Você está na página 1de 39
Distribuição Discreta de Cargas Física III
Distribuição Discreta de Cargas
Física III
Eletromagnetismo
Eletromagnetismo

Leis da eletricidade e do magnetismo rádios, televisões, motores elétricos,

computadores, aceleradores de partículas , dispositivos eletrónicos usados na medicina,

etc.

Eletricidade e Magnetismo
Eletricidade e Magnetismo

2000 a. C. : documentos chineses sugerem a existência do magnetismo

700 a. C. : observação de fenômenos elétricos e magnéticos na Grécia Antiga

Descobriram que o âmbar, quando friccionado, atraía pedaços de palha ou penas (eletricidade).

Observaram que uma pedra natural chamada magnetita Fe O ( 3 4 ) atraía pedaços
Observaram que uma pedra natural chamada magnetita
Fe O
(
3
4
) atraía pedaços de ferro

2

Eletromagnetismo
Eletromagnetismo

1ª. parte do século XIX : existência de uma relação entre a eletricidade e o magnetismo.

Em 1820:

Hans Oersted descobriu que a agulha de uma bússola, que é magnética, é

desviada quando colocada perto de uma corrente elétrica:

é desviada quando colocada perto de uma corrente elétrica: Em 1831: Michael Faraday na Inglaterra e,
é desviada quando colocada perto de uma corrente elétrica: Em 1831: Michael Faraday na Inglaterra e,
é desviada quando colocada perto de uma corrente elétrica: Em 1831: Michael Faraday na Inglaterra e,

Em 1831: Michael Faraday na Inglaterra e, quase simultaneamente, Joseph Henry nos

Estados Unidos, mostraram a possibilidade de “criar” uma corrente nas seguintes situações:

ou, de maneira equivalente, quando

quando se move um fio condutor perto de um ímã

quando quando se move um fio condutor perto de um ímã um ímã é movido perto

um ímã

é

movido perto de um fio

condutor

perto de um ímã um ímã é movido perto de um fio condutor uma corrente elétrica

uma corrente elétrica é observada no fio

3

Eletromagnetismo
Eletromagnetismo

Em 1873, James Clerk Maxwell baseou-se nessas observações e em outros fatos

experimentais para formular as leis do eletromagnetismo como as conhecemos hoje.

Por volta de 1888, Heinrich Hertz verificou as previsões de Maxwell produzindo ondas eletromagnéticas no laboratório a descoberta do rádio e da televisão.

As contribuições de Maxwell para a ciência eletromagnética foram especialmente significativas porque as leis formuladas são básicas para todas as formas de fenômenos

eletromagnéticos. Equações de Maxwell Q  E  dA    int  Lei
eletromagnéticos.
Equações de Maxwell
Q
E  dA 
int
Lei de Gauss (eletrostática)
S
0
B  dA  0
Lei de Gauss (magnetostática)
S
d
E  dl 

B   dA 
Lei de Faraday
C
dt
S
d
B  dl 
I

E   dA 
Lei de Ampère-Maxwell
0
0
0
C
dt
S

James Clerk Maxwell

4

Eletrostática
Eletrostática

Processos de Eletrização

Raios

Eletrostática Processos de Eletrização Raios Acelerador de Van der Graf 5
Eletrostática Processos de Eletrização Raios Acelerador de Van der Graf 5
Eletrostática Processos de Eletrização Raios Acelerador de Van der Graf 5
Eletrostática Processos de Eletrização Raios Acelerador de Van der Graf 5

Acelerador de Van der Graf

5

Estrutura Atômica
Estrutura Atômica

O átomo possuem o mesmo número de prótons e elétrons, de modo que possuem

carga elétrica líquida nula (átomo neutro).

elétrons (e - )

líquida nula (átomo neutro). elétrons (e - ) Núcleo Atômico prótons (H 1 )+neutrons (n 0
líquida nula (átomo neutro). elétrons (e - ) Núcleo Atômico prótons (H 1 )+neutrons (n 0

Núcleo Atômico prótons (H 1 )+neutrons (n 0 )

Massa do próton em repouso ( m p )

1,672 623 x 10 -27 kg

Massa do neutron em repouso ( m n )

Massa do elétron em repouso ( m e )

1,674 928 x 10 -27 kg

m p =1800x m e

Massa do átomo de hidrogênio ( m H )

Relação ( e / m oe )

1,673 4 x 10 -27 kg

-1,758 819 x 10 11 C.kg -1

6

Carga elementar e Quantidade de carga elétrica Os prótons e os elétrons são portadores de
Carga elementar e Quantidade de carga elétrica
Os prótons e os elétrons são portadores de carga elétrica.
Q  n e
Quantidade de carga elétrica:
Q :
onde:
quantidade de carga
n e : :
carga elétrica elementar
número dos portadores de carga
e
:1,6
10 
19
C
Valor da carga elétrica elementar:
Em 1923, Robert Andrews Millikan ganhou o Prêmio Nobel de Física,por seus trabalhos sobre a
Em 1923, Robert Andrews Millikan
ganhou o Prêmio Nobel de Física,por
seus trabalhos sobre a carga elétrica

elementar e sobre o efeito fotoelétrico.

Experimento de Millikan (1907)

7

Corpos Neutros e Eletrizados
Corpos Neutros e Eletrizados

Um corpo neutro possui mesmo número de elétrons e prótons.

Um corpo eletrizado (ou eletricamente carregado) apresenta um desequilíbrio no número de prótons e elétrons.

        Corpo neutro
  
  
Corpo neutro
         Corpo
  
   
Corpo

positivamente

carregado

          Corpo
      
 
Corpo

negativamente

carregado

Princípio Fundamental da Eletrostática
Princípio Fundamental da Eletrostática

Corpos de sinais iguais se repelem

Corpos de sinais diferentes se atraem

8

Condutores e Isolantes
Condutores e Isolantes

Condutores: um ou mais dos elétrons das camadas mais externas desses átomos

estão fracamente ligados ao núcleo. Estes elétrons são também chamados de

elétrons livres.

Em outros materiais, borracha e vidro, por exemplo, os elétrons estão fortemente ligados aos núcleos. Estes materiais são chamados de isolantes.

Condutores e Isolantes
Condutores e Isolantes

Condutores Elétricos: são materiais nos quais alguns eletrons se deslocam de maneira

relativamente livre

Condutor
Condutor

Exemplos: cobre, alumínio e prata

livre Condutor Exemplos: cobre, alumínio e prata Isolantes Elétricos: são materiais nos quais as cargas

Isolantes Elétricos: são materiais nos quais as cargas elétricas não se deslocam livremente

Isolante
Isolante

Exemplos: vidro, borracha e madeira

são materiais nos quais as cargas elétricas não se deslocam livremente Isolante Exemplos: vidro, borracha e

10

Condutores e Isolantes
Condutores e Isolantes

Esfera condutora

Condutores e Isolantes Esfera condutora Condutor Isolante 11
Condutores e Isolantes Esfera condutora Condutor Isolante 11

Condutor

Condutores e Isolantes Esfera condutora Condutor Isolante 11

Isolante

Processos de Eletrização
Processos de Eletrização

Eletrização é o processo no qual um corpo, inicialmente neutro, é eletrizado. Neste processo os elétrons são adicionados ou removidos de um corpo.

Existem três processos de eletrização: Atrito, contato e indução.

Eletrização por Atrito
Eletrização por Atrito

Quando dois corpos de substâncias diferentes (ou não), inicialmente neutros, são atritados haverá transferência de elétrons de um corpo para o outro, de tal forma que um corpo fique eletrizado positivamente (cedeu elétrons), e outro corpo fique eletrizado negativamente (ganhou elétrons)

12

Processos de Eletrização Eletrização por Contato
Processos de Eletrização
Eletrização por Contato

Os elétrons em excesso do corpo A são transferidos para o corpo B até

que ambos possuam a mesma carga elétrica (corpos idênticos).

Ao final do processo os dois corpos serão eletrizados com cargas de

sinais iguais.

A

elétrica (corpos idênticos). Ao final do processo os dois corpos serão eletrizados com cargas de sinais

B

elétrica (corpos idênticos). Ao final do processo os dois corpos serão eletrizados com cargas de sinais
Processos de Eletrização Eletrização por Contato
Processos de Eletrização
Eletrização por Contato

O sinal positivo representa o excesso de prótons no corpo A.

O corpo B possui o

mesmo número de prótons e elétrons.

A

A. O corpo B possui o mesmo número de prótons e elétrons. A Corpo A (eletrizado

Corpo A (eletrizado positivamente)

B

A. O corpo B possui o mesmo número de prótons e elétrons. A Corpo A (eletrizado

Corpo B (neutro)

Processos de Eletrização Eletrização por Contato
Processos de Eletrização
Eletrização por Contato

Quando o contato é estabelecido entre os dois corpos, os elétrons de B são transferidos para A. Cada elétron transferido de B neutraliza um próton em excesso de A

A

os elétrons de B são transferidos para A. Cada elétron transferido de B neutraliza um próton

B

os elétrons de B são transferidos para A. Cada elétron transferido de B neutraliza um próton
Processos de Eletrização Eletrização por Contato
Processos de Eletrização
Eletrização por Contato

Ao final do processo os dois corpos são eletrizados com cargas de

sinais iguais.

Cada elétron

neutraliza um próton.

A B
A
B
Processos de Eletrização Eletrização por Indução
Processos de Eletrização
Eletrização por Indução

Quando um objeto carregado negativamente é colocado próximo a uma superfície

condutora, os elétrons se movimentam pela superfície do material, mesmo não havendo contato físico.

superfície do material, mesmo não havendo contato físico. Este é o princípio utilizado na eletrização por

Este é o princípio utilizado na

eletrização por indução

Bastão carregado negativamente

havendo contato físico. Este é o princípio utilizado na eletrização por indução Bastão carregado negativamente 17

Processos de Eletrização

Eletrização por Indução
Eletrização por Indução

Considere duas esferas metálicas que estejam se tocando, de modo que

efetivamente formem um único condutor não-eletrizado.

Quando um bastão eletrizado negativamente é trazido para perto das

esferas, os elétrons livres se movimentam devido à repulsão elétrica.

livres se movimentam devido à repulsão elétrica. 4 prótons em excesso 4 elétrons em excesso Sendo

4 prótons em excesso

4 elétrons em excesso

Sendo assim, as esferas possuem o mesmo número de elétrons e prótons.

18

Processos de Eletrização Eletrização por Indução
Processos de Eletrização
Eletrização por Indução

Quando um bastão eletrizado negativamente é trazido para perto das esferas, os elétrons livres se movimentam devido à repulsão elétrica.

Se as esferas forem separadas com o bastão ainda presente, elas ficarão

igualmente carregadas, mas com cargas de sinais opostos.

elas ficarão igualmente carregadas, mas com cargas de sinais opostos. 4 prótons em excesso 4 elétrons
elas ficarão igualmente carregadas, mas com cargas de sinais opostos. 4 prótons em excesso 4 elétrons

4 prótons em excesso

4 elétrons em excesso

19

Processos de Eletrização Eletrização por Indução - aterramento
Processos de Eletrização
Eletrização por Indução - aterramento

É possível eletrizar uma única esfera por indução se a tocarmos enquanto as cargas encontram-se separadas.

se a tocarmos enquanto as cargas encontram-se separadas. O bastão carregado positivamente provoca a separação de

O bastão carregado

positivamente provoca a

separação de cargas na esfera

positivamente provoca a separação de cargas na esfera Ao tocar a esfera, elétrons são transferidos. Ao
positivamente provoca a separação de cargas na esfera Ao tocar a esfera, elétrons são transferidos. Ao

Ao tocar a esfera, elétrons são transferidos.

Ao final do processo a esfera possui excesso de elétrons.

Processos de Eletrização Eletrização por Indução - aterramento
Processos de Eletrização
Eletrização por Indução - aterramento

Este processo pode ser realizado com um fio ligado à terra (aterramento).

pode ser realizado com um fio ligado à terra (aterramento). Os elétrons serão transferidos da terra

Os elétrons serão transferidos da terra para a esfera se o fio for ligado do lado positivo. Logo, a esfera ficará carregada negativamente.

Os elétrons serão transferidos da

esfera para a terra se o fio for ligado

do lado negativo. Logo, a esfera ficará carregada positivamente.

21

Processos de Eletrização

Exemplos
Exemplos

Os neurônios recebem continuamente impulsos que geram uma corrente elétrica cargas elétricas em

movimento

Um raio é uma descarga elétrica que ocorre entre uma nuvem e a terra.

elétrica  cargas elétricas em movimento Um raio é uma descarga elétrica que ocorre entre uma
elétrica  cargas elétricas em movimento Um raio é uma descarga elétrica que ocorre entre uma
22
22
Os Raios
Os Raios

Ao passar nas proximidades da superfície terrestre, a nuvem induz cargas de sinal contrário.

Uma nuvem pode se eletrizar a partir das colisões entre as partículas que a constitui. Experiências realizadas com balões mostram que as nuvens de tempestades (responsáveis pelos raios) apresentam, geralmente, cargas elétricas positivas na parte superior e negativas na inferior.

pelos raios) apresentam, geralmente, cargas elétricas positivas na parte superior e negativas na inferior. 23

23

Os Raios
Os Raios

Ao passar nas proximidades da superfície terrestre, a nuvem induz cargas de sinal

contrário.

O raio ou descarga elétrica é constituído de elétrons que, neste caso, são

transferidos da nuvem para a

superfície terrestre.

elétrica – é constituído de elétrons que, neste caso, são transferidos da nuvem para a superfície
Os Raios
Os Raios

Descarga elétrica da nuvem para o solo

Os Raios Descarga elétrica da nuvem para o solo 25
Lei de Coulomb
Lei de Coulomb

Charles Coulomb inventou uma balança de torção e através dela

descobriu que a força elétrica entre duas pequenas esferas carregadas

é proporcional ao inverso do quadrado da distância r de separação entre elas:

F 1/ r

2

A força elétrica entre duas partículas carregadas com cargas q l e q 2 e

separadas por uma distância r é

F

e

k

e

q 1 q 2 2
q
1 q
2
2

r

onde

k

e

1

4 

0

8.99

10

9

N m

2

/ C

2

r onde k  e 1 4  0  8.99  10 9 N m

é a constante de Coulomb e a força é medida em newtons se as cargas estão em coulomb e a distância de separação está em metros

e

0

8.8542

10

12

C

2

/ N m

2

é a permissividade do vácuo.

A força elétrica expressa na forma vetorial é

F

k e

q q

1

2

ˆ

r

12

2

r

12

Lei de Coulomb Princípio da Superposição
Lei de Coulomb
Princípio da Superposição

Para um sistema de n cargas podemos determinar a força resultante que atua sobre uma das cargas

q 2

B F R C
B
F R
C
resultante que atua sobre uma das cargas q 2 B F R C F 13 q

F 13

q 3

F 23

A
A

q 1

As forças elétricas obedecem ao princípio da superposição:

    n  F  F  F   F 
n
F
F
F
F
F
R
13
23
n
3
ij
i  1

onde a força entre cada par de cargas é dada por

F

1 i

k

e

q q

1

i

2

ˆ

r

1

r

i

27

Campo Elétrico

Campo Gravitacional

O campo gravitacional

que age sobre uma partícula de prova (teste) de massa m 0 dividida pela massa da partícula de prova:

num ponto no espaço é igual à força gravitacional

Campo Elétrico

 F  g g  m 0
F
 g
g 
m
0
gravitacional Campo Elétrico  F  g g  m 0 O campo elétrico num ponto

O campo elétrico num ponto do espaço é definido como a força elétrica que age sobre

uma partícula de prova, colocada neste ponto, dividida pela carga q 0 da partícula de

prova (teste). Assim:

  F E  e q 0
 F
E 
e
q 0

O vetor E

newtons por coulomb (N/C)

tem as unidades SI de

Convenção: uma partícula de prova tem sempre uma carga elétrica positiva

A carga de teste serve como detetor do campo elétrico

uma partícula de prova tem sempre uma carga elétrica positiva A carga de teste serve como
Campo Elétrico
Campo Elétrico

Conhecendo-se o campo elétrico num ponto P, podemos calcular a força que age sobre uma partícula com carga q colocada nesse ponto, porque:

qE

F

e

A força exercida sobre uma carga de prova situado à

uma

Coulomb:

é dada pela Lei de

distância r da carga

q

 q E r q  E
q
E
r
q
E

F

e

k

e

qq

0

2

ˆ

r

r

O campo elétrico criado por q no ponto

P ( posição da carga de prova) é

F

E

e

q 0

qq 0 k e  r 2 ˆ r q 0
qq
0
k
e
r
2 ˆ
r
q
0

q

ˆ

r

E

k e

2

r

  F E  e q 0  qq 0 k e  r 2
Campo Elétrico
Campo Elétrico

Se q for positiva, o campo elétrico estará orientado radialmente para fora a partir dela. Se q for negativa, o campo se orientará para dentro.

E

k e

q

ˆ

r

2

r

 E  E
E
E
 k e q  ˆ r 2 r  E  E Campo elétrico num

Campo elétrico num ponto P devido à um conjunto de partículas:

E

 

q

i

ˆ

k

r

i

r

i

e

2

i

Campo elétrico num ponto P devido à uma distribuição contínua de cargas:

E

k e

dq

ˆ

2

r

r

30

Linhas do Força associado ao Campo Elétrico
Linhas do Força associado ao Campo Elétrico

As linhas de força associadas ao campo elétrico é uma representação que fornece uma descrição qualitativa do campo elétrico.

O vetor campo elétrico é tangente à linha de força em cada ponto

O campo elétrico é intenso onde as linhas de força estão próximas e de menor intensidade onde as linhas estão bem separadas número de linhas por unidade de

área é proporcional à intensidade do campo elétrico

Linhas de força para uma carga pontual

positiva

Estão orientadas radialmente para fora

positiva  Estão orientadas radialmente para fora Linhas de força para uma carga pontual negativa 

Linhas de força para uma carga pontual

negativa

Estão orientadas radialmente para dentro

radialmente para fora Linhas de força para uma carga pontual negativa  Estão orientadas radialmente para

Representação do Campo Elétrico

Representação do Campo Elétrico  E  E  Pequenos pedaços de fibra suspensas em óleo
 E  E
E
E

Pequenos pedaços de fibra suspensas em óleo se alinham com as linhas de E

Linhas de força para uma carga pontual positiva e outra negativa iguais:

em óleo se alinham com as linhas de E Linhas de força para uma carga pontual
em óleo se alinham com as linhas de E Linhas de força para uma carga pontual
em óleo se alinham com as linhas de E Linhas de força para uma carga pontual

32

Representação do Campo Elétrico

Linhas de força para uma carga pontual positiva e outra negativa iguais:

para uma carga pontual positiva e outra negativa iguais: Linhas de força para duas cargas pontuais
para uma carga pontual positiva e outra negativa iguais: Linhas de força para duas cargas pontuais

Linhas de força para duas cargas pontuais positivas iguais

para uma carga pontual positiva e outra negativa iguais: Linhas de força para duas cargas pontuais

33

Representação do Campo Elétrico
Representação do Campo Elétrico

Linhas de força para uma carga positiva (+2q) e outra negativa (-q)

força para uma carga positiva (+2 q ) e outra negativa (- q ) Linhas de

Linhas de força geradas por duas cargas não uniformes

força para uma carga positiva (+2 q ) e outra negativa (- q ) Linhas de

Movimento de Partículas Carregadas num

Campo Elétrico Uniforme

 F e
F
e
 E
E

A força elétrica resultante exercida sobre a carga é dada por

elétrica resultante exercida sobre a carga é dada por A força resultante faz com que a

A força resultante faz com que a partícula acelere. A

segunda lei de Newton aplicada à partícula fornece

F

e

ma

A aceleração da partícula é

 qE a   m
qE
a  
m

Se o campo elétrico é uniforme (isto é, se tem magnitude e direção

Movimento de Partículas Carregadas num Campo Elétrico Uniforme

Cargas libertadas do repouso, num campo elétrico , orientado ao longo do eixo x

repouso, num campo elétrico , orientado ao longo do eixo x a    qE

a

qE

m

Se a partícula tiver carga negativa, sua aceleração será na direção

oposta ao campo elétrico.

Se uma partícula tiver carga positiva, sua aceleração será na

direção do campo elétrico.

Movimento de Partículas Carregadas num Campo Elétrico Uniforme

Cargas elétricas lançadas perpendicularmente à um campo elétrico uniforme

lançadas perpendicularmente à um campo elétrico uniforme A trajetória das cargas é uma parábola enquanto estiverem

A trajetória das cargas é uma parábola enquanto estiverem entre as placas

Movimento de Partículas Carregadas num Campo Elétrico Uniforme

Um eletron entra numa região de campo elétrico uniforme, com uma velocidade inicial constante, v i (fora da ação do campo elétrico). Obtenha a equação da trajetória da partícula na região do campo elétrico.

A aceleração da partícula no campo elétrico é

v

x

v y

v

i

a

a 

eE

m

constante eF

y

t

-

e

m

e

t

e

y

x

f

y

f

v t

i

1

2

a

y

t

2

Eliminando o tempo, obtém-se a equação da

trajetória na região do campo elétrico

-

1

eE

2 m

e

t

2

1 e E

2 m v

e

i

2

y x 

(

)

y x  ( ) 2 x

2

x

38

próxima aula