Você está na página 1de 5

RESENHA CRÍTICA: PRÁTICAS EDUCATIVAS E TIC

Deosimar Antonio Damasio


Doutorado em Educação
Universidade de Brasília

Resenha crítica do ensaio: COLL, CÉSAR. Psicología de la educación y


prácticas educativas mediadas por las tecnologías de la información y la comunicación.
Una mirada constructivista. Revista Electrónica Sinéctica, núm. 25, agosto-enero, 2004,
pp. 1-24. Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente. Jalisco, México

Em seu trabalho, César Coll, procura demonstrar que a revolução tecnológica


afeta diretamente a aprendizagem educacional, contribuindo para transformar as
práticas educacionais e colocando a educação como o tema central da Sociedade da
Informação.

Para o autor, a revolução tecnológica afeta os processos educacionais, acesso


e transmissão e relações de comunicação e transforma o conhecimento no bem mais
valioso. Neste contexto, a educação e o treinamento passam então, a ser os principais
meios de aquisição de conhecimento.

Além de transformar os cenários educacionais tradicionais, as TIC (Tecnologias


da Informação e Comunicação) possibilitam o surgimento de novos cenários
educacionais, incorporando a aprendizagem informal, no processo de aprendizagem,
obrigando-nos a repensar os fins a organização e o funcionamento da educação.

COLL (2004, p. 14) entende as TIC como “instrumentos utilizados para pensar,
aprender, conhecer, representar e transmitir aos outros e a outras gerações o
conhecimento e a aprendizagem adquiridos”.

Com o surgimento das inovações tecnológicas no campo da Informação e


Comunicação, a educação formal (escolas, institutos, etc.) foi progressivamente
transformada como resultado desse impacto tecnológico e outras instituições, como a
família e o trabalho, aumentaram o potencial das TIC na criação de novos cenários de
educação e treinamento.
Além disto, novos espaços de educação que ainda não haviam sido criados,
como salas de aula virtuais, comunicações on-line virtuais ou de rede, passam a compor
um cenário mais complexo e com novas possibilidades.

A introdução destes novos recursos tecnológicos obriga aos professores,


pesquisadores, gestores, planejadores, responsáveis políticos e profissionais da
educação em geral, fazerem uma revisão profunda do trabalho, as funções e a
organização de sistemas e serviços educacionais, não sendo mais possível, mantê-los
configurados como eram desde o início do século XIX.

Porém, nos alerta o autor, que apesar haver um grande otimismo sobre os
impactos que estas tecnologias podem exercer no processo de ensino e aprendizagem,
no entanto, a literatura especializada, ainda não tem dado apoio empírico suficiente para
comprovar de forma efetiva este otimismo, desta forma, faz-se necessário uma
ampliação das pesquisas educacionais a este respeito.

Para Coll, a Incorporação das TIC transforma as práticas de educação formal e


nos colocam novas questões teóricas e metodológicas a serem respondidas, como, por
exemplo:

I. Quais são as características das TIC, especialmente as ferramentas de multimídia e as


tecnologias da Internet, garantem seu potencial para transformar práticas educacionais
e processos de ensino e aprendizagem nos cenários formais e de educação escolar?
II. Quais aspectos ou ingredientes das práticas educacionais formais e escolares podem
sofrer mudanças significativas como consequência da incorporação das TIC?
III. Como essas mudanças podem afetar os processos de ensino-aprendizagem que
ocorrem nos cenários de educação formal e escolar?

Estas questões devem ser levadas a sério e devemos ter em mente, que o
simples acesso ou recepção de uma informação não é sinónimo de conhecimento,
recepção ou acesso à informação garantias aprendizagem. A informação torna-se
conhecimento e o acesso à informação dá origem à aprendizagem quando agimos,
processamos, organizamos, apropriamos, utilizamos e comparamos; quando somos
capazes de dar significado e significado.

COLL sugere ainda que devemos concentre seus esforços em estudar nas
mudanças que ocorrem nas pessoas, como consequência de sua participação e
envolvimento em atividades educacionais, identificando a natureza e características, os
fatores que facilitam ou dificultam sua participação e envolvimento, e as consequências
o que eles têm para estes estudantes.
Para COLL, as TIC são possíveis "instrumentos psicológicos" susceptíveis para
medir e transformar as práticas escolares elas afetam diretamente nestas práticas, como
por exemplo:

 O tipo de equipamento tecnológico utilizado: computadores isolados ou


conectados uns aos outros ou à Internet, equipamentos multimídia e assim por
diante.
 O software e aplicativos usados: e-mail, listas de discussão.
 O objetivo educacional perseguido: buscar de informações, contrastar
argumentos ou conceitos, organizar ou compartilhar informações, etc.
 A maior ou menor extensão e riqueza da interação e comunicação que permitem
entre professores e alunos e entre alunos:
 O modelo de educação utilizado: presencial ou a distância ou os modelos mistos
destes processos educacionais.

A conformação dada no uso e na aplicação destes recursos tecnológicos vai


impactar de diferentes formas nos processos educativos, pois eles irão regular a forma
como os três polos do processo de ensino aprendizagem (Aluno, Conteúdo e Professor)
se relacionam. Devemos ter em mente, segundo o autor, que NÓS APRENDEMOS DE
OUTROS E COM OUTROS.

Para COLL, a chave para analisar e avaliar o impacto da incorporação e os usos


pedagógicos das TIC na educação formal e escolar não deve ser procurada apenas nas
características dos recursos tecnológicos incorporados, nem nas abordagens ou
modelos pedagógicos em que esses recursos são projetados e inseridos. Para ele a
chave é o USO PEDAGÓGICO que se faz deste desses recursos tecnológicos.

Segundo COLL, a análise desses usos pode fornecer elementos de interesse


para identificar os aspectos ou ingredientes das práticas escolares e escolares formais
suscetíveis de sofrer mudanças significativa devido à incorporação de TIC nos
processos de ensino e aprendizagem.

Desta forma, eles poderão ter impactos positivos e negativos no processo de


aprendizagem.

Dentre os fatores que FATORES QUE LIMITAM OU PREJUDICAM OS NOVOS


AMBIENTES DE APRENDIZAGEM podemos relacionar:

 A Falta de recursos tecnológicos ou mau funcionamento dos mesmos,


 A Resistência do professor e do aluno ao uso das novas tecnologias,
 Excesso de informação que pode causar sufocamento e fadiga no aluno,
 A falta de planejamento adequado das atividades pelo professor, o que pode
desorientar o aluno e causar tédio.

Dentre os fatores que POSITIVOS DOS NOVOS AMBIENTES DE


APRENDIZAGEM podemos relacionar:

 As TIC estendem os papéis do professor, aluno e equipe de apoio e atuam como


meio de comunicação a serviço do treinamento.
 Multiplicam os ambientes virtuais para ensino e aprendizagem sem restrições de
tempo e espaço,
 Elas fornecem uma grande quantidade de ferramentas e recursos que facilitam
o campo de ação do professor,
 Incentivam a aprendizagem colaborativa, ativa e protagonista do aluno.

Como Alerta COLL, a principal dificuldade na realização de estudos que avaliam


o impacto do uso das TIC no processo educativos, ocorre devido ao fato que um mesmo
recurso tecnológico pode ser usado pedagogicamente de maneiras muito diferentes, e,
de outro lado, um mesmo uso pedagógico pode ser suportado por diferentes recursos
tecnológicos.

Para COLL (2004, p. 19) “os usos pedagógicos eficazes que tornam as TIC os
participantes de um processo de formação depende, em grande parte, da natureza e
das características dos recursos tecnológicos disponíveis (o que poderíamos chamar de
desenho tecnológico do processo de treinamento) bem como o uso que se faz destes
recursos para o início e o desenvolvimento de atividades de ensino e aprendizagem (o
desenho pedagógico ou instrucional do processo) ”.

Ao se incluir estes dois planos de análise nos estudos sobre o impacto das TIC
na educação, os pesquisadores irão compreender e explicar os processos formais e
escolar de ensino e aprendizagem, os modos de intervenção neste processo a fim de
amplia-los, melhora-los. Isto também permitirá avaliar o modo como professores e
estudantes interagem e organizam sua atividade conjunta, identificando os modos de
interação e o sistema de regras que regem estes modos.

Ao desenvolver projetos de pesquisa nestes temas, COLL que deveremos


investigar as relações correlacionais ou hipotéticas entre categorias fornecidas pelo
desenho pedagógico, pela existência e pelo nível das práticas regulatórias, bem como
os padrões de comunicação que o desenho pedagógico projeta que vai ocorrer. Propõe
ainda que o pesquisador deve estar atento ao que ocorre nas relações entre as práticas
específicas e normativas das ferramentas tecnológicas disponíveis e os vários índices
de construção do conhecimento que possam ser identificados.

COLL ressalta que a aplicação do esquema básico de análise baseado no


funcionamento psicológico ressalta o potencial das TIC como instrumentos de mediação
psicológica processos de ensino e aprendizagem, e, por outro lado, aponta as práticas
da utilização destas tecnologias no âmbito da atividade conjunta dos participantes como
o cenário em que dito potencial se concretiza, tornando efetiva ou não sua capacidade
de transformar práticas educativas e melhorar a aprendizagem.

Alerta ainda o autor que essa abordagem é parcial, primeiro porque advêm de
um esquema teórico de análise dos processos escolares de ensino e aprendizagem que
tem suas limitações, e, em segundo lugar, porque se assenta principalmente numa
abordagem da psicologia da educação, que, segundo COLL, é claramente insuficiente
para explicar plenamente a complexidade do práticas educativas e escolares formais,
incluindo aquelas que incorporam as TIC, e cujas contribuições, consequentemente,
devem ser completadas e revisadas, caso, com as contribuições de outras perspectivas
disciplinares.