Você está na página 1de 4

O Impacto da mastectomia na vida da mulher

O câncer de mama é a doença mais temida pelas mulheres devido sua gravidade,
evolução imprevisível e mutilação, que causa significativas alterações na
autoimagem. Receber o diagnóstico de câncer de mama é uma notícia devastadora,
causando forte impacto na vida das pessoas. A paciente e sua família são
inundadas por emoções como sofrimento, medo, raiva, angústia e ansiedade, além
de prejuízos nas habilidades sociais, funcionais e vocacionais.

O tratamento utilizado dependerá da extensão da doença e suas características.


Assim, após a classificação do câncer de mama, define-se a forma de tratamento a
ser desenvolvido. Dentre os tipos de tratamento disponíveis encontram-se a
quimioterapia, a radioterapia, a terapia hormonal e a cirurgia, que podem ser
administrados individual ou concomitantemente. Se for concluída que há
necessidade de se fazer uma cirurgia para a retirada do nódulo, esta pode ser
conservadora, a chamada quadrantectomia, na qual é retirada apenas uma parte da
mama, sendo necessária ainda a utilização da radioterapia. Entretanto, há casos em
que o câncer encontra-se em um estágio avançado, sendo necessária a utilização
da mastectomia, uma cirurgia radical e, portanto mutiladora.

A Mama

A mama é constituída por estruturas produtoras de leite (lóbulos), ductos, que são
pequenos canais que ligam os lóbulos ao mamilo; gordura, tecido conjuntivo, vasos
sanguíneos e vasos linfáticos.

Vasos linfáticos transportam a linfa, um líquido que contém célula do sistema de


defesa, gordura e proteínas. Ao longo dos vasos linfáticos há pequenos ógãos em
forma de feijões, ou gânglios/ nódulos linfáticos ou ainda linfonodos, que armazenam
linfócitos. A maioria dos vasos linfáticos da mama leva a gânglios situados nas
axilas. Se as células cancerosas atingirem esses gânglios, a probabilidade que a
doença se espalhe para outros órgãos é maior. A maioria dos casos de Câncer de
mama começa nos ductos (carcinomas ductais), alguns têm início nos lóbulos
(carcinomas ductais) e os demais nos outros tecidos. Se tiver início em tecidos
epiteliais como pele ou mucosas ele é denominado Carcinoma. Se começa em
tecidos conjuntivos como osso, músculo ou cartilagem é chamado de Sarcoma.

Câncer de Mama

É uma doença causada pela multiplicação anormal das células da mama, que forma
um tumor maligno ou benigno. Sendo esse evento denominado mutação genética.
As células cujo material genético foi modificado sofrem uma perda de função e
multiplicam-se de maneira descontrolada, mais rapidamente do que as células
normais do tecido à sua volta,invadindo-o.
Geralmente, têm capacidade para formar novos vasos sanguíneos que as nutrirão e
manterão as atividades de crescimento descontrolado. O acúmulo dessas células
forma os tumores malignos.

Fatores de Risco

 Idade: o risco de desenvolver a doença aumenta com a idade, sendo maior a


partir dos 50 anos.
 Fatores genéticos: existem dois genes que aumentam significativamente os
riscos do desenvolvimento do câncer de mama. São eles: BRCA1 e BRCA2.
Portanto mulheres que têm histórico familiar de câncer de mama devem
avaliar a presença destes genes.
 Ter a primeira menstruação (menarca) antes dos 12 anos de idade.
 Passar pela menopausa depois dos 55 anos de idade.
 Estar acima do peso ou obesa.
 Fazer uso da terapia de reposição hormonal.
 Consumir bebidas alcóolicas.
 Não ter filhos ou ter o primeiro filho após os 35 anos de idade.
 Ter seios densos, ou seja, seios que contêm menos tecido adiposo e mais
tecido glandular.

Sinais e Sintomas

 Alterações do tamanho ou forma da mama;


 Vermelhidão, inchaço, calor ou dor na pele da mama;
 Nódulo ou caroço na mama, que está sempre presente e não diminui de
tamanho;
 Inchaço e nódulos frequentes nas ínguas das axilas;
 Assimetria entre as duas mamas, como, por exemplo, uma muito maior que a
outra;
 Presença de um sulco na mama, como se fosse um afundamento de uma
parte da mama;
 Endurecimento da pele da mama, semelhante a casca de laranja;
 Coceira frequente na mama ou no mamilo;
 Formação de crostas ou feridas na pele junto do mamilo;
 Liberação de líquido pelo mamilo, especialmente sangue;

Os sintomas de câncer de mama maligno avançado incluem, além da piora dos


sintomas e lesões na mama, outros sinais não relacionados com as mamas, como
náuseas, dor nos ossos, perda de apetite, fortes dores de cabeça e fraqueza
muscular. Geralmente, estes sintomas são causados pois o câncer avançado causa
metástases das células malignas para outros órgãos do corpo, como pulmões e
cérebro.
Tratamentos

O câncer de mama deve ser abordado por uma equipe multidisplinar visando o
tratamento integral da paciente. As modalidades terapêuticas disponíveis atualmente
são a cirúrgica, a radioterápica a hormonioterapia e a quimioterapia para o
tratamento sistêmico.

Cirurgia

Após o diagnóstico, o tratamento do câncer de mama pode incluir diversas etapas,


dentre elas, a cirurgia para remover o tumor do tecido da mama conhecido como
mastectomia.

São modalidades de mastectomia:

 Mastectomia simples ou total (retirada da mama com pele e complexo aréolo


papilar);
 Mastectomia com preservação de um ou dois músculos peitorais
acompanhada de linfadenectomia axilar (radical modificada);
 Mastectomia com retirada do(s) músculo(s) peitoral (is) acompanhada de
linfadenectomia axilar (radical);
 Mastectomia com reconstrução imediata;
 Mastectomia poupadora de pele.

A imagem corporal pode ser compreendida como a representação mental que a


pessoa tem do próprio corpo, estando diretamente vinculada à percepção,
compondo-se de aspectos fisiológicos, psico-afetivos, sócio-culturais, cognitivos e
relacionais. Essa imagem é construída ao longo de toda vivência, a partir de
experiências com o mundo exterior. Trata-se de um processo de constante
dinamismo e mutação, e influencia as relações da pessoa consigo própria, com o
ambiente e seus semelhantes.

A perda da mama, parte do corpo fundamental para a identidade feminina, resulta na


alteração negativa da imagem corporal. A retirada desse órgão representa uma
limitação estética e funcional, que provoca uma imediata repercussão física e
psíquica, constituindo um evento traumático para a maioria das mulheres, trazendo
prejuízo em sua qualidade de vida, na satisfação sexual e recreativa. Além da
cirurgia, o tratamento quimioterápico produz efeitos colaterais que são indicadores
visíveis da doença, como alopecia ou perda do cabelo e ganho de peso. A mulher
pode, então, se sentir estranha manifestar sentimentos de vergonha, embaraço ter
dificuldade de se relacionar com o marido, se sentindo sexualmente repulsiva,
passando a evitar contatos sexuais. Um medo muito frequente entre as mulheres
mastectomizadas é o de não ser mais atraente sexualmente. Esses conflitos são
resolvidos quando a mulher é capaz de reconhecer-se e aceitar-se em sua nova
imagem.
http://repositorio-racs.famerp.br/racs_ol/vol-14-
1/ID%20170%20novo.pdf
https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/172292

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582006000200007