaço para uma estratégia de cooperação apenas com membros de outros grupos (DC). Isso acontece porque a maior mobilidade dos agentes faz com que as identidades de grupo sejam menos importantes devido ao fato de que os grupos são menos capazes de se concentrar no espaço e cooperar entre si.

3 Para gerar os dados foram utilizados os mesmos parâmetros básicos, 2000 períodos simulados e foram realizadas 50 repetições do modelo e calculadas as médias.

Tabela 6 - Influência da mobilidade

Taxa de migração

Estratégias

CR = 0 Proporção média

Desvio-padrão

CR = 0.25 Proporção média

Desvio-padrão

0

CC

0,11

0,03

0,63

0,07

0

CD

0,73

0,03

0,22

0,06

0

DC

0,03

0,01

0,11

0,02

0

DD

0,13

0,02

0,04

0,01

0,02

CC

0,05

0,01

0,67

0,07

0,02

CD

0,59

0,14

0,11

0,05

0,02

DC

0,04

0,03

0,19

0,04

0,02

DD

0,32

0,12

0,03

0,02

0,04

CC

0,04

0,01

0,58

0,07

0,04

CD

0,45

0,08

0,07

0,03

0,04

DC

0,05

0,01

0,30

0,07

0,04

DD

0,47

0,08

0,04

0,02

0,08

CC

0,03

0,01

0,48

0,06

0,08

CD

0,37

0,11

0,07

0,03

0,08

DC

0,06

0,03

0,40

0,09

0,08

DD

0,55

0,10

0,06

0,02

Nota: As siglas das estratégias correspondem ao agente ajudar o próprio grupo e outros grupos respectivamente. Sendo: cc - ajuda todos, cd - ajuda apenas o próprio grupo, dc - ajuda apenas outros grupos e dd - não ajuda. Fonte: Elaboração própria utilizando o software Netlogo 6.0.2 Outro fenômeno interessante que podemos observar com a migração são as proporções entre os grupos sociais. Quando a mobilidade é alta a distribuição dos grupos sociais no espaço se afasta de uma distribuição uniforme. Na figura 3 observamos a quantidade média de agentes em um dos quatro grupos simulados e seu desvio padrão para os modelos com e sem reação.

Figura 3 Quantidade média de agentes pelo coeficiente de mobilidade 4

 

CR = 0

   

CR = 0.25

 

1400

1400

1200

1200 1200

1200

1200 1200

1000

1000

800

800

600

600

400

400

200

200

0

0

0

0,1

0,2

0,3

0,4

0,5

0,6

0,7

0,8

0

0,1

0,2

0,3

0,4

0,5

0,6

0,7

0,8

Média de agentes do grupo

Média de agentes do grupo

Média de agentes do grupo Desvio padrão Média de agentes do grupo Desvio padrão

Desvio padrão

Média de agentes do grupo

Média de agentes do grupo

Desvio padrão

Desvio padrão

4 Para gerar os dados foram utilizados os mesmos parâmetros básicos, 2000 períodos simulados e foram realizadas 50 repetições do modelo e calculadas as médias.

Podemos notar que o desvio padrão da média do grupo aumenta com a mobilidade até um momento que decresce junto com média de grupos. O que acontece é que a cooperação se torna uma estratégia menos viável, como visto anteriormente, com maior mobilidade e níveis altos de mobilidade geram uma quantidade menor de agentes sobrevivendo no universo simulado devido a essa baixa cooperação (menor média de agentes em cada grupo) e uma distribuição igualitária entre os sobreviventes (menor desvio padrão).

Entretanto, para níveis medianos de mobilidade encontramos um desvio padrão e uma média altos o que significa que muitos agentes sobrevivem e são distribuídos de forma não uniforme pelo espaço. Esse fenômeno se dá pelo fato de que a mobilidade permite que grupos etnocêntricos se espalhem pelo universo e tornem o ambiente simulado um ambiente dominado apenas por um grande grupo etnocêntrico. Isso acontece de forma similar no modelo com reação, com a diferença de que o grupo dominante apresenta uma estratégia de cooperação irrestrita ao invés da estratégia etnocêntrica como evidenciado na seção anterior.

A figura 4 apresenta as proporções dos grupos sociais nos modelos com e sem reação para um nível mediano de mobilidade (m = 0,4) e nos ajuda a entender melhor o fenômeno, no eixo horizontal temos 5000 rodadas do modelo e no eixo vertical as quantidades de agentes sobreviventes em cada grupo. Podemos observar na mesma um comportamento cíclico entre as proporções dos grupos indicando que existe uma espécie de revezamento no grupo dominante ao longo do tempo, mostrando que um grupo com maior quantidade de agentes tem mais chances de prosperar, entretanto, devido a características aleatórias internas ao modelo essa prosperidade não é insuperável e o grupo dominante pode se modificar com o tempo

Figura 4 Proporções entre os grupos no modelo com mobilidade média 5

entre os grupos no modelo com mobilidade média 5 Nota-se que o fenômeno é observado tanto

Nota-se que o fenômeno é observado tanto no modelo com reação quanto no modelo sem reação. Porém no modelo com reação, devido a menor predominância da estratégia etnocêntrica o grupo dominante não consegue se destacar tanto. No modelo com mobilidade mediana e sem reação temos valores extremos maiores para o número de agentes sobreviventes no grupo dominante, enquanto no modelo com reação esses valores são menores e a instabilidade é maior.

3.4 Distribuição não uniforme dos grupos sociais

Em sociedades modernas a distribuição de grupos sociais não é sempre homogênea como no modelo simulado por Axelrod e Hammond (2006). Torna-se necessário estudar a influência de uma sociedade não homogênea na tendência dos modelos simulados neste estudo. Para o modelo com migração, uma distribuição inicial não uniforme apenas modifica o grupo hegemônico inicial dos ciclos observados na sessão anterior.

5 Para gerar os dados foram utilizados os mesmos parâmetros básicos e 10000 períodos simulados.

Na tabela 7 encontramos os resultados proporcionais de cada estratégia em sociedades não-homogêneas após, novamente, 2000 períodos. Nela temos no momento inicial da simulação um ambiente com o espaço totalmente preenchido e diferentes proporções fixas para um dos grupos simulados.

Tabela 7 - Grupos distribuídos de forma não uniforme

 

CR = 0

CR = 0.25

Número de

Proporção

Desvio-

Proporção

Desvio-

grupos

Estratégias

média

padrão

média

padrão

40%

CC

0.10

0.02

0.66

0.05

40%

CD

0.76

0.03

0.19

0.06

40%

DC

0.03

0.01

0.11

0.01

40%

DD

0.11

0.02

0.04

0.01

60%

CC

0.10

0.02

0.65

0.05

60%

CD

0.75

0.03

0.19

0.04

60%

DC

0.03

0.01

0.12

0.03

60%

DD

0.12

0.02

0.03

0.01

80%

CC

0.10

0.02

0.66

0.05

80%

CD

0.75

0.03

0.19

0.04

80%

DC

0.03

0.01

0.11

0.02

80%

DD

0.12

0.03

0.04

0.01

Nota: As siglas das estratégias correspondem ao agente ajudar o próprio grupo e outros grupos respectivamente. Sendo: cc - ajuda todos, cd - ajuda apenas o próprio grupo, dc - ajuda apenas outros grupos e dd - não ajuda. Fonte: Elaboração própria utilizando o software Netlogo 6.0.2

Podemos observar que os padrões não se modificam após 2000 períodos. Isso nos indica que essa quantidade de rodadas é suficiente para diluir os efeitos de uma sociedade inicialmente não uniforme e levar a simulação para a tendência observada anteriormente. Na figura 5 podemos reparar na evolução da distribuição das estratégias ao longo do tempo no modelo com reação e CR igual a 0.25. À esquerda temos a evolução para um modelo com a sociedade distribuída inicialmente de forma uniforme e à direita encontramos o modelo com uma sociedade onde, inicialmente, 80% da população pertencia a um único grupo étnico. É notável que nas primeiras rodadas do modelo a estratégia etnocêntrica (CD) ainda concorria com a estratégia de cooperação irrestrita (CC) no modelo com hegemonia, entretanto a mesma logo se torna dominante, no modelo com distribuição uniforme o destaque acontece antes.

Figura 5 Distribuição uniforme e não uniforme dos grupos sociais 6

uniforme e não uniforme dos grupos sociais 6 6 Para essa simulação foram utilizados os parâmetros

Esses resultados sugerem que políticas públicas que visam trazer uma maior convivência entre grupos distintos diminuindo a hegemonia de um grupo teriam resultados positivos apenas em um curto prazo. Em períodos mais longos a vantagem da estratégia de cooperação irrestrita se torna clara independente do estágio inicial que a sociedade se encontra. Entretanto políticas públicas que busquem criar uma maior mistura étnica podem acelerar o processo e levar a sociedade para um estágio cooperativo em um menor período.

4 Considerações Finais

Procuramos trazer uma adição ao modelo de comportamento social entre grupos de Axelrod e Hammond (2006) introduzindo agentes com uma racionalidade indutiva. Foi dada a devida atenção para não modelar os mesmo de forma que apenas aumente ou diminua, por definição do modelo, uma das estratégias e, para isso, criamos uma etapa adicional onde os agentes podem se tornar mais ou menos cooperativos.

Devido ao caráter do jogo do dilema dos prisioneiros a estratégia de cooperação irrestrita (CC) passou a ser a dominante no modelo. Isso aconteceu principalmente devido ao fim da vantagem da estratégia etnocêntrica (DC) ao segregar outros grupos. Essa característica perde importância quando a interação entre grupos tem um grau mínimo de reação onde os mesmos retribuem ações favoráveis da mesma forma. O jogo do dilema dos prisioneiros é parte fundamental do novo resultado e do motivo da cooperação ser dominante, em consequência disso temos um modelo ligeiramente mais sensível a variações no jogo representadas por variações nos custos de ajuda.

A adição de apenas uma nova etapa no modelo original de Axelrod e Hammond (2006) foi suficiente para uma mudança drástica nos resultados. A contribuição feita por De et. al (2015) também foi significante para encontrar um novo resultado. Podemos argumentar que a estabilidade da estratégia etnocêntrica como vantajosa em termos evolutivos apresentada é questionável, se torna interessante analisar os resultados encontrados com dados empíricos encontrados pelas ciências sociais para gerar melhores interpretações da realidade. Estudos futuros podem calibrar melhor o modelo e apresentar novas hipóteses para o comportamento e distribuição dos grupos sociais em prol de trazer uma representação mais apurada do comportamento social e desvendar melhor as dinâmicas envolvidas no processo.

REFERÊNCIAS

ALLPORT, G. W. The nature of prejudice. 1954. Gergen, Kenneth J.,“The Significance of Skin Color in Human Relations, 1979.

AXELROD, R. M. The Evolution of Cooperation. New York: Basic Books, 1984.

BRIAN, A. W. Inductive Reasoning and bounded rationality American Economic Review, v. 84, p. 406- 411, 1994.

BROWN, Donald E. Human universals, human nature & human culture. Daedalus, v. 133, n. 4, p. 47-54,

2004.

DE, S.; GELFAND, J.G.; NAU, D.; ROSS, P. The Inevitability of Ethnocentrism Revistited: Ethnocentrism Diminishes As Mobility Increases. Scientific Reports. v. 5, n 17963, ago de 2015.

DAWES, R. M.; THALER, R., Anomalies: Cooperation. Journal of Economic Perspectives. V. 2, n. 3, p. 187-197, 1988.

, S.C.; LEPPER M. R. Effects of structured cooperative contact on changing negative attitudes toward stigmatized social groups. Journal of Personality and Social Psychology, 1991.

DESFORGES, D. M., Lord; RAMSEY C. G

S. L.; MASON, J. A; VAN LEEUWEN, M. D.; WEST,

AXELROD, R.; HAMMOND, R. A. The Evolution of Ethnocentrism The Journal of Conflict Resolution, v. 50, No. 6, p. 926-936, 2006.

MASUDA, N. Ingroup favoritism and intergroup cooperation under indirect reciprocity based on group reputation. Journal of Theoretical Biology, v. 311, p. 8-18, 2012.

PETTIGREW, T. F. Generalized intergroup contact effects on prejudice. Personality and social psychology bulletin, v. 23, n. 2, p. 173-185, 1997.

PETTIGREW, T. F. Intergroup contact theory. Annual review of psychology, v. 49, n. 1, p. 65-85, 1998

POWERS, D. A.; ELLISON, C. G. Interracial contact and black racial attitudes: The contact hypothesis and selectivity bias. Social forces, v. 74, n. 1, p. 205-226, 1995.

TESFATSION, L. (2005) “Agent-Based Computational Economics: A constructive approach to economic theory” in Tesfatsion, L. & Judd, K. L (ed.), Handbook of Computational Economics, v. 2: Agent-Based Computational Economics, Handbooks in Economics Series, North-Holland. 2005.

SHERIF, M. The robbers cave experiment: Intergroup conflict and cooperation. [Orig. pub. as Intergroup conflict and group relations]. Wesleyan University Press, 1961.

SIMON, H. A. Theories of decision-making in economics and behavioral science. American Economic Review, v. 49, n. 3, p. 253-283, 1959.

WERTH, J. L.; Lord, Charles G. Previous conceptions of the typical group member and the contact hypothesis. Basic and Applied Social Psychology, v. 13, n. 3, p. 351-369, 1992.

YAMAMOTO, M. E.; ARAÚJO L. F. Coalizões e etnocentrismo: o ponto de vista da psicologia evolucionista. Oecologia brasiliensis, 13(1), 201-208, 2009.