Você está na página 1de 1

3.

Sentido Latíssimo, Lato e Estrito da Justiça

A justiça, em sua acepção subjetiva, apresenta três significações de extensões


diferentes:
a) sentido latíssimo;
b) sentido lato;
c) sentido próprio ou estrito.

3.1 Sentido Latíssimo


No primeiro caso, justiça significa a virtude em geral. O conjunto de todas as
virtudes. O justo é o virtuoso. Justiça significa nesse caso a santidade. É esta a acepção
do vocábulo em diversas passagens da Bíblia, em que o justo é equiparado ao santo. É o
caso da expressão citada: “A justiça do simples dirige o seu caminho”.
Na filosofia estóica predominou, também, esse sentido amplo da justiça. E como o
estoicismo exerceu poderosa influencia sobre o Direito Romano, nos textos do Digesto
vamos encontrar o mesmo conceito: “Direito é a arte do bem e do equitativo” (Jus est
ars boni et aequi). E entre os precepta júris, de Ulpiano, vem, em primeiro lugar, o
“viver honestamente” (honeste vivere). Ora, é esse um preceito de moral geral. Justiça
se identifica, aí, com a virtude em geral ou o conjunto de todas as virtudes. No mesmo
sentido S. João Crisóstomo definiu a justiça como o cumprimento dos mandamentos ou
das obrigações em geral.

3.2 Sentido Lato


Numa acepção menos ampla, “justiça” significa não a virtude em geral, mas apenas
o conjunto das virtudes sociais ou virtudes de relação e convivência humana.
Nesse sentido é empregada a palavra justiça quando a considerarmos uma das quatro
virtudes cardiais. As demais virtudes: prudência, temperança ou coragem, podem ser
exercidas pelo homem isoladamente. Mas a justiça supõe a existência de outras pessoas.
Regula as relações de pessoa a pessoa.
Justiça, em sentido lato, significa o conjunto das virtudes que regulam as relações
entre os homens. Inclui, portanto, além dos deveres de justiça estrita, as virtudes da
amizade, da veracidade, do respeito filial etc.

3.3 Sentido estrito


Mas, em sentido estrito e próprio, a justiça designa uma virtude com objeto especial.
Nesse sentido, “a essência da justiça consiste em dar a outrem o que lhe é devido,
segundo uma igualdade” (simples ou proporcional), conforme a definição lapidar de S.
Tomás.
Só é justiça propriamente dita a relação que tem por objeto:
- dar a outrem;
- o que lhe é devido;
- segundo uma igualdade.
A essas três notas correspondem as características essenciais da justiça, em sentido
estrito:
- a alteridade ou pluralidade de pessoas (alteritas, de alter);
- o devido (debitum);
- a igualdade (aequalitas).

MONTORO, André Franco. Introdução à ciência do direito. 29. ed. São Paulo:
Editora Revista dos Tribunais, 2011. 688 p.