Você está na página 1de 278

Ministério da Agricultura e do Abastecimento

Secretaria de Defesa Agropecuária


Departamento de Defesa Animal
Coordenação de Vigilância e Programas Sanitários
Programa Nacional de Sanidade Avícola

LEGISLAÇÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL

AVICULTURA

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE


AVÍCOLA

Maio de 2002
ÍNDICE

DEFESA SANITÁRIA ___________________________________________________ 7

?? DECRETO N° 24.548, DE 3 DE JULHO DE 1934 - APROVA REGULAMENTO DO SERVIÇO


DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL. ________________________________ ___________ 7
?? LEI Nº 569, DE 21 DE DEZEMBRO DE 1948 - ESTABELECE MEDIDAS DE D EFESA
SANITÁRIA ANIMAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS . _____________________________ 17
?? DECRETO Nº 27.932, DE 28 DE MARÇO DE 1950 - APROVA O REGULAMENTO PARA
APLICAÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL.________________________ 18

MÉDICO VETERINÁRIO _____________________________________________ 21

?? DECRETO-LEI Nº 818, DE 5 DE SETEMBRO DE 1969 - D ISPÕE SOBRE A ACEITAÇÃO,


PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PARA FINS RELACIONADOS COM A DEFESA SANITÁRIA

ANIMAL, DE ATESTADOS FIRMADOS POR MÉDICO VETERINÁRIO SEM VÍNCULO COM O

SERVIÇO PÚBLICO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS._______________________________ 21


?? PORTARIA Nº 9, DE 8 DE JANEIRO DE 1970 – NORMAS DE ATESTADO ZÔO-SANITÁRIOS
FIRMADO POR MÉDICOS VETERINÁRIOS SEM VÍNCULO COM O SERVIÇO PÚBLICO________ 22
?? RESOLUÇÃO Nº 63/71 DO CFMV – D ETERMINA COMO RESPONSABILIDADE EXCLUSIVA DO
MÉDICO VETERINÁRIO A EMISSÃO DE ATESTADO DE SANIDADE E DE ÓBITO DE ANIMAIS BEM

COMO DE SANIDADE DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL E VACINAÇÃO E APLICAÇÃO DE

QUALQUER PRODUTO QUE VISE A PROTEÇÃO SANITÁRIA DOS ANIMAIS _______________ 23


?? PORTARIA Nº 24, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1977 – REGULAMENTA O

CREDENCIAMENTO DOS MÉDICOS VETERINÁRIOS SEM VINCULO COM O SERVIÇO PÚBLICO 24

DESINFECÇÃO DOS MEIOS DE TRANSPORTE _____________________ 27

?? DECRETO–LEI Nº 8.911, DE 24 DE JANEIRO DE 1964 - DISPÕE SOBRE A EXECUÇÃO DOS


SERVIÇOS DE LIMPEZA E DESINFECÇÃO DOS MEIOS DE TRANSPORTES UTILIZADOS NA

LOCOMOÇÃO DE ANIMAIS VIVOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS ._____________________ 27

PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE AVÍCOLA _________________ 29

2
?? PORTARIA MINISTERIAL Nº 193, DE 19 DE SETEMBRO DE 1994 –INSTITUI O

PROGRAMA N ACIONAL DE SANIDADE AVÍCOLA NO ÂMBITO DA DAS E CRIA O COMITÊ


CONSULTIVO DO PROGRAMA DE SANIDADE AVÍCOLA. ___________________________ 29
?? PORTARIA Nº 115, DE 04 DE OUTUBRO DE 1995 – D ETERMINA AS ATRIBUIÇÕES DO
COMITÊ CIENTÍFICO DO PNSA ___________________________________________ 29
?? PORTARIA Nº 39, DE 21 DE JULHO DE 1999 - REFORMULA O COMITÊ CONSULTIVO DO
PROGRAMA N ACIONAL DE SANIDADE AVÍCOLA ________________________________ 30

DOENÇA DE NEWCASTLE ___________________________________________ 32

?? PORTARIA Nº 070, DE 03 DE MARÇO DE 1994 – REGULAMENTA A OBRIGATORIEDADE


DE COMUNICAÇÃO DA SUSPEITA DA DOENÇA DE N EWCASTLE . _____________________ 32
?? PORTARIA Nº 182, DE 08 DE NOVEMBRO DE 1994 – N ORMAS DE CREDENCIAMENTO E
MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS D E D IAGNÓSTICO DA D OENÇA DE NEWCASTLE ___ 32
?? INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 32, DE 13 DE MAIO DE 2002- NORMAS TÉCNICAS
DE VIGILÂNCIA PARA DOENÇA DE NEWCASTLE E INFLUENZA AVIÁRIA E DE CONTROLE E

ERRADICAÇÃO DA DOENÇA DE NEWCASTLE

SALMONELOSE AVIÁRIA ____________________________________________ 57

?? PORTARIA Nº 8, DE 23 DE JANEIRO DE 1995 - MÉTODO ANALÍTICO DE CARCAÇA DE


AVES E PESQUISA DE SALMONELLA ________________________________________ 57
?? PORTARIA N° 126, DE 03 DE NOVEMBRO DE 1995 - N ORMAS DE CREDENCIAMENTO E
MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DE D IAGNÓSTICO DAS SALMONELOSES AVIÁRIAS (S.
ENTERITIDIS, S. GALLINARUM , S. PULLORUM E S. TYPHIMURIUM )_________________ 63
?? INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 03, DE 09 DE JANEIRO DE 2002 - NORMAS TÉCNICAS
PARA CONTROLE E CERTIFICAÇÃODE NÚCLEOS E ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS COMO
LIVRES DE SALMONELLA G ALLINARUM E DE SALMONELLA PULLORUM E LIVRES OU

CONTROLADOS PARA SALMONELLA ENTERITIDIS E PARA SALMONELLA TYPHIMURIUM __ 78


RETIFICAÇÃO------------------------------------------------------------------------------------

MICOPLASMOSE AVIÁRIA __________________________________________ 86

3
?? PORTARIA Nº 208, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1994 - N ORMAS DE CREDENCIAMENTO E
MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DE D IAGNÓSTICO DAS MICOPLASMOSES AVIÁRIAS 86
?? INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 44, DE 23 DE AGOSTO 2001 - APROVAR AS NORMAS
TÉCNICAS PARA O CONTROLE E A CERTIFICAÇÃO DE N ÚCLEOS E ESTABELECIMENTOS
AVÍCOLAS PARA A MICOPLASMOSE AVIÁRIA ________________________________ __ 90
RETIFICAÇÃO

NORMAS PARA HABILITAÇÃO, REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE


ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS___________________________________ 98

?? PORTARIA N.º 542, DE 16 DE NOVEMBRO DE 1998 - D ISPÕE SOBRE N ORMAS DE


H IGIENE E SEGURANÇA SANITÁRIA PARA H ABILITAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS
DE CRIAÇÃO DE AVES E INCUBATÓRIOS AVÍCOLAS PARA INTERCÂMBIO NO MERCOSUL _ 98
?? INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 - NORMAS PARA
REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS _________________ 105

IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE AVES E OVOS FÉRTEIS _____ 111

?? PORTARIA N.º 49, DE 11 DE MARÇO DE 1987 - REGULAMENTA A IMPORTAÇÃO DE


ANIMAIS VIVOS ______________________________________________________ 111
?? DECRETO Nº 94.959 DE SETEMBRO DE 1987 - D ISPÕE SOBRE A IMPORTAÇÃO DE AVES
MATRIZES, DO GÊNERO PALMÍPEDES, PARA REPRODUÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS . 117
?? PORTARIA MINISTERIAL Nº 548 DE 25 DE AGOSTO DE 1995 – RECONHECE O BANCO
DA INDÚSTRIA AVÍCOLA E ASSEGURA A UBA A SUA GESTÃO OPERACIONAL __________ 117
?? PORTARIA Nº 116, DE 29 DE FEVEREIRO DE 1996 – IMPORTAÇÃO DE AVES E OVOS

FÉRTEIS DESTINADOS À REPRODUÇÃO ________________________________ _____ 118


?? PORTARIA Nº 144, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1997 – SUSPENDE A ENTRADA EM

TERRITÓRIO NACIONAL DE AVESTRUZES , AVES ORNAMENTAIS DOMÉSTICAS E SILVESTRES E

OVOS FÉRTEIS DESSAS MESMAS AVES ______________________________________ 119


?? INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14, DE 29 DE JUNHO DE 1999 - N ORMAS TÉCNICAS PARA
IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE AVES DE UM DIA E O VOS FÉRTEIS PARA INCUBAÇÃO ,

DESTINADOS A REPRODUÇÃO ____________________________________________ 119


?? INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA N° 001/99 - REQUISITOS PARA INGRESSO DE AVES DE
COMPANHIA NO TERRITÓRIO NACIONAL. ___________________________________ 123

4
?? INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE ABRIL DE 2000. – AUTORIZA A SECRETARIA
DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO A CERTIFICAR A AUTENTICIDADE DE CONTRATO DE

FORNECIMENTO PARA AS EXPORTAÇÕES DE CARNE DE FRANGO ___________________ 123

GUIA DE TRÂSITO ANIMAL ________________________________________ 126

?? PORTARIA N.º 22, DE 13 DE JANEIRO DE 1995 – MODELO DA GUIA DE TRÂNSITO


ANIMAL ___________________________________________________________ 126

FEIRAS E EXPOSIÇÕES _____________________________________________ 127

?? PORTARIA N.º 108, DE 17 DE MARÇO DE 1993 - N ORMAS TÉCNICAS PARA

O RGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS EXPOSIÇÕES E FEIRAS AGROPECUÁRIAS, LEILÕES


RURAIS E DOS COLÉGIOS DE J URADOS DAS ASSOCIAÇÕES ENCARREGADAS DA EXECUÇÃO
DOS SERVIÇOS DE REGISTRO GENEALÓGICO________________________________ _ 127
?? PORTARIA N.º 162, DE 18 DE OUTUBRO DE 1994 - N ORMAS COMPLEMENTARES QUE
VERSAM SOBRE A FISCALIZAÇÃO E O CONTROLE ZOOSSANITÁRIO DAS EXPOSIÇÕES, F EIRAS,

LEILÕES E OUTRAS AGLOMERAÇÕES DE ANIMAIS, EM TODO TERRITÓRIO NACIONAL____ 134

INSPEÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS A


ALIMENTAÇÃO ANIMAL ___________________________________________ 140

?? DECRETO Nº 76.986 – DE 6 DE JANEIRO DE 1976 - REGULAMENTA A LEI N . 6.198 (*),


DE 26 DE DEZEMBRO DE 1971, QUE DISPÕE SOBRE A INSPEÇÃO E A FISCALIZAÇÃO

OBRIGATÓRIAS DOS PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL, E DÁ OUTRAS

PROVIDÊNCIAS. ______________________________________________________ 140

MEDICAMENTOS, VACINAS, ANTÍGENOS E DILUENTES _________ 152

?? PORTARIA N °
186 DE 13 DE MAIO DE 1997 – REGULAMENTO TÉCNICO PARA A

PRODUÇÃO , O CONTROLE E O EMPREGO DE VACINAS, ANTÍGENOS E D ILUENTES PARA

AVICULTURA ________________________________________________________ 152


?? PORTARIA Nº 193, DE 12 DE MAIO DE 1998 - REGULAMENTO TÉCNICO PARA O

LICENCIAMENTO E A RENOVAÇÃO DE LICENÇA DE ANTIMICROBIANOS DE U SO VETERINÁRIO


__________________________________________________________________ 191

5
NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS
VEGETAIS E ANIMAIS ______________________________________________ 195

?? INSTRUÇÃO NORMATIVA N° 7, DE 17 DE MAIO DE 1999 - NORMAS


D ISCIPLINADORAS PARA A PRODUÇÃO , TIPIFICAÇÃO , PROCESSAMENTO , ENVASE,
D ISTRIBUIÇÃO, IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE DE PRODUTOS
O RGÂNICOS , SEJAM DE O RIGEM ANIMAL OU VEGETAL _________________________ 195

INSPEÇÃO DE CARNE DE FRANGO E OVOS _______________________ 205

?? DECRETO–LEI Nº 334, DE 15 DE MARÇO DE 1938 - ESPECIFICAÇÕES PARA A

CLASSIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DO OVO ___________________________________ 205


?? DECRETO Nº 56.585, DE 20 DE JULHO DE 1965 - APROVA AS NOVAS ESPECIFICAÇÕES
PARA A CLASSIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DO OVO._____________________________ 206
?? PORTARIA Nº 15 DE 07.DE JULHO DE 1970. – INSTRUÇÕES PARA O TRÂNSITO DE OVOS
DESTINADOS AO COMÉRCIO INTERNACIONAL, ORIUNDO DE ESTABELECIMENTO SUJEITOS À

INSPEÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA DE PADRONIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E INSPEÇÃO DE

PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL. ________________________________ _________ 208


?? CIRCULAR Nº 01.36-15/9.2 061 EM 02.09.83 – PADRONIZAÇÃO DA NOMENCLATURA DE
CONSERVA DE OVOS __________________________________________________ 212
?? CIRCULAR / SIPA/Nº 01.36.15/9.1 007/85 EM 20/05/85 - N OVO MODELO DE CERTIFICADO
SANITÁRIO ________________________________ _________________________ 212
?? PORTARIA Nº 09, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1986 - INSTRUÇÕES PARA REGISTRO DE
RÓTULO E MEMORIAL DESCRITIVO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL ______________ 214
?? CIRCULAR Nº 024/DICAR EM 23.03.88 - N OMENCLATURA DE CARNE E DERIVADOS DE

AVES, COELHOS E OVOS.________________________________________________ 217


?? CIRCULAR Nº 127/DICAR EM 20.09.88 - TRÂNSITO DE OVOS E DERIVADOS. _______ 221
?? PORTARIA Nº 01, DE 21 DE FEVEREIRO DE 1990 - N ORMAS GERAIS D E INSPEÇÃO DE
O VOS E DERIVADOS___________________________________________________ 222
?? RESOLUÇÃO Nº 005 DE 05 DE JULHO DE 1991. - PADRÃO DE IDENTIDADE E
Q UALIDADE PARA OO VO INTEGRAL _______________________________________ 243
?? PORTARIA N° 210 DE 10 DE NOVEMBRO DE 1998 (*) - REGULAMENTO TÉCNICO DA
INSPEÇÃO TECNOLÓGICA E H IGIÊNICO -SANITÁRIA DE CARNE DE AVES_____________ 246

6
DEFESA SANITÁRIA
DECRETO N° 24.548, DE 3 DE JULHO DE 1934 - Aprova Regulamento
do Serviço de Defesa Sanitária Animal.

O Chefe do Governo Provisório da República dos Estados Unidos do Brasil, usando das
atribuições que lhe confere o art. 1° do Decreto nº 19.398, de 11 de novembro de 1930, decreta:

Art. 1º - Fica aprovado o regulamento que com esta baixa, para execução, no país, do Serviço de
Defesa Sanitária Animal.

Art. 2º - Revogam-se as disposições em contrário.

Rio de Janeiro, 3 de julho de 1934; 113º da Independência e 46º da República.

GETÚLIO VARGAS
Juarez do Nascimento Fernandes Távora

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL

CAPÍTULO I
Disposições Preliminares

Art. 1º - O Serviço de Defesa Sanitária Animal executará as medidas de profilaxia previstas neste
regulamento, para preservar o país de zoonoses exóticas e combater as moléstias infecto-contagiosas e
parasitárias existentes no seu território.

Art. 2º - Como medida de defesa dos rebanhos nacionais, fica terminantemente proibida a entrada
em território nacional de animais atacados, ou suspeitos de estarem atacados de doenças, direta ou indiretamente
transmissíveis, mesmo estando aparentemente em estado hígido e ainda dos portadores de parasitas externos e
internos cuja disseminação possa constituir ameaça aos rebanhos nacionais.

Art. 3º - É igualmente proibida a entrada em território nacional de produtos ou despojos de animais


forragens ou outro qualquer material presumível veiculador de agentes etiológicos de doenças contagiosas.

Art. 4º - São condições essenciais para a entrada no país de animais procedentes do estrangeiro:
a. apresentação de certificado sanitário de origem, firmado por veterinário oficial;
b. apresentação, segundo os casos, de certificado oficial de tuberculinização, maleinização, soro-
aglutinação, de brucelas e salmonelas pulorum.
Parágrafo único - Os certificados sanitários de origem só terão valor quando:
a. forem visados por autoridade consular brasileira do país de procedência dos animais;
b. atestarem boa saúde dos animais no dia do embarque;
c. declararem que nos quarenta dias anteriores ao embarque não grassava, no lugar de
procedência, moléstia infecto-contagiosa.

Art. 5º - Os animais procedentes de países onde grassem, em estado enzoótico, as tripanosomíases,


a peste bovina, a peripneumonia contagiosa e outras doenças infecto-contagiosas exóticas, só terão entrada no
país, mediante prévia autorização do diretor do Serviço de Defesa Sanitária Animal, que estabelecerá as
condições em que a importação será permitida.

Art. 6º - Os importadores deverão avisar aos funcionários da inspeção de portos de fronteira, com
antecedência mínima de 24 horas, a hora da chegada dos animais. Para a exportação, o aviso deverá ser dado com

7
10 dias de antecedência do dia da partida dos animais, a fim de serem os mesmos submetidos às provas
biológicas a que se refere o artigo 4º.

Art. 7º - O atestado de saúde, de origem, ficará em poder do funcionário incumbido da inspeção dos
animais, o qual concederá uma guia de livre trânsito, caso estejam os mesmos em boas condições de saúde.

Art. 8º - No intuito de evitar a propagação de moléstias no território nacional, fica estabelecida a


obrigatoriedade de certificado sanitário para o trânsito interestadual de animais por via marítima, fluvial ou
terrestre, assim como o de animais destinados à matança nos frigoríficos abastecedores de mercados
internacionais.
Parágrafo único - Os infratores deste artigo incorrerão na multa de Cr$ 50,00 por animal, dobrada
em cada reincidência.

Art. 9º - Para os animais reprodutores em trânsito interestadual, por via marítima, fica estabelecida
a exigência, além de certificado sanitário de origem, de atestado, segundo os casos de tuberculinização,
maleinização e soro -aglutinação de brucelas.
Parágrafo único - Sempre que julgar conveniente, o Serviço de Defesa Animal tornará obrigatória a
prova de soro-aglutinação para salmonela pulorum e vacinação anti-rábica dos cães.

Art. 10 - O Ministério da Agricultura providenciará, junto a quem de direito, para que as


autoridades competentes, federais, estaduais e municipais, cumpram e façam cumprir o presente regulamento.

CAPÍTULO II
Inspeção de Portos e Postos de Fronteira

Art. 11 - A importação e exportação de animais só serão permitidas pelos portos e postos de


fronteira devidamente aparelhados pelo Serviço de Defesa Sanitária Animal.

Art. 12 - Por proposta da diretoria do Serviço de Defesa Animal, serão designados pelo Ministro da
Agricultura quais os portos de fronteira por onde poderão ser importados e exportados animais.

Art. 13 - Para cumprimento do disposto no artigo 11 serão criados Lazaretos Veterinários nos
portos de São Salvador, Santos, Rio Grande e mantido o do Porto do Rio de Janeiro e aparelhados os postos de
fronteira, designados de acordo com o artigo anterior.
Parágrafo único - Os Lazaretos a que se refere o presente artigo serão instalados logo que os
recursos orçamentários o permitirem.

Art. 14 - A importação e exportação de animais ficam subordinadas ainda às seguintes condições.


I. serem reconhecidos clinicamente sãos;
II. não apresentarem reação positiva às provas biológicas oficiais, nem sintomas de qualquer moléstia,
durante a observação a que forem submetidos.

Art. 15 - No momento de se proceder à inspeção sanitária dos animais importados, deverá o


respectivo proprietário ou seu representante apresentar à autoridade competente, além dos documentos exigidos
no artigo 4º, capítulo I e suas alíneas, os seguintes esclarecimentos:
a. residência do proprie tário;
b. destino e finalidade da importação;
c. o número de dias gastos na viagem;
d. se ocorreu alguma morte de animal durante a mesma.
Parágrafo único - A inspeção a que se refere este artigo deverá ser feita em pleno dia e solicitada,
no mínimo, com 24 horas de antecedência.

Art. 16 - Os animais importados, assim como forragens, boxes e quaisquer utensílios transportados
conjuntamente, não terão saída dos meios de transporte que os conduzirem sem o certificado ou guia sanitária
passada por autoridade veterinária encarregada da respectiva inspeção.

8
Parágrafo único - O Ministério da Agricultura providenciará junto a quem de direito para que as
autoridades aduaneiras cumpram e façam cumprir o presente artigo.

Art. 17 - Excepcionalmente, e a juízo do diretor geral do DNPA poderá entrar no país, animal sem
certificado sanitário de origem, desde que, aparentemente sadio, no momento do desembarque, seja considerado
isento de moléstia, depois de submetido a quarentena para observações, exames e provas biológicas julgadas
necessárias.

Art. 18 - Constatando a peste bovina, todos os ruminantes que fizerem parte do carregamento serão
imediatamente sacrificados e tomadas as medidas de profilaxia que se fizerem necessárias sem que o proprietário
tenha direito a indenização de qualquer espécie.

Art. 19 - Se for diagnosticada a tuberculose, para-tuberculose, peripneumonia contagiosa,


tripanosomíase, carbúnculo hemático e sintomático, raiva, pseudoraiva, anemia perniciosa, brucelose, mormo,
varíola ovina, caprina e suína, tifo, peste suína, ruiva, pleuro-pneumonia séptica caprina, coriza gangrenosa, peste
e tifose aviária e salmonela pulorum, serão sacrificados somente os animais atacados e tomadas as medidas
profiláticas que se fizerem necessárias a cada caso, sem que o proprietário tenha direito a qualquer indenização.
Parágrafo único - As despesas decorrentes da execução das medidas profiláticas, previstas neste
artigo, correrão por conta dos donos dos animais.

Art. 20 - O sacrifício dos animais, nos termos dos artigos 18 e 19, será realizada perante
funcionários competentes do Serviço de Defesa Sanitária Animal, e desse ato será lavrado um termo
circunstanciado, que será assinado pelos dois funcionários mais graduados presentes, pelo proprietário ou
consignatário dos animais e por duas testemunhas.
Parágrafo único - É facultado ao proprietário ou ao seu representante requerer no ato do sacrifício,
a necropsia do animal.

Art. 21 - Quando a necropsia e outros exames do animal sacrificado não demonstrarem lesões ou
elementos patognomônicos característicos das moléstias capituladas nos artigos 18 e 19, caberá ao proprietário
indenização em dinheiro correspondente ao valor integral do animal e dos objetos que o acompanharem e forem
destruídos.

Art. 22 - A necropsia de que trata o artigo 21, deverá ser requerida ao diretor de Serviço de Defesa
Sanitária Animal, quando a importação for feita pelo porto do Rio de Janeiro, e aos inspetores-chefes ou
inspetores de Portos e Postos de Fronteira, quando por um dos outros portos previstos no artigo 13, capítulo II.

Art. 23 - Quando a necropsia requerida deixar de se realizar, dentro de 24 horas, a contar do


momento em que for sacrificado o animal, por falta de providências do funcionário competente, ficará
reconhecido o direito do reclamante à indenização de que trata o artigo 21, sendo responsável pela mesma o
referido funcionário.

Art. 24 - No caso de ser o diagnóstico confirmado pela necropsia, as despesas respectivas correrão
por conta do interessado que a houver requerido.

Art. 25 - As despesas de que trata o artigo anterior, serão pagas em estampilhas federais,
inutilizadas nos próprios laudos das autopsias, de acordo com as taxas que forem criadas pelo Ministério da
Agricultura.

Art. 26 - No caso previsto no artigo 21, cabem ao Governo da União as despesas decorrentes.

Art. 27 - Quando o interessado não concordar com o resultado da necropsia, poderá requerer novo
exame, imediatamente, designando, neste caso, um profissional de sua confiança para verificar os trabalhos. Se
os dois profissionais não chegarem a acordo, será por eles colhido e autenticado material para exame em
laboratório do DNPA, que decidirá a dúvida suscitada.
Parágrafo único - Em caso algum despojos do cadáver necropsiado deixarão de ser cremados, no
mesmo dia em que se praticou a autopsia.

9
Art. 28 - No caso previsto no artigo 26 o diretor geral do Departamento Nacional da Produção
Animal nomeará uma comissão de três membros, da qual fará parte o proprietário o seu representante para
arbitrar a indenização, cabendo recurso voluntário ao Ministro.

Art. 29 - A importação e a exportação de animais, pelos postos de fronteira, quando destinados ao


corte, serão permitidas, independente das provas biológicas a que se refere a alínea II do artigo 14, capítulo II,
desde que estejam aparentemente em bom estado de saúde, isentos de ectoparistos e procedam de zonas onde não
estejam grassando moléstia infecto-contagiosas.
Parágrafo único - Neste caso, é obrigatório o aviso da chegada ou partida dos animais com
antecedência de 24 horas, a fim de ser feita a respectiva inspeção, expedido ou recebido o respectivo certificado
sanitário.

Art. 30 - Serão enviadas aos representantes dos Governos dos países que importarem animais do
Brasil, as assinaturas do diretor do Serviço de Defesa Sanitária Animal e dos funcionários autorizados a assinar
certificados para exportação internacional em tantas vias quantas forem exigidas pelos respectivos consulados.

CAPÍTULO III
Trânsito de Animais no País

Art. 31 - As empresas concessionárias do tra nsporte fluvial do gado, nas fronteiras dos Estados,
deverão construir banheiros carrapaticidas, assim como currais para repouso de animais, com piso resistente para
evitar atoladouros.
§ 1º - Os animais transportados por via fluvial, em batelões especialmente usados para esse fim,
ficam obrigatoriamente sujeitos à inspeção sanitária pelo Serviço de Defesa Sanitária Animal.
§ 2º - Tais balcões serão lavados e desinfetados, logo após o desembarque dos animais, com
desinfetantes aprovados pela Diretoria do Serviço de Defesa Sanitária Animal, sendo as despesas custeadas pelos
seus proprietários.

Art. 32 - Os animais de campo, destinados ao corte, quando transportados por estradas de ferro,
não poderão permanecer embarcados por espaço de tempo superior a 72 horas.
Parágrafo único - As companhias de estrada de ferro deverão instalar campos para repouso dos
animais, nos quais permanecerão, no mínimo 24 horas, quando a viagem exceder o prazo estipulado neste artigo.

Art. 33 - Quando se tratar de reprodutores que possam ser alimentados em viagem, o prazo
estabelecido no artigo 32 poderá deixar de ser observado.

Art. 34 - O trânsito interestadual de animais conduzidos a pé, só se fará pelos pontos previamente
indicados pelo Serviço de Defesa Sanitária Animal, mediante acordo com as autoridades estaduais.
§ 1º - Todo o gado será obrigatoriamente examinado nas estradas de trânsito normal, nos pontos
indicados pelo Serviço de Defesa Sanitária Animal, sendo-lhe fornecido um certificado de livre trânsito quando
isento de moléstias infecto-contagiosas.
§ 2º - Os infratores incorrerão em multa de Cr$ 50,00 a 100,00 por animal, dobrada nas
reincidências.

Art. 35 - Os animais transportados por estradas de ferro e destinados aos matadouros frigoríficos
que abatam para exportação internacional serão inspecionados nos currais e bretes de embarque ou nas próprias
fazendas, pelos funcionários do Serviço de Defesa Sanitária Animal, ou pelos funcionários dos Estados, quando
este serviço houver sido confiado pelo Ministério da Agricultura.

Art. 36 - Os animais destinados a outros Estados, para o corte, criação ou engorda, serão
examinados nos currais ou bretes de embarque por funcionário do Serviço de Defesa Sanitária Animal que
expedirá o respectivo certificado sanitário, ou por funcionários estaduais, de acordo com o artigo anterior.
§ 1º - Nos pontos de embarque onde não houver funcionário destacado, o Serviço de Defesa
Sanitária Animal providenciará para que a inspeção seja feita em outro local previamente indicado em instruções
especiais, antes dos trens de animais atravessarem a fronteira do Estado vizinho.

10
§ 2º - Serão impedidos os trens que transportarem animais atacados de febre aftosa ou de outras
doenças cuja disseminação possa constituir ameaça aos rebanhos da região e reconduzidos ao ponto de partida,
correndo as despesas por conta dos respectivos proprietários.
§ 3º - As reclamações dos proprietários de animais cujo trânsito tenha sido impedido só poderão
ser tomadas em consideração quando os animais estiverem no local de partida ou aí tenham sido reconduzidos,
salvo casos especiais, a juízo do diretor do Serviço de Defesa Sanitária Animal.

Art. 37 - As companhias de estradas de ferro que transportarem animais ficam obrigadas a


construir carros adequados às diversas espécies.

Art. 38 - As companhias de estradas de ferro, empresas de navegação ou quaisquer outras empresas


que transportem animais, ficam obrigadas à limpeza e desinfecção de seus carros, veículos, embarcações e boxes,
assim como os locais de embarques ou desemb arques, currais, bretes e todas as instalações ou locais que tenham
sido ocupados por animais.

Art. 39 - As exigências estabelecidas no artigo 38 ficam sob fiscalização direta do Serviço de


Defesa Sanitária Animal.
§ 1º - Os veículos deverão ser lavados e desinfetados após no máximo 24 horas do desembarque.
§ 2º - Os vagões ou quaisquer veículos que hajam transportado animais para frigoríficos e
matadouros, deverão ser limpos e desinfetados imediatamente após a descarga, quando houver instalação
apropriada.
§ 3º - Os infratores incorrerão em multa de Cr$ 500,00 a 1.000,00, dobrado nas reincidências.

Art. 40 - Em instruções aprovadas pelo ministro serão fixados os métodos de limpeza e


desinfecção e indicadas as substâncias desinfetantes adotadas.

Art. 41 - Em casos de surtos epizoóticos poderá o Serviço de Defesa Sanitária Animal tomar
providências que visem tornar mais severas as medidas determinadas neste regulamento, mediante instruções
aprovadas pelo ministro.

Art. 42 - Os postos para desinfecção de vagões de estradas de ferro serão construídos às expensas
das próprias companhias, cabendo-lhes também o ônus do material de limpeza e desinfecção e o pagamento do
pessoal necessário a este Serviço.
Parágrafo único - Para o custeio das despesas cobrarão as companhias as taxas previstas em lei.

Art. 43 - Os projetos de construção e orçamentos de postos de desinfecção serão organizados pelas


companhias transportadoras, de acordo com planos fornecidos pela diretoria do Serviço de Defesa Sanitária
Animal, devendo neles constar especificações sobre canalização de água, força, luz, drenagens e resíduos e
detalhes de construção.

Art. 44 - Os postos de desinfecção serão instalados nos pontos indicados pela diretoria do Serviço
de Defesa Sanitária Animal devendo a escolha do local recair nos pontos naturalmente indicados pelo tráfego,
nos desvios dos matadouros e exposições de gado.

Art. 45 - Os veículos, vagões, ou quaisquer instalações, depois de limpos e desinfetados, só


poderão ser retirados dos postos e usados, após vistoria de um funcionário do Serviço de Defesa Sanitária Animal
que afixará uma etiqueta em que conste a palavra - "Desinfetado"- a data e a sua assinatura.

Art. 46 - Constatado óbito, no decorrer da viagem, deverá ser imediatamente autopsiado no ponto
de desembarque, o cadáver, para verificação da causa mortis e aplicação de medidas sanitárias aconselháveis.

Art. 47 - Os infratores das medidas sanitárias a que se refere o artigo anterior incorrerão na multa
de Cr$ 300,00 a Cr$ 1.000,00, dobrada nas reincidências.

11
Art. 48 - Os interessados poderão aproveitar como adubo o produto residual das limpezas dos
vagões, desde que o mesmo seja tratado de modo torná-lo inócuo, por processo aprovado pela diretoria do
Serviço de Defesa Sanitária Animal.

Art. 49 - Para efeito do disposto no art. 42 e em relação às estradas de ferro pertencentes à União, o
Ministério da Agricultura entrará em acordo com o Ministério da Viação para transferir a este, mediante prévia
avaliação, os atuais postos de desinfecção situados em Santa Cruz, Barra do Piraí e Carlos de Campos, na Estrada
de Ferro Central do Brasil.

CAPÍTULO IV
Importação e Exportação de Produtos de Origem Animal

Art. 50 - É proibida a importação de produtos de origem animal, quando não acompanhados de


certificado fornecido por autoridade competente do país de procedência.

Art. 51 - Tais certificados só serão válidos:


a. quando os modelos e fórmulas forem aprovados pelo Ministério da Agricultura;
b. quando forem visados por autoridades consulares brasileiras;
c. quando os regulamentos de inspeção de produtos de origem animal, dos países de procedência,
forem aprovados pelas autoridades sanitárias brasileiras;
d. quando os produtos forem procedentes de estabelecimentos inspecionados.

Art. 52 - Os certificados que acompanharem os produtos importados destinados à alimentação


humana, serão visados pelos funcionários do Serviço de Defesa Sanitária Animal para efeito do disposto no
artigo anterior e transmitidos às autoridades sanitárias do DNSP, a quem compete a inspeção de tais produtos nos
centros consumidores.

Art. 53 - Em se tratando de couros, peles, lãs, chifres, cabelos, etc. para fins industriais, tais
produtos só serão desembaraçados quando os certificados trouxerem a declaração de que procedem de zonas
onde não estava grassando o carbúnculo hemático, a febre aftosa ou a peste bovina.

Art. 54 - Os produtos comestíveis de origem animal, elaborados no país, só terão livre trânsito
pelos portos e postos de fronteira quando procedentes de estabelecimentos inspecionados e acompanhados de
certificado de sanidade, fornecido pelo Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal.
§1º - Os certificados a que se refere este artigo serão válidos pelo prazo máximo de um mês e
controlados pelos funcionários competentes do Serviço d e Defesa Sanitária Animal.
§2º - Os infratores incorrerão na multa de Cr$ 500,00 a 1.000,00 dobrada em cada reincidência e
lhes será negado o desembaraço dos produtos.

Art. 55 - Verificado no ato do desembarque que os produtos procedem de estabelecimentos


registrados e inspecionados pelo SIPOA, os certificados que os acompanharem serão visados e transmitidos às
autoridades sanitárias do DNSP ou dos Estados, para efeito do disposto no artigo 52.

Art. 56 - Quando produtos procedentes de fábricas do interior não forem embarcados em um só


lote ou se destinarem a portos diversos, os funcionários do Serviço de Defesa Sanitária Animal poderão
desdobrar os certificados que os acompanharem, usando os mesmos modelos do SIPOA, indicando o nome e
sede da fábrica e o nome dos funcionários que assinou o certificado de procedência.
Parágrafo único – Os certificados deverão ser adquiridos para efeito de controle.

Art. 57 - Os produtos de origem animal, para fins industriais, procedentes de estabelecimentos


registrados no SIPOA, tais como couros, lãs e peles de animais silvestres, só terão livre trânsito quando
procedentes de zonas onde não grassava, no momento, a febre aftosa, em se tratando de couros verdes ou
carbúnculo hemático, em qualquer hipótese, se vierem acompanhados de certificado fornecido pelo Serviço de
Defesa Sanitária Animal.
§ 1º - Quando tais produtos se destinarem ao comércio internacional, o certificado que lhes
permitirá o embarque só será fornecido após desinfecção por processo aprovado pelo SDSA.

12
§ 2º - Tais certificados serão fornecidos no mesmo modelo usado pelo SIPOA.

CAPÍTULO V
Inspeção de Mercados e Feiras de Gado Vivo

Art. 58 - As feiras e mercados de gado vivo só poderão funcionar quando inspecionados pelo
SDSA e estiverem devidamente aparelhadas, permitindo o controle sanitário a cargo deste Serviço.
Parágrafo único - As instalações que obedecerão ao modelo aprovado pela diretoria do SDSA,
constarão de currais em número suficiente, com piso resistente para evitar atoladouros, casa para administração,
com gabinete destinado ao funcionário incumbido da inspeção sanitária dos animais, curral para isolamento de
animais doentes, banheiro carrapaticida e pavilhão com sala de autopsias e forno crematório.

Art. 59 - Quando se verificarem casos de molés tias infecto contagiosas nos animais expostos, a
feira será interditada e, em se tratando de carbúnculo hemático ou sintomático, vacinados gratuitamente todos os
animais do lote em que a moléstia tiver sido constatada, sendo pago pelos interessados apenas o custo da vacina.

Art. 60 - Os animais procedentes de outros Estados que demandarem as feiras de gado deverão vir
acompanhados de certificados de sanidade fornecido por funcionários do SDSA, funcionário técnico de outro
Serviço subordinado ao DNPA, devidamente autorizados, os funcionários estaduais, de acordo com o disposto
no artigo 35.
Parágrafo único - Quando procedentes do mesmo Estado ou de zonas onde não estejam grassando
moléstias infecto-contagiosas, os animais serão examinados em local próximo às feiras antes de lhes ser
permitida a entrada no recinto das mesmas.

CAPÍTULO VI
Profilaxia das Doenças Infecto-contagiosas

Art. 61 - São passíveis de aplicação das medidas de defesa sanitária animal, previstas no presente
Regulamento, as moléstias abaixo especificadas:
A peste bovina - nos ruminantes;
A febre-aftosa - nos ruminantes e suínos;
A raiva e a pseudo-raiva - nos mamíferos;
A tuberculose - nos bovinos, suínos e aves;
O carbúnculo hemático - nos ruminantes, suínos e eqüinos;
O curbúnculo sintomático e peripneumonia - nos bovinos;
As bruceloses - nos ruminantes, suínos e eqüinos;
As salmoneloses - nos bovinos, suínos e aves;
As pasteureloses - nos mamíferos e aves;
As tripanossomoses - nos mamíferos;
As piroplasmoses - nos ruminantes, eqüinos e caninos;
A anaplasmose - nos bovinos;
O mormo - nos eqüinos, asininos e muares;
A encefalite enzoótica - nos eqüinos;
A ruiva e peste suína - nos suínos;
A cravagem - nos ovinos;
A vaginite granulosa e coriza gangrenosa - nos bovinos;
As coccidioses - nos mamíferos e aves;
A psitacose, espiroquetose, difteria e peste - nas aves;
As sarnas - nos ruminantes, eqüinos, suínos, aves e pequenos animais domésticos;
O mixoma e a encefalite - nos coelhos
Parágrafo único - A presente lista de doenças poderá ser alterada pelo Ministro da Agricultura
mediante proposta do diretor da SDSA de acordo com o resultado dos estudos e investigações científicas de
quaisquer procedências.

13
Art. 62 - Serão empregadas providências equivalentes às mencionadas anteriormente, para
quais quer animais de qualquer espécie que ofereçam perigo de serem portadores de vírus das doenças de que
trata o artigo anterior, ainda que esses animais sejam refratários àquelas doenças.

Art. 63 - É obrigatório, por motivo de interesse da Defesa Sanitária Animal ou da Saúde Pública, o
sacrifício de todos os animais atacados das seguintes zoonoses: mormo, raiva e pseudo-raiva, tuberculose,
salmonela pulorum, peste suína.
Parágrafo único - Quando se tratar de peste bovina, peripneumonia contagiosa, para-tuberc ulose ou
qualquer doença infecto-contagiosa ainda não oficialmente reconhecida como existente no país é obrigatório o
sacrifício dos animais atingidos e dos que forem necessários para a defesa dos rebanhos nacionais.

Art. 64 - Os animais atacados ou suspeitos de doenças contagiosas enumeradas no parágrafo único


do artigo anterior e cujo sacrifício for requisitado, serão abatidos perante duas testemunhas idôneas, no prazo
máximo de 24 horas, a contar da chegada, às mãos do proprietário ou detentor dos animais, da cópia da ordem de
matança, emanada do diretor do SDSA, ou de um dos inspetores chefes das Inspetorias Regionais do mesmo
Serviço.
§ 1º - Quando o funcionário de Defesa Sanitária Animal encontrar dificuldade para executar as
medidas constantes do pre sente artigo requisitará às autoridades federais apoio material para o cumprimento do
seu dever.
§ 2º - Aos proprietários que criarem dificuldades para a execução do presente artigo serão
aplicadas multas de Cr$ 200,00 a Cr$ 1.000,00 duplicada na reincidência.

Art. 65 - Não estão sujeitos às medidas constantes dos artigos 2º e 3º os animais atacados ou
suspeitos de doenças contagiosas que, no interesse da ciência, sejam conservados nos lazaretos e
estabelecimentos de ensino ou em Institutos Científicos.

Art. 66 – Se o proprietário de um animal, cujo sacrifício se impuzer, contestar o diagnóstico da


doença poderá proceder de acordo com o disposto no parágrafo único do artigo 20.
Parágrafo único - Enquanto durarem as provas esclarecedoras, o animal será posto em quarentena
rigorosa e a propriedade ou local interditado, sem prejuízo de outras medidas profiláticas aconselháveis a cada
caso, correndo todas as despesas por conta do seu proprietário.

Art. 67 - As autoridades municipais, estaduais e federais competentes e os médicos veterinários


deverão indicar aos funcionários do SDSA os estabelecimentos onde houver animal atacado ou suspeito de uma
das doenças especificadas no artigo 61 ou se verificar violação das medidas de seqüestro, isolamento ou
interdição, prescritas no presente regulamento, ou ainda de quaisquer ordens expedidas no sentido de evitar o
contágio de tais doenças.

Art. 68 - Ocorrendo em alguns dos meios de transporte usuais qualquer caso de doença
transmissível, o veículo, depois de desembarcados os animais, será submetido, no primeiro ponto de inspeção
sanitária, à mais completa desinfecção.

Art. 69 - Todo o animal que tiver de figurar em exposição ou feira poderá ser detido em
observação, isolado e desinfetado nos portos, fronteiras, estações de embarque, estradas, etc., a juízo da
autoridade veterinária competente ou do seu representante.

Art. 70 - No intuito de evitar a propagação das piroplasmoses a anaplasmoses, o Governo Federal


consoante o acordo que for estabelecido com os governos locais e quando as condições financeiras o permitirem,
delimitará as zonas infestadas e limpas de carrapatos e construirá banheiros carrapaticidas nos pontos mais
adequados.

Art. 71 - As medidas de caráter especial, relativas à profilaxia de cada moléstia contagiosa serão
estabelecidas em instruções aprovadas pelo ministro da Agricultura.

14
Art. 72 - As doenças dos peixes, caça de pena e de pêlo, previstas nos regulamentos do Serviço de
Caça e Pesca, serão notificados pelos funcionários do Serviço de Defesa Sanitária Animal, às autoridades
competentes.

CAPÍTULO VII
Assistência Veterinária

Art. 73 - Com fim de tornar mais eficiente o combate às moléstias infecto-contagiosas será
organizado um serviço de propaganda, divulgação e educação sanitária pelo qual serão distribuídos,
gratuitamente, folhetos, prospectos, cartazes ou monografias e efetuadas conferências pelo seu pessoal técnico.

Art. 74 - O Serviço de Defesa Sanitária Animal, por intermédio do seu pessoal técnico, cooperará
gratuitamente com os criadores, na assistência veterinária aos seus rebanhos.
§ 1º - A assistência veterinária a que se refere o presente artigo consistirá na vacinação e
revacinação dos rebanhos, identificação, profilaxia e tratamento de moléstias contagiosas, infecto-contagiosas,
parasitárias internas e externas;
§ 2º - As vacinas e demais produtos biológicos usados na vacinação e tratamento dos rebanhos
serão adquiridos pelos criadores, sendo inteiramente gratuita a aplicação pelos funcionários do SDSA.
§ 3º - Será também gratuito o transporte dos funcionários por estrada de ferro até o ponto mais
próximo às fazendas dos interessados, competindo-lhes fornecer condução aos funcionários desses pontos aos
seus estabelecimentos.

Art. 75 - Os pedidos de criadores para a verificação de doenças em animais serão obrigatoriamente


atendidos pela ordem de entrada nas dependências do Serviço de Defesa Sanitária Animal.
Parágrafo único - Quando se tratar de casos que pela sua natureza requeiram providencias
imediatas, a juízo do diretor e dos inspetores chefes, a estes será dada preferência.

CAPÍTULO VIII
Do Conselho Nacional de Defesa Sanitária Animal

Art. 76 - Fica instituído, no Ministério da Agricultura, o Conselho Nacional de Defesa Sanitária


Animal, que tem por objetivo o seguinte:
a. estudar e propor ao ministro as medidas de defesa sanitária animal complementares ou
previstas neste regulamento, bem assim outras que se fizerem necessárias;
b. manifestar-se sobre casos omissos e interpretações relativas à execução do presente
regulamento;
c. julgar em grau de recurso as penalidades aplicadas por infração deste regulamento.

Art. 77 - O Conselho Nacional de Defesa Sanitária Animal compor-se-á de membros permanentes


e consultivos.
§ 1º - Serão membros permanentes:
O ministro da Agricultura;
O diretor geral do Departamento Nacional da Produção Animal;
O diretor do Serviço de Defesa Sanitária Animal;
O diretor do Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Animal;
O diretor do Instituto de Biologia Animal.
§ 2º - Serão membros consultivos os demais diretores, os presidentes das associações rurais do
país, assistentes -chefe e os funcionários de repartições técnicas do Ministério da Agricultura, os quais só tomarão
parte nas reuniões quando convocados pelo Ministro, ou pelo presidente em exercício.
§ 3º - Servirá de secretário do Conselho Nacional de Defesa Sanitária Animal o funcionário que for
designado pelo ministro.

Art. 78 - O Conselho Nacional de Defesa Sanitária Animal reunir-se-á em dia, hora e local
previamente determinados, sob a presidência do ministro ou, na sua ausência, do diretor geral do DNPA, que nos
seus impedimentos será substituído pelo diretor do Serviço de Defesa Sanitária Animal.

15
Art. 79 - Todas as deliberações do Conselho Nacional de Defesa Sanitária Animal serão tomadas
por maioria de votos dos membros presentes.

Art. 80 - O Conselho se reunirá e deliberará com a maioria de seus membros. Quando, porém, não
se tratar de assunto urgente poderá ser remetida aos membros ausentes à sessão, cópia da ata para que estes
emitam opinião sobre os assuntos debatidos.
Parágrafo único - As decisões do Conselho Nacional de Defesa Sanitária Animal serão publicados
no Diário Oficial.

Art. 81 - Quer as decisões tomadas na forma do artigo 79, quer na do artigo 80, serão comunicadas
aos funcionários encarregados de sua execução, por intermédio do diretor membro do Conselho, a que os
mesmos estejam hierarquicamente subordinados.

CAPÍTULO IX
Disposições Gerais

Art. 82 - As funções técnicas atinentes à defesa sanitária animal e constantes deste regulamento
serão exercidas pelo Serviço de Defesa Sanitária Animal em todo o território da República.
§ 1º - O Serviço de Defesa Sanitária Animal promoverá a mais estreita colaboração com os demais
serviços do DNPA na execução do presente regulamento.

Art. 83 - Os funcionários encarregados da execução do presente regulamento terão, mediante a


apresentação da carteira de identidade funcional, livre acesso às propriedades rurais, estabelecimentos oficiais de
criação, depósitos, armazéns, estações de estrada de ferro, aeroportos, bordo de navios atracados ou não,
alfândegas ou outro qualquer lugar onde possam existir animais ou despojos de animais a inspecionar.
Parágrafo único - Os referidos funcionários poderão requisitar o auxílio de força pública para as
diligências que se fizerem necessárias na execução deste regulamento.

Art. 84 - Tornando-se necessário realizar algum trabalho de caráter experimental, ou adquirir


conhecimentos relacionados com os trabalhos que se realizam em outros estabelecimentos, fica o diretor do
SDSA autorizado a solicitar a colaboração do chefe desses estabelecimentos.

Art. 85 - No caso de trabalhos extraordinários executados fora das horas de expediente, por
solicitação expressa de particulares, os funcionários perceberão gratificações previamente determinadas por
portaria do ministro da Agricultura.

Art. 86 - Os casos omissos do presente regulamento ou que necessitarem de posteriores instruções


serão resolvidos por portaria do ministro da Agricultura, ouvido o Conselho Nacional de Defesa Sanitária
Animal.

Art. 87 - O presente regulamento entrará em vigor na data de sua publicação.

Rio de Janeiro, 3 de julho de 1934.

Juarez do Nascimento Fernandes Távora

(Publicado no Diário Oficial de 14/07/34)

16
LEI Nº 569, DE 21 DE DEZEMBRO DE 1948 - Estabelece medidas de
Defesa Sanitária Animal, e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA faz saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a


seguinte Lei:

Art. 1º - Sempre que, para salvaguardar a saúde pública, ou por interesse da defesa sanitária animal
venham a ser determinado o sacrifício de animais doentes, destruição de coisa ou construções rurais, caberá ao
respectivo proprietário indenização em dinheiro, mediante prévia avaliação.
Parágrafo único - Far-se-á devido desconto na avaliação quando parte das coisas ou construções
condenadas seja julgada em condições de aproveitamento.

Art. 2º - Serão sacrificados os animais atingidos por qualquer das zoonoses especificadas no art. 63
do Regulamento do Serviço de Defesa Sanitária Animal, aprovado pelo decreto nº 24.548, de 3 de julho de 1934.
Parágrafo único - Não caberá qualquer indenização quando se tratar de raiva, pseudo-raiva, ou de
outra doença considerada incurável e letal.

Art. 3º - A indenização devida pelo sacrifício do animal será paga de acordo com as seguintes
bases:
a. quarta parte do valor do animal se a doença for tuberculose;
b. metade do valor, nos demais casos;
c. valor total do animal, quando a necropsia ou outro não confirmar o diagnóstico clínico.

Art. 4º - A indenização por coisas ou construções rurais será igual ao valor total da respectiva
avaliação.

Art. 5º - A avaliação será feita por uma comissão, composta de representantes do Governo Federal,
obrigatoriamente profissional em veterinária, um representante do Governo Estadual e um representante das
Associações Rurais, criadas pelo Decreto-lei nº7.449, de 9 de abril de 1945, substituindo o último nas zonas ou
regiões onde não existirem tais entidades, por um ruralista de reconhecida capacidade técnica, indicado pela parte
interessada.
Parágrafo único - Do laudo caberá recurso, dentro do prazo de trinta dias, para o Ministro da
Agricultura, devendo ser interposto:
a. pelo representante do Governo Federal, quando este considerar excessiva a avaliação ou incabível
indenização;
b. pelo proprietário do animal, coisas ou instalações rurais, quando for negada a indenização ou
reputada insuficiente a avaliação.

Art. 6º - A indenização será paga pelo Governo da União, a conta da dotação consignada em
orçamento especialmente para esse fim, do crédito adicional a que se dê o mesmo destino, ou da dotação
orçamentária destinada às despesas com a profilaxia e combate a epizotias.
Parágrafo único - Quando houver acordo ou convênio entre o Governo da União e do Estado, com a
contribuição de uma outra entidade, para execução de serviços públicos de defesa sanitária animal, um terço da
indenização sairá da contribuição estadual, saindo da contribuição federal os dois terços restantes.

Art. 7º - O direito de pleitear a indenização prescreverá em noventa dias, contados da data em que
for morto o animal, ou destruída a coisa.

Art. 8º - O poder executivo expedirá dentro do prazo de sessenta dias, o regulamento necessário à
execução da presente Lei.

Art. 9º - Esta Lei entrará em vigor noventa (90) dias após a sua publicação, revogadas as
disposições em contrário.

Rio de Janeiro, 21 de dezembro de 1948, 127º da Independência a 60º da República.

17
EURICO G. DUTRA
Daniel Carvalho
Corrêa Castro

(Publicado no Diário Oficial de 23/12 /48, Página 18.256).

DECRETO Nº 27.932, DE 28 DE MARÇO DE 1950 - Aprova o


regulamento para aplicação das medidas de defesa sanitária animal.

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 87, inciso I da
Constituição, e tendo em vista o disposto no artigo 8º da Lei nº 569, de 21 de dezembro de 1948, decreta:

Art. 1º - Fica aprovado o regulamento que a este acompanha assinado pelo Ministro de Estados do
Negócios da Agricultura, relativa à execução das medidas de defesa sanitária animal a que se refere a Lei nº 569,
de 21 de dezembro de 1948.

Art. 2º - Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.

Rio de Janeiro, 28 de março de 1950, 129º da Independência e 62º da República.

EURICO G. DUTRA
Carlos de Sousa Duarte

REGULAMENTO REFERENTE À APLICAÇÃO DAS MEDIDAS DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL,


DE QUE TRATA A LEI Nº 569,
DE 21 DE DEZEMBRO DE 1948.

Art. 1º - O sacrifício de animais portadores de qualquer das zoonoses especificadas no artigo


seguinte e a destruição de coisas e construções rurais, no interesse da saúde publica ou da defesa e construções
rurais, serão autorizadas pelo Diretor da Divisão de Defesa Sanitária Animal (D.D.S.A), do Departamento
Nacional da Produção Animal (N.P.A), do Ministério da Agricultura, por proposta do Chefe de Inspetoria
Regional, na mesma Divisão, em cuja jurisdição se impuser a aplicação das referidas medidas.
§ 1º - O cumprimento do disposto neste artigo deverá ser realizado no menor prazo possível, após a
avaliação de que cuidam os artigos 5º e 6º.
§ 2º - Se a ocorrência determinante do sacrifício for de natureza que justifique providência imediata
a verificar-se fora do Distrito Federal, a autorização poderá caber ao próprio Chefe de Inspetoria Regional,
ratificada posteriormente pelo Diretor da Divisão de Defesa Sanitária Animal.

Art. 2º - São possíveis de sacrifícios os animais atacados de mormo, raiva, pseudo-raiva,


tuberculose, pulorose, peste suína e quaisquer doenças infecto-contagiosas não oficialmente reconhecidas como
existentes no País, bem como todos aqueles que, tendo tido contato, direto ou indireto, com animais doentes,
sejam, a juízo de autoridade sanitária competente, considerados suspeitos de contaminação e possam representar
perigo de disseminação da doença.

Art. 3º- Autorizado o sacrifício, na forma do artigo 1º deste Regulamento, o Chefe da Inspetoria
Regional da Defesa Sanitária Animal preferirá despacho designando a Comissão Avaliadora de que trata o art. 5º
da Lei 569, de 21 de dezembro de 1948, e declarando nominalmente o representante do Governo Federal a quem
caberá a Presidência da Comissão.
§ 1º- Como representante da Associação Rural, se esta existir na região, será designado o seu
presidente, o qual poderá delegar a outro associado de sua imediata confiança e competência para representá-lo
na Comissão Avaliadora.

18
§ 2º- Não existindo na região Associação Rural, será designado, em lugar do representante daquela
entidade, um ruralista de reconhecida capacidade, escolhido pela parte interessada.
§ 3º - Quando as medidas prescritas pelo art. 1º devem ser tomadas no Distrito Federal, as
providências, contidas neste artigo, da alçada do Chefe da Inspetoria Regional, caberão ao Diretor da Divisão de
Defesa Sanitária Animal.

Art. 4º - Proferido o despacho estipulado no art. anterior, a autoridade que o lavrar comunicará sua
decisão ao órgão estadual e à Associação Rural competente, ou aquele e a parte interessada, na hipótese prevista
no § 2º do artigo anterior aos quais incumbirá promover as providências necessárias para que seus representantes
compareçam ao local em que tiver de verificar-se o sacrifício dos animais ou a destruição de objetos ou
construções rurais.

Art. 5º - A avaliação dos animais a serem sacrificados, far-se-á tomando-se por base seu valor em
fase das características raciais, idade, sexo, fim econômico e outros elementos, a juízo da comissão.
Parágrafo único - Em se tratando de coisa ou construções rurais a avaliação será feita por estimativa
das despesas que, a critério da Comissão se tornarem necessárias à reconstrução das instalações ou aquisição das
coisas.

Art. 6º - A avaliação do animal deverão suceder, imediatamente, seu sacrifício e a respectiva


necropsia, realizada perante a Comissão Avaliadora, para efeito de confirmação do diagnóstico.
§ 1º - Realizada a necropsia, colher-se-á, material para posterior exame em laboratório do DNPA,
se subsistirem dúvidas sobre o diagnóstico.
§ 2º - A juízo da Comissão Avaliadora, na hipótese do aproveitamento condicional de animal, o
sacrifício será efetuado no matadouro mais próximo, cabendo à Inspetoria Regional a tomada das providências
tendentes a evitar qualquer possibilidade de disseminação da doença.

Art. 7º - A destruição dos cadáveres, objetos e construções, deverá ser realizada por inumação
profunda ou pelo fogo, conforme o caso.

Art. 8º - O valor atribuído pela Comissão Avaliadora aos animais sacrificados e às coisas e
construções destruídas, na forma do art. 5º e seu parágrafo, representará a base sobre a qual será calculada a
indenização a que se refere o artigo 1º da Lei 569, de 21 de dezembro de 1948, atendendo ao disposto nos incisos
seguintes:
I. a importância da indenização corresponderá ao valor total da avaliação:
a. quando não for pela necropsia ou por exames posteriores;
b. quando se tratar de coisas e construções rurais, confirmando o diagnóstico.
II. se o diagnóstico for tuberculose a importância da indenização será a quarta parte do valor de avaliação.
III. a importância da indenização corresponderá à metade do valor atribuído na avaliação, nos demais casos,
com exceções previstas no § 2º deste artigo.
§ 1º - Quando houver aproveitamento condicional, a importância da indenização resultará da
diferença entre o arbitrado na forma deste artigo e a quantia apurada no referido aproveitamento, mediante
comprovação hábil, salvo se tratar de reprodutores com características raciais de valor zootécnico, caso em que
não será feito o aludido desconto.
§ 2º - Não caberá qualquer indenização, quando a zoonose motivadora no sacrifício for a raiva,
pseudo-raiva ou outra considerada incurável ou letal.

Art. 9º - Feito o arbitramento da indenização a Comissão Avaliadora lavrará um auto de avaliação,


em que três vias, das quais a primeira será entregue, à guiza de notificação, à parte interessada, a segunda será
remetida à DDSA, para ser anexada ao processo de indenização que se iniciará com requerimento do interessado,
na formalidade do artigo 10, e a terceira ficará arquivada na Inspetoria Regional respectiva ou na DDSA, caso a
ocorrência se dê no Distrito Federal.
§ 1º - O auto de avaliação mencionado neste artigo, além de outros pormenores, a juízo da
Comissão conterá:
a. declaração do sacrifício do animal ou animais e da destruição dos objetos ou construções
rurais.
b. nome, nacionalidade, residência e profissão do proprietário;

19
c. espécie, raça, idade aproximada, marca e outras características do animal ou dos animais
sacrificados;
d. natureza dos objetos e descrição das construções destruídas;
e. valor arbitrado do animal ou animais e dos objetos ou construções, observado o disposto no art.
5º;
f. laudo da necropsia a que se refere o art. 6º;
g. laudo do exame a que se alude o § 1º do 6º se for o caso;
h. valor da indenização, calculada mediante o disposto no art. 8º.
§ 2º - Do Auto de Avaliação caberá recurso, dentro do pra zo de trintas dias, para o Ministro da
Agricultura, por intermédio do Chefe Regional, devendo ser interposto:
a. pelo representante do governo Federal, quando este considerar excessiva a avaliação ou
incabível a indenização;
b. pelo proprietário do animal, coisas ou instalações rurais, quando lhe for negada a indenização
ou a reputa insuficiente.
§ 3º - A contagem do prazo estabelecido no parágrafo anterior iniciará a partir da data da lavratura
do auto, se o recurso for imposto pelo representante do Governo Federal, ou do dia do recebimento da
notificação, se o recurso for interposto pelo criador interessado.

Art. 10 - O criador interessado terá o prazo de 90 (noventa) dias para requerer ao Ministro da
Agricultura, por intermédio do Chefe da Inspetoria Regional nos Estados ou do Diretor da D.D.S.A., na capital, a
indenização a que se julgar com direito, devendo o Diretor da D.D.S.A. instruir o requerimento com o processo
do qual constem todos os elementos para o arbitramento da indenização e indicar a verba por correrão as
despesas, de acordo com o art. 6º e seu parágrafo, da Lei nº 569/48.
Parágrafo único - O prazo a que se refere este artigo será contado a partir da data em que se for
morto o animal ou destruída a coisa; a solução do pedido dependerá, porém, da prévia decisão do recurso,
quando houver.

Art. 11 - Os processos de pagamento de indenização terão caráter de urgência, devendo ser


ultimados no mais breve espaço de tempo possível.

Rio de Janeiro, 28 de março de 1950.

CARLOS DE SOUZA DUARTE

20
MÉDICO VETERINÁRIO
DECRETO-LEI Nº 818, DE 5 DE SETEMBRO DE 1969 - Dispõe sobre a
aceitação, pelo Ministério da Agricultura, para fins relacionados com a Defesa
Sanitária Animal, de atestados firmados por médico veterinário sem vínculo
com o Serviço Público e dá outras providências.

Os Ministros da Marinha de Guerra, do Exército e da Aeronáutica Militar, usando das atribuições


que lhes confere o art. 1º do Ato Institucional n° 12, de 31 de agosto de 1969, combinado com o § 1° do artigo 2°
do Ato Institucional nº 5, de 13 de dezembro de 1968, decretam:

Art. 1º - Nas unidades administrativas onde não existirem, ou forem em número insuficiente,
Médicos Veterinários pertencentes ao serviço público federal, fica o Ministério da Agricultura autorizado a
aceitar atestados zoo-sanitários firmados por médicos veterinários não vinculados a administração federal, que
sejam portadores de carteira de identificação profissional expedida pelos Conselhos Federal ou Regionais de
Medicina Veterinária.
§ 1º - A aceitação dos atestados fica condicionado à comprovação pelos médicos veterinários, de
conhecimento da legislação específica de defesa sanitária animal e das normas referentes à profilaxia das doenças
infecciosas, infecto-contagiosas ou parasitárias, objeto de programas federais de controle ou erradicação, a
critério do Ministério da Agricultura.
§ 2º - A autorização prevista neste artigo somente terá validade nas unidades administrativas que
sejam objeto de declaração pelo Ministério da Agricultura, e em caso algum poderá acarretar qualquer ônus para
os cofres públicos.

Art. 2º - O Médico Veterinário que infringir o disposto no presente Decreto-Lei ou as demais


disposições legais e regulamentares atinentes à defesa sanitária animal, será declarado inidôneo para o
fornecimento dos atestados, por ato do Ministério da Agricultura, que também representará contra o infrator,
juntos aos Conselhos Federal ou Regional de Medicina Veterinária, para aplicação das medidas disciplinares
cabíveis.

Art. 3º - O Ministério da Agricultura ouvido o Ministério do Planejamento e Coordenação Geral,


promoverá a expedição, no prazo de 60 (sessenta) dias, das normas que se fizerem necessárias à execução do
presente Decreto-lei.

Art. 4º - Este Decreto-lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.

Brasília, 5 de setembro de 1969; 148º da Independência e 81º da República.

AUGUSTO HAMANN RADEMAKER GRUNEWALD


Aurélio de Lyra Tavares
Márcio de Souza Mello
Ivo Arzua Pereira
Hélio Beltrão

(Publicado no Diário Oficial de 8 de setembro de 1969, Seção I – Parte I – Página 7.569)

21
PORTARIA Nº 9, DE 8 DE JANEIRO DE 1970 – Normas de atestado zôo-
sanitários firmado por médicos veterinários sem vínculo com o serviço público

O Ministro de Estado da Agricultura, no uso de suas atribuições legais e de acordo com o artigo 2º,
do Decreto nº 818, de 5 de setembro de 1969, resolve:

Art. 1º - Aprovar as Normas que a esta acompanham, reguladoras da aceitação, pelo Ministério da
Agricultura, para fins relacionados com a defesa sanitária animal, de atestados zôo-sanitários firmados por
Médicos Veterinários sem vínculo com o serviço público.

Art. 2º - Delegar competência ao Diretor do Escritório de Produção Animal, para baixar as


instruções necessárias à implementação das normas a que se refere esta Portaria, ouvida a Equipe Técnica de
Defesa Sanitária Animal – L.F. – Cime Lima.

NORMAS PARA A EXECUÇÃO DO DECRETO – LEI Nº 818 DE 8 DE SETEMBRO DE


1969

I. A aceitação pelo Ministério da Agricultura (MA), de atestados zoo-sanitários, firmados por Médicos
Veterinários não vinculados à administração federal é regulada pelo disposto nestas Normas e nos
demais dispositivos legais relativos à defesa sanitária animal, cabendo à Equipe Técnica de Defesa
Sanitária Animal (ETEDA), do Escritório de Produção Animal (EPA), promover e fiscalizar a execução
dessa medida, bem como resolver dúvidas suscitadas na aplicação destas Normas.
II. Os atestados sanitários emitidos para trânsito interestadual de animais e produtos animais para fins
industriais obedecerão, além do que dispõe as presentes Normas, às mesmas formalidades exigidas para
os certificados sanitários ou de livre trânsito a que se refere o Decreto nº 25.548, de 3 de julho de 1934.
a. A aceitação dos atestados fica condicionada ao atendimento dos dis positivos legais federais
que regem a matéria;
b. No âmbito estadual, os atestados zôo-sanitários deverão atender não só à legislação federal
como ainda, a que for baixada pelos Estados.
III. Os atestados zoo-sanitários só poderão ser expedidos após inspeção direta dos animais pelo Médico
Veterinário, que atestará a saúde dos mesmos e o cumprimento das exigências de ordem sanitária
estabelecida para cada espécie.
a. A emissão dos atestados zôo-sanitários fica condicionada à permanente assistência veterinária
aos rebanhos de onde se originaram os animais, por parte dos signatários dos mencionados
documentos.
IV. Em se tratando de produtos animais para fins industriais, os atestados sanitários a que se referem as
presentes Normas especificarão:
a. que os mesmos procedem de região onde, no período de 90 (noventa) dias antes do abate, não
grassem a febre aftosa e o carbúnculo hemático;
b. que foram previamente desinfestados e desinfetados de acordo com as normas ou processos
aprovados oficialmente.
V. Somente poderão emitir atestados zôo-sanitários os Médicos Veterinários previamente habilitados pela
ETEDA, através de Portaria publicada no Diário Oficial da União, desde que atendidas as seguintes
exigências:
a. requerimento à ETDA, indicando a Unidade Administrativa onde pretendem exercer suas
atividades , bem como seus domicílios;
b. apresentação de carteira de identificação profissional expedido pelo Conselho Regional de
Medicina Veterinária e;
c. submeter-se a treinamentos especializados, promovidos pelo MA, sobre a legislação específica
de Defesa Sanitária Animal e as Normas referentes à profilaxia das doenças infecciosas,
infecto-contagiosa ou parasitária, objeto dos programas federais de controle ou erradicação.
VI. Os profissionais habilitados, ficam obrigados a atender às convocações da ETEDA, para efeito de
atualização técnico-científica pertinente à matéria na alínea “c”, do item anterior.
VII. Os atestados zoo-sanitários, restrito apenas no trânsito no território nacional, só terão validade quando
expedidos em modelos aprovados pela ETEDA.

22
VIII. Aos Médicos Veterinários habilitados na forma destas Normas será facilitado, quando necessário, o
acesso às estações de estradas de ferro, portos, aeroportos ou outros locais onde possam existir animais
ou produtos animais a examinar.
IX. Os Médicos Veterinários de que tratam estas Normas só poderão emitir atestados zoo-sanitários nas
unidades Administrativas definidas e especificadas em Portaria expedida pela ETEDA, de conformidade
com o disposto no item V destas Normas, considerando seu domicílio ou da Jurisdição do Conselho
Regional de Medicina Veterinária que lhe concedeu a carteira de identificação profissional.
a. Para efeito de execução destas Normas, entende-se por Unidades Administrativas o Município
ou o conjunto de Municípios de uma área geo-econômica estabelecida pela ETEDA.
X. O Médico Veterinário que infringir o disposto nestas Normas, ou qualquer das demais disposições
legais e regulamentares atinenetes à defesa sanitária animal, será declarado inidôneo pela ETEDA, para
a expedição de atestados zoo-sanitários e execução dos trabalhos correlatos.
a. A inidoneidade a que se refere este artigo somente será declarada após apuração dos fatos
delituosos, devendo a ETEDA quando for o caso, representar contra o infrator perante o
respectivo Conselho Regional de Medicina Veterinária.
b. Durante a fase de sindicância, poderão ser suspensos, com relação ao infrator, os efeitos da
Portaria de que trata o item V.
XI. Independentemente do disposto no item anterior, a autorização de que trata a presente Norma poderá ser
cancelada, a qualquer tempo, a juízo exclusivo da autoridade competente.
XII. As despesas decorrentes da indenização dos trabalhos profissionais necessários à expedição dos
atestados zoo-sanitários em nenhum caso poderão acarretar aos cofres públicos, correndo as mesmas às
exp ensas dos interessados.
XIII. É vedado ao Médico Veterinário habilitado de conformidade com o item V destas Normas emitir
atestados sanitários de trânsito de animais ou produtos animais para fins industriais, originários de
estabelecimentos de sua propriedade ou de parentes, em linha reta ou colaterais, até o terceiro grau,
consangüíneos, ou afins, incluindo-se nesta proibição o parentesco meramente civil.

(Publicado no Diário Oficial de 13 de janeiro de 1970, Página 250)

RESOLUÇÃO Nº 63/71 DO CFMV – Determina como responsabilidade


exclusiva do médico veterinário a emissão de atestado de sanidade e de óbito
de animais bem como de sanidade de produtos de origem animal e vacinação e
aplicação de qualquer produto que vise a proteção sanitária dos animais

O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA, com base no Art. 22, alínea “f”, do
Decreto nº 64.704, de 17/06/1969,

RESOLVE:

I. É privativo do Médico Veterinário atestar a sanidade e o óbito dos animais, assim como a sanidade dos
produtos de origem animal.
II. É privativo do Médico Veterinário atestar a vacinação, bem assim a aplicação de qualquer produto que
vise a proteção sanitária dos animais
§ 1º - A vacinação e a aplicação de qualquer produto em animal sópode ser feita sob a orientação e
o controle do Médico Veterinário.
§ 2º - O atestado de vacinação ou de aplicação de qualquer produto em animal só pode ser assinado
após a conclusão do do trabalho.
§ 3º - O atestado de vacinação ou de aplicação de qualquer produto em animal, além das
informações que permitam a identificação do animal, a data e o local em que se processou, deve conter o nome
do fabricante, o número da partida, a data de sua validade, a dose e a via utilizada na sua aplicação.
(Resolução nº 63, de 10/12/1971)

23
PORTARIA Nº 24, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1977 – Regulamenta o
credenciamento dos médicos veterinários sem vinculo com o serviço público

O DIRETOR GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO ANIMAL, no uso


das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 31 e item 4, do Regimento Interno da DNPA, aprovado pela
Portaria Ministerial nº 454, de 15 de dezembro de 1971 e artigo 2° da Portaria Ministerial n° 9, de 08 de janeiro
de 1970,

RESOLVE:
Aprovar as Instruções, anexas a esta Portaria, baixadas pela Divisão de Defesa Sanitária Animal,
complementares às Normas aprovadas pela Portaria Ministerial n° 09/70, a serem observadas no credenciamento
de médicos veterinários, objetivando o fornecimento de Certificado de Inspeção Sanitária Animal, para fins de
trânsito interestadual de animais vivos e produtos de origem animal destinados à industrialização, de que trata o
Decreto-lei n°818, de 05 de setembro de 1969.
JOSÉ PEDRO GONZALES
Diretor-Geral DNPA

INSTRUÇÕES COMPLEMENTARES ÀS NORMAS APROVADAS PELA PORTARIA MINISTERIAL


Nº 09/70
1. A aceitação, pelo Ministério da Agricultura, de atestado zoo-sanitários firmados por Médicos
Veterinários não vinculados à Administração Federal, de que trata do Decreto-lei nº818/69, é
regulada pelas Normas que acompanham a Portaria Ministerial nº09/70, demais dispositivos relativ os
a Divisão de Defesa Sanitária Animal e complementada por estas Instruções.
2. O credenciamento será concedido a Médicos Veterinários não vinculados à Administração Federal,
que exerçam ou pretendam exerecer atividades de defesa sanitária animal em Unidades
Administrativas onde não existam ou sejam em número insuficiente os Médicos Veterinários do
Serviço Público Federal, através de Portaria individual do Diretor da Divisão de Defesa Animal –
DDSA- ou dos Chefes das Seções de Defesa Sanitária Animal – SDSA – dos Grupos Executivos de
Produção Animal – GEPA – das Diretorias estaduais do Ministério da Agricultura – DEMA – nas
Unidades de Federação, por delegação de competência.
3. Para ser credenciado, o Médico Veterinário deverá requerer à Seção de Defesa Sanitária Animal –
SDSA – do GEPA – DEMA, em formulário próprio, juntando:
a. documento fornecido pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária, declarando que o
profissional está devidamente inscrito e não responde a processo ético ou disciplinar,
b. termo de compromisso, em modelo próprio, datado e assinado;
c. indicação do município ou conjunto de municípios onde exerce ou pretende exercer as
atividades de defesa sanitária animal;
d. ficha cadastral, em modelo próprio, devidamente preenchida, datada e assinada.
4. A Seção de Defesa Sanitária Animal, de posse do processo, procederá a análise e julgamento do
mesmo, deferindo ou não o requerimento.
5. Sendo deferido o pedido será emitida a Portaria de Credenciamento em sete vias, no mínimo, e com a
seguinte destinação:
1ª via – Interessado;
2ª via – DDSA/Brasília, para inclusão nos atos de Diretoria a serem publicados no D.O.U.;
3ª via – SDSA – Arquivo na pasta individual;
4ª via – SDSA – Arquivo por ordem cronológica;
5ª e 6ª vias – Seção de Comunicação do GEA/DEMA;
7ª via – Processo.
6. Será aberta pasta individual, na SDSA credenciadora, para cada credenciado, na qual serão
arquivados os anexos referidos no item 3 destas Instruções, juntamente com a 3ª via da Portaria. O
processo será arquivado – após juntada cópia da respectiva Portaria.
7. Quando indeferido o requerimento, será dado conhecimento ao interessado e procedida a devolução
dos anexos mediante recibo.
8. Caberá recurso ao Diretor da DDSA, no prazo de 15 dias, contados da notificação do indeferimento.

24
9. O credenciamento será concedido pelo prazo de um ano, devendo a renovação ser requerida
anualmente, durante o mês de nascimento do credenciado.
10. Quando credenciado, o Médico Veterinário receberá a primeira via da Portaria, a orientação
necessária e o Manual de Procedimentos – Movimentação Interestadual – de Animais e Produtos.
11. O fornecimento ao credenciado dos talonários de Certificados de Inspeção Sanitária, para fim de
trânsito interestadual, bem como o recebimento das 2ª e 3ª vias, serão controlados pela SDSA do
GEPA, através de ficha própria, em modelo estabelecido.
12. Cada credenciado utilizará carimbo próprio, no modelo aprovado, quando da emissão de qualquer
documento em função do credenciamento.
13. São deveres do credenciado:
a. observar a legislação vigente;
b. enviar à Seção de Defesa Sanitária Animal do GEPA, mensalmente as 2ª e 3ª vias dos
certificados emitidos, a ficha epidemiológica e a síntese das atividades em modelos próprios;
c. participar de reuniões para as quais seja convocado, na UF de sua jurisdição, sem ônus para os
cofres públicos;
d. emitir certificados, somente após a prévia inspeção dos animais ou produtos a serem
movimentados e mediante a apresentação dos atestados de vacinação e/ou exame para cada
caso quando exigidos;
e. requerer à SDSA, anualmente, no período estabelecido, a revalidação do credenciamento,
juntando documento do CRMV nos moldes da alínea “a”, item 3, destas Instruções.
14. Deferido o requerimento de revalidação a SDSA fará a devida anotação na ficha cadastral e expedirá
comunicação ao interessado.
15. Indeferido o requerimento de revalidação, será expedida Portaria cancelando o anterior, em modelo
próprio, obrigando-se o interessado a devolver à SDSA os talonários adquiridos e ainda não
utilizados.
16. O credenciamento não será concedido quando:
a. a documentação estiver incompleta;
b. na região pretendida, houver Médico Veterinário do Serviço Público Federal em número
suficiente, a critério da SDSA credenciadora.
17. O credenciamento será cancelado quando:
a. não forem observados os dispositivos legais vigentes;
b. o credenciado infringir a ética profissional;
c. o credenciado deixar de prestar as informações solicitadas pelo órgão credenciador, nos prazos
estipulados;
d. sem justa causa, deixar de participar das reuniões para as quais seja convocado;
e. não for requerida a renovação, anualmente no mês estabelecido.
18. O correndo a transferência do credenciado para outra Unidade Administrativa, este se obriga a
comunicar à SDSA a sua nova localização, para reexame, de acordo com item 02 destas Instruções,
podendo ser mantido ou não o credenciamento.
19. A trasnferência de domicílio do credenciado deverá ser comunicada imediatamente ao órgão
credenciador.
20. Ocorrendo a transferência para outra UF, o credenciamento será cancelado.
21. São atribuições da SDSA/GEPA:
a. por delegação do Diretorda DDSA, credenciar Médicos Veterinários não vinculados à
Administração Federal, na forma destas Instruções, bem como revalidar ou cancelar o
credenciamento;
b. orientar o credenciado no sentido do conhecimento da legislação específica de Defesa Sanitária
Animal e Normas referentes à profilaxia das doenças infecciosas, infecto-contagiosas e
parasitárias, objeto da programação federal de controle e erradicação, bem como do
preenchimento de certificados pertinentes e demais formulários;
c. supervisionar e controlar as atividades do Médico Veterinário em função do credenciamento,
mantendo-o atualizado quanto às normas e dispositivos legais específicos que venham a ser
baixados, como também sobre as alterações do estado zoo-sanitário do País;
d. controlar a distribuição e utilização dos Certificados de Inspeção Sanitária, nos modelos
oficiais;

25
e. ministrar treinamento especializado aos Médicos Veterinários a serem credenciados, na forma
do item V, letra “C”, da Portaria Ministerial nº 09/70, segundo programa mínimo a ser
estabelecido pelo DDSA.
HARLEY HASTENREITER
CFMV 0065
Diretor da DDSA

(Publicado no Diário Oficial de 16/12/77, Página 17.314/15)

26
DESINFECÇÃO DOS MEIOS DE TRANSPORTE
DECRETO–LEI Nº 8.911, DE 24 DE JANEIRO DE 1964 - Dispõe sobre a
execução dos serviços de limpeza e desinfecção dos meios de transportes
utilizados na locomoção de animais vivos e dá outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 180 da


Constituição, decreta:

Art. 1º - Os serviços de limpeza e desinfecção de quaisquer meios de transportes empregados na


locomoção de animais vivos e bem assim das instalações pelos mesmos utilizadas ou locais que tenham sido
ocupados por animais, passarão a ser realizados na forma estabelecida neste Decreto-lei.

Art. 2º - Os serviços de que trata o art. 1º serão executados:


a. pelo Ministério da Agricultura quando se tratar de empresas de transporte sob administração ou
jurisdição da União;
b. pelas empresas de transporte sob administração dos Estados ou Territórios, nestas incluídas as
de propriedade da União que lhe tenham sido arrendadas;
c. pelas empresas de transportes, privadas ou particulares.

Art. 3º - Para custeio e manutenção dos serviços especializados neste Decreto-lei, as empresas a que
alude o artigo anterior cobrarão, no ato do despacho, a “taxa de desinfecção” criada pelo Decreto-lei nº 194, de
21 de janeiro de 1938, que passará a ser cinqüenta centavos (Cr$ 0,50) por unidade, para as espécies bovina,
eqüina, asinina e muar, trinta centavos (Cr$ 0,30), por unidade, para as espécies suína, caprina e ovina e um
cruzeiro (Cr$ 1,00), por cento ou fração, para as aves, sendo de um cruzeiro (Cr$ 1,00) no mínimo, o total de
taxa a ser cobrada ainda que os animais despachados não atinjam, em número, o suficiente para o pagamento
dessa importância.
Parágrafo único – Ficam isentos de pagamento de “taxa de desinfecção” os animais transportados
por conta do Governo da União, as aves canoras e ornamentais, os pintos de um dia quando acondicionados em
caixas de papelão e bem assim outras espécies de animais não incluídas dentre as citadas neste artigo.

Art. 4º - A “taxa de desinfecção” só poderá ser cobrada uma vez para todo o percurso até o ponto
terminal, qualquer que seja o número de empresas nesse percurso, exceto no caso de baldeação por quebra de
bitola ou por não haver tráfego mútuo entre as empresas percorridas.

Art. 5º - Para o cumprimento de disposto na letra “a” do art. 2º, o Ministério da Agricultura, dentro
dos recursos orçamentários que lhe forem outorgados, fará construir, nos postos que se tornarem indicados,
postos de limpeza e desinfecção, dotando-se dos requisitos necessários e eficiente à realização dos serviços,
ficando as empresas sob administração ou jurisdição obrigadas a ceder os terrenos que, para isso, se tornarem
precisos.

Art. 6º - Para atender as despesas de que trata o artigo precedente será concedida nos orçamentos da
União, uma dotação nunca inferior à taxa arrecadada na forma do artigo 8º dois anos antes do respectivo
orçamento.

Art. 7º - As empresas de transportes a que se referem as letras “b” e “c” do art. 2º ficam obrigadas a
construir e instalar postos de limpeza e desinfecção, bem como manter o pessoal necessário à perfeita execução
dos trabalhos, devendo a escolha dos locais recair nos pontos que forem indicados e previamente aprovados pela
Divisão de Defesa Sanitária Animal, do Departamento Nacional de Produção Animal, do Ministério da
Agricultura.

Art. 8º - A taxa cobrada pela empresas referidas na letra “a” do art. 2º será pelas mesmas recolhidas
a repartição federal arrecadadora e competente, na forma da legislação em vigor, como renda da União.

27
Art. 9º - O produto da taxa arrecadada pelas empresas mencionadas nas letras “b” e “c” do mesmo
artigo será por elas escriturado em “conta especial” e somente poderá ser aplicado no custeio, manutenção e
expansão dos serviços especificados neste Decreto-lei.

Art. 10 - As empresas sob administração ou jurisdição da União comunicarão à Divisão de Defesa


Sanitária Animal, no decorrer do mês seguinte ao vencido, o número de animais transportados, por espécie e a
respectiva arrecadação da “taxa de desinfecção”.
Parágrafo único – Comunicação idêntica farão as demais empresas, acompanhada de uma
demonstração das despesas efetuadas com a execução dos serviços de limpeza e desinfecção.

Art. 11 - Ficam a cargo da Divisão de Defesa Sanitária Animal a orientação e fiscalização dos
serviços de que trata este Decreto-lei quando realizados pelas empresas particulares nas letras “b” e “c” do art. 2º.

Art. 12 – O Ministério da Agricultura baixará instruções especiais para a execução do presente


Decreto-lei e fixará o prazo para as construções e instalações, por parte das empresas particulares nas letras “b” e
“c” do art. 2º, dos postos de limpeza e desinfecção que se tornarem necessários.

Art. 13 – Findo o prazo que for estipulado – as empresas que efetuarem o transporte de animais
vivos – em desacordo com o que estabelece este Decreto-lei incorrerão na multa de dois a cinco mil cruzeiros
(Cr$ 2.000,00 a Cr$ 5.000,00), dobrada, progressivamente, tantas vezes quantas forem as reincidências.
Parágrafo único – A aplicação de multa prevista neste artigo não exime o infrator da
responsabilidade criminal que no caso couber.

Art. 14 – Ficam revogados o Decreto-lei n° 5.421, de 22 de abril de 1943 e demais disposições em


contrário.

Art. 15 – O presente Decreto-lei entrará em vigor trinta dias após a sua publicação no Diário Oficial
da União.

Rio de Janeiro, 24 de janeiro de 1946; 125º da Independência e 58º da República.

JOSÉ LINHARES
Theodoreto de Camargo
A. de Sampaio Dória
J. Pires do Rio
Maurício Joopert da Silva

28
PROGRAMA NACIONAL DE SANIDADE AVÍCOLA
PORTARIA MINISTERIAL Nº 193, DE 19 DE SETEMBRO DE 1994 –
Institui o Programa Nacional de Sanidade Avícola no âmbito da DAS e cria o
Comitê Consultivo do Programa de Sanidade Avícola.

O Ministro de Estado da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária, no uso das


atribuições que lhe confere o Art. 87, da Constituição da República e considerando:
A importância da produção avícola para a economia do País;
Os avanços obtidos pelo setor privado na área tecnológica, posicionando o Brasil em segundo lugar
no mercado internacional de carne de aves;
A estrutura dos serviços veterinários públicos e privados de apoio ao setor nas áreas de campo,
laboratório e inspeção;
A atual situação sanitária da avicultura que viabiliza a implantação de estratégias de combate e/ou
erradicação das principais doenças das aves;
A possibilidade e conveniência de estabelecer programas de co-gestão das instituições públicas e
privadas, resolve:

Art. 1º - Instituir o Programa Nacional de Sanidade Avícola no âmbito da Secretaria de Defesa


Agropecuária - SDA, envolvendo o Departamento de Defesa Animal - DDA e Departamento de Inspeção de
Produtos de Origem Animal - DIPOA.

Art. 2º - Delegar competência ao Secretário de Defesa Agropecuária, para baixar Normas para o
controle e/ou erradicação das principais doenças das aves, bem como estabelecer as áreas prioritárias e estratégias
de atuação.

Art. 3 º - Criar o Comitê Consultivo do Programa de Sanidade Avícola, atribuindo ao Secretário de


Defesa Agropecuária a competência de estabelecer as entidades que serão representadas no mesmo.
Parágrafo único - O Conselho será presidido pelo Titular da Secretaria de Defesa Agropecuária
(SDA) e será secretariado pelo Diretor do Departamento de Defesa Animal da SDA.

Art. 4º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em
contrário.

SYNVAL GUAZZELLI

PORTARIA Nº 115, DE 04 DE OUTUBRO DE 1995 – Determina as


atribuições do Comitê Científico do PNSA

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, no uso das atribuições que lhe confere o artigo
78, item VII, do Regimento Interno da Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 212, de 21 de agosto de
1992, e o disposto no artigo 2º da Portaria Ministerial nº 193 de 19 de setembro de 1994, com vistas às normas e
atribuições do Comitê Consultivo do Programa Nacional de Sanidade Avícola, de que trata a Portaria SDA 114
de 04 de outubro de 1995, Resolve:

Art. 1º Serão atribuições do Comitê, assessorar técnica e cientificamente o MAARA na condução


da Política Nacional de Sanidade Avícola, na avaliação do desempenho dos setores oficial e privado, na
confirmação e no controle de focos da doença de Newcastle, Influenza Aviária e de outras doenças que interfiram
no comércio interestadual e internacional e na saúde pública, nas metodologias de trabalho tanto ao nível
laboratorial como de defesa sanitária, e na tomada de decisões de cunho intervencionista e sanitário, e a avaliação
e análise de outros temas, sempre que determinados pelo Secretário de Defesa Agropecuária.

29
Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em
contrário.

ÊNIO ANTÔNIO MARQUES PEREIRA

PORTARIA Nº 39, DE 21 DE JULHO DE 1999 - Reformula o Comitê Consultivo


do Programa Nacional de Sanidade Avícola

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA do Ministério da Agricultura e do


Abastecimento, no uso das atribuições que lhe confere o art. 83, inciso IV do Regimento Interno da Secretaria,
aprovado pela Portaria Ministerial nº 574 de 08 de dezembro de 1998, e no disposto no artigo 3º da Portaria
Ministerial nº 193 de 19 de setembro de 1994, que cria o Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA),
resolve:

Art. 1º- Reformular o Comitê Consultivo do Programa Nacional de Sanidade Avícola, conforme
indicações das entidades representadas:

I.DEPARTAMENTO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL/DIPOA/SDA


Titular: RUI EDUARDO SALDANHA VARGAS
Suplente: SUZANE DA SILVA BITTENCOURT
II. CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SUÍNOS E AVES – CNPSA/EMBRAPA
Titular: FÁTIMA REGINA FERREIRA JAENISCH
Suplente: LIANA BRENTANO
III. ASSOCIAÇÃO DE MÉDICOS VETERINÁRIOS ESPECIALISTAS EM AVICULTURA – AVE
Titular: EGÍDIO HENRIQUE REALI
Suplente: HAMILTON LUIZ DE SOUZA MORAES
IV. EMPRESAS PRODUTORAS DE IMUNOBIOLÓGICOS AVÍCOLAS
Titular: ANTONIO ROBERTO ALVES CORREA
Suplente: LUIZ CARLOS VISINTIN
V. UNIÃO BRASILEIRA DE AVICULTURA – UBA
a) (Produtores de ovos)
Titular: JOSÉ ROBERTO BOTTURA
Suplente: FUMIO SAITO
b) (Exportadores de carne de aves)
Titular: RICARDO ALFREDO SONCINI
Suplente: JÚLIO CÉSAR RODRIGUES DA SILVA
c) (Avoseiros e bisavoseiros)
Titular: JOSÉ AMÉRICO BOTTINO
Suplente: JOÃO TOMELLIN
d) (Produtores de pintos de corte)
Titular: CARLOS ANTÔNIO COSTA
Suplente: PAULO CÉSAR MARTINS
VI. LABORATÓRIOS CREDENCIADOS
a) (Laboratórios de patologia aviária de universidades brasileiras)
Titular: CARLOS TADEU PIPPI SALLE
Suplente: IVENS GOMES GUIMARÃES
b) (Laboratórios privados)
Titular: RENATO BENEDITO DE OLIVEIRA CRITTER
Suplente: MÁRCIO DANILO BOTREL COUTINHO
c) (Laboratórios de empresas)
Titular: CARLOS HENRIQUE CARNEIRO SANTOS
Suplente: JOSÉ ALBERTO SCARPELINI
Parágrafo Único: O Comitê será presidido pelo Secretário de Defesa Agropecuária (SDA) e
secretariado pelo Diretor do Departamento de Defesa Animal (DDA).

30
Art. 2º -Os Coordenadores de Laboratório Animal (CLA), de Vigilância e de Programas Sanitários
(CPS), a Gerencia do PNSA, e os técnicos destas coordenações e deste programa, que atuam nas áreas
relacionadas ao setor, serão os representantes do DDA, e responsáveis pela condução dos trabalhos e das
reuniões técnicas.

Art. 3º -A critério do Comitê, poderão ser convocados outros setores para análise de temas
específicos.

Art. 4º -Fica revogada a Portaria SDA nº 114, de 4 de outubro de 1995.

Art. 5º -Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA

Publicada na Seção 1 do DOU de 27 de julho de 1999.

31
DOENÇA DE NEWCASTLE
PORTARIA Nº 070, DE 03 DE MARÇO DE 1994 – Regulamenta a
obrigatoriedade de comunicação da suspeita da doença de Newcastle.

O Ministro de Estado da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária, no uso das


atribuições que lhe confere o Art. 87, I, da Constituição da República e o parágrafo único do Art. 61 do
Regulamento do Serviço de Defesa Sanitária Animal, aprovado pelo Decreto nº 24.548, de 03 de julho de 1934,
resolve:

Art. 1º - Alterar a lista de doenças sanitárias constantes do Art. 61 do Regulamento do Serviço de


Defesa Sanitária Animal, aprovado pelo Decreto nº 24.548, de 03 de julho de 1934, para incluir a Doença de
Newcastle, que acomete as aves.

Art. 2º - Os médicos veterinários e todos aqueles que sejam proprietários, depositários ou a


qualquer título mantenham em seu poder ou sob sua guarda aves de qualquer espécie, que tenham conhecimento
da ocorrência ou suspeitam da ocorrência da Doença de Newcastle, ficam obrigados a comunicar o fato,
imediatamente, ao serviço federal ou estadual de defesa sanitária animal da jurisdição, suspendendo a
movimentação das aves existentes no estabelecimento infectado ou suspeito de estar infectado, assim como de
produtos dessas aves e materiais diversos que tiveram contacto com as mesmas, até que a autoridade sanitária
competente decida sobre as medidas a adotar.

Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

SYNVAL GUAZZELLI

Publicado no Diário Oficial da União em 04/03/94.

PORTARIA Nº 182, DE 08 DE NOVEMBRO DE 1994 – Normas de


Credenciamento e Monitoramento de Laboratórios de Diagnóstico da Doença
de Newcastle

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA , no uso da atribuição que lhe confere o artigo


78, inciso VII do Regimento Interno da Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 212, de 21 de agosto de
1992, resolve:

Art. 1º Aprovar as “Normas de Credenciamento e Monitoramento de Laboratórios de Diagnóstico


da Doença de Newcastle”, em anexo.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em
contrário.

TÂNIA MARIA DE PAULA LYRA

ANEXO
NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DE
DIAGNÓSTICO DA DOENÇA DE NEWCASTLE E DIFERENCIAL

1. DO CREDENCIAMENTO
Para efeito de credenciamento e monitoramento serão obedecidas as determinações constantes das
Portarias da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária/SNAD nº 53 de 20 de maio de 1991 e da Divisão

32
de Laboratório Animal/DLA nº 01 de 14 de agosto de 1991 e demais normas e instruções substitutivas e/ou
complementares que vieram a ser baixadas por este Ministério.

2. MATERIAL
2.1. Sis tema hospedeiro
2.1.1. Ovos
Devem ser utilizados ovos embrionados com 8 (oito) a 11 (onze) dias de incubação,
do tipo SPF ou, na impossibilidade, oriundos de granjas com sorologia negativa para os vírus
da doença de Newcaslte e da gripe aviária.
2.1.2. Pintos
Devem ser utilizados pintos com 1 (um) dia de idade, nascidos de ovos SPF.
2.1.3. Frangos
Dever ser utilizados frangos com 6 (seis) semanas, nascidos de ovos SPF.
2.2. Antígenos padrões
2.2.1. Doença de Newcastle
Os antígenos devem ser preparados em ovos embrionados SPF com 8 a 11 dias de
incubação, inoculados pela via alantóica, a partir de amostras de referência (cepa LaSota ou
Ulster 2C), autorizada pela Coordenação Geral de Laboratório Animal (CGLA) e inativados.
2.2.2. Gripe Aviária
Os antígenos devem ser preparados em ovos embrionados SPF com 8 a 11 dias de
incubação, inoculados pela via alantóica, a partir de amostras de referência, autorizada pela
CGLA.
Para a prova de imunodifusão deve ser utilizado vírus concentrado ou extrato de
membrana cório-alantóide dos ovos infectados.
2.3. Soros padrões
2.3.1. Doença de Newcastle
2.3.1.1. Positivos
Os soros padrões positivos devem ser obtidos de aves do tipo SPF, vacinadas
com a cepa padrão avirulenta.
2.3.1.2. Negativos
Os soros padrões negativos dever ser obtidos de aves do tipo SPF.
2.3.2. Gripe aviária
2.3.2.1. Positivos
Para os laboratórios de referência os soros padrões devem ser preparados em
cabras, frente aos antígenos H e N.
Como alternativa para os laboratórios de diagnóstico podem ser empregados
soros policlonais.
2.3.2.2. Negativos
Os soros padrões negativos devem ser obtidos de aves do tipo SPF.
2.4. Hemácias a 1%
As hemácias para a realização dos testes devem ser obtidas em aves sem organismos
patogênicos específicos (SPF) ou na impossibilidade, de aves controladas regularmente e que
tenham se apresentadas isentas de anticorpos do vírus da doença de Newcastle.
2.5. Amostras a serem testadas
As amostras para isolamento e identificação do vírus devem ser obtidas de aves vivas ou
após necrópsia de animais sacrificados ou daqueles que morreram com sintomas clínicos sugestivos
da doença de Newcastle.
2.5.1. Doença de Newcastle
2.5.1.1. Aves vivas
- “Swab” de cloaca
- “Swab” de traquéia
- Fezes frescas
2.5.2. Aves Necropsiadas
Coletar assepticamente, isolado ou em “pool”:
- Baço
- Cérebro

33
- Coração
- Fezes
- Fígado
- Humor aquoso
- Intestino
- Proventrículo
- Pulmão
- Sacos aéreos
- “Swab” oro-nasal
- Tonsilas cecais
3. RECEBIMENTO DAS AMOSTRAS
3.1. As amostras devem ser coletadas em PBS, pH 7.2, contendo antibióticos nas concentrações de:
AMOSTRA
ANTIBIÓTICOS SUABES FEZES ÓRGÃOS
(p/ml de PBS) Nasal Cloaca
Penicilina 2000 U 10000 U 10000 U 2000 U
Estreptomicina 2 mg 10 mg 10 mg 2 mg
Gentamicina 50 ug 250 ug 250 ug 50 ug
Fungizona 1000 U 5000 U 5000 U 1000 U

3.2. As amostras deverão estar devidamente identificadas, refrigeradas e acondicionadas em caixas


isotérmica.
3.3. As amostras deverão estar acompanhadas de um formulário de coleta devidamente preenchido,
conforme modelo estabelecido pela Coordenação de Programa Sanitário - CPS, do Departamento
de Defesa Animal - DDA.
3.4. As amostras serão registradas em livro próprio conforme modelo indicado pela Coordenação Geral
de Laboratório Animal - CGLA.
3.5. As amostras destinadas a sorologia deverão estar resfriadas ou preferencialmente congeladas. Não
serão aceitas amostras de sangue total ou com presença de coágulo.
3.6. As amostras recebidas deverão ser obrigatoriamente divididas em 2 (duas) alíquotas e
identificadas, uma como prova e outra como contra-prova.
3.7. A targeta de identificação da contra-prova, conforme modelo indicado pela CGLA, será preenchida
e lacrada juntamente com as amostras para contra-prova; o lacre será plástico, numerado e
inviolável.
4. CONSERVAÇÃO E ESTOCAGEM
4.1. As amostras destinadas a exames virológicos, deverão ser mantidas sob refrigeração, até seu
processamento.
4.2. As amostras destinadas a sorologia deverão ser mantidas congeladas a -20ºC, até o seu
processamento.
4.3. Após a emissão do resultado as amostras deverão ser mantidas congeladas a -20ºC, por um período
de 30 (trinta) dias.
5. IDENTIFICAÇÃO CONFIRMATÓRIA
Os vírus hemaglutinantes isolados, acompanhado do respectivo relatório de isolamento, deverão ser
remetidos ao laboratório de referência indicado pela CGLA com vistas à sua identificação e caracterização
completas e à realização do diagnóstico diferencial.
6. SEGURANÇA BIOLÓGICA
Decorrido o prazo de 30 (trinta) dias da emissão de resultado as amostras serão destruídas com a
observância dos critérios e normas de segurança biológica.
7. MÉTODOS
7.1. Isolamento viral
7.1.1. Inoculação em ovo embrionado do tipo SPF, de 8 a 11 dias ou, alternativamente ovos
embrionados oriundos de granjas com sorologia negativa para os vírus da doença de
Newcastle e da peste aviária
7.2. Titulação antigênica
7.2.1. Teste de Hemoaglutinação (HA)

34
7.3. Identificação antigênica
7.3.1. Inibição da Hemoaglutinação (HI)
7.4. Índices de patogenicidade
7.4.1. Tempo médio de mo rte de embriões (TME)
7.4.2. Índice de patogenicidade intracerebral (IPIC)
7.4.3. Índice de patogenicidade intravenosa (IPIV)
7.5. Sorologia
7.5.1. Inibição da Hemoaglutinação (HI)
7.5.2. Ensaio Imuno Enzimático (ELISA)
7.6. Somente poderão ser utilizadas metodologias previamente aprovadas pela CGLA.
8. DOS RESULTADOS E RELATÓRIOS
Toda a documentação referente a livro de registro, laudo de resultado e relatórios deverá ser
arquivado por um período de cinco anos.
8.1. Os resultados dos exames deverão ser emitidos em formulário próprio, segundo modelo
estabelecido pelo CGLA, e de acorodo com o fluxograma determinado.
8.1.1. RESULTADO NEGATIVO: Enviar FAX ou outro topo de comunicação imediata, para o
Médico Veterinário requisitante:
8.1.2. RESULTADO POSITIVO: Enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para:
- O M édico Veterinário requisitante;
- Ao Comitê Estadual de Sanidade Avícola (CESA)
- Ao Departamento de Defesa Animal (DDA), em Brasília.
- Ao laboratório de referência, indicado pela CGLA.
8.2. Todo laboratório credenciado deverá encaminhar até o quito dia útil do mês subseqüente, relatório
das atividades mensais, em formulário próprio, segundo modelo estabelecido pela CGLA, ao
CESA e à CGLA.
9. REALIZAÇÃO DOS EXAMES NA CONTRA-PROVA
9.1. A realização de contra-prova somente será efetuada no laboratório que realizou o exame.
9.2. A solicitação deverá obedecer ao prazo máximo de 8 dias a contar da data do recebimento do
resultado.
9.3. A contra-prova será solicitada ao CESA, e este o encaminhará ao laboratório que realizou o exame.
9.4. O Médico Veterinário requisitante do exame obriga-se a pessoalmente, ou por seu representante, a
acompanhar, assistido ou não por técnicos de sua confiança, aos exames que serão realizados na
contra-prova.
9.5. Cabe ao técnico indicado pelo Médico Veterinário requisitante do exame apenas assistir, fiscalizar
e observar a exatidão do resultado dos exames.
9.6. É obrigatória a comunicação ao CESA, da data e horário da realização do exame da contra-prova,
podendo o técnico daquele Serviço assistir, fiscalizar e observar a exatidão do resultado.
9.7. A ausência do representante do CESA, não constitui óbice para a realização do mesmo, desde que
tenha sido observado o disposto no item 10.6.
9.8. Após a realização do exame, será lavrada uma ata assinada pelos interessados presentes, onde
constará o resultado desse exame e a descrição de todo método analítico nele utilizado.
9.9. A desistência do Médico Veterinário requisitante do exame, ou seu representante, mediante
declaração escrita, ou a sua ausência na realização do exame da contra-prova, importará no
prevalecimento do resultado obtido n o primeiro exame.
9.10. Os custos decorrentes da solicitação e realização da contra-prova correrão por conta do solicitante.
10. DO LABORATÓRIO
10.1. O laboratório deve possuir instalações e equipamentos adequados para a realização do Diagnóstico
da Doença de Newcastle e responsável técnico e substituto deste, devidamente habilitado pela
CGLA para a realização do Diagnóstico.
10.2. As instalações devem fazer parte da mesma base física do laboratório e atender às normas de
segurança biológica.
10.3. Somente poderá assinar o formulário de resultado do exame e o relatório mensal o responsável
técnico ou seu substituto.
11. INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E MATERIAIS.
Para efeito de credenciamento e monitoramento, o laboratório será vistoriado, devendo atender as
exigências quanto a:

35
11.1. INSTALAÇÕES
11.1.1.PROTOCOLO
O protocolo deverá ser constituído de dois ambientes distintos:
11.1.1.1. RECEPÇÃO: Onde serão recebidos, registrados e identificados os materiais a
serem examinados. Deverá ter pessoal próprio que procederá a conferência do
material, observando a exatidão dos dados de remessa e o estado de conservação
11.1.1.2. ESCRITÓRIO: Estrutura responsável pela emissão dos laudos de resultado
devendo ser obrigatoriamente independente da sala de recepção
11.1.2. VIROLOGIA
Neste local as amostras serão processadas, incluindo-se sua divisão em amostras de
exame e contra -prova e a realização dos exames de isolamento viral, titulação Ag,
identificação Ag e sorologia.
11.1.3.APOIO TÉCNICO
11.1.3.1. MEIOS E SOLUÇÕES
Este setor estará encarregado do preparo de meios e soluções.
11.1.3.2. BIOTÉRIO
Este setor estará encarregado da criação de animais de laboratório a
serem utilizados nas provas diagnósticas e da coleta de sangue para a realização
dos exames.
11.1.3.3. INFECTÓRIO
Este setor estará encarregado do abrigo e manutenção dos animais que
estão sendo utilizados nas provas diagnósticas e na obtenção de soro imune.
11.1.3.4. LAVAGEM E ESTERILIZAÇÃO
Este setor atenderá o laboratório procedendo a desinfecção, lavagem,
montagem, esterilização e estocagem do material procedente dos setores de
exame, infectório, meios e soluções.
11.2. EQUIPAMENTOS
11.2.1. PROTOCOLO
11.2.1.1. RECEPÇÃO
- Mesa com superfície resistente a desinfetantes
- Refrigerador
11.2.1.2. ESCRITÓRIO
- Arquivo com chave
- Máquina de escrever
- Sistema informatizado
11.2.2.VIROLOGIA
- Agitador de tubos
- Balança semi-analítica
- Balança para tarar tubos
- Banho-maria regulável
- Carrinho de laboratório (opcional)
- Centrífuga refrigerada
- Congelador a -20ºC
- Cuba com água sanitária
- Dispensador de pipetas
- Estufa bacteriológica
- Fluxo laminar vertical ou câmara asséptica de 25 e 50 ml
- Pipetas automáticas de 25 e 50? l
- Refrigerador (+4 a +8ºC)
- Botijão de nitrogênio (opcional)
- Microplacas com fundo em “U” com 96 poços
11.2.3.APOIO TÉCNICO
11.2.3.1. MEIOS E SOLUÇÕES
- Agitador magnético com e sem placa aquecedora
- Balança analítica (opcional)
- Balança semi-analítica

36
- Carrinho de laboratório (opcional)
- Congelador a -20ºC
- Deionizador (opcional)
- Destilador
- Dispensador de pipetas
- Refrigerador (+4 a +8ºC)
- Potenciômetro
- Espectrofotômetro
11.2.3.2. BIOTÉRIO
- Incubadora/nascedouro (opcional)
- Gaiolas
11.2.3.3. INFECTÓRIO
- Autoclave
- Sistema de incubação com temperatura regulável
11.2.3.4. LAVAGEM E ESTERILIZAÇÃO
11.2.3.4.1. Desinfecção
- Autotoclave
- Carrinho de laboratório (opcional)
11.2.3.4.2. Lavagem
- Depósito para água destilada e/ou água deionizada
- Cuba para água sanitária
- Destilador
- Deionizador (opcional)
- Sistema para enxagüe de material
- Sistema para ferver material (vidraria, etc.)
- Lavador de pipetas
11.2.3.4.3. Montagem
- Estante para secagem do material
- Mesa para montagem do material
11.2.3.4.4. Esterilização
- Autoclave
- Carrinho de laboratório (opcional)
- Forno de esterilização
11.2.3.4.5. Estocagem
- Refrigerador
- Congelador
- Estantes e/ou armários
12. DO RESPONSÁVEL TÉCNICO E SEU SUBSTITUTO
Para efeito de credenciamento e monitoramento, o responsável técnico e seu substituto serão
submetidos a avaliação técnico-científica, pela CGLA.
13. DO CREDENCIAMENTO E MONITORAMENTO
13.1. Após aprovação dos responsáveis técnicos na avaliação técnico-científica, e atendimento às
exigências de instalações, equipamentos e materiais na vistoria, o laboratório será credenciado.
13.2. O monitoramento se fará, utilizando os procedimentos de envio de material para check-test e
realização de vistorias técnico-administrativas.
13.3. Poderão ser enviados para check-test materiais como amostra de “swabs” de traquéia e cloaca, de
fezes, de órgãos de eleição, e de soros sanguíneos.
13.4. O monitoramento também poderá ser realizado por técnicos do CGLA a partir do processamento
das amostras retidas para contra-prova.
14. DISPOSIÇÕES GERAIS
14.1. Somente deverá ser liberado resultado definitivo e conclusivo para o Diagnóstico da Doença de
Newcastle ou Gripe Aviária.
14.2. As técnicas e as soluções a serem utilizadas para o Diagnóstico da Doença de Newcastle e
diferencial para a Gripe Aviária estão descritas nos Anexos I e II, respectivamente. Outras
metodologias poderão ser utilizadas desde que previamente aprovadas pela CGLA.
14.3. Onde não existir CESA suas atribuições serão de responsabilidade da DFAARA.

37
14.4. Os laboratórios credenciados deverão, em prazo a ser estabelecido pela CGLA, implantar o sistema
de informatização utilizando programas definidos pela CGLA.
14.5. O laboratório credenciado que não cumprir esses procedimentos terá o credenciamento, para o
Diagnóstico Oficial da Doença de Newcastle, suspenso por tempo determinado ou cancelado, por
ato desta Secretaria.

ANEXO I

DESCRIÇÃO DAS TÉCNICAS


DIAGNÓSTICO DA DOENÇA DE NEWCASTLE
E DIFERENCIAL PARA GRIPE AVIÁRIA - INFLUENZA AVIÁRIA

1. Metodologia
1.1. Doença de Newcastle
1.1.1. Isolamento
1.1.1.1. Preparo do inóculo
As amostras devem ser preparadas a partir de uma suspensão 10 a
20% (peso/volume), em PBS (Solução Salina Tamponada), pH 7.2,
adicionada de uma solução de antibióticos.
As amostras de tecidos devem ser trituradas em gral estéril,
previamente refrigerado e deixadas em repouso durante 1 a 2 horas, a 4ºC e
centrifugadas a 1.000 x g, durante 10 minutos a 4ºC, sendo recolhido o
sobrenadante, que deverá ser mantido sob refrigeração até o momento do
uso.
As amostras de fezes devem ser homogeneizadas e deixadas em
repouso de 1 a 2 horas, a 4ºC e centrifugadas a 1.000 x g, durante 10
minutos, a 4ºC. O sobrenadante deve ser mantido a 4ºC, até o momento do
uso.
1.1.1.2. Inoculação
A suspensão de fezes ou de tecido deve ser inoculada na cavidade
alantóica em, no mínimo, 5 ovos embrionados, preferentemente SPF ou,
alternativamente de ovos embrionados de granjas com sorologia negativa
para a doença de Newcastle, com 8 a 11 dias e incubados a 37ºC, durante 7
dias.
Os ovos contendo embriões mortos, agonizantes e aqueles
remanescentes, ao cabo do período, devem ser coletados e colocados a 4ºC,
para evitar hemorragias por ocasião da coleta do líquido alantóico.
O líquido alantóico é testado no tocante a sua atividade
hemaglutinante (HA).
Devem ser realizadas mais 2 passagens daqueles líquidos alantóicos
que se revelarem negativos ao teste de HA.
1.1.1.3. Titulação do antígeno
1.1.1.3.1. Hemaglutinação (HA)
1.1.1.3.2. Líquido alantóico
O líquido alantóico deverá ser clarificado por centrifugação a
1.000 x g a 4ºC, durante 10 minutos e a sua capacidade
hemaglutinante avaliada frente a hemácias.
1.1.1.4. Teste
Colocar 25 ? l de PBS, pH 7.2, em 2 fileiras de cavidades de uma placa de
96 cavidades, do tipo em “U”.
Colocar 25 ?l do antígeno (líquido alantóico) nas duas primeiras cavidades
das fileiras testes.
Diluir, com auxílio de microdiluidores, a partir das primeiras cavidades das
fileiras testes (1:2 até 1:4096).
Colocar, em todas as cavidades, 25 ? l de uma suspensão de hemácias a 1%
(v/v) em PBS, pH 7.2.

38
Agitar e deixar a placa 4ºC, durante 30-45 minutos.
Fazer a leitura.
NEGATIVO - Onde houve a formação de botão. Não ocorreu a
hemaglutinação.
POSIVITO - Onde não houve a formação de botão. Ocorreu a
hemaglutinação.
1.1.1.5. Unidade hemoaglutinante
Uma unidade hemaglutinante (1 UHA) corresponde a maior diluição do
líquido alantóico onde ocorreu a hemaglutinação total.
Para a prova de HI devem ser usadas 4 UHA.
Exemplo: 1 UHA - Diluição 1? 512
4 UHA = 512/4 = 1? 128
1.1.1.6. Controles
1.1.1.6.1. Hemácias a 1%
Realizar controles de hemácias colocando 25 ? l do diluente
(PBS pH 7.2) e 25 ? l da suspensão de hemácia a 1% em duas
cavidades da placa.
OBS - A leitura da prova somente deverá ser realizada se
for observada a formação de botão (ausência de
hemaglutinação).
1.1.2. Identificação antigênica
1.1.2.1. Inibição da hemaglutinação
Colocar 25 ? l de PBS, pH 7.2, em 2 fileiras de cavidades de uma placa de 96
cavidades, do tipo em “U”.
Colocar 25 ? l de soro teste nas duas primeiras cavidades das fileiras testes.
Diluir, com auxílio de microdiluidores, a partir das primeiras cavidades das
fileiras testes, até a diluição desejada.
Adicionar 25 ? l do antígeno, contendo 4 UHA a todas as cavidades das
fileiras testes.
Hemogeneizar e deixar em repouso por 30 min utos, a 4ºC.
Colocar, em todas as cavidades, 25 ? l de uma suspensão de hemácias de aves
a 1% (v/v) em PBS, pH 7.2.
Agitar e deixar a placa a 4ºC, durante 30-45 minutos.
Fazer a leitura.
NEGATIVO - Onde não houve a formação de botão. Ocorreu a
hemaglutinação.
POSITIVO - Onde houve a formação de botão. Não ocorreu a
hemaglutinação.
1.1.2.1.1. Controles
1.1.2.1.1.1. Soro
Realizar controle duplo, usando:
25 ? l de soro teste na menor diluição.
25 ? l de PBS, pH 7.2.
25 ? l de hemácia a 1%.
OBS - Não deverá ocorrer hemaglutinação. Caso ocorra o
soro deverá ser adsorvido com uma suspensão de hemácia
a 50% (v/v).
1.1.2.1.2. Antígeno
Realizar controle duplo, usando:
25 ? l do antígeno com 4 UHA.
25 ? l de PBS, pH 7.2.
25 ? l de hemácia a 1%.
OBS - Deverá ocorrer hemaglutinação
1.1.2.1.3. Hemácias
Realizar controle duplo, usando:

39
50 ? l de PBS, pH 7.2.
25 ? l de hemácia a 1%
OBS - Não deverá ocorrer hemaglutinação
1.1.3. Índices de patogenicidade
1.1.3.1. Tempo Médio de Morte de Embriões (TME)
Após realizar diluições decimais, na faixa de 10-6 a 10-9 do líquido
alantóico infectivo, em solução salina, inocular 0,1 ml, de cada diluição, de,
no mínimo 5 ovos embrionados SPF, de 8-11 dias de idade, pela via alantóica
e incubar os ovos a 37ºC.
Deixar uma amostra do mesmo líquido alantóico na geladeira, por 8 horas
e depois inocular 0,1 ml, de cada diluição em, no mínimo, 5 ovos da mesma
idade e incubar a 37ºC.
Observar os ovos durante sete dias, duas vezes por dia.
Registrar o tempo de morte dos embriões.
A dose letal mínima é a maior diluição que mata todos os embriões.
TME é um tempo médio, em horas, para a dose letal mínima matar os
embriões e se classifica em:
VELOGÊNICA - Menos de 60 horas para matar.
MESOGÊNICA - Entre 60 e 90 horas para matar.
LENTOGÊNICA - Mais de 90 horas para matar.
1.1.3.2. Índice de Patogenicidade Intracerebral (IPIC)
A partir do líquido alantóico infectivo, com título HA maior que 24,
diluído a 1:10 em salina isotônica estéril, inocular 0,05 ml, pela via
intracerebral, em 10 pintos SPF, de um dia de idade.
Examinar os pintos, diariamente, por 8 dias, anotando-se o resultado:
- pintos saudáveis = 0
- pintos doentes = 1
- pintos mortos = 2
Decorridos àquele tempo calcular o índice médio do período.
Amostras do vírus da enfermidade de Newcastle mais virulenta
(velogênicas) este índice se aproxima de 2.0 enquanto nas cepas lentogênicas
este índice se aproxima de 0.0.
1.1.3.3. Índice de patogenicidade Intravenosa (IPIV)
Este índice é calculado a partir de inóculos intravenosos em frangos
SPF, com seis semanas de idade.
São inoculados 10 frangos, pela via intravenosa, com 0,1 ml do líquido
alantóico, com título HA maior que 24, diluído a 1:10 em salina isotônica
estéril.
Observam-se os frangos durante 10 dias consecutivos e anota-se o
resultado:
- frangos normais = 0
- frangos doentes = 1
- frangos paralíticos = 2
- frangos mortos = 3

O IPIV é o resultado da média das anotações sendo consideradas


- lentogênicas e algumas mesogênicas quando o IPIV se aproxima do
zero,
- velogênicas quando o IPIV se aproxima de 3,0.
Os índices encontrados devem ser avaliados de acordo com os dados
epidemiológicos e o tipo de vacinação regional considerando que naquelas
regiões onde são aplicadas vacinas oriundas de vírus lentogênico, os índices
de valores acima de 0,7 significam processos infecciosos, o que sugere
doença no campo.
EXEMPLO:

40
Sinais Dias após inoculação (total de aves) Total Resultado
clínicos 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Normal 10 2 0 0 0 0 0 0 0 0 12 x 0 0
Doente 0 4 2 0 0 0 0 0 0 0 6x1 6
Paralítico 0 2 2 2 0 0 0 0 0 0 6x2 12
Morto 0 2 6 8 10 10 10 10 10 10 76 x 3 228
Total = 246

Índice = Resultado médio por ave e por observação = 246 dividido por 100 = 2,46

1.1.4. Sorologia
A realização de testes sorológicos se destina, principalmente, ao
monitoramento do estado imunitário de plantéis vacinados.
Em áreas sem programas de vacinação pode ser usado como diagnóstico, visto
que, dificilmente, as reações positivas serão inespecíficas.
Os testes mais aplicados são o HI e o ELISA. No HI, títulos de inibição de 4
UHA com soros diluídos a 1:8 ou mais podem ser observados, no diagnóstico
positivo.
Soros de aves que não sejam galinhas podem aglutinar hemácias, o que torna
necessário a adsorção desses soros com as hemácias a serem utilizadas no teste.
Controles com soros de referência, positivos e negativos, devem,
obrigatoriamente, serem, incluídos na prova.
1.2. Gripe aviária.
1.2.1. Isolamento
1.2.1.1. Preparo do inóculo
As amostras devem ser preparadas a partir de uma suspensão 10 a
20% (peso/volume), em PBS (Solução Salina Tamponada), pH 7.2,
adicionada de uma solução de antibióticos, conforme descrito no item 3.1
do anexo, Normas para credenciamento e monitoramento de laboratórios
de diagnóstico da doença de Newcastle e diferencial.
As amostras de tecidos devem ser trituradas em gral estéril,
previamente refrigerado e deixadas em repouso de 1 a 2 horas, a 4ºC e
centrifugadas a 1.000 x g, durante 10 minutos a 4ºC, sendo recolhido o
sobrenadante, que deverá ser mantido sob refrigeração até o momento do
uso.
As amostras de fezes devem ser homogeneizadas e deixadas em
repouso de 1 a 2 horas, a 4ºC e centrifugadas a 1.000 x g, durante 10
minutos, a 4ºC. O sobrenadante deve ser mantido a 4ºC, até o momento do
uso.
1.2.1.2. Inoculação
A suspensão de fezes ou de tecido deve ser inoculada na cavidade
alantóica em, no mínimo, 5 ovos embrionados SPF ou, na impossibilidade,
ovos de granjas com sorologia negativa para a gripe aviária, com 8 a 11
dias e incubados a 37ºC, durante 7 dias.
Os ovos contendo embriões mortos, agonizantes e aqueles
remanescentes, ao cabo do período, devem ser coletados e colocados a 4ºC,
para evitar hemorragias por ocasião da coleta do líquido alantóico. O
líquido alantóico é testado no tocante a sua atividade hemaglutinante (HA).
Devem ser realizadas mais duas passagens daqueles líquidos
alantóicos que se revelarem negativos ao teste de HA.
1.2.1.3. Titulação do antígeno

41
1.2.1.3.1. Hemaglutinação
1.2.1.3.2. Líquido alantóico
O líquido alantóico deverá ser clarificado por centrifugação a
1.000 x g a 4ºC, durante 10 minutos e a sua capacidade
hemaglutinante avaliada frente a hemácias.
1.2.1.4. Teste
Colocar 25 ?l de PBS, pH 7.2, em 2 fileiras de cavidades de uma placa
de 96 cavidades, do tipo em “U”.
Colocar 25 ?l do antígeno (líquido alantóico) nas duas primeiras
cavidades das fileiras testes.
Diluir, com auxílio de microdiluidores, a partir das primeiras
cavidades das fileiras testes (1:2 até 1:4096).
Colocar, em todas as cavidades, 25 ?l de uma suspensão de hemácias
a 1% (v/v) em PBS, pH 7.2.
Agitar e deixar a placa em temperatura ambiente (+ 22ºC) por 45
minutos ou a 4ºC, durante a noite (+ 18 horas).
Fazer a leitura.
NEGATIVO - Onde houve a formação de botão. Não ocorreu a
hemaglutinação.
POSITIVO - Onde não houve formação de botão. Ocorreu a
hemaglutinação.
1.2.1.5 Unidade Hemaglutinante
Uma unidade hemaglutinante (1UHA) corresponde a maior diluição
do líquido alantóico onde ocorreu a hemaglutinação total.
Para a prova de HI devem ser usadas 4 UHA.
Exemplo: 1 UHA = Diluição 1/512
4 UHA = 512?4 = 1/128
1.2.1.5. Controles
1.2.1.5.1. Hemácias
Realizar controles de hemácias colocando 25 ? l do diluente
(PBS pH 7.2) e 25 ? l da suspensão de hemácia a 1% em duas
cavidades da placa.
OBS - A leitura da prova somente deverá ser realizada se for
observada a formação de botão (ausência de hemaglutinação).
1.2.2. Inibição da hemaglutinação
Colocar 25 ? l de PBS, pH 7.2, em 2 fileiras de cavidades de uma placa de 96
cavidades, do tipo em “U”.
Colocar 25 ? l do soro teste nas duas primeiras cavidades das fileiras testes.
Diluir, com auxílio de microdiluidores, a partir das primeiras cavidades das fileiras
testes, até a diluição desejada.
Adicionar 25 ?l do antígeno, contendo 4 UHA a todas as cavidades das fileiras
testes.
Homogeneizar e deixar em repouso por 30 minutos, em temperatura ambiente (+
22ºC).
Colocar, em todas as cavidades, 25 ? l de uma suspensão de hemácias a 1% em PBS,
pH 7.2.
Agitar e deixar a placa em temperatura ambiente (+ 22ºC) por 45 minutos ou a 4ºC,
durante a noite (+ 18 horas).
Fazer a leitura.
NEGATIVO: Onde não houve a formação de botão. Ocorreu a hemaglutinação.
POSITIVO: Onde houve formação de botão. Não ocorreu a hemaglutinação.
1.2.2.1. Controles
1.2.2.1.1. Soro
Realizar controle duplo, usando:
25 ? l do soro teste na menor diluição.

42
25 ? l de PBS, pH 7.2.
25 ? l de hemácia a 1%.
OBS: Não deverá ocorrer hemaglutinação. Caso ocorra, o soro
deverá ser adsorvido com uma suspensão de hemácia a 50% (v/v).
1.2.2.1.2. Antígeno
Realizar controle duplo, usando:
25 ? l de antígeno com 4 UHA.
25 ? l de PBS, pH 7.2.
25 ? l de hemácia a 1%.
OBS: Deverá ocorrer hemaglutinação
1.2.2.1.3. Hemácias
Realizar controle duplo, usando:
50 ? l de PBS, pH 7.2.
25 ? l de hemácia a 1%.
OBS: Não deverá ocorrer hemaglutinação
1.2.3. Imonudifusão
O teste de imunodifusão é empregado para detecção do vírus influenza pela
demonstração da presença de nucleocapsídeo comum a todos os membros do gênero
A.
O antígeno, empregado na prova, é o vírus concentrado, a partir do líquido
alantóico, ou o extrato de membrana corioalantóide de ovos embrionados
infectados.
1.2.3.1. Preparo do antígeno
1.2.3.1.1. Líquido alantóico
O líquido alantóico é concentrado pela precipitação da partícula
viral pelo ácido clorídrico.
Adicionar ao líquido alantóico solução de ácido clorídrico 0,1
N até o pH atingir 4.0.
Colocar a mistura em banho de gelo durante 60 minutos.
Clarificar por centrifugação a 1.000 x g, durante 20 minutos, a
4ºC.
Desprezar o sobrenadante e ressuspender o precipitado em
tampão glicinasarcosil.
1.2.3.1.2. Membrana corioalantóide
Retirar a membrana corioalantóide dos ovos infectados e lavar
em PBS, pH 7.2.
Triturar a membrana (3 membranas fornecem cerca de 1 ml de
antígeno).
Congelar e descongelar 3 vezes.
Centrifugar a 700 x g, durante 20 minutos a 4ºC.
Recolher o sobrenadante e inativar.
O antígeno pode ser usado imediatamente ou após a incubação
a 37ºC, durante 36 horas, para total inativação.
Estocar a -10ºC.
1.2.3.1.3. Teste
Preparar o ágar Noble, agarose ou ágar purificado a 0,9%.
Distribuir em lâminas de microscópio ou placas de Petri.
Usar furador com 4 mm de diâmetro e com 4 mm de distância.
Distribuir o antígeno suspeito na cavidade central e os soros
controles positivo e negativo nas cavidades externas.
Incubar em câmara úmida, em temperatura ambiente.
Ler após 24 e 48 horas.

43
ANEXO II
FORMULAÇÃO E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS
PARA A PREPARAÇÃO DE REAGENTES E SOLUÇÕES

1. A.C.D. (Ácido cítrico-Citrato de sódio-Dextrose)


Citrato de sódio (Na 3 C6 H5 O7 2H2 O).................................................................11,26 g
Ácido cítrico (C6 H8 O7 2H2 O)............................................................................. 4,00 g
Dextrose (C6H12 O6)........................................................................................... 11,00 g
Água destilada q.s.p. .......................................................................................1.000 ml
Diluir na ordem. Autoclavar a 115ºC por 10 minutos.
2. Ácido clorídrico 0,1 N
Ácido clorídrico (HC1)....................................................................................3,646 ml
Água destilada q.s.p. .......................................................................................1.000 ml
3. Alsever
Dextrose (C6H12 O6).......................................................................................... 20,50 g
Cloreto de sódio (NaCl).................................................................................... 4,20 g
Ácido cítrico (C6 H8 O7 2H2 O)............................................................................. 0,55 g
Citrato de sódio (Na 3 C6 H5 O7 2H2 O)................................................................... 8,00 g
Água destilada q.s.p. ...................................................................................... 1.000 ml
Diluir na ordem. Autoclavar a 115ºC por 10 minutos.
4. P.B.S. (Solução Salina Tamponada) pH 7,2
Fosfato monopotássico (KH2 PO4 )..................................................................... 2,587 g
Fosfato dissódico (Na 2 HPO4 2H2 O).................................................................. 8,494 g
Cloreto de sódio (NaCl).................................................................................... 8,5 g
Água destilada q.s.p. .......................................................................................1.000 ml
Diluir na ordem. Autoclavar a 115ºC por 10 minutos.
5. Salina 0,85%
Cloreto de sódio (NaCl)..................................................................................... 8,5 g
Água destilada q.s.p. .......................................................................................1.000 ml
Autoclavar a 115ºC por 10 minutos.
6. Tampão Glicina-Sarcosil
Lauril Sarcosinato de Sódio a 1% tamponado a pH 9,0 com glicina 0,5 M.
7. Gel a 0,9%
Ágar Noble ou Agarose...................................................................................... 0,9 g
Tampão Borato.................................................................................................. 100 ml
Aquecer em banho-Maria ou vapor fluente até a completa fusão do ágar.
8. Tampão Borato
Cloreto de sódio (NaCl)....................................................................................... 2 g
Água destilad ................................................................................................ 1000 ml
H3 PO3.................................................................................................................. 9 g
Diluir na ordem. Autoclavar a 115ºC por 10 minutos.

44
INSTRUÇÃO NORMATIVA SDA Nº 32, DE 13 DE MAIO DE 2002-
Normas Técnicas de vigilância para doença de Newcastle e influenza aviária e
de controle e erradicação da doença de Newcastle

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA


AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 83, inciso
IV, do Regimento Interno da Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 574, de 8 de dezembro de 1998,
tendo em vista o disposto na Portaria Ministerial nº 193, de 19 de setembro de 1994, e o que consta do Processo
nº 21000.006729/2001-59, resolve:

Art. 1º Aprovar as Normas Técnicas de Vigilância para doença de Newcastle e Influenza Aviária, e
de controle e erradicação para a doença de Newcastle.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Fica revogada a Portaria SDA nº 183, de 8 de novembro de 1994.

LUIZ CARLOS OLIVEIRA

PUBLICADA NO DOU Nº 91, SEÇÃO 1 , DE 14 DE MAIO DE 2002

ANEXO

NORMAS TÉCNICAS DE VIGILÂNCIA PARA DOENÇA DE NEWCASTLE E INFLUENZA AVIÁRIA E


DE CONTROLE E DE ERRADICAÇÃO DA DOENÇA DE NEWCASTLE.

Capítulo I
Introdução

45
1.A presente norma define as medidas de vigilância para doença de newcastle e influenza aviária e de controle e
erradicação a serem aplicadas à doença de newcastle:
1.1.Na vigilância realizada no ponto de ingresso, visando o controle sanitário das aves e do material genético de
aves importado.
1.2.Nos estabelecimentos avícolas de controles permanentes e de controles eventuais.
1.3.Nas propriedades que mantenham aves para comercialização ou de criação, nos criadouros avícolas de
subsistência e demais locais de alojamento de aves em cativeiro.

Capítulo II
Das doenças

1.DOENÇA DE NEWCASTLE: é uma doença infecciosa das aves causada por um vírus da família
Paramyxovírus, gênero Rubulavirus aviário do sorotipo 1 (APMV1), que apresenta um dos seguintes critérios de
virulência:
?? o vírus tem um índice de patogenicidade intracerebral de pelo menos 0,7 em pintos de um dia (Gallus
gallus); ou
?? a presença de múltiplos aminoácidos básicos é demonstrada no vírus (diretamente ou por dedução), na
fração C-terminal da proteína F2, ou o mesmo que a presença de fenilalanina no resíduo 117, que é a
fração N-terminal da proteína F1. O termo “ múltiplos aminoácidos básicos” se refere a pelo menos três
resíduos de arginina ou lisina, entre os resíduos 113 e 116.
Nesta definição, os resíduos de aminoácidos estão numerados a partir da fração N-terminal da seqüência
de aminoácidos deduzida da seqüência nucleotídica do gen. F0, e os resíduos 113-116, correspondentes aos
resíduos – 4 a –1, a partir da zona de clivagem.
Caso não se consiga caracterizar os resíduos típicos de aminoácidos, tal como descritos acima, convém
caracterizar o vírus isolado determinando o índice de patogenicidade intracerebral (RESOLUÇÃO Nº XIII de
maio de 1999, emitida pelo comitê internacional do OIE; Código Zoosanitário Internacional, OIE, 2001).
2.INFLUENZA AVIÁRIA: é uma doença infecciosa das aves causada por um vítus da família Orthomixoviridae,
do gênero Influenzavirus A, B que apresenta um Índice de Patogenicidade Intravenoso (IPIV) > 1.2 em galinhas
de 6 semanas de idade; ou uma infecção provocada por um vírus Influenza A do subtipo H5 ou H7, com uma
seqüência de nucleótidos que apresentem múltiplas bases de aminoácidos no local de clivagem da
hemoaglutinina (Manual Standards of Diagnostics Test and Vaccines OIE, capítulo 2.1.14 ano 1996; Código
Zoosanitário Internacional, OIE, 2001).

Capítulo III
Das definições

1.Para efeito desta norma, entende-se:


1.1.OIE: Escritório Internacional de Epizootias;
1.2.MAPA : Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento;
1.3.SDA: Secretaria de Defesa Agropecuária;
1.4. DDA: Departamento de Defesa Animal;
1.5. CLA: Coordenação de Laboratório Animal;
1.6. CPS: Coordenação de Vigilância e Programas Sanitários;
1.7. PNSA : Programa Nacional de Sanidade Avícola;
1.8. DIPOA : Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal;
1.9. DFA: Delegacia Federal de Agricultura;
1.10.SSA: Serviço de Sanidade Animal;
1.11.SIF: Serviço de Inspeção Federal;
1.12.SERVIÇO OFICIAL: é o serviço de defesa sanitária animal federal, estadual e municipal;
1.13.LABORATÓRIOS OFICIAIS: são os laboratórios da rede do MAPA;
1.14.LABORATÓRIOS CREDENCIADOS: são os laboratórios de outras instituições federais, estaduais,
municipais ou privados, que tenham sido habilitados e reconhecidos pelo MAPA, para a realização de
diagnóstico laboratorial dos agentes das doenças a que se referem estas normas;
1.15.FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO: é o fiscal do MAPA, com formação profissional em medicina
veterinária, que realiza fiscalização e supervisão relativa à defesa sanitária animal;

46
1.16.MÉDICO VETERINÁRIO OFICIAL: é o Fiscal Federal Agropecuário com formação profissional em
medicina veterinária ou o médico veterinário do serviço oficial de defesa sanitária animal;
1.17.MÉDICO VETERINÁRIO CREDENCIADO: é o médico veterinário oficial, estadual e municipal, privado
ou profissional liberal, que recebeu delegação de competência do serviço oficial federal para emissão de Guia de
Trânsito Animal (GTA) ou similar;
1.18.RESPONSÁVEL TÉCNICO: é o médico veterinário responsável pelo controle higiênico-sanitário dos
plantéis do estabelecimento de criação de aves, devidamente registrado no MAPA;
1.19.CERTIFICADOS SANITÁRIOS: são certificados de inspeção sanitária;
1.20.GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL (GTA): é o documento obrigatório para trânsito de aves, ovos férteis e
aves de 1 (um) dia para qualquer movimentação e finalidade;
1.21.FORM IN: é o formulário padronizado pelo DDA, utilizado para abertura de foco de doenças e realização
de investigação epidemiológica;
1.22.FORM COM : é o formulário padronizado pelo DDA, complementar de investigação;
1.23.ESTADOS DO PROGRAMA: são os estados definidos pelo DDA, que desenvolvem ações de
monitorização sanitária das doenças que compõem o PNSA e a vigilância epidemiológica permanente das
doenças aviárias;
1.24.UNIDADE EPIDEMIOLÓGICA: trata-se de uma unidade do estabelecimento avícola, que permite que as
aves ali alojadas sejam tratadas e alimentadas de modo totalmente separado e por pessoal distinto dos demais
empregados;
1.25.MONITORAMENTO DOS PLANTÉIS: é o acompanhamento sanitário e análise laboratorial, por meio de
testes sorológicos e de outras provas, em outros materiais biológicos ou não, e análises epidemiológicas das
condições de saúde das aves alojadas em um estabelecimento avícola e interpretação adequada dos resultados;
1.26.AVES COMERCIAIS: geração de aves destinadas à produção de carnes, ovos, derivados e subprodutos;
1.27.AVE SUSCEPTÍVEL: compreende-se todas as aves domésticas, silvestres, exóticas e ornamentais;
1.28.AVE INFECTADA: é qualquer ave na qual tenha sido oficialmente constatada a presença do vírus da
doença de newcastle ou da influenza aviária, mediante comprovação laboratorial conclusiva;
1.29.PRODUTO ANIMAL: compreende carne, ovos, penas, sangue, vísceras e ossos do animal susceptível;
1.30.CARNE DE AVES: entende-se por carne de ave a parte muscular comestível das aves abatidas, declaradas
aptas à alimentação humana por inspeção veterinária oficial antes e depois do abate;
1.31.CARCAÇA : entende-se pelo corpo inteiro de uma ave após insensibilização ou não, sangria, depenagem e
evisceração, na qual papo, traquéia, esôfago, intestinos, cloaca, baço, órgãos reprodutores e pulmões tenham sido
removidos. É facultativa a retirada dos rins, pés, pescoço e cabeça;
1.32.SUBPRODUTOS: farinhas de carne, de sangue, de penas e de vísceras; resíduos de incubação; cama
aviária; pele e couro; pena e pluma; e fâneros;
1.33.VEÍCULO: qualquer meio de transporte por terra, água ou ar;
1.34.FOCO: é o estabelecimento no qual foi constatado a presença de uma ou mais aves afetadas pela doença de
newcastle ou pela influenza aviária;
1.35.ÁREA PERIFOCAL: é aquela circunvizinha ao foco, cujos limites serão estabelecidos pelo serviço oficial;
1.36.ZONA DE PROTEÇÃO: é a área com um raio de 3 (três) km ao redor do foco, considerada como zona
infectada;
1.37.ZONA DE VIGILÂNCIA: é a área com um raio de 7 (sete) km a partir da zona de proteção ao redor do
foco;
1.38.ZONA DE PROTEÇÃO + ZONA DE VIGILÂNCIA: raio de 10 (dez) km ao redor do foco;
1.39.VAZIO SANITÁRIO: é o tempo em que deverá permanecer as instalações de um estabelecimento avícola
despovoada, após ocorrência de um foco, tendo sido eliminadas as aves e realizada a lavagem e a desinfecção do
galpão;
1.40.SACRIFÍCIO SANITÁRIO: é o sacrifício de todas as aves enfermas, suspeitas de contaminação ou
relacionadas por questão de biossegurança, seus contatos diretos e indiretos;
1.41.DESTRUIÇÃO: eliminação de aves, seus produtos, subprodutos, carne ou carcaças, por meio de qualquer
método físico ou químico que assegure total inativação dos vírus da doença de newcastle e da influenza aviária;
1.42.VACINAÇÃO EMERGENCIAL: é a vacinação empregada como meio de controle da doença, após ter sido
registrado um ou mais focos ou quando a situação epidemiológica ou sanitária assim indicar;
1.43.PROPRIETÁRIO: todo aquele que seja depositário ou que a qualquer título mantenha em seu poder ou em
sua guarda uma ou mais aves susceptíveis;
1.44.PROPRIEDADE: local onde se encontram alojadas aves de criação com finalidade comercial ou não (Ex:
estabelecimentos onde são alojadas aves para lazer ou de criação doméstica e as lojas comerciais);

47
1.45.ESTABELECIMENTO AVÍCOLA: é o local onde são mantidas as aves para qualquer finalidade, podendo
ser constituído de um ou vários núcleos;
1.46.ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE CONTROLES PERMANENTES: são as granjas de seleção
genética de reprodutoras primárias (linhas puras), granjas bisavoseiras, granjas avoseiras, granjas matrizeiras,
granjas de aves reprodutoras livres de patógenos específicos (SPF) e os incubatórios destes estabelecimentos;
1.47.ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE CONTROLES EVENTUAIS: são os estabelecimentos avícolas
produtores de ovos comerciais, de frango de corte, de exploração de outras aves silvestres e/ou ornamentais, e/ou
exóticas ou não, e os incubatórios destes estabelecimentos;
1.48.GALPÃO: é a unidade física de produção avícola, caracterizada como unidade de um núcleo, que aloja um
grupo de reprodutores, aves para produção de carne e/ou de ovos, da mesma idade (exceção das linhas puras de
seleção genética) e da mesma espécie;
1.49.NÚCLEO: é a unidade com área física adequadamente isolada, de manejo comum, constituída de um ou
mais galpões;
1.50.LOTE: grupo de aves de mesma finalidade, origem e idade, alojado em um ou vários galpões;
1.51.BOXES: são divisões físicas dentro de um galpão.

Capítulo IV
Das exigências a serem cumpridas pelos estabelecimentos avícolas

1.Para atender ao PNSA, os estabelecimentos avícolas de controles permanentes e eventuais deverão:


1.1.Estar registrados na DFA, ou cadastrados, nos casos definidos pelo MAPA, no serviço oficial do estado em
que se localizam;
1.2.Estar sob vigilância e controle do SSA/DFA ou da Secretaria Estadual de Agricultura ou do órgão executor
deste, do estado em que se localizam;
1.3.Nos casos definidos em legislação do MAPA, deverão ser assistidos por médico veterinário responsável
técnico, registrado junto à DFA, ou da Secretaria Estadual de Agricultura ou do órgão executor destas, no estado
em que se localizam, quando delegada essa atividade;
1.4.Proceder à notificação imediata às autoridades sanitárias, de qualquer suspeita de ocorrência da doença de
newcastle e da influenza aviária;
1.5.Utilizar somente imunógenos, desinfetantes, antígenos, soros controles e “kits” registrados no MAPA,
observados os números de partida, nome do fabricante e os prazos de validade.

Capítulo V
Da notificação

1.Os médicos veterinários, proprietários ou qualquer outro cidadão, que tenham conhecimento de ocorrência ou
de suspeita da ocorrência da doença de newcastle e da influenza aviária, ficam obrigados a comunicar o fato
imediatamente ao serviço oficial (Decreto nº 24.548, de 03/07/34, e Portaria Ministerial nº 070/94, de 03/03/94).
1.1. A notificação poderá ser efetuada pessoalmente, por telefone, rádio, fax , correio eletrônico ou qualquer
outro meio disponível.
2.A infração ao disposto no item 1 será investigada pelo serviço oficial, que utilizará os meios disponíveis para
apuração de responsabilidades.
2.1.No caso de médico veterinário, além do citado ou disposto no item 2, o serviço oficial deverá proceder de
acordo com a legislação profissional específica.
3.Deve ser realizada a notificação de suspeita ao serviço oficial, preferencialmente por meio da unidade
veterinária local, e enviada para laboratório oficial ou credenciado pelo MAPA, para este fim, de qualquer
material de lesão sugestiva da doença encontrada na fiscalização, no abate ou na realização de necrópsia.
4.Nos matadouros, ocorrendo a constatação da(s) doença(s), deverão ser suspensos os abates até a conclusão dos
trabalhos de limpeza e desinfecção recomendados segundo os critérios estabelecidos pelo DIPOA e realizada a
comunicação imediata ao serviço oficial.

48
Capítulo VI
Das estratégias de atuação

1.A vigilância da doença de newcastle e da influenza aviária e o controle e a erradicação da doença de newcastle
serão executados em todos os estados da federação.
1.1.A influenza aviária por ser considerada exótica nos plantéis industriais de aves no Brasil, deverá ser avaliado
o risco de introdução no país, e se manter sob vigilância permanente.
1.2.Em função da importância econômica da avicultura e das características epidemiológicas, será realizado o
estudo de atividade viral, visando a implantação de zona livre da doença de newcastle em área de produção
industrial, no país e a vigilância para doença de newcastle e influenza aviária, nos estados do programa definidos
como prioritários pelo PNSA/DDA/SDA/MAPA.
2.A profilaxia, o controle e a erradicação destas doenças consistem na aplicação das seguintes medidas de defesa
sanitária animal:
2.1.Notificação de suspeita de focos da doença de newcastle e da influenza aviária;
2.2.Assistência aos focos;
2.3.Adoção de medidas de biossegurança;
2.4.Realização de medidas de desinfecção;
2.5.Sacrifício sanitário;
2.6.Vazio sanitário;
2.7.Análise epidemiológica;
2.8.Vacinação de rotina ou emergencial dos plantéis;
2.9.Controle e fiscalização de animais susceptíveis;
2.10.Controle de trânsito;
2.11.Outras medidas sanitárias.
Capítulo VII
Da assistência aos focos

1.DA SUSPEITA :
1.1.Todas as notificações de suspeita ou de ocorrência da doença de newcastle e da influenza aviária, esta
segunda, considerada exótica nos plantéis industriais de aves do país, deverão ser imediatamente investigadas
pelo serviço oficial, dentro das normas de segurança sanitária, com envio de amostras para laboratório oficial ou
credenciado pelo MAPA, para este fim.
1.2.A notificação de suspeita destas doenças implicará na adoção das seguintes medidas sanitárias:
1.2.1.Interdição da propriedade ou do estabelecimento avícola, abertura de FORM IN e adoção de medidas
sanitárias específicas, com imediata colheita de amostras para remessa ao laboratório da rede oficial ou quando
autorizado pelo MAPA para laboratório cre denciado pelo MAPA, para este fim, acompanhado de uma via do
FORM IN;
1.2.2.Registro de todas as categorias de aves, indicando-se o número de aves mortas, com e sem sinais clínicos
da(s) doença(s) por categoria;
1.2.3.Manutenção das aves nos locais de alojamento ou confinadas em outros locais estabelecidos a critério do
fiscal federal agropecuário ou do médico veterinário oficial, onde possam permanecer isoladas, sendo proibida a
sua movimentação;
1.2.4.Controle pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial de qualquer movimento de
pessoas, animais, veículos, carnes, carcaças, detritos, dejetos, camas, fômites e estruturas que possam propagar
a(s) doença(s);
1.2.5.Utilização dos meios adequados de desinfecção nas entradas e saídas de cada instalação do estabelecimento
avícola, de acordo com as recomendações do OIE;
1.2.6.Condução de inquérito epidemiológico com abertura de FORM IN e posteriormente de FORM COM, para
a determinação da origem da infecção e de sua propagação;
1.2.7.Seqüestro da carne das aves produzidas e dos ovos no período de incubação da doença.
2.DA CONFIRMAÇÃO:
2.1.Confirmando-se o diagnóstico laboratorial da doença de newcastle ou da influenza aviária, definidas no
Capítulo II, dessa norma, por meio de provas laboratoriais conclusivas, serão adotadas, na propriedade onde foi
identificado o foco, as seguintes medidas pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial:

49
2.1.1.Sacrifício imediato no local de todas as aves presentes no estabelecimento avícola;
2.1.2.Destruição de todas as aves que tenham morrido ou tenham sido sacrificadas;
2.1.3.Destruição ou tratamento apropriado de todos os resíduos, tais como: ração, cama e fezes, e dos fômites
susceptíveis de estarem contaminados;
2.1.3.1.O tratamento deverá ser efetuado em conformidade com as instruções do fiscal federal agropecuário ou
do médico veterinário oficial, de forma que possa ser assegurada a destruição dos vírus da doença de newcastle
ou da influenza aviária.
2.1.4.Destruição da carne de todas as aves provenientes da granja e abatidas durante o período de incubação da
doença;
2.1.5.Destruição dos ovos e dos subprodutos produzidos durante o período provável de incubação da doença;
2.1.6.Limpeza e desinfecção completa das instalações de criação;
2.1.7.Estabelecer o vazio sanitário de, no mínimo, 21 (vinte e um) dias antes da reintrodução de aves no
estabelecimento avícola, iniciado após a realização dos processos de desinfecção;
2.1.8.A critério do serviço oficial, pela avaliação epidemiológica e de risco sanitário, estas medidas poderão ter
sua aplicação estendida a outros estabelecimentos avícolas;
2.1.9.O serviço oficial procederá a investigação epidemiológica em todas as propriedades com aves,
estabelecimentos avícolas e dos demais locais de alojamento de aves da área, zona de proteção, constituída num
raio de 3 (três) quilômetros e um raio de 7 (sete) quilômetros ao redor do foco, a partir da zona de proteção (zona
de vigilância), determinadas com base em fatores de origem geográfica, administrativa, ecológica e
epizootiológica relacionados com a doença, registrando todas as visitas e as ocorrências constatadas;
2.1.10.O serviço oficial estabelecerá a proibição de movimentação e retirada de aves das propriedades e dos
estabelecimentos avícolas, dentro da zona de vigilância, no período mínimo de 21 (vinte e um) dias, exceto as
destinadas ao abate sanitário em matadouro, preferencialmente com SIF, situado dentro da zona de vigilância,
designado e acompanhado pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial.
3.Nos locais onde estejam armazenados os materiais seqüestrados, será realizada limpeza e desinfecção das
instalações e destruição dos produtos e subprodutos.
4. ZONA DE PROTEÇÃO:
4.1.Deverão ser adotadas medidas com relação à zona de proteção, conforme segue:
4.1.1.Visita imediata pelo serviço oficial e de acompanhamento posterior a todas as propriedades com aves,
estabelecimentos avícolas e locais de alojamento de aves, realizando avaliação clínica das aves alojadas e tomada
de amostras para exames laboratoriais, registrando todas as visitas e as ocorrências constatadas;
4.1.2.Manutenção de todas as aves no seu alojamento ou em outro lugar que permita isolamento, a critério do
serviço oficial;
4.1.3.Utilização de sistemas de desinfecção apropriados, segundo critérios do serviço oficial, nas entradas e
saídas da propriedade ou do estabelecimento avícola;
4.1.4.O serviço oficial procederá o controle de movimentação, dentro desta zona, de pessoas, de materiais, de
equipamentos e de veículos que representem risco sanitário;
4.1.5.O serviço oficial adotará a proibição de movimentação e retirada de aves, ovos, esterco, ração, subprodutos
de aves, fômites da propriedade ou do estabelecimento avícola em que se encontrem, salvo com autorização do
serviço oficial competente para o transporte, nas seguintes condições:
4.1.5.1.Aves para seu abate imediato, preferentemente em um matadouro com SIF, situado na área infectada ou,
se não for possível, a um situado fora desta, quando avaliado, designado e acompanhado pelo fiscal federal
agropecuário ou pelo médico veterinário oficial;
4.1.5.2.Pintos de um dia ou aves para uma exploração situada dentro da zona de vigilância e que não tenha outras
aves alojadas;
4.1.5.3.Ovos para incubação e nascimento num incubatório dentro das zonas de proteção ou de vigilância,
designado pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial, controlados e realizados em
máquinas separadas.
4.1.5.3.1.Os ovos e suas embalagens deverão ser desinfectados antes do transporte ao incubatório.
4.1.6.Os deslocamentos citados deverão ser realizados diretamente sob controle do serviço oficial e autorizados
após a inspeção sanitária da propriedade ou do estabelecimento avícola, realizada pelo fiscal federal agropecuário
ou pelo médico veterinário oficial;
4.1.7.Os meios de transporte empregados deverão ser limpos e desinfectados antes e depois da sua utilização;
4.1.8.A retirada do esterco, da ração e dos subprodutos das aves fica condicionada ao controle do transporte e
destino pelo serviço oficial, quando, após avaliação criteriosa, não representar risco de disseminação da(s)
doença(s);

50
4.1.9.O serviço oficial adotará a proibição de realização de feiras, mercados, exposições e demais concentrações
de aves de qualquer tipo;
4.1.10.O serviço oficial procederá a introdução de aves-sentinelas na propriedade foco despovoada;
4.1.11.O serviço oficial estabelecerá a realização de controle sorológico, em laboratório oficial ou credenciado
pelo MAPA para este fim, das aves -sentinelas a cada sete dias até completar o período de vazio sanitário mínimo
de 21 (vinte e um) dias;
4.1.12.As medidas aplicadas na zona de proteção se manterão até conclusão do diagnóstico laboratorial e do
inquérito epidemiológico, por pelo menos 21 (vinte e um) dias depois da realização, na propriedade ou no
estabelecimento avícola infectado, das operações preliminares de limpeza e desinfecção ou por determinação do
serviço oficial. Após essas medidas, a zona de proteção passará a fazer parte da zona de vigilância.
5.ZONA DE VIGILÂNCIA
5.1.Deverão ser adotadas medidas com relação à zona de vigilância, conforme segue:
5.1.1.Investigação em todas as propriedades com aves, estabelecimentos avícolas e locais de alojamento de aves,
num raio de 10 (dez) quilômetros, registrando todas as visitas e as ocorrências constatadas;
5.1.2.Proibição pelo serviço oficial de movimentação de aves e ovos dentro da zona, nos primeiros 15 (quinze)
dias;
5.1.3.Manutenção de todas as aves no seu alojamento ou em outro lugar que permita isolamento, a critério
do serviço oficial;
5.1.4.Proibição pelo serviço oficial de movimentação e retirada de aves da propriedade e do estabelecimento
avícola dentro da zona de vigilância, exceto as destinadas a abate sanitário em matadouro preferencialmente com
SIF, situado dentro da zona de vigilância ou próximo, quando avaliado e designado pelo fiscal federal
agropecuário ou pelo médico veterinário oficial;
5.1.5.Proibição pelo serviço oficial de retirada de ovos para fora da zona de vigilância, salvo se enviados a um
incubatório para incubação e nascimento, avaliado e designado pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico
veterinário oficial, sendo a incubação controlada e realizada em máquinas separadas;
5.1.5.1.Estes ovos e as suas embalagens deverão ser desinfectados antes do transporte ao incubatório.
5.1.6.Proibição de retirada e utilização do esterco, ração e subprodutos de aves sem autorização do serviço
oficial;
5.1.7.Proibição pelo serviço oficial de realização de feiras, mercados, exposições e demais concentrações de aves
de qualquer tipo;
5.1.8.Controle pelo serviço oficial de movimentação, dentro desta zona, de pessoas, de materiais, de
equipamentos e de veículos que representem risco sanitário.
5.2.As medidas aplicadas na zona de vigilância se manterão até conclusão do diagnóstico laboratorial e do
inquérito epidemiológico por pelo menos 30 (trinta) dias, por determinação do serviço oficial, após realização, na
exploração infectada, das operações preliminares de limpeza e desinfecção.
6.As operações descritas neste capítulo poderão circunscrever-se àquelas áreas do estabelecimento que formem
uma unidade epidemiológica, desde que assegurada pelo serviço oficial a improbabilidade de propagação da(s)
doença(s) às demais unidades não-infectadas.

Capítulo VIII
Da colheita de amostras e do encaminhamento para realização de provas laboratoriais

1.Locais e eventos onde se realiza a colheita de material:


1.1.De aves procedentes de qualquer país, no ponto de ingresso (porto, aeroporto ou fronteira) ou no
quarentenário, por ocasião da inspeção veterinária para o desembaraço de entrada;
1.2.Na suspeita de ocorrência de foco avaliada pelo serviço oficial;
1.3.Na realização do projeto de estudo de atividade viral, visando a implantação de zona livre para doença de
newcastle em área de produção industrial no país e vigilância da doença de newcastle e da influenza aviária, para
o monitoramento plantéis avícolas nacionais pelo serviço oficial de defesa sanitária animal e de inspeção de
produtos de origem animal, dentro das suas áreas de competência.
2.Amostras
2.1.Para isolamento e identificação do vírus, devem ser obtidas amostras de aves vivas ou após necrópsia das
aves sacrificadas, ou daquelas que morreram com sintomas clínicos sugestivos da doença de newcastle ou da
influenza aviária.

51
2.1.1.Aves vivas:
2.1.1.1.Soro;
2.1.1.2.Suabe de cloaca;
2.1.1.3.Suabe de traquéia;
2.1.1.4.Fezes frescas.
2.1.2.Aves necropsiadas (coletar assepticamente, isolado ou em “pool”):
2.1.2.1.Baço;
2.1.2.2.Cé rebro;
2.1.2.3.Coração;
2.1.2.4.Fezes;
2.1.2.5.Fígado;
2.1.2.6.Humor aquoso;
2.1.2.7.Intestino;
2.1.2.8.Proventrículo;
2.1.2.9.Pulmão / traquéia;
2.1.2.10.Sacos aéreos;
2.1.2.11.Suabe oro-nasal;
2.1.2.12.Tonsilas cecais.
2.2.Em caso de suspeita de foco, visando a reduzir o risco de disseminação e difusão do(s) vírus da(s) doença(s)
durante o transporte até o laboratório, recomenda-se a realização de necrópsia no local, com colheita de material
e acondicionamento adequado, para envio ao laboratório oficial ou designado pelo MAPA.
3.Colheita e acondicionamento das amostras
3.1.Deverão ser colhidas em PBS, pH 7.2, contendo antibióticos nas concentrações de:

ANTIBIÓTICOS AMOSTRA
(p/ml de PBS) SUABES
Traquéia Cloaca FEZES ÓRGÃ
OS
Penicilina 2000 UI 10000 UI 10000 2000 UI
UI
Estreptomicina 2 mg 10 mg 2 mg
10 mg
Gentamicina 50 ? g 250 ? g 50 ? g
250 ? g
Fungizona 1000 UI 5000 UI 1000 UI
5000 UI

3.2.Devidamente identificadas, refrigeradas, lacradas e acondicionadas em caixas isotérmicas;


3.3.Acompanhadas de FORM IN ou de formulário de colheita padronizado pelo DDA,
devidamente preenchido;
3.4.Serão registradas nos laboratórios oficial ou credenciado pelo MAPA, para este fim, em
livro próprio, conforme modelo indicado pela CLA/DDA/SDA/MAPA;
3.5.Quando destinadas à sorologia, deverão estar resfriadas ou preferencialmente congeladas.
Não serão aceitas amostras de sangue total ou com presença de coágulo;
3.6.Quando recebidas, deverão ser obrigatoriamente divididas em 2 (duas) alíquotas e
identificadas, uma como prova e outra como contraprova;
3.7.A targeta de identificação da contraprova, conforme modelo indicado pela
CLA/DDA/SDA/MAPA, será preenchida e lacrada juntamente com as amostras para
contraprova; o lacre será plástico, numerado e inviolável.

52
3.8.No ocaso específico do projeto de estudo de atividade viral da doença de newcastle e
vigilância da doença de newcastle e da influenza aviária, não se aplicam os itens 3.6 e 3.7.
4.Conservação e estocagem
4.1.As amostras destinadas a exames virológicos deverão ser mantidas sob refrigeração,
preferencialmente congeladas até seu processamento.
4.2.As amostras destinadas à sorologia deverão ser mantidas congeladas a –20ºC, até o seu
processamento.
4.3.Após a emissão do resultado, as amostras deverão ser mantidas congeladas a –20ºC, por
um período mínimo de 30 (trinta) dias.

Capítulo IX
Do diagnóstico laboratorial

1.Os procedimentos e as provas laboratoriais, para o diagnóstico da doença de newcastle e da


influenza aviária, são determinados por normas específicas da SDA/MAPA, podendo ser
realizadas algumas das seguintes provas:
1.1. Ensaio imunoenzimático (ELISA);
1.2. Teste de hemaglutinação (HA);
1.2. Teste de inibição da hemaglutinação (HI);
1.3. Tempo médio de morte embrionária (TMM);
1.4. Índice de patogenicidade intracerebral (IPIC);
1.5. Índice de patogenicidade intravenosa (IPIV);
1.6. Imunodifusão em agar gel (AGP);
1.7. Técnicas de biologia molecular.
2.Outras provas somente poderão ser utilizadas quando devidamente aprovadas pela
PNSA/CPS/DDA/SDA.
3.Somente serão aceitos resultados laboratoriais de exames relativos ao diagnóstico destas
doenças padronizados pelo MAPA, realizados pelos laboratórios oficiais ou credenciados pelo
MAPA, para este fim, e confirmados pelo Laboratório de Referência Nacional.
4.Todos os profissionais e os laboratórios que realizem o diagnóstico de doenças aviárias
ficam obrigados a procederem a notificação imediata de suspeita ou de ocorrência da doença
de newcastle ou da influenza aviária.
5.Todo material destinado a provas laboratoriais deverá estar, obrigatoriamente, acompanhado
de FORM IN ou de formulário de colheita padronizado pelo DDA/SDA/MAPA, devidamente
preenchido, assinado pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial, ou
ainda pelo responsável pela colheita endossado pelo serviço oficial.
5.1.No ponto de ingresso, será utilizado o formulário de material de importação, padronizado
pelo MAPA.
5.2.No projeto de estudo de atividade viral da doença de newcastle e de vigilância da doença
de newcastle e da influenza aviária, será utilizado o formulário de colheita padronizado pelo
DDA/SDA/MAPA.
5.3.No caso de suspeita de foco destas doenças, será utilizado o FORM IN.

Capítulo X
Do encaminhamento dos resultados laboratoriais

53
1.Os resultados dos testes laboratoriais deverão ser emitidos em formulário próprio,
padronizado pelo MAPA e comunicados seguindo o fluxograma determinado:
1.1.Resultado negativo: enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para o
DDA/SDA/MAPA e para o SSA/DFA/MAPA do estado em que se localiza o
estabelecimento;
1.2.Resultado positivo: enviar FAX ou outro tipo de documentação imediata ao
DDA/SDA/MAPA, que notificará ao SSA/DFA/MAPA.

Capítulo XI
Do estudo de atividade viral para doença de newcastle e vigilância para doença de newcastle e
influenza aviária

1.Serão realizadas atividades profiláticas visando o controle da introdução, em território


nacional, de possíveis agentes de doenças exóticas, como da influenza aviária, na vigilância
epidemiológica e sanitária permanente da doença de newcastle:
1.1.No ponto de ingresso, no momento do desembarque, na fiscalização sanitária do material
genético (das aves ou dos ovos férteis), pelo serviço de vigilância aeroportuária
(SVA/DFA/MAPA);
1.2.Na quarentena oficial, das aves ou da incubação dos ovos férteis, pelo serviço oficial.
2.A colheita de material de aves de um dia, ovos férteis ou suabes de cloaca e traquéia,
originários de qualquer país, terá seu encaminhamento ao laboratório oficial, em embalagem
lacrada pelo MAPA, para realização de exames laboratoriais, para identificação dos agentes
das doenças, acompanhado de formulário de colheita padronizado.
3.O projeto de estudo de atividade viral para doença de newcastle, e vigilância da doença de
newcastle e da influenza aviária para o monitoramento dos plantéis avícolas nacionais, nos
diferentes estados da federação, será implantado pelo DDA/SDA/MAPA, observando a
situação epidemiológica das doenças, considerando a situação de doença exótica para
influenza aviária nos plantéis brasileiros, industriais de aves:
3.1.Será implantado inicialmente em área de produção industrial, podendo ser expandido para
outros sistemas de produção de acordo com a avaliação do projeto e por determinação do
DDA/SDA/MAPA.
3.2.Os estados participantes do projeto serão definidos pelo DDA/SDA/MAPA.
3.3.As colheitas periódicas de soro sangüíneo, suabes de traquéia e suabes de cloaca das
mesmas aves, de um único lote realizadas em matadouros com SIF, podendo ser feitas
colheitas nos estabelecimentos de criação por determinação do
PNSA/CPS/DDA/SDA/MAPA, de acordo com o projeto em pauta.
3.4.Os exames laboratoriais realizados serão testes sorológicos, isolamento e caracterização
viral;
3.5.As atividades relativas à colheita de amostras poderão ser realizadas pelos SSA, SIF das
DFA`s/MAPA ou pelas Secretarias Estaduais de Agricultura ou órgãos executores destas,
quando delegada esta atividade, de acordo com o projeto em pauta.
3.6.As provas sorológicas utilizadas neste projeto serão definidas no âmbito do
DDA/SDA/MAPA, observando a correlação entre as mesmas.
3.7.As colheitas para o monitoramento e o diagnóstico somente serão aceitas quando
executadas pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial ou sob sua
fiscalização e supervisão.

54
3.8.A amostragem, a periodicidade de colheita, os testes sorológicos, os critérios de análise
relativos a aves vacinadas e não-vacinadas e a interpretação dos resultados serão definidas no
referido projeto.
4.As provas laboratoriais serão realizadas pelo laboratório oficial do MAPA, de referência
nacional para estas doenças e poderão ser realizadas nos laboratórios de instituições federais
ou estaduais quando indicados pelo CLA/DDA/SDA/MAPA.
5.As análises epidemiológicas serão realizadas a partir de um sistema de informações
estabelecido pelo DDA/SDA/MAPA.
6.As avaliações dos resultados serão realizadas no DDA/SDA/MAPA em nível nacional.

Capítulo XII
Das medidas de limpeza e desinfecção

1.As medidas de limpeza e desinfecção adotadas no controle dos focos seguirão os critérios
estabelecidos pelo manual do OIE e em manuais específicos do
PNSA/CPS/DDA/SDA/MAPA.

Capítulo XIII
Da vacinação

1.A vacinação sistemática contra a doença de newcastle é facultativa nos estados da federação,
observando-se a situação epidemiológica local.
2.De acordo com a situação epidemiológica de cada região, após avaliação do serviço oficial,
a vacinação das aves contra a doença de newcastle poderá ser obrigatória em propriedades e
nos estabelecimentos avícolas de controles permanentes e de controles eventuais, podendo ser
regularmente efetuada.
3.Caberá ao serviço oficial federal, em situações emergenciais das doenças, estabelecer
esquemas de vacinação por área.
4.A vacinação contra estas doenças somente poderá ser realizada com vacinas registradas e
aprovadas pelo MAPA (Decreto nº 1.662, de 06/10/95, e Portaria Ministerial nº 186, de
13/05/97), seja como medida de ordem profilática ou de controle da doença.
5.No caso da influenza aviária, por se tratar de doença exótica no país, a vacinação somente
poderá ser realizada quando autorizada pelo DDA/SDA, após comprovação da ocorrência da
doença, avaliação de risco e análise da situação epidemiológica.

Capítulo XIV
Do trânsito

1.No intuito de evitar a introdução e a propagação dessas doenças, por ocasião da expedição
da GTA para aves susceptíveis ou para o trânsito interestadual de aves destinadas ao abate nos
matadouros, deverão ser
exigidas pelo emitente, entre outras, as seguintes condições:
1.1.Nos estabelecimentos de produção abastecedores de mercados internacionais:
1.1.1.As aves devem ser provenientes de propriedade ou de estabelecimento avícola, no qual
90 (noventa) dias anteriores não tenha sido constatado nenhum foco da doença de newcastle e

55
da influenza aviária, e que nas proximidades do mesmo, num raio de 10 (dez) km, não tenha
sido constatado nenhum caso destas doenças nos últimos 30 (trinta) dias;
1.1.2.Observada a situação epidemiológica local e o Capítulo XIII, desta norma, os
requerentes pelo trânsito de aves susceptíveis em áreas consideradas de risco deverão
comprovar que as mesmas não foram vacinadas contra a doença de newcastle, no mínimo 30
(trinta) dias antes do abate.
2.As aves susceptíveis serão impedidas de transitar quando desacompanhadas da GTA,
expedida em conformidade com estas normas, devendo a autoridade competente lavrar o
respectivo Termo de Ocorrência e determinar o retorno à origem, sem prejuízo das demais
sanções cabíveis.
3.Para realização do trânsito interestadual, é obrigatória a utilização de GTA. Para o trânsito
intraestadual, é obrigatória a utilização de GTA, podendo ser utilizada, em casos excepcionais
justificados, a aceitação do documento similar de trânsito estabelecido no âmbito estadual.
4.Os veículos transportadores de aves susceptíveis deverão ser lavados e desinfectados, de
acordo com orientação do serviço oficial.
5.O transporte de resíduos e subprodutos de aviários deverá ser realizado em veículos
protegidos ou fechados.

Capítulo XV
Do controle na incubação

1.Das medidas de biossegurança na incubação, quando determinada pelo serviço oficial:


1.1.A incubação dos ovos deverá atender ao disposto no Capítulo VII, desta norma,
respeitando o estabelecido no controle das zonas de proteção e de vigilância;
1.2.Fica proibida a incubação de ovos férteis de bisavós, avós e matrizes na mesma máquina e
no mesmo período, devendo ser atendidos os critérios sanitários da linhagem superior.

Capítulo XVI
Das disposições gerais

1.O SSA/DFA/MAPA do estado em que se localiza o estabelecimento avícola e as Secretarias


Estaduais de Agricultura ou os órgãos executores destas, são os organismos responsáveis, na
sua área de atuação e competência, pela definição das medidas apropriadas para a solução dos
problemas de natureza sanitária, observando o estabelecido no Regulamento de Defesa
Sanitária Animal e no PNSA.
2.Em razão da característica de emergência sanitária da ocorrência de foco da doença de
newcastle ou da influenza aviária e a necessidade de adoção pelo serviço oficial de medidas de
erradicação imediatas, os estabelecimentos produtores de aves livres de patógenos específicos
(SPF) deverão fornecer dez aves a partir da solicitação oficial, aves estas, que serão utilizadas
como sentinelas para avaliação e encerramento do foco.
3.No caso de influenza aviária, por se tratar de doença exótica no plantel avícola industrial
nacional, deverão ser observadas, investigadas e avaliadas laboratorialmente e
epidemiologicamente pelo serviço oficial, adicionalmente ao descrito no item 2, do Capítulo
II, destas normas, as seguintes situações:
3.1.Qualquer vírus influenza que seja letal para 6, 7, e 8 aves susceptíveis de 4-6 semanas em
até 10 dias após inoculação endovenosa com 0,2 ml de líquido cório-alantóide diluído a 1:10,
livre de contaminação bacteriana;

56
3.2.Qualquer vírus de influenza H5 ou H7 que não atenda ao critério do item anterior, mas que
tenha uma seqüência de aminoácidos (no sítio de clivagem da hemaglutinina), que seja
compatível com vírus de influenza altamente patogênica;
3.3.Qualquer vírus da influenza que não seja H5 ou H7, que mate 1 a 5 vezes (patogenicidade)
e cresça em cultivo celular na ausência de tripsina.
3.4.Após criteriosa avaliação do serviço oficial e do PNSA/CPS/DDA/SDA/MAPA serão
adotadas as medidas sanitárias pertinentes ao caso.
4.Os casos omissos e as dúvidas suscitadas na aplicação desta norma e em atos
complementares serão dirimidos pelo DDA/SDA/MAPA.

SALMONELOSE AVIÁRIA
PORTARIA Nº 8, DE 23 DE JANEIRO DE 1995 - Método Analítico de
Carcaça de Aves e Pesquisa de Salmonella

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, usando da atribuição que lhe confere o Art.


78, item VII, do Regimento Interno da Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 212, de 21 de agosto de
1992, resolve:

Art. 1º Aprovar as alterações introduzidas no método analítico de carcaças de aves e pesquisa de


Salmonella, que com esta baixa, conforme normas anexas.

Art. 2º Revogar os itens 2.6 e 21, constantes da parte III, da Portaria nº 101, de 11 de agosto de
1993, publicada no Diário Oficial da União de 17 de agosto de 1993.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

TÂNIA MARIA DE PAULA LYRA

ANEXO
MÉTODO ANALÍTICO DE CARCAÇA DE AVES E PESQUISA DE SALMONELLA

2.6 - CARCAÇA DE AVES


Quando congeladas, descongelar sob refrigeração por 18 horas. Pesar assepticamente, 25 gramas de
pele e músculos das regiões do pescoço, cloaca e asas e homogeneizar com 225 ml de água peptonada a
0,1%. Preparar as diluições subsequentes com o mesmo diluente. Para pesquisa de Salmonella, pesar
separadamente 25 gramos e adicionar 225 de Água peptonada 1% tamponada.

21 - PESQUISA DE Salmonella
Os membros do gênero Salmonella são agentes de infecções intestinais humanas e animais. Dentre
os agentes de Doenças Veiculadas por Alimentos, o gênero Salmonella é um dos principais responsáveis por
casos fatais e por complicações clínicas dos afetados. Desta forma, além da alta taxa de morbi-mortalidade,
sua incidência no homem e animais implica em gastos significativos com medicamentos e hospitalizações.
As atividades de inspeção e fiscalização de alimentos têm, como objetivo crítico o controle e a
prevenção dos membros deste grupo e das implicações de sua presença nos alimentos, assim como da
observância de boas práticas de manufatura e dos programas de controle que devem incluir a certificação da
adequacidade das medidas adotadas, em especial para este gênero de bactéria. Os métodos laboratoriais para
a sua pesquisa incluem uma etapa de pré -enriquecimento, visando minimizar os efeitos do processo
tecnológico de obtenção do alimento capaz de promover injúria fisiológica, sem inativá-las biologicamente.

57
A presença de salmonelas é determinada em 25 g ou ml da amostra sob análise, no mínimo. O
resultado positivo para esta pesquisa é interpretado considerando o risco potencial que apresenta, o que
significa impropriedade ao consumo do produto em questão.
21.1 - MEIOS DE CULTURA
Água peptonada a 1%, tamponada
Caldo tetrationato
Caldo Rappaport Vassiliadis
Caldo Selenito Cistina
Ágas RAMBACH
Ágar verde brilhante vermelho de fenol lactose sacarose (BPLS) com novobiocina
Ágar xilose lisina desoxicolato (XLD)
Ágar para enterobacterias de Hektoen
Caldo uréia
Ágar tríplice açúcar ferro
Ágar lisina ferro
Ágar SIM
Caldo malonato-fenilalanina
Caldo dulcitol
Ágar Citrato de Simmons
21.2 - REAGENTES
Solução salina a 0,85%. estéril;
Solução iodo-iodeto (iodo 5g, iodeto de potássio 8,0 g, água destilada 40 ml);
Reativo de Kovacs (Paradimetilaminobenzaldeído 5,0g, álcool isoamílico 75,0 ml, ácido clorídrico
concentrado 25,0ml). Dissolver o paradimetilaminobenzaldeído em álcool isoamílico e adicionar o ácido
clorídrico, lentamente:
Solução aquosa de verde brilhante a 0,1%, estéril;
Solução aquosa de cloreto férrico a 10%;
Ácido clorídrico a 0,1 n
Solução aquosa de novobiocina a 4%, esterilizada por filtração.
21.3 - TÉCNICA
a) PRÉ-ENRIQUECIMENTO
Pesar assepticamente 25g da amostra, adicionar 225 ml de água peptonada a 1%, tamponada.
Incubar a 35ºC, por 18-24 horas.
Exceções:
1 - Para o pré -enriquecimento de leite em pó e farinhas lácteas, dissolver 25g do produto em 225 ml
de água peptonada a 0,1%, estéril, aquecida à 45ºC. Ajustar o pH para 6,8-6,9. Adicionar 5ml de
solução aquosa de verde brilhante a 0,1%, estéril.
2 - No pré-enriquecimento de água de “chiller”, homogeneizar e transferir 100 ml da amostra para
um frasco contendo 50 ml de água peptonada a 1%, tamponada, em concentração tripla.
b) ENRIQUECIMENTO SELETIVO
Pipetar alíquotas de 0,1ml da cultura pré-enriquecida e transferir para tubos contendo 10 ml de
caldo tetrationato ou de caldo selenito cistina. Incubar ambos os meios a 43ºC, por 24 horas, em
banho-maria.
c) ISOLAMENTO E SELEÇÃO
A partir dos caldos de enriquecimento seletivo, semear em placas com ágar RAMBACH e de
ágar BPLS adicionado de 0,1ml da solução de novobiocina a 4% por 100ml do meio ou ágar
Hektoen. Incubar todas as placas a 35ºC por 24 horas.
Características das colônias de Salmonella:
1 - Em ágar RAMBACH as colônias de Salmonella apresentam-se de cor vermelha.
2 - Em ágar BPLS apresentam-se incolores ou de cor rosada, entre translúcida ou ligeiramente
opacas. Quando rodeadas por microrganismos fermentadores de lactose, poderão apresentar-se de
cor verde-amarelada.
Em ágar Hektoen, apresenta-se de cor verde ou verde azuladas, revelando ou não a produção de
ácido sulfídrico (H2S) (centro escuro).
Para leitura e interpretação verificar os quadros a seguir :

58
1 - Ágar TSI
Microrganismo Base Bisel H2S
S. typhi Amarela Sem alteração ou vermelho Positivo só na parte sup. da base
S. paratyphi A Amarela com gás Sem alteração ou vermelho Negativo
S.cholerae suis
Spollorum Amarela com gás Sem alteração ou vermelho Positivo (base preta)
S. paratyphi B Amarela com gás Sem alteração ou vermelho Positivo (base preta)
S. typhimurium
S. enteritidis
S. gallinarum Amarela Sem alteração ou vermelho Positivo (base preta)
S. dysenterias Amarela Sem alteração ou vermelho Negativo
S. boydii
S. flexneri*
S. sonei Amarela Amarelo Negativo
E. aerogenes Amarela com gás Amarelo Negativo
E. cloacae
E. coli Amarela com gás Amarelo Negativo
Klebsiella
C. freundii Amarela com gás Amarelo Positivo
P. vulgaris Amarela c/s gás Sem alteração ou vermelho Positivo(verde enegrecido)
P. mirabilis Amarela c/s gás Sem alteração ou vermelho Positivo (verde enegrecido)
P. rettgeri Amarela/vermelha Sem alteração ou vermelho Negativo
P. morganii Amarela c/s gás Sem alteração ou vermelho Negativo
P. aeruginosa S/alteração/verm. Sem alteração ou vermelho Negativo
*Sorotipo 6 - Variedade Newcastle com produção de gás na base

2 - Ágar Lisina Ferro


Microrganismo Base Bisel H2S
Arizona Violeta Violeta Positivo
Salmonella* Violeta Violeta Positivo
P. mirabilis Amarela Pardo avermelhado Positivo
P. vulgaris
P. rettgeri Amarela Pardo avermelhado Negativo
Providência Amarela Pardo avermelhado Negativo
C. freundii Amarela Violeta Positivo
E. coli Amarela Violeta Negativo
Shigella Amarela/violeta Violeta Negativo
K. pneumoniae Violeta Violeta Negativo
Exceção: S. paratyphi A, coluna amarela e bisel violeta (não produz lisina descarboxilase).
3 - Caldo malonato-fenilalanina:
a) Verificar se houve ou não a degradação do malonato pela viragem do indicador. A maioria das
Salmonellas são malonato negativo.
b) Após leitura do malonato, adicionar algumas gotas de HCl 0,1 N até que o meio fique totalmente
amarelo; acrescentar 3 a 4 gotas de cloreto férrico a 10%. A viragem para verde indica reação
positiva, enquanto que a persistência da cor amarela indica reação negativa. As salmonelas são
fenilalanina negativas.
4 - Caldo Dulcitol - 48 horas. Observar a fermentação do dulcitol pela viragem do indicador
vermelho de fenol para amarelo. A maioria das Salmonellas são dulcitol positivo.

59
5 - Ágar Citrato de Simmons - 96 horas. Semear com agulha a superfície inclinada do ágar. O
crescimento com consequente mudança da cor do meio para azul indica a utilização do citrato como
única fonte de carbono (reação positiva). A maioria das salmonelas são citrato positivo.
6 - Meio SIM - Interpretar conforme o quadro 3.
3 - MEIO SIM

MICRORGANISMO H2S INDOL MOTILIDADE


Escherichia - + +
Enterobacter - - +
Citrobacter + - +
Klebsiella - - -
Salmonella + - +*
Shigella - + -
Proteus vulgaris + + +
Proteus mirabilis + - +
Morganella - + +
Arizona + - +
Hafnia - - +
Serratia - - +
Providencia - + +
Edwardsiella + + +
Y. enterocolitica - -(+) -

Realizar o teste sorológico dos cultivos que apresentarem os seguintes resultados:


- Urease-negativa
- Produção de H2S - positiva
- Descarboxilação da lisina - positiva
- Utilização do citrato - positiva ****
- Produção de indol - negativa
- Motilidade - positiva *
- Assimilação do malonato - negativo **
- Fermentação de Dulcitol - positiva ***
- Fenilalanina - negativa
* - S. Pullorum e S. Gallinarum são imóveis
** - S. arizonae assimila o malonato
*** - S. arizonae não fermenta o dulcitol
**** - 25% das cepas de Salmonella são citrato negativo.
d) TESTE SOROLÓGICO-AGLUTINAÇÃO RÁPIDA
Adicionar ao cultivo em ágar nutritivo inclinado aproximadamente a 2ml de solução salina e
0,85%. Homogeneizar.
Com pipeta de Pasteur depositar separadamente em lâmina de vidro, duas gotas da suspensão.
Acrescentar 1 gota do soro anti-Salmonella polivalente “O” sobre uma das gotas da suspensão
na lâmina e misturar, e sobre a outra, 1 gota de solução salina.
Realizar a leitura com iluminação sobre fundo escuro em 1-2 minutos.
Classificar a reação do seguinte modo:
1 - Positiva: presença de aglutinação somente na mistura cultivo + antisoro.
2 - Negativa: ausência de aglutinação em ambas as misturas.
3 - Não específica: presença de aglutinação em ambas as misturas (formas rugosas).
OBS: Os cultivos com resultados positivos no teste de aglutinação com o soro anti-Salmonella
polivatene “O” deverão ser remetidas ao Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro para sua
tipificação final.
21.4 - COMPOSIÇÃO E PREPARO DOS MEIO DE CULTURA
a) ÁGUA PEPTONADA A 1% TAMPONADA
Peptonada de carne...............................................................................................10,0 g

60
Cloreto de sódio (NaCl)........................................................................................... 5,0g
Fosfato de sódio (NaHPO4).................................................................................. 9,0 g
Fosfato de potássio (KH2PO4)............................................................................... 5,0 g
Dissolver os componentes em 1 litro de água destilada/deionizada.
Distribuir em frascos volumes de 225 ml e autoclavar a 121ºC, por 15 minutos.
pH final 7,2 + 0,2
b) CALDO SELENITO CISTINA
Triptona................................................................................................................. 5,0 g
L (-) cistina (C6H12N2O4S2)................................................................................... 0,01 g
Lactose (C12H22O11H2O).......................................................................................... 4,0 g
Fosfato dissódico (Na2HPO42H2O)........................................................................ 2,0 g
Bi-Selenito de sódio.............................................................................................. 4,0 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual.
pH final 7,0 + 0,2
c) CALDO RAPPAPORT VASSILIADIS
Peptona de soja.......................................................................................................5,0 g
Cloreto de sódio (NaCl)..........................................................................................8,0 g
Fosfato monopotássico (KH2PO4)...........................................................................1,6 g
Cloreto de magnésio 6H2O...................................................................................40,0 g
Verde malaquita....................................................................................................0,04 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual.
pH final 5,2 + 0,2
d) ÁGAR VERDE BRILHANTE VERMELHO DE FENOL LACTOSE SACAROSE (BPLS)
Peptona de carne.....................................................................................................5,0 g
Peptona de caseína..................................................................................................5,0 g
Extrato de levedura.................................................................................................3,0 g
Lactose (C12H22O11H2O).........................................................................................10,0 g
Sacarose (C12H22O11)..............................................................................................10,0 g
Cloreto de sódio (NaCl)................................................. ........................................5,0 g
Fosfato dissódico (Na2HPO4)..................................................................................2,0 g
Verde Brilhante (C21H14Br4O5S)........................................................................0,0125 g
Vermelho de fenol (C19H14O5S).............................................................................0,08 g
Ágar......................................................................................................................12,0 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual. Antes do plaqueamento, adicionar 1 ml de sol. de novobiocina a 4% por litro de meio de
cultura.
pH final 6,9 + 0,1
e) ÁGAR PARA ENTEROBACTERIAS DE HEKTOEN
Protease-peptona....................................................................................................12,0 g
Cloreto de sódio (NaCl)..........................................................................................5,0 g
Extrato de levedura.................................................................................................3,0 g
Lactose (C12H22O11H2O).........................................................................................12,0 g
Sacarose (C12H22O11)..............................................................................................12,0 g
Salicina (C13H18O7)..................................................................................................2,0 g
Tiosulfato de sódio (Na2S2O3).................................................................................5,0 g
Citrato de ferro e amônia........................................................................................1,5 g
Sais biliares.............................................................................................................9,0 g
Azul de bromotimol (C27H28Br2O5S)...................................................................0,064 g
Fucsina ácida........................................................................................................0,04 g
Ágar......................................................................................................................13,5 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual.
pH final 7,5 + 0,1

61
f) ÁGAR RAMBACH
Peptona...................................................................................................................8,0 g
Cloreto de sódio (NaCl)..........................................................................................5,0 g
Micela Cromogema................................................................................................1,5 g
Propilenoglicol.....................................................................................................10,5 g
Desoxicolato de sódio (C24 H39NaO4 ).......................................................................1,0 g
Ágar......................................................................................................................15,0 g
ADITIVO: 1 vial de agentes seletivos, que acompanha o meio, para cada 250 ml de ágar
RAMBACH.
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas na embalagem
ou manual. NÃO AUTOCLAVAR.
pH final 7,4 + 0,2
g) CALDO URÉIA
Extrato de levedura.................................................................................................0,1 g
Dihidrogenofosfato de potássio (KH2 PO4 ).............................................................9,1 g
Hidrogenofosfato dissódico (Na 2 HPO4 )..................................................................9,5 g
Uréia (H 2 NCONH2)................................................................................................20 g
Vermelho de fenol (C19 H14 O5 S)...............................................................................0,1 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual.
pH final 6,8 + 0,1
h) ÁGAR LISINA FERRO (LIA)
Peptona...................................................................................................................5,0 g
Extrato de levedura.................................................................................................3,0 g
Glicose (C6 H12 O6 )....................................................................................................1,0 g
L-Lisina (C6 H15 ClN2 O2 ).........................................................................................10,0 g
Citrato férrico amoniacal........................................................................................0,5 g
Tiosulfato de sódio (Na 2S2 O3 )...............................................................................0,04 g
Púrpura de bromocresol (C21 H16 Br2 O5 S)...............................................................0,02 g
Ágar......................................................................................................................15,0 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual. Após autoclavação, deixar os tubos solidificarem em posição inclinada de maneira a
formar um bisel de aproximadamente 2 cm.
pH final 6,7 + 0,1
i) ÁGAR TRIPLICE AÇUCAR FERRO (TSI)
Extrato de Carne.....................................................................................................3,0 g
Extrato de levedura.................................................................................................3,0 g
Peptona de caseína................................................................................................15,0 g
Peptona de carne.....................................................................................................5,0 g
Lactose (C12H22 O11 H2 O).........................................................................................10,0 g
Sacarose (C12 H22 O11 )..............................................................................................10,0 g
D(+) Glicose (C6 H12 O6 H2O)....................................................................................1,0 g
Citrato de amônio e ferro........................................................................................0,5 g
Cloreto de sódio (NaCl)..........................................................................................5,0 g
Tiosulfato de sódio (Na 2S2 O3 ).................................................................................0,3 g
Vermelho de fenol (C19 H14 O5 S)...........................................................................0,024 g
Ágar......................................................................................................................12,0 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual. Após autoclavação, deixar os tubos solidificarem em posição inclinada de maneira a
formar um bisel de cerca de 2 cm.
pH final 7,4 + 0,1
j) MEIO SIM
Peptona de caseína................................................................................................20,0 g
Peptona de carne.....................................................................................................6,6 g
Citrato de amônio e ferro III...................................................................................0,2 g
Tiosulfato de sódio (Na 2S2 O3 ).................................................................................0,2 g

62
Ágar........................................................................................................................3,0 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual.
pH final 7,3 + 0,1
l) ÁGAR CITRATO DE SIMMONS
Dihidrogenofosfato de amômio (NH2PO4 ).............................................................1,0 g
Fosfato de Po tássico (K2HPO4)...............................................................................1,0 g
Cloreto de sódio (NaCl)..........................................................................................5,0 g
Citrato de sódio (C6 H5 O7Na 3 2H2 O)........................................................................2,0 g
Sulfato de magnésio (MgSO4 7H2 O).........................................................................0,2 g
Azul de bromotimol (C27 H28 Br2O5 S).....................................................................0,08 g
Ágar......................................................................................................................12,0 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual.
pH final 6,9 + 0,1
m) CALDO MALONATO-FENILALANINA
Extrato de levedura.................................................................................................1,0 g
Sulfato de amônio ((NH4) 2SO4)..............................................................................2,0 g
Fosfato de Potássico (K2HPO4)...............................................................................0,6 g
Fosfato monopotássico (KH2 PO4 ).............................................................................0,4 g
Cloreto de sódio (NaCl)..........................................................................................2,0 g
Malonato de sódio (C3 H2 Na 2 O4 )..............................................................................3,0 g
Azul de bromotimol (C27 H28 Br2O5 S)...................................................................0,025 g
Fenilalanina (C9 H11NO2 )..........................................................................................1,0 g
Dissolver os componentes em 1 litro d e água destilada/ deionizada.
Distribuir em tubos volumes de 5ml, e autoclaver a 115ºC, por 10 minutos.
pH final 6,6 + 0,1
n) CALDO VERMELHO DE FENOL BASE
Triptona..................................................................................................................5,0 g
Peptona de carne.....................................................................................................5,0 g
Cloreto de sódio (NaCl)..........................................................................................5,0 g
Vermelho de fenol (C19 H14 O5 S)...........................................................................0,018 g
Por tratar-se de meio desidratado, seguir rigorosamente as recomendações contidas no rótulo ou
manual. Após autoclavação adicionar 0,5% de Dulcitol esterilizado por filtração e distribuir em
tubos estéreis.
pH final 7,4 + 0,2

PORTARIA N° 126, DE 03 DE NOVEMBRO DE 1995 - Normas de


Credenciamento e Monitoramento de Laboratórios de Diagnóstico das
Salmoneloses Aviárias (S. Enteritidis, S. Gallinarum, S. Pullorum e S.
Typhimurium)

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, no uso da atribuição que lhe confere o artigo


78, inciso VII do Regimento Interno da Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 212, de 21 de agosto de
1992, resolve:

Art. 1º - Aprovar as “Normas de Credenciamento e Monitoramento de Laboratórios de Diagnóstico


das Salmoneloses Aviárias (S. Enteritidis , S. Gallinarum, S. Pullorum e S. Typhimurium)”, em anexo.

Art. 2º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se a Portaria SDA nº207,
de 20 de dezembro de 1994, publicada no Diário Oficial da União nº 244 de 26 de dezembro de 1994 e as demais
disposições em contrário.

63
ÊNIO ANTÔNIO MARQUES PEREIRA

Portaria publicada no DOU n° 212 de 06/11/95, Seção I – pag. 17694 e 17698

ANEXO

NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E MONTORAMENTO DE LABORATÓRIOS DE


DIAGNÓSTICO DAS SALMONELAS AVIÁRIAS
(S. Enteritidis, S. Gallinarum, S. Pullorum e S.Typhimurium)

1. Do Credenciamento
Para efeito de credenciamento e monitoramento serão obedecidas as determinações constantes das
Portarias da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária / SNDA nº 53 de 20 de maio de 1991 e da
divisão de Laboratório Animal / DLA nº 01 de 14 de agosto de 1991 e demais normas e instruções que
vierem a ser baixadas por este Ministério.
2. Material
2.1. Antígenos e soro padrão
Só poderão ser utilizados antígenos (Ag) e o soro controle positivo (SCP) registrados no
Departamento de Defesa Animal / DDA, observando o prazo de validade.
2.2. Meios de cultura
?? Ágar citrato de Simmons
?? Ágar Fenilalanina
?? Ágar Hektoen (HK)
?? Áger Lisina Ferro (LIA)
?? Ágar Macconkey
?? Ágar Nutritivo
?? Ágar Rambach
?? Ágar Tríplice Açúcar Ferro (TSI)
?? Ágar Verde Brilhante (BPLS)
?? Caldo Cérebro Coração (BHI)
?? Caldo Malonato
?? Caldo para descarboxilação da Lis ina
?? Caldo para descarboxilação de Ornitina
?? Caldo para desidrolação de Arginina
?? Caldo para fermentação de Dulcitol
?? Caldo para fermentação de Glicose
?? Caldo para fermentação de Lactose
?? Caldo para fermentação de Maltose
?? Caldo para fermentação de Manitol
?? Caldo para fermentação de Sacarose
?? Caldo Rappaport – Vassiliadis
?? Caldo Tetrationato
?? Caldo Uréia
?? Leite Desnatado
?? Meio de Clark e Lubs
?? Meio de transporte Cary e Blair
?? Meio SIM – motilidade, produção de indol e H2S
2.3. Reagentes
?? Reativo de Kovacs
?? Reagente para a prova de Voges-Proskauer (VP)

64
?? Reagente para a prova de Vermelho de Metila (VM)
?? Solução aquosa de Cloreto de Cálcio a 1%
?? Solução aquosa de Cloreto Férrico a 10%
?? Solução aquosa de Novobiocina a 4%
?? Solução aquosa de Verde Brilhante a 0,1%
?? Solução Iodo-Iodetada
?? Solução salina a 0,85%
?? Solução salina a 2%
?? Soro anti-flagelar “H2” de Salmonella
?? Soro anti-flagelar “Hi” de Salmonella
?? Soro anti-flagelar “Hg, m” de Salmonella
?? Soro anti-flagelar “Hg, p” de Salmonella
?? Soro anti-flagelar “Hm” de Salmonella
?? Soro anti-flagelar “Hp” de Salmonella
?? Soro anti-flagelar “Hg” de Salmonella
?? Soro anti-somático “B” (04) de Salmonella
?? Soro anti-somático “D” (09) de Salmonella
?? Soro anti-somático “O” polivalente de Salmonella
2.4. Amostras a serem testadas
2.4.2. Diagnóstico bacteriológico
2.4.2.1. Animais vivos:
?? “Swab” de cloaca
?? Fezes frescas do lote
?? Material da cama, ninho e/ou “swab” de arrasto.
?? Ovos
2.4.2.2. Animais necropsiados:
?? “Swab” de carcaça
?? Baço
?? Fígado
?? Ovários
?? Vesícula Biliar
?? Rins
?? Pulmão
?? Coração
?? Trato gastrintestinal
?? Articulações com lesões
?? Conjuntiva com lesões
2.4.3. Diagnóstico sorológico:
?? Soro sanguíneo
3. Recebimento das amostras
3.1. As amostras deverão estar devidamente identificadas e acondicionadas em caixas isotérmicas.
3.2. As amostras deverão estar acompanhadas de um formulário de coleta devidamente preenchido,
conforme modelo estabelecido pela Coordenação de Programa Sanitário – CPS, do Departamento
de Defesa Animal – DDA.
3.3. As amostras serão registradas em livro próprio conforme modelo indicado pela Coordenação Geral
de Laboratório Animal – CGLA.
3.4. As amostras de tecidos destinadas ao diagnóstico bacteriológico deverão estar resfriadas a + 4°C.
3.5. Quando as amostras destinadas ao diagnóstico bacteriológico forem coletadas através de “swabs”,
os mesmos deverão ser introduzidos em meio de transporte Cary e Blair, exceção feita a “swabs”
de arrasto que deverão estar submersos em leite desnatado esterilizado. As amostras deverão estar
resfriadas a + 4°C.
3.6. As amostras destinadas ao diagnóstico sorológico deverão estar resfriadas a + 4°C. Não serão
aceitas amostras de sangue total, com presença de coágulo ou evidências de contaminação.

65
3.7. As amostras destinadas ao diagnóstico sorológico, deverão ser, obrigatoriamente, divididas em
duas alíquotas e identificadas, uma como prova e outra como contra-prova.
3.8. A targeta de identificação da contra-prova, conforme modelo indicado pela CGLA, será preenchida
e lacrada juntamente com as amostras para contra -prova; o lacre será plástico, numerado e
inviolável.
4. Conservação e estocagem
4.1. As amostras destinadas ao diagnóstico bacteriológico deverão ser mantidas a temperatura de + 4°C
por não mais que 48 horas, até serem processadas.
4.2. As amostras destinadas ao exame sorológico deverão ser mantidas a temperatura de + 4°C por não
mais que 48 horas, até serem processadas.
4.3. As amostras destinadas a contra-prova do diagnóstico sorológico deverão ser mantidas em
temperatura de – 20º C, por um período de 30 (trinta) dias.
5. Segurança biológica
5.1. Deverão ser respeitadas as normas de segurança biológica em todos os procedimentos realizados
com o material de exame.
5.2. As amostras destinadas a contra -prova, serão destruídas após decorrido o prazo estabelecido para a
sua estocagem, com a observância dos critérios e normas de segurança biológica.
6. Métodos
6.1. Diagnóstico bacteriológico
?? Isolamento
?? Identificação bioquímica
?? Caracterização antigênica da cepa bacteriana isolada – aglutinação rápida em lâmina.
6.2. Diagnóstico sorológico
?? Soroaglutinação rápida
?? Soroaglutinação lenta em tubo
?? Microaglutinação
7. Dos resultados e relatórios
7.1. Toda a documentação referente a livro de registro, laudo de resultado e relatórios deverá ser
arquivada por um período de cinco anos.
7.2. Os resultados dos exames deverão ser emitidos em formulário próprio, segundo modelo
estabelecido pela Coordenação Geral do Laboratório Animal – CGLA, e de acordo com o
fluxograma determinado.
Resultado negativo: Enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para o Médico
Veterinário requisitante.
Resultado positivo: Enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para:
?? Serviço de Sanidade Animal / SSA / DFAARA;
?? Comitê Estadual de Sanidade Avícola – CESA;
?? O Laboratório de Referência indicada pela CGLA;
?? O Departamento de Defesa Animal – DDA, em Brasília;
?? O Médico Veterinário requisitante.
7.3. Todo laboratório credenciado deverá encaminhar até o quinto dia útil do mês subseqüente, relatório
das atividades mensais, em formulário próprio, segundo modelo estabelecido pela CGLA, à
CGLA.
8. Do laboratório
8.1. O laboratório deve possuir instalações e equipamentos adequados para a realização do Diagnóstico
das Salmoneloses Aviárias responsável técnico e substituto deste, devidamente habilitado pela
CGLA para a realização dos diagnósticos.
8.2. As instalações devem fazer parte da mesma base física do laboratório e atender as normas de
segurança biológica.
8.3. Somente o responsável técnico ou seu substituto poderão assinar formulário de resultado do exame
e o relatório mensal.
9. Instalações, equipamentos e materiais.
Para efeito de credenciamento e monitoramento, o laboratório será vistoriado, devendo atender as
exigências quanto a:
9.1. Instalações

66
9.1.1. Protocolo
O protocolo deverá ser constituído de dois ambientes distintos:
9.1.1.1. Recepção: Onde serão recebidos, registrados e identificados os materiais a serem
examinados. Deverá ter pessoal próprio que procederá a conferência do material,
observando a exatidão dos dados de remessa e o es tado de conservação.
9.1.1.2. Escritório: Estrutura responsável pela emissão dos laudos do resultado devendo ser
obrigatoriamente independente da sala da recepção.
9.1.2. Sala de exame
Neste local as amostras serão processadas, incluindo-se a realização dos exames
bacteriológicos e sorológicos.
9.1.3. Apoio técnico
9.1.3.1. Meios e soluções
Este setor estará encarregado do preparo de meios e soluções.
9.1.3.2. Lavagem e esterilização
Este setor atenderá o laboratório procedendo a desinfecção, lavagem, montagem,
esterilização e estocagem de material oriundo dos setores de exame, meios e
soluções.
9.2. Equipamentos e materiais
9.2.1. Protocolo
9.2.1.1. Recepção
?? Mesa com superfície resistente a desinfetantes
?? Refrigerador
9.2.1.2. Escritório
?? Arquivo com chave
?? Máquina de escrever / equipamentos de informática
9.2.2. Sala de exame
?? Balança
?? Banho–maria regulável
?? Câmara asséptica ou fluxo laminar vertical
?? Estufa bacteriológica a 35-37ºC
?? Estufa bacteriológica a 42 – 43ºC
?? Fonte de luz
?? Homogeneizador de tubos (opcional)
?? Microplacas com fundo em “U” com 96 poços
?? Microscópio ótico
?? Pipetas automáticas de 10, 40 e 100 ?l
?? Refrigerador
?? Sistema de microteste
?? Stomacher (opcional)
9.2.3. Apoio técnico
9.2.3.1. Meios e soluções
?? Agitador magnético com e sem placa aquecedora
?? Balança analítica (opcional)
?? Balança semi-analítica
?? Carrinho de laboratório (opcional)
?? Congelador a –20º C
?? Deionizador (opcional)
?? Destilador (opcional)
?? Dispensador de pipetas
?? Fluxo laminar horizontal ou câmara asséptica
?? Potenciômetro
?? Refrigerador (+4 a +8ºC)
9.2.3.2. Lavagem e esterilização
Desinfecção:

67
?? Autoclave
?? Carrinho de laboratório (opcional)
Lavagem:
?? Cuba para água sanitária
?? Deionizador (opcional)
?? Depósito para água destilada ou água deionizada
?? Destilador
?? Lavador de pipetas
?? Sistema para enxágüe de material
?? Sistema para ferver material (vidraria, etc.)
Montagem:
?? Estante para secagem de material
?? Mesa para montagem do material
Esterilização:
?? Autoclave
?? Carrinho de laboratório (opcional)
?? Forno de esterilização
Estocagem:
?? Congelador (-20ºC)
?? Estantes e / ou armários
?? Refrigerador (+4 a +8°C)
10. Do responsável técnico e seu substituto
Para efeito de credenciamento e monitoramento, o responsável técnico e seu substituto serão
submetidos a avaliação técnico-científica, pela CGLA.
11. Do credenciamento e monitoramento
Após a aprovação dos responsáveis técnicos na avaliação técnico-científica e atendimento Às
exigências de instalações e equipamentos na vistoria, o laboratório será credenciado.
O monitoramento se fará utilizando os procedimentos de envio de material para controle da
qualidade técnica e realização de vistorias técnico-administrativas.
12. Disposições gerais
12.1. Sob nenhuma alegação será concedida contra-prova de diagnóstico bacteriológico efetuado.
12.2. Somente após a realização do isolamento e das caracterizações bioquímicas e antigênicas deverá
ser liberado resultado definitivo e conclusivo para o diagnóstico das Salmoneloses Aviárias.
12.2.1.Independentemente da emissão, pelos laboratórios credenciados de resultados definitivo e
conclusivo do diagnóstico das Salmoneloses nos casos em que as cepas apresentarem a
fórmula antigênica completa (Salmonella Typhimurium, Salmonella Enteritidis , Salmonella
Gallinarum, Salmonella Pullorum), estas deverão ser encaminhadas ao “Laboratório de
Referência” indicado pela CGLA, visando a formação de um banco de dados para a
realização de estudos epidemiológicos.
12.2.2.As cepas que apresentarem a fórmula antigênica incompleta ou apenas aglutinarem com o
soro anti-somático “O” polivalente, deverão ser encaminhadas ao “Laboratório de
Referência” indicado pela CGLA para a confirmação e/ou caracterização final.
12.2.3.As remessas das amostras referidas nos itens 12.2.1 e 12.2.2 deverão ser acompanhadas dos
protocolos dos exames realizados, podendo ser utilizadas para fins de monitoramento dos
laboratórios credenciados e pesquisa.
12.3. As técnicas, os reagentes e as soluções a serem utilizados para o diagnóstico das Salmoneloses
Aviárias estão descritos nos Anexos I e II respectivamente.
12.4. Outros métodos diagnósticos poderão ser utilizados desde que previamente regulamentados pela
CGLA.
12.5. O laboratório credenciado que não cumprir esses procedimentos terá o credenciamento para o
Diagnóstico Oficial das Salmoneloses Aviárias, suspenso por tempo determinado ou cancelado,
por ato desta Secretaria.
12.6. Os exames realizados pelos laboratórios credenciados serão custeados diretamente pelos
interessados.

68
12.7. O Laboratório de Referência indicado pela CGLA, somente receberá amostra para a confirmação
diagnóstica, remetida pelos laboratórios credenciados, cujos exames serão custeados diretamente
pelos interessados.
ANEXO I

DESCRIÇÃO DAS TÉCNICAS / MÉTODOS BACTERIOLÓGICOS E SOROLÓGICOS PARA


DIAGNÓSTICO DAS SALMONELOSES AVIÁRIAS
(S. Enteritidis, S. Gallinarum, S. Pullorum e S. Typhimurium)

1. Diagnóstico Bacteriológico
1.1. Enriquecimento
1.1.1. ÓRGÃOS
1.1.1.1. Enriquecimento não seletivo
Homogeneizar o material e inocular 2g em 20 ml de Caldo Cérebro Coração (BHI)
Incubar a temperatura de 35 a 37 °C por 18 a 24 horas.
1.1.1.2. Enriquecimento seletivo
Homogeneizar o material e incubar 2g em 20ml de Caldo Tetrationato 0,2g em
20ml de Caldo Rappaport-Vassiliadis.
Incubar a temperatura de 42 a 43 ºC por 18 a 24 horas.
1.1.2. OVOS
1.1.2.1. Enriquecimento não seletivo
Proceder a desinfecção da casca do ovo com álcool etílico a 70% ou álcool iodado
antes de abri-lo.
Homogeneizar o conteúdo em saco plástico esterilizado ou “stomacher” semear
10ml em 100 ml de BHI.
Incubar a temperatura de 35 a 37º C por 18 a 24 horas.
1.1.3. MATERIAL DE CAMA, NINHO “SWAB” DE ARRASTO E FEZES.
1.1.3.1. Enriquecimento não seletivo
Homogeneizar o material e inocular 2g em 20ml de BHI.
Incubar a temperatura de 35 a 37 ºC por 18 a 24 horas.
1.1.3.2. Enriquecimento seletivo
Homogeneizar o material e inocular 2g em 20ml de Caldo Tetrationato e 0,2g em 20
ml de Caldo Rappaport–Vassiliadis.
Incubar a temperatura de 42 a 43 ºC por 18 a 24 horas.
1.2. Isolamento
A partir dos caldos de enriquecimento seletivo e não seletivo estriar em placas de Ágar
MacConkey, Ágar Verde Brilhante, Ágar Hektoen e /ou Ágar Rambach (Utilizar no mínimo, dois
meios seletivos–indicadores).
Incubar a temperatura de 35 a 37ºC por 18 a 24 horas.
Verificar o aspecto das colônias desenvolvidas nas placas.
Características das colônias de Salmonella:
?Ágar MacConkey – Colônias incolores.
?Ágar Hektoen – Colônias verde-azuladas, com ou sem centro-negro.
?Ágar Verde Brilhante (BPLS) – Colônias rosadas
?Ágar Rambach – Colônias incolores (S. Gallinarum e S. Pullorum) ou vermelhas (outras
Salmonellas).
1.3. Identificação
1.3.1. Identificação bioquímica preliminar
A partir do isolamento em Ágar MacConkey, Verde Brilhante, Hektoen e/ou Ágar
Rambach repicar de cada uma das placas 2 a 3 colônias, com características de Salmonella,
no Ágar TSI, LIA, SIM e Caldo Uréia.
Fazer a leitura de acordo com o Quadro 1.

69
Quadro 1 – Identificação bioquímica presuntiva de Salmonella.
Comportamento bioquímico Salmonella Salmonella Salmonella sp. Salmonella sp.
Pullorum Gallinarum sub-espécie I sub-espécies III a
e IIIB
TSI 24 horas Base A gás +/- A gás - A gás + A gás +
Bisel V V V V ou A
H2 S +/- + + +
LIA 24 horas Base P P P P
H2 S +/- + + +
Urease - - - -
Motilidade - - + +
Salmonella sp sub espécie I – S. Typhimurium e S. Enteritidis (entre outras)
Salmonella sp sub espécie III a e III b - Antigo grupo Arizona
A – amarelo (ácido)
V – vermelho (alcalino)
P – púrpura (alcalino).
1.3.1.1. As cepas que apresentarem resultado negativo para a presença de urease e reações
características de Salmonella no Ágar TSI e LIA móveis ou imóveis no SIM devem
ser submetidas a testes bioquímicos complementares, de acordo com o quadro de
diferenciação (Quadro 2).

Quadro 2 – Diferenciação bioquímica de Salmonella


Comportamento bioquímico Salmonella sp. Salmonella Salmonella Salmonella sp.
sub-espécie I Pullorum Gallinarum sub-espécies III a e
IIIB
Indol - - - -
VM + + + +
VP - - - -
Cit. Simons + - - +
H2S no TSI + d + +
Urease - - - -
Fenilalanina desaminase - - - -
Lisina descarboxilase + + + +
Arginina desidrolase d d - d
Ornitina descarboxilase + + - +
Motilidade + - - +
Malonato - - - +
D-Glicose produção de + + + +
ácido
D-Glicose produção de gás + d - +
Lactose - - - d
Sacarose - - - -
D – Manitol + + + +
Dulcitol + - +(*) -
Maltose + -(**) + +
Salmonella sp sub espécie I – S. Typhimurium e S. Enteritidis (entre outras)
Salmonella sp sub espécie III a e III b - Antigo grupo Arizona
+ - 90-100% de cepas são positivas
- - 90-100% de cepas são negativas
d – Diferentes tipos
(*) – Ocasionalmente negativa
(**) – ou tardiamente positiva

70
As cepas que apresentarem perfil bioquímico compatível com Salmonella devem ser caracterizadas
antigenicamente através do teste de aglutinação rápida com soro anti-somático “O” polivalente de
Salmonella.
1.3.2. Caracterização antigênica da cepa bacteriana - aglutinação rápida em lâmina.
1.3.2.1. Com soro anti-somático “O” polivalente de Salmonella.
Adicionar ao cultivo do Ágar Nutritivo 0,5 – 1,0 ml de solução salina 0,85%
estéril e homogeneizar.
Depositar sobre a superfície da lâmina, uma gota da solução salina 2% e outra de
soro anti-somático “O” polivalente de Salmonella.
Acrescentar uma gota de suspensão bacteriana sobre cada uma delas e
Homogeneizar. Realizar a leitura em 30 a 60 segundos, com iluminação sobre
fundo escuro.
Classificar a reação do seguinte modo:
Positiva – Presença de aglutinação na mistura cultura + soro anti Salmonella.
Negativa – Ausência de aglutinação na mistura cultura + soro anti Salmonella.
Caso ocorra aglutinação em ambas as misturas a caracterização antigênica estará
inviabilizada por tratar-se de cepas rugosas (autoaglutinável), neste caso,
proceder o isolamento.
1.3.2.2. As cepas móveis não rugosas que apresentarem resultado positivo frente ao soro
anti-somático “O” polivalente de Salmonella deverão ser caracterizadas
antigenicamente com os soros anti-somáticos “B” (04) e “D” (09) de Salmonella.
1.3.2.3. Com o soro anti-somático “B” (04)
Caso o corra aglutinação na mistura cultura+soro anti-somático “B” (04)
nas cepas móveis deveremos prosseguir na caracterização antigênica frente aos
soros anti-flagelares H1 e H2 de Salmonella no sentido de se identificar a
Salmonella Typhimurium (1, 4, [5], 12:i:1, 2). Portanto a aglutinação 4:i:2
confirma o sorovar acima.
1.3.2.4. Com o soro anti-somático “D” (09).
As cepas móveis que não apresentarem resultado positivo frente ao soro
anti-somático “B” (04) deverão ser submetidas ao teste de aglutinação frente ao
soro anti-somático “D” (09).
Caso ocorra aglutinação da mistura cultura +soro anti-somático “D” (09)
deveremos prosseguir na caracterização antigênica frente aos soros anti-
flagelares: Hg, m; Hg, p; Hm, Hp e Hq, no sentido de identificar a Salmonella
Enteritidis (1,9,12:g,m:-). A inclusão dos soros anti-flagelares Hp e Hq visa
afastar a possibilidade de identificação errônea de outros sorovares com fórmula
antigênica assemelhada. Fazer a interpretação de acordo com o Quadro 3.

Quadro 03 – Caracterização antigênica dos fatores flagelares Hg, Hm, Hp e Hq


Antissoros Resultado da aglutinação Interpretação
Soro anti-flagelar Hg, m + Confirmação da presença
Soro anti-flagelar Hg, p + do fator Hg
Soro anti-flagelar Hm + Confirmação da presença do fator Hm
Soro anti-flagelar Hp - Confirmação da ausência do fator Hp
Soro anti-flagelar Hq - Confirmação da ausência do fator Hq
Os resultados apontados no Quadro 03 permitem confirmar a caracterização antigênica da Salmonella Enteritidis
(9:g,m).
1.3.2.5. As cepas imóveis não rugosas que apresentarem resultado positivo frente
ao soro anti-somático polivalente “O”, deverão ser caracterizados
antigenicamente com soro anti-somático “D” (09).
As cepas que apresentarem resultado positivo deverão ser diferenciadas
bioquimicamente.

71
Quadro 04 – Reações bioquímicas de S. Pullorum e S. Gallinarum.
Provas bioquímicas Salmonella Pullorum Salmonella Gallinarum
Descarboxilação da ornitina + -
Produção de H2 S (TSI) +/- +
Fermentação do dulcitol - +/- (*)
Fermentação da maltose -/+ (**) +
Fermentação de glicose/gás + gás +/- + gás -
(*) – Ocasionalmente negativa
(**) – Ou tardiamente positiva
2. Diagnóstico Sorológico
2.1. Aglutinação rápida
Depositar uma gota no antígeno corado em uma placa ou lâmina, acrescentar uma gota de soro
sanguíneo.
Homogeneizar com movimentos suaves da placa ou lâmina.
Realizar a leitura após 1 e 2 minutos.
Classificar a reação do seguinte modo:
Positiva – aglutinação em até 2 minutos.
Negativa – Ausência de aglutinação em 2 minutos.
2.2. Aglutinação lenta em tubo
Misturar em tubo (13x100), 0,04 ml do soro sanguíneo e 1 ml do antígeno não corado para obter
diluição de 1:25.
Incluir controles positivo e negativo com soros conhecidos.
Incubar a mistura de 35 a 37°C por 18 a 24 horas.
Classificar a reação do seguinte modo:
Positiva – depósito granular branco, com sobrenadante límpido.
Negativa – turbidez uniforme
2.3. Microaglutinação
Utilizando placas de microteste diluir o soro 1:20 pela adição de 10 ? l de solução salina 0,85%,
acrescentar 100 ? l de antígeno para microteste, corado, previamente padronizado. Efetuar controles
positivo e negativo.
Selar as placas e incubar por 24 a 48 horas de 35 a 37° C.
Classificar a reação do seguinte modo:
Positiva – Precipitação fina, difusa.
Negativa – precipitação em forma de botão.

ANEXO II
FORMULAÇÃO E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS DE PREPARAÇÃO DE MEIOS DE CULTURAS E
REAGENTES

1 – Ágar Citrato de Simmons


Sulfato de magnésio ......................................................................................................................... 0,2 g
Citrato de sódio ................................................................................................................................ 2,0 g
Cloreto de sódio ............................................................................................................................... 5,0 g
Fosfato monobásico de amônio...................................................................................................... 1,0 g
Fosfato dibásico de potássio .......................................................................................................... 1,0 g
Azul de bromotimol ...................................................................................................................... 0,08 g
Ágar .................................................................................................................................................. 15,0 g
Dissolver 24,2 g em um litro de água destilada ou deionizada. Aquecer até dissolução completa.
Distribuir 3 a 4 ml em tubos 13x100 ou 13 x120 mm. Esterilizar à 121°C por 15 minutos. Solidificar em
posição inclinada.
pH final – 6,8 + 0,2 a 25 °C.
Semeadura – A partir de cultura de 24 horas em ágar nutritivo, semear pequeno inóculo com agulha,
em estrias, na superfície do meio. Incubar a temperatura de 35 a 37 ºC por 18 a 24 horas.
Interpretação – Uma viragem da cor verde para a azul (alcalinização) indica utilização do citrato.
2 – Ágar Fenilalanina

72
Extrato de levedura........................................................................................................................... 3,0 g
Fosfato dibásico de potássio ........................................................................................................... 1,0 g
Cloreto de sódio ............................................................................................................................... 5,0 g
DL – fenilalanina .............................................................................................................................. 2,0 g
Ágar ..................................................................................................................................................... 12 g
Dissolver 23 g em um litro de água destilada ou deionizada e aquecer até dissolver completamente.
Distribuir 5 ml em tubos 16 x 160 mm. Esterilizar a 121°C por 15 minutos. Solidificar em posição inclinada.
pH final – 7,3 + 0,2 a 25°C
Semeadura – Fazer inóculo abundante e incubar a temperatura de 35 a 37°C por 18 a 24 horas.
Interpretação – Adicionar 5 a 6 gotas do reagente. A cor verde escura indica a transformação de
fenilalanina em ácido fenilpirúvico (Proteus – Morganella – Providencia).
2.1 – Reagente utilizado para o teste fenilalanina (desaminação).
Cloreto Férrico ................................................................................................................................ 10,0 g
Água destilada ou deionizada .......................................................................................................100 ml
3 – Ágar Hektoen
Proteose-peptona................................................................................................................................ 12 g
Extrato de levedo ............................................................................................................................. 3,0 g
Cloreto de sódio ............................................................................................................................... 5,0 g
Tiossulfato de sódio.......................................................................................................................... 5,0 g
Sais biliares ........................................................................................................................................ 9,0 g
Citrato de ferro amoniacal .............................................................................................................. 1,5 g
Salicina .............................................................................................................................................. 2,0 g
Lactose ............................................................................................................................................. 12,0 g
Sacarose ........................................................................................................................................... 12,0 g
Fucsina ácida .................................................................................................................................... 0,1 g
Azul de bromotimol .................................................................................................................... 0,065 g
Ágar .................................................................................................................................................. 14,0 g
Dissolver 76 g em um litro de água destilada ou deionizada. Aquecer até a fervura por alguns
segundos. Não autoclavar. Distribuir 15 a 20 ml por placa.
pH final: 7,5 + 0,1 a 25 °C.
4 – Ágar Lisina Ferro (LIA)
Peptona......................................................................................................................................................... 5,0g
Extrato de levedura.................................................................................................................................... 3,0 g
Glicose......................................................................................................................................................... 1,0 g
L – Lisina ................................................................................................................................................. 10,0 g
Tiossulfato de sódio................................................................................................................................. 0,04 g
Citrato de ferro amoniacal .........................................................................................................................0,5 g
Púrpura de bromocresol ..........................................................................................................................0,02 g
Ágar ............................................................................................................................................................15,0 g
Dissolver 34 g em um litro de água deionizada ou destilada. Distribuir em tubos. Esterilizar à 121 °C
por 12 minutos.
Esfriar em posição inclinada, de modo a produzir uma base de + 4 cm e um bisel menor.
pH final: 6,7 + 0,2 a 25°C.
Semeadura – A inoculação do meio se faz por picada central até a profundidade, seguida de
espalhamento em estrias estreitas na superfície. Incubar a temperatura de 35 a 37 °C por 18 a 24 horas.
Interpretação:
(1) Base púrpura (reação alcalina) e superfície púrpura (reação alcalina): presença de lisina
descarboxilase.
Base amarela (reação ácida) e superfície vermelha ou púrpura (reação alcalina): ausência de lisina
descarboxilase.
(2) A presença de H2 S se traduz por escurecimento do meio na junção da base com bisel. Em cepas
que produzem pouco H 2 S o escurecimento se limita a picada.
5 – Ágar MacConkey
Bacto-peptona............................................................................................................................................17,0 g
Proteose-peptona.........................................................................................................................................3,0 g
Cloreto de sódio ..........................................................................................................................................5,0 g

73
Lactose........................................................................................................................................................10,0 g
Sais biliares nº 3 ..........................................................................................................................................1,5 g
Vermelho neutro ......................................................................................................................................0,03 g
Cristal violeta .........................................................................................................................................0,001 g
Ágar ............................................................................................................................................................13,5 g
Dissolver 50g em um litro de água deionizada ou destilada. Esterelizar à 121° C por 15 minutos.
Distribuir 15 a 20 ml por placa.
pH final 7,1 + 0,2 a 25 º C.
6 – Ágar Nutritivo
Extrato de carne...........................................................................................................................................3,0 g
Peptona.........................................................................................................................................................5,0 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................5,0 g
Agar ............................................................................................................................................................15,0 g
Dissolver 28 g em um litro de água destilada ou deionizada. Aquecer até dissolução completa.
Distribuir em tubos. Esterilizar à 121°C por 15 minutos. Solidificar na posição inclinada.
pH final – 6,8 + 0,2 a 25 ºC.
7 – Ágar Rambach
Peptona.........................................................................................................................................................8,0 g
Propileno glicol ........................................................................................................................................10,5 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................5,0 g
Desoxicolato de sódio ...............................................................................................................................1,0 g
Ágar ............................................................................................................................................................15,0 g
Mistura cromogênica ..................................................................................................................................1,5 g
Água destilada deionizada ..................................................................................................................1.000 ml
Adicionar 1 frasco da mistura cromogênica a 250 ou 1000 ml de água destilada ou deionizada (a
quantidade dependerá da embalagem). Misturar. Adicionar um frasco do pó nutriente, dissolver em banho –
maria ou vapor fluente. Não autoclavar. Homogeneizar bem antes do plaqueamento.
pH final: 7,3 + 0,2 a 25ºC.
8 – Ágar Tríplice Açúcar Ferro (TSI)
Extrato de carne...........................................................................................................................................3,0 g
Extrato de levedura ....................................................................................................................................3,0 g
Peptona ......................................................................................................................................................15,0 g
Proteose-peptona ........................................................................................................................................5,0 g
Lactose .......................................................................................................................................................10,0 g
Sacarose .....................................................................................................................................................10,0 g
Glicose .........................................................................................................................................................1,0 g
Sulfato ferroso .............................................................................................................................................0,2 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................5,0 g
Tiossulfato de sódio ..................................................................................................................................0,3 g
Vermelho de fenol .................................................................................................................................0,024 g
Ágar ............................................................................................................................................................12,0 g
Dissolver 65 g em um litro de água deionizada ou destilada. Distribuir em tubos. Esterilizar à 121°C
por 15 minutos. Solidificar em posição inclinada. A base deve ter + 4 cm de altura e superfície inclinada de
igual comprimento.
pH final: 7,4 + 0,2 a 25°C.
Semeadura – A inoculação do meio se faz por picada central até a profundidade, seguida de
espelhamento em estrias estreitas na superfície.
Incubar a temperatura de 35 a 37 °C por 18 a 24 horas.
Interpretação:
(1) Base inalterada: glicose não fermentada. A base vira para amarelo (reação ácida) em caso
contrário. Se houver produção de gás surgem algumas bolhas ou mesmo ocorre deslocamento do meio de
cultura.
(2) Se a superfície permanece inalterada ou se torna vermelha (reação alcalina): a lactose e a
sacarose não foram fermentadas. A superfície vira para amarelo (reação ácida) em caso contrário
(fermentação da lactose e/ou sacarose).

74
(3) A produção de H2 S se traduz por escurecimento do meio na junção da base com o bisel. Em
cepas que produzem pouco H2 S o escurecimento se limita a picada.
9 – Ágar Verde Brilhante (BPLS)
Proteose-peptona nº 3..................................................................................................................................10 g
Extrato de levedo .......................................................................................................................................3,0 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................5,0 g
Lactose .......................................................................................................................................................10,0 g
Sacarose .....................................................................................................................................................10,0 g
Vermelho de fenol ...................................................................................................................................0,08 g
Verde Brilhante ....................................................................................................................................0,0125 g
Ágar ............................................................................................................................................................20,0 g
Dissolver 58,0 g em um litro de água deionizada ou destilada, esterilizar à 121 °C por 15 minutos.
Adicionar 1 ml da solução aquosa de novobiocina a 4% em um litro de meio antes do plaqueamento.
Distribuir 15 a 20 ml por placa.
pH final: 6,9 + 0,2 a 25°C.
10 – Caldo Cérebro e Coração (BHI)
Infusão de cérebro de boi desidratado ..................................................................................................12,5 g
Infusão de coração de boi desidratado ...................................................................................................5,0 g
Proteose – peptona....................................................................................................................................10,0 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................5,0 g
Fosfato dissódico ........................................................................................................................................2,5 g
Glicose .........................................................................................................................................................2,0 g
Dissolver 37 g em um litro de água deionizada ou destilada. Distribuir em tubos ou frascos.
Esterilizar à 121°C por 15 minutos.
pH final: 7,4 + 0,2 a 25 °C.
11 – Caldo Malonato
Sulfato de amônia ......................................................................................................................................2,0 g
Fosfato dibásico de potássio ....................................................................................................................0,6 g
Fosfato monobásico de potássio ..............................................................................................................0,4 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................2,0 g
Malonato de sódio .....................................................................................................................................3,0 g
Azul de bromotimol ..............................................................................................................................0,025 g
Dissolver 8 g em um litro de água destilada ou deionizada. Distribuir 3 ml em tubos. Esterilizar a
121°C por 15 minutos.
pH final: 6,7 + 0,2 a 25°C.
Semeadura – inocular a partir de uma cultura de 18 a 24 horas em ágar nutritivo. Incubar a
temperatura de 35 a 37°C. Observar até 72 horas.
Interpretação – Uma viragem da cor verde amarelada para a azul (alcalinização) indica a utilização
do malonato.
12 – Caldo para descarboxilação da Lisina e Ornitina e desidrolação de Arginina (Base Moeller)
Peptona ........................................................................................................................................................5,0 g
Extrato de carne .........................................................................................................................................5,0 g
Glicose .........................................................................................................................................................0,5 g
Púrpura de bromocresol ...........................................................................................................................0,01g
Vermelho de cresol ................................................................................................................................0,005 g
Piridoxal ..................................................................................................................................................0,005 g
Dissolver 10,5 g em um litro de água deionizada ou destilada. Aquecer até dissolução completa.
Dividir o meio em 4 alíquotas idênticas. Adicionar 2,5 g (1%) de L-lisina, L-arginina e L-ornitina, sendo que
a última fração não receberá nenhum aminoácido, funcionando como controle. No caso do uso de DL-
aminoácidos dobrar a concentração (2%).
pH final: 6,0 + 0,2 a 25ºC.
Obs: A ornitina é extremamente ácida, devendo ser feito o reajuste do pH com 1,15 ml de NaOH a
1N por 250 ml de meio. Distribuir 4 a 5 ml em tubos de 13 x 100 mm. Esterilizar a 121°C por 10 minutos.
Semeadura – Inocular a partir de uma cultura de 18 a 24 horas em ágar nutritivo. Incluir o tubo
controle. Cobrir, assepticamente, a superfície dos mesmos com 4 a 5 mm de óleo mineral estéril. Incubar a
temperatura de 35 a 37 °C. Observar até 96 horas.

75
Interpretação – Uma viragem de púrpura para amarelo para púrpura (realcalinização do meio) indica
a utilização do aminoácido. O testemunho e a prova negativa permanecem amarelos (reação ácida).
13 – Caldo base para a fermentação de carboidratos
Triptona .......................................................................................................................................................5,0 g
Peptona de carne ........................................................................................................................................5,0 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................5,0 g
Verme lho de fenol ................................................................................................................................ 0,018 g
Dissolver 15 g em um litro de água destilada ou deionizada. Distribuir em tubos (com tubos de
Durhan caso o carboidrato a ser incorporado seja a glicose). Esterilizar a 121°C por 15 minutos. Acrescentar,
assepticamente, glicose, manitol, lactose e sacarose na concentração final de 1% e dulcitol e maltose a 0,5%.
pH final: 7,4 + 0,2 a 25 °C.
Semeadura – inocular os tubos com uma gota de suspensão tênue bacteriana. Incubar na temperatura
de 35 a 37°C, por 18 a 24 horas. Observar por alguns dias.
Interpretação – A cor amarela (reação ácida) indica a utilização do carboidrato. Na glicose pode-se
observar a produção de gás (bolha no tubo de Durham).
Preparo da solução concentrada de carboidrato:
Carboidrato ..................................................................................................................................................2,5 g
Água destilada ........................................................................................................................................ 10,0 ml
Dissolver e filtrar em seringa descartável acoplada a um filtro com membrana de 0,22? .
14 – Caldo Rappaport – Vassiliadis
Peptona caseína...........................................................................................................................................4,0 g
Peptona de soja ...........................................................................................................................................1,0 g
Cloreto de magnésio ................................................................................................................................29,0 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................8,0 g
Fosfato dipotássico.....................................................................................................................................0,4 g
Fosfato monopotássico .............................................................................................................................0,6 g
Verde malaquita .....................................................................................................................................0,036 g
Dissolver 43 g em um litro de água destilada ou deionizada. Distribuir em tubos ou frascos.
Esterilizar a 115 °C por 15 minutos.
pH final: 5,5 + 0,1 a 25°C.
15 – Caldo Tetrationato
Proteose-peptona ........................................................................................................................................5,0 g
Mistura de sais biliares .............................................................................................................................1,0 g
Carbonato de cálcio .................................................................................................................................10,0 g
Tiossulfato de sódio ................................................................................................................................30,0 g
Dissolver 46 g em um litro de água deionizada ou destilada, estéril. Aquecer até a fervura. Não
autoclavar. Distribuir em tubos ou frascos estéreis.
pH final: 8,4 + 0,2 a 25°C
Antes da utilização, acrescentar para cada 100 ml do meio, 2 ml da solução iodo-iodetada, 1 ml da
solução aquosa de verde brilhante a 0,1% e 0,1 ml da solução aquosa de verde brilhante a 0,1% e 0,1 ml da
solução aquosa de novobiocina a 4%.
Solução Iodo-Iodetada:
Iodo ..............................................................................................................................................................6,0 g
Iodeto de potássio ......................................................................................................................................5,0 g
Àgua destilada ...........................................................................................................................................20 ml
16 – Caldo Uréia
Extrato de levedura ....................................................................................................................................0,1 g
Fosfato de potássio ....................................................................................................................................9,1 g
Fosfato dissódico .......................................................................................................................................9,5 g
Uréia ...........................................................................................................................................................20,0 g
Vermelho fenol .........................................................................................................................................0,01 g
Dissolver 38,7 g em um litro de água destilada ou deionizada, estéril. Esterilizar por filtração.
Distribuir 2 ml por tubo estéril.
pH final: 6,8 + 0,1 a 25°C.
Semeadura – Fazer inoculo denso e incubar a temperatura de 35 a 37ºC por 18 a 24 horas.
Interpretação – Uma viragem da cor laranja para vermelho-cereja indica a presença de urease.

76
17 – Leite desnatado
Dissolver 100 g de leite em pó desnatado em um litro de água destilada ou deionizada. Distribuir em
tubos ou frascos estéreis. Esterilizar em vapor fluente por 15 minutos.
pH final: 7,0 + 0,2 a 25 °C
18 – Meio de transporte Cary e Blair
Tioglicolato de sódio .................................................................................................................................1,5 g
Fosfato dissódico .......................................................................................................................................1,1 g
Cloreto de sódio .........................................................................................................................................5,0 g
Ágar ..............................................................................................................................................................5,0 g
Dissolver 12,6 g em 991 ml de água destilada ou deionizada. Esfriar a 50°C, acrescentar 9 ml de
solução aquosa de cloreto de cálcio a 1%. Ajustar o pH para 8,4. Distribuir em tubos ou frascos estéreis.
Esterilizar em vapor fluente por 15 minutos.
19 – Meio de Clark e Lubs
Peptona ........................................................................................................................................................5,0 g
Fosfato dibásico de potássio ....................................................................................................................5,0 g
Glicose .........................................................................................................................................................5,0 g
Dissolver 15,0 g em um litro de água deionizada ou destilada. Distribuir 3 a 5 ml em tubos.
Esterilizar à 121°C por 15 minutos.
pH final: 6,9 + 0,2 a 25°C.
Semeadura – inocular a partir de uma cultura de 18 a 24 horas em ágar nutriente. Incubar aa
temperatura de 35 a 37°C.
?? Prova do vermelho de metila (VM)
Após 2 dias de incubação adicionar 3 a 5 gotas do reagente.
Interpretação:
Cor vermelho (pH inferior a 4,2): reação positiva (VM+).
Cor amarela (pH superior a 6,3): reação alcalina (VM -)
Reagente:
Vermelho de metila ...................................................................................................................................0,1 g
Álcool etílico a 95 % ............................................................................................................................300,0 ml
Dissolver e completar para o volume de 500 ml com água destilada.
?? Prova de Voges – ProsKauer
Após 2 dias de incubação adicionar 0,6 ml do reagente A e 0,2 ml do reagente B. Agitar e aguardar
15 minutos.
Interpretação:
Cor vermelha – presença de acetilmetilcarbinol (acetoína) – reação positiva (VP+)
Cor amarela – reação negativa (VP-).
Reagente A
Alfa-naftol ....................................................................................................................................................5,0 g
Álcool etílico absoluto.........................................................................................................................100,0 ml
Reagente B
Hidróxido de potássio .............................................................................................................................40,0 g
Água destilada ......................................................................................................................................100,0 ml
Obs: Estocar os 3 reagentes a 4°C e ao abrigo da luz.
20 – Meio SIM
Peptona........................................................................................................................................................30,0g
Extrato de carne .........................................................................................................................................3,0 g
Citrato de ferro amoniacal ........................................................................................................................0,2 g
Tiossulfato de sódio ..............................................................................................................................0,025 g
Ágar ..............................................................................................................................................................3,0 g
Dissolver 36 g em um litro de água destilada ou deionizada. Distribuir em tubos (4 cm de altura).
Esterilizar a 121°C por 15 minutos. Solidificar em posição vertical.
pH final: 7,3 + 0,2 a 25°C.
Semeadura – A inoculação do meio se faz por picada central atingindo 1 cm de profundidade.
Incubar a temperatura de 35 a 37°C por 18 a 24 horas.
Interpretação:
(1) A presença de H2 S se traduz por escurecimento do meio no ponto ou ao redor da picada.

77
(2) O crescimento limitado ao ponto da picada significa que a cepa é imóvel, enquanto que o
crescimento difuso representa motilidade.
(3) A pesquisa de indol será feita pela adição de algumas gotas do reativo de Kovacs: anel vermelho
+, anel amarelo.
20.1 – Reativo de Kovacs
Para-dimetil-aminobenzaldeido (PDAB) ...............................................................................................5,0 g
Álcool amílico ou iso-amílico .............................................................................................................. 75,0 ml
Ácido clorídrico concentrado .............................................................................................................. 25,0 ml
Dissolver o PDAB no álcool em banho-maria a 60°C. Resfriar e adicionar lentamente o ácido
clorídrico (gota a gota). Estocar ao abrigo da luz.

RETIFICAÇÃO

No anexo I da Portaria n° 126, de 3/11/95, publicado no D.O. de 6/11/95, Seção 1, págs. 17694 a
17698.

No subitem 1.1.1.2 – Enriquecimento seletivo – Onde se lê: Homogeneizar o material e incubar 2g


em 20 ml de Caldo Tetrationato e 0,2 g em 20 ml de Caldo Rappaport-Vassiliadis, Incubar a temperatura de 42 a
43°C por 18 a 24 horas. Leia-se: Homogeneizar o material e incubar 2g em 20 ml de Caldo Tetrationato e 0,2 g
em 20 ml de Caldo Rappaport-Vassiliadis. Incubar a temperatura de 42 a 43°C por 18 a 24 horas e também à 35 a
37°C.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 9 DE JANEIRO DE 2002 - Normas Técnicas Para Controle e


Certificaçãode Núcleos e Estabelecimentos Avícolas Como Livre de Salmonella Gallinarum e de
Salmonella Pullorum e Livres ou Controlados para Salmonella Enteritidis e para Salmonella
Typhimurium

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,


PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 83, inciso IV, do Regimento da
Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 574, de 8 de dezembro de 1998, tendo em vista o que dispõe a
Portaria Ministerial nº 193, de 19 de setembro de 1994, que cria o Programa Nacional de Sanidade Avícola
(PNSA), e o que consta do Processo nº 21000.006463/2001-44, resolve:

Art. 1º Aprovar as “Normas Técnicas para Controle e Certificação de Núcleos e Estabelecimentos


Avícolas, como Livres de Salmonella Gallinarum e de Salmonella Pullorum e Livres ou Controlados para
Salmonella Enteritidis e para Salmonella Typhimurium” , em anexo.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 3º Fica revogada a Instrução Normativa nº 22, de 12 de agosto de 1999.

Capítulo I
LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA
ANEXO

“NORMAS TÉCNICAS PARA CONTROLE E CERTIFICAÇÃO DE NÚCLEOS E


ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS, como livres de Salmonella Gallinarum e de Salmonella Pullorum e
Livres ou Controlados para Salmonella Enteritidis e para Salmonella Typhimurium.”

Introdução
1. Estas normas definem as medidas de monitoramento das salmoneloses em estabelecimentos avícolas de
controle permanentes e eventuais (exceto postura comercial, frango de corte e ratitas), que procedem ao comércio

78
ou à transferência nacional e internacional de seus produtos, destinados à reprodução e produção de aves e ovos
férteis, ficando os mesmos obrigados a procederem ao monitoramento de seus plantéis, obedecendo às diretrizes
do Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA).
2. Para proceder ao comércio nacional e internacional e à transferência, no âmbito nacional de seus produtos, o
núcleo ou estabelecimento avícola deverá estar certificado como livre de Salmonella Gallinarum e Salmonella
Pullorum e livre ou controlado para Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium.
3. Os núcleos dos estabelecimentos de linhas puras, bisavoseiros e avoseiros deverão apresentar-se livres das
quatro salmonelas.
4. Os núcleos dos estabelecimentos matrizeiros deverão ter a condição mínima de livres de Salmonella
Gallinarum e Salmonella Pullorum e controlados para Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium.
5. Os estabelecimentos importadores ou compradores de material genético de linhas puras, bisavós e avós
deverão obter previamente a garantia ou certificação de origem de livres para as salmonelas constantes desta
norma.

Capítulo II
Das Definições
1. Para efeito destas normas, entende-se:
1.1. Lote: grupo de aves de mesma finalidade, origem e idade, alojado em um ou vários galpões .
1.2. Boxes: são divisões físicas dentro de um galpão.
1.3. Galpão: é a unidade física de produção avícola, caracterizada como unidade de um núcleo, que aloja um
grupo de reprodutores, aves de corte ou poedeiras comerciais, da mesma idade (exceção das linhas puras de
seleção genética) e da mesma espécie.
1.4. Aves comerciais: geração de aves destinadas ao abate e/ou produção de ovos para consumo.
1.5. Núcleo de reprodução: é a unidade com área física adequadamente isolada, de manejo comum, constituída
de um ou mais galpões.
1.6. Estabelecimento avícola: é o local onde são mantidas as aves para qualquer finalidade, podendo ser
constituído de um ou vários núcleos.
1.6.1.Estabelecimentos avícolas de controles permanentes: são as granjas de seleção genética de reprodutoras
primárias (linhas puras), granjas bisavoseiras, granjas avoseiras, granjas matrizeiras, granjas de aves reprodutoras
livres de patógenos específicos (SPF) e os incubatórios destes estabelecimentos.
1.6.2. Estabelecimentos avícolas de controles eventuais: são os estabelecimentos avícolas produtores de ovos
comerciais, de frango de corte, de exploração de outras aves silvestres, e/ou ornamentais, e/ou exóticas, e/ou não,
e os incubatórios destes estabelecimentos.
1.7. Serviço oficial: é o Serviço de Defesa Sanitária Animal Federal, Estadual e Municipal.
1.8. Laboratórios oficiais: são os laboratórios da rede do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
(MAPA).
1.9. Laboratórios credenciados: são laboratórios de outras instituições federais, estaduais, municipais ou
privados, que tenham sido habilitados e reconhecidos pelo MAPA, para a realização de diagnóstico laboratorial
dos agentes das doenças a que se referem estas normas.
1.10. Fiscal Federal Agropecuário ou Médico Veterinário oficial: é o médico veterinário do Serviço de
Defesa Sanitária Animal Federal.
1.11. Médico Veterinário oficial: é o fiscal federal agropecuário ou o médico veterinário do serviço oficial.
1.12. Médico Veterinário oficial para certificação: é o fiscal federa l agropecuário ou médico veterinário oficial
do Serviço de Defesa Sanitária Animal.
1.13. Médico Veterinário Credenciado: é o médico veterinário oficial, estadual e municipal, privado ou
profissional liberal, que recebeu delegação de competência do serviço oficial federal para emissão de Guia de
Trânsito Animal (GTA).
1.14. Responsável Técnico: é o médico veterinário responsável pelo controle higiênico-sanitário dos plantéis do
estabelecimento avícola.
1.15. Monitoramento dos plantéis: é o acompanhamento sanitário e análise laboratorial, por meio de testes
sorológicos e outras provas, em outros materiais biológicos ou não, e análises epidemiológicas das condições de
saúde das aves alojadas em um estabelecimento avícola.
1.16. MAPA:Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
1.17. SDA:Secretaria de Defesa Agropecuária.
1.18. DDA:Departamento de Defesa Animal.
1.19. CLA:Coordenação de Laboratório Animal.

79
1.20. PNSA:Programa Nacional de Sanidade Avícola, Programa estabelecido na SDA/DDA.
1.21. DIPOA: Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal.
1.22. DFA:Delegacia Federal de Agricultura.
1.23. SSA:Serviço de Sanidade Animal.
1.24. SIF:Serviço de Inspeção Federal.

Capítulo III
Das Exigências a Serem Cumpridas pelos Estabelecimentos Avícolas
1. Para atender ao PNSA, os estabelecimentos avícolas de controles permanentes e eventuais deverão:
1.1. Obter registro e habilitação do estabelecimento na DFA do estado em que se localiza o estabelecimento.
1.2. Estar sob vigilância e controle do Serviço de Sanidade Animal da DFA e/ou da Secretaria Estadual de
Agricultura do estado em que se localiza o estabelecimento avícola.
1.3. Ser assistido por médico veterinário responsável técnico, registrado junto à DFA, no estado em que se
localiza o estabelecimento.
2. O estabelecimento avícola participante do PNSA não poderá utilizar:
2.1. Vacina de qualquer natureza contra as salmoneloses, em estabelecimentos de controles permanentes;
2.2. Qualquer vacina preparada com adjuvante oleoso, durante as quatro semanas que antecedem os testes;
2.3. Qualquer droga, para a qual exista evidência científica que possa interferir nos resultados dos testes
sorológicos e/ou dificultar o isolamento das salmonelas, no período de três semanas, que antecede os testes;
2.4 . Nos estabelecimentos matrizeiros, nos casos excepcionais avaliados pelo DDA, que estejam sob tratamento
medicamentoso para S. Enteritidis e S. Typhimurium, sob acompanhamento do MAPA, a avaliação será
realizada de acordo com o capítulo VIII destas normas.
3. Só poderão ser utilizados antígenos e soros de controle registrados no MAPA, observados os prazos de
validade.
4. Somente poderão utilizar outras provas laboratoriais, quando devidamente aprovadas pelo PNSA.
5. Os estabelecimentos avícolas deverão fornecer mensalmente um calendário de colheitas e encaminhar à DFA
do estado onde se localiza, com o cronograma de nascimento, de importação e as datas das colheitas rotineiras de
material pelo responsável técnico para fiscalização e supervisão do Serviço Oficial.

Capítulo IV
Da Certificação de Núcleos e/ou Estabelecimentos Avícolas
1. Certificação dos núcleos e/ou estabelecimentos avícolas:
1.1. Livres de Salmonella Gallinarum e Salmonella Pullorum (Tifo-Pulorose);
1.2. Livres ou Controlados para Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium.

Capítulo V
Das Provas Laboratoriais
1. As provas utilizadas no monitoramento e diagnóstico laboratorial, nas diferentes etapas do processo, são:
1.1. Aglutinação Rápida em Placa, com sangue total (hemoaglutinação) ou soro (Soroaglutinação - SAR);
1.2. Aglutinação Lenta em Tubos (ALT) ou Microaglutinação;
1.3. Diagnóstico Bacteriológico.
2. A realização e a interpretação das provas laboratoriais citadas no item anterior deverão obedecer aos critérios
estabelecidos em atos legais, normas e regulamentos técnicos específicos do MAPA.
3. As provas laboratoriais somente serão aceitas quando realizadas em laboratório oficial e/ou credenciado pelo
MAPA para este fim, identificando o antígeno, o número da partida e a quantidade utilizada.
4. O teste de Aglutinação Rápida em Placa com sangue total (hemoaglutinação) é considerado teste de campo,
sendo realizado ou supervisionado pelo fiscal federal agropecuário ou médico veterinário responsável técnico
pelo estabelecimento avícola, junto ao MAPA.
5. Outras provas laboratoriais poderão ser utilizadas, desde que previamente aprovadas pelo DDA/SDA.

Capítulo VI
Da Colheita de Amostras e Encaminhamento para Realização de Provas Laboratoriais
1. As colheitas para o monitoramento oficial somente serão aceitas quando executadas pelo fiscal federal
agropecuário, ou por médico veterinário oficial ou por profissional do estabelecimento avícola, sob fiscalização
e supervisão oficial.

80
2. Para efeito de certificação, serão analisadas pelo SSA/DFA do estado em que se localiza o estabelecimento
avícola as amostras encaminhadas pelo médico veterinário responsável técnico da empresa junto ao MAPA e/ou
a colheita aleatória realizada pelo serviço oficial.
3. Todo material destinado a provas laboratoriais deverá estar, obrigatoriamente, lacrado e acompanhado de
formulário de colheita padronizado pelo DDA/SDA, devidamente preenchido, assinado pelo responsável técnico
junto ao MAPA e/ou pelo fiscal federal agropecuário ou médico veterinário oficial.
4. A colheita oficial de material deverá ser aleatória entre os diferentes galpões do mesmo núcleo, para os testes
sorológicos, provas biológicas em aves SPF ou ovos embrionados ou provas bacteriológicas.
5. Visando ao acompanhamento do estado sanitário e à manutenção da certificação, além das colheitas regulares
nos estabelecimentos de linhas puras, bisavoseiros e avoseiros, o acompanhamento deverá ser realizado
diretamente pelo fiscal federal agropecuário ou médico veterinário oficial, realizando colheitas aleatórias em
duplicata, no mínimo uma vez ao ano, para posterior envio a um laboratório credenciado ou oficial, para análise
laboratorial.
6. A critério do Serviço de Sanidade Animal da DFA e/ou da Secretaria Estadual de Agricultura, no estado onde
se localiza o estabelecimento avícola, poderão ser colhidas, a qualquer tempo, na presença do fiscal federal
agropecuário ou médico veterinário oficial, amostras aleatórias em duplicata, para serem submetidas a provas
laboratoriais, respeitando os critérios e as normas de segurança biológica, em laboratórios oficiais ou
credenciados pelo MAPA para este fim.
7. O envio do material do monitoramento oficial poderá ser feito para qualquer um dos laboratórios credenciados
pelo MAPA para este fim, a critério do fiscal federal agropecuário ou do médico veterinário oficial responsável
pela colheita.
8. O MAPA estabelecerá um sistema de sorteio aleatório das amostras oficiais e dos laboratórios credenciados
pelo MAPA para este fim e laboratórios oficiais, que será seguido pelo fiscal federal agropecuário ou médico
veterinário oficial responsável pela colheita.
9. Os custos de pagamento das colheitas oficiais para provas laboratoriais e do envio para laboratório,
credenciado pelo MAPA para este fim ou laboratório oficial, serão de responsabilidade da empresa interessada na
certificação.
10. As colheitas aleatórias realizadas pelo serviço oficial poderão ou não atender os cronogramas de exames das
empresas, ficando o fiscal federal agropecuário ou médico veterinário oficial responsável pela realização da
colheita ou supervisão da mesma, pelo lacre do material, devendo a empresa fornecer os materiais e meios
necessários para realização dessa atividade.
11. Para aves ornamentais ou silvestres de produção, serão adotados os mesmo s critérios utilizados para matrizes.

Capítulo VII
Da Realização das Provas Laboratoriais dos Núcleos para Certificação
1. O esquema de provas laboratoriais por núcleo para Certificação de Núcleos e/ou Estabelecimentos Avícolas
Livres de Salmonella Gallinarum e Salmonella Pullorum, e Livres ou Controlados para Salmonella
Enteritidis e Salmonella Typhimurium, consistirá de:
1.1. Em aves ou ovos férteis de reprodução e produção comercial para reposição de plantéis avícolas
importados:
1.1.1. A colheita de amostras será realizada no ponto de ingresso, e as provas laboratoriais realizadas de acordo
com o disposto nas normas específicas para importação e exportação de aves e ovos férteis, destinados à
reprodução e produção comercial e para reposição de plantéis avícolas.
1.1.2. As aves produzidas a partir de linhas puras e bisavós, nascidas no Brasil, seguirão o mesmo procedimento
citado no item 1.1.1 deste capítulo, tendo sua primeira colheita realizada no incubatório no momento do
nascimento, pelo Serviço de Sanidade Animal da DFA do estado em que está localizado, e enviada ao laboratório
oficial.
1.2. Monitoramento sanitário dos plantéis avícolas
1.2.1. Aves de 03 (três) a 05 (cinco) dias:
1.2.1.1. Diagnóstico bacteriológico nas aves mortas, identificando as linhas genéticas, no máximo cinqüenta aves
e suabes de cama (1 “pool” dos círculos existentes em cada galpão) e de papel (ou sepilho) das caixas de
transporte.
1.2.2. Aves reprodutoras de doze semanas:
1.2.2.1. Diagnóstico bacteriológico: deverá ser realizado de, no mínimo, uma das amostras definidas a seguir,
dependendo da viabilidade e possibilidade de colheita dos materiais:

81
?? um “pool” de cinqüenta suabes cloacais, sendo um para cada duas aves, em um total de cem aves por
núcleo;
?? um “pool” de cem amostras de fezes frescas por núcleo;
?? um “pool” de dois suabes de arrastro por galpão do núcleo.
1.2.2.2. Soro Aglutinação Rápida (SAR) ou Hemoaglutinação
?? em cem amostras por núcleos. Deverá ser complementada, quando reagente, com Soroaglutinação Lenta em
Tubos ou Microaglutinação.
1.2.3. Aves reprodutoras em início de produção, com no mínimo cerca de 5% de postura:
1.2.3.1. Linhas puras, bisavós e avós
1.2.3.1.1. Prova de hemoaglutinação ou SAR em 100% das aves. Deverá ser complementada quando reagentes,
com Aglutinação Lenta em Tubos ou com a Microaglutinação.
1.2.3.1.2. Diagnóstico bacteriológico: utilizar o mesmo critério descrito no item 1.2.2.1. deste capítulo.
1.2.3.2. Matrizes
1.2.3.2.1. Prova de hemoaglutinação ou SAR em quinhentas amostras por núcleo. Deverá ser complementada,
quando reagente, com a Aglutinação Lenta em Tubo ou Microaglutinação.
1.2.3.2.2. Diagnóstico bacteriológico: utilizar o mesmo critério descrito no item 1.2.2.1. deste capítulo.
1.2.4. Controle periódico a cada três meses.
1.2.4.1. Estabelecimentos de controles permanentes:
1.2.4.1.1. Diagnóstico bacteriológico: utilizar o mesmo critério descrito no item 1.2.2.1. deste capítulo
1.2.4.1.2. Diagnóstico Bacteriológico em 1 “pool” de vinte ovos bicados e em cinqüenta mililitros de mecônio
(colhidos no incubatório), referentes ao núcleo que está sendo amostrado.
1.2.4.1.3. hemoaglutinação ou SAR em cem amostras por núcleo. Deverá ser complementada, quando reagente,
com a Aglutinação Lenta em Tubos ou Microaglutinação.
Observação:
a) as repetições serão realizadas a cada três meses de intervalo, até a eliminação do lote, permitindo-se uma
variação de até duas semanas, de forma a adequar a colheita de sangue a outras práticas de manejo.
1.2.4.2. Estabelecimentos de controles eventuais para aves silvestres e/ou ornamentais (controle periódico
a cada 03 (três) meses):
1.2.4.2.1. Diagnóstico bacteriológico: utilizar o mesmo critério descrito no item 1.2.2.1. deste capítulo.
1.2.4.2.2. Diagnóstico Bacteriológico em 1 “pool” de até vinte ovos bicados e em até cinqüenta mililitros de
mecônio (colhidos no incubatório).
1.2.4.2.3. Hemoaglutinação ou SAR em Placa em até cem amostras ou 100% em populações menores, exceto
aves de pequeno porte. Deverá ser complementada, quando reagente, com a Aglutinação Lenta em Tubos ou
Microaglutinação. A amostragem será calculada com base estatística caso a caso.
2. Detectando-se a presença de aves reagentes sorologicamente, na Aglutinação Lenta em Tubos ou na
Microaglutinação, deverá ser adotado o seguinte procedimento:
2.1. Em estabelecimentos de controle permanente:
2.1.1. Isolamento e identificação das aves reagentes, sacrifício e posterior envio das aves colhidas e armazenadas
sob refrigeração, para diagnóstico bacteriológico, obedecendo aos seguintes critérios:
2.1.1.1. Se em número inferior a quatro aves, encaminhar amostras individuais;
2.1.1.2. Se em número superior a quatro aves, encaminhar “pools” de cinco amostras de até vinte aves.
2.2. Em estabelecimentos de controles eventuais de aves silvestres e/ou ornamentais:
2.2.1. Aves de pequeno e médio porte: colher suabe de cloaca e fezes de todas as aves reagentes, em amostras
individuais.

Capítulo VIII
Da Interpretação dos Resultados
1. Em aves ou ovos férteis de reprodutoras importadas e aves de linhas puras, bisavós e avós nascidas no
Brasil:
1.1. Constatando, nas colheitas oficiais, positividade para Salmonella Gallinarum, Salmonella Pullorum,
Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium – sacrifício/abate do núcleo e eliminação de todos os ovos,
incubados ou não, provenientes do(s) núcleo(s) afetado(s).
2. Matrizes:
2.1. Constatando-se, nas colheitas oficiais, positividade para Salmonella Gallinarum, Salmonella Pullorum –
sacrifício/abate do núcleo e eliminação de todos os ovos, incubados ou não, dele provenientes.

82
2.2. Constatando-se positividade nas colheitas oficiais para Salmonella Enteritidis e Salmonella
Typhimurium, haverá cancelamento da certificação de livre e o núcleo ou estabelecimento avícola passará a ser
considerado controlado, desde que atenda aos critérios a seguir:
2.2.1. Suspensão da incubação dos ovos até a obtenção de resultados negativos e adoção dos seguintes critérios
nas aves do núcleo afetado:
2.2.1.1. Medicação do núcleo com antibioticoterapia específica para enterobactérias;
2.2.1.2. Esquema de provas laboratoriais, de acordo com os capítulos V e VII, sendo que o primeiro teste deverá
ser realizado iniciando cinco dias após o término do antibiótico terapia. Em caso de positividade, repete-se a
antibioticoterapia e o esquema de teste inicial, repetindo tais procedimentos até a obtenção de negatividade. A
partir da primeira negativação, permite-se o retorno à incubação. O esquema de teste com o intervalo de sessenta
dias até o descarte do núcleo de aves, não permitindo a venda destas aves para utilização ou transferência
reprodutiva.
2.2.1.3. Por serem patogênicas para o homem, seus produtos não poderão ser comercializados para consumo
humano, salvo quando houver autorização do DDA e do DIPOA e os produtos em questão forem industrializados
em estabelecimento com SIF.
2.2.1.4. O resultado negativo em dois retestes permitirá a certificação de núcleo ou estabelecimento avícola em
sendo como controlado para Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium, podendo ser comercializadas
as aves de um dia ou ovos férteis exclusivamente no território nacional.
2.2.1.5. Os estabelecimentos considerados controlados deverão adotar um reforço nas medidas de biossegurança,
tais como:
2.2.1.5.1. Os núcleos considerados controlados não poderão comercializar seus produtos internacionalmente,
devendo a produção e incubação do núcleo ficar sob observação e acompanhamento até o final do ciclo
produtivo.
2.2.1.5.2. Estar protegido por cercas de segurança e com um único acesso, dotado de sistema de lavagem e
desinfecção dos veículos.
2.2.1.5.3. Possuir critérios para o controle rígido de trânsito e de acesso de pessoas (portões, portas, portarias,
muros de alvenaria e outros).
2.2.1.5.4. Ter as superfícies interiores das instalações construídas de forma que permitam limpeza e desinfecção
adequadas.
2.2.1.5.5. Dispor de meios devidamente aprovados pelo MAPA e dos órgãos competentes de controle ambiental
para destinação dos resíduos da produção (aves mortas, estercos, restos de ovos, embalagem etc.) e outros.
2.2.1.5.6. Ter isolamento entre os diferentes setores de categoria de idade, separados por cercas e/ou cortina de
árvores não-frutíferas, com acesso único restrito, com fluxo controlado, com medidas de biossegurança, dirigido
à área interna, para veículos, pessoal e material.
2.2.1.5.7. Permitir entradas de pessoas, veículos, equipamentos e materiais nas áreas internas dos
estabelecimentos somente quando cumpridas rigorosas medidas de biossegurança.
2.2.1.5.8. Deverão ser adotadas medidas de controle de efluentes líquidos, através de fossas sépticas, observados
os afastamentos de cursos da água e lençóis freáticos para evitar contaminações.
2.2.1.5.9. Controle físico-químico e microbiológico da água realizado em laboratório público.
3. Aves silvestres e aves ornamentais de produção comercial: serão adotados os mesmos critérios adotados
para matrizes.
4. Mesmo tendo sido obedecidas todas as exigências anteriores, havendo mortalidade elevada nos primeiros dias
do lote, o estabelecimento avícola deverá informar ao serviço oficial que definirá o encaminhamento do material
de cerca de trinta aves mortas ou agonizantes para um laboratório oficial ou credenciado pelo MAPA, com o
objetivo de isolamento da Salmonella Gallinarum e Salmonella Pullorum. Havendo confirmação do
diagnóstico, será determinado o sacrifício das aves do núcleo e a investigação epidemiológica oficial buscando a
origem.

Capítulo IX
Do Encaminhamento dos Resultados
1. Os resultados dos testes laboratoriais deverão ser emitidos em formulário próprio, padronizado pelo MAPA, e
comunicados seguindo o fluxograma determinado:
1.1. Resultado negativo: enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para o Médico Veterinário Oficial
Requisitante e para o estabelecimento avícola.

83
1.2. Resultado positivo: enviar FAX ou outro tipo de documentação imediata ao DDA e ao Serviço de Sanidade
Animal/SSA/DFA, onde se localiza o estabelecimento, que notificará o mesmo.

Capítulo X
Da Certificação dos Estabelecimentos
1. Quando os resultados das provas labora toriais referidas nos capítulos VII e VIII destas normas forem
negativos para o núcleo ou estabelecimento avícola, o Serviço Oficial procederá à certificação do núcleo ou do
estabelecimento avícola livre para Salmonella Gallinarum e Salmonella Pullorum e livre ou controlado para
Salmonella Enteritidis e Salmonella Typhimurium.
2. O estabelecimento avícola certificado como núcleo livre ou controlado somente estará habilitado ao comércio
de aves ou ovos férteis procedentes deste núcleo certificado.
3. O estabelecimento avícola que obtiver o certificado de estabelecimento livre ou controlado estará habilitado a
proceder ao comércio de aves e/ou ovos férteis de todos os núcleos.
4. Será emitido pela DFA um Certificado Sanitário, conforme um modelo padronizado pelo MAPA, para os
núcleos ou estabelecimentos livres ou controlados para os agentes tratados nesta norma, após realização mínima
de três testagens.
5. Este certificado terá sua validade condicionada à manutenção da situação sanitária do núcleo ou do
estabelecimento avícola.
6. Caso a situação sanitária do plantel seja alterada, o certificado terá sua validade cancelada, podendo retornar à
situação anterior, após avaliação do SSA/DFA e/ou da Secretaria Estadual de Agricultura, do estado onde se
localiza o estabelecimento avícola.

Capítulo XI
Das Disposições Gerais

1. As provas laboratoriais sorológicas são sempre de triagem, podendo ocorrer reações cruzadas inespecíficas.
Portanto, apenas a identificação do agente é considerada conclusiva para a confirmação da presença dos quatro
sorovares das salmonelas referidas na presente norma.
2. Todas as salmonelas isoladas deverão ser, obrigatoriamente, enviadas ao laboratório oficial e/ou de referência
de salmonelas aviária s, para serem investigadas sob os aspectos epidemiológicos/ microbiológicos.
3. Fica proibida a comercialização para consumo humano de ovos fecundados não-incubados, procedentes de
incubatórios, salvo quando autorizados pelo DDA e destinados a processamento industrial sob fiscalização do
SIF, segundo as normas do DIPOA.
4. Das medidas de biossegurança na incubação:
4.1. Fica proibida a incubação de ovos férteis de bisavós, avós e matrizes na mesma máquina e no mesmo
período, devendo ser atendidos os critérios sanitários de linhagem superior.
4.2. Fica proibida a incubação de ovos férteis de bisavós e avós em incubatórios que eclodem pintos comerciais.
4.3. A incubação dos ovos dos núcleos de matrizes controlados para Salmonella Enteritidis e S.
Typhimurium deverá ser realizada em máquinas separadas da realizada para dos núcleos livres.
5. No caso de realização de abate dos núcleos positivos para os agentes desta norma, os mesmos deverão ser
realizados em abatedouros com SIF, segundo as normas do DIPOA, o u sob orientação do SIF/DIPOA.
6. O Serviço de Sanidade Animal da DFA, do estado em que se localiza o estabelecimento avícola, e as
Secretarias Estaduais de Agricultura são os organismos responsáveis, na sua área de atuação e competência, pela
definição das medidas apropriadas para a solução dos problemas de natureza sanitária, observando o estabelecido
no Regulamento de Defesa Sanitária Animal e no PNSA, da Secretaria de Defesa Agropecuária.
7. Os casos omissos e as dúvidas suscitadas na aplicação desta norma, e em atos complementares, serão
dirimidos pelo DDA.

??RETIFICAÇÃO
PUBLICADO NO DOU DE 6 DE MAIO DE 2002, SEÇÃO 1 PAG 85 ( OF.EL nº 54/2002 )

No Anexo da Instrução Normativa n.º 3, de 9 de janeiro de 2002, publicada no DOU n.º 11, Seção 1, página 14,
de 16 de janeiro de 2002; que trata das NORMAS TÉCNICAS PARA CONTROLE E CERTIFICAÇÃO DE
NÚCLEOS E ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS, como livres de Salmonella Gallinarum e de Salmonella

84
Pullorum, e livres ou controlados para Salmonella Enteritidis e para Salmonella Typhimurium; no Capítulo
VII, item 1.2.1., onde se lê: aves de 03 (três) a 05 (cinco) dias, leia-se: aves de 01 (um) a 05 (cinco) dias; no item
1.2.2.1., onde se lê . um “pool” de cinqüenta suabes cloacais, sendo um para cada duas aves, em um total de cem
aves por núcleo; . um “pool” de cem amostras de fezes frescas por núcleo; . um “pool” de dois suabes de arrastro
por galpão do núcleo, leia -se: um “pool” de cinqüenta suabes cloacais, sendo um para cada duas aves, em um
total de cem aves por núcleo ou; . um “pool” de cem amostras de fezes frescas por núcleo ou; . um “pool” de dois
suabes de arrastro por galpão do núcleo; no Capítulo VIII, onde se lê: Da interpretação dos resultados, leia-se: Da
interpretação dos resultados e adoção de medidas de biossegurança e de controle sanitário e no Capítulo XI, item
3 onde se lê: ...salvo quando autorizados pelo DDA e destinados a processamento industrial sob fiscalização do
SIF, segundo as normas do DIPOA leia-se: ...salvo quando autorizados pelo DDA e DIPOA segundo as normas
específicas sob fiscalização do SIF.

Luiz Carlos de Oliveira

85
MICOPLASMOSE AVIÁRIA

PORTARIA Nº 208, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1994 - Normas de


Credenciamento e Monitoramento de Laboratórios de Diagnóstico das
Micoplasmoses Aviárias

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, SUBSTITUTO, no uso da atribuição que lhe


confere o artigo 78, inciso VII do Regimento Interno da Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 212, de
21 de agosto de 1992, resolve:

Art.1º Aprovar as “Normas de Credenciamento e Monitoramento de Laboratórios de Diagnóstico


das Micoplasmoses Aviárias”, em anexo.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se as disposições em
contrário.

MARCUS DA COSTA FERREIRA

ANEXO

NORMAS PARA CREDENCIAMENTO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DE


DIAGNÓSTICO DAS MICOPLASMOSES AVIÁRIAS

1. DO CREDENCIAMENTO
Para efeito de credenciamento e monitoramento serão obedecidas as determinações constantes das
Portarias da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária/SNAD nº 53 de 20 de maio de 1991 e da Divisão
de Laboratório Animal/DLA nº 01 de 14 de agosto de 1991 e demais normas e instruções substitutivas
e/ou complementares que vierem a ser baixadas por este Ministério.
2. MATERIAL
2.1. Antígenos e soro padrão
2.2. Conjugados
2.3. Meios de cultura
?? Meio de Frey - caldo
?? Meio de Frey - ágar
?? Meio de Hayflick - caldo
?? Meio de Hayflick - ágar
2.4. Ovos
Devem ser utilizados ovos do tipo Livre de Patógenos Específicos - SPF, embrionados
com 8 (oito) a 10 (dez) dias de incubação. Alternativamente, poderão ser utilizados ovos oriundos
de plantéis livres de Micoplasmose.
2.5. Amostras a serem testadas
2.5.1. Diagnóstico bacteriológico
2.5.1.1. Animais vivos
- “Swab” de fenda palatina
- “Swab” de traquéia
- “Swab” de cloaca
- “Swab” de falus
- “Swab” de vagina
2.5.1.2. Animais necropsiados
- Pulmões
- Seio infraorbital e cornetos
- Traquéia
- Ovidutos

86
- Sacos aéreos
- Exudatos dos seios nasais e articulações
2.5.1.3. Embriões mortos
- Superfície interna da membrana vitelina
2.5.1.4. Ovos
2.5.1.4.1. Ovos embrionados
2.5.1.4.2. Ovos bicados
- Fenda palatina e sacos aéreos
2.5.2. Diagnóstico imunológico
- Soro sanguíneo
- Ovos embrionados
3. RECEBIMENTO DAS AMOSTRAS
3.1. As amostras deverão estar devidamente identificadas e acondicionadas em caixas isotérmicas.
3.2. As amostras deverão estar acompanhadas de um formulário de coleta devidamente preenchido,
conforme modelo estabelecido pela Coordenação de Programa Sanitário - CPS, do Departamento
de Defesa Animal - DDA.
3.3. As amostras serão registradas em livro próprio conforme modelo indicado pela Coordenação Geral
de Laboratório Animal - CGLA.
3.4. As amostras de tecidos, destinadas ao diagnóstico bacteriológico deverão ser coletadas em
pequenas porções e imediatamente submersas em caldo para o micoplasma suspeito.
3.5. Quando as amostras destinadas ao diagnóstico bacteriológico forem coletadas através de “swabs”,
o s mesmos deverão ser submersos em caldo para o micoplasma suspeito. O transporte deverá ser
efetuado sob refrigeração a + 4ºC.
3.6. As amostras destinadas ao diagnóstico bacteriológico deverão estar conservadas a + 4ºC, por não
mais que 24 horas.
3.7. As amostras de soro sanguíneo, destinadas ao diagnóstico imunológico deverão ter o volume
mínimo de 0,5 ml e estarem conservadas a + 4ºC. Não serão aceitas amostras de sangue total, com
a presença de coágulo ou com evidências de contaminação.
3.8. As amostras de soro sanguineo destinadas ao diagnóstico imunológico, deverão ser,
obrigatoriamente divididas em duas alíquotas e identificadas, uma como prova e outra com contra-
prova.
3.9. A targeta de identificação da contra-prova, conforme modelo indicado pela CGLA, será preenchida
e lacrada juntamente com as amostras para contra -prova, o lacre será plástico, numerado e
inviolável.
3.10. As amostras de ovos embrionados deverão ser remetidas a fresco e em data não superior a 8 dias
após a postura.

4. CONSERVAÇÃO E ESTOCAGEM
4.1. As amostras destinadas ao diagnóstico bacteriológico deverão ser mantidas a temperatura de + 4ºC,
por não mais que 24 horas, até serem processadas.
4.2. As amostras destinadas ao diagnóstico imunológico deverão ser mantidas a temperatura de + 4ºC,
por um período máximo de 3 dias, até serem processadas.
4.3. Após a análise as amostras destinadas ao diagnóstico imunológico deverão ser mantidas a
temperatura de -20ºC, por um período de 30 (trinta) dias.

5. SEGURANÇA BIOLÓGICA
5.1. Após o processamento as amostras destinadas ao diagnóstico bacterioló gico serão destruídas com a
observância dos critérios e normas de segurança biológica.
5.2. Decorrido o prazo de 30 (trinta) dias da emissão do resultado, as amostras destinadas ao
diagnóstico imunológico, serão destruídas com a observância dos critérios e normas de segurança
biológica.

6. MÉTODOS
6.1. Diagnóstico bacteriológico
6.1.1. Isolamento
Em meios de cultura

87
Reação em cadeia da polimerase - PCR
6.1.2. Identificação da cultura
Imunofluorescência indireta - IFI
Imunofluorescência direta - IFD
Inibição do metabolismo - IM
Inibição do crescimento - IC
Reação em cadeia da polimerase - PCR
6.2. Diagnóstico Imunológico
- Soroaglutinação rápida - SAR
- Inibição da hemaglutinação - HI

7. DOS RESULTADOS E RELATÓRIOS


Toda a documentação referente a livro de registro, laudo de resultado e relatórios deverá ser
arquivada por um período de cinco anos.
7.1. Os resultados dos exames deverão ser emitidos em formulário próprio, segundo modelo
estabelecido pela CGLA, e de acordo com o fluxograma determinado.
- RESULTADO NEGATIVO: Enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para o Médico
Veterinário requisitante:
- RESULTADO POSITIVO: Enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para:
. O Médico Veterinário requisitante;
. Comitê Estadual de Sanidade Avícola - CESA
. Ao Departamento de Defesa Animal - DDA, em Brasília.
7.2. Todo laboratório credenciado deverá encaminhar até o quinto dia útil do mês subsequente, relatório
das atividades mensais, em formulário próprio, segundo modelo estabelecido pela CGLA, à
CGLA.

8. REALIZAÇÃO DOS EXAMES DA CONTRA-PROVA


8.1. Somente serão concedidas contra-provas do diagnóstico imunológico.
8.2. A realização de contra-prova somente será efetuada no laboratório realizador do exame.
8.3. A solicitação deverá obedecer ao prazo máximo de 8 dias a contar da data do recebimento do
resultado.
8.4. A contra-prova será solicitada ao CESA, e este o encaminhará ao laboratório realizador do exame.
8.5. O Médico Veterinário requisitante do exame obriga-se a pessoalmente, ou por seu representante, a
acompanhar, assistido ou não por técnicos de sua confiança, aos exames que serão realizados na
contra-prova.
8.6. Cabe ao técnico indicado pelo Médico Veterinário requisitante do exame, apenas assistir, fiscalizar
e observar a exatidão do resultado dos exames.
8.7. É obrigatória a comunicação ao CESA, da data e horário da realização do exame da contra-prova,
podendo o técnico daquele Serviço assistir, fiscalizar e observar a exatidão do resultado.
8.8. A ausência do representante do CESA, não constitui óbice para a realização do mesmo, desde que
tenha sido observado o disposto no item 10.6.
8.9. Após a realização do exame, será lavrada uma ata assinada pelos interessados presentes, onde
constará o resultado desse exame e a descrição de todo método analítico, nele utilizado.
8.10. A desistência do Médico Veterinário requisitante do exame, ou seu representante, mediante
declaração escrita, ou a sua ausência na realização do exame da contra-prova, importará no
prevalecimento do resultado obtido no primeiro exame.
8.11. Os custos decorrentes da solicitação da contra-prova, venha esta a ser realizada ou não, correrão
por conta do interessado.

9. DO LABORATÓRIO
9.1. O laboratório deve possuir instalações e equipamentos adequados para a realização do Diagnóstico
da Micoplasmose e responsável técnico e substituto deste, devidamente habilitado pela CGLA para
a realização dos Diagnósticos.
9.2. As instalações devem fazer parte da mesma base física do laboratório e atender as normas de
segurança biológica.

88
9.3. Somente poderá assinar o formulário de resultado do exame e o relatório mensal, o responsável
técnico ou seu substituto.

10. INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E MATERIAIS.


Para efeito de credenciamento e monitoramento, o laboratório será vistoriado, devendo atender as
exigências quanto a:
10.1. Instalações
10.1.1.Protocolo
O protocolo deverá ser constituído de dois ambientes distintos:
- Recepção: Onde serão recebidos, registrados e identificados os materiais a serem
examinados. Deverá ter pessoal próprio que procederá a conferência do material,
observando a exatidão dos dados de remessa e o estado de conservação.
- Escritório: Estrutura responsável pela emissão dos laudos de resultado devendo ser
obrigatoriamente independente da sala de recepção.
10.1.2.Sala de exame
Neste local as amostras serão processadas, incluindo-se sua divisão em amostras de
exame e contra-prova e a realização dos exames bacteriológicos e imunológicos.
10.1.3.Apoio técnico
10.1.3.1. Meios e soluções
Este setor estará encarregado do preparo de meios e soluções.
10.1.3.2 - Lavagem e esterilização
Este setor atenderá o laboratório procedendo a desinfecção, lavagem,
montagem, esterilização e estocagem do material procedente dos setores de exame, meios
e soluções..
10.2. Equipamentos e materiais
10.2.1.Protocolo
10.2.1.1. Recepção
- Mesa com superfície resistente a desinfetantes.
- Refrigerador.
10.2.1.2. Escritório
- Arquivo com chave
- Máquina de escrever/Equipamento de informática
10.2.2.Sala de exame
- Estufa Bacteriológica
- Centrífuga
- Microcentrífuga
- Microscópio Esterioscópico
- Microscópio Ótico com luz fluorescente transmitida ou incidente
- Fluxo Laminar vertical
- Equipamento de microtitulação
- Termoscilador (opcional)
- Trasiluminador (opcional)
- Conjunto para eletroforese (opcional)
- Leitor para Ensaio Imuno Enzimático - ELISA (opcional)
- Espectrofotômetro (opcional)
10.2.3.Apoio técnico
10.2.3.1. Meios e soluções
- Agitador magnético com e sem placa aquecedora
- Balança analítica
- Balança semi-analítica
- Carrinho de laboratório (opcional)
- Congelador a -20ºC
- Deionizador
- Destilador
- Dispensador de pipetas
- Fluxo lâminar horizontal ou câmara asséptica

89
- Refrigerador (+4 a 8ºC)
- Potenciômetro
10.2.3.2. Lavagem e esterilização
. Desinfecção:
- Autoclave
- Carrinho de laboratório (opcional)
. Lavagem:
- Depósito para água destilada e/ou água deionizada
- Cuba para água sanitária
- Destilador
- Deionizador (opcional)
- Sistema para enxague de material
- Sistema para ferver material (vidraria, etc.)
- Lavador de pipetas
. Montagem:
- Estante para secagem do material
- Mesa para montagem do material
. Esterilização:
- Autoclave
- Carrinho de laboratório (opcional)
- Forno de esterilização
. Estocagem:
- Refrigerador
- Congelador
- Estantes e/ou armários

11. DO RESPONSÁVEL TÉCNICO E SEU SUBSTITUTO


Para efeito de credenciamento e monitoramento, o responsável técnico e seu substituto serão
submetidos a avaliação técnico-científica, pela CGLA.

12. DO CREDENCIAMENTO E MONITORAMENTO


Após aprovação dos responsáveis técnicos na avaliação técnico-científica, e atendimento às
exigências de instalações e equipamentos na vistoria, o laboratório será credenciado.
O monitoramento se fará, utilizando os procedimentos de envio de material para “check-test” e
realização de vistorias técnico-administrativas.
O monitoramento também poderá ser realizado por técnicos da CGLA, a partir do processamento
das amostras retidas para contra-prova.

13. 13 - DISPOSIÇÕES GERAIS


13.1. Somente deverá ser liberado resultado definitivo e conclusivo para o Diagnóstico das
micoplasmoses aviárias.
13.2. As técnicas a serem utilizadas para o diagnóstico da micoplasmose aviária deverão ser previamente
submetidas a CGLA, para aprovação. Outos métodos diagnósticos poderão ser utilizados, desde
que previamente aprovados pela CGLA.
13.3. O laboratório credenciado que não cumprir o determinado pela presente norma, terá seu
credenciamento cancelado ou suspenso por tempo determinado ou indeterminado, por ato da
Secretaria de Defesa Agropecuária - SDA.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 44, DE 23 DE AGOSTO 2001 - Aprovar


as Normas Técnicas para o Controle e a Certificação de Núcleos e
Estabelecimentos Avícolas para a Micoplasmose Aviária

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E


DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 83, inciso IV, do Regimento Interno da

90
Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 574, de 8 de dezembro de 1998,tendo em vista o disposto na
Portaria Ministerial nº 193, de 19 de setembro de 1994 e no Processo MA 21000.005233/2001-68, resolve:

Art. 1º Aprovar as Normas Técnicas para o Controle e a Certificação de Núcleos e


Estabelecimentos Avícolas para a Micoplasmose Aviária (Mycoplasma gallisepticum, synoviae e melleagridis),
em conformidade ao ANEXO desta Instrução Normativa.

Art. 2º Revogar a Instrução Normativa SDA Nº 13, de 29 de junho de 1999.

Art. 3º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA

ANEXO

NORMAS TÉCNICAS PARA O CONTROLE E A CERTIFICAÇÃO DE NÚCLEOS E


ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS PARA A MICOPLASMOSE AVIÁRIA (Mycoplasma gallisepticum,
synoviae e melleagridis).

CAPÍTULO I
INTRODUÇÃO

1. Estas normas definem as medidas de monitoramento da micoplasmose em estabelecimentos avícolas de


controles permanentes e eventuais (exceto postura comercial, frango de corte e ratitas), que realizam o
comércio ou a transferência nacional e internacional de seus produtos, destinados à reprodução e produção
de aves e de ovos férteis, ficando os mesmos obrigados a realizarem o monit oramento de seus plantéis,
obedecendo as diretrizes do Programa Nacional de Sanidade Avícola - PNSA.
2. Para realizar o comércio internacional, o estabelecimento avícola deverá estar certificado como livre de
micoplasmose aviária (Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma synoviae e Mycoplasma melleagridis),
conforme estabelecido no Capítulo IV deste ANEXO.
3. Os estabelecimentos importadores ou compradores de material genético de linhas puras, bisavós e avós
deverão obter previamente a garantia ou a certificação da origem, como livre de micoplasmas, de que
tratam estas normas.

CAPÍTULO II
DAS DEFINIÇÕES

1. Para efeito destas normas, entende-se por:


1.1. Lote: grupo de aves da mesma finalidade, origem e idade, alojado em um ou vários galpões.
1.2. Boxes: divisões físicas dentro de um galpão.
1.3. Galpão: a unidade física de produção avícola, caracterizada como unidade de um núcleo, que aloja
um grupo de reprodutores, aves de corte ou poedeiras comerciais, da mesma idade (exceção das
linhas puras de seleção genética) e da mesma espécie.
1.4. Aves comerciais: geração de aves destinadas ao abate e/ou produção de ovos para consumo.
1.5. Núcleo de reprodução: unidade com área física adequadamente isolada, de manejo comum,
constituída de um ou mais galpões.
1.6. Estabelecimento avícola: local onde são mantidas as aves para qualquer finalidade, podendo ser
constituído de um ou vários núcleos.
1.6.1. Estabelecimentos Avícolas de Controles Permanentes: granjas de seleção genética de
reprodutoras primárias (linhas puras), granjas bisavoseiras, granjas avoseiras, granjas
matrizeiras, granjas de aves reprodutoras livres de patógenos específicos (SPF) e os
incubatórios destes estabelecimentos.
1.6.2. Estabelecimentos avícolas de controles eventuais: estabelecimentos avícolas produtores de
ovos comerciais, de frango de corte, de exploração de outras aves silvestres, e/ou
ornamentais, e/ou exóticas ou não, e os incubatórios destes estabelecimentos.

91
1.7. Serviço oficial: Serviço de Defesa Sanitária Animal Federal, Estadual e Municipal.
1.8. Laboratórios oficiais: são os laboratórios da rede do Ministério da Agricultura e do Abastecimento
(MA).
1.9. Laboratórios credenciados: unidades laboratoriais federais, estaduais, municipais ou privadas,
habilitadas e reconhecidas pelo MA, para a realização de diagnóstico laboratorial dos agentes das
doenças a que se referem estas normas.
1.10. Fiscal Federal Agropecuário ou Médico Veterinário Oficial: profissional médico veterinário do
Serviço Público Federal, que exerce atividades de Defesa Sanitária Animal.
1.11. Médico Veterinário Oficial: Fiscal Federal Agropecuário ou Médico Veterinário do Serviço Público
Federal.
1.12. Médico Veterinário Oficial para Certificação: Fiscal Federal Agropecuário ou Médico Veterinário
Oficial do Serviço de Defesa Sanitária Animal.
1.13. Médico Veterinário Credenciado: Médico Veterinário do estado, do município, do setor privado ou
liberal, com delegação de competência do serviço oficial federal para emitir Guia de Trânsito
Animal - GTA.
1.14. Responsável Técnico: Médico Veterinário responsável pelo controle higiênico-sanitário dos plantéis
dos núcleos ou estabelecimentos avícolas.
1.15. Monitoramento de Plantéis: é o acompanhamento sanitário dos testes sorológicos e de outras provas
biológicas, bem como das análises epidemiológicas relacionadas às condições de saúde das aves
alojadas em núcleo ou estabelecimento avícola.
1.16. MA : Ministério da Agricultura e do Abastecimento
1.17. SDA : Secretaria de Defesa Agropecuária
1.18. DDA : Departamento de Defesa Animal
1.19. CLA : Coordenação de Laboratório Animal
1.20. PNSA : Programa Nacional de Sanidade Avícola
1.21. DIPOA : Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal
1.22. DFA : Delegacia Federal de Agricultura
1.23. SSA : Serviço de Sanidade Animal
1.24. SIF : Serviço de Inspeção Federal
.

CAPÍTULO III
DAS EXIGÊNCIAS

1. Para atender ao PNSA, os estabelecimentos avícolas de controles permanentes e eventuais deverão:


1.1. Obter registro e habilitação junto a DFA da jurisdição em que se localiza.
1.2. Estar sob vigilância e controle do Serviço de Sanidade Animal da DFA ou da Secretaria Estadual
de Agricultura do estado em que se localiza.
1.3. Ser assistido por responsável técnico, registrado junto à Delegacia Federal de Agricultura do Estado
em que se está localizado.
2. O estabelecimento avícola participante do PNSA não poderá utilizar:
2.1. vacina de qualquer natureza contra a micoplasmose aviária, em estabelecimentos de controles
permanentes;
2.2. qualquer vacina preparada com adjuvante oleoso, durante as quatro semanas que antecedem as
provas laboratoriais;
2.3. qualquer droga, para a qual exista evidência científica, que possa interferir nos resultados dos testes
sorológicos ou dificultar o isolamento dos micoplasmas, no período de três semanas antecedentes às
provas laboratoriais;
2.4. os casos excepcionais deverão ser avaliados pelo DDA/SDA, desde que apresentado e aprovado
por projeto técnico-científico específico.
3. Só poderão ser utilizados antígenos, soros controles e “kits” autorizados pelo MA, observados os prazos de
validade.
4. Somente poderão ser utilizadas outras provas laboratoriais quando devidamente aprovadas pelo PNSA.
5. Os estabelecimentos avícolas deverão fornecer mensalmente um calendário de colheitas, que será
encaminhado à DFA, do Estado onde se localiza, com cronograma de nascimento, de importação e as

92
datas das colheitas rotineiras de material, realizadas pelo responsável técnico, visando a fiscalização e a
supervisão do serviço oficial.

CAPÍTULO IV
DA CERTIFICAÇÃO

1. Certificação dos núcleos ou estabelecimentos avícolas para linhas puras, bisavós e avós:
1.1. Livres de Mycoplasma gallisepticum e Mycoplasma synoviae para galinhas.
1.2. Livres de Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma synoviae e Mycoplasma melleagridis para
perus.
2. Certificação dos núcleos (estabelecimentos avícolas de matrizes).
2.1. Livre de Mycoplasma gallisepticum para galinhas.
2.2. Livre de Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma synoviae e Mycoplasma melleagridis para perus.
2.3. Sob vigilância e acompanhamento para Mycoplasma synoviae para galinhas.

CAPÍTULO V
DAS PROVAS LABORATORIAIS

1. Provas laboratoriais utilizadas no monitoramento e no diagnóstico laboratorial, nas diferentes etapas do


processo:
1.1. Diagnóstico imunológico:
1.1.1. Aglutinação rápida em placa, com soro ou gema de ovos embrionados.
1.1.2. Aglutinação lenta em soro (SAL) ou gema de ovos embrionados.
1.1.3 Inibição da hemaglutinação (HI).
1.1.4 Ensaio imunoenzimático (ELISA).
1.2 Diagnóstico micoplasmológico:
1.2.1. Isolamento em meios de cultura.
1.2.2. Reação em cadeia da polimerase (PCR).
1.3. Identificação da cultura:
1.3.1 Imunofluorescência indireta (IFI).
1.3.2 Imunofluorescência direta (IFD).
1.3.3 Inibição do metabolismo (IM).
1.3.4 Inibição do crescimento (IC).
1.3.5. Reação em cadeia da polimerase (PCR).
2. A realização e a interpretação dos testes acima citados obedecerá os critérios estabelecidos em normas e
regulamentos técnicos específicos do MA.
3. As provas laboratoriais somente serão aceitas quando realizadas em laboratório oficial e/ou credenciado
pelo MA, identificando o antígeno, o número da partida e a quantidade utilizada.
4. Outras provas laboratoriais poderão ser utilizadas, desde que autorizadas pelo DDA/SDA/MA.

CAPÍTULO VI
DA COLHEITA DE AMOSTRAS

1. As colheitas para a monitoramento oficial somente serão aceitas quando executadas por fiscal federal
agropecuário, médico veterinário oficial ou soba fiscalização e supervisão de um deles.
2. Para efeito de certificação, serão analisadas, pelo SSA/DFA do Estado em que se localiza o
estabelecimento avícola, as amostras encaminhadas pelo responsável técnico da empresa junto ao MA
e/ou a colheita aleatória realizada pelo serviço oficial.
3. Todo material destinado às provas laboratoriais deverá, obrigatoriamente, vir acompanhado de formulário
de colheita padronizado pelo DDA/SDA, devidamente preenchido, assinado pelo responsável técnico
junto ao MA, pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial.
4. A colheita oficial do material deverá ser aleatória e ocorrerá entre os diferentes galpões do mesmo núcleo,
para os testes sorológicos, provas biológicas em aves SPF, em ovos embrionados ou em provas
micoplasmológicas.

93
5. Visando o acompanhamento do estado sanitário, da manutenção da certificação e das colheitas regulares
nos estabelecimentos de linhas puras, bisavoseiros e avoseiros, essa etapa deverá ser realizada
diretamente pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial, com colheitas aleatórias
em duplicata, no mínimo anual, sendo posteriormente encaminhadas à análise em laboratórios oficiais ou
credenciados.
6. A critério do Serviço de Sanidade Animal da DFA ou da Secretaria Estadual de Agricultura, no Estado
onde se localiza o estabelecimento avícola, poderão ser colhidas, a qualquer tempo, na presença do médico
veterinário oficial, amostras aleatórias em duplicata, que serão submetidas às provas laboratoriais,
respeitado os critérios e as normas de segurança biológica, em laboratórios oficiais ou credenciados pelo
MA.
7. O envio do material de monitoramento oficial poderá ser feito para qualquer um dos laboratórios
credenciados pelo MA para este fim, a critério do fiscal federal agropecuário ou do médico veterinário
oficial responsável pela colheita.
8. O MA estabelecerá um sistema de sorteio aleatório das amostras e dos laboratórios oficiais e
credenciados, que será acompanhado pelo fiscal federal agropecuário ou pelo médico veterinário oficial
responsável pela colheita.
9. Os custos devidos ao pagamento das colheitas oficiais e do envio para análises pelos laboratórios,
credenciados, serão de responsabilidade da empresa interessada na certificação.
10. Todo material colhido oficialmente deverá ser lacrado e acompanhado de formulário padronizado pelo
DDA/SDA.
11. As colheitas aleatórias realizadas pelo serviço oficial poderão ou não atender os cronogramas de exames
das empresas, ficando o fiscal federal agropecuário ou o médico veterinário oficial responsável pela
realização da colheita ou supervisão da mesma e pelo lacre do material, devendo a empresa fornecer todas
as condições necessárias à realização dessa atividade.
12. Para aves ornamentais ou silvestres de produção, serão adotados os mesmos critérios utilizados para
matrizes.

CAPÍTULO VII
DA REALIZAÇÃO DAS PROVAS LABORATORIAIS

1. O esquema das provas laboratoriais por lote para Certificação de núcleos ou estabelecimentos avícolas
livres de Mycoplasma gallisepticum e Mycoplasma synoviae para galinhas e Mycoplasma gallisepticum,
Mycoplasma synoviae e Mycoplasma melleagridis para perus, conforme disposto no Capítulo IV,
consistirá de:
1.1. Aves ou ovos férteis de reprodução e produção comercial para reposição de plantéis avícolas
importados:
1.1.1. A colheita de amostras será realizada no ponto de ingresso, e as provas laboratoriais
solicitadas de acordo com o disposto nas normas específicas para importação e exportação de
aves e ovos férteis, para reposição de plantéis avícolas.
1.1.1.1. Quando se tratar de aves vivas ou mortas, serão usadas as técnicas sorológicas e/ou
micoplasmológicas, dependendo da situação.
1.1.1.2. Quando se tratar de ovos, poderá ser utilizada aglutinação de gema de ovos
embrionados e as provas micoplasmológicas.
1.1.2. As aves produzidas a partir de linhas puras e bisavós, nascidas no Brasil, seguirão o mesmo
procedimento anteriormente citado no item 1.1.1., tendo sua primeira colheita realizada no
incubatório, no momento do nascimento, pelo SSA/DFA do estado em que está localizado, e
enviada ao laboratório oficial.
1.2. Monitoramento sanitária dos plantéis avícolas
1.2.1. Em aves reprodutoras de 12 (doze) semanas:
1.2.1.1. Em galinhas e perus: SAR de no mínimo trezentas amostras para Mycoplasma
gallisepticum e cem amostras para Mycoplasma synoviae, selecionadas
aleatoriamente, com representação de cada galpão e/ou box por núcleo
complementada, quando reagentes, com a HI ou ELISA.
1.2.2. Em Aves reprodutoras em início de produção, com cerca de 5% de postura:
1.2.2.1. SAR em cento e cinqüenta amostras por núcleo, para Mycoplasma gallisepticum e
cem para Mycoplasma synoviae para galinhas.

94
1.2.2.2. SAR em cento e cinqüenta amostras por núcleo para Mycoplasma gallisepticum e
Mycoplasma melleagridis e cem para Mycoplasma synoviae para perus.
1.2.2.3. Quando positivos no HI ou ELISA, colher suabes de traquéia de vinte aves para
confirmação por cultivo e/ou PCR em laboratório credenciado ou oficial, a critério
do serviço oficial de defesa sanitária animal.
1.2.3. Estabelecimentos de controles permanentes (controle periódico a cada três meses).
1.2.3.1. SAR em cento e cinqüenta amostra por núcleo de aves aleatoriamente selecionadas
e com representação de cada galpão e/ou box do núcleo, para Mycoplasma
gallisepticum e Mycoplasma melleagridis, este último exclusivo para perus, e cem
amostras para Mycoplasma synoviae, complementares quando reagentes, com HI e
ELISA. Os testes deverão ser permanentes até a eliminação do lote, permitindo-se
uma variação de até duas semanas, nos intervalos, de forma a adequar a colheita de
sangue a outras práticas de manejo.
1.2.3.2. Quando positivos no HI ou ELISA, colher suabes de traquéia e soros de vinte aves
para confirmação por cultivo e/ou PCR em laboratório credenciado ou oficial, a
critério do serviço oficial.
1.2.4. Estabelecimentos de controles eventuais, exceto aves de postura comercial, frango de corte e
ratitas (controle periódico a cada três meses):
1.2.4.1. SAR por núcleo de cento e cinqüenta amostras de soro de aves aleatoriamente
selecionadas e com representação de cada galpão e/ou box do núcleo para
Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma melleagridis e Mycoplasma iowa,
conforme Capítulo IV desta norma, e cem amostras para Mycoplasma synoviae,
complementadas quando reagentes com HI e ELISA e repetições a cada três meses
de intervalo, até a eliminação do lote, permitindo-se uma variação de até duas
semanas, de forma a adequar a colheita de sangue a outras práticas de manejo.
1.2.4.2. Em aves reprodutoras onde não seja possível utilização de suabes, proceder à
colheita aleatória de três aves por mil aves, desde que o mínimo seja dez e o
máximo de vinte por núcleo.
2. Em outras aves de reprodução, as provas laboratoriais recomendadas são micoplasmológicas.
3. Havendo mortalidade elevada nos primeiros dias do lote, o estabelecimento avícola deverá encaminhar
material de cerca de trinta aves refugos ou agonizantes para um laboratório oficial ou credenciado pelo
MA, para isolamento de micoplasmas ou PCR.

CAPÍTULO VIII
DA INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS

1. Em aves ou ovos férteis de linhas puras, bisavós e avós importadas ou nascidas no Brasil:
1.1. Positivo para Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma synoviae, sacrifício/abate do núcleo.
1.2. Positivo para Mycoplasma gallisepticum, Mycoplasma synoviae, Mycoplasma melleagridis,
exclusivo para perus, segundo o Capítulo IV desta norma, sacrifício/abate do núcleo.
2. Matrizes:
2.1. Constatando-se positividade para Mycoplasma gallisepticum em galinhas ou Mycoplasma
galisepticum, Mycoplasma synoviae ou Mycoplasma melleagridis em perus, sacrifício e abate do
núcleo e destruição de todos os ovos incubados ou não, dele provenientes, conforme Capítulo IV
desta norma.
2.1.1. Até a obtenção dos resultados dos testes acima, todos os lotes ou núcleos ficarão isolados,
não sendo permitida a incubação dos mesmos.
2.2. Deverão ser adotadas duas avaliações, considerando núcleos livres ou sob vigilância e
acompanhamento para Mycoplasma synoviae.
2.2.1. Constatando -se positividade para Mycoplasma synoviae em galinhas, esses núcleos poderão
ser tratados com antibiótico e retestados após o período de eliminação de resíduos de
antibióticos.
2.2.2. Os núcleos que forem considerados sob vigilância e acompanhamento para Mycoplasma
synoviae não poderão ser comercializados internacionalmente, devendo a produção e a
incubação do núcleo ficar sob vigilância e acompanhamento, até o final do ciclo produtivo.

95
2.2.3. Os estabelecimentos considerados sob vigilância e controlados deverão adotar um reforço
nas medidas de biossegurança, tais como:
2.2.3.1. Estar protegido por cercas de segurança e com um único acesso, dotado de sistema
de lavagem e desinfecção dos veículos.
2.2.3.2. Possuir critérios para o controle rígido de trânsito e de acesso de pessoas (portões,
portas, portarias, muros de alvenaria e outros).
2.2.3.3. Ter as superfícies interiores das instalações construídas de forma que permitam
limpeza e desinfecção adequadas.
2.2.3.4. Dispor de meios devidamente aprovados pelo MA e dos órgãos competentes de
controle ambiental para destinação dos resíduos da produção (aves mortas, estercos,
restos de ovos, embalagem etc.) e outros.
2.2.3.5. Ter isolamento entre os diferentes setores de categoria de idade, separados por
cercas e/ou cortina de árvores não-frutíferas, com acesso único restrito, com fluxo
controlado, com medidas de biossegurança, dirigido à área interna, para veículos,
pessoal e material.
2.2.3.6. Permitir entradas de pessoas, veículos, equipamentos e materiais nas áreas internas
dos estabelecimentos somente quando cumpridas rigorosas medidas de
biossegurança.
2.2.3.7. Deverão ser adotadas medidas de controle de efluentes líquidos, através de fossas
sépticas, observados os afastamentos de cursos d’água e lençóis freáticos, para
evitar contaminações.
2.2.3.8. Controle físico-químico e microbiológico da água realizado em laboratório público.

CAPÍTULO IX
DO ENCAMINHAMENTO DOS RESULTADOS

1. Os resultados dos testes laboratoriais deverão ser emitidos em formulário próprio e comunicados seguindo
o fluxograma determinado:
1.1. Resultado negativo: enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para o fiscal federal
agropecuário ou médico veterinário oficial requisitante e para o estabelecimento avícola.
1.2. Resultado positivo: enviar FAX ou outro tipo de documentação imediata ao DDA e ao SSA/DFA,
onde se localiza o estabelecimento, que notificará o mesmo.

CAPÍTULO X
DA CERTIFICAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS

1. Quando o resultado das provas laboratoriais referidas no Capítulo V destas normas forem negativos, o
serviço oficial procederá a certificação do núcleo e/ou do estabelecimento avícola, conforme o
estabelecido no Capítulo IV.
2. As colheitas para o monitoramento e certificação serão aceitas quando executadas pelo responsável
técnico junto ao MA e pelo serviço oficial, sendo que as colheitas oficiais são exclusivas do fiscal federal
agropecuário, do médico veterinário oficial ou quando fiscalizadas e supervisionadas por um deles.
3. Mesmo tendo sido obedecidas todas as exigências anteriores, havendo mortalidade elevada nos primeiros
dias do lote, o estabelecimento avícola deverá encaminhar material contendo cerca de trinta aves refugos
ou agonizantes para laboratório oficial ou credenciado, para isolamento de micoplasmas ou PCR. Havendo
confirmação do diagnóstico, será determinado o sacrifício das aves do núcleo quando se tratar de linhas
puras, bisavós e avós, seguindo-se a investigação epidemiológica pelo serviço oficial.
4. Para matrizes de galinhas, será aceito o tratamento e reteste quando se tratar de positividade para
Mycoplasma synoviae.
5. O estabelecimento avícola, certificado como núcleo livre, somente estará habilitado ao comércio de aves
ou ovos férteis procedentes deste núcleo. O estabelecimento avícola que obtiver o certificado de
estabelecimento livre estará habilitado a proceder ao comércio de aves ou ovos férteis de todos os núcleos.
6. O estabelecimento avícola que tiver núcleo sob vigilância e acompanhamento para Mycoplasma synoviae
não poderá realizar o comércio internacional de seus produtos (ovos férteis e pintos oriundos ao referido
núcleo).

96
7. Será emitido pela DFA, no Estado onde se localiza o estabelecimento avícola, após a realização mínima de
três testes, um Certificado Sanitário, em modelo padronizado pelo MA, para os estabelecimentos ou
núcleos livres ou sob vigilância e acompanhamento para os agentes tratados nesta norma.
8. Este certificado terá sua validade condicionada à manutenção da situação sanitária do núcleo ou do
estabelecimento avícola.
9. Caso a situação sanitária do plantel seja alterada, o certificado terá sua validade cancelada, podendo
retornar à situação anterior, após avaliação do SSA/DFA ou da Secretaria Estadual de Agricultura, da
jurisdição do estabelecimento avícola.

CAPÍTULO XI
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

1. Os exames sorológicos são sempre de triagem, podendo ocorrer reações cruzadas inespecíficas. Portanto,
apenas o diagnóstico micoplasmológico é considerado conclusivo para a detecção da presença dos
micoplasmas referidos nestas normas.
2. No caso de realização de abate dos núcleos positivos para os agentes destas normas, os mesmos deverão
ser realizados em abatedouros com SIF, segundo as normas do DIPOA.
3. O monitoramento para ratitas será realizado de acordo com a legislação específica do MA para registro e
controle higiênico-sanitário para esta espécie.
4. Das medidas de biossegurança na incubação:
4.1. Fica proibida a incubação de ovos férteis de linhas puras, bisavós, avós e de matrizes que estiverem
sob vigilância e acompanhamento oficial na mesma máquina e no mesmo período, sendo atendidos
os critérios sanitários da linhagem superior.
4.2. Fica proibida a incubação de ovos de núcleos sob vigilância e acompanhamento para Mycoplasma
synoviae na mesma máquina e no mesmo período que incuba núcleos livres desse agente.
5. O SSA/DFA onde se localiza o estabelecimento avícola e a Secretaria Estadual de Agricultura competente
são os responsáveis, na sua área de atuação e competência, pela definição das medidas apropriadas para à
solução dos problemas sanitários, observando o estabelecido no Regulamento de Defesa Sanitária Animal
e no PNSA/SDA.
6. As dúvidas pertinentes à aplicação desta normativa serão dirimidas pelo Diretor do Departamento de
Defesa Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura e do Abastecimento.

RETIFICAÇÃO
PUBLICADO NO DOU DE 6 DE MAIO DE 2002, SEÇÃO 1 PAG 85 ( OF.EL nº 55/2002 )

No Anexo da Instrução Normativa n.º 44, de 23 de agosto de 2001, publicada no DOU n.º 163, Seção 1, página
68, de 24 de agosto de 2001, onde se lê: NORMAS TÉCNICAS PARA O CONTROLE E A CERTIFICAÇÃO
DE NÚCLEOS E ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS PARA A MICOPLASMOSE AVIÁRIA (Mycoplasma
gallisepticum, synoviae e mellagridis), leia: Mycoplasma gallisepticum, M. synoviae e M. mellagridis; no
Capítulo VII, item 1.2.4.1., onde se lê: ... Mycoplasma galisepticum, Mycoplasma mellagridis e Mycoplasma
iowa¸leia-se: ... Mycoplasma gallisepticum e Mycoplasma mellagridis; e no Capítulo VIII, onde se lê: DA
INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS, leia-se: DA INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS E ADOÇÃO
DE MEDIDAS DE BIOSSEGURANÇA E DE CONTROLE SANITÁRIO.

Luiz Carlos de Oliveira

97
NORMAS PARA HABILITAÇÃO, REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DE
ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS

PORTARIA N.º 542, DE 16 DE NOVEMBRO DE 1998 - Dispõe sobre


Normas de Higiene e Segurança Sanitária para Habilitação de
Estabelecimentos Avícolas de Criação de Aves e Incubatórios Avícolas para
Intercâmbio no MERCOSUL

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da


atribuição que lhe confere o Artigo nº 87, Parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal e de acordo com
o disposto na Portaria n.º 116, de 29 de fevereiro de 1996, e
Considerando o Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão n.º 6/96 do
Conselho do Mercado Comum, a Resolução n.º 91/93 do Grupo Mercado Comum e a Recomendação n.º
12/95 do Subgrupo de Trabalho n.º 8 “Agricultura”.
Considerando a decisão do Grupo Mercado Comum, que é necessário facilitar o intercâmbio de
aves de um dia e ovos embrionados, resolve:

Art. 1º Adotar as “NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA SANITÁRIA PARA


HABILITAÇÃO DE ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS DE CRIAÇÃO DE AVES E INCUBATÓRIOS
AVÍCOLAS PARA O INTERCÂMBIO NO MERCOSUL”, anexas, aprovadas pela Resolução do Grupo
Mercado Comum (GMC), n.º 10/96.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

FRANCISCO SÉRGIO TURRA

PUBLICADA NO DIÁRIO OFICIAL DE 17 DE NOVEMBRO DE 1998

ANEXO

NORMAS DE HIGIENE E CONTROLE SANITÁRIO PARA A HABILITAÇÃO DE


ESTABELECIMENTOS DE CRIAÇÃO DE AVES E INCUBATÓRIOS AVÍCOLAS PARA O
INTERCÂMBIO NO MERCOSUL.

CAPÍTULO I
Disposições Preliminares

Art. 1º A aplicação da presente norma será de responsabilidade dos serviços veterinários


oficiais dos Estados-Partes do MERCOSUL.

Art. 2º As normas aprovadas serão aplicadas nos estabelecimentos avícolas que se dediquem
ao comércio internacional, no nível regional do MERCOSUL, de aves de um dia e ovos férteis para
incubação.

Art. 3º Os estabelecimentos avícolas que se dediquem ao comércio regional de aves de um dia


e ovos férteis para incubação deverão estar registrados e habilitados pelos serviços oficiais e operarão sob a
responsabilidade de um médico veterinário credenciado.

98
Art. 4º Para efeito de registro e habilitação, os estabelecimentos avícolas serão classificados
como:
a) núcleo de reprodução de matrizes, avós e bisavós;
b) incubatórios.

CAPÍTULO II
Estabelecimentos de Reprodução

Art. 5º Para efeito desta norma se entende como núcleo de reprodução, o núcleo formado por
um ou mais lotes de aves de matrizes, avós ou bisavós com a mesma idade, alojadas em distintos galpões
com um manejo comum.

Art. 6º Os núcleos de reprodução de matrizes, avós ou bisavós deverão cumprir as seguintes


condições:
a) possuir localização geográfica adequada para facilitar a higiene e o controle sanitário.
b) devem estar protegidos por cercas de segurança com uma única entrada.
c) devem possuir uma porta de acesso para o controle rígido do trânsito de veículos e de
pessoas, rodilúvio e equipamentos de lavagem e desinfecção de veículos.
d) os galpões para o alojamento de aves deverão ser construídos de maneira que todas
superfícies interiores sejam de material liso e lavável, para permitir uma adequada
limpeza e desinfecção.
e) os galpões para aves e armazenamento de alimentos ou ovos deverão estar livres de
insetos e não ser acessíveis a aves silvestres e outros animais silvestre, ou domésticos.

Art. 7º Os núcleos de reprodução deverão estar livres de:


a) Pulorose e Tifose Aviária (Salmonella Pullorum e Salmonella Gallinarum);
b) Micoplasmose Aviária (Micoplasma gallisepticum e M. synoviae para galinhas e M.
melleagridis, M. synoviae, M. gallisepticum para perus).

Art. 8º Estabelecimento avícola deve estar sob um sistema de vigilância epidemiológica


permanente, ou seja, controlado pelo serviço oficial.

Art. 9º No período de vigilância epidemiológica permanente, não se tenha constatado a


presença das seguintes doenças:
a) Hepatite por Corpo de Inclusão;
b) Anemia Infecciosa Aviária;
c) Síndrome da Cabeça Inchada por Pneumovirus e dos seguintes agentes:
d) Salmonella Enteritidis;
e) Salmonella Typhimurium.

Art. 10 Os critérios para definição de um estabelecimento livre de Pulorose, Tifose Aviária e


Micoplasmoses, serão aprovados pelo Comitê de Sanidade do MERCOSUL e incluirão:
a) os tipos de prova s de diagnóstico laboratorial;
b) os antígenos a serem utilizados;
c) a periodicidade e o alcance das provas de diagnóstico laboratorial;
d) os laboratórios habilitados ou credenciados.

99
Art. 11 As aves deverão ser vacinadas contra as doenças infecciosas segundo o esquema
adotado em cada estabelecimento, de acordo com a sua situação epidemiológica e da região onde está
localizada. As vacinas utilizadas devem ser aprovadas e controladas pelos órgãos oficiais.

CAPÍTULO III
Incubatórios

Art.12 Os Incubatórios receberão, exclusivamente, ovos férteis procedentes de


estabelecimentos habilitados para produção de aves de um dia de uma única espécie.

Art.13 Os incubatórios estarão construídos adequadamente, para facilitar a higiene e o


controle sanitário, devendo possuir sistemas de segurança de trânsito de pessoas, de veículos e de
equipamentos e também proteção dos ovos e pintos, para garantir a qualidade sanitária exigida por esta
norma.

CAPÍTULO IV
Higiene e Transporte de Ovos para Incubação

Art.14 Os ovos para incubação deverão ser colhidos em intervalos freqüentes, de pelo menos
04 (quatro) vezes ao dia em recipientes limpos e desinfetados.

Art.15 Após a colheita, os ovos limpos deverão ser fumigados, ou desinfetados no menor
tempo possível, utilizando-se as técnicas recomendadas no anexo 4.2.4 do Código Zoosanitário
Internacional da Organização Internacional de Epizootias (OIE, Ed. 1992), aceito pelo Comitê.

Art.16 Os ovos deverão ser transportados ao incubatório nacional ou regional, em caixas


novas e limpas, previamente fumigadas ou desinfetadas de forma adequada. Da mesma forma deverão ser
limpos os veículos de transporte.

CAPÍTULO V
Higiene e Manejo de Ovos e Aves de um Dia

Art.17 O pessoal responsável por manipular os ovos nas incubadoras, pela sexagem e pela
manipulação de aves de um dia, deverá observar as medidas gerais de higiene pessoal, e utilizar roupas e
calçados limpos, antes do início da execução de seu trabalho.

Art.18 As aves de um dia deverão ser vacinadas contra a doença de Marek, antes de serem
expedidas, com vacinas elaboradas a partir de ovos SPF, oficialmente aprovadas pelo país exportador.

Art.19 As aves de um dia deverão ser embarcadas desde o incubatório ao lugar de destino por
pessoal vestido com roupa de proteção, limpa e desinfetada. Os veículos de transporte deverão estar limpos
e desinfetados antes de cada embarque de aves de um dia.

CAPÍTULO VI
Disposições Gerais

Art. 20 Os estabelecimentos de reprodução e os incubatórios deverão possuir um registro


zoossanitário completo (mortalid ade, diagnóstico de doenças, tratamentos, vacinações e monitoramento),
relativo a cada lote de aves e ovos férteis, que deverá ser apresentado às autoridades veterinárias cada vez
que for solicitado.

100
Art. 21 Os tipos de provas de laboratório a serem utilizadas para o diagnóstico das doenças a
que se referem estas normas, serão definidos de comum acordo com o Comitê.

Art. 22 A exportação de aves de um dia e ovos férteis para incubação estará acompanhada, na
sua origem, pelo Certificado Zoossanitário Único dos Países Membros do MERCOSUL, expedido por um
veterinário credenciado e endossado por um veterinário oficial do país de procedência, segundo o modelo
aprovado nesta norma, em anexo.

Art. 23 As exportações de aves de um dia e ovos férteis serão suspensas quando não forem
cumpridas ou atendidas as condições estabelecidas nestas normas, ou perante a constatação de qualquer
doença transmissível no núcleo de reprodução, ou no incubatório, ou na região onde se localizam os
mesmos, que possam colocar em risco a situação sanitária do país comprador.

Art. 24 Os serviços veterinários oficiais deverão efetuar visitas periódicas de inspeção aos
núcleos de reprodução e incubatórios registrados e habilitados para o comércio regional.

Art. 25 Para certificação desta norma deve-se estabelecer o Manual de Procedimentos para a
Habilitação para o Comércio Regional de Estabelecimentos Avícolas (Núcleos de Reprodução e de
Incubatórios), detalhando critérios sobre as particularidades.

Art. 26 Os núcleos de reprodução destinados às matrizes, avós ou bisavós, devem estar em


áreas livres da Doença de Newcastle.
Para efeito desse artigo, se define como zona livre da Doença de Newcastle:
a) o território geográfico definido legalmente e cuja extensão seja pelo menos de 10 (dez) Km
em torno do estabelecimento.
b) que neste território não se tenha constatado, nem tenha havido evidência desta doença, em
pelo menos durante um período de 06 (seis) meses e se utiliza a vacinação como método de
controle. Ou quando tenha passado um período de 21 (vinte e um) dias desde a declaração do
último caso da doença e se tenha utilizado o método de sacrifício sanitário, sem vacinação,
como medida de controle, e,
c) que o referido território deve estar sobre um sistema de vigilância epidemiológica
permanente que considere os seguintes fatores:
- um cadastro da totalidade dos estabelecimentos avícolas existentes em uma zona limitada;
- um procedimento de monitoramento e levantamentos sorológicos de acordo com um desenho
estatístico;
- a manutenção de um sistema de informações e análises.

101
PAÍS
EXPORTADOR:.....................................................................................................
MINISTÉRIO: ............................................................................... ......................................................
SERVIÇO : ...........................................................................................................................................

CERTIFICADO ZOOSANITÁRIO ÚNICO PARA EXPORTAÇÃO DE AVES DE UM DIA E OVOS


FÉRTEIS

CERTIFICADO N.º: ...........................................................................................................................

DATA DE EMISSÃO : ........................................................................................................................

DATA DE VENCIMENTO : ...............................................................(vencimento de 10 (dez) dias )

I - IDENTIFICAÇÃO :

( ) AVES DE UM DIA ( ) OVOS FÉRTEIS

Espécie:..............................................................................................................................................

Marca comercial/ raça: ......................................................................................................................

Classificação : ( ) avós ( ) matrizes ( ) comercial ( ) bisavós

Linhagem : ( ) corte ( ) postura

Quantidade : macho linha macho ......................................................................................................

fêmea linha macho ..........................................................................................................

macho linha fêmea........................................................ ..............................................

fêmea linha fêmea ........................................................................................................

comercial de corte ........................................................................................................

comercial de postura.....................................................................................................

TOTAL ...........................................................................................................................

II - PROCEDÊNCIA :

Nome e endereço do exportador........................................................................................................

............................................................................................................................................................

............................................................................................................................................................

Nome e endereço do estabelecimento de procedência :...................................................................

............................................................................................................................................................

............................................ ................................................................................................................

102
Local de embarque : ..........................................................................................................................

Meio de Transporte:...........................................................................................................................

Companhia e n.º do vôo :...................................................................................................................

Registro n.º .......................................................................................................................................

III - DESTINO

País de destino:..................................................................................................................................

Nome e endereço do importador:.......................................................................................................

............................................................................................................................................................

............................................................................................................................................................

Nome e endereço do estabelecimento a que se destina:..................................................................

............................................................................................................ ................................................

............................................................................................................................................................

Local de ingresso no país:..................................................................................................................

............................................................................................................................................................

IV - OBSERVAÇÕES:

V - INFORMAÇÕES SANITÁRIA :

O veterinário oficial abaixo, CERTIFICA que:

1 - As aves de 01(um) dia ............................e os ovos férteis ...................., procedem de núcleos


de reprodução....................................................................................................................................
e de incubatório .................................................................................................................................
habilitados, regularmente inspecionados pelos serviços veterinários , sem manifestação clínica
nos últimos 06 (seis) meses de doença de Newcastle, doença de Gumboro, Bronquite Infecciosa
Aviária, Laringotraqueite Infecciosa Aviária, Cólera Aviária e outras doenças trans missíveis de
notificação obrigatória.

2 - Durante a vigilância epidemiológica permanente não foi constatada a presença de Hepatite


por Corpo de Inclusão, Anemia Infecciosa Aviária, Síndrome da Cabeça Inchada por
Pneumovirus, Salmonella Enteritidis e Salmonella Tiphimurium.

3 - Procedem de núcleos e incubatórios livres de:


a) Pulorose e Tifose Aviária (S. Pullorum e S. Gallinarum)
b) Micoplasmose Aviária (M. gallisepticum e M. synoviae para galinhas e M. meleagridis, M.
synoviae e M. gallisepticum para perus).

4 - As aves de 01(um) dia foram vacinadas contra a Doença de Marek na seguinte data:..............,
com vacina tipo:.....................................................do laboratório.......................................................
..............................................da partida n.º........................................................................................

103
5 - As aves de um dia foram inspecionadas na data de embarque não apresentando sintomas
clínicos de doença.

6 - Os ovos e as aves foram embalados em caixas e separadores limpos de ovos

7 - O país está livre de Influenza Aviária (Peste Aviária) e a zona está livre de doença de
Newcastle.

Local/ Data................................................................................................................................

Nome e n.º do registro do veterinário credenciado............................................................................

.................................................................... ........................................................................................

Carimbo Oficial

Nome, n.º de Registro e assinatura do veterinário oficial ..................................................................

............................................................................................................................................................

104
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 -
Normas para Registro e Fiscalização dos Estabelecimentos Avícolas

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da


atribuição que lhe confere o Artigo nº 87, Parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal e de acordo com o
disposto na Portaria n.º 116, de 29 de fevereiro de 1996, resolve:

Art. 1º Aprovar as “NORMAS PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DOS


ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS”, anexas.

Art. 2º Os estabelecimentos avícolas, destinados a reprodução e produção comercial, constantes no


capítulo I destas normas ficam obrigados a possuírem registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento.

Art. 3º Revogar a Portaria nº 276, de 16 de junho de 1998, republicada no dia 30 de julho de 1998.

Art. 4º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

FRANCISCO SÉRGIO TURRA

Publicada na Seção 1 do Diário Oficial de 31 de dezembro de 1998.

ANEXO

NORMAS PARA REGISTRO E FISCALIZAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS AVÍCOLAS

CAPÍTULO I
Da Classificação dos Estabelecimentos Avícolas para Efeito de Registro e Fiscalização

1. Para fins de registro e fiscalização junto ao Ministério da Agricultura e do Abastecimento, os


estabelecimentos avícolas destinados a reprodução e produção comercial, serão classificados, segundo sua
finalidade, nas seguintes categorias:
1.1. Estabelecimentos avícolas de Controles Permanentes:
1.1.1. granjas de seleção genética de reprodutoras primárias (linhas puras), importadoras,
exportadoras e/ou produtoras de ovos férteis e aves de 1 (um) dia para produção de bisavós;
1.1.2. granjas de bisavós (bisavozeiras), importadoras, exportadoras e/ou produtoras de ovos
férteis e aves de 1 (um) dia para produção de avós;
1.1.3. granjas de avós (avozeiras) importadoras, exportadoras e/ou produtoras de ovos férteis e
aves de 1 (um) dia para produção de matrizes;
1.1.4. granjas de matrizes (matrizeiras) importadoras, exportadoras e/ou produtoras de ovos férteis
e aves de 1 (um) dia, para produção de aves comerciais e outros fins;
1.1.5. granjas de aves reprodutoras livres de patógenos específicos (SPF – Specific Pathogen
Free), instalações de criação, dotadas de condições ambientais, instalações, normas de
biossegurança e de funcionamento, que mantenham as aves e os ovos livres dos patógenos
da própria espécie e daqueles que possam influir na qualidade do uso a que se destinam;
1.1.6. incubatórios (de granjas de seleção genética de reprodutoras primárias, bisavozeiros,
avozeiros, matrizeiros e SPF);
1.2. Estabelecimentos avícolas de Controles Eventuais:
1.2.1. estabelecimentos avícolas, importadores, exportadores e produtores de ovos comerciais;
1.2.2. estabelecimentos avícolas, importadores, exportadores e produtores de frangos de corte
(engorda);
1.2.3. estabelecimentos de explorações de outras aves ornamentais ou não, consideradas exóticas
ou não, destinadas à reprodução e produção comercial de carnes e/ou ovos e/ou penas (Ex.
perús, codornas, galinhas d`angola, avestruzes, emas, emús, dentre outras.);
1.2.4. incubatórios (de ovos comerciais e de aves ornamentais).

105
Obs: Os estabelecimentos avícolas constantes nos itens 1.1.1, 1.1.5, 1.1.6 (relacionados às granjas
de seleção genética de reprodutoras primárias e SPF), 1.2.3 e 1.2.4 (relacionados às aves ornamentais), deverão
obter o registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento, segundo as exigências destas normas,
consideradas mínimas para os mesmos. Normas específicas de biossegurança, referentes a estes
estabelecimentos, serão baixadas em ato complementar.

CAPÍTULO II
Da Documentação Necessária ao Registro dos Estabelecimentos Avícolas

1. Documentação necessária para os estabelecimentos de controles permanentes:


1.1. requerimento ao Delegado Federal de Agricultura, no Estado onde se localiza o Estabelecimento,
conforme modelo padronizado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento;
1.2. prova de existência legal da pessoa jurídica, anexando cópia do registro na junta comercial do
Estado, ou da ata do contrato social da firma com as alterações efetuadas ou cadastro no Instituto
Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA);
1.3. cópias atualizadas do cartão de inscrição no Cadastro Geral dos Contribuintes, do Ministério da
Fazenda (C.G.C.-MF) e do Cartão de Inscrição na Secretaria da Fazenda do Estado, onde se
localiza o estabelecimento;
1.4. declaração de responsabilidade técnica do Médico Veterinário (titular e substituto) para o controle
higiênico-sanitário do estabelecimento avícola e do plantel de reprodutores, conforme modelo
padronizado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento;
1.5. cópia de registro do técnico responsável, titular e substituto, no Conselho de Medicina Veterinária;
1.6. “currículum vitae” do técnico responsável, titular e substituto;
1.7. ficha cadastral, devidamente preenchida, conforme modelo padronizado pelo Ministério da
Agricultura e do Abastecimento;
1.8. ficha de endereço para vistoria e correspondência;
1.9. documento comprobatório de potabilidade da água de abastecimento, emitido por laboratório
oficial ou credenciado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento, citando a fonte que
serve ao estabelecimento;
1.10. laudo(s) de inspeção (ões) emitido(s) por Médico(s) Veterinário(s) do Serviço de Fiscalização e
Fomento Animal e do Serviço de Sanidade Animal da Delegacia Federal de Agricultura, no Estado
onde se localiza o estabelecimento, conforme modelo padronizado pelo Ministério da Agricultura e
do Abastecimento;
1.11. planta de situação do estabelecimento, assinada por técnico responsável, indicando todas as
instalações, estradas, cursos d’água e propriedades limítrofes, em escala compatível com o
tamanho da propriedade, ou levantamento aerofotogramétrico;
1.12. planta baixa na escala 1:200, indicando as diversas instalações existentes na propriedade;
1.13. memorial descritivo das medidas higiênico-sanitárias e de biossegurança que serão adotadas pelo
estabelecimento avícola e dos processos tecnológicos (para incubatórios).
2. Documentação necessária para os estabelecimentos de controles eventuais:
2.1. requerimento ao Delegado Federal de Agricultura, no Estado onde se localiza o Estabelecimento,
conforme modelo padronizado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento;
2.2. prova de existência legal da pessoa jurídica, anexando cópia do registro na junta comercial do
Estado ou da ata do contrato social da firma com as alterações efetuadas ou cadastro no Instituto
Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA);
2.3. cópias atualizadas do cartão de inscrição no Cadastro Geral dos Contribuintes do Ministério da
Fazenda (C.G.C.-MF) e do Cartão de Inscrição na Secretaria da Fazenda do Estado onde se
localiza o estabelecimento;
2.4. declaração de responsabilidade técnica do Médico Veterinário (titular e substituto) para o controle
higiênico-sanitário do estabelecimento e do plantel de reprodutores, conforme modelo padronizado
pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento;
2.5. cópia de registro do técnico responsável, titular e substituto, no Conselho de Medicina Veterinária;
2.6. “curriculum vitae” do técnico responsável, titular e substituto;
2.7. ficha cadastral devidamente preenchida, conforme modelo padronizado pelo Ministério da
Agricultura e do Abastecimento;

106
2.8. ficha de endereço para vistoria e correspondência;
2.9. documento comprobatório de potabilidade da água de abastecimento, emitido por laboratório
oficial ou credenciado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento, citando a fonte que
serve ao estabelecimento;
2.10. laudo(s) de inspeção (ões) emitido(s) por Médico(s) Veterinário(s) do Serviço de Fiscalização e
Fomento Animal e do Serviço de Sanidade Animal da Delegacia Federal de Agricultura, no Estado
onde se localiza o estabelecimento, conforme modelo padronizado pelo Ministério da Agricultura e
do Abastecimento;
2.11. planta da situação do estabelecimento, assinada por técnico responsável, indicando todas as
instalações, estradas, cursos d’água e propriedades limítrofes, em escala compatível com o
tamanho da propriedade, ou levantamento aerofotogramétrico;
2.12. planta baixa na escala 1:200, indicando as diversas instalações existentes na propriedade;
2.13. memorial descritivo das medidas higiênico-sanitárias e de biosseguridade que serão adotadas pelo
estabelecimento avícola (para granjas e incubatórios) e dos processos tecnológicos (para
incubatórios);
2.14. .em relação aos itens 1.2.3, 1.2.4 do Capítulo I desta norma, quando se tratar de aves consideradas
ornamentais ou exóticas, deverá o interessado obter registro junto ao Instituto Brasileiro do Meio
Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal (IBAMA).

CAPÍTULO III
Dos Requisitos Necessários Ao Registro Dos Estabelecimentos Avícolas

1. Laudo(s) de inspeção(ões) referente à área física, emitido por Médico(s) Veterinário(s) do Serviço de
Fiscalização e Fomento e relativo ao controle higiênico-sanitário, emitido por Médico(s) Veterinário(s) do
Serviço de Sanidade Animal, da Delegacia Federal da Agricultura, no Estado onde se localiza o
estabelecimento avícola, após vistoria prévia ao local.
2. Os certificados de registros serão emitidos pela Delegacia Federal de Agricultura, no estado onde se
localiza o estabelecimento avícola, em modelos padronizados pelo Ministério da Agricultura e do
Abastecimento, e em única via.
3. O estabelecimento avícola deverá comunicar à Delegacia Federal de Agricultura no Estado, onde se
localiza o estabelecimento avícola, num prazo máximo de 60 (sessenta) dias, a mudança de responsável
técnico titular e/ou substituto, enviando a declaração de responsabilidade e documentação correspondente
do respectivo sucessor.
4. Toda mudança de endereço ou razão social, bem como a alienação ou o arrendamento, serão
obrigatoriamente legalizados junto ao Ministério da Agricultura e do Abastecimento, mediante:
4.1. requerimento ao Delegado Federal de Agricultura, no Estado onde se localiza o estabelecimento
avícola, solicitando a legalização da situação;
4.2. cópia do novo contrato socia l de organização do estabelecimento avícola ou do contrato de
arrendamento;
4.3. novo(s) laudo(s) de inspeção(ões) da área física e higiênico-sanitário.

CAPÍTULO IV
Das Exigências a Serem Cumpridas pelos Estabelecimentos Avícolas de Controles Permanentes e
Eventuais Visando a Biossegurança do Sistema.

1. Ter localização geográfica adequada, devendo ser respeitadas as seguintes distâncias mínimas, entre os
estabelecimentos avícolas com objetivos de produtividades diferentes:
1.1. dos estabelecimentos avícolas de controle permanentes ou eventuais ao abatedouro: 5 Km;
1.2. de um estabelecimento avícola a outro:
1.2.1. bisavozeiros e avozeiros 5 Km;
1.2.2. matrizeiros:3 km;
1.2.3. controles eventuais: 2 Km;
1.3. entre os núcleos:
1.3.1. do núcleo aos limites periféricos da propriedade: 100m.
1.3.2. do núcleo à estrada viscinal: 500m;
1.3.3. entre núcleos de diferentes idades: 500m;

107
1.4. entre recria e produção : 500m;
1.5. entre galpões do núcleo deve ser o dobro da largura dos galpões .
Obs: Poderão ser admitidas, a critério do médico veterinário oficial, responsável pela vistoria e
emissão do laudo de funcionamento do estabelecimento avícola, mudanças nas distâncias mínimas
acima mencionadas, em função da existência de barreiras naturais (reflorestamento, matas naturais,
topografia, etc.) e/ou da utilização de galpões de ambiente controlados (galpões fechados).
2. Estar protegido por cercas de segurança e com um único acesso, dotado de rodolúvio e/ou equipamentos
para lavagem e desinfecção dos veículos.
3. Possuir critérios para o controle rígido de trânsito e acesso de pessoas (portões/portas e etc.).
4. Ter as superfícies interiores dos galpões construídas de forma que permitam limpeza e desinfecção
adequadas, e que os mesmos sejam providos de telas `a prova de animais domésticos, silvestres, insetos e
roedores.
5. Estabelecer procedimentos adequados para destino de resíduos da produção (aves mortas, estercos, restos
de ovos e embalagem);
6. Adotar vazio sanitário (período correspondente após a limpeza e desinfecção até a entrada do novo lote)
mínimo de 10 (dez) dias entre mudança dos lotes.
Obs: Em caso de estabelecimentos de frangos de corte, a empresa que adotar um vazio sanitário
diferenciado deverá apresentar à Delegacia Federal da Agricultura, no Estado onde se localiza o
estabelecimento avícola, para avaliação, o seu programa de monitorização sanitária adotado, com
justificativa técnica, para utilização deste procedimento.
7. Ter isolamento entre os núcleos formados por um ou mais galpões, separados por cercas e/ou cortina de
árvores não frutíferas, com acesso único restrito, com fluxo controlado, com medidas de biossegurança,
dirigido a área interna, para veículos, pessoal e material.
8. Permitir visitas e entrada de veículos, equipamentos e materiais nas áreas internas dos estabelecimentos
avícolas, somente quando cumpridas rigorosas medidas de biossegurança. No caso de pessoas, quando
permitida visita, devem ser seguidas as mesmas normas adotadas para o pessoal interno, isto é, tomar
banho, trocar de roupa e calçado, na entrada de cada núcleo da granja.
9. Manter os galpões/núcleos para aves e os locais para armazenagem de alimentos ou ovos, controlados
e/ou livres de insetos e roedores, não sendo permitido o acesso de animais silvestres ou outros animais
domésticos;
10. Estabelecer programa de monitorização sanitária permanente, atendendo às normas estabelecidas no
Regulamento de Defesa Sanitária Animal, e no Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA), da
Secretaria de Defesa Agropecuária.
11. Proceder a vacinação obrigatória contra a doença de Marek nos incubatórios nas aves de 1(um) dia, exceto
aves consideradas refratárias à doença, como exemplo, o perú e a galinha d’angola.
12. De acordo com a situação epidemiológica e sanitária de cada região, a critério do Serviço Oficial de
Sanidade Animal, após avaliação do Departamento de Defesa Animal, da Secretária de Defesa
Agropecuária, poderão ser estabelecidas em relação a regiões circunscritas e aos estabelecimentos
descritos no Capítulo I, destas normas, medidas de restrições ao trânsito de veículos, pessoas e/ou
animais, objetivando o controle de doenças, e a obrigatoriedade da vacinação contra doença de Newcastle,
e/ou de outras doenças que coloquem em risco o plantel avícola nacional e/ou a saúde pública,

CAPÍTULO V
Das Exigências a Serem Cumpridas pelos Incubatórios, Visando a Biossegurança do Sistema.

1. As instalações devem permitir fluxo em sentido único, devendo, para acesso às mesmas, serem cumpridas
as exigências mencionadas Capítulo IV, destas normas, descritas para os estabelecimentos avícolas.
2. As dependências do incubatório deverão ser divididas em áreas distintas de trabalho, (escritórios,
dependências técnicas do incubatório), separadas fisicamente e, sempre que possível, com ventilação
individual, constando de:
2.1. sala para recepção de ovos férteis;
2.2. câmara de fumigação de ovos férteis;
2.3. sala de ovos para a rmazenamento;
2.4. sala para incubação;
2.5. sala para eclosão;
2.6. sala com áreas para seleção, sexagem, vacinação, embalagem e estocagem de pintos;

108
2.7. área para expedição de pintos;
2.8. sala para manipulação de vacinas;
2.9. sala para lavagem e desinfecção de equipamentos;
2.10. meio adequado de descarte de resíduos de incubatório e de águas servidas;
2.11. vestiários, lavatórios, sanitários;
2.12. refeitório;
2.13. escritório;
2.14. depósito de caixas;
2.15. sala de máquinas e geradores.
3. Todos os materiais e equipamentos utilizados no incubatório devem ser mantidos limpos e desinfectados
com produtos apropriados, devidamente registrados no Ministério da Agricultura e do Abastecimento.
4. A área circunvizinha ao incubatório deve ser protegida com porta única provida de equipamentos de
lavagem e desinfecção de veículos para controlar qualquer tipo de trânsito.
5. Manter programa de monitorização sanitária permanente, atendendo às normas estabelecidas no
Regulamento de Defesa Sanitária Animal, e no Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA), da
Secretaria de Defesa Agropecuária.

CAPÍTULO VI
Da Biossegurança do Transporte dos Ovos para Incubação

1. Para incubação, os ovos deverão ser colhidos em intervalos freqüentes, em recipientes limpos e
desinfectados, e o pessoal encarregado estar com as mãos lavadas.
2. Os ovos sujos, quebrados, trincados, deverão ser colhidos em recipientes separados e não poderão ser
destinados à incubação.
3. Após a colheita, os ovos limpos deverão ser desinfectados no mais breve espaço de tempo possível,
devendo ser armazenados em local próprio e mantidos a temperatura e umidade adequadas segundo os
critérios estabelecidos pelo Escritório Internacional de Epizootias (OIE).
4. Os ovos deverão ser transportados ao incubatório, em veículos apropriados, em bandejas e
caixas/carrinhos limpos e previamente desinfectados.

CAPÍTULO VII
Da Biossegurança no Manejo dos Ovos Férteis e das Aves de um Dia

1. O pessoal destinado ao trabalho interno do incubatório deverá observar as medidas gerais de higiene
pessoal e utilizar roupas e calçados limpos, desde o início do seu trabalho;
2. As aves de 1 (um) dia deverão ser expedidas diretamente do incubatório ao local do destino, por pessoal
vestido com roupa apropriada, limpa e desinfetada;
3. Os veículos transportadores apropriados, deverão ser limpos e desinfetados antes de cada embarq ue.
4. Deverão ser adotadas medidas para destino adequado dos resíduos de incubação e efluentes líquidos.

CAPÍTULO VIII
Do Cancelamento do Registro

1. O cancelamento do registro do estabelecimento avícola poderá ocorrer tanto por solicitação do


interessado, quanto por decisão da autoridade competente da Delegacia Federal de Agricultura, no Estado
onde se localiza, em processo administrativo, garantido a ampla defesa.
2. A solicitação de cancelamento de registro será feita pelo interessado, em requerimento dirigido ao
Delegado Federal de Agricultura, no Estado onde se localiza o estabelecimento avícola, cujo registro se
deseja cancelar.
3. A punição do estabelecimento avícola será definida após avaliação técnica realizada por Médico(s)
Veterinário(s) de(os) Serviço(s) Oficiai(s), seguindo os seguintes critérios:
3.1. advertência por escrito:
quando se tratar, de uma infração ocorrida, devido ao não cumprimento de um ou mais itens dos
Capítulos II, III, IV, V destas normas, estabelecendo prazos para solução da situação sanitária ou de
adequação das instalações físicas do estabelecimento avícola;
3.2. interdição da propriedade:

109
quando se tratar de infração ocorrida, devido a não realização das determinações técnicas no prazo
estabelecido na advertência, ou de não cumprimento de um ou mais itens dos Capítulos IV,V, VI e
VII destas normas, itens estes, que coloquem em risco a disseminação de doenças no plantel avícola
nacional, ou ainda, devido a suspeita e/ou confirmação de foco de doença exótica, conforme
estabelecido no Regulamento de Defesa Sanitária Animal.
3.3. suspensão temporária do registro:
quando se tratar de infração que coloque em risco a saúde pública, a biossegurança do plantel
avícola nacional, através da disseminação de doenças, ou de segurança da estrutura física do
estabelecimento.
4. O processo administrativo será estabelecido originado na Delegacia Federal de Agricultura, no Estado
onde se localiza o estabelecimento avícola objeto da punição, cabendo recurso, no prazo de 15 (quinze)
dias, contando à partir do recebimento da notificação oficial pelo interessado, junto ao órgão central do
Ministério da Agricultura e do Abastecimento, que dependendo das causas da interdição, avaliará o
processo, na Secretaria competente (Secretaria de Desenvolvimento Rural ou Secretaria de Defe sa
Agropecuária);
5. Não havendo por parte do interessado o cumprimento das exigências estabelecidas, poderá ocorrer o
cancelamento definitivo do registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento;
6. Novo registro poderá ser concedido ao interessado pela Delegacia Federal de Agricultura, no Estado onde
se localiza o estabelecimento avícola, a critério do(s) Serviço(s) Oficial(ais) (Ministério da Agricultura e
do Abastecimento e das Secretarias Estaduais de Agricultura em convênio com o MA) de Fiscalização e
Fomento e/ou de Defesa Sanitária Animal, condicionado a uma nova vistoria técnica do estabelecimento
avícola e à solução dos problemas anteriormente identificados, avaliando a conduta idônea da empresa,
através de um novo processo firmado junto àquela Delegacia Federal de Agricultura.

CAPÍTULO IX
Das Disposições Gerais

1. Estão sujeitos à fiscalização dos Serviços Oficiais, os estabelecimentos avícolas mencionados no Capítulo
I destas normas.
2. Os estabelecimentos avícolas constantes no Capítulo I destas normas, ficam obrigados a permitir o acesso,
a qualquer momento, aos documentos e as instalações, observando as normas de biossegurança, ao(s)
Médico(s) Veterinário(s) do(s) Serviço(s) Oficial(ais) (Ministério da Agricultura e do Abastecimento e
das Secretarias Estaduais de Agricultura, convênio com MA), de Fiscalização e Fomento e Defesa
Sanitária Animal.
3. O Serviço de Sanidade Animal da Delegacia Federal de Agricultura, do Estado em que se localiza o
estabelecimento avícola, e o Serviço de Sanidade Animal das Secretarias Estaduais de Agricultura, em
convênio com o MA, são os organismos responsáveis, na sua área de atuação e competência, pela
definição das medidas apropriadas para a solução dos problemas de natureza sanitária, observando o
estabelecido no Regulamento de Defesa Sanitária Animal, e no Programa Nacional de Sanidade Avícola
(PNSA), da Secretaria de Defesa Agropecuária.
4. As granjas e incubatórios deverão manter registro do controle semestral de potabilidade e do tratamento
efetuado na água de abastecimento, dos tratamentos de efluentes líquidos, de limpeza de equipamentos e
instalações.
5. Os estabelecimentos avícolas constantes no Capítulo I destas normas, deverão manter registro dos
procedimentos de monitorização sanitária, de cada lote de aves e ovos férteis, referentes às doenças
contempladas no Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA). Estes exames deverão ser realizados
obrigatoriamente, em laboratório oficial e/ou credenciado pelo Ministério da Agricultura e do
Abastecimento, para este fim, estando os laudos e relatórios disponíveis às autoridades veterinárias do(s)
Serviço(s) Oficial (ais), sempre que solicitados.
6. Deverão adicionalmente, manter registro referente ao manejo do plantel relativo a cada lote de aves e ovos
férteis, constando dados sobre mortalidade, diagnóstico de doenças, monitorização sanitária, tratamentos,
vacinações, etc. Os quais deverão estar disponíveis ao (s) médico(s) veterinário(s) do(s) Serviço(s)
Oficial(ais), sempre que solicitados.
7. A inobservância das exigências constantes nestas normas, dependendo da situação identificada pelo(s)
Serviço(s) Oficial (ais), implicará em adoção das sanções estabelecidas no capítulo VIII destas normas,
adicionalmente a:

110
7.1. suspensão da autorização para importação, exportação, comercialização e da Guia de Trânsito
Animal (GTA) relativa a ovos férteis e aves;
7.2. interdição do estabelecimento, da granja, dos núcleos e/ou dos incubatórios,
7.3. aplicação das medidas sanitárias estabelecidas no Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA)
e/ou zootécnicas cabíveis;
8. Os estabelecimentos avícolas constantes no Capítulo I destas normas, que pratiquem o comércio
internacional deverão cumprir adicionalmente, as normas estabelecidas pelo Ministério da Agricultura e
do Abastecimento para tal fim, e as exigências dos países importadores.
9. Para importação de ovos férteis e aves de um dia, o interessado, deverá obter parecer técnico prévio da
União Brasileira de Avicultura (UBA), conforme estabelecido na Portaria Ministerial nº 116/96, de
29/02/96, e autorização prévia no Serviço de Sanidade Animal (Autorização de Importação) .na Delegacia
Federal de Agricultura, no Estado onde se localiza o estabelecimento avícola.
Obs: No caso de importação de outras aves, ornamentais e/ou exóticas, destinadas à reprodução e a
produção comercial de carnes, ovos e/ou penas, o interessado deverá obter registro e autorização prévia no
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal (IBAMA).
10. Os estabelecimentos avícolas com registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento devem
remeter ao setor competente do mesmo, na Delegacia Federal de Agricultura, no Estado onde se localiza,
o relatório trimestral, conforme modelo padronizado pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento,
sob pena de ter seu registro cancelado.
11. A regulamentação, a normalização e o controle das medidas de biossegurança, são de competência da
Secretaria de Defesa Agropecuária, de acordo com o estabelecido no Regulamento de Defesa Sanitária
Animal, e no Programa Nacional de Sanidade Avícola (PNSA), da Secretaria de Defesa Agropecuária.
12. A juízo do Ministério da Agricultura e do Abastecimento, a Secretaria de Defesa Agropecuária, e a
Delegacia Federal de Agricultura, dentro das suas áreas de atuação e competência, quando julgarem
necessário, poderão convocar e/ou consultar o Comitê Consultivo do Programa Nacional de Sanidade
Avícola (CC/PNSA) e os Comitês Estaduais de Sanidade Avícola (COESA´s), para opinar sobre assuntos
referentes ao registro e a fiscalização dos estabelecimentos avícolas de que tratam estas normas.
13. Os casos omissos e as dúvidas suscitadas na aplicação desta Instrução Normativa, e em normas
complementares, serão dirimidas pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento, na Secretaria de
Defesa Agropecuária (SDA ) e/ou na Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).

IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE AVES E OVOS FÉRTEIS

PORTARIA N.º 49, DE 11 DE MARÇO DE 1987 - Regulamenta a


importação de animais vivos

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA , no uso de suas atribuições legais, e tendo em


vista o disposto no item XX da Resolução CONCEX n.º 149, aprovada na sessão de 23/02/87 (DOU-25/02/87).

RESOLVE:

Art. 1º - A importação de animais vivos, para quaisquer fins e de materiais de multiplicação


animal, depende de prévia autorização da Secretaria de Defesa Sanitária Animal SDSA, da Secretaria Nacional
de Defesa Agropecuária - SNAD, deste Ministério, que determinará o porto, aeroporto ou posto de fronteira por
onde a importação deverá ser realizada, bem como indicará os requisitos de natureza zoossanitária a serem
cumpridos no país de origem e após a chegada dos animais, ou dos materiais de multiplicação animal no
território nacional.
§ 1° - Estão dispensados da autorização prévia referida neste Artigo, porém sujeitos à apresentação
de certificados sanitários oficiais, com atendimento das exigências sanitárias determinadas pela SDSA.
a. cães, gatos e pássaros de vida doméstica, acompanhados ou não de seus proprietários;
b. eqüinos destinados a competições hípicas ou turísticas, oficialmente promovidas ou
reconhecidas, com permanência temporária no país.
§ 2º - A dispensa de que trata o item "a" do parágrafo anterior será concedida para o máximo de 02
cães, 02 gatos ou 04 pássaros de vida doméstica, por pessoa e por família.

111
§ 3º - Os cães -guia-de-cego terão livre trânsito, quando acompanhados de seus proprietários.

Art. 2º. Tratando-se de animais domésticos, de interesse econômico, destinados a reprodução, bem
como de seus materiais de multiplicação, será necessária e manifestação prévia da Secretaria de Produção
Animal, que se pronunciará sobre a conveniência da importação, com base em documentos oficiais apensos ao
processo de requerimento, que comprovem a identificação e o valor genético dos reprodutores para melhoria
zootécnica do rebanho nacional e indicará os critérios de natureza zoogenética e de fertilidade a serem atendidos
para ingresso no território brasileiro.
Parágrafo único - Toda a documentação referente à importação de animais destinadosà reprodução,
das diferentes espécies e raças, bem como de seus materiais de multiplicação, tanto para a Certificação
Zootécnica prévia de admissão, quanto para os que acompanham a importação por ocasião do ingresso no
território nacional, deverá ser em idioma brasileiro, devidamente visado pelo Consulado Brasileiro no país de
origem.

Art. 3º - Para efeito de controle sanitário, todo animal ao chegar ao país deverá ser submetido à
inspeção veterinária, podendo a autoridade competente determinar seja ele:
a. liberado;
b. encaminhado para quarentena, onde será submetido a observação clínica e provas para
diagnóstico de doenças;
c. impedido de desembarcar e imediatamente devolvido a origem, as expensas do importador;
d. sacrificado, sendo este ato obrigatório para os casos em que forem constatadas doenças
consideradas pela SDSA perigosas para os rebanhos nacionais, ou para os animais cujos
importadores não providenciarem o seu retorno a origem no prazo estabelecido pela SDSA.

Art. 4º. A SDSA definirá as espécies animais que devem ser submetidas a quarentena ou
isolamento, de acordo com a situação sanitária do país de origem, a ser realizada em estabelecimento oficial
especialmente construído para esse fim ou, excepcionalmente, a critério da SDSA, em outros estabelecimentos
oficiais ou privados.
Parágrafo único - A quarentena ou isolamento serão obrigatórios quando se tratar de animais
domésticos, de interesse econômico, destinados a reprodução.

Art. 5º - Nos casos em que a quarentena, isolamento ou a premunição contra babesiose e


anaplasmose sejam requeridos, a autorização para importação de animais somente poderá ser concedida ao
importador que comprove dispor das condições necessárias para realizá- las.
Parágrafo único - As despesas decorrentes da manutenção dos animais em quarentena ou
isolamento e da realização da premunição correrão à conta do importador ou do proprietário dos animais.

Art. 6º - Durante o período de quarentena mencionado no Parágrafo único do artigo anterior, os


animais deverão ser submetidos à inspeção zootécnica a ser realizada por técnicos da Associação Brasileira de
Criadores, delegada pelo Ministério da Agricultura para execução do serviço de Registro Genealógico, para
avaliação dos caracteres étnico-morfológicos estabelecidos pelo Registro Genealógico da Raça.
Parágrafo único - Os animais reprovados para inclusão nos Livros de Registro Genealógico
Brasileiro, de acordo com o parecer técnico do inspetor de registro, deverão ser devolvidos ao país de origem no
prazo de l (uma) semana, às expensas do importador, findo o qual serão encaminhados para o abate.

Art. 7º - Para ingresso no território nacional, todo animal ou material de multiplicação animal
importado, deverá estar acompanhado por um certificado zoossanitário internacional de origem, firmado por
médico veterinário oficial, no qual deve estar declarado:
a. a identificação do animal ou do doador do material, constando a espécie, a raça, o sexo, a
idade, a marca oficial e outras características, julgadas pertinentes;
b. o país de procedência, com a localização do estabelecimento de origem, o nome e o endereço
do exportador,
c. o local de embarque e o meio de transporte;
d. o país ou os países por onde, eventualmente, irá transitar ou efetuar transbordo;
e. o nome e o endereço do importador,
f. as garantias sanitárias requeridas pela SDSA.

112
Parágrafo Único - Tratando-se de animais domésticos de interesse econômico destinados à
reprodução, bem como de seus materiais de multiplicação, além do certificado zoossanitário internacional de
origem, os mesmos deverão estar acompanhados de documentos oficialmente reconhecidos, que comprovem as
exigências de natureza zoogenética e de fertilidade, estabelecidas pela Secretaria de Produção Animal.

Art. 8º - A entrada, em território nacional, de animais da fauna silvestre alienígena, somente será
permitida uma vez atendida a legislação específica e mediante autorização prévia do Instituto Brasileiro de
Desenvolvimento Florestal - IBDF.

Art. 9º- - Sob o ponto de vista sanitário, todas as importações reunir-se-ão pelo Regulamento do
Serviço de Defesa Sanitária Animal, aprovado pelo Decreto n.º 24.545, de 03 de julho de 1934 e demais
dispositivos legais subsequentes.
Parágrafo único - Tratando-se de importações de países onde grassem doenças infecto-contagiosas
e parasitárias não existentes, no Brasil, deverá ser observado o disposto no Decreto n.º 38.983, de 06 de abril de
1958, revigorado pelo Decreto n.º 55.292, de 29 de dezembro de 1964.

Art. l0 - A inobservância, pelo importador, de qualquer das exigências contidas na presente


Portaria e Normas complementares implicará no impedimento do desembarque e no imediato retorno dos animais
ou materiais à origem, no mesmo meio de transporte que os conduziram,

Art. 11 - Para a exportação de animais vivos e materiais de multiplicação animal, deverá ser
solicitada ao Serviço de Defesa Sanitária Animal, SERSA, da Delegacia Federal de Agricultura da Unidade de
Federação de procedência dos animais ou materiais, com a necessária antecedência, a realização da inspeção
sanitária e/ou exames para diagnóstico a doenças, requeridos pelo país importador.

Art. 12 - Somente poderão ser exportados animais ou materiais de multiplicação animal


acompanhados de certificado zoossanitário internacional de origem, firmado por médico veterinário do SERSA,
atendidas as exigências das autoridades veterinárias dos países compradores e outros constantes das normas
sanitárias brasileiras:
Parágrafo único - Tratando-se de animais domésticos de interesse econômico, destinados à
reprodução, bem como de seus materiais de multiplicação, os mesmos deverão atender as condições de ordem
zoogenético e de fertilidade, requeridas pelo país importador, alem das exigências estabelecidas pela Secretaria
de Produção Animal.

Art. 13 - É vedada a exportação de animais da fauna silvestre nativa para quaisquer fins, salvo
mediante autorização do Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal - IBDF.

Art. 14 - As importações e as exportações de animais vivos, para quaisquer fins e de materiais de


multiplicação animal somente poderão ser efetuados, através de:
a. aeroportos: Guarulhos (São Paulo), Viracopos (Campinas), Internacional do Rio de Janeiro
(Rio de Janeiro), Salgado Filho (Porto Alegre), Dois de Julho (Salvador), Guararapes (Recife)
e Val-de-Cans (Belém);
b. portos: Rio Grande (Rio Grande do Sul), Porto Alegre (Rio Grande do Sul), Santos (São
Paulo),Rio de Janeiro (Rio de Janeiro), Salvador (Bahia), Recife (Pernambuco) e Belém (Pará);
c. postos de fronteira: Chuí, Jaguarão, Aceguá, Livramento e Uruguaiana, no Rio Grande do Sul;
Foz do lguaçú, no Paraná; Ponta Porã, Bela Vista, Porto Murtinho e Corumbá, no Mato Grosso
do Sul; Guajará Mirim, em Rondônia
Parágrafo único - Em caráter excepcional, a SDSA poderá autorizar importações ou exportações
através de outros aeroportos, portos e postos de fronteiras.

Art. 15-As Secretarias de Defesa Sanitária Animal e de Produção Animal, nas suas respectivas
áreas de atribuições, baixarão as Normas complementares necessárias à execução da Resolução n.º 149 do
CONCEX e desta Portaria.

Art. 16 - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as Portarias n.º 568, de
23 de outubro de 1967, n.º 328, de 17 de julho de 1986 e demais disposições em contrário.

113
ÍRlS REZENDE MACHADO
(Publicada no Diário Oficial de 08/03/87)

114
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO
SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA
DEPARTAMENTO DE DEFESA ANIMAL

REQUERIMENTO PARA AUTORIZAÇÃO DE IMPORTAÇÃO DE ANIMAIS VIVOS E PRODUTOS DE


ORIGEM ANIMAL.

Sr. Diretor do DDA/DF - Sr. Chefe do SSA (MG-PR-RJ-RS-SC-ou-SP)


Solicito autorização para importação da mercadoria a seguir caracterizada, de acordo com a Portaria no. 49/87 do
Ministério da Agricultura, para o que prestamos as informações que se seguem:

1. IMPORTADOR.
Nome _________________________________________________________________________________
Endereço ______________________________________________________________________________
Cidade________________________________Estado___________CEP ____________________________
Telefone ______________________ Fax ______________________

2. CARACTERIZAÇÃO DA MERCADORIA A SER IMPORTADA.


Descrição da mercadoria a ser importada (espécie animal a partir da qual é obtida, nome, nº d registro junto ao
MA) _______________________________________________________________________________
País de procedência ______________________________________________________________________
Nome e endereço do estabelecimento de procedência____________________________________________
______________________________________________________________________________________
Nome e endereço do exportador ____________________________________________________________
______________________________________________________________________________________

3. TRANSPORTE.
Meio de transporte: ( ) aéreo. ( ) rodoviário. ( ) _______________________________________
Para transporte aéreo: ( ) vôo de linha regular. ( ) vôo fretado misto ou carga. (charter)
Local de embarque no país de procedência ____________________________________________________
País de trânsito (quando houver) ___________________________________________________________
Local de entrada no Brasil: ________________________________________________________________

4. DESTINO DA MERCADORIA.
Estabelecimento_____________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________________
Endereço ______________________________________________________________________________
Município _____________________________ Estado ________________________

5. LOCAL PARA REALIZAÇÃO DE ISOLAMENTO E/OU PREMUNIÇÃO (qdo. requerido)


Estabelecimento _________________________________________________________________________
Endereço ______________________________________________________________________________
Município _____________________________ Estado _______________________
Veterinário responsável ______________________________________________
Telefone _____________________________ Fax _________________________

6. DOCUMENTOS ANEXOS.
( ) Cópia da fatura pró-forma da mercadoria.
( ) Licença de importação do CITES/IBAMA (Original mais 4 cópias).
( ) Cópia de procuração passada pelo importador (quando for o caso).

115
7. CONTATO PARA ESCLARECIMENTOS E OUTROS FINS.
( ) o importador.
( ) outro; indicar:_____________________________________
Nome:_________________________________________________________________________________
Endereço: ______________________________________________________________________________
Cidade _____________________________________ Estado:_________ _____Telefone:_______________
Telex ________________ Fax ________________

________________________, _____ de _____________________ de ____

_________________________________________________
Assinatura do importador ou de seu representante autorizado

116
DECRETO Nº 94.959 DE SETEMBRO DE 1987 - Dispõe sobre a
importação de aves matrizes, do gênero Palmípedes, para reprodução e dá
outras providências.

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III da
Constituição Federal, decreta:

Art. 1º - Fica autorizada, em caráter excepcional, por um período de 05 (cinco) anos, a importação
de aves matrizes, do gênero Palmípedes (patos, gansos e marrecos).

Art. 12º - As importações serão permitidas desde que conhecidas as normas sanitárias e zootécnicas
expedidas pela Secretaria de Defesa Animal e Secretaria de Produção Animal do Ministério da Agricultura e
respeitadas as demias exigências contidas no Decreto nº 55.981 de 22 de abril de 1965.

Art. 3º - Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.

Brasília-DF, em 24 de setembro de 1987; 166º da Independência e 99º da República.

JOSÉ SARNEY
Íris Rezende Machado

PORTARIA MINISTERIAL Nº 548 DE 25 DE AGOSTO DE 1995 –


Reconhece o Banco da Indústria Avícola e assegura a UBA a sua gestão
operacional

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E DA REFORMA


AGRÁRIA, no uso de suas atribuições que lhe são conferidas pelo Art. 87, parágrafo único, inciso II, da
Constituição Federal, e

Considerando os objetivos da União Brasileira de Avicultura – UBA, como entidade representativa


da indústria avícola nacional;

Considerando a estrutura organizacional da União Brasileira de Avicultura – UBA, que congrega as


entidades nacionais e regionais da cadeia produtiva, possibilitando o funcionamento de um eficaz sistema de
captação de dados sobre a atividade avícola;

Considerando a importância da disponibilidade de uma base de conhecimento atualizado sobre a


importação e exportação de material genético avícola, alojamento de matrizes e comerciais, produção de pintos
de corte e de postura, abate de aves, produção de ovos e de carne de frango, organizada de modo a permitir
consultas e estudos sobre o desempenho da avicultura nacional e internacional, resolve:

Art. 1º - Reconhecer o Banco da Indústria Avícola, sob a gestão normativa do Departamento de


Tecnologia e Produção Animal – DTPA, da Secretaria de Desenvolvimento Rural – SDR, como base de
indicadores sobre o desempenho do segmento avíc ola nacional.

Art. 2º - Assegurar à União Brasileira de Avicultura – UBA, a gestão operacional do Banco de


Dados mencionado no Art. 1º desta Portaria, para o desenvolvimento de estudos e geração de informações sobre
o desenvolvimento da indústria avícola nacional.

117
Art.3º - Determinar ao Departamento de Tecnologia e Produção Animal – DTPA, da Secretaria de
Desenvolvimento Rural – SDR, a adoção de providências para elaborar, em colaboração com a União Brasileira
de Avicultura – UBA, os modelos de relatórios que possibilitem a manutenção atualizada do Banco de dados e a
difusão das informações geradas.

Art. 4º - Os casos omissos e as dúvidas siscitadas na aplicação desta Portaria e normas


complementares, serão dirimidas pelo Departamento de Tecnologia e Produção Animal da Secretaria de
Desenvolvimento Rural.

Art. 5º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

JOSÉ EDUARDO ANDRADE VIEIRA

PORTARIA Nº 116, DE 29 DE FEVEREIRO DE 1996 – Importação de


aves e ovos férteis destinados à reprodução

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E DA REFORMA


AGRÁRIA, no uso da atribuição conferida pelo artigo 87, Parágrafo único, inciso II, da Constituição Federal e
de acordo com o disposto no artigo 13, da Lei nº 8.171, de 17 de janeiro de 1991, resolve:

Art. 1º - A concessão de autorização pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento e da


Reforma Agrária para importação de aves e ovos férteis destinados à reprodução, além das exigências de ordem
sanitária estabelecidas no Regulamento do Serviço de Defesa Sanitária Animal deverá obedecer as condições
zootécnicas previstas nesta Portaria.

Art. 2 - Os estabelecimentos que se dedicam a multiplicação de material genético avícola, tanto


avozeiros quanto matrizeiros, deverão estar registrados no Departamento de Fiscalização e Fomento da Produção
Animal da Secretaria de Desenvolvimento Rural – DFFPA/SDR.
Parágrafo único - A Secretaria de Desenvolvimento Rural baixará normas complementares para o
registro dos estabelecimentos que se destinam a reprodução de material genético avícola.

Art. 3º - É permitida a importação de pintos de 1 (um) dia e ovos férteis de raças puras (pedigrees),
de linhagens consangüíneas (bisavós) ou de linhagens para cruzamentos (avós).

Art. 4º - As importações de pintos de um dia e ovos férteis de matrizes para reprodução, e de


híbridos comerciais, somente serão autorizadas para produção de:
I. Matrizes para a reprodução de linhagens destinadas a produção de galinha caipira, de perus, de
galinha d’angola e do gênero palmípedes (patos, gansos e marrecos).
II. Matrizes para testes de desempenho por estabelecimentos avozeiros e matrizeiros, com programa
para avozeiros, pelo período de 12 meses, nas seguintes condições :
a) Quantitativo máximo de matrizes para postura comercial – 3.000 (três mil) fêmeas, com os
respectivos machos, divididos em até 3 (três) lotes.
b) Quantitativo máximo para corte – 15.000 (quinze mil) fêmeas com os respectivos machos,
podendo estas serem de linhagens diferentes, divididos em até 2 (dois) lotes.
§ 1º - Todo estabelecimento matrizeiro, com programa para avozeiro, deverá ter projeto técnico
específico para multiplicação de linhagens para cruzamento (avós) aprovado pelo DFFPA/SDR.
§ 2º - As Matrizes a serem importadas, citadas nos itens I e II, deverão ser procedentes de empresas
de melhoramento genético avícola.
§ 3º - Os processos de importação referentes à material genético avícola, deverão conter a
especificação do material e parecer técnico da União Brasileira de Avicultura – UBA, comprovando que o
estabelecimento dispõe de condições tecnológicas para sua execução.

118
Art. 5º - Os parâmetros técnicos específicos que se tornarem necessários, bem como os casos
omissos e as dúvidas suscitadas na aplicação desta Portaria serão dirimidos pelo Departamento de Fiscalização e
Fomento da Produção Animal da Secretaria de Desenvolvimento Rural, em Instruções de Serviço.

Art. 6º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogada a Portaria nº 704
de 02 de dezembro de 1993.

PORTARIA Nº 144, DE 23 DE DEZEMBRO DE 1997 – Suspende a


entrada em território Nacional de avestruzes, aves ornamentais domésticas e
silvestres e ovos férteis dessas mesmas aves

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E


DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 83 item IV, do Regulamento Interno da
Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial nº 319, de 6 demaio de 1996, tendo em vista o disposto no
Regulamento do Serviço de Defesa Animal, aprovado pelo Decreto nº 24.548, de 03 de julho de 1934 e no
Decreto nº55.981 de 22 de abril de 1965.
Considerando a notificação de ocorrência da doença de Newcastle e da Influenza aviária de alta
patogenicidade em vários países, segundo informes Semanais do Escritório Internacional de Epizootias (OIE), no
decorrer do ano de 1997;

Considerando a ameaça ao plantel avícola nacional, frente ao risco sanitário que representam as
mencionadas doenças, as quais estão incluídas na Lista A de Doenças do OIE;

Considerando o isolamento do vírus da doença de Newcastle, amostra velogênica viscerotrópica,


em avestruzes importadas, por ocasião da quarentena de ingresso, e o conseqüente risco de disseminação da
referida doença, face ao regime de criação semi-aberto, implantado nas criações de avestruzes e de aves
ornamentais;
Considerando situação como emergência sanitária, resolve:

Art. 1º – Suspender temporariamente a entrada no Território Nacional de avestruzes e aves


ornamentais domésticas ou silvestres, em criação ou já adultas, e de ovos férteis dessas mesmas aves, de qualquer
procedência.
Parágrafo único – Serão canceladas as autorizações de importação já concedidas e ainda não
efetivadas.

Art. 2º - As importações ficarão condicionadas à prévia autorização do Departamento de Defesa


Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária, que fará a análise de risco caso a caso, levando em conta o
seguinte:
I. situação sanitária dos países e zonas de exportação;
II. disponibilidade de instalação para quarentena de aves nos locais de ingresso no país;
III. adequação da demanda de importação à disponibilidade e a capacidade das instalações para
quarentena e à capacidade instalada de provas laboratoriais.

Art. 3º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.

ÊNIO ANTÔNIO MARQUES PEREIRA


(Of. nº 87/97)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 14, DE 29 DE JUNHO DE 1999 - Normas


Técnicas para Importação e Exportação de Aves de um dia e Ovos Férteis para
incubação, destinados a reprodução

O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA do Ministério da Agricultura e do


Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o Art. nº 83, inciso IV, do Regimento Interno da Secretaria,

119
aprovado pela Portaria Ministerial nº 574, de 8 de dezembro de 1998, e da Portaria Ministerial n.º 193, de 19 de
setembro de 1994, resolve:

Art. 1º Aprovar as Normas Técnicas para Importação e Exportação de Aves de um dia e Ovos
Férteis para incubação, destinados a reprodução.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogada a
Portaria SDA n.º 30, de 10 de junho de 1965 e a Portaria SDA nº 176, de 27 de outubro de 1994.

LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA


PUBLICADA NA SEÇÃO I do DOU de 1º de julho de 1999

ANEXO

“NORMAS TÉCNICAS PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO DE AVES DE UM DIA E OVOS


FÉRTEIS PARA INCUBAÇÃO, DESTINADOS A REPRODUÇÃO”

CAPÍTULO I
Das Exigências a Serem Cumpridas pelas Empresas que Procedem o Comércio Internacional

1. Os interessados em importar aves e/ou ovos férteis para reprodução, deverão ter seus estabelecimentos
devidamente registrados na Delegacia Federal de Agricultura (DFA) do estado em que estão localizados.
2. O registro será realizado atendendo as normas específicas contidas na Instrução Normativa nº 4, de
30/12/98 do Ministério da Agricultura e do Abastecimento (MA), de registro e fiscalização de
estabelecimentos avícolas, pelas quais serão classificados, segundo a finalidade a que se destinam como
Estabelecimentos Avícolas de Controles Permanentes, que são as granjas de seleção genética de
reprodutoras primárias (linhas puras), granjas bisavoseiras, granjas avoseiras, granjas matrizeiras, granjas
de aves reprodutoras livres de patógenos específicos (SPF), e os incubatórios destes estabelecimentos.
3. Para importação de ovos férteis e de aves de um dia, o interessado deverá atender o disposto no Decreto nº
55.981, de 22/04/65 que dispõe sobre a importação de aves e de ovos para reprodução e na Portaria
Ministerial nº 116 de 29/02/96, sobre concessão e autorização do MA para importação de aves e ovos
férteis destinados a reprodução.
4. Obter autorização prévia (Autorização de Importação) no Serviço de Sanidade Animal, da DFA, no estado
onde se localiza o estabelecimento avícola.
5. O importador deverá enviar sua programação mensal de importação para o mês seguinte, ao DDA, em
Brasília/DF e à DFA de destino, diretamente ou através de seus órg ãos representativos de classe, exceção
feita para importações não rotineiras.
5.1. a confirmação de chegada de cada importação deverá ser feita com o mínimo de 20 (vinte)
dias antes do desembarque, confirmando data e horário, para programação do laboratório
oficial.
5.2. casos excepcionais relacionados ao transporte, serão resolvidos pelo Médico Veterinário
oficial do Serviço de Vigilância Aeroportuária (SVA/DFA), que deverá ser imediatamente
informado.

CAPÍTULO II
Dos Requisitos e Exigências Sanitárias

1. A importação de aves de um dia e ovos férteis somente poderá ser autorizada:


1.1. A partir de país, ou região de um país, livre da doença de Newcastle velogênica, influenza
aviária de alta patogenicidade e demais enfermidades exóticas;
1.2. De estabelecimento livre e/ou controlado para Mycoplasma sp e Salmonella sp .
2. O interessado deverá cumprir adicionalmente, as medidas sanitárias e de biossegurança estabelecidas pelo
MA para tal fim.

120
CAPITULO III
Da(s) Atribuição (es) do(s) Serviço(s) Oficial(is) Responsável(is) pela Em issão da Autorização de
Importação e Fiscalização de Aves de Um Dia e Ovos Férteis Importados

1. Emissão de Autorização de Importação pelo DDA em Brasília/DF, ou pelo Serviço de Sanidade Animal
das DFA’s Classe A, onde se localiza o estabelecimento avícola importador.
2. Fiscalização Sanitária das aves e/ou dos ovos férteis, no momento do desembarque, realizados pelo
Serviço de Vigilância Aeroportuária (SVA/DFA), que deverá lavrar Termo de Colheita de material de
amostras biológicas em três vias (1a via laboratório, 2a via importador, e 3a via arquivo emitente).
3. A colheita de material de aves e ovos, originários de qualquer país, para realização de exames
laboratoriais será realizada, por ocasião da inspeção veterinária para o desembaraço de entrada no ponto
de ingresso (porto, aeroporto ou posto de fronteira), atendendo ao especificado no Capítulo IV destas
normas, e encaminhado em embalagem lacrada pelo MA ao laboratório oficial, para realização dos
exames constantes no Capítulo V das mesmas.

CAPÍTULO IV
Das Amostras para Exames/Testes Laboratoriais

1. As amostras consistirão de:


1.1. Aves mortas - todas, não excedendo a 20 (vinte) aves;
1.2. Aves vivas-
1.2.1. Aves de um dia - Classificadas segundo sua finalidade como aves procedentes de
estabelecimentos de controles permanentes: 20 (vinte) aves por lote, contemplando
todas as linhas e respeitando a proporcionalidade entre as mesmas.
1.3. Ovos Férteis: 30 (trinta) ovos por lote ou amostragem a ser determinada pelo DDA,
contemplando todas as linhas e respeitando a proporcionalidade e ntre as mesmas.
1.4. Suabes de Fundos de Caixa: todas as caixas, não excedendo a 30 (trinta), sendo um suabe
por caixa, agrupados em “pool” de 05 (cinco) caixas, mantidos em água peptonada
tamponada a 1%.
2. As amostras colhidas deverão ser devidamente identificadas, lacradas e remetidas imediatamente ao
laboratório oficial para a realização dos testes requeridos.

CAPÍTULO V
Da Realização dos Exames/Testes e Remessa de Resultados

1. Em ovos e aves ornamentais de estabelecimentos de controles permanentes, deverão ser realizados os


seguintes exames/testes: Pesquisa de Salmonella sp , de Mycoplasma sp, do vírus da doença de Newcastle
e do vírus da influenza aviária.
2. Outros exames/testes poderão vir a ser requeridos pelo DDA, a qualquer tempo, na eventualidade de
alteração da situação epidemiológica e sanitária do país exportador.
3. Os resultados dos exames/testes deverão ser emitidos em formulário próprio, e comunicados seguindo o
fluxograma determinado:
3.1. RESULTADO NEGATIVO: enviar FAX ou outro tipo de comunicação imediata, para o
Serviço de Sanidade Animal da DFA do Estado onde se localiza o estabelecimento avícola e
para o importador.
3.2. RESULTADO POSITIVO: enviar FAX ou outro tipo de documentação imediata, para o
DDA e para o Serviço de Sanidade Animal da DFA do Estado onde se localiza o
importador, que notificará ao mesmo.

CAPÍTULO VI
Da Incubação, do Isolamento e Quarentena das Aves de Um Dia e Ovos Férteis Importados

121
1. As aves de um dia importadas deverão ser mantidas em isolamento, no estabelecimento avícola, ou em
quarentenário oficial ou privado, por um período mínimo de 30 (trinta) dias, até sua liberação para
incorporação ao plantel residente ou para o estabelecimento de destino.
2. Os ovos férteis deverão ser identificados, incubados e eclodidos em sala e máquinas específicas e
exclusivas. O nascimento deverá ocorrer em dia exclusivo dos demais lotes, devendo ser informado ao
Serviço de Sanidade Animal da DFA, do estado onde se localiza o incubatório, as datas de nascimento e
de transferência, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias.
2.1. Das medidas de biossegurança na incubação:
2.1.1. fica proibida a incubação de ovos de produção diferentes (bisavós, avós e matrizes),
na mesma máquina e mesmo período;
2.1.2. ocorrendo incubação de matrizes em incubatórios de avós, deverão ser atendidos os
critérios sanitários das linhas de avós;
2.1.3. fica proibida a incubação de avós em incubatórios de matrizes que eclodem pintos
comerciais.
3. A liberação pelo Serviço oficial, das aves de um dia, importadas ou daquelas nascidas no território
nacional, produto de ovos férteis importados após isolamento ou quarentena, está condicionada aos
resultados dos exames/testes laboratoriais.
4. Durante o período de quarentena o Serviço de Sanidade Animal da DFA em que se localiza o importador,
poderá requerer outras colheitas de materiais e exames complementares.

CAPÍTULO VII
Dos Procedimentos Sanitários Adotados em Caso de Resultados Positivos

1. O Serviço de Sanidade Animal da DFA, do estado onde se localiza o importador, dará ciência ao mesmo,
determinando adoção das medidas sanitárias requeridas em cada caso, segundo as normas em vigor,
decorrente de suspeita ou confirmação de foco das doenças contempladas pelo Programa Nacional de
Sanidade Avícola (PNSA) ou exóticas, conforme estabelecido no Regulamento de Defesa Sanitária
Animal.
2. No caso de suspeita, o Serviço de Sanidade Animal da DFA do estado onde se localiza o importador,
prorrogará o período de quarentena da propriedade, até o resultado do exame laboratorial.
3. No caso de resultado positivo nos exames laboratoriais indicados no Capitulo II destas normas, e na
constatação de qualquer doença exótica no lote importado, que a juízo da autoridade sanitária, possa
constituir ameaça aos plantéis avícolas nacionais, as aves serão sacrificadas e destruídas, de acordo com o
disposto no Regulamento do Serviço de Defesa Sanitária Animal e no PNSA.

CAPÍTULO VIII
Dos Requisitos e Exigências Sanitárias para Exportação

1. O estabelecimento exportador deverá estar devidamente registrado na DFA do estado onde se localiza.
2. Cumprir com as exigências sanitárias do país importador.
3. Atender as normas do Regulamento de Defesa Sanitária Animal e do PNSA.
4. No momento do embarque, será realizada a fiscalização sanitária das aves e/ou dos ovos férteis, pelo
SVA/DFA.
5. Os estabelecimentos avícolas de controles permanentes que procedem a exportação de aves e de ovos
férteis, deverão ser monitorizados segundo as portarias de controle e certificação sanitária para
micoplasmoses e salmoneloses aviárias da Secretaria de Defesa Agropecuária (SDA) e demais
determinações técnicas específicas do DDA, além de procederem a vigilância epidemiológica da doença
de Newcastle e da influenza aviária.

CAPÍTULO IX
Das Disposições Gerais

1. O DDA é o órgão responsável na sua área de atuação e competência, pela definição das medidas
apropriadas para a solução dos problemas de natureza sanitária, observando o estabelecido no
Regulamento de Defesa Sanitária Animal, e no PNSA.

122
2. Quando no momento da fiscalização oficial, no ponto de ingresso no país, for identificado o não
cumprimento dos itens e subitens 1, 2, 3, 4 do Capítulo I desta norma, a critério do Serviço Oficial,
poderão ser adotadas medidas de seqüestro do lote importado, para quarentenário designado pelo DDA,
ficando o lote sob custódia e monitorização sanitária do Serviço de Sanidade Animal da DFA do estado
onde se localiza o quarentenário e/ou o estabelecimento. Dependendo do risco sanitário, poderá ainda ser
determinada a destruição de todo o lote importado, no próprio ponto de ingresso.
2.1. As custas de manutenção e sacrifício correrão por conta do interessado.
3. Os casos omissos e as dúvidas suscitadas na aplicação destas normas, e em atos complementares, serão
dirimidas pelo DDA.

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO DDA N° 001/99 - Requisitos para ingresso de


Aves de Companhia no Território Nacional.

O Departamento de Defesa Animal (DDA) do Ministério da Agricultura e do Abastecimento (MA)


nas atribuições que lhe confere o Artigo 2º da Portaria nº 144, de 23 de dezembro de 1997, estabelece que:

1. aves de companhia, ou seja, aquelas aves que coabitam com o proprietário, acompanham esta por ocasião de
mudança ou de viagens e que destinam-se a endereços residenciais, no máximo quatro exemplares, poderão
ingressar no território nacional, acompanhadas do Certificado Zoossanitário Internacional, sem necessidade de
autorização emitida previamente pelo MA.

2. o Certificado Zoossanitário Internacional, a que se refere o item anterior, deverá ser emitido pela autoridade
sanitária do país de origem, garantindo que durante o período de trinta dias que antecedeu o embarque para o
Brasil, a(s) ave(s):
a) não manteve/mantiveram nenhum contato com aves silvestres ou domésticas de criação em fundo
de quintal ou de criações industriais;
b) não apresentou/apresentaram nenhuma manifestação clínica de doenças transmissíveis.

Brasília-DF, 14 de Dezembro de 1999

Hamilton Ricardo Farias


Diretor do DDA

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE ABRIL DE 2000. – Autoriza a


Secretaria de Produção e Comercialização a certificar a autenticidade de
contrato de fornecimento para as exportações de carne de frango

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da


atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II da Constituição, e

Considerando a necessidade de se normatizar a certificação de autenticidade de documento


específico exigido pela Comissão das Comunidades Européias para as exportações de carne de frango
beneficiadas com as insenções previstas na Rodada do Uruguais – Acordo de Oleaginosas, relativamente a frango
brasileiro , resolve:

Art. 1º - Fica a Secretaria de Produção e Comercialização autorizada a certificar a autenticidade do


Contrato de Fornecimento, que lhe forem apresentados, para as exportações de carne de frango destinadas a
países membros da União Européia e beneficiadas com as isenções previstas no Regulamento (CE) N° 774/1994,
de 29/03/1994, da Comissão das Comunidades Européias.

Art. 2° - Para obter a certificação requerida no Art. 1º desta Instrução Normativa, a empresa
interessada deverá:
I. estar habilitada pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento a exportar carne de frango para os
Países membros da Comunidade Européia; e

123
II. encaminhar oficialmente à Secretaria de Produção e Comercialização do Ministério da Agricultura e
doAbastecimento o Contrato de Fornecimento a ser certificado, com antecedência mínima de 7 (sete)
dias úteis em relação à data limite para utilização da cota fixada pela autoridade da União Européia.

Art. 3º - A certificação será concedidad pela expedição do documento cujo modelo constitui anexo
da presente Instrução Normativa.

Art. 4º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Marcus Vinicius Pratini de Moraes

124
Anexo

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO


SECRETARIA DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO
Nº 000/00
Certificação de Contr ato de Fornecimento
Supply Contract – Certification

Exportador (nome e endereço) Origem


Exporter (name and address) Origin

Importador (nome e endereço) Especificação da cota tarifária


Importer (name and address) Specifications of tariff quota

Descrição das mercadorias Período


Description of goods Period

Regulamento Comunitário – CE Aplicável


Código CN Applicable Comission Regulation – EC
CN code

Porto de embarque Porto de desembarque


Port of shipment Port of landing

Quantidade Solicitada (TM) Quantidade Solicitada por extenso


Request Amount (MT) Request Amount (in full)

CERTIFICAÇÃO OFICIAL
OFFICIAL CERTIFICATION

Certifico a autenticidade do Contrato de Fornecimento Nº . Os volumes descritos serão confirmados após a


oficialização das quantidades outogardas pelas autoridades da União Européia.

I hereby certify the authenticity of the Supply Contract Nr. . The volume of gooods specified in this contract must be
confirmed by the European Community authority.

Local: Data: Assinatura e Chancela:


City: Date: Signature and Official Stamp:

125
GUIA DE TRÂSITO ANIMAL

PORTARIA N.º 22, DE 13 DE JANEIRO DE 1995 – Modelo da Guia de


Trânsito Animal

O Ministro de Estado da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária, no uso das


atribuições que lhe confere o artigo 87, II, da Constituição da República e tendo em vista o disposto no artigo 8º
do Regulamento do Serviço de Defesa Sanitária Animal, aprovado pelo Decreto n.º 24.548, de 03 de junho de
1934 e Decreto-lei n.º 818, de 05 de setembro de 1969, resolve:

Art. 1º - Aprovar o modelo anexo da Guia de Trânsito Animal (GTA), a ser utilizada em todo
território nacional para o trânsito interestadual de animais, assim como de animais destinados ao abate em
matadouros abastecedores de mercados internacionais

Art. 2º - A Guia de Trânsito Animal será impressa de acordo com as seguintes especificações
técnicas:

a) formato 21,7 cm X 14,8 cm (área de corte), em três vias;

b) papel gramatura “off set” 18 kg, “superbond”, com as seguintes cores:

1ª via branca,
2ª via amarelo -canário e
3ª via azul-claro;

c) retícula 10% verde, em todas as vias, tendo como fundo o logotipo da defesa animal;

d) impressão na cor verde petróleo (referência cromo 6832);

e) numeração seqüencial com letra de série e número de seis dígitos.

Art. 3º - A Guia de Trânsito Animal, expedida pela entidade estadual de defesa sanitária animal,
será aceita para os fins a que se refere o Art. 1º quando a Secretaria de Estado da Agricultura ou órgão
equivalente dos Estados e do Distrito Federal tenha adotado oficialmente, o modelo ora aprovado, acrescido da
identificação do Estado e da entidade expedidora no canto superior direito do documento.

Parágrafo Único. A aceitação de que trata este artigo independe do credenciamento prévio dos
funcionários da entidade estadual.

Art. 4º - Os Certificados de Inspeção Sanitária Animal (CISA), modelos A, B, C e D, assim como a


Autorização de Trânsito para (ATA), modelo F, já impressos, poderão ser utilizados até 30 de junho de 1995,
ficando canceladas após esta data.

Art. 5º - Delegar competência à Secretaria de Defesa Agropecuária, para baixar normas


complementares necessárias à implantação desta Portaria.

Art. 6º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogada as disposições em
contrário.

JOSÉ EDUARDO DE ANDRADE VIEIRA

126
FEIRAS E EXPOSIÇÕES

PORTARIA N.º 108, DE 17 DE MARÇO DE 1993 - Normas Técnicas para


Organização e Funcionamento das Exposições e Feiras Agropecuárias, Leilões
Rurais e dos Colégios de Jurados das Associações Encarregadas da Execução
dos Serviços de Registro Genealógico

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E DA


REFORMA AGRÁRIA, no uso da atribuição que lhe confere o Art. 87, parágrafo único, II, da Constituição da
República, e

Considerando ser competência deste Ministério zelar pela qualidade genética e sanitária do
rebanho nacional, fatores primordiais para o aumento da produção e produtividade da pecuária;

Considerando o disposto nos artigos 10 e 58 do Regulamento do Serviço de Defesa Sanitária


Animal, aprovado pelo Decreto n.º 24548, de 03 de julho de 1934, resolve:

Art. 1º Aprovar as Normas anexas à presente Portaria, serem a observadas em todo o Território
Nacional para a realização de exposições e feiras agropecuárias, leilões de animais e para a formação de Colégio
de Jurados das Associações encarregadas da execução dos Serviços de Registro Genealógico.

Art. 2º Delegar competência aos Secretários de Desenvolvimento Rural e de Defesa


Agropecuária para baixarem as normas complementares que se fizerem necessárias.

Art. 3º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em
contrário.

LÁZARO FERREIRA BARBOZA

(Publicada no DOU de 18.03.93)

NORMAS TÉCNICAS PARA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS EXPOSIÇÕES E FEIRAS


AGROPECUÁRIAS, LEILÕES RURAIS E DOS COLÉGIOS DE JURADOS DAS ASSOCIAÇÕES
ENCARREGADAS DA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE REGISTRO GENEALÓGICO

CAPÍTULO I
DAS EXPOSIÇÕES E FEIRAS AGROPECUÁRIAS

Art. 1º Compreende-se sob a denominação genérica de exposições e feiras agropecuárias, os


certames que reunam animais domésticos, produtos, insumos e derivados, maquinaria, equipamentos, instalações
e serviços com a finalidade de fomentar o intercâmbio regional, nacional e internacional.

Art. 2º As exibições públicas ou certames, para os efeitos destas normas, definem-se:


I – EXPOSIÇÃO: Todo certame de natureza promocional e educativas, temporário ou
permanente, com ou sem finalidades comerciais, imediatas em que haja julgamento dos animais.

127
II – FEIRA: todo o certame de realização temporária ou periódica, com finalidade comercial
definida.

Parágrafo Único. É permitida a realização concomitante de exposição e feira agropecuária.

Art. 3º As Exposições e Feiras Agropecuárias são classificadas, quanto a jurisdição, em:


I – Municipal – Participação de animais, de uma ou mais espécie ou raça, no âmbito municipal.
II – Regional – Participação de animais de uma ou mais espécies ou raças de diversos
municípios no âmb ito do Estado.
III – Estadual – Participação de animais, de uma ou mais espécie ou raça no âmbito do Estado.
IV – Interestadual – Participação de animais, de uma ou mais espécie ou raça, procedentes de
mais de um Estado.
V – Internacional – Participação de animais, de uma ou mais espécie ou raça, procedentes de
qualquer parte do País e que obrigatoriamente conte com representação de outro país.

Parágrafo Único. Excepcionalmente, classifica-se como NACIONAL, a exposição autorizada


pela Associação Nacional de Criadores da Raça ou espécie com a finalidade de julgar e premiar os animais
campeões nacionais do ano.

Art. 4º As exposições e feiras agropecuárias serão classificadas em duas categorias:


I – Especializada – Aquela onde participam animais de uma única raça ou espécie.
II – Mista – Aquela em que participam animais de várias espécies ou raças.

Art. 5º As exposições e feiras, realizadas no Território Nacional, adotarão denominação


própria, precedida de um número em algarismos romanos, a fim de distinguí-las no tempo.

Art. 6º A realização, no País, de exposições e feiras agropecuárias, de qualquer jurisdição e


categoria, será previamente autorizada pela Secretaria de Estado de Agricultura ou órgão correspondente.

§ 1º Para as exposições de jurisdição interestadual, nacional ou internacional, será requerida,


também, a autorização prévia da Diretoria Federal de Agricultura no Estado ou no Distrito Federal.

§ 2º A autorização poderá ser concedida inclusive para exposições e feiras agropecuárias não
relacionadas no Calendário Oficial.

§ 3º Qualquer alteração de datas ou no regimento interno dos certames já autorizados,


dependerá de prévia anuência dos órgãos expedidores da autorização.

§ 4º As exposições internacionais, além do Regimento Interno, deverão observar as normas


específicas de importação editadas pelo Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária,
quando da participação de animais de outros países.

Art. 7º A obtenção da autorização de que trata o artigo anterior deverá ser solicitada por
escrito, pelos promotores do evento, juntando o seu Regimento Interno, nos seguintes prazos:
a) trinta (30) dias de antecedência, para os certames de jurisdição municipal e regional;
b) sessenta (60) dias de antecedência, para os certames de jurisdição estadual, interestadual
e nacional;
c) noventa (90) dias de antecedência, para os certames de jurisdição internacional.

Art. 8º O órgão central competente do Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da


Reforma Agrária, publicará anualmente o “Calendário Oficial de Exposições e Feiras Agropecuárias”.

§ 1º As Diretorias Federais de Agricultura deverão enviar ao Órgão Central do Ministério da


Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária, até o dia 30 de outubro de cada ano, a relação dos certames
programados para o ano subsequente, com vistas a publicação do “Calendário Oficial de Exposições e Feiras
Agropecuárias”.

128
§ 2º O não recebimento da relação dos certames programados para o ano subsequente
implicará na exclusão do estado faltoso do “Calendário Oficial de Exposições e Feiras Agropecuárias”.

Art. 9º As exposições e feiras agropecuárias somente poderão ser realizadas em recintos


apropriados que possuam as seguintes instalações mínimas:
I – local para recepção dos animais, com rampa de desembarque, tronco e currais;
II – local para funcionamento dos serviços administrativos e de defesa sanitária animal;
III – local para alojamento dos animais;
IV – local para isolamento de animais enfermos;
V – pista para julgamento de animais;
VI – pedilúvios e rodolúvios, em todos os acessos do parque;
VII – abastecimento de água e energia elétrica;
VIII – instalações sanitárias para uso do público visitante e de serviço;
IX – depósito para ração.

Parágrafo Único . As Diretorias Federais de Agricultura fiscalizarão os parques de exposições e


feiras e orientarão os promotores dos eventos quanto a elaboração dos respectivos regimentos, com ênfase
especial para os aspectos zootécnicos sanitários, no que se refere às exposições interestaduais, nacionais e
internacionais.

Art. 10 Todos os animais deverão ser submetidos ao julgamento de admissão.

Art. 11 O julgamento de admissão ao parque será realizado por uma comissão,


preferentemente, ou por um único jurado de admissão.

Art. 12 Compete aos jurados de admissão:


I – conferir a individualização dos animais, através dos documentos de registros, verificando o
correto enquadramento do animal na categoria em que estiver inscrito;
II – observar os itens constantes na inscrição para registro, no que diz res peito às causas de
desclassificação;
III – verificar os atestados de prenhez das fêmeas;
IV – verificar os atestados de fertilidade dos machos;
V – eliminar todos os animais que apresentarem defeitos congênitos ou adquiridos que
comprometam a sua função zootécnica;
VI – eliminar todos os animais que apresentarem falta de qualidade ou desenvolvimento, falta
de preparo ou trato, em relação ao nível da exposição, e notória falta de adestramento.

Art. 13 Para recebimento de reprodutor bovino ou eqüino que tenha atingido a maturidade
sexual, será exigido Certificado Andrológico ou Ginecológico, emitido por Médico Veterinário habilitado de
acordo com a Lei n.º 5517/68.

Art. 14 A identificação do animal para admissão no parque de exposição, será feita, conforme
o caso, com a apresentação de:
I – certificado de registro genealógico original, ou fotocópia autenticada pelo cartório ou pelo
Serviço de Registro Genealógico da Associação competente; e
II – Certificado de controle de genealogia original, ou fotocópia autenticada em cartório ou pelo
Serviço de Registro Genealógico competente;
III – Certificado especial de identificação e produção.

Parágrafo Único. Serão exigidas provas de desempenho zootécnico para os animais, de


conformidade com a idade, o sexo e aptidão produtiva, em todas as exposições classificadas como Nacionais e
Internacionais.

Art. 15 O expositor que fraudar quaisquer documentos para facilitar a admissão de seus
animais ou alterar o julgamento e premiação, ficará impedido de expor em todo o território nacional, por 5

129
(cinco) anos consecutivos, sem prejuízo das sanções administrativas próprias do Serviço de Registro Genealógico
e as ações de responsabilidade civil cabíveis.

CAPÍTULO II
DOS LEILÕES DE ANIMAIS

Art. 16 Fica instituído no âmbito do Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da reforma


Agrária o Cadastro Nacional das Instituições Promocionais de Leilões de Animais.

Parágrafo Único. O cadastro será organizado e mantido pelo ministério da Agricultura, do


Abastecimento e da Reforma Agrária, em arquivo eletrônico, podendo ser acessado por instituições oficiais
interessadas.

Art. 17 Toda instituição que se dedique a promoção de leilões de animais fica obrigada a se
cadastrar na Diretoria Federal de Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária, da Unidade da Federação
de sua sede.

Parágrafo Único. Para inscrição no cadastro, as instituições promocionais devem apresentar os


seguintes documentos:
I – fotocópia do Contrato Social e suas alterações, devidamente registrado em Junta Comercial
ou Cartório de Registro de Títulos e Documentos;
II – fotocópia da inscrição no Cadastro Geral de Contribuintes.

Art. 18 As Diretorias Federais de Agricultura ficam responsáveis pela supervisão das ações
realizadas pelas instituições promocionais de leilões de animais, em suas respectivas áreas de jurisdição.

Art. 19 A execução das atividades dos leilões de animais promovidas e organizadas por
empresa especializada, por associações de criadores, ou por sindicatos rurais, é privativa de leiloeiro rural
credenciado pelo órgão competente, em conformidade com a legislação vigente (Lei n.º 4021/61).

Art. 20 A cada semestre, as instituições promotora de leilões de animais cadastradas,


apresentarão à Diretoria Federal de Agricultura da respectiva Unidade da Federação relatório das atividades do
semestre anterior, contendo:
I – número e o local dos leilões realizados;
II – quantidade de animais participantes dos leilões, espécie e estado de procedência;
III – quantidade de animais comercializados, p or espécie e estado de destino;
IV – valor total das transações e média de preço por animal;

Parágrafo Único . As informações a que se refere este artigo, quando for o caso, serão
discriminadas por raça, sexo e idade, devendo ser indicado a existência ou não de registro genealógico controle
de genealogia e provas zootécnicas.

Art. 21 As instituições promocionais de leilões de animais somente exercerão suas atividades


após cadast5amento no ministério da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária.

Parágrafo Único. As instituições promotoras de leilões de animais terão prazo de 90 (noventa)


dias, a partir da publicação desta Norma, para providenciar o cadastramento de que trata este artigo.

CAPÍTULO III
DOS COLÉGIOS DE JURADOS

Art. 22 As Associações Nacionais, detentoras de autorização para execução de registro


genealógico, deverão criar seus Colégios de Jurados, segundo orientação técnica do ministério da Agricultura, do
Abastecimento e da reforma Agrária, conforme preceitua o Art. 1º da Lei n.º 4716, de 29 de junho de 1965.

130
Art. 23 Os Colégios de Jurados, constituídos por Médicos Veterinários, Engenheiros
Agrônomos ou Zootecnistas têm animais, em exposições e feiras agropecuárias, inclusive com vistas ao Registro
Genealógico, bem como:
a) inscre ver os profissionais habilitados e expedir o respectivo credenciamento;
b) fiscalizar o exercício da atividade do jurado, bem como denunciar à autoridade
competente o fato que apurar e cuja solução não seja de sua alçada;
c) deliberar sobre questões oriundas das atividades dos jurados; e
d) realizar, periodicamente, reuniões para fixar e avaliar os trabalhos a seu cargo.

Art. 24 Os Colégios de Jurados serão supervisionados pelo Superintendente do Serviço de


Registro Genealógico (SRG) de cada entidade e administrados por um Coordenador e um Adjunto, ambos
jurados efetivos, indicados pelo Superintendente do serviço de Registro Genealógico e nomeados por ato do
Presidente da respectiva Associação.

Parágrafo Único. O Coordenador e seu Adjunto exercerão suas funções durante o período de
mandato da Presidência da respectiva Associação, podendo ser reconduzidos para o mandato seguinte.

Art. 25 O Conselho Técnico das Associações Nacionais de Criadores elaborará o Regimento


Interno dos respectivos colegiados, definindo as atribuições dos jurados efetivos e auxiliares e, inclusive,
critérios para julgamento, baseados em métodos e conhecimentos científicos atualizados, de modo a orientar os
criadores no aprimoramento zoogenético dos rebanhos.

Parágrafo Único. O Regimento Interno referido neste artigo será acompanhado de relação
contendo o nome e qualificação do Coordenador, do Adjunto e dos Jurados credenciados e somente entrará em
vigor após a aprovação pelo Órgão Técnico da Diretoria Federal do Ministério da Agricultura, do Abastecimento
e da Reforma Agrária, no Estado sede da Associação Nacional.

Art. 26 Os jurados serão de duas categorias:


I – Jurado Efetivo
II – Jurado Auxiliar

§ 1º Os Jurados Efetivos e os Jurados Auxiliares serão Médicos Veterinários, Engenheiros


Agrônomos ou Zootecnistas no pleno exercício da profissão.

§ 2º Os Jurados Auxiliares poderão ser também acadêmicos dos dois últimos semestres do
curso referente a uma das profissões mencionadas neste artigo, desde que regularmente matriculados.

Art. 27 Os Jurados Efetivos e Auxiliares serão credenciados pelo Presidente da respectiva


Associação Nacional ou Brasileira.
§ 1º Na criação dos novos colégios de jurados ficará assegurado o credenciamento dos técnicos
com efetiva atuação nos últimos três anos.
§ 2º O jurado credenciado só perderá o credenciamento quando cometer falta grava,
devidamente comprovada em processo administrativo, assegurado amplo direito de defesa.

Art. 28 Os Colégios de Jurados promoverão anualmente:


a) cursos de atualização para jurados, principalmente em disciplinas de fisiologia,
anatomia, nutrição, reprodução e genética de populações.
b) cursos sobre julgamento e inspeção zootécnica, objetivando o registro genealógico e
avaliação de animais em exposições e feiras agropecuárias.

Art. 29 Somente os jurados credenciados poderão atuar nos certames constantes do Calendário
Oficial de Exposições e Feiras Agropecuárias, publicado pelo Ministério da Agricultura, do Abastecimento e da
Reforma Agrária.

§ 1º Os Jurados Efetivos só poderão proceder a inspeção zootécnica e julgar a raça ou grupo de

131
raças para as quais estejam credenciados.
§ 2º As exposições classificadas como municipais ou regionais poderão excepcionalmente
utilizar técnicos não credenciados, para os julgamentos dos animais e xpostos.
§ 3º A critério do Colegiado, em caráter excepcional, mas não permanente, poderá ser
convidado a participar como jurado pessoa de reconhecida capacidade e conhecimento zootécnico, desde que já
venha julgando animais em exposições agropecuárias há mais de cinco anos.

Art. 30 Será obrigatório o comentário técnico em terminologia zootécnica adequada, após o


julgamento de cada categoria.

Art. 31 A sumula oficial do julgamento identificará os animais premiados de acordo com a


classe, categoria e sexo, e, as classificações consignadas serão, obrigatoriamente, arquivadas no Serviço de
Registro Genealógico da respectiva raça ou espécie, em condições de ser fornecida ao proprietário a qualquer
tempo.

Art. 32 As peculiaridades de cada espécie ou raça, serão contempladas no Regimento Interno


do Colégio de Jurados, sem prejuízo do disposto nestas Normas.

CAPÍTULO IV
DO CONTROLE SANITÁRIO DAS EXPOSIÇOES, FEIRAS, LEILÕES E OUTRAS
AGLOMERAÇÕES DE ANIMAIS

Art. 33 As exposições e feiras agropecuárias somente poderão ser realizadas uma vez
autorizadas na forma estabelecida no Art. 6º destas Normas, devendo o seu Regimento Interno contemplar:
a) os requisitos de natureza zoossanitária – testes para diagnostico de doenças, vacinações
e tratamentos -, requeridos em caso segundo a espécie animal a que se refira;
b) uma Comissão de Defesa Sanitária Animal que deverá incluir, pelo menos, um médico
veterinário do serviço oficial local, a qual será responsável pela inspeção sanitária dos
animais antes de sua admissão no re cinto do certame, pela assistência veterinária aos
animais e pela inspeção sanitária dos animais antes de sua retirada do recinto da
exposição ou da feira.

Art. 34 Os leilões de animais somente serão realizados após autorização do serviço de defesa
sanitária animal, da Secretaria de Estado de Agricultura ou órgão correspondente, da localidade onde se efetivará
o evento, exceto aqueles em que participam apenas animais criados no estabelecimento onde o evento se
efetivará.

Art. 35 A solicitação de autorização para realização de um leilão deve ser efetuada pelos
promotores do evento, no mínimo com 3 (três) dias úteis de antecedência, indicando:
a) local e data de realização do leilão;
b) quantidade de animais, por espécie, sexo, idade;
c) procedência dos animais (estado e município);
d) nome do médico veterinário, autônomo ou oficial, responsável pela assistência
veterinária aos animais.
§ 1º Caso o médico veterinário indicado seja um profissional autônomo, deverá ser anexada
uma declaração de responsabilidade, firmada pelo mesmo, dispensada quando se tratar de médico veterinário
oficial.
§ 2º No caso de médico veterinário sem vínculo com o Serviço Público Federal, o mesmo
deverá estar credenciado na forma do Decreto-Lei n.º 818, de 5 de setembro de 1969, e da Portaria Ministerial n.º
9, de 8 de janeiro de 1970.
§ 3º A responsabilidade de médico veterinário autônomo não suprime a fiscalização sanitária
do evento por médico veterinário oficial.

Art. 36 Ao médico veterinário responsável pela assistência veterinária aos animais


participantes do leilão são atribuídas as seguintes incumbências:

132
a) assegurar-se de que o recinto e as instalações onde será realizado o leilão sejam
adequadas à manutenção dos animais a serem leiloados, segundo a espécie, bem como
que tenham sido limpos e desinfetados antes de permitir o acesso dos animais;
b) efetuar a inspeção sanitária dos animais e verificar a documentação sanitária que os
acompanha, autorizando o seu ingresso no recinto do leilão;
c) prestar assistência médico veterinária aos animais, notificando imediatamente ao serviço
de defesa sanitária animal local a ocorrência ou suspeita de ocorrência de doença
transmissível;
d) autorizar a retirada dos animais do recinto do leilão, efetuando inspeção sanitária dos
mesmos e expedindo a documentação sanitária que corresponda.

Art. 37 Ao final do leilão, o médico veterinário responsável deverá apresentar ao serviço de


defesa sanitária animal local um relatório sintético, contendo:
a) quantidade de animais participantes, por espécie, sexo, idade e procedência
(município e estado);
b) destino dos animais comercializados ou não (estabelecimento, município, estado);
c) cópia dos atestados sanitários recebidos e expedidos;
d) as ocorrências sanitárias verificados durante o leilão e as medidas adotadas.

Art. 38 Para serem admitidos nos recintos das exposições, feiras e leilões, os animais devem
estar identificados individualmente, segundo a espécie:
a) os bovinos, bubalinos, suínos, ovinos, caprinos e coelhos, de forma permanente, por
numeração a fogo, tatuagem, ou outra forma de identificação permanente aprovada;
b) os eqüinos, por passaporte ou resenha gráfica, expedidos por autoridade competente;
§ 1º Os bovinos, bubalinos, ovinos, caprinos e suínos, para cria, recria ou engorda, com destino
final o abate, ou destinados diretamente ao abate, podem estar identificados por lote, com a marca do criador
segundo o estabelecimento de criação de procedência.

Art. 39 Os veículos transportadores de animais, devem ser lavados e desinfetados após o


desembarque dos mesmos.

Art. 40 Todos os animais serão obrigatoriamente examinados opor médico veterinário na


entrada dos recintos das exposições e feiras agropecuárias e dos leilões, sendo admitidos quando não
apresentarem sinais clínicos de doenças e estejam livres de parasitas externos, assim como acompanhados da
documentação sanitária requerida segundo a espécie animal, regularmente expedida por médico veterinário no
local de procedência.

Art. 41 No caso de ocorrência ou suspeita de ocorrência de doença transmissível durante a


realização das exposições, feiras ou leilões de animais, a autoridade veterinária deverá isolar os animais doentes
ou suspeitos, em local adequado, podendo ainda determinar a interdição do recinto e áreas circunvizinhas,
adotando as demais medidas sanitárias julgadas necessárias e previstas na legislação pertinente, de acordo com a
doença diagnosticada.

Art. 42 A retirada de animais do recinto das exposições, feiras e leilões, em qualquer hipótese,
somente poderá ser efetuada com autorização de membro da Comissão de Defesa Sanitária Animal, ou do
médico veterinário responsável no caso de leilões, que expedirá o certificado sanitário correspondente.

Art. 43 Os casos omissos e as dúvidas suscitadas serão dirimidos pelas Diretorias Federais de
Agricultura nos Estados e no Distrito Federal, ou pelas Secretarias de Desenvolvimento Rural e Defesa
Agropecuária, conforme o caso.

133
PORTARIA N.º 162, DE 18 DE OUTUBRO DE 1994 - Normas
complementares que versam sobre a Fiscalização e o Controle Zoossanitário
das Exposições, Feiras, Leilões e outras aglomerações de animais, em todo
território Nacional
O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, no uso da atribuição que lhe confere o Artigo
78, item VI, do regimento Interno da Secretaria, aprovado pela Portaria Ministerial n.º 212, de 21 de agosto de
1992, e tendo em vista o disposto no Artigo 2º da Portaria Ministerial n.º 108, de 17 de março de 1993, resolve:

Art. 1º Aprovar as Normas complementares anexas à presente Portaria, baixadas pelo


Departamento de Defesa Animal, que versam sobre a Fiscalização e o Controle Zoossanitário das Exposições,
Feiras, Leilões e outras aglomerações de animais, em todo território Nacional.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogada as disposições em
contrário.

TÂNIA MARIA DE PAULA LYRA

ANEXO

NORMAS COMPLEMENTARES À PORTARIA MINISTERIAL N.º 108, DE 17 DE MARCO DE 1993,


SOBRE A FISCALIZAÇÃO E O CONTROLE ZOOSSANITÁRIO DE EXPOSIÇÕES,FEIRAS,
LEILÕES E OUTRAS AGLOMERAÇÕES DE ANIMAIS, EM TODO O TERRITÓRIO NACIONAL

CAPÍTULO I
DA AUTORIZAÇÃO PRÉVIA PARA A REALIZAÇÃO DE EXPOSIÇÕES, FEIRAS LEILÕES E
OUTRAS AGLOMERAÇÕES DE ANIMAIS

Art. 1º A realização de exposições e feiras de animais será previamente autorizada pelo órgão de
defesa sanitária animal do Estado ou do Distrito Federal, conforme previsto no art. 6º da Portaria n.º 108, de 17
de março de 1993, do Ministro de Estado da Agricultura, do Abastecimento e Reforma Agrária.
§ 1º Para as exposições e feiras de jurisdição interestadual, nacional ou internacional, será
requerida também autorização prévia da Diretoria Federal de Agricultura, do Abastecimento e da Reforma
Agrária no Estado ou no Distrito Federal.
§ 2º A autorização deverá ser solicitada nos seguintes prazos:

a) – trinta (30) dias de antecedência, para os certames de jurisdição municipal e regional;


b) – sessenta (60) dias de antecedência, para os certames de jurisdição estadual, interestadual e
nacional;
c) - noventa (90) dias de antecedência, para os certames de jurisdição internacional.

Art. 2º A realização de leilões depende de autorização prévia da autorização prévia da autoridade


veterinária da localidade, exceto aqueles em que participem apenas animais criados no próprio estabelecimento
onde o mesmo se efetivará.

Art. 3º A s olicitação de autorização para a realização de leilão deverá ser efetuada aos animais,
anexando declaração de responsabilidade técnica, no caso de profissional autônomo, firmada pelo mesmo.
pelo promotor d evento, com no mínimo três (3) dias úteis de antecedência, indicando:
I – Local e data de realização;
II - quantidade de animais, por espécie, sexo e idade;
III – procedência dos animais (município e estado);

134
IV - nome do médico veterinário, autônomo ou oficial, responsável pela assistência veterinária
aos animais, anexando declaração de responsabilidade técnica, no caso de profissional autônomo, firmada pelo
mesmo.

CAPÍTULO II
DO REGIMENTO INTERNO DA EXPOSIÇÕES, FEIRAS E LEILÕES DE ANIMAIS

Art. 4º Os promotores de exposições, feiras e leilões de animais devem elaborar um Regimento


Interno do evento, com a anterioridade necessária, para distribuição aos expositores criadores participantes do
certame por ocasião da respectiva inscrição.
Art. 5º O Regimento Interno do evento, previsto no art. 7º da Portaria Ministerial nº 108, de 17 de
março de 1993, deve obrigatoriamente incluir, entre outros:
I – os requisitos sanitários gerais e específicos – testes para diagnóstico de doenças, vacinações e
tratamentos - , requeridos para admissão dos animais no recinto do certame, segundo a espécie e finalidade;
II – no caso de exposições e feiras, a indicação dos médicos veterinários componentes da Comissão
de Defesa Sanitária Animal;;
III – no caso de leilões, indicação do médico veterinário responsável pela assistência veterinária
aos animais;
IV – data e hora limites para entrada dos animais no recinto do certame.

CAPÍTULO III
DAS INSTALAÇÕES

Art. 6º A realização de exposições, feiras e leilões de animais somente poderá ser autorizada nos
recintos que disponham das seguintes instalações:

I – local para recepção de animais, com rampa de desembarque, tronco ou brete e currais;
II – local para funcionamento dos serviços administrativos e de defesa sanitária animal;
III – local para alojamento de animais;
IV – local para isolamento de animais enfermos;
V – pista para julgamento de animais;
VI – pedilúvios e rodolúvios, em todos os acessos ao parque;
VII – abastecimento de água e energia elétrica;
VIII – instalações sanitárias para uso do público visitante e de serviço;
IX – depósito de ração.

Parágrafo Único – para os leilões, não serão requeridas as instalações indicadas nos itens IV, V e
IX.

Art. 7º As instalações por onde circulem e permaneçam os animais, inclusive os pisos, deverão ser
construídas de materiais resistentes e que permitam sua completa limpeza e desinfecção.

Art. 8º As instalações por onde tenham circulado ou permanecido os animais , deverão ser lavadas
e desinfetadas após a saída mesmos ou pelo menos vinte e quatro (24) horas antes da entrada de novo lote de
animais, de forma satisfatória para a autoridade veterinária local.

Parágrafo Único. No caso de recintos d leilões não calçados ou com piso de terra, devera ser
removido todo esterco e materiais eventualmente utilizados (serragem, pilha etc.),
antes da entrada de novo lote de animais , sendo aplicado ao piso e instalações um desinfetante
apropriado, de forma satisfatória para a autoridade veterinária.

135
Art. 9º Na desinfecção dos recintos e instalações de que trata o artigo anterior, poderão ser
utilizados, entre outros, o carbonato de sódio a 4%, o hidróxido de sódio (soda cáustica) a 2% e óxido de cal (cal
apagada) a 5%.
CAPÍTULO IV

REQUISITOS SANITÁRIOS PARA EMISSÃO DE GUIA DE TRÂNSITO ANIMAL PARA ANIMAIS


DESTINADOS ÀS EXPOSIÇÕES, FEIRAS E LEILÕES

SEÇÃO I
REQUISITOS GERAIS

Art. 10 na emissão de Guia de Trânsito Animal (GTA), para a participação de animais em


exposições, feiras e leilões, devem ser cumpridos os seguintes requisitos:
I – os animais devem apresentar-se em bom estado de saúde, sem sinais de doença e livres de
parasitas externos;
II – os animais devem proceder de estabelecimento onde, nos 60 dias anteriores à data de emissão
da autorização, não tenha havido ocorrência clínica de doença transmissível para a qual a espécie seja suscetível;
III – os animais devem estar identificados de acordo com o estabelecimento por estas Normas
Complementares.

SEÇÃO II
REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA BOVINOS E BUBALINOS.

Art. 11 Na emissão de GTA para bovinos e bubalin os, para participação em exposições, feiras,
leilões e outras aglomerações de animais, devem ser observados os seguintes requisitos:

I – para a febre aftosa:


a) - procedência de estabelecimento onde, nos 60 dias anteriores ao início do certame, não tenha
sido contatado nenhum caso de febre aftosa, assim como nas circunvizinhanças do mesmo, no 30 dias anteriores;
b) – vacinação contra a febre aftosa, de acordo com norma vigentes, realizada no máximo até 6
meses antes do início do certame;
c) – os bovinos e bubalinos com menos de doze (12) meses de idade na data de emissão da GTA,
devem comprovar o mínimo de duas (2) vacinações para a participação em leilões;
d) - segundo a situação epidemiológica verificada na região de procedência e para bovinos com
menos de dezoito (18) meses de idade, caso sejam decorridos noventa (90) dias ou mais da última vacinação
contra a febre aftosa, poderá ser requerida a revacinação dos mesmo, a realizar-se na procedência ou quando da
admissão no recinto da exposição, feira ou leilão;
e) – a critério das autoridades veterinárias estaduais e segundo a situação epidemiológica
verificada para a febre aftosa, assim como de acordo com os recursos disponíveis para a fiscalização, os leilões
de bovinos de rabanho geral poderão ser suspensos durante a etapa de vacinação contra a febre aftosa;

II – para a brucelose bovina (Br. Abortus);


a) – prova de soroaglutinação negativa, efetuada até 60 dias antes do início do certame, exceto para
machos bovinos e bubalinos para cria, recria ou engorda, castrados ou não cujo destino final seja o abate, ou
para abate imediato;
b) – no caso de fêmea com até 30 meses de idade, vacinadas entre 3 e 8 meses de idade com vacina
B-19, o teste laboratorial pode ser substituído pelo atestado de vacinação;
c) - A critério das autoridades veterinárias estaduais, o teste q que se refere o item II. a poderá ser
dispensado para bovinos de rebanho geral (não) registrados ou controlados) , para participação em leilões.

III – para a tuberculose bovina, tuberculinização intradérmica, efetuada até 60 dias antes do início
do certame, para bovino e bubalinos com doze (12) meses ou mais de idade, exceto para bovinos e bubalinos
para cria, recria ou engorda, cujo destino final seja o abate, ou para abate imediato.

SEÇÃO III

136
REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA EQUÍDEOS

Art. 12 Na emissão de GTA para equídeos, para participação em exposições, feiras, leilões e
outras aglomerações de animais, devem ser observados os seguintes requisitos:

I – para a anemia infecciosa eqüina (AIE), teste laboratorial negativo, efetuado nos seguintes
prazos, contados antes do início do certame:
a) – até cento e oitenta (180) dias, para equídeos procedentes de entidades controladas;
b) – até sessenta (60) dias, nos demais casos:

II – vacinação contra a gripe eqüina (tipo A) efetuada entre o mínimo de quinze (15) dias e o
máximo de cento e oitenta (180) dias antes da data do início do certame, quando for o caso, de acordo com a
situação epidemiológica da doença.

SEÇÃO IV
REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA SUÍNOS

Art. 13. Na emissão de GTA para suínos, para participação em exposições, feiras, leilões e outras
aglomerações de animais, devem ser observados os seguintes requisitos:

I – para a peste suína clássica (PSC):


a)– nas exposições, feiras e leilões realizados nas regiões controladas, onde a vacinação contra a
PSC não é permitida, os suínos devem proceder de região de igual situação sanitária e de estabelecimento onde
não haja registro de PSC nos 180 dias anteriores à data de início do certame;
b) – nas exposições, feiras e leilões realizados nas regiões onde a vacinação contra a PSC é
permitida, os suínos devem proceder de estabelecimentos onde não haja registro de PSC nos 180 dias anteriores
à data de início do certame e devem comprovar a vacinação contra a PSC efetuada até 180 dias antes do início do
certame;
II – para a febre aftosa, devem proceder de estabelecimento onde, nos 60 dias anteriores ao início
do certame, não tenha sido constatado nenhum caso de febre aftosa, assim como nas circunvizinhanças do
mesmo, nos 30 dias anteriores;
III- para a brucelose, tuberculose e doença de Aujeszky, os reprodutores, machos e fêmeas,
devem proceder de rebanhos oficialmente livres dessas doenças, comprado por certificado oficial expedido pela
autoridade veterinária competente do local de procedência.

SEÇÃO V
REQUISITOS ESPEÍFICOS PARA CAPRINOS

Art. 14 Na emissão de GTA para caprinos, para participação em exposições, feiras, leilões e
outras aglomerações de animais, devem ser observados o s seguintes requisitos:
I – Para a febre aftosa, procedência de estabelecimento onde, nos 60 dias anteriores ao início do
certame, não tenha sido constatado nenhum caso de febre aftosa, assim como nas circunvizinhanças do mesmo,
nos 30 dias anteriores;
II- para a artrite encefalite caprina (CAE):
a) – os reprodutores, machos e fêmeas, com mais de um ano de idade, devem apresentar resultado
negativo ao teste de imunodifusão em gel ágar para diagnóstico da CAE, realizado até cento e oitenta (180) dias
antes do início do certame; -ou-
b) – a critério das autoridades veterinária estaduais, na impossibilidade de realização do teste
laboratorial, devem proceder de rebanho onde não tenha havido manifestação clínica da CAE nos centro e oitenta
(180) dias anteriores ao início do certame.

SEÇÃO VI
REQUSITOS ESPECÍFICOS PARA OVINOS

137
Art. 15 Na emissão de GTA para ovinos, para participação em exposições, feiras, leilões e outras
aglomerações de animais, devem ser observados os seguintes requisitos:
I – para a febre aftosa, procedência de estabelecimento onde, nos 60 dias anteriores ao início do
certame, não tenha sido constatado nenhum caso de febre aftosa, assim como nas circunvizinhança do mesmo,
nos 30 dias anteriores;
II – para a brucelose (Br. ovis):
a) – os machos reprodutores devem apresentar resultado negativo ao teste de imunodifusão em gel
ágar, realizado até sessenta (6) dias antes do início do certame; - ou -
b) – a critério das autoridades veterinárias estaduais, na impossibilidade de realização do teste
laboratorial, exame clínico detalhado para verificação de epididimite ovina.

SEÇÃO VI
REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA AVES DOMÉSTICAS

Art. 16 Na emissão de GTA para aves domésticas, para participação em exposições, feiras, leilões
e outras aglomerações de animais, devem ser observados os seguintes requisitos:

I – para a pulorose, teste laboratorial negativo realizado até sessenta (60) dias antes da data de
início do certame, para aves em criação ou já adultas;
II – vacinação contra a doença de Ne wcastle, segundo a idade da ave.

SEÇÃO VII
REQUISITOS ESPECÍFICOS PARA OS LAGOMORFOS

Art. 17 Na emissão de autorização para o trânsito de coelhos, para participação em exposições,


feiras, leilões e outras aglomerações de animais, deve ser requerida a procedência de estabelecimento de criação
onde não tenha havido registro de mixomatose nos cento e oitenta dias (180) dia anteriores à data de início do
certame.

SEÇÃO VIII
OUTROS REQUISITOS

Art. 18 A GTA, os atestados ou certificados de exames laboratoriais, de testes alérgicas e de


vacinações, devem acompanhar os animais e serão apresentados à CDSA ou ao médico veterinário responsável,
para entrada no recinto das exposições, feiras e leilões.
Art. 19 A critério das autoridades veterinárias estaduais ou do Distrito Federal e considerada a
situação epidemiológica da Unidade Federativa ou da região onde se realiza o certame, poderá ser requerido o
cumprimento de outros requisitos sanitários, inclusive testes para diagnóstico de doenças e vacinações, para a
participação de animais em exposições, feiras, leilões e outras aglomerações.

CAPÍTULO V
ADMISSÃO DE ANIMAIS NO RECINTO DAS EXPOSIÇÕES, FEIRAS E LEILÕES

Art. 20 Todos os animais serão obrigatoriamente examinados por médico veterinário, em local
apropriado, antes de sua admissão no recinto da exposição, feira ou leilão, somente sendo permitido o ingresso
de animais:
I – identificados individualmente ou por lote, de acordo com o disposto nesta Normas
Complementares;
II – acompanhados de documentação sanitária regularmente expedida no local de procedência,
identificando os animais e comprovando o cumprimento dos requisitos sanitários gerais e específicos, segundo a
espécie animal;
III – declarados sadios e livres de ectoparasitas, após inspeção sanitária.

138
Art. 21 – Não será permitido, no recinto das exposições, feiras e leilões e outras aglomerações, o
ingresso de animais acometido ou suspeitos de doença transmissível, de animais reagentes aos testes laboratoriais
ou alérgicos requeridos assim como de animais portadores de ectoparasitas.

Parágrafo Único. No caso de doença transmissível a proibição de ingresso estende-se aos animais
suscetíveis que tiveram contato com os animais doentes.

Art. 22 Os animais cujo ingresso no recinto da exposição, feira ou leilão não tenha sido permitido,
deverão retornar imediatamente ao estabelecimento de procedência.

Parágrafo Único. Quando se t ratar de animais acometidos ou suspeitos de doença transmissível,


a critério da autoridade veterinária da jurisdição, deverão ser mantidos isolados em local adequado, adotando-se
as demais medidas previstas para o caso na legislação pertinente, federal e estadual.

CAPÍTULO VI
IDENTIFICAÇÃO DOS ANIMAIS

Art. 23 Os bovinos, bubalinos, suínos, ovinos, caprinos e coelhos, deverão estar identificados
individualmente de forma permanente por número colocado a fogo, tatuagem ou outra forma aprovada.

Parágrafo Único. Os bovinos, bubalinos, suínos, ovinos caprinos e coelhos, para criação, cuja destinação final
seja o abate, ou destinado ao abate imediato , poderão ser identificados por lote, com a marca a fogo do criador
ou outra forma, segundo o estabelecimento ou rebanho de procedência.

Art. 24 Os eqüinos deverão estar acompanhados de passaporte, atestado ou certificado


regularmente expedido por autoridade competente que contenha resenha gráfica individual.

Art. 25 Os animais de espécie não mencionadas nos artigos 24 e 25 deverão estar identificados
segundo o adotado para a espécie.

CAPÍTULO VII
DA ASSISTÊNCIA VETERINÁRIA

Art. 26 A assistência médico veterinária aos animais durante a realização dos certames será
efetuada:
I – por uma comissão de Defesa Sanitária Animal (CDSA), previamente designada, a qual deve
incluir pelo menos um médico veterinário oficial do órgão de defesa sanitária animal jurisdição, nas exposições e
feiras de qualquer categoria;
II – nos leilões, por um médico veterinário, oficial ou autônomo, previamente designado ou
contratado pelos promotores do evento.

Art. 27 Incumbe à CDSA e ao médico veterinário mencionado no item II do artigo anterior:


I – assegurar-se que as que as instalações para os animais tenham sido previamente limpas e
desinfetadas, pelo menos vinte e quatro (24) horas antes do ingresso dos animais;
II – efetuar a inspeção sanitária dos animais, antes do seu ingresso no recinto do certame;
III – verificar a documentação sanitária que acompanha os animais e o cumprimento dos requisitos
gerais e específicos, segundo a espécie animal e finalidade;
IV – prestar atenção médica a animal que a necessite, caso o seu proprietário não disponha de
médico veterinário próprio;
V – autorizar a aplicação de medicamentos nos animais;
VI – autorizar a saída dos animais do recinto do certame, efetuando a inspeção sanitária dos
mesmo e expedindo a documentação sanitária que corresponda.

139
Art. 28 A ocorrência ou suspeita de qualquer doença nos animais durante o certame, deverá ser
imediatamente comunicada à CDSA ou ao médico veterinário responsável, para adoção da providências
necessárias segundo a natureza da ocorrência.

Art. 29 No caso de ocorrência ou suspeita de ocorrência de doença transmissível durante a


realização do certame, a autoridade veterinária isolará os animais dentes ou suspeitos, em local adequado, e
determinará a interdição do recinto e áreas circunvizinhas, adotando as demais medidas sanitárias julgadas
necessária e previstas na legislação pertinente, federal e estadual.

Art. 30 A interdição mencionada no artigo anterior poderá abranger todo o recinto do certame ou
parte dele, inclusive áreas circunvizinhas onde se mantenham animais suscetíveis à doença suspeita ou
diagnosticada, implicado no impedimento da movimentação dos animais existentes pelo prazo necessário, a
critério da autoridade veterinária local.

Art. 31. No caso de ocorrência de doença não transmissível, o tratamento do animal poderá ser
conduzido sob a responsabilidade de médico veterinário da confiança do proprietário, com prévia anuência da
CDSA ou do médico veterinário responsável.

Art. 32 Ao final da exposição, feira ou leilão, a CDSA ou médico veterinário responsável, deverá
apresentar ao órgão de defesa sanitária animal da jurisdição um relatório sintético, contendo:
I – quantidade de animais participantes por espécie, sexo, idade e procedência (município e
estado);
II – destino dos animais comercializados ou não, indicando o estabelecimento, município e estado,
por espécie;
III – as ocorrências sanitárias verificadas durante o evento, com as medidas adotadas;
IV – cópia dos atestados ou certificados sanitários recebidos e expedidos.

CAPÍTULO VIII
DA PARTICIPAÇÃO DE ANIMAIS DE OUTROS PAÍSES

Art. 33 Será admitida a participação de animais de outros países nas exposições, feiras e leilões,
regularmente importados segundo as normas em vigor, sempre que cumpram com os requisitos sanitários gerais e
específicos previstos nesta Normas Complementares e outros que venham a ser estabelecidos de acordo com o
país de procedência.

Art. 34 Para serem admitidos no recinto das exposições, feiras e leilões, os animais procedentes de
outros países deverão Ter entrado em território nacional há pelo menos quinze (15) dias, para as espécies
suscetíveis à febre aftosa e sete (7) dias, para as demais espécies, mantidos em local adequado sob observação até
o início do evento, sendo vedada a admissão no recinto do evento de animais procedentes diretamente do
exterior.
Parágrafo Único – o previsto no “caput” deste artigo não se aplica a animais procedentes
diretamente de exposições realizada em um dos países integrantes do MERCOSUL, acomp anhados de
documentação zoossanitária expedida por médico veterinário oficial do país de procedência, atendendo as
normas estabelecidas especificamente para o trânsito ente exposições oficiais.
Hamilton Ricardo Farias
Diretor do DDA

INSPEÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE PRODUTOS DESTINADOS A


ALIMENTAÇÃO ANIMAL

DECRETO Nº 76.986 – DE 6 DE JANEIRO DE 1976 - Regulamenta a Lei


n. 6.198 (*), de 26 de dezembro de 1971, que dispõe sobre a Inspeção e a

140
fiscalização obrigatórias dos produtos destinados à alimentação animal, e dá
outras providências.

O Presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 81, item III, da
Constituição, e tendo em vista o disposto no artigo 7º, da Lei n. 6.198, de 26 de dezembro de 1974, decreta:

CAPÍTULO I
Dos Órgãos de Fiscalização

Art. 1º - A inspeção e a fiscalização dos produtos destinados à alimentação animal são regulados de
conformidade com as normas previstas neste Regulamento.

Art. 2º - A execução da inspeção e da fiscalização de que trata este Regulamento é atribuição do


Ministério da Agricultura, através da Divisão de Nutrição Animal e Agrostologia – DNAGRO, do Departamento
Nacional da Produção Animal – DNPA.

Art. 3º - O Ministério da Agricultura poderá celebrar convênios com os Estados, Distrito Federal e
Territórios, para a execução de serviços relacionados com a inspeção e a fiscalização previstas neste
Regulamento, com atribuição de receita.

CAPÍTULO II
Dos Produtos e Estabelecimentos

Art. 4º - Ficam sujeitos à inspeção e à fiscalização todos os produtos empregados; ou suscetíveis de


emprego na alimentação animal, observadas as seguintes definições:
I. alimento: toda substância que, consumida pelo animal, é capaz de contribuir para a manutenção de
sua vida e sobrevivência da espécie à qual pertence;
II. ingrediente: qualquer matéria-prima utilizável na composição de uma ração, concentrado ou
suplemento;
III. ração animal: qualquer mistura de ingredientes capaz de suprir as necessidades nutritivas para
manutenção, desenvolvimento e produtividade dos animais a que se destine;
IV. concentrado: mistura de ingredientes, que adicionada a um ou mais alimentos, em proporções
adequadas e devidamente especificadas pelo fabricante do concentrado, constitua uma ração animal;
V. suplemento: ingrediente ou mistura de ingredientes capaz de suprir a ração ou concentrado, em
vitaminas, aminoácidos ou minerais, sendo permitida a inclusão de aditivos;
VI. sal mineralizado: mistura de micro e macroelementos minerais, com cloreto de sódio, para ser
administrada isolada e diretamente aos animais.
VII. aditivo: substância intencionalmente adicionada ao alimento, com a finalidade de conservar,
intensificar ou modificar suas propriedades, desde que não prejudique seu valor nutritivo, como os
antibióticos, corantes, conservadores, antioxidantes e outros;
VIII. aditivo incidental: substâncias residuais ou migradas, presentes no alimento como decorrência das
fases de produção, beneficiamento, acondicionamento, estocagem e transporte do alimento ou das
matérias primas nele empregadas, tais como defensivos agrícolas e similares;
IX. ração medicamentosa: é a ração animal adicionada de substâncias medicamentosas e destinada
exclusivamente ao tratamento de doenças;
X. componente grosseiro: ingredientes de baixo valor nutritivo, tais como: casca de arroz, de amendoim,
de aveia e de algodão, palha e sabugo de milho, bagaço de cana e semelhantes.
§ 1º - Para efeito deste Regulamento, entende-se como ração balanceada, a ração animal, o
concentrado e o suplemento, definidos nos itens III, IV e V deste artigo.
§ 2º - Os grãos e sementes des tinados à alimentação animal, quando expostos à venda “in natura”,
ficam dispensados das exigências de que trata este artigo.
§ 3º - Os fenos, quando expostos à venda, moídos, estão sujeitos às exigências deste artigo.
§ 4º - As matérias-primas dos suplementos, quando utilizadas exclusivamente na elaboração dos
mesmos, ficam dispensadas das exigências deste Regulamento, a critério da Divisão de Nutrição Animal e
Agrostologia – DNAGRO.

141
Art. 5º - Qualquer alimento para animal que contenha antibióticos ou outras substâncias
medicamentosas, somente será registrado quando tais antibióticos ou substâncias estiverem devidamente
registrados na Divisão de Defesa Sanitária Animal – DDSA, do DNPA, do Ministério da Agricultura.

Art. 6º - É proibida a adição de hormônios em alimentos para animais, de conformidade com a


legislação em vigor.

Art. 7º - Os produtos definidos no artigo 4, itens III, IV, V e VI, só poderão ser importados, quando
devidamente comprovada a impossibilidade técnica ou econômica de sua fabricação no Território Nacional, ou
na hipótese de atendimento insatisfatório de mercado consumidor, ouvida a entidade de classe da indústria
respectiva.
Parágrafo único - Os produtos previstos no artigo 4º, itens II, III, IV, V, VI e VII, quando
importados, somente poderão ser comercializados no País, após serem registrados na Divisão de Nutrição Animal
e Agrostologia – DNAGRO, do DNPA.

Art. 8º - Os estabelecimentos abaixo classificados estão sujeitos ao prévio registro na DNAGRO:


I. Fábrica de ingredientes: estabelecimento cujos produtos ou subprodutos de sua operação sejam
utilizados como ingredientes para alimentação animal, compreendendo os de origem vegetal, animal,
mineral e outros.
II. Fábrica de rações, concentrados, suplemento, sal mineralizado, estabelecimento que se destina à
elaboração de rações, concentrados, ou mistura alimentícia de vitaminas ou sais minerais;
III. Remisturador: estabelecimento que dilui concentrado ou suplemento, produzidos em firmas sob
inspeção federal, sendo o produto final igual àquele regis trado pelo estabelecimento produtor do
concentrado ou suplemento;
IV. Importador: estabelecimento que importa ingredientes, vitaminas, sais minerais, aditivos, aminoácidos
e outros para alimentação animal, para comercialização em embalagem original ou própria;
V. Remanipulador: estabelecimento que fraciona produtos importados;
VI. Distribuidor, Atacadista ou Varejista: estabelecimento que comercializa, no atacado ou a varejo, em
embalagem original, inviolada ou a granel, produtos para alimentação animal, cujas especificações de
qualidade e garantias são fornecidas pelos seus fabricantes, remisturadores ou importadores.
Parágrafo único - Os estabelecimentos licenciados na DDSA ou registrados no Departamento
Nacional de Inspeção de Produtos de Origem Animal – DIPOA, que elaborem suplementos e ingredientes de
origem animal, ficam dispensados da exigência deste artigo, devendo, entretanto, os suplementos ou ingredientes
elaborados nos mesmos terem seus rótulos registrados na DNAGRO.

CAPÍTULO III
Do Registro dos Estabelecimentos

Art. 9º - O pedido de registro dos estabelecimentos a que se refere o artigo 8º deste Regulamento,
deverá ser dirigido ao Diretor da DNAGRO e instruído com os seguintes documentos:
I. cópia da ata do contrato social da firma, devidamente registrada na Junta Comercial;
II. planta baixa, em 3 (três) vias, na escala 1/100, indicando instalações e outras dependências, tais como:
sanitários, vestiários e demais compartimentos;
III. planta do terreno, em 3 (três) vias, com indicação da localização em relação às propriedades vizinhas
na escala 1/1.000;
IV. memorial descritivo da rotina de fabricação dos diferentes produtos que pretende elaborar;
V. memorial descritivo do estabelecimento;
VI. declaração de responsabilidade do técnico, diplomado em Engenharia Agronômica ou Medicina
Veterinária ou Zootecnia, com o número de seu registro no órgão competente da região em que
estiver localizado o estabelecimento, em se tratando de fábricas de rações, concentrados, suplementos
e sal mineralizado.
§ 1º - Os estabelecimentos distribuidores, atacadistas e varejistas, estão dispensados das exigências
a que se refere este artigo, devendo, no entanto, ser cadastrados pelas Diretorias Estaduais do Ministério da
Agricultura, na respectiva Unidade da Federação.

142
§ 2º - Os estabelecimentos remisturadores, para efeito de registro, estão dispensados das exigências
constantes dos itens IV e VI deste artigo, devendo, contudo, juntar autorização do fabricante para execução dessa
operação, cabendo a responsabilidade bromatológica ao fabricante, e as demais, previstas neste Regulamento, aos
requerentes.
§ 3º - Os estabelecimentos fabricantes, já registrados na DNAGRO, poderão ser cadastrados como
remisturadores, mediante comprovação da exigência a que alude o parágrafo anterior.
§ 4º - Os estabelecimentos importadores estão dispensados das exigências constantes dos itens II,
III, IV, V e VI, deste artigo.
§ 5º - Os estabelecimentos remanipuladores estão dispensados das exigências do item IV deste
artigo.

Art. 10º - Os prédios em que se instalem as fábricas de alimento para animais devem reunir as
seguintes condições:
I. luz natural e artificial adequada e ventilação suficiente em todas as dependências;
II. pisos revestidos com material adequado, entre outros: cimento, ladrilhos hidráulicos, lajes de granito,
madeira e outros materiais que a tecnologia aconselhar;
III. sanitários e vestiários, com capacidade proporcional ao número de operários, instalados em
compartimentos sem acesso direto às seções de armazenamento, manipulação e expedição dos
produtos.
§ 1º - A s fábricas de alimento para animais terão que possuir maquinaria adequada às suas
finalidades.
§ 2º - Qualquer modificação das dependências ou instalações dos estabelecimentos
industrializadores, a que alude este artigo, somente poderá ser feita mediante prévia comunicação ao órgão
fiscalizador.

Art. 11 - Em caso de alienação ou arrendamento dos estabelecimentos a que se referem os itens I,


II, III e IV do artigo 8º, o adquirente ou arrendatário requere a apostila da nova situação jurídica ao órgão que
efetivou o registro.
§ 1º - Os responsáveis por esses estabelecimentos devem notificar os interessados, por ocasião da
compra ou arrendamento, da situação em que se encontram os referidos estabelecimentos, face às exigências
deste Regulamento.
§ 2º - Enquanto não concretizar a alienação ou o arrendamento, as obrigações, perante o órgão
fiscalizador, continuam com o responsável pelo estabelecimento em cujo nome esteja registrado.
§ 3º - O comprador ou arrendatário que não se apresentar, dentro do prazo máximo de 30 (trinta)
dias, os documentos necessários, terá suspenso o registro, o qual só poderá ser restabelecido depois de cumprida
essa exigência.
§ 4º - Adquirido o estabelecimento, por compra ou arrendamento, obriga-se o adquirente ou
arrendatário a cumprir todas as exigências feitas ao responsável anterior, sem prejuízo de outras que venham a
ser determinadas.

CAPÍTULO IV
Do Registro dos Rótulos ou Etiquetas

Art. 12 – Todos os alimentos destinados a animais expostos à venda devem estar devidamente
identificados, por meio de rótulos ou etiquetas, registrados na DNAGRO.
Parágrafo único – O registro do rótulo ou etiqueta implica na aprovação do produto por ele
identificado.

Art. 13 – Os rótulos ou etiquetas a que se refere o artigo anterior deverão indicar:


I. marca comercial do produto;
II. nome da firma responsável;
III. carimbo oficial da Inspeção Federal;
IV. data da fabricação codificada ou não;
V. finalidade do produto e espécie a que se destina;
VI. peso líquido do produto expresso em quilograma;
VII. os dizeres – Rótulo Registrado na DNAGRO sob n°:

143
VIII. localização do estabelecimento fabricante especificando Município e Estado, facultando-se declaração
de rua e número;
IX. nome de cada ingrediente e substitutivos que entram na composição do produto, sendo obrigatória a
indicação da percentagem do ingrediente que figurar na composição em percentagem superior a 50%
(cinqüenta por cento);
X. níveis de garantia de composição, de acordo com o artigo 20 deste regulamento:
XI. condições de conservação;
XII. número do CGC e inscrições fiscais.
§ 1º - Os rótulos ou etiquetas destinados à identificação de ingredientes ficam dispensados das
exigências previstas nos itens V e IX deste artigo.
§ 2º - Os nomes de todos os substitutivos devem ser expressos em letras ou tipos do mesmo
tamanho.
§ 3º - O carimbo de inspeção, previsto no item III deste artigo, obedecerá as seguintes
especificações: forma quadrada, indicando o número do registro do estabelecimento isolado e encimado das
palavras: Inspecionado e Brasil, respectivamente com as seguintes dimensões: 0,03 m (três centímetros), nos
invólucros de até 5 Kg 0,06 m (seis centímetros), nos invólucros de até 30 Kg; e 0,09 m (nove centímetros), nos
invólucros para mais de 30 Kg de produto.

Art. 14 - Além das indicações obrigatórias a que se refere o artigo 13, os rótulos e etiquetas deverão
conter quando for o caso, as demais exigências previstas no Capítulo V deste Regulamento.

Art. 15 – O pedido de registro dos rótulos e etiquetas deverá ser dirigido ao Diretor do DNAGRO,
mediante requerimento instruído com os seguintes documentos:
I. exemplares, em 3 (três) vias de rótulos e etiquetas;
II. relação em 3 (três) vias da composição básica do rótulo.
§ 1º - Os interessados poderão pedir exame prévio dos “croquis” dos rótulos e etiquetas que
pretendem utilizar, fazendo acompanhar os respectivos pedidos de clara indicação das cores e empregar e demais
detalhes.
§ 2º - A concessão do registro de que trata este artigo terá validade de 5 (cinco) anos.
§ 3º - O interessado deverá requerer a revalidação do registro, no prazo de 60 (sessenta) dias antes
do término da validade, considerando-se automaticamente cancelado quando excedido esse prazo.

Art. 16 – Quando comercializarem produtos acabados, destinados à alimentação animal, deverão os


importadores anexar na embalagem original dos referidos produtos, etiquetas, em português, contendo índices de
garantia, finalidade do produto, número de registro na DNAGRO, nome e endereço do importador.

Art. 17 – O rótulo ou etiqueta só poderá ser usado no produto para o qual tenha sido registrado e
nenhuma modificação poderá ser feita, sem prévia aprovação do DNAGRO.

Art. 18 – Serão permitidas modificações das fórmulas de rações e concentrados aprovados, a juízo
do técnico responsável, desde que não resulte em prejuízo de sua eficiência nutritiva e que não sejam alterados os
seus níveis de garantia.

Art. 19 – As embalagens dos produtos elaborados pelos estabelecimentos remisturadores serão as


mesmas aprovadas para os produtos finais do fabricante, com adaptações dos daados relativos aos itens II, III,
VII e XII do artigo 13, que deverão ser aqueles do estabelecimento remisturador.

CAPÍTULO V
Das Garantias dos Produtos

Art. 20 - Os produtos para alimentação animal somente poderão ser expostos à venda, quando
contenham, em seus rótulos ou etiquetas, os níveis de garantia, observadas as especificações abaixo:

I. Rações e concentrados:
Umidade ....................................................................................................... máximo
Proteína mínimo .......................................................................................... mínimo

144
Extrato etéreo................................................................................................mínimo
Matéria fibrosa............................................................................................ máximo
Matéria mineral........................................................................................... máximo
Cálcio ............................................................................................................ máximo
Fósforo ...........................................................................................................mínimo

II. Ingredientes de Origem Animal:


Umidade ....................................................................................................... máximo
Proteína bruta................................................................................................mínimo
Extrato etéreo................................................................................................mínimo
Cálcio ............................................................................................................ máximo
Fósforo ...........................................................................................................mínimo
Acidez – ml de Naoh N/10 por 100g do produto...................................máxima

III. Ingredientes de Origem Vegetal:


Umidade ...................................................................................................... máximo
Proteína bruta................................................................................................mínimo
Extrato etéreo................................................................................................mínimo
Matéria fibrosa............................................................................................ máximo
Mineral.......................................................................................................... máximo

§ 1º - Os suplementos minerias e sal mineralizado, com ou sem vitaminas, aminoácidos ou aditivos,


deverão indicar as quantidades mínimas de sua composição, expressas em percentagem, grama, miligrama ou
ppm de cada elemento por quilograma do produto.
§ 2º - Nos suplementos vitamínicos deverão ser indicadas as quantidades mínimas em U.I. para as
vitaminas A e D, em micrograma, para a vitamina B 12 e, em miligrama, para as demais vitaminas, por
quilograma do produto.
§ 3º - Os suplementos minerais deverão indicar a quantidade máxima de flúor.

Art. 21 – As farinhas protéicas de origem vegetal deverão indicar o processo de extração utilizado e
o solvente empregado, quando for o caso, sendo que, para o fardo de soja, deverá ser indicado se o produto é ou
não testado, e qual seu valor em atividade ureática.

Art. 22 – Para os farelos suscetíveis ao ataque de microrganismos toxigênicos, deverá constar o


respectivo teor de toxina de acordo com as instruções a serem expedidas.

Art. 23 – Para o caso de rações destinadas a ruminante é permitido declarar a proteína digestível,
bem como os nutrientes digestíveis totais ou seus valores energéticos.

Art. 24 – Nas rações para aves e suínos, poderá constar o valor energético, em energia
metabolizável/quilo, facultando se referência sobre a proteína animal ampregada ou seu equivalente em
aminoácidos essenciais.

Art. 25 – São ingredientes aceitáveis, em rações para ruminantes, a uréia, biureto e sais de amônio,
derivados de ácido carbônico e fosfóricos.
§ 1º - A percentagem máxima do valor, equivalente ao nitrogênio não protéico dos ingredientes de
que trata este artigo, deve aparecer na garantia química, logo abaixo da proteína bruta, e a substância nitrogenada
não protéica, constará da lista dos ingredientes.
§ 2º - Os concentrados que contenham uréia, biureto e sais de amônio serão permitidos, desde que
indiquem claramente seu uso apropriado.

Art. 26 – Nas rações deverá constar a quantidade de componentes grosseiros, que não poderá
ultrapassar a 10% (dez por cento), sendo proibido o seu emprego em concentrado.

145
Art. 27 – Somente poderão ser declaradas, na composição de rações e concentrados, as quantidades
de vitaminas, minerais menores e aminoácidos que tenham sido adicionados como suplemento, sendo que no
caso de vitamina A, a declaração poderá fazer-se em miligrama de caroteno, quando de fonte natural.

Art. 28 – Os aminoácidos, aditivos e medicamentos também deverão ter seus níveis de garantia
expressos era grama, miligrama ou p.p.m. por quilograma do produto.

Art. 29 – As rações medicamentosas deverão conter, nos rótulos, o termo “medicamentoso”, em


destaque, bem como as indicações e modo de usar, e serão elaboradas sob a responsabilidade exclusiva do
Médico Veterinário.

Art. 30 – As rações e concentrados serão garantidos pelo prazo de 30 (trinta) dias, a a partir da
entrega, desde que sejam conservados e manipulados convenientemente.

Art. 31 - A DNAGRO baixará instruções específicas, estabelecendo definições, normas e padrões


para os diversos ingredientes e aditivos, empregados na alimentação, de acordo com o que estabelece este
Regulamento.

CAPÍTULO VI
Das Embalagens

Art. 32 – Os produtos destinados à alimentação animal só poderão ser acondicionados em


embalagens aprovadas pela DNAGRO.

Art. 33 – As embalagens deverão estar perfeitamente secas e limpas, ser novas e de primeiro uso,
devendo ser fechadas de modo a garantir sua inviolabilidade.

Art. 34 – Será tolerado o reaproveitamento de embalagens desde que convenientemente


esterelizadas, por processo aprovado pela DNAGRO.

Art. 35 – Na entrega, a granel, de ingredientes, concentrados, rações e suplementos será aposta, na


Nota Fiscal, a etiqueta do produto devidamente registrada na DNAGRO.

CAPÍTULO VII
Da Inspeção e Fiscalização

Art. 36 – A inspeção e a fiscalização de que trata o presente Regulamento serão realizadas nas
fábricas de rações, de ingredientes, de concentrados, de suplementos, de sal mineralizado e de aditivos, nas
cooperativas e órgãos públicos, nos portos marítimos fluviais e postos de fronteiras nos remisturadores,
remanipuladores, armazéns, distribuidores, atacadistas, varejistas e nos meios de transporte, e onde quer que se
fabriquem, manipulem ou guardem, para fins comerciais, produtos destinados à alimentação animal.
§ 1º - O registro do estabelecimento, de que trata este Regulamento, dispensa qualquer outro para
fins similares, quer de âmbito federal, estadual ou municipal.
§ 2º - A fiscalização dos importadores, distribuidores, atacadistas e varejistas terá por objetivo
reinspecionar os produtos destinados à alimentação animal, previstos neste regulamento.
§ 3º - A fiscalização e controle dos subprodutos, elaborados por estabelecimentos, sob inspeção do
DIPOA, ficarão a cargo daquele órgão.

Art. 37 – A inspeção industrial, bromatológica e higiênico-sanitária dos produtos destinados à


alimentação animal será exercida nos estabelecimentos constantes dos itens I, II, III e V do artigo 8º, abrangendo:
I. o funcionamento e a higiene geral dos estabelecimentos;
II. o exame do produto acabado;
III. os exames microbiológicos, biológicos, físicos e químicos das rações, ingredientes, concentrados,
suplementos e sal mineralizado, coletados na fonte de produção ou no comércio;
IV. as fases de recebimento, conservação, manipulação, preparação, acondicionamento, transporte e
estocagem de todos os produtos destinados à alimentação animal;

146
V. a embalagem e a rotulagem;
VI. a classificação dos produtos, segundo a espécie animal e a sua finalidade.

Art. 38 - Os servidores incumbidos da inspeção e da fiscalização, quando em serviço, ficam


obrigados a exibir a carteira de identidade funcional, fornecida, para esse fim específico pela DNAGRO.
§ 1º - Os servidores a que se refere o presente artigo, no exercício de suas funções, terão livre
trânsito em todas as dependências industriais do estabelecimento.
§ 2º - As fábricas de alimento para animais deverão ter um livro de ocorrência, com termo de
abertura e páginas rubricadas, destinados à anotação das visitas de inspeção, das ocorrências e das exigências
feitas aos estabelecimentos pela respectiva fiscalização.

CAPÍTULO VIII
Da Análise Fiscal e Pericial

Art. 39 – A DNAGRO coletará amostras, para fins de análise fiscal, na fonte de produção ou no
comércio, mediante auto, lavrado em duplicata, nos termos dos modelos e instruções por ela expedidos.
Parágrafo único – Uma via do auto será entregue ao interessado, contra recibo e a outra
acompanhará as amostras.

Art. 40 – As amostras, assim obtidas, serão misturadas, homogeneizadas e divididas em quatro


partes, de aproximadamente 200 g cada uma, acondicionadas em embalagem inviolável e que só poderão ser
abertas por ocasião da análise.

Art. 41 – O auto de coleta deverá ser, obrigatoriamente, assinado pelo proprietário, transportador ou
depositário da mercadoria.
Parágrafo único – No caso de recurso de assinatura, o servidor mencionará o fato, que deverá ser
testemunhado e assinado por duas pessoas.

Art. 42 – A coleta deverá ser feita de tal modo que a amostra seja representativa da partida
fiscalizada.
§ 1º - As amostras serão colhidas de produtos contidos em embalagem original, não violada, salvo
quando de produtos comercializados a granel.
§ 2º - Para produtos embalados, deverá ser observada a seguinte sistemática de amostragem:
I. quando a partida for de até 10 (dez) unidades, coletar 5 (cinco) amostras de unidades diferentes;
II. acima de 10 (dez) até 100 (cem) unidades, de 15% (quinze por cento) da partida, com um número
mínimo de 10 (dez) unidades;
III. quando superior a 100 (cem) unidades, de 5% (cinco por cento) da totalidade, com um número
mínimo nunca inferior a 15 (quinze) unidades.
§ 3º - No caso de produto a granel, serão retiradas amostras de igual quantidade, de diversos pontos
da partida, de acordo com o volume.

Art. 43 – As análises de que trata este Capítulo, quando julgadas necessária s, poderão ser efetuadas
através dos órgãos de pesquisa do Ministério da Agricultura, de Universidades, ou das Secretarias de Agricultura,
previamente credenciados pelo DNAGRO.

Art. 44 – Para cada amostra analisada, o órgão da fiscalização emitirá um Certificado de Análise,
que concluirá, com base nos resultados analíticos obtidos, se o produto se encontra dentro dos níveis de garantia
pela DNAGRO.

Art. 45 – Os produtos destinados à alimentação animal, segundo os resultados das análises, são
classificados em dentro do padrão, fora de padrão e impróprio para o consumo.
§ 1º - São considerados fora de padrão aqueles produtos cujos resultados da respectiva análise
apresentem diferenças para mais ou menos, sobre os níveis de garantia aprovados pela DNAGRO, assim
classificados:
a) fora de padrão em primeiro grau – 10%
b) fora de padrão em segundo grau – 15%

147
c) fora de padrão em terceiro grau – 20%
§ 2º - São considerados impróprios para o consumo animal os produtos cujos resultados das
respectivas análises apresentem:
a) adulteração ou falsificação;
b) presença de substâncias tóxicas ou nocivas à saúde dos animais;
c) qualquer outra matéria estranha à composição do produto, que possa causar prejuízos à
economia pecuária.
§ 3º - Quando a comprovação do que estabelecem as alíneas “a” e “b” do parágrafo anterior for
julgada necessária, recorrer-se-á a provas biológicas.

Art. 46 – É facultado ao interessado, dentro do prazo de 15 (quinze) dias úteis, a contar da data em
que receber o auto de infração, apresentar defesa e requerer à autoridade competente análise pericial.
§ 1º - O Diretor da DNAGRO designará uma Comissão, constituída do técnico que realizou a
análise e de mais dois peritos, sendo um indicado pela parte interessada e o outro, dentre os analistas dos
laboratórios oficiais credenciados.
§ 2º - A Comissão terá plena independência de trabalho, podendo analisar, em conjunto ou
separadamente, obedecendo sempre aos métodos analíticos consagrados.
§ 3º - A Comissão usará a amostra que se encontrar em poder do interessado, a qual deverá
apresentar-se em embalagem inviolável, o que será verificado e atestado pela Comissão.

Art. 47º - Havendo divergências no resultado, caberá a decisão ao Diretor da DNAGRO.

Art. 48º - As despesas decorrentes da realização da análise pericial correrão por conta do
interessado.

CAPÍTULO IX
Das Proibições e Penalidades

Art. 49 – Fica proibida a comercialização, oferta, distribuição, propaganda e transporte de alimentos


para animais, que não atenderá as exigências constantes deste Regulamento.

Art. 50 – Por falta de cumprimento das exigências deste Regulamento, ficarão os infratores sujeitos,
sem prejuízo da responsabilidade penal cabível, às seguintes penalidades:
I. advertência;
II. multa;
III. apreensão de matérias –primas e produtos acabados;
IV. suspensão, impedimento ou interdição temporária ou definitiva de funcionamento;
V. cassação ou cancelamento do registro ou licenciamento;
VI. intervenção.

Art. 51 – O auto de infração deverá ser lavrado em 3 (três) vias, nos termos dos modelos e
instruções expedidos, e assinado pelo servidor que verificar a infração e pleo proprietário ou seu representante
legal.
§ 1° - Sempre que o infrator se negar a assinar o auto de infração, será feita a declaração no mesmo,
remetendo-se, posteriormente, uma de suas vias ao estabelecimento infrator.
§ 2º - A vista do auto de infração será constituído processo administrativo, pelo Diretor Estadual do
Ministério da Agricultura, que decidirá sobre a penalidade cabível, notificando o infrator.

Art. 52 – O recurso deve ser interposto, no prazo de 10 (dez) dias contados do recebimento da
notificação, perante a autoridade, que houver imposto a penalidade a qual, depois de o informar, providenciará
seu encaminhamento ao Diretor da DNAGRO.
Parágrafo único – No caso de haver multa, o recurso só terá prosseguimento se o interessado o
instruir com a prova do respectivo depósito.

148
Art. 53 – O valor do depósito ou da multa será recolhido, através de guias próprias, fornecidas ao
interessado pelo órgão competente, no prazo de 5 (cinco) dias da data da emissão das respectivas guias, em
qualquer Agência do Banco do Brasil S. A., em nome do Fundo Federal Agropecuário – FFAP.
Parágrafo único – Uma das vias de Guia de Recolhimento ou depósito será devolvida pelo infrator à
repartição que a emitiu, até o sexto dia após a sua expedição.

Art. 54 – A multa será reduzida de 50% (cinqüenta por cento), a critério da Administração, se o
infrator, renunciando ao recurso a recolher dentro do prazo de 10 (dez) dias, contados do recebimento da
notificação.
Parágrafo único – Para a expedição da guia, na hipótese prevista neste artigo, deverá o infrator
juntar a notificação com a prova da data de seu recebimento.

Art. 55 – A pena de advertência será imposta ao infrator primário, atendidas à natureza e à


circunstância da infração.

Art. 56 – A pena de multa, prevista no item II, do artigo 50, será aplicada nos casos de reincidência,
observada a seguinte graduação:
I. multa de até 2 (duas) vezes o maior valor de referência vigente, fixado de acordo com o disposto na
Lei n. 6205 (*) de 29 de abril de 1975, ao responsável, fabricante ou manipulador de produtos
enquadrados na alínea “a”, do § 1º, do artigo 45 deste Regulamento;
II. multa de até 4 (quatro) vezes o maior valor de referência vigente, fixado de acordo com o disposto na
Lei n. 6205 de 29 de abril de 1975, ao responsável, fabricante ou manipulador de produtos
enquadrados na alínea “b”, do § 1º, do artigo 15 deste Regulamento;
III. multa de até 8 (oito) vezes o maior valor de referência vigente, fixado de acordo com o disposto na
Lei n. 6205 de 29 de abril de 1975, ao responsável, fabricante ou manipulador de produtos
enquadrados na alínea “c” do § 1º, do artigo 15 deste Regulamento.

Art. 57 – Qualquer produto de que trata este Regulamento, encontrado à venda, sem ter o rótulo
registrado na DNAGRO, será apreendido, ficando ainda, o estabelecimento fabricante ou manipulador, sujeito à
multa de até 3 (três) vezes o maior valor de referência vigente, fixado de acordo com o disposto na Lei n 6.205,
de 29 de abril de 1975, aplicada em dobro no caso de reincidência.
§ 1º - Dar-se-á, também, a apreensão, sempre que se verificar qualquer das hipóteses previstas no §
2º, do artigo 45, deste Regulamento.
§ 2º - O infrator será depositário da mercadoria apreendida.
§ 3º - Na hipótese de desaparecimento do produto apreendido, o responsável pagará multa
equivalente ao valor da mercadoria desaparecida.

Art. 58 – Os produtos apreendidos poderão ser aproveitados para outros fins, a critério da
DNAGRO.

Art. 59 – Será suspensa por 10 (dez) dias, a fabricação de qualquer produto, se o estabelecimento
reincidir, por 3 (três) vezes, na infração prevista no § 1º, alínea c, do artigo 45, deste Regulamento.

Art. 60 – Será impedido de funcionar o estabelecimento que não estiver devidamente registrado na
DNAGRO.
Parágrafo único – Além da penalidade de que trata este artigo, sofrerá o estabelecimento multa de
10 (dez) vezes o maior valor de referência vigente, fixado de acordo com o disposto na Lei n. 6205, de 29 de
abril de 1975.

Art. 61 – Dar-se-á a interdição temporária sempre que o estabelecimento:


I. não apresentar condições higiênico-sanitárias satisfatórias, a critério da DNAGRO;
II. reincidir, por 3 (três) vezes, em qualquer das infrações previstas no § 2º, do artigo 45, deste
Regulamento.

Art. 62 – Dar-se-á a interdição definitiva, que implicará no fechamento do estabelecimento, quando


houver:

149
I. reincidência às infrações previstas no artigo 61;
II. recusa ao cumprimento de penalidade imposta na forma deste Regulamento;
III. violação contumaz de disposições do presente Regulamento.

Art. 63 – A cassação ou cancelamento do registro ou licenciamento ocorrerá, obrigatoriamente, no


caso de interdição definitiva do estabelecimento.

Art. 64 – Dar-se-á a intervenção quando o estabelecimento concorrer, deliberadamente, para o


colapso do abastecimento dos produtos destinados à alimentação animal de que trata este Regulamento.
Parágrafo único – As condições e o prazo da intervenção serão fixados em ato próprio, baixado pelo
Diretor Geral do DNPA.

Art. 65 – Compete ao Diretor da DNAGRO aplicar as penalidades previstas nos itens III, IV e V, do
artigo 50, sendo da competência do Diretor Estadual do Ministério da Agricultura e aplicação das penalidades
previstas nis itens I e II, do mesmo artigo.

Art. 66 – Quando forem verificadas irregularidades nos produtos vendidos em suas embalagens
originais, não violadas, serão considerados responsáveis os seus fabricantes ou manipuladores, desde que dentro
do prazo de validade aprovado pelo DNAGRO.

Art. 67 – Sempre que julgar necessário, a DNAGRO poderá determinar a substituição ou reforma
dos pisos e equipamentos, bem como a raspagem ou pintura das paredes e teto dos estabelecimentos registrados.

Art. 68 – As criações experimentais e biotérios quando localizados na mesma área insdustrial


devem guardar distância e obedecer a cuidados gerais de isolamento, sobretudo em relação às salas de
manipulação e aos depósitos de matéria prima e produtos finais.

CAPÍTULO IX
Das Disposições Gerais e Transitórias

Art. 69 – Será constituída, no Ministério da Agricultura, uma Comissão Especial de Alimentação


Animal, composta de representantes da DNAGRO, DDSA, DIPOA, EMBRAPA do Sindicato da Indústria de
Defensivos Animais e de associações de classe de criadores, com as seguintes atribuições:
a) fornecer subsídios para estabelecimento ou modificação de definições, normas e padrões:
b) sugerir medidas e providências visando ao aprimoramento da execução do presente
Regulamento.

Art. 70 – Os estabelecimentos que estejam realizando apenas o comércio estadual, na data da


publicação deste Regulamento, deverão requerer o seu registro no prazo máximo de 360 (trezentos e sessenta
dias).

Art. 71 – Os produtos já registrados na DDSA, na data da publicação do presente Regulamento,


terão a validade de sua licença assegurada até o final dos seus respectivos prazos.

Art. 72 – Ficam os estabelecimentos produtores de alimentos para animais obrigados a fornecer, até
o dia 15 (quinze) de cada mês, a DNAGRO, através das respectivas Diretorias Estaduais do Ministério da
Agricultura, os dados estatísticos de produção do mês anterior.

Art. 73 – Os trabalhos de inspeção e de fiscalização de produtos, destinados à alimentação animal,


serão remunerados pelo regime de preços públicos fixado pelo Ministro de Estado da Agricultura, que os
atualizará sempre que necessário, e disporá sobre o respectivo recolhimento e utilização, na conformidade do
disposto nos artigos 4º e 5º da Lei Delegada n. 8 (*), de 11 de outubro de 1962.

Art. 74 – As atribuições conferidas por este Regulamento, aos Diretores Es taduais do Ministério da
Agricultura, serão no Distrito Federal, exercidas pelo Diretor da DNAGRO.

150
Art. 75 – Os casos omissos e as dúvidas suscitadas na execução do presente Regulamento serão
resolvidos pelo Diretor Geral do DNPA.

Art. 76 – Este Regulamento entrará em vigor na data de sua publicação revogadas as disposições
em contrário.

Ernesto Geisel – Presidente da República


Alysson Paulinelli.

151
MEDICAMENTOS, VACINAS, ANTÍGENOS E DILUENTES

PORTARIA N ° 186 DE 13 DE MAIO DE 1997 – Regulamento Técnico para


a Produção, o Controle e o Emprego de Vacinas, Antígenos e Diluentes para
Avicultura

MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição


que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II da Constituição, e tendo em vista o disposto no art. 11 do
Decreto - lei n0 467, de 13 de fevereiro de 1969 e o art. 20 do regulamento aprovado pelo Decreto n0 1662, de 6
de outubro de 1995, resolve:

Art. 10 Aprovar o Regulamento Técnico, em anexo, elaborado pela Secretaria de Defesa


Agropecuária, a ser observado na produção, no controle e no emprego de vacinas, antígenos e diluentes para a
avicultura.

Art. 20 Delegar competência ao Secretário de Defesa Agropecuária para baixar instruções


complementares e demais alterações que se fizerem necessárias ao pleno cumprimento do regulamento aprovado
por esta Portaria.

Art. 30 Fica estabelecido o prazo de 60 dias para apresentação de questionamento com razões
técnicas devidamente fundamentadas, visando o aprimoramento da presente Portaria.

Art. 40 Esta Portaria entra em vigor 60 dias após a data de sua publicação, ficando revogadas as
Portarias n 24, de 17 de janeiro de 1980, e n0 19, de 18 de maio de 1984.
0

ARLINDO PORTO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA A PRODUÇÃO, O CONTROLE E O EMPREGO DE VACINAS,


ANTÍGENOS E DILUENTES PARA AVICULTURA

CAPÍTULO I
Introdução
I.1) OBJETIVO
Estabelecer os requisitos técnicos para a produção, o controle, a comercialização e o emprego de
vacinas, antígenos, soros e diluentes para a avicultura.
I.2) CLASSIFICAÇÃO E DEFINIÇÕES
DEFINIÇÕES
ANTÍGENOS
São substratos biológicos, purificados, padronizados, vivos ou inativados, específicos e sensíveis,
utilizados como reagentes para diagnóstico imunológico nas reações quantitativas ou qualitativas de “antígeno -
anticorpo”, “in vitro” ou “in vivo”.
DILUENTES
É um líquido usado para rehidratar um produto liofilizado ou um líquido usado para diluir outra
substância.
Deve ser inócuo e estável, e capaz de manter viável a integridade de um ou mais antígenos vacinais
durante a sua preparação e administração, direta ou indiretamente, no organismo dos animais alvo.
VACINAS OU IMUNÓGENOS

152
São produtos biológicos, imunogênicos, inócuos e específicos, vivos e/ou inativados, elaborados a
partir de unidades ou sub-unidades antigênicas de cepas vacinais cultivadas em substratos especiais, e utilizados
para combater e ou prevenir doenças nos animais alvo.
CLASSIFICAÇÃO DE IMUNÓGENOS (COMPLEMENTO)
1. VACINA VIVA VÍRICA POLIVALENTE
1.1. 1.1Vírus vivos (atenuados/ modificados ou deletados), da mesma es pécie, no mesmo frasco.
2. VACINA VIVA VÍRICA COMBINADA
2.1. Vírus vivos (atenuados/modificados ou deletados), de espécies diferentes, no mesmo frasco.
2.2. Associada a uma outra vacina / imunógeno com identidade própria, em outro frasco, e que poderá
ser utilizada ou não como diluente; porém, não é diluente e, portanto, deve ser classificada.
3. VACINA VIVA BACTERIANA COMBINADA
Bactérias vivas (atenuadas, modificadas ou deletadas) de espécies diferentes, no mesmo frasco.
4. VACINA VIVA FÚNGICA COMBINADA
Fungos e micoplasmas vivos, (atenuados, modificados ou deletados) de espécies diferentes, no
mesmo frasco.
5. VACINA VIVA MISTA
Vírus, bactérias, fungos, micoplasmas vivos, de espécies iguais ou diferentes, no mesmo frasco.
6. VACINA VIVA E INATIVADA MISTA
Vírus, bactérias, fungos, micoplasmas vivos ou inativados, de espécies iguais ou diferentes,
toxóides ou sub-unidades, no mesmo frasco.
7. VACINA INATIVADA MISTA
Vírus, bactérias, fungos e micoplasmas inativados, com ou sem sub-unidades, ou toxóides.
8. SUB-UNIDADES
Fração imunogênica purificada.
9. TOXÓIDE
Produto inativado, resultante de processo metabólico (toxina-endotoxina-exotoxina) de bactérias ou
fungos.
10. VACINA INATIVADA VÍRICA COMBINADA
Vírus inativado de espécies diferentes no mesmo frasco.
11. VACINA INATIVADA BACTERIANA COMBINADA
Bactérias inativadas de espécies diferentes no mesmo frasco.
12. VACINA INATIVADA FÚNGICA COMBINADA
Fungos e micoplasmas inativados, de espécies diferentes no mesmo frasco.
DISPOSIÇÕES LEGAIS
Para efeito de fabricação, controle, comercialização e uso de vacinas, antígenos, soros e diluentes,
deve ser observado o disposto na legislação vigente, referente às exigências de instalações, responsabilidade
técnica, registro de produção e controle de qualidade.
As vacinas associadas (combinadas ou mistas) estão sujeitas a legislação específica de cada fração
antigênica.

CAPÍTULO II

II.1. DA PRODUÇÃO
II.1.a) Origem dos substratos utilizados
II.1.a.1) Biológicos
Os substratos utilizados na produção e controle de qualidade de produtos biológicos aviários
deverão ser Specific Pathogen Free (SPF) para a espécie (ovos, células e animais). Outros substratos poderão ser
utilizados na produção e controle, mediante comprovação científica junto ao órgão oficial controlador.
Frangos, embriões e ovos SPF, usados no controle e na produção da vacina devem derivar-se de
lote de animais isentos de agentes e anticorpos para os seguintes microorganismos:
Adenovírus aviário
Vírus da Síndrome da queda de postura (EDS-76)
Vírus da Encefalomielite aviária
Haemophilus paraGallinarum
Reovirus aviário
Vírus da Bronquite Infecciosa das Galinhas

153
Vírus da Doença de Gumboro
Vírus da Laringotraqueíte infecciosa
Vírus da Doença de Newcastle
Vírus da Influenza Aviária
Vírus da Doença de Marek
Vírus da Leucose Aviária
Rotavírus Aviário
Agente de Anemia de Frango
Vírus da Rinotraqueíte dos Perús
Vírus da Reticuloendoteliose
Vírus pox das aves
Mycoplasma gallisepticum
Mycoplasma synoviae
Micoplasma meleagridis
Salmonella Pullorum
Salmonella Enteritidis
Salmonella Gallinarum
Salmonella Tiphymurium
A critério do órgão controlador, outros procedimentos poderão ser estabelecidos.
II.1.a.2) Ingredientes
Todos os ingredientes devem estar de acordo com os padrões pré-estabelecidos de pureza e
qualidade, não apresentar toxicidade na dose recomendada de uso do produto final; as combinações usadas não
devem desnaturar substâncias específicas no produto, nem diminuir a potência mínima aceitável dentro do prazo
de validade, quando armazenado na temperatura recomendada.
II.1.a.3) Células primárias usadas na produção
Cada partida de produtos biológicos somente será liberada se as células primárias utilizadas
estiverem satisfatórias, em conformidade com os testes descritos abaixo :
II.1.a.3.a) Amostras do produto final ou amostras de um “pool” de material colhido ou amo stras de cada
subcultura de células usadas para preparar o produto biológico devem ser livres de Mycoplasma spp.
A amostra para teste deve consistir de células de fluidos coletados. Todas as origens de células
primárias usadas no lote devem estar representadas.
II.1.a.3.b) Amostras do produto final ou de um “pool” de material colhido ou amostra de cada subcultura de
células usadas no preparo de produtos biológicos devem apresentar-se livres de bactérias e fungos.
II.1.a.3.c) Uma monocamada de cada partida ou subcultura de células primárias usadas para preparo de produtos
biológicos deve apresentar-se livre de agentes estranhos, e mantida usando-se o meio com aditivos e condições
similares àquelas usadas para o preparo de produtos biológicos no mínimo 14 dias, e subcultivadas pelo menos
uma vez. As monocamadas devem ser examinadas regularmente durante o período de manutenção, para
evidência de agentes citopatogênicos, hemoadsorvíveis e/ou estranhos.
II.1.a.4) Linhagens celulares usadas na produção.
II.1.a.4.a) Um número de passagem específico de uma “master cell stock” deve ser estabelecido para cada
linhagem celular. O nível de passagens, a identidade da “master cell stock” e um maior nível de passagens para
uso na preparação de produtos biológicos devem ser especificados na ficha de produção do produto.
II.1.a.4.b) Alíquotas de “master cell stock” devem ser preparadas e mantidas congeladas, à disposição de órgãos
oficiais do país de origem, para realização dos testes.
II.1.a.4.c) Cada lote de células deve ser monitorado para características determinadas como normais para a
linhagem celular tais como aparência microscópica, velocidade de crescimento, produção de ácido ou outros
fatores observáveis. Após apresentarem um crescimento de pelo menos 80 % de confluência, as monocamadas
devem ser removidas do seu meio, processadas, coradas e examinadas para detecção de agentes citopatogênicos
e/ou hemoadsorvíveis, exóticos ou não.
II.1.a.4.d) Amostras de cada lote de ingrediente de origem animal, o qual não é sujeito à esterilização pelo calor ,
deve ser livre de micoplasmas, bactérias, fungos e vírus.
II.1.b) Sementes
As sementes bacterianas e víricas devem conter apenas o antígeno específico, devendo apresentar-
se livre de agentes contaminantes.
Alíquotas das sementes devem ser preparadas e mantidas congeladas ou liofilizadas, à disposição
do órgão oficial do país de origem, para a realização dos testes.

154
II.2. DA DOCUMENTAÇÃO
Todas as fases de produção e controle serão registradas em protocolos específicos, onde deverão
constar os seguintes dados:
a. Nome do laboratório produtor
b. Nome do produto genérico e/ou fantasia
c. Número da partida
d. Insumos utilizados na formulação do produto
e. Data do início e término da produção
f. Número de doses da partida
g. Resultados das provas de controle
h. Data da fabricação e do vencimento

II.3. DO CONTROLE DE QUALIDADE


As sementes, substratos, produtos intermediários e finais são submetidos aos seguintes
procedimentos de controle de qualidade:
II.3.a) Esterilidade
II.3.a.1) Teste de esterilidade/pureza para bactérias e fungos em vacinas vivas
Utilizar meios de cultura apropriados tais como:
Meio de caseína de soja digerido, infusão de cérebro-coração (BHI), meio fluido Tioglicolato e
Sabouraud líquido, visando flora aeróbica, anaeróbica e fungos. A sensibilidade dos meios utilizados deverá ser
testada antes do início do teste.
10 frascos de amostras de cada partida devem ser testados e no mínimo 4 ml de “master seed”.
Antes do início do teste, a vacina congelada deve ser descongelada e a vacina liofilizada deve ser
rehidratada conforme recomendado pelo fabricante, com o diluente ou com água bidestilada estéril. Os produtos
com forma de apresentação de 1000 doses ou doses múltiplas devem ser rehidratados com 30 ml de água ou
diluente estéreis.
1. Para a pesquisa de bactérias da flora aeróbica, inocular 0,2 ml da vacina rehidratada,
equivalente a cada frasco a ser testado, em dois tubos contendo 40 ml de meio fluido de caseína
de soja digerida ou BHI. Meios adicionais ou diluições podem ser utilizados, se necessário. Um
tubo deve ser incubado a 32o C +/- 1 e o outro a 22 o C +/- 1, sendo a leitura realizada após 14
dias.
2. Para a pesquisa da flora anaeróbica, inocular em profundidade 0,1 ml da vacina rehidratada
equivalente a cada frasco a ser testado, em tubo c om tampa com rosca, individual, contendo 20
ml de meio fluido de tioglicolato previamente fervido para eliminação do oxigênio e após, as
tampas devem ser vedadas com parafilme. Meios adicionais ou diluições podem ser utilizados,
se necessário. A incubação deve ser feita em equipamentos que promovam uma anaerobiose
estrita, a 37o C +/- 1, por 14 dias.
3. Para testar fungos, inocular 0,2 ml de vacina de cada frasco em um frasco individual
correspondente contendo, pelo menos, 40 ml de meio de Sabouraud. A incubação deve ser feira
à temperatura de 22o C, por 14 dias.
Observação: No momento da leitura, examinar macroscopicamente todas as placas, observando a
formação de colônias. Para os tubos, deve-se observar se houve turvação do meio, sempre em comparação ao
tubo de meio controle não inoculado.
Para cada grupo de frascos teste, representando uma partida, o seguinte procedimento deverá ser
aplicado:
a) Se o crescimento microbiano for observado em 2 ou 3 frascos do teste inicial,
uma nova prova deverá ser conduzida, utilizando o dobro do número de frascos
utilizado no teste inicial.
b) Se o crescimento microbiano for observado em 4 ou mais frascos do teste
inicial e/ou em algum frasco do ovo teste, a partida é considerada insatisfatória
para vacinas de uso parenteral.
c) Se nenhum crescimento microbiano for observado em 9 ou 10 frascos no teste
inicial, ou em 19, ou 20 frascos da nova prova, a partida atende os requerimentos
do teste.

155
4. Para a contagem de contaminantes do produto, deve-se proceder ao plaqueamento, sendo
utilizado para cada frasco de amostra, 2 placas de petri 100 x 20 mm, inoculando em cada uma
0,3 ml de vacina reconstituída, seguida de adição de aproximadamente 12 ml de agar BHI,
previamente fundido, estando este entre 40o C a 45o C. Após o ágar ter solidificado, as placas
deverão ser incubadas, sendo que uma será incubada a 32 o C +/- 1, para pesquisa de bactérias,
e a outra incubada a 22o C +/- 1, para a pesquisa de fungos. A leitura será realizada diariamente
durante 14 dias. Será tolerado o limite de 1 colônia por dose no produto final, quando este for
recomendado exclusivamente por via não parenteral .
Outras técnicas validadas poderão ser utilizadas, desde que previamente aprovadas pelo órgão
controlador.
II.3.a.2) Teste de Salmonella
Este teste deve ser feito em produto intermediário, antes da adição de agentes bactericidas ou
bacteriostáticos, ou no produto final.
Inocular 2,5 ml da amostra equivalente a cada frasco ou amostra a ser testada em 2 tubos contendo
50 ml de meio líquido (Selenito F, Triptose ou Tetrationato). Deve ser utilizado um meio diferente em cada tubo.
Os tubos inoculados devem ser incubados por 18 a 24 horas, a uma temperatura de 37o C +/- 1.
De cada tubo deve-se proceder ao plaqueamento em ágar Mac Conkey e ágar Salmonella Shigella,
incubando por 18 a 24 horas a 37o C +/- 1; em seguida faz-se a leitura.
Se o crescimento típico de Salmonella não for observado, as placas devem ser incubadas por mais
18-24 horas, e novamente examinadas. Se colônias suspeitas forem observadas, uma subcultura posterior em
meio apropriado deve ser feita, para identificação positiva.
Se for encontrada Salmonella, o produto correspondente à amostra é considerado insatisfatório.
II.3.a.3) Teste de Mycoplasma
O teste deverá ser conduzido usando o meio apropriado para cultivo de Mycoplasma spp.
Antes do teste, 3 frascos de vacina líquida congelada deverão ser descongelados e agrupados em
“pool” e/ou 3 frascos de vacina liofilizada deverão ser rehidratados em “pool”, com o volume recomendado pelo
fabricante, em caldo para Mycoplasma spp.
Para os produtos biológicos liofilizados, cuja apresentação é de 1000 doses por frasco, os 3 frascos
deverão ser rehidratados em “pool” em 90 ml de meio. No caso de sementes, células de linhagem ou amostras de
células primárias, o in óculo deverá consistir de uma alíquota da semente ou de células em suspensão .
II.3.a 3.1) Inoculação de frascos :
Transferir 1 ml do inóculo para cada tubo, no mínimo de três, contendo 9 ml de meio fluido
apropriado para cultivo de Mycoplasma spp. Incubar os tubos a 37 o C +/- 1 durante 14 dias. Durante este tempo,
deverá ser plaqueado 0,1 ml de material de cada tubo, em placa contendo meio específico para Mycoplasma spp.,
no 3 o , 7 o e 14o dias após a inoculação.
O controle do teste deve ser conduzido usando-se como inóculo para controle positivo uma cultura
selecionada de Mycoplasma spp. Um controle negativo também deverá ser utilizado.
Todas as placas deverão ser incubadas em alta umidade, em atmosfera de 4 a 6% de CO, a 37o C
+/- 1 por 7 dias, e examinadas com o auxílio de microscópio estereoscópio com aumento de 35 a 100 x, ou em
um microscópio ótico comum, com aumento de 100 x.
Se em algum momento for observada viragem do indicador dos caldos, deve-se proceder ao
plaqueamento.
Observando crescimento em pelo menos uma das placas do controle positivo e ausência de
crescimento nas placas do controle negativo, o teste é válido.
Sendo observadas colônias de Mycoplasma spp. em alguma placa inoculada com material a ser
testado, o resultado é positivo e o produto apresenta-se insatisfatório.
II.3.a.4) Teste de Esterilidade / Pureza para bactérias e fungos, exceto em vacinas vivas
Cada partida do produto biológico, exceto para vacinas vivas, deve ser testada como descrito, a não
ser que esteja especificado de outra maneira pelo órgão oficial controlador.
Quando linhagens celulares, células primárias ou ingredientes de origem animal usados no preparo
do produto biológico precisarem estar livres de bactérias e fungos viáveis, deverão ser também testados como
descrito nesta seção.
II.3.a.4.a) O meio a ser usado deve ser :
II.3.a.4.a.1) Meio Fluído Tioglicolato com 0,5 % de extrato de carne, que deve ser usado para testar bactérias nos
produtos biológicos contendo clostrídeos toxóides, bacterinas e bacterinas -toxóides.

156
II.3.a.4.a.2) Meio Fluído Tioglicolato, com ou sem 0,5 % de extrato de carne, que deve ser usado para testar
bactérias em produtos biológicos que não sejam clostrídeos toxóides, bacterinas e bacterinas-toxóides.
II.3.a.4.a.3) Meio de caseína de soja digerida, que deve ser usado para testar fungos em produtos biológicos,
desde que aquele meio fluido tioglicolato, sem extrato de carne, seja substituído ao testar produtos biológicos
contendo conservantes de mercúrio.
II.3.a.4.b) Procedimento para teste :
II.3.a.4.b.1) Um mínimo de 4 e o máximo de dez frascos devem ser usados para cada um dos meios escolhidos.
II.3.a.4.b.2) Inóculo :
II.3.a.4.b.2 (1) Quando o produto acabado é testado, quatro a dez amostras do recipiente final de cada partida
devem ser testadas . Um ml de cada amostra deve ser inoculado em um frasco de teste individual correspondente
de meio de cultura. Se cada amostra do recipiente final contiver menos que 2 ml, metade do conteúdo deve ser
usado como inóculo para cada frasco-teste.
II.3.a.4.b.2.(2) Quando linhagens celulares, células primárias ou ingredientes de origem animal são testados, pelo
menos uma amostra de teste de 20 ml de cada lote deve ser testada. Um ml deve ser inoculado em cada frasco-
teste do meio.
II.3.a.4.b.3) A incubação deve ser por um período de observação de 14 dias a uma temperatura entre 30o C a
35o C, para testar bactérias, e por 14 dias, a uma temperatura entre 20o C a 25 o C, para testar fungos.
II.3.a.4.b.4) Se o inóculo produzir um meio turvo, de tal forma que a falta de crescimento não possa ser
determinada por exame visual, devem ser feitas sub-culturas do 7o ao 11o dias, de produtos biológicos preparados
a partir de clostrídeos, toxóides, bacterinas e bacterinas-toxóides, e do 3o ao 7o dias, para outros produt os
biológicos. Partes do meio turvo em quantidades não menores que 1,0 ml devem ser transferidas para 20 a 25 ml
de meio fresco e incubadas durante o restante do período de 14 dias.
II.3.a.4.c) Examinar o conteúdo de todos os frascos-teste para crescimento microbiano macroscópico durante o
período de incubação. O teste será repetido quando invalidado por controles adequados. Para cada conjunto de
frascos-teste representando uma partida de um teste válido, as seguintes regras devem ser aplicadas:
1. Se nenhum crescimento for encontrado em qualquer frasco-teste, a partida satisfaz os
requisitos do teste.
2. Se crescimento for encontrado em qualquer frasco-teste, um reteste para eliminar
falha técnica deve ser conduzido, usando o dobro de amostras não abertas do produto
final.
3. Se crescimento for encontrado em qualquer frasco-teste do teste final, a partida ou
ingredientes a serem usados no preparo do produto biológico, conforme o caso, serão
insatisfatórios.
II.3.b) Titulação
As técnicas de titulação são descritas nas normas específicas de cada produto. A titulação será feita
como “pool” de 3 frascos em diluente apropriado. As exceções serão tratadas nos produtos específicos. Cada
produto terá seu título mínimo para teste de aprovação.
As diluições, quando em base logarítmica, são inoculadas por via adequada à cepa, mínimo de 5
diluições e número de 5 unidades/diluição. O cálculo será determinado por métodos matemáticos tais como:
Reed-Muench, Spearman-Karber, probit ou equivalente.
Os valores do resultado serão expressos em título/dose de vacina, com uma casa decimal
significativa quando expresso em log: os valores compreendidos entre 0,01 e 0,05 = 0,0 (zero vírgula zero) e os
valores compre -endidos entre 0,06 e 0,09 = 0,1 (zero vírgula um) .
Quando os valores são expressos em unidades (PFU ou UFC/ dose), esses devem ser expressos em
números inteiros.
II.3.c) Identidade
II.3.c.1) Identidade para bactérias
Pelo menos um dos testes de identidade descritos a seguir deve ser conduzido para “Master Seed”
bactéria ou amostra do produto biológico completo. Um controle positivo fornecido ou aprovado pelo órgão
oficial controlador deve ser usado nestes testes.
II.3.c.1.a) Teste de anticorpo fluorescente
A técnica do anticorpo fluorescente deve ser conduzida usando amostra da vacina bacteriana.
Fluorescência típica para bactéria em questão deve ser demonstrada. A fluorescência não ocorre com controle
tratado com anti-soro específico.
II.3.c.1.b) Teste de aglutinação em tubo

157
Cada teste deve ser conduzido com uma suspensão viável de vacina bacteriana, usando método de
decréscimo constante do antígeno com o anti-soro específico. Aglutinação típica para bactéria deve ser
demonstrada, a qual não ocorre no soro negativo usado como controle.
II.3.c.1.c) Teste de aglutinação em placa
Deve ser conduzido usando-se suspensões viáveis da vacina bacteriana com o anti-soro específico.
Aglutinação típica para bactéria deve ser demonstrada por observação micro ou macroscópica, a qual não ocorre
com o soro negativo usado como teste.
II.3.c.1.d) Teste de caracterização
Caracterização bioquímica ou de cultura devem ser demonstradas.
II.3.c.2) Identidade para vírus
Pelo menos um dos testes de identidade para vírus, descritos a seguir, deve ser realizado para cada
lote de vacina :
II.3.c.2.a) Teste de anticorpo fluorescente
Este teste deve ser conduzido usando-se células inoculadas com o vírus e células controle não
inoculadas. As células devem ser coradas com fluoresceína, conjugada ao anti-soro específico. Fluorescência
típica do vírus deve ser demonstrada nas células inoculadas. As células controle permanecem livres de
fluorescência.
II.3.c.2.b) Teste de neutralização do soro
Este teste deve ser conduzido usando-se o método de decréscimo constante de vírus no soro, com
anti-soro específico. Para identificação positiva, pelo menos 100 DI 50 do vírus de vacina devem ser neutralizadas
pelo anti-soro.
II.3.d) Inocuidade
São utilizadas, no mínimo, 10 aves SPF alojadas em isolamento. Para cada grupo serão mantidas,
no mínimo, 10 aves controles.
Vacinas vivas
São inoculadas 10 doses por aves na menor idade e via recomendada pelo fabricante.
Vacinas inativadas
São inoculadas 2 doses por ave, na idade mínima de 2 semanas , ou na idade mínima indicada pelo
fabricante.
As aves serão observadas durante o período de 21 dias, verificando as reações adversas locais e
gerais atribuíveis ao produto.
A interpretação do teste será feita de acordo com a norma específica de cada produto.
II.3.e) Patógenos estranhos
II.3.e.1) Leucose linfóide aviária
Cada vírus vacinal citopático a células de fibroblasto de embrião de galinha deve ser efetivamente
neutralizado, inativado ou separado, para que quantidades mínimas do vírus da leucose linfóide possam ser
propagadas na cultura celular durante o período de crescimento de 21 dias. Se o vírus da vacina não puder ser
efetivamente neutralizado, inativado ou separado, uma outra amostra de vacina, preparada na mesma semana,
usando material proveniente da mesma origem e lote usado para a preparação do vírus da vacina em questão,
deverá ser testado.
Quando culturas celulares são testadas, 5 ml de suspensão celular final preparada para semente de
cultura celular da produção devem ser usadas como inóculo. Quando as vacinas são testadas, o equivalente a 200
doses de vacina contra a Doença de Newcastle ou 500 doses de outras vacinas para uso em aves deve ser usado
como inóculo.
Culturas controle devem ser preparadas a partir da mesma suspensão celular que as culturas para a
vacina teste.
Culturas de células de fibroblasto de embrião de galinha não inoculadas são usadas como controle
negativo. Um grupo de culturas de fibroblasto, inoculado com o vírus do subgrupo A e outro grupo inoculado
com o subgrupo B, é usado como controle positivo A e B, respectivamente.
As culturas celulares devem ser propagadas a 37 o C +/- 1 por, no mínimo, 21 dias. Estas devem ser
repicadas, quando necessário, para manter a viabilidade, e as amostras coletadas de cada passagem devem ser
testadas para o antígeno grupo-específico.
O teste de microtitulação da fixação do complemento deve ser realizado utilizando a técnica do
ponto hemolítico de 50 ou 100 %, para determinar a unidade do complemento. 5 unidades hemolíticas a 50 % ou
2 unidades hemolíticas a 100 % devem ser usadas para cada teste.

158
Todos os materiais testados, incluindo controles positivos e negativos, devem ser guardados a - 60o
C ou congelados, até que sejam usados no teste. Antes do uso, cada amostra deve ser descongelada e congelada 3
vezes, para romper células intactas e liberar o antígeno grupo-específico.
O anti-soro usado no teste de fixação do complemento deve ser um reagente padrão. Quatro
unidades de anti-soro devem ser usadas para cada teste.
A presença de atividade fixadora do complemento nas amostras colhidas (das passagens) na
diluição 1:4 ou maior, na ausência de atividade anti-complementar, deve ser considerada como positiva, a menos
que a atividade possa definitivamente ser estabelecida como causada não pelo vírus da leucose linfóide, sub-
grupos A e/ou B. A atividade na diluição 1:2 deve ser considerada como suspeita e a amostra deve ser
posteriormente subcultivada para determinar a presença do antígeno grupo-específico. Pode ser utilizado o
método de ELISA ou outro método validado.
As vacinas encontradas contaminadas pelo vírus da leucose linfóide são consideradas
insatisfatórias. Os lotes de origem de material contaminado também são insatisfatórios.
II.3.e.2) Vírus hemoaglutinantes
Amostras de frascos do produto final, rehidratado como descrito no rótulo, devem ser usadas como
inóculo. As vacinas aviárias distribuídas sem diluente devem ser rehidratadas com 30 ml de água destilada estéril
e usadas como inóculo. Quando uma ou mais frações são usadas em combinação com a vacina para a Doença de
Newcastle, as amostras que serão testadas devem ser recolhidas de cada suspensão, antes de serem mescladas
com a vacina para a doença de Newcastle.
Cada um de 10 ovos embrionados com 9 ou 10 dias de idade, provenientes de lote susceptível para
a Doença de Newcastle, deve ser inoculado na cavidade alantóide com 0,2 ml do inóculo não diluído.
Cinco embriões não inoculados, de mesma idade e do mesmo lote daqueles usados para o teste,
serão os controles-negativos.
Testar uma amostra do fluido alantóico do vírus da doença de Newcastle como controle-negativo.
De 3 a 5 dias depois da inoculação, a amostra do fluido alantóico de cada ovo deve ser testada,
separadamente, por um teste rápido na placa, para atividade hemoaglutinante, usando uma suspensão de 0,5 % de
hemácias frescas de galinha.
Se os resultados forem inconclusivos, uma ou duas passagens devem ser feitas usando fluido de
ovos originais.
Fluidos de embriões vivos ou mortos devem ser empregados separadamente, para inóculo nestas
passagens.
Se a atividade hemoaglutinante atribuível ao produto for observada, a partida é insatisfatória.
II.3.e.3) Detecção de agentes citopatogênicos.
Corar cada camada com corante citológico apropriado.
Examinar a área total de cada monocamada corada, para evidência de corpos de inclusão, número
anormal de células gigantes ou outra indicação citopatológica de anormalidade celular atribuível a agentes
estranhos.
II.3.e.4) Hemoadsorção
II.3.e.4.a) Lavar a monocamada com diversas trocas de PBS.
II.3.e.4.b) Adicionar o volume adequado de uma suspensão a 0,2 % de hemácias, para cobrir a superfície da
monocamada. Suspensões ou hemácias lavadas de cobaia ou tipo “O” humana devem ser usadas. Estas
suspensões devem ser misturadas antes de serem adicionadas à monocamada ou usadas separadamente em
monocamadas separadas.
II.3.e.4.c) Incubar a mo nocamada a 4o C por 30 minutos. Lavar com PBS e observar a hemoadsorção.
II.3.e.4.d) Se a hemoadsorção não for aparente, repetir o item “b” e incubar as monocamadas a 20 o C - 25o C por
30 minutos. Lavar com PBS e examinar para hemoadsorção. Se desejar, monocamadas separadas podem ser
usadas para cada temperatura de incubação. Se citopatologia ou hemoadsorção atribuível a um agente estranho
for encontrada, o material testado será insatisfatório.
II.3.e.5) Detecção de patógenos estranhos pela inoculação em ovos embrionados
O produto biológico a ser testado deve ser preparado como recomendado na bula ou, no caso de
vacinas liofilizadas, rehidratado com 30 ml de água destilada estéril.
Um volume de vacina preparada deve ser misturado com 9 volumes de anti-soro inativado pelo
calor, estéril, específico para neutralizar o vírus vacinal. Cada lote de anti-soro deve ser certificado através do
teste de neutralização de vírus que não inibe outros vírus que possam ser contaminantes.
Depois da neutralização, 0,2 ml da mistura vacina-soro devem ser inoculados em cada um dos 30
embriões susceptíveis.

159
Se um vírus “master seed”, ou uma bactéria de vacina está sendo testada, a substância deve ser
diluída, sendo que cada 0,2 ml contém vírus neutralizado, equivalente a 10 doses de vacina.
II.3.e.5.1) Inocular a substância em 3 grupos de 10 ovos embrionados:
Grupo 1 - 0,2 ml na cavidade alantóica de cada ovo com 9 a 10 dias de idade.
Grupo 2 - 0,2 ml na membrana corioalantóica (CAM) de cada ovo com 9 a 10 dias de idade.
Grupo 3 - 0,2 ml no saco da gema de cada ovo com 5 a 6 dias de idade.
Fazer ovoscopia dos ovos dos grupos 1 e 2 diariamente por 7 dias e do grupo 3, por 14 dias.
II.3.e.5.2) Dispensar os embriões que morreram nas primeiras 24 horas, com morte não específica. O teste é
válido se pelo menos 6 embriões de cada grupo sobreviverem depois das primeiras 24 horas após a inoculação.
II.3.e.5.3) Examinar as anormalidades de todos os embriões que morreram durante as 24 horas pós-inoculação.
Examinar também possíveis anormalidades das membranas corioalantóicas destes ovos e testar os fluidos
alantóicos para a presença de agentes hemoaglutinantes. Além disso, centrifugar em baixa velocidade os fluidos
alantóicos dos ovos embrionados, inoculados via saco alantóico, para depositar as células. Estas células são
examinadas pelo teste de anticorpo fluorescente para o vírus da Bronquite Infecciosa.
II.3.e.5.4) Se ocorrerem mortes ou efeitos atribuídos ao produto, efetuar uma posterior passagem em embrião.
Fazer um “pool” de material de embriões vivos e mortos, separadamente, e inocular cada “pool” em 10 ovos para
cada uma das vias descritas no item 1; material de membrana corioalantóica deve ser inoculado na membrana
corioalantóica; fluidos alantóicos, na cavidade alantóica e gema, no saco da gema.
II.3.e.6) Detecção de Patógenos estranhos pela inoculação em aves
Este teste deve ser realizado se for indicado nas “master seed” ou produtos, quando o teste II.3.e.5
não for possível, por não se conseguir neutralizar suficientemente o agente.
O produto biológico a ser testado deve ser preparado como recomendado no rótulo ou, no caso das
vacinas liofilizadas, rehidratado com água destilada estéril (30 ml para 1000 doses).
Pelo menos 25 aves jovens, saudáveis e susceptíveis, identificadas e obtid as do mesmo lote e
galpão, devem ser imunizadas pelo menos 14 dias antes do início do teste. O agente imunizante deve ser o
mesmo que o produto a ser testado, porém de uma partida previamente testada e aprovada.
Pelo menos 20 aves devem ser inoculadas com 10 doses de vacina a ser testada através das
seguintes vias: subcutânea, intratraqueal, ocular e escarificação (1cm2 ). 20 aves devem ser usadas para cada via
ou combinação destas.
Pelo menos 5 aves devem ser isoladas como controles.
Todas as aves devem ser observadas por 21 dias, para sinais de doenças septicêmicas ou
respiratórias, e outras condições patológicas.
Se os controles permanecerem saudáveis e reações desfavoráveis ao produto ocorrerem nas aves
vacinadas, a partida será reprovada.
Se os controles não permanecerem saudáveis ou se reações desfavoráveis não atribuídas ao produto
ocorrerem nas aves vacinadas, ou ambos, o teste será inconclusivo e deverá ser repetido.
Se o teste não for repetido, a partida será reprovada.
II.3.e.7) Detecção de Vírus de Reticuloendoteliose (REV)
Inocular semente neutralizada com anti-soro monoespecífico em 5 cultivos de fibroblastos de
embrião de galinha com 8 a 10 dias de idade, e deixar adsorver durante 1 hora; em seguida, drenar os líquidos e
colocar meio de crescimento.
Inocular 3 cultivos com (REV) (controles positivos) e manter 3 cultivos como controles negativos.
Os três cultivos são incubados a 37o C +/- 1 e subcultivados duas vezes com três ou quatro dias de
intervalo, sendo o último subcultivo preparado sobre lâminas de 20 mm.
Testar os cultivos sobre lâminas com anticorpos fluorescentes, para detectar a presença do vírus de
REV.
A semente será rejeitada se for detectado REV em qualquer uma das amostras inoculadas com a
mesma.
O teste será validado se for detectado REV nos três controles positivos e em nenhum dos três
controles negativos.
II.3.e.8) Detecção do vírus da Anemia do Frango (CAA)
Prepare 12 frascos de 25 cm3 com 20 ml de suspensão de células fibroblastóides MDCC - MSB1
(concentrações de 5,0 x 105,0 células por ml).
Após ser neutralizado com soro monoespecífico, o vírus-semente é inoculado em 5 frascos.
Simultaneamente serão inoculados 4 frascos com a cepa cux-1 de CAA como controles positivos, e serão

160
mantidos 3 frascos sem inocular como controles negativos. As suspensões são subcultivadas 8 vezes com
intervalos de 2 a 3 dias, diluindo 1:5 em meio fresco e a 37 o C +/-1.
No final do período de incubação são centrifugadas as células de cada suspensão a baixa velocidade
(400 G) por 10 minutos e são ressuspendidas a 10 6,0 células por ml. Volumes de 25 microlitros são colocados em
cavidades de uma lâmina multiescavada e depois de secá-las com ar o teste de imunofluorescência indireta (IFI)
lhe é aplicado.
Durante as subculturas, a presença de CAA pode ser evidenciada pela mudança de coloração nas
culturas infectadas, onde os fluídos se tornam vermelhos em comparação com as culturas-controle. Se em algum
estágio uma mudança de cor metabólica sugerir a presença de CAA, o IFI deverá ser executado para confirmar a
observação.
A semente será rejeitada se o teste de CAA for positivo em qualquer das suspensões inoculadas
com a mesma. O teste é valido se o CAA for detectado nos 4 controles positivos e em nenhum dos controles
negativos.
II.3.f) Inativação
Cada lote de antígeno para preparação de vacinas inativadas deve ser testado em substratos
específicos para a detecção de total inativação, conforme descrito no item específico do produto.
II.3.g) Eficácia
Para aferir a eficácia do produto final deve ser utilizado um teste em aves SPF ou seja, sorologia
e/ou potência (DP 50 ou % de proteção) e/ou outros testes validados pelo órgão oficial controlador, que certificará
as cepas do desafio. Os testes realizados com cepas não certificadas não terão valor legal.
II.3.g.1) Sorologia
Serão vacinadas 20 aves SPF, na idade mínima de 2 a 4 semanas, pela via indicada pelo fabricante.
Para cada lote serão mantidos, no mínimo, 5 testemunhos. Vinte e um dias após a vacinação, as aves serão
sangradas, para avaliação sorológica (índice de soroconversão). Os níveis de soroconversão são definidos nos
itens específicos de cada produto.
II. 3.g.2) Potência
II.3.g.2.1) DP 50
A proteção é aferida utilizando-se 4 grupos de 20 aves oriundas de plantéis SPF, com idade mínima
indicada pelo fabricante, reservando-se um dos grupos como testemunho.
Os lotes são vacinados com 1/100, 1/50 e 1/25 de dose, utilizando uma seringa micrométrica. A
vacina poderá ser diluída em um diluente que não afete a potência e/ou condições físicas originais da vacina,
devidamente comprovadas. Decorridos 21 dias as aves são inoculadas pela via adequada à cepa de desafio, com
dose infectante suficiente para apresentar 90 % de infecção nos testemunhos de uma amostra no vírus-padrão,
certificada pelo órgão oficial controlador. As aves são observadas diariamente por um período mínimo de 10
dias, e o grupo testemunho deve apresentar, no mínimo, 90 % de infecção. O número de aves de cada grupo que
sobreviver sem mostrar qualquer evidência clínica da doença em questão é anotado, e a potência da vacina é
calculada pelo método estatístico padrão, devendo ser definido para cada vírus com limite inferior de confiança
(p= 0,95) definido em cada produto.
II.3.g.2.2) % Proteção
De acordo com cada doença específica.
II.3.g.2.3) Imunogenicidade
Cada lote de vírus “master seed”, usado para a produção de vacinas, deve ser testado conforme
descrito para as normas específicas de cada produto.
O vírus “master seed” deve ser retestado para imunogenicidade a cada 3 anos, a menos que o uso do
lote previamente testado tenha sido descontinuado.
Somente uma via de administração, recomendada na bula, necessita ser usada no reteste.
II.3.h) Testes físico - químicos
II.3.h.1) Umidade residual
A umidade residual será verificada através de métodos convencionais, e deve ser, no máximo, de
3%.
II.3.h.2) Vácuo/ gás inerte
O vácuo/ gás inerte deve ser satisfatório e pesquisável através do detector de vácuo, sendo o gás
inerte pesquisado conforme indicação técnica fornecida pelo fabricante.
II.3.h.3) pH
A concentração hidrogeniônica deve ser determinada através de peagâmetro aferido em solução
tampão de pH, imediatamente antes do uso. O pH deve ser específico para cada produto.

161
II.3.h.4) Volume
Todo produto líquido, medido entre 22o C a 25o C, deve conter o volume indicado no rótulo, aferido
por metodologia validada.
II.3.h.5) Viscosidade
É compatível com o tipo de emulsão definida pelo fabricante do produto.
II.3.h.6) Estabilidade
É compatível com o tipo de emulsão definida pelo fabricante, conforme descrição da metodologia
no relatório de registro do produto.
II.3.h.7) Concentração
O volume celular pode ser avaliado por espectrofotometria ou PCV (método de Fitsch-Hopkins).
II.3.h.8) Sensibilidade
Cada lote de antígeno deverá ser testado frente a soros-padrão monoespecíficos positivos e
negativos, ou outros reconhecidos pelo órgão oficial controlador.
II.3.h.9) Tempo de reconstituição
Quando adicionados os diluentes aos produtos liofilizados, estes deverão apresentar tempo de
reconstituição igual ou menor a 60 segundos.
II.3.h.10 Osmolaridade
A osmolaridade é aferida pelo teste de osmometria, e os produtos devem estar entre os valores de
260 a 320 mohms.

II.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO


II.4.a) Vencimento
O prazo de validade será definido no regulamento específico para cada produto. No caso de
produtos associados, prevalecerá o menor prazo.
II.4.b) Conservação e estocagem
Definidas de acordo com o regulamento específico de cada produto
II.4.c) Transporte
De acordo com regulamento específico de cada produto.
II.4.d) Biossegurança
De acordo com regulamento específico de cada produto.
II.4.e) Dose e vias de aplicação
De acordo com regulamento específico de cada produto.

CAPÍTULO III
Vacinas Vivas

III.1) VACINAS VIVAS MONOVALENTES


III.1.1) VACINA CONTRA DOENÇA DE NEWCASTLE
III.1.1.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra a doença de Newcastle devem ser preparadas a partir de tecidos ou fluidos obtidos
de ovos embrionados de galimnhas SPF ou cultivo celular
III.1.1.2) Da semente
III.1.1.2.1) Amostras
As vacinas vivas atenuadas da Do ença de Newcastle serão preparadas com amostra semente que
foi submetida a um teste que revelou um índice de patogenicidade intracerebral (IPIC) de: menos que 0,4, se cada
ave recebeu pelo menos 10 7,0 DI 50 por teste ou, pelo menos, de 0,5, se cada ave recebeu pelo menos 10 8,0 DI 50
por teste.
III.1.1.2.2) Controle da semente
Será feito conforme prescrito no item II.3, dos procedimentos de controle, exceto itens II.3.a.4,
II.3.c.1, II.3.c.2, II.3.f, II.3.h.4, II.3.h.5, II.3.h.6, II.3.h.7, II.3.h.8, II.3.h.9 e II.3.h.10.
III.1.1.2.2.a) Identificação da amostra viral
A vacina reconstituída é neutralizada por um soro imunoespecífico inativado. A mistura é deixada
por 30 minutos a 20o C e inoculada à razão de 0,2 ml via cavidade alantóica, em 5 ovos embrionados SPF, de 9
dias. A pesquisa de hemaglutininas no líquido alantóico deve ser negativa após 4 a 7 dias de incubação a 37o C, e
positiva nos controles inoculados com a vacina não neutralizada. Para identificação positiva, pelo menos 100 DI
50 do vírus vacinal devem ser neutralizadas perante o soro.

162
III.1.1.2.2.b) Índice de Patogenicidade intracerebral (IPIC)
A partir do líquido alantóico viral com título HA maior do que 24,0 diluído a 1:10 em salina
isotônica estéril, inocular 0,05 ml , pela via intracerebral, em 10 (dez) pintos SPF de 1 dia de idade.
Examinar os pintos diariamente por 8 (oito) dias, anotando o resultado :
Pintos saudáveis = 0
Pintos doentes = 1
Pintos mortos = 2
Decorrido aquele tempo, calcular o índice médio do período.
Nas amostras do vírus da enfermidade de Newcastle mais virulenta (velogênicas), este índice
aproxima-se de 2,0, enquanto nas cepas lentogênicas este índice se aproxima de 0,0 (zero vírgula zero).
III.1.1.2.2.c) Tempo médio de morte embrionária
Após realizar diluiç ões decimais, na faixa de 10 -6 a 10 -9 do líquido alantóico viral, em solução
salina, inocular 0,1 ml de cada diluição em, no mínimo, 5 ovos embrionados SPF, de 8 a 11 dias de idade, pela
via alantóica, e incubar os ovos a 37o C.
Deixar uma amostra do mesmo líquido alantóico na geladeira, por 8 horas, e depois inocular 0,1 ml
de cada diluição em, no mínimo, 5 ovos da mesma idade, e incubar a 37 o C.
Observar os ovos durante 7 dias, 2 vezes por dia.
Registrar o tempo médio de morte dos embriões.
A dose letal mínima será a maior diluição que mata todos os embriões.
TME é o tempo médio, em horas, em que a dose letal mínima mata os embriões, e se classifica em:
Velogênica - menos de 60 horas para matar
Mesogênica - entre 60 e 90 horas para matar
Lentogênica - mais de 90 horas para matar.
III.1.1.2.2.d) Proteção
O teste será efetuado com um lote piloto, sempre que ocorrer mudança do vírus “master seed”.
Serão utilizadas 30 aves SPF com a menor idade de vacinação recomendada pelo fabricante, sendo 20 vacinadas
com uma dose por, pelo menos uma das vias de aplicação indicadas pelo fabricante, e 10 aves mantidas
separadamente como testemunho. Após 21 (vinte e um) dias, os lotes serão desafiados com o vírus de referência
aprovado pelo órgão oficial controlador, com a dose de 10 5,0 DL 50, via intramuscular. As aves serão observadas
diariamente por um período mínimo de 10 dias. A vacina deverá ser considerada satisfatória se, no mínimo, 90 %
das aves vacinadas sobreviverem, sem apresentar sinais clínicos da doença. O teste será válido se, no mínimo, 90
% das aves testemunhos morrerem ou apresentarem sinais clínicos da doença.
III.1.1.2.2.e) Imunogenicidade
Aves SPF, susceptíveis à Doença de Newcastle, todas da mesma idade e da mesma origem, devem
ser usadas.
20 ou mais aves devem ser vacinadas para cada método de administração recomendado pelo
fabricante.
10 aves, da mesma idade e da mesma origem, devem ser usadas como controles não vacinados.
Uma média geométrica do título do produto acabado, produzido a partir da maior passagem do
vírus “master seed”, deve ser estabelecida antes que o teste de imunogenicidade seja conduzido. Cada lote
vacinado deve receber uma quantidade pré-determinada da vacina. 5 titulações da vacina devem ser feitas, para
confirmar a dose administra da em cada lote de aves usadas no teste.
No mínimo 3 diluições apropriadas (com intervalos que não excedam a escala decimal) devem ser
usadas, e o teste deve ser conduzido da seguinte forma:
Para cada diluição, injetar pelo menos 0,1 ml em pelo menos 5 embriões, de 9 a 11 dias de idade, na
cavidade alantóide. Descartar os mortos após 24 horas. Pelo menos 4 embriões de cada diluição devem
permanecer viáveis após 24 horas.
Examinar os embriões sobreviventes, para evidência de infecção, 5 a 7 dias após a inoculação. Uma
titulação satisfatória deve ter, pelo menos, uma diluição com valor entre 50 e 100 % de positivos e pelo menos
uma diluição com 50 e 0 % de positivos.
Calcular o DI 50 pelo método Spearman-Karber, Reed-Muench ou equivalente.
20 a 28 dias após a vacinação, todas as aves, vacinadas e controles, devem ser desafiadas
intramuscularmente com, pelo menos, 10 4,0 DI 50 de vírus por ave e observadas diariamente durante 14 dias. O
vírus desafio deve ser certificado pelo órgão oficial controlador.
Se pelo menos 90 % dos controles não desenvolverem sinais clínicos da doença de Newcastle,
durante o período de observação, o teste é inconclusivo e deve ser repetido.

163
Se pelo menos 19 de 20, ou 27 de 30 ou 36 de 40 das aves vacinadas de cada grupo, não
permanecerem livres de sinais clínicos da doença de Newcastle, durante o período de observação, o vírus “master
seed” é insatisfatório.
III.1.1.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
III.1.1.3.a) Esterilidade
Vide item II.3.a., exceto II.3.a.4.
Fica facultada, ao Laboratório produtor, a realização do teste de esterilidade para Salmonella, desde
que o mesmo tenha sido realizado durante o processo de produção.
III.1.1.3.b) Patógenos estranhos
Os testes relacionados neste item podem ser executados no produto final ou durante o processo de
produção.
III.1.1.3.b.1) Detecção de patógenos pela inoculação em ovos embrionados
Vide II.3.e.5)
III.1.1.3.b.2) Leucose aviária
Vide item II.3.e.1.
III.1.1.3.b.3) Virus hemaglutinantes
Vide item II.3.e.2.
III.1.1.3.b.4) Detecção de patógenos estra nhos, pela inoculação em aves
Vide item II.3.e.6.
III.1.1.3.b.5) Detecção de agentes citopatogênicos
Vide item II.3.e.3
III.1.1.3.b.6) Hemoadsorção
Vide item II.3.e.4.
III.1.1.3.c) Titulação
A determinação do conteúdo viral é realizada a partir de amostras que foram mantidas a 37 o C por 7
dias, para estabilidade térmica. O teste será realizado em ovos embrionados SPF de 9 a 11 dias de idade,
inoculados na cavidade alantóica com 0,1 ml de diferentes diluições, utilizando o mínimo de 5 ovos por diluição.
Os embriões são mantidos a 37 o C por 5 a 7 dias, e posteriormente colocados a 4 o C, de 12 a 18
horas. As hemaglutininas são pesquisadas e o título é calculado, devendo possuir, no mínimo, 10 5,5 DI 50 por
dose de vacina. Caso ocorra variação de 10 0,5 do título mínimo exigido, será realizado um novo teste, utilizando-
se o dobro de número de frascos utilizados no teste inicial. Variações maiores não terão direito ao novo teste nem
ao reteste. Persistindo, no novo teste, título inferior à exigência mínima da prova, a vacina será considerada
insatisfatória.
III.1.1.3.d) Eficácia
A eficácia do produto é testada segundo um dos testes descritos :
III.1.1.3.d.1) Proteção
Vide item III.1.1.2.2.d.
III.1.1.3.d.2) Sorologia
Serão vacinadas 20 aves SPF com idade mínima de 2 a 4 semanas pela via indicada pelo fabricante.
Para cada lote serão mantidos, no mínimo, 5 testemunhos. Vinte e um dias após a vacinação, as aves serão
sangradas para avaliação sorológica (índice de soroconversão). Título mínimo de aprovação: HI de 2 5,0 ou 1:32,
utilizando-se 4 unidades hemoaglutinantes.
III.1.1.3.e) Inocuidade
Vide item II.3.d
III.1.1.3.f) Testes físico-químicos
III.1.1.3.f.1) Umidade residual
Vide item II.3.h.1.
III.1.1.3.f.2) Vácuo/ gás inerte
Vide item II.3.h.2.
III.1.1.3.f.3) pH
Vide item II.3.h.3.
Deverá ser de 7 +/- 0,5.
III.1.1.3.f.4) Tempo de reconstituição
Vide item II.3.h.9.
III.1.1.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
III.1.1.4.a) Vencimento

164
O prazo de validade das vacinas será de 24 meses, considerado a partir da data final da liofilização.
III.1.1.4.b) Conservação e estocagem
O produto deverá ser conservado à temperatura entre 2o C a 8o C, ao abrigo da luz, e protegido de
fontes de radiação.
III.1.1.4.c) Transporte
O produto deve ser transportado em embalagem ou veículo isotérmico, com gelo conservante ou
unidade de refrigeração que mantenha a temperatura entre 2o C a 8o C.
III.1.1.4.d) Biossegurança
III.1.1.4.d.1) Para uso do produto por via aerosol deve ser exigido que o operador use o equipamento de proteção
individual.
III.1.1.4.d.2) Após a utilização, os resíduos de embalagem devem ser incinerados ou descontaminados por
processos químicos adequados.
III.1.1.4.d.3) Reações adversas, contra-indicações, precauções e efeitos colaterais devem constar das bulas que
acompanham a embalagem.
III.1.1.4.d.4) No caso de quebra do frasco do produto liofilizado, desinfetar imediatamente o local com produto
químico adequado, e depositar os detritos em local apropriado.
III.1.1.4.e) Doses e vias de aplicação
O produto pode ser aplicado através das vias ocular, nasal, oral, intramuscular, subcutânea ou
aerosol, com uma dose de vacina por ave, conforme especificações do fabricante.
III.1.2) VACINA CONTRA BRONQUITE INFECCIOSA DAS GALINHAS
III.1.2.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra a Bronquite Infecciosa das Galinhas devem ser preparadas a partir de tecidos ou
fluídos obtidos de ovos embrionados de galinha SPF ou cultivo celular.
III.1.2.2) Da semente
III.1.2.2.1) Amostras vacinais
As vacinas são elaboradas com amostras comprovadamente eficientes na profilaxia da bronquite
infecciosa das galinhas. A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial
controlador.
III.1.2.2.2) Controle da semente
Vide item III.1.1.2.2.
III.1.2.2.2.a) Identificação da amostra viral
A identificação da a mostra viral é feita através do teste sorológico com soro monoespecífico.
III.1.2.2.2.b) Eficácia
Para aferir a eficácia do produto, um teste, com soro de aves SPF, deve ser utilizado. O teste
sorológico deve ser conduzido com cepa homóloga, e deverá apresentar índice de soroneutralização (ISN) maior
ou igual a 10 2,0 .
III.1.2.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
III.1.2.3.a) Esterilidade
Vide III.1.1.3.a.
III.1.2.3.b) Detecção de patógenos, pela inoculação em ovos embrionados
Vide item II.3.e.5.
III.1.2.3.c) Titulação
Toda partida de vacina será titulada usando-se, para cada diluição, pelo menos 5 embriões com 9 a
11 dias de incubação, inoculando 0,1 ml via cavidade alantóide e desprezando os embriões mortos nas primeiras
24 horas após a inoculação.
O teste apenas será válido se, no mínimo, 4 embriões para cada diluição sobreviverem após 24
horas.
Os embriões serão examinados do 5o ao 7o dias após a inoculação, considerando positivos aqueles
com evidência de lesões típicas do vírus da Bronquite infecciosa.
A vacin a deve conter não menos de 10 2,0 DI 50 do vírus por dose de vacina, até o final do prazo de
validade indicado pelo produtor.
III.1.2.3.d) Eficácia
Vide item III.1.2.2.2.b
III.1.2.3.e) Inocuidade
Vide item II.3.d.
III.1.2.3.f) Testes físico - químicos

165
III.1.2.3.f.1) Umidade residual
Vide II.3.h.1
III.1.2.3.f.2) Vácuo/ gás inerte
Vide item II.3.h.2.
III.1.2.3.f.3) pH
7, +/- 0,5.
III.1.2.3.f.4) Tempo de reconstituição
Vide II.3.h.9
III.1.2.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
III.1.2.4.a) Vencimento
O prazo de validade das vacinas será, no máximo, 15 meses a contar da data da fabricação,
considerada a partir da data final da liofilização.
III.1.2.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b.
III.1.2.3.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c.
III.1.2.3.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d.
III.1.2.3.e) Doses e vias de aplicação
O produto pode ser aplicado através das vias oral, nasal ou aerosol, com uma dose de vacina por
ave, segundo especificações do fabricante.
III.1.3) VACINA CONTRA DOENÇA DE GUMBORO
III.1.3.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra a Doença de Gumboro devem ser preparadas a partir de tecidos ou fluídos obtidos
de ovos embrionados de galinha SPF ou cultivo celular.
III.1.3.2) Da semente
III.1.3.2.1) Amostras vacinais
As vacinas são elaboradas com amostras comprovadamente eficientes na profilaxia da Doença de
Gumboro. A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
III.1.3.2.2) Controle da semente
Vide item III.1.1.2.2.
III.1.3.2.2.a) Identificação da amostra viral
A identificação é feita através de prova sorológica, com soro mono específico.
III.1.3.2.2.b) Eficácia
% Proteção
O teste será efetuado com uma produção piloto. Utilizam-se trinta aves com, no mínimo, 14 dias de
idade, sendo 20 vacinadas com 1 dose e via in dicada pelo fabricante, e 10 mantidas separadamente, como
controles negativos. Após 21 dias, os 2 lotes serão desafiados com o vírus de referência aprovado pelo órgão
oficial controlador, com dose definida segundo as especificações para o vírus da doença de Gumboro. 3 a 5 dias
após a infecção, todas as aves serão necropsiadas e examinadas para lesões evidentes da doença de Gumboro.
Assim, 90% dos pintos vacinados não devem apresentar tais lesões e, no mínimo, 90% dos
controles não vacinados devem apresentar lesões.
III.1.3.2.2.c) Inocuidade
Vide item II.3.d.
III.1.3.2.2.d) Imunogenicidade
Cada lote de vírus “master seed” deve ser testado quanto à sua imunogenicidade, e a dose de vírus
selecionada para uso deve ser estabelecida conforme segue :
d.1 Aves susceptíveis à Doença de Gumboro, da mesma idade (3 semanas ou menos) e procedência,
devem ser utilizadas. 20 ou mais aves devem ser vacinadas por cada via de administração indicada pelo
fabricante. Dez aves da mesma idade e procedência devem ser mantidas como controles não vacinados.
d.2 O Título Médio Geométrico da vacina produzida a partir da mais alta passagem do vírus
“master seed” deve ser determinado antes do início do teste de imunogenicidade. Cada ave deve receber uma
quantidade pré -determinada do vírus vacinal.
5 titulações do vírus vacinal devem ser realizadas, para confirmar a dose a ser administrada a cada
ave utilizada no teste. No mínimo 3 diluições (com intervalos que não excedam a escala decimal) devem ser
utilizadas para as titulações do vírus vacinal.

166
d.3 Com 28 a 35 dias de idade (porém, no mínimo 14 dias após a vacinação), os grupos de aves
vacinadas e controles devem ser desafiados por via ocular, com uma amostra virulenta do IBDV, certificado pelo
órgão oficial controlador.
d.3.1) 3 a 5 dias após o desafio, todas as aves devem ser necropsiadas e examinadas para lesões
macroscópicas da Doença de Gumboro, incluindo edema peri-bursal e/ou hemorragia e/ou edema no tecido da
Bursa de Fabricius.
d.3.2 Se no mínimo 19 em 20, 27 em 30 ou 36 em 40 aves vacinadas em cada grupo não se
apresentarem livres de lesões características da Doença de Gumboro, o vírus “master seed” deve ser considerado
insatisfatório. Para o teste ser considerado válido, no mínimo 90 % das aves do grupo controle devem apresentar
lesões da Doença de Gumboro.
Se uma porcentagem inferior a 90 % das aves do grupo controle apresentar lesões, o teste é
considerado inconclusivo e deve ser refeito.
d.4 O vírus “master seed” deve ser retestado quanto à sua imunogenicidade 3 anos após o teste
original, a menos que o uso do lote previamente testado tenha sido descontinuado. No reteste, apenas uma via de
administração recomendada pelo fabricante deve ser usada.
III.1.3.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
III.1.3.3.a) Esterilidade
Vide III.1.1.3.a.
III.1.3.3.b) Patógenos estranhos
Vide III.1.1.3.b.
III.1.3.3.c) Titulação
Toda a partida de vacina será titulada usando-se, para cada titulação, pelo menos 5 embriões com 7
a 11 dias de incubação, inoculando 0,1 ml via saco vitelino ou membrana cório-alantóide (m.c.a.) e desprezando-
se os embriões mortos nas primeiras 24 horas pós-inoculação.
O teste só será válido se, no mínimo, 4 embriões para cada diluição sobreviverem às 24 horas.
Os embriões serão examinados do 5o ao 7o dia após a inoculação, considerando positivos aqueles
com evidências de lesões típicas do vírus da Doença de Gumboro.
A vacina deve conter não menos de 10 2,0 DI 50 do vírus por dose de vacina até o final do prazo de
validade indicado pelo produtor. A vacina pode também ser titulada em cultura celular de fibroblasto de embrião
de galinha.
III.1.3.3.d) Eficácia
Vide item II.3.g.
Um dos testes abaixo pode ser realizado:
III.1.3.3.d.1) % Proteção
O teste será efetuado com o produto final. Utilizam-se trinta aves com, no mínimo, 14 dias de
idade, sendo 20 vacinadas com 1 dose e via indicada pelo fabricante, e 10 mantidas separadamente, como
controles negativos.
Após 21 dias, os lotes serão desafiados como controles negativos. Após 21 dias os lotes serão
desafiados com o vírus de referência aprovado pelo órgão oficial controlador, com dose definida segundo as
especificações para o vírus da Doença de Gumboro.
3 a 5 dias depois da infecção, todas as aves serão necropsiadas e examinadas para lesões evidentes
da Doença de Gumboro.
Assim, 90% dos pintos vacinados não devem apresentar tais lesões e, no mínimo, 90% dos
controles não vacinados devem apresentar lesões.
III.1.3.3.d.2) Sorologia
Vide III.1.2.2.2.b.
III.1.3.3.e) Inocuidade
Vide II.3.d.
III.1.3.3.f) Testes físico-químicos
III.1.3.3.f.1) Umidade residual
Vide item II.3.h.1.
III.1.3.3.f.2) Vácuo/ gás inerte
Vide item II.3.h.2.
III.1.3.3.f.3) pH
7, +/- 0,5 .
III.1.3.3.f.4) Tempo de reconstituição

167
Vide item II.3.h.9.
III.1.3.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
III.1.3.4.a) Vencimento
Vide item III.1.1.4.a.
III.1.3.4.b) Estocagem
Vide item III.1.1.4.b.
III.1.3.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c.
III.1.3.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d.
III.1.3.4.e) Doses e vias de aplicação
O produto deve ser aplicado através das vias oral, ocular ou injetável ou intra -ovo, com uma dose
de vacina por ave, segundo especificações do fabricante.
III.1.4) VACINA CONTRA A DOENÇA DE MAREK
III.1.4.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra a Doença de Marek devem ser preparadas a partir de culturas primárias, obtidas de
ovos embrionados de galinha SPF ou cultivo celular de linhagem, devidamente comprovado.
III.1.4.2) Da semente
III.1.4.2.1) Amostras vacinais
As vacinas são elaboradas com amostras comprovadamente eficazes na profilaxia da Doença de
Marek. A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial competente.
III.1.4.2.2) Controle da semente
Vide Item III.1.1.2.2.
III.1.4.2.2.a) Identificação da amostra viral
A identificação é feita através de prova sorológica, com soro monoespecífico.
III.4.2.2.b) Eficácia
A primeira partida produzida após cada mudança de semente principal deverá ser testada quanto à
eficácia, de acordo com o que se segue:
20 aves, de um dia de idade, susceptíveis à Doença de Marek, são vacinadas com a vacina-teste,
segundo as recomendações do fabricante.
20 aves não vacinadas, nas mesmas condições, são deixadas como controles.
Após 4 semanas da vacinação, todas as aves, vacinadas e controles, serão desafiadas com uma dose
cada, de uma cepa desafio, certificada pelo órgão oficial controlador, capaz de provocar, no mínimo, 60 % de
lesões características da Doença de Marek.
Após 4 semanas de desafio, as aves deverão ser sacrificadas e necropsiadas. O teste é válido se, no
mínimo, 60 % dos controles não vacinados apresentarem lesões cara cterísticas da Doença de Marek. A produção
piloto será considerada satisfatória, se 80 % das aves vacinadas estiverem livres de lesões.
III.1.4.3) Do produto final
III.1.4.3.a) Esterilidade
Vide III.1.1.3.a.
III.1.4.3.b) Patógenos estranhos
Vide III.1.1.3.b)
III.1.4.3.c) Titulação
A vacina deve ser reconstituída em diluente produzido pelo próprio fabricante.
A titulação deverá ser feita com, no mínimo, 3 frascos de vacina, devendo conter, no mínimo, título
individual de 1500 PFU’s por dose, no ato de liberação da partida e, no mínimo, 1000 PFU’s por dose, até à data
do vencimento.
A titulação do vírus de vacina é constituída pelo título médio das amostras de vacina.
Simultaneamente será titulada uma vacina de referência de título conhecido. A titulação será
validada, se a vacina de referência apresentar uma variação de até +/- 20 % do título esperado.
III.1.4.3.d) Inocuidade
Vide item II.3.d.
III.1.4.3.e) Testes físico-químicos (Vacinas liofilizadas)
III.1.4.3.e.1) Umidade residual
Vide item II.3.h.1.
III.1.4.3.e.2) Vácuo / gás inerte

168
Vide item II.3.h.2.
III.1.4.3.e.3) pH
7,3, +/- 0,3.
III.1.4.3.e.4) Tempo de reconstituição
Vide item II.3.h.9.
III.1.4.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
III.1.4.4.a) Vencimento
O prazo de validade das vacinas será de 24 meses a contar da data da fabricação, considerada a
partir da data final da liofilização ou congelamento.
III.1.4.4.b) Conservação e estocagem
III.1.4.4.b.1) Liofilizada
Vide item III.1.1.4.b.
III.1.4.4.b.2) Congelada
A vacina deve ser submersa em nitrogênio líquido, em recipientes apropriados, até o momento do
uso.
III.1.4.4.c) Transporte
III.1.4.4.c.1) Liofilizada
Vide item III.1.1.4.c.
III.1.4.4.c.2) Congelada
Transportada em recipiente apropriado, contendo nitrogênio líquido.
III.1.4.4.d) Biossegurança
III.1.4.4.d.1) Para a manipulação do produto é exigido que o operador use o equipamento de proteção individual.
III.1.4.4.d.2) A estocagem e o transporte do produto devem ser feitos com cuidado, para que se tenha boa
ventilação no local, devido à liberação de gás inerte.
III.1.4.4.d.3) Após o uso, os resíduos de embalagem devem ser incinerados ou descontaminados por processos
químicos adequados.
III.1.4.4.d.4) Reações adversas, contra -indicações, precauções e efeitos colaterais devem constar da bula ou
rótulo/bula que acompanham a embalagem.
III.1.4.4.e) Doses e vias de aplicação
O produto deve ser aplicado através das vias intramuscular, subcutânea ou intra-ovo, com uma
dose de vacina por ave, segundo as especificações do fabricante.
III.1.5) VACINA CONTRA VARÍOLA AVIÁRIA (BOUBA)
III.1.5.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Varíola Aviária devem ser preparadas a partir de tecidos ou fluídos obtidos de ovos
embrionados de galinha SPF, cultivo celular ou recombinação genética.
III.1.5.2) Da semente
III.1.5.2.1) Amostras vacinais
São utilizadas amostras comprovadamente eficazes na profilaxia da Varíola Aviária. A utilização
das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
III.1.5.2.2) Controle da semente
Vide item III.1.1.2.2.
III.1.5.2.2.a) Identificação da amostra viral
A identificação é feita através de prova sorológica, com soro monoespecífico.
III.1.5.2.2.b) Atividade viral
Um lote piloto de vacina originária da semente de trabalho deve ser testado para atividade viral.
A atividade viral é aferida utilizando-se um grupo de 20 pintos oriundos de plantéis SPF, com idade
de 1 a 3 dias. Manter 10 aves, no mínimo, sem inocular, como testemunhos. O lote é vacinado com uma dose por
animal, por via membrana da asa, conforme recomendado pelo fabricante.
Observar a partir do 3 o até o 7o dias, quanto à formação de lesões típicas de varíola aviária apenas
no local da inoculação.
É considerado satisfatório se apresentar índice de atividade viral maior ou igual a 90%, e se não for
observado nada anormal nos controles.
III.1.5.2.2.c) Imunogenicidade
Cada lote de vírus “master seed” deve ser testado quanto à sua imunogenicidade, e a dose de vírus
selecionada para uso deve ser estabelecida conforme segue:
c.1 Aves susceptíveis à Varíola Aviária, da mesma idade e procedência, devem ser utilizadas.

169
20 ou mais aves devem ser vacinadas por cada via de administração indicada pelo fabricante. 10
aves da mesma idade e procedência devem ser mantidas como controles não vacinados.
c.2 O Título Médio Geométrico da vacina produzida a partir da mais alta passagem do vírus
“master seed” deve ser determinado antes do início do teste de imunogenicidade. Cada ave deve receber uma
quantidade pré-determinada do vírus vacinal. Cinco titulações do vírus vacinal devem ser realizadas, para
confirmar a dose a ser administrada a cada ave utilizada no teste. No mínimo 3 diluições (com intervalos que não
excedam a escala decimal) devem ser utilizadas para as titulações do vírus vacinal, que devem ser conduzidas
conforme segue:
c.2.1 Para cada diluição viral inocular 0,2 ml, via membrana corioalantóide, em no mínimo 5
embriões com 9 a 11 dias de idade. Desconsiderar as mortes que ocorram durante as primeiras 24 horas após a
inoculação. Para ser um teste válido, no mínimo 4 embriões por diluição devem permanecer viáveis 24 horas
após a inoculação.
c.2.2 Examinar os embriões sobreviventes, para a evidência de infecção 5 a 7 dias após a
inoculação.
c.2.3 Uma titulação satisfatória deve apresentar pelo menos uma diluição com positividade entre 0 e
50%, e pelo menos uma diluição com positividade entre 50 e 100%.
c.2.4 Calcular o título expresso em DI 50 pelo método de Spearman Karber, Reed-Munch ou
equivalente.
c.3 14 a 21 dias após a vacinação, os grupos de aves vacinadas e controles devem ser desafiados,
via membrana da asa, com uma amostra virulenta do vírus da Varíola Aviária, certificado pelo órgão oficial
controlador, e observados diariamente por um período de 10 dias.
Se a via membrana da asa houver sido utilizada para vacinação, a asa oposta deve ser utilizada para
o desafio.
c.4. Se no mínimo 19 em 20, 27 em 30, ou 36 em 40 aves vacinadas em cada grupo não se
apresentarem livres de sinais clínicos da Varíola Aviária, o vírus “master seed” deve ser considerado
insatisfatório. Se no mínimo 90% das aves do grupo controle não apresentarem sinais clínicos de Bouba, o teste é
considerado inconclusivo e deve ser refeito.
c.5 O vírus “master seed” deve ser retestado, quanto à sua imunogenicidade, 3 anos após o teste
original, a menos que o uso do lote previamente testado tenha sido descontinuado.
No reteste, apenas uma via de administração recomendada pelo fabricante deve ser usada.
III.1.5.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
III.1.5.3.a) Esterilidade
Vide III.1.1.3.a.
III.1.5.3.b) Patógenos estranhos
Vide III.1.1.3.b.
III.1.5.3.c) Inocuidade
Vide II.3.d.
III.1.5.3.d) Titulação
A determinação do conteúdo viral é realizada em ovos embrionados SPF, de 9 a 11 dias de idade,
inoculados na membrana corioalantóica com 0,2 ml de diferentes diluições usando, no mínimo, 5 ovos por
diluição. Os embriões são mantidos a 37 o C , de 5 a 7 dias, e o título é calculado.
A vacina deve conter não menos que 10 2,0 DI 50 por dose de vacina até o final do prazo de validade.
A vacina também pode ser titulada em cultura celular de fibroblasto de embrião de galinha.
III.1.5.3.e) Testes físico-químicos
III.1.5.3.e.1) Umidade residual
Vide item II.3.h.1.
III.1.5.3.e.2) Vácuo/ gás inerte
Vide item II.3.h.2.
III.1.5.3.e.3) pH
7,0 , +/- 0,5.
III.1.5.3.e.4) Tempo de reconstituição
Vide item II.3.h.9.
III.1.5.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
III.1.5.4.a) Vencimento
O prazo de validade das vacinas será de 24 meses a contar da data da fabricação, considerada a
partir da data final da liofilização.

170
III.1.5.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b.
III.1.5.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c.
III.1.5.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d.
III.1.5.4.e) Doses e vias de aplicação
As doses e vias de aplicação, segundo as especificações do fabricante.
III.1.6) VACINA CONTRA ENCEFALOMIELITE AVIÁRIA
III.1.6.1.) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Encefalomielite Aviária devem ser preparadas a partir de tecidos ou fluidos obtidos
de ovos embrionados de galinha SPF ou cultivo celular.
III.1.6.2) Da semente
III.1.6.2.1) Amostras vacinais
As vacinas são elaboradas com amostras comprovadamente eficazes na profilaxia da
Encefalomielite Aviária. A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial
controlador.
III.1.6.2.2. Controle das sementes
Vide item III.1.1.2.2.
III.1.6.2.2.a) Esterilidade
Vide item III.1.1.3.a.
III.1.6.2.2.b) Inocuidade
Vide item II.3.d.
III.1.6.2.2.c) Identificação da amostra viral
A identificação é feita através de prova sorológica, com soro monoespecífico.
III.1.6.2.2.d) Patógenos estranhos
Vide III.1.1.3.b.
III.1.6.2.2.e) Imunogenicidade
Cada lote de vírus “master seed” deve ser testado quanto à sua imunogenicidade, e a dose de virus
selecionada para uso deve ser estabelecida conforme segue :
e.1) Aves susceptíveis à Encefalomielite Aviária, da mesma idade (8 semanas ou mais) e
procedência, devem ser utilizadas .
20 ou mais aves devem ser vacinadas por cada via de administração indicada pelo fabricante. 10
aves da mesma idade e procedência, devem ser mantidas como controles não vacinados.
e.2) O Título Médio Geométrico da vacina produzida a partir da mais alta passagem do vírus
“master seed” deve ser determinado antes do início do teste de imunogenicidade. Cada ave deve receber uma
quantidade pré -determinada do vírus vacinal. 5 titulações do vírus vacinal devem ser realizadas, para confirmar a
dose a ser administrada a cada ave utilizada no teste. No mínimo 3 diluições (com intervalo que não exceda a
escala decimal) devem ser utilizadas para as titulações do vírus vacinal , que devem ser conduzidas conforme
segue :
e.2.1) Para cada diluição viral inocular 0,2 ml, via saco da gema, em no mínimo 10 embriões com 5
a 6 dias de idade. Manter 20 embriões da mesma idade e procedência como controles não inoculados.
Desconsiderar as mortes que ocorram durante as primeiras 24 horas após a inoculação. Para ser um teste válido,
no mínimo 4 embriões por diluição devem permanecer viáveis 24 horas após a inoculação.
e.2.2) Os ovos devem ser mantidos separadamente e incubados até à eclosão. Tomar todas as
precauções para que os pintos referentes a cada diluição permaneçam separados. Para ser um teste válido, no
mínimo 75% dos ovos não inoculados devem eclodir.
e.2.3) No terceiro dia após o nascimento, registrar todos os ovos não eclodidos, os embriões mortos,
com paralisia ou ataxia, considerando-os como critérios de infecção.
e.2.4) Uma titulação satisfatória deve apresentar pelo menos uma diluição com positividade entre 0
e 50%, e pelo menos uma diluição com positividade entre 50 e 100%.
e.2.5) Calcular o título expresso em DI 50 pelo método de Spearman Karber, Reed-Munch ou
equivalente.
e.3) 21 dias após a vacinação, os grupos de aves vacinadas e controles devem ser desafiados, por
via intracerebral, com uma amostra virulenta do vírus da Encefalomielite Aviária, certificado pelo órgão oficial
controlador, e observadas diariamente por um período de 21 dias.

171
e.4) Se no mínimo 19 em 20, 27 em 30, ou 36 em 40 aves vacinadas em cada grupo não se
apresentarem livres de sinais clínicos da Encefalomielite Aviária, o vírus “master seed” deve ser considerado
insatisfatório. Se no mínimo 80% das aves do grupo controle não apresentarem sinais clínicos de Encefalomielite
Aviária, o teste é considerado inconclusivo e deve ser refeito.
e.5) O vírus “master seed” deve ser retestado quanto à sua imunogenicidade 3 anos após o teste
original, a menos que o uso do lote previamente testado tenha sido descontinuado.
No reteste, apenas uma via de administração recomendada pelo fabricante deve ser usada.
III.1.6.3 DO CONTROLE DE QUALIDADE
III.1.6.3.a) Esterilidade
Vide III.1.1.3.a
III.1.6.3.b) Patógenos estranhos
Vide III.1.1.3.b
III.1.1.3.c) Inocuidade
Vide II.3.d.
III.1.6.3.d) Eficácia
Proteção
O produto final acabado será administrado conforme recomendações da bula em, pelo menos, 10
aves susceptíveis (SPF).
10 aves da mesma fonte (SPF) e idade são conservadas como controles.
21 dias após a vacinação, aquelas vacinadas e as controles serão infectadas intracerebralmente com
10 3,0 DI 50 de uma amostra desafio de vírus de referência da Encefalomielite aviária, aprovada pelo órgão oficial
controlador, e observadas por 21 dias.
Se menos de 80% dos controles não desenvolverem sinais ou lesões de encefalomielite aviária, o
teste é inconclusivo e deve ser repetido. Se pelo menos 80% das vacinadas não permanecerem livres de sinais de
Encefalomielite aviária, a partida será reprovada.
III.1.6.3.e) Titulação
Toda partida de vacina será titulada usando, para cada titulação, pelo menos 10 ovos embrionados,
de 5 a 6 dias de idade, inoculando 0,2 ml no saco vitelínico (gema).
20 embriões, obtidos da mesma fonte, deverão ser conservados como controles negativos não
inoculados. Descartar todos os mortos durante as primeiras 48 horas após a inoculação.
Os ovos de cada diluição deverão ser conservados em sistema de incubação separado, e deixados
para nascer. Para que o teste tenha validade, pelo menos 75% daqueles não inoculados devem nascer. No 3o dia
após o nascimento normal, serão contados todos os ovos não eclodidos e mortos, pintos paralíticos e atáxicos,
como evidência de positivos à infecção viral.
Uma titulação satisfatória deve ter pelo menos uma diluição entre 50 a 100% de positivos e pelo
menos uma diluição entre 50 a 0% de positivos.
Calcular DI 50 pelo método de Reed-Muench ou Spearman-Karber ou equivalente.
A vacina deve conter não menos que 10 2,5 DI 50 por dose, até o final do prazo de validade.
III.1.6.3.f) Testes físico-químicos (para vacinas liofilizadas)
III.1.6.3.f.1) Umidade residual
Vide item II.3.h.1.
III.1.6.3.f.2) Vácuo/gás inerte
Vide item II.3.h.2.
III.1.6.f.3) pH
7, +/- 0,5.
III.1.6.f.4) Tempo de reconstituição
Vide item II.3.h.9.
III.1.6.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
III.1.6.4.a) Vencimento
III.1.6.4.a.1) Liofilizada
Vide item III.1.1.4.a.
III.1.6.4.a.2) Líquida
Conservação: de -12o C a -18o C, máximo de 24 mes es;
Conservação de 2o C a 8o C , no máximo de 3 meses.
III.1.6.4.b) Conservação e estocagem
III.1.6.4.b.1) Liofilizada

172
Vide item III.1.1.4.b.
III.1.6.4.b.2) Líquida
Conservação: de -12o C a -18o C, máximo de 24 meses;
Conservação de 2o C a 8 o C , no máximo de 3 meses.
III.1.6.4.c) Transporte
III.1.6.4.c.1) Liofilizada
Vide item III.1.1.4.c.
III. 1.6.4.c.2) Líquida
Entre -12o C a -18o C, ou entre 2o C a 8 o C.
III.1.6.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d.
Por se tratar de cepa patogênica para embriões, vacinar somente aves nas condições e na idade
recomendadas pelo fabricante.
III.1.6.4.e) Doses e vias de aplicação
O produto deve ser aplicado através das vias oral, ocular, nasal ou intradérmica, com uma dose de
vacina por ave, segundo as especificações do fabricante.
III.1.7) VACINA ARTRITE VIRAL (TENOSINOVITE AVIÁRIA)
III.1.7.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Artrite Viral (Tenosinovite Aviária) devem ser preparadas a partir de tecidos ou
fluidos obtidos de ovos embrionados de galinha SPF, cultivo celular ou recombinação genética.
III.1.7.2) Da semente
III.1.7.2.1) Amostras vacinais
As vacinas são elaboradas com amostras comprovadamente eficazes na profilaxia da Artrite Viral.
A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
III.1.7.2.2) Controle das sementes
Vide item III.1.1.2.2.
III.1.7.2.2.a) Identificação da amostra viral
A identificação da amostra viral é feita através de prova sorológica, com soro monoespecífico.
III.1.7.2.2.b) Patógenos estranhos
Vide II.3.e.6.
III.1.7.2.2.c) Potência
Vacinar no mínimo 20 aves na idade recomendada e após 3 semanas desafiar o grupo com uma
amostra de vírus de referência, certificado pelo órgão oficial controlador, na via coxim plantar, que produzem
lesões típicas em 90% das aves testemunhas. Manter 10 aves do mesmo lote, isoladas e desafiadas da mesma
maneira, como controles sem vacinar (testemunhos). Observar por 14 dias as aves e se 90% dos testemunhos não
apresentarem sinais de infecção, o teste será repetido.
No mínimo 19 aves em 20 vacinadas devem estar livres dos sintomas, para que o teste seja
satisfatório e o produto piloto aprovado.
III.1.7.2.2.d) Imunogenicidade
Cada lote de vírus “master seed” deve ser testado quanto à sua imunogenicidade, e a dose de vírus
selecionada para uso deve ser estabelecida conforme segue:
d.1 Aves susceptíveis à Artrite Viral, da mesma idade e procedência, devem ser utilizadas. Vacinas
para uso em aves jovens devem ser testadas em aves com a menor idade de vacinação recomendada pelo
fabricante. Vacinas para uso em aves adultas devem ser testadas em aves de 4 ou mais semanas de idade.
20 ou mais aves devem ser vacinadas por cada via de administração indicada pelo fabricante. 10
aves da mesma idade e procedência devem ser mantidas como controles não vacinados.
d.2 O Título Médio Geométrico da vacina produzida a partir da mais alta passagem da “Master
Seed Virus” deve ser determinado antes do início do teste de imunogenicidade. Cada ave deve receber uma
quantidade pré -determinada do vírus vacinal. 5 titulações do vírus vacinal devem ser realizadas, para confirmar a
dose a ser administrada a cada ave utilizada no teste.
d.3 Com 21 a 28 dias de idade os grupos de aves, vacinadas e controles, devem ser desafiados, por
injeção no coxim plantar, com uma amostra virulenta do reovírus, certificado pelo órgão oficial controlador, e
observados diariamente por um período de 14 dias.
Se no mínimo 19 em 20, 27 em 30, ou 36 em 40 aves vacinadas em cada grupo não se apresentarem
livres de lesões características do reovírus, desconsiderando edema transitório com regressão em 5 dias após o
desafio, o vírus “master seed” deve ser considerado insatisfatório. Para o teste ser considerado válido, no mínimo

173
90% das aves do grupo controle devem apresentar lesões caracterís ticas da Artrite Viral, incluindo edema e
descoloração das áreas de articulações.
Se somente uma porcentagem inferior a 90% das aves do grupo controle apresentarem lesões, o
teste é considerado inconclusivo e deve ser refeito.
d.4 O vírus “master seed” deve ser retestado quanto à sua imunogenicidade 3 anos após o teste
original, a menos que o uso do lote previamente testado tenha sido descontinuado.
No reteste, apenas uma via de administração recomendada pelo fabricante deve ser usada.
II.1.7.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
III.1.7.3.a) Esterilidade
Vide III.1.1.3.a.
III.1.7.3.b) Patógenos estranhos
Vide II.3.3.6.
III..7.3.c) Titulação
A vacina deve conter não menos do que 102,0 DI 50 até o final do prazo de validade. A vacina pode
ser titulada em cultivo de fibroblasto de embrião de galinha.
III.1.7.3.d) Potência
Vide item III.1.7.2.2.c.
O teste será realizado com um lote piloto, sempre que ocorrer mudança do vírus “master seed” .
III.1.7.3.e) Testes físico-químicos
III.1.7.3.e.1) Umidade residual
Vide item II.3.h.1.
III.1.7.3.e.2) Vácuo/gás inerte
Vide item II.3.h.2 .
III.1.7.3.e.3) pH
7,0 +/- 0,5.
III.1.7.3.e.4) Tempo de reconstituição
Vide item II.3.h.9.
III.1.7.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
III.1.7.4.a) Vencimento
O prazo de validade das vacinas será de 24 mes es a contar da data de fabricação, considerados a
partir da data final de liofilização.
III.1.7.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b.
III.1.7.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c.
III.1.7.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d.
III.1.7.4.e) Doses e vias de aplicação
O produto pode ser aplicado através das vias oral ou subcutânea, com uma dose de vacina por ave,
segundo as especificações do fabricante.

III.2) VACINAS VIVAS VIRAIS POLIVALENTES


III.2.1) DEFINÇÃO
São imunógenos onde, no mesmo frasco, se encontram várias cepas de um mesmo antígeno de
vacina.
III.2.2) Procedimento de produção e controle
Para efeito de fabricação, controle, distribuição e uso, deve ser observado o disposto no capítulo
III.1, para cada antígeno específico.

III.3) VACINAS VIVAS VIRAIS COMBINADAS


III.3.1) DEFINIÇÃO
São os imunógenos onde, no mesmo frasco, se encontram diferentes antígenos de vacina e cepas.
III.3.2) Procedimentos de produção e controle
Vide item III.2.2.
III.3.3) São citados como referência os seguintes produtos :
III.3.3.a) Vacinas contra a Doença de Newcastle e Bronquite Infecciosa de Galinhas

174
III.3.3.b) Vacina contra Encefalomielite Aviária e Bouba Aviária.
III.3.3.c) Vacina contra a Doença de Marek - cepas SB1 e HVT (Cepas Heterólogas)
III.3.3.d) Vacina contra as doenças de Marek e Gumboro

III.4. VACINAS VIVAS BACTERIANAS MONOVALENTES


III. 4.1) SALMONELLA (Vacina contra Tifo Aviário)
III.4.1.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Tifo Aviário devem ser preparadas a partir de cultura obtida em meios sintéticos
específicos.
III.4.1.2) Da semente e do produto final
III.4.1.2.1) Amostras vacinais
As vacinas são elaboradas a partir de amostras rugosas de Salmonella Gallinarum ou outras
amostras reconhecidamente imunogênicas e não patogênicas. A utilização das amostras ficará condicionada à
aprovação pelo órgão oficial controlador.
III.4.1.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
III.4.1.3.1) Pureza
Reconstituir a vacina em seu próprio diluente e a partir deste frasco se iniciam diluições decimais
em 10 tubos contendo PBS estéril. Fazer duplicata em outros 10 tubos. Inocular 0,1 ml de cada tubo em 3 placas
de AVB e 3 placas de BHI, dispersando o inóculo com alça de Drigalski. Incubar 17 horas a 37 o C , fazer
contagem a 24 e 48 horas, e observar se não ocorreu o crescimento de outras bactérias. O número de colônias
obtido no Ágar BHI deve ser o mesmo obtido no AVB (Ágar Verde Brilhante).
III.4.1.3.2) Provas bioquímicas
A Salmonella 9R, uma cepa rugosa de S. Gallinarum , deverá apresentar reações nas provas
bioquímicas, segundo o padrão da espécie Salmonella Gallinarum. A semente deverá ser semeada em BHI e
AVB (Ágar Verde Brilhante); as colônias semeadas em TSI são submetidas à prova bioquímica.
III.4.1.3.3) Sorologia
As colônias deverão ser submetidas à prova de soro -aglutinação rápida com:
Soro anti-Salmonella, somático, grupo D, fator 9 , ou grupo D.
Solução de acriflavina a 1%. A cepa rugosa 9 R deve aglutinar frente à solução de acriflavina e não
reagir com o soro anti-Salmonella.
III. 4.1.3.4) Controle físico-químico
III.4.1.3.4.a) Umidade residual
Deve ser, no máximo, 3 %.
III.4.1.3.4.b) pH
7,0, +/- 0,5.
III.4.1.3.5) Inocuidade
Vacinar 20 aves SPF com 6 semanas de idade, com 10 doses de vacina. Observar durante 21 dias.
Não deverá ocorrer nenhuma morte. O teste deverá ser repetido se aparecerem reações adversas em uma ou mais
aves. Depois do período de observação, proceder com a coleta de sangue, dessorar e fazer o teste de soro-
aglutinação rápida.
III.4.1.3.6) Título
O título necessário para liberação deve ser maior ou igual a 2,0 x 10 7,0 UFC/ dose.
III.4.1.3.7) Eficácia
Sorologia
Vacinar um grupo de 20 aves (6 semanas de idade) utilizando 10 testemunhos. Leitura após 3
semanas com antígeno de pulorose.
III.4.2) Apresentação
Liofilizada ou líquida.
III.4.3) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
Vide III.1.1.4, exceto III.1.1.4.d.1.
III.4.3.a) Vencimento
O prazo de validade das vacinas será de 24 meses a contar da data da fabricação, considerados a
partir da data final da liofilização.
III.4.3.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b.
III.4.3.c) Transporte

175
Vide item III.1.1.4.c.
III.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d.
Este produto não é recomendável em estabelecimentos que participam do Programa de Sanidade
Avícola.
III.4.e) Doses e vias de aplicação
O produto pode ser aplicado através da via subcutânea, com uma dose de vacina por ave, segundo
as especificações do fabricante.

III.5) VACINAS VIVAS DE MICOPLASMA MONOVALENTE


III.5.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Micoplasmose Aviária devem ser preparadas a partir de cultura obtida em meios
sintéticos específicos. A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
III.5.2) Da semente e produto final
III.5.2.1) Pureza
10 amostras do poduto final ou 4 ml de semente de trabalho são semeadas em meio específico para
Mycoplasma sp. onde deve ser observado somente o crescimento de colônias típicas.
III.5.2.2) Identidade
As colônias específicas do teste de pureza são submetidas à prova de soroaglutinação rápida com
soro específico.
III.5.2.3) Testes físico-químicos
Vide Item III.4.1.3.4
III.5.2.4) Inocuidade
Vide item II.3.d.
III.5.2.5) Titulação
O título mínimo para liberação do produto deve ser obtido em meio específico e os valores devem
ser:
- maior ou igual a 10 6,0 colônias por dose, na técnica de contagem;
- maior ou igual a 10 6,0 na titulação por alteração de cor, por mudança de pH.
III.5.2.6) Teste de eficácia
Sorologia :
Vacinar 20 aves (6 a 8 semanas de idade), observar pelo menos 50 a 60% de soroconversão após 21
dias de vacinação.
III.5.3) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
Vide III.1.1.4, exceto III.1.1.4.d.1.
III.5.3.a) Vencimento
O prazo de validade das vacinas será de 24 meses a contar da data da fabricação, considerados a
partir da data final da liofilização.
III.5.3.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b.
III.5.3.c) Transporte
O produto deverá ser transportado em embalagem ou veículo isotérmico, com gelo conservante ou
unidade de refrigeração que mantenha a temperatura.
III.5.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d.
Este produto não é recomendável em estabelecimentos que participam do Programa de Sanidade
Avícola.
III.5.4.e) Uso e vias de aplicação
O produto pode ser usado pela via subcutânea, com aplicação de uma dose de vacina por ave,
segundo as especificações do fabricante.

CAPÍTULO IV
Vacinas Vivas mais Inativadas

IV.1) VACINA VIVA MAIS INATIVADA MISTA - VÍRUS MAIS BACTÉRIA -


Micoplasma mais toxóide:

176
As vacinas deverão ser testadas segundo os regulamentos específicos para cada antígeno

CAPÍTULO V
Vacinas Inativadas

V.1) VACINA INATIVADA MISTA


Vacina constituída de mistura de vírus, bactérias, fungos, micoplasmas, de espécies iguais ou
diferentes.

V.2) VACINA INATIVADA VIRAL MONOVALENTE


V.2.1) VACINA CONTRA DOENÇA DE NEWCASTLE
V.2.1.1) DA PRODUÇÃO
Vide item III.1.1.1
V.2.1.2) Da semente
V.2.1.2.1) Amostras vacinais
As vacinas inativadas contra a Doença de Newcastle deverão ser preparadas a partir de cepas de
vírus da doença cujo vírus “master seed” tenha sido submetido a um teste que tenha revelado um índice de
patogenicidade intracerebral (IPIC) de menos de 0,7, se cada ave recebeu, ao menos, 10 8,0 DI 50 para a prova .
Vide item III.1.1.2.1
V.2.1.2.2) Controle da semente
Vide item III.1.1.2.2.
V.2.1.2.2.a) Identificação da amostra viral
Vide item III.1.1.2.2.a
V.2.1.2.2.b) Índice de patogenicidade cerebral
Vide item III.1.1.2.2.b
V.2.1.2.2.c) Tempo médio de morte embrionária
Vide item III.1.1.2.2.c
V.2.1.2.2.d) Patógenos estranhos
V.2.1.2.2.d.1) Determinação de Leucose Linfóide Aviária
Vide item II.3.e.1
V.2.1.2.2.d.2) Vírus hemoaglutinantes
Vide item II.3.e.2
V.2.1.2.2.d.3) Detecção de patógenos, pelo teste de inoculação em aves
Vide item II.3.e.6
V.2.1.2.2.d.4) Detecção de patógenos em ovos embrionados
Vide item II.3.e.5
V.2.1.2.2.d.5) Detecção de agentes citopatogênicos
Vide item II.3.e.3
V.2.1.2.2.d.6) Hemoadsorção:
Vide item II.3.e.4.
V.2.1.2.2.e) Potência
Vide item II.3.1.1
V.2.1.2.2.f) Inocuidade
Vide item II.3.d.
V.2.1.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.2.1.3.1) Esterilidade
Vide II.3.a.4.
V.2.1.3.2) Eficácia
Pode ser escolhido um dos testes abaixo
V.2.1.3.1.1) Proteção:
Deverá ser conduzido usando aves susceptíveis, de 2 a 6 semanas de idade, ou na menor idade
recomendada pelo fabricante, sendo vacinado um mínimo de 10 aves com 1 dose, pela via de aplicação indicada
pelo fabricante, e um mínimo de 10 aves como testemunhos.
Após 21 dias, os lotes serão desafiados com uma amostra velogênica de vírus padrão, aprovado
pelo órgão oficial controlador, com a dose de 10 5,0 DI 50 . As aves serão observadas diariamente, por um período
mínimo de 10 dias.

177
O teste será válido se, no mínimo, 90% das aves testemunhas morrerem ou apresentarem sinais
clínicos da doença.
A vacina será considerada satisfatória se, no mínimo, 90 % das aves vacinadas sobreviverem sem
apresentar sinais clínicos da doença.
V.2.1.3.2.2) Sorologia
Serão vacinadas 20 aves SPF, na idade mínima de 2 a 4 semanas, por via indicada pelo fabricante.
Para cada lote serão mantidos, no mínimo, 5 testemunhos.
21 dias após a vacinação, as aves serão sangradas para avaliação sorológica (índice de
soroconversão).
Título mínimo de aprovação: 1:32, usando-se 4 unidades hemoaglutinantes.
V.2.1.3.3) Inativação
Este teste pode ser executado no produto final ou durante o processo de produção.
Cada lote de antígeno usado para a preparação de vacinas inativadas deve ser testado em ovos
embrionados ou em outros substratos específicos, conforme descrito no relatório técnico submetido ao órgão
oficial controlador, para detecção da completa inativação viral.
V.2.1.3.4) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.1.3.5) Testes físico-químicos
V.2.1.3.5.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.2.1.3.5.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5
V.2.1.3.5.c) Estabilidade
Vide item II.3.h.6
V.2.1.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
V.2.1.4.a) Vencimento
O prazo de validade das vacinas será de 24 meses, contados a partir da data do envase.
V.2.1.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b
V.2.1.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c
V.2.1.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d
A inoculação acidental de vacina oleosa, no homem, pode causar séria reação local. O serviço
médico deverá ser advertido imediatamente, e informado de que se trata de vacina em emulsão oleosa.
V.2.1.4.e) Doses e vias de aplicação
O produto deve ser aplicado através das vias intramuscular ou subcutânea, com uma dose da vacina
por ave, conforme especificação do fabricante.
V.2.2) VACINA CONTRA BRONQUITE INFECCIOSA DAS GALINHAS
V.2.2.1) DA PRODUÇÃO
Vide item III.1.2.1.
V.2.2.2) Da semente
V.2.2.2.1) Amostra vacinais
Vide item III.1.2.2
V.2.2.2.2) Controle da semente
V.2.2.2.2.a) Esterilidade
Vide itens II.3.a.2, II.3.a.3. e II.3.a.4
V.2.2.2.2.b) Identificação da amostra viral
Vide item III.1.2.2.a
V.2.2.2.2.c) Patógenos estranhos
V.2.2.2.2.c.1) Determinação de Leucose Linfóide Aviária
Vide item II.3.e.1
V.2.2.2.2.c.2) Vírus hemoaglutinantes
Vide item II.3.e.2.
V.2.2.2.2.c.3) Detecção de patógenos pelo teste de inoculação em aves
Vide item II.3.3.6

178
V.2.2.2.2.c.4) Detecção de patógenos pela inoculação em ovos embrionados
Vide item II.3.3.5
V.2.2.2.2.c.5) Detecção de agentes citopatogênicos
Vide item II.3.e.3
V.2.2.2.2.c.6) Hemoadsorção
Vide item II.3.e.4
V.2.2.2.2.d) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.2.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.2.2.3.1) Esterilidade
V.2.2.3.1.a) Pesquisa de contaminantes de origem bacteriana e micótica
Vide item II.3.a.4
V.2.2.3.2) Eficácia
Sorologia
Para aferir a eficácia do produto final deve ser usado um teste em aves SPF ou seja, sorologia com
cepa homóloga, e deve apresentar o ISN maior ou igual a 10 2,6 , ou título de HI maior ou igual a 2 6,0 .
V.2.2.3.3) Controle da Inativação
Vide item V.2.1.3.3
Este teste pode ser executado no produto final ou durante o processo de produção.
Cada lote de antígeno usado para a preparação de vacinas inativadas deve ser testado em ovos
embrionados ou em outros substratos específicos, conforme descrito no relatório técnico submetido ao órgão
oficial controlador, para detecção da completa inativação viral.
V.2.2.3.4) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.2.3.5) Testes físico-químicos
V.2.2.3.5.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.2.2.3.5.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5
V.2.2.3.5.c) Estabilidade
Vide item II.3.h.6
V.2.2.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
V.2.2.4.1) vencimento
O prazo de validade das vacinas será de 24 meses, contados a partir da data de envase.
V.2.2.4.2) conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b
V.2.2.4.3) transporte
Vide item III.1.1.4.c
V.2.2.4.4) biossegurança
Vide item III.1.1.4.d
V.2.2.4.5) Doses e vias de aplicação
Vide item III.1.2.4.e
V.2.3) VACINA CONTRA DOENÇA DE GUMBORO
V.2.3.1) DA PRODUÇÃO
Vide item III.1.3.1
V.2.3.2) Da semente
V.2.3.2.1) Amostras vacinais
Vide item III.1.3.2.1
V.2.3.2.2.) Controle da semente
V.2.3.2.2.a) Identificação da amostra viral
Vide item III.1.3.2.2.a
V.2.3.2.2.b) Esterilidade
Vide itens II.3.a.3 e II.3.a.4.
V.2.3.2.2.c) Patógenos estranhos
V.2.3.2.2.c.1.) Determinação da Leucose Linfóide Aviária
Vide item II.3.e.1

179
V.2.3.2.2.c.2) Vírus hemoaglutinantes
Vide item II.3.e.2
V.2.3.2.2.c.3) Detecção de patógenos, pelo teste de inoculação em aves
Vide item II.3.e.6
V.2.3.2.2.c.4) Detecção de patógenos, pela inoculação em ovos embrionados
Vide item II.3.e.5
V.2.3.2.2.c.5) Deteção de agentes citopatogênicos
Vide item II.3.e.3
V.2.3.2.2.c.6) Hemoadsorção
Vide item II.3.e.4
V.2.3.2.2.d) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.3.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.2.3.3.1) Esterilidade
Vide II.3.a.4
V.2.3.3.2) Potência
Um dos testes abaixo poderá ser feito
V.2.3.3.2.a) % Proteção
O teste será efetuado com o produto final.
São utilizadas 30 aves com, no mínimo, 14 dias de idade, sendo 20 vacinadas com 1 dose e via
indicada pelo fabricante, e 10 mantidas separadamente, como controles negativos.
Após 21 dias, os 2 lotes serão infectados com uma amostra padrão de vírus patogênico certificado
pelo órgão oficial controlador, que contenha 10 2,0 DI 50 por instilação conjuntival.
3 a 5 dias após a infecção todas serão necropsiadas e examinadas para lesões evidentes da doença
de Gumboro.
A vacina será considerada aprovada, se 80 % dos pintos vacinados não apresentarem lesões; se, no
mínimo, 80% dos controles não apresentarem lesões, o teste será inconclusivo e deverá ser repetido.
V.2.3.3.2.b) Eficácia
Para aferir a eficácia do produto final deve ser usado um teste em aves SPF ou seja, sorologia com
cepa homóloga, e deve apresentar ISN maior ou igual a 10 2,6 .
V.2.3.3.3) Controle da Inativação
Vide V.2.1.3.3
Os lotes de antígenos inativados para o preparo do produto final devem ser testados com inoculação
em culturas de células.
V.2.3.3.4) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.3.3.5) Testes físico-químicos
V.2.3.3.5.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.2.3.3.5.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5
V.2.3.3.5.c) Estabilidade
Vide item II.3.h.6
V.2.3.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
V.2.3.4.a) Vencimento
O prazo de validade será, no máximo, de 24 meses, contados a partir da data do envase.
V.2.3.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b
V.2.3.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c
V.2.3.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d
V.2.3.4.e) Doses vias de aplicação
Vide item III.1.2.4.e
V.2.4) VACINA CONTRA SÍNDROME DA QUEDA DE POSTURA - EDS
V.2.4.1) DA PRODUÇÃO

180
Vacinas contra a Síndrome da Queda de Postura - EDS - devem ser preparadas a partir de ovos
embrionados de galinha SPF, pata, marreca, ou em cultura celular.
V.2.4.2) Da semente
V.2.4.2.1) Amostra vacinais
São utilizadas amostras comprovadamente eficazes na profilaxia da EDS (Síndrome da Queda da
Postura).
A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
V.2.4.2.2) Controle da semente
V.2.4.2.2.a) Identificação da amostra viral
A identificação da amostra viral é feita através de prova sorológica, com soro monoespecífico.
V.2.4.2.2.b) Esterilidade
Vide itens II.3.a.2, II.3.a.3 e II.3.a.3)
V.2.4.2.2.c) Patógenos estranhos
V.2.4.2.2.c.1) Determinação de Leucose Linfóide Aviária
Vide item II.3.e.1
V.2.4.2.2.c.2) Vírus hemoaglutinantes
Vide item II.3.e.2
V.2.4.2.2.c.3) Detecção de patógenos, pelo teste de inoculação em aves
Vide item II.3.e.6
V.2.4.2.2.c.4) Detecção de patógenos, pela inoculação em ovos embrionados
Vide item II.3.e.5
V.2.4.2.2.c.5) Detecção de agentes citopatogênicos
Vide item II.3.e.3
V.2.4.2.2.c.6) Hemoadsorção
Vide item II.3.e.4
V.2.4.2.2.d) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.4.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.2.4.3.1) Esterilidade
Vide II.3.a.4
V.2.4.3.2) Eficácia
Sorologia
Vide item V.2.1.3.2.2
V.2.4.3.3) Controle da Inativação
Vide item V.2.1.3.3
Os lotes de antígenos inativados para o preparo do produto final devem ser testados com inoculação
em culturas de células ou ovos de pata.
V.2.4.3.4) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.4.3.5) Testes físico-químicos
V.2.4.3.5.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.2.4.3.5.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5
V.2.4.3.5.c) Estabilidade
Vide item II.3.h.6
V.2.4.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
V.2.4.4.a) Vencimento
Será de, no máximo, de 24 meses, contados a partir da data do envase .
V.2.4.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b
V.2.4.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c
V.2.4.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d
V.2.4.4.e) Doses e vias de aplicação

181
Vide item III.1.2.4.e
V.2.5) VACINA INATIVADA CONTRA ARTRITE VIRAL ( REO)
V.2.5.1) DA PRODUÇÃO
Vide item III.1.7.1
V.2.5.2) Da semente
V.2.5.2.1) Amostra vacinais
Vide item III.1.7.2.1
V.2.5.2.2) Controle das sementes
V.2.5.2.2.a) Identificação da amostra viral
Vide item III.1.7.2.2.a
V.2.5.2.2.b) Esterilidade
Vide itens II.3.a.2, II.3.a.3 e II.3.a.4).
V.2.5.2.2.c.) Patógenos estranhos
V.2.5.2.2.c.1) Determinação de Leucose Linfóide Aviária
Vide item II.3.e.1
V.2.5.2.2.c.2) Virus hemoaglutinantes
Vide item II.3.e.2
V.2.5.2.2.c.3) Detecção de patógenos pelo teste de inoculação em aves
Vide item II.3.e.6
V.2.5.2.2.c.4) Detecção de patógenos pela inoculação em ovos embrionados
Vide item II.3.e.5
V.2.5.2.2.c.5) Detecção de agentes citopatogênicos
Vide item II.3.e.3
V.2.5.2.2.c.6) Hemoadsorção
Vide item II.3.e.4
V.2.5.2.2.d) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.5.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.2.5.3.1) Esterilidade
Vide II.3.a.4
V.2.5.3.2) Eficácia
Sorologia
Para aferir a sorologia do produto final deve ser usado um teste em aves SPF ou seja, sorologia com
cepa homóloga, e deve apresentar o ISN maior ou igual a 10 2,6 .
V.2.5.3.3) Controle da Inativação
Vide V.2.1.3.3
Os lotes de antígenos inativados para o preparo do produto final devem ser testados com inoculação
em cultura de células.
V.2.5.3.4) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.5.3.3) Testes físico-químicos
V.2.5.3.5.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.2.5.3.5.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5
V.2.5.3.5.c) Estabilidade
Vide item II.3.h.6
V.2.5.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
V.2.5.4.a) Vencimento
Será de, no máximo, de 24 meses, contados a partir da data de envase.
V.2.5.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b
V.2.5.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c
V.2.5.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d

182
V.2.5.4.e) Doses e vias de aplicação
Vide item III.1.2.4.e
V.2.6) VACINA INATIVADA CONTRA SÍNDROME DA CABEÇA INCHADA
V.2.6.1) DA PODUÇÃO
Vacinas contra Síndrome da Cabeça Inchada devem ser preparadas a partir de substratos
apropriados.
V.2.6.2) Da semente
V.2.6.2.1) Amostra vacinais
São utilizadas amostras comprovadamente eficazes na profilaxia da Síndrome da Cabeça Inchada.
A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
V.2.6.2.2) Controle das sementes
V.2.6.2.2.a) Identificação da amostra viral
A identificação da amostra viral será feita através de prova sorológica validada.
V.2.6.2.2.b) Esterilidade
Vide itens II.3.a.2, II.3.a.3 e II.3.a.4
V.2.6.2.2.c) Patógenos estranhos
V.2.6.2.2.c.1) Determinação de Leucose Linfóide Aviária
Vide III.1.1.2.2.e.1
V.2.6.2.2.c.2) Vírus hemoaglutinantes
Vide III.1.1.2.2.e.2
V.2.6.2.2.c.3) Detecção de patógenos, pelo teste de inoculação em aves
Vide III.1.1.2.2.e.3
V.2.6.2.2.c.4) Detecção de patógenos, pela inoculação em ovos embrionados
Vide III.1.1.2.2.e.4
V.2.6.2.2.c.5) Detecção de agentes citopatogênicos
Vide III.1.1.2.2.e.5
V.2.6.2.2.c.6) Hemoadsorção
Vide III.1.1.2.2.e.6
V.2.6.2.2.d) Inocuidade
Vide item II.3.d)
V.2.6.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.2.6.3.1) Esterilidade
Vide II.3.a.4
V.2.6.3.2) Eficácia (Método in vitro )
Método :
Pesquisa de anticorpos específicos da Síndrome da Cabeça Inchada, através do controle sorológico.
Os anticorpos são detectados através de reação imunoenzimática indireta (ELISA).
Vacinar um grupo de 20 aves SPF com uma dose de vacina, por via intramuscular.
Manter um grupo de aves testemunho.
As colheitas de amostras são realizadas aos 21 e 35 dias após a vacinação.
Os soros individuais são testados em ELISA, sendo os resultados expressos em Densidade Ótica
(DO absorbância em espectrofotômetro).
Resultados:
No mínimo 70% das aves vacinadas deverão apresentar soroconversão positiva, para que o lote de
vacina seja considerado satisfatório.
Outros testes validados poderão ser utilizados pelo órgão oficial controlador.
V.2.6.3.3) Controle da Inativação
Vide item V.2.1.3.3
V.2.6.3.4) Inocuidade
Vide item II.3.d
V.2.6.3.5) Testes físico - químicos
V.2.6.3.5.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.2.6.3.5.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5
V.2.6.3.5.c) Estabilidade

183
Vide item II.3.h.6
V.2.6.4) DA COMERCILIAZAÇÃO E USO
V.2.6.4.a) Vencimento
Será de, no máximo, 24 meses contados a partir da data do envase.
V.2.6.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b
V.2.6.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c
V.2.6.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d
V.2.6.4.e) Doses e vias de aplicação
Vide item III.1.2.4.e

V.3) VACINAS INATIVADAS VIRAIS POLIVALENTES


Vide item III.2.1
As mesmas especificações para cada vacina inativada viral monovalente.

V.4) VACINAS INATIVADAS VIRAIS COMBINADAS


Vide item III.3.1
As mesmas especificações para cada vacina inativada viral monovalente.

V.5) VACINAS INATIVADAS BACTERIANAS


V.5.1) VACINA CONTRA CORIZA AVIÁRIA
V.5.1.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Coriza Aviária devem ser preparadas a partir de culturas bacterianas obtidas em
meios sintéticos específicos, inativadas, e apresentadas em adjuvantes oleoso ou aquoso.
V.5.1.2) Da semente
V.5.1.2.1) Amostra vacinais
As vacinas são elaboradas a partir de amostras de Haemophilus paragallinarum, não tóxicas e
livres de agentes contaminantes.
A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
V.5.1.2.2) Identidade
O teste de identidade da semente é feito em meios específicos tais como: Ágar Casman ou meio de
Haemophilus sp, adicionado de NAD (Nicotinamida Adenosina Dinucleotideo), com posterior teste de
identificação bioquímica (catalase negativa), soroaglutinação, coloração de Gram, HI e morfologia das colônias.
V5.1.2.3) Pureza
A amostra da semente é inoculada em meios de cultura que possibilitem evidenciar a presença de
agentes contaminantes.
V.5.1.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.5.1.3.1) Esterilidade para fungos e bactérias
Vide item II.3.a.4
V.5.1.3.2) Controle de Inativação
Vide item V.2.1.3.3
Os lotes de antígenos inativados para o preparo do produto final devem ser testados em ovos ou
meio sintético específico.
V.5.1.3.3) Eficácia
São vacinadas 20 aves SPF, na idade de 2 a 4 semanas, pela via e dose indicadas pelo fabricante.
Para cada lote manter 5 testemunhos; 21 dias após a vacinação, as aves são sangradas para
avaliação sorológica. No mínimo 70 % das aves vacinadas deverão apresentar um título de HI maior ou igual a
1:5, com 4 Unidades Hemaglutinantes.
Outros métodos validados poderão ser utilizados.
V.5.1.3.4) Testes físico-químicos
V.5.1.3.4.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.5.1.3.4.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5

184
V.5.1.3.4.c) Estabilidade:
Vide item II.3.h.6.
V.5.1.3.4.d) pH para Vacina Aquosa:
7.0 a 7.5
V.5.1.4) Da comercialização e uso:
V.5.1.4.a) Vencimento
Será, no máximo, de 24 meses, contados a partir da data do envase.
V.5.1.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b
V.5.1.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c
V.5.1.4.d) Biossegurança
Vide item III.1.1.4.d
No caso de vacina na apresentação aquosa, contendo hidróxido de alumínio, comunicar o Serviço
Médico a respeito de inoculações acidentais, para as devidas providências no tratamento.
V.5.1.4.e) Doses e vias de aplicação
Vide item III.1.2.4.e.
V.5.2. VACINA CONTRA COLIBACILOSE AVIÁRIA
V.5.2.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Colibacilose Aviária devem ser preparadas a partir de culturas bacterianas obtidas
em meios sintéticos específicos, inativadas, e apresentadas em adjuvantes oleoso e aquoso.
V.5.2.2) Da semente
V.5.2.2.1) Amostra vacinais
As vacinas são elaboradas a partir de amostras de E.coli, não tóxicas e livres de agentes
contaminantes.
A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
V.5.2.2.2) Identidade:
O teste de identidade é feito em meios específicos sintéticos, de Ágar Mac Conkey, com posterior
teste de identificação bioquímica, soroaglutinação, coloração de Gram.
V.5.2.2.3) Pureza
Vide item V.6.1.2.3
V.5.2.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.5.2.3.1) Esterilidade para fungos e bactérias:
Vide item II.3.a.4.
V.5.2.3.2) Inativação
Vide item V.2.1.3.3.
Os lotes de antígenos inativados para o preparo do produto final devem ser testados em meio
sintético específico.
V.5.2.3.3) Eficácia
São vacinadas 20 aves SPF, na idade de 2 a 4 semanas, pela via e dose indicadas pelo fabricante.
Manter 10 testemunhos para cada lote.
Vinte e um dias após a vacinação, as aves são sangradas, para avaliação sorológica.
O índice de soroconversão será de 80% para as aves vacinadas, sendo que 80% dos testemunhos
devem ser negativos.
V.5.2.3.4) Testes físico-químicos
V.5.2.3.4.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.5.2.3.4.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5
V.5.2.3.4.c) Estabilidade
Vide item II.3.h.6
V.5.2.3.4.d) pH para Vacina Aquosa
7.0 a 7.5
V.5.2.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
V.5.2.4.a) Vencimento
Será, no máximo, de 24 meses, contados a partir da data do envase.

185
V.5.2.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b.
V.5.2.4.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c.
V.5.2.4.d) Biossegurança
Vide item V.6.1.4.d.
V.5.2.4.e) Doses e vias de aplicação
Vide item III.1.2.4.e
V.5.3. VACINA CONTRA PASTEURELOSE AVIÁRIA
V.5.3.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Pasteurelose Aviária devem ser preparadas a partir de culturas bacterianas obtidas
em meios sintéticos específicos, inativadas e apresentadas em adjuvantes oleoso e aquoso.
V.5.3.2) Da semente
V.5.3.2.1) Amostras vacinais
As vacinas são elaboradas a partir de amostras de Pasteurella, não tóxicas e livres de agentes
contaminantes.
A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
V.5.3.2.2) Identidade
O teste de identidade da semente é feito em meios apropriados, com posterior prova de
identificação bioquímica, soroaglutinação e coloração de Gram.
V.5.3.2.3) Pureza
Vide item V.5.1.2.3.
V.5.3.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.5.3.3.1) Esterilidade para fungos e bactérias
Vide item II.3.a.4
V.5.3.3.2) Controle da Inativação
Vide item V.2.1.3.3
Os lotes de antígenos inativados para o preparo do produto final devem ser testados em meio
sintético apropriado.
V.5.3.3.3) Eficácia
Potência
20 galinhas, com 12 semanas de idade e 20 perus, com 6 semanas de idade, são vacinados com 2
doses, em intervalo de 3 semanas, e desafiados com a respectiva cepa homóloga à vacina, após 14 dias da última
vacinação com, no mínimo, 50 UFC/dose (tipo 3) e com, no mínimo, 250 UFC/ dose (tipo 1).
20 aves serão controles positivos, inoculados com uma vacina referência.
20 aves, da mesma procedência, serão deixadas como controle negativo, isoladas e sem vacinar.
Observar a mortalidade.
O teste será satisfatório se morrerem 6 ou menos aves em 20, e será insatisfatório se morrerem 9 ou
mais aves em 20. Se houver de 7 a 8 aves mortas em 20, deverá ser realizado outro teste. No caso de outro teste,
considerar o acumulado, isto é, 20 aves do primeiro teste e vinte aves do segundo. Se houver 15 ou menos aves
mortas em 40, a vacina será considerada satisfatória; se houver 16 aves mortas em 40, a vacina será insatisfatória.
V.5.3.3.4) Testes físico-químicos
V.5.3.3.4.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.5.3.3.4.b) Viscosidade
Vide item II.3.h.5
V.5.3.3.4.c) Estabilidade
Vide item II.3.h.6
V.5.3.3.4.d) pH para Vacina aquosa:
7.0 a 7.5
V.5.3.4) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
V.5.3.4.a) Vencimento
Será, no máximo, de 24 meses, contados a partir da data do envase.
V.5.3.4.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b.
V.5.3.4.c) Transporte

186
Vide item III.1.1.4.c.
V.5.3.4.d) Biossegurança
Vide item V.6.1.4.d
V.5.3.4.e) Doses e vias de aplicação
Vide item III.1.2.4.e.
V.5.4) ERISIPELOSE DOS PERUS
V.5.4.1) DA PRODUÇÃO
Vacinas contra Erisipelose dos Perus devem ser preparadas a partir de culturas bacterianas obtidas
em meios sintéticos específicos, inativadas, e apresentadas em adjuvantes oleoso ou aquoso.
V.5.4.2) Da semente
V.5.4.2.1) Amostra vacinais
As vacinas são elaboradas a partir de amostras de Erysipelothrix rhusiopatiae, não tóxicas e livres
de agentes contaminantes.
A utilização das amostras ficará condicionada à aprovação pelo órgão oficial controlador.
V.5.4.2.2) Identidade
O teste de identidade da semente é feito em meios específicos, com posterior prova de identificação
bioquímica, soroaglutinação e coloração de Gram.
V.5.4.2.3) Pureza
Vide item V.5.1.2.3.
V.5.4.3) DO CONTROLE DE QUALIDADE
V.5.4.3.1) Esterilidade para fungos e bactérias
Vide item II.3.a.4
V.5.4.3.2) Inativação
Vide item V.2.1.3.3
Os lotes de antígenos inativados para o preparo do produto final devem ser testados em meio
sintético específico.
V.5.4.3.3) Potência (Desafio em camundongos)
Diluir a vacina em teste e o padrão (certificado pelo órgão oficial controlador) em 3 diluições: 1:10,
1:30 e 1:90.
Vacinar 20 camundongos, via subcutânea, com 1/10 dose recomendada para cada diluição.
Deixar um grupo testemunho de 20 animais não vacinados.
Após 14 a 21 dias, desafiar com 100 DL 50 / camundongo, de cepa E. insidiosa, em 0,2 ml, via
subcutânea, todos os vacinados com uma cultura monitorada por densidade ótica.
O grupo não vacinado é utilizado para titulação da cepa de desafio, com o objetivo de saber se
foram utilizadas as DL 50 necessárias.
O teste será inconclusivo se o número de DL 50 ultrapassar 1000.
Após 10 dias, calcular a DP 50 do teste e do padrão, para encontrar a recíproca. A taxa de proteção
(RP) entre teste e padrão não pode ser inferior a 0,6.
V.5.4.3.4) Inocuidade
Deve ser conduzido em cobaias. Dois animais serão inoculados com 2 ml de vacina pelas vias
intramuscular ou subcutânea, e os animais devem ser observados por 7 dias.
Se reações não favoráveis, atribuíveis ao produto, ocorrerem nos animais durante o período de
observação, a partida será consid erada insatisfatória.
Se reações desfavoráveis não forem atribuíveis ao produto, o teste deve ser declarado inconclusivo
e deverá ser repetido.
V.5.4.3.5) Testes físico-químicos
V.5.4.3.5.a) Volumetria
Vide item II.3.h.4
V.5.4.3.5.b) Viscosidade
Vide Item II.3.h.5
V.5.4.3.5.c) Estabilidade
Vide item II.3.h.6
V.5.4.3.5.d) pH para Vacina Aquosa
7.0.a 7.5
V.5.4.3.6) DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
V.5.4.3.6.a) Vencimento

187
Será, no máximo, de 24 meses, contados a partir da data do envase.
V.5.4.3.6.b) Conservação e estocagem
Vide item III.1.1.4.b
V.5.4.3.6.c) Transporte
Vide item III.1.1.4.c
V.5.4.3.6.d) Biossegurança
Vide item V5.1.4.d
V.5.4.3.6.e.) Doses e vias de aplicação
Vide item III.1.2.4.e

V.6) VACINAS INATIVADAS BACTERIANAS POLIVALENTES


Vide item III.2.1

V.7) VACINAS INATIVADAS BACTERIANAS COMBINADAS


Vide III.3.1

V.8) VACINAS INATIVADAS MICOPLASMÁTICAS MONOVALENTES


V.8.1) DA PRODUÇÃO E DA SEMENTE
Vide item III.7.
V.8.2) DO CONTROLE DE QUALIDADE
Vide itens V.2.1.3.1.a., V.2.1.3.3., V.2.1.3.4., V.2.1.3.5., V.2.1.4. (a, b, c, d) e V.2.1.4.e.

V.9) VACINAS INATIVADAS MICOPLASMÁTICAS POLIVALENTES


Vide item V.3

V.10) VACINAS INATIVADAS MICOPLASMÁTICAS COMBINADAS


Vide item V.4.

V.11) VACINAS INATIVADAS MICOPLASMÁTICAS COM SUB -UNIDADES


Vide V.5.

CAPÍTULO VI
Regulamento Técnico para Produção e Controle de Antígenos para Avicultura

VI.1 - ANTÍGENOS BACTERIANOS


VI.1.2.1 - ANTÍGENOS DE PULOROSE E TIPO AVIÁRIO
VI.1.2.1.1 - DA PRODUÇÃO
Deve ser preparado a partir da suspensão de Salmonella Gallinarum de composição antigênica,
conhecida e cultivada em meios sintéticos específicos, inativada e corada por agentes apropriados.
VI.1.2.1.2 - Da semente
VI.1.2.1.2.1 - Amostras vacinais
Devem ser S. Pullorum ou S. Gallinarum estáveis. A utilização das amostras ficará condic ionada à
aprovação pelo OOC.
VI.1.2.1.2.2 -Do controle da semente
Será feito conforme prescrito no item II.3 dos procedimentos de C.Q. exceto itens:
II.3.a.1; II.3.a.2; II.3.a.4; II.3.b.; II.3.c.2; II.3.d.; II.3.e.; II.3.f., II.3.g., II.3.h.
VI.1.2.1.3 - Do produto final
VI.1.2.1.3.1 - Esterilidade
Vide II.3.A.2 - Salmonella (INATIVAÇÃO)
Vide II.3.A.4 - Fungos x bactérias
VI.1.2.1.3.2 - Testes físico-químicos
VI.1.2.1.3.2.1 - pH
a) 4,6 +/ - 0,4 - para antígenos de Soroaglutinação Rápida (SAR);
b) 8,2 à 8,5 - para antígenos de Soroaglutinação Lenta (SAL).
VI.1.2.1.3.2.2. - Concentração celular ou densidade bcateriana é testada segundo um dos métodos descritos:

188
a) NEFELOMETRIA - 80 +/- 15 vezes, o padrão nº 1 da escala MacFARLAND para antígenos de
SAR e 50 +/- 10 vezes o padrão nº 1 da escala MacFARLAND para antígenos de SAL.
b) ESPECTROFOTOMETRIA - de 90 a 120 vezes obtidas em 65% de transmitância em
comprimento de onda de 520 nm, o que corresponde a um volume celular medido por método de
FITSCH-HOPKINS de 3,0% +/ - 0,5 de massas celular após centrifugação a 1.000 G, em tubo de
FITSCH-HOPKINS.
c) PVC - Volume de massa celular de 3,0 +/- 0,5% de massa celular após a centrifugação a 1.000 G
em tubo FITSCH-HOPKINS, por 30 minutos.
Outros métodos podem ser utilizados mediante aprovação de OOC.
VI.1.2.1.3.2.3 - Volumetria
a) Vide II.3.H.4.
VI.1.2.1.3.2.4 - Sensibilidade
Cada lote de antígeno deve ser testado frente a soros padrões monoespecíficos positivos e
negativos, ou outros reconhecidos pelo OOC.
Cada partida do antígeno deve ser testada frente ao sangue total de aves SPF e a pelo menos 12
soros padrões, sendo 3 fortemente positivos, 3 fracamente positivos e no mínimo 6 negativos.
No mínimo 3 soros de aves fortemente positivos devem ser diluidos em soros de aves negativas e
serem usados em ensaios comparativos entre o antígeno em teste e o antígeno padrão. A reação deve evidenciar-
se em 10 a 15 segundos depois da mistura soro -antígeno e se caracteriza pelo aparecimento de grumos de
coloração azul. Na prova negativa a mistura deve manter-se homogênea pelo período mínimo de 2 minutos a
temperatura ambiente (25ºC). A reação frente ao sangue total deve ser negativa. Nenhum teste insatisfatório entre
os 6 soros negativos e não mais que um teste insatisfatório entre os 6 ou mais soros positivos (fortes e fracos)
devem ser permitidos. Todos os testes realizados devem ser incluídos para avaliação do teste de sensibilidade. Na
ocorrência de um teste insatisfatório usando soro positivo (forte ou fraco) no mínimo 3 soros adicionais
fortemente positivos e 3 fracamente positivos devem ser testados.
Se nenhum teste insatisfatório foi obtido com os soros adicionais o antígeno será considerado
satisfatório.
VI.1.2.1.3.2.5 - Homogeneidade
O antígeno não deve apresentar autoaglutinação, flocos ou formas filamentosas quando examinado
macro ou microscopicamente.
VI.1.2.1.4 - DA COMERCIALIZAÇÃO E EMPREGO
VI.1.2.1.4.1 - Vencimento
O antígeno tem validade de 24 meses a partir da data do envase.
VI.1.2.1.4..2 - Conservação e estocagem
O antígeno deve ser conservado à temperatura de 2º C a 8º C, ao abrigo da luz e protegido de fontes
de radiação. Evitar o congelamento que torna o produto inadequado para o uso.
VI.1.2.1.4.3 - Transporte
Vide item III.1.1.4.C
VI.1.2.1.4.4 - Volume
O volume de antígeno para cada teste é de 0,05 ml.
VI.1.2.1.4.5 - Apresentação
O produto deve ser envasado em frasco de vidro neutro âmbar ou plástico opaco, com conta-gotas
ou bico dosador que libere 0,05 ml, nos volumes de 25 ml (500 hastes) ou 50 ml (1000 hastes).
VI.1.2.2 - ANTÍGENOS PARA MICOPLASMOSES AVIÁRIAS
VI.1.2.2.1 - DA PRODUÇÃO
Deve ser preparado a partir de suspensão de micoplasmas aviárias de composição antigênica,
conhecida e cultivada em meios sintéticos específicos, inativada e corada por agentes apropriados.
VI.1.2.2.2 - Da semente
VI.1.2.2.2.1 - Amostras vacinais
Devem ser empregadas amostras de M. gallisepticum, M.synoviae ou M.meleagridis, condicionadas
à aprovação do OOC.
VI.1.2.2.2.2 - Controle da semente
Será feito conforme prescrito em II.3 e xcetos os ítens:
II.3.a.1; II.3.a.2; II.3.a.3, II.3.b., II.3.c., II.3.d., II.3.e; II.3.f.; II.3.g., II.3.h.
II.1.2.2.3 - DO CONTROLE DE QUALIDADE
VI.1.2.2.3.1 - Esterilidade

189
Vide II.3.a.3; II.3.a.4.
VI.1.2.2.3.2 - Testes físico-químicos
VI.1.2.2.3.2.1 - pH
a) para M. gallisepticum: 6,0 +/- 0,2
b) para M. synoviae e M .meleagridis: 7,0 +/ - 0,2
VI.1.2.2.3.2.2 - Concentração celular (DENSIDADE)
A 2,5 ml da amostra do antígeno completo deverão ser adicionados 2,5 ml de solução tampão de
Sorensen a pH 6,0 para antígeno de M. gallisepticum (teste em placa) e a pH 7,0 para antígeno de M. synoviae
(teste em placa), num tubo midificado de Hopkins a 1.000 G em centrífuga refrigerada a 20ºC por 90 minutos. O
volume de células sedimentadas deve ser 1,2% (+/- 0,4%).
VI.1.2.2.3.2.3 - Volumetria
a) Vide II.3.h.4.
VI.1.2.2.3.2.4 - Sensibilidade
Será aplicado o mesmo teste de sensibiliadade para os Antígenos M. gallisepticum e M. synoviae
utilizando os respectivos antígenos e soros padrões.
A sensibilidade de cada antígeno deve ser testada comparando a reação de aglutinação de cada
partida de antígeno, com antígenos padrões de referência, os quais poderão ser fornecidos pelo órgão oficial. Para
o teste deve-se utilizar 5 soros positivos e 5 negativos conhecidos. Os soros negativos devem ser testados frente
ao antígeno não diluídos e os soros positivos devem ser testados frente ao antígeno diluído a 1:4 em “solução
tampão” formulada da mesma maneira que é utilizada no antígeno, devendo o antígeno testado ser diluído no
mesmo veículo e proporção. A reação deve evidenciar-se depois da mistura soro-antígeno, e se caracteriza pelo
aparecimento de grumos. Na prova negativa a mistura deve manter-se homogênea, à temperatura ambiente (+/-
25ºC). Se os soros negativos não apresentarem reações negativas neste teste a partida será considerada
insatisfatória. Se o antígeno testado e o antígeno de referência não apresentarem reações de aglutinação
semelhante em no mínimo 4 de 5 soros positivos utilizados, a partida será considerada insatisfatória.
A sensibilidade do Antígeno de M. meleagridis deve ser testada utilizando-se soros frescos de
perus. Não se pode congelar os soros padrões.
VI.1.2.2.3.25 - Homogeneidade:
Vide VI.1.2.1.3.2.5
VI.1.2.2.3.2.6 - Especificidade:
O Antígeno de M. synoviae deve ser examinada para reações (aglutinação) cruzadas em 5 antisoros
de M. gallisepticum (origem de galinha).
O Antígeno de M. meleagridis deve ser examinado para reações de aglutinação cruzada com 5
antisoros de M. gallisepticum (origem de peru) e 5 antisoros de M. synoviae (origem peru). Os testes devem ser
conduzidos com antígenos não diluídos. Se aglutinação cruzada ocorrer, o lote de antígeno é considerado
insatisfatório.
VI.1.2.2.4 - DA COMERCIALIZAÇÃO E EMPREGO
VI.1.2.2.4.1 - Vencimento
Os antígenos terão prazo de validade de 24 meses.
VI.1.2.2.4.2 - Conservação e estocagem
Vide item VI12.2.1.4.2.
VI.1.2.2.4.3 - Volume
Volume de antígeno para cada teste é de 0,03 ml
VI.1.2.2.4.4 - Apresentação
O produto deve ser envasado em frasco de vidro neutro ou plástico, com conta - gotas para 0,03 ml
de Antígeno.

CAPITULO VII
Diluentes para Uso na Avicultura

VII.1 - DA PRODUÇÃO
Usar água destilada ou água deionizada, ou uma solução formulada estéril aprovada pelo OOC.
O volume total de diluente preparado de uma única vez corresponde a um lote numerado e deve ser
submetido aos testes específicos.

VII.2 - DO CONTROLE DE QUALIDADE

190
VII.2.1 - Esterilidade
Vide item II.3.a.4.
VII.2.2 - Compatibilidade
O diluente deve assegurar o título mínimo exigido, por dose
VII.2.3 - Testes físico-químicos
VII.2.3.1 - pH
Vide item II.3.h.3
a) Diluente para vacina contra a Doença de Marek - 7,3 +/- 0,3
b) Diluente para vacina de Salmonella - 7,0 +/- 0,5
c) Diluente água - 7,0 +/- 1,0
VII.2.3.2 - Volume
Vide item II.3.h.4.
VII.2.3.3 - Osmoralidade
Vide item II.3.h.10, exceto para diluente água, diluente spray e ocular.
VII.2.4 - DA COMERCIALIZAÇÃO E USO
VII.2.4.1 - Vencimento
Os diluentes terão prazo de validade de 36 meses
VII.2.4.2 - Conservação e estocagem
O produto deve ser conservado à temperatura ambiente (+/- 25ºC) e ao abrigo da luz e protegido de
fontes de radiação. Quando conservado junto com a vacina, prevalece a temperatura recomendada para a mesma.
VII.2.4.3 - Biosegurança
Vide item III.1.4.4.d.
VII.2.4.4 - Modo de usar
De acordo com a indicação do produto.

PORTARIA Nº 193, DE 12 DE MAIO DE 1998 - Regulamento Técnico para


o Licenciamento e a Renovação de Licença de Antimicrobianos de Uso
Veterinário

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da


atribuição que lhe confere o Art. 87, Parágrafo único, da Constituição da República, tendo em vista o que dispõe
o Decreto-Lei nº 467, de 23 de fevereiro de 1969, regulamentado pelo Decreto nº 1662, de 06 de outubro de
1995, e

Considerando que os agentes antimicrobianos, pelos benefícios que proporcionam, são fármacos
extensamente utilizados em medicina veterinária para a prevenção e o tratamento das doenças que acometem os
animais;

Considerando que o uso adequado dos antimicrobianos deve proporcionar a eficácia aos produtos
destinados à saúde animal e à segurança para a saúde pública;

Considerando a importância de compatibilizar a legislação nacional, com base nos instrumentos


harmonizados no âmbito do MERCOSUL, referente aos Antimicrobianos de Uso Veterinário, resolve:

Art. 1º - Aprovar o REGULAMENTO TÉCNICO para o licenciamento e a renovação de licença de


ANTIMICROBIANOS de uso veterinário, anexo, elaborado pela Secretaria de Defesa Agropecuária.

Art. 2º - No caso de novas pesquisas demonstrarem a possibilidade do emprego de antimicrobianos


que estejam fora dos requisitos estabelecidos neste regulamento, estes poderão ser aceitos desde que devidamente
comprovados por meio de documentação técnica e ou publicações científicas, internacionalmente reconhecidas.

Art. 3º - Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogando-se a Portaria nº 159, de
19 de junho de 1992.

191
REGULAMENTO TÉCNICO PARA LICENCIAMENTO E RENOVAÇÃO DE LICENÇA DOS
ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

1. Da Definição:
São considerados antimicrobianos para fim de registro e renovação todas as substâncias utilizadas
para combater os microorganismos “in vivo” ou “in vitro”.

2. Da Composição:
2.1. As especialidades farmacêuticas que veiculam antimicrobianos devem, preferencialmente,
conter apenas uma substância ativa, a associação poderá todavia ser aceita desde que
devidamente comprovadas as vantagens farmacocinéticas e farmacodinâmicas, e as
compatibilidades físico-químicas e químicas.
2.2. As comprovações acima referidas deverão ser fundamentadas em publicações científicas
internacionalmente aceitas ou por experimentação própria.
2.3. A descrição dos componentes da formulação deve seguir, obrigatoriamente, às
denominações exigidas pelo órgão oficial registrante ou, na sua inexistência, os da
“International Nonproprietary Names” (INN), Organização Mundial da Saúde (OMS), ou
similares a critério do Departamento de Defesa Animal.
2.4. As substâncias antibimicrobianas componentes da formulação deverão estar definidas com
base nos seguintes aspectos:
I - Características físicas e químicas do princípio ativo.
II - Indicação do Peso Molecular e declaração do grau de pureza.
III – Expressão da fórmula química e estrutural completa.
IV - Concentração da substância ativa em forma anidra expressa em Unidades
Internacionais (UI) Unidades (U), ? g, mg ou g segundo corresponda.
2.5. A concentração do(s) antimicrobiano(s) na formulação deve ser expressa referindo a
substância ativa em base anidra, sendo que, na bula, dever-se-á mencionar, também, a
natureza do derivado empregado.
2.6. O método descrito para análise do(s) princípio(s) ativo(s) deve ser o mais específico
possível, baseado na literatura internacionalmente reconhecida ou desenvolvimento e
validação pelo fabricante.
2.7. Os antimicrobianos utilizados em terapêutica devem ser evitados na indicação de aditivos
alimentares, promotores de crescimento ou como conservante de alimentos para animais,
sendo vedado o uso de cloranfenicol, penicilinas, tetraciclinas e sulfonamidas sistêmicas.

3. Das Indicações:
3.1. As indicações de uso dos antimicrobianos para determinada patologia, devem ser feitas pela
especificação do(s) agente(s) etiológico(s) sensível(is) e a espécie animal em que atua, não
sendo aceita apenas a indicação em determinada classe.
3.2. Um microorganismo é considerado sensível a um antimicrobiano quando, através do
antibiograma, apresentar halo de inibição em milímetros, igual ou maior que o valor
indicado nas tabelas de interpretação de halos de inibição listados na última edição da(s)
farmacopéia(s), ou das recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS).
3.2.1. O antibiograma deve ser realizado em conformidade com as descrições de edições
recentes da(s) farmacopéia(s).
3.2.2. Para antimicrobianos nos quais o antibiograma não seja factível, a sensibilidade
poderá ser comprovada através de método específico descrito na literatura
internacional.
3.3. Quando o antimicrobiano for preconizado para uso em mais de uma espécie animal, deve
ser especificada a dose para cada espécie, em unidade de massas (mg), volume (ml) ou
unidades in ternacionais (UI), conforme apropriado, em relação ao peso corporal, assim
como, especificado o intervalo entre administrações; indicar também, a duração do
tratamento que deverá ser acrescida de no mínimo, 48 horas após o desaparecimento dos
sintomas.

192
3.4. O uso de antimicrobiano com finalidade preventiva poderá ser indicado quando
comprovado cientificamente e a sua posologia deve estar descrita na bula, conforme item
3.3 deste regulamento.
3.5. Em se tratando de produto a ser administrado na ração ou água de bebida, devem ser
previstos a compatibilidade, a estabilidade e o tempo de permanência eficaz do
antimicrobiano na mistura ou na solução.
3.6. A bula deve advertir para a ocorrência de efeitos colaterais, quando conhecidos, e para as
principais reações adversas, bem como, para as interações medicamentosas e as
incompatibilidades para com os fármacos contidos na formulação.
3.7. As proibições ou restrições de uso de determinada substância antimicrobiana deverão ser
feitas através de atos complementares a essa regulamentação e estarem fundamentadas em
documentação científica internacionalmente aceita.

4. Período de Carência
4.1. O período de carênia do antimicrobiano, em conformidade com a forma, a fórmula e a via
de administração do produto, deve constar em evidência na bula rótula-bula ou cartucho-
bula, sempre que esteja indicado para animais cujo produtos, derivados e subprodutos sejam
destinados ao consumo humano.
4.2. No caso de associação medicamentosa numa mesma especialidade farmacêutica, o tempo de
carência a ser destacada será, obrigatoriamente, o maior tempo determinado para as
substâncias da fórmula.
4.3. O período de carência do antimicrobiano de ação prolongada deve ser maior quando
comparado com a do mesmo antimicrobiano de ação convencional, assegurando-se a sua
total eliminação antes de destinar-se o animal ao abate ou produto de origem animal ao
consumo humano ou à produção de derivados.
4.4. O fabricante deverá justificar o período de carência proposto, por experimentação própria
e/ou literatura científica internacionalmente aceita.
4.5. Cabe a Secretaria de Defesa Agropecuária através do Departamento de Defesa Animal
relacionar, atualizar e uniformizar os períodos de carência ou de retirada dos agentes
antimicrobianos, sempre fundamentado em documentação científica internacionalmente
aceita.

5. Da Ação Prolongada
5.1. Um agente antimicrobiano em dada formulação é considerado de ação prolongada quando,
comparado com mesmo agente antimicrobiano em formulação convencional, mantiver nível
plasmático ou tecidual por um período de tempo consideravelmente maior.
5.2. A ação prolongada do antimicrobiano deve ser comprovada com referências bibliográficas
oficiais ou científicas internacionalmente reconhecidas ou por experimentação própria.
5.3. A alteração do nível plasmático ou tecidual terapêutico pode ser obtida através de
modificação favorável da estrutura química, do emprego de recursos farmacotécnicos ou
farmacológicos, ou que atuem sobre a farmacocinética do antimicrobiano.
5.4. Um produto com mais de uma substância antimicrobiana, onde uma delas tenha ação
prolongada, obriga a sua classificação nesta categoria.

6. Dos Desinfetantes e Antissépticos


6.1. O poder desinfetante ou antisséptico deve ser avaliado através de teste adequado
recomendada em bibliografia científica reconhecida ou método desenvolvido e validado
pelo fabricante.
6.2. A descrição dos componentes da fórmula deve seguir, obrigatoriamente, as Denominações
Comuns Brasileiras – DCB ou, na sua inexistência, os da “International Nonproprietary
Names” (INN), Organização Mundial da Saúde (OMS), ou similares a critério do
Departamento de Defesa Animal.
6.3. As indicações de uso deverão ser feitas pelas especificações do gênero dos
microorganismos sensíveis.
6.4. No modo de usar devem ser indicadas, para cada caso, as diluições, o tempo de atuação
eficaz, o local e o modo de aplicação, as limitações de emprego e os fatores interferentes.

193
6.5. Devem ser evidenciados os cuidados na manipulação e aplicação do produto, bem como os
principais efeitos adversos, quando conhecidos.

7. Da Estabilidade
7.1. Um produto será considerado como praticamente estável quando suas qualidades essenciais
não se modificarem ou sofrerem alterações num determinado espaço de tempo, devendo ser
considerada a estabilidade do produto na embalagem original como, também, nas condições
de uso.
7.2. Para fins de registro, a determinação do prazo de validade do produto deve ser obtida
através de teste de estabilidade acelerada que utilize metodologia internacionalmente aceita
ou desenvolvida e validada pelo laboratório fabricante.
(of. n 78/98).

194
NORMAS PARA A PRODUÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS
VEGETAIS E ANIMAIS

INSTRUÇÃO NORMATIVA N° 7, DE 17 DE MAIO DE 1999 - Normas


Disciplinadoras para a Produção, Tipificação, Processamento, Envase,
Distribuição, Identificação e Certificação da Qualidade de Produtos Orgânicos,
sejam de Origem Animal ou Vegetal

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da


atribuição que lhe confere o art. 87, Parágrafo único, inciso II da Constituição e, considerando a crescente
demanda de produtos obtidos por sistema ecológico, biológico, biodinâmico e agroecológico, a exigência de
mercado para os produtos naturais e o significativo aporte de sugestões nacionais e internacionais decorrentes
de consulta pública sobre a matéria , com base na Portaria MA n° 505, de 16 de outubro de 1998, resolve:

Art. 1° - Estabelecer as normas de produção, tipificação, processamento, envase, distribuição,


identificação e de certificação da qualidade para os produtos orgânicos de origem vegetal e animal, conforme os
Anexos à presente Instrução Normativa.

Art. 2º - Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua piblicação.

Francisco Sérgio Turra


Ministro da Agricultura

NORMAS DISCIPLINADORAS PARA A PRODUÇÃO, TIPIFICAÇÃO, PROCESSAMENTO,


ENVASE, DISTRIBUIÇÃO, IDENTIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DA QUAÇLIDADE DE
PRODUTOS ORGÂNICOS, SEJAM DE ORIGEM ANIMAL OU VEGETAL

1. Do conceito
1.1. Considera-se sistema orgânico de produção agropecuária e industrial, todo aquele em que se
adotam tecnologias que otimizem o uso de recursos naturais e sócio-econômicos,
respeitando a integridade cultural e tendo por objetivo a auto-sustentação no tempo e no
espaço, a maximização dos benefícios sociais, a minimização da dependência de energias
não renováveis e a eliminação do emprego de agrotóxicos e ou insumos artificiais tóxicos,
organismos geneticamente modificados – OGM/transgêwnicos, ou radiações ionizantes em
qualquer fase do processo de produção, armazenamento e de consumo, e entre os mesmos,
previlegiando a preservação da saúde ambiental e humana, assegurando a transparência em
todos os estágios da produção e transformaçãoo, visando:
a) a oferta de produtos saudáveis e de elevado valor nutricional, isentos de qualquer tipo de
contaminantes que ponham em risco a saúde do consumidor, do agricultor e do meio ambiente;
b) preservação e a ampliação da biodiversidade dos ecossistemas, natural ou transformado, em
que se insere o sistema produtivo;
c) a conservação das condições físicas, químicas e biológicas do solo, da água e do ar; e
d) o fomento da integração efetiva entre agricuiltor e consumidor final de produtos orgânicos para
os mercados locais.
1.2. Considerando-se produto da agricultura orgânica, seja “In natura” ou processado, todo
aquele obtido em sistema orgânico de produção agropecuária industrial. O conceito de
sistema orgânico de produção agropecuária e industrial abrange os denominados ecológicos,
biodinâmico, natural, sustentável, regenerativo, biológico, agroecológico e permacultura.
Para efeito desta Instrução considera-se produtor orgânico, tanto o produtor de matérias-
primas como o processador das mesmas.
2. Das normas de produção orgânica
Considera-se unidade de produção, a propriedadse rural que esteja sob o sistema orgânico de
produção.

195
Quando a propriedade inteira não for convertida para a produção orgânica, a acertificadora deverá
assegurar-se de que a produção convencional está devidamente separada e passível de inspeção.
2.1. Da conversão
Para que um produto receba a denominação de orgânico, deverá ser proviniente de um sistema onde
tenham sido aplicadas as bases e estabelecidas na presente Instrução, por um período variável de acordo com a
utilizaçãoanterior da unidade de produção e a situação ecológica atual, mediante as anaálises e a avaliação das
respectivas instituições certificadas (Anexo 1).

2.2. Das máquinas e dos equipamentos


As máquinas e os equipamentos usados na unidade de produção não podem conter resíduos
contaminantes, dando-se prioridade ao uso exclusivo à produção orgânica.
2.3. Sobre os produtos de origem vegetal e os recursos naturais (plantas, solos e água)
Tanto a fertilidade como a atividade biológica do solo e a qualidade das águas, deverão ser
mantidas e incrementadas mediante, entre outras, as seguintes condutas:
a) proteção ambiental
b) manutenção e preservação de nascentes e mananciais hídricos;
c) respeito a proteção à biodiversidade;
d) sucessão animal-vegetal;
e) rotação e/ou associação de culturas;
f) cultivo mínimo;
g) sustentabilidade e incremento da matéria orgânica do solo;
h) manejo da matéria orgânica;
i) utilização de quebra-ventos;
j) sistemas agroflorestais; e
k) manejo ecológico das pastagens.
2.3.1. O manejo de pragas, doenças e de plantas invasoras deverá se realizar mediante a
adoção de uma ou várias condutas, de acordo com os Anexos II e III, desta Instrução,
que possibilitem:
a) Incremento da biodiversidade no sistema produtivo;
b) Seleção de espécies, variedades e cultivares resisitentes;
c) Emprego de cobertura vegetal, viva ou morta, no solo;
d) Meios mecânicos de controle;
e) Rotação de culturas
f) Alelopatia;
g) Controle biológico (excetuando OGM/transgênico)
h) Integração animal-vegetal; e
i) Outras medidas mencionadfas nos Anexos II e III, da presente Instrução.
2.3.1.1. È vedado o uso de agrotóxicos sintético, seja para combate ou prevenção,
inclusive, na armazenagem.
2.3.1.2. A utilização de medida não orgânica para gartantir a produção ou a
armazenagem, desqualifica o produto para efeito de certificação, de acordo
com o subitem 2.1, da presente Instrução.
2.3.2. As sementes e as mudas deverão ser oriundas de sistemas orgânicos.
2.3.2.1. Não existindo no mnercado sementes oriundas de sistemas orgâniocos
adequadas a determinada situação ecológica específica, o produtor poderá
lançar mão de produtos existentes no mercado, desde que avaliadas pela
instituição certificadora, excluindo-se todos os organismos geneticamente
modificados (OGM -transgênicos).
2.3.2.2. Para as culturas perenes, não havendo disponibilidade de mudas orgânicas,
estas poderão ser oriundas de sistemas convencionais, desde que avaliadas
pela instituição certificadora, excluindo-se todos os oorganismos
geneticamente modificados (transgênicos e de cultura de tecido vegetal,
quando as técnicas empregadas conduzam a modificações genéticas ou
induzam a variantes soma-clonais).

196
2.3.3. Os produtos oriundos de atividades extrativistas só serão certificados como
orgânicos, caso o processo de extração não comprometa o ecossistema e a
sustentabilidade do recurso explorado.;

2.4. Produtos de origem animal


Os produtos orgânicos de origem animal devem provir de unidades de produção, prioritariamente
auto-suficientes quanto á geração de alimentos para os animais em processo integrado com a produção vegetal,
conforme o Anexo IV da presente Instrução. Para a efetivação da sustentabilidade, esses sitemas devem obedecer
aos seguintes requisitos:
a. Respeitar o bem-estar animal;
b. Manter um nível higiênico em todo o processo criatórioi, compatível com as normas de saúde
pública vigentes;
c. Adotar as técnicas sanitárias preventivas sem o emprego de produtos proibidos; comtemplar
uma laimentação nutritiva, sadia e farta, incluindo-se água, sem a presença de aditivos
químicos e/ou estimulantes, conforme o Anexo IV da presente Instrução;
d. Dispor de instalaçõeshigiênicas, funcionais e confortáveis;
e. Praticar um manejo capaz de maximizar uma produção de alta qualidade biológica e
econômica; e
f. Utilizar raças, cruzamentos e o melhoramento genético (não OGM?transgênicos). compatíveis
tanto com as condições ambientais e como estímulos à biodiversidade.
2.4.1. Entende-se por bem-estar animal, permanecer o mesmo livre de dor, de sofrimento,
angústia e viver em um ambiente que possa expressar proximidade com o
comportamento de seu habitat original: movimentação, territoriedade, vadiagem,
descanso e ritual reprodutivo.
2.4.2. Os insumos permitidos e proibidos na alimentação animal estão especificados no
Anexo IV, da presente Instrução.
2.4.3. O transporte, pré -abate e o abate dos animais devem seguir princípios humanitários e
de bem estar animal, assegurando a qualidade sanitária da carcaça.
2.4.4. Excepcionalmente, para garantir a saúde ou quando houver risco de vida de animais,
na inexistência de substituto permitido, poder-se-ão usar medicamentos
convencionais.
2.4.4.1. É obrigatório comunicar à cartificadora o uso deses medicamentos, bem
como registrar a sua administração, que deve respeitar o que estabelece o
subitem 2.4.4 desta Instrução. O período de carência estipulado pela bula do
produto a ser cumprido, deverá ser multiplicado pelo fator três, podendo
ainda ser ampliado de acordo com a instrução certificadora.
2.4.4.2. São permitidas todas as vacinas previstas por Lei.
2.4.5. Preferencialmente, a aquisição dos animais deve ser feita em criações orgânicas.
2.4.5.1. No caso de aquisição de animais de pro priedades convencionais, estes
devem prioritariamente ser incorporados à unidade produtora orgânica, com a
idade mínima em que possam ser recriados sem a presença materna.
2.4.5.2. Os animais adquiridos em criações convencionais devem passar por
quarentena tradicional, ou outra a ser definida pela certificadora.
3. Do processamento
Processamento é o conjunto de t´pecnicas de transformação, conservação e envase de produtos de
origem animal e/ou vegetal.
3.1. Somente será permitido o uso de aditivos, coadjuvantes de fabricação e outros produtos de
efeito brando (não OGM/transgênicos), conforme mencionado no Anexo V da presente
Instrução, e quando autorizados e mencionado no Anexo V da presente Instrução, e quando
autorizados e mencionados nos rótulos das embalagens.
3.2. As máquinas e os equipamentos utilizados no processamento dos produtos orgânicos
deverão estar comprovadamente limpos de resíduos contaminantes, conforme estabelecce os
termos dês ta Instrução e seus anexos.
3.3. Em todos os casos no processamento dos produtos será fator decisivo para o
reconhecimento de sua qualidade. Para efeito de certificação, as unidades de

197
processamentoi devem cumprir, também as exigências contidas nesta Instrução e nas
legislações vigentes específicas.
3.3.1. A higienização das instalações e dos equipamentos deverá ser feita com produtos
biodegradáveis, e caso esses produtos não estejam disponíveis no mercado, deverá
ser consultada a certificadora.
3.4. Para o envase de produtos orgânicos, deverão ser priorizadas embalagens produzidas com
materiais comprovadame nte biodegradáveis e/;ou recicláveis.
3.5. Poderá ser certificado como produto processado orgânico, aquele cujo componente
principal seja de origem orgânica.
3.5.1. Os aditivos e os coadjuvantes de fabricação de origem n~çao rogânica, serão
permitidos em percentuias a serem definidos pelas certificadoras e pelo Órgão
Colegiado Nacional, conforme estabelece o Amnexo V, da presente Instrução.
3.5.2. É obrigatório explicitar no rótulo do produto, os tipos e as quantidades de aditivos,
os coadjuvantes de fabricação e outros produtos de origem não orgânica neles
contidos, sempre de acordo com o subitem 3.1, da presente Instrução.
3.5.3. Os ingredientes de origem não orgânica serão permitidos em percentuais definidos
no Anexo VII, da presente Instrução.
4. Da armazenagem e do transporte
Os produtos orgânicos devem ser identificados e mantidos em local separado dos demais de origem
desconhecida, de modo a evitar possíveis contaminações, seguindo o que prescreve o Anexo VI da presente
Instrução.
4.1. A higiene e as condições do ambiente de armazenagem e do transporte será fator necessário
para a certificação de sua qualidade orgânica.
4.2. Todos os produtos orgânicos devem estar devidamente acondicionados.
5. Da identificação
Além de atendeer às normas vigentes quanto às informações que devem constar nas emb alagens, os
produtos certificados deverão conter um “selo de qualidade” registrado no Órgão Colegiado Nacional, específico
para cada certificadora, atendendo as condições previstas no Anexo VII da presente Instrução, além das contidas
abaixo:
a. será mencionado no rótulo a denominação “produto orgânico”, e
b. o nome eo número de registro da certificadora junto ao órgão colegiado nacional.
No caso de produto a granel, o mesmo será acompanhado do certificado de qualidade orgânica.
6. Do controle da qualidade orgânica
A certificação e o controle de qualidade orgânica serão realizados por instituições certificadoras
credenciadas nacionalmente pelo Órgão Colegiado Nacional, devendo cada instituição certificadora manter o
registro atualizado dos produtores e dos produtos que ficam sob suas responsabilidades.
7. Da responsabilidade
Os produtores certificados assumem a responsabilidade pela qualidade orgânica de seus produtos e
devem permitir o acesso da certificadora a todas as instalações, atividades e informações relativas ao seu
processo produtivo.
7.1. À instituição certificadora cabe a responsabilidade pelo controle da qualidade orgÂnica dos
produtos certificados, permitindo o acesso do Órgão Colegiado Estadual ou do Distrito
Federal a todos os atos, procedimentos e informações pertinentes ao processo de
certificação.
8. Dos órgãos colegiados
8.1. O Órgão Colegiado Nacional será composto paritariamente por 5 (cinco) membros do Poder
Púbçlico, titular e suplente e 5 (cinco) membros de Organizações Não-Governamentais,
titular e suplente, que tenha reconhecida atuação junto à sociedade no âmbito da agricultura
orgânica, de forma a respeitar a paridade de um representante por região geográfica,
chegando a um total de até 10 (dez) membros.
8.1.1. A escolha dos membros das organizações governamentais , será de responsabilidade
exclusiva do Ministério da Agricultura e do Abastecimento.
8.1.2. A escolha dos membros das organizações não-governamentais obedecerá à
sistemática própria dessas organizações.
8.2. Os Órgãos Colegiados Estaduais e do Distrito Federal serão Estaduais e do Distrito Federal
serão compostos paritariamente por 5 (cinco) membros de Organizações Não-

198
Governamentais, titular e suplente, que tenham reconhecida atuação junto à sociedade no
âmbito da agricultura orgânica, chegando a um totasl de até 10 (dez) membros.
8.2.1. A escolha dos membros das organizações não-governamentais, nas Unidades
Federativas, será de responsabilidade exclusiva das delegacias Federais da
Agricultura.
8.2.1.1. A escolha dos membros das organizações não-governamentais obedecerá
sistemática própria dessas organizações.
8.3. Cabe ao Órgão Colegiado Nacional fiscalizar as atividades dos Órgãos Colegiados
Estaduais e do Distrito Federal, de acordo com as normas vigentes.
8.4. Cabe aos Órgãos Colegiados Estaduais e do Distrito Federal, fiscalizar as atividades das
certificadoras locais. As que não cumprirem a legislação em vigor serão passíveis de
sanções, de acordo com as normas vigentes.
8.5. Ao Órgão Colegiado Nacional compete o deferimento eo indeferimento dos pedidos de
registro das entidades certificadoras encaminhadas pelos órgãos colegiados, citados no
subitem acima
8.6. Aos Órgãos Colegiados Estaduais e do Distrito Federal compete a fiscalização e o controle,
bem como o encaminhamento dos pedidos de registro das entidades certificadoras para o
Órgão Colegiado Nbacional.
8.6.1. Na inexistência de Órgãos Colegiados Estaduais e do Distrito Federal, o Órgão
Colegiado Nacional cumprirá estas atribuições.
9. Das entidades certificadoras
9.1. Os produtos de origem vegetal ou animal, processados ou “In natura”, para serem
reconhecidos como orgânicos devem ser certificados por pessoa jurídica, sem fins
lucrativos, com sede no território nacional, credenciada no Órgão Colegiado Nacional, e
que tenha seus documentos sociais registrados em órgão competente da esfera pública.
9.2. As instituições certificadoras adotarão o processo de certificação mais adequado às
características da região em que atuam, desde que observadas as exigências legais que trata
da produção orgânica no país e das emanadas pelo Órgão Colegiado Nacional.
9.2.1. A importação de produtos orgânicos certificados em seu país de origem, ficará
condicionada às exigências sanitárias , fitossanitárias e de inspeção animal e vegetal,
de conformidade com as leis vigentes no Brasil, complementadas com prévia análise
e autorização de uma certificadora credenciada no Órgão Colegiado Nacional.
9.3. As inmstituições certificadoras para serem credenciadas devem satisgfazer os seguintes
requisitos:
a. Requerer o credenciamento através dos òrgãos Colegiados Estaduais e do Distrito Federal
b. Anexar cópias dos documentos requeridos, devidamente registrados em cartório;
c. Descrever detalhadamente seu processo de certificação com o respectivo regulamento de
funcionamento, demonstrando suas etapas, inclusive, os mecanismos de auto-regulação ética;
d. Apresentar as suas N ormas Técnicas para aprovação do Órgão Colegiado Nacional;
e. Descrever as sanções que poderão ser impostas, em caso de descrumpimento de suas Normas; e
f. Comprovar a capacidade própria ou de alguma contratada para realizar as análises, se
necessárias, no proceso de certificação.
9.4. As instituições certificadoras devem dispor na sua estrutura interna, dos seguintes membros:
a. Comissão Técnica: corpo de técnicos responsáveis pela avaliação da eficácia e qualidade da
produção;
b. Conselho de Certificação: responsável pela análise e aprovação dos pareceres emitidos pela
Comissão Técnica; e
c. Conselho de Recursos: que decide sobre apelações de produtores e outros interessados.
9.4.1. Aos integrantes de quaisquer das estruturas mencionadas nas alíneas a, b e c do
subitem 9.4, é vedada a participação em mais de uma das alíneas, tanto como pessoa
física ou jurídica.
9.4.2. São obrigações das certificadoras:
a. Manter atualizadas todas as informações relativas à certificação;
b. Realizar quantas visitas forem necessárias, com o mínimo de um por ano, para manter
atualizadas as informações sobre seus produtores certificados;

199
c. Promover a capacitação e assumir a responsabilidade pelo desempenho dos integrantes da
comissão técnica;
d. No caso de destinação para o comércio interno não comercializar produtos e insumos;
e. Manter a confiabilidade das informações quando solicitadas pelo produtor orgânico; e
f. Cumprir as demais determinações estabelecidas pelos Colegiados Nacional, Estaduais e do
Distrito Federal.
10. Das disposições gerais
Os demais atos necessários para acompleta operacionalização da presente Instrução Normativa
serão estabelecidos pela Secrtetaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura e do Abastecimento.

Anexo I
Do Período de Conversão

1. Produção v egetal de culturas anuais: para aunidade de produção em conversão deverá ser obedecido
um período mínimo de 12 meses de manejo orgânico, para que a produção do ciclo subseqüente seja
considerada como orgânica.
2. Produção vegetal de culturas perenes: para a unidade de produção em conversão deverá ser obdecido
um período mínimo de 18 meses de manejo orgânico, para que a colheita subseqüente seja certificada.
3. Produção vegetal de pastagem perene: para a unidade de produção em conversão deverá ser obedecido
um período mínimo de 12 meses de manejo orgânico ou de pousio.
Observação: Os períodos de conversão acima mencionados poderão ser ampliados pela certificadora em
função do uso anteriror e da situação ecológica da unidade de produção, desde que julgada a conveniência.

Anexo II
Adubos e Condicionadores de Solos Permitidos
1. Da própria unidade de produção (desde que livres de contaminantes):
?? compostos orgânicos;
?? vermicomposto;
?? restos orgânicos;
?? esterco:sólido ou líquido;
?? restos de cultura;
?? adubação verde;
?? biofertilizantes;
?? fezes humanas, somente quando compostadas na unidade de produção e não empregadas no cultivo de
olerícolas;
?? microorganismos benéficos ou enzimas, desde que não sejam OGM/transgênicos;e
?? outros resíduos orgânicos.
2. Obtidos fora da unidade de produção
a. Somente se autorizados pela cerificadora:
?? vermicomposto; esterco composto ou esterco líquido;
?? biomassa vegetal;
?? resíduos industriais, chifres, sangue, pó de osso, pêlos e penas, tortas, vinhaça e
semelhantes, como complementos da adubação;
?? algas e derivados, e outros produtos de origem marinha;
?? peixes e derivados;
?? pó de serra, cascas e derivados, sem contaminação por conservantes;
?? microorganismos, aminoácidos e enzimas, desde que não sejam OGM/transgênicos;
?? cinzas e carvões vegetais;
?? pó de rocha;
?? biofertilizantes;
?? argilas ou ainda vermiculita;
?? compostagem urbana, quando oriunda de coleta seletiva e comprovadamente livre de
substâncias tóxicas.
b. Somente se constatado a necessidade de utilização do adubo e dop condicionador, através de
análises, e se os mesmos estiverem livres de substÂncias tóxicas:

200
?? termofosfato;
?? adubos potássicos – sulfato de potássio, sulfato duplo de potássio e magnésio, este de
origem mineral natural;
?? micronutrientes;
?? sulfato de magnésio;
?? ácido bórico, quando não usado diretamente nas plantas e solo;
?? carbonato, como fonte de micronutrientes; e
?? guano.

Anexo III
Produção Vegetal
1. Meios contra doenças fúngicas:
?? enxofre simples e suas preparações, a critério da certificadora;
?? póde pedra;
?? um terço de sulfato de alumínio e dois terços de argila (caulim ou bentonita) em solução a 1%;
?? sais de cobre, na fruticultura;
?? própolis
?? cal hidratada, somente como fungicida;
?? iodo;
?? extrato de plantas;
?? extrato de compostos e plantas
?? vermicomposto;
?? calda bordaleza e calda sulfocálcica, a critério da certificadora; e
?? homeopatia.
2. Meios contra pragas
?? Preparados viróticos, fungos e bacteriológicos, que não sejam OGM/transgênico, e só com permissão
específica da certificadora;
?? Extrato de insetos;
?? Extrato de plantas;
?? Emulsões oleosas (sem inseticidas químico-sintéticos);
?? Sabão de origem natural;
?? Pó de café;
?? Gelatina;
?? Pó de rocha;
?? Álcool etílico;
?? Terras diatomáceas, ceras naturais, própolis e óleos essenciais, a critério da certificadora;
?? Como solventes: álcool, acetona, óleos vegetais e minerais;
?? Como emulsionantes: lecitina de soja, não transgênica;
?? Homeopatia.
3. Meios de captura; meios de proteção e outras medidas biológicas:
?? Controle biológico;
?? Ferormônios, desde que utilizado em armadilhas;
?? Armadilhas de insetos com inseticidas permitidos no item 2, do Anexo III;
?? Armadilhas anticoagulantes para roedores;
?? Meios repelentes mecânicos (armadilhas e outros similares);
?? Repelentes naturais (materiais repelentes e expulsantes);
?? Métodos vegetativos, quebra-vento, plantas companheiras e repelentes;
?? Preparados que estimulem a resistência das plantas e que inibam certas pra gas e doenças, tais como:
plantas medicinais, própolis, calcário e extrato de algas, bentonita, pó de pedra e similares;
?? Cloreto de cálcio;
?? Leite e derivados; e
?? Extrato de produtos de oprigem animal.
4. Manejo de palntas invasoras:

201
?? Sementes e mudas, isentas de plantas invasoras;
?? Técnicas mecânicas
?? Alelopatia
?? Cobertura morta e viva;
?? Cobertura inerte, que não cause contaminação e poluição, a critério da instituição certificadora;
?? Solarização
?? Controle biológico como manejo de plantas invasoras.

Anexo IV
Produção Animal
1. Condutas desejadas
?? Maximização da captação e uso de energia solar;
?? Auto-suficiência alimentar orgânica;
?? Diminuir a dependência de recursos externos no processo produtivo;
?? Associação de espécies vegetais e animais;
?? Criação a campo;
?? Abrigos naturais com árvores;
?? Quebra-ventos;
?? Conservação das forragens com silagem e fenação (desde que de origem orgânica);
?? Mineralização com sal marinho;
?? Suplementos vitamínicos: óleo de fígado de peixe e levedura;
?? Aditivos permitidos: algas calcinadas, plantas medicinais, plantas aromáticas, soro de leite e carvão
vegetal;
?? Suplementação com recursos alimentares, provenientes de unidade de produção orgânica;
?? Aditivo para arraçoamento: leveduras e misturas de ervas e algas;
?? Aditivos para silagem: açúcar mascavo, cereais e seus farelos, soro de laticínio e sais minerais;
?? Homeopatia, fitoterapia e acupuntura.
2. Técnicas permitidas sob o controle da certificadora:
?? Uso de equipamentos de preparo de solo que não impliquem na alteração de sua estrutura, na formação
de pastagens e cultivo de forragens, grãos, raízes e tubérculos;
?? Aquisição de alimentos não certificados orgânicos, equivalente a até 20% e 15% do total da matéria
seca de alimentos para animais monogástricos e para animais ruminantes, respectivamente;
?? Aditivos, óleos es senciais, suplementos vitamínicos e sais minerias;
?? Suplementos de aminoácidos;
?? Amochamento e castração, e
?? Inseminação artificial.
3. Técnicas proibidas:
?? Uso de agrotóxicos nas pastagens e culturas de alimentos para os animais;
?? Restrições especificadas nos Anexos II e III, quanto à produção vegetal;
?? Uso do fogo no manejo de pastagens;
?? Confinamentos que contrariam o item 2.4 e suas subdivisões desta Instrução e demais técnicas que
restrinjam o bem estar animal;
?? Uso de aditivos estimulantes sintéticos na alimentação, na engorda e na reprodução;
?? Descorna e outras mutilações;
?? Presença e manejo de animais geneticamente modificados;
?? Promotores de crescimento sintético;
?? Uréia;
?? Restos de abatedouros na alimentação;
?? Qualquer tipo de esterco para ruminantes ou para monogástricos da mesma espécie;
?? Aminoácidos sintéticos; e
?? Transferência de embriões.
4. Insumos que podem ser adquiridos fora da unidade de produção, segundo a espécie animal e sob
orientação da assistência técnica e controle da certificadora:

202
?? Silagem, feno palh a, raízes, tubérculos, bulbos e restos de culturas orgânicas;
?? Cereias e outros grãos e seus derivados;
?? Resíduos industriais sem contaminantes;
?? Melaço;
?? Leite e seus derivados;
?? Gorduras animais e vegetais; e
?? Farinha de osso calcinada ou autoclavada e farinha de peixe.
5. Higiene e desinfecção:
?? Adotar programas sanitários com bases profilática e preventiva;
?? Realizar limpeza e desinfecção com agentes comprovadamente biodegradáveis, sabão, sais minerais
solúveis, permanganato de potássio ou hipoclorito de sódio, em solução 1:1000, cal, soda caústica,
ácidos minerais simples (nítrico e fosfórico), oxidantes minerais em enxágües múltiplos, creolina,
vassoura de fogo e água.

Anexo V
Aditivos para Processamento e outros Produtos que Podem Ser Usados na Produção Orgânica

Nome Condições Especiais


?? Água potável
?? Cloridrato de cálcio ................................................................................Agente de coagulação
?? Carbonato de cálcio ................................................................................Antiumectante
?? Hidróxido de cálcio ................................................................................Agente de coagulação
?? Sulfato de cálcio......................................................................................Agente de coagulação
?? Carbonato de potássio ............................................................................Secagem de Uvas
?? Dióxido de Carbono
?? Nitrogênio
?? Etanol ........................................................................................................Solvente
?? Àcido de tanino .......................................................................................Auxílio de Filtragem
?? Albumina branca de ovo
?? Caseína
?? Òleos vegetais
?? Gel de dióxido de silicone ou solução
?? Coloidal
?? Carbono ativo
?? Talco
?? Betonina
?? Caolinita
?? Perlita
?? Cera de abelha
?? Cera de carnaúba
?? Microorganismos e enzimas (não OGM/transgênicos)

Anexo VI
Da Armazenagem e do Transporte

?? Os produtos orgânicos devem ser mantidos separados de produtos não orgânicos;


?? Todos os produtos deverão ser adequadamente identificados durante todo o processo de armazenagem e
transporte;
?? O Órgão Colegiado Nacional deverá estabelecer padrões para a prevenção e controle de poluentes e
contaminantes;
?? Produtos orgânicos e não orgânicos não poderão ser armazenados ou transportados juntos, exceto,
quando claramente identificados e embalados e fisicamente separados;

203
?? A certificadora deverá regular as formas e os padrões permitidos para a descontaminação, limpeza e
desinfecção de todas as máquinas e equipamentos, onde os produtos orgânicos são mantidos,
manuseados ou processados;
?? As condições idéias do local de armazenagem e do transporte de produtos, são fatores necessários para a
certificação de sua qualidade orgânica.

Anexo VII
Da Rotulagem

A pessoa física ou jurídica legalmente responsável pela produção ou processamento do produto


deverá ser claramente identificada no rótulo, conforme se segue:
1. Produtos de um só ingrediente poderão ser rotulados como “produto orgânico”, desde que certificado;
2. Produtos compostos de mais de um ingrediente, incluindo aditivos, em que nem todos os ingredientes
sejam de origem certificada orgânica, deverão ser rotulados da seguinte forma:
a) os produtos compostos que apresentarem um mínimo de 95% de ingredientes de origem
orgânica certificada, serão rotulados como produtos orgânicos;
b) os produtos compostos que apresentarem um mínimo 70% de ingredientes de origem orgânica
certificada, serão rotulados como produtos com ingredientes orgânicos;
c) os produtos compostos que não atenderem as exigências contidas nas alíneas “a” e “b”
anteriormente mencionadas, não serão rotulados como orgânicos;
d) água e sal adicionados, não poderão ser incluídos no cálculo do percentual de ingredientes
orgânicos;
e) todas as matérias-primas deverão estar listadas no rótulo do produto em ordem de peso
percentual, de forma a ficar claro quais os que não o são; e
f) todos os aditivos deverão estar listados com o seu nome completo. quando o percentual de
ervas e condimentos for inferior a 2%, esses poderão ser listados como “temperos”.

204
INSPEÇÃO DE CARNE DE FRANGO E OVOS
DECRETO–LEI Nº 334, DE 15 DE MARÇO DE 1938 - Especificações
para a classificação e fiscalização do ovo

Novas especificações para a classificação e fiscalização do ovo, aprovadas pelo Decreto–Lei nº


334, de 15 de março de 1938 e do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 5.739 de 29 de maio de 1940.

Art. 1º Pela designação de ovo entende-se o ovo de galinha, sendo os demais, acompanhados da
indicação da espécie de que procedem.

Art. 2º O ovo será classificado em grupos, classes e tipos, segundo a coloração da casca, qualidade
e peso, de acordo com as especificações que ora se estabelecem.

Art. 3º O ovo, segundo a coloração da casca, será ordenado em 2 (dois) grupos:


I. Branco
II. De cor
§ 1º enquadra -se no Grupo I o ovo que apresente casca de coloração branca ou esbranquiçada.
§ 2º enquadra -se no Grupo II o ovo que apresente casca de coloração avermelhada.

Art. 4º O ovo, segundo a qualidade será ordenado em 3 (três) classes, a saber:


Classe – A
Classe – B
Classe – C
§ 1º Classe A – constituída de ovos que apresentem:
a. casca limpa, íntegra e sem d eformação;
b. câmara de ar fixa e com o máximo de 4 (quatro) milímetros de altura;
c. clara límpida, transparente, consistente e com as chalazas intactas;
d. gema translúcida, consistente, centralizada e sem desenvolvimento de germe.
§ 2º Classe B – constituída de ovos que apresentem:
a. casca limpa, íntegra, permitindo-se ligeira deformação e discretamente manchada;
b. câmara de ar fixa e com máximo de 6 (seis) milímetros de altura;
c. clara límpida, transparente, relativamente consistente e com as chalazas intactas;
d. gema consistente, ligeiramente descentralizada e deformada, porém com contorno bem
definido e sem desenvolvimento do germe.
§ 3º Classe C – constituída de ovos que apresentem:
a. casca limpa, íntegra, admitindo-se defeitos de textura, contorno e manchada;
b. câmara de ar solta e com o máximo de 10 (dez) milímetros de altura;
c. clara com ligeira turvação, relativamente consistente e com as chalazas intactas.
d. gema descentralizada e deformada, porém com contorno definido e sem desenvolvimento do
germe.

Art. 5º Para as classes A e B será tolerada, no ato da amostragem a percentagem de até 5% ( cinco
por cento) de ovos da classe imediatamente inferior.

Art. 6º O ovo, observadas as características dos grupos e classes, será classificado segundo seu peso
em 4 (quatro) tipos:
Tipo 1 (extra) – com peso mínimo de 60 (sessenta) gramas por unidade ou 720 (setecentos e vinte)
gramas por dúzia.
Tipo 2 (grande) – com peso mínimo de 55 (cinquenta e cinco) gramas por unidade ou 660
(seiscentos e sessenta) gramas por dúzia.
Tipo 3 (médio) – com peso mínimo de 50 (cinquenta) gramas por unidade ou 600 (seiscentas)
gramas por dúzia.

205
Tipo 4 (pequeno) – com peso mínimo de 45 (quarenta e cinco) gramas por unidade ou 540
(quinhentas e quarenta) gramas por dúzia.

Art. 7º O ovo que não apresente as características mínimas exigidas para as diversas classes e tipos
estabelecidos, será considerado impróprio para o consumo, sendo permitida sua utilização apenas para a
indústria.

Art. 8º Para os tipos 1 (um), 2 (dois) e 3 (três) serão tolerados, no ato da amostragem a
percentagem de até 10% (dez por cento) de ovos do tipo imediatamente inferior.

Art. 9º Os ovos devem ser acondicionados em caixas padrões, indicando nas testeiras o grupo, a
classe e o tipo contidos.
Parágrafo único - O serviço de Padronização e Classificação, através de portaria, baixará instruções
visando a perfeita execução das especificações de que trata este artigo.

Art. 10 Na embalagem de ovos é proibido acondicionar em um mesmo envase, caixa ou volume:


1 – ovos oriundos de espécie s diferentes;
2 – ovos de grupos, classes e tipos diferentes;
Parágrafo único - Essa proibição estende-se e aplica-se a todas as fases de comercialização do
produto.

Art. 11 Os casos omissos serão resolvidos pelo Diretor do Serviço de Padronização e Classificação
do Ministério da Agricultura.

Hugo de Almeida Leme.

Publicado D.O.U de 22/07/1965


Ret. 30/07/1965

DECRETO Nº 56.585, DE 20 DE JULHO DE 1965 - Aprova as novas


especificações para a classificação e fiscalização do ovo.

A presidência da República, usando da atribuição que lhe confere o artigo 87, inciso I, da
Constituição e tendo em vista o que dispõe o art. 6º do Decreto nº 5.730, de 29 de maio de 1940, decreta:

Art. 1º - Ficam aprovadas as novas especificações que com este baixam excedidas pelo Ministro de
Estado dos Negócios da Agricultura, dispondo sobre a classificação e fiscalização do ovo.

Art. 2º - Este decreto entrara em vigor trinta(30) dias após a sua publicação, ficando revogadas as
disposições em contrário.

Brasília, 20 de julho d e 1965, 144º da Independência e 77º da República.

H. CASTELO BRANCO
Hugo de Almeida Leme.

Novas especificações para a classificação e fiscalização do ovo, aprovadas pelo Decreto nº


56.585 de 20 de julho de 1965, em virtude de disposições do Decreto-Lei nº 334, de 15 de março de 1938 e
do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 5.739, de 29 de maio de 1940.

Art.1º - Pela designação de ovo, entende-se o ovo de galinha, sendo os demais, acompanhados da
indicação da espécie de que procedem.

Art. 2º - O ovo será classificado em grupos, classes e tipos, segundo a coloração da casca, qualidade
e peso, de acordo com as especificações que ora se estabelecem.

206
Art. 3º - O ovo, segundo a coloração da casca, será ordenado em 2 (dois) grupos:
I. Branco
II. De cor
§ 1º - Enquadra-se no Grupo I o ovo que apresente casca de coloração branca ou esbranquiçada.
§ 2º - Enquadra-se no Grupo II o ovo que apresente casca de coloração avermelhada.

Art. 4º - O ovo, segundo a qualidade, será ordenado em 3 (três) classes, a saber:


Classe – A
Classe – B
Classe – C
§ 1º - Classe A – constituída de ovos que apresentem:
a) Casca limpa, íntegra e sem deformação;
b) Câmara de ar fixa e com o máximo de 4 (quatro) milímetros de altura;
c) Clara límpida, transparente, consistente e com as chalazas intactas;
d) Gema translúcida, consistente, centralizada e sem desenvolvimento do germe.
§ 2º - Classe B – constituída de ovos que apresentem:
a) Casca limpa, íntegra, permitindo-se ligeira deformação e discretamente manchada;
b) Câmara de ar fixa e com o máximo de 6 (seis) milímetros de altura;
c) Clara límpida, transparente, relativamente consistente e com as chalazas intactas;
d) Gema consistente, ligeiramente descentralizada e deformada, porém com contorno bem
definido e sem desenvolvimento do germe.
§ 3º Classe C – constituída de ovos que apresentem:
a) Casca limpa, íntegra, admitindo-se defeitos de textura, contorno e manchada;
b) Câmara de ar solta e com o máximo de 10 (dez) milímetros de altura;
c) Clara com ligeira turvação, relativamente consistente e com as chalazas intactas;
d) Gema descentralizada e deformada, porém com contorno definido e sem desenvolvimento do
germe.

Art. 5º - Para as classes A e B será tolerada, no ato da amostragem, a percentagem de até 5% (cinco
por cento) de ovos da classe imediatamente inferior.

Art. 6º - O ovo, observadas as características dos grupos e classes, será classificado segundo seu
peso em 4 (quatro) tipos:
Tipo 1 (extra) – com peso mínimo de 60(sessenta) gramas por unidade ou 720 (setecentos e vinte)
gramas por dúzia;
Tipo 2 (grande) – com peso mínimo de 55 (cinquenta e cinco) gramas por unidade ou
660(seiscentas e sessenta) gramas por dúzia;
Tipo 3 (médio) – com peso mínimo de 50 (cinquenta) gramas por unidade ou 600 (seiscentas)
gramas por dúzia;
Tipo 4 (quatro) – com peso mínimo de 45 (quare nta e cinco) gramas por unidade ou 540
(quinhentas e quarenta) gramas por dúzia.

Art. 7º - O ovo que não apresente as características mínimas exigidas para as diversas classes e
tipos estabelecidos será considerado impróprio para o consumo, sendo permitida sua utilização apenas para a
indústria.

Art. 8º - Para os tipos 1 (um), 2 (dois) e 3 (três) será tolerada, no ato de amostragem, a percentagem
de até 10%(dez por cento) de ovos do tipo imediatamente inferior.

Art. 9º - Os ovos devem ser acondicionados em caixas padrões, indicando nas testeiras o grupo, a
classe e o tipo contidos.
Parágrafo único - O Serviço de Padronização e Classificação, através de portaria, baixará instruções
visando a perfeita execução das especificações de que trata este artigo.

Art. 10º - Na embalagem de ovos é proibida acondicionar em um mesmo envase, caixa ou volume:

207
1 – ovos oriundos de espécies diferentes;
2 – ovos de grupos, classes e tipos diferentes.
Parágrafo único – Essa proibição estende-se e aplica-se a todas as fases de comercialização do
produto.
Art. 11º - Os casos omissos serão resolvidos pelo Diretor do Serviço de Padronização e
Classificação do Ministério da Agricultura.

Hugo de Almeida Leme

Publicado no Diário Oficial de 22.07.1965

PORTARIA Nº 15 DE 07.DE JULHO DE 1970. – Instruções para o trânsito


de ovos destinados ao comércio internacional, oriundo de estabelecimento
sujeitos à Inspeção da Equipe Técnica de Padronização, classificação e
Inspeção de Produtos de Origem Animal.

O DIRETOR DA EQUIPE TÉCNICA DE PADRONIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E INSPEÇÃO


DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL (Ex- SIPAMA), no uso das atribuições que lhe confere o item II do
art. 39, do Regulamento aprovado pela Portaria Ministerial nº 57, de 17 de março de 1969.

Considerando a necessidade de ser disciplinado o comércio interestadual de ovos, no contido de que


se faça cumprir o que estabelece o Decreto nº 56.595, de 20 de julho de 1965, que aprovou as normas
especificações para a classificação e fiscalização do ovo.

Considerando que o art. 708 do Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de
Origem Animal, aprovado pelo Decreto 30.691 de 29.03.52, alterado pelo de nº 1.255, de 25.06.62, permita a
classificação e inspeção de ovos não só nos Entrepostos, como também em Granjas que apresentem dependências
apropriadas para tal fim.

Considerando ainda total impossibilidade de dispor esta Equipe de número suficiente de


funcionários para o atendimento permanente desta classe de estabelecimento.

RESOLVE, com fundamento no art. 951 do citado Regulamento, expedir as instruções em anexo,
regulando o trânsito para comércio interestadual de ovos, oriundos dos estabelecimentos sob inspeção federal.

Lúcio Tavares de Macedo


Diretor

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA

INSTRUÇÕES

Instruções para o trânsito de ovos destinados ao comércio internacional, oriundo de estabelecimento


sujeitos à Inspeção da Equipe Técnica de Padronização, classificação e Inspeção de Produtos de Origem Animal.

Art. 1º - De acordo com o que institui o Decreto nº 30.691, de 29.03.52, alterado pelo de nº 1.255
de 25.06.62, que aprovou o Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal, a
classificação e a inspeção de ovos para o comércio interestadual somente poderão ser realizadas em entrepostos
registrados ou em granjas relacionadas no órgão competente do Ministério da Agricultura.

Art. 2º - O trânsito para comércio interestadual de ovos, em natureza, classificados e inspecionados


em estabelecimentos sob Inspeção Federal, só será permitido quando o produto estiver devidamente
acompanhado pelo CERTIFICADO instituído pela presente instrução conforme modelo em anexo.

208
Parágrafo Único – O CERTIFICADO a que se refere este artigo, será válido por 30 (trinta), a contar
da data de sua emissão e expedido em três vias, devendo a primeira, em cor branca, acompanhar a nota fiscal a
que se refere; a segunda, em cor verde, ser encaminhada ao órgão fiscalizador e, finalmente, a terceira, em cor
amarela, ficar em poder do interessado para o seu controle.

Art. 3º - Fica igualmente instituída pela presente Instrução, o MAPA DE CONTROLE MENSAL
DE REMESSA DE OVOS, conforme modelo em anexo, o qual deverá ser devidamente preenchido conforme
instrução nele contida.

Art.4º- Caberá à firma responsável pelo estabelecimento o preenchimento do CERTIFICADO,


ficando a concessão de novos modelos devidamente assinados, condicionado à apresentação das cópias dos
expedidos no mês anterior, acompanhados do original do MAPA DE CONTROLE MENSAL respectivo.

Art. 5º - Quaisquer autoridades federais ou estaduais, com função da natureza fiscal, ou inspeção
sanitária, em portos ou postos de fronteiras ou barreiras interestaduais, exigirão a apresentação do
CERTIFICADO de que trata a presente Instrução, sempre que se tratar de comércio interestadual de ovos,
conforme determina o art. 861 do Decreto citado no Art. 1º da presente Instrução.

Art. 6º - A autorização para o uso do CERTIFICADO ora instituído, será concedida mediante
requerimento do interessado ao Chefe da Inspetoria do DIPOA a que estiver subordinado o estabelecimento,
concluído o registro ou relacionamento do mesmo.

Art. 7º - A partir de 1º de janeiro de 1971 não é permitido o trânsito interestadual de ovos em


desacordo com as presentes INSTRUÇÕES.

Diretoria da Equipe Técnica de Padronização, Classificação e Inspeção de Origem Animal em 27 de julho de


1970.

Lúcio Tavares de Macedo


Diretor

209
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA
ESCRITÓRIO DA PRODUÇÃO ANIMAL
EQUIPE TÉCNICA DE PADRONIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE
ORIGEM ANIMAL

CERTIFICADO Nº _______________

Os ovos referente ao processo Certificado, estão classificados pelo produtor, segundo a legislação
em vigor, prévia de estabelecimento sob inspeção federal, em regime de inspeção federal, em regime de inspeção
periódica, estando sujeitos à reinspeção em qualquer fase de sua comercialização.

Classe A Classe B Classe C Total ( Dz)

Tipo 1 ( Extra)
Tipo 2 ( Extra)
Tipo 3 ( Extra)
Tipo 4 ( Extra)
Industrial
TOTAL ( Dz)
Total de caixas.................................

Remetente:_____________________ E.R.:_____________________ I.F._________________


Local:_________________________ Municipio:_________________Estado:______________
Marca ou Letreiro:_______________________________
Nº da Nota Fiscal:_________________
Destinatário:_____________________________________ Destino_________________________

___________________ de _____________ 19_______.

________________________
Ass. do Funcionário.

_________________________
Cargo.

Obs: O presente Certificado é válido pelo prazo de 30 dias a partir de sua emissão.

210
MAPA DE CONTROLE MENSAL DE REMESSA DE OVOS.

MÊS DE ________________ DE 19____.

E.R: nº

I.F. nº

Data Certificado nº Quantidade (Dz) Destinatário: Destino:

Nota Fiscal.

OBS: Neste mapa a firma deverá lançar, todas as vezes que embarcar qualquer partida, os números as datas
das notas fiscais, bem como dos respectivos certificados, abreviado no presente mapa como
certificado. Preencherá também os demais campos indicados, sendo que por destino se com
compreende a praça comercial onde tem sede o destinatário. Este mapa será extraído em duas vias,
devendo o original ser encaminhado ao órgão fiscalizador, acompanhado das cópias dos
Certificados correspondentes, até o décimo dia útil de cada mês, subseqüente ao referido.

Em, / / .

_____________________
Assinatura do Produtor

211
CIRCULAR Nº 01.36-15/9.2 061 EM 02.09.83 – Padronização da
Nomenclatura de Conserva de Ovos

Do Diretor da Divisão de Inspeção de Carnes e Derivados


Ao Padronização da Nomenclatura de Conserva de Ovos

Tendo em vista a necessidade de atualização da nomenclatura de Conserva de Ovos, em função da


moderna tecnologia de obtenção, fica através da presente instituída a padronização da nomenclatura oficial,
preservadas as disposições de produtos de Origem Animal– RIISPOA , no que concerne aoS padrões de
qualidade,e Portaria nº 09 de 06 de julho de 1983 para efeito de aprovação de rotulagem e registro na SIPA.

01. OVO INTEGRAL PASTEURIZADO RESFRIADO


02. OVO INTEGRAL PASTEURIZADO CONGELADO
03. OVO INTEGRAL PASTEURIZADO RESFRIADO COM SAL
04. OVO INTEGRAL PASTEURIZADO RESFRIADO COM AÇÚCAR
05. OVO INTEGRAL PASTEURIZADO CONGELADO COM SAL
06. OVO INTEGRAL PASTEURIZADO CONGELADO COM AÇÚCAR
07. GEMA DE OVO INTEGRAL PASTEURIZADA RESFRIADA
08. GEMA DE OVO INTEGRAL PASTEURIZADA CONGELADA
09. GEMA DE OVO INTEGRAL PASTEURIZADA RESFRIADA COM SAL
10. GEMA DE OVO INTEGRAL PASTEURIZADA RESFRIADA COM AÇÚCAR
11. GEMA DE OVO INTEGRAL PASTEURIZADA CONGELADA COM SAL
12. GEMA DE OVO INTEGRAL PASTEURIZADA CONGELADA COM AÇÚCAR
13. CLARA DE OVO PASTEURIZADA RESFRIADA
14. CLARA DE OVO PASTEURIZADA CONGELADA
15. CLARA DE OVO PASTEURIZADA RESFRIADA COM SAL
16. CLARA DE OVO PASTEURIZADA RESFRIADA COM AÇÚCAR
17. CLARA DE OVO PASTEURIZADA CONGELADA COM SAL
18. CLARA DE OVO PASTEURIZADA CONGELADA COM AÇÚCAR
19. OVO INTEGRAL DESIDRATADO
20. OVO INTEGRAL DESIDRATADO LIOFILIZADO
21. GEMA DE OVO DESIDRATADA
22. GEMA DE OVO DESIDRATADA LIOFILIZADA
23. CLARA DE OVO DESIDRATADA
24. CLARA DE OVO DESIDRATADA LIOFILIZADA

Atenciosas Saudações,

PEDRINHO ANTONIO TOMASINI


MÉDICO – VETERINÁRIO
CFMV Nº 0342
DIRETOR DA DICAR

CIRCULAR / SIPA/Nº 01.36.15/9.1 007/85 EM 20/05/85 - Novo modelo de


Certificado Sanitário

Do : Secretario da SIPA
Endereço:
Ao:
Assunto:Novo modelo de Certificado Sanitário.

212
O Certificado Sanitário para controle de trânsito de produtos de origem animal, procedentes de
estabelecimentos sob Inspeção Federal deve obedecer a modelo próprio e aprovado, de conformidade com o
RIISPOA (Art. 858).

O modelo oficial, padronizado e tradicionalmente utilizado, foi aprovado pela Circular nº 131-BR,
de 13.06.72, que estabeleceu as normativas de processamento para a impressão tipográfica preenchimento e uso,
com vistas à preservação de sua autenticidade e inviolabilidade, de forma a assegurar contra usos indevidos,
adulterações e falsificações.

Todavia, considerando-se a rápida evolução do progresso e da tecnologia moderna: considerando


que, o preenchimento de certificados, como vem sendo operado na forma convencional, já não acompanha a
atual agilização da emissão de notas fiscais pelas empresas de alta produção, em sistema computadorizado, com
condições de preenchimento simultâneo e contínuo de certificados; e tendo em vista a necessidade de :
a. atualizar a denominação do órgão emitente, nos certificado, face a extinção do
Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal – DIPOA e a criação da
Secretaria de Inspeção de Produto Animal – SIPA.
b. modernizar a sistemática de trabalho.
c. agilizar o atendimento da demanda atual das indústrias sob inspeção.
d. garantir a confiabilidade dos dados fornecidos.
e. reduzir os custos operacionais de mão de obra
f. dar atendimento à reivindicação de inúmeras empresas sob inspeção, que emitem notas
fiscais pelo sistema contínuo de computação de dados, no sentido de autorizá-las á emissão
simultânea dos res pectivos certificados.

Considerando-se, ainda, outras vantagens oferecidas pelo sistema eletrônico de processamento de


dados na emissão de certificado, como por exemplo: a alternativa automática de correções de erros ou omissões,
bem como na substituição automática da indicativa de ‘‘PRODUTO COMESTÍVEL”, por “PRODUTO
NÃO COMESTÍVEL” em modelo único, eliminando-se, dessa forma, os atuais modelos “verde” e “branco”;

Esta secretaria, houve por bem aprovar um novo modelo de certificado (anexo) , a ser utilizado
em todo o território nacional, de forma a adaptá-lo ao sistema de preenchimento computadorizado e ao mesmo
tempo, para o uso convencional, em substituição ao modelo antigo, atualmente em vigor, obedecendo-se, nesta
segunda alternativa, as mesmas instruções para impressão, preenchimento e uso, prevista na circular nº 131-BR,
de 16.06.1972.
Para o uso em computador deve-se atender as instruções adicionais que a esta acompanha e no que
couber as da citada circular.
Atenciosamente,

Enio A M. Pereira
CFMV 0184
Secretario da SIPA

INSTRUÇÕES PARA IMPRESSÃO, PREENCHIMENTO E USO DO CERTIFICADO SANITÁRIO


(ANEXO) PARA USO EM COMPUTADOR.

AUTORIZAÇÃO:

O uso do Certificado a que se refere a presente Circular, para processamento em computador,


deverá ser autorizado por esta Secretaria, quando solicitado, por escrito, pela firma interessada, através da I.F.

A autorização, uma vez concedida, será comunicada ao SERPA do respectivo Estado, através de
ofício. A firma autorizada e o número da autorização deverão ser cadastrados no SERPA, que dará ciência à I.F.
local para o devido controle e providências.

Será considerado número da autorização o número respectivo processo que concedeu a autorização.

213
IMPRESSÃO:

Ao cientificar a concessão da autorização, o encarregado da I.F. fornecerá à interessada uma cópia


autêntica do modelo oficial, para a devida impressão, ao mesmo tempo em que a orientará sobre estas instruções.
Para uso em computador, o presente Certificado será impresso pela firma interessada, em papel
próprio à finalidade, obedecendo fiel e rigorosamente o modelo fornecido pela Inspeção, ajustando-o se for o
caso, apenas em suas dimensões, a fim de enquadra-lo ao tipo de impressora utilizado pelo computador, sem
contudo alterar o seu gabarito e as características tipográficas básicas essenciais, como: painel, disposições
gráficas, títulos, espaços, "campus", símbolos (Armas da República - altura 0,02m e carimbo do SIF - 0,04m de
diâmetro).
Somente em caso de processamento em computador, poderá ser autorizada a supressão da
expressão “Produto Comestível”, que ao invés de ser impressa tipograficamente, poderá ser processada no
computador, o que permitirá, opcionalmente, o uso alternativo para – “Produto Comestível" e " Produto não
Comestível", eliminando-se desta forma o tradicional modelo “verde” e permitindo uso de um modelo único,
para ambos os casos.

VIAS: 2ª. 3ª. e 4ª


Os impressos das tradicionais (2a, 3a e 4a.) vias, poderão ser suprimidos, na forma de impressos
adicionais em folhas separadas, para controle de trânsito (2ª. via), arquivo da I.F. (3ª.via) e arquivo da firma
(4ª.via), sendo, neste caso, obrigatória a extração computadorizada de 4 (quatro) reproduções simultâneas da 1a.
via, das quais 3 (três) serão fornecidas à I.F. para os fins indicados.

OUTROS ESCLARECIMENTOS:

Estas instruções só serão válidas em caso de utilização do Certificado no sistema de processamento


de dados em computador, quando autorizada. São instruções adicionais, não sendo dispensada, no que couber, a
obrigatoriedade de se continuar observando ao que se determina a Circular nº 131, de 13.06.72, em vigor, com
exceção dos subitens 1.1 – 1.2 – 4.1 e 4.7
Poderá ser tolerada, a impressão tipográfica das informações permanentes, invariáveis e
personalizadas, como o nome da firma emitente e remetente, assim como do estabelecimento de origem, de ponto
de embarque e do embarcador, o que facilitará a redução da mão de obra e a agilização na emissão.

OBSERVAÇÕES :

De acordo com a Circular SIPA nº007, de 20.05.85, o “novo modelo” do Certificado, a que se
refere, deverá substituir o modelo estabelecido pela Circular nº 131/ BR, de 13.06.72, de uso tradicional, em
datilografia, pelas empresas não usuárias do computador, obedecendo-se neste caso, as instruções que
acompanham.

Brasília, 17 de Outubro de 1985.

PORTARIA Nº 09, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1986 - Instruções para


registro de rótulo e memorial descritivo de produtos de origem animal

O SECRETARIO DE INSPEÇÃO DE PRODUTO ANIMAL, no uso das atribuições conferidas


pela Portaria SNAD nº 08, de 01 de fevereiro de 1980, e tendo em vista o que dispõe o item I do Artigo 53 do
Regimento Interno da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária, aprovado pela Portaria Ministerial Nº 141, 10
de Março de 1978:
RESO LVE :

Art. 1º - Aprovar as Instruções para registro de rótulo e memorial descritivo de produtos de origem
animal, de que trata a Portaria SIPA Nº 014, de 11 de Dezembro de 1985, publicada no D.O.U. de 13 de
Dezembro de 1985;

214
Art. 2º - As referidas instruções poderão ser obtidas pelos interessados no Serviço de Inspeção de
Produtos Animal – SERPA / SIPAV da Delegacia Federal da Agricultura nas Unidades da Federação;

Art. 3º - A presente Portaria entrará em vigor na data de sua publicação, ficando revogadas as
disposições em contrário.

JOSÉ PINTO DA ROCHA


Secretário da SIPA
Portaria publicada no Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Seção I, página 1916, de 17. 03. 86.

INSTRUÇÕES PARA APROVAÇÃO E REGISTRO DE RÓTULOS DE PRODUTOS DE ORIGEM


ANIMAL

I – PRELIMINARES

Considerando a necessidade de aperfeiçoar o sistema de aprovação prévia e registro de rótulo,


memoriais descritivos de fabricação e manipulação de produtos de origem animal, esta Secretaria resolve
aprovar as seguintes instruções:
1 - As solicitações para aprovação prévia, registro, alteração e cancelamento de rótulo e respectivos memoriais
descritivos de fabricação ou manipulação, serão encaminhadas, nas vias regulamentares, diretamente à SIPA
em Brasília pelo Serviço de Inspeção Federal junto ao estabelecimento.
Com esse sistema, revestem-se de suma importância o informe e a análise da Inspeção Federal no
tocante ao solicitado, tendo em vista que serão o lastro oficial para o deferimento ou indeferimento do
pedido pela Divisão Técnica da SIPA.
2 - Objetivando agilizar e racionalizar a tramitação, especialmente no Órgão Central, e de forma sempre a
atender aos requisitos regulamentares, os pedidos de aprovação prévia e registro do rótulo serão feitos em
formulários próprios para receberem, ordenadamente, os dados da solicitação da Informação, da Inspeção
Federal e do parecer e decisão da Divisão Técnica da SIPA.
3 - É da competência dos SERPAS/SIPAVS a autorização de uso de rótulos de embalagens secundárias de
produtos aprovados na SIPA, obedecidas às instruções específicas vigorantes (0F.Circular 01.36.15 / 9, 1/
013, de 28.07.80). Não se acham incluídos nesta competência os rótulos e planos de marcação de produtos
destinados ao comércio internacional, cuja autorização de uso continuará a ser dada pelas Divis ões Técnicas
da SIPA.

II - PROCEDIMENTOS DA FIRMA PARA A SOLICITAÇÃO DE APROVAÇÃO PRÉVIA E


REGISTRO DE RÓTULOS.

1. A solicitação para aprovação prévia de rótulos e memoriais descritivos de fabricação ou manipulação de


produtos de origem animal, será feita no formulário padrão, em, duas vias, ao Diretor da Divisão
competente da SIPA (DICAR/ DILEI/ DIPES).
2. A solicitação de registro de rótulos e de memoriais descritivos de fabricação e manipulação, será feita no
formulário padrão, em 4 (quatro) vias, ao Diretor da Divisão competente da SIPA (DICAR/ DILEI/
DIPES).
3. O formulário, na parte do preenchimento pela solicitante, e composto de 4 folhas (fls. 1, 2, 3 e 4) sendo
que estas devem ser preenchidas à máquina. Poderá ser usada folha suplementar, se assim for necessário,
que receberá numeração repetitiva (2A,3A,4A).
4. Um exemplar do formulário está em anexo. Os SERPAs providenciarão a impressão das folhas 1. 2. 3. 4
e 5 (em todas as suas vias) e a SIPA a impressão da folha 6.
5. O formulário padrão será usado também para as seguintes solicitações:
a. alteração de rótulo (painel e dizeres);
b. alteração do processo de fabricação ou composição de produto;
c. cancelamento de registro.
6. Em face da natureza da solicitação, a matéria será assim disciplinada:

215
6.1. No caso de aprovação prévia do rótulo e do respectivo memorial descritivo pela
SIPA/BRASÍLIA - (prevista no Art. Nº 837 do RIISPOA), o interessado apresentará, em 2
(duas) vias, as fls. 1, 2, 3 e 4 do formulário, e mais o croqui do rótulo com a indicação das
cores.
6.2. Quando se tratar de registro ou alteração do processo de fabricação ou composição, o
formulário será integralmente preenchido nas fls. 1, 2, 3 e 4, nas 4 vias, e acompanhado da
4 (quatro) vias do respectivo rótulo em papel, alumínio ou material plástico. Quando se
tratar de rótulos litografados pintados ou gravados, de embalagens de produtos com peso
superior a 5kg, será apresentada a sua exata reprodução em papel, sempre nas dimensões de
210 X 297 mm e mencionada a escala de redução. Neste caso será necessária a autenticação
do encarregado da IF local.
6.3. No caso específico de cancelamento, só será usada a fl. l, nas suas 4 vias, não havendo
necessidade de anexar o rótulo a cancelar.
7. A solicitação será assinada em todas as vias, pelo Representante legal da firma e indispensavelmente pelo
seu Responsável Técnico e entregue à Inspeção Federal, junto ao estabelecimento para análise,
informação e remessa diretamente à SIPA/Brasília.

III - PROCEDIMENTO DO ENCARR'EGADO DA INSPEÇÃO FEDERAL

Recebida da Firma a solicitação de fls.1, 2, 3 e 4, o Encarregado da I.F. deverá:

1. Verificar o número correto de vias (2 vias para aprovação prévia e 4 vias para registro) e se o interessado
preencheu corretamente o formulário, de acordo com a presente instrução:
2. Verificar se o representante legal da firma e o responsável técnico assinaram e carimbaram todas as vias
da solicitação (aprovação prévia ou registro);
3. Analisar as informações lançadas pelo interessado nos formulários, verificando se estão corretas e de
conformidade com a legislação e normas vigentes. Avaliar, também , se o estabelecimento dispõe das
condições especificadas para elaborar, armazenar e, controlar o produto;
4. Verificar se os documentos e respectivas quantidades anexadas estão corretas;
5. Analisar o modelo do rótulo, verificando se está de acordo com o que dispõe as alíneas de a a u, .de fl.5;
6. Na alínea "u" de fl.5, especificar as alíneas não constantes do rótulo e exigidas pela legislação vigente;
7. Lançar, no item 3, "Outras Observações", eventuais objeções resultantes da análise do preenchimento do
formulário;
8. Caso a solicitação não esteja de acordo com o que determinam as Instruções e a legislação vigente,
devolver a solicitação ao interessado, informando as incorreções através das anotações da fl.5. Datar e
assinar a devolução;
9. Estando a solicitação em condição de ser remetida à Divisão competente da SIPA, despachar no lugar
devido à fl.5;
10. A Informação de fl.5 será feita duas ou quatro vias (aprovação prévia ou registro), que serão grampeadas a
cada formulário da solicitação, para a remessa em envelope fechado às Divisões Técnicas da SIPA.
11. A solicitação só poderá ser encaminhada à SIPA se estiver completa, atendidas estas instruções e a
legislação vigorante sem emendas ou rasuras.

IV - PROCEDIMENTO DAS DIVISÕES TÉCNICAS DA SIPA, SERPAS E SIPAVS

1. A solicitação deverá ser encaminhada à Divisão Técnica competente, que anotará no quadro próprio do
cabeçalho a data de entrada do documento;
2. Na Divisão Técnica da SIPA, para a análise e definição do pedido, será utilizada a folha nº 6;
3. A folha 6 será anexada, após despacho, a cada formulário padrão (duas ou quatro vias) recebido pela
Divisão;
4. O número de registro do rótulo será concedido pela Divisão Técnica competente, em ordem numérica
seqüencial, ficando estabelecido o prazo de validade de 10 (dez) anos para o referido ;
5. Na aprovação prévia:
5.1. O primeiro conjunto (folhas 1, 2, 3, 4, 5 e 6) seá arquivado na respectiva Divisão;

216
5.2. O segundo conjunto (folhas 1, 2, 3, 4, 5 e 6) será encaminhado diretamente ao Serviço de
Inspeção Federal (SIF) junto ao estabelecimento de origem: Cada Divisão encaminhará uma
cópia da folha ao setor competente que providenciará o cadastramento do rótulo;
6. No registro:
6.1. O primeiro conjunto (folhas 1 a 6) será arquivado na respectiva Divisão;
6.2. O segundo conjunto (folhas 1 a 6) será encaminhado ao SERPA e SIPAV para ciência e
arquivamento;
6.3. O terceiro e quarto conjunto (folhas 1 a 6) serão devolvidos diretamente à origem, sendo o
terceiro para o arquivo da I.F, e o quarto para a interessada. Cada Divisão encaminhará uma
cópia da folha nº 6 ao setor competente, que providenciará o registro do rótulo;
6.4. No caso de indeferimento, a Divisão restituirá toda a documentação ao Serviço de Inspeção
Federal (SIF) de origem;
6.5. No caso de solicitação de cancelamento do número de registro (em que é utilizado somente
a fl.1 do formulário, nas suas 4 vias) o procedimento da Divisão Técnica se limitará a:
-Encaminhar a 1ª via da fl.l ao setor competente de cadastramento com o respectivo
despacho;
-Devolver ao SERPA ou SIPAV a 2ª, 3ª e 4ª via de fl.1 com o despacho da Divisão. A 2ª
via pertencerá ao SERPA/SIPAV e a 3ª e a 4ª serão endereçadas à IF e à firma,
respectivamente;
7. Os rótulos e memoriais descritivos de fabricação ou manipulação aprovados previamente terão o prazo.de
180 dias para serem registrados, caso contrário serão automaticamente cancelados. Em situações
justificáveis este prazo poderá ser dilatado mediante requerimento da interessada.
8. Ficam revogadas as instruções baixadas pela Portaria SIPA nº 09 de 06.07.83 .

José Pinto da Rocha


CFMV 0084
Secretário da SIPA

CIRCULAR Nº 024/DICAR EM 23.03.88 - Nomenclatura de carne e


derivados de aves, coelhos e ovos.

Do: Diretor da Divisão de Inspeção de Carnes e Derivados – DICAR, da SIPA


Endereço:
Ao:
Assunto: No menclatura de carne e derivados de aves, coelhos e ovos.

Considerando a necessidade de dirimir as freqüentes dúvidas, e em aditamento às Circulares de nº


051 e 330/ 83, estamos encaminhando a complementação e correções das nomenclaturas de carne e derivados de
aves, coelhos e ovos.

Atenciosas saudações

Djalma Atanásio Santos da Silva


Diretor da DICAR/SIPA/SNAD/MA
Médico Veterinário
CFMV Nº 0337

NOMENCLATURA DE CARNE E DERIVADOS DE AVES, COELHOS E DE OVOS

A . CARNE:

217
1. Frango resfriado
2 . Frango res friado (carcaça)
3 . Frango congelado
4. Frango congelado (carcaça)
5. Galeto Resfriado
6. Galeto Congelado
7. Galinha Resfriada
8. Galinha Congelada
9. Galo Resfriado
10. Galo Congelado
11. Peru Resfriado
12. Peru Congelado
13. Pato Resfriado
14. Pato Congelado
15. Marreco Resfriado
16. Marreco Congelado
17. Coelho Resfriado
18. Coelho Congelado
19. Codorna Resfriada
20. Codorna Congelada
21. Perdiz Resfriada
22. Perdiz Congelada
23. Faisão Resfriado
24. Faisão Congelado

B. CORTES
1. Cortes Resfriados de Frango ( * )
2. Cortes Congelados de Frango ( * ) _,
3. Cortes Resfriados de Galinha ( * )
4. Cortes Congelados de Galinha ( * )
5. Cortes Resfriados de Galo ( * )
6. Cortes Congelados de Galo ( * )
7. Cortes Resfriados de Peru ( * )
8. Cortes Congelados de Peru ( * )
9. Cortes Resfriados de Pato ( * )
10. Cortes Congelados de Pato ( * )
11. Cortes Resfriados de Marreco ( * )
12. Cortes Congelados de Marreco ( *)
13. Cortes Resfriados de Coelho ( **)
14. Cortes Congelados de Coelho ( ** )

C. RECORTES
1. Recortes Resfriados de Frango ( * )
2. Recortes Congelados de Frango ( * )
3. Recortes Resfriados de Galinha ( * )
4. Recortes Congelados de Galinha ( * )
5. Recortes Resfriados de Galo ( * )
6. Recortes Congelados de Galo ( * )
7. Recortes Resfriados de Peru ( * )
8. Recortes Congelados de Peru ( * )
9. Recortes Resfriados de Pato ( * )
10. Recortes Congelados de Pato ( * )
11. Recortes Resfriados de Marreco ( * )
12. Recortes Congelados de Marreco ( * )
13. Recortes Resfriados de Coelho ( ** )
14. Recortes Congelados de Coelho ( * * )

218
15. Pertences Resfriados para Canja ( * )
16. Pertences Congelados para Canja ( * )

ESPECIFICACÕES DOS CORTES E RECORTES


( * ) - Cabeça - Pés
- Pescoço - Peito sem osso
- Peito - Peito sem osso sem pele
- Filé de Peito - Asas sem osso
- Dorso - Coxas sem osso
- Asas - Coxas sem osso sem pele
- Coxas - Sobrecoxas sem osso
- Sobrecoxas - Sobrecoxas sem osso sem pele
- Sambiquira ou Sobre - Curanxín

( ** ) - Dianteiro

- - Traseiro

- - Dorso

- - Dorso com Costelas


D. MIÚDOS
1. Miúdos Resfriados de Ave ( * )
2. Miúdos Congelados de Ave ( * )
3. Miúdos Resfriados de Peru ( * )
4. Miúdos Congelados de Peru ( * )
5. Miúdos Resfriados de Pato ( * )
6. Miúdos Congelados de Pato ( * )
7. Miúdos Resfriados de Coelho ( ** )
8. Miúdos Congelados de Coelho ( ** )

ESPECIFICAÇÕES DOS MIÚDOS


( * ) - Coração, Fígado, Moela.
( ** ) - Fígado, Coração.

E. OUTROS
1. Testículos Resfriados de Galo e/ou Ave
2. Testículos Congelados de Galo e/ou Ave
3 Testículos Resfriados de Peru
4. Testículos Congelados de Peru
5. Pele Resfriada de Ave
6. Pele Congelada de Ave
7. Pele Temperada Resfriada ou Congelada de Ave
8. Gordura de Ave e / ou Gordura Resfriada e/ ou Congelada de Ave.

F.CARCAÇAS, CORTES, E RECORTES DE AVES TEMPERADOS, DEFUMADOS, COZIDOS E EM


CONSERVA.
1. CARCAÇAS
1.1. Frango Temperado Resfriado
1.2. Frango Temperado Congelado
1.3. Frango Temperado Resfriado (carcaça)
1.4. Frango Temperado Congelado (carcaça)
1.5. Galeto Temperado Resfriado
1.6. Galeto Temperado Congelado
1.7. Galinha Temperada Resfriada

219
1.8. Galinha Temperada Congelada
1.9. Galo Temperado Resfriado
1.10 Galo Temperado Congelado
1.1l. Peru Temperado Resfriado
1.12. Peru Temperado Congelado
1.13. Pato Temperado Resfriado
1.14. Pato Temperado Congelado
1 15. Marreco Temperado Resfriado
1.16. Marreco Temperado Congelado
1.17. Coelho Temperado Resfriado
1.18. Coelho Temperado Congelado
1.19. Codorna Temperada Resfriada
1.20. Codorna Temperada Congelada
1.21. Perdiz Temperada Resfriada
1.22 Perdiz Temperada Congelada
1.23 Faisão Temperado Resfriado
1.24 Faisão Temperado Congelado
1.25 Frango Defumado
1.26 Peru Defumado
1.27 Frango Cozido Resfriado e/ou Congelado
1.28 Frango Cozido sem Osso Resfriado e/ou Congelado
1.29 Frango Cozido Temperado Resfriado e/ou Congelado
1.30 Frango Cozido Temperado sem Osso Resfriado e/ou Congelado
1.31 Frango em Conserva.

2 . CORTES E RECORTES
1. Cortes ou Recortes Temperados Resfriados de Frango ( * )
2. Cortes ou Recortes Temperados Congelados de Frango ( * )
3. Cortes ou Recortes Temperados Resfriado de Peru (*)
4. Cortes ou Recortes Temperados Congelados de Peru ( * )
5. Cortes ou Recortes Defumados de Frango (*)
6. Cortes ou Recortes Defumados de Peru (*)
7. Cortes ou Recortes de Frango em Conserva (*)
8. Cortes ou Recortes de Peru em Conservas (*)

G. PRODUTOS DERIVADOS
1. Lingüiça de Carne de Frango
2. Lingüiça de Carne de Peru .
3. Lingüiça de Carne de Ave
4. Lingüiça Congelada de Frango
5. Lingüiça Congelada de Peru
6. Lingüiça Congelada de Ave
7. Salsicha de Carne de Frango
8. Salsicha de Carne de Peru
9. Salsicha de Carne de Ave
10. Mortadela de Carne de Frango
11. Mortadela de Carne de Peru
12. Mortadela de Carne de Ave
13. Salsichão de Carne de Peru
14. Salsichão de Carne de Ave
15. Salsichão (Carne de *)
16. Fiambre de Carne de Frango
17. Fiambre de Carne de Peru
18. Fiambre de Carne de Ave
19. Fiambre (Carne Cozida de *)
20. Embutido Frescal de Carne de Ave

220
21. Embutido Congelado de Carne de Ave
22. Embutido Frescal de Carne de Peru
23. Embutido Cozido de Carne de Ave
24. Embutido Cozido de Carne de Peru
25. Embutido Defumado de Carne de Ave
26. Embutido Defumado de Carne de Peru
27. Pasta ou Patê de Frango
28. Pasta ou Patê de Galinha
29. Pasta ou Patê de Peru
30. Pasta ou Patê de Ave
31.Hambúrguer de Frango
32.Hambúrguer de Peru
33. Hambúrguer de Ave
34. Hambúrguer (Carne Moída Congelada de * )
35. Lanche (Carne Cozida e/ou Defumada de * )
36. Morcela Branca (Carne, Fígado ou miúdos e/ou Pele de Ave)
37.Outros Produtos .
( * ) - Especificação da espécie.

NOMENCLATURA DE OVOS

1.Ovos Tipo Extra - mínimo de 60g por unidade ou 720g por dúzia
2.Ovos Tipo Grande - mínimo de 55g por unidade ou 60g por dúzia
3. Ovos Tipo Médio - mínimo de 50g por unidade ou 600g por dúzia
4. Ovos Tipo Pequeno - mínimo de 45g por unidade ou 540g por dúzia
5. Ovos Tipo Industrial - abaixo de 45g por unidade.

Djalma Atanásio Santos da Silva


Diretor da DICAR/SIPA/SNAD/MA
Médico Veterinário
CFMV nº 0337

CIRCULAR Nº 127/DICAR EM 20.09.88 - Trânsito de ovos e derivados.

Do: Diretor da Divisão de Inspeção de Carnes e Derivados - DICAR, da SIPA


Endereço:
Ao:
Assunto: Trânsito de ovos e derivados.

Considerando informações de que, em alguns estados da federação, os produtores de ovos vêm


encontrando dificuldades para obtenção do Certificado Sanitário para o trânsito interestadual de seu produto;
Considerando que a Portaria nº 15, de 07.07.70, que disciplina o comércio interestadual de ovos,
permanece em vigor;
Esta Diretoria houve por bem baixar as presentes instruções com vistas à padronização dos
procedimentos do Serviço de Inspeção Federal SIF, a nível nacional, no que concerne ao assunto em referência.

INSTRUÇÕES RELATIVAS AOS PROCEDIMENTOS A SEREM ADOTADOS QUANTO AO


TRÂNSITO DE OVOS E DERIVADOS.

221
1. Fica estabelecido para o trânsito interestadual de ovos em natureza, destinados ao consumo direto, que o
produto será acompanhado por Certificado Sanitário, na forma e modelo dispostos, nas "INSTRUÇÕES"
aprovadas pela Portaria nº 15, de 07.07.70;
2. As remessas de Conservas de Ovos serão acobertadas por Certificado Sanitário, na forma e modelo
dispostos na Circular nº 007/SIPA, de 20.05.85;
3. Os Entrepostos de Ovos e Granjas Relacionadas, sob regime de inspeção periódica, serão inspecionados
em intervalos mínimos de 30 a 60 dias; e
4. O fornecimento dos Certificados Sanitários, emitidos de conformidade com o disposto na Portaria nº 15,
de 07.07.70, fica condicionado à realização das visitas periódicas de inspeção ao estabelecimento
produtor, em consonância com o fixado no item 3 acima.

Atenciosas Saudações,

Nilo Coelho de Pinto.


Méd. Vet. CFMV nº 0073
Diretor da DICAR/SIPA

PORTARIA Nº 01, DE 21 DE FEVEREIRO DE 1990 - Normas Gerais De


Inspeção de Ovos e Derivados

0 SECRETÁRIO DE INSPEÇÃO DE PRODUTO ANIMAL no uso de suas atribuições e com base


no disposto no Artigo 95l do Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal-
RIISPOA, baixado pelo Decreto nº 30.691 de 29.03.1952, que regulamentou a Lei nº 1.283 de 18.12.1950,
RESOLVE:

I - Aprovar as Normas Gerais de Inspeção de Ovos e Derivados, propostas pela Divisão de


Inspeção de Carnes e Derivados - DICAR que serão divulgadas através de Ofício Circular da SIPA.

II - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em


contrário.

LUIZ CARLOS DE OLIVEIRA

(Of. nº 11/90)
Publicada no Diário Oficial da República Federativa do Brasil
Nº44, Seção I, página 4321, de 06.03.90.

NORMAS GERAIS DE INSPEÇÃO DE OVOS E DERIVADOS

Capítulo I
Definições

1. "OVO" - pela designação "ovo" entende-se o ovo de galinha em casca, sendo os demais acompanhados
da indicação da espécie de que procedem (Art.709).
2. "OVO FRESCO" - entende-se o ovo em casca que não foi conservado por qualquer processo e se
enquadre na classificação estabelecida (Art. 707). Este ovo perderá sua denominação de fresco se for
submetido intencionalmente a temperaturas inferiores a 8ºC, visto que a temperatura recomendada para
armazenamento do ovo fresco está entre 8ºC e 15ºC com uma umidade relativa do ar entre 70% - 90%.
3. "OVO FRIGORIFICADO" - entende-se o ovo em casca conservado pelo frio industrial nas
especificações do Art. 725 da RIISPOA.

222
4. "CONSERVA DE OVOS" - entende-se o produto resultante do tratamento do ovo sem casca ou partes
do ovo que tenham sido congelados, salgados , pasteurizados, desidratados ou qualquer outro processo
devidamente aprovado pela SIPA.
5. “OVO INTEGRAL" - entende-se o ovo em natureza desprovido de casca e que conserva as proporções
naturais da gema e clara. Quando misturados, resultam em uma substância homogênea.
6. GEMA - entende-se o produto obtido do ovo desprovido da casca e separado da clara ou albumina.
7. CLARA - entende-se o produto obtido do ovo desprovido da casca e separado da gema.
7.1. Quando diversas proporções da clara e gema forem utilizadas, não se observando a
proporção de um ovo em natureza, o produto será designado “ Mistura de Ovos”.
8. “OVO DESIDRATADO” – entende-se o produto resultante da desidratação do ovo em conformidade
com Art. 753 do RIISPOA.
9. “PASTEURIZAÇÃO” – entende-se por pasteurização o emprego conveniente do calor com o fim de
destruir microorganismos patogênicos sem alteração sensível da constituição física do ovo ou partes do
ovo.
10. “PROCESSAMENTO” – refere-se ao procedimento de classificação, ovoscopia, lavagem, quebra de
ovo, filtração, homogeneização, estabilização, pasteurização, resfriamento, congelamento, secagem e
embalagem do produto final.
11. “INSTALAÇÕES” – refere-se ao setor de construção civil do estabelecimento propriamente dito e das
dependências anexas, envolvendo também sistemas de água, esgoto, vapor, etc.
12. “EQUIPAMENTOS” – refere-se a maquinaria e demais utensílios utilizados nos estabelecimentos.
13. “ESTABELECIMENTO” – abrange todos os tipos e modalidades de instalações previstos no Art. 29 do
RIISPOA:
Pode-se ainda definir, mais especificamente, como determinada instalação ou local onde são
recebidos e/ ou processados, com finalidade industrial ou comercial, o ovo e derivados.
14. "CLASSIFICAÇÃO" - refere-se ao Decreto n.º 56585 de 20 de julho de 1965 que aprovou as
especificações para a classificação do ovo em natureza.
15. "RIISPOA" - Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de Origem Animal,
aprovado pelo Decreto n.º 30.691 de 29.03.62, que regulamentou a Lei n.º 1283 de 18.12.50, e alterado
pelo Decreto n.º 1.255 de 25.06.62.
16. "SIPA" - Secretaria de Inspeção de Produto Animal (Cx - DIPOA).
17. "DICAR" - Divisão de Inspeção de Carnes e Derivados da SIPA.
18. "SIF" - Serviço de Inspeção Federal do Ministério da Agricultura, exercido pela SIPA (em cada
estabelecimento industrial).
19. "SERPA" - Serviço de Inspeção de Produto Animal (a nível Estadual).
20. "SIPAV" - Serviço de Inspeção de Produto Animal e Vegetal (a nível Estadual).

Capítulo II

1. C1assificação e características dos estabelecimentos.


1.1. Classificação.
A - Granja Avícola
Entende-se por Granja Avícola o local destinado ao recebimento,
classificação, ovoscopia, acondicionamento, identificação e distribuição de ovos em
natureza, oriundos da própria Granja produtora, observando-se o Art. 709 do Decreto
n.º 30691, de 29.03.52, alterado pelo Decreto n.º 1255 de 25.06.62 que aprova o
RIISPOA e as devidas particularidades adiante especificadas. As Granjas Avícolas
serão relacionadas no Serviço de Inspeção de Produto Animal - SERPA nos Estados
da Federação, e devem estar sob controle sanitário oficial dos órgãos competentes.
B- Entreposto de ovos (Art. 29, Parágrafo I do RIISPOA).
Entende-se por Entreposto de ovos o estabelecimento destinado ao
recebimento, classificação, acondicionamento, identificação e distribuição de ovos em
natureza, dispondo ou não de instalações para sua industrialização.
Para efeito de produção de conservas de ovos, os estabelecimentos
enquadrados nesta categoria devem atender todas as disposições contidas nas
presentes normas para as instalações destinadas a produção de conservas de ovos,
além das seções de recepção, lavagem, classificação, ovoscopia, com as devidas

223
particularidades adiante especificadas, como também das dependências sociais e
auxiliares.
C - Fábrica de Conservas de ovos (Art. 29, parágrafo 2 do RIISPOA).
Entende-se por Fábrica de Conservas de Ovos o estabelecimento destinado
ao recebimento e industrialização de ovos.
Enquadra -se nesta categoria os estabelecimentos construídos especificamente
para a finalidade, dispondo somente de unidades de industrialização, não se dedicando
a ovos "in natura".
D - Outros estabelecimentos
Permite-se a utilização de determinadas instalações de outros
estabelecimentos industriais de produtos de origem animal para produção de ovos
desidratados e liofilizados, desde que sejam registrados na SIPA, sob regime de
Inspeção Federal permanente, e suas instalações e equipamentos específicos se
enquadrarem às presentes normas.
1.2. Características
Os estabelecimentos de ovos e derivados devem satisfazer as seguintes condições básicas:
A - Granja Avícola (baseado no Art. 708 do RIISPOA)
As Granjas Avícolas devem dispor de:
?? dependência apropriada para a classificação, ovoscopia, embalagem e
distribuição de ovos.
?? instalações sociais adequadas.
B- Entreposto de ovos
Os Entreposto de ovos devem dispor de:
?? local para recepção de ovos.
?? local para classificação, ovoscopia e embalagem.
?? local de armazenagem e expedição.
?? local para depósito de embalagens
?? local apropriado e convenientemente aparelhado, a juízo da Inspeção Federal,
para lavagem de recipientes, bandejas ou similares, e, quando for o caso,
esterilização.
?? dispor, quando necessário, de câmaras frigoríficas.
?? dispor, quando for o caso, de dependências para industrialização.
?? vestiários e sanitários.
C - Fábrica de Conservas de Ovos
Deve dispor de:
?? local para recepção de ovos.
?? local para ovoscopia, seleção e lavagem de ovos.
?? local apropriado para a quebra de ovos.
?? local destinado a industrialização de ovos, compatível com a et cnologia
utilizada e convenientemente aparelhado para o processamento.
?? dispor de dependências frigoríficas adequadas a capacidade produtiva do
estabelecimento.
?? local para depósito de embalagens.
?? local apropriado e convenientemente aparelhado, a juízo da Inspeção
Federal, para lavagem e/ou esterilização de recipientes, baldes, bandejas
ou similares.
?? vestiários e sanitários.
?? laboratório para controle de qualidade do produto, sob responsabilidade de
profissional habilitado.

2. Localização e situação
O Entreposto de ovos e/ou Fábrica de conservas de ovos, doravante também denominados
genericamente de estabelecimentos industriais, deverão ser localizados em áreas específicas onde não
hajam outros que produzem mau cheiro ou qualquer risco de prejuízo aos produtos a serem elaborados,
respeitando-se ainda o afastamento mínimo de 5 m das vias públicas, com entradas laterais que permitam a

224
movimentação e circulação de veículos.
Deve ser localizado preferencialmente no centro de terreno, com área de acesso e circulação de
veículos devidamente pavimentadas, de modo a não permitir a formação de poeira e lama, sendo as
demais áreas não construídas, urbanizadas, e o perímetro do terreno delimitado e cercado de forma a não
permitir o acesso de animais.
É vedado residir no corpo industrial ou no perímetro delimitação do mesmo. A existência de curso
de água perene, com caudal suficiente para receber as águas residuais, devidamente tratadas de acordo
com o órgão competente, será condição ideal de localização do estabelecimento.
Atender ainda os Artigos 64 e 65 do RIISPOA, observada ainda a necessária anuência das
autoridades municipais competentes.
Com referência a Granja Avícola, esta deverá ser localizada em área delimitada e em local livre de
lixo, detritos e de outros materiais e condições que possam constituir-se em fonte de mau cheiro ou
propício para abrigar insetos, roedores ou quaisquer outros animais.

3. Considerações gerais quanto às instalações

As instalações onde forem processados ovos em casca ou derivados deverão ser projetados,
construídos e mantidos de forma a assegurar as condições adequadas do ponto de vista de higiene e
tecnologia.
3.1. Área construída
A área construída deverá ser compatível com a capacidade do estabelecimento e tipo
de equipamentos, tendo as dependências orientadas de tal modo que os raios solares, o vento
e as chuvas, não prejudiquem os trabalhos industriais.
3.2. Pé direito
Em todas as seções industriais o pé-direito mínimo será 4,0 (quatro) metros, com
tolerância de 3,0 m (três) nas recepções abertas e em dependências sob temperatura
controlada, quando as operações nelas executadas assim permitirem.
Nas câmaras frigoríficas esta altura poderá ser reduzida para até 2,50 (dois e meio
metros).
3.3. Teto
O teto deverá ser de laje de concreto, al