Você está na página 1de 24

Nova Perspectiva Sistêmica

Números 1, 2, 3, 7, 8 e 9: esgotadas

Número 1
 Reflexões sobre o ato de perguntar - Gladis Brun e Rosana Rapizo
 Terapia Familiar: possibilidade de articular diferentes enfoques - Terezinha Feres
Carneiro
 Famílias: sistemas multidimensionais - Dora Fried Schnitman
 Aprendizagem e Terapia Familiar - Mônica da Silva Lobo e Evelyn Rogozinsky
 Paradigma: Subjetividade além da técnica - Mirian Schenker e Regina Schoemer
Jardim

Número 2
 Os tempos de formação em Terapia Familiar - Maurizio Andolfi
 Na natureza dos fluxos entre os âmbitos - André Rego, Carlos Zuma, Helena Monte
e Jorge Bergallo
 Contrato de interação familiar - Eloisa Schimidt
 Terapia do divórcio - Teresa Cristina Diniz e Gladis Brun

Número 3
O cliente é o especialista - Harlene Anderson e Harold Goolishian
No arrastão da estética - Nízia Villaça e Maura Sardinha
A objetividade e seus parênteses - Rosana Rapizo
 Algumas notas a respeito do sigilo em Terapia de família - Nira Lopes Acquaviva
 Modelo integrativo - Ana Pannunzio, Mario Negrão, Gláucio Alves e Silvia Grassano

Número 4
 Terapia familiar em contextos de pobreza... - Marcelo Pakman
 Violência conjugal, neutralidade e poder na prática clínica - Roberto Faustino de
Paula
 Por que os casais se separam? – Antônio Mourão Cavalcante
 Incesto: fantasia ou realidade? – Marli Kath Sattler
 Entrevista com Saul Fuks – Rosana Rapizo
 Consultoria clínica: um desafio – André Souza Rego, Carlos Eduardo Zuma, Helena
Júlia Monte, Jorge Bergallo, Maria Helena Lisboa Bartholo, Teresa Cristina do Valle
Chagas Diniz
Número 5
 Autoreferência e sistema terapêutico – Mony Elkaïm
 Terapia como co-criação de "selves" e mundos possíveis: uma ecologia da
virtualidade – Dora Fried Schnitman e Saul Fuks
 Maturana: gregos, troianos, cobras e lagartos – Eliza Santa Roza
 A questão de gênero em terapia familiar: a visão de terapeutas familiares de Porto
Alegre em 1992 – Olga Falcetto
 Entrevista com Harlene Anderson - Helena Braz
 Supervisão em grupo num curso de abordagem sistêmica da família – Christina
Sutter
 Uma perspectiva sistêmica para a terapia familiar na instituição - Tânia de Oliveira
Luchi

Número 6
 A intervenção em rede – Elina Nora Dabas
 Sociodrama familiar sistêmica – Maria Rita D´Angelo Seixas
 A cibernética como base epistemológica da terapia familiar sistêmica – Maria José
Esteves de Vasconcellos
 Entrevista com Edgar Morin – Dora Fried Schnitman e Saul Fuks
 Sobre como construir uma pesquisa enquanto se exercita a convivência e se
possibilita condições mais criativas para um grupo – Carmem Pontual de A. Falcão,
Eva Laufer e Liora Coslovsky Berer

Número 7
 A linguagem não é inocente - Tom Andersen
 Vendo a equipe interdisciplinar como um sistema - Juliana Gontijo Aun
 Equipe reflexiva: uma análise do ponto de vista da construção de significado
Marilene A. Grandesso
 Entrevista com Dora Fried Schnitman - Nira Lopes Acquaviva e Maria Heloísa
Fernandes
 Da ética da mudança à ética da escolha: o construtivismo e evolução dos modelos
em Terapia Familiar - Maria Fátima Olivier Sudcrack
 Notas acerca da nova configuração familiar - Simone Castiel

Número 8
 Reconstruindo os irmãos Grimm: novos contos para a vida em famílias
reconstituídas
Anne C. Bernstein
 Praticante reflexivo: a identidade profissional do terapeuta de família - Rosana
Rapizo
 Utilização de instrumentos reflexivos na formação: “cadernos de viagem” e equipe
reflexiva - Vania Curi Yazbek
 Filhos do divórcio - Omar O. Biscotti
 Em direção a um construtivismo construtivo na terapia familiar - Jorge Colapinto

Número 10
 Exercícios para manter sua mente sistêmica – Gianfranco Cecchin

RESUMO: O autor defende a idéia de que o pensar de maneira circular-


sistêmico não se dá naturalmente, pelo menos na cultura ocidental.
O terapeuta que quiser ver e tratar pacientes a partir de um ponto de vista
sistêmico, deve praticar constantemente exercícios, seja em equipe, em
grupos de treinamento, em grupos de supervisão, ou sozinho.
O autor apresenta alguns exercícios que são utilizados no Centro de
Terapia Familiar de Milão e tenta demonstrar que, sem estes exercícios, é
muito fácil voltar a modos de pensar e de agir lineares-causais.
Evidentemente, estes exercícios só são úteis para aqueles terapeutas que
não crêem que uma epistemologia linear-causal seja suficiente para
explicar a grande variedade de fenômenos observáveis nos sistemas
humanos.

 Dialogando sobre teorias: as metáforas teóricas da terapia familiar – Marilene A.


Grandesso

RESUMO: Consideradas por Einstein como livres criações do espírito


humano, as teorias podem ser entendidas como maneiras de criar sentido,
de construir e organizar nosso conhecimento e referendar nossa praxis.
Numa concepção pós-moderna da terapia familiar, tanto as teorias como
as práticas de terapia têm sido compreendidas como lentes temporais,
sujeitas a mudanças evolutivas através dos tempos. Este trabalho propõe-
se a refletir sobre as diferentes lentes através das quais se tem construído
a história da terapia familiar, com ênfase especial nas metáforas teóricas
utilizadas - das metáforas sistêmicas e cibernéticas às hermenêuticas - e
na articulação entre a teoria e a prática clínica.

 O eixo da aliança e o casal homossexual – C. A. de Medina

RESUMO: A discussão da luta dos homossexuais na busca de um


reconhecimento legal de sua união com todos os direitos do casamento
torna visíveis as modificações que a instituição familiar vem passando e
para as quais os encaminhamentos existentes são insuficientes ou
inadequados. O núcleo de tal discussão está na perda de valor da
dimensão biológica do casamento e a valorização dos sentimentos e
afetos das pessoas entre si. O reconhecimento da validade de suas
relações, a importância dada a uma relação amorosa duradoura para a
"felicidade" das pessoas, preserva valores reconhecidos como positivos
em uma realidade social muito criticada por suas marcas de exclusão e
desamor.

 Contextualizando o construtivismo no quadro da ciência novo-paradigmática –


Maria José Esteves de Vasconcellos

RESUMO: Dada a recente e ampla disseminação, na área de terapia


familiar das idéias e propostas construtivistas, muitas perguntas têm sido
colocadas sobre as relações entre as bases sistêmico-cibernéticas dessa
terapia e o construtivismo.
Propõe-se, então, um quadro de referência da ciência contemporânea
que, explicitando seus pressupostos epistemológicos, permite
contextualizar o construtivismo e responder às referidas perguntas.
Evidenciam-se assim as convergências e as possibilidades de integração
que caracterizam o novo paradigma da ciência e, portanto, a terapia
familiar novo-paradigmática.

 Ainda dá pra ser feliz? Alcoolismo e adolescência num processo de terapia de


família - Maria Dolores Reckziegel Back e Teresinha Eduardes Klafke

RESUMO: Este trabalho discute questões pertinentes ao processo de


adolescência, de uma família com filhos adolescentes, e a questão do
alcoolismo que perpassa essas relações, ao mesmo tempo em que estas
são perpassadas pelo processo adolescente.
Traremos nossa experiência clínica no atendimento a uma família com
estas características e as reflexões que esta prática nos possibilitou,
acerca da função do sintoma, dos focos trabalhados no processo
terapêutico (alcoolismo e adolescência), das observações de aspectos não
verbais e do comparecimento às sessões.

Edição comemorativa – 10 anos ITF-RJ


 Da pergunta ideal à pergunta útil – Gladis Brun e Anna Maria Hoette

RESUMO: Este é o relato de uma experiência feita no Instituto de Terapia


de Família do Rio de Janeiro com um grupo com características diferentes
daqueles que freqüentam o curso regular e formação. O grupo em questão
é formado dentro de diferentes perspectivas teóricas e nos pediu maiores
informações sobre a construção de perguntas, após terem observado por
trás do espelho unidirecional, algumas sessões de terapia de família.
Esse interesse tomou forma a partir da observação de nossa utilização de
perguntas que foram experimentadas como de grande potência
terapêutica. O passo seguinte foi a formulação de um pedido de
treinamento específico em perguntas reflexivas.
Frente a esta demanda, nós, como formadoras, levantamos algumas
questões que nos ajudaram a pensar sobre este pedido (...)

 Textos e contextos na anorexia nervosa – Teresa Cristina do Valle Chagas Diniz

RESUMO: este trabalho foi apresentado no II Congresso Brasileira de


Terapia Familiar (1996). Pretende relatar a complexidade do tratamento de
pacientes acometidos de um transtorno alimentar – anorexia nervosa –
que, por leva-las (os) a diferentes situações de risco de vida, necessita da
assistência de uma equipe multidisciplinar. Esta, por sua vez, precisa de
um consultor cuja visão contextual ajude a manter a coesão necessária
para permitir que a família transforme seus textos de tal forma que os
comportamentos de seus membros (especialmente da(o) paciente)
tornem-se mais favorecedores do desenvolvimento individual e grupal.

 A trama tecida a dois – Eloísa Vidal Rosas


RESUMO: Nos últimos anos, as relações de casal têm sido alvo de
curiosidade, não só por parte dos especialistas, como do público em geral,
haja vista a vasta literatura a respeito, assim como peças de teatro e
filmes que têm se dedicado a este tema. Isso se deve às inúmeras
transformações que a instituição casamento vem sofrendo, a partir de
outras mais amplas na cultura ocidental.
As formulações que constituíram o arcabouço da vida afetiva, sexual e
social do casal passam pelo filtro do pensamento pós-moderno, apontando
para novas alternativas para os papéis tradicionalmente experimentados
por homem e mulher.
A psicologia foi buscar no âmbito de outras ciências da comunicação, tais
como a lingüística e a literatura, subsídios para construção de possíveis
explicações, mais que teorias, para descrições de comportamentos. De
um ponto de vista hermenêutico, a vida é um processo de interpretação
através e na história. (...)

 Comunicação em famílias de sobreviventes do holocausto – Lia Ganc

RESUMO: Este trabalho é introdutório ao tema que pretendo pesquisar.


Trata da comunicação nas famílias dos sobreviventes do holocausto,
pretende brevemente aproximar o leitor da questão que me inquieta que é
o silêncio nas famílias dos sobreviventes. Inquieta-me pensar que, como
terapeuta, entendo que a dor que vai na alma ao passar pela palavra pode
trazer alívio ao sofrimento. Mas, como resolver o paradoxo de esperar que
os sobreviventes e seus familiares falem sobre o indizível? O horror do
Holocausto só pode ser encarado obliquamente. Côo então ajudar essas
famílias a ter mais paz no seu silêncio?
Dividir um pouco essa inquietação é tarefa deste trabalho.

 Relato preliminar sobre um levantamento de dados na clínica social do ITF-RJ –


Rosana Rapizo

RESUMO: Este artigo é um relatório inicial do levantamento de dados


sobre o funcionamento da clínica social do Instituto de Terapia de Família
do Rio de Janeiro. Este levantamento reúne dados de 1989 até 1996. As
variáveis consideradas foram: o tipo de família atendida, a posição do
membro que motivou a consulta na constelação familiar, a indicação, a
queixa principal, a duração do tratamento e o motivo de término. A autora,
a partir deste levantamento inicial, lança algumas questões e reflexões a
respeito da relação recursiva desse tipo de trabalho com a prática clínica e
a formação de terapeutas e que novas direções ele pode apontar nestes
terrenos.

 Divórcio e mediação transformativa – Tânia Almeida

RESUMO: Neste artigo, a autora convida-nos a pensar a respeito da


interação existente entre o processo legal e o processo emocional do
divórcio. Discrimina três diferentes identidades – os indivíduos, o par
conjugal e o par parental – entrelaçadas no processo.
Na intenção de tornar o divórcio o menos disfuncional possível propõe,
para aqueles que trabalham com o tema, uma atuação que auxilie a
restringir o divórcio ao casal conjugal.
Sugere a Mediação como espaço de escolha para os divórcios que
envolvem litígio e, no propósito de preservar o casal parental atuante,
elege a Mediação Transformativa como instrumento ideal.

 http://www.co-evolução@com.plexidade.com - André Souza Rego, Carlos Eduardo


Zuma, Helena Júlia Monte e Jorge Bergallo

RESUMO: Neste artigo os autores levantam alguns conceitos com os


quais estiveram envolvidos durante seu curso de formação em Terapia de
Família, no ITF-RJ, e os articulam com a idéia de Rede Social. Formulam,
a partir daí, considerações sobre o lugar do terapeuta que incorpora a
dimensão rede social em sua prática.
Número 11
 Educação e terapia em fronteiras culturais por práticas sociais críticas nos serviços
humanos – Marcelo Pakman

RESUMO: Se entendemos as fronteiras existentes entre as culturas como


fatos culturais fluidos e abertos à mudança através da reconstrução na
interação, as fronteiras culturais em que habitamos se transformam em
solo fértil para uma terapia reflexiva. Em tal processo, a habilidade de nos
enxergarmos através dos outros incorpora as dimensões intercultural-
ético-sociais que nos constituem, não como um mero contexto para uma
forma supostamente universal e abstrata de terapia, mas como o texto
necessário de uma versão encarnada da terapia, enraizada em cada
situação. Uma terapia dessa índole pode desempenhar assim mesmo um
papel social decisivo em uma época que nos insta a viver sem pensar nos
que vivemos e que tende a reduzir os serviços sociais a formas
cegamente ideológicas e burocratizadas da tecnologia de controle social.

 Metáforas de transformação nos finais do século – Saul Fuks

RESUMO: Neste artigo são revistos alguns dos impactos que as


metáforas emergentes no pensamento pós-moderno tem produzido
naqueles contextos nos quais “mudança” e “transformação” são os eixos
fundamentais.
Os espaços de transformações sociais têm em comum com o das
psicoterapias que a mudança (em suas diferentes metáforas e analogias)
é um ingrediente central de sua especificidade e grande parte dos
intercâmbios comunicativos que se produzem estão atravessados por
estas referências. As conversas sobre mudança incluem o desejado e o
indesejado; o controle e o descontrole; o externo e o interno; certezas e
incertezas; verdades e erros; saberes e ignorâncias; ordem e desordem;
regulações e caos; ilusões e desilusões; esperanças e desesperanças.
Que pode acontecer quando estas maneiras de descrever, ilustrar e
explicar são questionadas? Quando se discutem as verdades da ciência,
inclusive a capacidade mesma de gerar verdade? Quando as conversas
começam a incluir novas metáforas, ícones e modos de descrição
diferentes que convivem com as existentes?

 Vida, paixão e morte: os marcovaldo – Juana Gerardi

RESUMO: A autora discorre sobre o evento terapêutico como metáfora de


acontecimentos reais, possibilidade de estender limites e ampliar
significados; a atualidade do mito, história aberta e disponível para receber
novas marcas e significados, num trabalho conjunto de terapeuta e
paciente.

 Escrevendo na terapia: uma abordagem participativa – Gonzalo Bacigalupe

RESUMO: Este artigo explora o potencial de escrever com ao invés de


para ou sobre os clientes, uma abordagem que pode promover novas
respostas para os dilemas dos clientes em face de discriminações
institucionais, culturais, étnicas, de classe ou gênero. Uma revisão seletiva
da literatura sobre escrever em terapia e vinhetas de meu próprio trabalho
em uma clínica comunitária de saúde mental apóia esta reflexão. Algumas
implicações para o treinamento de terapeutas também são consideradas.
Número 12
 Poder, recursividade e desigualdade social: re-lembrando o bem-estar social em
relação às mulheres e famílias na pobreza – Imelda Colgan McCarthy

RESUMO: Nesta conferência a autora revisita alguma idéias sobre poder


no mundo da terapia de família, especialmente aquelas em relação à
desigualdade social das mulheres e famílias na pobreza. A autora sustenta
que a posição desigual das mulheres é criada, em parte, por certas
práticas discursivas no nível da sociedade, das famílias e da terapia de
família. Sugere também algumas estratégias, na prática terapêutica, para
a resistência às práticas opressivas do poder.

 Mediação familiar: articulando diferenças, construindo alternativas – Liara Lopes


Krüger

RESUMO: A autora, neste artigo, faz uma reflexão sobre a necessidade do


desenvolvimento de alternativas para trabalhar com o divórcio e suas
conseqüências na família, enfatizando as capacidades pessoais. Aponta a
Mediação Familiar como um caminho viável para a construção de modelos
saudáveis de funcionamento familiar no pós-divórcio.
O artigo apresenta o modelo utilizado pela autora no Foro da Comarca de
Porto Alegre - RS, explanando sobre cada uma de suas etapas.

 A construção da parentalidade de pós-divórcio: uma vivência feminina – Rosana


Rapizo, Carmen Falcão, Maria Beatriz Costamilan, Martha Scodro, Nadia Moritz

RESUMO: Este artigo descreve e discute um trabalho realizado no ITF-RJ


com grupos de mulheres separadas com filhos. Estes grupos fazem parte
de uma pesquisa sobre a construção da parentalidade pós-divórcio.
Destinam-se a criar um espaço de reflexão e suporte terapêutico para
mães/mulheres no contexto pós-divórcio. Tendo em mente que o trabalho
com grupos pode propiciar a criação e a ampliação da rede social,
destacaremos a multiplicação dos recursos gerados nos grupos através do
que Lobovitz, D. et al. chamam de Práticas de Circulação.

 O par parental; o que há de novo? – Rogério Lessa Horta

RESUMO: Este artigo apresenta uma abordagem sistêmica e de gênero


do estudo da parentalidade, com foco exclusivo na relação pai-mãe.
Questões como distribuição de poder, estratégias de sobrevivência e
sobrevivência emocional são incluídas e associadas a dados de estudos
arqueológicos, antropológicos e sociológicos.

Número 13
 Desenhando terapias em saúde mental comunitária: poética e micropolítica dentro e
além do consultório – Marcelo Pakmam

RESUMO: O autor faz uma reflexão sobre as práticas psiquiátricas,


usando como referencial o construtivismo e construcionismo social.
Propõe contextos possíveis para desenhar o que chama de terapias
construtivas. Ilustra suas reflexões com vinhetas de seu trabalho em uma
unidade de estabilização de crise onde trabalha.
 Subjetividade, epistemologia e psicologia do conhecimento: breve discussão sobre
epistemologia cibernética e epistemologia qualitativa – Maurício Neubern

RESUMO: As propostas cibernéticas, das quais Bateson é um dos


principais autores, contribuíram significativamente para novos
desenvolvimentos teóricos e epistemológicos da psicologia. Dentre as
principais repercussões nesta área, podem ser destacados o papel do
sujeito como observador, a epistemologia como questão psicológica, a
ética e a estética na observação e a dimensão ecológica da psicologia.
Entretanto, uma série de questionamentos é traçada quanto a tais
contribuições que parecem não integrar em seus construtos dimensões
importantes da subjetividade, seja no nível prático e teórico, seja no nível
epistemológico. O presente artigo consiste em uma breve reflexão sobre
tais pontos na ótica da subjetividade da epistemologia qualitativa.

 Atendimento em equipe de uma família em situação especial: um estudo de caso


clínico – Juliana Gontijo Aun, Sônia Vieira Coelho

RESUMO: Este é o relato de um estudo de caso clínico atendido pela


equipe terapêutica da EquipSIS. Trata-se de um casal casado há 3 anos,
com um filho de 2 anos e 8 meses em que o marido foi encaminhado para
terapia de casal como um meio de “preparar a esposa” para receber a
notícia de sua bissexualidade. A descrição da queixa pelo terapeuta que
encaminhava o caso e o contato telefônico realizado pelo marido criaram
uma situação de difícil manejo uma vez que o segredo do marido foi
compartilhado com a equipe terapêutica e era ignorado pela esposa. O
estudo enfoca o papel da equipe atrás do espelho e do terapeuta “O”
(terapeuta de observação) na condução da terapia do casal,
especialmente no que se refere ao segredo.

 Reflexões para um terapeuta de casal – Gladis Brun

RESUMO: Este artigo explora a importância da narrativa cultural dominante nas


nossas construções sobre casal, felicidade, casamento e expectativas de
comportamento para cada gênero. Avalia as conseqüências da “invisibilidade”
dessa língua maior e o quanto interfere em nossa participação enquanto co-
autores tanto no texto quanto no contexto de nossa prática clínica. Nos coloca
frente à impossibilidade de uma língua única permeando nossos diálogos e
como explorar os diferentes idiomas nas conversas terapêuticas que mantemos
com aqueles que nos pedem ajuda.

 Orientar/instruir X construir na formação – Maria Cristina d´Avila de Castro e Telma


Pereira Lenzi

RESUMO: Refletir sobre o processo de formação em Terapia Sistêmica


dentro de uma visão pós-modernista é o que se propõe a narrar o
presente trabalho.
Levantamos algumas perguntas que nos acompanham durante a
formação que permanecem sem respostas por entendermos que estamos
totalmente absorvidas pela idéia de circularidade e recursividade enquanto
formadores e pessoas que somos.
Nosso desejo é compartilhar com vocês os momentos de dúvidas,
incertezas, crescimento e prazer que norteiam nosso trabalho.

Número 14
 Treinamento e consultoria em terapia sistêmica transcultural: uma visão pós-
colonialista – Gonzalo Bacigalupe

RESUMO: Interações educacionais transculturais e consultorias podem


ser enquadradas como formas sutis de colonialismo, nas quais o saber é a
principal mercadoria. O autor examina suas experiências e observações
anteriores como estagiário de terapia familiar na América do Sul. Hoje,
como educador e consultor de terapia familiar, o autor se depara com
intercâmbios semelhantes ao consultar e ensinar no exterior. A partir desta
segunda perspectiva, o leitor é convidado a explorar uma série de
questões que fomentam uma prática reflexiva e que se crê possibilitará o
aparecimento de análises adicionais. Segundo a maneira pós-colonialista,
esta crítica não se atreve a ter acesso privilegiado à "verdade". No
entanto, o autor se compromete com uma postura ética de colaboração e
participação nos encontros com aqueles que construímos como o outro.

 Grupo de familiares do centro de atenção diária: uma tentativa de reconstrução da


rede social – Carmen Pontaul de A. Falcão

RESUMO: Este artigo apresenta uma nova leitura no atendimento de


grupo de familiares do Centro de Atenção Diária (CAD) do Instituto de
Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IPUB).
Descreve uma forma de trabalho com grupo embasado no referencial
teórico do construcionismo social e práticas de rede social.

 Entrevista com Anna Maria Hoette e Rosaura Maria Braz – Gizele Bakman e Martha
Scodro

 Uma experiência de pesquisa interdisciplinar: antropologia e terapia familiar


sistêmica analisando atendimentos de famílias com dependentes de drogas – Naíra
Morgado, Roberta T. Pereira, José Guilherme C. Magnani, Piero de C. Leirner

RESUMO: Este artigo traz um diálogo possível entre a terapia familiar


sistêmica baseada na narrativa e a análise estrutural da Antropologia, a
partir dos resultados de uma pesquisa que investigou a contribuição da
terapia familiar no tratamento de dependentes de drogas.
Buscamos na análise qualitativa da Antropologia uma parceria que
permitisse traduzir a natureza das mudanças observadas tanto pelos
terapeutas como pelas famílias, através das narrativas que descrevem a
situação inicial e final do tratamento.

Número 15
 Flashback de estupros: construindo uma nova narrativa – Peggy Pen

RESUMO: Este artigo oferece uma abordagem de dissolução de


flashbacks de estupros quando o tratamento usual de conversa e apoio de
grupo não funcionam. O cliente, com sua família, constrói um novo cenário
de estupro a fim de substituir sua história de abuso. Na nova história, o
cliente introduz uma figura protetora ao flashback, que tem o efeito de
interromper o cenário antigo de modo a que não possa ocorrer novamente
da mesma forma. Esta abordagem depende do cliente encontrar uma voz
nova ou livre nas conversas do tratamento, de modo que possa contar sua
história de modo diferente. A história nova, com os novos personagens,
eventualmente tem o efeito de alterar sua memória e renovar sua direção
de vida e crença em si mesmo.
 Visão das relações familiares no filme "Central do Brasil" – Carlos Alberto de Medina

RESUMO: Apresentamos as relações familiares mostradas no filme


“Central do Brasil”. Estas indicam a marca de uma família nuclear com
indicações de ruptura e desagregação. Os personagens principais são
pessoas sós, inexistindo traços da família extensiva tão comum no país.
Tios, primos, avós, inexistem no contexto familiar dos personagens.
Discutimos, também, as imagens de pai e mãe apresentadas e a
valorização das relações entre iguais (irmãos).

 A família na literatura infantil – Gizele Bakman e Marise Pedalino

RESUMO: A partir do contato, cada vez mais freqüente, com a diversidade


de arranjos familiares que encontram em suas práticas clínicas e
inserções sociais, as autoras realizaram uma pesquisa da imagem da
família na literatura infantil brasileira, no período de 1987 a 1997, com a
intenção de verificar se estas mudanças sociais têm sido incluídas no
universo da criança, através dos livros, que a ajuda a conhecer o mundo
em que vive, a pensar sobre ele e a se sentir pertinente.

 O teatro de fantoches reflexivo – Trude Langseth, Hanne Rieber, Helene Trana

RESUMO: A experiência recolhida pelas autoras com o uso de uma


equipe reflexiva em terapia de família as levou à conclusão de que
freqüentemente se desconsidera o papel das crianças pequenas. Sua
frustração nesse sentido as estimulou a tentar novas maneiras de se
aproximar da criança, que permitisse a esta se envolver mais na terapia.
Criaram assim um tipo de diálogo que acentua especialmente as
modalidades de comunicação da criança. Através de uma reflexão
instrumentada com um teatro de fantoches, apresenta-se à família um
relato metafórico que contém importantes elementos terapêuticos. O relato
metafórico se converte posteriormente em uma nova ferramenta de
comunicação para a família.

Número 16
 Atitudes terapêuticas, ou, os problemas da transição paradigmática – Ercy J. Soar
Filho

RESUMO: O paradigma sistêmico tem historicamente privilegiado os


aspectos mais propriamente operativos da terapia, em detrimento da
compreensão e do manejo dos fenômenos emocionais presentes na
interação terapêutica. É necessário que se estabeleça um diálogo com
outros modelos teóricos, como a psicanálise, para a construção de um
discurso sobre o “eixo afetivo” da relação, que deve estar bem articulado
com o “eixo cognitivo” para que a terapia seja efetiva. A reflexão sobre as
“atitudes terapêuticas” pode ser um caminho para esse diálogo
interdisciplinar.

 2 x 5 + 3 = 13 versus 2 (5+3) = 16. Avaliação x (avaliação) - Alan Bronz, M. Cacilda


Accardo, M. Catalina Baeza Cárdenas

RESUMO: Os autores deste texto propõem uma reflexão sobre a questão


da avaliação dentro de um processo de aprendizagem sistêmica sob a
ótica da (objetividade) de H. Maturana. Serão apresentados conceitos
como objetividade, realidade, linearidade e representação dentro de uma
perspectiva de ensino tradicional e sistêmica.
 Grupo de reflexão: uma aeróbica da escuta – Kátia A. Achcar, Tânia M. Martins, Regina
Flora de S. Neviani e M. Luiza Teixeira

RESUMO: O trabalho descreve a trajetória de um grupo de reflexão,


composto por quatorze profissionais, terapeutas de família, no Instituto de
Terapia de Família do Rio de Janeiro (ITF-RJ), durante o ano de 1997.
A proposta foi a de refletir sobre encontros e desencontros do casal e as
discussões que ocorreram e suscitaram um aprofundamento nas questões
relativas à nova configuração do casal nesta virada do século.
O tema do grupo de estudos, a forma como esse grupo foi constituído, a
coordenação e a técnica utilizada para supervisão das questões teórico-
clínicas, produziram um material rico e original merecedor de ser divulgado
a outros profissionais ligados à clínica e formação em terapia de casal e
família.
A validade da experiência tornou-se mais expressiva na medida em que o
espaço propiciou, simultaneamente, a reflexão a respeito da singularidade
do casal e de cada membro que forma o casal, bem como da
singularidade do terapeuta.

 Adolescentes grávidas: trauma nas famílias ou acontecimento da vida? – Alzira C. S.


B. Pereira, Eliane Messina, Patrícia Pessoa, Lia Ganc

RESUMO: As autoras apresentam o início de um projeto de 12 terapeutas


de família convidadas a acompanhar adolescentes grávidas e seus
familiares num Hospital-Escola. A indagação que moveu o grupo foi a
questão: gravidez na adolescência é uma situação limite? As autoras, a
partir da clínica, entendem que não. Trata-se de um acontecimento para a
família e para as adolescentes, mas não é um trauma e não as paralisa.
O artigo discute sexualidade e gravidez na adolescência e como os pais e
o social mais abrangente encaram e abordam o tema em questão.
Também defende a idéia de que o grupo de conversa extraído das idéias
da equipe reflexiva de Tom Andersen se adequa ao trabalho no
Ambulatório de Pré-Natal.

 Entrevista com Gladis Brun – Gizele Bakman e Martha Scodro

Número 17
 A preferência estética: superando o erro pragmático – Lawrence R. Allman

RESUMO: Partindo de um dos legados ideológicos centrais de Gregory


Bateson - a natureza estética da epistemologia dos sistemas - o autor
apresenta sua reflexões sobre a terapia e os terapeutas de família.
Acreditando que os sistemas buscam uma “preferência estética” em sua
organização, seus procedimentos terapêuticos são concebidos de modo a
facilitar tanto à família quanto ao terapeuta atingirem uma sincronia
necessária, abrindo-se a todos a possibilidade de espontaneidade na vida.
A preferência estética na terapia de família manifesta-se na tentativa de
ajudar as pessoas a refletirem sobre os significados de suas ações e em
criar condições para que adquiram flexibilidade pessoal, desenvolvendo
um sentido de liberdade para criar novos sistemas de significados.

 As complexidades da terapia - Saul Fuks

RESUMO: Este trabalho se propõe a fazer uma revisão de alguns dos


obstáculos que a psicoterapia, como conjunto de práticas sociais,
encontrou na sua tentativa de abandonar a simplificação reducionista que
arrasta como herança da sua fascinação pelos ideais da ciência moderna.
A partir de uma visão pós-moderna, sustentada pelos desenvolvimentos
da psicologia crítica, são exploradas as aberturas provenientes da
epistemologia da complexidade.

 Projeto Escola de Pais: reflexões sobre um ano de prática com grupos reflexivos –
Mônica C. Meyer

RESUMO: O projeto Escola de Pais nasceu na 1a. Vara da Infância e


Juventude do Rio de Janeiro com o objetivo de promover o fortalecimento
dos vínculos afetivos de famílias com crianças e adolescentes em situação
de risco social e pessoal. Através de encontros grupais de cunho reflexivo
informativo, baseado no modelo teórico clínico do construcionismo social,
pretende-se criar contexto propício ao fortalecimento das figuras parentais,
estimulando uma atuação sustentadora e acolhedora destes pais para
com seus filhos. É também um trabalho que articula redes sociais na
medida em que estas famílias têm seus recursos pessoais ampliados
através das experiências grupais e são inseridos em programas oficias de
apoio social.

 A co-evolução do sistema terapêutico: uma abordagem sistêmico-construtivista da


musicoterapia – Leila Brito Bergold

RESUMO: Este artigo contém o relato clínico de um atendimento de


musicoterapia realizado com um portador de deficiência visual com 7 anos
de idade e sua mãe. Este relato é o fio condutor que promove reflexões
sobre as mudanças que ocorreram com o paciente, a família e o
terapeuta, levando-os a uma evolução que permitiu o amadurecimento de
cada um e do sistema como um todo.

Número 18
 A preferência estética: superando o erro pragmático – parte II – Lawrence R. Allman

RESUMO: Partindo de um dos legados ideológicos centrais de Gregory


Bateson – a natureza estética da epistemologia dos sistemas – o autor
apresenta suas reflexões sobre a terapia e os terapeutas de família.
Acreditando que os sistemas buscam uma "preferência estética" em sua
organização, seus procedimentos terapêuticos são concebidos de modo a
facilitar tanto à família quanto ao terapeuta atingirem uma sincronia
necessária, abrindo-se a todos a possibilidade de espontaneidade na vida.
A preferência estética na terapia de família manifesta-se na tentativa de
ajudar as pessoas a refletirem sobre os significados de suas ações e em
criar condições para que adquiram flexibilidade pessoal, desenvolvendo
um sentido de liberdade para criar novos sistemas de significados.

 A noção de rede social e mudanças no pensamento sistêmico contemporâneo –


Tânia de Oliveira Luchi

RESUMO: A noção de rede social vem sendo revitalizada na teoria e na


prática da terapia familiar sistêmica, ganhando progressiva visibilidade.
Sua utilização como recurso terapêutico, marca dois momentos
significativos no desenvolvimento das investigações sobre a saúde mental.
Na década de 60, através da técnica da mediação de rede, respondeu a
algumas das questões fundamentais da psiquiatria alternativa,
ultrapassando a inclusão do sistema familiar no processo terapêutico,
apontou para as possibilidades terapêuticas da rede social. A partir da
década de 80, a noção de rede social foi resgatada e revitalizada, sendo
recolocada como um recurso alternativo na prática da terapia familiar
sistêmica ou enfocada como um referencial que incorpora as variáveis de
rede ao esquema conceitual do terapeuta.
A terapia familiar contemporânea, influenciada por um novo paradigma,
ampliou a noção de rede social, situando e compreendendo a família
dentro do contexto sócio-cultural mais amplo.
Neste artigo se investiga o desenvolvimento da noção de rede social em
sua parceria com a terapia familiar sistêmica

 Abuso sexual infantil – compartilhando dores na esperança de reescrever uma nova


história: uma experiência com grupos multifamiliares - Carmen Berwanger, Maria Inês
S. Rosa, Martha Narvaz e Rosane Brusius de Moraes

RESUMO: As autoras apresentam a experiência de Grupos Multifamiliares


com vítimas de abuso sexual infantil desenvolvida no SAF – Serviço de
Atendimento Familiar do Hospital Materno infantil Presidente Vargas de
Porto Alegre/RS, desde 1995. Pretendem discutir acerca da valiosa
alternativa terapêutica oferecida pelos Grupos Multifamiliares, em especial
nos serviços públicos de saúde mental, mesmo em situações complexas
como as que envolvem casos de abuso sexual.

 Perdas e danos são marcas ou acontecimentos da vida? – Lia Ganc

RESUMO: O artigo propõe discutir o lugar do diagnóstico do estresse pós-


traumático na vida dos clientes e na vida dos profissionais. Se trauma é
uma marca eterna com suas seqüelas ou se é um acontecimento que se
soma a outros. As famílias ilustram a tese de que via a linguagem e a
escuta ampliada, que incorpora os diversos contextos que os humanos
circulam, é possível retomar o eixo da vida após um acontecimento
nomeado como traumático.

 Entrevista com familiares de portadores de doença mental, participantes de grupo


terapêutico coordenado por Anna Maria Hoette e Rosaura Maria Braz, no ITF-RJ –
Gizele Bakman e Martha Scodro

Número 19
 Algumas idéias centrais no método da Just Therapy – Charles Waldergrave e Kiwi
Tamatese

RESUMO Este documento abrange trechos de uma palestra sobre Terapia


de Família e Justiça Social proferida na Second Australia and New
Zealand Family Therapy Conference (Segunda Conferência de Terapia de
Família da Austrália e Nova Zelândia), Melbourne, julho de 1992. Contém
a linguagem de três culturas do Centro da Família: Maori, Samoano e
Inglês. Os dois profissionais apresentam suas perspectivas, as da
condição feminina samoana e da condição masculina Pakeha (branca), ao
tratarem do desenvolvimento da Just Therapy.
Este documento é um incomum relato subjetivo dos fatos históricos que
mostraram ser cruciais para o desenvolvimento original da terapia no
Centro da Família. Por meio da criação da palestra, poesia, prosa e
canções, o documento delineia os contextos: cultural, de diferença entre
os sexos e sócio-econômico, essenciais ao método da Just Therapy.
“Pertencimento”, “sacralidade” e “libertação” tornaram-se os temas
essenciais neste método único de uma terapia anticolonial, antisexista e
anticlasse. Para colocar as coisas do modo mais positivo, este documento
apresenta uma história de luta com as questões da equidade que
consistentemente tentou criar uma terapia que inclua a experiência das
mulheres, culturas dominadas e famílias de baixa renda, marginalizadas
no mercado.

 A violência doméstica e os juizados especiais criminais – Bárbara Musumeci Soares

RESUMO: Este artigo focaliza os limites e a perspectivas geradas pela


atuação dos Juizados Especiais Criminais (JECRIMs) nos casos de
violência doméstica, sugerindo a inadequação dos procedimentos
resultantes da Lei nº 9.099, a qual desconsiderou a especificidade das
situações que tipicamente vitimam as mulheres na esfera privada. Por
outro lado, o texto aponta para as novas alternativas que os próprios
JECRIMs já vêm adotando através de experiências-piloto que podem se
tornar matrizes de uma nova abordagem do problema.

 Continuando a experiência: os grupos de mulheres e filhos que viveram o divórcio –


Rosana Rapizo, Maria Beatriz Constamilan, Nádia Moritz e Selma Hinds

RESUMO: Este trabalho apresenta a experiência que temos tido com


grupos de mulheres e adolescentes que passaram pelo processo do
divórcio. As autoras acreditam que o trabalho com grupos vem auxiliando
a reconstrução de redes e identidades, que se transformam em grande
escala durante o processo do divórcio. Nosso foco inicial ficou sobre as
mulheres, que estamos atendendo desde 1997; desde 1998 temos feito
encontros com os adolescentes. Realizamos também um encontro de
mulheres e adolescentes em 2000. Percebemos que a abertura de um
espaço para compartilhar e conversar sobre temas referentes ao divórcio
abre alternativas de ação e de vida, gerando uma multiplicidade narrativa
e ao mesmo tempo um clima de cumplicidade e apoio.

 Entrevista com Fernando Acosta – Gizele Bakman e Martha Scodro

 A família como aliada na reforma psiquiátrica – Alexandre Lins Keusen

RESUMO: Este texto se propõe analisar o papel da família perante o


processo da reforma psiquiátrica, ora em curso em nosso país, através do
fechamento de leitos nos hospitais psiquiátricos e a abertura de novos
espaços em centros de atenção psicossocial.
A mudança do foco hospital/comunidade confere ao ambiente familiar
papel fundamental e central nas ações de saúde, e assim, as redes de
serviços alternativas devem ser pensadas como uma rede de suporte a
este novo espaço (família/comunidade). Espaço onde de fato centra-se o
convívio e assistência nesta nova era.

Número 20
 Implicações do "pensamento novo paradigmático" para as práticas psicotérapicas:
a questão da "terapia sistêmica individual" – Maria José Esteves de Vasconcellos

RESUMO: A leitura do debate - publicado em Sistemas Familiares - entre


Salvador Minuchin, de um lado e, de outro, alguns conhecidos terapeutas
de família narrativistas – Harlene Anderson, Gene Combs, Jill Freedman,
Carlos Sluzki e Karl Tomm – sobre atendimentos feitos por esses últimos
sem a presença da família, desencadeou em mim muitas reflexões,
algumas das quais compartilho neste artigo.
Essas reflexões me levam a concluir que, para mim, não tem sentido
chamar de sistêmico a todo e qualquer trabalho desenvolvido por um
profissional que tenha adotado uma “epistemologia sistêmica novo-
paradigmática”, mesmo quando as circunstâncias só lhe permitam
trabalhar com um cliente individual. Assim como também não faria sentido
para mim o profissional se intitular “sistêmico novo-paradigmático” e, por
opção, trabalhar sempre apenas com o indivíduo.

 Multiplicadores reflexivos – Célia Bernardes, Maria Cecília Barbas e Marília de Freitas


Pereira

RESUMO: A partir do desejo de participar da construção de uma


sociedade mais colaborativa e cooperativa e utilizando os conhecimentos
e recursos desenvolvidos no fazer clínico, a Clínica Social do FAMILIAE
tem ampliado suas práticas clínicas. Para tanto vem buscando parceiros
no terceiro setor e em outras organizações da comunidade,
desenvolvendo trabalhos com os “cuidadores”; sejam eles pais,
psiquiatras, professores, adolescentes ou membros de equipes de
capacitação de desabrigados. Partindo do pensamento sistêmico e da
metáfora narrativa, nosso principal instrumento é o engajamento (inserção)
nos diálogos reflexivos. Nós tentamos não reproduzir as relações de
“doadores” e “receptores”, que caracterizam a caridade, ou ações
“cientificamente” orientadas no sentido de corrigir problemas gerados pela
“ignorância” das pessoas carentes. Nosso trabalho com “cuidadores” tenta
ajudá-los a identificar seus próprios recursos, legitimar as diferentes
vozes, ampliar suas redes sociais e buscar o que pode ser reconhecido
como importantes para eles próprios. Como diz Tom Andersen, sobre
quanto tempo deveria durar uma terapia, nós estaremos com eles até
quando eles dizem “agora nós sabemos como continuar”. E nós estamos
aprendendo o quão rápido isto acontece. Neste artigo, nós convidamos
nossos interlocutores (leitores) para dialogar conosco sobre estes
diálogos.

 Um atendimento multidisciplinar no acompanhamento a pacientes psiquiátricos e


suas famílias – Leila Brito Bergold

RESUMO: Este trabalho tem por finalidade apresentar um projeto


transdisciplinar de atendimento aos pacientes da Clínica Psiquiátrica do
Hospital Central do Exército. Este atendimento é feito em grupo com o
nome de “Interativo”, pois visa a ação conjunta de terapeutas
(musicoterapeuta, psicóloga e terapeuta ocupacional) e pacientes em
busca da ampliação de recursos.
Fazemos uma descrição dos motivos e finalidades desta forma de
atendimento. Em seguida, descrevemos o atendimento às famílias como
um desdobramento natural da evolução deste trabalho. Ao final, fazemos
uma avaliação do trabalho em que constatamos as mudanças ocorridas
não somente com os pacientes e familiares, mas também com a equipe
que participou do projeto.

 Psicoterapia, terapia de família, atendimento sistêmico à família: propondo uma


diferenciação – Juliana Gotijo Aun

RESUMO: Colocando-se numa nova perspectiva, a autora propõe a


abordagem da questão da formação e da definição da identidade
profissional do terapeuta de família, a partir da definição dos contextos de
atendimento sistêmico à família, de terapia de família e de psicoterapia.
Isto feito, sugere especificar as habilidades necessárias para o trabalho
dentro de cada um desses contextos, evitando basear-se na graduação do
pretendente à formação. Finalmente, oferece um conjunto de passos para
orientar a reflexão sobre três questões básicas que têm sido motivo
recorrente de preocupação dos formadores: currículo mínimo da formação,
quem pode pretender se especializar em terapia de família, a identidade
do terapeuta de família.

 Terapia com clientes de diferentes culturas – Adela G. Garcia

RESUMO: A autora faz uma revisão histórica de fatores culturais que


perpetuam a exclusão de alguns grupos sociais, propondo a idéia de uma
coerência entre o estilo do terapeuta e sua cultura e sua ética. Afirma que
a psicologia e a terapia de família fazem parte da tradição ocidental,
portanto as idéias de patologia e normalidade são construídas dentro
desta ideologia.
Através do relato de um caso clínico, propõe uma reflexão sobre o lugar
do terapeuta e oferece algumas perguntas que possam facilitar a
promoção de uma prática liberadora.

 Grupo de atendimento na clínica social: importância e repercussões na formação do


terapeuta – Clarice Cassuriaga, Fernanda de Araújo, Flávia Averburg, Leone Mariz,
Patrícia Regal, Prscilla Fernandes e Tânia Martins

RESUMO: Este artigo relata o percurso de um atendimento clínico de uma


família e o desenvolvimento correlato da equipe interdisciplinar que fazia a
sua formação no ITF-RJ.
As diferenças, os preconceitos, os sentimentos e as experiências de cada
membro da equipe foram explorados por meio da utilização de grupos de
reflexão e foram fundamentais tanto para o crescimento da família quanto
para o amadurecimento do grupo. O artigo intercala o relato clínico com
algumas reflexões teóricas que serviram como orientadores do processo
terapêutico.

Número 21

A equipe do núcleo de atendimento a famílias em situação de litígio: a
coexistência e a negociação permanente das diferenças – Gizele Bakman, Lucy
Wanderley, Marília Modesto, Regina Peregrino, Tânia Almeida, Vânia Izzo

RESUMO: Este artigo descreve um modelo singular de atendimento na


clínica social do ITF-RJ e vem sendo desenvolvido, desde 1997, para
atender as famílias em situação de litígio encaminhadas pelas Varas de
Família, Conselhos Tutelares e outras instituições.
Tem como objetivo restabelecer e ampliar os recursos de
comunicação, diálogo e negociação entre as famílias envolvidas em
situações de litígio, judicial ou não, especialmente aquelas que
comprometem crianças e adolescentes. A partir da redefinição positiva das
relações de parentesco, discriminando o casal parental do casal conjugal,
o trabalho da equipe procura criar um lugar de escuta e expressão de
legitimidade de idéias e sentimentos, de modo a possibilitar e ampliar as
alternativas para lidar com desacordos e conquistar a co-autoria nas
questões e nas soluções construídas.
A equipe multidisciplinar contribui de forma relevante para o
formato de atendimento através distintas formações profissionais, aliada
às diferenças de estilo e vivências pessoais, refletindo uma especial
habilidade para negociar diferenças, adotando os aportes da terapia
sistêmica de família e da mediação de conflitos.

Crianças latinas sobreviventes de abuso sexual nos estados unidos: avaliação
relacional e intervenção - Gonzalo Bacigualupe

RESUMO: Este artigo explora o problema de abuso sexual entre latinos


nos EUA, sob a ótica sistêmica relacional. Uma revisão da literatura
desvenda alguns dos mitos que persistem sobre latinos nos EUA e abuso
sexual infantil. Uma análise das principais questões é realizada baseada
em pesquisas com terapeutas que trabalham com latinos nos EUA e do
próprio trabalho clínico do autor. Histórias clínicas são utilizadas para
descrever uma avaliação confiável do ponto de vista relacional e cultural.
Recomendações específicas são fornecidas para enriquecer o
conhecimento existente sobre trabalho clínico com abuso sexual infantil.

[Como um latino-americano], sou um ser ambíguo, uma


personalidade dupla:... Esta ambigüidade não é apenas estranha, é uma
riqueza da sobrevivência. Nós também podemos também formar uma
imagem estranha daqueles que nos dominam justamente porque podemos
ver os dois lados, podemos vê-los duplamente construídos, podemos ver a
pluralidade que existe em nós e neles... Somente quando viajamos pelos
“mundos” de cada um, somos completamente sujeitos um do outro 1.

Quem são as mães das vítimas de incesto? - Martha Giudice Narvaz

RESUMO : O presente trabalho se propõe a abordar algumas questões


relativas à questão da transmissão transgeracional da violência sexual, em
especial no que se refere à compreensão da dinâmica das famílias
incestuosas e suas conexões com as histórias de vida das mães das
vítimas de incesto.

Ajustando o foco: adequando conceitos e técnicas no trabalho com famílias
pobres – Tânia de Oliveira Luchi

RESUMO: Este artigo parte do pressuposto de que não existe família


genérica e que a eficácia de um trabalho com famílias exige a definição de
seu perfil a partir de uma visão ecossistêmica, que considere fatores de
gênero, classe social, geração, e a multiplicidade étnico-cultural que
constitui a sociedade brasileira. É proposta uma adequação de conceitos e
técnicas no trabalho com as famílias brasileiras urbanas pobres,
multiproblemáticas, geralmente da raça negra ou miscigenada. É
assinalado que as etapas de desenvolvimento de seu ciclo de família,
como conseqüência, os recursos técnicos utilizados em seu atendimento
devem ser específicos. Este trabalho também é uma reflexão de que, ao
se ajustar o foco no perfil da família pobre e ao se adequar conceitos e
técnicas a este perfil, se evita uma postura autoritária, preconceituosa e é
um respeito à diferença.

Número 22

Conhecimento disciplinar, posmodernismo e globalização: uma chamada à
“virada reflexiva” de Donald Schön para as profissões de saúde mental - Marcelo
Pakman

RESUMO: O conhecimento disciplinar, o pós-modernismo e a globalização


são identificados e analisados aqui como três forças modeladoras da
prática profissional e da educação atuais. A inter-relação complexa entre
essas forças é vista como uma contribuição principal para a falta da
criatividade e como fatores restritivos que invadem o campo da saúde
mental. Os profissionais manejam de alguma forma para manter algum
grau de efetividade, mas eles não percebem como o fazem, assim como
não percebem os fatores que restringem sua prática. Um apelo para uma
“virada reflexiva”, como proposto por Donald Schön, é feito pela
epistemologia atual das práticas profissionais no campo da saúde mental,
como um meio possível para evitar perpetuar um modo alienado de
praticar e ensinar. São feitas recomendações sobre maneiras de dar corpo
a tal “virada reflexiva”, assim como maneiras que permitam tanto a
professores como a alunos centrar-se em torno a suas “teorias-em-uso”
atuais, abrindo-os para a crítica, a mudança e a transmissão.


Entrevista com dr. Adalberto Barreto - dra. Miriam Rivalta Barreto


A história vivida e contada – Eloísa Visal Rosas

RESUMO: A trajetória clínica e teórica de uma Instituição cuja


epistemologia privilegia o intercâmbio de saberes: clientes, alunos e
professores construindo juntos um processo de ensino/aprendizagem.
Essa rede dinâmica possibilita uma reflexão conjunta contínua, que não
permite verdades estabelecidas, oferecendo o contexto para uma narrativa
cuja responsabilidade é compartilhada por todos os seus atores/autores.

A vida - Edgardo Musso

RESUMO: Este texto não foi produzido com uma finalidade didática-
acadêmica, e sim para ser inserido nas conversações e reflexões no
interior de uma cultura que sustenta que toda e qualquer atividade humana
teria que ter como objetivo fundamental produzir uma vida o mais
sustentável e satisfatória possível.
Destinado, portanto, a uma rede humana que, independentemente
de suas específicas áreas de trabalho, é co-inspiradora de uma posição
que (dadas as atuais circunstâncias históricas do humano) pense e sinta
que o necessário a ser feito seja, na medida do possível, gerar produções,
contra nada e ninguém e sim a favor da vida em suas mais variadas
formas de expressão.
Meu interesse, coerente com minha história, fez com que me
dirigisse a trabalhar sobre três temas que formam parte do que entendo
como necessário tomar em conta para alcançar um viver sustentável e
sistêmicamente amoroso e convivenciável: as percepções, como guias
para nossas ações; a ética, inevitavelmente sustentada pelas emoções,
também como guia para as ações; e os comportamentos criativos, que
possibilitam a manutenção dos sistemas ou produzem suas mutações
quando a imprevisivilidade do viver o solicita.
Obs.: no sentido filosófico-epistemológico o texto adere a uma
observação sistêmico-construtivista da realidade, se poderíamos sintetizar
assim. Não obstante, a presença da não ortodoxia de suas fontes
intelectuais de inspiração que serão citadas parcialmente na bibliografia,
tomando em conta algumas menos comuns.

Número 23

O lugar do terapeuta, sua visão de mundo e sua clínica- espaços revisitados -
Gladis Brun
RESUMO: Neste trabalho, revisito minha trajetória de terapeuta refletindo
basicamente sobre as mudanças nela desencadeadas a partir do meu
contato com as novas organizações familiares. Nessa reflexão, o lugar do
terapeuta ganha a dimensão de um espaço em movimento, a clínica é
abordada como situação de construção permanente e a formação do
terapeuta é entendida como um processo sem fim. Acentuo, finalmente, a
importância do grupo de pares para que exercitemos nossa escuta e
nossa capacidade de experimentar a diferença.

A linguagem não é inocente - Tom Andersen / Tradução - Rosa Maria Bergallo /
Comentário - Jorge Bergallo

RESUMO: Em torno ao conceito de círculo hermenêutico, associado aos


filósofos Heidegger e Gadamer, que trata da conexão entre pré-conhecimento
e experiência singular, o autor formula algumas idéias sobre a relação
terapêutica. O ato da fala como informativo e formativo, e a importância das
palavras e dos afetos a elas associados são algumas dessas idéias. Conclui
com uma reflexão sobre a contribuição da linguagem técnica e as metáforas
profissionais para a formação das pessoas; vê a linguagem profissional da
patologia como opressiva.

A terapia de família no contexto das “drogas”: empatia e linguagem como instrumentos de


liberdade, acolhimento e alteridade - Laís Helena Pinto Veloso.

RESUMO: O artigo propõe uma leitura da prática terapêutica balizada no


paradigma construcionista social e no debate inscrito na pós-modernidade.
Privilegia o contexto histórico e sócio-cultural na compreensão das famílias
que apresentam problemas com drogas, dá ênfase às práticas de
conversações reflexivas e de valorização desses sujeitos como autores de
suas narrativas de vida. O processo terapêutico é entendido como um
espaço permanentemente aberto à mudança, histórica e culturalmente
contingente e que valoriza o contexto social.
A abordagem incorpora conceitos como a empatia, a gentileza, a
delicadeza, o respeito e a cortesia como ferramentas fundantes de uma
ética no campo da terapia de família, propiciadoras de novas formas de
sociabilidade e de conversação. O foco de interesse consiste em construir
espaços democráticos, de acolhimento, respeito à autonomia, estímulo à
reflexão e que possam contribuir para a desconstrução das inúmeras
formas de exclusão e segregação, que se expressam no imaginário
aterrorizante construído em torno das pessoas que apresentam problemas
com drogas, repercutindo, também, negativamente em sua rede familiar.
Ao invés de objetos passivos do cuidado, as pessoas e as famílias
que apresentam problemas com drogas serão definidas como autores,
protagonistas de suas histórias de vida, com potencial reflexivo e
transformador sobre suas ações no mundo.

A visão sistêmica e a metáfora de rede social no trabalho de prevenção de
violência intrafamiliar em comunidades - Carlos Eduardo Zuma

RESUMO: Este artigo apresenta algumas reflexões sobre a violência


intrafamiliar, vista a partir da ótica sistêmica e utilizando a metáfora de
rede social, e enumera algumas ações que surgem como necessárias, em
conseqüência dessas reflexões, no caminho da prevenção desse tipo de
violência.


Redes sociais: uma metáfora - Rosana Rapizo

RESUMO: Neste texto, resultado de uma participação em uma conversação, a


autora trabalha com a idéia de redes como uma metáfora útil para a conversa
sobre as relações sociais contemporâneas. Sugere que tal metáfora, que a cada
dia torna-se mais comum, possa orientar o trabalho social com o objetivo de
recuperar conexões e temas como a solidariedade, perdidos em uma sociedade
individualista.

Número 24

Implicações do “pensamento sistêmico novo-paradigmático”: A Questão da
dicotomia “terapia familiar sistêmica”/”terapia familiar narrativista” – Maria José
Esteves de Vasconcellos

RESUMO: Continuando as reflexões já compartilhadas em artigo anterior


– intitulado Implicações do “pensamento sistêmico novo-paradigmático”
para as práticas psicoterápicas: a questão da “terapia sistêmica individual”
– suscitadas por afirmações de Minuchin2 no artigo Onde está a família na
terapia familiar narrativista?, aponta-se aqui o risco de se contrapor uma
“terapia familiar sistêmica” a uma “terapia familiar narrativista”.
Considerando-se que o pressuposto da “construção da realidade”,
assumido pelos “terapeutas narrativistas/construcionistas/construtivistas”,
é um pressuposto sistêmico novo-paradigmático, qualquer profissional
sistêmico – ou seja, novo-paradigmático – será, em termos
epistemológicos, necessariamente
construtivista/construcionista/narrativista.


Clássicos da Terapia de família: Nova visita à hipotetização, à circularidade e à
neutralidade: um convite à curiosidade – Gianfranco Cecchin, M.D. / Comentário:
Teresa Cristina Diniz / Tradução do espanhol – Aline Carrocino / Revisão e Tradução –
Gizele Bakman

RESUMO: Este ensaio examina os princípios sistêmicos guia para a


neutralidade, hipotetização e circularidade, historicamente desenvolvidos
pela equipe de Milão, composta por Servini-Palazzoli, Boscolo, Cecchin e
Prata. Com a reorganização destes membros da equipe, evoluíram
diferentes reconstruções dos princípios sistêmicos originais. Agora se fez
possível uma nova compreensão dos conceitos de circularidade,
hipotetização e neutralidade, dada a epistemologia sistêmica em que se
assentava o modelo anterior de Milão. Todavia, cabe enfatizar que as
idéias apresentadas neste ensaio estão, em sua maioria, associadas com
o trabalho sistêmico da equipe de Cecchin e Boscolo.


Serviço social e terapia familiar: novas famílias, novas práticas e o desafio de
integrar teorias – Adriane Vieira Ferrarini

RESUMO: O texto analisa o trabalho do assistente social com famílias ao


longo da história, situando as profundas mudanças ocorridas, tanto na
família, quanto nas práticas sociais e profissionais. Objetiva mostrar que,
hoje, o retorno às intervenções com famílias conduz à necessidade de
atualização da teoria sistêmica. Esta atualização só pode ser feita através
de um debate epistemológico, o qual, por sua vez, acaba oportunizando a
revitalização do pluralismo no Serviço Social.

A sessão da família – Uma sessão de jazz - Amy Begel, CSW*

RESUMO: Neste artigo, a autora, médica e terapeuta de família por


profissão, pianista e cantora de jazz amadora, propõe a metáfora de uma
sessão de jazz para ampliar a perspectiva de um encontro terapêutico.
Algumas características necessárias para que se dê esse tipo de reunião
musical são desejáveis para construir um estilo terapêutico que aprecia a
surpresa e a improvisação, sem descuidar-se da estética e do prazer de
trabalhar em equipe. A improvisação como uma técnica, camping, swing e
tag são algumas das contribuições que podemos “importar” de um outro
campo para tornar a terapia mais lúdica e menos limitada.

Programa de capacitação de voluntários para trabalho com famílias de camadas
populares – Malu Palma e Martha Scodro

RESUMO: A Associação Criança Saúde Renascer, é uma ONG co sede


no Rio de Janeiro que atende a crianças internadas no Hospital da Lagoa
– um dos maiores hospitais públicos do estado – e suas famílias.
Há 13 anos conta com o trabalho de voluntários exercendo as
mais diversas funções, mas principalmente atendendo diretamente
famílias em risco social.
O foco do presente trabalho é a apresentação do resultado do
Programa Capacitação de Voluntários. Este programa acompanha o
relacionamento “voluntário / família” no percurso da família desde sua
entrada no Renascer até o momento da alta – quando deixa o programa.

Número 25

Alguns passos em direção a Gregory Bateson – Etienne Samain

RESUMO: Gregory Bateson (1904-1980) nasceu em Londres, no dia 9 de


maio de 1904. O presente ensaio é uma homenagem a esta incomparável
personalidade, que foi, ao mesmo tempo, biólogo, antropólogo, psiquiatra,
comunicólogo e epistemológico. A obra de Bateson? Ainda
insuficientemente conhecida nos meios universitários – permanece,
todavia, decisiva para nosso século que acabou de nascer. O artigo
procura oferecer ao leitor algumas bases críticas que deverão lhe permitir
tanto aproximar-se deste observador nato, lúcido e respeitador das
diferenças, como descobrir orquestração de um pensamento “possuído”
pelo permanente esforço de descoberta das “estruturas que conectam e
unem todos os seres vivos”.

Forma, substância e diferença – Phactuel Rego

RESUMO: Este artigo consiste em uma apresentação da obra e da


trajetória de Gregory Bateson, percorrendo noções fundamentais da
abordagem sistêmica – ferramenta de aplicação genérica de grande valor
prático, que ele ajudou a criar, desenvolver e aplicar, na ampla exploração
que empreendeu pelas variadas trilhas das ciências humanas e, em
particular, nas ciências comportamentais.

Gregory, me ensina alguma coisa? – Helena Maffei Cruz

RESUMO: Este artigo explora algumas idéias de Gregory Bateson


presentes nos desdobramentos de áreas como: terapia familiar, ecologia e
novas práticas sistêmicas, através de um diálogo imaginário, semelhante
aos metálogos – textos criados por ele como uma forma de estímulo e
curiosidade.
Número 26

A Quem foi mesmo von Foerster – Gianfranco Cecchin, Pietro Barbeta e Dario
Toffanetti

RESUMO: Proposta: O que é terapia? Qual seria, hoje, a resposta de


Heinz von Foerster? Os autores tentam revelar o mistério de uma
resposta que surgiu numa conversa entre eles. Eles acham que Heinz von
Foerster, como Gregory Bateson, foi um dos mais influentes filósofos da
terapia. No artigo eles analisam algumas palavras-chave básicas – tais
como máquina trivial, devir humano – e conceitos-chave – como “alargar o
campo de possibilidades” – de modo a entender se há uma ordem ou
propósito em fazer terapia.


A escuta terapêutica na interlocução clínica: uma contribuição ao
Construcionismo Social pelo viés do Pragmatismo Lingüístico. – Neyde
Bittencourt de Araújo e Naira Morgado

RESUMO: Esse artigo é uma contribuição à clínica singular do


Construcionismo Social. Nosso foco será a interlocução clínica, numa
releitura do conceito de linguagem, sob o viés do Pragmatismo
Lingüístico, introduzindo as noções de “efeito performativo da linguagem”
(Austin) e “jogos de linguagem” (Wittgenstein) como instrumentos
ampliadores e facilitadores para escuta do terapeuta. Acreditamos na
utilidade desta contribuição, por proporcionar a possibilidade de
discriminar e nomear a qualidade da relação que envolve o terapeuta e
seu paciente. Que lugar ocupamos na relação com o paciente quando
aceitamos ou recusamos um convite a um determinado jogo de
linguagem?

Ressonâncias da prática: a Poética Social em um grupo de atendimento a
famílias em situação de violência. – Rosana Rapizo

RESUMO: O presente artigo pretende apontar os pontos principais da


experiência de atendimento a famílias em situação de violência,
enfatizando as alternativas que foram criadas para o trabalho com tais
famílias dentro de uma instituição (O Instituto de Família do Rio de
Janeiro). O trabalho consta de uma reflexão eminentemente prática com a
participação dos terapeutas e famílias envolvidos nos atendimentos. Para
guiar esta reflexão a autora utilizou a metodologia chamada por John
Shotter de “poética social”.


A busca de recursos terapêuticos na clínica com famílias em situação de
violência intrafamiliar. – Gizele Bakman, Luiz Fernando Monteiro Pinto Bravo, Maria
Celina Matta e Vania Izzo de Abreu

RESUMO: O presente trabalho baseia-se na experiência dos


atendimentos a famílias e casais que vivem em situação de violência em
suas relações, que integram o Programa de Prevenção à Violência
Intrafamiliar e de Gênero do Instituto Nos. Cinco terapeutas compõem a
equipe. As famílias são derivadas de diferentes fontes, sendo os
atendimentos quinzenais e gratuitos. O recurso da equipe reflexiva integra
a metodologia do trabalho. Entendemos a violência como um processo de
integração entre uma ou mais pessoas e, conforme dispõe o relatório da
OMS (2002) sobre a complexidade desse fenômeno, existem muitos
fatores que levam uma pessoa a cometer violência. entre eles os
individuais, os relacionais, os comunitários e os sociais. No
desenvolvimento do trabalho, levantamos o que passamos a chamar de
“temas recursos” na clínica com famílias em situação de violência e que,
quando abordados e transformados em pontos de reflexão, tornam-se
poderosos recursos no decorrer da terapia. São eles: 1- a violência como
processo; 2- a busca das potencialidades; 3- o foco nos subsistemas; 4- a
história transgeracional e 5-os modelos educacionais. Para cada tema-
recurso são sugeridas perguntas norteadoras que auxiliam a conversação
e a reflexão. Conclusão: não é um trabalho de convencimento e nem de
correção de déficits, mas de busca constante das potencialidades das
famílias, junto com elas.


A pintura como uma forma de auto-expressão e comunicação em situações
críticas: uma maneira de criar espaço para diálogos em crises familiares. – Eva
Kjellberg e Tuula Wilén

RESUMO: Este artigo apresenta uma forma de estar junto com famílias,
quando as conversas habituais, através das palavras, apresentam-se
bastante rudes e até mesmo perigosas para serem utilizadas, ou mesmo
quando não existem palavras para expressar experiências caóticas, como
freqüentemente ocorre quando membros da família estão tomados por
sentimentos fortes, tais como raiva, medo, tristeza ou vergonha. O
trabalho associa dois importantes campos da prática clínica: o conversar
através de processos reflexivos dentro de uma abordagem sistêmica
construcionista e a pintura, para facilitar o encontro com “pinturas
internas” em arte-terapia.

A criatividade como postura em ações de transformação social. – Cecília Cruz
Villares

RESUMO: O Projeto S.O.eSq. – Serviço de orientação à Esquizofrenia –


faz parte do Programa para Redução do Estigma na Esquizofrenia, uma
iniciativa da Associação mundial de Psiquiatria (WPA, sigla em inglês)
lançada em 1996 e desenvolvida hoje em mais de 20 países de quatro
continentes para criar estratégias informativas, educacionais e políticas
para a redução do estigma e da discriminação devidos à esquizofrenia.
Nas ações desenvolvidas no Brasil desde 2001, elegemos uma
abordagem centrada no diálogo e em ações onde os protagonistas são
profissionais, portadores e familiares. O objetivo desde texto é apresentar
o projeto S.O.eSq. pela vertente da criatividade como postura e elemento
gerador de transformações para a concretização de nossos objetivos e
estratégias. Buscando respeitar a complexidade da esquizofrenia
enquanto doença e vivência, descrevemos algumas ações do projeto
olhando para os processos nos quais as pessoas envolvidas buscaram,
por exemplo, “abrir-se para o novo”, o trabalho em rede gerando
conexões, e um jogo entre trabalho e brincadeira num contexto de
confiança, tornando-se agentes de mudança social.


O terapeuta como produtor de conhecimentos: contribuições da perspectiva
construcionista social. – Emerson F. Rasera e Carla Guanaes

RESUMO: A formação de um terapeuta é um processo contínuo,


desenvolvido através de estudos teóricos, ampla prática clínica,
supervisão e a comunicação das aprendizagens realizadas. Contudo, na
sociedade brasileira, este último aspecto tem sido negligenciado,
mantendo o terapeuta na posição de um consumidor de conhecimentos e
relegando a segundo plano o aspecto criativo e reflexivo de sua prática.
Visando estimular os terapeutas a assumirem sua responsabilidade de
partilhar seus conhecimentos a partir da clínica, bem como fomentar a
troca e o diálogo na comunidade da terapia familiar, este artigo tem como
objetivo geral promover uma reflexão sobre o processo de produção do
conhecimento científico a partir de uma perspectiva construcionista social.