Você está na página 1de 85

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.

com
CONTEÚDO PROGRAMÁTICO –
SEAP/RJ
1. Declaração Universal dos Direitos Humanos, aprovada
pela ONU, em 10 de Dezembro de 1948.

2. Decreto Federal nº 678, de 06.11.1992, promulga a


Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto de
São José da Costa Rica) de 22 de novembro de 1969.

3. Regras Mínimas para Tratamento dos Presos no Brasil


(RESOLUÇÃO Nº 14, de 11 de novembro de 1994 do
Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária
(CNPCP).

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO –
SEAP/RJ
Direitos Humanos
Definição
Sugestões Bibliográficas:
“Correspondem à somatória de valores, de atos e de
DORNELLES, João Ricardo. O que são direitos humanos. normas que possibilitam a todos uma vida digna.” (Erival
São Paulo : Brasiliense. da Silva Oliveira)
“São normas jurídicas externas e internas que visam
DALLARI, Dalmo de Abreu. O que são direitos da pessoa.
proteger a pessoa humana.” (Flávia Piovesan)
São Paulo : Brasiliense
“Conjunto mínimo de direitos necessário para assegurar
uma vida ao ser humano baseada na liberdade e na
dignidade.” (André Carvalho Ramos)

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

1
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Direitos X Direitos
Humanos Fundamentais
OBS: Os direitos humanos inicialmente eram denominados de
direitos do homem.
Base jus naturalista Base jus positivista
São direitos naturais reconhecidos e
válidos para todos os positivados na esfera
povos constitucional de
não-vinculadas a uma determinado Estado
ordem constitucional
específica 1215 1628 1679 1689 1776 1789 1948

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

REDIGIDA SOB O IMPACTO DAS ATROCIDADES


COMETIDAS DURANTE A 2ª GUERRA
MUNDIAL
RETOMA OS IDEAIS DA REVOLUÇÃO
FRANCESA
RECONHECIMENTO DOS VALORES SUPREMOS
DA IGUALDADE E DA LIBERDADE ENTRE OS
HOMENS.
EVOLUÇÃO DE UM PROCESSO ÉTICO : VISÃO Proclamação da DUDH: 10 de dezembro de 1948
DO PRINCÍPIO DA DIGNIDADE DA PESSOA Organismo Internacional: Organização das Nações Unidas/ONU
HUMANA OBS: VISANDO PROPORCIONAR DIREITOS FUNDAMENTAIS A TODOS, A DUDH É
CONSIDERADA UM DOS DOCUMENTOS BÁSICOS DA ONU.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

2
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

FCC – DEFENSOR PÚBLICO – SP - 2008


COPS – AGENTE PENITENCIÁRIO FEMININO – SEAP/PR - 2007
2) Comparando-se a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
1) A Declaração Universal dos Direitos do Homem foi proclamada em
(França, 1789) e a Declaração Universal dos Direitos Humanos (ONU,
que data e por qual Organismo Internacional:
1948), pode-se afirmar que ambas reconhecem

a) Em 01/12/1948, pela Organização Tratado do Atlântico Norte/OTAN. a) o Estado como fonte dos direitos fundamentais.
b) Em 15/12/1946, pelo Grupo dos Sete Países mais Industrializados do b) a liberdade e a igualdade inerentes ao ser humano.
Mundo mais a Rússia-G8.
c) a existência dos direitos individuais e sociais.
c) Em 20/12/1946, pelo Banco Mundial.
d) a propriedade, individual ou coletiva.
d) Em 10/12/1948, pela Organização das Nações Unidas/ONU.
e) a necessidade de uma força pública para a garantia dos direitos
e) Em 01/12/1946, pela Organização dos Estados Americanos/OEA.
4 2

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

FUNRIO – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS – RO – 2008 c) A Declaração Universal dos Direitos Humanos é
3) Considerando que os Estados-Membros se comprometeram a considerada um tratado já que tratados são atos bilaterais ou
promover, em cooperação com as Nações Unidas, o respeito multilaterais aos quais se deseja atribuir especial relevância
universal aos direitos e liberdades humanas fundamentais e a
política.
observância desses direitos e liberdades, e que uma compreensão
comum desses direitos e liberdades é da mais alta importância d) A Declaração Universal dos Direitos Humanos é uma
para o pleno cumprimento desse compromisso, pode-se afirmar convenção, pois essa palavra costuma ser empregada para
que: designar atos multilaterais, oriundos de conferências
a) A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos internacionais e que abordem assunto de interesse geral.
básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são e) Declaração Universal dos Direitos Humanos é um
enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem.
protocolo e se designa a acordos menos formais que os
b) A Declaração Universal dos Direitos Humanos é considerada um tratados. O termo é utilizado, ainda, para designar a ata final
acordo, pois este termo é usado, geralmente, para caracterizar de uma conferência internacional.
negociações bilaterais de natureza política, econômica, comercial,
cultural, científica e técnica. Acordos podem ser firmados entre países
ou entre um país e uma organização internacional.
1 1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

3
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

CTSP/PM
 Não tem força vinculante
4) A entidade supranacional denominada Organização das Nações
 Considerada uma recomendação ou
Unidas (ONU), teve seus objetivos definidos na chamada "Carta da resolução da Assembléia Geral da ONU
ONU". Marque a opção que NÃO TEM RELAÇÃO com os objetivos da
ONU:  Reconhecimento: pacto ou tratado
internacional sobre o assunto
a) legislar sobre a segurança pública nacional. OBS: Após seis décadas da aprovação da
Declaração Universal dos Direitos
b) defender o respeito aos direitos humanos. Humanos, ainda são comuns e habituais
violações gravíssimas como o genocídio,
as mutilações físicas e o trabalho escravo.
c) defender o respeito às liberdades fundamentais de todos.

d) obter cooperação internacional na solução de problemas internacionais.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

ACADEMIA DE POLÍCIA DE SP- DELEGADO DE POLÍCIA – SP


CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO FEDERAL – MJ – 2005
5) Quanto à Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948) é correto afirmar
que se trata de um(a) Julgue o item abaixo:

a) acordo internacional. 6) O fato de a Declaração Universal dos Direitos Humanos ter sido
oficialmente adotada pelos países que integram a Organização das Nações
b) tratado internacional. Unidas explica a inexistência de atrocidades e genocídios no mundo
contemporâneo, diferentemente do que ocorria no passado, como, por
c) pacto internacional.
exemplo, durante o nazismo.

d) resolução da Assembléia Geral da ONU.

4 2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

4
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

ACADEPOL/PCMG – DELEGADO DE POLÍCIA - 2008

7) Analise as seguintes afirmativas acerca da Declaração Universal dos Direitos


Humanos de 1948 e assinale com V as verdadeiras e com F as falsas.
 Limitação e controle dos abusos de poder
Assinale a alternativa que apresenta a seqüência de letras CORRETA. do próprio Estado e de suas autoridades
constituídas.
( ) É, tecnicamente, uma recomendação que a Assembléia Geral das Nações Unidas faz
aos seus membros (Carta das Nações Unidas, art. 10).  Estabelecimento de condições mínimas
( ) Mostra os abusos praticados pelas potências ocidentais após o encerramento das de vida.
hostilidades, pois foi redigida sob o impacto das atrocidades cometidas na Segunda
Guerra Mundial.  Desenvolvimento da personalidade
( ) Enuncia os valores fundamentais da liberdade, da igualdade e da fraternidade, mas é humana.
omissa quanto à proibição do tráfico de escravos e da escravidão.  Consagração dos princípios básicos de
( ) Representa a culminância de um processo ético que levou ao reconhecimento da igualdade e legalidade como regentes do
igualdade essencial de todo ser humano e de sua dignidade de pessoa. Estado moderno e contemporâneo.

A) (V) (F) (V) (F) B) (F) (V) (F) (V) D) (F) (V) (V)
(F) C) (V) (F) (F) (V)

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CTSP/PM – SOLDADO – PM/MG


ACADEMIA DE POLÍCIA - DELEGADO DE POLÍCIA – SP
9) Quanto ao papel da polícia face aos direitos fundamentais É FALSA a
8) A finalidade básica dos direitos humanos é coibir o abuso afirmativa:

a) do poder estatal. a) a polícia é uma instituição de serviço à cidadania.

b) direitos humanos, segurança pública e cidadania são temas antagônicos.


b) do poder estatal e dos indivíduos.

c) dos indivíduos. c) a polícia é necessária para manutenção e preservação do estado


democrático.
d) de grupos de indivíduos.
d) direitos humanos, cada vez mais, está relacionado à polícia.
1 2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

5
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Normas Constitucionais
Emendas `a CF (art.60 CF)
CONSTITUIÇÃO Tratados Internacionais sobre Direitos
FEDERAL Humanos (art. 5º § 3º CF)

EC 45/2004

(CESPE/ANALISTA JUD./ÁREA JUDICIÁRIA/STJ/2008)

10) Os direitos e garantias fundamentais são considerados


elementos limitativos das constituições.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

T.I.D.H. ≅ E.C.
(2004)

CD
SF Antes de 2004 Após 2004

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

6
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

STF: “...os tratados internacionais de direitos humanos Normas Constitucionais


Emendas `a CF (art.60 CF)
subscritos pelo Brasil possuem status normativo supralegal, CONSTITUIÇÃO Tratados Internacionais sobre Direitos
FEDERAL Humanos (art. 5º § 3º CF)
o que torna inaplicável a legislação infraconstitucional com
EC 45/2004
eles conflitantes, seja ela anterior ou posterior ao ato de NORMAS Tratados Internacionais sobre
ratificação e que, desde a ratificação, pelo Brasil, sem SUPRALEGAIS Direitos Humanos (art. 5º § 3º CF)

qualquer reserva, do Pacto Internacional dos Direitos Civis e Leis Complementares


Políticos (art. 11) e da Convenção Americana sobre Direitos NORMAS Leis Ordinárias
Leis Delegadas
LEGAIS
Humanos - Pacto de San José da Costa Rica (art. 7º, 7), não (Art. 59 II a VII CF)
Medidas Provisórias
Decretos Legislativos
há mais base legal para a prisão civil do depositário infiel.” Resoluções

HC 90172/SP, rel. Min. Gilmar Mendes, 5.6.2007. (HC- NORMAS


Decretos Regulamentares
Instruções Normativas
90172) INFRALEGAIS
Portarias etc
Regulamentam ou dão executoriedade `as normas legais

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CÓDIGO PENAL
Art. 312 - Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem
móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em
proveito próprio ou alheio: Pena - reclusão, de dois a doze anos, e multa.
HOMOVITELÍNEA
(ART.312 C/C 327 Art. 327 - Considera-se funcionário público, para os efeitos penais, quem, embora
transitoriamente ou sem remuneração, exerce cargo, emprego ou função pública.
IMPRÓPRIA/ do CP)
HOMOGÊNEA Art. 236 - Contrair casamento, induzindo em erro essencial o outro contraente, ou
HETEROVITELÍNEA ocultando-lhe impedimento que não seja casamento anterior:
NORMA (ART. 236 CP C/C
CÓDIGO CIVIL. Art. 1.521. Não podem casar:
PENAL EM ART. 1521 DO CC) I - os ascendentes com os descendentes, seja o parentesco natural ou civil;
BRANCO II - os afins em linha reta;
III - o adotante com quem foi cônjuge do adotado e o adotado com quem o foi do
PRÓPRIA/ adotante;
LEI 11343/2006
HETEROGÊNEA IV - os irmãos, unilaterais ou bilaterais, e demais colaterais, até o terceiro grau
inclusive;......
LEI 11343/06 Art. 66. Para fins do disposto no parágrafo único do art. 1o desta Lei,
até que seja atualizada a terminologia da lista mencionada no preceito, denominam-
se drogas substâncias entorpecentes, psicotrópicas, precursoras e outras sob
controle especial, da Portaria SVS/MS no 344, de 12 de maio de 1998.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

7
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CF/88 FCC DEFENSOR PÚBLICO DPE MT 2009
Art. 49. É da competência exclusiva do Congresso Nacional:
I - resolver definitivamente sobre tratados, acordos ou atos internacionais 11) A Emenda Constitucional nº 45, trouxe modificações quanto à
que acarretem encargos ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional; incorporação ao direito interno dos tratados internacionais de direitos
humanos e sua aplicação no Brasil. Em face dessas alterações,

a) somente as normas decorrentes de tratados e convenções


internacionais sobre direitos humanos, aprovados no Congresso
PUBLICAÇÃO Nacional em dois turnos e por três quintos dos votos, são
expressamente reconhecidas como equivalentes às emendas
constitucionais.

b) apenas têm aplicabilidade imediata as normas definidoras dos


direitos e garantias fundamentais, decorrentes de tratados e
convenções internacionais sobre direitos humanos que forem
aprovados no Congresso Nacional em dois turnos e por três quintos
dos votos.
1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

c) as normas definidoras dos direitos e garantias


fundamentais, decorrentes de tratados e convenções
internacionais sobre direitos humanos ratificados (CESPE/TÉCNICO DE NÍVEL SUPERIOR/RELAÇÕES
anteriormente à promulgação da EC 45, foram INTERNACIONAIS/MS/2008)
expressamente equiparadas a normas de hierarquia Os tratados internacionais firmados pela República Federativa do
constitucional. Brasil:
d) o Brasil passou a se submeter à jurisdição dos tribunais 12) Devem ser aprovados no Congresso Nacional por decreto
internacionais de direitos humanos, a cuja criação tenha legislativo para fins de incorporação.
manifestado adesão.
e) a denúncia de tratados e convenções internacionais sobre 13) Podem ser incorporados ao ordenamento jurídico brasileiro por
direitos humanos, ratificados pela República Federativa do medida provisória.
Brasil, fica sujeita à autorização do Congresso Nacional.
14) São negociados e firmados exclusivamente pelo Poder Executivo.

1
2
1 1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

8
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

CESPE/UnB – AGENTE DE INTELIGÊNCIA – ABIN – 2008

Acerca do Poder Executivo, julgue o item abaixo.


15) Dispensam a chancela da Câmara dos Deputados, desde que
aprovados pelo Senado Federal.
17) A celebração dos tratados internacionais e a incorporação deles à
ordem jurídica interna decorrem, no sistema adotado pelo Brasil, de ato
subjetivamente complexo, resultante da conjugação de duas vontades
16) Dependerão da exclusiva vontade do presidente da República homogêneas: a do Congresso Nacional, que resolve, definitivamente,
para serem incorporados, quando envolverem compromissos mediante decreto legislativo, questões sobre tratados, acordos ou atos
gravosos à nação. internacionais, e a do presidente da República, que, além de poder
celebrar esses atos de direito internacional, tem a competência para
promulgá-los mediante decreto.

2
2 1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

• APLICA-SE O PRINCÍPIO DA PREVALÊNCIA DOS DIREITOS MAIS


VANTAJOSOS PARA A PESSOA HUMANA
1) Relativização da Soberania de um Estado.
Habeas Corpus HC 7544 MS 2008.007544-1 (TJMS)

DIREITOS HUMANOS CONFLITO DE NORMAS DE MESMA


2) Cristalização de que o indivíduo deve ter
HIERARQUIA NOVA INTERPRETAÇÃO DO STF APLICAÇÃO DANORMA MAIS direitos protegidos na esfera internacional.
FAVORÁVEL PRINCÍPIO PRO HOMINE ORDEM CONCEDIDA. .

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

9
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

ACADEMIA DE POLÍCIA – DELEGADO DE POLÍCIA – SP – 2000


CESPE/UNB - DEFENSOR PÚBLICO DA UNIÃO – DPGU –
18) No campo dos Direitos Humanos, num eventual conflito entre 2007
normas previstas em tratados internacionais e preceitos de direito
interno, aplica-se o princípio da Julgue os itens subseqüentes.
19) De acordo com a jurisprudência do STF, desde 1988 os
a) anterioridade da lei. tratados sobre direitos humanos podem ser incorporados ao
b) especialidade.
ordenamento jurídico nacional com força de emenda
constitucional.
c) norma mais favorável à vítima.

d) norma de hierarquia superior.

3 2

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

FCC - 2010 - TRT - 8ª Região (PA e AP) - Analista Judiciário -


Execução de Mandados

EXTRADIÇÃO PASSIVA
BRASIL PAÍS ESTRANGEIRO
20) A espécie de extradição requerida por um Estado soberano

Requisitos:
Estrangeiro estrangeiro ao Brasil é classificada de
REGRA: Tratado Internacional Crime
EXCEÇÃO: Promessa de
Reciprocidade a) bilateral.
COMPATIBILIDADE DE LEIS
Princípio da Dupla Incriminação ou b) unilateral.
Dupla Tipicidade
c) objetiva.
d) fundamental.
LII - não será concedida extradição de estrangeiro por crime político ou de opinião;
e) passiva.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

10
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
FCC - 2008 - TRF-5R - Analista Judiciário - Área Judiciária

21) Em tema de direitos e deveres individuais e coletivos, considere:



I. Todos podem reunir-se pacificamente, sem armas, em qualquer local, Estão corretas as que se encontram APENAS em
independentemente de autorização ou de prévio aviso à autoridade
a) II, III e IV.
competente.


II. As entidades associativas, quando expressamente autorizadas, têm b) I, II e V.
legitimidade para representar seus filiados judicial ou extrajudicialmente.


c) III, IV e V.
III. Aos autores pertence o direito exclusivo de utilização de suas obras,
transmissível aos herdeiros pelo tempo que a lei fixar.

 d) I e IV.
IV. Constitui crime inafiançável e imprescritível a ação de grupos armados, civis
e) I, III e V.
ou militares, contra a ordem constitucional e o Estado Democrático.


V. Dentre outras hipóteses, será concedida a extradição de estrangeiro por crime
político ou de opinião. 1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

FCC TÉCNICO JUDICIÁRIO SEGURANÇA TRT 1ª REGIÃO 2011

22) A pessoa que tiver cometido um ato no exterior considerado como LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em caso de crime
crime pelo Estado estrangeiro e como contravenção penal pelo comum, praticado antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em
ordenamento jurídico do Brasil tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei;

a) não será extraditada em respeito ao princípio da autodeterminação


Nato
dos povos. Regra: Extradição de Brasileiro
Naturalizado
b) não será extraditada em respeito do princípio da presunção da
inocência. Exceção: Bras. Naturalizado CRIME COMUM
c) não será extraditada, porém permanecerá presa no Brasil, onde
responderá pelo ato praticado no exterior em respeito ao princípio da Crime Comum – é um crime praticado por qualquer pessoa.
cooperação mútua. Ex: tráfico de entorpecentes, roubo, furto, homicídio.
Crime Próprio – é um crime que só pode ser praticado por determinada
d) será extraditada em respeito ao princípio da cooperação mútua.
pessoa
e) não será extraditada, face ao não preenchimento do requisito da Ex: peculato, corrupção passiva, infanticídio.
dupla tipicidade. Crime de mão própria – é um crime que só pode ser praticado diretamente
pela pessoa.
5 Ex: falso testemunho, perjúrio, falsidade ideológica.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

11
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

LI - nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em caso de crime


comum, praticado antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em
tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei;

Nato BRASIL PAÍS ESTRANGEIRO


Regra: Extradição de Brasileiro
Naturalizado
A extradição poderá ser Estrangeiro
Exceção: Bras. Naturalizado CRIME COMUM concedida pois o crime
Homicídio
comum foi praticado antes
da naturalização dezembro
de 2009

Tráf. Ilícito Entorpecentes Tráf. Ilícito Entorpecentes


Se naturaliza brasileiro
em julho de 2010
qualquer tempo antes naturalização

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


Regimento Interno STF
Art. 207. Não se concederá extradição sem prévio pronunciamento do
Supremo Tribunal Federal sobre a legalidade e a procedência do
pedido, observada a legislação vigente.

BRASIL JAMAICA
Pratica tráfico
A extradição poderá ser ilícito de
concedida pois o tráfico ilícito entorpecentes
de entorpecentes se praticado março
ITÁLIA
a qualquer tempo permite a de 2010
extradição.
Supremo Tribunal
País estrangeiro Federal julga o pedido
solicita a extradição. de extradição.
Se naturaliza brasileiro
em janeiro de 2010 Presidente da República decide
conforme Tratado Internacional

ATO DISCRICIONÁRIO

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

12
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

 STF: “O Tribunal, por maioria, acolheu questão de ordem, suscitada nos autos de
extradição executória formulada pelo Governo da Itália contra nacional italiano Tramitação:
condenado à pena de prisão perpétua pela prática de quatro homicídios naquele  O andamento do pedido de extradição no Supremo Tribunal Federal depende de
país, a fim de retificar a ata do julgamento do aludido feito, para que conste que o que o extraditando seja preso no Brasil e colocado à disposição da Justiça até que
Tribunal, por maioria, reconheceu que a decisão de deferimento da extradição termine o processo (Prisão Preventiva para Extradição). Ele será submetido a
não vincula o Presidente da República, nos termos dos votos proferidos pelos interrogatório e terá direito a se defender por meio de advogado. A Procuradoria-Geral
Ministros Cármen Lúcia, Joaquim Barbosa, Carlos Britto, Marco Aurélio e Eros da República também deve se manifestar na ação.
Grau. (...) Na presente assentada, tendo em conta, sobretudo, os
esclarecimentos prestados pelo Min. Eros Grau quanto aos fundamentos de seu
voto, concluiu-se que o que decidido pela maioria do Tribunal teria sido no Condições para concessão da Extradição:
sentido de que a decisão do Supremo que defere a extradição não vincula o
Presidente da República, o qual, entretanto, não pode agir com  crime cometido no território do Estado requerente;
discricionariedade, ante a existência do tratado bilateral firmado entre o Brasil e a  ser aplicável ao extraditando a lei do Estado requerente;
Itália.” (Ext 1.085-QO, em 16-12-09).  existir sentença final de prisão, ou estar a prisão autorizada por autoridade
competente no Estado requerente.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CF/88
ART. 5º § 4º O Brasil se submete à jurisdição de Tribunal Penal Internacional a cuja
criação tenha manifestado adesão.
O art. 5º do Estatuto de Roma, que cria o “TPI”, estabelece que terá competência
Consequências Jurídicas:
para julgar os seguintes crimes:
 Concedida a Extradição, o Estado requerente terá o prazo de 60 dias para retirar
o extraditando do território nacional, e não o fazendo, ele será posto em liberdade. 1- de genocídio;
Por outro lado, ele poderá sofrer um processo de expulsão do Brasil, independente da
Extradição, caso haja motivos para isso. Negada a Extradição, não se admitirá um 2- contra a humanidade;
novo pedido baseado no mesmo fato.
3- de guerra;

Fundamentos Legais: 4- de agressão.

 Constituição Federal – artigo 5º, LI e LII; artigo 12; artigo 102, I, g.


 Estatuto do Estrangeiro – Lei 6.815/80: artigo 76 e seguintes.
 Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal – artigos 207 a 214.

É a entrega de um brasileiro nato ou naturalizado ou estrangeiro ao


ENTREGA Tribunal Penal Internacional para ser processado e julgado (art. 5º § 4º).

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

13
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Lei nº 6.815 de 1980 (EXPULSÃO)


Art. 65. É passível de expulsão o estrangeiro que, de qualquer Súmula nº 1 STF
É VEDADA A EXPULSÃO DE
forma, atentar contra a segurança nacional, a ordem política ou ESTRANGEIRO CASADO COM BRASILEIRA, OU QUE
social, a tranqüilidade ou moralidade pública e a economia popular, TENHA FILHO BRASILEIRO, DEPENDENTE DA
ou cujo procedimento o torne nocivo à conveniência e aos
ECONOMIA PATERNA.
interesses nacionais.

Súmula nº 421 STF
“NÃO IMPEDE A EXTRADIÇÃO A


CIRCUNSTÂNCIA DE SER O EXTRADITANDO CASADO
COM BRASILEIRA OU TER FILHO BRASILEIRO.”

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


Lei nº 6.815 de 1980 (DEPORTAÇÃO)
Art. 57. Nos casos de entrada ou estada irregular de estrangeiro, se
este não se retirar voluntariamente do território nacional no prazo fixado
em Regulamento, será promovida sua deportação.

(CESPE/ AUDITOR FISCAL ESTADUAL/ SEFAZ/ ES/ 2008)


23) Considerando a hipótese de um brasileiro nato, em viagem ao
exterior, ter cometido crime comum de tráfico ilícito de entorpecentes, é
correto afirmar que, ao regressar ao Brasil, caso o país em que esse
indivíduo tiver cometido o ilícito venha a requerer a extradição, esta
não poderá ser negada se o Brasil tiver tratado de reciprocidade com
este país.
É a retirada compulsória do
estrangeiro do Brasil devido a
Deportação
irregularidades na sua entrada ou
permanência.

Boxeadores Cubanos SITUAÇÃO


desertaram da delegação cubana nos Jogos
Panamericanos no Rio de Janeiro IRREGULAR 2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

14
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

(CESPE/TÉCNICO DE ATIVIDADE JUDICIÁRIA/TJ/RJ/2008)


24) Em relação à deportação, expulsão, extradição e homologação de sentença
Art. 105. Compete ao Superior Tribunal de Justiça:
estrangeira, assinale a opção correta.
a) Somente após decisão do STF, a expulsão ou a extradição de pessoa do território
nacional poderá ser efetivada. I - processar e julgar, originariamente:
b) A CF não admite a extradição de brasileiro.
c) A prática de crime político por estrangeiro radicado no Brasil enseja a concessão de i) a homologação de sentenças estrangeiras e a concessão de
extradição solicitada por Estado estrangeiro, desde que os efeitos penais ainda exequatur às cartas rogatórias;
estejam ocorrendo.
d) Os crimes de opinião praticados por estrangeiros são passíveis de extradição,
desde que cometidos contra a integridade nacional.
e) Compete ao STJ proceder à homologação de sentença estrangeira.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

(CESPE/AGENTE ADMINISTRATIVO/MMA/2009)
(CESPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO/TRE/MG/2008) 26) Se um brasileiro nato viajar a outro país estrangeiro, lá cometer algum
25) Pablo e Peter são estrangeiros, Humberto é brasileiro nato e Zélia crime, envolvendo tráfico ilícito de entorpecentes, e voltar ao seu país de
naturalizou-se brasileira em 20 de junho de 2008. Em outubro de 2008, cada origem, caso aquele país requeira a extradição desse indivíduo, o Brasil
um deles viajou para um país, onde cometeu um crime comum. Atualmente, poderá extraditá-lo.
os quatro estão no Brasil e cada um dos países visitados requereu a
extradição do infrator. Com base nessa situação hipotética, e considerando (CESPE/ANALISTA JUDICIÁRIO/ÁREA ADMINISTRATIVA/TRT 17ª
que, antes de os citados crimes serem cometidos, o Brasil havia celebrado REGIÃO/2009)
tratado de extradição com cada um desses países, é correto concluir, à luz da 27) A CF prevê que não se concede extradição de estrangeiro por crime
CF, que podem ser extraditados para o país onde cometeram crime político ou de opinião, porém os brasileiros naturalizados podem ser
a) Pablo, Peter, Humberto e Zélia. extraditados em caso de crime comum, praticado antes da naturalização.
b) apenas Pablo, Peter e Zélia.
c) apenas Pablo e Peter. (CESPE/TÉCNICO JUDICIÁRIO/ÁREA ADM. /TRT 17ª REGIÃO/2009)
d) apenas Peter e Humberto. 28) Não há deportação nem expulsão de brasileiro.
e) apenas Humberto e Zélia. 2
1
2 1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

15
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

“Os direitos individuais são considerados


direitos fundamentais do homem-indivíduo, que
•Universalidade – alcança qualquer pessoa, seja pessoa natural ou pessoa jurídica.
são aqueles que reconhecem a autonomia aos
particulares, garantindo a iniciativa e a
independência aos indivíduos diante dos demais
membros da sociedade política e do próprio
Estado” – José Afonso da Silva.

29) Dado o conceito acima, podemos afirmar que os direitos


e garantias fundamentais, sendo eles universais, alcançam
inclusive os alienígenas.
1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Acerca dos direitos humanos fundamentais, julgue os itens seguintes.

30) A Constituição da República estabelece que as normas definidoras de direitos e


•Universalidade – alcança qualquer pessoa, seja ela pessoa natural ou jurídica. garantias fundamentais não têm aplicação imediata.
•Imprescritibilidade – são exercitáveis a qualquer tempo.
31) O respeito aos direitos humanos fundamentais por parte das autoridades públicas,
•Inalienabilidade – são intransponíveis, ou seja, intransferíveis. apesar de importante, não está incluído entre os itens essenciais à construção de um
•Irrenunciabilidade – não se pode abdicar. verdadeiro Estado de direito democrático.
•Inviolabilidade – devem ser respeitados pelo Estado (relações verticais) e 32) Os direitos humanos fundamentais apresentam diversas características, que
pela sociedade (relações horizontais). incluem a prescritibilidade e a renunciabilidade.
•Historicidade – possuem caráter histórico, nasceram com o Cristianismo e
perduram até os dias de hoje; 33) Há possibilidade de transferência de direitos humanos fundamentais, tanto a título
gratuito quanto a título oneroso.
•Interdependência e complementaridade – os direitos devem ser
interpretados como um conjunto e não individualmente, para que se alcance o 34) Os direitos humanos fundamentais surgiram da necessidade de limitação e
real objetivo do constituinte. controle dos abusos de poder do próprio Estado e de suas autoridades constituídas,
•Relatividade ou Limitabilidade – depende da análise do caso concreto, bem como da consagração dos princípios básicos de igualdade e legalidade como
regentes do Estado moderno e contemporâneo.
podem sofrer restrições, desde que razoáveis ou proporcionais.
2-2-2-2-1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

16
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

VUNESP DEFENSOR PÚBLICO DPE MS 2008

36) Considerando a evolução histórica, os marcos jurídicos fundamentais e


a estrutura normativa dos Direitos Humanos, pode-se afirmar que

a) a globalização dos direitos humanos forçou os Estados a escolherem


CESPE AGENTE PENITENCIÁRIO SEJUS ES 2009 entre um sistema global e um regional de proteção a esses direitos, uma
vez que ambos sistemas não podiam coexistir.
35) Os direitos humanos são irrenunciáveis, de modo que podem b) os indivíduos passaram a ser sujeitos de direito internacional, mas, por
até deixar de ser exercidos por seus titulares, os quais, no razões de soberania, ainda dependem dos Estados para acionar os
entanto, jamais podem renunciar a tais direitos. mecanismos de proteção dos direitos humanos.
c) a Declaração Universal dos Direitos Humanos introduziu
internacionalmente a concepção contemporânea desses direitos.
d) a vítima de uma lesão dos direitos humanos deverá acionar em sua
proteção, nessa ordem, o sistema jurídico nacional, depois o regional e,
por último, o global, em razão da hierarquia da estrutura normativa de
proteção.
1 3

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


NCE/ UFRJ DELEGADO DE POLÍCIA PC RJ

37) A complexidade da vivência social pós-globalização exige cada vez mais a


especificação de direitos e garantias fundamentais, objetivando a manutenção da
1ª geração 2ª geração 3ª geração 4ª geração 5ª geração
dignidade da pessoa humana, preceito fundamental da nossa Lei Maior. Dentro desse
Atuação negativa Prestações Direitos de titularidade Avanços Internet contexto, pode-se afirmar corretamente que:
do Estado Positivas do Estado difusa e coletiva tecnológicos a) os direitos de 5ª geração representam os advindos da realidade virtual que
compreendem o grande desenvolvimento da cibernética na atualidade, implicando o
rompimento de fronteiras, estabelecendo conflitos entre países com realidades
LIBERDADE FRATERNIDADE distintas, via internet;
IGUALDADE BIOTECNOLOGIA CIBERNÉTICA
(NEGATIVA) E MEIO AMBIENTE
b) os direitos de 4ª geração são os direitos transindividuais, mas também observados
DIREITOS INDIVIDUAIS,
DIREITOS SOCIAIS,
CONCEITOS E LIMITES
como coletivos ou difusos, basicamente relacionados com os direitos ao meio
ECONÔMICOS E DIREITOS DIFUSOS REALIDADE VIRTUAL
CIVIS E POLÍTICOS
CULTURAIS
BIOTECNOLÓGICOS ambiente equilibrado, ao desenvolvimento econômico e à defesa do consumidor;
c) os direitos de 3ª geração são os direitos de manipulação genética, relacionados à
•Magna Carta 1215 •Revolução Industrial Meio ambiente, paz, •Não-clonagem Preocupação com biotecnologia e à bioengenharia, que tratam de questões sobre a vida e a morte e que
(Rei João s/ Terra) Européia (séc. XIX) autodeterminação dos •DNA a difusão e o
•Paz de Westfália •Constituição de povos, patrimônio comum •Eutanásia desenvolvimento requerem uma discussão ética prévia;
(1648) Weimer (1919- da humanidade e direito •Alimentos da cibernética na d) os direitos de 2ª geração são os direitos individuais, preservando a liberdade do
•Habeas Corpus Act Alemanha) `a comunicação. transgênicos etc. atualidade. indivíduo em detrimento dos abusos legislativos do Estado;
(1679) •Tratado de Versailles •Engenharia e) os direitos de 1ª geração outorgam limites ao Estado, consagrando os direitos
•Bill of Rights (1688) (1919-OIT) Genética
sociais, buscando o atendimento às necessidades mínimas da pessoa humana.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

17
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CESPE/ UNB AUXILIAR ADMINISTRATIVO - DETRAN-PA –
OBS: Uma vez estabelecidos os direitos humanos, não se admite o
38) Os direitos e garantias fundamentais do cidadão estão consagrados no texto constitucional. retrocesso visando a sua limitação e diminuição.
A Constituição Federal de 1988 os subdividiu em direitos individuais e coletivos, direitos sociais,
de nacionalidade, direitos políticos e de partidos políticos. Eles são também classificados em
direitos fundamentais de primeira, segunda e terceira geração, conforme a ordem histórica
cronológica de sua consagração constitucional. Observando as normas, a classificação e a
natureza jurídica dos direitos e garantias fundamentais consagradas na Constituição Federal,
assinale a opção correta.
A) O direito a meio ambiente equilibrado está incluído entre os direitos sociais e é classificado
como direito fundamental de segunda geração.
B) Os direitos civis e políticos são classificados como direitos fundamentais de primeira
geração.
C) A Constituição Federal consagrou o princípio da igualdade entre os direitos e garantias
fundamentais, assim, a proibição de acesso a determinada carreira pública, em razão da idade
do candidato, é inconstitucional. Portanto, não pode um edital de concurso público delimitar a
idade mínima de 18 anos de idade para um cargo, uma vez que é possível que um jovem seja
emancipado aos 16 anos de idade, adquirindo, então, a capacidade civil.
D) A Constituição Federal garante a liberdade de pensamento, impedindo a censura prévia em
diversões e espetáculos públicos. Nesse contexto, é inconstitucional impedir o acesso de um
jovem a casa noturna de espetáculos que venda bebida alcoólica em razão de ele ter menos de
18 anos de idade e estar desacompanhado dos pais ou do responsável.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CESPE - 2009 - PC-RN - Delegado de Polícia

39) De acordo com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, assinale a


opção incorreta. VUNESP DEFENSOR PÚBLICO DPE MS 2008
a) Os processados devem ficar separados dos condenados, salvo em circunstâncias
excepcionais, e submetem-se a tratamento adequado à sua condição de pessoas não- 40) O Pacto de San José da Costa Rica garante direitos políticos e
condenadas. oportunidades de participação política ao cidadão. Segundo esse
b) Toda pessoa detida ou retida deve ser conduzida, sem demora, à presença de um juiz instrumento jurídico, o exercício de tais direitos e oportunidades poderá
ou de outra autoridade autorizada pela lei a exercer funções judiciais e tem direito a ser
ser regulado pela lei, exceto por motivo de
julgada dentro de prazo razoável ou a ser posta em liberdade, sem prejuízo de que
prossiga o processo. A sua liberdade pode ser condicionada a garantias que asseverem o
seu comparecimento em juízo. a) instrução.
c) A liberdade de manifestar a própria religião e as próprias crenças está sujeita tão-
somente às limitações prescritas pela lei, e que sejam necessárias para proteger a
segurança, a ordem, a saúde ou a moral públicas ou os direitos ou as liberdades das
b) residência.
demais pessoas.
d) Toda pessoa atingida por informações inexatas ou ofensivas emitidas em seu prejuízo c) idioma.
por meios de difusão legalmente regulamentados e que se dirijam ao público em geral
tem direito a fazer, pelo mesmo órgão de difusão, sua retificação ou sua resposta, nas d) capacidade intelectual.
condições estabelecidas pela lei.
e) Constituem trabalhos forçados os trabalhos ou os serviços normalmente exigidos de
pessoa reclusa para cumprimento de sentença. 5 4

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

18
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

CESPE - 2009 - DPE-PI - Defensor Público

41) A Convenção Americana de Direitos Humanos de 1969 (Pacto de


San José da Costa Rica) DECLARAÇÃO
a) reproduziu a maior parte das declarações de direitos constantes do UNIVERSAL DOS
Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais.
b) foi adotada sem ressalvas pelo Brasil desde o seu início.
DIREITOS DO
c) proíbe o restabelecimento da pena capital nos países que a tenham HOMEM
abolido.
d) não tratou do direito ao nome. 1948
e) indica a possibilidade de asilo no caso do cometimento de crimes
comuns não vinculados à atividade política.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO FEDERAL – MJ – 2005

PREÂMBULO DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS


CONSIDERANDO que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da
família humana e seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da
justiça e da paz no mundo, CONSIDERANDO que o desprezo e o desrespeito pelos
direitos do homem resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da Tendo esses dois textos como referência inicial e considerando
Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos gozem de aspectos conceituais e práticos relativos ao tema dos direitos humanos,
liberdade da palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da julgue os próximos itens.
necessidade foi proclamado como a mais alta inspiração do homem, CONSIDERANDO
ser essencial que os direitos do homem sejam protegidos pelo império da lei, para que o
homem não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra a tirania e a opressão 42) A Declaração Universal dos Direitos Humanos parte do pressuposto
(...). de que todos os seres humanos, sem exceção, nascem livres e iguais
em dignidade e direitos.
PREÂMBULO DA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte
para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos 43) Quando se trata de liberdade, em suas mais diversas
sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem- estar, o desenvolvimento, a manifestações, os dois textos se contradizem, já que em apenas um —
igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem a Constituição brasileira — diz-se claramente ser a liberdade a base
preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e
internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de
dos direitos sociais e individuais.
Deus, a seguinte Constituição da República Federativa do Brasil.
1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

19
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO FEDERAL – MJ – 2005

PREÂMBULO DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS


CONSIDERANDO que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da
família humana e seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da
justiça e da paz no mundo, CONSIDERANDO que o desprezo e o desrespeito pelos
direitos do homem resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da
Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos gozem de
liberdade da palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da 44) Pelos princípios que os embasam, é possível inferir que ambos os
necessidade foi proclamado como a mais alta inspiração do homem, CONSIDERANDO documentos impelem ao combate a todas as formas de preconceito e
ser essencial que os direitos do homem sejam protegidos pelo império da lei, para que o
homem não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra a tirania e a opressão discriminação por motivo de raça, sexo, religião, cultura, condição
(...). econômica, aparência ou condição física.

PREÂMBULO DA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA 45) As bases filosóficas de ambos os documentos sugerem que são
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte
para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos condenáveis quaisquer formas de tortura e tratamento ou castigo cruel,
sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem- estar, o desenvolvimento, a desumano ou degradante
igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem
preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e
internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de
Deus, a seguinte Constituição da República Federativa do Brasil.
2
1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO FEDERAL – MJ – 2005

PREÂMBULO DA DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS


CONSIDERANDO que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da
família humana e seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da
justiça e da paz no mundo, CONSIDERANDO que o desprezo e o desrespeito pelos
direitos do homem resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da
Humanidade e que o advento de um mundo em que os seres humanos gozem de
liberdade da palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO FEDERAL – MJ – 2005
necessidade foi proclamado como a mais alta inspiração do homem, CONSIDERANDO
ser essencial que os direitos do homem sejam protegidos pelo império da lei, para que o 46) A afirmação de que os homens têm direito à liberdade de viver “a salvo do
homem não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra a tirania e a opressão temor e da necessidade”,contida na Declaração Universal dos Direitos
(...). Humanos, sugere que o respeito à dignidade humana pressupõe, entre outras
condições, o atendimento às demandas materiais básicas e às relativas a
PREÂMBULO DA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA
Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte proteção e segurança.
para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos
sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem- estar, o desenvolvimento, a
igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem
preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e
internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de
Deus, a seguinte Constituição da República Federativa do Brasil.
1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

20
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Artigo I - Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de Artigo II
razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade. 1. Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos
nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, idioma,
religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza,
nascimento, ou qualquer outra condição.
PRINCÍPIO DA LIBERDADE 2. Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição política, jurídica ou
internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate de um território
CONSTITUIÇÃO FEDERAL independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a qualquer outra limitação de
PRINCÍPIO DA IGUALDADE ARTIGOS CONEXOS:
soberania.
ART. 5 I, VI, IX, XIII, XV, XVII, XLI,

PRINCÍPIO DA FRATERNIDADE REFORÇO DO PRINCÍPIO DA IGUALDADE


PROIBIÇÃO DE DISCRIMINAÇÃO NEGATIVA

Em relação a condição da pessoa;

Em relação ao país ou território a que pertença a pessoa.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO

47) Assinale a alternativa incorreta.

A) Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos; Artigo III - Todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

 Abrange todas as formas de vida, inclusive a uterina.


B) Todos os homens são dotados de razão e consciência e devem agir
em relação uns aos outros com espírito de fraternidade;  O direito à vida é o mais fundamental de todos os direitos sendo pré requisito para
a existência dos demais direitos.
C) Todo ser humano tem capacidade para gozar os direitos e as  O direito à vida deve ser interpretado em duplo sentido, ou seja, respeito à
liberdades estabelecidos na DUDH, sem distinção de qualquer integridade física (direito de continuar vivo) e integridade moral (direito de ter uma
natureza ou qualquer outra condição; vida digna).
 A proteção à vida, alcança o modo de vida das pessoas
D) Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição
política, jurídica ou internacional quando o país ou território a que Obs: Em decorrência do Princípio da Prevalência dos Direitos Humanos, a CF
pertença uma pessoa tiver governo próprio. protege a vida de brasileiros e estrangeiros que se encontram dentro ou fora do
território brasileiro.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

21
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

ESAF - ANALISTA JUDICIÁRIO - ÁREA JUDICIÁRIA – TRT - 9ª


REGIÃO
CESPE/UNB – PROMOTOR DE JUSTIÇA MPR RO 2008
48) O art. 5º, caput, da Constituição assegura aos brasileiros e
49) Após as conseqüências devastadoras da Segunda Guerra Mundial, os países
estrangeiros residentes no País a inviolabilidade, entre outros, do
resolveram criar uma organização multi e supranacional para regular as relações
direito à vida, à liberdade e à segurança. Quanto aos estrangeiros entre os povos. Nesse marco, surgiu, em 1945, a Carta das Nações, cujos
residentes fora do País, encontram-se eles: fundamentos visavam, essencialmente, à manutenção da paz internacional, que
incluía a proteção da integridade territorial dos Estados frente à agressão e à
a) protegidos apenas pelas leis de seus países, nada podendo intervenção externa; ao fomento entre as nações de relações de amizade, levando
em conta os princípios de igualdade, soberania e livre determinação dos povos; e à
reclamar quanto a eventuais violações aqui ocorridas;
realização de cooperação internacional para solução de problemas internacionais de
b) protegidos somente na hipótese de haver acordo bilateral neste caráter econômico, social, cultural e humanitário, incluindo o respeito aos direitos
sentido; humanos e às liberdades fundamentais, sem fazer distinção por motivos de raça,
c) protegidos somente se provarem que em seu país a Constituição sexo, idioma ou religião. A Carta das Nações deu origem à ONU, que, posteriormente,
garante a inviolabilidade de tais direitos; criou uma carta de direitos - a Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) -
d) protegidos porque, nas relações internacionais, o Brasil deve adotada e proclamada pela Resolução 217-A (III) da Assembléia Geral das Nações
Unidas, em 10 de dezembro de 1948.
observar o princípio da prevalência dos direitos humanos;
e) sem qualquer proteção. 4

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CESPE/UNB – PROMOTOR DE JUSTIÇA MPE RO 2008


Artigo IV - Ninguém será mantido em escravidão ou servidão; a escravidão e o tráfico de
Acerca dos direitos fundamentais previstos no documento mencionado no texto escravos serão proibidos em todas as suas formas.
acima, assinale a opção incorreta.
 O art. 2º da Convenção nº. 29 da Organização Internacional do
a) A DUDH surgiu para atender ao clamor de toda a humanidade e buscou realçar Trabalho – OIT, de 1930, estabelece que o trabalho forçado ou
obrigatório seria aquele trabalho praticado sob ameaça de sanção
alguns princípios básicos fundamentais para a compreensão da dignidade e para o qual não se tenha oferecido espontaneamente, ou seja,
humana, entre eles, a liberdade e a igualdade. não-voluntário.
b) A DUDH protege o genoma humano como unidade fundamental de todos os  O art. 149 do Código Penal proíbe alguém a redução à
membros da espécie humana e também reconhece como inerentes sua dignidade condição análoga à de escravo.
e sua diversidade. Em um sentido simbólico, a DUDH reconhece o genoma como Redução a condição análoga à de escravo
a herança da humanidade. Art. 149. Reduzir alguém a condição análoga à de escravo, quer
submetendo-o a trabalhos forçados ou a jornada exaustiva, quer
c) A DUDH afirma que o desrespeito aos direitos humanos é causa da barbárie. sujeitando-o a condições degradantes de trabalho, quer restringindo, por
d) A DUDH assegura o direito de resistência. qualquer meio, sua locomoção em razão de dívida contraída com o
empregador ou preposto:
e) A DUDH assegura o direito de resistência. E A DUDH correlaciona o Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa, além da pena correspondente
estabelecimento de uma compreensão comum dos direitos humanos com o seu à violência.
pleno cumprimento.
2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

22
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Artigo V - Ninguém será submetido à tortura nem a tratamento ou castigo cruel, desumano
ou degradante. CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS - ES – 2008

LEI 9455/97 Acerca dos princípios preceituados na Declaração Universal dos


Art. 1º Constitui crime de tortura:
I - constranger alguém com emprego de violência ou grave ameaça, causando-lhe
Direitos Humanos e na previsão constitucional correlata, julgue os
sofrimento físico ou mental: seguintes itens.
a) com o fim de obter informação, declaração ou confissão da vítima ou de terceira pessoa;
b) para provocar ação ou omissão de natureza criminosa; 50) Na Declaração Universal dos Direitos da Pessoa Humana, publicada pela
c) em razão de discriminação racial ou religiosa;
ONU, dispõe-se que as punições não podem ser constituídas por tratamento
II - submeter alguém, sob sua guarda, poder ou autoridade, com emprego de violência ou
grave ameaça, a intenso sofrimento físico ou mental, como forma de aplicar castigo ou castigo cruel, desumano ou degradante.
pessoal ou medida de caráter preventivo.
Pena - reclusão, de dois a oito anos.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA Artigo VI - Todo ser humano tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como
PREVIDÊNCIA – SEAP – PARANÁ - 2004 pessoa perante a lei.

*****) “Ninguém será submetido a tortura, nem a tratamento ou


castigo cruel, desumano ou degradante”. Esse é um artigo de que Reforço do Princípio
texto legal? da Isonomia ou
Igualdade
a) Declaração Universal dos Direitos Humanos.
b) Constituição da República Federativa do Brasil. Todo ser dotado de
c) Lei n° 9.455, de 07 de abril de 1997. vida é indivíduo
d) Lei de Execuções Penais.
e) Constituição do Estado do Paraná.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

23
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO

51) Conforme disposto na DUDH, assinale a alternativa incorreta.

Artigo VII - Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual A) Ninguém será mantido em escravidão ou servidão;;
proteção da lei. Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a
presente Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação.
B) a escravidão e o tráfico de escravos serão proibidos em todas as
suas formas;

C) Ninguém será submetido à tortura nem a tratamento ou castigo


cruel, desumano ou degradante;

D) Todo ser humano tem o direito de ser, em todos os lugares,


reconhecido como pessoa perante a lei;

E) Todos têm direito a igual proteção contra algumas formas


incitamento a discriminação.
5

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

FUNRIO – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS – RO – 2008


Artigo VIII - Todo ser humano tem direito a receber dos tribunais nacionais competentes 52) A Assembléia Geral proclamou a Declaração Universal dos Direitos
remédio efetivo para os atos que violem os direitos fundamentais que lhe sejam Humanos como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e
reconhecidos pela constituição ou pela lei.
todas as nações, com o objetivo de que cada indivíduo e cada órgão da
HABEAS CORPUS sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforcem,
através do ensino e da educação, por promover o respeito a esses
HABEAS DATA direitos e liberdades, e, pela adoção de medidas progressivas de
caráter nacional e internacional, por assegurar o seu reconhecimento e
MANDADO DE SEGURANÇA a sua observância universal e efetiva, tanto entre os povos dos próprios
Estados-Membros, quanto entre os povos dos territórios sob sua
MANDADO DE INJUNÇÃO jurisdição. Assim, conforme proclamou a Declaração Universal dos
Direitos Humanos, todo ser humano:
AÇÃO POPULAR

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

24
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Assim, conforme proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, Assim, conforme proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos,
todo ser humano: todo ser humano:
a) Tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta a) Tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta
Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo,
idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou
social, riqueza, nascimento, com algumas restrições. social, riqueza, nascimento, com algumas restrições.
b) Poderá fazer distinção fundada na condição política, jurídica ou b) Poderá
Artigo II. fazer distinção fundada na condição política, jurídica ou
internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate
de um território independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a 1. Todo
de um ser humano
território temsob
independente, capacidade para gozar
tutela, sem governo osquer
próprio, direitos
sujeito e
a
qualquer outra limitação de soberania. as liberdades estabelecidos
qualquer outra limitação de soberania.nesta Declaração, sem distinção
c) Tem direito à vida, à liberdade, podendo esta ser restringida, e à segurança deTem
c) qualquer
direito à espécie, seja de
vida, à liberdade, raça,esta
podendo cor,sersexo, idioma,
restringida, religião,
e à segurança
pessoal a critério da administração pública através da polícia militar, civil e pessoal
opiniãoa política
critério da ou
administração
de outrapública atravésorigem
natureza, da polícianacional
militar, civilou
e
federal. federal.
social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.
d) Tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como pessoa d) Tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como pessoa
perante a lei, salvo nos casos previstos em lei específica. perante a lei, salvo nos casos previstos em lei específica.
e) Tem direito a receber dos tribunais nacionais competentes remédio efetivo
para os atos que violem os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos
pela constituição ou pela lei. 5 5

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Assim, conforme proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, Assim, conforme proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos,
todo ser humano: todo ser humano:
a) Tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta a) Tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta
Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo,
idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou
social, riqueza, nascimento, com algumas restrições. social, riqueza, nascimento, com algumas restrições.
b) Poderá fazer distinção fundada na condição política, jurídica ou b) Poderá fazer distinção fundada na condição política, jurídica ou
internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate
de um território independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a de um território independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a
qualquer outra limitação de soberania. qualquer outra limitação de soberania.
Artigo II. c) Tem direito à vida, à liberdade, podendo esta ser restringida, e à segurança
2. Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição pessoal a critério da administração pública através da polícia militar, civil e
política, jurídica ou internacional do país ou território a que pertença federal.
uma pessoa, quer se trate de um território independente, sob tutela, Artigo III.
sem governo próprio, quer sujeito a qualquer outra limitação de
Todo ser humano tem direito à vida, à liberdade e à
soberania.
segurança pessoal.
5 5

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

25
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Assim, conforme proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos, Assim, conforme proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos,
todo ser humano: todo ser humano:
a) Tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta
Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo,
idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou
social, riqueza, nascimento, com algumas restrições.
b) Poderá fazer distinção fundada na condição política, jurídica ou
internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate
de um território independente, sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a
qualquer outra limitação de soberania.
c) Tem direito à vida, à liberdade, podendo esta ser restringida, e à segurança Artigo VIII.
pessoal a critério da administração pública através da polícia militar, civil e Todo ser humano tem direito a receber dos tribunais nacionais
federal. competentes remédio efetivo para os atos que violem os direitos
d) Tem o direito de ser, em todos os lugares, reconhecido como pessoa fundamentais que lhe sejam reconhecidos pela constituição ou pela lei.
perante a lei, salvo nos casos previstos em lei específica.
Artigo
e) VI.
Tem direito a receber dos tribunais nacionais competentes remédio efetivo e) Tem direito a receber dos tribunais nacionais competentes remédio efetivo
para
Todoosser
atos humano
que violemtemos direitos fundamentais
o direito de ser, que
emlhetodos
sejam reconhecidos
os lugares, para os atos que violem os direitos fundamentais que lhe sejam reconhecidos
pela constituição
reconhecido comoou pela lei. perante a lei.
pessoa 5 pela constituição ou pela lei. 5

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


COPS – AGENTE PENITENCIÁRIO FEMININO – SEAP/PR - 2007

53) O art. 9º da Declaração Universal dos Direitos do Homem preceitua que


ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado. Essa norma está
prevista no art. 5º da Constituição Federal Brasileira, com a seguinte
Artigo IX - Ninguém será arbitrariamente preso, detido ou exilado.
redação:
CF/88: art. 5o, LXI - ninguém será preso
senão em flagrante delito ou por ordem a) Ninguém será levado à prisão ou nela mantido, quando a lei admitir a liberdade
escrita e fundamentada de autoridade provisória, com ou sem fiança.
judiciária competente, salvo nos casos de b) Não haverá prisão civil por dívida, salvo a do responsável pelo inadimplemento
transgressão militar ou crime propriamente voluntário e inescusável de obrigação alimentícia e a do depositário infiel.
militar, definidos em lei;
c) O preso tem direito à identificação dos responsáveis por sua prisão ou por seu
Flagrante Delito
interrogatório policial.
d) A prisão de qualquer pessoa e o local onde se encontre serão comunicados
Ordem Judicial (DIA)
Prisões imediatamente ao juiz competente e à família do preso ou à pessoa por ele
CF Transgressão Militar indicada.
Código Penal Militar e) Ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e
fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de
transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

26
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Artigo X - Toda pessoa tem direito, em plena igualdade, a uma audiência justa e pública por
parte de um tribunal independente e imparcial, para decidir de seus direitos e deveres ou do
fundamento de qualquer acusação criminal contra ele.
CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS - ES – 2008
 O direito de uma pessoa ser ouvida por um
54) A CF, ao proclamar o respeito à integridade física e moral dos tribunal deve ser exercido pessoalmente.
presos, consagra conservação de todos os direitos fundamentais
 A publicidade é fator de transparência sem a
reconhecidos à pessoa livre, com exceção, obviamente, dos qual não há democracia.
incompatíveis com a condição peculiar de preso.
 O juiz, ao julgar, não pode estar sujeito a
pressões ou ameaças, sejam externas ou dos
outros poderes do Estado, sejam de outros
membros do próprio Judiciário. O ato de julgar é
um momento de liberdade.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Artigo XI
1. Todo ser humano acusado de um ato delituoso tem o direito de ser presumido inocente até
que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo com a lei, em julgamento público no qual
lhe tenham sido asseguradas todas as garantias necessárias à sua defesa.
ARTIGOS CONEXOS
2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no momento, não
CF/88 - art. 5o, LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens constituíam delito perante o direito nacional ou internacional. Também não será imposta pena
mais forte do que aquela que, no momento da prática, era aplicável ao ato delituoso.
sem o devido processo legal;
CF/88 - art. 5o, XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção;
CF/88 - art. 5o, LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela
PRINCÍPIO DA PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA
autoridade competente;
CF/88 - art. 5o, XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, nem PRINCÍPIO DO CONTRADITÓRIO/AMPLA DEFESA
pena sem prévia cominação legal
PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE DA LEI PENAL
CF/88 - art. 5o, XL - a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu;
PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DA LEI PENAL

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

27
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS - ES – 2008


COPS – AGENTE PENITENCIÁRIO FEMININO – SEAP/PR - 2007
55) A consagração do princípio da presunção de inocência estabelece que ninguém deve ser
considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Assim, o 57) O art. 11 da Declaração Universal dos Direitos do Homem contém
acusado em processo criminal, desde que primário e com bons antecedentes, não poderá ser duas disposições, com a seguinte redação:
submetido a qualquer tipo de prisão cautelar antes de sentença condenatória definitiva.

CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS - ES – 2008


“1. Todo ser humano acusado de um ato delituoso tem o direito de ser
presumido inocente até que a sua culpabilidade tenha sido provada de acordo
56) Nenhuma pena passará da pessoa do condenado, podendo a obrigação de reparar o dano com a lei, em julgamento público no qual lhe tenham sido asseguradas todas
e a decretação do perdimento de bens ser, nos termos da lei, estendidas aos sucessores e as garantias necessárias à sua defesa.
contra eles executadas, até o limite do valor do patrimônio transferido em virtude da herança.
2. Ninguém poderá ser culpado por qualquer ação ou omissão que, no
momento, não constituam delito perante o direito nacional ou internacional.
Também não será imposta pena mais forte do que aquela que, no momento
da prática, era aplicável ao ato delituoso”.
2
1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


Estas disposições estão contempladas no art. 5º da Constituição Federal
Brasileira, respectivamente, com a seguinte redação:

I. Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença pena


condenatória; aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos
acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os Artigo XII Ninguém será sujeito à interferência em sua vida privada, em sua família, em seu
lar ou em sua correspondência, nem a ataque à sua honra e reputação. Todo ser humano
meios e recursos a ela inerentes. tem direito à proteção da lei contra tais interferências ou ataques.
II. A lei punirá qualquer discriminação atentatória dos direitos e liberdades
fundamentais; ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de
sentença pena condenatória. Inciso X do artigo 5º da CFB/1988: “são invioláveis
III. A lei não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico perfeito e a coisa a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem
julgada; não haverá juízo ou tribunal de exceção. das pessoas.”
IV. Não há crime sem lei anterior que o defina, nem pena sem prévia cominação
Dever do Estado, no âmbito de seu Poder
legal; a lei penal não retroagirá, salvo para beneficiar o réu.
jurisdicional.

Assinale a alternativa que contém todas as afirmativas corretas: Proteção: na forma da lei.
a) I e III.
b) I e IV.
c) II e IV.
d) I, II e III.
e) II, III e IV. 2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

28
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Artigo XIII
Segundo Alexandre de Moraes, “a liberdade de locomoção engloba quatro situações:
1. Todo ser humano tem direito à liberdade de locomoção e residência dentro das fronteiras
de cada Estado.
2. Todo ser humano tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e a este direito de acesso e ingresso no território nacional;
regressar.
direito de saída do território nacional;

direito de permanência no território nacional;


Inciso XV do artigo 5º da CFB/1988: “É
livre a locomoção no território nacional direito de deslocamento dentro do território nacional”.
em tempo de paz, podendo qualquer
pessoa, nos termos da lei, nele entrar,
Segue dizendo que “a destinação constitucional do direito à livre locomoção abrange
permanecer ou dele sair com seus
tanto os brasileiros quanto os estrangeiros, sejam ou não residentes no território
bens;”
nacional...”

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


FUNRIO – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS – RO – 2008

58) A Constituição Federal, em seu título II, capítulo I, prevê os Direitos e Garantias
Fundamentais e os direitos e deveres individuais e coletivos e, assim como a
Declaração Universal dos Direitos Humanos, são enumerados os direitos que todos Artigo XIV
os seres humanos possuem, EXCETO: 1. Todo ser humano, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e de gozar asilo em outros
países.
2. Este direito não pode ser invocado em caso de perseguição legitimamente motivada por
a) Todos são iguais perante a lei e têm direito, sem qualquer distinção, a igual proteção da crimes de direito comum ou por atos contrários aos objetivos e princípios das Nações Unidas.
lei.
b) Todos têm direito a igual proteção contra qualquer discriminação que viole a presente
Declaração e contra qualquer incitamento a tal discriminação. Artigo Conexo:
CF/88: Art. 4º - A República Federativa do Brasil rege-se nas suas
c) Ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal. relações internacionais pelos seguintes princípios: X - concessão de
asilo político.
d) Todo ser humano tem direito à liberdade de locomoção e residência dentro das
Diversos são os motivos para a concessão do asilo político, tais
fronteiras de cada Estado, mas não tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o como:
próprio, e a este regressar. •dissidência política;
e) Conceder-se-á "habeas-corpus" sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado de •livre manifestação de pensamento;
•crimes relacionados com a segurança do Estado, que não
sofrer violência ou coação em sua liberdade de locomoção, por ilegalidade ou abuso de CESARE BATTISTI configurem delitos no direito
poder. •penal comum.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

29
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

FUNRIO – AGENTE PENITENCIÁRIO – DEPEN– 2009 FUNRIO – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS – RO – 2008

59) A Declaração Universal dos Direitos Humanos adotada e proclamada pela 60) A Declaração Universal dos Direitos Humanos preconiza em seu art.
Resolução 217-A (III) – da Assembléia Geral das Nações Unidas, em 10 de XIII que todo ser humano tem direito à liberdade de locomoção e
dezembro de 1948, demonstra em seu item XIII que todo ser humano tem direito residência dentro das fronteiras de cada Estado e que todo ser humano
à liberdade de locomoção e residência dentro das fronteiras de cada Estado e tem o direito de deixar qualquer país, inclusive o próprio, e a este
que todo ser humano tem o direito de deixar qualquer país, inclusiveopróprio, e a regressar. Quanto ao asilo político previsto nesta declaração é correto
este regressar. Em relação ao asilo político previsto nessa Declaração, é correto afirmar que:
afirmar que
A) Deverá promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo,
A) O direito ao asilo político poderá ser invocado mesmo em caso de perseguição
cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.
legitimamente motivada por crimes de direito comum ou por atos contrários aos B) Todo ser humano, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e de
objetivos e princípios das Nações Unidas.
gozar asilo em outros países.
B) o direito de asilo político poderá ser invocado mesmo em caso de perseguição
C) Este direito poderá ser invocado mesmo em caso de perseguição
legitimamente provocada por crimes de direito comum.
C) rege-se pelo princípio da autodeterminação dos povos. legitimamente motivada por crimes de direito comum ou por atos contrários
D) o direito de asilo político poderá ser invocado mesmo por atos contrários aos aos objetivos e princípios das Nações Unidas.
objetivos e princípios das nações unidas. D) Rege-se pelo princípio da autodeterminação dos povos.
E) todo ser humano, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e de gozar E) Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em
asilo em outros países. virtude de lei
5 2

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CTSP/PM – SOLDADO – PM/MG - 2008

61) Conforme prevê a Declaração Universal dos Direitos do Artigo XV


Homem, o direito de asilo em outros países: 1.Todo homem tem direito a uma nacionalidade.
2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem do direito de mudar de
nacionalidade.
(A) é assegurado a todo homem, vítima de perseguição legítima.
Diz o §4º do art. 12 da Constituição Federal:
(B) pode ser invocado por autor de atos contrários aos objetivos e “Será declarada a perda da nacionalidade do brasileiro que:
I - tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em
princípios das Nações Unidas.
virtude de atividade nociva ao interesse nacional;
II - adquirir outra nacionalidade, salvo no casos:
(C) pode ser invocado em casos de perseguição legitimamente a) de reconhecimento de nacionalidade originária pela lei
estrangeira;
motivada por crimes de direito comum.
b) de imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao
brasileiro residente em estado estrangeiro, como condição para
(D) todo o homem, vítima de perseguição, tem o direito de procurar e permanência em seu território ou para o exercício de direitos
civis”.
de gozar asilo em outros países.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

30
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Artigo XVI
1. Os homens e mulheres de maior idade, sem qualquer restrição de raça,
nacionalidade ou religião, têm o direito de contrair matrimônio e fundar uma família.
Gozam de iguais direitos em relação ao casamento, sua duração e sua dissolução. Artigo XVII
1. Toda pessoa tem direito à propriedade, só ou em sociedade com outros.
2. O casamento não será válido senão com o livre e pleno consentimento dos 2. Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.
nubentes.
 O direito de propriedade de forma
genérica refere-se à propriedade material
CF/ 88 - Art. 226. A família, base da sociedade, tem especial proteção do Estado. (ex: imóvel, veículo, roupa) e imaterial (ex:
§ 1º - O casamento é civil e gratuita a celebração. imagem, marca, símbolo, invenção, criação
§ 2º - O casamento religioso tem efeito civil, nos termos da lei. industrial) e beneficia tanto os brasileiros
§ 3º - Para efeito da proteção do Estado, é reconhecida a união estável entre o quanto os estrangeiros, pessoas físicas e
jurídicas.
homem e a mulher como entidade familiar, devendo a lei facilitar sua conversão em
casamento.
§ 4º - Entende-se, também, como entidade familiar a comunidade formada por  Direito de Propriedade: O direito à
qualquer dos pais e seus descendentes. propriedade encontra-se do inciso XXII ao
§ 5º - Os direitos e deveres referentes à sociedade conjugal são exercidos XXIX do art 5º da CF/88.
igualmente pelo homem e pela mulher.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO

62) Assinale a alternativa incorreta.

A) A DUDH não admite a condição de apátrida;

B) Ninguém será arbitrariamente privado de sua nacionalidade, nem CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS - ES – 2008
do direito de mudar de nacionalidade;
63) O direito à propriedade material ou imaterial é restringido
C) Os homens e mulheres de qualquer idade gozam de iguais direitos absolutamente ao preso, visto que ele não poderá, mesmo que
em relação ao casamento, sua duração e sua dissolução; temporariamente, exercer alguns direitos relativos a proprietários.

D) O casamento não será válido senão com o livre e pleno


consentimento dos nubentes;

E) Ninguém será arbitrariamente privado de sua propriedade.

3 2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

31
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Artigo XVIII - Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; Artigos Conexos:
este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar
essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou
coletivamente, em público ou em particular.
CF/88: art. 5o, IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;
CF/88: art. 5o, V - é assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além
da indenização por dano material, moral ou à imagem;
CF/88: art. 5o, VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo
assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a
proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
CF/88: art. 5o, VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência
religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva;
CF/88: art. 5o, VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa
ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação
legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


FUNRIO – DEPEN 2009 – AGENTE PENITENCIÁRIO

64) Os Direitos Humanos também estão inseridos na Constituição da CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS - ES – 2008
Republica Federativa do Brasil de 1988, em seus artigos 5º ao 15. Com
relação aos Direitos Humanos, é correto afirmar que De acordo com os dispositivos constitucionais referentes aos
direitos humanos e às regras mínimas estabelecidas pela ONU
A) ninguém será submetido a tortura nem a tratamento desumano ou
acerca do tratamento dos presos, assinale os próximos itens.
degradante.
B) é inviolável a liberdade de consciênciae de crença, sendo restringido 65) Considere que o diretor de determinado estabelecimento prisional,
o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a ao assumir o cargo, expediu regulamento de natureza interna,
proteção aos locais de culto e a suas liturgias. proibindo os cultos religiosos e a posse de livros de instrução religiosa.
C) são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das Em relação à proibição imposta, é correto afirmar que ela não atenta
pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou contra nenhuma regra ou preceito constitucional, considerando-se o
moral decorrente de sua inviolação. caráter laico do Estado brasileiro.
D) a lei punirá algumas discriminações tipificadas por ela atentatória,
ou não, dos direitos e liberdades fundamentais.
E) a prática do racismo constitui crime inafiançável e prescritível,
sujeito à pena de reclusão, nos termos da lei. 1 2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

32
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

CESPE/UNB – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS - ES – 2008


Artigo XIX - Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui
a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir
66) Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito
informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.
inclui:

Artigos Conexos: a) liberdade de, com algumas interferências, ter opiniões;


CF/88: art. 5o, IX - é livre a expressão da
atividade intelectual, artística, científica e de
b) liberdade de apenas procurar, receber e transmitir informações;
comunicação, independentemente de censura ou
licença; c) liberdade de apenas procurar, receber e transmitir informações idéias por
quaisquer meios e independentemente de fronteiras.
CF/88: art. 5o, VI - é inviolável a liberdade de
consciência e de crença, sendo assegurado o
livre exercício dos cultos religiosos e garantida, d) A liberdade de opinião e expressão a liberdade de, sem interferência, ter
na forma da lei, a proteção aos locais de culto e opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por
a suas liturgias;
quaisquer meios e independentemente de fronteiras.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Artigo XX Artigo XXI


1. Todo o homem tem direito à liberdade de reunião e associação pacíficas. 1. Todo ser humano tem o direito de fazer parte no governo de seu país diretamente ou por
2. Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação. intermédio de representantes livremente escolhidos.
2. Todo ser humano tem igual direito de acesso ao serviço público do seu país.
3. A vontade do povo será a base da autoridade do governo; esta vontade será expressa em
eleições periódicas e legítimas, por sufrágio universal, por voto secreto ou processo
equivalente que assegure a liberdade de voto.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

33
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO

67) Com relação aos Direitos Humanos, é correto afirmar que

A) Todo o homem tem direito à liberdade de reunião e associação Artigo XXII


1. Todo o homem, como membro da sociedade, tem direito à segurança social e à
pacíficas, com algumas exceções; realização, pelo esforço nacional, pela cooperação internacional e de acordo com a
B) Ninguém pode ser obrigado a fazer parte de uma associação, salvo organização e recursos de cada Estado, dos direitos econômicos, sociais e culturais
indispensáveis à sua dignidade e ao livre desenvolvimento de sua personalidade.
em tempo de guerra;
C) Todo ser humano tem o direito de fazer parte no governo de seu
país por intermédio de representantes livremente escolhidos.
D) Poucos são aqueles que têm igual direito de acesso ao serviço
público do seu país
E) A vontade do povo será a base da autoridade do governo; esta
vontade será expressa em eleições periódicas e legítimas, por
sufrágio restrito, por voto secreto ou processo equivalente que
assegure a liberdade de voto.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO

68) Assinale a alternativa incorreta.

Com relação aos Direitos Humanos, todo o homem, como membro da Artigo XXIII
1. Todo ser humano tem direito ao trabalho, à
sociedade, tem direito à: livre escolha de emprego, a condições justas e
favoráveis de trabalho e à proteção contra o
A) segurança social; desemprego.
2. Todo ser humano, sem qualquer distinção,
tem direito a igual remuneração por igual
B) e à realização dos direitos econômicos, sociais e culturais; trabalho.
3. Todo ser humano que trabalha tem direito a
uma remuneração justa e satisfatória, que lhe
C) Todo o homem, como membro da sociedade, tem direito à segurança assegure, assim como à sua família, uma
social e à realização, pelo esforço nacional, pela cooperação existência compatível com a dignidade humana
internacional e de acordo com a organização e recursos de cada e a que se acrescentarão, se necessário, outros
meios de proteção social.
Estado, dos direitos econômicos, sociais e culturais; 4. Todo ser humano tem direito a organizar
sindicatos e a neles ingressar para proteção de
seus interesses.
D) Todo o homem, como membro da sociedade, tem direito ao livre
desenvolvimento de sua personalidade, salvo restrições legais;
4

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

34
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO

69) Assinale a alternativa incorreta.

A) Todo ser humano tem direito ao trabalho, à livre escolha de Artigo XXIV - Todo o homem tem direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável
das horas de trabalho e a férias remuneradas periódicas.
emprego;

B) Todo ser humano tem direito a condições justas e favoráveis de


trabalho e à proteção contra o desemprego;

C) Todo ser humano, sem qualquer distinção, tem direito a igual


remuneração por igual trabalho;

D) Todo ser humano que trabalha tem direito a uma remuneração que
lhe assegure, assim como à sua família, uma existência compatível
com a dignidade humana.

E) Todo ser humano tem direito a organizar sindicatos e a neles


ingressar para proteção de seus interesses sendo proibido ao
5
aposentado se candidatar a cargo de suplente.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO
70) Em relação aos direitos dos trabalhadores previstos na DUDH assinale a
alternativa incorreta.
Artigo XXV
A) Todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar-lhe,
1. Todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar-lhe, e a sua
família, saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e os serviços sociais
os serviços sociais indispensáveis, e direito à segurança em caso de desemprego, doença, indispensáveis.
invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de subsistência em B) Todo ser humano tem direito à segurança em caso de desemprego,
circunstâncias fora de seu controle. doença, invalidez, viuvez, velhice ou outros casos de perda dos meios de
2. A maternidade e a infância têm direito a cuidados e assistência especiais. Todas as
crianças, nascidas dentro ou fora do matrimônio gozarão da mesma proteção social. subsistência em circunstâncias fora de seu controle;
C) Todo ser humano tem direito a um padrão de vida capaz de assegurar a
sua família, saúde e bem-estar, inclusive alimentação, vestuário,
habitação, cuidados médicos e os serviços sociais indispensáveis;
D) Para aqueles que trabalham a DUDH garante um padrão de vida capaz
de assegurar-lhe, alimentação, vestuário, habitação, cuidados médicos e
os serviços sociais indispensáveis.
E) Todo o homem tem direito a repouso e lazer, inclusive a limitação razoável
das horas de trabalho e a férias remuneradas periódicas
4

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

35
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
AGENTE PENITENCIÁRIO - 2010
71) A Educação em Direitos Humanos parte de três pontos essenciais:
primeiro, é uma educação de natureza permanente, continuada e
global. Segundo, é uma educação necessariamente voltada para a
mudança, e terceiro, é uma inculcação de valores, para atingir
Artigo XXVI corações e mentes e não apenas instrução, meramente transmissora
1. Todo ser humano tem direito à instrução. A instrução será gratuita, pelo menos nos graus
elementares e fundamentais. A instrução elementar será obrigatória. A instrução técnico-
de conhecimentos. Em relação ao tema, analise abaixo.
profissional será acessível a todos, bem como a instrução superior, esta baseada no mérito.
2. A instrução será orientada no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade I. Todo ser humano tem direito à instrução.
humana e do fortalecimento do respeito pelos direitos humanos e pelas liberdades
fundamentais. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade entre todas
as nações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará as atividades das Nações Unidas em II. A instrução será gratuita, apenas nos graus elementares e
prol da manutenção da paz. fundamentais.
3. Os pais têm prioridade de direito na escolha do gênero de instrução que será ministrada a
seus filhos.
III. A instrução elementar será obrigatória.

IV. A instrução técnico-profissional será acessível a todos, bem como a


instrução superior, esta baseada no mérito.
1,3,4

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

V. Os pais têm prioridade de direito na escolha do gênero de instrução


que será ministrada a seus filhos.
Artigo XXVII
VI. A instrução promoverá a compreensão, a tolerância e a amizade 1. Todo ser humano tem o direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de
entre todas as nações e grupos raciais ou religiosos, e coadjuvará fruir das artes e de participar do progresso científico e de seus benefícios.
2. Todo ser humano tem direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de
as atividades das Nações Unidas em prol da manutenção da paz. qualquer produção científica literária ou artística da qual seja autor.

A quantidade de itens corretos é:

a) 3
b) 6
c) 5
d) 4
e) 1
3

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

36
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
DEGASE - AGENTE PENITENCIÁRIO

72) Acerca dos direitos humanos, analise os itens abaixo.

Artigo XXVIII - Todo ser humano tem direito a uma ordem social e internacional em que os I. Participar livremente da vida cultural da comunidade, de fruir das
direitos e liberdades estabelecidos na presente Declaração possam ser plenamente artes e de participar do progresso científico e de seus benefícios é
realizados. garantia para todos os seres humanos.

II. Todo ser humano tem direito à proteção dos interesses morais e
materiais decorrentes de determinadas produções científicas
literárias ou artísticas da qual seja autor.

III. Todo ser humano tem direito a uma ordem social e internacional em
que os direitos e liberdades estabelecidos na presente Declaração
possam ser plenamente realizados.

IV. Todo ser humano tem direito à proteção dos interesses morais e
materiais decorrentes de qualquer produção científica literária ou
artística da qual seja autor. 1, 3,4

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

A quantidade de itens corretos é:

a) I, II, III, IV Artigo XXIX


1. Todo ser humano tem deveres para com a comunidade, na qual o livre e
b) I, II pleno desenvolvimento de sua personalidade é possível.
c) I, III, IV 2. No exercício de seus direitos e liberdades, todo ser humano estará
sujeito apenas às limitações determinadas pela lei, exclusivamente com o
d) III, IV fim de assegurar o devido reconhecimento e respeito dos direitos e
e) I, II, IV liberdades de outrem e de satisfazer as justas exigências da moral, da
ordem pública e do bem-estar de uma sociedade democrática.
3. Esses direitos e liberdades não podem, em hipótese alguma, ser
exercidos contrariamente aos objetivos e princípios das Nações Unidas.

3
1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

37
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
FCC - DEFENSOR PÚBLICO - 2009

73) Os Direitos Humanos discutem o embate entre o direito da maioria


e o direito das minorias, entre direitos coletivos e direitos individuais.
Artigo XXX Além disso, trata da discriminação racial, dos direitos sexuais e
Nenhuma disposição da presente Declaração pode ser interpretada como o reconhecimento
a qualquer Estado, grupo ou pessoa, do direito de exercer qualquer atividade ou praticar
reprodutivos e da discriminação com base no gênero. Acerca desse
qualquer ato destinado à destruição de quaisquer dos direitos e liberdades aqui tema, analise os itens abaixo.
estabelecidos.
I. Todo ser humano tem deveres para com a comunidade, na qual o
livre e pleno desenvolvimento de sua personalidade é possível.
II. No exercício de seus direitos e liberdades, todo ser humano estará
sujeito apenas às limitações determinadas pela lei.
III. Qualquer ato de destruição dos direitos e liberdades será impedido
pela DUDH.
IV. Os direitos e liberdades não podem, em hipótese alguma, ser
exercidos contrariamente aos objetivos e princípios das Nações
Unidas.

1, 2, 3,4

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

A quantidade de itens corretos é:

1) D 18) C 35) CERTO 52) E 69) E


a) I, II, III, IV 2) B 19) ERRADO 36) C 53) E 70) D
3) A 20) E 37) A 54) CERTO 71) C
b) I, II 4) A 21) A 38) B 55) ERRADO 72) C
5) D 22) E 39) E 56) CERTO 73) A
c) I, III, IV 6) ERRADO 23) ERRADO 40) D 57) B
7) C 24) E 41) C 58) D
d) III, IV 8) A 25) B 42) CERTO 59) E
9) B 26) ERRADO 43) ERRADO 60) B
e) I, II, IV 10) CERTO 27) CERTO 44) CERTO 61) D
11) A 28) CERTO 45) CERTO 62) C
12) CERTO 29) CERTO 46) CERTO 63) ERRADO
13) ERRADO 30) ERRADO 47) D 64) A
14) CERTO 31) ERRADO 48) D 65) ERRADO
15) ERRADO 32) ERRADO 49) B 66) D
16) ERRADO 33) ERRADO 50) CERTO 67) C
17)CERTO 34) CERTO 51) E 68) D
1
1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

38
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Convenção
Americana sobre
Direitos Humanos
(Pacto de San José
da Costa Rica)
1969

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


O SISTEMA INTERNACIONAL DE PROTEÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS SE SISTEMA REGIONAL
DIVIDE EM DOIS ÂMBITOS DE APLICAÇÃO:

VANTAGENS:
SISTEMA INTERNACIONAL
 MENOR NÚMERO DE ESTADOS ENVOLVIDOS, O QUE FACILITA O
CONSENSO POLÍTICO;

 REFLETEM COM MAIOR AUTENTICIDADE AS PECULIARIDADES E


REGIONAL VALORES HISTÓRICOS DOS POVOS DE UMA DETERMINADA REGIÃO;
GLOBAL
SE COMPLEMENTAM (América, Europa e
(ONU, ex: DUDH)  DEVIDO A PROXIMIDADE, FICA MAIS FÁCIL EXERCER PRESSÕES NOS
África) CASOS DE VIOLAÇÃO.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

39
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
NO SISTEMA INTERAMERICANO, O INSTRUMENTO DE MAIOR IMPORTÂNCIA
É A CONVENÇÃO AMERICANA DE DIREITOS HUMANOS.
Artigo 1. Obrigação de respeitar os direitos
ASSINADA EM SAN JOSÉ, NA COSTA RICA, EM 1969, MAS SOMENTE ENTROU
EM VIGO EM 1978; 1. Os Estados Partes nesta Convenção comprometem-se a respeitar os
direitos e liberdades nela reconhecidos e a garantir seu livre e pleno exercício a toda
pessoa que esteja sujeita à sua jurisdição, sem discriminação alguma por motivo de
NO BRASIL, INGRESSOU NO ORDENAMENTO JURÍDICO APENAS EM 1992,
raça, cor, sexo, idioma, religião, opiniões políticas ou de qualquer outra natureza,
ATRAVÉS DO DECRETO 678;
origem nacional ou social, posição econômica, nascimento ou qualquer outra
condição social.
SOMENTE OS MEMBROS DA OEA – ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS 2. Para os efeitos desta Convenção, pessoa é todo ser humano.
AMERICANOS – PODEM ADERIR AO INSTRUMENTO;
Artigo 2. Dever de adotar disposições de direito interno
\ASSEGURA E RECONHECE UM CATÁLOGO DE DIREITOS CIVIS E POLÍTICOS,
NÃO ENUNCIANDO, DE FORMA EXPRESSIVA, DIREITO SOCIAL, CULTURAL OU Se o exercício dos direitos e liberdades mencionados no artigo 1 ainda não estiver
ECONÔMICO; garantido por disposições legislativas ou de outra natureza, os Estados Partes
comprometem-se a adotar, de acordo com as suas normas constitucionais e com as
TRAZ OBRIGAÇÕES POSITIVAS E NEGATIVAS PARA O ESTADO PARTE. disposições desta Convenção, as medidas legislativas ou de outra natureza que
forem necessárias para tornar efetivos tais direitos e liberdades.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


PM-MG – 2011 – SOLDADO MILITAR
1) O sistema internacional de proteção dos direitos humanos pode apresentar
diferentes âmbitos de aplicação, daí poder se falar de sistemas global e
regional. O instrumento de maior importância no sistema interamericano é a
Convenção Americana de Direitos Humanos, também denominada Pacto de Artigo 4. Direito à vida
San José da Costa Rica que Toda pessoa tem o direito de que se respeite sua vida. Esse direito deve ser
protegido pela lei e, em geral, desde o momento da concepção. Ninguém pode ser
a) foi assinada em San José, Costa Rica, em 1969, tendo como Estados- privado da vida arbitrariamente.
membros todos os países das Américas do Norte, Central e do Sul, que
queiram participar. PENA DE MORTE
b) substancialmente reconhece e assegura um catálogo de direitos civis,
Para os países que NÃO tenham abolido, somente poderá ser
políticos, econômicos, sociais e culturais, garantindo-lhes a plena realização.
aplicada aos delitos MAIS GRAVES, em cumprimento de sentença
c) exige dos governantes dos Estados signatários estritamente obrigações de
final de tribunal competente e em conformidade com lei que
natureza negativas, como por exemplo o dever de não torturar um indivíduo.
estabeleça tal pena, promulgada antes de haver o delito sido
d) em face dos direitos constantes no texto, cada Estado-parte deve respeitar
cometido. Também não se estenderá a sua aplicação.
e assegurar o livre e pleno exercício desses direitos e liberdades, sem qualquer
discriminação.
4

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

40
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

AGENTE PENITENCIÁRIO -PI – 2009

2) A Convenção Americana de Direitos Humanos de 1969 (Pacto de San José


PENA DE MORTE da Costa Rica) proíbe o restabelecimento da pena capital nos países que a
tenham abolido.
Para os países que tenham
abolido, não poderão
restabelecê-la (Princípio da
Vedação ao Retrocesso). AGENTE PENITENCIÁRIO -MS – 2008

Inaplicável aos crimes políticos e 3) Quanto aos direitos civis contidos na Convenção Americana de Direitos
crimes conexos a crimes políticos, Humanos, esta estabelece que nos países em que não houverem abolido a
bem como ao menor de 18 anos pena de morte, esta só poderá ser imposta pelos delitos mais graves, em
de idade e ao maior de 70 anos, cumprimento de sentença final de tribunal competente e em conformidade
ou à mulher em estado de com a lei que estabeleça tal pena, promulgada antes de o delito ter sido
gravidez. cometido.
1
1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


POLICIA MILITAR - PB – 2009 CESPE/PC-PB – 2009 – DELEGADO DE POLÍCIA

4) À luz da Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto San José),


julgue os seguintes itens. Estão certos apenas os itens

I Admite-se a pena de morte em relação aos delitos políticos e aos delitos a) I e II.
conexos com delitos políticos, devendo o Estado signatário fazer tal opção
expressamente, quando da ratificação da Convenção.
b) I e III.
II O direito à vida deve ser protegido pela lei desde o momento do
nascimento, que se dá com o início do trabalho de parto. c) II e IV.

III Não se pode restabelecer a pena de morte nos Estados que a hajam d) III e IV.
abolido.
e) I e IV.
IV. Não é possível impor a pena de morte a pessoa que, no momento da
perpetração do delito, for menor de dezoito anos.

2211 4

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

41
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CESPE/PC-RN – 2009 – INVESTIGADOR DE POLÍCIA
Artigo 5. Direito à integridade pessoal 5) De acordo com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, é
1. Toda pessoa tem o direito de que se respeite sua integridade física, INCORRETO afirmar que os processados devem ficar separados dos
psíquica e moral. condenados, salvo em circunstâncias excepcionais, e submetem-se a
tratamento adequado à sua condição de pessoas não-condenadas.
 VEDAÇÃO DA PRÁTICA DE TORTURA E APLICAÇÃO DE PENAS E TRATOS
CRUÉIS, DESUMANOS E DEGRADANTES;
 PRINCÍPIO DA INTRANSCENDÊNCIA DA PENA; CESPE/PC-PB – 2009 – INVESTIGADOR /ADAPTADA
 OS PROCESSADOS DEVEM FICAR SEPARADOS DOS CONDENADOS, SALVO 6) As penas privativas de liberdade têm por finalidade essencial a retribuição
EM CIRCUNSTÂNCIAS EXCEPCIONAIS, E SER SUBMETIDOS A TRATAMENTO do mal causado.
ADEQUADO À SUA CONDIÇÃO DE PESSOAS NÃO CONDENADAS;
 JULGAMENTO DE MENORES POR TRIBUNAL ESPECIALIZADO E COM MAIS
RAPIDEZ; FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO/ADAPTADA
 AS PENAS TÊM POR FINALIDADE ESSENCIAL REFORMAR E READAPTAR
SOCIALMENTE O CONDENADO. 7) Toda pessoa tem o direito de que se respeite sua integridade física, moral e
econômica.
222

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CESPE/PC-RN – 2009 – DELEGADO DE POLÍCIA

5) De acordo com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, é


INCORRETO afirmar que os processados devem ficar separados dos Artigo 6. Proibição da escravidão e da servidão
condenados, salvo em circunstâncias excepcionais, e submetem-se a
tratamento adequado à sua condição de pessoas não-condenadas. 1. Ninguém pode ser submetido a escravidão ou a servidão, e tanto estas
como o tráfico de escravos e o tráfico de mulheres são proibidos em todas
as suas formas.
CESPE/PC-PB – 2009 – DELEGADO DE POLÍCIA/ADAPTADA
2. Ninguém deve ser constrangido a executar trabalho forçado ou
6) As penas privativas de liberdade têm por finalidade essencial a retribuição obrigatório. Nos países em que se prescreve, para certos delitos, pena
do mal causado. Reforma e readaptação social do
privativa da liberdade acompanhada de trabalhos forçados, esta
condenado
disposição não pode ser interpretada no sentido de que proíbe o
cumprimento da dita pena, imposta por juiz ou tribunal competente. O
FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO/ADAPTADA trabalho forçado não deve afetar a dignidade nem a capacidade física e
intelectual do recluso.
7) Toda pessoa tem o direito de que se respeite sua integridade física, moral e
econômica. Integridade física, moral e PSÍQUICA.
222

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

42
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

VUNESP/DPE-MS – 2009 – AGENTE DE SEGURANCA

8) Quanto aos direitos civis contidos na Convenção Americana de Direitos


NÃO CONSTITUEM TRABALHOS Humanos, esta estabelece que ninguém deve ser constrangido a executar
FORÇADOS OU OBRIGATÓRIOS: trabalho forçado ou obrigatório, exceto em decorrência de crime considerado
Os trabalhos ou serviços hediondo pela legislação do país que adotar punição específica para essa
normalmente exigidos de pessoa modalidade de crime, não podendo, porém, a respectiva pena ultrapassar 30
reclusa em cumprimento de anos de reclusão.
sentença ou resolução formal
expedida pela autoridade judiciária CESPE/PC-PB – 2009 – AGENTE DE POLÍCIA/ADAPTADA
competente;

O serviço militar; 9) À luz da Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto San José),
ninguém deve ser constrangido a executar trabalho forçado ou obrigatório.
O serviço imposto em casos de perigo ou calamidade; Nos países em que se prescreve, para certos delitos, pena privativa de
liberdade acompanhada de trabalhos forçados, essa disposição não pode ser
As obrigações cívicas normais (ex: mesário). interpretada no sentido de proibir o cumprimento da dita pena, imposta por
um juiz ou tribunal competente.
21

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CESPE/SEJUS-ES – 2009 – AGENTE PENITENCIÁRIO

10) Ninguém pode ser arbitrariamente detido, preso ou exilado.


Artigo 7. Direito à liberdade pessoal
Toda pessoa tem direito à liberdade e à segurança pessoais.
CESPE/PC-PB – 2009 – INSPETOR DE POLÍCIA/ADAPTADA
 PROIBE A DETENÇÃO E O ENCARCERAMENTO ARBITRÁRIOS;
11) À luz da Convenção Americana sobre Direitos Humanos (Pacto San José),
 DETERMINA QUE TODO PRESO SEJA CONDUZIDO A UM JUIZ; Ninguém deve ser detido por dívidas. Esse princípio não limita os mandados
de autoridade judiciária competente expedidos em virtude de
 DETERMINA A RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO E O DUPLO GRAU DE inadimplemento de obrigação alimentar.
JURISDIÇÃO;
VUNESP/DPE-MS – 2009 – TECNICO ADMINISTRATIVO/ADAPTADA
 DISPÕE SOBRE A OBRIGATORIEDADE NOS ESTADOS PARTES DE RECURSO
SEMELHANTE AO HABEAS CORPUS (BRASIL). 12) Quanto aos direitos civis contidos na Convenção Americana de Direitos
Humanos, esta estabelece que ninguém deve ser detido por dívidas. Este
 VEDA A PRISÃO POR DÍVIDA, SALVO AQUELA DECORRENTE DA OBRIGAÇÃO princípio, porém, não limita os mandados de autoridade judiciária competente
ALIMENTAR. expedidos em virtude de inadimplemento de obrigação alimentar ou do
depositário infiel.
112

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

43
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Artigo 8. Garantias judiciais Artigo 8. Garantias judiciais


a. direito do acusado de ser assistido gratuitamente por tradutor ou intérprete,
1. Toda pessoa tem direito a ser ouvida, com as devidas garantias e se não compreender ou não falar o idioma do juízo ou tribunal;
dentro de um prazo razoável, por um juiz ou tribunal competente, b. comunicação prévia e pormenorizada ao acusado da acusação formulada;
independente e imparcial, estabelecido anteriormente por lei, na apuração de c. concessão ao acusado do tempo e dos meios adequados para a preparação de
qualquer acusação penal formulada contra ela, ou para que se determinem sua defesa;
seus direitos ou obrigações de natureza civil, trabalhista, fiscal ou de qualquer d. direito do acusado de defender-se pessoalmente ou de ser assistido por um
outra natureza. defensor de sua escolha e de comunicar-se, livremente e em particular, com seu
defensor;
e) direito irrenunciável de ser assistido por um defensor proporcionado pelo
2. Toda pessoa acusada de delito tem direito a que se presuma sua
Estado, remunerado ou não, segundo a legislação interna, se o acusado não se
inocência enquanto não se comprove legalmente sua culpa. Durante o
defender ele próprio nem nomear defensor dentro do prazo estabelecido pela
processo, toda pessoa tem direito, em plena igualdade, às seguintes garantias
lei;
mínimas:

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


UPENET/SERES-PE – 2010 – AGENTE PENITENCIÁRIO

13) Dentre as garantias judiciais previstas na Convenção Americana de Direitos


Humanos, não se encontra o princípio da:
Artigo 8. Garantias judiciais
f. direito da defesa de inquirir as testemunhas presentes no tribunal e de obter
a) presunção de inocência.
o comparecimento, como testemunhas ou peritos, de outras pessoas que
b) juiz natural.
possam lançar luz sobre os fatos;
c) ampla defesa e do contraditório.
g. direito de não ser obrigado a depor contra si mesma, nem a declarar-se
d) vedação de provas ilícitas.
culpada;
e) publicidade.
h. direito de recorrer da sentença para juiz ou tribunal superior.
3. A confissão do acusado só é válida se feita sem coação de nenhuma
natureza. CESPE/SEJUS-ES – 2009 – AGENTE PENITENCIÁRIO
4. O acusado absolvido por sentença passada em julgado não poderá ser
submetido a novo processo pelos mesmos fatos. 14) O suspeito da prática de crime não é considerado inocente, ainda que não
5. O processo penal deve ser público, salvo no que for necessário para tenha havido pronunciamento judicial acerca do fato por ele praticado.
preservar os interesses da justiça.

42

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

44
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
FCC/MT – 2009 – AGENTE PENITENCIARIO
15) Em face do que dispõe a Convenção Americana de Direitos Humanos quanto Artigo 9. Princípio da legalidade e da retroatividade
ao direito de defesa da pessoa acusada da prática de um delito, Ninguém pode ser condenado por ações ou omissões que, no momento em que
forem cometidas, não sejam delituosas, de acordo com o direito
a) é direito do acusado, sempre que o interesse da justiça assim o exija, ter um aplicável. Tampouco se pode impor pena mais grave que a aplicável no momento
defensor designado ex officio, que atuará gratuitamente. da perpetração do delito. Se depois da perpetração do delito a lei dispuser a
imposição de pena mais leve, o delinquente será por isso beneficiado.
b) o Estado deve dispor de um órgão de assistência jurídica encarregado da
defesa dos acusados que demonstrarem insuficiência de recursos.
PRINCÍPIO DA LEGALIDADE
c) a defesa pode ser realizada pessoalmente pelo acusado, caso o Estado não
disponha de meios para lhe proporcionar um defensor. PRINCÍPIO DA ANTERIORIDADE

d) a defesa pode ser realizada pessoalmente pelo acusado, caso seja ele PRINCÍPIO DA IRRETROATIVIDADE DA LEI PENAL
tecnicamente habilitado e renuncie ao defensor indicado pelo Estado.
PRINCÍPIO DA RETROATIVIDADE DA LEI PENAL
e) é obrigatória a existência de defesa técnica, fornecida pelo Estado, caso o BENÉFICA
acusado não indique advogado de sua confiança e nem se defenda por si mesmo.
5

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


FMZ-AP – 2011 – SEAD-AP – AGENTE PENITENCIÁRIO
16) A Convencão Americana dos Direitos e Deveres do Homem, também
conhecido como Pacto de San Jose da Costa Rica, estabelece que
a) os direitos essenciais do homem derivam do fato de ele ser nacional de um
Artigo 10. Direito a indenização determinado Estado e, por isso, merecem proteção no âmbito interno de cada
país respectivamente.
Toda pessoa tem direito de ser indenizada b) os Estados-Partes, signatários da Convenção, obrigam-se a respeitar os direitos
conforme a lei, no caso de haver sido condenada e liberdades nela reconhecidos e a garantir seu livre e pleno exercício, sem
em sentença passada em julgado, por erro judiciário. discriminação alguma, aos seus cidadãos nacionais.
c) os países que ainda não aboliram a pena de morte somente poderão impô-la
Artigo 11. Proteção da honra e da dignidade aos delitos mais graves, tais como os crimes políticos, em cumprimento de
1. Toda pessoa tem direito ao respeito de sua honra e ao reconhecimento de sentença final de tribunal competente.
sua dignidade. d) toda pessoa tem direito a ser indenizada por erro judiciário, no caso de haver
2. Ninguém pode ser objeto de ingerências arbitrárias ou abusivas em sua sido condenada em sentença passada em julgado, conforme a lei estabelecer.
vida privada, na de sua família, em seu domicílio ou em sua correspondência, e) toda pessoa que for acusada de um delito tem direito a que se presuma sua
nem de ofensas ilegais à sua honra ou reputação. inocência enquanto não se comprove legalmente sua culpa, mas, quando o delito
3. Toda pessoa tem direito à proteção da lei contra tais ingerências ou tais em questão disser respeito à segurança nacional, a acusação formulada
ofensas. permanecerá sob sigilo, tendo acesso a ela apenas o Ministério Público.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

45
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

CESPE – PC-RN – 2009 – DELEGADO DE POLÍCIA


Artigo 12. Liberdade de consciência e de religião
17) De acordo com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, é
Toda pessoa tem direito à liberdade de consciência e de religião. Esse direito correto afirmar que a liberdade de manifestar a própria religião e as próprias
implica a liberdade de conservar sua religião ou suas crenças, ou de mudar de crenças está sujeita tão-somente às limitações prescritas pela lei, e que sejam
religião ou de crenças, bem como a liberdade de professar e divulgar sua necessárias para proteger a segurança, a ordem, a saúde ou a moral públicas
religião ou suas crenças, individual ou coletivamente, tanto em público como ou os direitos ou as liberdades das demais pessoas.
em privado.

Ninguém pode ser objeto de medidas restritivas que FCC/SJCDH-BA – 2010 – AGENTE PENITENCIÁRIO/ADAPTADA
possam limitar sua liberdade de conservar sua religião
ou suas crenças, ou de mudar de religião ou de crenças. 18) Toda pessoa é livre para conservar sua religião ou suas crenças, ou de
mudar de religião ou de crenças, bem como para professar e divulgar sua
A liberdade de manifestar a própria religião e as próprias crenças está sujeita religião ou suas crenças, individual ou coletivamente, tanto em público como
unicamente às limitações prescritas pela lei e que sejam necessárias para em privado.
proteger a segurança, a ordem, a saúde ou a moral públicas ou os direitos ou
liberdades das demais pessoas.
11

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Artigo 13. Liberdade de pensamento e de expressão


Artigo 14. Direito de retificação ou resposta
Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento e de expressão. Esse Toda pessoa atingida por informações inexatas ou ofensivas emitidas em seu
direito compreende a liberdade de buscar, receber e difundir informações e prejuízo por meios de difusão legalmente regulamentados e que se dirijam ao
ideias de toda natureza, sem consideração de fronteiras, verbalmente ou por público em geral, tem direito a fazer, pelo mesmo órgão de difusão, sua
escrito, ou em forma impressa ou artística, ou por qualquer outro processo de retificação ou resposta, nas condições que estabeleça a lei.
sua escolha.
O exercício desse direito não pode estar sujeito a censura prévia, mas a Artigo 15. Direito de reunião
responsabilidades ulteriores. É reconhecido o direito de reunião pacífica e sem armas. O exercício de tal
direito só pode estar sujeito às restrições previstas pela lei e que sejam
EXCEÇÕES: submeter os espetáculos públicos a censura
necessárias, numa sociedade democrática, no interesse da segurança
prévia, para proteção moral da infância e da
nacional, da segurança ou da ordem públicas, ou para proteger a saúde ou a
adolescência;
moral públicas ou os direitos e liberdades das demais pessoas.
proibir propaganda a favor da guerra,
apologia ao ódio nacional, racial ou religioso
e incitação à discriminação, à hostilidade, ao
crime ou à violência.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

46
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
FCC/SJCDH-BA – 2010 – AGENTE PENITENCIÁRIO
CESPE – PC-RN – 2009 – DELEGADO DE POLÍCIA
20) De acordo com os termos da Convenção Americana sobre Direitos
19) De acordo com a Convenção Americana sobre Direitos Humanos, é
Humanos, julgue os seguintes itens.
correto afirmar que toda pessoa atingida por informações inexatas ou
I) O exercício do direito de liberdade de pensamento e expressão não pode
ofensivas emitidas em seu prejuízo por meios de difusão legalmente
estar sujeito a qualquer tipo censura prévia, independentemente da
regulamentados e que se dirijam ao público em geral tem direito a fazer, pelo
hipótese;
mesmo órgão de difusão, sua retificação ou sua resposta, nas condições
II) Toda pessoa atingida por informações inexatas ou ofensivas emitidas em
estabelecidas pela lei.
seu prejuízo por meios de difusão legalmente regulamentados e que se
dirijam ao público em geral tem direito a fazer, pelo mesmo órgão de
difusão, sua retificação ou sua resposta, nas condições estabelecidas pela lei;
III) É reconhecido o direito de reunião pacífica, autorizado o uso de armas
apenas quando previsto pela lei;
IV) A liberdade de manifestar a própria religião e as próprias crenças está
sujeita unicamente às limitações prescritas pela lei e que sejam necessárias
para proteger a segurança, a ordem, a saúde ou a moral públicas ou os
direitos ou liberdades das demais pessoas.
1
11 2121

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Artigo 16. Liberdade de associação


Estão certos apenas os itens: 1. Todas as pessoas têm o direito de associar-se livremente com fins
ideológicos, religiosos, políticos, econômicos, trabalhistas, sociais, culturais,
desportivos ou de qualquer outra natureza.
a) I e II. 2. O exercício de tal direito só pode estar sujeito às restrições previstas pela lei
que sejam necessárias, numa sociedade democrática, no interesse da
b) I e III. segurança nacional, da segurança ou da ordem públicas, ou para proteger a
saúde ou a moral públicas ou os direitos e liberdades das demais pessoas.
c) III e IV.

d) II e IV.
OBSERVAÇÃO:
O Estado pode restringir ou suprimir
e) I e IV. o exercício do direito de associação
aos membros das forças armadas e
da polícia.
4
4

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

47
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

VUNESP/DPE-MS – 2009 – DEFENSOR PÚBLICO/ADAPTADA

21) Quanto aos direitos civis contidos na Convenção Americana de Direitos Artigo 17. Proteção da família
Humanos, esta estabelece que todas as pessoas têm o direito de associar-se A família é o elemento natural e fundamental da sociedade e deve ser
livremente com fins ideológicos, religiosos, políticos, econômicos, trabalhistas, protegida pela sociedade e pelo Estado.
sociais, culturais, desportivos ou de qualquer outra natureza, não podendo o
Estado restringir ou suprimir o exercício do direito de associação aos membros Artigo 18. Direito ao nome
das forças armadas e da polícia. Toda pessoa tem direito a um prenome e aos nomes de seus pais ou ao de um
destes. A lei deve regular a forma de assegurar a todos esse direito, mediante
CESPE/DPE-PI – 2009 – DEFENSOR PÚBLICO nomes fictícios, se for necessário.

22) O exercício do direito de associação somente pode estar sujeito às Artigo 19. Direitos da criança
restrições previstas pela lei que sejam necessárias, numa sociedade Toda criança tem direito às medidas de proteção que a sua condição de menor
democrática, no interesse da segurança nacional, da segurança ou da ordem requer por parte da sua família, da sociedade e do Estado.
públicas, ou para proteger a saúde ou a moral públicas ou os direitos e
liberdades das demais pessoas. Artigo 20. Direito à nacionalidade
Toda pessoa tem direito a uma nacionalidade. A ninguém se deve privar
21
112
arbitrariamente de sua nacionalidade nem do direito de mudá-la.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

COPS – AGENTE PENITENCIÁRIO FEMININO – SEAP/PR - 2007

Artigo 21 - Direito à propriedade privada


23) A Convenção Americana sobre Direitos Humanos não tratou: 1. Toda pessoa tem direito ao uso e gozo dos seus bens. A lei pode
subordinar esse uso e gozo ao interesse social.
a) Do direito à nacionalidade 2. Nenhuma pessoa pode ser privada de seus bens, salvo mediante o
pagamento de indenização justa, por motivo de
b) Da proteção à família utilidade pública ou de interesse social e nos casos e na forma
estabelecidos pela lei.
3. Tanto a usura como qualquer outra forma de exploração do homem
c) Dos direitos dos deficientes físicos
pelo homem devem ser reprimidas pela lei.
d) Da proteção ao nome DESAPROPRIAÇÃO POR UTILIDADE
PÚBLICA E INTERESSE SOCIAL
e) Dos direitos da criança

JUSTA E PRÉVIA INDENIZAÇÃO


3
EM DINHEIRO (ART. 5º, XXIV, CF)
4

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

48
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Artigo 22 - Direito de circulação e de residência Artigo 22 - Direito de circulação e de residência


1. Toda pessoa que se ache legalmente no território de um Estado tem
6. O estrangeiro que se ache legalmente no território de um Estado
direito de circular nele e de nele residir em conformidade com as
Parte nesta Convenção só poderá dele ser expulso em cumprimento
disposições legais.
de decisão adotada de acordo com a lei.
2. Toda pessoa tem direito de sair livremente de qualquer país,
7. Toda pessoa tem o direito de buscar e receber asilo em território
inclusive do próprio.
3. O exercício dos direitos acima mencionados não pode ser restringido estrangeiro, em caso de perseguição por delitos políticos ou comuns
senão em virtude de lei, na medida indispensável, em uma sociedade conexos com delitos políticos e de acordo com a legislação de cada
democrática, para prevenir infrações penais ou para proteger a Estado e com as convenções internacionais.
segurança nacional, a segurança ou a ordem públiceas, a moral ou a 8. Em nenhum caso o estrangeiro pode ser
saúde públicas, ou os direitos e liberdades das demais pessoas. expulso ou entregue a outro país, seja ou não
4. O exercício dos direitos reconhecidos no inciso 1 pode também ser de origem, onde seu direito à vida ou à liberdade
restringido pela lei, em zonas determinadas, por motivo de interesse pessoal esteja em risco de violação por causa da
público. sua raça, nacionalidade, religião, condição social
5. Ninguém pode ser expulso do território do Estado do qual for ou de suas opiniões políticas.
nacional nem ser privado do direito de nele entrar. 9. É proibida a expulsão coletiva de estrangeiros.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CESPE – DELEGADO DE POLÍCIA/AM - 2009


24) Acerca do Pacto de San Jose da Costa Rica, julgue os itens a
Artigo 23 - Direitos políticos
seguir:
Todos os cidadãos devem gozar dos seguintes direitos e oportunidades: a)
de participar na direção dos assuntos públicos, diretamente ou por meio de
representantes livremente eleitos; b) de votar e ser eleitos em eleições
I. É permitida a expulsão coletiva de estrangeiros, desde que para
periódicas autênticas, realizadas por sufrágio universal e igual e por voto proteção da ordem moral.
secreto que garanta a livre expressão da vontade dos eleitores; e c) de ter II. Nenhuma pessoa pode ser privada de seus bens, salvo mediante o
acesso, em condições gerais de igualdade, às funções públicas de seu pagamento de indenização justa, por motivo de
país. utilidade pública ou de interesse social e nos casos e na forma
Artigo 24 - Igualdade perante a lei estabelecidos pela lei.
Todas as pessoas são iguais perante a lei. Por conseguinte, têm direito, III. Em nenhuma hipótese o estrangeiro pode ser expulso ou entregue a
sem discriminação, a igual proteção da lei. outro país, ainda que de origem, onde seu direito à vida ou à liberdade
Artigo 25 - Proteção judicial pessoal esteja em risco de violação por causa de sua raça,
Toda pessoa tem direito a um recurso simples e rápido ou a qualquer outro nacionalidade, religião, condição social ou de suas opiniões políticas.
recurso efetivo, perante os juízes ou tribunais competentes, que a proteja IV. A Convenção não tratou dos direitos políticos, preferindo cuidar de
contra atos que violem seus direitos fundamentais reconhecidos pela direitos sociais, reproduzindo grande parte do disposto no Pacto
constituição, pela lei ou pela presente Convenção, mesmo quando tal Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais.
violação seja cometida por pessoas que estejam atuando no exercício de 2112
suas funções oficiais.
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

49
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

CESPE – DELEGADO DE POLÍCIA/AM - 2009


DIREITOS ECONÔMICOS, SOCIAIS E CULTURAIS
Artigo 26 - Desenvolvimento progressivo
Estão certos apenas os itens Os Estados Partes comprometem-se a adotar providências, tanto no
âmbito interno como mediante cooperação internacional,
a) I e II. especialmente econômica e técnica, a fim de conseguir
progressivamente a plena efetividade dos direitos que decorrem das
normas econômicas, sociais e sobre educação, ciência e cultura,
b) I, II e III.
constantes da Carta da Organização dos Estados Americanos,
reformada pelo Protocolo de Buenos Aires, na medida dos recursos
c) II e III. disponíveis, por via legislativa ou por outros meios apropriados.

d) I, III e IV. PROTOCOLO ADICIONAL DE


TEXTO ORIGINAL NÃO TRATA SAN SALVADOR, ASSINADO
e) II e IV. DOS DIREITOS ECONÔMICOS, EM 1988, EM VIGOR NO
SOCIAIS E CULTURAIS BRASIL DESDE 12/12/1999
3
(DEC. 3321)
3

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

VUNESP – DPE/MS - 2008 GUERRA

25) No Sistema Interamericano de Direitos Humanos, a


proteção internacional dos direitos econômicos, sociais e SUSPENSÃO DE GARANTIAS PERIGO PÚBLICO
culturais veio a ser concretizada pela Assembleia Geral da
Organização dos Estados Americanos, em 1988, por meio do
OUTRAS
seguinte instrumento jurídico:
EMERGÊNCIAS

a) Convenção de Cartagena.
Artigo 27 - Suspensão de garantias
b) Protocolo de San Salvador.
Em caso de guerra, de perigo público, ou de outra emergência que ameace a
c) Pacto de San José da Costa Rica. independência ou segurança do Estado Parte, este poderá adotar disposições que,
d) Declaração de Lima. na medida e pelo tempo estritamente limitados às exigências da situação,
suspendam as obrigações contraídas em virtude desta Convenção, desde que tais
disposições não sejam incompatíveis com as demais obrigações que lhe impõe o
Direito Internacional e não encerrem discriminação alguma fundada em motivos de
2 raça, cor, sexo, idioma, religião ou origem social.
3 3

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

50
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

GUERRA VUNESP – DPE/MS - 2008

26) Em caso iminente perigo público que ponha em risco a


PERIGO PÚBLICO
segurança do país, fica autorizada a suspensão temporária
SUSPENSÃO DE GARANTIAS
de algumas obrigações contraídas em virtude da Convenção
Americana de Direitos Humanos, salvo:
OUTRAS
EMERGÊNCIAS a) Direito de circulação e de residência.
DIREITOS QUE NÃO PODEM SER SUSPENSOS:
 RECONHECIMENTO DA PERSONALIDADE JURÍDICA b) Proteção da família.
 DIREITO À VIDA E AO NOME
 DIREITO À INTEGRIDADE PESSOAL
c) Direito de reunião.
 PROIBIÇÃO DA ESCRAVIDÃO E SERVIDÃO
 PRINCÍPIO DA LEGALIDADE E DA RETROATIVIDADE
 DIREITOS DA CRIANÇA, POLÍTICOS E À NACIONALIDADE d) Direito à liberdade pessoal.
 LIBERDADE DE CONSCIÊNCIA E RELIGIÃO
 PROTEÇÃO DA FAMÍLIA 2
3

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Artigo 28 - Cláusula federal


Em se tratando de estado
federado, cabe ao Artigo 29 - Normas de interpretação
governo nacional Nenhuma disposição desta Convenção pode ser interpretada no
assegurar que as demais sentido de:
entidades (estados e a) permitir a qualquer dos Estados Partes, grupo ou pessoa, suprimir
municípios) cumpram as o gozo e exercício dos direitos e liberdades reconhecidos na
regras contidas no Convenção ou limitá-los em maior medida do que a nela prevista;
Pacto. b) limitar o gozo e exercício de qualquer direito ou liberdade que
Quando se tratar de um Estado Parte constituído como Estado federal, o possam ser reconhecidos de acordo com as leis de qualquer dos
governo nacional do aludido Estado Parte cumprirá todas as disposições
Estados Partes ou de acordo com outra convenção em que seja parte
da presente Convenção, relacionadas com as matérias sobre as quais
um dos referidos Estados;
exerce competência legislativa e judicial. No tocante às disposições
c) excluir outros direitos e garantias que são inerentes ao ser
relativas às matérias que correspondem à competência das entidades
humano ou que decorrem da forma democrática representativa de
componentes da federação, o governo nacional deve tomar
imediatamente as medidas pertinentes, em conformidade com a sua governo; e
constituição e suas leis, a fim de que as autoridades competentes das d) excluir ou limitar os efeitos que possam produzir a Declaração
referidas entidades possam adotar as disposições cabíveis para o Americana dos Direitos e Deveres do Homem e outros atos
cumprimento desta Convenção. internacionais da mesma natureza.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

51
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

FCC – DPE/SP - 2006


27) No que diz respeito à interpretação da Convenção Americana de Artigo 33 - São competentes para conhecer dos assuntos relacionados
Direitos Humanos (OEA, 1969), a partir de suas regras, é possível com o cumprimento dos compromissos assumidos pelos Estados
afirmar que Partes nesta Convenção:
a) as normas da Convenção podem excluir outros direitos ou garantias a) a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, doravante
inerentes ao ser humano, nela não expressamente previstos. denominada a Comissão; e
b) as leis dos Estados-partes podem limitar o gozo ou o exercício de b) a Corte Interamericana de Direitos Humanos, doravante denominada
direito ou liberdade previstos na Convenção. a Corte.
c) as normas da Convenção podem excluir ou limitar o efeito que
possam produzir outros atos internacionais da mesma natureza.
d) as normas da Convenção não se aplicam a Estado organizado sob a ÓRGÃOS COMPETENTES
forma federativa, no que diz respeito a violações decorrentes de ato de
governo local.
e) as leis dos Estados-partes podem ampliar o gozo ou o exercício de
qualquer direito ou liberdade previstos na Convenção, para além do
que ela prevê.
COMISSÃO CORTE
5
3

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

COMISSÃO COMISSÃO
FUNÇÃO PRINCIPAL: OBSERVÂNCIA E PROTEÇÃO DOS
DIREITOS HUMANOS NA AMÉRICA.

OUTRAS FUNÇÕES:

 CONCILIADORA;
 ASSESSORA;
 CRÍTICA;
COMPOSTA DE SETE MEMBROS, DE ALTA AUTORIDADE MORAL E  LEGITIMADORA;
RECONHECIDO SABER EM MATÉRIA DE DIREITOS HUMANOS, DENTRE  PROMOTORA DE ESTUDOS;
NACIONAIS DE QUALQUER ESTADO DA OEA, ELEITOS PELA ASSEMBLÉIA
 PROTETORA.
GERAL PARA MANDATO DE 4 ANOS, PERMITIDA UMA REELEIÇÃO.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

52
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

COMISSÃO COMISSÃO
PROCEDIMENTO EM CASO DE NOTÍCIA DE VIOLAÇÃO DE
DIREITOS HUMANOS:

1º) SOLICITA INFORMAÇÕES


A ADESÃO AO PACTO RECONHECE A ACEITAÇÃO IPSO FACTO DA
COMISSÃO, NÃO SENDO NECESSÁRIA AUTORIZAÇÃO EXPRESSA DO
ESTADO-PARTE.

CABE À COMISSÃO CONHECER DAS


RECLAMAÇÕES FEITAS POR INDIVÍDUO OU
GRUPO DE INDIVÍDUOS, MAS SOMENTE APÓS A
APURAÇÃO DO FATO PELO PRÓPRIO ESTADO, EM
RESPEITO À SUA SOBERANIA.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

COMISSÃO COMISSÃO
PROCEDIMENTO:
PROCEDIMENTO:
4º) REALIZA RELATÓRIO 5º) SUBMISSÃO
2º) ARQUIVA OU INVESTIGA 3º) SOLUÇÃO AMISTOSA MANDATÁRIO PARA AUTOMÁTICA E DIRETA DO
CUMPRIMENTO NO PRAZO CASO À CORTE
DE 3 MESES

“JUSTICIALIZAÇÃO” DO SISTEMA
INTERAMERICANO

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

53
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

COMISSÃO CESPE/SEJUS-ES – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO

28) A Comissão Interamericana de Direitos Humanos tem por função


OBSERVAÇÕES FINAIS: principal a observância e defesa dos direitos humanos e, no exercício
de seu mandato, tem a atribuição de formular recomendações aos
1) SOMENTE OS ESTADOS E A COMISSÃO PODEM governos dos Estados-membros.
SUBMETER UM CASO À CORTE;

2) OS ESTADOS-PARTES SOMENTE PODEM APONTAR


VIOLAÇÃO DE DIREITOS HUMANOS PRATICADA POR CESPE – 2007 – DEFENSOR PÚBLICO DA UNIÃO
OUTRO ESTADO QUANDO AMBOS OS PAÍSES,
DENUNCIANTE E DENUNCIADO, ANUIREM À CLÁUSULA 29) Ao receber denúncia de grupo de indivíduos acerca da violação dos
FACULTATIVA PREVISTA COMO SISTEMA DAS direitos humanos por Estado-parte, a Comissão, logo após proceder as
COMUNICAÇÕES ESTADUAIS. investigações, e constatada a transgressão, deve imediatamente
submeter o caso à Corte Interamericana.

12

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

FCC – 2010 – SJCDH-BA – AGENTE PENITENCIÁRIO FCC – 2010 – SJCDH-BA – AGENTE PENITENCIÁRIO

30) Considere:
Estão corretos apenas os itens:
I. A submissão à Comissão Interamericana de Direitos Humanos
independe de autorização expressa do Estado-parte, bastando a
simples ratificação da Convenção. a) II e IV.

II. Podem submeter um caso à Corte Interamericana os Estados- b) I, II e III.


partes, qualquer indivíduo e a Comissão.
c) I, II e IV.
III. O mandato eletivo dos membros da Comissão é de 6 anos,
permitida uma reeleição.
d) III e IV.
IV. A Comissão Interamericana de Direitos Humanos tem por função
precípua a observância e proteção dos direitos humanos, podendo e) I e IV.
ainda formular recomendações aos governos dos Estados-membros.
1221 5

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

54
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

CORTE CORTE
A SUBMISSÃO DO ESTADO-
PARTE À CORTE É CLÁUSULA
FACULTATIVA E, POR ISSO,
DEPENDE DE EXPRESSA
ADESÃO.

COMPOSTA DE SETE JUÍZES NACIONAIS, DENTRE JURISTAS DA MAIS ALTA


AUTORIDADE MORAL E RECONHECIDO SABER EM MATÉRIA DE DIREITOS O BRASIL ADERIU EM
HUMANOS. SÃO ESCOLHIDOS ENTRE NACIONAIS DE QUALQUER ESTADO 1998, ATRAVÉS DO
DA OEA, NÃO SENDO PERMITIDO MAIS DE UM JUIZ DA MESMA DECRETO LEGISLATIVO
NACIONALIDADE. SÃO ELEITOS PELA ASSEMBLÉIA GERAL PARA 89/98
MANDATO DE 6 ANOS, PERMITIDA UMA REELEIÇÃO.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CORTE CORTE
FUNÇÕES: CONSULTIVA E CONTENCIOSA CONDENAÇÃO DO ESTADO-PARTE POR VIOLAÇÃO DOS
DIREITOS HUMANOS:

SUAS DECISÕES
POSSUEM FORÇA QUANDO FIXAM
REALIZA O CONTROLE DA
VINCULANTE E INDENIZAÇÃO À
CONVENCIONALIDADE DAS LEIS, OU
OBRIGATÓRIA. VÍTIMA, A DECISÃO
SEJA, A COMPATIBILIDADE ENTRE A
LEGISLAÇÃO DOMÉSTICA DO ESTADO- VALE COMO TÍTULO
PARTE E A CONVENÇÃO E DEMAIS EXECUTIVO JUDICIAL.
TRATADOS.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

55
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

FCC – SOLDADO MILITAR/RN - 2008 FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO


31) Considerando que o Brasil é signatário da Convenção Americana
de Direitos Humanos, também conhecida como Pacto de San José da 32) Considerando as assertivas a seguir elencadas, indique a
Costa Rica, assinale a alternativa correta. alternativa CORRETA:

a) O Brasil está sujeito à jurisdição contenciosa da Corte I - na atualidade, constituem sistemas regionais de proteção aos
Interamericana de Direitos Humanos, porque se trata de cláusula Direitos Humanos, o Europeu, o Africano, o Asiático e o Interamericano,
obrigatória da Convenção. que possuem como principais instrumentos, respectivamente, a
b) A competência da Corte Interamericana de Direitos Humanos está Convenção Européia de Direitos Humanos, a Carta Africana de Direitos
limitada à emissão de sentença declaratória por violações da Humanos, o Pacto dos Países Asiáticos sobre Direitos Fundamentais e
Convenção. a Convenção Interamericana de Direitos Humanos;
c) A cláusula da Convenção relativa à jurisdição obrigatória da Corte é II - o Estado brasileiro é parte na Convenção Americana de Direitos
facultativa e o Brasil a ela não aderiu até hoje. Humanos [Pacto de San José da Costa Rica], tendo reconhecido,
d) O Brasil sujeitou-se voluntariamente à jurisdição da Corte e pode ser inclusive, a competência da Corte Interamericana de Direitos Humanos;
condenado à obrigação de fazer cessar as violações à Convenção e III - A Corte Interamericana de Direitos Humanos é cláusula facultativa
indenizar as vítimas. do Pacto de San Jose da Costa Rica, sendo composta por sete juízes,
e) A Constituição Federal não permite a sujeição do Brasil à jurisdição eleitos dentre os membros da OEA para mandato de 6 anos, permitida
de Tribunais Internacionais. 4
uma reeleição. 211

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

FUNRIO – 2008 – AGENTE PENITENCIÁRIO

a) I e II.
1) D 11)CERTO 21)ERRADO 31) D
2) CERTO 12)ERRADO 22)CERTO 32) D
b) I, II e III. 3) CERTO 13)D 23)C
4) D 14)ERRADO 24)C
c) I e III. 5) ERRADO 15)E 25)B
6) ERRADO 16)D 26)B
7) ERRADO 17)CERTO 27)E
d) II e III. 8) ERRADO 18)CERTO 28)CERTO
9) CERTO 19)CERTO 29)ERRADO
e) II. 10)CERTO 20)D 30)E

4
211

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

56
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
Regras Mínimas para Tratamento dos Presos no Brasil O Presidente do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária
(RESOLUÇÃO Nº 14, de 11 de novembro de 1994 do (CNPCP), no uso de suas atribuições legais e regimentais e;
Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária
Considerando a decisão, por unanimidade, do Conselho Nacional de
(CNPCP). Política Criminal e Penitenciária, reunido em 17 de outubro de 1994,
com o propósito de estabelecer regras mínimas para o tratamento de
Presos no Brasil;

Considerando a recomendação, nesse sentido, aprovada na sessão de


26 de abril a 6 de maio de 1994, pelo Comitê Permanente de
Prevenção ao Crime e Justiça Penal das Nações Unidas, do qual o
Brasil é Membro;

Considerando ainda o disposto na Lei nº 7.210, de 11 de julho de 1984


(Lei de Execução Penal);
Resolve fixar as Regras Mínimas para o Tratamento do Preso no Brasil.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

REGRAS MÍNIMAS PARA


O TRATAMENTO DO
PRESO NO BRASIL ÓRGÃO DA EXECUÇÃO
PENAL
SEDE NA CAPITAL DA
REPÚBLICA

13 (TREZE) MEMBROS
CNPCP
COMITÊ PERMANENTE (LEI 7210/84 )
DE PREVENÇÃO AO
CNPCP
CRIME E JUSTIÇA PENAL MANDATO DE 2
DAS NAÇÕES UNIDAS MINISTÉRIO DA (DOIS) ANOS,
JUSTIÇA. RENOVADO 1/3 (UM
TERÇO) EM CADA ANO

lei 7210/84

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

57
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

LEI 7210/84 TÍTULO I


REGRAS DE APLICAÇÃO GERAL
Art. 61. São órgãos da execução penal:
I - o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária; CAPÍTULO I
DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS
Art. 62. O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, com
sede na Capital da República, é subordinado ao Ministério da Justiça. Art. 1º. As normas que se seguem obedecem aos princípios da Declaração
Universal dos Direitos do Homem e daqueles inseridos nos Tratados,
Art. 63. O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária será Convenções e regras internacionais de que o Brasil é signatário devendo ser
integrado por 13 (treze) membros designados através de ato do aplicadas sem distinção de natureza racial, social, sexual, política, idiomática
Ministério da Justiça, dentre professores e profissionais da área do ou de qualquer outra ordem.
Direito Penal, Processual Penal, Penitenciário e ciências correlatas,
bem como por representantes da comunidade e dos Ministérios da
área social.

Parágrafo único. O mandato dos membros do Conselho terá duração


de 2 (dois) anos, renovado 1/3 (um terço) em cada ano.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CAPÍTULO I CAPÍTULO I
DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

Art. 2º. Impõe-se o respeito às crenças religiosas, aos cultos e aos preceitos Art. 3º. É assegurado ao preso o respeito à sua individualidade, integridade
morais do preso. física e dignidade pessoal.
(LEI 7210/84 )
(LEI 7210/84 )
Art. 3º Ao condenado e ao internado serão assegurados todos os direitos não
Art. 3º Parágrafo único. Não haverá qualquer distinção de natureza racial,
atingidos pela sentença ou pela lei..
social, religiosa ou política.
Art. 40 - Impõe-se a todas as autoridades o respeito à integridade física e
Art. 11. A assistência será: VI - religiosa.
moral dos condenados e dos presos provisórios.
Art. 24. A assistência religiosa, com liberdade de culto, será prestada aos
presos e aos internados, permitindo-se-lhes a participação nos serviços Art. 45. § 1º As sanções NÃO poderão colocar em perigo a integridade física e
organizados no estabelecimento penal, bem como a posse de livros de moral do condenado.
instrução religiosa.
§ 1º No estabelecimento haverá local apropriado para os cultos religiosos. Art. 50. Comete falta grave o condenado à pena privativa de liberdade que:
§ 2º Nenhum preso ou internado poderá ser obrigado a participar de III - possuir, indevidamente, instrumento capaz de ofender a integridade física
atividade religiosa. de outrem;

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

58
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO I CAPÍTULO II
DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO REGISTRO

Art. 4º. O preso terá o direito de ser chamado por seu nome. Art. 5º. Ninguém poderá ser admitido em estabelecimento prisional sem
ordem legal de prisão.
(LEI 7210/84 )
(LEI 7210/84 )
Art. 41 - Constituem direitos do preso:
Art. 65. A execução penal competirá ao Juiz indicado na lei local de
organização judiciária e, na sua ausência, ao da sentença.
XI - chamamento nominal;
Art. 105. Transitando em julgado a sentença que aplicar pena privativa de
liberdade, se o réu estiver ou vier a ser preso, o Juiz ordenará a expedição de
(CRFB 1988) guia de recolhimento para a execução.
Art 5o X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, a honra e a imagem das
pessoas, assegurado o direito a indenização pelo dano material ou moral (CRFB 1988)
decorrente de sua violação; Art 5o LXI - ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem
escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos
de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CAPÍTULO II (LEI 7210/84 )


DO REGISTRO
Art. 106. A guia de recolhimento, extraída pelo escrivão, que a rubricará em
Art. 5º. Parágrafo Único. No local onde houver preso deverá existir registro todas as folhas e a assinará com o Juiz, será remetida à autoridade
em que constem os seguintes dados: administrativa incumbida da execução e conterá:

I - identificação; I - o nome do condenado;


II - a sua qualificação civil e o número do registro geral no órgão oficial de
II - motivo da prisão; identificação;
III - o inteiro teor da denúncia e da sentença condenatória, bem como
III - nome da autoridade que a determinou; certidão do trânsito em julgado;
IV - a informação sobre os antecedentes e o grau de instrução;
IV - antecedentes penais e penitenciários; V - a data da terminação da pena;
VI - outras peças do processo reputadas indispensáveis ao adequado
V - dia e hora do ingresso e da saída. tratamento penitenciário.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

59
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CESPE - 2008 - OAB - Exame de Ordem Unificado CESPE - 2009 – SEJUS/ES – Agente Penitenciário
1) Com base na Resolução 14/94 do Conselho Nacional de Política Julgue os itens a seguir:
Criminal e Penitenciária e na Lei de Execuções Penais, assinale a 2) Ao condenado à pena privativa de liberdade é facultativa a atividade
alternativa INCORRETA: laboral, respeitadas suas aptidões, sua capacidade e sua necessidade.
a) O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária tem sede
em Brasília e é subordinado ao Ministro da Justiça. Compõe-se de 13 3) Ninguém poderá ser admitido em estabelecimento prisional sem
membros, por este designado, para mandato de dois anos, renovado ordem legal de prisão.
1/3 a cada ano.
b) Ao preso é assegurado o respeito à sua individualidade, integridade 4) Lourival, agente penitenciário, é conhecido por apelidar os detentos,
física e dignidade pessoal, bem como às suas crenças religiosas, sempre em tom jocoso e inofensivo, chamando-os inclusive sempre
cultos e preceitos morais. pela alcunha. Neste caso, Lourival não ofende qualquer direito dos
c) É vedado o ingresso em estabelecimento prisional sem a devida presos, pois inexiste lesividade na conduta.
ordem legal de prisão.
d) As normas da Resolução obedecem aos princípios da DUDH e dos 5) As normas que se seguem obedecem aos princípios da Declaração
demais Tratados, Convenções e regras internacionais de que o Brasil Universal dos Direitos do Homem e daqueles inseridos nos Tratados,
seja signatário devendo ser aplicadas sem distinção de natureza racial, Convenções e regras internacionais de que o Brasil é signatário
social, sexual, política, idiomática ou de qualquer outra ordem, devendo ser aplicadas sem distinção de natureza racial, social, sexual,
ressalvado no que toca ao preso estrangeiro. 4 política, idiomática ou de qualquer outra ordem. 2121

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CAPÍTULO II
NUCEPE - 2010 - SEJUS/PI – Agente Penitenciário
DO REGISTRO

Art. 6º. Os dados referidos no artigo anterior deverão ser imediatamente


6) Constituem direitos dos presos, previstos na Lei de
comunicados ao programa de Informatização do Sistema Penitenciário
Execuções Penais, EXCETO: Nacional - INFOPEN, assegurando-se ao preso e à sua família o acesso a essas
informações.
a) alimentação e água potável;
b) atendimento médico, psicológico, farmacêutico e (LEI 7210/84 )
odontológico; Art. 64. Ao Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, no
exercício de suas atividades, em âmbito federal ou estadual, incumbe:
c) asseio da cela ou alojamento;
d) respeito à sua individualidade e à sua integridade física; VII - estabelecer os critérios para a elaboração da estatística criminal;
e) chamamento nominal.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

60
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO III Princípio da Personalização da Pena:
DA SELEÇÃO E SEPARAÇÃO DOS PRESOS
Art. 5º Os condenados serão classificados, segundo os seus antecedentes e
personalidade, para orientar a individualização da execução penal.
Art. 7º. Presos pertencentes a categorias diversas devem ser alojados em
diferentes estabelecimentos prisionais ou em suas seções, observadas
características pessoais tais como: sexo, idade, situação judicial e legal,
quantidade de pena a que foi condenado, regime de execução, natureza da
prisão e o tratamento específico que lhe corresponda, atendendo ao princípio Art. 6º A classificação será feita por
QUEMComissão Técnica de Classificação que
CLASSIFICA?
da individualização da pena. elaborará o programa individualizador da pena privativa de liberdade
adequada ao condenado Comissão Técnica de Classificação (Art. 6º)
ou preso provisório.
•COMISSÃO TÉCNICA DE CLASSIFICAÇÃO
LEP
condenado
Programa
CTC individualizador
•EXAME CRIMINOLÓGICO da pena
LEP preso provisório

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Comissão Técnica de Classificação (CTC)


Comissão Técnica de Classificação (CTC)
ATRIBUIÇÕES:
COMPOSIÇÃO: PSICÓLOGO
COMISSÃO TÉCNICA DE CLASSIFICAÇÃO (CTC)
PSIQUIATRA Lei nº 10.792 de 2003
Antes Depois
ASSISTENTE SOCIAL Acompanhava as penas
a) Privativas de liberdade
b) Restritiva de direitos Somente individualiza e
CHEFES DE SERVIÇO acompanha a pena privativa de
Intervinha liberdade
a) Progressões/ Regressões
OBS: A CTC é presidida pelo Diretor.
b) Conversão da pena

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

61
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Lei nº 7.210 de 1984


Súmula nº 439 do STJ - Admite-se o exame
Art. 8º O condenado ao cumprimento de pena privativa de liberdade, em regime fechado, será
submetido a exame criminológico para a obtenção dos elementos necessários a uma adequada
criminológico pelas peculiaridades do caso,
classificação e com vistas à individualização da execução.
 FINALIDADE:
Parágrafo único. Ao exame de que trata este artigo poderá ser submetido o condenado ao
desde que em decisão motivada.
cumprimento
I. da pena classificação
adequada privativa de liberdade em regime semi-aberto.
Art. 8º O condenado ao cumprimento de pena privativa de
II. individualização da execução.
liberdade, em regime fechado, será submetido a exame
criminológico para a obtenção dos elementos necessários a  DESTINATÁRIOS:
uma adequada classificação e com vistas à individualização REGRA: Condenado a pena privativa de liberdade em regime fechado.
da execução.
Parágrafo único. Ao exame de que trata este artigo poderá
EXCEÇÃO: Ao Condenado a pena privativa de liberdade em regime semi-aberto e
ser submetido o condenado ao cumprimento da pena aberto é facultativo.
privativa de liberdade em regime semi-aberto.
OBS: Condenado a pena restritiva de direitos não sofre exame criminológico.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


Lei nº 7.210 de 1984 Lei nº 7.210 de 1984
Art. 8º O condenado ao cumprimento de pena privativa de liberdade, em regime fechado, será Art. 8º O condenado ao cumprimento de pena privativa de liberdade, em regime fechado, será
submetido a exame criminológico para a obtenção dos elementos necessários a uma adequada submetido a exame criminológico para a obtenção dos elementos necessários a uma adequada
classificação e com vistas à individualização da execução. classificação e com vistas à individualização da execução.
Parágrafo único. Ao exame de que trata este artigo poderá ser submetido o condenado ao Parágrafo único. Ao exame de que trata este artigo poderá ser submetido o condenado ao
cumprimento da pena privativa de liberdade em regime semi-aberto. cumprimento da pena privativa de liberdade em regime semi-aberto.

8) O exame criminológico para a obtenção dos elementos necessários


CESPE/UNB AGENTE PENITENCIÁRIO SEJUS ES 2009 a uma adequada classificação e com vistas à individualização da
execução é obrigatório para:
7) O condenado ao cumprimento de pena privativa de liberdade e
restritiva de direitos deve ser submetido a exame criminológico a fim de a) Os condenados somente às penas privativas de liberdade em
que sejam obtidos os elementos necessários à adequada classificação regime fechado.
e individualização da execução. b) Os condenados somente às penas privativas de liberdade em
regime semi-aberto.
c) Os condenados às penas privativas de liberdade em regime fechado
e para os condenados às penas privativas de liberdade em regime
semi-aberto.
d) Os condenados às penas privativas de liberdade em regime aberto
2
ou à pena restritiva de direitos.
e) Os condenados somente à pena restritiva de direitos. 1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

62
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
Art. 7º. CAPÍTULO IV
§1º. As mulheres cumprirão pena em estabelecimentos próprios. DOS LOCAIS DESTINADOS AOS PRESOS

§2º. Serão asseguradas condições para que a presa possa permanecer com Art. 8º. Salvo razões especiais, os presos deverão ser alojados
seus filhos durante o período de amamentação dos mesmos. individualmente.
(CRFB 1988) (LEI 7210/84 )
Art 5oL - às presidiárias serão asseguradas condições para que possam
permanecer com seus filhos durante o período de amamentação; Art. 88. O condenado será alojado em cela individual que conterá dormitório,
aparelho sanitário e lavatório.
(LEI 7210/84 )
Parágrafo único. São requisitos básicos da unidade celular:
Art. 83 §2o Os estabelecimentos penais destinados a mulheres serão dotados
de berçário, onde as condenadas possam cuidar de seus filhos, inclusive a) salubridade do ambiente pela concorrência dos fatores de aeração,
amamentá-los, no mínimo, até 6 (seis) meses de idade. insolação e condicionamento térmico adequado à existência humana;
§ 3o Os estabelecimentos de que trata o § 2o deste artigo deverão possuir,
exclusivamente, agentes do sexo feminino na segurança de suas b) área mínima de 6,00m2 (seis metros quadrados).
dependências internas.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CAPÍTULO IV CAPÍTULO IV
DOS LOCAIS DESTINADOS AOS PRESOS DOS LOCAIS DESTINADOS AOS PRESOS

Art. 8º. § 1º. Quando da utilização de dormitórios coletivos, estes deverão ser Art. 9º. Os locais destinados aos presos deverão satisfazer as exigências de
ocupados por presos cuidadosamente selecionados e reconhecidos como higiene, de acordo com o clima, particularmente no que ser refere à superfície
aptos a serem alojados nessas condições. mínima, volume de ar, calefação e ventilação.
§ 2º. O preso disporá de cama individual provida de roupas, mantidas e
mudadas correta e regularmente, a fim de assegurar condições básicas de (LEI 7210/84 )
limpeza e conforto.
Art. 82. Os estabelecimentos penais destinam-se ao condenado, ao submetido
(LEI 7210/84 ) à medida de segurança, ao preso provisório e ao egresso.

Art. 85. O estabelecimento penal deverá ter lotação compatível com a sua Art. 83. O estabelecimento penal, conforme a sua natureza, deverá contar em
estrutura e finalidade. suas dependências com áreas e serviços destinados a dar assistência,
educação, trabalho, recreação e prática esportiva.
Parágrafo único. O Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária
determinará o limite máximo de capacidade do estabelecimento, atendendo a
sua natureza e peculiaridades.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

63
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
Art. 10º O local onde os presos desenvolvam suas atividades deverá Art. 11. Aos menores de 0 a 6 anos, filhos de preso, será garantido o
apresentar: atendimento em creches e em pré-escola.

I - janelas amplas, dispostas de maneira a possibilitar circulação de ar fresco, (LEI 7210/84 )


haja ou não ventilação artificial, para que o preso possa ler e trabalhar com
luz natural; Art. 89. Além dos requisitos referidos no art. 88, a penitenciária de mulheres
será dotada de seção para gestante e parturiente e de creche para abrigar
II - quando necessário, luz artificial suficiente, para que o preso possa crianças maiores de 6 (seis) meses e menores de 7 (sete) anos, com a
trabalhar sem prejuízo da sua visão; finalidade de assistir a criança desamparada cuja responsável estiver presa.

III - instalações sanitárias adequadas, para que o preso possa satisfazer suas
necessidades naturais de forma higiênica e decente, preservada a sua (LEI 7210/84 )
privacidade.
Art. 88. O condenado será alojado em cela individual que conterá dormitório,
IV - instalações condizentes, para que o preso possa tomar banho à aparelho sanitário e lavatório.
temperatura adequada ao clima e com a freqüência que exigem os princípios
básicos de higiene.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Art. 12. As roupas fornecidas pelos estabelecimentos prisionais devem ser CAPÍTULO V
apropriadas às condições climáticas. DA ALIMENTAÇÃO

§ 1º. As roupas não deverão afetar a dignidade do preso. Art. 13. A administração do estabelecimento fornecerá água potável e
alimentação aos presos.
§ 2º. Todas as roupas deverão estar limpas e mantidas em bom estado. Parágrafo Único - A alimentação será preparada de acordo com as normas de
higiene e de dieta, controlada por nutricionista, devendo apresentar valor
§ 3º. Em circunstâncias especiais, quando o preso se afastar do nutritivo suficiente para manutenção da saúde e do vigor físico do preso.
estabelecimento para fins autorizados, ser-lhe-á permitido usar suas
próprias roupas. (LEI 7210/84 )
Art. 12. A assistência material ao preso e ao internado consistirá no
fornecimento de alimentação, vestuário e instalações higiênicas.

Art. 25. A assistência ao egresso consiste: II - na concessão, se necessário, de


alojamento e alimentação, em estabelecimento adequado, pelo prazo de 2
(dois) meses.

Art. 41 - Constituem direitos do preso: I - alimentação suficiente e vestuário;

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

64
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO VII Art. 16. Para assistência à saúde do preso, os estabelecimentos prisionais
DOS SERVIÇOS DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA SANITÁRIA serão dotados de:
I - enfermaria com cama, material clínico, instrumental adequado a produtos
Art. 15. A assistência à saúde do preso, de caráter preventivo curativo, farmacêuticos indispensáveis para internação médica ou odontológica de
compreenderá atendimento médico, psicológico, farmacêutico e urgência;
odontológico. II - dependência para observação psiquiátrica e cuidados toxicômanos;
III - unidade de isolamento para doenças infecto-contagiosas.
(LEI 7210/84 )
Art. 14. A assistência à saúde do preso e do internado de caráter preventivo e Parágrafo Único - Caso o estabelecimento prisional não esteja suficientemente
curativo, compreenderá atendimento médico, farmacêutico e odontológico. aparelhado para prover assistência médica necessária ao doente, poderá ele
§ 1º (Vetado). ser transferido para unidade hospitalar apropriada.
§ 2º Quando o estabelecimento penal não estiver aparelhado para prover a
assistência médica necessária, esta será prestada em outro local, mediante
autorização da direção do estabelecimento.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Art. 17. O estabelecimento prisional destinado a mulheres disporá de QUESTÃO DE PROVA


dependência dotada de material obstétrico. Para atender à grávida, à
parturiente e à convalescente, sem condições de ser transferida a unidade 9) No que diz respeito aos direitos das presas, é INCORRETO afirmar
hospitalar para tratamento apropriado, em caso de emergência. que

a) As mulheres cumprirão pena em estabelecimentos prisionais


(LEI 7210/84 ) femininos.
Art. 14. § 3o Será assegurado acompanhamento médico à mulher, b) Aos menores de 0 a 6 anos, filhos das presas, será assegurado
principalmente no pré-natal e no pós-parto, extensivo ao recém- atendimento em creches e em instituição pré-escolar.
nascido.(Incluído pela Lei nº 11.942, de 2009) c) Após o parto, é garantida à detenta a permanência com seu filho
durante o período de amamentação.
d) O estabelecimento destinado a mulheres disporá de dependência
dotada de material obstétrico, para atendimento em caso de
emergência.
e) À presa gestante é assegurado, em qualquer hipótese, o uso de cela
individual.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

65
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
QUESTÃO DE PROVA QUESTÃO DE PROVA
10) De acordo a Resolução 14 de de 11 de novembro de 1994,
assinale a alternativa correta:
Com base nas disposições acima, assinale a
alternativa correta.
I. Presos pertencentes a categorias diversas devem ser alojados em
diferentes estabelecimentos prisionais ou em suas seções, observadas
características pessoais tais como: sexo, idade, situação judicial e
a) Somente as assertivas I, II e IV estão corretas.
legal, quantidade de pena a que foi condenado, regime de execução,
natureza da prisão e o tratamento específico que lhe corresponda, b) Somente as assertivas I, II e III estão corretas.
atendendo ao princípio da individualização da pena.

II. O preso tem o direito de ser chamado por seu nome.


c) Somente as assertivas II, III e IV estão corretas.

III. Excepcionalmente os presos deverão ser alojados individualmente. d) Somente as assertivas III e IV estão corretas.
IV. A assistência à saúde do preso, de caráter preventivo curativo,
compreenderá atendimento médico e psicológico.
e) Todas as assertivas estão corretas.
1121 1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CESPE - 2009 – SEJUS/ES – Agente Penitenciário Art 18. O médico, obrigatoriamente, examinará o preso, quando do seu
ingresso no estabelecimento e, posteriormente, se necessário, para :

11) Para os estabelecimentos prisionais dotados de enfermaria, em I - determinar a existência de enfermidade física ou mental, para isso, as
nenhuma hipótese poderá o preso doente ser transferido para unidade medidas necessárias;
hospitalar. II - assegurar o isolamento de presos suspeitos de sofrerem doença infecto-
contagiosa;
(LEI 7210/84 )
12) A assistência à saúde do preso, de caráter preventivo curativo,
compreenderá atendimento médico, psicológico, farmacêutico e Art. 108. O condenado a quem sobrevier doença mental será internado em
odontológico. Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico.
Art. 167. A execução da pena de multa será suspensa quando sobrevier ao
condenado doença mental (artigo 52 do Código Penal).
13) Os locais destinados aos presos deverão satisfazer as exigências Art. 183. Quando, no curso da execução da pena privativa de liberdade,
de higiene, de acordo com o clima, particularmente no que ser refere à sobrevier doença mental ou perturbação da saúde mental, o Juiz, de ofício, a
superfície mínima, volume de ar, calefação e ventilação. requerimento do Ministério Público, da Defensoria Pública ou da autoridade
administrativa, poderá determinar a substituição da pena por medida de
2 1 1 segurança.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

66
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
LEI 7210/84
INTERNADO
EM HOSPITAL
DE CUSTÓDIA E
TRATAMENTO
PSIQUIÁTRICO Lei nº 7.210 de 1984
Art. 117. Somente se admitirá o recolhimento do beneficiário
de regime aberto em residência particular quando se tratar
de:
I - condenado maior de 70 (setenta) anos;
DOENÇA II - condenado acometido de doença grave;
MENTAL III - condenada com filho menor ou deficiente físico ou
mental;
SUBSTITUIÇÃO IV - condenada gestante.
DA PENA POR MULTA SERÁ
MEDIDA DE SUSPENSA
SEGURANÇA

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CONSULPLAN – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUC – RN - 2009 15) O condenado em gozo de regime aberto pode ser recolhido em
residência particular, EXCETO:
14) NÃO se admitirá o recolhimento do beneficiário de regime
aberto em residência particular, quando se tratar de: a) Condenado portador de deficiência física.

A) Condenado maior de 70(setenta) anos. b) Condenado maior de 70 (setenta anos).


B) Condenado acometido de doença grave.
C) Condenada com filho menor ou deficiente físico ou mental. c) Condenado pai, com filho menor, deficiente físico ou mental.
D) Condenada gestante.
E) Condenado, cujos pais encontram-se acometidos de doença grave. d) Condenada gestante.

e) Condenado acometido por doença grave.

5 1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

67
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
Art 18. O médico, obrigatoriamente, examinará o preso, quando do seu CAPÍTULO XXI
ingresso no estabelecimento e, posteriormente, se necessário, para : O TRABALHO
Art. 56. Quanto ao trabalho:
III - determinar a capacidade física de cada preso para o trabalho;
I - o trabalho penitenciário não deverá ter caráter aflitivo;
II - ao condenado será garantido trabalho remunerado conforme sua aptidão
LEI 7210/84 TRABALHO e condição pessoal, respeitada a determinação médica;
III - será proporcionado ao condenado trabalho educativo e produtivo;
IV - devem ser consideradas as necessidades futuras do condenado, bem
DEVER SOCIAL como, as oportunidades oferecidas pelo mercado de trabalho;
V - nos estabelecimentos prisionais devem ser tomadas as mesmas
precauções prescritas para proteger a segurança e a saúde dos trabalhadores
FINALIDADE EDUCATIVA E livres;
PRODUTIVA VI - serão tomadas medidas para indenizar os presos por acidentes de
trabalho e doenças profissionais, em condições semelhantes às que a lei
dispõe para os trabalhadores livres;
CONDIÇÃO DE DIGNIDADE (...)
HUMANA

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO XXI LEI 7210/84
O TRABALHO NÃO SERÁ
Art. 56. Quanto ao trabalho: INFERIOR A 6
(...)
VII - a lei ou regulamento fixará a jornada de trabalho diária e semanal para
(SEIS) NEM
SUPERIOR A 8
CLT
os condenados, observada a destinação de tempo para lazer, descanso, (OITO) HORAS
educação e outras atividades que se exigem como parte do tratamento e
com vistas à reinserção social;
VIII - a remuneração aos condenados deverá possibilitar a indenização pelos PRESTAÇÃO DE
SUPERIOR A 3/4
danos causados pelo crime, aquisição de objetos de uso pessoal, ajuda à sua SERVIÇO À
(TRÊS QUARTOS)
família, constituição de pecúlio que lhe será entregue quando colocado em COMUNIDADE
DO SALÁRIO
liberdade. NÃO SERÃO
MÍNIMO
REMUNERADAS TRABALHO
DO PRESO

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

68
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

 Finalidade:
a) produtiva  Características:
b) educativa  Precauções relativas à segurança e à higiene.
 Remuneração:  Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).
 Não pode ser inferior a 3/4 do Salário Mínimo.
 Prestação de serviços à comunidade. R$
 Da destinação da remuneração:  Constituição de pecúlio.
a) aos danos causados pelo crime
 Finalidade:
b) à assistência à família a) sobreviver
c) a pequenas despesas pessoais b) adquirir trabalho
d) ao ressarcimento ao Estado das despesas realizadas com a manutenção c) se ajustar ou reajustar ao convívio social
do condenado
e) pecúlio

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Condenado
Condenado por
Pena privativa de Preso Provisório
crime político
liberdade

OBRIGATORIEDADE DO •É obrigado a •Não é obrigado a •Não está obrigado  Superior a 8 horas


TRABALHO trabalhar trabalhar (facultativo) ao trabalho  Jornada:
 Inferior a 6 horas
•Terá direito
REMUNERAÇÃO •Terá direito caso opte •Terá direito caso
possuindo uma
(Mínimo: ¾ S.M.) destinação.
em trabalhar. opte em trabalhar.

•Sim terá direito,


mesmo que venha
•Faz jus do direito a
 Domingos e Feriados:
REMIÇÃO sofrer acidente de -
trabalho, desde que remição (súmula 716).
não seja provocado.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

69
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

 Requisitos:
Obrigatório  Administração do Presídio  Preso em regime fechado.
Gerenciamento
Facultativo  Fundação ou Empresa Pública  Autorização do diretor do estabelecimento.
do Trabalho:
 O preso deverá ter:

Objetivo: formação a) aptidão


profissional do preso
b) disciplina

OBS: A Fundação e Empresa Pública devem ter autonomia adminstrativa. c) responsabilidade


d) ter cumprido 1/6 da pena

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

HORÁRIO ESPECIAL DE
TRABALHO AOS PRESOS
PRESO PROVISÓRIO, O DESIGNADOS PARA OS SERVIÇOS
 Tipos de Obras: TRABALHO NÃO É OBRIGATÓRIO DE CONSERVAÇÃO E
MANUTENÇÃO DO
A) Obras públicas.
A prestação de trabalho à entidade privada
ESTABELECIMENTO PENAL.
B) Obras privadas. depende do consentimento expresso do preso
(art. 36 § 3º LEP).
TRABALHO INTERNO
 Limite máximo: 10% do total de empregados da obra.
Exemplo: 500 empregados.
Presos trabalhando: 50 presos. HORÁRIO ESPECIAL DE
TRABALHO AOS PRESOS JORNADA NORMAL DE
 Órgão da Administração DESIGNADOS PARA OS SERVIÇOS TRABALHO NÃO SERÁ INFERIOR
 Remuneração  Entidade DE CONSERVAÇÃO E A 6 (SEIS) NEM SUPERIOR A 8
 Empresa empreitera MANUTENÇÃO DO (OITO) HORAS
ESTABELECIMENTO PENAL.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

70
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

EM SERVIÇO OU OBRAS
PÚBLICAS REALIZADAS POR
PRESOS EM REGIME FECHADO ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO 16) O trabalho do preso será remunerado, mediante
DIRETA OU INDIRETA, OU prévia tabela, não podendo ser inferior a três quartos
ENTIDADES PRIVADAS do salário mínimo nem se destinar ao ressarcimento
ao Estado das despesas realizadas com a sua
TRABALHO manutenção.
EXTERNO
17) O preso impossibilitado de prosseguir no
trabalho, por acidente, continuará a beneficiar-se com
IMITE MÁXIMO DO NÚMERO PRESTAÇÃO DE TRABALHO À a remição.
DE PRESOS SERÁ DE 10% (DEZ ENTIDADE PRIVADA DEPENDE
POR CENTO) DO TOTAL DE DO CONSENTIMENTO
EMPREGADOS NA OBRA. EXPRESSO DO PRESO.
2
1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Lei nº 7.210 de 1984 Lei nº 7.210 de 1984


Art. 28. O trabalho do condenado, como dever social e condição de dignidade
Art. 29. O trabalho do preso será remunerado, mediante humana, terá finalidade educativa e produtiva.
prévia tabela, não podendo ser inferior a 3/4 (três quartos) do
COPS UEL AGENTE DE APOIO SEAP PR 2009
salário mínimo.
§ 1° O produto da remuneração pelo trabalho deverá 18) Segundo os princípios gerais que norteiam o trabalho exercido pelos
atender: presos e apenados, como previsto no cap. III, seção I, art. 28 da LEP (Lei de
Execução Penal), é correto afirmar:
d) ao ressarcimento ao Estado das despesas realizadas com
a manutenção do condenado, em proporção a ser fixada e A) É um dever social e condição de dignidade humana, tendo finalidade
sem prejuízo da destinação prevista nas letras anteriores. educativa e produtiva.
B) É um dever social, tendo por fim exclusivamente a produção que possa
Lei nº 7.210 de 1984 remunerar o preso.
C) É uma opção para que o preso possa se ocupar e assim não pensar em
Art. 126. § 2º O preso impossibilitado de prosseguir no coisas que impeçam sua ressocialização.
trabalho, por acidente, continuará a beneficiar-se com a D) É uma opção dos diretores das unidades prisionais, tendo finalidade
remição. educativa e produtiva.
E) É um dever do sistema prisional, uma vez que, através dela, o preso e o
apenado podem obter remição de sua pena.
1

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

71
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CESPE/UNB AGENTE PENITENCIÁRIO SEJUS ES 2009 Lei nº 7.210 de 1984
Art. 36. O trabalho externo será admissível para os presos
19) Para os presos em regime fechado, o trabalho externo é em regime fechado somente em serviço ou obras públicas
admissível somente em serviços ou obras públicas realizadas por órgãos da Administração Direta ou Indireta, ou
realizados por órgãos da administração pública, não entidades privadas, desde que tomadas as cautelas contra a
podendo haver, todavia, vínculo empregatício entre o fuga e em favor da disciplina.
condenado e a administração ou a empresa privada que
realiza tais obras. Lei nº 7.210 de 1984
Art. 29. § 1° O produto da remuneração pelo trabalho
deverá atender:
d) ao ressarcimento ao Estado das despesas realizadas com
20) Constitui dever do condenado, entre outros, a a manutenção do condenado, em proporção a ser fixada e
indenização ao Estado, quando possível, das despesas sem prejuízo da destinação prevista nas letras anteriores.
realizadas com a sua manutenção, mediante desconto
proporcional da remuneração do trabalho.
1
1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

CESPE/UNB AGENTE PENITENCIÁRIO SEJUS ES 2009 Lei nº 7.210 de 1984


Art. 126. O condenado que cumpre a pena em regime
21) É assegurado ao preso, em regime fechado ou semi- fechado ou semi-aberto poderá remir, pelo trabalho, parte do
aberto, o desconto do tempo da pena privativa de liberdade tempo de execução da pena.
pelo trabalho, na proporção de três dias trabalhados por um § 1º A contagem do tempo para o fim deste artigo será feita
dia de pena, sendo tal benefício chamado remição. à razão de 1 (um) dia de pena por 3 (três) de trabalho.

22) Um dos principais deveres do preso é a obrigação de


Lei nº 7.210 de 1984
trabalhar, não se cuidando, porém, de trabalho forçado, o
Art. 39. Constituem deveres do condenado:
que é constitucionalmente vedado, mas de trabalho
V - execução do trabalho, das tarefas e das ordens
obrigatório, cuja recusa constitui falta grave.
recebidas;
Art. 50. Comete falta grave o condenado à pena privativa de
liberdade que:
VI - inobservar os deveres previstos nos incisos II e V, do
1
1 artigo 39, desta Lei.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

72
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
AGEPEN TÉCNICO PENITENCIÁRIO SEJUS SP 2006 CESPE/UNB AGENTE PENITENCIÁRIO SEJUS ES 2009

23) Quanto ao trabalho do preso, assinale a opção FALSA. 24) O condenado impossibilitado de prosseguir no trabalho
por motivo de acidente não continua a se beneficiar com a
A) O trabalho do preso será remunerado, mediante prévia tabela, não
podendo ser inferior a 3/4 (três quartos) do salário mínimo. remição, mas faz jus ao benefício previdenciário de auxílio
B) O produto da remuneração pelo trabalho deverá atender: à acidente
indenização dos danos causados pelo crime, desde que determinados
judicialmente e não reparados por outros meios; à assistência à família; 25) O condenado por crime político está desobrigado ao
a pequenas despesas pessoais; ao ressarcimento ao Estado das trabalho.
despesas realizadas com a manutenção do condenado, em proporção
a ser fixada e sem prejuízo da destinação prevista nas letras
anteriores. 26) Ao condenado à pena privativa de liberdade é facultativa
C) As tarefas executadas como prestação de serviço à comunidade a atividade laboral, respeitadas suas aptidões, sua
não serão remuneradas. capacidade e sua necessidade.
D) O trabalho do preso está sujeito ao regime da Consolidação das
Leis do Trabalho.
4
212

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Lei nº 7.210 de 1984 27) Com relação ao trabalho do preso é correto afirmar:
Art. 126. § 2º O preso impossibilitado de prosseguir no
trabalho, por acidente, continuará a beneficiar-se com a A) O mesmo não é remunerado, de forma a indenizar a
remição. sociedade dos custos com a custódia.

Lei nº 7.210 de 1984 B) Para o preso provisório, o trabalho não é obrigatório e só


Art. 200. O condenado por crime político não está obrigado poderá ser executado no interior do estabelecimento.
ao trabalho.
C) O condenado à pena privativa de liberdade não está
Lei nº 7.210 de 1984 obrigado ao trabalho.
Art. 31. O condenado à pena privativa de liberdade está
obrigado ao trabalho na medida de suas aptidões e D) As tarefas executadas como prestação de serviço à
capacidade. comunidade serão remuneradas.

E) Os presos maiores de 55 (cinqüenta e cinco) anos


poderão solicitar ocupação adequada à sua idade. 2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

73
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
Lei nº 7.210 de 1984 Lei nº 7.210 de 1984
Art. 30. As tarefas executadas como prestação de serviço à comunidade não Art. 29. O trabalho do preso será remunerado, mediante prévia tabela, não
serão remuneradas. podendo ser inferior a 3/4 (três quartos) do salário mínimo.
COPESE/UFPI – AGENTE PENITENCIÁRIO – SEJUS – PI – 2009
Lei nº 7.210 de 1984
Art. 29. § 1° O produto da remuneração pelo trabalho deverá atender:
28) No que se refere ao trabalho do preso, é INCORRETO afirmar:
a) à indenização dos danos causados pelo crime, desde que determinados
judicialmente e não reparados por outros meios;
a) o trabalho do preso será remunerado, não podendo ser inferior a um
Lei nº 7.210 de 1984 salário mínimo;
Art. 31. Parágrafo único. Para o preso provisório, o trabalho não é b) terá finalidade educativa e produtiva;
obrigatório e só poderá ser executado no interior do estabelecimento. c) as tarefas executadas como prestação de serviços à comunidade não
serão remuneradas;
Lei nº 7.210 de 1984 d) a jornada de trabalho não será inferior a 6(seis), nem superior a 8(oito)
Art. 31. O condenado à pena privativa de liberdade está obrigado ao trabalho na horas, com descanso nos domingos e feriados;
medida de suas aptidões e capacidade. e) o trabalho externo será admissível para os presos em regime fechado
somente em serviços ou obras públicas, desde que tomadas as cautelas
Lei nº 7.210 de 1984 contra a fuga e em favor da disciplina.
Art. 32. § 2º Os maiores de 60 (sessenta) anos poderão solicitar ocupação
adequada à sua idade. 1

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

Cespe/UnB – Delegado – PC – RN – 2009 Lei nº 7.210 de 1984


Art. 29. O trabalho do preso será remunerado, mediante prévia tabela, não
podendo ser inferior a 3/4 (três quartos) do salário mínimo.
29) De acordo com a Lei de Execução Penal, assinale a opção correta.
§ 1° O produto da remuneração pelo trabalho deverá atender:
d) ao ressarcimento ao Estado das despesas realizadas com a manutenção
a) O trabalho externo é inadmissível para os presos em regime fechado,
tendo em vista o alto grau de periculosidade dos condenados.
CESPE/UNB
do condenado, em – AGENTE
proporção a PENITENCIÁRIO – SGA
ser fixada e sem prejuízo – AC –
da destinação
prevista
2008 nas letras anteriores.
b) A prestação de trabalho externo, a ser autorizada pela direção do
estabelecimento penal, dependerá de aptidão, disciplina e
responsabilidade, além do cumprimento mínimo de dois terços da pena. A respeito da execução penal, julgue os próximos itens com
c) Se o preso for punido por falta média, será revogada a autorização de
base na lei de execução penal e suas alterações e nas
trabalho externo.
d) Se o preso praticar fato definido como crime, revogar-se-á a autorização regras mínimas para o tratamento do preso no Brasil.
de trabalho externo.
e) Para o preso provisório, o trabalho é obrigatório e só poderá ser 30) O trabalho do preso será remunerado, mediante prévia
executado no interior do estabelecimento. tabela, não podendo ser inferior a três quartos do salário
Lei nº 7.210 de 1984
Art. 37. Parágrafo único. Revogar-se-á a autorização de trabalho externo ao mínimo nem se destinar ao ressarcimento ao Estado das
preso que vier a praticar fato definido como crime, for punido por falta grave, despesas realizadas com a sua manutenção.
ou tiver comportamento contrário aos requisitos estabelecidos neste artigo. 4 2

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

74
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
Art 18. O médico, obrigatoriamente, examinará o preso, quando do Art. 20. Parágrafo Único - Deve-se garantir a liberdade de
seu ingresso no estabelecimento e, posteriormente, se necessário, contratar médico de confiança pessoal do preso ou de seus
para : familiares, a fim de orientar e acompanhar seu tratamento.
IV - assinalar as deficiências físicas e mentais que possam constituir
um obstáculo para sua reinserção social.
(LEI 7210/84 )
Art. 19. Ao médico cumpre velar pela saúde Art. 43 - É garantida a liberdade de contratar médico de
física e mental do preso, devendo realizar
confiança pessoal do internado ou do submetido a
visitas diárias àqueles que necessitem.
tratamento ambulatorial, por seus familiares ou
Art. 20. O médico informará ao diretor do dependentes, a fim de orientar e acompanhar o
estabelecimento se a saúde física ou mental tratamento.
do preso foi ou poderá vir a ser afetada pelas
condições do regime prisional.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO VIII CAPÍTULO VIII
A ORDEM E DA DISCIPLINA A ORDEM E DA DISCIPLINA

Art. 21. A ordem e a disciplina deverão ser mantidas, sem se impor Art. 22. Nenhum preso deverá desempenhar função ou tarefa
restrições além das necessárias para a segurança e a boa disciplinar no estabelecimento prisional.
organização da vida em comum.
Parágrafo Único - Este dispositivo não se aplica aos sistemas
baseados na autodisciplina e nem deve ser obstáculo para a
ORDEM
atribuição de tarefas, atividades ou responsabilidade de ordem
social, educativa ou desportiva.
GARANTEM A
SEGURANÇA E A
BOA
ORGANIZAÇÃO

DISCIPLINA

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

75
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
Art. 23 . Não haverá falta ou sanção disciplinar sem expressa e Art. 24. São proibidos, como sanções disciplinares, os castigos
anterior previsão legal ou regulamentar. corporais, clausura em cela escura, sanções coletivas, bem como
toda punição cruel, desumana, degradante e qualquer forma de
Parágrafo Único - As sanções não poderão colocar em perigo a tortura.
integridade física e a dignidade pessoal do preso.
(LEI 7210/84 ) (LEI 7210/84 )
Art. 45. Não haverá falta nem sanção disciplinar sem Art. 45.
expressa e anterior previsão legal ou regulamentar. § 2º É vedado o emprego de cela escura.
§ 1º As sanções não poderão colocar em perigo a § 3º São vedadas as sanções coletivas.
integridade física e moral do condenado.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


Art. 25. Não serão utilizados como instrumento de punição: Art. 26. A norma regulamentar ditada por autoridade competente
correntes, algemas e camisas-de-força. determinará em cada caso:
(LEI 7210/84 ) I - a conduta que constitui infração disciplinar;
Art. 199. O emprego de algemas será disciplinado por
decreto federal. II - o caráter e a duração das sanções disciplinares;

III - A autoridade que deverá aplicar as sanções.


Súmula Vinculante 11
Só é lícito o uso de algemas em casos de resistência e de fundado
receio de fuga ou de perigo à integridade física própria ou alheia,
por parte do preso ou de terceiros, justificada a excepcionalidade
por escrito, sob pena de responsabilidade disciplinar, civil e penal
do agente ou da autoridade e de nulidade da prisão ou do ato
processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil
do Estado.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

76
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
Art. 27. Nenhum preso será punido sem haver sido informado da CAPÍTULO IX
infração que lhe será atribuída e sem que lhe haja assegurado o DOS MEIOS DE COERÇÃO
direito de defesa.

Art. 28. As medidas coercitivas serão aplicadas, exclusivamente


para o restabelecimento da normalidade e cessarão, de imediato,
após atingida a sua finalidade.

 como medida de precaução contra fuga, durante o deslocamento


do preso;
 por motivo de saúde, segundo recomendação médica;
 em circunstancias excepcionais, quando for indispensável utilizá-
los em razão de perigo iminente para a vida do preso, de servidor,
ou de terceiros.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO IX CAPÍTULO IX
DOS MEIOS DE COERÇÃO DOS MEIOS DE COERÇÃO

Art. 30. É proibido o transporte do preso


em condições ou situações que lhe
imponham sofrimentos físicos.

 como
STF Súmula Vinculante
medida nº 11 - Sócontra
de precaução é lícitofuga,
o usodurante
de algemas em casos de
o deslocamento
resistência
do preso;e de fundado receio de fuga ou de perigo à integridade física Parágrafo único. No deslocamento de
 por motivo
própria ou alheia, por segundo
de saúde, parte do recomendação
preso ou de terceiros,
médica; justificada a mulher presa a escolta será integrada,
 em circunstancias
excepcionalidade por escrito, sob pena de
excepcionais, responsabilidade
quando disciplinar,utilizá-
for indispensável civil e pelo menos, por uma policial ou servidora
penal do razão
los em agentede ouperigo
da autoridade
iminente epara
de nulidade
a vida dodapreso,
prisãodeouservidor,
do ato pública.
processual a que se refere, sem prejuízo da responsabilidade civil do Estado.
ou de terceiros.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

77
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPITULO X
FCC - 2002 - SEAD-AP - Agente Penitenciário
DA INFORMAÇÃO E DO DIREITO DE QUEIXA DOS PRESOS
31) Segundo a Resolução 14/94, o uso de algemas nos presos é: Art. 31. Quando do ingresso no estabelecimento prisional, o preso
receberá informações escritas sobre normas que orientarão seu
a) admissível em qualquer circunstância. tratamento, as imposições de caráter disciplinar bem como sobre os
b) admissível por motivo de saúde, segundo recomendação médica. seus direitos e deveres.
c) admissível mediante expressa e específica autorização do juiz da
execução penal. Parágrafo único. Ao preso analfabeto, essas
d) admissível como sanção disciplinar máxima, nos estritos casos de informações serão prestadas verbalmente.
falta grave, apurada em regular procedimento administrativo e
assegurada a ampla defesa.
Art. 32. O preso terá sempre a oportunidade de
e) inadmissível.
apresentar pedidos ou formular queixas ao
diretor do estabelecimento, à autoridade
judiciária ou outra competente.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO XI CAPÍTULO XI
DO CONTATO COM O MUNDO EXTERIOR DO CONTATO COM O MUNDO EXTERIOR
Art. 33. O preso estará autorizado a comunicar-se periodicamente, sob Art. 33. O preso estará autorizado a comunicar-se periodicamente, sob
vigilância, com sua família, parentes, amigos ou instituições idôneas, por vigilância, com sua família, parentes, amigos ou instituições idôneas, por
correspondência ou por meio de visitas. correspondência ou por meio de visitas.
§ 1° A correspondência do preso analfabeto pode ser, a seu pedido, lida e § 1° A correspondência do preso analfabeto pode ser, a seu pedido, lida e
escrita por servidor ou alguém por ele indicado; escrita por servidor ou alguém por ele indicado;
§ 2° O uso dos serviços de telecomunicações poderá ser autorizado pelo Lei
§ 2°7.210
O uso dos serviços de telecomunicações poderá ser autorizado pelo
diretor do estabelecimento prisional. Art. 41 -do
diretor Constituem direitosprisional.
estabelecimento do preso:
XV - contato com o mundo exterior por meio de correspondência escrita, da
Art. 34. Em caso de perigo para a ordem ou para a segurança do leitura
Art. 34. e de
Emoutros
casomeios de informação
de perigo para a que não comprometam
ordem a moral edo
ou para a segurança os
estabelecimento prisional, a autoridade competente poderá restringir a bons costumes. prisional, a autoridade competente poderá restringir a
estabelecimento
correspondência dos presos, respeitados seus direitos. (...)
correspondência dos presos, respeitados seus direitos.
Parágrafo único. A restrição referida no caput deste artigo cessará, Parágrafo único.
único. Os
A direitos
restriçãoprevistos
referidanos
no incisos
caput V,deste
X e XV poderão
artigo ser
cessará,
imediatamente, restabelecida a normalidade. suspensos
imediatamente, ou restabelecida
restringidos amediante ato motivado do diretor do
normalidade.
estabelecimento.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

78
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO XI CAPÍTULO XII
DO CONTATO COM O MUNDO EXTERIOR DA INSTRUÇÃO E ASSISTÊNCIA EDUCACIONAL
Art. 38. A assistência educacional
Art. 35. O preso terá acesso a informações compreenderá a instrução escolar e a
periódicas através dos meios de formação profissional do preso.
comunicação social, autorizado pela
administração do estabelecimento. Art. 39. O ensino profissional será
ministrado em nível de iniciação e de
aperfeiçoamento técnico.

Art. 36. A visita ao preso do cônjuge, companheiro, Art. 40. A instrução primária será
família, parentes e amigos, deverá observar a fixação obrigatoriamente ofertada a todos os presos
dos dias e horários próprios. que não a possuam.
Art. 37. Deve-se estimular a manutenção e o Parágrafo único. Cursos de alfabetização
melhoramento das relações entre o preso e sua família. serão obrigatórios e compulsórios para os
analfabetos.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO XII CAPÍTULO XIII
DA INSTRUÇÃO E ASSISTÊNCIA EDUCACIONAL DA ASSISTÊNCIA RELIGIOSA E MORAL
Art. 41. Os estabelecimentos prisionais
contarão com biblioteca organizada com
livros de conteúdo informativo, educativo e Art. 43. A assistência religiosa, com
recreativo, adequados à formação cultural, liberdade de culto, será permitida ao preso
profissional e espiritual do preso. bem como a participação nos serviços
organizados no estabelecimento prisional.
Art. 42. Deverá ser permitido ao preso
participar de curso por correspondência, Parágrafo único. Deverá ser facilitada, nos
rádio ou televisão, sem prejuízo da disciplina estabelecimentos prisionais, a presença de
e da segurança do estabelecimento. representante religioso, com autorização
para organizar serviços litúrgicos e fazer
Lei 7.210 visita pastoral a adeptos de sua religião.
Art. 21. Em atendimento às condições locais, dotar-se-á cada
estabelecimento de uma biblioteca, para uso de todas as categorias de
reclusos, provida de livros instrutivos, recreativos e didáticos.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

79
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO XIII CAPÍTULO XIV
DA ASSISTÊNCIA RELIGIOSA E MORAL DA ASSISTÊNCIA JURÍDICA
Lei 7.210
Art. 44. Todo preso tem direito a ser
Art. 24. A assistência religiosa, com
assistido por advogado.
liberdade de culto, será prestada aos presos
§ 1° As visitas de advogado serão em local
e aos internados, permitindo-se-lhes a
reservado respeitado o direito à sua
participação nos serviços organizados no
privacidade;
estabelecimento penal, bem como a posse
de livros de instrução religiosa.

§ 1º No estabelecimento haverá local § 2° Ao preso pobre o Estado deverá


apropriado para os cultos religiosos. proporcionar assistência gratuita e
§ 2º Nenhum preso ou internado poderá ser permanente.
obrigado a participar de atividade religiosa.
Artigos 15 e 16 da Lei 7.210.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO XV CAPÍTULO XVI
DOS DEPÓSITOS DE OBJETOS PESSOAIS DAS NOTIFICAÇÕES
Art. 46. Em casos de falecimento, de doença,
acidente grave ou de transferência do preso
para outro estabelecimento, o diretor
informará imediatamente ao cônjuge, se for o
caso, a parente próximo ou a pessoa
previamente designada.
Art. 45. Quando do ingresso do preso
§ 1° O preso será informado, imediatamente,
no estabelecimento prisional, serão
do falecimento ou de doença grave de
guardados, em lugar seguro, o
cônjuge, companheiro, ascendente,
dinheiro, os objetos de valor, roupas § 2° Tais bens serão
descendente ou irmão, devendo ser permitida
e outras peças de uso que lhe devolvidos ao preso no
a visita a estes, sob custódia.
pertençam e que o regulamento não momento de sua
autorize a ter consigo. transferência ou liberação
§ 2° O preso terá direito de comunicar,
imediatamente, à sua família, sua prisão ou
sua transferência para outro estabelecimento.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

80
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO XVII
FCC - 2002 - SEAD-AP - Agente Penitenciário
DA PRESERVAÇÃO DA VIDA PRIVADA E DA IMAGEM
Art. 47. O preso não será constrangido a participar, 32) Não é direito do preso:
ativa ou passivamente, de ato de divulgação de
informações aos meios de comunicação social, a) formular queixas diretamente ao diretor do presídio.
especialmente no que tange à sua exposição
compulsória à fotografia ou filmagem. b) fugir.
Parágrafo único. A autoridade responsável pela
custódia do preso providenciará, tanto quanto c) entrevistar-se pessoal e reservadamente com seu advogado.
consinta a lei, para que informações sobre a vida
privada e a intimidade do preso sejam mantidas d) ser protegido contra o sensacionalismo.
em sigilo, especialmente aquelas que não tenham
relação com sua prisão. e) ter sigilo em sua correspondência.
Art. 48. Em caso de deslocamento do preso, por
qualquer motivo, deve-se evitar sua exposição ao
público, assim como resguardá-lo de insultos e da
curiosidade geral. 2

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO XVIII
CESPE - 2005 - SNJ - Agente Penitenciário
DO PESSOAL PENITENCIÁRIO
33) Maria, presa condenada cumprindo pena pela prática de furto
qualificado pela destreza, solicita ao diretor do estabelecimento Art. 49. A seleção do pessoal
prisional a utilização de aparelho de telefonia móvel, a fim de administrativo, técnico, de vigilância e
comunicar fato urgente a sua família. Nesta situação, ao diretor não é custódia, atenderá à vocação, à
facultado avaliar o pedido, cabendo-lhe unicamente a recusa do preparação profissional e à formação
pedido inadmissível por lei. profissional dos candidatos através de
escolas penitenciárias.
34) Ao preso analfabeto é compulsória a alfabetização.
Art. 50. O servidor penitenciário deverá cumprir suas
35) Os bens apreendidos com o preso no momento do ingresso no funções, de maneira que inspire respeito e exerça
estabelecimento prisional somente serão restituídos quando da sua influência benéfica ao preso.
soltura.
Será escolhido para a função por seu caráter,
integridade moral, capacidade administrativa e
212 formação profissional adequada. (artigo 51)

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

81
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO XVIII
NUCEPE - 2010 - SEJUS-PI - Agente Penitenciário
DO PESSOAL PENITENCIÁRIO
PRESÍDIO FEMININO 36) Sobre o pessoal penitenciário é correto dizer que, EXCETO:

a) a escolha do diretor deve levar em conta o caráter e a integridade


do eleito;
b) o agente penitenciário deve exercer influência benéfica ao preso;
c) a vigilância e custódia nas penitenciárias femininas deve ser
realizada por agente do sexo feminino;
d) o agente penitenciário deve obedecer à ordem de superior
hierárquico, ainda que manifestamente ilegal.

Art. 52. No estabelecimento prisional para a mulher, o


responsável pela vigilância e custódia será do sexo feminino. 4

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO XX CAPÍTULO XX
DAS RECOMPENSAS DAS RECOMPENSAS
PRESÍDIO FEMININO PRESÍDIO FEMININO Lei 7210
Art. 55. As recompensas têm em
vista o bom comportamento
reconhecido em favor do
condenado, de sua colaboração com
GAROTA a disciplina e de sua dedicação ao
trabalho.
TB
(Talavera Bruce) Art. 56. São recompensas:
I - o elogio;
II - a concessão de regalias.
Art. 55. Em cada estabelecimento prisional será instituído um sistema de Art. 55. Em cada estabelecimento prisional será instituído um sistema de
recompensas, conforme os diferentes grupos de presos e os diferentes recompensas, conforme os diferentes grupos de presos e os diferentes
métodos de tratamento, a fim de motivar a boa conduta, desenvolver o métodos de tratamento, a fim de motivar a boa conduta, desenvolver o
sentido de responsabilidade, promover o interesse e a cooperação dos sentido de responsabilidade, promover o interesse e a cooperação dos
presos. presos.
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

82
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO XIX CAPÍTULO XXII
DA CLASSIFICAÇÃO DOS CONDENADOS DAS RELAÇÕES SOCIAIS E AJUDA PÓS-PENITENCIÁRIA
Art. 53. A classificação tem por finalidade:
Art. 58. Os órgãos oficiais, ou não, de
I - separar os presos que, em razão de sua
apoio ao egresso devem:
conduta e antecedentes penais e
penitenciários, possam exercer influência
I - proporcionar-lhe os documentos
nociva sobre os demais.
necessários, bem como, alimentação,
II - dividir os presos em grupos para orientar
vestuário e alojamento no período
sua reinserção social;
imediato à sua liberação, fornecendo-lhe,
inclusive, ajuda de custo para transporte
Art. 54. Tão logo o condenado ingresse no
local;
estabelecimento prisional, deverá ser
realizado exame de sua personalidade
II - ajudá-lo a reintegrar-se à vida em
estabelecendo-se programa de tratamento
liberdade, em especial, contribuindo para
específico, com o propósito de promover a
sua colocação no mercado de trabalho.
individualização da pena.

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com


CAPÍTULO XXIII CAPITULO XXIV
DO DOENTE MENTAL DO PRESO PROVISÓRIO
 separação dos presos condenados;
Art. 59. O doente mental deverá ser
 cela individual, preferencialmente;
custodiado em estabelecimento apropriado,
 opção por alimentar-se às suas
não devendo permanecer em estabelecimento
expensas;
prisional além do tempo necessário para sua
 utilização de pertences pessoais;
transferência.
 uso de sua própria roupa ou,
quando for o caso de uniforme,
diferenciado daquele utilizado por
preso condenado;
Obs: Aplicam-se, no que  oferecimento de oportunidade de
Art. 60. Serão tomadas providências, para que
couber, essas normas ao trabalho;
o egresso continue tratamento psiquiátrico,
preso por prisão civil (artigo  visita e atendimento do seu médico
quando necessário.
62). ou dentista.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

83
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com
CAPÍTULO XXIII
FMZ - AP - 2010 - SEAD-AP - Agente Penitenciário
DOS DIREITOS POLÍTICOS
37) Dentre os direitos do preso provisório estão, COM EXCEÇÃO: Art. 63. São assegurados os direitos
políticos ao preso que não está
a) separação dos presos condenados. sujeito aos efeitos da condenação
criminal transitada em julgado.
b) utilização de pertences pessoais.

c) oferecimento de oportunidade de trabalho.

d) visitas íntimas semanais. CF/88. Art. 15. É vedada a cassação


de direitos políticos, cuja perda ou
e) atendimento com seu dentista particular. suspensão só se dará nos casos de:

III - condenação criminal transitada


em julgado, enquanto durarem
4 seus efeitos;

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

UPENET - 2010 - SERES-PE - Agente Penitenciário


38) Julgue as seguintes proposições:

I) Ao preso provisório é permitido usar suas próprias roupas, bem


1) D 11)ERRADO 21)CERTO 31) B
como alimentar-se às suas expensas.
2) ERRADO 12)CERTO 22)CERTO 32) B
II) A todos os presos são assegurados os direitos políticos.
3) CERTO 13)CERTO 23)D 33) ERRADO
III) O preso decorrente de prisão civil deve ser colocado em cela
4) ERRADO 14)E 24)ERRADO 34) CERTO
individual, preferencialmente.
5) CERTO 15)A 25)CERTO 35) ERRADO
6) C 16)ERRADO 26)ERRADO 36) D
Estão corretos:
7) ERRADO 17)CERTO 27)B 37) D
a) Todos os itens.
8) A 18)A 28)A 38) D
b) Apenas o item I.
9) E 19)CERTO 29)D
c) Apenas os itens II e III.
10)A 20)CERTO 30)ERRADO
d) Apenas os itens I e III.
e) Apenas o item III.

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

84
prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

Adquira materiais das outras disciplinas entrando em contato com: prof.luisalberto@gmail.com

prof.luisalberto@gmail.com prof.luisalberto@gmail.com

85