Você está na página 1de 13

A Parábola da Figueira e o

Significado de "não passará


esta geração"
Por César Francisco Raymundo *
_________________

...“Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam


e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. Assim também vós:
quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas. Em
verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto aconteça”.
..................................................................................... (Mateus 24.32-34)

...Muitos pregadores insistem em dizer que a figueira é uma ilustração de Israel


e do judaísmo. Dizem também que Israel voltou a brotar e renovar suas folhas
quando voltou a ser uma nação novamente em 14 de maio de 1948. Em
conexão a isto surgiram diversas interpretações de que a “geração” que viu
Israel se tornar nação novamente, não passaria. Por isto, alguns calcularam o
tempo de uma geração de quarenta anos e marcaram a vinda de Jesus para
1988. Como Jesus não veio nessa data, outros acrescentaram ao cálculo que
uma geração tenha 70 anos. O ano de 1948 mais 70 anos é igual a 2018.
Agora os marcadores de datas afirmam que Jesus virá em 2018!

...O problema é que a figueira não tem sido sempre a representante da nação
de Israel. Se há uma árvore que representa Israel, é a oliveira (Romanos 11.17,
24). Se a figueira sempre foi à representante de Israel, parece um pouco
estranho que Paulo tenha usado uma oliveira para representar a nação
israelita. Os versículos usados para tentar provar que a figueira representa
Israel são Jeremias 24.1-8; 29.17; Juízes 9.10, 11 e Oséias 9.10.

...Em Jeremias 24.1-8, figos bons e maus (não árvores) ilustram Israel no
cativeiro, e há também menção de figos em Jeremias 29.17. No livro de Juízes
9.10 a referência a figueira não é Israel. O mesmo se dá em Oséias 9.10 que
diz: “O SENHOR Deus diz: — Quando encontrei Israel pela primeira vez, fiquei
alegre como quem acha uvas no deserto e, ao ver os antepassados de vocês,
fiquei contente como quem vê os primeiros figos maduros”. (NTLH)

...Observe nesses versículos que a referência sempre é em relação a figos e


não às árvores. Também, nem as referências a figueira em Mateus 21.18-20,
Marcos 11:12-14 com sua interpretação em Marcos 11:20-26, dá qualquer
indicação de que Jesus se referiu a Israel, mais do que a montanha que se
refere neste último versículo.

...Por último, o texto de Lucas que é paralelo de Mateus 24.32-34 nos


esclarece melhor a respeito da parábola da figueira: “Ainda lhes propôs uma
parábola, dizendo: Vede a figueira e todas as árvores. Quando começam a
brotar, vendo-o, sabeis, por vós mesmos, que o verão está próximo. Assim
também, quando virdes acontecerem estas coisas, sabei que está próximo o
reino de Deus. Em verdade vos digo que não passará esta geração, sem que
tudo isto aconteça”. (Lucas 21.29-32 – o grifo é meu)

...Observe que na versão de Lucas, Jesus conta a parábola da figueira e


acrescenta “todas as árvores”. Se a figueira ilustra Israel e o que dizer
de “todas as árvores”? A verdade é que Jesus usa a parábola da figueira
referindo-se a uma simples árvore. A comparação é que da mesma forma que
a figueira e todas as outras árvores começam a brotar quando o verão está
próximo, os sinais descritos por Jesus também são a prova de que o reino de
Deus está bem próximo. Sem uma garantia clara da Escritura, a má
interpretação da parábola da figueira realizada por muitos continuará servindo
de falsas especulações e marcações de datas sobre a volta de Jesus.

A Figueira é um Símbolo Negativo


...Sobre a questão da parábola da figueira simbolizar Israel, o pastor Jonathan
Welton fez um excelente comentário, veja:

..."Esta é uma parábola simples; da mesma forma que os sinais que o verão
está próximo existem, existiriam sinais óbvios que a destruição de Jerusalém
estava próxima. Os mais óbvios foram os 8 sinais. Não há nenhum significado
oculto sobre Israel ser restaurado como nação nesse verso. Uma vez que Adão
se cobriu com folhas de figueira, a figueira é geralmente um símbolo negativo.
Jesus também havia amaldiçoado essa figueira anteriormente (Marcos 11:12 a
14).

...Também podemos ver da passagem paralela de Lucas que o ponto de Jesus


não era que o tipo de árvore era uma representação, mas que o fato de as
árvores florirem na primavera seria algo tão óbvio que os sinais que
precederiam a destruição. Veja a generalização das árvores: "E disse-lhes uma
parábola: Olhai para a figueira, e para todas as árvores; Quando já têm
rebentado, vós sabeis por vós mesmos, vendo-as, que perto está já o verão.
Assim também vós, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que o reino de
Deus está perto". (Lucas 21:29-31)"[1]

O Significado de não passará “esta geração”


...“Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que tudo isto
aconteça”.
......................................................................................................................... (M
ateus 24.34)

...Em conexão a parábola da figueira temos a expressão “não passará esta


geração”. A compreensão de como “esta geração” é usada por Jesus é
importante e não pode ser evitada. Essa expressão é a chave para saber
quando serão ou quando foram ocorridos os acontecimentos proféticos
descritos em Mateus 24.

...O que Jesus quis dizer com essas palavras é muito simples! Nos versículos
anteriores de Mateus 24.34 começando a partir do versículo um Jesus fala dos
sinais de sua “Vinda” tais como: a destruição do Templo de Jerusalém, guerras,
rumores de guerras, pestes, fomes, grande tribulação, o escurecimento do sol
e da lua e a sua vinda com poder e muita glória. O que Ele quis dizer é que a
“geração” que visse todos esses sinais não passaria ou morreria sem que
todos eles fossem cumpridos.

...Qual geração seria esta? A que estava viva no tempo de Jesus? Alguma
outra futura mais de dois mil anos depois? A nossa geração? A resposta
correta é que a tal “geração” era aquela que estava viva nos dias de Jesus.

...Para se referir à “geração” que veria aqueles sinais, Jesus usou o pronome
demonstrativo “ESTA” e não o pronome demonstrativo “ESSA”. Os pronomes
demonstrativos são de dois tipos: próximo e distante. O pronome
demonstrativo “ESTA” refere-se a algo ou objeto que esteja próximo de quem
fala (no caso Jesus). Com relação a tempo, retrata um período relacionado ao
tempo presente ou que ainda não terminou.

...Se Jesus quisesse dizer a respeito de outra geração teríamos em nossas


traduções os pronomes demonstrativos “ESSA” ou “AQUELA”. O pronome
demonstrativo “ESSA” relaciona-se à pessoa ou objeto que esteja um pouco
afastado de quem fala (no caso Jesus). Com relação a tempo retrata um
período de tempo passado ou futuro próximo.

...Já o pronome demonstrativo “AQUELA” relaciona-se à pessoa ou objeto


afastado de quem fala (no caso Jesus). Retrata também um passado distante.

...Portanto, caso a referência fosse a qualquer outra geração menos a dos dias
de Jesus, a frase poderia ser assim:

...“Em verdade vos digo que não passará [ESSA] geração sem que tudo isto
aconteça”.

...“Em verdade vos digo que não passará [AQUELA] geração sem que tudo
isto aconteça”.

...Caso o leitor não aceite esta explicação, com toda certeza terá problemas
com outras passagens do evangelho que também se referem aquela geração
dos dias de Jesus. A seguir vou comparar Escritura com Escritura para provar
que “esta geração” era uma referência a geração daqueles dias de Jesus na
terra:

Mateus 11.16: “Mas a quem hei de comparar ESTA GERAÇÃO? É semelhante


a meninos que, sentados nas praças, gritam aos companheiros...”.

Mateus 12.41, 42: “Ninivitas se levantarão, no Juízo, com ESTA GERAÇÃOe a


condenarão; porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis aqui
está quem é maior do que Jonas. A rainha do Sul se levantará, no Juízo,
com ESTA GERAÇÃO e a condenará; porque veio dos confins da terra para
ouvir a sabedoria de Salomão. E eis aqui está quem é maior do que Salomão”.

Mateus 23.36: “Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre
a presente geração [ou ESTA GERAÇÃO]”.

Marcos 8.12: “Jesus, porém, arrancou do íntimo do seu espírito um gemido e


disse: Por que pede ESTA GERAÇÃO um sinal? Em verdade vos digo que a
esta geração não se lhe dará sinal algum”.

Lucas 7.31: “A que, pois, compararei os homens da presente


geração [ouESTA GERAÇÃO], e a que são eles semelhantes?”

Lucas 11.30, 31, 32: “Porque, assim como Jonas foi sinal para os ninivitas, o
Filho do Homem o será para ESTA GERAÇÃO. A rainha do Sul se levantará,
no Juízo, com os homens DESTA GERAÇÃO e os condenará; porque veio dos
confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E eis aqui está quem é
maior do que Salomão. Ninivitas se levantarão, no Juízo, com ESTA
GERAÇÃO e a condenarão; porque se arrependeram com a pregação de
Jonas. E eis aqui está quem é maior do que Jonas”.

Lucas 11.50, 51: “...para que DESTA GERAÇÃO se peçam contas do sangue
dos profetas, derramado desde a fundação do mundo; desde o sangue de Abel
até ao de Zacarias, que foi assassinado entre o altar e a casa de Deus. Sim, eu
vos afirmo, contas serão pedidas a ESTA GERAÇÃO”.

Lucas 17.25: “Mas importa que primeiro ele padeça muitas coisas e seja
rejeitado por ESTA GERAÇÃO”.

...Caso “esta geração” pudesse ter outro significado em Mateus 24.34, porque
nas passagens anteriores não poderiam também? Mas por que, exatamente
em Mateus 24.34, “geração” ganha esse significado especial da parte de
alguns, sendo que essa palavra é usada no seu sentido comum nas demais
vezes que aparece no Novo Testamento?

...E para endossar mais ainda, veja como Mateus 24.34 foi traduzido na Nova
Tradução na Linguagem de Hoje: “Eu afirmo a vocês que isto é verdade: essas
coisas vão acontecer antes de morrerem todos os que AGORA estão vivos”.
(o grifo é meu)
No Grego Também é Assim!

...Na tentativa de contornar o óbvio, já me disseram que tal discussão acerca


dos pronomes demonstrativos (este, esse e aquele) seria algo que se baseia
apenas no português, e, para uma análise mais profunda seria necessário um
estudo do grego bíblico. Pois bem, se é grego que alguns querem, então,
vamos a ele.

...A expressão "esta geração" está assim no grego: "genea haute". A palavra
grega "haute" é corretamente traduzida em nossas Bíblia como "esta". Se
Jesus tivesse feito referência à alguma geração futura (longe dos discípulos) no
grego há recursos de sobra para fazer tal referência.

A Audiência de Jesus

...Outra coisa que devemos levar em consideração é a audiência que estava


ouvindo Jesus naquele momento do sermão profético, ou seja, seu público
alvo. O Senhor Jesus faz uso da segunda pessoa do plural mostrando assim
que os discípulos veriam aqueles acontecimentos proféticos dentro daquela
geração. A segunda pessoa do plural (vós) pode ser rastreada desde o início
do capítulo 24 de Mateus:

Verso 2: “Ele, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade VOSdigo
que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada”.

Verso 4: “E ele lhes respondeu: Vede que ninguém VOS engane”.

Verso 9: “Então, sereis atribulados, e VOS matarão. Sereis odiados de todas as


nações, por causa do meu nome”.

Verso 33: “ASSIM TAMBÉM VÓS: quando virdes todas estas coisas, sabei que
está próximo, às portas”. (Mateus 24.33 – o grifo é meu)

...Observe que até o versículo 33 o público alvo de Jesus não muda. Eram os
discípulos e sua geração que veriam todos aqueles sinais proféticos. Se no
versículo 33 Jesus tivesse uma futura geração em vista, acredito que muito
provavelmente Ele teria dito: "assim também: quando ELES virem todas estas
coisas”.
Geração ou Raça?

...Alguns insistem em dizer que a palavra grega genea (geração) em Mateus


24.34 pode ter também o sentido de família, raça ou nação, ou seja, “geração”
significaria a “raça judaica”.

...Neste caso, os defensores de tal posição têm um problema ainda maior.


Jesus disse que aquela “geração” não passaria sem que tudo fosse cumprido.
Logo, quando tudo for cumprido, a “geração” ou “raça” terá
que "passar" ou "deixar de existir", e isto vai contra aqueles que acreditam que
há promessas de Deus concernentes a nação de Israel após a segunda vinda
de Cristo. Nenhum dispensacionalista ou atual pregador do fim do mundo
vai querer acreditar que Israel vai "passar" ou "deixar de existir" depois
da vinda de Cristo, não é mesmo?!

...Sobre a questão de "raça" ou "geração" observe as sábias palavras do


escritor Gary DeMar:

...“Geração não significa “raça” no inglês [nem no português!], como Scofield


insiste. O American Dictionary of the English Language de 1828, de Noah
Webster, define “geração” como “uma simples sucessão na descendência
natural, como os filhos dos mesmos pais; por conseguinte, uma era. Assim,
dizemos a terceira, a quarta, a décima geração. [...] As pessoas do mesmo
período, ou vivendo ao mesmo tempo: 'Ó geração incrédula e perversa.' [...]”
Noah Webster lista “raça” como o sexto significado possível. O The Shorter
Oxford English Dictionary (edição de 1968) lista “raça” como o último
significado possível. O uso contemporâneo também milita contra usar
“geração” como um sinônimo para raça.

.. Quando falamos de um “generation gap”, não queremos dizer um hiato entre


raças. Uma “generation gap” é um intervalo de tempo que existe entre dois
grupos de pessoas que viveram em eras diferentes. A palavra grega genea, em
seu “significado natural não forçado”, quando se comparando Escritura com
Escritura, significa “geração”.

...E no caso de Mateus 24:34, a geração a quem Jesus estava falando. Isso
significa que a profecia entregue por Jesus sobre o Monte das Oliveiras é
agora história”.[2]

...Outra coisa que não pode passar em branco é que se Jesus realmente
tivesse dito "raça" ao invés de "geração", os escritores bíblicos teriam usado a
palavra grega "genos" que significa "raça" e não a palavra grega "genea"
(geração).

Não cabe aqui um Duplo Cumprimento?


...Uma das tentativas para contornar o significado óbvio de "não passará esta
geração"é apelar para a teoria do duplo cumprimento da profecia. Uma profecia
só tem duplo cumprimento quando outra Escritura assim dá respaldo. Veja o
exemplo da traição ocorrida na vida de Davi descrita no Salmo 41.9 (mas ao
mesmo tempo apontava para a traição de Judas no futuro). O Salmo em
questão diz: “Até o meu amigo íntimo, em quem eu confiava, que comia do
meu pão, levantou contra mim o calcanhar”. O rei Davi descreve nesse Salmo
que ele foi traído pelo seu amigo íntimo, seu próprio conselheiro, de nome
Aitofel conforme 2º Samuel 15.12, 31.

O Salmo 41.9 teve seu cumprimento em João 13.18, 21:

"Não me refiro a todos vós; conheço aqueles que escolhi; mas para que se
cumprisse a Escritura: O que comia do meu pão traiu-me.
Havendo falado essas coisas, Jesus perturbou-se em espírito e declarou: Em
verdade, em verdade vos digo que um de vós me trair". (o grifo é meu)

O fato de sugerir duplo cumprimento para Mateus 24.34 sugere que o


intérprete está admitindo que o Sermão do Monte foi cumprido dentro daquela
geração dos discípulos.

...Se Mateus 24 tem ainda um futuro cumprimento, qual é a outra Escritura que
dá suporte a esta interpretação? E se é para teorizar, porque não pensar em
duplo, triplo ou quadruplo cumprimento? O fato é que não existe nas
palavras de Jesus essa "de profecia com dois cumprimentos. Essa
ideia, apesar de popular, não é bíblica ou sensata. Se uma profecia é
dada, tem um cumprimento correto. Dizer que ela tem dois
cumprimentos significa apenas que uma interpretação não estava
correta. Um cumprimento duplo não é apenas insensato, como Jesus
disse ainda que Mateus 24 se cumpriria apenas uma vez (Veja Mateus
24:21). Isso remove a possibilidade de um duplo cumprimento".[3]

O Cumprimento de Mateus 24 na Geração dos


Discípulos não seria Forçar Demais a Interpretação
do Texto?

...Na constante tentativa para contornar o óbvio, muitos afirmam que o


cumprimento de Mateus 24 dentro daquela geração do primeiro
século, seria forçar demais a interpretação do texto bíblico. Um pastor
chegou a dizer que limitar Mateus 24 para o ano 70 d.C. na queda de
Jerusalém é esvaziar a força da passagem, e reduz o “fim do mundo”
amplo que essa passagem evoca, a um “finzinho” extremamente
localizado e quase imperceptível.

...A grande questão não é o que queremos ou achamos, mas tem que
ser exatamente aquilo que o Senhor Jesus quis dizer. O grande
problema de nossos dias é que os maus intérpretes das profecias
bíblicas, conseguiram transformar as passagens escatológicas -
inclusive o Apocalipse - num verdadeiro filme tipo "guerra nas
estrelas". Não é em vão que os diretores de hollywood produzem
grandes filmes sobre o fim do mundo baseados em supostas cenas
apocalípticas, inspiradas em falsas interpretações do Novo
Testamento. A mente dos crentes atuais têm estado contaminada pela
ideia de que o fim será como nesses filmes. Explosões atômicas,
grandes exércitos, epidemias e um futuro altamente tecnológico é
justamente o cenário que muitos esperam baseados em supostas
evidências bíblicas.

...Sobre a questão de reduzir Mateus 24 a um "finzinho" extremamente


localizado", quero que saiba que, de acordo com o padrão bíblico, são
os pequenos e localizados acontecimentos que realmente fazem
sentido e transformação. O escritor Gary DeMar esclarece muito bem
essa questão ao refutar Larry Spargimino, veja a seguir:

..."Spargimino já considerou que a primeira vinda de Jesus aconteceu no


primeiro século, no mesmo pequenino país de Israel? Jesus nem sequer
nasceu na capital da nação, mas na pequena cidade de Belém (Mateus 2:6).
Seguindo a lógica interpretativa de Spargimino, Jesus deveria ter nascido em
Roma, o centro do mundo conhecido do primeiro século. O nascimento,
ministério, morte, ressurreição e ascensão de Jesus foram eventos locais. Seu
nascimento foi testemunhado por alguns pastores sem nome que por acaso
estavam no campo naquela noite (Lucas 2:8). Somente Simeão encontrou
Jesus e seus pais no templo e o reconheceu como o Salvador prometido de
Deus (2:25-32). Após isso, Jesus apareceu por um momento passageiro no
templo quando tinha doze anos de idade (2:41-52). Não o vemos novamente
até que tenha aproximadamente 30 anos (3:1-22).

...Em termos de uma audiência mundial, somente umas poucas pessoas viram
a crucificação de Jesus. Seus próprios discípulos o desertaram (Mt. 26:56).
Nenhum ser humano testemunhou sua ressurreição. Os apóstolos, não uma
audiência televisiva mundial, viram Jesus “subir” em sua ascensão (Atos 1:9).
Mesmo assim, todos esses eventos locais tiveram importância cósmica:
“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito,
para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).
Um evento restrito a um local do primeiro século, teve implicações mundiais. A
natureza local de um evento não obscurece sua importância. Sabemos mais
sobre a destruição de Jerusalém do que sobre Jesus nas obras de Josefo.
Spargimino quer que creiamos que somente uma conflagração mundial, uma
tribulação global, satisfaz as demandas do Sermão da Oliveira (Mt. 24; Marcos
13; Lucas 21) e Apocalipse".[4]

Por ser um Texto Profético, o Significado de "esta


geração" em Mateus 24 seria Diferente?

...As tentativas para contornar o significado claro de Mateus 24:34,


são sobremaneira insistentes a todo custo. A criatividade humana é
muito grande e pode chegar ao nível do ridículo. O ridículo das
constantes interpretações e novos argumentos para Mateus 24:34, já
se tornou auto-evidente.

Uma dessas interpretações considera que todas as vezes em que


aparece o termo "esta geração", realmente refere-se aos
contemporâneos de Jesus pelo fato de serem textos históricos. Mas,
no caso específico de Mateus 24:34 - por ser esse um texto profético -
o termo "esta geração" mudaria de significado (segundo tais
intérpretes modernos).

Se fosse assim, o problema ficaria ainda pior, porque há outros


textos proféticos nos evangelhos que referem-se aquela geração dos
discípulos e se cumpriram naqueles dias.

Veja alguns desses textos:

"Mas importa que primeiro ele padeça muitas coisas e seja rejeitado por
esta geração".
(Lucas 17:25 - o grifo é meu)

Aqui temos um texto profético em que Jesus fala o que iria


acontecer com Ele ainda naqueles dias. Se aplicarmos o "padrão" dos
atuais intérpretes, por ser um texto profético, Lucas 17:25 poderia ser
interpretado de maneira diferente. Poderia ser interpretado que outra
geração depois daquela rejeitaria Jesus, não poderia? Poderia os
discípulos usarem tal "padrão" de interpretação, e pensarem que
Jesus poderia viver muitos anos para cumprir aquelas palavras numa
geração bem distante da do primeiro século da era cristã.

Para nós é muito fácil olhar para trás e ver que realmente Jesus
morreu e ressuscitou naquela geração do primeiro século da era
cristã. Mas, se coloque no lugar dos discípulos e pense que eles
sequer entendiam a real missão de Jesus, porque eles como os
demais judeus de sua época, acreditavam num Messias político que
os livraria do poder de Roma. Morte e cruz não estava no pensamento
deles em relação ao Messias. Porque - negando agora o tal "padrão"
de interpretação específico para textos proféticos - deveríamos achar
que eles tinham a obrigação de entender o texto profético de Jesus de
maneira diferente, como se referindo a geração deles?

Veja um outro texto profético que claramente se cumpre naquela


geração:

"Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre a presente
geração". (Mateus 23:36 - o grifo é meu)

Este versículo está dentro de um capítulo inteiro em que Jesus faz


várias advertências de juízo aos seus contemporâneos. É claramente
um texto profético. Porque deveríamos entender de maneira diferente?
Isto é muito sério, estamos lidando com a palavra de Deus!

Estou me baseando somente em um versículo?

...Uma coisa que uma pessoa pode falhar na interpretação deste


artigo, é acreditar que eu me baseio somente num único versículo
para falar da geração que veria o cumprimento do Sermão profético de
Mateus 24. Quero que fique bem claro aos meus leitores que eu não
caí de paraquedas ontem. Fazem 28 anos que estou na caminhada
cristã. Dediquei minha vida desde o primeiro momento em pedir
sabedoria a Deus, o qual meu deu em abundância. Em todos esses
anos, desde o primeiro momento na fé, estudei incansavelmente tudo
quanto tive acesso.

Além das demais doutrinas bíblicas, estudei todas as correntes


escatológicas direto da fonte original. Fiz um curso básico de grego do
Novo Testamento, que muito mais do que me ensinar a língua, meu
deu recursos para ser coerente no uso e interpretação das palavras
gregas dentro das Escrituras Sagradas.

Neste ano de 2017, faz quase uma década que tenho me dedicado
com afinco ao estudo do Preterismo e Pós-milenismo. O Preterismo é
a hermenêutica de interpretação que defendo aqui neste artigo. Por
causa do estudo exaustivo do Preterismo, até este momento em que
amplio este artigo, já produzi, escrevi, editei e publiquei 568 artigos
divididos em 28 temas, 88 e-books, 14 folhetos, 14 resenhas de
livros, 14 revistas e 84 vídeos todos sobre Pós-milenismo e
Preterismo.

Estou neste momento citando todo este currículo porque tenho


recebido alguns e-mails às vezes inconvenientes que dizem que este
artigo foi "focado em apenas um texto" e, que, ignoro todo o capitulo
24 de Mateus que fala sobre o retorno de Cristo. Como eu disse, eu
não caí de paraquedas ontem e humildemente sei que tenho muito
mais para aprender. Todavia, o que escrevo aqui, escrevo com
responsabilidade.

Saibam os leitores que exaustivamente fiz todos os esforços


possíveis para dominar a interpretação do Sermão profético de
Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21.

Por favor! Ao lerem este artigo, saibam, que antes de tudo, procurei
conhecer todo um contexto escatológico para em apenas um artigo
chegar as conclusões que cheguei aqui.

Conclusão:

...Todo o Sermão do Monte encontrado em Mateus 24, Marcos 13 e Lucas 21 é


exclusivamente sobre a "vinda de Jesus em julgamento contra Israel e
Jerusalém".O Senhor Jesus prometeu que ainda naquela geração Ele
voltaria para punir Israel por seus pecados. Os textos dos evangelhos
citados a pouco descrevem o fim da era judaica, o estabelecimento do
Reino de Deus e o começo de uma nova era em Cristo. O fim do
antigo Templo, a destruição de Jerusalém e a Grande Tribulação
ocorreram no ano 70 d.C.

...No Sermão do Monte nada é falado sobre o fim do mundo,


arrebatamento, ressurreição dos mortos e a Segunda Vinda de Cristo.
Se você quiser ficar sabendo sobre estas verdades poderá encontrar
em outras passagens das Escrituras.

...O que tudo isto muda em nossas vidas? Muda no fato de que o
período mais negro da história já passou, e que, agora, podemos ter
uma visão de mundo mais positiva, conservadora, consistente,
otimista, responsável e confiável. Isto nos encherá de motivação para
viver a vida cristã, evangelizando e discipulando o mundo para Cristo.
Teremos assim uma razão consistente para estarmos
construtivamente envolvidos em tornar o mundo um lugar melhor a
longo prazo, e por fim, entregar o mundo restaurado para Cristo
quando Ele vier, pois as Escrituras afirmam que “convém que o céu o
contenha até o tempo da restauração de todas as coisas” (At.3:21).
Portanto, Cristo adentrou o céu depois de sua ressurreição, e lá
permanecerá até o dia que Se manifestará novamente aos
homens. Saiba mais sobre esta escatologia otimista, acesse todo
o conteúdo do site www.revistacrista.org

Leia também:
Quanto tempo dura uma
geração?

........................
...Este artigo foi ampliado 1ª vez dia 06 de Maio de 2014.
...Este artigo foi ampliado 2ª vez dia 04 de Maio de 2015.
...Este artigo foi ampliado 3 ª vez dia 15 de Julho de 2015.
...Este artigo foi ampliado 4 ª vez dia 05 de Março de 2016.
...Este artigo foi ampliado 5 ª vez dia 09 de Julho de 2016.
Este artigo foi ampliado 6 ª vez dia 18 de Agosto de 2017.

.......................
* César Francisco Raymundo é Editor
...da Revista Cristã Última Chamada.
Saiba mais sobre o autor clicando aqui
...
Site: www.revistacrista.org
...E-mail: ultimachamada@bol.com.br

_____________________________
Notas:

1. Ebook: Sem Arrebatamento Secreto - Um Guia Otimista para o Fim do Mundo ...(Título
original em inglês: Raptureless - An Optimistic Guide To The End Of The ...World).
...Autor: Jonathan Welton
...Site: www.revistacrista.org

2. Artigo: Esta Geração ou Esta Raça?


...Autor: Gary DeMar.
...Fonte: Last Day Madness, Gary DeMar, p. 183-188.
...Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto.
...Site: www.monergismo.com

3. Ebook: Sem Arrebatamento Secreto - Um Guia Otimista para o Fim do Mundo, Pg. 78.
...(Título original em inglês: Raptureless - An Optimistic Guide To The End Of The World).
...Autor: Jonathan Welton
...Site: www.revistacrista.org

4. Artigo: A Grande Tribulação: Local ou Global?


...Autor: Gary DeMar.
...Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto.
...Site: www.monergismo.com