Você está na página 1de 3

INTRODUÇÃO

A evaporação ocorre porque a uma dada temperatura existe uma distribuição de


velocidade entre as moléculas que compõem o líquido. Algumas moléculas se movem
lentamente enquanto outras se movem com grande velocidade. Essas moléculas com
energia cinética elevada conseguem vencer as ligações intermoleculares do líquido e
escapar para a fase gasosa. O processo causa a perda das moléculas com alta energia
cinética resfriando o líquido, a evaporação é, portanto, um processo endotérmico.

Em um recipiente fechado, no entanto, a mudança de estado será limitada. Enquanto que


o processo de moléculas passando da fase líquida para a fase gasosa contínua ocorrendo,
o processo inverso também passa a ser importante. As moléculas presas no recipiente
voltarão a se chocar contra a superfície do líquido, podendo perder energia na colisão e
voltar à fase condensada. Nesse processo a energia cinética das moléculas gasosas é
absorvida pelo líquido, portanto a chamada condensação é um processo exotérmico.

Do ponto de vista cinético podemos modelar o fenômeno como dois processos


dinâmicos ocorrendo simultaneamente:

 Vaporização cuja taxa depende da temperatura;


 Condensação cuja taxa depende da pressão;

Quando as taxas de vaporização e condensação são iguais dizemos que as fases líquida e
gasosa estão em equilíbrio entre si. A pressão exercida pelas moléculas do líquido que
foram vaporizadas é chamada de pressão de vapor.

A pressão de vapor depende da natureza do líquido estudado, além de ser fortemente


dependente da temperatura. Substâncias com alta pressão de vapor são aquelas com
mais facilidade em mudar para a fase gasosa sendo chamadas de substâncias voláteis. Já
substâncias com baixa pressão de vapor tem menos facilidade para serem vaporizadas e
portanto não são voláteis. A uma determinada temperatura a pressão de vapor do líquido
será igual à pressão exterior, quando isso ocorre observa-se que o líquido entra em
ebulição. Logo podemos dizer que a temperatura de ebulição de um líquido é aquela em
que a pressão de vapor se iguala a pressão externa.

Quando há uma mistura de líquidos em equilíbrio com seus respectivos vapores o


comportamento do sistema difere significativamente. Em casos ideais, entretanto,
observa-se que a pressão parcial de cada componente é proporcional a sua fração molar
no líquido. A constante de proporcionalidade é a pressão de vapor do líquido puro. Essa
relação é conhecida como Lei de Raoult e é expressa matematicamente abaixo:

pA=XA⋅p∗A

O estudo desse tipo de sistema é muito importante em diversas áreas, como por exemplo
para a engenharia química, pois é base das operações de destilação, onde os
componentes de uma mistura são separados de acordo com sua volatilidade.
OBJETIVO

Determinas a entalpia de vaporização da água e fazer a verificação experimental da


equação de Clausius-Clapeyron.

MATERIAIS
1. Termômetro
2. Balão
3. Condensador
4. Transformador
5. Banho térmico
6. Bomba de vácuo

PROCEDIMENTOS
1) Colocar o termômetro no balão. Ligar a água do condensador. Ligar o transformador
e iniciar o aquecimento do banho térmico. Impor uma pressão reduzida no interior do
balão, através de uma bomba de vácuo, com a diferença manométrica de 400 mmHg.
Verificar se não há vazamento na linha.
2) Esperar a água entrar lentamente em ebulição, anotando a pressão e a temperatura de
equilíbrio.
3) Aumentar ligeiramente a pressão no interior do balão, em torno de 40 mmHg,
abrindo a torneira de admissão de ar, e anotar a nova temperatura e pressão de
equilíbrio. Repetir este procedimento até obter mais seis (06) pontos experimentais.

RESULTADOS E DISCUSSÕES
P T Ln P 1/T (K-1)
361 80 5,89 0,00283
400 83 5,99 0,00281
440 85 6,087 0,00279
480 87 6,17 0,00278
520 90 6,15 0,0027
560 92 6,33 0,00274

Transição líquido vapor


µL = µV
dµL = dµV
Das equações fundamentais
- SLdT + VLdP = -SVdT + VVdP
(SV - SL) dT = (VV - VL) dP
dP ∆S
= 𝑉
dT ∆V 𝑉

A T e P constante
dQ 1 ∆H𝑉
∆S = ∫ 𝑇 = T ∫dQ = T
dP ∆H ∆H𝑉 1 dP ∆H
= TV𝑉 = 𝑅𝑇 =P = R𝑇𝑉2
dT 𝑉 T dT
𝑃

dP ∆H𝑉 1
= dT
𝑝 R 𝑇2

d lnP ∆H𝑉
1 =-
𝑑 ( ) R
𝑇

∆H𝑉
Tg α = - R

∆HV = -Rtgα
∆HV = −8,314 x (−4876,6) = +40,544 kJ

Calor de vaporização da água tabelado é: 40,66 KJ

Erro percentual:
∆H𝑉𝑡𝑎𝑏𝑒𝑙𝑎𝑑𝑜 − ∆HVcalculado
d(%) =| | x 100
∆HVcalculado

40,66− 40,544
d(%) =| | x 100 = 0,286%
40,544

CONCLUSÃO
A partir dos dados de pressão e temperatura, calculou-se o ∆HV = +40,544 kJ, com
erro percentual de 0,286% em relação ao valor tabelado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Https://www.infoescola.com/fisico-quimica/equilibrio-liquido-vapor