Você está na página 1de 29

2015/2016

A inteligência
emocional, para o
desenvolvimento
das crianças
[Escrever o subtítulo do documento]
Trabalho final da unidade curricular temas de Desenvolvimento
Moral e Psicossocial

Discente : Daniela Lopes

2015/2016
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Índice
Introdução....................................................................................................... 3

Inteligência emocional ..................................................................................... 4

Emoções ...................................................................................................... 8

Como se calcula a Inteligência emocional e os seus modelos...................... 10

Instrumentos de Medida para a Inteligência Emocional ............................ 11

Vertentes da Inteligência Emocional .............................................................. 14

A autoconsciência ...................................................................................... 14

Gestão das Emoções .................................................................................. 15

Automotivação ........................................................................................... 15

Empatia ...................................................................................................... 16

Gestão de Relacionamentos........................................................................ 16

A importância Inteligência Emocional no contexto escolar ............................. 18

Estudos e investigações acerca da relação inteligência emocional e


rendimento académico ............................................................................... 18

Papel dos pais na inteligência emocional .................................................... 21

Os pais ou mãe ausente .......................................................................... 22

O pai ou a mãe castradora ...................................................................... 23

O pai ou a mãe permissiva ...................................................................... 24

O pai ou a mãe orientadora ..................................................................... 24

Conclusão ..................................................................................................... 27

Bibliografia .................................................................................................... 28

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Introdução
3

O presente trabalho académico visa uma abordagem reflexiva face á importância

Inteligência Emocional em crianças e adolescentes e as suas contribuições para o

desenvolvimento pessoal, moral e académico. Com o interesse a crescer acerca da

inteligência emocional e de como esta se manifesta e o seu papel a nível pessoal e

educacional, através de resultados de vários estudos ao longo dos anos que esta

competência revela-se cada vez mais essencial e fundamental para os dias de hoje

começando logo desde criança a desenvolver tais competências como a

autocosnciencia emocional, orientação emocional , entre outras subjacentes.

A estrutura deste trabalho encontra-se dividida em três partes sendo que a

primeira baseia-se na definição do conceito de inteligência emocional no seu geral,

incluído o que são as emoções como o conceito foi evoluindo e a perspetiva de vários

autores acerca do mesmo, por fim como se avalia a inteligência emocional e os

instrumentos utilizados.

Na segunda parte focamos apenas na vertente da inteligência emocional

abordando os conceitos fundamentais e subjacentes da IE, como a autoconsciência, a

gestão de emoções, a automotivação e a empatia.

Na terceira e última parte revemos alguns estudos acerca do investigação

nos últimos anos pelo interesse da inteligência emocional no sucesso académico e na

importância da família e dos pais para aumentar e orientar a IE dos filhos, referindo os

quatro modelos de parentais relacionadas como os pais controlam e agem face às

emoções dos seus filhos e as consequências destes modelos parentais no

desenvolvimento da criança pessoal e emocional.

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Inteligência emocional
4

A inteligência emocional tem sido um tema que ao longo dos anos têm vindo a

tomar várias propostas de conceitos, todos eles relacionados, que vão evoluindo não só

no tempo mas de autor para autor, não tendo assim um conceito único e universal.

Um dos primeiros autores a tentar definir o que é o conceito de inteligência

emocional foi Mayer, Salovey & Caruso no início da década de 90, como uma subforma

da Inteligência Social, baseanda no livro de Gardner intitulada originalmente The frames

of mind: the theory of multiple intelligences em 1983, pois segundo o psicólogo Mayer

e Solovey (1990) a inteligência social caracterizava-se por uma monitorização dos

sentimentos em nós próprios e nos outros, na distinção entre ambos e na maneira como

é utilizada essa informação para guiar o pensamento e as ações.

Após esta ideia de que havia uma capacidade de processamento de informação e

que requer processos mentais como a monitorização, houve a necessidade de

publicaram um segundo artigo, este ficou mais conhecido por apresentar o primeiro

conceito inteligência emocional reformulado, depois do psicólogo alemão anos Leuner,

nos 60 do século passado ter usado a definição de inteligência emocional (Ângelo,

2007) como “a capacidade de perceber acuradamente, de avaliar e de expressar

emoções; a capacidade de perceber e/ou gerar sentimentos quando eles facilitam o

pensamento; a capacidade de compreender a emoção e o conhecimento emocional; e a

capacidade de controlar emoções para promover o crescimento emocional e intelectual”

(Mayer & Salovey, 1997 citado por Cobêro 2006).

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Com o despertar da curiosidade acerca do conceito de inteligência emocional vários


5
autores criaram novos conceitos, novas informações e novas teses sobre o assunto e

cada mais tem vindo a ganhar reputação tal como é o caso do psicólogo Daniel

Goleman, em 1995 publicou o seu livro Emotional Intelligence, que tendo sido um

bestseller internacional desde então e usado como base de várias teses, formações e

pesquisas em várias áreas quer que seja na académica quer que seja na vida

profissional.

Para este autor ao contrário de Mayer & Salovey Goleman (2001) apresenta mais

interesse em relacionar outro tipo de características da Inteligência Emocional como “a

capacidade de a pessoa se motivar a si mesma e persistir a respeito das frustrações; de

controlar os impulsos e adiar a recompensa; de regular o seu próprio estado de espírito

e impedir que o desânimo subjugue a faculdade de pensar; de sentir empatia e de ter

esperança”. (Goleman, 2014:54), este seu interesse em avigorar um quociente para e

inteligência emocional esta relacionado com o fator de que pessoas com QI alto não

significa que vão ser bem sucedidos profissionalmente e nas suas vidas particulares,

chegando a conclusão que o QI pouco ou nada contribui para explicar os destinos

diferentes de pessoas com mais ou menos oportunidades.

Com a base da sua investigação em saber até que ponto a inteligência emocional é

responsável pelo curso de vida de uma pessoa, Goleman volta a reformular a definição

de inteligência emocional como “a capacidade de reconhecer os nossos sentimentos e

os dos outros, de nos motivarmos e de gerirmos bem as emoções em nós e nas nossas

relações”. (Ângelo 2007)

Se por um lado para alguns autores a inteligência emocional é definida como sendo

a capacidade de controlar as emoções, aceder e gerir as mesmas e assim contribuir para

um crescimento emocional, para outros autores a inteligência emocional está quase

implícita como um carácter, como uma parte da personalidade, aptidões que podemos

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

desenvolver e que é necessária para todos os aspetos da nossa vida, para outros autores
6
que ainda não referimos aqui a inteligência emocional acaba por ser “um constructo

complexo que compreende as habilidades não cognitivas, emocionais, pessoais e

interpessoais, que interagem umas com as outras e influenciam a capacidade de se ser

bem sucedido perante as exigências e pressões diárias do ambiente” (Bar-On 2000

citado por Ângelo 2007).

Todos os autores aqui referidos falam da importância da inteligência emocional

quer que seja para o nosso crescimento emocional, intelectual ou social, ela revela-se

fundamental e omnipresente á todos os aspectos da nossa vida.

Tanto os estudo de Mayer e tal, 2002, “ que revelam que as pessoas com altos

níveis de Inteligência emocional são mais aptas para perceber e utilizar as emoções, no

sentido de produzir pensamento e compreender os seus significados, controlam as

emoções de forma mais eficaz, apresentam maior capacidade de resolver problemas de

ordem emocional, utilizando menores quantidades de recursos cognitivos, o que se

torna uma mais valia no contexto diário. “( Ângelo 2007). Os estudos e investigações de

Goleman também mostram que a inteligência emocional tem uma importância imensa

para o nosso destino pessoal, considerando-a como uma aptidão emocional com um

conjunto de competências que são necessárias para perceber porque pessoas com

intelectos iguais progridem de maneira diferente na vida.

É de facto que é necessário haver uma literacia da inteligência emocional nas

escolas, como estes autores fundamentaram e bem a capacidade de controlar-mos de

gerir e de saber-mos lidar com as nossas emoções podem estar na base de sermos

bons ou medíocres a qualquer nível da nossa vida seja ele académico, profissional ou

social, já não é apenas o QI que é considera a inteligência mais importante ou única, tal

como Gardner menciona no seu livro, já abordado neste trabalho, ele divide a

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

inteligência por sete variedades principais apesar de o próprio admitir que podem haver
7
muitas mais variedades de inteligência.

As sete áreas que Gardner referiu como as que apresentam aspectos mais amplos,

ou seja que de uma forma geral se conseguem universalizar, inclui dois tipos

académicos, a inteligência lógico matemática e a inteligência linguística, ligadas ao

pensamento e a utilização de conhecimentos, inclui também a inteligência espacial,

musical e corporal cinestésica, quem possuir uma destas inteligências mais facilmente

compreende e consegue usar as informações para a resolução de problemas e criação

de conteúdo como é o casa da inteligência musical e corporal cinestésica. (Gardner

citado por Goleman 2014)

Por fim na lista das diversas inteligências temos a que se relacionam mais com o

tema do presente trabalho e investigação, a inteligência interpessoal e intrapessoal,

onde a primeira torna os sujeitos capazes de reconhecer e distinguir os sentimentos e

intenções dos outros e a segunda é a capacidade de que um individuo tem de identificar

os seus próprios sentimentos e construir respostas e modelos para a tomada de

decisões. Podemos referir que Gardner descompôs a inteligência interpessoal em quatro

capacidades distinta entre elas a capacidade de manter relações, a de liderar ou a

capacidade de resolver conflitos, ou seja capacidades todas elas ligadas a competências

sociais. Segundo Goleman no seu livro citando este autor, indica que a “inteligência

interpessoal inclui a capacidade de discernir e responder adequadamente aos estados

de espírito, temperamento, motivação e desejos das outras pessoas. Na motivação

intrapessoal, a chave para o conhecimento inclui o acesso aos nossos próprios

sentimentos e a capacidade de distinguir entre eles e de neles nos basearmos para guiar

a nossa conduta”( Goleman, 2014: 60).Esta última afirmação remete-nos para outro

ponto necessário estudar quando falamos em inteligência emocional, será que as

emoções podem interferir com a nossa inteligência?

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

8
Emoções

Segundo Goleman As emoções são a base da inteligência emocional, com base em

vários autores e influências dos estudos dos mesmos ele defende que possuímos duas

mentes: a racional e a emocional.” Para o autor há uma ligação entre a emoção e a

cognição, sendo que a primeira não pode ser entendida apenas em termos do que

ocorre no interior da pessoa ou no cérebro, mas como um conjunto de transações com

acontecimentos do meio ambiente, significativos para o bem-estar do sujeito. Estes

acontecimentos são avaliados, segundo Goleman, através de uma apreciação cognitiva,

de forma deliberada, racional e consciente” (Costa, 2009 citado por Ângelo 2007 ).

Como já referido que Goleman baseou-se em investigação de vários autores como é

o caso do neurocientista Dr. António Damásio, citado pelo mesmo, defende que

“alguém privado das suas emoções, dificilmente consegue tomar decisões racionais,

assumindo mesmo que, sem emoções, não existirão raciocínios assertivos.” (Goleman,

2014: 50)

Dr. Damásio apresenta provas que os sentimentos são altamente indispensáveis

para a tomada de decisões racionais e que eles nos ajudam a decidir na tomada das

mesmas, por isso o cérebro emocional esta tanto envolvido como o cérebro racional na

tomada de decisões e no processamento das mesmas.

Com o interesse acrescido acerca de como a inteligência emocional e como esta

influencia as competências individuais de cada um quer que seja sociais, no trabalho ou

academicamente têm se evoluído no sentido de uma simplificação, como certificam os

vários estudos recentemente efetuados sobre o cérebro e as emoções, que concluem a

base neurológica das competências pessoais. (Ângelo 2007)

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

10
Como se calcula a Inteligência emocional e os seus modelos

Após a abordagem a inteligência emocional e a indicação de diversos conceitos

acera do que é a inteligência emocional propriamente dita, é importante indicar em

forma de uma síntese os modelos fundamentais de existentes. Seguindo a comparação

da autora Ângelo que de forma breve e esclarecedora define a diferença para cada autor

segundo os modelos, abordando os autores Mayer e Solvey (1990) que fornecem a

inteligência emocional como uma concepção baseada em aptidões mentais, sendo este

um modelo de aptidões. “Os modelos de aptidões foram mais recentemente

subdivididos em dois tipos: os modelos de aptidões específicas, que se centram numa

ou em várias aptidões mentais específicas importantes para a inteligência emocional, e

os modelos de aptidões integradas, que assumem a inteligência emocional como uma

capacidade global resultante da junção de todas essas aptidões mentais (Mayer et al.,

citado por Ângelo 2007)”

Já para o modelo misto temos dois autores um deles por Bar-on ( 200) que já

caracteriza a inteligência emocional como um conjunto com a inteligência social e

compreende actividades não cognitivas, emocionais, pessoais e interpessoais e Goleman

que refere também que as aptidões mentais e as outras características da

personalidade estão ligadas a inteligência emocional.

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

11
Instrumentos de Medida para a Inteligência Emocional

Medir a inteligência emocional, é indispensável para a investigação da influência da

mesma na vida quotidiana das pessoas, é necessário saber que nível uma pessoa

apresenta de QE e como implica e modifica as suas tomadas de decisões e os seus

relacionamentos.

Quando se começou a falar da área da inteligência emocional, foi abordada a

percepção emocional, como já referido anteriormente, mas recentemente com as novas

investigações e com os novos modelos de aptidões e mistos propostos pelos autores foi

necessário construir instrumentos que pudessem medir exactamente o que os

investigadores pretendiam: “os testes de aptidões, as escalas de auto avaliação e o

método dos informantes.” (Ângelo 2007)

Segundo o mesmo autor citando Mayer, Salovey & Caruso, 2000. “Os testes de

aptidões, mais adequados para medir a inteligência emocional de acordo com os

modelos de aptidões do que com os modelos mistos, representam o nível do

desempenho de cada indivíduo na execução de um determinado objectivo, e são

tipicamente fiáveis e válidos”.

As escalas de auto-avaliação, utilizadas para medir a inteligência emocional em

ambos os modelos, constituem uma forma menos direta de estimar a inteligência

emocional pois há a hipótese de os participantes poderem falsificar as respostas para

criar uma impressão favorável se por um lado são visto como uma ferramenta fácil de

usar por outro como se tratam de escalas baseadas no autoconceito, “pode ser definido

de uma forma simples, como a percepção que o indivíduo tem de si próprio” (Serra

1988) é necessário que o indivíduo que as realize tenha o mesmo apurado, para que se

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

considere uma medida exacta da aptidão considerada, pois se o autoconceito do


12
participante for pouco preciso, a medida fornecerá apenas informação sobre o seu

autoconceito e não sobre as suas capacidades. (Mayer, Caruso & Salovey, 2000 referido

por Ângelo 2007)

É importante ter a noção do autoconceito destas escalas pois a realizar uma

investigação é provável que iremos ter na amostra participantes com vários níveis de

autoconceito, onde podem ir de muito a pouco e que irá influenciar a apresentação de

dados do estudo.

Outro tipo de instrumento que também é bastante usado nas investigações é o

Emotional Quotient Inventory de Bar-On (BarOn EQ-i), que se trata sobretudo de um

registo de uma ampla gama de capacidades emocionais e sociais.” Assim o EQ-i

pretende medir cinco construtos que são compostos por competências específicas:

aptidões intrapessoais (auto-consciência emocional, assertividade, auto-conceito,

independência), aptidões interpessoais (empatia, responsabilidade social,

relacionamento interpessoal), gestão de stress (tolerância ao stress, controlo de

impulsos), adaptabilidade (testar a realidade, flexibilidade e resolução de problemas) e

disposição geral (felicidade e optimismo).” (Monteiro 2009)

Outras medidas que podemos usar como forma de avaliar a inteligência emocional

são a de auto-relato, “usadas para avaliar a crença e percepção que cada indivíduo tem

sobre a sua capacidade/competência em determinado domínio da IE”.(Ângelo 2007)

Ora, a autopercepção tal como o autoconceito pode não ser precisa, pouca ou mesmo

ausente, podendo levar a uma interpretação subjectiva dos questionários, mas para

além de depender da autopercepção, o uso de informadores pode ter basicamente os

mesmos problemas de que o resultado pode ainda ser influenciado pelo conceito que o

informador tem do indivíduo avaliado (efeito de halo). Neste caso, poderemos obter

uma avaliação da reputação do indivíduo que, embora possa ser importante em

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

determinados contextos, é diferente a sua aptidão (Mayer, Caruso & Salovey, 2000
13
citado por Ângelo 2007).

Quando queremos investigar e estudar a inteligência emocional com crianças,

pressupõe logo que há escalas que temos de adaptar ou excluir, infelizmente não há

muitos instrumentos de avaliar QE que sejam suficiente válidos e programas baseados

em evidência.

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Vertentes da Inteligência Emocional


14

Para Goleman a nossa IE determina o nosso potencial para aprender as aptidões

práticas que se baseiam em cinco grandes capacidades que se passam a apresentar, as

primeiras três: autoconsciência, gestão de emoções e automotivação, referem-se à

inteligência intrapessoal, que já foi referida anteriormente por Garden, as duas últimas

como a habilidade apresentar a empatia e gestão de relacionamentos em grupos

referem-se a Inteligência Interpessoal, que é entendida como a habilidade de entender o

outro, o que as motiva e como trabalham em grupo. Sendo que estas duas últimas é a

base da inteligência emocional que acaba por estar relacionada com todas as

actividades. Acabamos por nos basear neste autor para chegar a definição das cinco

capacidades presentes em todos nós e em todas as dimensões da nossa vida.

A autoconsciência

Implica tomar consciência das próprias emoções, no momento que elas

acontecem, segundo Goleman (2000) citado por Ângelo (2007), a

autoconsciência é o fundamento de toda a inteligência emocional onde o

conhecimento é traduzido por si mesmo com o propósito de originar uma

autoanálise de si, da sua vida, de como nos comportamos e de como nos

desejamos comportar. Devido a esta competência ter um papel fundamental na

maneira como tomamos as emoções negativas na nossa vida o autor reforça

como sendo uma das mais importantes para sabermos reconhecer o que

sentimos através de uma auto-avaliação real das nossas próprias capacidades,

transmitindo uma autoconfiança que nos orienta no momento de tomar uma

certa decisão na nossa vida, evitando assim tomar más decisões com base

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

apenas em emoções do momento como é o caso da ira, os indivíduos que


15
sabem interpretar os seus sentimentos e controlar as suas tomadas de decisões

não só pelas emoções, são presenteados com uma vida mais estável e

proveitosa. (Goleman, 2014)

Gestão das Emoções

É a capacidade de gerir as próprias emoções e sentimentos está ligada a forma

como as conseguimos adequarmos a cada situação, através do autodomínio do controlo

dos impulsos/emoções e pensar antes de agir. É essencial ter conhecimento de si

próprio para conseguir gerir as emoções, autorregar-se em vez de dificultarem, temos

de conhecer os nosso limites e pontos fracos e como contornar os mesmo.

A gestão de emoções passa um pouco como uma negociação a nós próprios , com

vista a atingir a estabilidade pessoal e com o mundo e as pessoas que nos rodeiam,

como conseguirmos lidar com as pessoas e não deixar as emoções como a ira, netre

outras, atrapalhar essa mesma ligação e comportamento.

Automotivação

Outra capacidade essencial para a inteligência emocional é a automotivação

consistem em direcionar as nossas emoções para alcançar os nossos objetivos. Esta

capacidade esta muito relacionada com as competências académicas na medida que é

necessário ter iniciativa e sermos altamente eficientes, face a contrariedades e

frustrações, é importante usarmos as nossas preferências mais profundas, que nos

permitem avançar em direção aos nossos objetivos (Goleman, 2014 ). Uma pessoa

automotivada para determinada tarefa vai ser uma pessoa mais persistente face as

adversidades, como nos estudos uma pessoa mais motivada vai ser uma pessoa mais

activa no processo de aprendizagem o que facilita bastante os professores quando

estamos a falar de turmas que os alunos não querem estudar porque não se sentem

motivados para tal, quer que seja por acharem que não são capazes de fazer

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

determinada tarefa por esta se revelar difícil ou desinteressante, ou por sentirem que
16
basta apenas ter qualificação positivas e não altas.

Empatia

A empatia e outra chave da inteligência emocional, uma das capacidades que pode

ser mais difícil para alguns, consiste em entender a forma como percepcionamos e

interpretamos as emoções dos outros, tendo mais ou menos a noção do que as pessoas

sentem, conseguir ser capaz de adotar a sua perspetiva e cultivar laços e sintonia com

as outras pessoas, por exemplo quando uma pessoa esta triste ou preocupada, saber

respeitar essas emoções na outra pessoa e não desvalorizar as mesma, agindo de

maneira a que não causar mais transtorno para a pessoa em questão.

Como refere Goleman (2000), a empatia é fundamental para o sucesso nas relações

interpessoais, sendo a capacidade para entender as emoções dos outros, de acordo com

as suas respostas emocionais. Esta habilidade também é encarada como fundamental

para os profissionais da área do ensino, percebendo que os alunos nem sempre podem

estar com emoções positivas e que as emoções negativas podem atrapalhar a sua

aprendizagem.

Gestão de Relacionamentos

Por fim a última habilidade é a de gerir os relacionamentos em grupos, passa

por uma capacidade de estabelecer relacionamentos com os outros e com os

seus dissentimentos, saber trabalhar em grupo, e ser capaz de liderar situações.

Para se gerir bem os relacionamentos em grupos, é necessário outra aptidão

social que consiste em saber fazer bem a leitura das situações de um grupo,

pode passar também por competências como a empatia para fazer essa leitura

eficaz e conseguir gerir as relações no grupo. É relacionar com harmonia as suas

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

competências para convencer, liderar, negociar, trabalhar em equipa e resolver


17
conflitos de forma eficiente (Goleman, 2014).

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

18

A importância Inteligência Emocional no contexto escolar

No que respeita à inteligência emocional, a sua relação com o sucesso

escolar é um dos pólos de investigação que tem atraído uma série de estudos, a

investigação tem produzido uma série de informação, nem sempre concordante,

sobre a sua importância nas relações sociais, na escola, no trabalho e no bem-

estar individual, um dos autores que tem trabalhado directamente com esta

abordagem em contexto escolar é Mayer e colaboradores que elaboraram uma

versão desses resultados que indicam que há uma correlação positiva entre a

inteligência emocional e as boas relações sociais, familiares, íntimas e de

trabalho, outro autor que também começou por relacionar inteligência emocional

com o contexto escolar é Goleman, este autor não só revela que a inteligência

emocional esta relacionada com o sucesso académico como é necessário haver

uma literacia da mesma nas escolas junto das crianças.

Estudos e investigações acerca da relação inteligência emocional e

rendimento académico.

Existe uma lista enorme de estudos, teses e investigações acerca de como os

níveis de inteligência emocional dos alunos está ou não relacionada com as

habilitações académicas, segundo Ângelo 2007 na sua dissertação de mestrado

faz referência a uma série de estudos que as suas conclusões são importantes de

apontar aqui, um dos estudos realizado por Dowey , Mountstephen, Lloyd,

Hansen & Stough, 2008 apontava que os alunos com mais inteligência emocional

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

eram mais motivados têm maiores capacidades de planeamento e de tomada de


19
decisão, o que influenciaria positivamente o seu desempenho académico, esta

conclusão emparelha-se com a conclusão de Eisenberg, Cumberland & Spinrad,

1998 que “a inteligência emocional constitui um pré-requisito para a

aprendizagem e a adaptação escolar, podendo constituir um moderador do

efeito das capacidades cognitivas, quer estas sejam superiores ou mais

deficitárias, sobre o rendimento académico “(Extremera & Fernández-Berrocal,

2004 citado por Ângelo 2007)

Já quando os níveis de inteligência emocional são baixos os alunos têm uma

tendência para apresentarem “deficits nos níveis de bem-estar e ajuste

psicológico, diminuição da quantidade e qualidade das relações interpessoais,

decréscimo do rendimento académico, aparecimento de comportamentos

disruptivos e consumo de substâncias aditivas”. (Extremera & Fernández-

Berrocal , 2004 citado por Ângelo 2007)

Tanto os níveis de inteligência emocional alta como baixa tem reproduções

ao nível das competências e aprendizagens académicas, cada vez somos

confrontados com estudos que revelam que as aprendizagens de sucesso e os

mais elevados desempenhos resultam da agregação das aptidões racionais e

emocionais revelando que a combinação do Quociente Intelectual (QI) e da IE

esclarece uma maior variação no desempenho do que apenas o QI, como foi

Goleman estudou pessoas com níveis de QI elevado versus pessoas com altas

aptidões emocionais, revelando que ambas têm uma ligeira relação mas que a IE

é aquela que mais contribuiu e mais é necessária para as qualidades ditas

humanas, o que faz total sentido pois podemos ter capacidade para realizar uma

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

determinada tarefa mas não ter motivação para a fazer, sendo que esta
20
motivação e a aptidão de controlar emoções como a frustração e stress estão

correlacionadas com a inteligência emocional.

Em consonância com estes autores, estão os estudos realizados por Parker et

al. (2006), que evidenciam uma forte correlação entre as mesmas variáveis

estudadas nestes estudos acrescenta que a IE se relaciona significativamente

com o não abandono escolar, porém os resultados do estudo realizado por

Ângelo (2007) vêm comprovar que não há uma correlação estatisticamente

significativa, positiva, entre a inteligência emocional e o sucesso escolar, ficando

este a dever-se a outros fatores. Nestes estudos emergem, de uma forma global,

como variáveis reveladoras de sucesso, as capacidades cognitivas, a

personalidade e, no último, acresce a escolaridade da mãe e o reconhecimento

verbal.

Esta última referência do estudo é importante ter em conta pois se a

inteligência emocional revela-se como um indicador de um bom

desenvolvimento académico porque não está significativamente relacionada com

o sucesso escolar apesar de todos os factores? Será importante no futuro

aprofundar esta área se por um lado é complicado conseguir construir um

método de avaliação de inteligência emocional para jovens e crianças por outro é

complicado saber até que ponto se enquadra estudar a mesma consoante os

resultados académicos e o seu sucesso, pois estamos perante um modelo de

ensino e de avaliação em que é bastante qualificativo que pode funcionar como

um obstáculo a investigação. Mais do que estudar se a inteligência emocional

esta relacionada ou não com o sucesso académico deve-se investigar se a

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

mesma é importante para o desenvolvimento da criança e dos jovens e em que


21
medidas se torna fundamental haver uma literacia emocional não só em casa

mas na escola.

Papel dos pais na inteligência emocional

As pesquisas realizadas por Gottman & Declaire (2000) referem que a educação

emocional deve começar no seio familiar, torna-se imprescindível que as crianças sejam

habituadas a expressar e a lidar com as suas emoções desde a mais tenra idade,

contando sempre com o auxílio dos pais. É importante que as crianças saibam lidar com

as emoções, sobretudo com as negativas, como é o caso da raiva, do medo e da tristeza

para que estas se tornem adultos emocionalmente inteligentes. A família é a principal

escola na aprendizagem emocional, contudo os pais nem sempre possuem

competências emocionais. Por vezes, no seio familiar existem diversos factores que

interferem na harmonia emocional dos pais e naturalmente dos filhos.

Gottman & Declaire (2000) realizaram diversos estudos nesta área e chegaram à

conclusão que as crianças cujos pais utilizavam a “Orientação Emocional” se revelavam

emocionalmente mais inteligentes e conseguiram maior sucesso no meio escolar e nas

suas relações com os pares. Por isso, uma das principais preocupações dos pais hoje em

dia é educar os seus filhos para que estes estejam preparados para enfrentar

adequadamente os desafios que possam surgir. A família assume um papel

preponderante, tornando-se no primeiro agente para a aprendizagem emocional, na

medida em que nos ensina a respeitar os outros e a nós próprios; a interpretar e a

exprimir sentimentos e emoções e ainda a reagir perante diversas situações.

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Goleman (2000) realizou vários estudos onde pretende evidenciar que o modo como
22
os pais lidam com os seus filhos (com compreensão, demasiado severos, com

indiferença ou com ternura) pode ter consequências profundas para a vida emocional da

criança. Em suma, a família desempenha um papel essencial como preparadores

emocionais e mediadores de futuras gerações durante a construção de um

relacionamento mais afetuosos e a reflexão sobre sentimentos e lições de vida,

optimizando que ao entrarem na fase adulta os seus filhos tenham facilidade na

superação das dificuldades que possam surgir na sua vida (afectiva, profissional e

pessoal), conseguindo obter sucesso e serem felizes. Assim sendo, o trabalho em

conjunto com os pais cria uma atmosfera de confiança e de partilha que pode ser

bastante saudável e proveitosa para a criança. Contudo, este trabalho não é apenas

benéfico para a criança, este torna-se também bastante proveitoso para os próprios

pais. Acresce referir que os pais poderão ensinar os seus filhos a lidar de uma forma

competente com as tarefas envolvidas no relacionamento com pares e disciplinar

comportamentos inadequados dirigidos a estes (Petti & Mize, 1993, Cit. Alves, 2006).

Sabemos que a relação entre pai/mãe e criança é fundamental para desenvolver

uma boa inteligência emocional bem como para uma boa orientação emocional,

Gottman & Declaire (2000) estudaram um conjunto especifico de comportamentos de

resolução de conflitos quer com as nossas emoções como com a dos outros, numa das

suas investigações acerca da IE em pais, conseguiu agrupar as respostas dos testes que

distribua aos pais e das historias que eles contavam da sua vivência com os filhos,

traçando então quatro tipos de modelos de educação de pais e de perfis.

Os pais ou mães ausentes

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Considera os sentimentos da criança como triviais e não lhes dá importância, não


23
liga mesmo e pode acabar por ignorar, quer que as emoções negativas da criança

desapareçam rapidamente, acaba por ter uma atitude típica de tentar distraí-la com

qualquer coisa, por vezes acaba por gozar, desvalorizar e brincar com a emoção da

criança e acredita que os sentimentos da criança são irracionais e inválidos, demonstra

pouco interesse por aquilo que a criança tenta comunicar, as emoções da criança

transitem-lhe ansiedade, desconforto, aborrecimento, dor e receia perder o seu

controlo emocional sendo que se preocupa mais em ultrapassar as emoções do que com

o seu significado.

Acreditam que as emoções negativas são tóxicas e prejudiciais, sendo por isso crê

que dar importância às mesmas só dificulta as coisas, não sabe ao certo como proceder

em relação às emoções da criança e encara as mesmas como se fossem uma exigência.

Acredita que as emoções negativas significam apenas má adaptação da criança e têm

um reflexo negativo nos pais, atribui pouca importância ao sentimento da criança e aos

factos que conduzem a uma emoção negativa por isso não tem uma atitude de

solucionar problemas com a criança acreditando que o tempo é o melhor dos remédios

para melhorar tais sentimentos e emoção.

Esta desvalorização e ideia de que as emoções negativas não vão influenciar o

desenvolvimento futuro das crianças, faz com que posteriormente os efeitos deste

comportamento incuta nas crianças que os seus sentimentos estão errados e que não

são válidos, podendo estas acharem que há algo de errado com elas de como se sentem

e gerar dificuldades em controlar as suas próprias emoções.

O pai ou a mãe castradora

Como o nome indica são pais que julgam e criticam a expressão emocional da

criança, tendo uma consciência excessiva da necessidade de estabelecer limites às

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

crianças, realça a submissão aos bons padrões e bom comportamento, para isso
24
repreende e castiga a criança por esta se expressar emocionalmente independente de

ela se estar portar bem, acredita que às emoções negativas devem ser controladas e

devem ter um tempo limitado para a sua expressão, pois elas refletem traços de mau

carácter como serem usadas para manipular .

Acredita que as emoções enfraquecem as pessoas e as crianças devem ser fortes

emocionalmente para sobreviver, as emoções negativas são apenas uma perda de

tempo e que não deve ser desperdiçado em emoções negativas. Os efeitos deste modelo

são semelhantes ao primeiro, dos pais ausentes.

O pai ou a mãe permissiva

Este tipo de pais aceita abertamente todas as expressões emocionais da criança e

conforta a criança quando esta apresenta emoções e sentimentos negativos,

proporciona um pouco de orientação em termos de comportamento mas não orienta a

criança em relação as suas emoções. È um pai permissivo e não estabelece limites, não

ajuda as crianças a resolverem os seus problemas nem ensina métodos de como o

fazer, acredita que as emoções negativas se podem trabalhar e fazer algo em relação a

elas e que as controlar é uma questão de hidráulica apenas libertar. Os efeitos deste

modelo de pais no desenvolvimento emocional dos filhos é que eles não aprendem a

controlar as suas emoções, acabam por ter dificuldade em concentra-se e em

estabelecer amizades.

O pai ou a mãe orientadora

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Este modelo de pais ou mães valoriza as emoções negativas da criança como sendo
25
uma oportunidade para a intimidade, não lhe custa passar tempo com a criança se ela

estiver triste, zangada ou com medo. Tem consciência e dá valor às próprias emoções

negativas como uma área importante da educação é sensível aos estados emocionais da

criança, mesmo quando estes são difíceis de perceber, não se confunde com os estados

emocionais da criança. não se confunde com os estados emocionais da criança. Respeita

as emoções da criança e não faz troça nem desvaloriza as mesmas, nem diz como a

criança se deve sentir face as emoções negativas, aproveita os momentos emocionais da

criança para a ouvir, revelar empatia, ajudar a criança a classificar a sua emoção que

está a sentir, oferecer orientação no controlo das emoções, estabelecer limites e ensinar

uma expressão aceitável das emoções e desenvolver aptidões de resolução de

problemas.

Os efeitos deste modelo dos pais nas crianças são que estas se tornam mais

confiantes dos seus sentimentos e das suas emoções como por exemplo na resolução

de problemas, têm uma autoestima mais alta e uma boa capacidade de aprender, bem

como se relacionar com os outros e estabelecer amizades.

É importante que as crianças se sintam ligadas emocionalmente aos seus pais e que

estes pratiquem a orientação emocional logo de tenra idade nas crianças, pois o estudo

que foi realizado seguindo o modelo dos pais e seguidamente a orientação emocional

nas famílias revelam que as crianças orientadas emocionalmente têm melhor

aproveitamento académico.

Para uma boa orientação emocional dos pais segundo o Gottman & Declaire (2000) é

necessário que os pais apresentem 5 características: Ter consciência das emoções da

criança; Reconhecer a emoção como uma oportunidade para intimidade e a

aprendizagem; Escutar com empatia e validar os sentimentos da criança; Ajudar a

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

criança a classificar verbalmente as emoções; Estabelecer limites ao mesmo tempo que


26
se ajuda a criança a resolver os seus problemas.

É necessário que os pais tenham noção da sua consciência emocional, de quando

perdem o controlo das emoções e reconheçam nas crianças as suas emoções através de

mensagens.

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Conclusão 27

Podemos concluir que a inteligência emocional é cada vez mais um assunto que têm

atraído inúmeros investigadores quer na área da saúde quer na área da educação tanto

a pré-escolar como na universidade, tanto junto dos professores como nas famílias.

Contudo os resultados das numerosas investigações que têm sido desenvolvidas sobre a

inteligência emocional e sobre a sua associação com o sucesso escolar não têm sido

concordantes, tendo-se pretendido com este trabalho contribuir para o estudo dessa

questionável relação.

A IE revela-se uma competência fundamental e indispensável para o

desenvolvimento de qualquer pessoa, pois ela está presente em todos os contextos

diários, quer que seja nas relações cognitiva, nas relações interpessoais, ou nas

intrapessoais. Apesar de não ter sido abordado no trabalho é importante frisar que há

uma necessidade de uma literacia emocional e que tanto as escolas como os pais

deviam de refletir sobre a sua importância para o desenvolvimento das crianças.

Apesar de toda a investigação em educação emocional parecer toda semelhante e

todos os autores parecerem estar em coerência entre si, ainda há muito a definir e

estudar, sendo que seria interessante futuramente poder estudar a relação entre a

inteligência emocional dos pais e dos grupos de pares podem influenciar a criança, qual

destes pólos é mais rentável e mais influenciável junto da inteligência emocional da

criança. Podemos obsevar que os pais contribuem de forma grandiosa para o

desenvolvimento dos filhos em termos de orientação emocional e das vertentes da IE,

mas será que influenciam e contribuem mais que os grupos de pares quando chegam a

adolescência?

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Bibliografia
28
Alves, D. (2006). O Emocional e o Social na Idade Escolar: Uma abordagem dos
preditores da aceitação pelos pares. Dissertação de Mestrado Faculdade de
Psicologia e Ciências da Educação. Universidade do Porto;

Ângelo, I. (2007). Medição da Inteligência emocional e a sua relação com o


sucesso escolar. Lisboa: Dissertação de Mestrado em educação, Universidade
de Lisboa, Faculdade de Ciências do Departamento de Educação. Consultado a
30 dezembro 2015. Disponível em: .
http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/1288/1/19243_ulfcC091279_tm_tes
efinal.pdf;

Bar-On, R. (2000). Emotional and Social Intelligence: Insights from the Emo-
tional Quotient Inventory. Em R. Bar-On & J. D. A. Parker (Eds.), The Handbook
of Emotional Intelligence. San Francisco: Jossey-Bass;

Brackett, M. A., Mayer, J. D., & Warner, R. M. (2004). Emotional Intelligence and
Its Relation to Everyday Behaviour. Personality and Individual Differences, 36;

Benson, G.; Ploeg, J. & Brown, B. (2010). A cross-sectional study of emotional


intelligence in baccalaureate nursing students. Nurse Education Today 30 (1),
49-53. Consultado a 30 dezembro 2015, de
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S026069170900118X;

Cobêro, C. (2006). Inteligência emocional e desempenho no trabalho: um


estudo com msceit, bpr-5 e 16pf. São Paulo: Trabalho de investigação da
Universidade São Francisco. Consultado a 01 de Fevereiro de 2016. Disponível
em http://www.scielo.br/pdf/paideia/v16n35/v16n35a05.pdf ;

Damásio, A. (2001). O Erro de Descartes. Publicações Europa América;

Goleman, Daniel (2000). – Trabalhar com Inteligência Emocional. – 3ª ed.


Lisboa: Temas e Debates;

Goleman, Daniel (2014). – Inteligência Emocional. reimpresso. Lisboa: Temas e


Debates;

Gottman, J. & DECLAIRE, J. (2000). A Inteligência Emocional na Educação. Cas-


cais: Pergaminho;

Daniela Lopes
A inteligência emocional, para o desenvolvimento das crianças

Mayer, J. D., Caruso, D., & Salovey, P. (1999). Emotional Intelligence Meets Tra-
ditional Standards for an Intelligence. Intelligence, 27, 267-298; 29

Mayer, J. D., Caruso, D., & Salovey, P. (2000). Selecting a Measure of Emotional
Intelligence: The Case for Ability Scales. Em R. Bar-On & J. D. A. Parker (Eds.),
The Handbook of Emotional Intelligence. San Francisco: Jossey-Bass;

Mayer, J. D., & Salovey, P. (1993). The Intelligence of Emotional Intelligence.


Intelligence, 17, 433-442;

Mayer, J. D., Salovey, P., & Caruso, D. (2000). Models of Emotional Intelligence.
Em R. J. Sternberg (Ed.), Handbook of Intelligence. Cambridge, Reino Unido:
Cambridge University;

Monteiro, L. (2009). Inteligência emocional: validação de construto do msceit


numa amostra portuguesa. Lisboa: Dissertação de mestrado em integrado em
psicologia, Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia e Ciências da
educação. Consultado a 01 de Fevereiro de 2016. Disponível em:
http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/955/1/21361_ulfp033573_tm.pdf;

Parker, J. et al. (2006). Emotional Intelligence and student retention: Predicting


the successful transition from high school to university. Personality and
Individual Differences 41 (7), 1329-1336. Consultado a 30 dezembro 2015 de
http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S019188690600208X ;

Serra, A. (1998). O auto conceito. Análise Psicoilógica 2 (VI): 101-110.


Consultado a 02 de Fevereiro de 2015. Disponível em :
http://repositorio.ispa.pt/bitstream/10400.12/2204/1/1988_2_101.pdf;

Silva, M. (2010). A inteligência emocional como fator determinante nas


relações interpessoais - Emoções, Expressões Corporais e Tomadas de
Decisão. Dissertação de mestrado em gestão / MBA, Universidade Aberta.
Lisboa, Portugal.

Daniela Lopes