Você está na página 1de 34

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Capítulo 2

Torção

de Pelotas Resistência dos Materiais II Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III Capítulo 2

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

Estruturas III

2.1 Revisão

Torque é um momento que tende a torcer um elemento em torno de seu eixo longitudinal.

Se o ângulo de rotação for pequeno, o comprimento e o raio do eixo permanecerão inalterados.

eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno , o comprimento e o raio do
eixo longitudinal. Se o ângulo de rotação for pequeno , o comprimento e o raio do

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III • Torque aplicado ao eixo produz tensões de

Torque aplicado ao eixo produz tensões de cisalhamento nas faces perpendiculares ao eixo.

A existência de componentes de cisalhamento axial é demonstrada, considerando um eixo formado por tiras axiais separadas.

As tiras deslizam umas em relação as

outras quando torques iguais e opostos são aplicados às extremidades do eixo.

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III • A torção da barra é proporcional ao
Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III • A torção da barra é proporcional ao

A

torção da barra é proporcional ao torque aplicado e ao comprimento da barra.

experiência

mostra

que

o

ângulo

de

T

L

Quando

à

transversal de um eixo circular permanece plana e indeformada.

cada seção

submetido

torção,

Seções transversais para barras circulares cheias ou vazadas permanecem planas e indeformadas, porque a barra circular é axissimétrica.

Seções transversais de barras não circulares

são distorcidos quando submetidas à torção.

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III  max  Tr e   T

max

Tr

e

T

I

I

p

p

I p : momento polar de inércia da área da seção.

ρ: distância radial da linha central do eixo

T: torque interno resultante que age na seção

τ: tensão de cisalhamento (máxima na

superfície externa)

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III Ângulo de torção: TL  I G p
Ângulo de torção: TL  I G p
Ângulo de torção:
TL

I G
p

G : módulo de elasticidade ao cisalhamento L: comprimento do eixo

ϕ: ângulo de torção (rad)

TL  I G p G : módulo de elasticidade ao cisalhamento L: comprimento do eixo

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III Se a carga de torção ou a seção

Se a carga de torção ou a seção transversal da

barra ou o material muda ao longo do comprimento, o ângulo de rotação é

encontrado como a soma de rotações de cada

segmento.

T i

L

i

i

I pi

G

i

Convenção de sinais

rotação é encontrado como a soma de rotações de cada segmento. T i L i 

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Exemplo 1 -

O eixo de seção circular BC é vazado com

diâmetros interno e externo de 90 mm e 120 mm, respectivamente. Os eixos de seção circular AB e CD são cheios e têm diâmetro d. Para o carregamento mostrado na figura,

determine: (a) as tensões de cisalhamento máxima e mínima no eixo BC, (b) o diâmetro d

necessário para os eixos AB e CD, se a tensão

de cisalhamento admissível nesses eixos for de

65 MPa.

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

AB e CD, se a tensão de cisalhamento admissível nesses eixos for de 65 MPa. Resistência

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

Cortar seções ao longo das barras AB e BC e realizar análise de equilíbrio estático para encontrar cargas de torque.

de equilíbrio estático para encontrar cargas de torque. M   x T AB  

M  

x

T

AB

0

6 kN m

T

CD

6 kN m

 T AB -
T
AB
-
 0  6 kN m   T CD 6 kN m   

0

M  

x

6kN

T

BC

20kN m

m

-
-

14kN

m

T

BC

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

(a)Aplicar fórmulas de torção elástica para encontrar tensões mínima e máxima na barra BC.

para encontrar tensões mínima e máxima na barra BC. I p   4  

I

p

4

 

2

2

r

4

r

1

13,92

10

max

 

2

T

BC

r

2

I

p

6

m

2

4

0,060

20 kN m

4

(b)Dada a tensão de cisalhamento admissível e torque aplicado, inverte- se a fórmula de torção elástica e encontra-se o diâmetro necessário.

de torção elástica e encontra-se o diâmetro necessário.  max r  Tr Tr  

max

r

Tr

Tr

I

p

38,9

2

10

r

3

4

m

65

MPa

6kN m

2

r

3

0,045

4

0,060m

86.2MPa

13,92

10

6

m

4

min

min

1

T

BC

r

1

I

p

64,7MPa

20 kN m



0,045m

13,92

10

6

m

4

max

min

86,2MPa

64,7MPa

d 2r

77,8mm

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

2.2 Eixos Estaticamente Indeterminados

Estruturas III 2.2 – Eixos Estaticamente Indeterminados Dadas as dimensões da barra e do torque aplicado
Estruturas III 2.2 – Eixos Estaticamente Indeterminados Dadas as dimensões da barra e do torque aplicado

Dadas as dimensões da barra e do torque aplicado

(solicitação), gostaríamos de encontrar as reações de torque em A e B. A partir de uma análise de corpo livre da barra,

em A e B. A partir de uma análise de corpo livre da barra, estaticamente indeterminado

estaticamente

indeterminado

T

A

T

B

T

(1)

EQUAÇÃO DE COMPATIBILIDADE:

Dividindo o eixo em dois componentes que devem ter deslocamentos rotacionais compatíveis,

AB

AC

CB

T L

A

AC

I G

p

T

B

L AC

L CB

T

A

(2)

T L

B

CB

I G

p

0

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Teremos um sistema:

 



T

A

T

B

T

B

T

L AC

L CB

T

A

um sistema:      T A  T B    T

T

A

T

B

T

T

L

CB

Ll

L

AC

Ll

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

1)O eixo maciço de aço mostrado abaixo tem diâmetro de 20mm. Se for

submetido aos dois torques, determine as reações nos apoios fixos A e B.

Respostas: T A =-345Nm e T B =645Nm

for submetido aos dois torques, determine as reações nos apoios fixos A e B. Respostas: T
for submetido aos dois torques, determine as reações nos apoios fixos A e B. Respostas: T

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

2)Determine a tensão de cisalhamento máxima absoluta no eixo. I p é constante. Resposta: 16,3MPa

de fixação 2)Determine a tensão de cisalhamento máxima absoluta no eixo. I p é constante. Resposta:

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

3) O eixo de aço é composto por dois segmentos: AC, com diâmetro de 0,5in

e CB, com diâmetro de 1in. Se estiver preso em suas extremidades A e B e for submetido a um torque de 500lb.ft, determine a tensão de cisalhamento máxima no eixo. G aço =10,8(10 3 )ksi. Resposta: τ max =29,3ksi

a tensão de cisalhamento máxima no eixo. G a ç o =10,8(10 3 )ksi. Resposta: τ

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

2.3- Estruturas heterogêneas quanto aos materiais

O eixo mostrado na figura é composto por um tubo de aço unido a um núcleo de latão. Se um torque de T=250Nm for aplicado em sua extremidade, como se distribuem as tensões de cisalhamento ao longo da linha radial de sua área de seção transversal?

G

AÇO =80GPa

G

LAT =36GPa

ao longo da linha radial de sua área de seção transversal? G A Ç O =80GPa

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

A reação na parede é representada pelas quantidades desconhecidas de

torque às quais resistem o aço e o latão. O equilíbrio exige:

às quais resistem o aço e o latão. O equilíbrio exige: T Aço  T LAT

T

Aço

T

LAT

250

Nm

(1)

Compatibilidade:

Exige-se que o ângulo de torção na extremidade A sejam o mesmo para o aço e para o latão, visto que eles estão unidos.

AÇO

LAT

Aplicando a relação carga-deslocamento,

 

T AÇO

L

 

T

LAT

L

 
 

I

G

pAÇO

AÇO

 

I

G

pLAT

LAT

T

AÇO

 

/2

20

mm

4

10

mm

4

 

80

10

3

N

/

2

mm

TL I G

/

p

temos:

T LAT

/2

10

mm

4

36

10

3

N

/

2

mm

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

T

AÇO

33,33

T

LAT

(2)

Resolvendo o sistema:

T

AÇO

T

LAT

242,72

7,28

Nm

Nm

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

max

Tr

I

p

7,28 10  3  Nmm 10 mm Pela fórmula da torção:   
7,28 10
3
Nmm
10
mm
Pela fórmula da torção:
 4,63
MPa
LAT
máx
/2

4
10
mm
3
242,72 10
Nmm
20
mm
 
 20,6
MPa
AÇO
4
máx
/2
4
20
mm
10
mm
3
242,72 10
Nmm
10
mm
 
 10,3
MPa
AÇO
mín
/2
4
4
20
mm
10
mm

Observe a descontinuidade da tensão de cisalhamento na interface latão- aço. Isso era de se esperar, já que os materiais têm módulos de rigidez

diferentes.

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

4)O eixo é feito de um tubo de aço com núcleo de latão. Se estiver preso a

um dos apoio rígido, determine o ângulo de torção que ocorre em sua extremidade. G AÇO =75GPa e G LAT =37GPa

Respostas:

0,00617rad

de torção que ocorre em sua extremidade. G A Ç O =75GPa e G L A

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

Exercício de fixação

5)Uma barra de aço sólida de diâmetro 1,2in está circundada por um tubo de diâmetro externo igual a 1,8in e diâmetro interno igual a 1,4in. Tanto a barra como o tubo estão fixados rigidamente na extremidade A e unidos de forma bem segura na extremidade B. A barra composta, que tem 20in de comprimento, é torcida por um torque T=4400lb.in agindo na placa da extremidade. Determine as tensões de cisalhamento máximas na barra e no tubo e o ângulo de torção em graus da placa, assumindo que o módulo de

elasticidade do aço é G=11,6x10 6 psi. Respostas:

barra

3,08

ksi

tubo

4,62

ksi

 0,507

0,507

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

2.4 Eixos maciços não circulares

de Engenharias Centro de Engenharias Resistência dos Materiais II Estruturas III 2.4 – Eixos maciços não
de Engenharias Centro de Engenharias Resistência dos Materiais II Estruturas III 2.4 – Eixos maciços não

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

A tensão de cisalhamento máxima e o ângulo de torção para eixos com seção transversal não circular são:

III A tensão de cisalhamento máxima e o ângulo de torção para eixos com seção transversal

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

A tensão de cisalhamento máxima e o ângulo de torção para eixos com seção transversal retangular são:

a/b

c

1

c

2

1,0

0,208

0,1406

1,2

0,219

0,1661

1,5

0,231

0,1958

2,0

0,246

0,229

2,5

0,258

0,249

3,0

0,267

0,263

4,0

0,282

0,281

5,0

0,291

0,291

10,0

0,312

0,312

b

a

5,0 0,291 0,291 10,0 0,312 0,312 b a  max  T 2 c ab 1

max

T

2

c ab

1

TL

c ab G

2

3

a→maior lado

b→menor lado

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

Exemplo 2-

O eixo de alumínio 6061-T6 tem área de seção transversal na forma de um triângulo equilátero. Determine o maior torque T que pode ser aplicado à extremidade do eixo se a tensão de cisalhamento admissível for τ adm = 56 MPa e o ângulo de torção na extremidade estiver restrito a Φ adm = 0,02 rad. G al = 26 GPa.

m = 56 MPa e o ângulo de torção na extremidade estiver restrito a Φ a

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

O torque interno resultante em qualquer seção transversal ao longo da linha

central do eixo também é T.

adm

adm

20

T

3

a

;

46 TL

4

a G

al

;

56

N

2

mm

0,02rad

T 24,12 Nm

20

T

40

3

3

mm

T

179200 Nmm=179,2Nm

 

46

T

1,2

10

3

mm

40

4

4

mm

 

26 10

3

N

2

mm

 

T

 

24120

Nmm

24,12

Nm

Por comparação, o torque é limitado devido ao ângulo de torção.

   T   24120 Nmm  24,12 Nm Por comparação, o torque é

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

6)O eixo é feito de latão vermelho C83400 e tem seção transversal elíptica.

Se for submetido ao carregamento de torção mostrado, determine a tensão

de cisalhamento máxima no interior das regiões AC e BC.

Respostas:

máx

0,955MPa

máx

1,592MPa

BC

AC

máxima no interior das regiões AC e BC. Respostas:    máx  0,955 MPa

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

7)Determinar o maior torque T que pode ser aplicado a cada uma das duas

barras de alumínio mostradas, e o correspondente ângulo de torção em B,

sabendo-se que G=26GPa e Respostas:

 50MPa .
 50MPa
.

adm

)

a T

b T

2,25

kNm

=0,816°

) 1,77

kNm

=0,901°

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

2.5 Tubos de parede fina com

seções transversais fechadas

A tensão de cisalhamento média para tubos com paredes finas é

T

2 tA

m

τ méd = tensão de cisalhamento média

T = torque interno resultante na seção transversal t = espessura do tubo A m = área média contida no contorno da

méd

A m = área média contida no contorno da  méd  linha central Para o

linha central

Para o ângulo de torção,

TL

ds

2

4 A G t

m

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Resistência dos Materiais II

Estruturas III

Exemplo 3-

Um tubo quadrado de alumínio tem as mesmas dimensões. Determine a tensão

de cisalhamento média no tubo no ponto A se ele for submetido a um torque de 85 Nm. Calcule também o ângulo de torção devido a esse carregamento.

Considere G al = 26 GPa.

a um torque de 85 Nm. Calcule também o ângulo de torção devido a esse carregamento.

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

O torque interno no ponto A é T = 85 Nm.

A área sombreada é

A

m

2

50 2.500 mm

2

.

Para tensão de cisalhamento média:

méd

T

tA

2

m

85 10

3

Nmm

2

10

mm

2.500

2

mm

méd

1,7

MPa

 10 mm   2.500 2 mm   méd  1,7 MPa Para ângulo

Para ângulo de torção,

TL

ds

2

4 A G t

m

85 10

3

3

1,5 10

2

4 2.500

3

26 10

ds

10

0,196 10

4

mm

1

ds

A integral representa o comprimento em torno da linha central do contorno

do tubo. Assim,

0,196 10

4

4

3,92 10

3

rad

50

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

8)O tubo da figura é construído em bronze e tem a seção transversal na

forma e dimensões indicadas. Se está sujeito aos dois torques como

mostrado, determine o valor da tensão tangencial nos pontos A e B, e o

ângulo de torção do extremo C em relação ao suporte fixo E. Considerar

G=38GPa. Respostas:

A

1,75MPa,

B

2,92MPa e =0,00626rad

relação ao suporte fixo E. Considerar G=38GPa. Respostas:  A  1,75 MPa ,  B

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III
Universidade Federal de Pelotas Resistência dos Materiais II Centro de Engenharias Centro de Engenharias Estruturas III

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

9)Um torque de 1,2kNm é aplicado a uma barra vazada de alumínio, que

tem a seção mostrada na figura. Determinar a tensão de cisalhamento da

barra. Respostas:

44,4MPa

que tem a seção mostrada na figura. Determinar a tensão de cisalhamento da barra. Respostas: 

Universidade Federal de Pelotas

Universidade Federal de Pelotas

Resistência dos Materiais II

Centro de Engenharias

Centro de Engenharias

Estruturas III

Exercício de fixação

10)O tubo é feito de plástico, tem 5mm de espessura e as dimensões

médias são mostradas na figura. Determine a tensão de cisalhamento

média nos pontos A e B se o tubo for submetido a um torque de T=500Nm.

Respostas:

9,6MPa

de cisalhamento média nos pontos A e B se o tubo for submetido a um torque