Você está na página 1de 4

SÍNTESE

O sentimento da resignação como virtude à luz da


doutrina espírita, característica do homem de bem.

União com Jesus

RESIGNAÇÃO Março de 2018

Programa “O Homem de Bem” – Ep.4


Resignação

A resignação é a virtude que expressa submissão e obediência à vontade de


Deus, suportando corajosamente as vicissitudes da vida com tolerância e
conformidade.

Sabe renunciar ou ceder, em favor de outrem, algo que gostaria de ter ou de


assumir. A sua força reside na capacidade de compreender em cada
momento, o que a existência lhe pede ou exige e na fé que deposita nas
consolações da vida futura, anunciadas pelo Cristo no sermão do monte,
quando proferiu as bem-aventuranças.

A resignação é filha da paciência e da maturidade espiritual. O tempo e as


experiências evolutivas no orbe terrestre vão forjando o seu
desenvolvimento no imo do espírito imortal. Muitas são as provas que
exigem a demonstração do exercício da paciência, inerentes ao próprio
processo evolutivo. Cada reencarnação representa uma grata oportunidade
para o espírito provar a sua capacidade de superação e de resiliência. Cada
dia na Terra tem o seu cadinho de exercício da paciência. No somatório das
muitas provas e expiações que a alma enfrenta na Terra, a paciência vai
cumulando experiências que paulatinamente fazem brotar o sentimento da
resignação no coração da criatura humana, dando sinais de amadurecimento
espiritual.

Lázaro ensina que a resignação é o consentimento do coração em analogia


com a obediência que é o consentimento da razão (ESE, cap. IX, item 8),
explicitando deste modo, que o amor alimenta o sentimento de resignação
pela tolerância e pela conformidade com que a criatura se sujeita
pacientemente às contrariedades e aos sofrimentos da vida, amenizando os
seus impactos e diluindo os seus efeitos negativos.

Ser-se resignado é reconhecer a justiça da autoridade divina em todas as


situações.

Recordando que as aflições podem produzir à posteriori um bem maior,


Allan Kardec esclarece a necessidade de resignação, iluminando a nossa
razão ao permitir compreender que, “no que nos aflige, só vemos, em geral,
o presente, e não as ulteriores consequências favoráveis que possa ter a
nossa aflição. Muitas vezes, o bem é a consequência de um mal passageiro,
como a cura de uma enfermidade é o resultado dos meios dolorosos que se
empregaram para combatê-la.” (ESE, cap. XXVIII, item 30)

“Por estas palavras: Bem-aventurados os aflitos, pois que serão consolados,


Jesus aponta a compensação que hão de ter os que sofrem e a resignação
que leva o padecente a bendizer do sofrimento, como prelúdio da cura.

Também podem essas palavras ser traduzidas assim: Deveis considerar-vos


felizes por sofrerdes, visto que as dores deste mundo são o pagamento da
dívida que as vossas passadas faltas vos fizeram contrair; suportadas
pacientemente na Terra, essas dores vos poupam séculos de sofrimentos na
vida futura. Deveis, pois, sentir-vos felizes por reduzir Deus a vossa dívida,
permitindo que a saldeis agora, o que vos garantirá a tranquilidade no
porvir.” (ESE, cap. V, item 12)

“Em todos os casos devemos submeter-nos à vontade de Deus, suportar


com coragem as tribulações da vida, se queremos que elas nos sejam levadas
em conta e que se nos possam aplicar estas palavras do Cristo: Bem-
aventurados os que sofrem.” (ESE, cap. XXVIII, item 30)
“O fardo é proporcional às forças, como a recompensa será proporcional à
resignação e à coragem.” (ESE, cap. V, item 18)

Bibliografia

Kardec, A. (1988) O Evangelho Segundo o Espiritismo (ESE), FEB, Brasília.

“Resignação” in Dicionário infopédia da Língua Portuguesa [em linha]. Porto: Porto


Editora, 2003-2018. [consult. 2018-03-06 07:14:01]. Disponível na
Internet: https://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua-portuguesa/resignação

"Resignação", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-


2013, https://www.priberam.pt/DLPO/Resigna%C3%A7%C3%A3o [consultado em
06-03-2018].

"Paciência", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-


2013, https://www.priberam.pt/DLPO/paci%C3%AAncia [consultado em 23-03-
2018].