Você está na página 1de 44

Gametogênese

ESPERMATOGÊNESE EM MAMÍFEROS

Gametogênese ESPERMATOGÊNESE EM MAMÍFEROS

FUNÇÕES REPRODUTIVAS

1) A espermatogênese 2) O ato sexual masculino
1) A espermatogênese
2) O ato sexual masculino
1) A espermatogênese 2) O ato sexual masculino 3) A regulação das funções reprodutivas pelos vários

3) A regulação das funções reprodutivas pelos vários hormônios

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

APARELHO REPRODUTOR MASCULINO
APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

O APARELHO REPRODUTOR MASCULINO ADULTO

Ações da Testosterona:

aptidão para

a penetração

e fecundação

Urinary

bladder

Pubic

symphysis

As glândulas acessórias

e a composição do sêmen

GLÂNDULAS ACESSÓRIAS E A COMPOSIÇÃO DO SÊMEN O sêmen é composto aproximadamente por 10% de esperma e fluido testicular, 30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais.

30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais. Saladin, Anatomy and Physiology
30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais. Saladin, Anatomy and Physiology
30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais. Saladin, Anatomy and Physiology
30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais. Saladin, Anatomy and Physiology

GLÂNDULAS ACESSÓRIAS E A COMPOSIÇÃO DO SÊMEN O sêmen é composto aproximadamente por 10% de esperma e fluido testicular, 30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais.

da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais. Secreções das vesículas seminais incluem frutose, enzima
da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais. Secreções das vesículas seminais incluem frutose, enzima
Secreções das vesículas seminais incluem frutose, enzima coagulante e prostaglandinas, dentre outras. A frutose é
Secreções das vesículas seminais incluem
frutose, enzima coagulante e prostaglandinas,
dentre outras.
A frutose é o substrato energético para os sptz.
A enzima coagulante favorece que o sêmen se
torne uma secreção agregada, o que ajuda sua
propulsão pela vagina.
As prostaglandinas diminuem a viscosidade do

muco cervical e estimulam a peristalse reversa Saladin, do útero. Anatomy and Physiology, cap

GLÂNDULAS ACESSÓRIAS E A COMPOSIÇÃO DO SÊMEN O sêmen é composto aproximadamente por 10% de esperma e fluido testicular, 30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais.

da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais. Secreções da próstata: incluem citrato, fibrinolisina,
da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais. Secreções da próstata: incluem citrato, fibrinolisina,

Secreções da próstata:

incluem citrato, fibrinolisina,

Cácio, Zinco, fosfatase ácida,

dentre outros. O citrato é fonte energética.

A fibrinolisina age como um

anticoagulante do sêmen, o

que ajuda na mobilidade do

esperma. pH alcalino (neutralização do

pH ácido do líquido tub. seminíferos)

(neutralização do pH ácido do líquido tub. seminíferos) Saladin, Anatomy and Physiology , cap . 27,

GLÂNDULAS ACESSÓRIAS E A COMPOSIÇÃO DO SÊMEN

O sêmen é composto aproximadamente por 10% de esperma e fluido testicular, 30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais.

Secreções das glândulas bulbouretrais secretam muco lubrificante que contém galactose, dentre outros. São
Secreções das glândulas
bulbouretrais
secretam muco lubrificante que
contém galactose, dentre outros.
São emitidas antes da
ejaculação.

GLÂNDULAS ACESSÓRIAS E A COMPOSIÇÃO DO SÊMEN O sêmen é composto aproximadamente por 10% de esperma e fluido testicular, 30% de secreções da próstata e 60% de secreções das vesículas seminais.

Tipicamente , 2-5 mL de sêmen são expelidos por ejaculação. Cada mL de sêmen pode conter

50-130 milhões de sptz

Sêmen: é composto de líquidos procedentes do canal deferente, das vesículas seminais, da glândula prostática e das glândulas mucosas, especialmente as bulbo uretrais

As vesículas seminais

secretam uma substância

mucóide, contendo

grandes quantidades de

nutrientes, o principal a frutose. Outras nutrientes

são as prostaglandinas e fibrinogênio

Armazenamento

Epidídimo: Maturação:

responsável pela motilidade e fertilidade

dos espermatozóides

pela motilidade e fertilidade dos espermatozóides de espermatozóide e testosterona Produção A

de

espermatozóide

e testosterona

Produção

A

glândula

prostática

secreta

um

líquido

leitoso

e

alcalino,

contendo

ácido

cítrico,

cálcio,

coagulante e uma pró-

fosfato, enzima

fibrolisina.

Função

neutralizar a acidez do

trato

genital

feminino

após

ejaculação,

aumentando

 

a

motilidade

e

a

fertilidade

do

espermatozóide

Espermatogênese

Revisão dos tipos celulares dos túbulos seminíferos e do espaço intersticial

OS TESTÍCULOS

OS TESTÍCULOS 1 ) Canal deferente 2 ) Epidídimo 3 ) Testículo 4 ) Escroto 5)
OS TESTÍCULOS 1 ) Canal deferente 2 ) Epidídimo 3 ) Testículo 4 ) Escroto 5)

1

) Canal deferente

2

) Epidídimo

3

) Testículo

4

) Escroto

5) Túbulo Seminífero

TÚBULOS SEMINÍFEROS

TÚBULOS SEMINÍFEROS
TÚBULOS SEMINÍFEROS

Tipos celulares nos túbulos seminíferos

Tipos celulares nos túbulos seminíferos células reprodutoras (espermatogônias, espermatócitos, espermátides e
Tipos celulares nos túbulos seminíferos células reprodutoras (espermatogônias, espermatócitos, espermátides e

células reprodutoras

(espermatogônias,

espermatócitos,

espermátides e espermatozóides)

e células

sustentaculares

(Sertoli)

TÚBULO SEMINÍFERO E TIPOS CELULARES

membrana basal

TÚBULO SEMINÍFERO E TIPOS CELULARES membrana basal espermatócitos primários células sustentaculares (Sertoli)

espermatócitos primários

E TIPOS CELULARES membrana basal espermatócitos primários células sustentaculares (Sertoli) espermatogônias

células sustentaculares (Sertoli)

primários células sustentaculares (Sertoli) espermatogônias espermatócitos secundários espermátides

espermatogônias

células sustentaculares (Sertoli) espermatogônias espermatócitos secundários espermátides Seminiferous

espermatócitos secundários

(Sertoli) espermatogônias espermatócitos secundários espermátides Seminiferous tubules form the mass of the

espermátides

espermatogônias espermatócitos secundários espermátides Seminiferous tubules form the mass of the testes and are the

Seminiferous tubules form the mass of the testes and are the sites of spermatogenesis. Seminiferous tubules are composed of a thick

layer of spermatogenic cells (most numerous) and sustentacular (Sertoli) cells which rest on a basement membrane. The spermatogenic cells--spermatogonia, primary spermatocytes, secondary spermatocytes, spermatids and spermatozoa--represent different cell stages in spermatogenesis (setas amarelas). The outlines of sustentacular cells are not distinct. Maturing spermatozoa are found embedded, head first, in the sustentacular cells, which provide mechanical support, protection and possibly nutrition for the developing spermatozoa.

ESPERMATOGÊNESE

É o processo pelo qual as células-tronco se desenvolvem em espermatozóides maduros. Existem 3 fases: (1) Espermatocitogênese, (2) Meiose, and (3) Espermiogênese.

1. Espermatocitogênese (também chamada mitose): células-tronco (espermatogônia do Tipo A)

dividem-se mitoticamente e produzem as células que irã se diferenciar (espermatogônia do Tipo B).

compartimento basal
compartimento
basal

2. Meiose: Células em prófase da 1ª divisão meiótica são os espermatócitos primários. Estes, ao completarem a divisão meiótica são chamados espermatócitos secundários. Rapidamente ocorre a

2ª divisão meiótica, originando as espermátides.

a 2ª divisão meiótica, originando as espermátides . compartimento basal compartimento apical ou adluminal

compartimento

basal

compartimento

apical ou

adluminal

3. Espermiogênese: é a metamorfose das espermátides esféricas a espermatozóides alongados. Durante a espermiogênese é formado o acrossoma e o flagelo.

a espermiogênese é formado o acrossoma e o flagelo. compartimento basal compartimento apical ou adluminal

compartimento

basal

compartimento

apical ou

adluminal

ESPERMIOGÊNESE

ESPERMIOGÊNESE
ESPERMIOGÊNESE

As mudanças durante a espermiogênese envolvem transformações da espermátide esférica a espermatozóide maduro: (1) formação do acrossoma, (2) mudanças nucleares,

(3) desenvolvimento do flagelo, (4) reorganização do citoplasma e organelas celulares e

(5) o processo de liberação da cél. de Sertoli (fagocitose dos corpos residuais e espermiação).

organelas celulares e (5) o processo de liberação da cél. de Sertoli (fagocitose dos corpos residuais

A fisiologia das células

testiculares envolvidas na

espermatogênese

Células de Sertoli e as células espermatogênicas As células germinativas não possuem receptores para T

Células de Sertoli e as células espermatogênicas

As células germinativas não possuem receptores para T e FSH. Quem os possui são as células de Sertoli que, sob influências desses

hormônios, propiciam a espermatogênese.

desses hormônios, propiciam a espermatogênese.

Íntima relação entre as

células de Sertoli e as

células espermatogênicas

entre as células de Sertoli e as células espermatogênicas Cross-section of a seminiferous tubule from an

Cross-section of a seminiferous tubule from an adult Sprague-Dawley rat showing the

organization of testicular cells and the intimate relationships between Sertoli and germ

cells. S, Sertoli cell nucleus; SG, spermatogonium; PS, pachytene spermatocyte; RS, round spermatid; ES, elongated spermatid.

Cheng and Mruk 2002, Physiological Reviews

Células de Sertoli e as células espermatogênicas

Em todos os estágios de diferenciação, as células espermatogênicas estão em íntimo

contato com as células de Sertoli que provêem a estas:

contato com as células de Sertoli que provêem a estas: - suporte estrutural (microtúbulos) -suporte metabólico

-suporte estrutural (microtúbulos)

-suporte metabólico (fornecem lactato para sptz 1º)

-regulação do meio interno dos túbulos

seminíferos (formam a barreira hemato-testicular,

fagocitose)

-secretam proteínas:

transportadoras de nutrientes (Fe, Cu e Vit. A)

ABP (ptn ligante de andrógenos), dentre outras.

As céls. de Sertoli são também endócrinas:

AMH (diferenciação sexual)

Inibina B e Ativina (regulação da secreção de FSH).

Células de Sertoli e as células espermatogênicas

BARREIRA HEMATO-TESTICULAR

(junções firmes ou do tipo tight)

-comunicação entre várias células de Sertoli

-proteção para as células em desenvolvimento contra

a resposta auto-imune. -isola as células germinativas do resto do organismo

-isola as células germinativas do resto do organismo

Células de Sertoli e a migração das células espermatogênicas

de Sertoli e a migração das células espermatogênicas O número de células de Sertoli determina a

O número de

células de Sertoli

determina a taxa

máxima de

produção de

espermatozóides

A schematic drawing that illustrates extensive changes in tight junction (TJ) and cell-cell actin-based adherens junction (AJ) dynamics during spermatogenesis and spermiogenesis in the mouse. This figure was prepared based on reviews and reports cited in sections III and V. Among the AJs in the testis, four functional complexes are known to exist to date, which include cadherin/catenin complex, nectin/afadin complex, tubulobulbar complex, and ES (see sect. V). The ES is composed of basal and apical ES constituted possibly by 6 4 - and 6 1 -integrins, respectively (); however, their binding partner(s), if any, is not known. It is possible that laminin 1 1 1 -chains and 3 -chains constitute the binding partners for the

6 1 -integrins are found between Sertoli cells and developing spermatids in the apical ES (, it

remains to be determined if 6 4 -integrins can be found between Sertoli cells and developing spermatocytes and spermatogonia (type B) in the basal ES, or it is restricted only to the

interface of Sertoli cells and the basement membrane. ES, ectoplasmic specialization, a modified testis-specific AJ. Physiological Reviews, Cheng and Mruk 2002

basal and apical integrins in the ES, respectively () (see sect. VC1). While it is certain that

As células testiculares envolvidas na espermatogênese

Células intersticiais ou de Leydig

secretoras de Testosterona

intersticiais ou de Leydig secretoras de Testosterona

ESTRUTURA DO ESPERMATOZÓIDE

ESTRUTURA DO ESPERMATOZÓIDE
ESTRUTURA DO ESPERMATOZÓIDE

CONTROLE HORMONAL DA ESPERMATOGÊNESE

CONTROLE HORMONAL DA ESPERMATOGÊNESE Sistema Nervoso Central HIPOTÁLAMO GnRH Adeno-hipófise Feedback (-) LH Células

Sistema Nervoso Central HIPOTÁLAMO

DA ESPERMATOGÊNESE Sistema Nervoso Central HIPOTÁLAMO GnRH Adeno-hipófise Feedback (-) LH Células de FSH

GnRH

DA ESPERMATOGÊNESE Sistema Nervoso Central HIPOTÁLAMO GnRH Adeno-hipófise Feedback (-) LH Células de FSH Inibina

Adeno-hipófise

Feedback (-) LH Células de
Feedback (-)
LH
Células de
GnRH Adeno-hipófise Feedback (-) LH Células de FSH Inibina (-) Testículo Leydig Células de
FSH
FSH

Inibina (-)

Testículo

Leydig

Testículo Leydig Células de Sertoli Testosterona ABP Espermatogênese

Células de

Sertoli

Testículo Leydig Células de Sertoli Testosterona ABP Espermatogênese
Testículo Leydig Células de Sertoli Testosterona ABP Espermatogênese

Testosterona

ABP

Testículo Leydig Células de Sertoli Testosterona ABP Espermatogênese

Espermatogênese

Funções da Testosterona

Funções da Testosterona

ESTUDO DIRIGIDO

Descreva o trajeto dos espermatozóides dos túbulos seminíferos até a uretra, indicando as respectivas funções das glândulas do aparelho reprodutor masculino

Descreva a estrutura dos túbulos seminíferos, indicando as respectivas funções das células presentes;

O que constitui a Barreira Hematotesticular e qual a sua função?

Esquematize o processo de espermatogênese, indicando as diferenças entre os períodos

proliferativo (ou germinativo), de crescimento, de meiose (ou maturação) e de diferenciação

Descreva o processo de espermiogênese, indicando as estruturas e respectivas funções do

espermatozóide maduro

Explique o controle hormonal da espermatogênese