Você está na página 1de 115
SEGURANÇA NO TRABALHO

SEGURANÇA NO TRABALHO

SEGURANÇA NO TRABALHO

SUMÁRIO

SUMÁRIO ✓ Histórico; ✓ Regulamentação da Engenharia de Segurança.; ✓ O Profissional de Segurança do

Histórico;

Regulamentação da Engenharia de Segurança.;

O Profissional de Segurança do Trabalho;

Acidentes de Trabalho;

Riscos;

Gestão dos Riscos.

HISTÓRICO

HISTÓRICO ✓ 460-357 AC Hipócrates ✓ 23-79 DC Plínio, o Velho Ocorrência de doenças pulmonares em
HISTÓRICO ✓ 460-357 AC Hipócrates ✓ 23-79 DC Plínio, o Velho Ocorrência de doenças pulmonares em

460-357 AC Hipócrates

23-79 DC Plínio, o Velho

✓ 460-357 AC Hipócrates ✓ 23-79 DC Plínio, o Velho Ocorrência de doenças pulmonares em mineiros.

Ocorrência de doenças

pulmonares em mineiros.

1556

Ocorrência de doenças pulmonares em mineiros. ✓ 1556 Georg Bauer Re De Metallica Doenças e acidentes

Georg BauerOcorrência de doenças pulmonares em mineiros. ✓ 1556 Re De Metallica Doenças e acidentes de trabalho

de doenças pulmonares em mineiros. ✓ 1556 Georg Bauer Re De Metallica Doenças e acidentes de

Re De Metallica

Doenças e acidentes de

trabalho relacionados à mineração e fundição de ouro e prata.

HISTÓRICO

HISTÓRICO ✓ 1567 Monografia Aureolus Theophrastur relacionando trabalho com doença. Bernardino Ramazzini P a i d

1567

HISTÓRICO ✓ 1567 Monografia Aureolus Theophrastur relacionando trabalho com doença. Bernardino Ramazzini P a i d
HISTÓRICO ✓ 1567 Monografia Aureolus Theophrastur relacionando trabalho com doença. Bernardino Ramazzini P a i d

Monografia

Aureolus Theophrastur

relacionando trabalho com doença.

Bernardino RamazziniAureolus Theophrastur relacionando trabalho com doença. P a i d a M e d i c

relacionando trabalho com doença. Bernardino Ramazzini P a i d a M e d i c

Pai da Medicina do

Trabalho

1700

d a M e d i c i n a d o Trabalho ✓ 1700 D

Doença relacionada as

profissões.

De Morbis Artificium Diatriba

Trabalho ✓ 1700 D o e n ç a r e l a c i o

HISTÓRICO

HISTÓRICO F á b r i c a s Cooperação Individual Consciência das condições desumanas a
HISTÓRICO F á b r i c a s Cooperação Individual Consciência das condições desumanas a

Fábricas

HISTÓRICO F á b r i c a s Cooperação Individual Consciência das condições desumanas a

Cooperação Individual

HISTÓRICO F á b r i c a s Cooperação Individual Consciência das condições desumanas a
HISTÓRICO F á b r i c a s Cooperação Individual Consciência das condições desumanas a

Consciência das condições desumanas a que eles eram submetidos.

HISTÓRICO

HISTÓRICO Incêndios; Explosões; Intoxicação por gases; Inundações; Desmoronamentos. Tuberculose; Anemia;
HISTÓRICO Incêndios; Explosões; Intoxicação por gases; Inundações; Desmoronamentos. Tuberculose; Anemia;
HISTÓRICO Incêndios; Explosões; Intoxicação por gases; Inundações; Desmoronamentos. Tuberculose; Anemia;

Incêndios;

Explosões;

Intoxicação por gases;

Inundações;

Desmoronamentos.

Intoxicação por gases; Inundações; Desmoronamentos. Tuberculose; Anemia; Asma. Acidentes de Trabalho!!

Tuberculose;

Anemia;

Asma.

Acidentes de

Trabalho!!

HISTÓRICO

HISTÓRICO ✓ O que foi feito?? Limite de 12 hs de trabalho diário; Proibição do trabalho

O que foi feito??

Limite de 12 hs de trabalho

diário;

Proibição do trabalho

noturno;

Ventilação das fábricas e

lavagem das paredes 2x ao

Parlamento Inglês

das fábricas e lavagem das paredes 2x ao Parlamento Inglês Comissão de inquérito Primeira Lei de

Comissão de inquérito

das paredes 2x ao Parlamento Inglês Comissão de inquérito Primeira Lei de Proteção aos Trabalhadores ano

Primeira Lei de Proteção aos

Trabalhadores

ano

Lei de Saúde e Moral dos Aprendizes

HISTÓRICO

HISTÓRICO Lei das Fábricas ✓ ✓ Jornada de trabalho de 12 horas; ✓ Para menores entre

Lei das Fábricas

HISTÓRICO Lei das Fábricas ✓ ✓ Jornada de trabalho de 12 horas; ✓ Para menores entre

Jornada de trabalho de 12 horas; Para menores entre 9 e 13 anos, a

Proibia o Trabalho noturno < 18 anos;

jornada passou a ser de 9hs;

Idade mínima de 9 anos;

Escola nas fábricas, etc

E NO BRASIL??
E NO BRASIL??

HISTÓRICO

HISTÓRICO Não era diferente ✓ No Brasil Colonial, os escravos trabalhavam 18hs por dia; ✓ Os

Não era diferente

No Brasil Colonial, os

escravos trabalhavam 18hs

por dia; Os Senhores tinham

direito de aplicar castigos;

Condições de trabalho degradantes

trabalhavam 18hs por dia; ✓ Os Senhores tinham direito de aplicar castigos; ✓ Condições de trabalho

HISTÓRICO

HISTÓRICO ✓ Lei no 3.724 de 15/01/1919 firmou-se como a primeira lei sobre indenização por acidentes

Lei no 3.724 de 15/01/1919 firmou-se como a primeira lei

sobre indenização por acidentes de trabalho

primeira lei sobre indenização por acidentes de trabalho Setor Ferroviário Industrialização se efetivou Estando

Setor Ferroviário

indenização por acidentes de trabalho Setor Ferroviário Industrialização se efetivou Estando muitas das propostas
indenização por acidentes de trabalho Setor Ferroviário Industrialização se efetivou Estando muitas das propostas

Industrialização se efetivou

trabalho Setor Ferroviário Industrialização se efetivou Estando muitas das propostas da época em vigor até os

Estando muitas das propostas da época em

vigor

até os dias atuais.

HISTÓRICO

HISTÓRICO ✓ Em 1930 foi criado o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio; ✓ Em 1932,

Em 1930 foi criado o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio;

Em 1932, foram criadas as Inspetorias do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, transformadas, no ano de

1940, em Delegacias Regionais do Trabalho;

Em 1942 foi instituído o adicional de insalubridade, estabelecendo seu valor em 10, 20 e 40% do salário mínimo para graus de insalubridade mínimo, médio e máximo;

HISTÓRICO

HISTÓRICO ✓ Em 1943 foi criada a Consolidação das Leis do Trabalho – CLT Alterada em

Em 1943 foi criada a Consolidação das Leis do Trabalho CLT

Alterada em 1977

e serviu como base para as atuais Normas Regulamentadoras

Atualmente, várias leis têm sido criadas no sentido de

zelar pela manutenção da

saúde do trabalhador, almejando a melhoria das

condições de trabalho no Brasil!!!

de zelar pela manutenção da saúde do trabalhador, almejando a melhoria das condições de trabalho no
Regulamentação da Engenharia de Segurança.
Regulamentação da Engenharia de Segurança.

Regulamentação da Engenharia de Segurança.

Regulamentação da Engenharia de Segurança.
Regulamentação da Engenharia de Segurança.
Regulamentação da Engenharia de Segurança.
Regulamentação da Engenharia de Segurança.
Regulamentação da Engenharia de Segurança.
Regulamentação da Engenharia de Segurança.
Regulamentação da Engenharia de Segurança.

REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO ✓ Regulamentação da Engenharia de Segurança 1. Decreto no 70.861, de 25/03/1972 Instituiu o Plano

Regulamentação da Engenharia de Segurança

1. Decreto no 70.861, de 25/03/1972

de Segurança 1. Decreto no 70.861, de 25/03/1972 Instituiu o Plano Nacional de Valorização do Trabalhador.

Instituiu o Plano Nacional de Valorização do Trabalhador.

Instituiu o Plano Nacional de Valorização do Trabalhador. Criação dos primeiros cursos de formação de

Criação dos primeiros cursos de formação de

profissionais de segurança.

REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO 2. Portaria no 3.237, de 27/07/1972 Criou a obrigatoriedade por parte das empresas de manter

2. Portaria no 3.237, de 27/07/1972

REGULAMENTAÇÃO 2. Portaria no 3.237, de 27/07/1972 Criou a obrigatoriedade por parte das empresas de manter

Criou a obrigatoriedade por parte das empresas de manter Serviços Especializados em Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho.

O que define essa Portaria

REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO “ São considerados Engenheiros de Segurança do Trabalho, para fins desta Portaria, aqueles que,

São considerados Engenheiros de Segurança do Trabalho, para fins desta Portaria, aqueles que, possuidores de título de

formação de engenheiros, comprovem uma das seguintes condições:

I Conclusão de curso de especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho ou Higiene Industrial, ministrado por Universidade ou instituição especializada, reconhecidas

e autorizadas, com currículos aprovados pelo Ministério do Trabalho e Previdência Social MTPS, através do DNSHT”.

REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO ✓ 1 9 7 3 Proliferação de cursos para capacitação de profissionais de segurança e

1973

REGULAMENTAÇÃO ✓ 1 9 7 3 Proliferação de cursos para capacitação de profissionais de segurança e

Proliferação de cursos para capacitação de profissionais de segurança e saúde

para capacitação de profissionais de segurança e saúde Não havia o reconhecimento necessário CONFEA/CREA não

Não havia o reconhecimento necessário

segurança e saúde Não havia o reconhecimento necessário CONFEA/CREA não reconhecia a profissão, negando-se,

CONFEA/CREA não reconhecia a profissão, negando-se,

inclusive, a anotar na carteira do profissional que havia

realizado a capacitação em SST.

REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO O anseio dos profissionais somente tornou-se realidade através da Lei no 7.410, de 27/11/1985 e

O anseio dos profissionais somente tornou-se realidade através da Lei no 7.410, de 27/11/1985 e o

Decreto no 95.530, de 09/04/1986.

Essa legislação permitiu o exercício da profissão de Engenheiro de Segurança do Trabalho, somente para

aqueles portadores de curso de especialização em nível de

Pós-Graduação.

CURIOSIDADE

CURIOSIDADE BRASIL 259 Instituições de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho aprovadas pelo MEC.

BRASIL

CURIOSIDADE BRASIL 259 Instituições de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho aprovadas pelo MEC.

259 Instituições de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho aprovadas pelo MEC.

BRASIL 259 Instituições de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho aprovadas pelo MEC. Alagoas 12

Alagoas

12

REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO MAS Quais Leis eu devo saber??

MAS

REGULAMENTAÇÃO MAS Quais Leis eu devo saber??

Quais Leis eu devo saber??

REGULAMENTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO ✓ Capítulo V da CLT; ✓ Portaria Nº. 3.214 de 08 de Junho de 1978
REGULAMENTAÇÃO ✓ Capítulo V da CLT; ✓ Portaria Nº. 3.214 de 08 de Junho de 1978

Capítulo V da CLT;

Portaria Nº. 3.214 de 08 de Junho de 1978 do Ministério do Trabalho;

Lei 7.410, de 27/11/1985;

Portaria 3.275, de 21 de setembro de

1989.

O Profissional de Segurança do Trabalho.
O Profissional de Segurança do Trabalho.

O Profissional de Segurança do Trabalho.

O Profissional de Segurança do Trabalho.
O Profissional de Segurança do Trabalho.
O Profissional de Segurança do Trabalho.
O Profissional de Segurança do Trabalho.
O Profissional de Segurança do Trabalho.
O Profissional de Segurança do Trabalho.
O Profissional de Segurança do Trabalho.
EMPRESA ✓ Equipe de Segurança do Trabalho de uma Empresa: Técnico de Segurança do Trabalho;
EMPRESA
✓ Equipe de Segurança do Trabalho de uma Empresa:
Técnico de Segurança do Trabalho;
Engenheiro de Segurança do Trabalho;
Médico do Trabalho e
Enfermeiro do Trabalho.
SESMT - Serviço Especializado em Engenharia de Segurança
e Medicina do Trabalho.

EMPRESA

EMPRESA ✓ Engenheiros e Técnicos de Segurança: - Organizam programas de prevenção de acidentes, orientando a

Engenheiros e Técnicos de Segurança:

- Organizam programas de prevenção de acidentes, orientando a CIPA e os trabalhadores quanto ao uso de equipamentos de proteção individual;

- Elaboram planos de prevenção de riscos ambientais;

fazendo inspeção de segurança, laudos técnicos e ainda

organizando e dando palestras e treinamento;

- Implementam programas de meio ambiente e ecologia na

empresa.

EMPRESA

EMPRESA ✓ Médicos e Enfermeiros do Trabalho: - Dedicam-se à parte de saúde ocupacional, prevenindo doenças,

Médicos e Enfermeiros do Trabalho:

- Dedicam-se à parte de saúde ocupacional, prevenindo doenças, fazendo consultas, tratando ferimentos, ministrando vacinas, fazendo exames de admissão e

periódicos nos empregados.

Acidentes de Trabalho.
Acidentes de Trabalho.

Acidentes de Trabalho.

Acidentes de Trabalho.
Acidentes de Trabalho.
Acidentes de Trabalho.
Acidentes de Trabalho.
Acidentes de Trabalho.
Acidentes de Trabalho.
Acidentes de Trabalho.

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO É toda ocorrência Indesejável , Inesperada ou Não Programada que interfere no

É toda ocorrência Indesejável, Inesperada ou Não Programada que interfere no desenvolvimento normal de uma tarefa podendo causar:

- Perda de Tempo;

- Danos Materiais ou Ambientais;

- Lesões Físicas ou doenças, e

- Morte dos Trabalhadores.

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO Lei 8.213/91 do INSS ✓ É o que ocorre pelo exercício do trabalho
Lei 8.213/91 do INSS
Lei 8.213/91 do INSS

É o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

da empresa que provoca lesão corporal ou perturbação

funcional que cause a morte ou a perda ou redução, permanente ou temporária, da capacidade para o

trabalho.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ✓ Podem ser de dois tipos: - Típicos; - Trajeto.

Podem ser de dois tipos:

- Típicos;

- Trajeto.

ACIDENTES DE TRABALHO ✓ Podem ser de dois tipos: - Típicos; - Trajeto.
ACIDENTES DE TRABALHO ✓ Podem ser de dois tipos: - Típicos; - Trajeto.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ✓ Acidente Típico Ocorre com o colaborador durante o exercício de suas atividades

Acidente Típico

Ocorre com o colaborador durante o exercício de suas

atividades laborais, dentro ou fora, interno ou externo ao

ambiente de trabalho. Pode ocorrer durante uma viagem a serviço da

empresa.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ✓ Acidente de Trajeto Ocorre durante o trânsito do colaborador entre a casa-

Acidente de Trajeto

Ocorre durante o trânsito do colaborador entre a casa- trabalho e trabalho-casa.

O desvio do trajeto habitual descaracteriza o acidente de trabalho de trajeto.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO Considera importante registrar não somente os acidentes do trabalho que levam a lesões

Considera importante registrar não

somente os acidentes do trabalho que levam

a lesões físicas ou a doenças ocupacionais, mas também, os acidentes que levam a

perda de tempo” e a “danos materiais”.

DOENÇA OCUPACIONAL

DOENÇA OCUPACIONAL ✓ O que são Doenças Ocupacionais? São doenças adquiridas quando um trabalhador é exposto

O que são Doenças Ocupacionais?

São doenças adquiridas quando um trabalhador é exposto acima do limite permitido por lei a agentes

químicos, físicos, biológicos ou radioativos, sem proteção

compatível com o risco envolvido.

Podem causar afastamentos temporários, repetitivos e até definitivos.

DOENÇA OCUPACIONAL

DOENÇA OCUPACIONAL ✓ Podem ser divididas em: - Doenças Profissionais ou Tecnopatias; - Doenças do Trabalho

Podem ser divididas em:

- Doenças Profissionais ou Tecnopatias;

- Doenças do Trabalho ou Mesopatias.

DOENÇAS PROFISSIONAIS

DOENÇAS PROFISSIONAIS São doenças que resultam diretamente das condições de trabalho e causam incapacidade para o
DOENÇAS PROFISSIONAIS São doenças que resultam diretamente das condições de trabalho e causam incapacidade para o

São doenças que resultam diretamente das condições de

trabalho e causam incapacidade para o exercício da profissão ou

morte. Ex:

- Intoxicação pelo chumbo - Montador de baterias automotivas;

- Perda auditiva causada pelo ruído;

- Anemia Aplástica Trabalhador da indústria de plástico (colagem de plásticos);

- Hepatite Funcionário de laboratório de hematologia;

- Leptospirose Trabalhador que desentope esgotos.

- Hepatite – Funcionário de laboratório de hematologia; - Leptospirose – Trabalhador que desentope esgotos.

DOENÇAS DO TRABALHO

DOENÇAS DO TRABALHO São doenças que podem ou não serem desencadeadas em função da atividade laboral.

São doenças que podem ou não serem desencadeadas em

função da atividade laboral. Considera-se que as doenças de

trabalho mais comuns são as do sistema respiratório e cutânio.

- Silicose- Inalação de poeira;

- Câncer de pele;

- Dermatite de Contato;

- LER/DOT Lesões por esforços repetitivos / Doenças ósteo musculares relacionadas ao trabalho.

DOENÇAS OCUPACIONAIS

DOENÇAS OCUPACIONAIS ✓ Como Prevenir? - Conforto é essencial para a prevenção; - As operações de

Como Prevenir?

- Conforto é essencial para a prevenção;

- As operações de trabalho devem estar ao alcance das mãos;

- As máquinas devem se posicionar de forma que a pessoa não tenha que se curvar ou torcer o tronco para pegar ou utilizar ferramentas com frequência;

- A mesa deve estar posicionada de acordo com a altura de cada

pessoa e ter espaço para movimentação das pernas;

- As cadeiras devem ter altura para que haja apoio dos pés,

formato anatômico para o quadril e encosto ajustável;

- Pausas durante a realização das tarefas permite um alívio para os

músculos mais ativos. Durante estas pausas, se levante e

caminhe um pouco;

- Uso de EPI e/ou EPC.

DOENÇAS OCUPACIONAIS

DOENÇAS OCUPACIONAIS Não se considera doenças ocupacionais: - Degenerativa; - Doença endêmica, salvo comprovação de

Não se considera doenças ocupacionais:

- Degenerativa;

- Doença endêmica, salvo comprovação de que foi adquirida devido a natureza do trabalho realizado.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO Aconteceu um acidente de trabalho ou uma doença ocupacional E agora?? Todo acidente

Aconteceu um acidente de trabalho ou uma doença ocupacional

E agora??

Todo acidente de trabalho ou doença ocupacional deverá

ser comunicado!

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ✓ É obrigatória a emissão da Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT) relativa

É obrigatória a emissão da Comunicação de Acidente do Trabalho (CAT) relativa ao acidente ou doença ocupacional ocorrido com todo colaborador.

A Lei no 8.213/91 determina no seu artigo 22 que todo acidente do trabalho ou doença ocupacional deverá ser comunicado pela empresa ao INSS, sob pena de multa em caso de omissão.

FORMULÁRIO - CAT

FORMULÁRIO - CAT
FORMULÁRIO - CAT
FORMULÁRIO - CAT
FORMULÁRIO - CAT

FORMULÁRIO - CAT

FORMULÁRIO - CAT
FORMULÁRIO - CAT
FORMULÁRIO - CAT

FORMULÁRIO - CAT

FORMULÁRIO - CAT
FORMULÁRIO - CAT
FORMULÁRIO - CAT

FORMULÁRIO - CAT

FORMULÁRIO - CAT ✓ A CAT deve ser emitida em 06 (seis) vias: 1ª Via –

A CAT deve ser emitida em 06 (seis) vias:

1ª Via INSS;

2ª Via Empresa;

3ª Via Segurado ou Dependente;

4ª Via Sindicato de classe do Trabalhador;

5ª Via SUS (Sistema Único de Saúde);

6ª Via Delegacia Regional do Trabalho e Emprego

(DRTE).

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ✓ Por que acontecem os acidentes? Ato Inseguro Norma Regulamentadora número 1, no

Por que acontecem os acidentes?

Ato Inseguro

Norma Regulamentadora número 1, no item 1.7

1.7. Cabe ao empregador:

a)

b) elaborar ordens de serviço sobre segurança e medicina do trabalho, dando ciência aos empregados, com os seguintes

objetivos:

I prevenir atos inseguros no desempenho do trabalho;

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO inseguros ✓ Muitas vezes esses atos acontecem devido às condições inseguras as quais

inseguros

Muitas

vezes

esses

atos

acontecem

devido

às

condições inseguras as quais os trabalhadores são expostos.

As condições inadequadas dos ambientes de trabalho podem ser divididas em 04 (quatro) categorias:

I. O local de trabalho é inseguro;

II. O material a ser utilizado na tarefa é inseguro;

III. O equipamento ou ferramenta a ser utilizado na tarefa é inseguro;

IV. As medidas administrativas que coordenam a atividade

são inseguras.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO I. O local de trabalho é inseguro: - Iluminação deficiente; - Ventilação deficiente;

I. O local de trabalho é inseguro:

- Iluminação deficiente;

- Ventilação deficiente;

- Pisos escorregadios;

- Escadas sem corrimão;

- Arranjo físico inadequado;

- Espaço insuficiente;

- Ruído excessivo;

- Vibrações excessivas;

- Umidade excessiva, etc .

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO inseguros ✓ Muitas vezes esses atos acontecem devido às condições inseguras as quais

inseguros

Muitas

vezes

esses

atos

acontecem

devido

às

condições inseguras as quais os trabalhadores são expostos.

As condições inadequadas dos ambientes de trabalho podem ser divididas em 04 (quatro) categorias:

I. O local de trabalho é inseguro;

II. O material a ser utilizado na tarefa é inseguro;

III. O equipamento ou ferramenta a ser utilizado na tarefa é inseguro;

IV. As medidas administrativas que coordenam a atividade

são inseguras.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO II. O material a ser utilizado na tarefa é inseguro: - Ser inflamável;

II. O material a ser utilizado na tarefa é inseguro:

- Ser inflamável;

- Explosivo;

- Tóxico;

- Corrosivo;

- Defeituoso;

- Radioativo;

- Com superfícies em temperaturas extremas etc.

- Explosivo; - Tóxico; - Corrosivo; - Defeituoso; - Radioativo; - Com superfícies em temperaturas extremas

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO inseguros ✓ Muitas vezes esses atos acontecem devido às condições inseguras as quais

inseguros

Muitas

vezes

esses

atos

acontecem

devido

às

condições inseguras as quais os trabalhadores são expostos.

As condições inadequadas dos ambientes de trabalho podem ser divididas em 04 (quatro) categorias:

I. O local de trabalho é inseguro;

II. O material a ser utilizado na tarefa é inseguro;

III. O equipamento ou ferramenta a ser utilizado na tarefa é inseguro;

IV. As medidas administrativas que coordenam a atividade

são inseguras.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO III. O equipamento ou ferramenta a ser utilizado na tarefa é inseguro; -

III. O equipamento ou ferramenta a ser utilizado na tarefa é inseguro;

- Equipamento inadequado;

- Com defeito;

- Sem proteção;

- Com proteção insuficiente;

- Falta de equipamento de proteção individual EPI;

- Uso de EPI inadequado;

- Uso de EPI defeituoso.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO inseguros ✓ Muitas vezes esses atos acontecem devido às condições inseguras as quais

inseguros

Muitas

vezes

esses

atos

acontecem

devido

às

condições inseguras as quais os trabalhadores são expostos.

As condições inadequadas dos ambientes de trabalho podem ser divididas em 04 (quatro) categorias:

I. O local de trabalho é inseguro;

II. O material a ser utilizado na tarefa é inseguro;

III. O equipamento ou ferramenta a ser utilizado na tarefa é inseguro;

IV. As medidas administrativas que coordenam a atividade

são inseguras.

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO IV. As medidas administrativas que coordenam a atividade são inseguras. - Falta de

IV. As medidas administrativas que coordenam a atividade são inseguras.

- Falta de treinamento adequado;

-Falta

equipamentos;

- Atividades mal distribuídas;

- Excesso de horas extras;

- Processo de comunicação deficiente;

de

manutenção

adequada

das

instalações

e

- Falta de acompanhamento da saúde dos empregados, etc.

RISCOS
RISCOS

RISCOS

RISCOS
RISCOS
RISCOS
RISCOS
RISCOS
RISCOS
RISCOS

RISCO

RISCO ✓ O que é Risco? Risco é qualquer variável que pode causar danos ou lesões

O que é Risco?

Risco é qualquer variável que pode causar danos ou

lesões graves ao trabalhador, inclusive a morte.

O exercício da atividade laboral sob condições inseguras existentes no ambiente de trabalho expõe o

trabalhador a riscos que podem ser classificados em 05

(cinco) categorias;

Essa classificação é internacional e segue a simbologia dos riscos ambientais que são empregadas no Mapa de

Risco (NR-05 CIPA).

RISCOS

RISCOS ✓ Quais são esses Riscos? Riscos Físicos; Riscos Químicos; Riscos Biológicos; Riscos Ergonômicos ;

Quais são esses Riscos?

Riscos Físicos; Riscos Químicos; Riscos Biológicos;
Riscos Físicos;
Riscos Químicos;
Riscos Biológicos;

Riscos Ergonômicos; Riscos de acidentes.

Riscos Químicos; Riscos Biológicos; Riscos Ergonômicos ; Riscos de acidentes. Riscos Ambientais NR-09 NR-17 NR-18
Riscos Químicos; Riscos Biológicos; Riscos Ergonômicos ; Riscos de acidentes. Riscos Ambientais NR-09 NR-17 NR-18

Riscos Ambientais

Riscos Químicos; Riscos Biológicos; Riscos Ergonômicos ; Riscos de acidentes. Riscos Ambientais NR-09 NR-17 NR-18

NR-09

NR-17

NR-18

RISCOS

RISCOS ✓ Riscos Físicos Agentes de riscos físicos são as diversas formas de energia a que

Riscos Físicos Agentes de riscos físicos são as diversas formas de

energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como: ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas

extremas, radiações ionizantes e radiações não ionizantes

RISCOS FÍSICOS

RISCOS FÍSICOS o Ruído O ruído é definido um produto das como indesejável, som atividades diárias.

o Ruído

O

ruído

é

definido

um

produto das

como

FÍSICOS o Ruído O ruído é definido um produto das como indesejável, som atividades diárias. Causa

indesejável,

som

atividades diárias.

Causa cansaço, irritação, dores

de cabeça, diminuição da audição, problemas do aparelho digestivo, taquicardia, perigo de infarto, etc.

RISCOS FÍSICOS

RISCOS FÍSICOS o Vibração É qualquer movimento que o corpo executa em torno de um ponto
o Vibração
o Vibração
RISCOS FÍSICOS o Vibração É qualquer movimento que o corpo executa em torno de um ponto

É qualquer movimento que o corpo

executa em torno de um ponto fixo. Esse movimento pode ser regular, do tipo

senoidal ou irregular, quando não segue um padrão determinado. Causa cansaço,

irritação, dores nos membros, dores na coluna, doença do movimento, artrite, problemas digestivos, lesões ósseas,etc.

RISCOS FÍSICOS

RISCOS FÍSICOS o Calor Causa taquicardia, aumento da pulsação, cansaço, irritação, choque térmico, fadiga térmica,
o Calor
o Calor
RISCOS FÍSICOS o Calor Causa taquicardia, aumento da pulsação, cansaço, irritação, choque térmico, fadiga térmica,

Causa taquicardia, aumento da

pulsação, cansaço, irritação, choque térmico, fadiga térmica, perturbação

das funções digestivas, hipertensão etc.

RISCOS FÍSICOS

RISCOS FÍSICOS o Pressão Anormal Qualquer exposição a pressões diferentes da pressão atmosférica a que os

o Pressão Anormal

Qualquer exposição a pressões diferentes da pressão

atmosférica a que os trabalhadores estão normalmente expostos. Os efeitos das pressões anormais no organismo são

diversos: ruptura de tecidos (tímpano, alvéolos, vasos, pleura etc.), irritação nos pulmões, narcose pelo nitrogênio dissolvido

no ar comprimido, bolhas de nitrogênio nos tecidos (dores nas juntas, suor, palidez, tontura, inconsciência, paralisias etc.).

RISCOS

RISCOS ✓ Riscos Químicos Consideram-se agentes de risco químico as substâncias, compostos ou produtos que possam

Riscos Químicos Consideram-se agentes de risco químico as

substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo do trabalhador pela via respiratória, nas

formas de poeiras, fumos, gases, neblinas, névoas ou

vapores, ou que seja, pela natureza da atividade, de

exposição, possam ter contato ou ser absorvido pelo organismo através da pele ou por ingestão.

RISCOS QUÍMICOS

RISCOS QUÍMICOS o Poeira Pneumoconiose: Doença causada pelo contato com a poeira do carvão; Silicose: Doença

o Poeira

RISCOS QUÍMICOS o Poeira Pneumoconiose: Doença causada pelo contato com a poeira do carvão; Silicose: Doença

Pneumoconiose: Doença causada pelo contato com a poeira do

carvão;

Silicose: Doença causada pelo contato com o pó da sílica.

RISCOS QUÍMICOS

RISCOS QUÍMICOS o Névoas Constituídas por partículas líquidas, independente da natureza e do diâmetro das

o Névoas Constituídas por partículas líquidas, independente da

natureza e do diâmetro das partículas, formadas por

desagregação mecânica de corpos

líquidos.

e do diâmetro das partículas, formadas por desagregação mecânica de corpos líquidos. Exemplo: Névoa de tinta

Exemplo: Névoa de tinta

RISCOS QUÍMICOS

RISCOS QUÍMICOS o Vapores São substâncias que se encontram no estado gasoso como resultado de algum

o Vapores

RISCOS QUÍMICOS o Vapores São substâncias que se encontram no estado gasoso como resultado de algum

São substâncias que se

encontram no estado gasoso como resultado de algum tipo

de alteração no seu estado normal e temperatura

ambiente.

RISCOS

RISCOS ✓ Riscos Biológicos Consideram-se como agentes risco biológico as bactérias, vírus, fungos, parasitas,
RISCOS ✓ Riscos Biológicos Consideram-se como agentes risco biológico as bactérias, vírus, fungos, parasitas,
RISCOS ✓ Riscos Biológicos Consideram-se como agentes risco biológico as bactérias, vírus, fungos, parasitas,

Riscos Biológicos Consideram-se como agentes

risco biológico as bactérias, vírus,

fungos, parasitas, entre outros.

O risco biológico está associado à

exposição a locais, substâncias,

de

compostos ou produtos com a

presença de micro-organismos

patogênicos em geral.

RISCOS

RISCOS ✓ Riscos Biológicos Podem alimentar, malária, febre amarela As formas de prevenção para esses grupos

Riscos Biológicos

Podem

alimentar,

malária, febre amarela

As formas de prevenção para esses grupos de agentes biológicos são: vacinação, esterilização, higiene pessoal, uso de EPI, ventilação, controle médico e controle de pragas.

tuberculose,

intoxicação

causar

RISCOS

RISCOS ✓ Riscos Ergonômicos A ergonomia é a ciência que estuda a relação entre o homem

Riscos Ergonômicos A ergonomia é a ciência que estuda a relação entre o

homem e o seu ambiente de trabalho, visando o conforto.

Entre os danos causados pela exposição aos riscos ergonômicos merecem destaque as DORT Distúrbios

Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (que englobam

as Lesões por Esforços Repetitivos LER). As DORT

abrangem diversas patologias, sendo as mais conhecidas a

tendinite e a bursite.

RISCOS

RISCOS ✓ Riscos Ergonômicos - Principais Causas: Má postura; Excesso de Peso; Jornada prolongada de trabalho;

Riscos Ergonômicos - Principais Causas:

Má postura;

Excesso de Peso;

Jornada prolongada de trabalho;

Stress,

RISCOS

RISCOS ✓ Riscos Mecânicos ou Riscos de Acidentes Os tipos de acidentes mais comuns que ocorrem

Riscos Mecânicos ou Riscos de Acidentes

Os tipos de acidentes mais comuns que ocorrem na

realização do trabalho são:

Queda;

Choque Elétrico;

Soterramento;

Choque mecânico;

Cortes e perfurações;

Queimaduras; Animais Peçonhentos;

Acidentes de Trânsito;

Incêndio e Explosão.

QUEDA

QUEDA
QUEDA
QUEDA

BATIDA

BATIDA
BATIDA

PRENSAGEM

PRENSAGEM
PRENSAGEM

CHOQUE

CHOQUE
CHOQUE

CORTES

CORTES
CORTES

RISCOS

RISCOS ✓ Como diminuir os Riscos?? Equipamentos de Proteção São todos dispositivos de uso individual e

Como diminuir os Riscos??

Equipamentos de Proteção São todos dispositivos de uso individual e coletivo, destinados a proteger a
Equipamentos de Proteção São todos dispositivos de uso individual e coletivo, destinados a proteger a

Equipamentos de Proteção

São todos dispositivos de uso individual e coletivo, destinados a proteger a integridade física do trabalhador.

São todos dispositivos de uso individual e coletivo, destinados a proteger a integridade física do trabalhador.
São todos dispositivos de uso individual e coletivo, destinados a proteger a integridade física do trabalhador.

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO ✓ EPI’s De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8

EPI’s

EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO ✓ EPI’s De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8

De acordo com a NR-6 da Portaria

nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego,

considera-se Equipamento de Proteção

Individual EPI:

“Todo Dispositivo de Uso individual

destinado a proteger a saúde e a

integridade física do trabalhador.”

EPI

EPI ✓ É obrigação do empregado: - Usá-lo apenas para a finalidade que se destina; -

É obrigação do empregado:

- Usá-lo apenas para a finalidade que se destina;

- Responsabilizar-se por sua guarda e conservação;

- Comunicar qualquer alteração que o torne impróprio para o uso.

EPI

EPI ✓ É obrigação do empregador: - Adquirir o tipo adequado a atividade do empregado; -

É obrigação do empregador:

- Adquirir o tipo adequado a atividade do empregado;

- Treinar o trabalhador sobre seu uso adequado;

- Tornar obrigatório seu uso;

- Substituí-lo quando danificado ou extraviado.

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Calçados de Segurança:

Calçados de Segurança:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Calçados de Segurança:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Calçados de Segurança:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Calçados de Segurança:

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Luvas de Segurança:

Luvas de Segurança:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Luvas de Segurança:

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Cintos de Segurança:

Cintos de Segurança:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Cintos de Segurança:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Cintos de Segurança:

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Capacetes:

Capacetes:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Capacetes:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Capacetes:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Capacetes:

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Auricular:

Protetor Auricular:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Auricular:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Auricular:

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Facial:

Protetor Facial:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Facial:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Facial:

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Respiratório:

Protetor Respiratório:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Respiratório:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Protetor Respiratório:

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Óculos:

Óculos:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Óculos:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Óculos:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Óculos:

PRINCIPAIS EPI’s

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Vestimenta:

Vestimenta:

PRINCIPAIS EPI’s ✓ Vestimenta:
PRINCIPAIS EPI’s ✓ Vestimenta:

EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA

EQUIPAMENTOS DE SEGURANÇA ✓ EPC’s De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8

EPC’s

De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de

junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento de Proteção Coletiva EPC:

“Dispositivos utilizados no ambiente de trabalho

destinados a proteção do grupo de trabalhadores contra a

ocorrência de acidentes ou doenças ocupacionais.

PRINCIPAIS EPC’s

PRINCIPAIS EPC’s ✓ Enclausuramento acústico de fontes de ruído Destina-se ao confinamento acústico de máquinas

Enclausuramento acústico de fontes de ruído

Destina-se ao confinamento acústico de

máquinas que geram nível de ruído

além do limite estipulado pela legislação ou que geram um

desconforto nas pessoas que trabalham

nas proximidades.

um desconforto nas pessoas que trabalham nas proximidades. Essas cabines são formadas por uma estrutura de

Essas cabines são formadas por uma estrutura de sustentação e fechada com painéis acústicos.

PRINCIPAIS EPC’s

PRINCIPAIS EPC’s ✓ Exaustores névoas para gases, e vapores contaminantes/Ventilação dos locais de trabalho Têm a

Exaustores

névoas

para

gases,

e

vapores

contaminantes/Ventilação dos locais de trabalho

Têm

a

finalidade

de

remover

o

ar

ambiental

contaminado ou promover a renovação do ar saudável.

dos locais de trabalho Têm a finalidade de remover o ar ambiental contaminado ou promover a
dos locais de trabalho Têm a finalidade de remover o ar ambiental contaminado ou promover a

PRINCIPAIS EPC’s

PRINCIPAIS EPC’s ✓ Proteção de partes móveis de máquinas/Sensores em máquinas Tem a finalidade de prevenir

Proteção de partes móveis de máquinas/Sensores em

máquinas

de partes móveis de máquinas/Sensores em máquinas Tem a finalidade de prevenir acidentes em máquinas que

Tem a finalidade de prevenir

acidentes em máquinas que operam com partes móveis. Os sensores

identificam o movimento e param a

máquina imediatamente, evitando o

acidente.

PRINCIPAIS EPC’s ✓ Fitas sinalizadoras e antiderrapantes em degraus de escada Tem o objetivo de
PRINCIPAIS EPC’s
✓ Fitas sinalizadoras e antiderrapantes em degraus de
escada
Tem o objetivo de sinalizar o degrau de uma escada, e
evitar acidentes com os adesivos antiderrapantes.

PRINCIPAIS EPC’s

PRINCIPAIS EPC’s ✓ Redes de Proteção (nylon) São muito utilizadas na construção civil para evitar a

Redes de Proteção (nylon)

São muito utilizadas na construção civil para evitar a

queda de pessoas ou objetos.

✓ Redes de Proteção (nylon) São muito utilizadas na construção civil para evitar a queda de

PRINCIPAIS EPC’s

PRINCIPAIS EPC’s ✓ Isolamento de áreas de risco/Sinalizadores de segurança O isolamento tem a finalidade de

Isolamento de áreas de risco/Sinalizadores de segurança

O isolamento tem a finalidade de sinalizar e delimitar a área onde o risco esta localizado.

Os sinalizadores de segurança ajudam na prevenção dos acidentes, sinalizando os riscos.

onde o risco esta localizado. Os sinalizadores de segurança ajudam na prevenção dos acidentes, sinalizando os
onde o risco esta localizado. Os sinalizadores de segurança ajudam na prevenção dos acidentes, sinalizando os
onde o risco esta localizado. Os sinalizadores de segurança ajudam na prevenção dos acidentes, sinalizando os

PRINCIPAIS EPC’s

PRINCIPAIS EPC’s ✓ Extintores de incêndio É o EPC mais conhecido. O extintor possui a finalidade

Extintores de incêndio

É o EPC mais conhecido. O extintor possui a finalidade de extingir ou controlar incêndios em casos de

emergências.

É o EPC mais conhecido. O extintor possui a finalidade de extingir ou controlar incêndios em

PRINCIPAIS EPC’s

PRINCIPAIS EPC’s no local ✓ Chuveiros de segurança/ Lava-olhos Equipamento necessário onde se manuseia produtos
no local
no
local

Chuveiros de segurança/ Lava-olhos

Equipamento

necessário

onde se manuseia produtos químicos.

Kit de primeiros socorros

Tem a finalidade de ajudar o acidentado ainda no local de trabalho.

GESTÃO DOS RISCOS
GESTÃO DOS RISCOS

GESTÃO DOS RISCOS

GESTÃO DOS RISCOS
GESTÃO DOS RISCOS
GESTÃO DOS RISCOS
GESTÃO DOS RISCOS
GESTÃO DOS RISCOS
GESTÃO DOS RISCOS
GESTÃO DOS RISCOS

GESTÃO DOS RISCOS

GESTÃO DOS RISCOS ✓ O que fazer para reduzir os acidentes de trabalho e as doenças

O que fazer para reduzir os acidentes de trabalho e as doenças profissionais?

Programa de Gestão de Riscos

e as doenças profissionais? Programa de Gestão de Riscos Reconhecer os riscos; Propor medidas que possam
e as doenças profissionais? Programa de Gestão de Riscos Reconhecer os riscos; Propor medidas que possam

Reconhecer os riscos;

Propor medidas que possam controlar a

exposição dos trabalhadores a esses riscos.

GESTÃO DOS RISCOS

GESTÃO DOS RISCOS Propõe uma metodologia para elaboração do mapa de riscos como instrumento de reconhecimento

Propõe uma metodologia para elaboração

do mapa de riscos como instrumento de reconhecimento de riscos.

mapa de riscos como instrumento de reconhecimento de riscos. NR-05 1ª Etapa 2ª Etapa 3ª Etapa

NR-05

1ª Etapa 2ª Etapa 3ª Etapa

4ª Etapa 5ª Etapa

de riscos. NR-05 1ª Etapa 2ª Etapa 3ª Etapa 4ª Etapa 5ª Etapa Reconhecimento do Risco
de riscos. NR-05 1ª Etapa 2ª Etapa 3ª Etapa 4ª Etapa 5ª Etapa Reconhecimento do Risco

Reconhecimento do Risco

Controle do Risco

1ª ETAPA

1ª ETAPA Identificação das fontes de riscos existentes nos locais de trabalho e das pessoas expostas

Identificação das fontes de riscos existentes nos locais

de trabalho e das pessoas expostas a esses riscos, utilizando

apenas as percepções sensoriais humanas, principalmente a visão, a audição e o olfato.

1ª ETAPA

1ª ETAPA ✓ Circular pelo local de trabalho e observar (sentir) tudo o que possa causar

Circular pelo local de trabalho e observar (sentir) tudo o que possa causar danos;

Consultar os trabalhadores e/ou os seus representantes sobre os problemas que lhes tenham surgido;

Observar os riscos a longo prazo para a saúde, por exemplo, níveis elevados de ruído ou fatores de risco decorrentes da organização do trabalho;

Consultar

de

registros

de

acidentes

de

trabalho

os

e

problemas de saúde da empresa.

2ª ETAPA

2ª ETAPA Avaliação dos riscos decorrentes de cada fonte. ✓ A probabilidade de um risco ocasionar

Avaliação dos riscos decorrentes de cada fonte.

A probabilidade de um risco ocasionar dano;

A gravidade provável do dano; A frequência da exposição dos trabalhadores (e o número de trabalhadores expostos).

3ª ETAPA

3ª ETAPA Consiste em decidir de que forma eliminar ou controlar os riscos. ✓ Se é

Consiste em decidir de que forma eliminar ou controlar os riscos.

Se é possível eliminar o risco; Senão, de que forma é possível controlar os riscos de modo que

esses não comprometam a segurança e a saúde das pessoas

expostas. - Substituir todo produto/equipamento que é perigoso por

similar isento de perigo ou menos perigoso (atuar na fonte!);

 

3ª ETAPA

 
 
 
   

- Combater os riscos na origem, enclausurando-os sempre que possível (atuar na fonte!);

-

Evitar

a

exposição

de

trabalhadores

aos

riscos,

controlando

o

acesso

aos

ambientes

de

risco

(atuar

na

trajetória!);

- Conferir às medidas de proteção coletiva em relação às medidas de proteção individual (atuar na trajetória!);

- Sempre buscar melhorar o nível de proteção.

 

4ª ETAPA

4ª ETAPA Adoção de medidas de prevenção e de proteção com a elaboração de um plano

Adoção de medidas de prevenção e de proteção com a elaboração de um plano que especifique:

As medidas a aplicar; Quem faz o quê e quando (cronograma);

Quando a aplicação deve estar concluída.

5ª ETAPA

5ª ETAPA Acompanhamento e manutenção periódica dos trabalhos realizados nas etapas anteriores.

Acompanhamento e manutenção periódica dos trabalhos realizados nas etapas anteriores.