Você está na página 1de 330

Проблемы Эволюции

Новости Об Авторе Главные вопросы Книги Библиотека Фотоальбом Видео


Форум

Escalada do Monte Improvável


Dawkins R.

1996
{Eu}

Copyright © 1996 por Richard Dawkins

© copyright desenhos Original 1996 por Lalla Ward

Todos os direitos reservados

Primeira edição americana 1996

Impresso nos Estados Unidos da América

O texto deste livro é composta em Centaur. Composição por Justine Burkat Truhey
usando Adohe Pagemeaker 6.0. Fabricação por The Haddon Artesãos, Inc.

design de livro de Margaret M. Wagner

Internacionais de Catalogação-em-Publicaiion Dados

Dawkins, Richard, 1941-

Escalada do Monte Improvável / Richard Dawkins; desenhos originais por Lalla Ward.

p. cm.

Inclui referências bibliográficas e índice.

ISBN 0-393-03930-7

1. A seleção natural. 2. genética evolutiva. 3. morfogênese. I. Título.

QH375.D376 1996

575.01'62 - DC20

96-19138

CIP

WW Norton & Company, Inc. 500 Fifth Avenue, New York, NY 10110

http://www.wwnorton.com

WW Norton & Company Ltd., 10 copta Street, Londres WCIA IPU

1234567890

{iv}

College Library

Para Robert Winston,


um bom médico e um bom homem

{v}
Agradecimentos ix

Imagem Agradecimentos xi

1 De frente para o Monte Rushmore 3

2 Silken Fetters 38

3 A Mensagem da Montanha 73

4 sair do chão 108

5 O Caminho quarenta vezes à iluminação 138

6 O Museu de todos os shells 198

7 Kaleidoscopic Embriões 224

8 grãos de pólen e varinhas mágicas 256

9 O Repeater Robot 276


10 A Jardim fechado 299

bibliografia 327

índice 333

{vii}

Agradecimentos
ESTE LIVRO cresceu fora de MEUS R OYAL I NSTITUTION Palestras de Natal,
televisionadas pela BBC sob o título geral Growing Up in the Universe. Eu tive que
abandonar esse título, porque pelo menos três outros livros, desde então, apareceu com
nomes quase idênticos. Além disso, o meu próprio livro cresceu e mudou, por isso já
não é justo chamá-lo o livro das Conferências de Natal. No entanto, gostaria de
agradecer ao Director do Royal Institution para me honrar com o convite para se juntar
a linhagem histórica de Professores de Natal indo todo o caminho de volta para Michael
Faraday. Bryson Gore da Royal Institution, em conjunto com William Woollard e
Richard Melman do Inca televisão, influenciou as palestras muito, e traços de sua
influência ainda serão encontrados neste livro muito transformado e ampliado.

Michael Rodgers ler e construtivamente criticado os primeiros rascunhos de mais


capítulos que estão aqui impressos e aconselhados decisivamente sobre a reconstrução
de todo o livro. Fritz Vollrath e Peter Fuchs deu leituras de especialistas do Capítulo 2,
enquanto Michael Land and Dan Nilsson fez o mesmo para Capítulo 5. Todos os quatro
destes especialistas deram generosamente seu conhecimento quando eu bati nele. Mark
Ridley, Matt Ridley, Charles Simonyi e Lalla Ward Dawkins ler o livro inteiro em um
rascunho final e desde crítica útil e incentivo reconfortante em proporções necessário.
Mary Cunnane da WW Norton e Ravi {ix} Mirchandani de Viking Pinguim mostrou
generosa tolerância e julgamento de grande coração como o livro cresceu, ganhou vida
própria e, finalmente, diminuiu novamente para escopo mais manejável. John Brockman
espreitava encorajadoramente no fundo, não interferindo, mas sempre pronto com
suporte. especialistas em informática são heróis, demasiado frequentemente
desconhecida. Neste livro eu usei os programas de Peter Fuchs, Thiemo Krink e Sam
Zschokke. Ted Kaehler colaborou comigo em conceber e escrever o programa
artromorfos difíceis. No meu próprio conjunto de programas 'relojoeiro' Eu
frequentemente beneficiou dos conselhos e ajuda de Alan Grafen e Alun ap Rhisiart. O
pessoal do zoológico e entomológica coleções do Museu da Universidade de Oxford
emprestou amostras e conselhos de especialistas. Josine Meijer era um pesquisador
imagem dispostos e engenhoso. Minha esposa, Lalla Ward Dawkins, fez os desenhos
(embora não os layouts) e seu amor da Criação darwiniana brilha através de cada um
deles.

Gostaria de agradecer a Charles Simonyi, não só por sua imensa generosidade em dotar
o cargo em Compreensão Pública da Ciência, que eu agora tenho em Oxford, mas
também para articular sua visão - que coincide com o meu - da embarcação de explicar
a ciência a um grande público. Não fale para baixo. Tente inspirar todo mundo com a
poesia da ciência e fazer suas explicações tão fácil como honestidade permite, mas ao
mesmo tempo não negligenciar a difícil. Um esforço extra para explicar aos leitores
preparado para colocar o esforço de harmonização em compreensão. {x}

<< >>

fotografia
Agradecimentos
Desenhos por Lalla Ward: 1.7, 1.9, 1.10, 1.13, 1.14, 2.9, 3.1, 3.3, 4.2, 4.3, 4.4, 4.5, 4.6,
4.7, 5.1, 5.15, 6.3, 6.4, 6.10, 6.13, 6.15, 7.3, 7.8 , 7.15a, 7.16, 8.2, 8.3, 8.6; 1.2 (após
Hölldobler e Wilson); 1,3 (depois de Wilson); 1.11 (após Eberhard); 2,6 (após
Bristowe); 5,30 (após MF Land); 7,10 (após Brusca e Brusca); 7.11 (depois Guia
Collins a insetos); 7,17 (após Brusca e Brusca); 10,6 (após Heijn de Ulenberg).

imagens geradas por computador pelo autor: 1.14, 1.15, 1.16, 5.3 *, 5.5 *, 5.6 *, 5.7 *,
5.9 *, 5,10 *, 5,11 *, 5,12, 5,20 *, 5.28, 6.2 *, 6.3 *, 6.5, 6,6, 6,8, 6,11, 6,12, 6,14, 7,1,
7,9, 7,12, 7,13, 7,14 (imagens marcados com um asterisco redesenhado por Nigel
Andrews); por Jeremy Espera 5,13.

Heather Angel: 1.5, 1.11b, 5.21, 8.1. Ardea: 1,8 (Hans D. Dossenbach), 1.11a (Tony
Beamish), 6,7 (P. Morris), 9.3e (Bob Gibbons). Euan NK Clarkson: 5,28. Bruce
Coleman: 10.3a (Gerald Cubitt). WD Hamilton: 10,1, 10,2, 10,4, 10,5, 10,7. Ole Munk:
5,31. NHPA: 6.1 (James Carmichael Jr). Chris O'Toole: 1.6a e b. Oxford Films
científicos: 1,4 (Rudie Kuiter), 2.1 (Densey Clyne), 5,19 (Michael Leach), 5.19b (JAL
Cooke), 10.2b (K. Jell), 10.3b (David Cayless). Portech Robótica Móvel Laboratório,
Portsmouth: 9.2. Prema Fotos: 8,5 (KG PrestonMafham). David M. Raup: 6.9. Science
Photo Library: 9.3a (AB Dowsett), 9.3b (John Bavosi), 9.3c (Manfred Kage), 9.3d
(David Patterson), 9,6 (JC Revy). Dr. Fritz Vollrath: 2.2, 2.3, 2.4, 2.10, 2.11, 2.12, 2.13.
Zefa: 9.1.

1.1 a partir de Michell, J. (1978) Simulacros Londres:. Thames and Hudson. 2,5 a partir
de Hansell (1984).

2,7 e 2,8 a partir de Robinson (1991).

2,14 e 2,15 de Terzopoulos et al. (1995) © 1995 pelo Instituto de Tecnologia de


Massachusetts.

3.2 cortesia do Hamilton Spectator, no Canadá.

4.1 cortesia de JT Bonner 1965, © Princeton University Press. {XI}

5.2 a partir de Dawkins (1986) (desenho por Bridget Paz).

5.4a, b e d, 5.8a-e, 5.24a e b da Terra (1980) (redesenhado de Hesse, 1899).

5.4c de Salvini-Plawen e Mayr (1977) (depois de Hesse, 1899).


5.16a e b Hesse do uber Untersuchungen morrer Thieren der organe Lichtempfindung
bei niederen, Zeitschrift Wissenschaftliche Zoologie de 1899.

5,17, 5.19d e e, 5,25, 5,26 cortesia da MF Land. 5.18a e f, 5,27, 5,30 desenhos de Nigel
Andrews.

5,22 desenho por Kuno Kirschfeld, reproduzido com permissão de


Naturwissenschaftliche Rundschau, Estugarda.

5,23 cortesia de Dan E. Nilsson de Stavenga e Hardie (eds.) (1989). 5.29a-e cortesia de
J. Walter Gehring et ai., Georg de Haider et al. (1995).

6,16 partir Meinhardt (1995).

7,2, 7,4, 7,5, 7,6, 7,7 a partir de Ernst Haeckel (1904) Kunstformen der Natur Leipzig e
Viena:. Verlag des Bibliographischen Institut.

7.15b de Raff e Kaufman (1983) (após Y. Tanaka, 'Genética do bicho da seda ", em
Advances in Genetics 5: 239-317, 1953).

8.4 a partir de Wilson (1971) (de Wheeler de 1910, depois de F. Dahl).

9,4 Jean Dawkins.

9.5 © K. Eric Drexler, Chris Peterson e Gayle Pergamit. Todos os direitos reservados.
Reproduzido com permissão de unbounding o futuro:. A nanotecnologia Revolução
William Morrow, 1991.

{xii}

Escalada do Monte
Improvável
{1}

<< >>

CAPÍTULO 1
ouvir uma palestra em que o tema de discussão foi a fig. Não uma palestra
Acabo de
botânico, um literária. Temos o figo na literatura, o figo como metáfora, mudando
percepções do figo, o figo como emblema da pudenda ea folha de figo como corretivo
modesta deles, "fig" como um insulto, a construção social do figo, DH Lawrence sobre
como comer um figo na sociedade, 'lendo fig' e, eu prefiro pensar, 'o figo como texto'.
Pensée final da orador foi o seguinte. Ele recordou-nos a história do Gênesis de Eva
tentando Adão a comer do fruto da árvore do conhecimento. Gênesis não especificar,
ele nos lembrou que frutas que era. Tradicionalmente, as pessoas levá-la a ser uma
maçã. O palestrante suspeitava que na verdade era um figo, e com este pequeno eixo
picante terminou sua palestra.

Esse tipo de coisa é o estoque-in-trade de um certo tipo de mente literária, mas provoca-
me a literal de espírito. O alto-falante, obviamente, sabia que nunca houve um Jardim do
Éden, nunca uma árvore do conhecimento do bem e do mal. Então o que ele realmente
está tentando dizer? Suponho que ele tinha uma vaga sensação de que "de algum
modo", "se você quiser ',' em algum nível", "em algum sentido", "se eu posso colocá-lo
desta maneira" é de algum modo "certo" de que a fruta na história "deveria" ter sido um
fig. Mas chega disso. Não é que devemos ser literalista e Gradgrindian, mas o nosso
elegante conferencista estava faltando muito. Não é genuíno paradoxo e poesia
verdadeira espreita na fig, com sutilezas de exercer uma mente inquiridora e {3}
pergunta para elevar uma estética um. Neste livro eu quero passar para uma posição
onde eu posso contar a verdadeira história da fig. Mas a história figo é apenas um dos
milhões que todos têm a mesma gramática darwiniana e da lógica - embora a história fig
está entre os mais satisfatoriamente intrincada na evolução. Para antecipar a metáfora
central do livro, a figueira fica no topo de um dos picos mais altos do maciço do Monte
Improvável. Mas picos tão altos quanto as figueiras são os melhores conquistado no
final da expedição. Antes disso há muita coisa que precisa ser dito, toda uma visão de
vida que precisa ser desenvolvido e explicado, quebra-cabeças que devem ser resolvidos
e paradoxos que devem ser desarmados.
Como eu disse, a história do figo é, no nível mais profundo, a mesma história como para
todos os outros seres vivos no planeta. Embora eles diferem em detalhes da superfície,
todos são variações sobre o tema do DNA e os 30 milhões de maneiras pelas quais ele
se propaga. Em nosso percurso teremos a oportunidade de olhar para teias de aranha - a
desconcertante, embora inconsciente, engenhosidade com que são feitos e como eles
funcionam. Vamos reconstruir a evolução lenta, gradual das asas e dos troncos do
elefante. Veremos que 'o' olho, legendarily difícil que a sua evolução, por vezes, parece,
realmente evoluiu, pelo menos, quarenta e provavelmente sessenta vezes de forma
independente em todo o reino animal. Vamos programar computadores para ajudar a
nossa imaginação em mover-se facilmente através de um museu gigantesco de todas as
inúmeras criaturas que já viveram e morreram, e seus primos ainda mais numerosos
imaginários, que nunca nasceram. Vamos passear pelos caminhos do Monte
Improvável, admirando seus precipícios verticais de longe, mas sempre buscando sem
descanso nas encostas suavemente graduados do outro lado. O significado da parábola
do Monte Improvável será esclarecido, e muito mais além. Eu preciso de começar por
esclarecer o problema da aparente design na natureza, sua relação com o verdadeiro
design, humana e sua relação com a oportunidade. Este é o propósito do Capítulo 1.

O Museu de História Natural de Londres tem uma coleção peculiar de pedras que se
assemelham a chance de objetos familiares: uma bota, uma mão, o crânio de um bebê,
um pato, um peixe. Eles foram enviados por pessoas que realmente suspeita que a
semelhança pode significar alguma coisa. Mas as pedras ordinários tempo em tal
profusão de formas, não é surpreendente se, ocasionalmente, encontrar um que chama a
atenção para uma bota ou um pato. Dentre todos {4} as pedras que as pessoas percebem
como andam sobre, o museu tem preservado os que eles pegar e manter como
curiosidades. Milhares de pedras permanecem não recolhido, porque eles são apenas
pedras. As coincidências de semelhança nesta coleção do museu são sem sentido,
embora divertido. O mesmo é verdadeiro quando pensamos que vemos rostos, ou
formas de animais, nas nuvens ou perfis penhasco. As semelhanças são acidentes. A
encosta escarpada na Figura 1.1 é suposto para sugerir o perfil do falecido presidente
Kennedy. Depois de ter sido dito, você pode ver apenas uma ligeira semelhança com
ambos John ou Robert Kennedy. Mas alguns não vê-lo e é certamente fácil acreditar que
a semelhança é acidental. Você não poderia, por outro lado, convencer uma pessoa
razoável que o Monte Rushmore, no Dakota do Sul, tinha acabado de acontecer ao
tempo para as características dos presidentes Washington, Jefferson, Lincoln e
Theodore Roosevelt. Nós não precisa ser dito que estes foram deliberadamente
esculpidos (sob a direção de Gutzon Borglum). Eles não são, obviamente, acidental:
elas têm um design escrito tudo sobre eles.
Figura 1.1 Um acidente puro. perfil Presidente Kennedy em uma encosta no Havaí. {5}

A diferença entre o Monte Rushmore e à semelhança resistido de John Kennedy (ou


Mont St Pierre em Maurícias ou outras curiosidades do intemperismo natural) é este. O
grande número de detalhes em que os rostos Monte Rushmore lembram as coisas reais é
grande demais para ter surgido por acaso. As faces são claramente reconhecíveis, além
disso, quando é visto de ângulos diferentes. Figura 1.1 da semelhança chance de
Presidente Kennedy, por outro lado, só é notado se o precipício é visto de um ângulo
particular e em uma luz particular. Sim, uma pedra pode resistir na forma de um nariz
visto a partir de um certo ponto de vista, e talvez um par de outras rochas acontecer de
ter caído em forma de lábios. Não é pedir muito de chance de que ele deve produzir uma
coincidência modesto como este, especialmente se o fotógrafo tem todos os ângulos
possíveis para escolher e apenas um dá a semelhança (e há o fato adicionado, o que eu
vou voltar no um momento, que o cérebro humano parece ativamente ansioso para ver
os rostos: procura-los). Mas Mount Rushmore é outra questão. Seus quatro cabeças
estão claramente projetados. Um escultor os concebeu, desenhou-los no papel, feitas
medições meticulosas em todo o penhasco, e supervisionado equipes de trabalhadores
que exerciam martelos pneumáticos e dinamite para esculpir as quatro faces, cada
sessenta pés de altura. O clima poderia ter feito o mesmo trabalho que a dinamite
artisticamente implantado. Mas de todas as formas possíveis de intemperismo uma
montanha, apenas uma pequena minoria seria falar semelhanças de quatro seres
humanos particulares. Mesmo que não sabia a história do Monte Rushmore, nós
estimamos as probabilidades contra suas quatro cabeças sendo esculpida por acidental
intempéries como extremamente elevados - como jogar uma moeda quarenta vezes e
ficando cabeças o tempo todo.

Eu acho que a distinção entre acidente e design é claro, em princípio, se não sempre na
prática, mas este capítulo irá introduzir uma terceira categoria de objetos que é mais
difícil de distinguir. Vou chamá-los designóides (pronuncia-se "design-oid 'não'
dezziggnoid '). objetos designóides são corpos e seus produtos vivendo. Objetos
designóides olhar concebido, tanto que algumas pessoas - provavelmente, infelizmente,
a maioria das pessoas - acho que eles são projetados. Essas pessoas estão erradas. Mas
eles estão certos em sua convicção de que designóides objetos não pode ser o resultado
do acaso. objetos designóides não são acidentais. Eles têm sido de fato {6}

moldada por um processo magnificamente não aleatória que cria uma ilusão quase
perfeita de design.

Figura 1.2 mostra uma escultura viva. Besouros, em geral, não se parecem com
formigas. Então, se eu ver um besouro que parece quase exatamente como uma formiga
- um besouro, além disso, que faz o seu viver inteiramente em um formigueiro - eu
suspeito que, com razão, que a coincidência significa algo. O animal superior é, na
verdade, um besouro - seus primos mais próximos são besouros comuns ou para o
jardim - mas parece que uma formiga, anda como uma formiga, e vive entre formigas
em um formigueiro. A uma na parte inferior é uma verdadeira formiga. Como acontece
com qualquer estátua realista, a semelhança com o modelo não é um acidente. Ele exige
uma explicação que não seja mero acaso. Que tipo de uma explicação? Uma vez que
todos os besouros que se parecem notavelmente como formigas vivem em ninhos de
formigas, ou, pelo menos, em estreita associação com formigas, poderia ser alguma
substância química das formigas, ou alguma infecção das formigas, passando para os
besouros e mudando a maneira como eles crescer? Não, a verdadeira explicação - a
seleção natural darwiniana - é muito diferente, e nós viremos a ele mais tarde. Por
enquanto, é suficiente que temos certeza que essa semelhança, e outros exemplos de
'imitação', não são {7}

Figura 1.3 (a) Um verdadeiro térmita, Amitermes hastatus; (b) um besouro,


Coatonachthode: ovambohndicus, imitando um cupim; (c) como o truque é feito.

acidental. Eles são ou concebidos ou são devido a algum processo que produz
resultados tão impressionante como o design. Vamos olhar para alguns outros exemplos
de mimetismo animal, deixando em aberto, para o momento, a explicação de como
essas semelhanças notáveis acontecer.

O exemplo anterior mostra que um bom trabalho carne besouro pode fazer se ele se
propõe a imitar "um tipo diferente de inseto. Mas agora olhar para a criatura na figura
1.3b. Parece ser uma térmita. Figura 1.3a é uma verdadeira cupim, para comparação. O
espécime na figura 1.3b é um inseto, mas não é um cupim. É, na verdade, um besouro.
Eu admito que eu vi o melhor imita no mundo dos insetos, incluindo o besouro-
imitando formiga do exemplo anterior. O "besouro" aqui é apenas um pouco estranho.
Suas pernas parecem não ter articulações adequados, como pequenos balões sinuosas.
Uma vez que, como qualquer outro inseto, um besouro tem pernas articuladas à sua
disposição, você pode esperar uma melhor chance de imitar pernas articuladas de um
cupim. Então, qual é a solução para este enigma? Porque é que este olhar mímica como
um manequim inflado em vez de como um verdadeiro inseto, articulado? A resposta
pode ser visto na Figura 1.3c, que é um dos espetáculos mais surpreendentes de toda a
história natural. Ele mostra o besouro-imitando cupim em vista lateral. O verdadeiro
chefe do besouro é um assunto diminuto (você pode ver a olho apenas perto da antena
normal, juntas), ligado a um tronco fino ou tórax tendo três, pernas besouro articulados
normais, em que, na verdade, {8} caminhadas. É com o abdômen que o truque é feito.
Ele é arqueado para trás de modo que paira sobre e completamente cobre a cabeça, tórax
e pernas como um guarda-sol. Todo o 'cupim' é construído a partir do (anatomicamente)
metade traseira do abdome do besouro. A "cabeça cupim 'é a ponta traseira do abdome
do besouro. As "pernas cupim 'e' antenas 'estão batendo excrescências do abdômen. Não
admira que a qualidade do mimetismo não é completamente até o padrão do primo ant-
mímica do besouro da imagem anterior. Este besouro-imitando cupim, aliás, vive em
cupinzeiros, tornando a sua vida como um parasita da mesma maneira como a Figura
1.2 do besouro-imitando formiga faz a sua vida entre formigas. Embora a qualidade da
semelhança é menor, quando você considera suas matérias-primas o besouro-imitando
cupim parece alcançar um feito mais impressionante da escultura do que o besouro
imitação formiga. Isso ocorre porque a formiga-mímica faz isso modificando cada bit de
seu corpo para se parecer com o bit correspondente do corpo da formiga. Mas o cupim-
mímica faz isso modificando um pouco completamente diferente de si - do abdômen -
para se parecer com todos os bits do cupim.

A minha própria favorito entre 'estátuas' animais é o dragão do mar de folhas (Figura
1.4). É um peixe, uma espécie de cavalo-marinho, cujo corpo é esculpido em forma de
algas. Isto dá-lhe proteção, pois vive entre a alga e é extremamente difícil de ver lá. Sua
imitação é muito estranhamente bom

Figura 1.4 Perfeição da camuflagem. Um dragão fêmea frondoso do mar, eques


Phycodurus, da Austrália. {9}

ser acidental em qualquer sentido simples. Encontra-se mais perto de Mount Rushmore
do que para o precipício Kennedy. Minha confiança é baseada, em parte, o grande
número de maneiras em que nos impressiona por olhar como algo que não é; e em parte
no fato de que os peixes não têm normalmente projeções de nada parecido com essa
forma. A este respeito façanha do dragão do mar de folhas compara com a térmita-
mímica, ao invés da formiga-mímica.

Até agora, temos falado de objetos que nos impressionam esculturas como realistas
fazer, objetos que sentimos não pode ser acidental, porque eles parecem muito
impressionante como outros objetos. dragões frondosos do mar e besouros formiga-
imitando são estátuas designóides: eles esmagadoramente olhar como se eles foram
concebidos por um artista para se parecer com outra coisa. Mas estátuas são apenas um
tipo de objeto que os seres humanos design. Outros artefatos humanos nos impressionar
não pelo que assemelha-se alguma coisa, mas por ser inequivocamente útil para algum
propósito. Um avião é útil para voar. Um pote é útil para retenção de água. Uma faca é
útil para cortar as coisas.

Se você ofereceu uma recompensa para as pedras que eram naturalmente afiado o
suficiente para cortar as coisas, e também para as pedras que passou a ser de uma forma
de reter a água, você provavelmente ser enviados alguns paliativos eficazes. Pedras
muitas vezes fratura de tal forma a deixar uma boa borda afiada, e se você vagou pelas
pedreiras e screes do mundo você certamente encontrará algumas lâminas naturais úteis.
Entre a riqueza das formas em que as pedras podem meteorológicas, alguns iria
acontecer para incluir concavidades que possam acumular água. Certos tipos de cristal
naturalmente incrustam em torno de uma esfera oca, embora robusto, que, quando se
divide ao meio, rende dois copos reparadas. Estas pedras até têm um nome: geode. Eu
uso um geode como peso de papel na minha mesa, e eu usá-lo para beber, se o seu
interior não estavam mais ou menos sem caroço e, portanto, difícil de lavar.

É fácil de conceber medidas de eficiência que iria aparecer vasos naturais como menos
eficientes do que os provocados pelo homem. Eficiência é alguma medida de benefício
dividido pelo custo. O benefício de um vaso pode ser medida como a quantidade de
água que ele contém. O custo pode ser convenientemente expressa em unidades
equivalentes: a quantidade do material do próprio recipiente. A eficiência pode ser
definida como o volume de água que um pote pode preensão dividido pelo volume do
material que vai para tornar o próprio vaso. A pedra oca na minha mesa detém 87,5 cc
de água. O volume do próprio (pedra que eu medido por Arquimedes famoso {10}
Eureka-in-the-Bath método) é de 130 cc. A eficiência deste 'pot' é, portanto, cerca de
0,673. Esta é uma eficiência muito baixa, não surpreendentemente assim desde a pedra
nunca foi projetado para reter a água. Ela só acontece a reter a água. Acabo de fazer as
mesmas medições em um copo de vinho, cuja eficiência acaba por ser cerca de 3,5. jarro
de prata creme de um amigo é ainda mais eficiente. Ele detém 250 cc de água, enquanto
a prata da qual ela é feita desloca uma mera 20 cc. A sua eficiência é, portanto, tão
elevado como 12.5.

Nem todos os potes concebido humanos são eficientes nesse sentido. Um pote robusto
do armário da cozinha detém 190 cc de água ao usar-se um maciço 400 cc de mármore.
A sua "eficiência" é, portanto, apenas 0,475, ainda menor do que a pedra oca totalmente
premeditado. Como pode ser isso? A resposta é reveladora. Esse pote de mármore é de
facto uma argamassa. Ele não foi projetado para segurar líquido. É um moinho para
moer mão temperos e outros alimentos com um pilão: uma haste de malte que é
exercido com grande força contra o interior da argamassa. Você não pode usar uma taça
de vinho como uma argamassa: ela iria quebrar sob a força. A medida da eficiência que
concebido para vasos não é adequado, quando o vaso é concebido como um almofariz.
Devemos aplicar um outro proporção custo / benefício, em que benefício leva em conta
a força contra a ser quebrado por um pilão. Será que o geode natural, então, qualificar-
se como uma argamassa bem concebido? Ele provavelmente iria passar o teste de força,
mas se você tentou usá-lo como uma argamassa seu interior áspera e escarpada em
breve revelar-se uma desvantagem, as fendas que protegem grãos do pilão. Você teria
que melhorar a sua medida da eficiência de uma argamassa, incluindo algum índice de
suavidade de curvatura interna. Que o meu almofariz de mármore é projetado pode ser
discernido de outros títulos: sua seção plano perfeitamente circular, juntamente com o
seu lábio elegantemente virou e plinto visto em elevação.

Nós poderíamos conceber medidas semelhantes, da eficiência de facas, e não tenho


dúvida de que as pedras naturalmente em flocos que acontecem para pegar em uma
pedreira iria comparar desfavoravelmente, não só com lâminas de aço Sheffield mas
com as pedras elegantemente esculpidos que os museus mostrar no final coleções da
Idade da pedra.

Há um outro sentido em que naturais, acidentais, panelas e facas são ineficientes


comparados com os seus equivalentes projetados. No curso {11} de encontrar uma
ferramenta de sílex útil afiada, ou um vaso de pedra útil estanque, um grande número de
pedras inúteis tiveram que ser examinados e descartados. Quando medimos a água
retida por um pote, e dividir pelo volume de pedra ou argila no material do pote, que
poderia ser mais justo para adicionar ao denominador o custo da pedra ou argila
descartada. No caso de um pote feito pelo homem jogado em uma roda, este custo
adicional seria insignificante. No caso de uma escultura entalhada o custo de fragmentos
descartados estaria presente, mas pequeno. No caso do acidental, objet trouv & eacute;
pot ou uma faca, o "custo desfazer» seria colossal. A maioria das pedras não reter a
água e não são nítidas. Uma indústria que foi inteiramente baseada em objets trouvés,
mediante objetos encontrados como ferramentas e utensílios, ao invés de ferramentas e
utensílios em forma artificial, teria um enorme peso morto de ineficiência nos montes
despojos de alternativas descartadas como inútil. O design é eficiente em comparação
com a conclusão.

Vamos voltar nossa atenção agora para designóides objetos - vivendo coisas que
parecem como se eles foram projetados, mas na verdade foram colocados juntos por um
processo completamente diferente - começando com panelas designóides. A planta de
jarro (Figura 1.5) pode ser visto como apenas outro tipo de pote, mas tem um elegante
'relação de economia ", comparável à taça de vinho que eu medida, se não o jarro de
prata. Ele dá toda a aparência de ser excelentemente bem concebido, não só para reter a
água, mas se afogar insetos e digeri-los. Ele prepara um perfume sutil que os insetos
acham irresistível. O cheiro, auxiliado por um padrão de cor sedutora, iscas presa ao
topo do lançador. Há os insetos se encontram em um slide íngreme cuja slipperiness
traiçoeira é mais do que acidental, definir sobre com cabelos voltada para baixo bem
colocados para impedir sua última luta. Quando caem, como eles quase sempre fazem,
na barriga escura do jarro, eles encontram mais do que apenas água na qual se afogar.
Os detalhes, trazido a minha atenção pelo meu colega Dr. Barrie Juniper, são notáveis e
eu vou contar resumidamente a história.

É uma coisa para capturar insetos, mas a planta de jarro carece de mandíbulas, músculos
e dentes com os quais reduzi-los a um ajuste Estado para a digestão. Talvez plantas
poderiam crescer dentes e mandíbulas mastigando, mas na prática há uma solução mais
fácil. A água no jarro é o lar de uma comunidade rica de vermes e outras criaturas. Eles
vivem {12}
Figura 1.5 Um pote designóides. Planta de jarro, Nepenthes pervillei, a partir das
Seychelles.

em nenhum outro lugar, mas nas lagoas fechadas criados por plantas carnívoras, e eles
são dotados com as mandíbulas que a planta em si não tem. Os cadáveres de vítimas
afogadas da planta de jarro são devorados e decomposta pelas peças bucais e sucos
digestivos de sua larva {13} cúmplices. A planta em si subsiste com os detritos e
produtos de excreção, que absorve através do revestimento do lançador.

A planta de jarro não apenas aceitar passivamente os serviços de larvas que acontecem a
cair em sua piscina privada. A fábrica trabalha ativamente para fornecer as larvas com
um serviço que eles precisam, por sua vez. Analisar a água em uma planta de jarro e
você encontrar um fato singular. Não é fétido, como seria de esperar de água parada em
tais condições, mas estranhamente rico em oxigênio. Sem esse oxigênio as larvas vitais
não poderia florescer, mas onde ela vem? É fabricado pela própria planta de jarro, ea
planta dá a cada aparente indicação de que está sendo projetado especificamente para
oxigenar a água. As células que revestem o arremessador são mais ricos em clorofila
produtoras de oxigênio que as células externas que enfrentam o sol eo ar. Essa reversão
surpreendente de bom senso aparente é explicável: as células no interior são
especializados para secretar o oxigênio diretamente na água dentro do jarro. A planta de
jarro não apenas emprestar suas mandíbulas vicário: contrata-los, pagando na moeda de
oxigênio.

Outras armadilhas designóides são comuns. fly-trap do Vênus é tão elegante como a
planta de jarro, com o refinamento adicional de peças em movimento. A presa inseto
libera a armadilha, desencadeando cabelos sensíveis na planta, cujas mandíbulas
inteligentemente perto. A teia de aranha é o mais conhecido de todos os armadilhas para
animais, e vamos fazer justiça no próximo capítulo. Um equivalente subaquática é a
rede construída por caddis-moradia de transmissão larvas de moscas. Caddis larvas
também são notáveis por suas façanhas como construtores de casas para si mesmos.
Diferentes espécies usam pedras, paus, folhas ou pequenas conchas de caracol.

Uma vista familiar em várias partes do mundo é a armadilha cônica da formiga-leão.


Esta criatura temível é a larva de - o que poderia soar mais suave? - Um lacewing voar.
A formiga-leão espreita logo abaixo da areia no fundo do seu poço, à espera de formigas
ou outros insetos a cair no poço alcança a sua forma quase perfeitamente cónico -. O
que torna difícil para as vítimas a garra seu caminho para fora - não por design mas
como consequência de algumas regras simples de física, explorada pela forma como as
escavações ant-leão. Do fundo do poço descendente, ele areia flicks direito sobre a
borda com um movimento da cabeça. Flicking areia do fundo de um poço tem o mesmo
efeito que a drenagem a partir de uma ampulheta {14} abaixo: o próprio formas de areia
natural em um cone perfeito da inclinação previsível.

Figura 1.6 nos traz de volta para os vasos. Muitas vespas solitárias colocar seus ovos
sobre a presa, que foram picados à paralisia e, em seguida, escondidos em um buraco.
Eles selar o buraco de forma que é invisível, a larva alimenta-se a presa dentro e
finalmente emerge como um adulto para completar a alado
Figura 1.6 potes designóides feitas por artesãos com animais: (a) vespa de oleiro e (b)
pedreiro abelha. {15}

ciclo. A maioria das espécies de vespa solitária cavar seu furo do assentamento no chão.
A vespa de oleiro faz o seu "buraco" de barro - um pote redondo, acima de uma árvore,
montada discretamente em um galho (Figura 1.6a). Como a planta de jarro, este pote
seria pontuação favorável em nosso teste de eficiência para o projeto aparente. abelhas
solitárias apresentam um padrão semelhante de nidificação em buracos, mas eles se
alimentam suas larvas de pólen em vez de presas animais. Como o oleiro entre vespas,
muitas espécies de pedreiro abelha construir a sua própria panela ninho. O pote na
figura 1.6b não é feita de barro, mas de pequenas pedras cimentadas juntos. Além de sua
semelhança com um receptáculo eficiente, feita pelo homem, há algo mais em vez
maravilhosa sobre o espécime particulares fotografadas. Você vê apenas um pote aqui,
mas na verdade existem quatro. Os outros três foram cobertos pela abelha com lama
endurecida, para dar um jogo requintado para a rocha circundante. Sem predador nunca
iria encontrar as larvas jovens crescendo nas panelas. A única razão pela qual este
cluster foi visto, pelo meu colega Christopher O'Toole em uma visita a Israel, é que a
abelha não tinha terminado cobrindo o último pote.

Estes vasos de insetos tem todas as características de 'design'. Neste caso, ao contrário
da planta de jarro, eles realmente foram formados pelas ações de uma mão - embora
provavelmente inconscientemente, de modo - criatura. As panelas da vespa de oleiro e
pedreiro abelha parecer, em face disso, mais perto de panelas feitas pelo homem do que
para a planta de jarro. Mas a vespa e abelha não conscientemente ou deliberadamente
projetar suas panelas. Embora eles foram moldadas, de barro ou pedras, por ações
comportamentais dos insetos, isso não é importante diferente da forma como próprios
corpos dos insetos foram feitas durante o desenvolvimento embrionário. Isto pode soar
estranho, mas deixe-me explicar. O sistema nervoso cresce de tal forma que os
músculos e membros e as maxilas da vespa vivo mover em certos padrões de
coordenadas. A consequência desses movimentos particulares de membros de relojoaria
é que a argila é recolhida e formado na forma de um pote. O inseto muito
provavelmente não sabe o que está fazendo, nem por que está fazendo isso. Ele não tem
o conceito de um pote como uma obra de arte, ou como um recipiente, ou como uma
câmara de criação. Seus músculos apenas mover-se na forma como os seus nervos ditar,
e um pote é o resultado. Então, por essa razão estamos firmemente - se wonderingly -
classificar os potes de vespa e de abelha como designóides não foi concebido: não
moldada pela própria vontade criativa do animal. Na verdade, a {16}
Figura 1.7 artesanato designóides, (a) Tecelão ninho e (b) alfaiate, Orthotomus Sutorius,
com o seu ninho.

ser justo, eu não posso saber com certeza que as vespas não têm vontade criativa e
design verdadeiro. É o suficiente para mim que minha explicação funciona mesmo se o
fizerem. O mesmo vale para ninhos de pássaros (Figura 1.7) e Bowers, casas Caddis e
redes Caddis, mas não para as esculturas de Mount Rushmore ou as ferramentas
utilizadas para talhar-los - eles realmente são projetados.

Karl von Frisch, o famoso zoólogo austríaco que decifrou a dança das abelhas, uma vez
escreveu: 'Se nós imaginado por um momento que as térmitas eram tão altos como os
seres humanos, suas colinas mais altas, ampliado na mesma escala, seria quase uma
milha alta, quatro vezes a altura do Empire State Building, em Nova york '. Os arranha-
céus da Figura 1.8 foram feitas por cupins bússola australianos. Eles são chamados de
cupins bússola porque seus montes estão sempre alinhados norte - sul - eles podem ser
usados como bússolas por viajantes perdidos (como pratos podem satélite, pela maneira:
na Grã-Bretanha eles parecem todos virados para sul). A vantagem desta para as
térmitas é que a ampla, {17}
Figura 1.8 arranha-céus de insectos alinhados norte a sul. cupinzeiros bússola na
Austrália.

superfícies planas do montículo são aquecidos pelo início da manhã e sol da tarde. Mas
o monte é protegido do sol do meio-dia feroz uma vez que apenas a borda afiada é
apresentado ao norte - onde o sol está ao meio-dia no hemisfério sul. Nós poderia ser
perdoado por pensar que as térmitas tinha projetado este truque inteligente si. Mas o
princípio pelo qual o seu comportamento edifício parece inteligente é idêntica à do
princípio de que as maxilas e as pernas das térmitas apareça concebido. Nenhum deles
foi concebido. Ambos são designóides.

artefactos de origem animal, como caddis e casas de cupim, ninhos de pássaros ou potes
abelha pedreiro, são fascinantes, mas eles são um caso especial entre as coisas
designóides - uma intrigante curiosidade. O nome 'designóides' refere-se principalmente
aos organismos si mesmos e suas partes vivo. Os corpos vivos são colocados juntos e
não por mãos hábeis, bicos ou maxilares, mas pelos processos complicados de
crescimento embrionário. Uma mente viciado em sistemas de classificação exaustivos
pode ver artefatos como potes de vespas como 'segunda ordem designóides objetos' ou
como uma categoria intermediária entre projetado e designóides, mas acho que isso é
simplesmente confuso. É certo que o pote é {18} feito de lama, não células vivas, e é
moldada por movimentos dos membros que superficialmente se assemelham os
movimentos da mão de um oleiro humano. Mas todo o 'design', toda a elegância, toda a
aptidão do pote para executar uma tarefa útil, vêm de fontes muito diferentes nos dois
casos. O pote humana é concebida e planejada por um processo criativo da imaginação
na cabeça do oleiro, ou pela imitação deliberada do estilo de outro oleiro. O pote vespa
recebe sua elegância e aptidão para sua tarefa de um processo muito diferente - a partir
exatamente o mesmo processo, de fato, como deu elegância e aptidão para o próprio
corpo da vespa. Isso ficará mais claro se continuarmos nossa discussão de corpos como
objetos designóides vivo.

Uma das maneiras que reconhecemos ao mesmo tempo verdadeira concepção e pseudo-
design designóides é que estamos impressionado com as semelhanças entre objetos e
outros objetos. As cabeças Monte Rushmore são, obviamente, projetado porque se
assemelham presidentes reais. semelhança do dragão do mar de folhas de algas é
igualmente óbvio que não um acidente. Mas o mimetismo como este, e como a
semelhança do besouro de cupim, ou inseto de vara de galho, é de nenhuma maneira o
único tipo de semelhança que nos impressiona no mundo vivo. Muitas vezes estamos
atordoados com a semelhança entre uma estrutura viva e um dispositivo artificial que
faz o mesmo trabalho. O "mimetismo" entre o olho humano ea câmera feita pelo
homem é muito bem conhecida a necessidade ilustrando aqui. Os engenheiros são
muitas vezes as pessoas mais qualificadas para analisar como os corpos de animais e
plantas funciona, porque mecanismos eficientes têm de obedecer aos mesmos princípios
se eles estão concebidos ou designóides.

Muitas vezes, os organismos que vivem convergiram sobre a mesma forma que o outro,
não porque eles são imitando uns aos outros, mas, porque a forma que eles
compartilham separadamente é útil para cada um deles. O ouriço eo tenrec espinhoso na
Figura 1.9 são tão semelhantes que parecia quase um desperdício de esforço para
chamar os dois. Eles são moderadamente intimamente relacionados entre si, sendo
ambos membros da ordem Insectivora. No entanto, outra evidência mostra que eles são
suficientemente relacionado para nós ter certeza de que eles evoluíram sua aparência
espinhosa de forma independente, presumivelmente por razões paralelas: espinhos dar
proteção contra predadores. Cada um dos animais espinhosos é retratado ao lado de um
animal de musaranho-like que é um primo mais próximo dela do que o outro animal
espinhoso é. Figura 1.10 dá outro exemplo. Animais que nadam rápido {19}
Figura 1.9 Animais com necessidades semelhantes muitas vezes se assemelham uns aos
outros mais do que eles se parecem com seus parentes mais próximos. O ouriço
argelina, Erinaceus algirus (a), é um primo próximo do ouriço megera, Neotetracus
sinensis (b). A maior tenrec ouriço, Setifer setosus (c), é um primo próximo do tenrec de
cauda longa, melanorrachis Micngak ( d). {20}
Figura 1.10 Evolução convergente: evoluíram independentemente racionalização: (a)
Roaz, Tursiop truncatus; (b) Ichthyosaurus; (c) marlin azul, Makaira nigricans; e (d)
Galapagos pinguim, mendiculos Spheniscus. {21}

perto da superfície do mar, convergem muitas vezes na mesma forma. É a forma que os
engenheiros reconheceria como aerodinâmico. A imagem mostra um golfinho
(mamífero), um ichthyosaur extinto (que podemos pensar como o equivalente reptiliano
de um golfinho), um marlin (peixes ósseos) e um pinguim (pássaro). Esse tipo de coisa
é chamado de evolução convergente.

aparente convergência nem sempre é tão significativa. Essas pessoas - nem todos eles
missionários - que dignificam a cópula face-a-face, como diagnóstico de maior
humanidade pode se encantar com os milípedes na Figura 1.11. Se chamarmos essa
convergência, provavelmente não é devido às necessidades convergentes: ao contrário,
há somente assim muitas maneiras em que um macho e uma fêmea pode justapõem seus
corpos, e pode haver muitas razões para bater em qualquer um deles.

Isso nos traz um círculo completo ao nosso tema de puro acidente abertura. Há algumas
coisas vivas que se assemelham a outros objetos, mas onde a semelhança provavelmente
não é forte o suficiente para ser outra coisa senão acidental. O pombo coração
sangrando tem um tufo de penas vermelhas, colocadas de modo a criar a ilusão de uma
ferida mortal para o peito, mas a semelhança é improvável que significa nada.
Igualmente acidental é a semelhança do coco-de-mer a lombos de uma mulher (Figura
1.12a).

Figura 1.11 milípedes Copulating, Cylindroilus punctatus, na posição do missionário.


{22}
Figura 1.12a semelhanças acidentais na natureza: coco-de-mer.

Como no caso do perfil de Kennedy, no rochedo, a razão para a sensação de que estas
semelhanças são coincidência é estatística. O coração pombos sangramento ser de
apenas um corte de penas vermelhas. O coco-de-mer s aparente "mimetismo" é
reconhecidamente impressionante. Trata-se de duas ou três características, não apenas
um. Ele ainda tem uma sugestão de pêlos pubianos. Mas o cérebro humano trabalha
duro e procura ativamente semelhanças, especialmente para partes do nosso corpo que
encontramos particularmente interessante. Eu suspeito que isso está acontecendo em
nossa percepção do coco-de-mer, tal como é do nosso reconhecimento da encosta
Kennedy.

O mesmo vale para a traça de falcão caveira (Figura 1.12b). Na verdade o nosso cérebro
tem uma ânsia quase indecente para ver rostos, que é a base de uma das ilusões mais
marcantes conhecidos por psicólogos. Se você receber uma máscara de rosto comum a
partir de uma loja de fantasias e segurá-la, lado oco de frente para outra pessoa (com um
fundo que faz com que os buracos dos olhos visíveis), o espectador é provável que vê-lo
de pé {23}

Figura 1.12b semelhanças acidentais na natureza: caveira falcão traça, atropos


Acherontia.

como uma face sólida. Isso tem uma consequência muito estranho que você vai
descobrir se você girar suavemente a máscara de lado a lado. Lembre-se que o cérebro
do espectador 'pensa' é uma face sólida, mas o objeto é realmente uma máscara oca.
Quando a máscara ocos move para a esquerda, a única maneira de conciliar o relatório
dos olhos com os cérebros presunção de que o rosto é sólida é supor que ele se move na
direção oposta. E este é exatamente a ilusão de que o espectador verá. A face aparece
para ser rotativo numa direcção oposta à direcção de rotação real.

Portanto, parece bastante provável que a traça de falcão da caveira se assemelha a um


rosto por acidente. Devo acrescentar, no entanto, que um dos nossos teóricos evolutivos
mais respeitados, Robert Trivers, agora, da Universidade Rutgers, New Jersey, acredita
que o rosto mimetismo nas costas dos insetos pode ser uma adaptação para assustar
possíveis predadores, como aves (que pensar no rosto na traça como um crânio humano,
mas poderia igualmente ser a cara de um macaco). Ele poderia muito bem estar certo,
caso em que eu deveria ter colocado o exemplo sob meu 'designóides' {24} título. Por
um motivo diferente, o mesmo pode ser verdade de outra mímica rosto aparente, o
caranguejo samurai japonês. Este caranguejo tem em sua parte traseira uma semelhança
(não, eu tenho que dizer, uma semelhança incrivelmente impressionante) das
características ferozes de um guerreiro samurai. A sugestão foi feita de que ao longo dos
séculos pescadores japoneses, auxiliados pela cérebros humanos ânsia natural para ver
os rostos, ter notado uma ligeira semelhança com um rosto nas costas de alguns
caranguejos individuais. Por motivos de superstição ou respeito, os pescadores não
queria matar caranguejos com um rosto humano-like (talvez especialmente um rosto
samurai-like), de modo que os jogou de volta ao mar em seu lugar. Muitos vida de um
caranguejo foi salvo, de acordo com esta teoria, pelo seu rosto humanóide, e esses
caranguejos com os recursos humanos mais pronunciadas em qualquer uma geração
contribuiu com uma parcela desproporcional dos descendentes para a próxima geração.
gerações posteriores, portanto, tinha uma vantagem sobre os anteriores, e a semelhança
aumentou gradualmente.

Quando estávamos discutindo como adquirir uma faca de pedra simplesmente encontrá-
lo, nós concordamos que você poderia "fazer" uma faca afiada, examinando todas as
pedras do mundo e descartando aquelas sem corte - a grande maioria. Se você procurou
suficientes screes e pedreiras, você certamente vai encontrar uma pedra, não só com
uma lâmina afiada, mas um identificador conveniente também. É apenas uma
simplificação parcial de dizer que a indústria farmacêutica trabalha examinando muitas
moléculas geradas ao acaso e, em seguida, testar a eficácia da minoria que parece
promissor. Mas nós concordamos que encontrar, como um método de aquisição de
implementar um útil, era extremamente ineficiente. É muito melhor ter um material
adequado como pedra ou aço e aprimorar-la ou esculpi-lo por design. No entanto, isto
não é como designóides objetos - as coisas vivas que ostentam a ilusão de design - são
feitos. Os seres vivos surgem em última instância, por um processo que é bastante mais
como 'descoberta', mas é diferente da constatação pura em uma relação muito
significativo.

Pode parecer um fato estranho para perceber de uma pedra, mas vou mencioná-lo de
qualquer maneira e seguir para onde ele leva. Uma pedra não tem filhos. Se as pedras
tinham filhos, como eles próprios, essas crianças iria herdar de seus pais o atributo de
ter filhos. Isto implica netos e bisnetos para as gerações não especificados. A
especulação improvável que poderia ser pensado e, em qualquer caso, e daí? Para {25}
responder a isso, voltar-se para algo cuja nitidez podem ser igualmente inadvertida, mas
que não têm filhos.

As folhas duras, cinta-como de algumas canas têm bordas muito afiadas. Esta nitidez é
provavelmente um subproduto incidental de outras propriedades da folha. Você pode
cortar-se a numa cana, o suficiente para irritar, mas não o suficiente para a nitidez de
provocar suspeita de design. Sem dúvida, algumas folhas são mais nítidas do que outros
e você pode pesquisar margem do lago para a cana mais afiada que você poderia
encontrar. Agora, aqui é onde nós separamos com pedras. Não basta cortar com a faca
cana, raça dele. Ou raça da mesma planta a partir da qual arrancou. Permitir que as
plantas mais afiadas de polinização cruzada, matar as plantas sem corte: não importa
como você fazê-lo, basta fazer com que as plantas mais afiadas fazer a maior parte da
criação de animais. Não uma, mas geração após geração. À medida que as gerações
passam você vai perceber que ainda existem canas bluntish e sharpish canas ao redor,
mas a cana média vai se tornar cada vez mais nítida. Após 100 gerações você
provavelmente ter criado algo que iria dar-lhe um barbear mais rente decente. Se você
criado para a rigidez ao mesmo tempo, como reprodutores de agudeza de borda, você
poderia eventualmente cortar sua garganta com uma cana quebrada.

Em um sentido que você tem feito não mais do que encontrar a qualidade que você
procura: no carving, talhar, moldagem ou pedra de amolar moagem, apenas encontrar o
melhor do que já está lá. folhas cortantes foram encontrados, folhas contundentes foram
descartados. É como a história de encontrar pedras afiadas, mas com uma adição
significativa: o processo é cumulativo. Pedras não se reproduzem enquanto folhas, ou
melhor, as plantas que fazem folhas, fazer. Tendo encontrado o melhor lâmina de uma
geração que não basta usá-lo até que ele se desgasta. Você catraca seu ganho pela
criação dela, transmitindo sua virtude para o futuro, onde pode ser construído em cima.
Este processo é cumulativo e interminável. Você ainda está só encontrar e encontrar,
mas porque a genética permite ganho acumulado o melhor espécime pode encontrar em
uma geração tarde é melhor do que o melhor que você pode encontrar em uma geração
anterior. Isto, como veremos no capítulo 3, é o que Escalada do Monte Improvável
significa.

A palheta de forma constante afiar foi uma invenção para fazer um ponto. Existem,
evidentemente, exemplos reais com o mesmo princípio de trabalho. Todas as plantas na
Figura 1.13 são derivadas de uma espécie selvagem, o selvagem {26}
Figura 1.13 Todos estes vegetais foram criados a partir do mesmo ancestral, a couve
selvagem, Brassica olearacea. (No sentido horário do superior esquerdo) broto de
Bruxelas, couve-rábano, nabo sueco, repolho pele de tambor, couve-flor e Savoy
dourada. {27}

repolho, Brassica oleracea. É uma planta indefinido que não parece muito com um
repolho. Os seres humanos têm tomado esta planta selvagem e, ao longo de um curto
período de séculos, moldaram para estes realmente muito diferentes tipos de plantas
alimentares. É uma história semelhante com cães (Figura 1.14).

Embora ocorram híbridos entre cães e chacais e entre cães e coiotes, é agora aceite pela
maioria das autoridades que todas as raças de cães domésticos são descendentes de um
ancestral lobo (canto superior esquerdo) que viveu talvez alguns milhares de anos atrás.
É como se nós, seres humanos tinham tomado carne lobo e em forma-lo como uma
panela de barro. Mas nós não, é claro, literalmente, amassar e carne de imprensa lobo
em forma de, digamos, um whippet ou um dachshund. Nós fizemos isso pela
constatação cumulativos, ou, como é mais convencionalmente colocado, reprodução
seletiva ou seleção artificial. Whippet criadores encontrados indivíduos que pareciam
um pouco mais whippet-like do que a média. Eles criados a partir deles, e então
encontrou os indivíduos mais whippet-like da próxima geração, e assim por diante.
Claro que não teria sido tão implacavelmente simples assim, e os criadores não teria
tido o conceito de um whippet moderna em suas cabeças como um alvo distante. Talvez
eles apenas gostei do olhar das características físicas que nós hoje reconhecemos como
whippet-like, ou talvez essas qualidades visíveis surgiu como um subproduto de criação
para outra coisa, como a proficiência em caçar coelhos. Mas whippets e dachshunds,
grandes dinamarqueses e buldogues, foram feitas por um processo que se assemelhava a
encontrar mais do que se assemelhava a argila de modelagem. No entanto, ainda não é o
mesmo que encontrar puro, porque é cumulativa ao longo de gerações. É por isso que eu
chamo-lhe constatação cumulativo.

objetos acidentais são simplesmente encontrados. objetos projetados não são


encontrados em tudo, eles são moldados, moldados, amassados, montados, colocados
juntos, esculpida: de uma forma ou outra o objeto individual é empurrado em forma.
objetos designóides são cumulativamente encontrado, quer por seres humanos como no
caso de cães domésticos e couves, ou por natureza, no caso de, digamos, tubarões. O
fato da hereditariedade cuida para que as melhorias acidentais encontrados em cada
geração são acumulados ao longo de muitas gerações. No final de muitas gerações de
constatação cumulativa, um objeto designóides é produzido, que pode nos fazer suspirar
com admiração para a perfeição do seu design aparente. Mas não é o projeto real,
porque se chegou através de um processo completamente diferente. {28}
Seria bom para ser capaz de demonstrar este processo sempre que desejarmos. tempos
de geração do cão são um pouco mais curto do que o nosso, mas, mesmo assim, é
preciso mais do que uma vida humana para impulsionar a evolução do cão em qualquer
grau notável. Os seres humanos têm criado chihuahuas em cerca de um décimo de
milésimo do tempo que levou a natureza para produzir lobos de sua chihuahua de
tamanho (embora não em forma de chihuahua), antepassados insetívoras, que viviam de
volta quando os dinossauros desapareceram. Mesmo assim, a seleção artificial de
criaturas vivas, reais - pelo menos criaturas maiores do que as bactérias - é muito lento
para fazer uma demonstração impressionante para os seres humanos impacientes e de
curta duração. Você pode acelerar o processo sem fim com um computador.
Computadores, sejam quais forem suas falhas, são extremamente rápido, e eles podem
simular qualquer coisa que pode ser definido com precisão, o que inclui processos
reprodutivos como os de animais e plantas. Se você simular hereditariedade, que a
maioria condição básica para a vida, e prever mutação aleatória ocasional, é
verdadeiramente surpreendente o que carl evoluir diante de seus olhos em algumas
centenas de gerações de reprodução seletiva. I foi pioneira nesta abordagem em meu
livro O Relojoeiro Cego, usando um programa de computador com o mesmo nome.
Com este programa você pode produzir, por seleção artificial, criaturas chamado
biomorfos computadorizados.

biomorfos computadorizados são todos criados a partir de um ancestral comum que tem

esta aparência ; em muito o mesmo sentido que todas as raças de cães foram
criados a partir de um lobo. Ninhadas de progênie com "mutações genéticas aleatórias
'apareceu na tela do computador e um ser humano escolher qual membro de cada
ninhada para se reproduzir a partir. Isto precisa de alguma explicação. Em primeiro
lugar, o que significa falar de "prole", de "genes", e de "mutações" no caso destes
computadores objetos? Todos os biomorfos têm o mesmo tipo de "embriologia". Eles
são, basicamente, construído como uma árvore de ramificação, ou uma série de tais
árvores segmentar juntou-se uma à outra. Detalhes da árvore (s), tais como quantos
ramos existem, e os comprimentos e ângulos de vários ramos, são controlados por
"genes" que são apenas números no computador. Genes em árvores reais, como os
genes em nós e genes em bactérias, são codificadas mensagens escritas na linguagem do
DNA. O DNA é copiado de geração em geração, com grande, embora não seja perfeito,
a fidelidade. Dentro de cada geração, o DNA é "lida" e tem uma influência sobre a
forma do animal ou planta. Figura 1.15 mostra como, em árvores reais e em árvores
computador biomorfo, mudanças em apenas alguns {30}
Figura 1.15 árvores e plantas reais biomorfo computador para mostrar como variedades
da mesma espécie podem variar em forma devido a alterações muito pequenas em
regras de crescimento. Várias espécies de árvore têm uma variedade choro e várias
espécies convergiram sobre a skypointmg, forma "Lombardia». {31}

genes podem alterar a forma da planta inteira, mudando as regras programadas de


crescimento como cada novo galho é enxertada fora. genes biomorfo não são feitos de
DNA mas esta diferença é trivial para os nossos propósitos. DNA, informações como
números em um computador, e 'genes' numérico codificado digitalmente passar para
baixo as gerações de biomorfos no mesmo tipo da maneira como o DNA passa para
baixo gerações de plantas ou animais.

Quando um biomorfo tem um filho, o filho herda todos os genes de seu pai (ele só tem
um pai, pois não há sexo), mas com alguma possibilidade de mutação aleatória. Uma
mutação é um ligeiro aumento aleatória ou diminuição do valor numérico de um gene.
Assim, uma criança pode ser tal como o seu progenitor, mas com um ângulo
ligeiramente mais inclinada para um dos seus ramos, porque o valor numérico do seu
gene 6 foi aumentada de 20 para 21. Quando no modo de reprodução biomorfo, o
computador recebe um biomorfo no centro do tela, cercada por uma ninhada de filhotes
mutado aleatoriamente. Porque os seus genes foram alterados apenas ligeiramente, a
prole sempre têm uma semelhança de família para o pai, e uns aos outros, mas eles
muitas vezes exibem pequenas diferenças que o olho humano pode detectar. Usando o
rato do computador, um ser humano escolhe um dos tela cheia de biomorfos para
"criação". A tela fica em branco, exceto para o biomorfo escolhido, que desliza para o
slot parental no centro da tela e, em seguida, 'desova' uma nova ninhada de filhotes
mutantes em torno de si. Como passar das gerações, o seletor pode guiar a evolução em
muito da mesma forma que os seres humanos guiado a evolução de cães domésticos,
mas muito mais rápido. Uma das coisas que me surpreendeu quando eu escrevi pela
primeira vez o programa foi a rapidez com que poderia evoluir para fora da forma
árvore original. Eu descobri que eu poderia casa, em um "inseto" ou uma "flor", um
"bat", uma "aranha" ou uma "cabeça quente". Cada um dos biomorfos na Figura 1.16 é
o produto final de centenas de gerações de reprodução por selecção artificial. Porque as
criaturas se reproduzir em um computador, você pode assobiar através de muitas
gerações de evolução em questão de minutos. A poucos minutos de brincar com este
programa em um computador moderno, rápido dá-lhe um sentimento hands-on vívida
de como darwiniano de seleção funciona. Os biomorfos no parque safari da Figura 1.16
me parece assemelhar-se vespas, borboletas, aranhas, escorpiões, vermes, piolhos e
outras "criaturas" que se parecem vagamente nbsp; {32}
Figura 1.16 Safari parque de biomorfos preto-e-branco, criados com programa de
computador o "relojoeiro cego".

biológica, mesmo que eles não se parecem com determinada espécie neste planeta. No
entanto, todos são primos das árvores entre as quais estão, e do esquadrão de 'spitfires'
no canto superior direito. Eles são primos muito próximos, em que. Todos têm o mesmo
número de genes (dezasseis). Eles diferem apenas nos valores codificados
numericamente desses genes. Você poderia ir de qualquer criatura no parque safari a
qualquer outro, ou a qualquer dos trilhões de outros biomorfos, simplesmente
reprodução seletiva.

A versão mais recente do programa podem se reproduzir biomorfos que variam também
na cor. Ele baseia-se no programa de idade, mas tem uma mais {33} elaborado
"embriologia" e novos genes que controlam a cor de galhos de árvores. Há também
novos genes que determinam se cada ramo da árvore é uma linha ou um retângulo ou
um oval, se a forma em causa é cheio ou vazio, e como densamente as linhas são
pintadas. Ao usar o programa cor que eu me encontro seguinte becos evolutivos não
para insetos e escorpiões, mas no sentido de flores e o tipo de padrões abstratos que
podem ficar bem em azulejos de parede ou casa de banho (Figura 1.17). Minha esposa,
Lalla Ward, tem bordado quatro destes biomorfos como capas de cadeira, tendo
precisamente um bordado ponto para cada pixel computador.

Biomorfos são "selecionados artificialmente" por um seletor humano. A este respeito,


eles são como repolhos ou cães com pedigree. Mas a seleção artificial requer um seletor
humana e não é o principal assunto deste livro. Seguindo o próprio Darwin, estou
usando seleção artificial como um modelo para um processo diferente: a seleção natural.
Finalmente, chegou o momento de falar da própria seleção natural. A seleção natural é
como a seleção artificial, mas sem o seletor humano. Em vez de um ser humano decidir
qual descendentes morrerão e que deve reproduzir, natureza 'decide'. As aspas são
vitais, porque a natureza não conscientemente decidir. Isso pode parecer óbvio demais
enfatizar, mas você ficaria surpreso com o número de pessoas que pensam que a seleção
natural implica algum tipo de escolha pessoal. Eles não poderia estar mais errado. Ele só
é o caso que alguns descendentes são mais propensos a morrer, enquanto outros têm o
que é preciso para sobreviver e se reproduzir. Portanto, como o passar das gerações, a
média, criatura típica na população torna-se cada vez melhor nas artes de sobreviver e
se reproduzir. Cada vez melhor, eu deveria especificar, quando medido contra um
padrão absoluto. Não necessariamente mais eficaz na prática porque a sobrevivência é
constantemente ameaçada por outras criaturas que também estão evoluindo e
aperfeiçoando suas artes. A espécie pode ficar progressivamente melhor na arte de
evitar predadores, mas, uma vez que os predadores são simultaneamente ficando melhor
na arte de captura de presas, não pode haver nenhum ganho líquido. Esta espécie de
"corrida armamentista evolutiva" é interessante, mas estamos pulando à frente de nós
mesmos.

A seleção artificial é relativamente fácil de conseguir no computador, e os biomorfos


são um bom exemplo. É o meu sonho para simular a seleção natural no computador
também. Idealmente, eu gostaria de criar as condições {34} para a corrida armamentista
evolutiva em que 'predadores' e 'presa' surgem na tela e incitar os outros em evolução
progressiva, enquanto nós sentar e assistir. Infelizmente, é muito difícil, pelo seguinte
motivo. Eu disse que alguns descendentes são mais propensos a morrer, e isso pode
parecer fácil o suficiente para simular a morte não aleatória. Mas, a fim de ser uma boa
simulação de uma morte natural, o desaparecimento do computador criatura deve
resultar de alguma imperfeição interessante, como ter pernas curtas que fazê-lo
funcionar mais lentamente do que os predadores. biomorfos de computador, por
exemplo, as formas de insetos-como na Figura 1.16, por vezes, têm apêndices que nós
imaginamos que vemos como pernas. Mas eles não usam estas 'pernas' para qualquer
coisa, e eles não têm predadores. Eles não têm plantas presa ou alimento. Não há tempo
em seu mundo e nenhuma doença. Em teoria, pode simular qualquer desses riscos. Mas,
para modelar qualquer um deles isoladamente seria pouco menos artificial do que a
própria seleção artificial. Nós teríamos que fazer algo como decidir arbitrariamente que
longos, biomorfos finas podem fugir de predadores melhor do que eles são gordos
curtos. Não é difícil de dizer ao computador para medir as dimensões do biomorfos e
escolher o lankiest para reprodução. Mas a evolução resultante não seria muito
interessante. Nós tínhamos acabado de ver biomorfos se tornando mais e mais finas,
como o passar das gerações. Não é mais do que poderíamos ter conseguido pela seleção
artificialmente o spindliest a olho nu. Ele não tem as qualidades emergentes da seleção
natural, que uma boa simulação pode alcançar. a seleção natural da vida real é muito
mais sutil. É também em um sentido muito mais complicado do que em outro sentido, é
profundamente simples. Uma coisa a dizer é que a melhoria ao longo de qualquer
dimensão, como o comprimento da perna, é apenas uma melhora dentro dos limites. Na
vida real, não existe tal coisa, para uma perna, como sendo muito longo. pernas longas
são mais vulneráveis a quebrar e perder-se na vegetação rasteira. Com um pouco de
criatividade, podemos programar análogos de ambas as quebras e embaraços para o
computador. Poderíamos construir em algum física fratura: encontrar uma maneira de
representar linhas de tensão, resistência à tração, coeficientes de elasticidade - qualquer
coisa pode ser simulada, se você sabe como ele funciona. O problema vem com todas as
coisas que nós não conhecemos ou não ter pensado, e isso significa que quase tudo. Não
é apenas o comprimento da perna ideal influenciada por inúmeros efeitos que nós não
ter pensado. {35}

Pior ainda, o comprimento é apenas um dos inúmeros aspectos de um animal pernas que
interagem uns com os outros, e com muitas outras coisas, para influenciar a sua
sobrevivência. Há espessura perna, rigidez, fragilidade, peso para carregar, número de
articulações das pernas, número de pernas, taperingness de pernas. E temos apenas
considerado pernas. Todos os outros bits do animal interagem para influenciar a
probabilidade do animal de sobreviver.

Enquanto nós tentamos somar todas as contribuições para uma sobrevida animais
teoricamente, em um computador, o programador vai ter que fazer arbitrárias, as
decisões humanas. O que idealmente deve fazer é simular uma física completa e uma
ecologia completa, com os predadores simulados, presa simulada, plantas simuladas e
parasitas simulados. Todas estas criaturas modelo deve-se ser capaz de evoluir. A
maneira mais fácil de evitar ter que tomar decisões artificiais poderia ser a de estourar
para fora do computador completamente e construir nossas criaturas artificiais como
robôs tridimensionais, perseguindo um ao outro em torno de um mundo real
tridimensional. Mas então ele pode acabar mais barato para desfazer o computador
completamente e olhar para animais reais no mundo real, chegando, assim, de volta ao
nosso ponto de partida! Isso é menos frívola do que parece. Eu vou voltar a ele em um
capítulo posterior. Enquanto isso, há um pouco mais que podemos fazer em um
computador, mas não com biomorfos.

Uma das principais coisas que faz biomorfos tão refratário à seleção natural é que eles
são construídos de pixels fluorescentes em uma tela bidimensional. Este mundo
bidimensional não se presta para a física da vida real na maioria dos aspectos.
Quantidades como nitidez de dentes em predadores e força da blindagem na rapina;
grandezas como a força muscular para jogar fora ataque de um predador ou virulência
de um veneno não surgem naturalmente em um mundo de pixels bidimensionais.
Podemos pensar em um caso real de, digamos, predadores e presas, o que faz prestar-se,
naturalmente e sem artificialidade artificial, à simulação em uma tela bidimensional?
Felizmente nós podemos. Eu já mencionei teias de aranha quando se fala de armadilhas
designóides. As aranhas têm corpos tridimensionais e eles vivem em um mundo
complexo da física normais, como a maioria dos animais. Mas há uma coisa particular
sobre a forma como algumas aranhas caçam que é particularmente adequado para a
simulação em duas dimensões. A teia orbicular típico é, para todos os efeitos, uma
estrutura bidimensional. Os insetos que ele pega movimento {36}
Figura 1,17 Safari parque de biomorfos criados por 'Colour Relojoeiro'. As grandes
triângulos preto-e-branco no fundo foram adicionados por razões puramente
decorativas.

na terceira dimensão, mas no momento da verdade, quando um inseto é capturado ou


escapa, a ação é tudo em um plano bidimensional, o plano da web. A teia de aranha é
um bom candidato como eu posso pensar em uma simulação interessante de seleção
natural em uma tela de computador bidimensional. O próximo capítulo é em grande
parte dedicada à história de teias de aranha, começando com a história natural da teias
real e passar para modelos de computador de teias e sua evolução por seleção 'natural'
no computador. {37}

<< >>

CAPÍTULO 2

Uma boa maneira de pedir a nossa compreensão de qualquer criatura viva é imaginar,
fantasiosamente e com algo mais do que a licença poética, que ele (ou, se preferir, um
'designer' hipotético de a criatura) enfrenta uma cadeia de problemas ou tarefas.
Primeiro vamos colocar o problema inicial, então pensamos em possíveis soluções que
podem fazer sentido. Então, olhamos para o que as criaturas realmente fazem. Que
muitas vezes nos leva a perceber um novo problema que enfrentam os animais desta
espécie, e a cadeia continua. Eu fiz isso no segundo capítulo de O Relojoeiro Cego, no
que diz respeito aos morcegos e suas técnicas de eco-localização sofisticados. Aqui eu
deve seguir a mesma estratégia neste capítulo sobre teias de aranha. Observe que a
progressão do problema que conduz a problema não deve ser pensado como marcha
através da vida de um animal. Se é uma evolução temporal em toda a escala de tempo é
evolutivo, mas às vezes pode ser não um temporal, mas uma progressão lógica.
A nossa tarefa fundamental é encontrar um método eficiente de captura de insetos para
alimentação. Uma possibilidade é a solução rápida de vôo. Levar para o ar como a si
mesmos presa. Voar extremamente rápido com a boca aberta, com o objetivo com
precisão com olhos penetrantes. Este método funciona para andorinhões e andorinhas,
mas ele absorve investimentos dispendiosos em equipamento para o vôo de alta
velocidade e manobras e um sistema de orientação de alta tecnologia. O mesmo é
verdade para a solução do bastão, que é o equivalente nocturna utilizando ecos de som
em vez dos raios de luz para guiar o míssil. {38}

A possibilidade completamente diferente é a solução 'sentar e esperar'. Mantises,


camaleões e alguns outros lagartos que evoluíram de forma independente e convergente
para ser como camaleões fazer ir desta solução por ser altamente camuflado e movendo
de forma dolorosamente lento e furtivo até o golpe final, explosivo com os braços ou na
língua. O alcance da língua camaleões lhe permite capturar uma mosca dentro de um
raio comparável ao seu próprio comprimento do corpo. O alcance da mantiss braços
braços é proporcionalmente da mesma ordem de grandeza. Você pode pensar que este
projeto poderia ser melhorado por alongamento do raio de captura ainda mais. Mas as
línguas e os braços que eram muito mais tempo do próprio comprimento do corpo seria
proibitivamente caro para construir e manter: as moscas extras que pegaria não iria
pagar por eles. Podemos pensar em uma maneira mais barata para estender o "alcance"
ou raio de captura?

Por que não construir uma rede? Redes tem que ser feito de um material e não será livre.
Mas ao contrário de uma língua camaleões o material líquido não tem que se mover, por
isso não precisa de tecido muscular volumosa. Pode ser diáfano-fino e pode, por
conseguinte, a um custo baixo, ser girado para fora para cobrir uma área muito maior.
Se você tomou a proteína de carne que de outra forma teria sido usado em armas
musculares ou língua, e reprocessado-lo como seda, seria ir muito longe, muito mais
longe do que o alcance da língua de um camaleão. Não há razão para que o líquido não
deve ocupar uma área de 100 vezes a do corpo, e ainda ser economicamente feito de
secreções das pequenas glândulas do corpo.

A seda é uma commodity generalizada entre os artrópodes (a maior divisão do reino


animal ao qual ambos os insetos e aranhas pertencem). Furar lagartas belay-se a uma
árvore com um único segmento do material. Das formigas folhas de ponto em conjunto,
utilizando seda extrudado por suas larvas, realizada em suas mandíbulas como shuttles
de vida (Figura 2.1). Muitas lagartas swaddle-se em um casulo de seda antes de crescer
em um adulto alado. lagartas de barraca sufocar suas árvores com gossamer. Um único
bicho doméstico gira quase uma milha de seda quando se constrói seu casulo. Mas,
apesar de bichos são a base da nossa própria indústria da seda, é realmente aranhas que
são os produtores de seda virtuoso do reino animal, e é surpreendente que a seda da
aranha não é mais usado pela humanidade. É usado para fazer precisão linhas cruzadas
em {39}
Figura 2.1 Os trabalhadores com seda. As formigas tecelãs usando larvas como shuttles
vivos. Oecopbila smaragiina da Austrália.

microscópios. Em seu belo livro Self-Feito pelo Homem, o zoólogo e artista Jonathan
Kingdon especula que a seda da aranha pode ter inspirado crianças humanas a inventar
uma das nossas peças mais importantes de tecnologia, string. Pássaros, também,
reconhecer as boas qualidades de seda de aranha como um material de 165 espécies
(pertencentes a vinte e três famílias independentes, o que sugere que tem sido
descoberto muitas vezes independentemente) são conhecidos por incorporar seda de
aranha no tecido de seus ninhos. Uma aranha típico detecelagem, o jardim cruz
diadematus Araneus Aranha produz seis tipos diferentes de seda de seus bicos traseiras,
feitas nas glândulas separadas em seu abdômen, e alterna entre os diferentes tipos para
diferentes fins. Aranhas usaram a seda muito antes que eles desenvolveram a
capacidade de construir teias Orb. Mesmo saltando aranhas, que nunca constroem teias,
saltar no ar com um cabo de segurança de seda anexado, como alpinistas amarrados à
sua mais recente posição segura.

fio de seda, então, é antigamente disponível no aranha kit de ferramentas, e é


eminentemente adequado para a tecelagem de uma rede de captura de insetos. Nós
podemos {40} pensar em uma rede como um meio de estar em muitos lugares ao
mesmo tempo. Em sua própria escala, a aranha é como uma andorinha com gape de
uma baleia. Ou como um camaleão com uma língua cinquenta e pé. A teia de aranha é
soberbamente econômico. Considerando uma língua muscular camaleões certamente é
responsável por uma fração substancial do seu peso corporal total, o peso de seda em
uma teia de aranha - todos os vinte metros dele em um grande web - é menos de um
milésimo do peso do corpo aranhas. Além disso, a aranha de seda recicla após o uso por
comê-lo, tão pouco é desperdiçado. Mas a tecnologia líquida levanta problemas
próprios.

Um problema não-trivial para uma aranha em sua teia é certificar-se de que a presa,
depois de arremessado para a web, varas lá. Existem dois perigos. O inseto poderia
facilmente rasgar a web e atirar direto. Este problema poderia ser resolvido fazendo a
seda muito elástica, mas isso agrava o segundo dos dois perigos: o inseto agora salta em
linha reta para fora da web como se de um trampolim. A seda ideal, a fibra de sonhos de
um químico de pesquisa, seria esticar um caminho muito longo para absorver o impacto
de um inseto voando rápido; no entanto, ao mesmo tempo, para evitar o efeito de
trampolim, seria gentilmente tamponada em recuo. Pelo menos alguns tipos de seda de
aranha tem apenas essas propriedades, graças à estrutura extremamente complicada da
própria seda, elucidado pelo professor Fritz Vollrath e seus colegas na Universidade de
Oxford, e agora em Aarhus, Dinamarca. A seda mostrado ampliado nas Figuras 2.2 e
2.3 é na verdade muito mais do que parece, porque a maior parte do seu comprimento é
enrolada dentro beadlets lacrimejantes. É como um colar cujas pérolas contêm fios
excedentes cambaleou-in. O dobar in é feito por um mecanismo não é totalmente
compreendido, mas o resultado não está em dúvida. Os tópicos da web são capazes de
esticar a dez vezes o seu comprimento de repouso, e eles também recuar lentamente o
suficiente para não saltar a presa fora da web.

A próxima característica que a seda precisa, a fim de manter a presa de escape, é a


viscosidade. A substância que reveste a seda no sistema de enrolamento-in que
acabamos falando não é apenas aguado. É também pegajoso. Um toque, e é difícil para
um inseto para escapar. Mas nem todas as aranhas conseguir aderência da mesma
forma. Um grupo diferente chamado as aranhas cribellate produzir seda multi-stranded
de uma arma de seda especial chamado cribellum. A aranha, em seguida, penteia o
multi-stranded {41}
Figura 2.2 P�olas ao longo fio de seda de teia de aranha.

Figura 2.3 Uma beadlet ampliada para mostrar fio enrolado-up no interior, agindo como
um "guincho".

Figura 2.4 Uma forma alternativa para uma Web para ser pegajoso: fio penteado de uma
aranha cribellate. {42}

seda por passagem através de um pente custom-built montado na perna da aranha.


Multi-stranded seda que é "penteado" desta forma puffs para fora em um matagal tangly
(Figura 2.4). O emaranhamento é muito pequeno para ver a olho nu, mas que é apenas
adequado para snagging inseto pernas. tópicos penteado 'cribellate' se comportam como
se fossem pegajoso, como os fios gluey que tratamos antes. Eles só alcançar a sua
viscosidade de uma maneira diferente. Em um aspecto, spiders cribellate têm uma
vantagem. Seus tópicos permanecem pegajosa por mais tempo. O não-hackling,
aranhas-usando cola tem que reconstruir o seu web pegajosa de novo todas as manhãs.
É certo - e quase incrivelmente - este pode constituir menos de uma hora de trabalho,
mas cada minuto conta quando você enfrenta a seleção natural.

Mas agora, tópicos fixos representam uma nova e um problema irônico. Se revestida
com cola ou penteado em um emaranhado, linhas pegajosas o suficiente para apanhar
um inseto são complicados para uma aranha-se a negociar. As aranhas não têm
imunidade mágica, mas a tecnologia evolutiva surgiu com uma mistura de soluções
parciais para o perigo 'gol'. As pernas de aranhas-usando cola são ungido com um óleo
especial que proporciona alguma proteção contra a viscosidade. Isto tem sido
demonstrado por imersão de pernas de aranha em éter, o qual retira o escudo oleosa e
com ela a protecção. Uma segunda solução parcial que as aranhas têm adotado é fazer
com que alguns dos tópicos não-pegajoso, ou seja, os principais raios que irradiam do
centro da teia. A aranha-se corre cerca nesses raios mam somente, usando pés
especialmente modificados que terminam em pequenas garras para prender os fios finos.
(Aranhas machos constroem teias também. Para uma explicação da minha linguagem
sexista, veja p. 40.) Ela evita a espiral pegajosa que serpenteia rodada e volta em cima
do andaime feita pelos raios. Isso é fácil de fazer, porque ela normalmente senta e
espera no centro da web, de modo que a distância mais curta para qualquer ponto na
web seria ao longo de um raio de qualquer maneira.

Vamos agora para a série de problemas que enfrentam uma aranha em realmente
construir sua teia. Nem todas as aranhas são os mesmos e, onde importa, vou tomar o
jardim familiarizado aranha Araneus * como {43} representativa. Nossa - da aranha -
problema inicial é como colocar o primeiro segmento em toda a diferença, digamos,
entre uma árvore e uma rocha, onde a web está a ser instaladas. Uma vez que a
diferença tenha sido gerado por esse primeiro segmento vital, a aranha pode usá-lo
como uma ponte. Mas como construir a primeira ponte? A maneira de pedestres seria a
pé para baixo, redondo, e todo o caminho novamente para cima, arrastando uma linha.
Aranhas, por vezes, fazer isso, mas não há uma solução mais imaginativa para o
problema? Vamos voar uma pipa. Não poderíamos de alguma forma explorar os
luminosos e arejados propriedades da própria seda? Sim. Aqui é como uma aranha faz
isso se não houver vento suficiente. Ela libera um único segmento com, na sua ponta,
uma tmy achatada vela de seda ou kite. Esta pega no ar e carros alegóricos. A pipa é
pegajoso e, se isso acontece para pousar em uma superfície firme do outro lado do
fosso, ele adere. Se a pipa não faz um toque a aranha transporta-o de volta, recicla a
seda preciosa ao comê-lo, e tenta novamente com um novo kite. Eventualmente uma
ponte reparada é lançada em toda a diferença ea aranha protege a sua própria
extremidade do fio furando-o para baixo. A ponte está agora pronto para travessia.

Esta primeira ponte é improvável que seja tenso porque o comprimento do fio será o
que quer que as chances de ser: não é feito sob medida para o intervalo particular. A
aranha pode agora ou reduzi-lo para servir como uma aresta da teia; ou ela pode arrastá-
lo para baixo em um V para formar duas das principais raios da web. O problema aqui é
que, embora pudesse ser puxado para baixo em um V, o V é improvável que seja
profundo o suficiente para fazer dois raios respeitavelmente longos. solução própria de
aranha para este problema não é mudar a ponte em si, mas para usá-lo como um suporte
enquanto ela substitui-lo por um novo e mais discussão. Aqui está como ela faz {44}-lo.
Situando-se em uma extremidade da ponte, ela inicia uma nova linha a partir de sua
extremidade traseira, e prende-lo de forma segura. Em seguida, ela corta a ponte
existente mordendo-lo através de, mantendo a preensão do corte final em seus pés. Ela
caminha em frente, apoiado pelos restos da ponte de corte na frente, e por sua nova
linha que ela paga para fora atrás. Ela é uma ligação viva em sua própria ponte, que se
deslocam constantemente em toda a sua extensão. Quanto a essa parte da ponte original
que ela já atravessou, ele serviu a seu propósito, então ela come. Desta forma
surpreendente, comendo sua antiga ponte como ela vai junto e criar um novo para trás,
ela atravessa de um lado para o outro. Além disso, sua extremidade traseira está
pagando para fora de seda em um ritmo mais rápido do que sua extremidade dianteira é
comê-lo. Assim, a nova ponte é, de um modo cuidadosamente controlado, mais do que
o antigo. Agora presa de forma segura em ambas as extremidades, ela desce para baixo
a distância correcta para ser puxado para dentro de um V e formar o cubo da teia.

Para fazer isso, ela se move de volta para o centro da nova ponte e seu próprio peso
puxa-lo a partir de uma curva de flacidez com um V esticada Os dois braços do V estão
bem colocados para fazer dois dos principais raios da web. Há pouca dúvida sobre qual
é o próximo raio de construir. Claramente, seria uma boa ideia para soltar uma
perpendicular para baixo a partir do ponto do V, a fim de fixar o cubo futuro no lugar a
partir de baixo e manter a tenso V, mesmo quando o peso do próprio aranha não está no
ponto. A aranha fixa um novo segmento para o ponto do V, e carretéis-se para baixo
como um prumo-line para o chão, ou alguma outra superfície adequada, onde ela prende
o fio vertical. Os três principais raios da web estão agora perfeitamente no lugar, e
parece que um Y.

As próximas duas tarefas são para colocar no resto dos raios que saem do centro e do
quadro externo a volta. A aranha muitas vezes engenhosamente consegue combinar os
dois ao mesmo tempo, usando técnicas incrivelmente espertos de empunhar tópicos
duplos e até triplos, os quais são depois arrastados para além como a aranha caminhadas
ao longo dos raios existentes. No rascunho original deste capítulo expliquei exatamente
como isso magia gatos-cradle é realizada, mas fez minha cabeça girar a fazê-lo. Quando
um dos meus editores reclamou que fez sua cabeça girar para lê-lo, eu estava
relutantemente convencido a deixá-lo fora. O resultado desta fase da operação de aranha
é uma roda completa, com vinte e cinco ou trinta raios (o número varia de espécie para
{45} espécies e de indivíduo para indivíduo), e o esqueleto básico da web está no lugar.
Mas a web ainda é, como uma roda de bicicleta, principalmente de espaços vazios que
uma mosca poderia passar através dele. Mesmo se a mosca bateu um dos tópicos que
não seria pego, porque eles não são pegajosos. O que é necessário agora é um monte de
fios que passam através dos raios radiais. Existem várias maneiras pelas quais estes
podem ser inseridos. Por exemplo, a aranha poderia lidar com cada fosso entre raios,
por sua vez, ziguezagueando de um lado para o outro enquanto ela faz o seu caminho a
partir do hub até a borda, em seguida, voltando-se e encher a abertura seguinte, e assim
por diante. Mas isso implicaria numerosas mudanças de direcção, e as mudanças de
energia residual direção e tempo. Uma solução melhor é ir rodada e volta a web em uma
espiral, e é isso que as aranhas principalmente fazer, embora eles também dobrar para
trás ocasionalmente também.

Mas, quer em ziguezague ou em espiral, existem outros problemas. Deitado o fio


pegajosa que é realmente vai fazer o negócio de insetos captura é uma questão de
precisão. O espaçamento da malha deve ser a correta. As junções com os raios radiais
devem ser habilmente posicionado de modo que os raios não são puxados em uma
confusão feia deixando buracos para vítimas de voar através. Se a aranha tentou
alcançar esse posicionamento delicado, equilibrando sobre sozinho os raios, seu próprio
peso seria susceptível de tirá-los da verdade, e o fio espiral pegajosa seria juntaram no
lugar errado com a tensão errada. Além disso, perto da borda exterior da banda a
diferença entre os raios, muitas vezes, ser demasiado grande para as pernas para
abranger aranhas. Ambos estes problemas podem ser reduzidos, iniciando a espiral no
centro e trabalhando para o exterior. Perto do hub as lacunas são estreitas, e os raios
menos susceptível de ser falseada por peso de aranha, porque eles apoiam-se
mutuamente. Como você espiral fora as lacunas entre raios necessariamente ampliar,
mas não importa: como você vêm para colocar cada anel da espiral, o, anel interno
anterior oferece colmatar apoio entre o agravamento das disparidades. Mas o problema
com esta idéia é que o tipo de segmento que é bom para a captura de insetos é muito
fina e elástica. Ela não oferece muito apoio. Quando toda a espiral é, eventualmente, no
lugar da web é bastante robusto, mas, durante o processo de construção, estamos a falar
de um web incompleta e, portanto, fraco.

Este é o principal problema com que estabelece a multa, espiral de captura, mas não é o
único. Lembre-se que, embora os raios radiantes são {46} não colante e relativamente
amigável para os pés de aranha, temos agora mudou-se para falar sobre a seda pegajosa
que é especificamente projetado para rapina armadilha. Já vimos que as aranhas não são
totalmente imunes à rigidez das suas próprias teias. Mesmo que fossem, usando cada
volta da espiral como uma ponte durante a construção da próxima vez, pode roubá-lo de
algumas das sua viscosidade precioso. Assim, embora ele parece ser uma idéia legal
para construir a espiral pegajosa do hub para fora, andando sobre o anel anterior, pode
haver, literal e metaforicamente, um prendedor.

A aranha é igual a estas dificuldades. Sua solução é uma que pode ocorrer a um
construtor humano: andaimes temporária. Ela faz construir uma espiral a partir do
centro para fora. Mas não é a, gossamer pegajosa final, prendendo espiral. É, uma
espiral especial "auxiliar" que ela usa apenas uma vez, para ajudá-la posteriormente
construir a espiral pegajosa. A espiral auxiliar não é pegajoso, e é um pouco mais
espaçados do que a espiral pegajosa eventual. Não seria bom para a captura de insetos.
Mas é mais forte do que a espiral pegajosa será. Ela fortalece e apoia a web, e dá a
condução segura de aranha entre raios quando ela finalmente chega para construir a
autêntica, pegajoso, em espiral. A espiral auxiliar leva apenas sete ou oito voltas em
volta da web acessível a partir hub para a RIM. Tendo concluído que, a aranha desliga
suas glândulas de seda não colante e desmascara suas baterias graves: as torneiras que
se especializam apenas em seda pegajosa mortal. Ela refaz sua espiral passos para trás
da borda ao hub, movendo-se em rolos mais apertados e mais uniformemente espaçados
do que na viagem de ida. Ela usa a espiral temporários, auxiliares não apenas como
andaimes e apoio, mas como um guia de observação (na verdade sentindo). E como ela
vai ela corta o palco espiral auxiliar por etapa após cada etapa serviu a seu propósito.
Como cada raio é atravessada, o novo, bem espiral, pegajoso é cuidadosamente juntou-
se a ele, muitas vezes em uma junção elegante que lembra os de galinha-fio ou na rede
de um pescador. O andaime temporária não é um desperdício de seda, a propósito,
porque os fragmentos dele permanecer solidários com os raios, onde são posteriormente
comidos, juntamente com o resto da web quando a aranha, eventualmente, desmonta-lo.
Ela não come a seda auxiliar imediatamente, presumivelmente porque a separar os
fragmentos individuais dos raios iria perder tempo.

Quando a aranha atinge o hub sobre ela em curso percurso em espiral, a web é tudo,
mas completa. Há algum ajustamento das tensões para ser {47} feito: um trabalho
especializado de precisão, em vez como afinar um instrumento de cordas. Ela fica no
centro e puxa suavemente com as pernas para sentir a tensão, faz quaisquer pequenos
alongamentos ou encurtamentos que parecem necessário, em seguida, vira-se e repete a
manobra de outro ângulo. Algumas aranhas tricotar uma peça complicada de trabalho
em torno do cubo de crochet, que podem ser usadas para afinar a tensão na teia.

Menção de instrumentos de cordas solicita uma digressão masculino. Tenho referido


aranhas como "ela" nesta história, não porque os machos não constroem teias - que
fazem, e até mesmo filhotes recém-nascidos pode construir teias em miniatura -, mas
porque as fêmeas são maiores e mais proeminentes. Casal maior tamanho das fêmeas
com o fato de que as aranhas, de qualquer idade ou sexo, tendem a comer qualquer coisa
menor do que eles próprios que se move, e isso levanta problemas para os homens. As
aranhas são alimento para besouros, formigas, centopéias, sapos, lagartos, musaranhos e
muitos pássaros. grupos inteiros de vespas são especializados para pegar nada, mas
aranhas e alimentá-los para suas larvas. Mas, provavelmente, os predadores mais
importantes de aranhas são outras aranhas, e eles não respeitam as fronteiras entre as
espécies. Qualquer aranha que se aventura sobre a teia de uma aranha maior está em
perigo mortal, mas este é o perigo de que um homem deve enfrentar se ele é fazer o que
ele tem que fazer.

Exatamente como o macho lida com o problema varia de espécie para espécie. Em
alguns casos, ele envolve uma mosca em uma parcela de seda e apresenta-lo para o sexo
feminino. Ele espera até que seus dentes são afundados com segurança em tempo real
antes que ele vai trabalhar para ela com seu aparato sexual. Machos sem uma parcela
mosca pode ser comido. Por outro lado, os machos, por vezes, fugir com a apresentação
de uma parcela vazio, ou pegando a comida para fora de suas mandíbulas e fuga com
ele depois do acasalamento, talvez para oferecer a outra fêmea. Em outras espécies, o
macho se baseia no fato de que, imediatamente após uma aranha tem moulted e antes de
seu novo shell tem endurecido, ela é mais ou menos indefeso. Isto é, quando, se sempre,
há uma maré nos assuntos de aranhas do sexo masculino, e em várias espécies de cópula
acontece em nenhum outro momento do que imediatamente após a fêmea tem moulted e
ela é suave e complacente, ou pelo menos desarmado.
Outras espécies usam uma técnica mais atraente, o que levou a minha digressão. aranhas
habitam um mundo de tensão de seda. linhas de seda são como membros extras,
questionador antenas, quase como olhos e ouvidos. Os eventos são percebidos através
de uma linguagem de apertos e {48} desprendimentos, alongamentos e relaxamentos, a
transferência de saldos de tensão. O coração-cordas fêmeas são de tenso, seda bem-
humorado. Se um macho deseja conquistá-la e evitar, ou pelo menos adiar, sendo
comido, ele teve melhor jogo sobre aquelas cordas. Orfeu se não tivesse causa melhor.
Em alguns casos ele próprio à direita na borda da web da fêmea e arranca a web como
se poderia arrancar uma harpa estações do sexo masculino (Figura 2.5). Este twanging
rítmica é algo que nenhum presa inseto sempre faz, e parece propiciar o feminino. Em
muitas espécies o macho aumenta a sua distância do sexo feminino web, anexando a ele
um "acasalamento thread" especial de sua autoria. Ele arranca esta cadeia especial,
como um jazzman com um baixo de chá-peito de uma corda. As vibrações são
transmitidas ao longo do fio de acasalamento e ressoam em torno de web da fêmea. Eles
suprimem, ou atraso, o seu desejo normal de se alimentar, e eles atraí-la para sair ao
longo do acasalamento thread para a fonte do twanging, onde o acasalamento ocorre. O
final da história nem sempre é feliz para o corpo mortal do sexo masculino, mas seus
genes imortais estão agora acondicionada em local seguro afastado dentro da fêmea. O
mundo está bem fornecido com aranhas cujos ancestrais do sexo masculino morreu após
o acasalamento. O mundo é desprovido de aranhas cujos pretensos pais não acasalados
em primeiro lugar.

Antes de deixar esta discussão sobre sexo e seda, fazer o que quiser da seguinte história.
Há espécies de aranha em que os laços do sexo masculino

Figura 2.5 Discrição: Aranha macho com rosca de acoplamento ligado à web da fêmea.
{49}

a fêmea para baixo, Gulliver-like, com seda antes do acasalamento com ela (Figura 2.6).
Somos tentados a adivinhar que ele está aproveitando o eclipse temporário das fêmeas
instinto presas-catching por seu desejo sexual, roping-la para baixo para que ele possa
fazer uma boa sua fuga quando sua alimentação exortar retornos. I contar o conto que eu
ouvi disse: o fato é que, depois do acasalamento, a fêmea não tem dificuldade em
sacudindo seus grilhões e caminhando sozinho. Talvez a escravidão ritual é um vestígio
simbólico de um roping ancestral a sério. Ou talvez a fêmea é dificultada por apenas
tempo suficiente para dar a fuga do sexo masculino uma vantagem. Ele não pode,
depois de tudo, quero que ela ser amarrado para sempre: ela tem que ser livre para
colocar seus ovos, caso contrário, todo o empreendimento perigoso era geneticamente
em vão.

Vamos voltar para o principal tema de teias esfera e como eles são construídos e
utilizados. Deixamos a aranha web-edifício no centro de sua web no final do processo
de construção, dando-lhe a atenção para o ajuste fino. Para continuar com a nossa lista
de problemas e soluções, uma malha que é bom o suficiente para capturar insetos é
demasiado fina para permitir a aranha-se a passar de um lado da web para o outro. A
longa desvio para a borda da web é muitas vezes evitado pelo simples mecanismo de
uma "zona livre". Isso geralmente é um anel ao redor do centro deixado livre de fio
espiral pegajosa. Em algumas espécies, por exemplo, do género Zygiella, a web tem um
único segmento radial deixado vago. Apesar de eu ter introduzido este buraco como se
fosse um canal de um lado da web para o outro, pode ser menos importante para esta
finalidade do que você imagina, por Zygiella não sentar-se no hub como muitas aranhas
fazer. Ela se senta em sua própria

Figura 2.6 Homem Aranha subordinação feminina maior para baixo com threads. {50}

tubulares recuar para um lado, por uma razão que me leva ao meu próximo problema
aranha.

Aranhas, como vimos, não é invulnerável a serem eles próprios comido, por exemplo,
por pássaros. Exceto em certas luzes angulares, ou quando o orvalho-spangled, a web
em si é bastante difícil ver porque é tão bem. Seu construtor, sentado quatro quadrado
no meio, geralmente é a sua característica mais visível. Quando você é gordo e
evidentes para os pássaros, há muito a ser dito para sentar-se fora de seu web. Por outro
lado, é na natureza da maneira de uma aranha de caça que ela se senta e aguarda presa
por longos períodos, e o hub é o lugar óbvio para se sentar, porque é a junção de todas
as estradas principais arterial de não-pegajoso seda. Tal dilema convida compromisso, e
diferentes espécies de comprometer solidariamente. Nossa feminina Zygiella pode
sentar-se fora da web, mas ela nunca está longe de ser o centro das coisas. Ela mantém
em contato por um fio sinal especial correndo de seu retiro ao hub. O fio de sinal está
sob tensão e instantaneamente transmite vibrações para a aranha espera. Ela corridas ao
longo do fio de sinal para o hub a qualquer momento, e de lá até o que falou arterial vai
levá-la mais perto do alvo lutando. O fio de sinal encontra-se bem no meio do segmento
aberto que já mencionei. Para reabrir a questão de por que é aberta, talvez a presença de
uma escada de tópicos fixos prejudicaria-la em seu traço relâmpago para o centro da
teia. Talvez o fio de sinal transmitiria vibração mensagens de forma menos eficiente se
paralisado com crosswires.

Para sentar-se completamente fora da web é o compromisso escolhido por Zygiella, que,
sem dúvida, paga o preço de ser um pouco mais lento fora da marca quando a presa está
lutando na web (se você quer saber porque a velocidade é importante, nós vamos chegar
a isso em breve) . Outro compromisso é a sentar-se para fora no centro, mas tentar olhar
o mais discreto possível. Aranhas costumam construir um tapete denso de seda no
centro, atrás da qual se possa esconder, ou contra a qual eles podem aparecer camuflada.
Algumas redes têm uma faixa ou faixas de seda extra-densamente ziguezagueando o
que pode desviar a atenção da aranha-se, escondido no meio dela (mas tem sido
alternativamente sugeriu que tais listras, na verdade, são parte do aparelho aranhas para
afinar a tensões na web). Algumas aranhas construir ornamentos de seda extras para a
web que parecem um pouco como "falsos aranhas", e tem {51} sido sugerido que eles
servem para desviar as bicadas de aves. Também foi sugerido, no entanto, que eles
trabalham de uma forma muito diferente. Eles refletem a luz ultra-violeta (invisíveis
para nós) de tal forma que, para os olhos de insetos, eles podem olhar como remendos
do céu azul ou, em outras palavras, buracos.

Eu fiz menção de necessidade de uma aranha que correr para a cena, assim que um
inseto é capturado na web. Porque se importar? Por que não simplesmente esperar até
que o inseto deixa de lutar? A resposta é que lutando por insetos é muitas vezes eficaz.
Eles às vezes conseguem quebrar, especialmente grandes, insetos fortes gratuitos como
vespas. E mesmo se eles não se libertar eles podem danificar a web durante a tentativa.
Como impedir que um lutando insetos, uma vez que inicialmente pego, é o próximo dos
nossos problemas de aranha.

A solução básica é brutalmente simples. Correm para onde o inseto é e mordê-lo à


morte, guiado pelas vibrações de suas lutas. Se o inseto deixa de lutar por um momento,
enquanto você está procurando por ele, tentar localizá-lo arrancando fios radiais e
sentimento, das tensões das diferentes threads, que um é carregado por um inseto. Uma
vez que a presa é atingido, lidar com ele e tentar administrar uma injeção letal ou
paralisante do veneno do nervo. A maioria das aranhas têm, presas ocas nítidas com
glândulas de veneno (alguns, como o famoso viúva negra, são perigosos para nós, mas a
maioria das aranhas comuns não podem penetrar a nossa pele e, mesmo se pudessem,
eles não têm o suficiente veneno para prejudicar um grande animal). Uma vez que ela
afundou suas presas veneno na presa, a aranha geralmente paira sobre para até vários
minutos, esperando que as lutas cessar.

Eu descrevi cortante venenosa como o método básico de subjugar uma vítima lutando
mas não é o único método. A maioria dos outros - como temos vindo a esperar de
aranhas - envolvem seda. Mesmo antes de entregar a mordida, a maioria das aranhas
embrulhar alguns seda extra ao redor da vítima para complementar a seda web que já
será enredar seus membros e corpo. Se a presa é perigoso como uma vespa a aranha
normalmente sufoca-la em seda, panos que voltas e voltas e, finalmente, perfura a
mortalha branca com suas presas para dar o golpe de misericórdia envenenado.

Borboletas e traças, com seus enormes, asas escamosas, representam um problema


especial. As escalas facilmente desprender. Se lidar com uma traça os nossos dedos se
tornar polvilhada com um pó fino feito de escamas. Derramamento escalas ajuda traças
escapar de teias de aranha, por pulverização parece neutralizar {52}

Figura 2.7 teias


Escada,
evoluíram de
forma
independente:

(a) de Nova
Guiné,

(b) da Colômbia.

a viscosidade das roscas. Traças quando em perigo normalmente dobrar suas asas e cair
no chão. Se, por essa razão ou simplesmente porque as suas asas ainda estão
parcialmente Noosed para que eles não podem voar, quando uma mariposa escapa de
um web-lo, muitas vezes fazê-lo cair. Isso abre uma nova avenida de oportunidades para
as aranhas, que foi apreendido.

Michael Robinson, agora diretor do Zoológico Nacional em Washington, e sua esposa


Barbara, descobriu um web notável na selva da Nova Guiné (Figura 2.7a). A escada
web Nova Guiné é basicamente uma teia orbicular comum, mas com o lado inferior da
web esticada em uma tira yard-long, vertical. A aranha senta-se no centro perto do topo.
Quando uma mariposa atinge um web orbe ele tem uma boa chance de queda livre. Mas
a aranha escada Nova Guiné forneceu uma longa profundidade de web no qual a traça
pode cair. Além disso vibrar todo o caminho até a web ajuda a usar-se o pó escamosa e
aumenta a chance de que a mariposa será detido por tempo suficiente para permitir que
a aranha para correr para baixo da escada e empuxo casa sua mordida letal. Logo após a
descoberta dos Robinsons na Nova Guiné, o seu colega William Eberhard encontrou um
equivalente Novo Mundo (figura 2.7b) {53} na Colômbia. Que esta escada foi
inventado independentemente do um-Nova Guiné é atestada por uma diferença de
detalhe: seu cubo está na parte inferior da escada ao invés do topo. Mas ele funciona
exatamente da mesma maneira e, aparentemente, pela mesma razão: as duas espécies se
especializam em comer traças.

A teia de escada, em seguida, é uma solução para o problema de como impedir a presa
escapar, um que é particularmente eficaz contra as traças. Outra técnica utilizada por
algumas espécies de aranha é a armadilha arqueadas. Web do Hyptiotes não é uma
esfera completa, mas é reduzida a um triângulo com apenas quatro raios. Existe uma
linha adicional ligada ao vértice do triângulo que mantém toda a rede esticada. Mas esta
corda cara principal, em vez de ser ligado directamente a uma superfície firme, é
realizada pela aranha. Na verdade, a aranha-se forma uma ligação viva no anexo a uma
superfície firme. Ela puxa a linha esticada com as pernas dianteiras, e usa seu terceiro
par de pernas para manter um laço de folga. Ela senta-se perigosamente ainda nesta
posição suspensa, e espera. Quando um inseto erros na web a aranha reage
instantaneamente. Ela solta a armadilha, que entra em colapso sobre a insectos e, ao
mesmo tempo, empurra-a na direcção dele. Ela poderá saltar a armadilha em mais duas
ou três etapas, recolhendo a folga e liberando mais de seda para trás. O inseto está agora
irremediavelmente enredada em colapso. A aranha envolve a vítima ainda mais seda e
carrega-lo como uma parcela densamente envolta. Só então ela finalmente morder a
pobre criatura, injetar os sucos digestivos e lentamente chupar seu liquefeito permanece
fora através da parede da parcela de seda. A web triangular não é agora em um estado
apto para ser usado novamente, e isso tem que ser reconstruído a partir do zero.

Presumivelmente Hyptiotes está resolvendo o problema que uma teia sob tensão,
embora boa para a captura de um inseto em primeiro lugar, é vulnerável a poderosa
lutando. Se você é um inseto capturado por tópicos fixos, é mais fácil para puxar-se
livre se esses tópicos estão sob tensão do que se eles estão de folga. Se os fios estão de
folga, não há nada para você puxar contra e você se torna cada vez mais abrangente
atolada em seda pegajosa. Como um avião supersônico, cuja óptima asa forma para tirar
é diferente do ideal para o vôo rápido, uma tensão ideal teias de aranha para
inicialmente captura de presas é diferente da tensão ideal para mantê-los enredados.
Alguns aviões resolver seu problema dual ótima por compromisso: ser não muito ruim
{54} em cada tarefa. Outros - lutador swing-asa aviões - obter o melhor dos dois
mundos através da variação da geometria de suas asas, embora a um custo no
mecanismo complicado Hyptiotes constrói uma teia variável de tensão..
Comuns aranhas teia orbicular parecem ir para a alta tensão que é melhor para captura
inicial, e confiar na sua própria velocidade sobre a web agarrar as presas em sua
apresentação antes que ele possa escapar. Outras aranhas parecem ir para a solução
oposta, e constroem teias com fios que estão soltos, em primeiro lugar (Figura 2.8).
Pasilobus constrói uma teia triangular com um único segmento que atravessa o ângulo
principal. Os fios de captura pegajosas são reduzidos a alguns laços frouxamente
pendurado. A coisa inteligente sobre estes laços frouxos - este é outro elegante
descoberta por Michael e Barbara Robinson na Nova Guiné - é que eles vêm afastado
especialmente facilmente em uma extremidade. Um insecto, tal como a traça, tendo em
blundered um fio e preso a ela, de forma rápida quebra do fio na junção especial de
baixo cisalhamento, mas continua ligada na outra extremidade da rosca. A vítima agora
voa rodada e volta como um avião de brinquedo em uma corda. É uma tarefa fácil para
a aranha para transportar na linha e despachar a presa. A vantagem deste arranjo pode
ser novamente {55}

Figura 2.8 web triangular Pasilobus com fios-cisalhamento rápido.

em parte, que o inseto não pode se libertar, porque tudo é tão solto que não pode obter
uma compra sólida. Ou pode ser que o principal benefício dos fios de liberação rápida é
uma que remonta a um membro antes da nossa lista de problemas: como absorver o
impacto de um inseto voando rápido sem saltar-lo de volta como um trampolim. Assim
como no outro web triangular, parece provável que o triângulo de Pasilobus é o
descendente reduzida de um web orbe inteiro. De qualquer forma, há um outro género,
Poecilopachys, que usa o mesmo princípio cisalhamento rápida em uma teia orbe
inteiro. Neste caso, ao contrário da maioria orbs, a web é horizontal, não vertical. Se
pensarmos do triângulo de Pasilobus como uma versão reduzida do orbe do
Poecilopachys, a redução definitiva na mesma direção é o único segmento das bolas
aranha Mastophora (Figura 2.9). Um bolas (ou bola) é uma arma originalmente
inventado por nativos sul-americanos e ainda usado pelos gaúchos para a caça (por
exemplo) emas, as grandes aves que não voam dos pampas. É constituída por um peso,
tal como um par de bolas ou pedras, na extremidade de uma corda. Ele está pendurada
em direção a presa com o objetivo de enredar suas pernas e trazê-lo para baixo. O jovem
Charles Darwin experimentou com as bolas, enquanto a cavalo e conseguiu pegar seu
próprio cavalo - para a diversão dos gaúchos embora não, presumivelmente, do cavalo.
rapina da aranha bolas são sempre traças masculinos da família Noctuidae, e por uma
razão. mariposas fêmeas Noctuid atrair seus companheiros à distância pela liberação de
um único {56}

Figura 2.9 Bolas de aranha.

perfume. As iscas bolas de aranha homens para a morte sintetizando uma perfume.The
muito semelhantes 'bolas' é um bob de peso na extremidade de um único fio de seda que
a aranha segura em uma 'mão'. Ele ondas as bolas ao redor até que enreda uma
mariposa, em seguida, puxa-lo. Ele é totalmente um caso mais alta tecnologia do que
simples saco do gaúcho de pedras. É de facto uma corda bem enrolada de seda
incorporado em uma gota de água, como uma das pérolas pegajosas em um web orbe.
Quando a aranha slings suas bolas, a seda desenrola automaticamente assim como uma
linha de pescadores desenrola quando ele lança. Se a traça é atingido, ele adere, e voa
voltas e voltas. O resto da história é o mesmo que para as aranhas com os fios fácil de
cisalhamento. A traça é bobinado em e presas. A aranha bolas vive na América do Sul e
é um pensamento maravilhoso que os índios podem ter teve a idéia para suas bolas por
observá-lo em ação.

Temos estado a olhar para variantes e reduções da teia orbicular padrão. É hora de
voltar para a própria web orbe. No final do capítulo anterior, levantou a questão de
como tirar um modelo de computador da seleção artificial como o programa biomorfo e
transformá-lo em um modelo de seleção natural, com a natureza cega em vez de um
olho humano fazendo a escolha. Nós concordamos que o impedimento com biomorfos
foi que eles não tinham nada que corresponde a um mundo real, físico em que para
sobreviver e ser bem sucedido ou malsucedido. Podemos imaginar alguns biomorfos
comportando como predadores; talvez imaginá-los perseguindo outros biomorfos
comportando como presa. Mas não parece haver nenhuma maneira natural, sincera para
decidir quais as características do biomorfos irá torná-los bem, ou não tão bom, na
captura de presas ou pelo predadores escapem. O olho humano pode ver um par de
baba, presas voraz montado numa extremidade de um biomorfo (Figura 1.16, p. 33).
Mas essas mandíbulas escancaradas, no entanto temível eles parecem nossa imaginação,
não pode provar-se, na prática, porque eles não se movem, não habitamos um mundo da
física real em que sua nitidez pode penetrar shell real ou esconder. As presas e pele são
apenas padrões de pixels em uma tela fluorescente bidimensional. Nitidez e dureza,
fragilidade e venomousness, estas quantidades não têm significado na tela do
computador para além significados inventados definidos como números arbitrários por
parte do programador. Você pode atacar-se um jogo de computador no qual os números
batalha contra outros números, mas a roupa gráfica dos números {57} é cosmético e
supérfluo. «Arbitrária» e «artificial» atacar o jogador como subnotificações. Foi neste
momento no final do capítulo anterior que, com alívio, que caiu sobre a teia de aranha.
Aqui era um pedaço da natureza que poderia ser simulado não arbitrária.

teias Orb na vida real fazer o seu negócio em grande parte em duas dimensões. Se a
malha é muito grossa, moscas passar direto. Se a malha é muito fino, aranhas rivais vai
atingir quase o mesmo resultado com menos custo em seda, e, portanto, deixar para trás
mais de progênie para transportar seus genes economicamente mais prudentes. A
seleção natural encontra o compromisso eficiente. A web desenhado em uma tela de
computador tem propriedades que interagem, de maneiras que são quase arbitrária em
tudo, com moscas tiradas na mesma tela. Tamanho da malha é uma quantidade que
realmente significa algo na tela do computador, em relação ao tamanho do computador
"voar". quantidade total de linhas ( "custo de seda") é outro tal quantidade. A relação
entre os dois que define a eficiência pode ser medida com um aceitavelmente pequeno
subsídio de artificialidade artificial. É mesmo possível importar alguns física mais
sofisticados para o modelo de computador, e Fritz Vollrath (com quem aprendi muito
do que tenho escrito neste capítulo), com seus colegas físicos Lorraine Lin e Donald
Edmonds, fez um bom começo. É mais fácil para simular "elasticidade" e "tensão de
ruptura 'no computador' seda 'do que é para simular, por exemplo,' agilidade 'em'
esquivando-se 'a' predador 'de computador, ou" estado de alerta' em 'manchas' um. Mas
neste capítulo, vamos estar mais preocupados com os modelos de comportamento em si
de construção de web.

Ao escrever as regras de simulação para uma aranha computador, o programador tem a


vantagem de muita pesquisa detalhada sobre as regras, na verdade, seguido por aranhas
reais, e os pontos de decisão que pontuam o fluxo do comportamento aranha. Professor
Vollrath e os membros do seu grupo de pesquisa aranha internacional estão na
vanguarda da pesquisa, e eles são, portanto, bem posicionados para incorporar o
conhecimento em um programa de computador. Na verdade escrever um programa de
computador é uma boa maneira de resumir o conhecimento sobre qualquer conjunto de
regras. Sam Zschokke é o membro do grupo que assumiu a tarefa de resumir, em
suporte informático, as informações descritivas sobre os movimentos observados de
aranhas de teia. Seu programa é chamado de 'MoveWatch'. Peter Fuchs e Thiemo Krink,
com base na {58} trabalho de Nick Gotts e Alun ap Rhisiart, têm-se concentrado na
tarefa inversa da programação captura 'aranhas de computador' 'computador voa'. Seu
programa é chamado NetSpinner.

Figura 2.10 é Mover a imagem do relógio dos movimentos de um diadematus Araneus


indivíduo como ela construiu um web particular. Note-se que estes não são imagens de
teias, apesar de parecer superficialmente como ele. O que temos aqui é uma telescópica
no tempo dos movimentos no tempo de uma aranha. Foi feito por filmando a aranha que
ela construiu sua {59}

Figura 2.10 Computer-tracing de posições de um determinado aranha (Araneus


diadematus) enquanto gira uma teia. Mova programa relógio escrito por Sam Zschokke:
(a), (b) preliminares; (c) raios; (d) espiral auxiliar; (e) espiral pegajosa; (f) todos os
movimentos sobrepostos.

rede. A sua posição em instantes sucessivos foi alimentada para o computador sob a
forma de um par de coordenadas de grade. Em seguida, o computador desenhou linhas
entre as posições sucessivas. As linhas 'espiral pegajosa "(Figura 2.10e), por exemplo,
representam a trajetória da aranha enquanto ela estava construindo a espiral pegajosa.
Eles não representam as posições exatas de quaisquer fios de seda. Se o fizessem,
estariam mais uniformemente distribuído. Como é, eles estão concentrados em "ondas",
refletindo o fato de que a aranha usado a espiral temporários, auxiliares como suporte
enquanto ela construiu a espiral pegajosa (Figura 2.10d).

Estes diagramas não representam modelos do comportamento de aranhas de


computador. Em vez disso, eles são descrições do computador de comportamento
aranha real. Passamos agora para NetSpinner, o programa complementar que se
comporta como uma espécie de idealizada aranha, teórica. Ela pode ser feita para se
comportar como qualquer um de uma grande variedade de aranhas teóricos. NetSpinner
simula o comportamento de aranha artificial, no mesmo tipo de modo que o programa
biomorfo simulado a anatomia de criaturas de insectos semelhantes. Ele constrói 'teias'
na tela do computador, usando regras de comportamento cuja detalhes variar sob a
influência de "genes". Como em biomorfos, os genes são números apenas na memória
do computador, e eles são transmitidos para a frente de geração em geração. Dentro de
cada geração, os genes influenciam o "comportamento" da aranha artificial e,
consequentemente, a forma da "web". Por exemplo, um gene pode controlar o ângulo
entre os raios radiais: mutação neste gene iria alterar o número de raios, fazendo um
ajuste numérica para uma regra comportamental na aranha computador. Como no
programa biomorfo, os genes estão autorizados a alterar seus valores ligeiramente, de
forma aleatória, como o passar das gerações. Estas mutações mostrar-se como
mudanças na forma web, e são, portanto, sujeitos a seleção.

Você pode pensar dos seis teias da Figura 2.11 como se fossem biomorfos (ignorar os
pontos para o momento). A web no canto superior esquerdo é o pai. Os outros cinco são
descendentes mutante. Claro que na vida real teias não dão à luz a teias; aranhas (que
constroem teias) dar à luz a aranhas (que constroem teias). Mas, na verdade, há um
sentido importante em que o que acabo de dizer sobre teias aqui também poderia ser
dito dos corpos. Genes (que construir pais humanos) dão origem a genes (que
constroem crianças humanas). No modelo de computador, os genes que construído {60}
Figura 2.11 teias geradas por computador, bombardeados com computador-moscas.
programa NetSpinner escrito por Peter Fuchs e Thiemo Krink.

Web principal no canto superior esquerdo (através de sua influência sobre o


comportamento de uma aranha fictícia que nós realmente não vê na tela) são os genes
que foram mutadas para dar origem aos genes que construíram as teias filha nos outros
cinco slots .

Claro que poderíamos, como se estivéssemos escolhendo um biomorfo para reprodução,


escolha a olho nu uma das seis redes para criação de animais. O que isto significa é que
seus genes seriam os escolhidos para ir para a frente (sujeito a mutação) para a próxima
geração. Mas isso seria a seleção artificial. Todo o ponto de comutação de biomorfos a
teias de aranha foi que vimos uma possível oportunidade de simular a seleção natural:
seleção pela eficiência medida em pegar 'voa' em vez de seleção por capricho estético
humano.

Agora olhe para as manchas na imagem. Estes são 'voa' que o computador disparou
aleatoriamente nas teias. Se você olhar com cuidado, você vai perceber que ele é o
mesmo conjunto de moscas posicionados aleatoriamente, que foi baleado em todos os
seis teias. Este é o tipo de coisa que um computador, como {61} oposição a vida real,
faz o tempo todo a menos que você sair de sua maneira de dizer que não. Não é
importante neste caso, e ainda facilita a comparação entre as mantas. Meios de
comparação, em parte, que o computador conta-se o número de moscas 'capturados "por
cada um dos seis mantas. Se isso fosse tudo, a web na parte inferior direita ganharia o
concurso, por sua espiral pegajosa abraça o maior número de moscas. Mas pura número
de moscas não é a única variável importante. Há também o custo da seda. A web na
parte superior central utiliza a menor quantidade de seda, por isso, se esse fosse o único
critério que iria ganhar a competição. O verdadeiro vencedor é a web que pega as uma
função de custo calculada a partir do comprimento de seda maioria das moscas menos.
Por este cálculo mais sofisticados, o vencedor é o web na parte inferior central. Este é o
escolhido para se reproduzir e passar os genes que construíram para a próxima geração.
Como no programa biomorfo, este processo de criação de vencedores ao longo de
muitas gerações promove uma tendência evolutiva gradual. Mas enquanto que com os
biomorfos a direção da tendência foi guiado apenas por capricho humano, no caso de
NetSpinner a direção da evolução é automaticamente orientada para a melhoria da
eficiência. É o que esperávamos: um modelo de computador da seleção natural, em vez
de selecção artificial. E o que evolui sob estas condições? É realmente bastante
gratificante como realistas são as teias que emergem em uma corrida durante a noite de
quarenta gerações (Figura 2.12).

As imagens que eu mostrei até agora foram produzidos por NetSpinner II, que é
principalmente o trabalho de Peter Fuchs (NetSpinner eu era uma versão preliminar que
não vou discutir). Versões posteriores do programa NetSpinner, reescrito por Thiemo
Krink, roubar uma marcha sobre biomorfos em um aspecto importante adicional.
NetSpinner III incorpora a reprodução sexual. Biomorfos, e NetSpinner II, reproduzido
apenas assexuadamente. O que isso pode significar para dizer que as aranhas do
computador reproduzem sexualmente? Você não literalmente ver aranhas copulando na
tela, embora sem dúvida que poderia ser gerida, com o clímax canibal ocasional. O que
o programa faz é organizar as ligações genéticas de reprodução sexual, a recombinação
de metade dos genes de um dos pais com metade dos genes do outro pai.

Veja como ele funciona. Em qualquer uma geração existe uma população, ou "deme",
de meia dúzia de aranhas, cada um dos quais constrói uma teia. A forma {62}
Figura 2.12 Evolução Overnight da web por NetSpinner representado a cada cinco
gerações.

da web é governada por um "cromossomo" ou série de genes. Cada gene funciona por
influenciar a construção de web específica 'regra', como vimos acima. As teias são
depois bombardeados com «voa». O "bem" da teia é calculado da mesma forma que
antes, como uma função do número de '' moscas travado menos uma função do 'seda'
usado. A proporção fixa da população de aranhas morre em cada geração, e são os
únicos com as teias menos eficientes que morrem. As aranhas restantes acasalar com um
outro aleatoriamente para a produção de uma nova geração de aranhas. 'Acasalamento'
significa que os cromossomos das duas aranhas 'line-up' e trocar uma parte do seu
comprimento. Isso soa estranho e artificial até que você lembre-se que é exatamente o
que cromossomos reais, de nós mesmos, bem como aranhas, realmente fazer na
reprodução sexual. {63}

O processo continua ea população evolui, geração após geração, mas com um maior
refinamento. Não é apenas um deme de seis aranhas, mas (digamos) três demes semi-
separados (Figura 2.13). Cada um dos três demos evolui de forma isolada, excepto que,
ao longo do tempo, um '' migra individuais para outro deme, transportando seus genes
com ele. Nós vamos voltar para a teoria por trás disso no Capítulo 4. Para o momento
em que podemos brevemente dizer que todos os três demes evoluir para a melhoria das
teias: teias que são melhores na captura de moscas economicamente. Alguns demes
pode correr por becos sem saída evolutivos. A migração de genes de aranha pode ser
pensado como uma injeção de "ideias" frescas de outra população. É quase como se um
sucesso sub-população envia genes que sugerem '' para uma população menos bem
sucedido uma melhor maneira de resolver o problema da construção de um web.

Em uma geração, em todos os três demos, existe uma ampla variedade de formas da
web, a maioria deles não é particularmente eficiente. Tal como no exemplo da Figura
assexuada 2,12, o que se observa, tal como o passar das gerações, é um estreitamento
gradual para baixo da variação no sentido de uma forma melhor e mais eficiente. Mas
agora a reprodução sexual cuida para que "idéias" são compartilhados dentro de demes,
de modo que os diferentes membros de cada deme são bastante semelhantes entre si.
Por outro lado, eles são geneticamente cortado de outros demes, por isso há diferenças
notáveis entre demes. Em um ponto em onze geração, os genes de duas teias migrar
através de Deme Deme 3 a 2, assim, 'infectar' Deme 2 com "idéias" de Deme 3. Em
geração de cinquenta - na verdade, muito antes disso, em alguns casos - as teias têm
evoluiu para se tornar bons, dispositivos de captura de moscas estáveis e eficientes.

Então, algo como a seleção natural pode trabalhar em um computador para produzir
teias artificiais que são mais eficientes na captura de moscas do que o teias originais.
Isto ainda não é completamente verdadeira seleção natural, mas é um bom passo para a
seleção natural do que a seleção artificial pura dos biomorfos. Mas mesmo NetSpinner
ainda não é verdadeira seleção natural. NetSpinner tem que fazer um cálculo para
decidir quais teias são bons o suficiente para se reproduzir a partir e quais não são. A
decisão tem de ser feita pelo programador sobre como caro um determinado
comprimento de 'seda' é, na mesma moeda como o valor de um 'fly'. O programador
pode, à vontade, alterar a taxa de conversão de moeda. Ele poderia, digamos, o dobro do
{64} "preço" da seda. Isso pode diminuir o sucesso reprodutivo de teias maiores ou
mais densas que, por uma questão de pegar algumas moscas extras, são um pouco
extravagante com seda. O programador tem de decidir a conversão de moeda virtual e
ele poderia escolher qualquer factor de conversão, à vontade. Esta é apenas uma das
muitas conversões de moeda que estão acontecendo sob a superfície. A taxa em que
voar "carne" é convertido em aranhas do bebê também é decidida pelo programador.
Pode ser diferente. A medida em que as aranhas morrem por outras razões, não tendo
nada a ver com o quão bom suas teias são, também decidiu implicitamente pelo
programador. A decisão é arbitrária, e uma decisão diferente pode produzir um
resultado evolucionária diferente.

Na vida real, nenhuma dessas decisões é arbitrário. Nenhum deles é realmente uma
decisão em tudo, e nenhuma maquinaria computacional é usado para torná-los. Eles só
acontecerá, naturalmente e sem problemas. Mosca de carne apenas é convertido em
carne prole aranha, eo fator de conversão de moeda simplesmente é. Se vir depois e
calculá-lo, que é o nosso negócio. A conversão acontece automaticamente, se alguém
coloca-lo em termos económicos matemáticos ou não. O mesmo vale para a conversão
de carne de inseto em seda. NetSpinner, com efeito, assume que todas as moscas são os
mesmos que o outro. Na vida real, pode haver complicações formidáveis de detalhe e
estes, também, surgir de forma simples e sem problemas. Independentemente do fato de
que alguns insetos são maiores que outros, pode haver diferenças qualitativas sutis.
Suponha-se que, a fim de fazer a seda, um aminoácido particular que está em falta é
necessário. Diferentes tipos de insetos variam na forma como eles são ricos nesse
aminoácido particular. O verdadeiro cálculo do valor de um inseto, então, tem de ter em
conta o tipo de inseto que é, bem como o quão grande ele é. NetSpinner poderia
computar esse tipo de efeito, mas seria um outro cálculo arbitrário.

Figura 2.13 (no verso) Fifty gerações de evolução de três demes que se reproduzem
sexualmente de teias de computador criados pela seleção 'natural' em NetSpinner. Na
décima primeira geração, dois genótipos web a partir de Deme 3 migraram para Deme 2
onde eles estavam disponíveis para cruzamento (indicado nesta ilustração pelas setas
sólidas). {65}
Na vida real, ele simplesmente acontece, automaticamente e sem artifício. Aqui é outra
complicação. Presumivelmente, o valor de uma mosca extra é menos quando uma
aranha está quase cheio do que quando ela está quase vazio. NetSpinner ignora isso, a
vida real não. NetSpinner poderia fazer um cálculo arbitrário para permitir a
complicação de saciedade. Na vida real, ele simplesmente acontece, quer queira quer
não. No cálculo explícito tem de ser feito.

O ponto que eu estou fazendo é tão óbvio que quase não precisa fazer, mas tão
importante que deve ser feita. Cada vez que um ponto de detalhes adicionais e
complicado é incorporada NetSpinner, páginas extras de código de computador difícil
tem que ser escrito por um programador humano inteligente. No entanto, na vida real
existe, por outro lado, uma acentuada falta de computação explícita. O fator de
conversão de moeda entre a proteína mosca e proteína da seda é apenas
automaticamente lá. O fato de que uma mosca é mais valioso para uma aranha vazia do
que um cheio não precisa importados computação. Seria surpreendente se o alimento
não eram mais valiosos para uma aranha vazio. Estamos acostumados a ver um modelo
de computador como uma simplificação do mundo real. Mas há um sentido em que
modelos de computador da seleção natural não são simplificações, mas complicações do
mundo real.

A seleção natural é um processo extremamente simples, no sentido de que muito pouco


máquinas precisa ser configurado para que ele funcione. É claro que os efeitos e as
consequências da seleção natural são complexas ao extremo. Mas, a fim de definir a
seleção natural vai em um planeta de verdade, tudo o que é necessário é a existência de
informação hereditária. A fim de definir um modelo simulado de seleção natural indo
em um computador, você certamente precisa o equivalente a informação hereditária,
mas você precisa de muito mais além. Você precisa de máquinas elaborado para
calcular lotes de custos e um monte de benefícios e as moedas assumidos para a
conversão de um para outro.

Mais, você precisa configurar uma física artificial todo. Nós escolhemos teias de aranha
para o nosso exemplo, porque, de todos os dispositivos no mundo natural, eles estão
entre os mais simples de traduzir em termos informáticos. Asas, backbones, dentes,
garras, barbatanas e penas: em princípio, poderíamos fazer modelos de computador de
todos eles e o computador pode ser programado para julgar a eficiência das formas
variantes. Mas {68} que seria uma tarefa de programação aggravatingly complicado.
Uma asa, uma barbatana ou uma pena não pode mostrar a sua qualidade, a menos que
ele é colocado em um meio físico - ar ou água - com propriedades tais como a
resistência, elasticidade e padrões de turbulência. Estes são difíceis de simular. A
espinha dorsal ou um osso de membro não pode mostrar a sua qualidade, a menos que
colocado em um sistema físico de tensões, aproveita e atritos. Durezas, brittlenesses,
elasticidades de flexão e compressão - tudo teria de ser representado no computador.
Para simular as interações dinâmicas entre lotes de ossos, desfilaram em vários ângulos
e amarrados juntos por ligamentos e tendões, é uma tarefa computacional formidável
envolvendo decisões arbitrárias em cada turno. Para simular o fluxo de ar e turbulência
em torno de uma asa é um problema tão difícil que aero-engenheiros frequentemente
recorrem a modelos em túneis de vento em vez de tentar simulá-lo em um computador.
Não se deve subestimar o trabalho de modeladores de computador, entretanto. A
disciplina de vida artificial 'foi nomeado em 1987 e tive a honra de ser convidado para o
batismo em Los Alamos, uma vez que a casa da bomba atômica, agora virou-se para
fins mais construtivos. Christopher Langton, a inspiração e organizador da conferência
1987 original e seus sucessores, já fundou um jornal da vida artificial, o primeiro
volume dos quais acaba de chegar. Contém artigos que já aliviar o pessimismo do
parágrafo anterior. Por exemplo, três norte-americanos chamado Demetri Terzopoulos,
Xiaoyuan Tu e Radek Grzeszczuk ter escrito uma simulação espetacular de peixes de
computadores que se comportam como peixes reais e interagem uns com os outros na
água computador simulado. O mundo dos computadores nos quais estas peixes nadar
tem a sua própria física simulada, com base na física real de água. Grande parte do
esforço de programação vai para a simulação de um único peixe, ficando o seu direito
comportamento. Então este peixe de trabalho é reproduzida várias vezes com variações
e todos eles são liberados na "água" onde "aviso" uns aos outros e interagir uns com os
outros. Por exemplo, eles evitar 'colidindo "uns com os outros e se associam uns com os
outros em" escolas ".

Cada peixe computador tem uma anatomia construída de vinte e três nós, dispostos em
espaço tridimensional simulado e ligadas a {69} seus vizinhos por noventa e um 'molas'
(Figura 2.14). Doze das molas são capazes de contratação: eles são os 'músculos' do
peixe artificial. Os movimentos de natação sinuosas de um peixe real, incluindo turnos,
são simuladas por ondas controladas de passagem contração entre os "músculos". Os
peixes podem aprender com a experiência para melhorar o sequenciamento de
contrações musculares para nadar, vire e siga alvos. Os peixes têm três das variáveis
estado mental 'chamados' fome ', libido "e" medo ", que combinam para gerar"
intenções ". Intenções incluem 'comer', 'companheiro', 'vagar', deixe "e" evitar
collision.The peixe tem dois órgãos dos sentidos, que mede a "temperatura" da água e
um que age como um "olho" bruto, detectar a posição, a cor eo tamanho dos objetos lá
fora, no seu mundo. Para fins cosméticos, o esqueleto de nós e molas está vestida com
um envelope de peixe de cor sólida de aparência. Diferentes tipos de peixes, por
exemplo, predadores e presas, são distintos, não só por diferentes representações
cosméticos externas, mas também por diferenças no comportamento (Figura 2.15).
Predadores diferem de presa, não apenas em seu tamanho, mas em suas predisposições
comportamentais, os coeficientes dadas às três variáveis de estado mental e os vários
"intenções". Mesmo com computadores mais rápidos de hoje, a propósito, simulações
Figura 2.14 peixe artificial. O esqueleto de molas. {70}
Figura 2.15 tubarão Artificial perseguindo um cardume de peixes presa.

deste tipo são tão caros no tempo de computador que um mundo artificial contendo
muitos peixes interagindo não pode fornecer uma ilusão plausível em tempo real. Peixes
nadam e perseguir uns aos outros, fugir um do outro e quadra uns aos outros em uma
escala de tempo mais lento do que no mundo real, e nós temos que recorrer ao
equivalente a fotografia de lapso de tempo, se queremos ser entretidos em velocidade
vida. Isso, no entanto, é um detalhe, sem grande importância teórica: um problema que
vai desaparecer com as futuras gerações de computadores.

Terzopoulos, de Tu e Grzeszczuk mundo artificial de peixes em água computador é rico


o suficiente para ser um bom candidato para a simulação da evolução. Actualmente,
embora o seu peixe 'companheiro', isto é limitado ao namoro comportamento: eles não
realmente reproduzir. Um próximo passo óbvio, dos quais os autores estão bem
conscientes, é a criação de "genes" para as ponderações quantitativos das diversas
variáveis comportamentais que regem as molas musculares e, a um nível superior, a
variável estado mental e intenções. Os machos e as fêmeas que acasalam poderiam
recombinar seus genes, com a mutação ocasional, para produzir novas gerações de
diferentes constituição genética. Evolução por seleção natural, embora no {71}
ambiente, em última análise artificial do computador, se seguiria. Pode não haver
necessidade de definir dois tipos de peixe chamado predadores e ptey. Você pode
começar com duas espécies que diferem apenas no tamanho e compatibilidade de
acasalamento, mas não em hábito, e a seleção natural pode naturalmente levar as
espécies maiores de evoluir, ao longo de muitas gerações, o hábito de predando o
menor. Quem sabe o que peculiaridades intrigantes da história natural artificial possa
surgir diante de nossos olhos?

Prevejo, e olhar para frente, um campo florescente de investigação, a que se poderia dar
o título oxymoronic Artificial Seleção Natural. No entanto, há um sentido em que o
mais fácil "simulação" do mundo real da seleção natural é o próprio mundo real. Ossos
realmente variam em tensão de ruptura, elasticidade de compressão, dureza, linhas de
força e despesa no consumo de cálcio. Você pode calcular os detalhes se você quiser,
mas, se você calculá-los ou não, a verdade é que alguns ossos se quebram e outros não;
alguns ossos consumir muita cálcio precioso enquanto outros deixam de cálcio livre
para colocar no leite. A vida real é starkly simples neste sentido.Alguns animais são
mais propensos a morrer do que outros. O computador mais rápido na América poderia
passar um ano custando fora e calcular os detalhes. Mas na natureza do fato bruto é, que
alguns não morrem e outros não. Isso é tudo.

Você pode, se desejar, pensar nos genes em todas as populações do mundo como
constituindo um computador gigante, o cálculo dos custos e benefícios e conversões de
moedas, com os padrões de mudança de frequências de genes que fazem o dever de as
1s transportando e 0s de um eletrônico processador de dados. É bastante uma visão
esclarecedora ao qual vamos retornar nas páginas finais deste livro. Mas agora é hora de
iluminar o título. O que é o Monte Improvável e o que devemos aprender com ele? {72}

<< >>
CAPÍTULO 3

M ONT I MPROBABLE eleva acima da planície, lofting seus picos vertiginosamente


para o céu rarefeito. As imponentes falésias, viftical de Monte Improvável não pode
nunca, ao que parece, ser escalado. Ofuscado como insetos, frustrado alpinistas
rastreamento e scrabble ao longo do pé, olhando desesperadamente ao pura, alturas
inatingíveis. Eles apertam suas minúsculas, cabeças perplexos e declarar a cúpula
ninhada sempre unscalable.

Nossos alpinistas são demasiado ambiciosos. Assim, a intenção é que no drama


perpendicular das falésias, eles não pensam olhar em volta do outro lado da montanha.
Não iriam encontrar falésias não verticais e canyons ecoando mas prados verdejantes
suavemente inclinadas, graduados de forma constante e facilmente para as terras altas
distantes. Ocasionalmente, a subida gradual é pontuada por um pequeno penhasco,
rochoso, mas geralmente você pode encontrar um desvio que não é muito íngreme para
um ajuste colina-Walker em sapatos resistentes e com tempo de sobra.A altura absoluta
do pico não importa, contanto que você não tente escalá-lo em um único salto. Localize
o caminho ligeiramente inclinada e, se você tem tempo ilimitado, a subida é tão
formidável como o próximo passo. A história do Monte Improvável é, naturalmente,
uma parábola. Vamos explorar o seu significado neste e nos próximos capítulos.
O que se segue é de uma carta que The Times de Londres publicou há alguns anos atrás.
O autor, cujo nome tenho negado ao constrangimento de reposição, é um físico,
considerado suficientemente altamente por seus pares para{73} ter sido eleito Fellow da
Royal Society, mais ilustre instituição aprendeu da Grã-Bretanha.

Senhor, eu sou um dos cientistas físicos ... que duvidam teoria da evolução de Darwin.
Minhas dúvidas não decorrem de qualquer motivação religiosa ou o desejo de adicionar
combustível para um ou outro lado de qualquer controvérsia, mas simplesmente porque
eu acho que o darwinismo é cientificamente indefensável.

... Nós não temos nenhuma opção a não ser aceitar a evolução - todos os fósseis
evidências apontam para ele. A alegação é de apenas cerca a causa. Darwin sustenta que
a causa foi acaso: como a geração a geração conseguiu haveria pequenas variações ao
acaso, aqueles que deu alguma vantagem persistiria e os que não desapareceria. Assim,
os seres vivos iria melhorar gradualmente com, por exemplo, os poderes de obtenção de
alimentos ou de destruir seus inimigos reforçada. Este processo Darwin chamado de
seleção natural.

Como físico, eu não posso aceitar isso. Parece-me impossível que a variação
oportunidade deveria ter produzido a máquina notável que é o corpo humano. Tome
apenas um exemplo - o olho. Darwin admitiu que este derrotou - ele não podia ver como
poderia ter evoluído a partir de um órgão sensível à luz simples ... Eu me vejo qualquer
alternativa para a hipótese de que a matéria viva foi projetado. A origem da vida não é
explicável em termos de ciência normal, nem é a maravilhosa sucessão de criaturas
vivas formadas ao longo dos milhares de milhões de anos de existência deste planeta.

Mas quem foi o Designer?

Com os melhores cumprimentos,

O autor se esforça para nos informar, por duas vezes, que ele é um físico, o que dá um
peso especial para seus pontos de vista. Outro cientista físico, professor de química na
Universidade Estadual de San Jose, Califórnia, tem explodiu em biologia com uma
publicação chamada 'The Smyrna Fig requer Deus para sua produção. Ele descreve o
notável complexidade da relação entre figos e seus polinizadores vespa (ver Capítulo
10) e ele chega à seguinte conclusão: "Uma vespa jovem está adormecida em uma
caprifig todo o inverno, mas escotilhas no momento exato para colocar seus ovos em a
cultura de verão de caprifigs que é necessário para polinizar a fruta. Isso tudo requer
tempo exato que significa Deus{74} controla '! (O ponto de exclamação é meu.) "E
pensar que tudo isso padrão exato resultou do acaso evolucionário é absurdo. Sem Deus
nada como o figo Smyrna poderia existir ... Os evolucionistas fingir que as coisas
surgem por acaso, sem um propósito definido ou um plano completamente pensado. "

Um dos mais famosos cientistas físicos da Grã-Bretanha, Sir Fred Hoyle (aliás o autor
de The Black Cloud, que deve estar entre os melhores romances de ficção científica já
escritas), freqüentemente expressa uma visão semelhante no que diz respeito a grandes
moléculas tais como enzimas, cuja inerente "improbabilidade" - isto é a probabilidade
de que eles vêm espontaneamente à existência por acaso - é mais fácil de calcular do
que o de olhos ou figos. Enzimas trabalham em células, em vez como excessivamente
numerosas máquinas-ferramentas para a produção em massa molecular. A sua eficácia
depende da sua forma tridimensional, a sua forma depende do seu comportamento de
enrolamento, e seu comportamento enrolamento depende da seqüência de aminoácidos
que ligam-se em uma cadeia para torná-los. Esta sequência exata é diretamente
controlado por genes e que realmente importa. Poderia surgiu por acaso?

Hoyle diz que não, e ele está certo. Há um número fixo de aminoácidos disponível,
vinte. Uma enzima típico é uma cadeia de várias centenas de ligações desenhadas desde
o vigésimo. Um cálculo elementar mostra que a probabilidade de que qualquer
sequência particular de, digamos, 100, aminoácidos vai formar-se espontaneamente é
um em 20 × 20 × 20 ... 100 vezes, ou 1 em 20 100. Este é um grande número
incalculável, muito maior que o número de partículas fundamentais em todo o universo.
Sir Fred, curvando-se para trás (desnecessariamente, como veremos) para ser justo com
aqueles a quem ele vê como seus adversários darwinianos, generosamente reduz as
probabilidades de 1 em 10 20. Um número mais modesto para ter certeza, mas ainda um
horrifyingly baixo probabilidade. Seu co-autor e companheiro astrofísico, o professor
Chandra Wickramasinghe, citou-o como dizendo que a formação espontânea por
"acaso" de uma enzima de trabalho é como um furacão soprando através de um ferro-
velho e espontaneamente ter a sorte de montar um Boeing 747. O Hoyle e
Wickramasinghe miss é que o darwinismo não é uma teoria do acaso. É uma teoria da
mutação aleatória mais seleção natural cumulativa não aleatória. Por que, eu me
pergunto, é tão difícil, mesmo para os cientistas sofisticados para entender este ponto
simples? {75}

O próprio Darwin teve de lidar com uma geração anterior de cientistas físicos chorando
"acaso" como suposta falha fatal em sua teoria. William Thomson, Lorde Kelvin, foi
talvez o maior físico de seu dia e mais ilustre adversário científica de Darwin. Entre
suas muitas realizações, ele calculou a idade da Terra com base em taxas de
resfriamento, partindo do princípio de que tinha sido uma vez uma parte dos "incêndios"
da Sun. Ele concluiu que a Terra era algumas dezenas de milhões de anos de idade.
estimativas modernas colocar a idade até aos milhares de milhões de anos. Não é
nenhum descrédito para Lord Kelvin que a sua estimativa foi uma centésima parte da
resposta certa. métodos de datação usando o decaimento radioativo não estavam
disponíveis em seu tempo, e fusão nuclear, o verdadeiro "fogo" do Sol, era
desconhecido, assim que seu cálculo de arrefecimento foi condenado desde o início. O
que é menos perdoável foi sua despedida elevada ", como um físico ', de evidências
biológicas de Darwin: a terra não tinha idade suficiente; não tinha havido tempo
suficiente para o processo da evolução de Darwin ter alcançado os resultados que vemos
ao nosso redor; a evidência da biologia deve ser simplesmente errado, superada pela
evidência superior da física. Darwin pode muito bem ter retrucou (ele não o fez) que a
evidência biológica indica claramente evolução, portanto, deve ter havido tempo para a
evolução ocorrer, portanto, evidência do físico deve estar errado!

Para voltar ao ponto sobre o "acaso", Lord Kelvin usou a plataforma de prestígio de seu
discurso presidencial à Associação Britânica de citação, com a aprovação, as palavras
de outro cientista físico distinto, Sir John Herschel, que também, por sinal, a que se
refere ao darwinismo como "a Lei da desregrado ':

Não podemos mais aceitar o princípio de variação arbitrária e casual e seleção natural
como uma indicação suficiente, por si só, do passado e do presente mundo orgânico, do
que podemos receber o método Laputan de compor livros (empurrada à l'outrance)
como um um suficiente de Shakespeare eo Principia.

A alusão de Herschel foi o de As Viagens de Gulliver em que Swift havia zombado o


método Laputan de escrever livros através da combinação de palavras aleatoriamente.
Herschel e Kelvin, Hoyle e Wickramasinghe, meu {76} cientistas físicos anonimamente
cotadas e qualquer número de Testemunhas de Jeová tratos todos cometem o erro de
tratar a seleção natural darwiniana como se fosse equivalente a Laputan autoria. Para
este dia, e em bairros onde eles devem saber melhor, o darwinismo é amplamente
considerada como uma teoria do "acaso".

É grindingly, creakingly, crashingly óbvio que, se o darwinismo fosse realmente uma


teoria do acaso, não poderia funcionar. Você não precisa ser um matemático ou um
físico para calcular que um olho ou uma molécula de hemoglobina levaria daqui até o
infinito para auto-montar por pura sorte desregrado. Longe de ser uma dificuldade
peculiar ao darwinismo, a improbabilidade astronômico dos olhos e joelhos, enzimas e
articulações do cotovelo e as outras maravilhas que vivem é precisamente o problema
que qualquer teoria da vida deve resolver, e que o darwinismo exclusivamente não
resolve. Ele resolve-lo por quebrar a improbabilidade em partes pequenas e
gerenciáveis, manchando a sorte necessária, indo em volta da parte de trás do monte
Improvável e está subindo pelas encostas suaves, polegada por milhões de anos
polegadas. Só Deus faria ensaio a tarefa louco de saltar para cima do precipício em um
único salto. E se postular-lo como nosso designer cósmica ficamos exatamente na
mesma posição que quando começamos. Qualquer Designer capaz de construir a
deslumbrante variedade de seres vivos teria que ser inteligente e complicada além de
toda imaginação. E complicado é apenas outra palavra para improvável - e, portanto,
exigindo uma explicação. Um teólogo que farpas que seu deus (não muito) é
sublimemente simples tem nitidamente evitou a emissão, por um deus suficientemente
simples, qualquer outro virtudes que ele possa ter, seria simples demais para ser capaz
de projetar um universo (para não falar do perdão pecados, orações de atendimento,
sindicatos bênção, vinho transubstantiating, e as muitas outras realizações variadamente
esperados dele). Você não pode ter as duas coisas. Ou o seu deus é capaz de projetar
mundos e fazendo todas as outras coisas divinas, caso em que ele precisa de uma
explicação em seu próprio direito. Ou ele não é, no caso em que ele não pode fornecer
uma explicação. Deus deve ser visto por Fred Hoyle como o último Boeing 747.

A altura do Monte Improvável representa a combinação de perfeição e improbabilidade


de que é sintetizado nos olhos e moléculas de enzima (e deuses, capazes de projetá-los).
Para dizer que um {77} objeto como um olho ou uma molécula de proteína é meio
improvável algo pai precisa. O objecto é feita de um grande número de peças dispostas
de uma maneira muito especial. O número de possíveis maneiras em que as partes
poderiam ter sido arranjados é extremamente grande. No caso de uma molécula de
proteína que pode, na verdade, o cálculo que grande número. Isaac Asimov fez isso para
a proteína hemoglobina particular, e chamou-lhe o número de hemoglobina. Ele tem
190 zeros. Isto é o número de formas de rearranjar os bits de hemoglobina de tal forma
que o resultado não seria a hemoglobina. No caso do olho que não podemos fazer o
cálculo equivalente sem a fabricação de lotes de suposições, mas podemos
intuitivamente ver que ele vai vir para outro espantosamente grande número. O arranjo
real, observada de peças é improvável no sentido de que é apenas um arranjo entre os
trilhões de possíveis acordos.
Agora, há um sentido desinteressante em que, em retrospectiva, qualquer arranjo
particular de peças é tão improvável quanto qualquer outro. Mesmo um ferro-velho é
tão improvável, em retrospectiva, como 747, para as suas partes poderia ter sido
arranjado em tantas outras maneiras. O problema é que a maioria dessas formas seria
também ferros-velhos. Este é o lugar onde a idéia de qualidade vem em. A grande
maioria dos arranjos das peças de um ferro-velho Boeing não voaria. Uma pequena
minoria faria. De todos os trilhões de possíveis arranjos das partes de um olho, apenas
uma pequena minoria veria. O olho humano forma uma imagem nítida em uma retina,
corrigida para aberração esférica e cromática; pára automaticamente para baixo ou para
cima com um diafragma de íris para manter a intensidade da luz interna relativamente
constante na cara de grandes flutuações na intensidade da luz exterior; muda
automaticamente a distância focal da lente, dependendo se o objeto que está sendo
olhado é próximo ou distante; classifica para fora cores, comparando as taxas de disparo
de três diferentes tipos de células sensíveis à luz. Quase todos scramblings aleatórios
das partes de um olho não permitem atingir qualquer uma dessas tarefas delicadas e
difíceis. Há algo muito especial sobre o arranjo particular que existe. Todos os arranjos
particulares são tão improvável quanto o outro. Mas, de todas as disposições
específicas, aquelas que não são úteis superam enormemente aqueles que são.
dispositivos úteis são improváveis e precisam de uma explicação especial. {78}

RA Fisher, o grande geneticista matemático e fundador da ciência moderna de


estatísticas, coloca a questão em 1930, em seu estilo meticuloso usual (Eu nunca o
conheci, mas quase se pode ouvir seu ditado meticulosamente correto para sua esposa
sofredora):

Um organismo é considerado adaptado situação partlcular, ou para a totalidade das


situações que constituem seu ambiente, apenas na medida em que podemos imaginar
um conjunto de situações ligeiramente diferentes, ou ambientes, a que o animal em
geral, ser menos bem adaptados; e igualmente apenas na medida em que podemos
imaginar um conjunto de formas ligeiramente diferentes orgânicos, que seriam menos
bem adaptados ao meio ambiente.

Olhos, ouvidos e corações, a asa de um abutre, a teia de uma aranha, todos estes nos
impressionar pela sua perfeição óbvia de engenharia não importa onde nós vê-los: nós
não precisamos tê-los apresentado a nós em seus arredores naturais para ver que eles são
bons para algum propósito e que, se suas peças foram reorganizadas ou alteradas em
quase qualquer forma, eles seriam piores. Eles têm "perfeição improvável" escrito tudo
sobre eles. Um engenheiro pode reconhecê-los como o tipo de coisa que ele iria
projetar, se chamado a resolver um problema particular.

Esta é outra maneira de dizer que objetos como estes não podem ser explicados como
vir à existência por acaso. Como vimos, para invocar acaso, por conta própria, como
uma explicação, é equivalente a abóbada da base para o topo do penhasco íngreme do
Monte Improvável em um salto. E o que corresponde a avançando até os bondosos,
llopes gramadas do outro lado da montanha? É a lenta cumulativa de um passo-a-um-
tempo, a sobrevivência, não-aleatória de variantes aleatórias que Darwin chamado de
seleção natural. A metáfora do Monte Improvável dramatiza o erro de os céticos citados
no início deste capítulo. Onde deu errado era manter os olhos fixos no precipício
vertical e sua altura dramática. Eles assumiram que o precipício ilteer era o único
caminho até o cume em que estão empoleirados tyes e moléculas de proteína e outros
arranjos extremamente improváveis de peças. Foi a grande conquista de Darwin para
descobrir os gradientes suaves e sinuosas até o outro lado da montanha. {79}

Mas isso é um daqueles raros casos em que é verdade que não há fumo sem fogo?
Darwinismo é amplamente mal compreendida como uma teoria do acaso. Não deve ele
ter feito algo para provocar este canard? Bem, sim, há algo por trás do boato mal
entendido, uma base fraca para a distorção. Um estágio no processo darwiniano é de
fato um processo acaso - mutação. A mutação é o processo pelo qual a variação genética
fresco é oferecido para a seleção e ele é geralmente descrito como aleatório. Mas os
darwinianos fazer o barulho que eles fazem sobre a "aleatoriedade" de mutação única, a
fim de contrastar -lo para a não-aleatoriedade da seleção, do outro lado do processo.
Não é necessário que a mutação deve ser aleatória, a fim de selecção natural trabalhar.
Seleção ainda pode fazer o seu trabalho se a mutação é dirigido ou não. Enfatizando que
a mutação pode ser aleatória é o nosso caminho. de chamar a atenção para o fato crucial
que, em contrapartida, a seleção é sublime e essencialmente não-aleatória. É irônico que
esta ênfase no contraste entre a mutação ea não-aleatoriedade da seleção tenha levado as
pessoas a pensar que toda a teoria é uma teoria do acaso.

Mesmo mutações são, como uma questão de fato, não aleatória, em vários sentidos,
embora esses sentidos não são relevantes para a nossa discussão porque não contribuir
construtivamente para a perfeição improvável de organismos. Por exemplo, mutações
têm causas físicas bem compreendidos, e, nessa medida eles são não-aleatória. Os
operadores de máquinas razão de raios-X dar um passo atrás antes de premir o gatilho,
ou usar aventais de chumbo, é que os raios X causar mutações. As mutações são
também mais susceptíveis de ocorrer em alguns genes do que em outros. Existem
"pontos quentes" nos cromossomos, onde as taxas de mutação são marcadamente
superior à média. Este é um outro tipo de não-aleatoriedade. As mutações podem ser
revertida ( "mutações de volta"). Para a maioria dos genes, mutação em um ou outro
sentido é igualmente provável. Para alguns, a mutação em uma direção é mais freqüente
do que a mutação de volta na direção inversa. Isto dá origem a chamada "pressão de
mutação '- uma tendência a evoluir em uma direção particular, independentemente da
seleção. Isto é ainda outro sentido em que a mutação pode ser descrito como não-
aleatório. Note-se que a pressão mutação não conduzir sistematicamente no sentido da
melhoria. Nem raios-X. Muito pelo contrário: a grande maioria dos{80} mutações, no
entanto causados, são aleatórios no que diz respeito à qualidade, e isso significa que eles
são geralmente ruim, porque há mais maneiras de conseguir pior do que de ficar melhor.

Pode-se imaginar um mundo teórico em que mutações foram inclinado para melhoria.
Mutações nesse mundo hipotético seria não aleatória e não apenas no sentido de que
mutações induzidas por raios-X são não-aleatória: estas mutações hipotéticos seria
sistematicamente tendenciosa para manter um passo à frente da seleção e antecipar as
necessidades do organismo. Mas este é o único tipo de não-aleatoriedade que, ao
contrário inúmeros anseios teóricos, quase certamente não tem base na realidade: as
mutações não são sistematicamente provável que antecipar as necessidades do
organismo, nem está claro como tal antecipação poderia funcionar. O que pode
'antecipação significa? Suponha que um terrível era do gelo está se aproximando de uma
região previamente temperado e os veados locais estão perecendo em seus casacos
leves. A maioria das pessoas vai morrer de qualquer jeito, mas as espécies serão salvas
se, em cima da hora, ela pode evoluir uma espessa camada como um boi almiscarado.
Em princípio, é possível imaginar um mecanismo afinado para ligar mutações
desejáveis como e quando eles são necessários. Nós sabemos que os raios X aumentar a
taxa de mutação geral, indiscriminadamente fazendo casacos mais finos ou mais grossos
casacos. E se frio intenso pudesse de alguma forma aumentar a taxa de mutação em
apenas uma direção: para casacos mais grossos? E, simetricamente, o que se calor
intenso pode induzir mutações no outro sentido, em direção casacos mais finos?

Darwinistas não importa se foram fornecidos tais mutações providenciais. Não poria em
causa o darwinismo, embora fosse acabou com suas pretensões de exclusividade: um
vento de cauda em um vôo transatlântico pode acelerar sua chegada de uma forma
agradável, e isso não põe em causa a sua crença de que a força principal que você
chegou em casa é o motor a jato. Mas os darwinianos seria realmente muito surpreso
(assim como intrigado) se esse mecanismo mutacional beneficente foram descobertos,
por três razões.

Primeiro, apesar da pesquisa enérgico, tal mecanismo não tenha ainda sido descoberto
(pelo menos em animais e plantas: haja uma sugestão de muito especial e não é
geralmente relevante de um caso em que a bactéria em J & cts são ainda controversa).
Em segundo lugar, não há nenhuma teoria existente que{81} poderia explicar como o
corpo pode "saber" que tipo de mutação para induzir. Suponho que se poderia imaginar
que, se houve dezenas de ciclos de gelo-idade que remonta ao longo dos milhões de
anos, constituindo uma forma de "experiência de corrida ', uma espécie ainda
desconhecida da maior seleção natural ordem poderia ter construído em uma propensão
de mutação na direção certa para as primeiras noções da próxima idade do gelo. Mas
repito que não há nenhuma evidência para tal efeito e, além disso, nenhuma teoria até
agora funcionou pode lidar com isso. Em terceiro lugar - e este retorna ao meu ponto
anterior - alguns darwinistas, inclusive eu, encontrar o mecanismo proposto de mutação
dirigida inelegantly supérfluo. Esta é uma reação em grande parte estética que não deve,
portanto, ser tratados como esmagadora. Mas se fizermos reagir unsympathetically
direção sugestões de mutação dirigida, é porque tais sugestões são muitas vezes feitas
por pessoas que pensam erradamente que tal teoria é necessária : que não entendem que
a seleção, por si só, é amplamente poderoso o suficiente para fazer o trabalho, mesmo se
a mutação é aleatória. Uma maneira de dramatizar a adequação da selecção não
aleatória é enfatizar que a mutação é permitida pela teoria ser aleatória. Mas, como eu
disse antes, não é fundamental para a teoria de que a mutação deve ser aleatória, e
certamente não fornece nenhuma desculpa para tar toda a teoria com a escova de
aleatoriedade. A mutação pode ser aleatória, mas a seleção definitivamente não é.

Antes de deixarmos nossos veados lá fora no frio aprofundamento, há uma variante da


teoria da mutação providencial que pode ter ocorrido com você, enquanto você lê os
últimos três parágrafos. Com efeito, pode ser difícil de ver como o corpo pode "saber"
que o tempo frio exige mutação para uma pelagem mais espessa, enquanto o tempo
quente requer mutação em outra direção. Mas é um pouco mais fácil imaginar que as
taxas de mutação pode ser pré-programado para inflar, indiscriminadamente em todas as
direcções, durante períodos em que as coisas ficam difíceis. A lógica intuitiva seria algo
parecido com isto. Uma nova crise, como uma idade do gelo ou uma época de intenso
calor, é sentida pelo corpo como stress. Alta tensão em mim, se de frio, calor, seca ou de
qualquer causa não especificada, indica que algo está errado com o meu equipamento
corporal para as condições atuais. Pode ser tarde demais para mim, mas talvez a vida
poderia ser melhorado para alguns de meus filhos se eu sofrer mutações dos genes em
meus órgãos sexuais descontroladamente, em todos os tipos de direções aleatórias.{82}
O que quer que a crise ambiental pode ser (frio, calor, seca, inundações), os de meus
filhos mutantes que contêm mutações que acabam por ser na direção errada
(provavelmente a maioria) vai morrer. Mas eles teriam morrido de qualquer maneira, se
a crise foram suficientemente graves. Talvez, produzindo uma ninhada de aberrações
mutantes e monstros um animal aumenta suas chances de produzir uma criança que é
melhor para lidar com a nova crise do que é em si.

Existem, de facto, os genes cujo efeito é o de controlar a taxa de mutação em outros


genes. Em teoria, pode-se argumentar que esses "genes modificadores 'poderia ser
desencadeada por estresse, e tal tendência poderia ser favorecida por algum tipo de
seleção natural de alto nível. Mas, infelizmente, esta teoria acaba por ter mais apoio do
que a nossa teoria anterior de mutação beneficentemente dirigido. Em primeiro lugar,
não há nenhuma evidência para ele. Mais a sério, há profundas dificuldades teóricas
com qualquer ponto de vista do aumento das taxas de mutação que lhes sendo
positivamente favorecido pela seleção natural. O argumento é geral o que leva à
conclusão de que genes modificadores será sempre tendem a desaparecer da população,
e isso se aplica a nossos animais estressados hipotéticas.

Resumidamente, o argumento geral é como se segue. Qualquer animal que tenha


conseguido chegar a uma idade para se tornar um pai já deve ser muito bom. Se você
começar com algo muito bom e alterá-lo ao acaso, as chances são que você vai torná-lo
pior. E, como uma questão de fato, a grande maioria das mutações fazem piorar as
coisas. É verdade que uma pequena minoria de mutações podem tornar as coisas
melhores - que é em última análise, por que a evolução por seleção natural é possível a
todos. Também é verdade que um gene mutante, através do aumento da taxa de mutação
total pode ajudar seu possuidor de chegar a essa raridade preciosa, uma mutação que é
uma melhoria. Quando isso acontece, essa cópia particular do próprio gene mutante será
temporariamente florescer, pois irá compartilhar um corpo com a mutação melhorada
que ele ajudou a criar. Você pode pensar que se trata de seleção natural positiva a favor
pf o gene mutante e, portanto, por este meio, aumento de taxas de mutação iould.
Infelizmente, marcar a sequela.

Em gerações futuras, a reprodução sexual fará o seu baralhar, reorganizando e


recombinar os genes que compartilham indivíduo {83} organismos. À medida que as
gerações passam, não há nada para parar o gene mutante se soltar a partir do gene bom
que ele criou: alguns indivíduos vai nascer com apenas o gene bom, outros apenas com
o modificador. A boa próprio gene vai continuar sendo recompensado pela seleção
natural e pode ir da força à força em populações futuras. Mas o gene mutante
lamentável que o criou foi posta de lado pela reorganização sexual. Como qualquer
outro gene, o destino de longo prazo do gene mutante depende de suas médias efeitos:
os seus efeitos calculados para o conjunto dos diferentes organismos em que se
encontra, a longo prazo. Os efeitos médios do gene bom que o modificador criado são
bons, ea boa gene vai sobreviver em mais e mais corpos na população. Mas os efeitos
médios do próprio modificador são ruins e, apesar de seus flashes ocasionais de
benefício, em média, o modificador é obrigado a ser penalizado pela seleção natural. A
maioria dos corpos em que se encontra será aberrações ou morto.

Este argumento contra a possibilidade de genes modificadores sendo selecionado


positivamente depende da suposição de que a reprodução é sexual. Se a reprodução é
assexuada, a "baralhar" passo do argumento está faltando. genes mutantes podem ser
favorecida pela seleção natural durante longos períodos, porque, quando não há sexo,
eles não são separadas dos bons genes ocasionais que eles criam, e eles podem "pegar
carona" ao longo das gerações nas costas dos bons genes. Quando a reprodução é
assexuada, um novo bom mutação iniciará um novo clone de prosperar indivíduos. Um
novo mau mutação vai desaparecer rapidamente, arrastando seu subclone de aberrações
para baixo com ele. Se um bom mutação é suficientemente bom, o clone continuará a
prosperar, e todos os genes em que vai ganhar dinheiro - mesmo os maus. Os maus
prosperar, porque, apesar de seus maus efeitos, a qualidade média dos genes no clone é
positivo. E entre estes prosperando casaco-cauda-cabides será o gene mutante
responsável pela criação da boa mutação em primeiro lugar. No que respeita à boa
mutação está em causa, ele vai "desejo" que poderia livrar-se do peso morto de genes
maus, eo modificador que o criou não é excepção. A boa mutação, se poderia pensar,
que anseiam por uma boa reprodução, limpeza sexual. Se apenas os meus corpos seria ir
para um pouco de sexo, ele diria, eu poderia livrar-se dessa multidão de engate de
caminhantes mal favorecidas. Eu poderia ser valorizado por minhas próprias
virtudes{84} sozinho. Alguns dos corpos que eu encontrei-me seria ruim, outros bom,
mas , em média, eu estaria livre para beneficiar os meus bons efeitos. Os genes ruins,
por outro lado, não têm "desejo" para a reprodução sexual: eles estão em uma coisa boa.
Se tivessem que ir sozinho no free-for-all genético que é o sexo, eles logo ir abaixo.

Este argumento não tem, por si só, constitui uma explicação para isso que temos a
reprodução sexual em primeiro lugar, embora possa ser feita a base para tal explicação.
Dizer, como eu tenho, que os bons genes podem se beneficiar da existência de relações
sexuais enquanto genes ruins podem beneficiar da sua ausência, não é a mesma coisa
que explicar por que o sexo é lá em tudo. Há muitas teorias sobre por que existe sexo, e
nenhum deles é knock-down convincente. Um dos primeiros a ser sugerido, 'de Muller
Ratchet ", é uma versão mais disciplinado da teoria que eu expressa informalmente sob
a forma de' desejos 'de genes bons e maus genes. Minha discussão de genes
modificadores pode ser visto como a adição de um impulso extra para a teoria da
catraca de Muller. A reprodução assexuada não apenas permitir que os genes maus a se
acumular na população. Ele dá o incentivo ativo para genes mutantes. Isto é susceptível
de acelerar a extinção de clones assexuadas ou, em outras palavras, acelerar a operação
de catraca de Muller. Mas toda a questão do sexo e por que ele está lá, Ratchet de
Muller e tudo, é outra história e um difícil dizer. Talvez um dia eu vou reunir a coragem
de enfrentá-lo na íntegra e escrever um livro inteiro sobre a evolução do sexo.

Mas isso foi uma digressão. O resultado é que, onde há reprodução sexuada, o
fenómeno da mutação é penalizado pela seleção natural, embora mutações individuais
(uma minoria deles) pode ocasionalmente ser favorecida pela seleção natural. Isso é
verdade mesmo em tom de estresse, onde você pode fazer um caso superficialmente
plausível para taxas de mutação em vincadas. A predileção de mutação é sempre ruim,
embora mutações individuais ocasionalmente vir a ser bom. É melhor, se mais do que
um pouco paradoxal, a pensar em seleção natural como ftrouring uma taxa de mutação
de zero. Felizmente para nós, e para a continuação da evolução, esse nirvana genética
nunca é atingido. A seleção natural, a segunda fase do processo darwiniano, é uma força
íon-aleatório, empurrando para a melhoria. Mutação, o primeiro ftage no processo, é
aleatória no sentido de não empurrar no sentido{85} mprovement. Todos melhoria é,
portanto, em primeiro lugar, com sorte, razão pela qual as pessoas pensam erradamente
do darwinismo como uma teoria do acaso. Mas eles são confundidos.
A crença de que a seleção natural favorece uma taxa de mutação de zero e que a
mutação é undirected não exclui uma possibilidade intrigante, que os tenho chamado 'a
evolução da capacidade de evoluir ", e defendeu em um ensaio desse título. Vou
explicar uma nova versão da ideia - embriologia caleidoscópica - no capítulo 7.
Enquanto isso, vamos retornar à seleção natural propriamente dita, a outra metade da
parceria darwiniana. Embora a mutação é permitido ser aleatório e, em um sentido
importante certamente é aleatória, toda a essência da seleção natural é que é não
aleatória. De todos os lobos que podem sobreviver, uma amostra não aleatória - a mais
velozes do pé, o astuto de inteligência, o mais acentuado do sentido e do dente - são os
que sobrevivem e transmitir seus genes. Consequentemente, os genes que vemos no
presente são cópias de uma amostra não aleatória dos genes que existiram no passado
Cada geração é uma peneira gene. Os genes que ainda existem após um milhão de
gerações de peneiramento têm o que é preciso para obter através de peneiras. Eles
participaram do Construindo embrionário de um milhão de corpos sem uma única falha.
Cada um desses milhões de corpos tem sobrevivido até a idade adulta. Nenhum deles
era muito atraente para encontrar um companheiro - ou seja desinteressante qualquer
coisa que pareça atraente a futuros companheiros da espécie em causa. Cada um deles
provou ser capaz de rolamento ou gerando pelo menos um filho. A peneira é um passo
exigente. Os genes que penetram para o futuro não são uma amostra aleatória, eles são
uma elite. Eles sobreviveram idades de gelo e secas, pragas e predadores, bustos e
booms de população. Eles sobreviveram mudando climas não apenas no sentido
convencional de chuva, gelo e seca. Eles sobreviveram deslocando climas de genes
complementares, para o lote de um gene onde existe a reprodução sexual é mudar
parceiros em cada geração; genes sobreviventes são aquelas que florescem quando lado
a lado com as amostragens sucessivas a partir dos genes de toda a espécie, e isto
significa que outros genes que são bons em que coopera com os outros genes da
espécie. A parte dominante do clima em que um gene tem de sobreviver é a outros
genes da espécie: seus companheiros no 'River out of Eden que flui através de corpos
sucessivos ao longo das gerações. Nós {86} pode pensar em espécies diferentes, como
eles se separaram em ramificações do rio, como micro-climas separados em que
diferentes conjuntos de genes têm que sobreviver.

Para simplificar falamos de mutação como a primeira etapa no processo darwiniano, a


seleção natural como a segunda etapa. Mas isso é enganoso se sugere que a seleção
natural paira sobre a espera para uma mutação que é então rejeitado ou pego e de espera
começa novamente. Poderia ter sido assim: a seleção natural desse tipo provavelmente
iria funcionar, e talvez funcionar em algum lugar do universo. Mas, como uma questão
de fato neste planeta geralmente não é assim. Há realmente uma grande piscina de
variação, originalmente alimentado por um fio de mutações, mas importante agitada e
agitado em maior variação de reprodução sexual. Variação vem originalmente de
mutação, mas as mutações podem ser bastante de idade no momento da seleção natural
fica em torno de trabalhar neles.

Por exemplo, o meu colega Oxford falecido Bernard Kettlewell famosa estudou a
evolução das mariposas escuras, quase preto, em espécies que até então tinha sido de
cor clara. Nas espécies que ele especialmente estudadas, Biston betularia , os indivíduos
negros tendem a ser ligeiramente mais resistentes do que os leves, mas em distritos
rurais não poluídas são raros, porque eles são visíveis para as aves e são prontamente
retirada off. Em áreas industriais, onde troncos de árvores foram enegrecidos pela
poluição, eles são menos visíveis do que as formas de cor clara e, consequentemente,
menos propensos a ser comido. Isso também lhes permite aproveitar a vantagem
adicional de sua resistência natural. O consequente aumento do número de formas
escuras, a dominância numérica esmagadora nas áreas industriais desde meados do
século XIX, tem sido dramático e é um dos melhores exemplos atestados de seleção
natural em ação. E agora chegamos à razão para introduzir o caso aqui. É muitas vezes
erroneamente pensou que, após a seleção natural Revolução Industrial trabalhou em
uma única mutação nova. Pelo contrário, podemos ter certeza de que sempre houve
indivíduos escuros - eles simplesmente não ter durado muito tempo. Como a maioria
das mutações, este terá sido recorrente, mas as traças escuras foram sempre rapidamente
abocanhado por aves. Quando as condições mudou após a Revolução Industrial, a
seleção natural encontrou uma{87} minoria ready-made de genes escuras no pool
genético para trabalhar em cima.

Nós identificamos os ingredientes que devem estar presentes antes que a evolução pode
ocorrer como sendo mutação e seleção natural. Estes dois seguirá automaticamente em
qualquer planeta dado um ingrediente mais fundamental, que é difícil, mas, obviamente,
não impossível, obter. Este ingrediente básico difícil é a hereditariedade. Para que a
seleção natural a ocorrer, em qualquer lugar do universo, deve haver linhagens de coisas
que se assemelham a seus ancestrais imediatos mais do que eles se assemelham a
membros da população em geral. Hereditariedade não é a mesma coisa que a
reprodução. Você pode ter reprodução sem hereditariedade. Queimadas reproduzir mas
sem hereditariedade.

Imagine uma pastagem árida seca, que se estende por milha após milha em todas as
direções. Agora, em um determinado lugar, um fumante descuidada deixa cair um
fósforo aceso e, em nenhum momento a todos a grama inflamou-se em um incêndio de
corrida. Nosso fumante corre longe de tão duro como seus pulmões tosse vai deixá-lo,
mas estamos mais preocupados com a forma como o fogo se espalha. Ele não apenas
inchar constantemente para fora do ponto de partida original. Ele também envia faíscas
no ar. Estas faíscas ou tufos queima de capim seco, são levadas pelo vento longe do
fogo original. Quando uma faísca, eventualmente, vem para baixo, ele começa um novo
fogo em outro lugar na pradaria seca inflamável. E depois, o fogo novo envia faíscas
que acender ainda mais novos incêndios em outro lugar. Poderíamos dizer que os
incêndios estão entregando-se a uma forma de reprodução. Cada novo fogo tem um
fogo pai. Este é o fogo que cuspiu a faísca que começou. E tem um fogo avô, um fogo
bisavó, e assim por diante para trás até que o fogo ancestral iniciado pelo jogo rebelde.
Um novo incêndio pode ter apenas uma mãe, mas ele pode ter mais de uma filha,
porque ele pode enviar mais de uma faísca em diferentes direções. Se você assistiu todo
o processo a partir de cima e foram capazes de registrar a história de cada um flare-up,
você pode desenhar uma árvore genealógica completa dos incêndios na pradaria.

Agora, o ponto da história é que, embora haja reprodução entre os incêndios não há
verdadeira hereditariedade. Para que haja verdadeira hereditariedade, cada incêndio
teria que se assemelham a seu pai mais do que se assemelhavam aos outros incêndios
em geral. Não há nada de errado com a ideia de um fogo semelhante a seu pai. Poderia
acontecer. Incêndios variam, têm {88} qualidades individuais, assim como as pessoas.
Um incêndio pode ter sua própria cor da chama característica, a sua própria cor de
fumaça, o tamanho da chama, nível de ruído e assim por diante. Pode assemelhar-se a
sua mãe fogo em qualquer uma destas características. Se, em geral, os incêndios que se
assemelham aos pais nestas maneiras, podemos dizer que tivemos verdadeira
hereditariedade. Mas, na verdade incêndios não se parecem com seus pais mais do que
eles se assemelham a corrida geral de incêndios espalhados pela pradaria. Um indivíduo
flare-up obtém suas qualidades características, seu tamanho chamas, fumaça de cor,
volume de estalo e assim por diante, a partir de seus arredores; do tipo de grama que
passa a ser em crescimento, onde as terras de ignição; da secura da grama; da
velocidade e direção do vento. Estas são todas as qualidades do local onde as terras de
ignição. Eles não são qualidades do fogo-mãe a partir do qual a faísca veio.

Para que haja verdadeira hereditariedade, cada faísca teria que levar com ele alguma
qualidade, alguma essência característica, de seu fogo pai. Por exemplo, suponha que
alguns incêndios têm chamas amarelas, outros chamas vermelhas, outros azuis. Agora,
se incêndios amarelo-inflamado emitem faíscas que iniciam novos incêndios amarelo-
inflamado, enquanto fogos de vermelho inflamado emitem faíscas que iniciam novos
incêndios vermelho, e assim por diante, teríamos verdadeira hereditariedade. Mas isso
não é o que acontece.Se vemos uma chama azul dizemos: 'Deve haver alguns sais de
cobre nesta área. " Nós não dizemos, 'Este fogo deve ter sido iniciado por uma faísca de
um outro fogo azul-inflamado em outro lugar. "

E isso, é claro, é onde os coelhos e seres humanos e dentes de leão diferem de


incêndios. Não se deixe enganar, aliás, pelo fato de que os coelhos têm dois pais e
quatro avós Considerando que os incêndios têm apenas um pai e um avô. Essa é uma
diferença importante, mas não é o que estamos falando no momento. Se ajudar, acho
que não de coelhos, mas de insetos vara ou pulgões, onde as fêmeas podem ter filhas,
netas e bisnetas sem machos nunca ser envolvidos. A forma, a cor, tamanho e
temperamento de um inseto itick é influenciada, sem dúvida, o local e clima de sua
criação. Mas é influenciada, também, pela faísca que só voa de pai para filho.

Então, o que é isso, essa centelha misteriosa que voa de pai para off-ipring mas não de
fogo para disparar? Nesta planeta é ADN. A molécula mais tmazing no mundo. É fácil
pensar no DNA como o{89} informações pelo qual um organismo faz com que outro
corpo como a própria. Seria mais correto ver um corpo como o veículo usado por DNA
para fazer mais DNA como a própria. Todo o DNA no mundo em um determinado
momento, como agora, desceu através de uma cadeia ininterrupta de ancestrais bem-
sucedidos. Não há duas pessoas (exceto os gêmeos idênticos) têm exatamente o mesmo
DNA. Diferenças entre DNA em indivíduos realmente contribuir para a sua
sobrevivência e chances de reproduzir esse mesmo DNA. Para repetir, porque é tão
importante, o DNA, que fez dela descendo o rio do tempo é DNA que tem, para
centenas de milhões de anos, habitada os corpos dos ancestrais bem-sucedidos. Lotes de
pretensos antepassados morreram jovens, ou não conseguiram encontrar um
companheiro. Mas nenhum de seu DNA ainda está conosco no mundo.

Seria fácil, neste momento, para fazer o erro de pensar que alguma coisa, algum elixir
do sucesso, alguns odor de santidade dos bons corpos ancestrais, bem sucedido, 'recaia
sobre o DNA à medida que passa através deles. Nada disso ocorre. O rio de DNA que
flui através de nós para o futuro é um rio puro que (mutações de intervalo) nos deixa
exatamente como ele nos encontra. Para ter certeza, ele é continuamente misturado na
recombinação sexual. Metade do DNA em você é do seu pai e a outra metade é de sua
mãe. Cada um de seus espermatozóides ou ovos irá conter uma mistura diferente
montado a partir do riacho genético que veio de seu pai e do córrego genético que veio
de sua mãe. Mas o ponto que eu estava fazendo permanece fiel. Nada sobre ancestrais
bem-sucedidos 'recaia sobre os genes à medida que passam em seu caminho para um
futuro distante.

A explicação darwiniana por que os seres vivos são tão bons em fazer o que eles fazem
é muito simples. Eles são bons por causa da sabedoria acumulada dos seus
antepassados. Mas não é a sabedoria que aprenderam ou adquirida. É a sabedoria que
eles por acaso em cima por mutações aleatórias sorte, sabedoria que foi, em seguida,
seletivamente,-non-Ran amente, registrados na base de dados genética da espécie. Em
cada geração, a quantidade de sorte não foi muito grande: pequeno o suficiente para ser
crível, mesmo pelos físicos céticos a quem citei anteriormente. Mas, porque a sorte tem
sido acumulado ao longo de tantas gerações, que, eventualmente, são muito
impressionado com a aparente improbabilidade de o produto final. todo o circo
darwiniana depende - segue {90} do - a existência de hereditariedade. Quando liguei
para a hereditariedade o ingrediente básico, eu quis dizer que o darwinismo, e, portanto,
vida, vai seguir, mais ou menos, inevitavelmente, em qualquer planeta no universo em
que algo equivalente a hereditariedade surge.

Chegamos de volta ao Monte Improvável, de volta ao 'manchando out' a sorte: para


tomar o que se parece com uma imensa quantidade de sorte - a sorte necessária para
fazer um olho onde anteriormente não havia nenhum olho, por exemplo - e explicá-lo
dividindo-o -se em lotes de pequenos pedaços de sorte, cada um adicionado
cumulativamente com o que se passou antes. Nós agora vimos como isso realmente
funciona, por meio do acúmulo de muitos pequenos pedaços de sorte ancestral no DNA
que sobrevive. Ao lado minoria morre de indivíduos geneticamente bem dotados que
sobreviveram, (aqui foram um grande número de pessoas menos favorecidas que
pereceram. Cada geração tem suas falhas darwinianos, mas cada indivíduo é de-icended
apenas de minorias sucesso das gerações anteriores.

A mensagem da montanha é triplo. Primeiro é a mensagem que já introduziram: não


pode haver saltos súbitos para cima - sem aumentos íngremes em complexidade
ordenada. Em segundo lugar, não pode haver indo ladeira abaixo - as espécies não
podem piorar como um prelúdio para ficar melhor. Em terceiro lugar, pode haver mais
do que um pico - mais do que uma maneira de resolver o mesmo problema, todas
florescente no mundo.

Pegue qualquer parte de qualquer animal ou planta, e é uma questão sensível para
perguntar como essa parte foi formada pela transformação gradual a partir de Lomé
outra parte de um ancestral mais cedo. Ocasionalmente, pode acompanhar o processo
através de fósseis sucessivamente mais jovens. Um exemplo famoso é a derivação
gradual dos nossos ossos do ouvido dos mamíferos - os três ossos que o som do relé
(com adaptação de impedância requintado, se você deve acontecer de conhecer o jargão
técnico) do tímpano para o ouvido interno. Evidências fósseis mostra claramente que
estes três ossos, chamado o martelo, a bigorna eo estribo, são linearmente descendente
de três ossos correspondentes que, em nossos ancestrais répteis, formavam a articulação
da mandíbula.

Muitas vezes, o registro fóssil é menos bom para nós. Nós temos que adivinhar
possíveis intermediários, às vezes com um pouco de inspiração de outros animais
modernos que podem ou não estar relacionados. troncos do elefante contêm nenhum
osso e não fossilizar, mas nós não precisamos de fósseis para {91} perceber que tromba
do elefante começou como apenas um nariz. É agora ... bem, deixe-me citar um livro
que tem me abashedly forçando as lágrimas sempre que eu lê-lo: Battle for the
Elephants, por um casal de heróis, Iain e Oria Douglas-Hamilton. Eles escreveram
capítulos alternados e aqui é a descrição horrorizado de Oria, na página 220, de um
elefante 'abate' que ela testemunhou no Zimbabwe:

Olhei para um dos troncos descartados e se perguntou quantos milhões de anos que
deve ter tomado para criar um milagre da evolução. Equipado com cinquenta mil
músculos e controlado por um cérebro para coincidir com tal complexidade, pode torcer
e empurrar com toneladas de força. No entanto, ao mesmo tempo, é capaz de realizar as
operações mais delicadas, como arrancar uma pequena semente-pod para aparecer na
boca. Este órgão versátil é um sifão capaz de prender quatro litros de água para ser
bebido ou pulverizado sobre o corpo, como um dedo estendido e, como um trompete ou
alto-falante.

O tronco tem funções sociais, também; carícias, avanços sexuais, garantias, saudações e
abraços mutuamente entrelaçados; e entre os homens ele pode se tornar uma arma para
bater e lutando como lutadores quando as presas se chocam e cada touro procura
dominar no jogo ou a sério. E ainda lá estava, amputada como tantos troncos do elefante
que eu tinha visto em toda a África.

O parágrafo tem tido o efeito habitual em mim ...

Aqui, a mensagem da montanha é que os ancestrais dos elefantes deve ter incluído uma
série contínua de intermediários com mais ou menos narizes alongados como antas, ou
musaranhos de elefante, ou tromba macacos, ou elefantes marinhos. Nenhuma destas
criaturas está intimamente relacionado com elefantes (ou uns com os outros). Todos têm
evoluído seus narizes longos independentemente um do outro e, provavelmente, por
diferentes razões (figura 3.1).

Na evolução do elefante de seus ancestrais curtas de nariz, deve ter havido uma
sucessão suave, gradual de narizes de forma constante mais longas, um gradiente de
deslizamento dos músculos espessantes e os nervos mais intricada dissecados. Deve ter
sido o caso de que, à medida que cada polegada extra foi adicionado ao comprimento do
tronco média, o tronco tornou-se melhor no seu trabalho. Ela nunca deve ser possível
dizer qualquer coisa como: {92}
Figura 3.1 elefante Africano, Loxodonta africana, e os mamíferos de nariz comprido
independentes que provavelmente desenvolveram seus longos narizes por razões
independentes: (sentido anti-horário do superior esquerdo) Násico, Nasalis larvatus;
elefante megera, Rhynchocyon petersi; Malayan tapir, Tapirus indicus; e selo de
elefante do sul, Mirounga leonina. {93}

'Esse tronco de tamanho médio não é bom porque não é nem uma coisa nem outra - cai
entre duas cadeiras - mas não se preocupe, dar-lhe mais alguns milhões de anos e ele vai
ficar bem. " Nenhum animal já feito uma vida puramente por estar no caminho
evolutivo para algo melhor. Animais ganhar a vida comendo, evitando ser comido, e se
reproduzir. Se um tronco de tamanho médio foram sempre menos eficiente para estes
fins que não quer um nariz pequeno ou um grande tronco, grande tronco nunca teria
evoluído.

Só porque o tronco teve de ser útil em todas as suas fases intermediárias, isto não
significa que teve que ser úteis para o mesmo efeito em todas as etapas intermédias.
alongamento no início poderia ter fornecido uma vantagem que não tinha nada a ver
com a pegar objetos. Talvez o nariz ficou mais tempo em primeiro lugar para fazer subir
o sentido do olfato, como em musaranhos de elefante; ou como um ressonador para
chamadas, como em selos de elefante; ou um adorno para atrair um companheiro, como
em - no entanto surpreendente que possa parecer para o nosso senso estético - proboscis
macacos. Por outro lado, também é possível que a sua utilidade como uma 'mão' veio
muito cedo na evolução elefante, quando ainda era bastante curto. Esta suposição se
torna plausível em comparação com antas que usam o nariz para agarrar folhas e trazê-
los para a boca. evoluções independentes de dispositivos semelhantes em diferentes
animais pode iluminar a nossa compreensão do outro.

No caso específico da tromba de elefante, há evidências sugestivas das partes duras do


crânio que fossilizam, especialmente os dentes e ossos associados. duas espécies de hoje
de elefantes são os únicos sobreviventes de uma vez rica radiação de animais presas
prosperando em todos os continentes. presas de elefante modernos são os dentes
superiores incisivos enormemente alargada, mas muitas formas fósseis, como alguns
dos mastros odonts, teve os incisivos inferiores mais proeminentes também apontando
para a frente. Às vezes, eles eram grandes e espetado como as presas que vemos agora
apenas no maxilar superior. Em outros tipos eram plana, de modo que os dois grandes
dentes constituída uma ampla pá ou pá de marfim prolongar a linha da mandíbula
inferior, o que provavelmente foi utilizado para o arranque raízes e tubérculos. A pá
estendido até agora na frente da mandíbula inferior que o lábio superior não poderia
alcançar a comida que ele desenterrou. Parece provável que o tronco incipiente
estendida originalmente para trabalhar contra a pá e apreender o alimento que a pá
escavados. Mais tarde, nós {94} pode imaginar, o tronco nascente se tornou tão boa
nisso que ele começou a ser usado por conta própria, sem a pá. Mais tarde, pelo menos
nas linhagens que sobreviveram, a própria pá ficou reduzido, enquanto o tronco
manteve-se, como se encalhado pela maré vazante. A mandíbula inferior recuou para
algo como suas proporções originais, deixando o tronco agora totalmente independente,
como seu legado. Consulte John Maynard Smiths excelente a teoria da evolução,
páginas 291 - 4, para uma descrição mais completa da evolução elefante-ttunk.
A palavra "pré-adaptação é utilizado para casos em que um órgão é originalmente
usados para algum propósito e depois na evolução é retomado para outra finalidade. É
uma idéia esclarecedora, pois freqüentemente nos livra da confusão sobre as origens
evolutivas. espinhos de ouriço ire armas agora formidáveis. Eles não surgiu do nada,
mas são pêlos modificados, 'pré-adaptados "para o completamente diferente propósito
de manter quente. Muitos mamíferos têm altamente desenvolvida, glândulas odoríferas
especialista. Onde surgiu a partir possa parecer um mistério até você olhar para eles de
perto sob o microscópio e ver que eles são modificados de uma glândula menor, com o
propósito muito diferente de secretar suor para resfriar o corpo para baixo. glândulas
sudoríparas unreconstructed ainda são comuns em outras partes do mesmo animal, de
modo que a comparação é fácil de fazer. Outras glândulas odoríferas parecem ter
evoluído a partir de glândulas sebáceas, cujo dever original para proteger os cabelos
com a secreção cerosa I. Muitas vezes, a pré-adaptação e seu sucessor moderno não são
independentes. O suor passa a cheirar, e isso acontece a ser secretada quando o animal é
emocionalmente excitado (as pessoas são popularmente lupposed a suar com medo, e eu
sei que eu faço quando uma importante palestra não vai acordo com o plano). Por isso,
era natural que o antigo pré-adaptação à mudança em seu homólogo especializada.

Às vezes não é óbvio o que veio primeiro - que é o pré-idaptation cedo e que a
especialização mais tarde. Darwin, perguntando sobre Tihe origem evolutiva do
pulmão, procurou uma resposta na bexiga natatória de peixes. Esta é uma bexiga cheia
de gás, cuja utilização peixes ósseos para controlar sua flutuabilidade no princípio do
mergulhador cartesiano (aqueles pequenos homens em garrafas que podem ser feitas
para afundar ou subir por meio de uma leve pressão sobre a cortiça). Ao usar os
músculos para ajustar o volume da sua bexiga natatória, um peixe é capaz de mudar a
profundidade em que ele pode descansar em equilíbrio. {95} Isto aplica-se apenas aos
peixes ósseos comum. Sharks (que, apesar de sua forma de peixe, são realmente mais
distantemente relacionados com peixes ósseos do que nós) não têm bexigas natatórias e,
consequentemente, têm de fazer mais trabalho de natação para manter-se no seu nível
desejado na água. A bexiga natatória olha como um pulmão, e Darwin pensava que ela
poderia ser a pré-adaptação a partir do qual nossos pulmões evoluiu. zoólogos modernos
principalmente reverter este cavalo particular e carrinho, suspeitando que a bexiga
natatória é uma modificação recente de um pulmão primitivo (peixes que respiram ar
são bastante comuns, até hoje). Seja qual for o mais primitivo, precisamos pensar sobre
o que, mesmo antes, a precedeu. Talvez a bexiga pulmão / nadar surgiu a partir de uma
bolsa do intestino e tinha uma função digestiva primitivo. Em todas as fases da sua
evolução, a cada passo até as encostas do Monte Improvável, a bolsa / cavidade /
pulmão teve de ser útil para o animal que suportou.

Não foi possível a tromba de elefante ter atirado em uma única etapa, gigante? Por que
não uma prole tiveram um tronco como um elefante, enquanto os seus pais tinham
troncos como antas? Há realmente três perguntas aqui. Primeiro, a questão de saber se
as mutações de grande magnitude - macro-mutações - pode acontecer. Em segundo
lugar, a questão de saber se, tendo em conta que eles acontecem, a seleção natural
jamais iria favorecê-los. Em terceiro lugar é uma questão mais sutil sobre o que
queremos dizer com grande, quando falamos de grande mudança mutacional. Vou
voltar a uma distinção que eu fiz em um livro anterior, entre "Boeing 747 macro-
mutações" e "esticada DC8 macro-mutações".
A resposta à primeira das três pergunta é sim. Macro-mutações acontecem. Offspring
são por vezes nascido radicalmente, monstruosamente diferente de qualquer dos pais e
de outros membros da espécie. O sapo na Figura 3.2 é dito pelo fotógrafo, Scott
Gardner do Hamilton Spectator, ter sido encontrado por duas meninas em seu jardim
em Hamilton, Ontário. Ele diz que eles colocá-lo na mesa da cozinha para ele para
fotografar. Ela não tinha olhos em todos do lado de fora da sua cabeça. Quando se abriu
a sua boca, o Sr. Gardner disse, parecia tornar-se mais consciente de seus arredores. Ele
disse que foi levado para exame ao Departamento da Universidade de Guelph
Veterinária, mas eu não tenho descoberto até agora qualquer relatório completo sobre
ele. Tais aberrações infelizes são interessantes porque muitas vezes nos dar pistas {96}

Figura 3.2 Macro-mutações acontecem. Este sapo anormal com os olhos no céu da boca
é dito ter sido encontrados sobreviventes selvagem em um jardim canadense. Esta
fotografia foi originalmente publicado em um jornal local, The Hamilton Spectator.

sobre como o desenvolvimento embrionário acontece normalmente. Nem todos os


defeitos de nascença são genéticos humanos, por exemplo, aquelas causadas por
talidomida, mas muitos são. Um gene dominante simples faz com acondroplasia, um
ihortening seyere dos ossos dos membros, resultando em baixa estatura e proporções
incomuns. As mutações de grande efeito como este - "macro-mutações" - às vezes são
chamados saltations. O gene acondroplasia geralmente é herdado de um dos pais, mas
muito ocasionalmente surge ipontaneously por mutação, e é assim que deve surgir
originalmente. Uma mutação dramática limilarly poderia, em teoria, embora eu duvido
muito na prática, têm dado origem a uma extensão nariz abrupta e repentina de
comprimento anta ao comprimento elefante em uma única geração.

Chegando à segunda questão, de saber se, uma vez que um grande 'aberração' piacro-
mutação tinha surgido, a seleção natural jamais iria favorecê-lo, você pight acho que
não é o tipo de pergunta que tem uma resposta geral. Não que variam entre os casos
particulares, diga, sim para a acondroplasia, {97} não para bezerros de duas cabeças? O
cão equivalente do gene achondro-plasia tem de facto sido favorecido positivamente na
seleção artificial por criadores humanos, não apenas para atender caprichos ociosas, mas
para produzir cães úteis, de trabalho. Dachshunds foram criados para ir para baixo
conjuntos de texugo, e uma parte significativa da escultura genética que levou à raça foi
a incorporação do gene acondroplasia. Talvez às vezes acontece na natureza que as
grandes mutações, como acondroplasia, de repente abrir um novo modo de vida ou uma
nova dieta: um animal anão, embora fortemente penalizado ao perseguir rapina sobre
campo aberto, de repente descobre que, ao contrário da maioria de seus colegas, ele
pode seguir a presa em um buraco.

Teóricos da evolução sugeriram algumas vezes que as grandes saltations são


incorporados mudança evolutiva na natureza. O famoso geneticista alemão-americano
Richard Goldschmidt defendia a teoria sob o slogan memorável da teoria "monstro
esperançoso". Vou citar um exemplo possível no Capítulo 7. Mas a teoria de
Goldschmidt nunca foi amplamente apoiada, e há razões gerais para duvidar se macro-
mutações ou aberrações realmente são importantes na evolução. Os organismos são
peças extremamente complicadas e com sensibilidade ajustada de máquinas. Se você
pegar um pedaço complicado de máquinas, mesmo aquele que não está funcionando tão
bem, e fazer uma alteração muito grande, aleatório para o seu interior, a chance de que
você vai melhorá-lo é realmente muito baixo. Se, por outro lado, você faz uma pequena
alteração aleatória para o seu interior, você pode melhorá-lo. Se a sua antena de
televisão (antena) não está muito apropriadamente alinhados, muito leve torção
aleatório para a antena tem cerca de um 50-50 chance de melhorar as coisas. Isto
porque, qualquer direção que a antena deve estar apontando em, há um 50 por cento de
chance de que o seu toque aleatório ligeira será nessa direção. Mas um grande assalto
aleatório no aéreo, arrancando-redonda violentamente através de uma muito grande
ângulo, é mais provável para piorar a situação. Isto é em parte porque, mesmo se o seu
toque é na direção certa, ele provavelmente irá ultrapassar o ângulo correto. Mais
geralmente, é porque existem tantas outras maneiras de ser indevidamente ajustado do
que de ser ajustado corretamente. Um mecanismo complicado que está a trabalhar {98}
em tudo não pode ser muito longe de ajuste correto. Uma pequena mudança aleatória
pode melhorá-lo; ou, se torna as coisas piores, ele ainda não movê-lo muito longe do
arranjo correto. Mas uma grande mudança aleatória tem o efeito de amostragem do
conjunto gigantesco de todos os arranjos possíveis. E a grande maioria de todos os
arranjos possíveis estão errados.

Mesmo a experiência comum que uma máquina que está em um piscar muitas vezes
pode ser melhorada através de um bom pontapé não contradiz o meu argumento.
Violenta, embora o pontapé pode ser, o aparelho de televisão é uma peça robusta de
hardware e o chute não necessariamente tem um grande efeito sobre a disposição das
peças. O que pode fazer é mudar um pouco a posição de qualquer parte que é um pouco
frouxa; e esta parte solta é bastante provável que seja a própria parte que está causando
o comportamento defeituoso. *

Virando-se para os seres vivos, eu escrevi em O Relojoeiro Cego, que no entanto muitas
maneiras pode haver de estar vivo, é certo que há muito mais maneiras de estar morto.
(Eu seria desumano não confessar o meu prazer que esta observação tem conseguiu
entrar no Dicionário Oxford de Citações) Se você pensar em todas as formas possíveis
de organizar os bits de um animal, quase todos eles viria a ser morto!; com mais
precisão que tinham na sua maioria não nascer. Cada espécie de animal e vegetal é uma
ilha de trabalhabilidade situado num vasto mar de arranjos possíveis maioria dos quais
seria, se eles nunca veio à existência, morrer. O oceano de todos os animais possíveis
inclui animais com os olhos na sola dos seus pés, animais com lentes em seus ouvidos
em vez de seus olhos, animais com uma asa esquerda e um fin direita; animais com
crânios em torno de seus estômagos e nada em torno de seus cérebros. Não há nenhum
ponto em ir inventando. Já disse o suficiente para demonstrar que as ilhas de
sobrevivência, no entanto grandes e no entanto numerosos que sejam, são {99}
minúsculo em tamanho e em número infinitesimal quando comparado com o oceano de
inviabilidade mortos.

Quando um pai tem uma criança mutante, o pai, estar vivo, deve ser acomodado com
segurança em uma das ilhas. Uma pequena mutação - um alongamento fracionária de
um pé-osso aqui, um ajuste delicado a um ângulo da mandíbula lá - simplesmente move
a criança a uma parte diferente da mesma ilha. Ou pode recuperar um pequeno banco de
areia no mar e juntá-lo à terra seca.Mas uma grande mutação, uma drástica, freakish,
mudança revolucionária, é equivalente a um salto louco na imensidão azul. A macro-
mutante é catapultado para uma direção aleatória, léguas de distância da sua ilha natal.
É apenas possível que ele vai chance de pousar em outra ilha. Mas desde que as ilhas
são tão poucos e pequenos, e o mar tão grande, as chances são muito, muito baixo. Pode
acontecer muito ocasionalmente uma vez a cada poucos milhões de anos, e quando isso
acontece ele pode ter um impacto dramático sobre o curso da evolução.

Nós não deve empurrar a metáfora das ilhas longe demais. Há muito errado com ele.
Todas as espécies são relacionados uns aos outros, o que significa que deve haver
maneiras de viajar, através do oceano de possibilidades, a partir de qualquer uma das
formas de estar vivo para todos os outros. A metáfora das ilhas não nos ajuda aqui, e a
metáfora do Monte Improvável é melhor. As ilhas servir o objectivo específico de
dramatizar o ponto que quanto mais drástica e bizarro da mutação a menos provável é
ser favorecido.

Precisamos também de distinguir diferentes tipos de macro-mutação. Ao invocar


animais imaginários com os olhos em suas solas e lentes em seus ouvidos, me
concentrei a atenção sobre mudanças no arranjo das partes. Grandes mudanças deste
tipo são certamente muito improvável, na verdade, Lucky Strike e sobreviver. Mas
também há grandes mudanças na intensidade de uma parte, que não envolvem
rearranjos de peças. Um tiroteio súbita fora de um nariz de tapir semelhante a uma
tromba de elefante-como seria um exemplo, se o alongamento eram tudo o que
aconteceu. É menos óbvio que uma mudança drástica deste tipo constitui
necessariamente um salto para o oceano de inviabilidade ou morte.
Prometi que eu ia voltar a 'Boeing 747' e macro mutações 'DC8 esticada ". Lembre-se
ponto de debate de Sir Fred Hoyle sobre{100} ferros-velhos e 747? Ele é relatado para
ter dito que a evolução, por seleção natural, de uma estrutura complicada como uma
molécula de proteína (ou, implicitamente, um olho ou um coração) é tão provável
quanto um furacão de ter a sorte de montar um Boeing 747 quando girando através de
um ferro-velho. Se ele tivesse dito 'acaso' em vez de 'seleção natural' ele teria tido razão.
Na verdade, me arrependi de ter de expô-lo como um dos muitos trabalhadores sob o
profundo equívoco de que a seleção natural é acaso. Qualquer teoria que espera
evolução para montar uma máquina nova, complexa como um olho ou uma molécula de
hemoglobina, em uma única etapa a partir do nada, é pedir demais de azar. Nesta teoria,
a seleção natural tem quase nenhum trabalho a fazer. Todo o trabalho de 'design' está
sendo posto em por mutação, uma única mutação de grande porte. É este tipo de macro-
mutação que merece a metáfora do 747 e do ferro-velho, e eu chamá-lo de um Boeing
747 macro-mutação. Boeing 747 macro-mutações não existem e que eles não têm
ligação com o darwinismo.

Virando-se para a minha outra analogia avião, o DC8 esticada é como um DC8 comum
só vez por mais tempo. A concepção fundamental do DC8 é tudo o que há, mas um
comprimento extra de tubo foi deixado no meio da fuselagem. Há também mais lugares,
mais armários bagagem e mais de todas as outras coisas que se repetem ao longo do
comprimento de um avião. Igualmente, obviamente, há um esforço adicional dos cabos,
tubos e tapetes que correm o comprimento da fuselagem de um avião. Um pouco
menos, obviamente, há certamente deve ser numerosas modificações decorrem de outras
partes do avião, necessárias em consequência da nova tarefa de levantar um maior
comprimento da fuselagem do chão. Mas, fundamentalmente, a diferença entre o DC8 e
DC8 esticada se resume a um formigamento macro-mutação: a fuselagem é
abruptamente e de repente muito mais tempo do que seu antecessor. Não havia uma
série gradual de intermediários.

Girafas têm evoluído de um ancestral em vez como um okapi moderna (Figura 3.3). A
alteração mais notável é o prolongamento do pescoço. Isso poderia ter surgido em um
único grande mutação,? Apresso-me a dizer que eu tenho certeza que isso não
aconteceu. Mas isso é outra questão de dizer que não podia. Um Boeing 747 mutação
como um novo complexo {101}
Figura 3.3 Passos para um pescoço longo. Okapi, Okapia jobnstoni , que pode ser
semelhante a um antepassado de girafas modernos, com girafa, Giraffa camelopardalis
reticulata. {102}

olho - completa com diafragma de íris e lente refocusable, surgindo do nada, como
Pallas Athene da testa de Zeus - que pode não acontecer, não em um bilhão de bilhões
de anos. Mas, como o alongamento do DC8, o pescoço da girafa poderia ter surgido em
uma única etapa muta-cional (embora eu aposto que ele não o fez). Qual é a
diferença?Não é que o pescoço é visivelmente menos complicado do que o olho. Por
tudo que eu sei que pode ser mais complicado. N, o que interessa é a complexidade da
diferença entre o pescoço anterior e a posterior. Esta diferença é pequena, pelo menos
quando comparada com a diferença entre nenhum olho e um olho moderno. O pescoço
da girafa tem a mesma complicado arranjo de peças como o okapi (e presumivelmente
como as girafas possui ancestral de pescoço curto). Não é a mesma sequência de sete
vértebras, cada um com seus vasos sanguíneos associados, nervos, ligamentos e blocos
de músculo. A diferença é que cada vértebra é muito mais tempo, e todas as suas peças
associadas são esticados ou espaçadas em proporção.

O ponto é que você só pode ter que mudar uma coisa no embrião em desenvolvimento,
a fim de quadruplicar o comprimento do pescoço. Digamos que você só tem que alterar
a taxa à qual os primórdios vertebrais crescer, e tudo o resto segue. Mas, a fim de fazer
um olho desenvolver a partir de pele nua você tem que mudar, e não uma taxa, mas
centenas (ver Capítulo 5). Se um okapi mutado para produzir o pescoço da girafa seria
um DC8 macro-mutação esticada, e não um macro-mutação 747. É, por conseguinte,
uma possibilidade que não necessita de ser totalmente excluída. Nada de novo é
adicionado, na forma de complicação. A fuselagem é alongado, com tudo que isso
implica, mas é um estiramento da complexidade existente, não uma introdução da nova
complexidade. O mesmo seria verdadeiro mesmo se a girafa tinha mais de sete
segmentos em seu pescoço. O número de vértebras em diferentes espécies de cobras
varia de cerca de 200 a 350. Uma vez que todas as cobras são primos uns dos outros, e
Miice vértebras não pode vir em metades ou quartos, este deve significar que, de vez em
quando, uma cobra nasce com pelo menos mais um, ou um a menos, vértebra do que
seus pais. Estas mutações merecem ser chamados macro-mutações, e eles foram
evidentemente incorporada evolução iti porque existem todas essas cobras. Eles são
mutações DC8 porque envolvem a duplicação de complexidade existente, não a 747
invenção da nova complexidade. {103}

Não é uma coisa que pode vir ao auxílio evolutiva da aberração macro-mutante, ou seja,
o facto de o efeito de um determinado gene depende de outros genes que estão presentes
no mesmo corpo. O efeito de um gene num organismo, o seu chamado efeito fenotípico,
não é gravado na sua superfície. Não há nada no código de DNA do gene Achon-
droplasia que um biólogo molecular poderia decodificar como 'curta' ou 'anão. Ele tem o
efeito de tornar membros curtos apenas quando cercado por muitos outros genes, para
não falar de outras características do meio ambiente. significado de um gene é
dependente do contexto. O embrião desenvolve num clima produzida por todos os
genes. O efeito que qualquer um gene tem sobre o embrião depende do resto do clima.
RA Fisher, com quem eu já citado, expressou isso há muito tempo, dizendo que alguns
genes agem como 'modificadores' dos efeitos dos outros. Observe que isso não significa
genes modificar o código do DNA dos outros. Certamente não. Modificadores
simplesmente mudar o clima, de tal maneira como para modificar os efeitos de outros
genes sobre os corpos, e não a sequência de ADN dos outros genes.

Como vimos, não é (muito) totalmente inconcebível que um pai com uma criança de
seis polegadas, tromba de anta-como poderia ter produzido uma criança mutante com
uma tromba de elefante-like cinco pés em uma única geração, devido a um mudança
gene-- um macro-mutação. É muito improvável que o novo nariz imediatamente se
comportar como um bom, tronco trabalhando. Isto é onde genes 'modificador', e a noção
de um "clima" de outros genes, poderia, teoricamente, vir para o resgate. Enquanto a
macro-mutação é, pelo menos, cerca de bom para alguma coisa, de modo que os
indivíduos possuí-lo não morrer, após a seleção de genes modificadores pode limpar os
detalhes e suavizar os cantos irregulares. Pense o advento para a população da grande
mutação como equivalente a um desafio cataclísmico, como uma era glacial. Assim
como uma nova era do gelo faz com que todo um conjunto de genes a ser selecionado,
assim também faz uma mudança muta-cional drástica para o corpo médio, como um
alongamento súbita do nariz.

Os genes que 'limpar' na sequência de um novo grande mutação não funcionam apenas
em efeitos mais óbvios a maior do gene. Eles podem agir em alguma parte
inesperadamente distante do corpo para compensar, atenuar os efeitos nefastos de, ou
melhorar os possíveis benefícios de, um dos principais {104} mutação. Na esteira de um
nariz muito alargada, uma vez que o tronco aumenta o peso da cabeça, os ossos do
pescoço terá de ser reforçada. O equilíbrio de todo o corpo pode mudar, com mais
efeitos em cadeia, talvez na espinha dorsal ea pelve. Tudo isto selecção consequente
trabalha sobre dezenas de genes que afetam muitas partes diferentes do corpo.

Embora eu introduziu a ideia de 'limpeza depois' no contexto de grandes macro-


mutações, este tipo de seleção é certamente importante na evolução ou não existem
quaisquer medidas macro-muta-cionais. Mesmo micro-mutações despertam
consequências de tal forma que 'limpeza depois' é altamente desejável. Qualquer gene
pode actuar como um modificador dos efeitos de qualquer outro. Muitos genes
modificar os efeitos de cada um. Algumas autoridades iria tão longe a ponto de dizer
que, desses genes que têm algum efeito (lotes não), a maioria dos genes modificar os
efeitos da maioria dos outros "genes. Este é outro aspecto que eu quis dizer quando eu
disse que o "clima" em que um gene tem de sobreviver é composto em grande parte dos
outros genes da espécie.

Correndo o risco de passar mais tempo em macro-mutações do que merecem, continua a


haver uma possível fonte de confusão que deve antecipar. Há um habilmente
divulgadas, e não desinteressante, a teoria conhecida como "equilíbrio pontuado". Para
entrar em detalhes me levaria além do escopo deste livro. Mas, porque a teoria é
fortemente promovido e muito mal compreendido, devo apenas salientar que a teoria do
equilíbrio pontuado não tem - ou não deveria ser representado como tendo - nenhuma
conexão legítima com macro-mutação. A teoria propõe que as linhagens passar longos
períodos em estase, passando por nenhuma mudança evolutiva, pontuados por rajadas
ocasionais de mudança evolutiva que coincidem com o nascimento de uma nova
espécie. Mas, fapid que estas explosões podem ser, eles ainda são distribuídos por um
grande número de gerações, e eles ainda estão gradual. É justo que os intermediários
geralmente passam rápido demais para ser registrado como fósseis. Esta "pontuação
como gradualismo rápido 'é muito diferente da macro-mutação, que é a mudança
instantânea em uma única geração. A confusão surge em parte porque um dos dois
defensores da teoria, Stephen Gould (o outro é Niles Eldredge), também acontece de
forma independente para ter um fraquinho por certos tipos de macro-mutações, e ele
{105}, ocasionalmente, subestima a distinção entre o gradualismo rápido e verdadeiro
macro-mutação - não, apresso-me a acrescentar, milagrosa Boeing 747 macromutação.
Eldredge e Gould são justamente irritado com o mau uso de suas idéias por criacionistas
que, na minha terminologia, pensam que o equilíbrio pontuado é de cerca enormes, 747
do tipo macro-mutações que, eles têm razão para acreditar, exigiria milagres. Gould diz:

Desde que propusemos equilíbrio pontuado para explicar as tendências, é irritante para
ser citado novamente e novamente - seja por meio de desenho ou estupidez, eu não sei -
como admitir que o registro fóssil não inclui formas de transição. formas de transição
são geralmente falta ao nível de espécie, mas eles são abundantes entre os grupos
maiores.

Dr. Gould iria diminuir o risco de tal mal-entendido se ele enfatizou de forma mais clara
a distinção radical entre o gradualismo rápido e saltação (ie macro-mutação).
Dependendo da sua definição, a teoria do equilíbrio pontuado ou é modesto e
possivelmente verdadeira ou é revolucionária e provavelmente falsas. Se você borrar a
distinção entre o gradualismo rápido e saltação você pode fazer a teoria de pontuação
parecem mais radical. Mas, ao mesmo tempo que oferece um convite aberto a mal-
entendidos, um convite que os criacionistas não são lentos para pegar.

Há uma razão extremamente banal por formas de transição são geralmente falta ao nível
da espécie. Eu posso explicar isso melhor com uma analogia. Crianças transformar
gradualmente e de forma contínua para adultos, mas, para efeitos legais, a maioridade é
levado para ser um especial aniversário, muitas vezes, o XVIII. Por isso, seria possível
dizer: 'Há 55 milhões de pessoas na Grã-Bretanha, mas nem um único deles é
intermediário entre não-eleitores e eleitores. " Assim como, para efeitos legais, um
jovem se transforma em um eleitor como greves meia-noite do décimo oitavo
aniversário, por isso, zoólogos sempre insistem em classificar um espécime como em
uma espécie ou outra. Se um espécime é intermediária na forma real (como muitos
estão) convenções legalistas 'zoólogos ainda forçá-los a saltar uma forma ou de outra ao
nomear ele. Portanto a afirmação dos criacionistas que não existem intermediários tem
que ser verdade, por definição, em nível de espécie, mas {106} que não tem incidência
sobre o mundo real - apenas implicações sobre convenções de nomenclatura 'zoólogos.

Olhar mais longe do que a nossa ancestralidade, a transição do Australopithecus ao


Homo habilis ao Homo erectus ao Homo sapiens arcaico 'para' moderno Homo sapiens
'é tão suavemente gradual que especialistas em fósseis são continuamente disputas sobre
como classificar fósseis particulares. Agora olhe para o seguinte, a partir de um livro de
propaganda anti-evolução: "as descobertas têm sido referidos, quer Australopithecus e,
portanto, são macacos, ou Homo e, portanto, são humanos. Apesar de mais de um
século de escavação enérgico e intenso debate o caso de vidro reservado para mankinds
ancestral hipotética permanece vazio. O elo perdido ainda está faltando. " Fica-se
imaginando o que um fóssil tem que fazer para se qualificar como um intermediário. Na
verdade, a declaração citada está dizendo nada sobre o mundo real. Ele está dizendo
algo (bastante aborrecido) sobre convenções de nomenclatura. No 'elo perdido', no
entanto, precisamente intermediário que fosse, poderia escapar da força terminológica
maior que empurrou-o um lado da divisão ou o outro. A maneira correta de olhar para
os intermediários é esquecer a nomeação de fósseis e procurar, em vez disso, na sua
forma e tamanho real. Quando você faz isso, você acha que o registro fóssil é abundante
em transições bem graduais, embora existam algumas lacunas também - alguns muito
grande e aceita, por todos, como devido aos animais simplesmente não ter fossilizar. De
certa forma, os nossos procedimentos de nomeação são configurados para uma idade
pré-evolutiva, quando se divide eram tudo e nós não esperava encontrar intermediários.

Nós demos uma olhada preliminar no monte Improvável e viu a diferença entre as
falésias que proíbem de um lado e pistas de perdoar, por outro. Os próximos dois
capítulos olhar cuidadosamente para dois dos picos die amados dos criacionistas,
porque os seus penhascos parecem particularmente itcep: primeiras asas ( 'o que é o uso
de metade de uma asa') e, em seguida olhos ( "o olho não irá funcionar em todos os até
todas as suas muitas peças estão no lugar, portanto, não pode ter evoluído gradualmente
'). {107}

<< >>

CAPÍTULO 4
T O FLY por tanto tempo foi um sonho IMPOSSÍVEL da humanidade e, quando nós
alcançá-lo, nós, fazê-lo com tanta dificuldade que é fácil exagerar o quão difícil é. Voar
é uma segunda natureza para a maioria das espécies animais. Para modificar um
aforismo do meu colega Robert May, numa primeira aproximação todas as espécies
animais voar. Isto é principalmente porque, como ele realmente disse, em uma primeira
aproximação todas as espécies são insetos. Mas, mesmo se tomarmos apenas os
vertebrados de sangue quente ainda é correto dizer que mais da metade das espécies de
voar: há o dobro de muitas espécies de aves como mamíferos, e um quarto de todas as
espécies de mamíferos são morcegos. Voar parece formidável para nós, principalmente
porque somos grandes animais. Há alguns maior do que nós, como elefantes e
rinocerontes e estamos naturalmente muito consciente deles, mas para uma primeira
aproximação todos os animais são menores do que nós (Figura 4.1).

Se você é um animal muito pequeno, a conquista do ar não é problema. Quando você


está muito pequeno, o desafio mais difícil pode ser a de ficar no chão. Esta diferença,
entre animais grandes e pequenos, decorre alguns princípios incontornáveis da física.

Para objectos de uma determinada forma, peso aumenta de forma desproporcionada


com (especificamente como a terceira força da) de comprimento. Se um ovo de avestruz
é três vezes mais longo que um ovo de galinha da mesma forma, não será de três vezes
o peso, mas 3 x 3 x 3, ou vinte e sete vezes o peso. Até que você está acostumado a ele,
isso pode ser bastante um pensamento prender. Se o ovo de uma galinha é café da
manhã para um homem, um ovo de avestruz é de pequeno-almoço para uma {108} de
vinte e sete homem pelotão. Volume, e, portanto, o peso, sobe como a terceira potência
(cubo) da dimensão linear. área de superfície, por outro lado, vai-se como a segunda
potência (quadrado) da dimensão linear. É mais fácil de demonstrar isso com caixas
cúbicas, mas a regra se aplica a todas as formas.
Figura 4.1 seres vivos variam em tamanho ao longo de cerca de oito ordens de
magnitude. Para ajudar a classificar a variação para fora, tempo de geração é
representada em função size (que estão fortemente correlacionados, por razões não
discutidos aqui). Ambos os eixos são desenhados em uma fcale logarítmica, caso
contrário, papel 1.000 milhas através seria necessário para acomodar uma árvore de
pau-brasil na mesma escala como uma bactéria. {109}

Imagine uma caixa de cúbica grande. Como muitos menores caixas de exatamente
metade do tamanho da borda você poderia caber nele? Você pode ver rapidamente,
esboçando as caixas, que a resposta é oito. A grande caixa pode conter nem duas tantas
maçãs como uma das caixas menores, mas oito vezes o número de maçãs; Não o dobro
de latas de tinta, mas oito vezes como muitos podem ser encaixotados na caixa. Mas se
você quer pintar a superfície da caixa grande, quanto mais tinta que você precisa do que
para pintar a parte externa de uma caixa pequena? Mais uma vez, você pode
rapidamente verificar por esboçar a cena que a resposta é nem duas vezes, nem oito
vezes, mas quatro vezes mais tinta.

A diferença entre área de superfície e volume de torna-se mais dramática quando se olha
para objetos de tamanho muito diferente. Suponha que um match-fabricante, para fins
publicitários, constrói uma caixa de fósforos tamanho de um homem, dois metros de
altura quando deitado no chão. Uma caixa de fósforos padrão é dois centímetros de
altura por isso uma pilha de 100 caixas de fósforos só iria chegar a altura da caixa. Uma
linha de 100 caixas de fósforos seria apenas esticar a partir de uma extremidade da caixa
para o outro. E uma fileira de 100 caixas de fósforos que abrangem a largura. Então, se
você encheu a caixa com caixas de fósforos, quantos seria segurar? A resposta é 100 ×
100 × 100 ou um milhão. Em certo sentido, a caixa é apenas a 100 vezes maior do que
uma caixa de fósforos comum, e um olho humano ingênuo pode estimar que é cerca de
100 vezes maior. No entanto, em outro sentido, é um milhão de vezes tão grande, e que
irá realizar, pelo menos, um milhão de vezes mais partidas (na verdade mais, porque
relativamente menos espaço é ocupado por cartão).

Se assumirmos que a caixa de fósforos gigante é feito do mesmo tipo de cartão como
uma pequena caixa de fósforos comum, que é o custo relativo do papelão? Isto depende,
não no volume, nem sobre as dimensões lineares, mas na área da superfície. A caixa
gigante seria necessário, não um milhão de vezes mais de papelão, mas somente 10.000
vezes mais. A área da superfície do padrão, pequena caixa de fósforos é bastante maior
do que o seu peso para a área de superfície da caixa de fósforos gigante. Se você cortar
uma pequena caixa de fósforos, você só podia simplesmente encher o papelão dobrado
em outra pequena caixa de fósforos. Mas se você cortar a nossa caixa de fósforos
gigante, o papelão dobrado dificilmente seria notado que revestem a parte inferior de
uma outra caixa de fósforos gigante. A proporção entre a área superficial e o volume é
uma quantidade muito importante. Para cada cubagem do volume, área de superfície é
{110} meramente quadrado. Pode expressar este matematicamente como a afirmação de
que, se a forma for uniformemente expandido, a proporção de área superficial para
volume aumenta como o poder de comprimento de dois terços. A razão entre superfície
e volume é maior para objectos pequenos do que para os objectos de grandes
dimensões. Pequenos objetos são mais 'surfacy' do que as grandes objetos da mesma
forma.

Agora, algumas coisas importantes na vida depende da área de superfície, outras coisas
importantes depender do volume, outras coisas importantes dependem da dimensão
linear, e ainda outras coisas importantes dependem de várias combinações dos três.
Imagine um hipopótamo perfeitamente em escala reduzida, do tamanho de uma pulga.
A altura (ou comprimento ou largura) do hipopótamo real é, talvez, mil vezes a da
pulga-hipopótamo. O peso do hipopótamo é, em seguida, um bilhão de vezes a do
pulga-hipopótamo. A área da superfície do hipopótamo é um mero milhão de vezes que
da pulga-hipopótamo. Assim, a pulga-hipopótamo tem 1.000 vezes maior área de
superfície para o seu peso do que o grande hipopótamo. Parece que o senso comum
dizer que um hipopótamo em miniatura em escala reduzida será mais fácil para flutuar
na brisa de um hipopótamo em tamanho real, mas às vezes é importante ver o que está
por trás do senso comum.

É claro que grandes animais nunca são apenas versões em escala-up de pequenos
animais, e agora podemos ver o porquê. A selecção natural não permite que eles sejam
simplesmente ampliados, porque precisam para compensar tais coisas como a alteração
na proporção de área de superfície para volume. O hipopótamo teria cerca de um bilhão
de vezes mais células como o hipopótamo-pulga, mas apenas cerca de um milhão de
vezes mais células da pele em sua superfície exterior. Cada célula precisa de oxigênio e
alimentos e precisa se livrar de resíduos de produtos, de modo que o hipopótamo teria
cerca de um bilhão de vezes mais material para passar para dentro e para fora de si
mesmo. A pulga-hipopótamo poderia usar sua pele exterior como uma parte
significativa da superfície sobre a qual oxigênio e resíduos de produtos passar. Mas a
pele exterior do hipopótamo em tamanho real é, relativamente, tão pequeno que precisa
de aumentar a sua área de superfície, muito substancialmente, a fim de lidar com a sua
bilhões de vezes maior população de células. Isso faz com um intestino longo dobrado,
com os pulmões e rins esponjosos micro-tubular, toda a irrigados por uma rede
dividida-re maciçamente dividida e dos vasos sanguíneos. O resultado é que a superfície
interna de um animal de grande porte é espectacularmente mais do que a área da sua
pele exterior. O ftnaller um animal é, menos ele precisa pulmões ou guelras ou sangue
{111} navios: a superfície exterior do corpo tem uma grande área suficiente para
aguentar, sem ajuda, com a entrada - tráfego das suas relativamente poucas células
internas de saída. Uma maneira menos precisa colocar isto é dizer que um pequeno
animal tem uma maior proporção de suas células em contacto com o mundo exterior.
Um animal grande como um hipopótamo tem uma pequena proporção tão grande de
suas células em contacto com o mundo exterior que tem que aumentar essa proporção
com dispositivos de área intensivo, como pulmões, rins e capilares sanguíneos.

A taxa a que as substâncias podem passar para dentro e para fora de um corpo depende
da área, mas não é a única coisa que faz importante. Assim também a tendência a pegar
o ar e flutuam. A pulga-hipopótamo seria levantada pelo sopro leve do vento. Pode ser
realizado no alto de uma térmica e, em seguida, flutuar delicadamente de volta à terra
onde ele iria pousar suavemente e sem lesão. O verdadeiro hipopótamo, em caso de
queda da mesma altura, iria despencar para uma terrível pouso forçado; e se deixado
cair de uma escalado-up altura proporcional seria cavar a sua própria sepultura. Para o
hipopótamo real, voar é um sonho impossível. A pulga-hipopótamo dificilmente seria
capaz de ajudar a voar se ele tentasse. Para fazer com que uma mosca hipopótamo real,
você teria que tira um par de asas sobre ele tão grande que ... bem, o projeto está
condenado desde o início porque a massa do músculo necessária para alimentar essas
asas gigantes seria demasiado pesado para as asas para levantar. Se você queria fazer
um animal voador, você não iria começar com um hipopótamo.

O ponto é que, se um animal de grande porte vai sair do chão tem a crescer grandes asas
de área intensivo, para o mesmo tipo de razão como qualquer animal de grande porte
precisa de rins e pulmões rica de superfície. Mas para um pequeno animal a sair do chão
quase não tem de crescer nada. todo o seu corpo já é rico em superfície. Há um assim
chamado plâncton aéreo, que consiste de milhões de pequenos insectos e outras
criaturas flutuantes no ar e espalham por todo o mundo. Muitos deles, com certeza, tem
asas. Mas o plâncton aéreo também contém inúmeras pequenas criaturas sem asas que
flutuam, apesar de não ter superfícies aerofólio especializados. Eles flutuam
simplesmente porque eles são pequenos, e uma muito pequena de animais encontra
flutuando no ar tão fácil quanto encontramos flutuando na água. De fato, a comparação
vai mais longe, pois mesmo quando um pequeno inseto flutuante tem asas ele bate-los
não tanto para manter-se como a "nadar" através do ar. A razão 'nadar' é uma palavra
apropriada é {112} que outras coisas estranhas acontecem quando são muito pequenas.
Nessa escala, tensão superficial é uma força tão importante que, para um pequeno
inseto, o ar iria sentir toda treacly. Batendo suas asas deve sentir-se, a um pequeno
inseto, sim como natação através de xarope seria a sensação de nós.

Você pode se perguntar o que é o uso de flutuar sem a capacidade de controlar a altura
ou dirigir. Não vou entrar em detalhes, mas dispersão por si só pode ser uma virtude nos
olhos de genes, especialmente para uma criatura que é basicamente sedentário. Isto
aplica-se a fortiori às plantas: qualquer pedaço de terra se torna inabitável de vez em
quando, digamos, quando há um incêndio florestal ou uma inundação. Para uma planta
que precisa de muita luz solar, todo o chão da floresta é inabitável, exceto em intervalos
quando uma árvore cai e quebra a sombra. Em geral, qualquer animal ou planta vai ser
descendente de antepassados que viveram em outro lugar e que são susceptíveis de
conter genes para tomar medidas para dispersar algum lugar - em qualquer lugar - outra
coisa. É por isso que as sementes de dente de leão tem puffs felpudo. É por isso que
rebarbas tem ganchos para furá-los na pele animal. É por isso que muitos insetos deriva
no exterior no plâncton aérea e chover em terreno desconhecido.

A facilidade com que pequenos animais pode flutuar sugere que só temos de assumir
que o vôo evoluiu originalmente em pequenos animais, e o pico de vôo do monte
Improvável imediatamente parece menos formidável. Muito pequenos insetos sem asas
flutuar em tudo. insetos ligeiramente maiores são ajudados por pequenos tocos de asas
para pegar a brisa, e nós nos encontramos em um puro rampa, raso Monte Improvável
às asas adequadas. Na verdade, ele pode não ter sido tão simples como isso, de acordo
com algumas pesquisas engenhosa por Joel Kingsolver e Mimi Koehl na Universidade
da Califórnia em Berkeley. Kingsolver e Koehl trabalhou na teoria de que as primeiras
asas de insecto foram pré-adaptada a uma finalidade completamente diferente, os
painéis solares para o aquecimento. Naqueles primeiros dias, é claro, eles não teriam
bateu. Eles teriam sido apenas pequenas projeções que crescem fora do tórax.

técnica de pesquisa de Kingsolver e Koehl era astuto. Eles fizeram modelos de madeira
simples, com base nos primeiros insetos fósseis conhecidos. Alguns de seus modelos
não tinham asas. Outros tinham topos asa de vários comprimentos, muitos deles muito
curta para ser reconhecível como asas ou para voar. O modelo de insetos próprios eram
de uma gama de {113} tamanhos diferentes e eles foram testados em um túnel de vento
para ver como aerody-namically eficiente que eram. Os modelos também teve pequenas
termômetros dentro deles, para ver como eles eram bons em pegar a luz solar artificial
de um projector brilhante.

De acordo com o que nós já discutimos, eles descobriram que realmente insetos
minúsculos flutuar bem o suficiente sem asas em tudo. O resultado ligeiramente
desconcertante do ponto de vista da minha simples rampa até o Monte Improvável foi
que, nesses tamanhos muito pequenos, pequenas asas não parecem ajudar a eficiência
aerodinâmica. Asas não forneceu elevador útil a menos que já de um comprimento
substancial eram. Para o modelo insetos dois centímetros de comprimento do corpo,
asas, enquanto um comprimento de corpo produzir sustentação significativa. Mas asas
de apenas vinte por cento do comprimento do corpo parecem não fazer nada para o
animal em tudo. Em face disto, isso parece um precipício no Monte Improvável, porque
parece chamar para uma única mutação grande para saltar as asas para um comprimento
substancial, de uma vez só. Não é um precipício muito formidável, no entanto, devido
ao seguinte par de fatos adicionais.

Em primeiro lugar, é apenas para muito pequenos insetos que você precisa
relativamente grandes topos asa para obter qualquer benefício aerodinâmico. Se o inseto
é um pouco maior, pequenos tocos asa dão algum elevador significativo. Aos dez
centímetros de comprimento do corpo, à medida que aumentar os canhotos asa,
gradualmente, a partir do nada, há um salto imediato em benefício aerodinâmico.

Para o nosso segundo fato complementar, nós reverter para muito pequenos modelos de
insetos. Aqui pequenos tocos asa se mostrou ter um benefício térmica imediata. Quando
pequenas asas tornam-se um pouco menos minúsculo, eles não fornecem sustentação
extra, mas eles se tornam melhores painéis solares. Parece que existe um gradiente
suave de melhoria no desempenho do painel solar, quando o corpo de insectos é muito
pequena. Um topos milímetros são melhores do que nada, dois tocos milímetros são
melhores do que um, e assim por diante. Mas o "e assim por diante 'não ir para sempre.
Além de um certo comprimento, a melhoria no desempenho de painéis solares caudas
off. Pode-se argumentar, portanto, que o gradiente de melhoria do painel solar, por si só,
pode não obter os tocos para comprimentos de onde a função aerodinâmica poderia
assumir. Mas Kingsolver e Koehl ter uma boa solução para isso. Uma vez que os
canhotos tinham evoluído em pequenas insetos por causa de sua vantagem de painéis
solares, alguns insetos evoluíram corpo maior {114} tamanho por um motivo bem
diferente. Não poderia haver qualquer número de razões: é muito comum para os
animais a evoluir tamanho maior do que o tempo passa. Talvez insetos maiores têm uma
vantagem, porque eles são menos propensos a ser comido. Se eles cresceram, ao longo
do tempo evolutivo, por qualquer motivo, pode-se presumir que os seus topos de painéis
solares teria crescido com eles, automaticamente. Agora, uma consequência deste
aumento de tamanho geral é que os insetos, canhotos e tudo, seria automaticamente
levado para a faixa de tamanho em que os benefícios aerodinâmicos poderia assumir e
continuar a pressão constante acima do monte improvável, embora acima de uma
inclinação diferente em relação a um pico diferente .

É difícil ter certeza de que os modelos em um túnel de vento representam realmente o


que se passou na era devoniana 400 milhões de anos atrás. Ele pode ou não ser verdade
que as asas de inseto começou como painéis solares e não eram qualquer bom para voar
até todo o corpo tornou-se maior por alguma outra razão. Pode ser que a física real era
diferente dos modelos ', e os recibos de crescimento eram cada vez mais bom para voar
desde o início. Mas a pesquisa de Kingsolver e Koehl detém uma lição muito
interessante para nós. Ela nos ensina uma maneira nova sutil, uma espécie de desvio
para o lado, por quais caminhos até Monte Improvável pode ser encontrada.

Para vertebrados evolução do voo foi provavelmente uma história diferente, porque eles
são na maior parte maior de qualquer maneira. vôo motorizado verdade tem evoluído de
forma independente em aves, morcegos (provavelmente separadamente em pelo menos
dois tipos diferentes de morcegos) e pterossauros. Uma possibilidade é que a verdadeira
voo surgiu do hábito de deslizar entre árvores, que muitos animais fazem, mesmo se
eles não chegam a voar. Há todo um mundo de vida nas copas das árvores. Nós
pensamos da floresta como se levantando do chão. Nós vê-lo do ponto de vista de
grande, pesado, animais desajeitados, terra-moradia, como nós escolhemos o nosso
caminho entre os troncos. Para nós, a floresta profunda é uma catedral cavernosa, escuro
com arcos e abóbadas que se estende a partir do solo para um teto verde remoto. Mas a
maioria dos habitantes da floresta vivem no dossel e ver a floresta a partir da
perspectiva oposta. Sua floresta é um vasto suavemente ondulado prado verde,
iluminado pelo sol que, embora eles dificilmente notará o fato, só acontece de ser
levantado sobre palafitas. Inúmeras espécies de animais vivem suas vidas inteiras neste
prado elevado. O prado é o lugar onde as folhas são, e as folhas estão lá, porque isso é
{115}, onde a luz do sol é, e a luz do sol é a fonte de energia final de toda a vida.

A paisagem não é literalmente ininterrupta. O prado aérea é marcada por buracos onde é
possível cair no chão: lacunas que precisam ser superadas. Em suas diferentes formas,
muitos tipos de animais estão bem equipados para saltar através de completamente
grandes lacunas. A diferença entre um salto bem sucedido e um fracassado poderia ser
uma questão de vida ou morte. Qualquer alteração na forma do corpo que tem o efeito
de alargar a gama pulando um pouco mais - por pouco - poderia muito bem ser uma
vantagem. A diferença entre um esquilo e um rato encontra-se principalmente na cauda.
A cauda não é uma asa; você não pode voar com ele. Mas é de penas com pêlos que lhe
dão uma grande área de superfície para apanhar o ar. Um rato com a cauda de um
esquilo, sem dúvida, ser capaz de saltar uma diferença maior do que um rato com a
cauda de um rato. E, se os ancestrais dos esquilos tinham caudas de rato como, haveria
uma rampa de melhoria contínua, tornando-se mais e mais penas, todo o caminho até a
cauda de um esquilo moderna.

Eu descrevi o rabo do esquilo como penas, mas a palavra é ainda mais adequada a um
totalmente alheios mamífero pequeno, o planador pigmeu (Figura 4.2). Este é um
marsupial, mais perto de gambás e cangurus do que ratos e esquilos. Ela vive no alto da
copa das florestas de eucaliptos australianos. A cauda não é, naturalmente, uma pena
verdadeira, que, com seu elaborado sistema de minúsculos ganchos e farpas, é
definitivamente uma invenção pássaro. Mas a cauda do planador pigmeu parece uma
pena e ele faz um trabalho semelhante a uma pena.

O planador pigmeu também tem uma aba de pele, que se estende do cotovelo ao joelho,
que é capaz de alargar o seu salto para uma descida deslizamento de sessenta pés. Uma
outra família de gambás australianos, os voadores pha-Langers, desenvolveu o retalho
de pele ainda mais. Na maior planador, a membrana ainda só atinge o cotovelo, mas
pode, no entanto, deslizar até 300 pés, e mudar de direção através de até 90 °. O
planador de barriga amarela é ainda mais realizado no ar. Sua membrana deslizando
alcança de pulsos aos tornozelos, assim como a do planador do açúcar, e o planador
esquilo maior.

Quase idênticos na aparência superficial, embora totalmente independentes, não são o


gigante esquilo vermelho voando das florestas do Extremo Oriente, e {116}
Figura 4.2
Feathertail
planador,
Acrobates
pygmaeus,
um marsupial do
Austrália.

o esquilo voador norte da América do Norte. Estas são as verdadeiras esquilos -


roedores -, mas, como o mais extremo dos planadores marsupiais, eles têm abas de pele
que se estende desde os pulsos aos tornozelos. Eles deslizam sobre como
competentemente como seus equivalentes marsupiais. Há outros roedores em África que
têm desenvolvido o mesmo truque delta. Embora eles são chamados de esquilo voador
de Beecroft e esquilo voador de Zenker, eles não são verdadeiros esquilos e eles têm
certamente 'inventado' deslizar independentemente dos esquilos voadores americanos.
Uma membrana ainda mais abrangente, que leva no pescoço e cauda, e os dedos das
mãos e pés, bem como os braços e as pernas, é possuído pelo colugo misteriosa das
florestas Filipinas. Ninguém sabe o que esta chamada lêmure voador é, exceto que ele
não é um lêmure (verdadeiros lêmures estão confinados a Madagascar, e nenhum deles
voar ou deslizar, embora vários deles salto impressionante). Qualquer outra coisa que
possa ser, a colugo certamente não é qualquer um roedor ou um marsupial. Mais uma
vez, tem 'inventado' a membrana delta e associado hábito de forma totalmente
independente de todos os outros.

O colugo, os vários esquilos voadores e os planadores marsupiais todas deslizar com


eficiência comparável. Mas, uma vez que membrana de vôo do colugo se estende entre
os dedos, enquanto que nos outros, {117} atinge apenas na medida em que os pulsos,
que poderiam dar origem a diferentes tipos de asas se a evolução continuou ainda mais.
Ainda mais, obviamente, o mesmo é verdade para as volans Draco lindamente
nomeado, o lagarto voador ou "dragão voador (Figura 4.3). Este é um lagarto que vive
nas árvores, também das florestas das Filipinas e Indonésia. Ao contrário dos
planadores de mamíferos, sua aba aérea não incorpora os membros, mas é esticada entre
as suas costelas alongadas, que pode erguer à vontade. O meu favorito desses animais
planadores é rã voadora de Wallace, uma rã de árvore das florestas tropicais do sudeste
da Ásia. Ele mantém a sua pele de superfície vôo entre seus dedos alongados e dos pés,
e, como os outros planadores temos vindo a falar, ele usa-lo para deslizar de árvore em
árvore.

Em nenhum desses casos há alguma dificuldade em encontrar um caminho suave até o


Monte Improvável. Com efeito, o facto de o hábito delta evoluiu tantas vezes atesta a
facilidade com que estes caminhos de montanha pode ser encontrado. Talvez
testemunho ainda mais forte vem da serpente do paraíso árvore ou "cobra voadora ',
novamente das florestas do Sudeste Asiático. Esta serpente faz um trabalho eficaz de
deslizamento de árvore em árvore após atirar em si deliberadamente desligado, uma
distância de sessenta pés ou mais, mesmo que ele não tem vela óbvio, flap ou superfície
de voo em tudo. É justo que forma desenhada-out de uma cobra já lhe dá uma área de
superfície relativamente grande para o seu peso, e isso aumenta o efeito puxando em sua
barriga para fazer uma superfície côncava por baixo. Esta serpente faria um primeiro
passo perfeito em direção a evolução subsequente em algo parecido com volans Draco
com uma membrana de deslizamento real. A cobra nunca levou o segundo passo, talvez
porque costelas alongadas teria sido um impedimento em outros aspectos da sua vida.

A maneira de pensar da evolução gradual de algo como um esquilo voador é este. Para
começar, um antepassado como um esquilo comum, vivendo em cima de árvores, mas
sem qualquer membrana especial delta, pula através das aberturas curtas. No entanto
agora ele pode saltar sem o auxílio de qualquer abas especiais da pele, ele poderia saltar
algumas polegadas mais longe - e, consequentemente, salvar sua vida quando encontra
um intervalo de distância crítica - se tivesse uma muito ligeira retalho de pele, ou muito
ligeiramente aumentada bushiness da cauda. Assim, a seleção natural favorece os
indivíduos com pele ligeiramente pouchy em torno das articulações braço ou perna, e
isso se torna a norma. A distância do pulo normal de um membro médio da população
tem, assim, {118}
Figura 4.3 Vertebrados que deslizam para baixo de árvores, mas não verdadeiramente
voar: (sentido horário da direita superior) colugo, volans cynocephalus; Flying Lizard,
volans Draco; Sapo voando Wallace s, Rhacophorus nigropalmatus; planador do
açúcar marsupial, breviceps do Petaurus; e voando cobra, Chrysopeka paradisi. {119}

foi aumentado em algumas polegadas. Agora, todos os indivíduos com uma teia de pele
ainda maior pode saltar algumas polegadas mais. Assim, em gerações posteriores esta
extensão da pele torna-se a norma, e assim por diante. Para qualquer tamanho dado da
membrana, existe uma lacuna crítica tal que um aumento marginal na membrana faz
toda a diferença entre a vida ea morte. O tamanho de membrana do membro médio da
população recebe constantemente maior, como a lacuna que pode ser saltou pelo
membro média da população se torna maior. Depois de muitas gerações, espécies como
os planadores marsupiais e os esquilos voadores têm evoluído, capaz de deslizar
centenas de pés, e capaz de orientar-se em um pouso controlado.

Mas tudo isso delta ainda não é verdadeiro vôo. Nenhum destes animais planadores bate
suas asas, e nenhum deles pode ficar no ar indefinidamente. Todos eles vão para baixo,
embora possam puxar para cima em uma pequena subida, alterando o seu aspecto
imediatamente antes da aterragem em um tronco de árvore mais baixa. É possível que o
verdadeiro vôo, como visto em morcegos, aves e pterossauros, evoluíram a partir de
ancestrais deslizando como estes. A maioria destes animais pode controlar a direção ea
velocidade do seu deslizamento de modo a pousar em um local pré-determinado. É fácil
imaginar vôo verdadeiro batendo evoluindo de repetição dos movimentos musculares
usados para controlar a direcção de deslizamento, o tempo tão média para pouso está
gradualmente adiada ao longo do tempo evolutivo.

Alguns biólogos, no entanto, preferem ver longa distância downhill deslizando como o
beco sem saída da linha de árvore-jumping da evolução. Vôo verdadeiro, eles pensam,
começou no chão em vez de em cima de árvores. planadores feitos pelo homem pode
tirar tanto por lançar de penhascos, ou sendo puxado rapidamente ao longo do chão.
peixe voador (Figura 4.4) tirar desta segunda maneira, embora a partir do mar, em vez
de a terra, e eles são capazes de deslizar sobre a mesma distância como o melhor dos
planadores marsupiais lançados a partir de árvores. Flying Fish nadar em grande
velocidade na água e em seguida, atirar para o ar, presumivelmente para a consternação
de perseguir predadores na água, de cujo ponto de vista eles desapareceriam, mais ou
menos literalmente, no ar. Eles não atingiu a água novamente até que tenha viajado até
300 pés. Às vezes, quando eles vêm para baixo eles roçar a água com suas caudas e
nadar alguns cursos para recuperar a velocidade e decolar novamente. Suas "asas" são
muito alargada barbatanas peitorais e, no caso do Atlântico peixes voadores, nadadeiras
pélvicos aumentados também. {120}
Figura 4.4 Animais que deslizam após o disparo-se fora da superfície. Atlantic peixe-
voador, Cypselurus heterurus (em cima), e lulas voando, Onychoteutbis.

Estes verdadeiro peixe-voador (Exocoetidae) não deve ser confundido (embora sejam,
pelo menos, dois livros sobre minha mesa de café) com as completamente alheios
chamados Gurnards de vôo (dactylopteridae). Longe de voar, estes Gurnards arrastar-se
ao longo do fundo. Eles são diversas, informou a usar suas "asas", como estabilizadores,
como frighteners para piscar de predadores e, como agitadores-up da areia para
descobrir presa; Também, quando os peixes são perturbados, eles se levantam na água
alguns centímetros acima do fundo, em seguida, espalhar suas "asas" e deslizar para
baixo. A única coisa que as asas não são utilizados para está voando no ar. Não está
claro o que provocou a lenda que eles voam: possivelmente apenas o grande tamanho da
sua Barbatanas {121} peitorais que superficialmente se assemelham às do verdadeiro
peixe-voador. Voltando para o verdadeiro peixe voador, eles certamente não evoluíram
de ancestrais que vivem no fundo, mas a partir de peixes de superfície fast-natação.
Muitos peixes saltar para fora da água sem a ajuda de barbatanas alargada. Com certeza
seria potencialmente fácil para tais leapers rápidas para beneficiar um pouco furando as
suas barbatanas e, em gerações posteriores para aumentar a área de suas barbatanas até
que se tornaram "asas". É um pouco triste que os golfinhos, com a sua pulando
espetacular, nunca avançou para a fase peixe-voador. Talvez seja porque eles teriam que
ser menor do que golfinhos existentes, a fim de fazê-lo de forma eficaz e há outras
razões, relacionadas com isolamento térmico e as propriedades de gordura, por isso que
é difícil para os golfinhos de sangue quente a ser pequeno. Existem os chamados lulas
voadores que se comportam como peixes voadores como um meio de escapar dos
mesmos inimigos, como o atum. Lulas do género Onychoteuthis acelerar através da
água para velocidades de até 45 milhas por hora, atirar para o ar e deslizar por mais de
cinqüenta jardas, atingindo alturas de seis pés ou mais para fora da água. Eles alcançar
sua velocidade espantosa por propulsão a jato, e voam popa primeiro porque, como em
todas as lulas, os seus jactos de água apontar passado suas cabeças. Uma vez que o seu
fornecimento de água foi esguichou através do jato, eles não têm mais força propulsora
à sua disposição até que eles voltem para a água. A este respeito, peixes voadores têm a
vantagem por causa de seu hábito, já mencionado, de aumentar a sua velocidade com
movimentos da cauda, enquanto ainda em grande parte fora da água e roçando a
superfície.

Fascinante, há um grupo de peixes, os de água doce machado-peixes dos rios da


América do Sul, que são relatados para vibrar suas barbatanas peitorais rapidamente e
ruidosamente no verdadeiro vôo, alimentado pelo ar, embora apenas para curtas
distâncias. Estes peixes não estão intimamente relacionados com o verdadeiro peixe-
voador (nem aos "voando" Gurnards). Devo dizer, eu gostaria de ver um zumbido
machado-peixe voador passado os meus próprios olhos. Eu não estou dizendo que eu
não acredito nisso; é acordado por todos os livros; mas, como os pescadores sabem e
como aprendemos com a história dos "voadores" Gurnards, às vezes é uma boa idéia
para verificar-se sobre as histórias dos peixes para si mesmo.

Em qualquer caso, eu introduzi (delta) peixes voadores como um prelúdio para a teoria
de que a verdadeira vôo, batendo não evoluíram a partir de planadores de árvores, mas
{122} de fast-running, animais da terra-moradia, cujos braços se tornaram libertado de
seu papel normal na corrida. Peixes voadores e lulas voando, embora vivam em água,
ilustram o princípio de que se um animal de deslizamento pode mover-se
suficientemente rápida ao longo da superfície que pode decolar sem o apoio de uma
árvore ou rochedo. O princípio pode funcionar para as aves, porque eles evoluíram dos
dinossauros de duas pernas (na verdade, você poderia dizer que, tecnicamente, as aves
são dinossauros), alguns dos quais provavelmente correu muito rápido ao longo do
chão, como avestruzes fazer hoje. Para prosseguir a analogia com peixes de vôo por um
momento, as duas pernas iria desempenhar o papel da cauda do peixe, impulsionando os
atacantes animais muito rápido, enquanto os braços desempenhar o papel de barbatanas,
talvez originalmente usado para a estabilização ou de direcção, e mais tarde em
crescimento superfícies aerofólio. Há alguns mamíferos, como cangurus que se
impulsionam muito rápido sobre duas pernas, deixando os braços livres para evoluir em
outras direções. Nossa espécie parece ser o único mamífero a usar as duas pernas na
alternada, a marcha de pássaro, mas não são muito rápidos e usamos nossos braços, não
para voar, mas para o transporte de coisas e fazer as coisas. Todo o fast-running,
mamíferos twolegged usar a marcha canguru em que as duas pernas empurrar juntos em
vez de alternadamente. Esta marcha cresce naturalmente fora da horizontal spine-flexão
de um quadrúpede corrida típica, como um cão. (Por analogia, as baleias e os golfinhos
nadam por flexão da coluna para cima e para baixo, estilo mamífero, enquanto peixes e
crocodilos nadar, dobrando-alternadamente para a esquerda e para a direita, seguindo o
antigo hábito de peixe. Aliás, devemos saber mais do que nós fazer aos heróis
desconhecidos entre os répteis semelhantes a mamíferos que foram pioneiros a marcha
para cima e para baixo que agora admiro em correr chitas e galgos. Vestígios da antiga
furtar peixes são, talvez, ainda a ser visto em cães de requebrado, especialmente quando
o movimento se espalha para todo o corpo na contorcendo de um cão submisso.)

Entre os mamíferos da terra-moradia, cangurus e sua espécie marsupial não tem o


monopólio da "marcha canguru '. O meu colega Dr. Stephen Cobb uma vez estava
falando à zoologia estudantes na Universidade de Nairobi e ele disse-lhes que wallabies
estão confinados a Austrália e Nova Guiné. "Não, senhor", um estudante protestou. "Eu
vi um{123} no Quênia ". O que o estudante tinha visto era, sem dúvida, uma delas
(Figura 4.5).

Este animal, o chamado springhaas ou primavera lebre, não é nem uma lebre nem um
canguru, mas um roedor. Como cangurus, ele pula para aumentar sua velocidade ao
fugir dos predadores. Outros roedores, como o jerboa salto fazer o mesmo. Mas
mamíferos bípedes não parecem ter tomado o próximo passo e evoluiu o poder de voar.
Os únicos verdadeiros mamíferos voadores são os morcegos, e sua membrana da asa
incorpora as pernas para trás, bem como os braços. É difícil ver como tal asa-onerar
perna poderia ter evoluído por via de execução rápido. O mesmo é verdade para os
pterossauros. Meu palpite é que ambos os morcegos e pterossauros evoluiu voo
deslizando para baixo de árvores ou falésias. Seus ancestrais, em um estágio, poderia ter
parecia um pouco com colugos.

Birds poderia ser outro assunto. A história deles é diferente de qualquer maneira,
centrado em torno esse dispositivo maravilhoso, a pena. Penas são modificadas escamas
dos répteis. É possível que evoluiu originalmente para uma finalidade diferente para o
qual eles ainda são muito importantes, isolamento térmico. {124}
Figura
4.5
lebre
Spring,
Pedetes
capensi
s.

Em todo o caso, em que são feitas de um material córneo, que é capaz de formar, de luz,
superfícies aéreas ainda rígidas planas flexíveis. asas do pássaro são muito ao contrário
dos retalhos de pele flácidos de morcegos e pterossauros. Os ancestrais das aves,
portanto, foram capazes de formar uma asa adequada, que não tem que ser esticada
entre os ossos. Foi o suficiente para ter um braço óssea na frente. A rigidez das penas si
tomou conta do resto. As pernas traseiras poderia ser deixado livre para correr. Longe
de ser desajeitado e atrapalhado no chão como morcegos e, presumivelmente,
pterossauros, as aves podem usar suas pernas para correr, saltar, empoleirar se, escalada,
presa de captura e de luta. Papagaios mesmo usar seus pés como mãos humanas.
Enquanto isso, os membros dianteiros continuar com o negócio de voar.

Aqui está um palpite de como vôo começou em aves. O ancestral hipotética, que
podemos imaginar como um dinossauro pequeno, ágil, executa rapidamente após
insetos, saltando no ar com suas poderosas patas traseiras e mordendo a presa. Insects
tinha evoluído para o ar muito antes. Um inseto voador é perfeitamente capaz de tomar
uma ação evasiva, eo predador saltando se beneficiariam de habilidade na correção no
meio do percurso. Até certo ponto, você pode ver gatos fazendo isso hoje. Parece difícil,
porque, uma vez que estão no ar, não há nada sólido para empurrar. O truque consiste
em mudar o seu centro de gravidade. Você pode fazer isso por pedaços de si mesmo em
relação a outros pedaços em movimento. Você pode mover sua cabeça ou a cauda, mas
os bits óbvias para mover são os braços. Agora, uma vez que os braços estão sendo
movidos para este fim, eles se tornam mais eficaz para ele se desenvolver superfícies
para pegar ar. Também foi sugerido que as penas nos braços originalmente
desenvolvido como uma espécie de rede para a captura de insetos. Isso não é tão
absurda quanto parece, para alguns morcegos usam suas asas desta forma. Mas, de
acordo com esta teoria, o uso mais importante dos braços era para terceira classe e
controle. Alguns cálculos sugerem que os movimentos do braço mais adequadas para
controlar pitching e rolando em um salto que realmente se assemelham movimentos
flapping rudimentares.

A teoria de correção correr, saltar e médio curso, quando comparado com a teoria-delta
árvore, inverte a ordem das coisas. Na teoria-delta árvore, o papel original dos proto-
asas era fornecer elevador. Só mais tarde eles foram usados para controle, e,
finalmente,{125} bater. No salto para a teoria insetos, controle veio primeiro, e só mais
tarde foram os braços com as suas superfícies requisitados para fornecer elevador. A
beleza desta teoria é que os mesmos circuitos nervosos que foram usados para controlar
o centro de gravidade no ancestral salto seria, em vez sem esforço, ter-se emprestado
para controlar as superfícies de vôo mais tarde na história evolutiva. Talvez pássaros
começaram a voar, saltando do chão, enquanto os morcegos começou por deslizar para
fora das árvores. Ou talvez aves também começou deslizando fora das árvores. O debate
continua.

Em todo caso pássaros modernos têm percorreu um longo caminho desde os primeiros
dias. Lotes de longo caminho devo dizer, para os picos do Monte Improvável que eles
conquistaram estão esplendidamente muitos. Um falcão peregrino pode mergulhar para
fora do céu em mais de 100 milhas por hora, quando se aproximando de presas. Falcões
e beija-flores passar com precisão pontual em um ponto como uma helicópteros sonho
mais selvagem. mar ártica * gastar mais do que a metade de cada ano em sua migração
anual do Ártico à Antártida e de volta, uma distância de 12.000 milhas. O albatroz
errante, pendurada abaixo do seu dez pés envergadura, circunda o pólo com um título
sempre no sentido horário, alimentado não agitando, mas pela atenção vigilante para o
motor natural de mudança de velocidade do vento whert as ondas de frio tosquiar as
Roaring Forties. Algumas aves, como faisão! e pavões, use voo apenas em uma
explosão explosivo ocasional quando surpreendido por um possível perigo. Outros,
como avestruzes, emas e as moas gigantes lamentavam da Nova Zelândia, se tornou
grande demais para voar e suas asas degenerou em comparação com a sua enorme,
caminhando e chutando pernas. No outro extremo, andorinhões têm fracas, pernas
desajeitadas mas state-of-the-art sweptbackes asas e eles quase nunca sair do ar. Eles
pousam apenas para ninho, mesmo acasalamento e dormir na asa. Quando o fazem
terras que deve escolher um lugar alto, pois não podem decolar de terreno plano. Eles
constroem seus ninhos a partir de materiais que respondam a flutuar no ar, ou arrancar a
partir de árvores, enquanto gritando passado. Para rápida §, vindo à terra pode parecer
uma tarefa difícil, estado antinatural com * parábola para, digamos, pára-quedismo para
um ser humano, ou nadando debaixo d'água. Para nós, o mundo é uma constante, pano
de fundo imóvel a nossa preocupação !. Através de uma Swifts olhos negros, o, estado
normal fundo de mundo FHF é um horizonte incessantemente arremessado,
vertiginosamente inclinando por. nosso termo{126} firma pode ser a ideia da rápida de
uma montanha-russa Disneyland enervante.
Nem todos os pássaros batem as asas, mas aqueles que sobem ou glide provavelmente
vieram de antepassados batendo. Bater asas de vôo é complicada e não, em cada
detalhe, compreendida. É tentador pensar que as poderosas batidas para baixo das asas
fornecer o elevador diretamente. Esta pode ser uma parte da história, especialmente
durante a descolagem, mas a maior parte do elevador é fornecida pela forma das asas
(dada velocidade do ar suficiente), tal como num avião. Uma asa especialmente curvo
ou inclinado pode fornecer elevador se um vento é soprado sobre ele ou - o que equivale
à mesma coisa - se a ave inteira está se movendo para a frente em relação ao ar, por
qualquer motivo. O movimento bater das asas está preocupado principalmente com
fornecer o impulso para a frente necessário. Este papel da hélice das asas depende do
fato de que eles simplesmente não batem cima e para baixo. Em vez disso, o pássaro dá
um toque artística a partir do ombro, juntamente com ajustes sutis em todas as
articulações, e alguns outros benefícios seguem automaticamente a partir da flexão das
penas. Como resultado dessas torções, ajustes e dobragens, para cima e para baixo
acariciando movimentos das asas são traduzidos em impulso para a frente, um pouco à
maneira de up-and-down cauda batendo de uma baleia. Dado que não há movimento
para a frente através do ar, as asas de um pássaro fornecer elevador em
aproximadamente da mesma maneira que aqueles de um avião, ainda que as asas do
avião são mais simples porque fixa. Quanto maior a velocidade, maior o elevador, que é
por isso um Boeing 747 fica no ar, apesar de o seu peso Brobdingnagian.

As leis da física conspiram para tornar voo batendo cada vez mais difícil para as aves
maiores. Se pensarmos em aves da mesma forma ficando cada vez maior, o peso vai
para cima como o cubo de comprimento, mas área de asa só vai até como o quadrado do
comprimento. A fim de permanecer na tir, pássaros maiores precisaria crescer asas
desproporcionalmente maiores, TND / ou voar desproporcionalmente mais rápido.
Como imaginamos aves cada vez maiores e maiores, chega um ponto em que, na falta
de motores a jato ou de pistão, a força muscular disponível para um pássaro desse
tamanho não é mais forte tnough para mantê-lo no ar. Este ponto crítico na faixa de
tamanho é lomewhat menor do que os abutres e albatrozes maiores. Algumas aves de
grande porte, como vimos, simplesmente desistiu da luta, aterrado{127} -se para o bem,
e fez uma vida agradável a ficar ainda maior como avestruzes e emas. Mas abutres,
condores, águias e albatrozes não são fundamentadas. Por que não?

Seu truque é explorar fontes de energia externas. Se não fosse para o calor do sol e
mudando a gravidade, o ar da lua e do mar seria ainda. encargos de energia externas até
as correntes oceânicas, bombas até os ventos, agita o pó-devils, rochas a atmosfera com
forças poderosas, capazes de achatamento de uma casa ou dirigindo uma rota comercial;
ele também gera up-correntes térmicas que, se você usá-los criteriosamente, podem
levantar-lo para as nuvens. Abutres, águias e albatrozes usá-los à perfeição. Eles podem
ser os únicos animais para combinar nossa habilidade de mineração a energia do tempo.
A minha principal fonte de informação sobre aves planadoras são os escritos do Dr.
Colin Pennycuick da Universidade de Bristol. Ele usou o seu conhecimento
especializado como um piloto de planador, tanto para entender como os pássaros fazê-lo
e deslizar entre eles, a fim de estudar as suas técnicas no campo.

Abutres e águias usar as térmicas, assim como pilotos de planadores humanos fazem. A
térmica é uma coluna de ar quente que sobe, talvez por causa de um pedaço de terra em
sua base absorve mais do que sua parte da luz solar. pilotos de planador são em grande
parte dependente de térmicas, ea experiência torna especialista em localizá-los à
distância. Os sinais sutis que revelam uma presença térmicas incluem certas formas
características de nuvens cumulus em seus topos, e certas conformações de terra em sua
base. A técnica aprovada para vôo livre cross-country é a circundar o seu caminho até o
topo de uma térmica, diz uma milha alta, em seguida, lançar-se em um deslize para
baixo em linha reta na direção que você deseja viajar. O abaixo da rampa é uma rasa
um: um abutre normalmente perde uma jarda da altura para cada dez jardas de viagens
para a frente. Isto dá-lhe cerca de dez milhas de viagem cross-country antes que ele
precisa encontrar outra térmica e acumular-se até o topo novamente.

Quando isso acontece, as térmicas são frequentemente organizados em 'ruas', que um


piloto de planador pode ver à frente, lendo as nuvens. Abutres também, como pilotos de
planadores humanos, são hábeis em seguir estas ruas. Às vezes, quando um abutre
encontra um bom rua alinhados na direção que quer ir, ele desliza ao longo da rua
ganhando elevador de cada térmica sem se preocupar em círculo nele. Desta forma, um
abutre pode viajar grande{128} distâncias sem parar para círculo. Eles costumam fazer
isso apenas quando deslocamentos de terras de alimentação para local de nidificação. A
maioria dos abutres vez não está viajando longas distâncias em linha reta, mas viajando
ao redor em busca de carniça. Eles também manter um olho em outros abutres. Se
alguém encontra uma carcaça e vai para baixo, as pessoas reparam e rapidamente se
juntar a ele. Desta forma, uma onda de atenção espalha por todo o céu, como a onda de
fogueiras acesas no alto de morros que se espalham por toda a extensão da Inglaterra
para avisar da Armada Espanhola.

Um truque semelhante de companheiros assistindo é usado por cegonhas brancas para


uma finalidade diferente em sua migração anual longo do norte da Europa para a África
Austral. Eles viajam em bandos de até algumas centenas. Como abutres, eles acabam-se
até o topo das térmicas, então cabeça em todo país até encontrar outra térmica. Mas,
embora eles circulam juntos em uma térmica, quando eles deixá-lo, em vez de viajar em
um rebanho close-formação que eles espalhar-se em linha de lado a lado. Com um
amplo avanço tão frente, se eles apenas deslizar em linha reta alguns deles são muito
provável para encontrar um outro térmico. Quando o fazem, seus vizinhos na linha de
observá-los a aumentar, e venha se juntar a eles. Desta forma, todos os membros do
grupo se beneficiam prolongado de térmicas que quaisquer membros a encontrar.

Qualquer que seja a visão que temos da origem do vôo das aves, se a teoria-delta árvore
ou a execução ea teoria pulando, abutres e águias, cegonhas e albatrozes, são quase
certamente planadores secundários. Eles evoluíram a sua técnica de deslizamento a
partir de ancestrais que batiam e eram menores. Para a escola de pensamento que vê vôo
do pássaro como originários de deslizamento a partir de árvores, abutres modernos -
ainda que subir para cima térmicas em vez de escalar árvores para ganhar altura -
representaria um retorno para deslizar através de um estágio intermediário de bater.
Durante este bater intermediária encenar seus sistemas nervosos que, nesta teoria,
adquiriram novos circuitos e novas habilidades de controle e manobra. Estas novas
habilidades teria deixado-los com maior eficiência quando eles voltaram para vôo sem
bater. É bastante comum para os animais para retornar a uma forma muito mais antiga
de vida, tendo servido um aprendizado evolutivo na outra, e pode ser plausível
argumentar que eles retornam a partir do aprendizado melhor equipado para lidar com a
forma original de vida. Aves planadoras pode não ser uma boa{129} exemplo, porque é
incerto como vôo do pássaro começou originalmente. Um exemplo mais definitivo de
animais que retornam à forma anterior da vida é fornecido por aqueles que voltaram
para a água, depois de passar alguns milhões de anos em terra. É a esses que eu voltar
agora, como uma coda a este capítulo (Figura 4.6).

Cinquenta milhões de anos atrás, os ancestrais das baleias e mar-vacas (cavou-ongs e


peixes-boi) foram mamíferos terrestres, provavelmente carnívoros no caso das baleias,
herbívoros, no caso de mar-vacas. Os ancestrais dos estes e todos os outros mamíferos
terrestres tinha sido, muito mais cedo ainda, peixes-moradia mar. O retorno para a água
pelas baleias e cavou-ongs foi um regresso a casa. Como sempre, podemos ter certeza
de que ela ocorreu de forma gradual. Eles levou para a água, talvez em primeiro lugar
apenas para alimentar, como uma lontra moderna. Eles devem ter passado cada vez
menos e menos tempo na terra, talvez passando por uma fase onde eles se assemelhava
selos modernos. Agora eles nunca deixar a água e são completamente impotente se
encalhado. No entanto, eles carregam numerosos lembretes de seus ancestrais terrestres
e eles também, como todos os mamíferos, têm relíquias muito mais velhos de sua
encarnação anterior na água. Baleias respiram ar, por seus antepassados landlubber
perdeu o uso das suas guelras. Mas todos os mamíferos, baleias e mar-vacas incluídos,
tem traços de brânquias no embrião: vestígios inconfundíveis de seu passado remoto na
água. caramujos de água doce, também, ter voltado para a água da terra, e que respiram
ar. Os seus ancestrais primitivos viviam no mar, como a maioria da família caracol hoje.
Caracóis parecem ter ido de mar a água fresca através de uma "ponte" terra: talvez algo
sobre a vida terra facilita a transição. Outros animais terrestres que têm ido de volta para
a água incluem tartarugas, besouros aquáticos, aranhas mergulho de sino, e os
ictiossauros extintos e plesiossauros. Tartarugas conseguem extrair um pouco de
oxigênio da água, mas eles não com brânquias, mas com o revestimento da boca e, em
alguns casos, o revestimento do reto e, em tartarugas de casca mole, o skm cobrindo o
shell. besouros de água e aranhas tomar uma bolha de ar para baixo com eles. Todos
esses animais estão voltando para o ambiente aquático de seus ancestrais mais remotos,
mas quando chegar lá eles fazem as coisas de forma diferente por causa de sua
experiência de corrida interino.

Quando os animais terrestres voltar para a água, por que eles não redescobrir o aparelho
cheio de vida aquática? Por que não baleias e mar-vacas {130}
Figura 4.6 As baleias e mar-vacas. Os animais que tenham regressado ao mar depois de
centenas de milhões de anos na terra: (de cima) dugongo, Dugong dugon; peixe-boi,
Trihechus senegalensis; baleia jubarte, Megaptera novaeangliae; baleia assassina,
Orcinus. {131}

regredir brânquias e perder seus pulmões? Isso nos leva a uma outra lição importante
que o Monte Improvável tem a nos ensinar. Na evolução, os resultados ideais não são a
única consideração. Ele também faz a diferença onde começar: como na história do
homem que, quando perguntado o caminho para Dublin, respondeu: "Bem, eu não iria
começar a partir daqui." Monte Improvável tem muitos picos. Há muitas maneiras de
viver em água. Você pode usar brânquias para obter o oxigênio da água, ou você pode
vir à superfície e respirar ar. Continuamente vindo à superfície parece ser um hábito
estranhamente inconveniente. Talvez seja, mas os ancestrais das baleias e mar-vacas
começou, lembre-se, perto de um pico de respiração aérea da montanha. Todos os seus
detalhes internos foram orientadas a suposições de ar de respiração. Talvez eles
poderiam ter reformado eles e entrar em sintonia com os peixes, tirando a poeira dos
vestígios embrionários de suas brânquias antigos. Mas isso significaria um enorme
abalo de sua infra-estrutura física. Teria sido equivalente a descer um profundo vale
entre dois picos da montanha, com o objectivo último de escalar um pico ligeiramente
superior eventualmente. Ele não pode ser dito com muita frequência que a teoria
darwiniana não permite ficar temporariamente pior em busca de um objetivo a longo
prazo.

Mesmo se eles tinham ido para o vale, não é necessariamente óbvio que o pico de
emalhar, quando finalmente subiu-lo, teria acabou por ser maior. Gills não são
necessariamente melhores do que os pulmões de animais da água-moradia. Sem dúvida,
é conveniente para ser capaz de respirar de forma contínua, onde quer que esteja, ao
invés de ter que interromper o que está fazendo para ir para a superfície. Mas o nosso
julgamento é colorido pelo fato de que tomamos uma respiração a cada poucos
segundos e pânico, mesmo uma breve interrupção para o nosso suprimento de ar. Tendo
sido selecionados naturalmente através de milhões de gerações de mar, baleias cachalote
pode submergir durante cinquenta minutos antes de terem de respirar. Vindo à
superfície para respirar, para uma baleia, pode se sentir um pouco como indo para
urinar. Ou para uma refeição. Se você começar a pensar em respirações como refeições,
em vez de como uma necessidade contínua vital, torna-se menos óbvio que toda criatura
subaquática, idealmente, ser melhor fora com guelras. Há animais, como beija-flores,
que se alimentam mais ou menos continuamente. Para um beija-flor, que precisa sugar
{132} néctar a cada poucos segundos de sua vida de vigília, as flores que visitam pode
se sentir um pouco como a respiração. Mar-esguichos, invertebrados marinhos em
forma de saco remotamente relacionadas com vertebrados, bombear uma corrente
incessante de água através de seus corpos, filtrando as minúsculas partículas de
alimentos. Tal um alimentador de filtro se entrega a nada corresponde a uma refeição.
Um mar-esguicho pode sufocar com o pânico com o pensamento de ter que procurar a
próxima refeição. Mar-esguichos poderia muito bem perguntar por que tantos animais ir
para o hábito absurdamente ineficiente e perigosa de procura de refeições, em vez de
sentar e respirar comida o tempo todo.

Seja como for, não há dúvida de que as baleias e dugongos vêm com a sua história de
sequeiro escrito tudo sobre eles. Se eles tivessem sido deliberadamente criada para o
mar, que seria muito diferente, e muito mais como peixes do que são. Animais que têm
sua história escritas sobre eles todos estão entre as peças mais gráficas da evidência que
temos que os seres vivos não foram criados para as suas formas atuais de vida, mas
evoluíram a partir de ancestrais muito diferentes.

Solha, linguado e linguados têm a sua história escrita em cima deles também, ao ponto
de grotesco. No criador sã, estabelecendo a partir do zero para projetar um peixe liso,
teria concebido em sua prancheta a distorção absurda da cabeça necessário para trazer
ambos os olhos e volta para um lado. Ele com certeza, desde o início, ter ido para o
design de skate ou ray, o peixe deitado sobre a barriga com os olhos simetricamente
colocado no topo (Figura 4.7). Solha e do linguado são todas as torcidas em torno de
por causa de sua história; porque seus ancestrais fixar em um lado. Raias estão
graciosamente simétricas, dado que a sua história passou a ser diferente: quando os seus
antepassados se estabeleceram para a vida do fundo do mar que colocam na barriga ao
invés do seu lado. Quando digo "passou a ser" diferente, eu não quero dizer que não
havia uma boa razão para a diferença. Raias são descendentes de tubarões e tubarões
são já ligeiramente achatada em comparação com peixes ósseos que são tipicamente
deep-bodied e blade-like. Uma lâmina de deep-bodied de um peixe não pode mentir em
sua barriga, ela tem para flop para o lado. Quando eles se estabeleceram na parte
inferior, os ancestrais de solha correu até o pico mais próximo do monte Improvável,
independentemente do fato de que um possivelmente {133}
Figura 4.7 Dois modos de ser-peixe liso: o patim, Raja batis (em cima), encontra-se em
sua barriga, enquanto o linguado, Bothus lunatus, encontra-se em seu lado.

maior pico da montanha - o skate / ray pico simétrico - era deles para a tomada, se só
eles poderiam forçar o seu caminho até um pequeno vale, a fim de chegar ao pé do pico
mais alto. Para dizê-lo novamente, indo para baixo nas encostas do Monte Improvável
não é permitido pela seleção natural, e esses peixes não tinha escolha, mas para
restaurar sua visão de uma forma improvisada torcendo uma rodada olho para o outro
lado do corpo. Os ancestrais dos patins também correu os seus mais próximos pico
peixe liso, que no seu caso levou a sua elegância simétrica. Do {134} É claro que
quando eu falo de não ter nenhum 'escolha', e 'correndo' para cima picos das montanhas,
você entende, como de costume, que não é peixe individual que se destinam. É
linhagens evolutivas, e "escolha" refere-se a rotas alternativas disponíveis de mudança
evolutiva.

Eu salientou que ir para baixo não é permitido, mas não é permitido por quem? E pode
nunca acontecer? A resposta a ambas as perguntas é o mesmo que para o caso de um rio
não sendo "autorizado", para ser executado em qualquer direção diferente ao longo do
seu curso de água estabelecido. Ninguém realmente ordena a água para se manter dentro
das margens de um rio, mas, por razões bem compreendidas, que normalmente faz.
Apenas ocasionalmente, no entanto, ele transborda os bancos, ou mesmo rajadas-los, eo
rio pode ser encontrada para ter alterado seu curso permanente como resultado.

O que poderia permitir uma linhagem evolutiva para ir em marcha à ré por um breve
tempo e assim expor-se à oportunidade de ascender um pico anteriormente inacessíveis
do Monte Improvável? Este é o tipo de pergunta que interessa o grande geneticista
Sewall Wright, que, por sinal, foi o primeiro a usar uma metáfora paisagem para a
evolução, o progenitor da minha Monte Improvável. Wright foi o membro americano do
triunvirato cantankerously guerra que, na década de 1920 e 1930, fundou o que hoje
chamamos neo-darwinismo. (Os outros dois foram Inglês, essas incomparáveis, mas
belicosas prodígios RA Fisher e JBS Haldane, e é justo acrescentar que o rabugento-
ness parece que todos possam ter se originado a partir deles, não de Wright.) Wright
percebeu que, paradoxalmente, natural seleção pode ser uma força contra a extrema
perfeição. Esta é precisamente a razão que acabamos de tratar. Descendo vales é
proibido pela seleção natural. Uma espécie que está preso em uma pequena sopé da
montanha não pode escapar aos picos mais altos desde que a seleção natural canetas de
TI em no topo do contraforte. Se apenas a seleção natural relaxar seu aperto por um
curto tempo, a espécie pode borda seu caminho até o sopé longe o suficiente para
atravessar um vale para as encostas mais baixas de um pico de alta. Uma vez lá, ele está
em uma posição, quando a seleção natural começa a morder de novo, a evoluir
rapidamente até as encostas mais altas da montanha. De um ponto de vista global, em
seguida, uma receita para a melhoria na evolução é períodos de forte seleção
interrompido por períodos de relaxamento. Talvez esse tipo de relaxamento é realmente
importante na evolução da vida real. {135} Quando pode 'relaxamento' ocorre? Uma
possibilidade é, quando existe um vazio a ser preenchido. Em uma forma pequena isto
acontecerá sempre que uma população está a aumentar, porque é menor do que a área
pode suportar. Pode haver bonança de oportunidades e de relaxamento da seleção
quando um continente virgem é primeiramente colonizada depois de ter sido limpo por
uma catástrofe. Talvez depois que os dinossauros se extinguiram, os mamíferos
restantes tiveram tal dia de campo de oportunidade que algumas de suas linhagens
"relaxou a guarda", foi temporariamente em declive, e, assim, encontrou picos mais
altos de Monte Improvável a partir do qual eles normalmente teriam sido impedidas.

Outra receita é transfusões de genes frescos de outros lugares. Este é o ponto que eu
disse que ia voltar a partir do capítulo 2 sobre teias de aranha. No modelo NetSpinner de
teias de aranha, não havia apenas uma população sexual de web-spinners simulados,
mas três "demes" evoluindo em paralelo. Estes foram pensados como evoluir de forma
independente em três áreas geográficas diferentes. Mas - aqui está o ponto - não de
forma totalmente independente. Existe um fio de genes, o que significa que um
indivíduo migra ocasionalmente, a partir de uma população local para outro. A maneira
que eu colocá-lo era que esses genes migrantes eram uma espécie de injeção de "ideias"
frescas de outra população: "quase como se um sucesso sub-população envia genes que"
sugerem "a uma população menos sucesso uma maneira melhor de resolver o problema
da construção de um web '. É o mesmo que sendo guiado até o pico mais alto da
montanha metafórica por um mapa contrabandeados-in.

Estamos prontos para assumir alvo favorito dos criacionistas, ea estrela pedra de tropeço
para os futuros crentes em evolução, empoleirado precariamente no cume do penhasco
mais formidável Monte Improvável tem para oferecer: o olho.

Nota: Após este livro tinha ido para ser formatados, JH Marden e MG Kramer
publicaram um estudo fascinante de stonefiies, o que sugere ainda outra possível rota
até o Monte Improvável para a verdadeira voo batendo (Marden, JH, e Kramer, MG
(1995) 'Locomotor desempenho dos insetos com asas rudimentares ". Nature, 377, 332-
4). Stonefiies são bastante primitivos insetos voadores, onde os meios primitivos que,
embora eles são modernos insetos vivos, eles são pensados para se assemelhar
antepassados mais do que outros insetos modernos se assemelham antepassados. A
espécie particular que Marden e Kramer estudados, Allocapnia vivipam, desliza através
da superfície de fluxos aumentando as suas asas e utilizando-os como velas para travar o
vento. velocidade de navegação é aproximadamente proporcional ao comprimento da
asa. Os indivíduos com os menores asas navegar mais rápido do que {136} indivíduos
que não levantam as asas em tudo. Essas mesmas asas menores são aproximadamente
do mesmo tamanho que as placas de emalhar móveis de insetos fósseis adiantados.
Talvez antepassados sem asas viveu em superfícies de água e levantaram as placas de
emalhar como velas. Há, então, ter sido uma rampa suave até o Monte Improvável como
as placas de emalhar cresceu para se tornar velas progressivamente mais eficazes. Como
para o próximo passo para bater voo sobre esta hipótese, Marden e Kramer fez outra
observação relevante. Uma espécie diferente de stonefly, Taeniopteryx burksi, também
desliza ao longo da superfície da água, mas bate suas asas para fazê-lo. Talvez insetos,
em seu caminho até o pico do vôo do monte Improvável, passou por uma fase de vela
como Allocapnia, em seguida, uma superfície batendo fase como Taeniopteryx. É fácil
imaginar que a luz batendo insetos zumbindo seu caminho sobre a superfície podem,
ocasionalmente, ter sido levantadas por rajadas de vento. Há, então, ter sido uma rampa
adiante na montanha como as suas asas batendo os manteve no ar por mais tempo
progressivamente vezes. {137}

<< >>

CAPÍTULO 5
Todos os animais têm de lidar com seus mundo, e os objetos nele. Eles andam em
objetos, rastejar debaixo deles, evite colidir com eles, pegá-los, comê-los, acasalar com
elas, fugir deles. De volta ao amanhecer geológica quando a evolução era jovem, os
animais tiveram de fazer contato físico com objetos antes que pudesse dizer que esses
objetos estavam lá. O que uma pechincha de benefício estava esperando o primeiro
animal a desenvolver uma tecnologia de sensoriamento remoto: consciência de um
obstáculo antes de bater-lo; de um predador antes de ser apreendido; de alimentos que já
não estava ao alcance, mas poderia ser em qualquer lugar na grande proximidade. O que
poderia esta alta tecnologia ser?

O sol fornecidos não só a energia para conduzir as rodas dentadas químicas da vida. Ele
também ofereceu a chance de uma tecnologia de orientação remota. Ele esmurrou cada
milímetro quadrado da superfície das terras com uma saraivada de fótons: pequenas
partículas que viajam em linhas retas na maior velocidade do universo permite,
cruzando-se e ricocheteando através de buracos e fendas para que nenhum recanto
escapou, cada recanto foi procurado. Porque os fótons viajam em linhas retas e tão
rápido, porque eles são absorvidos por alguns materiais mais do que outros e refletiu por
alguns materiais mais do que outros, e porque eles sempre foram tão numerosos e tão
tudo permeia, fótons, desde que o {138} oportunidade para tecnologias de detecção
remota de enorme precisão e potência. Foi necessário apenas para detectar os fótons e -
mais difícil - distinguir as direções de onde vieram. Será que a oportunidade ser
tomada? Três bilhões de anos mais tarde você sabe a resposta, pois você pode ver estas
palavras.

Darwin famosa utilizado no olho para apresentar sua discussão sobre "órgãos de
extrema perfeição e complexidade":
Supor que o olho, com todos os seus inimitáveis para ajustar o foco a diferentes
distâncias, para admitir diferentes quantidades de luz, e para a correcção da aberração
esférica e cromática, poderia ter sido formado pela seleção natural parece, eu livremente
confessar, absurdo no mais alto grau possível.

É possível que Darwin foi influenciado por sua esposa dificuldades de Emma com este
ponto. Quinze anos antes de A Origem das Espécies que ele tinha escrito um longo
ensaio descrevendo sua teoria da evolução pela seleção natural. Ele queria Emma para
publicá-lo em caso de sua morte e ele deixou-a lê-lo. Seus marginalia sobreviver e é
particularmente interessante que ela escolheu sua sugestão de que o olho humano 'pode
eventualmente ter sido adquirida pela selecção gradual de leve, mas em cada caso,
desvios úteis'. Nota do Emma aqui lê: "Um grande suposição / ED 'Muito tempo depois
de A Origem das Espécies foi publicado Darwin confessou, em uma carta a um colega
americano:" O olho, para este dia, me dá um arrepio de frio, mas quando penso as finas
conhecido gradações, minha razão me diz que eu deveria conquistar o tremor frio ".
dúvidas ocasionais de Darwin eram presumivelmente semelhantes aos do físico que
citei no início do capítulo 3. Darwin, no entanto, viu suas dúvidas quanto um desafio
para continuar a pensar, não uma desculpa bem-vinda para desistir.

Quando falamos de "o" olho, a propósito, não estamos fazendo justiça para o problema.
autorizadamente Estima-se que os olhos evoluíram nada menos que quarenta vezes e,
provavelmente, mais de sessenta vezes, independentemente em várias partes do reino
animal. Em alguns casos, estes olhos usam princípios radicalmente diferentes. Nove
princípios distintos foram reconhecidos entre os quarenta a sessenta independente {139}
evoluiu olhos. Vou mencionar alguns dos nove tipos de olho básicos - que podemos
pensar como nove picos distintos em diferentes partes do maciço do Monte Improvável
- como eu ir em frente.

Como, aliás, nós já sabemos que algo tem evoluído de forma independente em dois
grupos diferentes de animais? Por exemplo, como é que sabemos que os morcegos e
pássaros desenvolveram asas de forma independente? Os morcegos são única entre os
mamíferos em ter verdadeiras asas. Ele poderia, teoricamente, ser que os mamíferos
ancestrais tinham asas, e todos, exceto os morcegos que posteriormente perdeu. Mas
para que isso ocorra, seria necessário um irrealisticamente grande número de perdas ala
independente, e as provas suporta o senso comum ao indicar que isso não aconteceu.
mamíferos ancestrais usavam seus membros dianteiros não para voar, mas para
caminhadas, como a maioria de seus descendentes ainda o fazem. É por meio de um
raciocínio semelhante que as pessoas têm trabalhado para fora que os olhos têm surgido
muitas vezes de forma independente no reino animal. Nós também pode usar outras
informações, tais como detalhes de como os olhos se desenvolvem no embrião.Rãs e
lulas, por exemplo, ambos têm bons olhos no estilo de câmera, mas esses olhos se
desenvolvem de formas tão diferentes nos dois embriões que podemos ter a certeza que
eles evoluíram de forma independente. Isso não significa que o ancestral comum de rãs
e lulas totalmente faltava olhos de qualquer tipo. Eu não ficaria surpreso se o ancestral
comum de todos os animais sobreviventes, que viveu talvez um bilhão de anos atrás,
possuía olhos. Talvez tivesse algum tipo de remendo rudimentar de pigmento sensível à
luz e pode apenas dizer a diferença entre o dia ea noite. Mas os olhos, no sentido de
equipamentos de formação de imagem sofisticada, evoluíram várias vezes de forma
independente, por vezes, convergindo para projetos similares, às vezes chegando com
desenhos radicalmente diferentes. Muito recentemente, tem havido alguma evidência
nova e excitante tendo sobre esta questão da independência da evolução dos olhos em
diferentes partes do reino animal. Eu vou voltar a ele no final do capítulo.

Como eu o levantamento da diversidade de olhos de animais, eu vou muitas vezes


mencionam o paradeiro nas encostas do Monte Improvável cada tipo é para ser
encontrado. Lembre-se, porém, que estes são todos os olhos dos animais modernos, e
não de verdadeiros ancestrais. É conveniente pensar que eles possam nos dar algumas
pistas sobre os tipos de olhos que os antepassados tiveram. Eles fazem pelo menos
mostrar que os olhos que nós pensamos como deitado no meio do caminho até o Monte
Improvável{140} que realmente trabalharam. Isso realmente importa, pois, como já
observei, nenhum animal já fez uma vida sendo um estágio intermediário em algum
caminho evolutivo. O que podemos pensar como uma estação de caminho até a encosta
em direção a um olho mais avançada pode ser, para o próprio animal, seu órgão mais
vital e muito provavelmente o olho ideal para o seu próprio modo de vida particular. De
alta resolução de imagem formando olhos, por exemplo, não são adequados para os
animais muito pequenos. Olhos de alta qualidade tem que exceder um certo tamanho -
tamanho absoluto não em relação ao tamanho do corpo do animal - e quanto maior for o
melhor em termos absolutos. Para um animal muito pequeno um absolutamente grande
olho provavelmente seria muito caro para fazer e muito pesado e volumoso para
transportar. Um caracol seria muito tolo se os seus olhos tinham o poder de ver de olhos
humanos (Figura 5.1). Caracóis que cresceram os olhos ainda um pouco maiores do que
a média atual pode ver melhor do que seus rivais. Mas eles pagar a pena de ter que
carregar um fardo maior em torno, e, portanto, não iria sobreviver muito bem. O maior
olho já registrado, por sinal, é um colossal 37 cm de diâmetro. O leviatã que poderiam
dar ao luxo de realizar tais olhos ao redor é uma lula gigante com tentáculos de 10
metros.

Aceitar as limitações da metáfora do monte Improvável, vamos até ao fundo das


encostas de visão. Aqui encontramos

Figura 5.1 Fantasia caracol com olhos grandes o suficiente para ver, bem como os seres
humanos podem. {141}

olhos tão simples que mal merecem ser reconhecidos como os olhos de todo. É melhor
dizer que a superfície geral do corpo é ligeiramente sensível à luz. Isto é verdade para
alguns organismos unicelulares, alguns medusas, estrelas do mar, sanguessugas e vários
outros tipos de vermes. Esses animais são incapazes de formar uma imagem, ou mesmo
de dizer a direção de onde vem a luz. Tudo o que eles podem sentir (vagamente) é a
presença de (brilhante) luz, em algum lugar nas proximidades. Estranhamente, há boas
evidências de células que respondem à luz nos órgãos genitais de ambos borboletas
masculinos e femininos. Estes não são os olhos de formação de imagem, mas eles
podem dizer a diferença entre claro e escuro e eles podem representar o tipo de ponto de
partida que estamos a falar quando falamos das origens evolutivas remotas de olhos.
Ninguém parece saber como as borboletas usá-los, nem mesmo William Eberhard, cujo
livro, desviando Seleção Sexual e genitália animal , é minha fonte para esta informação.

Se pensamos na planície abaixo do Monte Improvável como povoada por animais


ancestrais que eram totalmente afetado pela luz, as peles não-direcional sensíveis à luz
de estrelas do mar e sanguessugas (e genitais borboleta) são apenas um pouco caminho
até as encostas mais baixas, onde o caminho de montanha começa. Não é difícil de
encontrar o caminho. Na verdade, pode ser que o 'planície de total insensibilidade à luz
sempre foi pequena. Pode ser que as células vivas são mais ou menos obrigado a ser um
pouco afetada pela luz - uma possibilidade que faz com que os órgãos genitais sensíveis
à luz da borboleta parecer menos estranho. Um raio de luz consiste de um fluxo linear
de fótons. Quando um fotão atinge uma molécula de alguma substância de cor que pode
ser interrompida nas suas faixas e a molécula alterada para uma forma diferente da
mesma molécula. Quando isso acontece, alguma energia é liberada. Em plantas verdes e
bactérias verdes, esta energia é usada para construir moléculas dos alimentos, no
conjunto de processos chamado fotossíntese. Em animais, a energia pode desencadear
uma reacção em um nervo, e isto constitui o primeiro passo no processo chamado ver,
mesmo em animais sem olhos que reconheceria como olhos. Qualquer um de uma
ampla variedade de pigmentos coloridos vai fazer, de um modo rudimentar. Tais
pigmentos são abundantes, para todos os tipos de diferentes de armadilhas de luz
propósitos. O primeiro passos vacilantes-se nas encostas do Monte Improvável teria
consistido na melhoria gradual das moléculas de pigmentos. Há uma rampa rasa, de
melhoria contínua - fácil subir em pequenos passos. {142}

Esta rampa baixada empurrado para cima para a evolução da vida equivalente da
barreira de luz, uma célula especializada para a captura de fotões com um pigmento, e
traduzindo o seu impacto em impulsos nervosos. Vou continuar a usar a palavra
fotocélula para as células da retina (em nós mesmos são chamados cones e bastonetes)
que são especializadas para capturar fótons. O truque que todo o uso é para aumentar o
número de camadas de pigmento disponíveis para capturar fotões. Isto é importante
porque um fóton é muito provável que passar direto por meio de qualquer uma camada
de pigmento e sair do outro lado ileso. Quanto mais camadas de pigmento que você tem,
maior a chance de pegar qualquer um fóton. Por que isso importa quantos fótons estão
presos e quantos passar? Não há sempre uma abundância de fótons de sobra? Não, eo
ponto é fundamental para a nossa compreensão da concepção dos olhos. Há uma espécie
de economia de fótons, uma economia como mesquinho como economia monetária
humanos e que envolvem trade-offs inevitáveis.
Antes mesmo de entrar em interessantes trocas económicas, não pode haver dúvida de
que, em termos absolutos fótons estão em falta em alguns momentos. Em uma noite
crisp, estrelado em 1986, acordei meus dois anos de idade, filha Juliet e levou-a, envolta
em cobertores, para o jardim onde eu apontou o rosto sonolento para a localização
publicada Halley s Comet. Ela não demorou em que eu estava dizendo, mas eu
teimosamente sussurrou em seu ouvido a história do cometa ea certeza de que eu nunca
poderia vê-lo novamente, mas que ela poderia quando ela tinha setenta e oito. Eu
expliquei que eu tinha acordado para que ela seria capaz de dizer a seus netos em 2062
que tinha visto o cometa antes, e talvez ela se lembra seu pai por seu capricho
quixotesca em carregá-la para a noite para mostrá-lo a ela. (Eu posso até ter sussurrou as
palavras quixotesca e capricho, porque as crianças pequenas como o som das palavras
que não sabem, cuidadosamente articulada.)

Provavelmente alguns fótons de cometa de Halley, de fato, tocar retinas de Juliet


naquela noite em 1986, mas, para ser sincero, eu tive um tempo difícil me convencer de
que eu pudesse ver o cometa. Às vezes eu parecia evocar, uma mancha acinzentada
fraco aproximadamente no lugar certo. Em outros momentos, ele derreteu. O problema
era que o número de fótons que caem em nossas retinas foi perto de zero. {143}

Fótons chegam em momentos aleatórios, como gotas de chuva. Quando é realmente


chover adequadamente estamos em nenhuma dúvida do fato e desejo nosso guarda-
chuva não tinha sido roubado. Mas quando a chuva começa, gradualmente, como é que
vamos decidir o momento exato em que começa? Nós sentimos uma única gota e olhar
para cima, apreensivo, convencido até que uma segunda ou uma terceira queda chega.
Quando a chuva está cuspindo raro como este, uma pessoa pode dizer que está
chovendo enquanto seu companheiro nega. As gotas podem cair raramente o suficiente
para bater uma pessoa um minuto antes de seu companheiro registra um hit. Para ser
realmente convencido de que há luz, precisamos dos fótons para tamborilar em nossas
retinas em uma taxa significativamente alta. Quando Juliet e eu olhei na direção geral
do Cometa Halley, os fótons de o cometa provavelmente foram bater fotocélulas
individuais em nossas retinas à taxa extraordinariamente lenta de cerca de um a cada
quarenta minutos! Isto significa que qualquer uma fotocélula poderia estar dizendo:
"Sim, há luz lá ', enquanto a grande maioria dos seus vizinhos fotocélulas não eram. A
única razão que eu recebi qualquer sensação de um objeto em forma de cometa foi que
meu cérebro estava resumindo veredictos morrem de centenas de fotocélulas. Duas
fotocélulas capturam mais fótons de um. Três captura de mais de dois, e assim por
diante até a encosta do Monte Improvável. olhos avançadas como a nossa tem milhões
de fotocélulas densamente como pilha em um tapete, e cada um deles está configurado
para capturar o maior número de fótons quanto possível.

Figura 5.2 é uma típica célula fotoeléctrica avançada, de um ser humano como acontece,
mas outros são praticamente os mesmos. A colônia se contorcendo de larvas aparentes
no meio do quadro são as mitocôndrias. Estes são pequenos organismos que vivem no
interior das células. Eles são originalmente descendentes de bactérias parasitas, mas que
fizeram-se indispensáveis para a produção de energia em todas as nossas células. O fio
de ligação nervoso da célula fotoeléctrica leva fora no lado esquerdo da imagem. A
matriz retangular elegante de membranas, alinhados com precisão militar, à direita, é o
lugar onde os fótons estão presos. Cada camada contém moléculas do vital, pigmento
que retêm o fóton. Conto noventa e um camadas de membrana neste quadro. O número
exato não é crítico: quanto mais melhor, tanto quanto captura fótons está em causa,
embora não haverá custos gerais que proíbem muitas camadas. O ponto é que noventa e
um membranas são mais eficazes em parar fótons de noventa, noventa são mais eficazes
do que oitenta e nove, e assim por diante volta a um {144}

Figura 5.2 dispositivo de captura de Photon ou "fotocélula biológica ': uma única célula
retinal (haste) de um ser humano.

membrana, que é mais eficaz do que zero. Este é o tipo de coisa que eu quero dizer
quando digo que há um degradê suave até o Monte Improvável. Estaríamos lidando com
um precipício abrupto se, por exemplo, qualquer número de membranas acima de
quarenta e cinco foi muito eficaz, enquanto qualquer número abaixo de quarenta e cinco
era totalmente ineficaz. Nem senso comum, nem a evidência nos leva a suspeitar de
qualquer descontinuidade súbita.

Lulas, como vimos, evoluiu seus olhos semelhantes independentemente dos


vertebrados. Mesmo as suas células fotoeléctricas são muito parecidos. Um ele
diferença principal é que as lulas em camadas, em vez de ser embalado como uma pilha
de discos, são anéis empilhados em torno de um tubo oco. (Este tipo de diferença
superficial é comum em evolução, para o mesmo tipo de razão inconsequente como, por
exemplo, o facto de Inglês interruptores de luz descem para diante, os americanos para
baixo para fora.) Todas as fotocélulas animais avançados estão a jogar versões
diferentes do mesmo truque de aumentar o número de camadas de membranas-atado de
pigmento através do qual um fóton deve passar se ele iria escapar untrapped. Do ponto
de vista do Monte Improvável, o ponto importante é que mais uma camada marginal
melhora a chance de fótons armadilhas não importa quantas, ou como poucos, camadas
já existem. Em última instância, quando a maioria dos fótons foram capturados, haverá
uma lei de retornos decrescentes para o aumento do custo de mais camadas. {145}

É claro que não há muito chamada, em estado selvagem, para detectar o cometa de
Halley, retornando a cada setenta e seis anos, com o seu contributo negligenciável de
fótons refletidos. Mas é muito útil ter olhos sensíveis o suficiente para ver pela luz da
lua e até mesmo a luz das estrelas, se você é uma coruja. Em uma noite típica, qualquer
um dos nossos fotocélulas pode receber fótons em cerca de um por segundo, é certo que
uma taxa mais elevada do que para o cometa, mas ainda lento o suficiente para torná-lo
vital para interceptar cada último fóton se isso pode ser feito. Mas quando falamos de
uma dura economia de fótons que seria muito errado supor que a aspereza está
confinado à noite. Sob luz solar intensa os fótons podem angariar a retina como um
aguaceiro tropical, mas ainda há um problema. A essência de ver uma imagem
padronizada é que fotocélulas em diferentes partes da retina deve relatar diferentes
intensidades de luz e isso significa taxas diferentes que distinguem tamborilando em
diferentes partes da tempestade fóton. A triagem dos fótons vindos de diferentes partes
de grão-finas da cena pode levar a empobrecimentos locais de fótons tão graves como o
empobrecimento global da noite. É a esta classificação que nos voltamos agora.

Fotocélulas por conta própria apenas dizer um animal se há luz ou não. O animal pode
dizer a diferença entre o dia ea noite, e pode dizer quando uma sombra cai que possa,
por exemplo, o prenúncio de um predador. O próximo passo de melhoria deve ter sido a
aquisição de alguma sensibilidade rudimentar para direção da luz e direção de
movimento de, digamos, uma sombra ameaçadora. A maneira mínima de conseguir isso
é para fazer as células fotoeléctricas com uma tela escura em apenas um lado. A
fotocélula transparente, sem uma tela escura recebe luz de todas as direções e não pode
dizer onde a luz está vindo. Um animal com apenas uma fotocélula em sua cabeça pode
orientar para, ou para longe, luz, desde a célula fotoeléctrica é apoiado por uma tela.
Uma receita simples para fazer isso é para balançar a cabeça como um pêndulo de lado
a lado; Se a intensidade da luz nos dois lados é desequilibrado, mudar de direção até que
seja equilibrado. Há algumas larvas que seguem esta receita para governar diretamente
ao abrigo da luz.

Mas balançando a cabeça de um lado para o outro é uma forma rudimentar de detectar a
direção da luz, apto para as mais baixas encostas do Monte Improvável. A melhor
maneira é ter mais de um apontador fotocélula{146} em sentidos diferentes, cada uma
suportada por uma tela escura. Então, comparando as taxas de chuva de fótons sobre as
duas células que você pode fazer inferências sobre direção da luz. Se tiver todo um
tapete de células fotoeléctricas, a melhor maneira é a dobrar o tapete, com a sua tela de
suporte, numa curva, de modo que as células fotoeléctricas em diferentes partes da
curva estão a apontar em direcções diferentes de forma sistemática. A curva convexa
pode dar origem, eventualmente, o tipo de 'olho composto "que os insetos têm, e eu vou
voltar a este. A curva côncava é um copo e dá origem a outro tipo principal do olho, o
olho da câmera como o nosso. Fotocélulas em diferentes partes de um copo irá disparar
quando a luz está vindo de diferentes direções, e os mais células não são o mais refinado
será a discriminação.
Figura 5.3 Um olho simples xícara pode detectar a direção da luz.

Os raios de luz (linhas brancas paralelas com setas) são interrompidas pela tela preta
grossa na parte de trás do copo (Figura 5.3). Ao manter o controle de quais células
fotoeléctricas estão disparando e quais não são, o cérebro pode detectar a direção de
onde vem a luz. Do ponto de vista da escalada do monte improvável, o que importa é
que há uma gradação evolutiva contínua - um suave declive até a{147} para a montanha
- conectando animais com um tapete liso de fotocélulas para animais com um copo.
Cups pode ficar gradualmente mais profundo ou gradualmente mais rasa, por graus
lentos contínuas. Quanto mais profunda for a taça, maior será a capacidade do olho para
discriminar luz proveniente de sentidos diferentes. Na montanha, há precipícios têm de
ser pulado.

olhos Cup como este são comuns no reino animal. A Figura 5.4 mostra o olho de uma
lapa, de um Bristleworm, de uma barragem e de uma
Figura 5.4 olhos Cup de todo o reino animal: (a) verme; (b) de moluscos bivalves; (c)
polychaet verme; (d) lapa. {148}
Figura 5.5 Como olhos que
não funciona - se que os
raios de luz eram tão simpático!

verme de plano. Estes olhos, provavelmente, evoluíram a sua forma de copo de forma
independente. Isto é particularmente evidente no caso do olho verme que trai sua origem
separada, mantendo suas fotocélulas dentro do copo. Em face do que este é um arranjo
estranho - os raios de luz tem que entrar em um emaranhado de nervos que conectam
antes de bater as fotocélulas - mas não vamos ser esnobe sobre isso, porque as mesmas
aparentemente pobres mars de design nossos próprios olhos muito mais sofisticados. Eu
vou voltar a este e mostrar que ele não é realmente uma idéia tão má como parece.

Em qualquer caso, um olho copo no seu próprio está longe de ser capaz de formar o que
os seres humanos, com os nossos olhos excelentes, reconheceria como uma imagem
adequada. Nosso tipo de imagem-formação, que depende princípio da lente, precisa de
uma pequena explicação. Abordamos o problema perguntando por que um tapete sem
ajuda de fotocélulas, ou uma xícara rasa, não verá uma imagem de, digamos, um
golfinho, mesmo quando o golfinho é bem visível na frente dele.

Se os raios de luz se comportou como na Figura 5.5, tudo seria fácil e uma imagem de
golfinhos morrem, do jeito certo, iria aparecer na retina morrer. Infelizmente diey não.
Para ser mais preciso, diere são raios que fazem exatamente o que eu tenho desenhado
na imagem morrer. O problema é diese Diät são inundados por qualquer número de
raios que vão em qualquer outra direcção a morrer mesmo tempo. Cada pedaço do
golfinho envia um raio a cada ponto na retina morrer. E não apenas todos os bits do
golfinho, mas cada pouco de fundo e de tudo o mais na cena morrer. Você pode diink de
resultado dado como um número infinito de imagens de golfinhos, em todas as posições
possíveis na superfície do copo matriz e todas as formas possíveis para cima e inverso.
Mas {149}
Figura 5.6 Os raios de luz
de todos os lugares ir
em todos os lugares e nenhuma imagem
é visto.Um número infinito
de imagens golfinho colidir
uns com os outros, e nada
está claro.

o que isso equivale a, é claro, nenhuma imagem em tudo, apenas um espalhamento de


luz sobre a superfície inteira (Figura 5.6) suave.

Temos diagnosticado o problema. O olho está vendo demais: uma infinidade de


golfinhos em vez de apenas um. A solução óbvia é subtrair: cortar cada imagem do
golfinho, exceto um. Isso não importa qual, mas como se livrar do resto? Uma forma é a
marchar sobre a mesma encosta do Monte Improvável como nos deu a taça, de forma
constante aprofundamento e colocando o copo até a abertura diminuiu para uma
pinhole. Agora, a grande maioria dos raios são impedidos de entrar no copo. A minoria
que permanecem são apenas os raios que formam um pequeno número de imagens
similares - de cabeça para baixo - do golfinho (Figura 5.7). Se o pinhole torna-se
extremamente pequena, o desaparecimento de borrão e um único, imagem nítida dos
restos golfinho (na verdade, extremamente pequenas pinholes introduzir um novo tipo
de ofuscamento, mas vamos esquecer que por um momento). Você pode pensar no
pinhole como um filtro de imagem, remoção de todos, mas um dos cacofonia visual
desconcertante de golfinhos.

O efeito pinhole é apenas uma versão extrema do efeito copo que já conheci como uma
ajuda para contar a direção da luz. Ele pertence apenas um pouco mais acima na mesma
encosta do Monte Improvável e não há precipícios nítidas entre. Não há dificuldade em
evoluir de um olho pinhole de um olho copo, e nenhuma dificuldade em um copo olho
de evoluir a partir de uma folha plana de fotocélulas. A inclinação da montanha a partir
do tapete plana para pinhole é gradual e facilmente dimbable todo o caminho. Escalada
representa uma progressiva batendo {150}
Figura 5.7
Princípio do
olho pinhole. A
maioria dos
concorrentes
imagens de
golfinhos
são cortadas.
Idealmente apenas
um
(invertido) recebe
através do
pinhole.

de imagens conflitantes, até que, no auge, apenas um é deixado.

Olhos pinhole em graus variáveis são, na verdade, espalhados por todo o reino animal.
O olho pinhole mais profunda é a do molusco enigmática Nautilus (Figura 5.8a),
relacionado com as amonites extintos (e um parente mais distante de um polvo, mas
com uma concha em espiral). Outros, como o olho de um caracol marinho na figura
5.8b, são talvez melhor descrito copos profundas do que verdadeiros furos. Eles
ilustram a suavidade deste gradiente especial até o Monte Improvável.

Um primeiro pensamento sugere que o olho pinhole deve trabalhar bastante bem, desde
que você faça o furo pequeno o suficiente. Se você fazer o pinhole quase infinitamente
pequeno, você pode pensar que você deseja obter uma imagem quase infinitamente
perfeito cortando a grande maioria dos concorrentes, interferindo imagens. Mas agora
duas novas dificuldades surgem. Uma delas é de difracção. I diferido falar sobre isso
agora. É um problema de desfocagem que resulta do facto de que a luz se comporta
como ondas, que podem interferir uns com os outros. Esta indefinição fica pior quando
o pinhole é muito pequena. O outro obstáculo com um pequeno orifício recorda os
compromissos rígidos da nossa "economia de fótons". Quando o pinhole é pequeno o
suficiente para fazer uma imagem nítida, segue-se necessariamente que tão pouca luz
chega através do buraco que você pode ver o objeto bem somente se ele é iluminado por
uma luz quase inacessível brilhante. Em níveis normais de iluminação não fótons
suficientes obter através do pinhole para o olho para ter certeza de que ele está vendo.
Com um minúsculo orifício, temos uma versão do problema Cometa Halley. Você pode
combater isso abrindo o pinhole {151}
Figura 5.8 (em frente) Uma gama de olhos de invertebrados que ilustram abordagens
para a formação de petróleo bruto, mas eficaz imagens: (a) do Nautilus olho pinhole; (b)
caracol marinho; (c) de moluscos bivalves; (d) abalone; (e) ragworm . {152}

mais uma vez.Mas agora você está de volta onde você estava com uma confusão de
competir dos golfinhos '. A economia de fótons nos trouxe a um impasse nesta sopé
particular do Monte Improvável. Com o design de pin-hole você pode ter um sharpish
mas a imagem escura, ou um brightish mas difusa. Você não pode ter ambos.Essas
compensações são carne e bebida para os economistas, que é por isso que eu cunhou a
noção de uma economia de fótons. Mas é que não há maneira de conseguir uma imagem
brilhante e ainda simultaneamente afiada? Felizmente, existe.

Primeiro, pense do problema computacionalmente. Imagine que ampliar o pinhole para


deixar uma boa quantidade de luz. Mas em vez de deixá-lo como um buraco, inserimos
uma "janela mágica ', uma obra de feitiçaria eletrônica incorporada em vidro e ligado a
um computador (Figura 5.9). O estabelecimento desta janela controlado por computador
é a seguinte. Os raios de luz, em vez de passar diretamente através do vidro, são
dobradas através de um ângulo de astúcia. Este ângulo é cuidadosamente calculado pelo
computador de modo que todos os raios provenientes de um ponto (dizem que o nariz
golfinhos) são dobrados para convergir para um ponto correspondente na retina. Eu
desenhei apenas os raios do nariz do golfinho, mas a tela mágica, é claro, não tem
nenhuma razão para favorecer qualquer ponto e faz o mesmo cálculo para todos os
outros pontos também. Todos os raios originários na cauda do golfinho estão dobradas,
de tal maneira que eles convergem para um ponto de cauda correspondente na retina, e
assim por diante. o

Figura 5.9 A
complicada e
ridiculamente caros
abordagem
hipotética para
o problema de
formar
uma imagem que é
nítida e brilhante: a
"lente
computadorizada '.
{153}
resultado da janela mágica é que uma imagem perfeita do golfinho aparece na retina.
Mas não é escuro como a imagem de um pequeno pin-hole, porque muitos dos raios (o
que significa torrentes de fótons) convergem a partir do nariz do golfinho, lotes de raios
convergem a partir da cauda do golfinho, lotes de raios convergem a partir todos os
pontos do golfinho para o seu próprio ponto particular na retina. A janela mágica tem as
vantagens de uma pinhole, sem a sua grande desvantagem.

É tudo muito bem para evocar a chamada "janela mágica" fora do ar imaginativa. Mas
não mais fácil é dizer do que fazer? Pense o que um complicado cálculo o computador
ligado à janela mágica está fazendo. É aceitar milhões de raios de luz, vindo de milhões
de pontos no mundo. Cada ponto do golfinho é o envio de milhões de raios em milhões
de ângulos para diferentes pontos na superfície da janela mágica. Os raios são cruzando
um ao outro em uma junção de espaguete desconcertante de linhas retas. A janela
mágica com o seu computador associado tem de lidar com cada um desses milhões de
raios em volta e calcular o seu próprio ângulo particular, através do qual ele deve ser
ativado com precisão. Onde está este computador maravilhoso vir de, se não de um
milagre complicado? É aqui que encontramos o nosso Waterloo: um precipício
inevitável na nossa subida até Monte Improvável?

Surpreendentemente, a resposta é não. O computador no diagrama é apenas uma criação


imaginária para enfatizar a aparente complexidade da tarefa, se você olhar para ele de
uma maneira. Mas se você abordar o problema de outra maneira a solução acaba por ser
ridiculamente fácil. Há um dispositivo de simplicidade absurda que passa a ter
exatamente as propriedades da nossa janela mágica, mas sem computador, sem feitiçaria
eletrônica, nenhuma complicação em tudo. Esse dispositivo é a lente. Você não precisa
de um computador porque os cálculos nunca precisa ser feito explicitamente em tudo.
Os cálculos aparentemente complicados de milhões de ângulos de raios são tomadas de
cuidados, de forma automática e sem problemas, por um blob curva de material
transparente. Vou levar um pouco de tempo para explicar como as lentes de trabalhar,
como um prelúdio para mostrar que a evolução da lente não teria sido muito difícil.

É um fato da física que os raios de luz são curvados quando passam de um material
transparente em outro material transparente (Figura {154}

Figura 5.10 Como a luz é dobrada. O princípio de refracção num bloco de vidro.
5,10). O ângulo de flexão depende de qual dois materiais que venham a ser, porque
algumas substâncias têm um maior índice de refração - uma medida da capacidade de
curvar a luz - do que outros. Se estamos a falar de vidro e da água, o ângulo de
dobragem é ligeira porque o índice de refracção da água é quase o mesmo que o do
vidro. Se a junção entre o vidro e é ar, a luz é dobrada através de um ângulo maior
porque o ar tem um índice de refracção relativamente baixo. Na junção entre a água eo
ar, o ângulo de flexão é substancial o suficiente para fazer uma inclinação remo olhar.

Figura 5.10 representa um bloco de vidro no ar. A linha grossa é um raio de luz que
entra no bloco, sendo dobrada dentro do vidro, em seguida, dobrando de volta para o
ângulo original como ele sai do outro lado. Mas é claro que não há nenhuma razão para
que uma bolha de material transparente deve ter lados perfeitamente paralelos.
Dependendo do ângulo da superfície da mancha, um raio pode ser expulso em qualquer
direção que você escolher. E se o blob é coberto com facetas em lotes de ângulos
diferentes, um conjunto de raios pode ser expulso em lotes de diferentes direções
(Figura 5.11). Se a mancha é curvo de forma convexa em um ou ambos dos seus lados,
que será uma lente: o equivalente de trabalho da nossa janela mágica. Os materiais
transparentes não são particularmente raros na natureza. Ar e água, duas das substâncias
mais comuns em nosso planeta, são ambos transparente. Portanto, são muitos outros
líquidos. Portanto, são alguns cristais se a sua superfície é polida, por exemplo, por
acção das ondas no mar, para remover a rugosidade da superfície. Imagine um seixo de
algum material cristalino, usado em uma forma aleatória pelas ondas. Os raios de luz a
partir de uma única fonte são dobrados em todas as direções pela seixo, dependendo dos
ângulos das superfícies de seixos. {155}

Figura 5.11 seixos aleatórios refratam raios em direções inúteis.

Seixos vêm em todos os tipos de formas. Muito frequentemente são convexa em ambos
os lados. O que isto vai fazer para os raios de luz de uma fonte particular, como uma
lâmpada?

Quando os raios emergem de uma pedra com lados convexos vagamente que wih
tendem a convergir. Não um puro ponto único, tal como seria reconstruir uma imagem
perfeita da fonte de luz como nosso hipotético "janela mágica". Isso seria demais
esperar. Mas há uma tendência definida na direção certa. Qualquer seixo de quartzo cuja
intemperismo aconteceu para torná-lo suavemente curvilínea em ambos os lados serviria
como um bom "janela mágica ', uma verdadeira lente capaz de formar imagens que,
embora longe de ser afiada, são muito mais brilhantes do que uma pinhole poderia
produzir. Seixos desgastados pela água normalmente são, como uma questão de fato,
convexa em ambos os lados. Se eles passou a ser feita de material transparente muitos
deles constituiria lentes bastante útil, embora bruto,.

Um seixo é apenas um exemplo de um objeto acidental, undesigned o que pode


acontecer para trabalhar como uma lente em bruto. Há outros.Uma gota de suspensão de
água a partir de uma folha tem bordos curvos. Ela não pode ajudá-lo. Automaticamente,
sem mais concepção de nós, ele vai funcionar como uma lente rudimentar. Líquidos e
géis cair automaticamente em formas curvas a menos que haja alguma força, como a
gravidade, opondo-se positivamente{156} isso. Isso muitas vezes significa que eles não
podem ajudar funcionando como lentes. O mesmo é frequentemente verdade para
materiais biológicos. Uma medusa jovem é tanto em forma de lente e lindamente
transparente. Ele funciona como um razoavelmente boa lente, apesar de suas
propriedades de lentes nunca são realmente utilizados na vida e não há nenhuma
sugestão de que a seleção natural favoreceu suas propriedades lente-like. A
transparência, provavelmente, é uma vantagem, porque torna mais difícil para os
inimigos para ver, e a forma curva é uma vantagem, por algum motivo estrutural tendo
nada a ver com as lentes.

Aqui estão algumas imagens que eu projetadas em uma tela usando vários bruto e
dispositivos de formação de imagem não premeditado. Figura 5.12a mostra uma grande
letra A, como projetado em uma folha de papel na parte de trás de uma câmera pin-hole
(uma caixa de papelão fechada com um furo em um lado). Você provavelmente mal
podia lê-lo se você não foi dito o que esperar, mesmo que eu usei uma luz muito
brilhante para fazer imagem morrer. A fim de obter luz suficiente para lê-lo em tudo, eu
tive que fazer o "pin" buraco muito grande, cerca de um centímetro de diâmetro. Eu
poderia ter aguçado a imagem estreitando o pinhole, mas, em seguida, o filme não teria
registrado que - o familiar trade-off já discutimos.

Agora veja a diferença até mesmo um bruto e lente undesigned 'faz. Para a Figura 5.12b
a mesma letra A foi novamente projetada através do mesmo buraco para a parede de trás
da mesma caixa de cartão. Mas desta vez eu estava pendurado um saco plástico cheio de
água na frente de
Figura 5.12 Imagens visto através dos vários buracos improvisados e bruto, lentes
improvisados: (a) uma pinhole plain; (b) um saco de polietileno flacidez cheio de água;
(c) um cálice de vinho rodada cheia de água. {157}

o buraco.O saco não foi concebido para ser particularmente em forma de lente. É apenas
naturalmente pendura em uma forma curvilínea quando você preenchê-lo com água. Eu
suspeito que uma água-viva, sendo suavemente curva, em vez de rucked-se em vincos,
teria produzido uma imagem ainda melhor. Figura 5.12c ( 'PODE VOCÊ LER ESTE?')
Foi feito com a mesma caixa de papelão e buracos, mas desta vez um vinho taça
redonda cheia de água foi colocado na frente do buraco em vez de um saco de flacidez.
É certo que a taça é um objeto feito pelo homem, mas seus criadores nunca pretendeu
que fosse uma lente e que deram a sua forma globular por outras razões. Mais uma vez,
um objecto que não foi concebido para a finalidade acaba por ser uma lente adequada.

É claro sacos de polietileno e taças de vinho não estavam disponíveis para os animais
ancestrais. Não estou sugerindo que a evolução do olho passou por uma fase de
polietileno-bag, mais do que ela passou por uma fase de papelão-box. O ponto sobre o
saco de polietileno é que, como uma gota de chuva ou uma água-viva ou um cristal de
quartzo arredondada, ele não foi projetado como uma lente. Ele assume uma forma de
lente-like por algum outro motivo, que passa a ser influente na natureza.

Não é difícil, portanto, para objetos rudimentares lente semelhante a entrar em


existência espontaneamente. Qualquer pedaço velho de meio caminho geléia
transparente só precisa assumir uma forma curva (existem todos os tipos de razões pelas
quais ele pode) e vai conferir imediatamente, pelo menos, uma ligeira melhoria ao longo
de um copo ou pinhole simples. ligeira melhoria é tudo o que é necessário para
polegadas até as encostas mais baixas do Monte Improvável. O que pode os
intermediários ter parecido? Olhar para trás, Figura 5.8, e mais uma vez devo salientar
que estes animais são modernos e não deve ser pensado como uma série ancestral real.
Observe que o copo na figura 5.8b (caracol marinho) tem um forro de gelatina
transparente, a 'massa vítrea' (vm), que talvez sirva para proteger as células
fotoeléctricas sensíveis a partir da água do mar cru que flui livremente através da
abertura no copo. Essa massa vítrea puramente cautelar tem uma das qualidades
necessárias de uma lente - transparência - mas falta-lhe a curvatura correta e precisa
engrossando-se. Agora olhe para Figuras 5.8c, d, e, com os olhos de um molusco
bivalve, um abalone e uma ragworm. Além de proporcionar ainda mais exemplos
de{158} copos e intermediários entre copos e pinholes, todos esses olhos extremamente
mostrar engrossado massas vítreas. Massas vítreas, de diferentes graus de deformidade,
são onipresentes no reino animal. Como uma lente, nenhuma dessas splodges de geléia
moveria Sr. Zeiss ou o Sr. Nikon para escrever casa. No entanto, qualquer pedaço de
geléia que tem um pouco de curvatura convexa marcaria melhorias significativas sobre
uma pinhole aberto.

A maior diferença entre uma boa lente e algo como massa vítrea do abalone é esta: para
melhores resultados a lente deve ser separado da retina e separada por uma certa
distância. A diferença não precisa ser vazia. Pode ser preenchido por mais massa vítrea.
O que é necessário é que a lente deve ter um índice de refracção mais elevado do que a
substância que separa a lente a partir da retina. Existem várias maneiras pelas quais isto
pode ser alcançado, nenhum deles difícil. Vou lidar com apenas um modo, no qual a
lente é condensada a partir de uma região local no interior da porção dianteira de uma
massa vítrea como a da Figura 5.8e.

Em primeiro lugar, lembre-se que um índice de refração é algo que cada substância
transparente tem. É uma medida de seu poder para dobrar raios de luz. lente decisores
humanos normalmente assumir que o índice de refração de um pedaço de vidro é
uniforme através do vidro. Uma vez que um raio de luz entrou em uma lente de vidro
particular e mudou de direção de forma adequada, ele vai em uma linha reta até atingir o
outro lado da lente. A arte decisores lente está na afiação e polimento da superfície do
vidro em formas de precisão, e em aderir lentes diferentes juntos em cascatas
compostos.

Você pode colar diferentes tipos de vidro em conjunto de formas complicadas para fazer
lentes compostas com lotes de diferentes índices de refração em várias partes dos
mesmos. A lente da Figura 5.13a, por exemplo, tem um núcleo central feita de um tipo
diferente de vidro com um índice de refracção mais elevado. Mas ainda há mudanças
discretas de um índice de refração para outro. Em princípio, no entanto, não há
nenhuma razão para que uma lente não deve ter um índice de refracção que varia
continuamente ao longo do seu interior. Isto é ilustrado na Figura 5.13b. Esta "lente de
índice gradual 'é difícil para lente decisores humanos para alcançar por causa da
maneira que eles fazem {159}
Figura 5.13 Dois tipos de lente
complexo.

. suas lentes fora do vidro * mas é fácil para as lentes de viver a ser construído como
este, porque eles não são feitos de uma só vez: eles crescem a partir de um pequeno
começo como o animal jovem desenvolve. E, por uma questão de facto, as lentes com
índices de refracção variando continuamente são encontrados em peixes, polvo e muitos
outros animais. Se você olhar atentamente para a Figura 5.8e, você vê o que poderia
concebivelmente ser uma região de diferentes índice de refração na zona de trás da
abertura do olho.

Mas eu estava começando a contar a história de como as lentes podem ter evoluído em
primeiro lugar dado, a partir de uma massa vítrea que encheu o olho inteiro. o {160}
princípio de como isso poderia ter acontecido, ea velocidade com que possa ter sido
realizado, foi muito bem demonstrado em um modelo de computador por um par de
biólogos sueco chamado Dan Nilsson e Susanne Pelger. Vou levar-se a explicar o seu
modelo de computador elegante de uma forma ligeiramente oblíqua. Em vez de ir direto
para o que eles realmente fizeram, vou voltar para a nossa progressão de Biomorph para
modelos de computador NetSpinner e perguntar como um poderia idealmente situado
em fazer um modelo de computador semelhante da evolução de um olho. Vou, então,
explicar que este é essencialmente equivalente ao que Nilsson e Pelger fez, apesar de
não colocá-lo em exatamente da mesma maneira.

Lembre-se que os biomorfos evoluíram por seleção artificial: o agente de seleção foi
gosto humano. Nós não poderia pensar de uma forma realista de incorporar a seleção
natural no modelo portanto, transferido para modelar teias de aranha em seu lugar. A
vantagem de teias de aranha foi que, uma vez que eles fazem o seu trabalho num plano
bidimensional, a sua eficiência em moscas de travamento pode ser calculado
automaticamente pelo computador. Assim, poderia o seu custo em seda, e mantas
modelo poderia, portanto, ser automaticamente 'escolhido pelo computador em uma
forma de seleção natural. Nós concordamos que teias de aranha foram excepcionais a
este respeito: nós não poderia facilmente espero fazer o mesmo para a espinha dorsal de
uma chita caça ou a pata de uma baleia nadar, porque os detalhes físicos envolvidos na
avaliação da eficiência de um órgão tridimensional são demasiado complicado. Mas um
olho é como uma teia de aranha a este respeito. A eficiência de um olho modelo
desenhado em duas dimensões podem ser avaliadas automaticamente pelo computador.
Não estou querendo dizer que um olho é uma estrutura bidimensional, porque não é. É
apenas que, se você assumir que o olho é circular quando visto de frente, a sua
eficiência em três dimensões pode ser avaliado a partir de uma imagem do computador
de uma fatia vertical única pelo meio. O computador pode fazer uma análise simples
ray-tracing e trabalhar para fora a nitidez da imagem que um olho seria capaz de formar.
Esta pontuação qualidade é equivalente ao cálculo da eficiência de um web computador
de aranha de NetSpinner na captura de moscas de computador.

Assim como teias NetSpinner procriado teias filha mutantes, para que pudéssemos
deixar os olhos modelo gerar olhos filha mutantes. Cada olho filha que tem basicamente
a mesma forma como o progenitor, mas com um pequeno{161} mudança aleatória a
algum aspecto menor da sua forma. É claro que alguns desses computadores "olhos"
seria tão diferente de olhos reais que não merece o título, mas não importa. Eles ainda
podem ser criados, e sua qualidade óptica poderia ainda ser atribuída uma pontuação
numérica - presumivelmente seria muito baixo. Poderíamos, portanto, da mesma forma
como NetSpinner, olhos evoluem melhorada por selecção natural no computador.
Poderíamos começar com um muito bom olho e evoluir um olho muito bom. Ou
poderíamos começar com um olho muito pobres ou mesmo com nenhum olho em tudo.

É instrutivo para executar um programa como NetSpinner como uma simulação real de
evolução, definindo-off a partir de um ponto de partida rudimentar e esperando para ver
onde ele vai acabar. Você poderia até mesmo acabar em diferentes pontos culminar em
corridas diferentes evolutivos, porque pode haver picos acessíveis alternativas de Monte
Improvável. Poderíamos executar o nosso modelo de olho no modo de evolução
também, e faria uma demonstração vívida. Mas, na verdade, você não aprender muito
mais, deixando o modelo evoluem do que você iria aprender a explorar, de forma mais
sistemática, onde o caminho para cima (s) no Monte chumbo Improbable (s). A partir de
um determinado ponto de partida, um caminho que vai sempre para cima, não para
baixo, é o caminho que a seleção natural iria seguir. Se você executou o modelo no
modo de evolução, a seleção natural iria seguir esse caminho. Por isso poupa tempo de
computador se procurar sistematicamente por caminhos para cima e para picos que
podem ser alcançadas a partir de pontos de partida postuladas. O importante é que as
regras do jogo proíbem indo ladeira abaixo. Esta pesquisa mais sistemática para
caminhos para cima é o que Nilsson e Pelger fez, mas você pode ver por que eu escolhi
para introduzir seu trabalho como se nós estávamos planejando, com eles, a
promulgação NetSpinner de estilo da evolução.

No entanto, optar por executar o nosso modelo, seja em 'modo de seleção natural' ou em
'exploração sistemática do modo de montanha ", temos que decidir sobre algumas regras
de embriologia: isto é, algumas regras que regem como os genes controlam o
desenvolvimento de corpos . Que aspectos da forma que as mutações realmente operar
sobre? E quão grande ou quão pequena, são os próprios mutações? No caso de
NetSpinner, as mutações de agir de acordo com os aspectos conhecidos do
comportamento de aranhas. No caso dos biomorfos, mutações agir de acordo com os
comprimentos e ângulos de filiais em árvores que crescem. No caso dos olhos, Nilsson
e Pelger começou{162} , reconhecendo que existem três principais tipos de tecido em
um olho normal "câmara". Existe um invólucro exterior para a câmara, geralmente
opaca à luz. Há uma camada de "fotocélulas" sensível à luz. E existe algum tipo de
material transparente, o que pode servir como uma janela de protecção ou que possam
preencher a cavidade dentro do copo - se, de fato, há um cálice, pois não estamos
tomando nada como garantido em nossa simulação. De Nilsson e Pelger ponto de
partida - ao pé da montanha - é uma camada plana de fotocélulas (cinza na Figura 5.14),
sentado em uma tela de apoio plana (preto) e coberto por uma camada plana de tecido
transparente (off-white). Eles assumido que a mutação funciona fazendo com que uma
pequena percentagem de alteração no tamanho de alguma coisa, por exemplo, uma
pequena percentagem de redução na espessura da camada transparente, ou uma pequena
percentagem de aumento no índice de refracção de uma região local da camada
transparente. A pergunta realmente é, onde você pode chegar a na montanha, se você
começar a partir de um determinado campo de base e ir constantemente para cima? Indo
para cima significa mutação, um pequeno passo de cada vez, e só aceitar mutações que
melhoram o desempenho óptico.

Então, onde é que vamos chegar? Agradavelmente, através de uma via ascendente
suave, a partir de nenhum olho bom em tudo, chegamos a um olho de peixe conhecido,
completo com lente. A lente não é uniforme como uma lente feita pelo homem comum.
É uma lente de índice gradual, como nos encontramos na Figura 5.13b. Seu índice de
refração continuamente variável é representada no diagrama por vários tons de cinza. A
lente tem 'condensada' fora da massa vítrea pela gradual, ponto por mudanças pontuais
no índice de refração. Não há prestidigitação aqui. Nilsson e Pelger não fez pré-pro-
grama sua massa vítrea simulada com uma lente primordial apenas esperando para
estourar adiante. Eles simplesmente permitiu que o índice de refração de cada pequeno
pedaço de material transparente para variar sob controle genético. Cada gota de material
transparente estava livre para variar o seu índice de refração em qualquer direção ao
acaso. Um número infinito de padrões de índice de refracção variando poderiam ter
surgido no interior da massa vítrea. O que fez a lente de sair da lente em forma de 'era
mobilidade ascendente ininterrupta, o equivalente a reprodução seletiva do melhor olho
que vê em cada geração.

O propósito de Nilsson e Pelger não foi apenas para mostrar que existe uma trajetória
suave de melhora a partir de um não-olho plana para um bom peixe {163}
Figura 5.14 de Nilsson e Pelger
série evolutiva teórica que conduz
a um olho 'peixes'. O número de
passos
entre os estágios assume,
arbitrariamente,
olho.Eles também foram capazes de usar seu modelo para estimar o tempo que seria
necessário para evoluir um olho a partir do nada. O número total de passos que o seu
modelo levou foi 1.829 se cada etapa alcançada a I por mudança cento na magnitude de
alguma coisa. Mas não há nada mágico sobre I por cento. A mesma quantidade total de
mudança teria tomado 363,992 passos de 0,005 por cento. Nilsson e Pelger teve de
voltar a expressar a quantidade total de mudança de não-arbitrários, unidades realistas, e
isso significa que as unidades de alteração genética. A fim de fazer isso, foi necessário
fazer algumas suposições. Por exemplo, eles tiveram que fazer uma suposição sobre a
intensidade da seleção. Eles assumiram que para cada 101 animais que possuem um
olho melhorado que sobreviveram, 100 animais sem a melhoria sobreviveu. Como você
pode ver, esta é uma baixa intensidade de seleção como o senso comum pode julgá-lo -
você está quase tão bem sem a melhoria, com ele. Eles escolheram deliberadamente um
valor baixo, conservador ou "pessimista" porque eles estavam inclinando para trás para
inclinar sua estimativa de taxa de evolução para ser, se alguma coisa, muito lento. Eles
também tiveram que fazer duas outras hipóteses: de "hereditariedade" e de "coeficiente
de variação. O coeficiente de variação é uma medida da quantidade de variação existe
na população. A seleção natural tem variação de trabalhar em cima e Nilsson e Pelger
novamente escolheu deliberadamente um valor pessimista baixa. A hereditariedade é
uma medida de quanto da variação, de variação disponível uma determinada população,
é herdada. Se a hereditariedade é baixo, isso significa que a maior parte da variação da
população é causado ambientalmente, e seleção natural, por tudo o que ele pode
"escolher" os indivíduos para viver ou morrer, terá pouco impacto sobre a evolução. Se
herdabilidade é elevada, a seleção tem um grande impacto sobre as gerações futuras,
porque a sobrevivência individual realmente se traduz em sobrevivência dos genes.
Herdabilidades frequentemente vir a ser mais de 50 por cento, então a decisão Nilsson e
Pelger s para resolver em 50 por cento era um cenário pessimista. Finalmente, eles
fizeram a hipótese pessimista que diferentes partes do olho não pode mudar
simultaneamente em uma geração.

'Pessimista' em todos esses casos significa que a estimativa de que, finalmente, chegar a
por quanto tempo leva um olho para evoluir é provável que seja no lado longo. A razão
pela qual nós chamamos uma sobre-estimativa pessimista{165} em vez de otimista é
isso. Um cético sobre o poder da evolução, como Emma Darwin, é naturalmente
atraídos para a visão de que um órgão tão notoriamente complicado e many-se
separaram como um olho, se ele pode evoluir em tudo, vai demorar um imenso tempo
para evoluir. Estimativa final de Nilsson e Pelger foi realmente surpreendentemente
curta. No final do cálculo, descobriu-se que seriam necessários apenas cerca de 364.000
gerações para evoluir um bom olho de peixe com uma lente. Teria sido ainda menor se
tivessem feito mais otimista (e isso provavelmente significa mais realistas) premissas.

Quanto tempo é 364.000 gerações em anos? Isso depende do tempo de geração, é claro.
Os animais que estamos a falar seria pequenos animais marinhos como vermes,
moluscos e pequenos peixes. Para eles, uma geração normalmente demora um ano ou
menos. Assim, a conclusão de Nilsson e Pelger é que a evolução do olho da lente
poderia ter sido realizado em menos de meio milhão de anos. E isso é um muito curto
espaço de tempo, na verdade, pelos padrões geológicos. É tão curto que, nos estratos
das eras antigas que estamos a falar, seria indistinguível de instantâneo. O lamento que
não tenha havido tempo suficiente para o olho a evoluir acaba por ser não apenas
errado, mas dramaticamente, de forma decisiva, ignominiosamente errado.
Claro que existem alguns outros detalhes de um olho completo que Nilsson e Pelger
ainda não se tenham pronunciado e que pode (embora eles não pensam assim) levar em
vez mais tempo para evoluir. Não é a evolução preliminar das células sensíveis à luz - o
que venho chamando fotocélulas - o que eles consideravam como tendo sido realizada
antes do início do seu sistema de evolução do modelo. Existem outras características,
avançadas de olhos modernos, como os aparelhos para alterar o foco de um olho, para
alterar o tamanho da pupila ou y ~ stop ', e para mover o olho. Há também todos os
sistemas no cérebro que são necessários para o processamento da informação do olho.
Movendo-se o olho é importante, não apenas pela razão óbvia, mas, mais
indispensavelmente, para manter o olhar parado enquanto o corpo se move. Birds fazer
isso usando os músculos do pescoço para manter toda a cabeça ainda, não obstante
movimentos substanciais do resto do corpo. sistemas avançados para fazer isso
envolvem mecanismos cerebrais bastante sofisticados. Mas é fácil ver que rudimentares,
ajustes imperfeitos seria melhor do que nada,{166} para que não haja dificuldade em
juntar uma série ancestral seguir um caminho suave até o Monte Improvável.

A fim de concentrar os raios que estão vindo de um alvo muito distante, você precisa de
uma lente mais fraco do que para focar os raios que estão vindo de um alvo próximo.
Para focar muito rapidamente, tanto longe e de perto é um luxo se pode viver sem, mas
na natureza a cada pouco de impulso para as chances de contagem de sobrevivência e
como uma questão de fato diferentes tipos de animais exibem uma variedade de
mecanismos para alterar o foco da lente. Nós mamíferos fazê-lo por meio de músculos
que puxam na lente e mudar a sua forma um pouco. Então faça aves e a maioria dos
répteis. Camaleões, cobras, peixes e rãs fazê-lo da mesma forma que uma câmera faz,
puxando a lente um pouco para a frente ou para trás. Animais com olhos menores não se
incomode. Seus olhos são como um Box Brownie: aproximadamente, embora não de
forma brilhante, no foco em todas as distâncias. À medida que envelhecemos nossos
olhos, infelizmente, tornam-se mais Box Brownie-like e nós muitas vezes precisam de
óculos bifocais para ver de perto e de longe.

Não é nada difícil imaginar a evolução gradual de mecanismos para alterar o foco. Ao
experimentar com o saco de polietileno cheia de água, eu rapidamente percebeu que a
nitidez de foco pode ser bem melhor (ou pior) picando o saco com os dedos. Sem estar
consciente da forma do saco, sem sequer olhar para o saco, mas concentrando-se na
qualidade da imagem projectada, eu simplesmente picado e esmagado o saco
aleatoriamente até que o foco ficou ainda melhor. Qualquer muscular na vizinhança de
um pedaço de massa vítrea poderia, como um subproduto de contrair para algum outro
propósito, melhorar aliás o foco da lente. Isso abre uma ampla estrada para a melhoria
suave todo o caminho até as encostas do Monte Improvável, que poderia culminar em
qualquer mamífero ou o método camaleão de mudar o foco.

Alterando a abertura - o tamanho do orifício através do qual a luz é admitido - pode ser
um pouco mais difícil, mas não muito. A razão para querer fazer isto é o mesmo que em
uma câmara. Para qualquer sensibilidade do filme / fotocélulas, é possível ter muita luz
(encandeamento), bem como muito pouco. Além disso, quanto mais estreito do furo,
maior a profundidade de foco - a gama de distâncias que são simultaneamente em foco.
Uma câmera sofisticada, ou olho, tem uma luz embutida{167} metro que pára
automaticamente o buraco quando o sol sai, e abre o buraco quando o sol se. A pupila
de um olho humano é uma peça muito sofisticada de tecnologia de automação, algo que
um micro-engenheiro japonês poderia ser motivo de orgulho.
Mas, mais uma vez, não é difícil ver como este mecanismo avançado poderia ter
conseguido o seu início nas encostas mais baixas do Monte Improvável. Pensamos no
aluno como circular, mas ele não tem que ser. Qualquer forma faria. Ovinos e bovinos
têm uma longa horizontal pupila, em forma de losango. Então faça polvos e algumas
cobras, mas outras cobras têm uma fenda vertical. Os gatos têm um aluno que varia de
um círculo para uma fenda estreita, vertical (Figura 5.15):

Será minnaloushe sabem que seus alunos


vão passar de mudança para mudar,
e que a partir de volta para crescente,
de Crescent para arredondar eles variam?
Minnaloushe rasteja através da grama
Sozinho, importante e sábio,
e elevadores para a mudança da lua
Seus olhos mudam.

WBYeats

Mesmo câmaras caros, muitas vezes têm alunos que são polígonos em bruto em vez de
círculos perfeitos. Tudo o que importa é que a quantidade de luz que entra no olho deve
ser controlada. Quando você percebe isso, a evolução inicial do aluno variável deixa de
ser um problema. Há lotes de caminhos suaves para serem seguidas as encostas mais
baixas do Monte Improvável. O diafragma de íris não mais é uma barreira impenetrável
que é evolutiva do esfíncter anal. Talvez o mais importante que a quantidade precisa de
ser melhorada é a velocidade de resposta da pupila. Depois de ter nervos de todo,
acelerá-los é um glide fácil até as encostas da montanha. alunos Humanos responder
rápido, como você pode verificar rapidamente, brilhando uma tocha em seu olho
enquanto olha para a sua pupila em um espelho. (Você vê o efeito mais dramaticamente
se você brilhar a tocha em um olho enquanto olha para o aluno na outra:. Para os dois
são agrupados juntos) {168}
Figura 5.15 Vários alunos, incluindo o de uma câmera. A forma exata de um aluno, não
importa, é por isso que é permitido ser tão variável: (a) píton; (b) humana; (c) cat; (d) de
nariz comprido cobra árvore; (e) Câmera. {169}

Como vimos, o modelo Nilsson e Pelger desenvolveu uma lente de índice gradual, que é
diferente da maioria das lentes feitas pelo homem, mas como os de peixes, lulas e outros
olhos câmera subaquática. A lente surge por condensação de uma zona de índice de
refracção elevado localmente dentro geleia transparente anteriormente uniforme.

Nem todas as lentes evoluíram por condensação de uma massa gelatinosa. Figura 5.16
mostra dois olhos de insetos que formam suas lentes de maneiras bem diferentes. Estes
são ambos chamados olhos simples, para não ser confundido com os olhos compostos
que nós vamos chegar a em um momento. No primeiro destes olhos simples, a partir de
uma larva vespão, as formas de lente como um espessamento da córnea - a camada
transparente exterior. No segundo, a partir de um efemérida, a córnea não é engrossada
e a lente se desenvolve como uma massa de células incolores e transparentes. Ambos
estes dois métodos de desenvolvimento de lentes prestam-se ao mesmo tipo de Mount
subida Improvável como já realizada para o olho massa vítrea do worm. Lentes, como
os olhos de si, parecem ter desenvolvido muitas vezes de forma independente. Monte
Improvável tem muitos picos e morros.

Retinas, também, trair suas origens múltiplas por suas formas variáveis. Com uma
excepção, todos os olhos que têm até agora ilustrados tiveram as suas células
fotoeléctricas na frente dos nervos que os ligam ao cérebro. Esta é a maneira óbvia de
fazer isso, mas não é universal. O verme na figura 5.4a mantém suas células
fotoeléctricas, aparentemente, do lado errado de seus nervos que conectam. O mesmo
acontece com o nosso próprio olho dos vertebrados. As células fotoeléctricas apontar
para trás, longe da luz. Isto não é tão bobo quanto parece. Uma vez que eles são muito
pequenos e transparente, não importa muito o caminho que eles apontam: a maioria dos
fótons vai atravessar em linha reta e, em seguida, executar o desafio de defletores de
pigmento-laden esperando para pegá-los. O único sentido em que ainda significa muito
para dizer que as fotocélulas vertebrados apontar para trás é que os 'fios' (nervos), que
liga-los ao cérebro partem na direção errada, para a luz em vez de para o cérebro. Eles,
então, correr sobre a superfície frontal da retina em direção um lugar particular, o
chamado "ponto cego". Este é o lugar onde eles mergulham através da retina para o
nervo óptico, que é por isso que a retina é cego neste local. Embora todos nós estamos
tecnicamente cego no local, mal sabemos porque o cérebro é tão inteligente em
reconstituir a pouco ausente. Nós só notar o ponto cego se o {170}
Figura 5.16 duas maneiras diferentes para lentes de insetos para desenvolver: (a) larva
sawfly; (b) mayfly.
imagem de alguma pequena discreta objeto, que temos existe evidência independente,
move-se para ele: em seguida, aparece para sair como uma luz, aparentemente, passa a
ter a cor de fundo geral da área.

Eu já disse que não faz diferença se a retina está de volta-a-frente. Um caso poderia ser
feito que, absolutamente todas as outras coisas sendo iguais,{171} poderia ter sido
melhor se nossas retinas foram a volta direita. É, talvez, um bom exemplo do facto de
montagem improvável, tem mais do que um pico, com vales profundos entre. Uma vez
que um bom olho começou a evoluir com a sua retina back-to-front, a única maneira de
subir é para melhorar o presente projeto de olho. A mudança para um design
radicalmente diferente envolve indo ladeira abaixo, e não apenas um pouco, mas para
baixo um abismo profundo, e que não é permitido pela seleção natural. A retina dos
vertebrados enfrenta a forma como ele faz por causa da forma como ele se desenvolve
no embrião, e isso certamente vai voltar para seus antigos ancestrais. Aos olhos de
muitos invertebrados desenvolver de diferentes maneiras, e as suas retinas são,
consequentemente, a maneira "certa" round.

Deixando de lado o fato interessante de sua apontando para trás, retinas vertebrados
escalar alguns dos picos mais altos na montanha. A retina humana possui cerca de 166
milhões de fotocélulas, divididos em vários tipos. A divisão básica é em barras
(especializados para baixo de precisão, a visão não-cor em níveis relativamente baixos
de luz) e cones (especializados para visão de cores de alta precisão na luz brilhante).
Enquanto você lê estas palavras que você está usando apenas cones. Se Juliet tinha visto
o cometa de Halley, que teria sido suas varas que foram responsáveis. Os cones estão
concentrados em uma pequena área central, a fóvea (você está lendo com seus fóveas)
onde não existem varas. É por isso que, se você quiser ver um objeto muito escuro
como o Cometa Halley, você deve apontar seus olhos não diretamente para ele, mas um
pouco de distância, de modo que sua luz escassa está fora da fóvea. Número de
fotocélulas e diferenciação de células fotoeléctricas em mais de um tipo, não
apresentam problemas especiais do ponto de vista da Escalada do Monte Improvável.
Ambos os tipos de melhoria, obviamente, constituem gradientes suaves até a montanha.

Big retinas ver melhor do que as pequenas retinas. Você pode colocar mais fotocélulas
em, e você pode ver mais detalhes. Mas, como sempre, existem custos. Lembre-se o
caracol surrealista da Figura 5.1. Mas há uma maneira em que um pequeno animal pode,
com efeito, desfrutar de uma retina maior do que paga. Professor Michael Land, da
Universidade de Sussex, que tem um histórico invejável para descobertas exóticos do
mundo de olhos e de quem eu aprendi muito do que sei sobre os olhos, encontrou um
maravilhoso{172} exemplo no salto aranhas * . Não há aranhas têm olhos compostos:
aranhas saltadoras têm tomado o olho da câmera até um pico notável da economia
(Figura 5.17). O Terra descobriu foi uma retina extraordinário. Em vez de ser uma
grande folha em que uma imagem completa pode ser projetada, é uma longa faixa,
vertical, não larga o suficiente para acomodar uma imagem decente. Mas a aranha faz a
estreiteza de sua retina por um improvisado engenhosa. Ela se move a sua retina
sistematicamente sobre, 'varredura' a área onde uma imagem pode ser projetada. Sua
retina eficaz é, portanto, muito maior do que a sua retina real - em vez sobre o mesmo
princípio que as bolas aranha com seu giro único segmento aproxima a área de captação
de um web adequada. Se a retina aranhas saltadoras encontra um objeto interessante,
como uma mosca em movimento ou outra aranha de salto, concentra seus movimentos
de varredura na área precisa do alvo. Isto dá-se o equivalente de uma dinâmica fóvea.
Usando este truque inteligente, aranhas saltadoras têm realizado o olho da lente para um
pouco de pico respeitável na sua área local do Monte Improvável.

Eu apresentei a lente como um excelente remédio para as deficiências do olho pinhole.


Não é o único. Um espelho curvo constitui um princípio diferente de uma lente, mas é
uma boa solução alternativa para o mesmo problema da recolha de uma grande
quantidade de luz a partir de cada ponto de um objecto, e concentrando-o a um único
ponto numa imagem. Para alguns propósitos um espelho curvo é realmente uma solução
mais econômica para o problema do que uma lente, e os maiores telescópios ópticos do
mundo são todos os refletores (Figura 5.18a). Um problema secundário com um
telescópio de reflexão é que a imagem é formada em frente do espelho, na verdade, no
percurso dos raios de entrada. telescópios refletores costumam ter um pequeno espelho
para refletir a imagem focada lateralmente em uma ocular ou uma câmera. O pequeno
espelho não ficar no caminho, não {173}
Figura 5.18 soluções espelho curvo para o problema da formação de imagens: (a)
telescópio refletor; (b) Gigantocypris , um grande crustáceos planctônicos pintado por
Sir Alister Hardy; (c) os olhos vieira espiando através lacuna na casca; (d) cross-section
de vieira olho; (e) oval cartesiano. {175}

suficiente para estragar a imagem, de qualquer maneira. Nenhuma imagem focalizada


do pequeno espelho é visto: ele simplesmente faz com que uma pequena redução na
quantidade total de luz que atinge o espelho grande na parte de trás do telescópio.

O espelho curvo, então, é uma solução física teoricamente viável para um problema
importante. Existem exemplos de olhos espelho curvo no reino animal? A mais antiga
sugestão ao longo destas linhas foi feito por meu antigo professor de Oxford, Sir Alister
Hardy, comentando sobre sua pintura de uma notável crustáceo em alto-mar chamado
Gigantocypris (Figura 5.18b). Astrônomos capturar o que alguns fótons chegam de
estrelas distantes com enormes espelhos curvos em observatórios, como o Monte
Wilson e Palomar. É tentador pensar que Gigantocypris está fazendo a mesma coisa
com os poucos fótons que penetram os oceanos profundos, mas investigações recentes
de Michael Land excluir qualquer semelhança em detalhe. É neste momento não está
claro como Gigantocypris vê.

Há um outro tipo de animal, no entanto, que utiliza um espelho curvo definitivamente


bona fide para formar uma imagem, se bem que ele possui uma lente para ajudar. Mais
uma vez, ele foi descoberto por que o Rei Midas de pesquisa animal olho, Michael
Land. O animal é a vieira.

A fotografia na Figura 5.18c é uma ampliação de uma pequena peça (dois shell-
corrugações em largura) do hiato de um destes bivalves. Entre o reservatório e os
tentáculos é uma fila de dezenas de pequenos olhos. Cada olho forma uma imagem,
através de um espelho curvo que se encontra bem atrás da retina. É este espelho que faz
com que cada olho a brilhar como uma pequena pérola azul ou verde. Na seção, o olho
parece com a Figura 5.18d. Como eu mencionei, há uma lente, bem como um espelho, e
eu vou voltar a este. A retina é a área inteira acinzentado que se encontra entre a lente e
o espelho curvo. A parte da retina que vê a imagem afiado projectado pelo espelho é
firmemente a porção contígua à parte de trás da lente. Essa imagem é de cabeça para
baixo e é formada por raios reflectidos para trás pelo espelho.

Então, por que há uma lente em tudo? espelhos esféricos como este estão sujeitos a um
determinado tipo de distorção chamada aberração esférica. Um projeto famoso
telescópio refletor, o Schmidt, supera o problema por uma combinação astúcia de lente
e espelho. olhos vieira parecem resolver o problema de uma forma ligeiramente
diferente. Esférico {176} aberração pode, teoricamente, ser superado por um tipo
especial de lentes cuja forma é chamado de "oval cartesiana". A Figura 5, I8e é um
diagrama de uma oval cartesiano teoricamente ideal. Agora olhe novamente para o
perfil da lente real do olho .scallop (Figura 5.18d). Com base na semelhança notável, o
professor de terrenos sugere que a lente é lá como um corrector para a aberração
esférica do espelho, que é o principal do dispositivo de formação de imagem.

Quanto à origem do olho espelho curvo nas encostas mais baixas da sua região da
montanha, podemos fazer um palpite. Refletindo camadas atrás retinas são comuns no
reino animal, mas para uma finalidade diferente, não formador de imagem, como em
vieiras. Se você sair para a floresta com um projector brilhante você verá inúmeros
feixes gêmeos que brilham em linha reta para trás em você. Muitos mamíferos,
especialmente as noturnas como potto de ouro Figura de 5.19b ou angwantibo da África
Ocidental, tem um tapete, uma camada que reflete atrás da retina. O que o tapete faz é
fornecer uma segunda chance de pegar fótons que as fotocélulas não conseguiu parar:
cada fóton é refletida para trás para a própria fotocélula que perdeu vindo do outro lado,
para que a imagem não seja distorcida. Invertebrados, também, ter descoberto o tapete.
Uma tocha brilhante na floresta é uma excelente maneira de encontrar certos tipos de
aranha. Na verdade, olhando para o retrato de uma aranha de lobo (Figura 5.19a), você
quer saber por que os gatos '' olhos 'que marcam nossas estradas não são chamados
"olhos de aranha'. Tapetums para capturar cada último fóton pode muito bem ter
evoluído nos olhos copo ancestrais antes lentes. Talvez o tapete é o pré-adaptação que,
em alguns animais isolados, tornou-se modificado de modo a formar um tipo telescópio
de reflexão do olho. Ou o espelho pode ter surgido a partir de outra fonte. É difícil ter
certeza.

Lentes e espelhos curvos são duas maneiras de se concentrar fortemente uma imagem.
Em ambos os casos, a imagem está de cabeça para baixo e esquerda - direita invertida.
Um tipo completamente diferente de olho, o que produz uma imagem de cabeça para
cima, é o olho composto, favorecida por insetos, crustáceos, alguns vermes e moluscos,
caranguejos de rei (estranhas criaturas marinhas disse estar mais perto de aranhas do
que caranguejos reais) e o grande grupo de trilobites extintos. Na verdade, existem
vários tipos diferentes de olho composto. Vou começar com o tipo mais elementar, a
chamada composto aposição olho. Para entender como o olho aposição {177}
Figura 19 Saving fótons por refletindo-los de volta. Brilhando Tapeta atrás dos olhos de
(a) uma aranha de lobo, Geolycosa sp. , E (b) um potto dourada.

obras, vamos voltar quase ao fundo do Monte Improvável. Como vimos, se você quiser
um olho para ver uma imagem ou mesmo ir além de sinalização a mera intensidade da
luz, você precisa de mais do que uma célula fotoeléctrica, que eles devem pegar a luz de
diferentes direções. Mão única {178} para torná-los em direções diferentes é colocá-los
em um copo, apoiado por uma tela opaca. Todos os olhos que até agora falou sobre ter
sido descendentes desse princípio copo côncava. Mas talvez uma solução ainda mais
evidente para o problema é o de colocar as células fotoeléctricas na convexa, fora da
superfície de um copo, causando desse modo que olhar para o exterior em direcções
diferentes. Esta é uma boa maneira de pensar de um olho composto, na sua forma mais
simples.

Lembra quando introduzido pela primeira vez o problema da formação de uma imagem
de um golfinho. Fiz notar que o problema poderia ser considerado como o problema de
ter muitas imagens. Um número infinito de 'golfinhos' na retina, todos os sentidos e em
todas as posições na retina, acrescenta-se a nenhum golfinho visível em todos (Figura
5.20a). O olho pinhole trabalhou porque filtrados quase todos os raios, deixando apenas
a minoria que se cruzam na pinhole e formar uma única imagem de cabeça para baixo
do golfinho. Nós tratada a lente como uma versão mais sofisticada do mesmo princípio.
o {179}
Figura 5.20 (a) a reprodução da figura 5.6; (b) o copo virado do avesso. Princípio do
composto aposição olho.

composto aposição olho resolve o problema de uma forma ainda mais simples.

O olho é construído como um conjunto denso de tubos retos longos, irradiando em todas
as direções a partir do telhado de uma cúpula. Cada tubo é como uma mira que vê
apenas a pequena parte do mundo em sua própria linha de fogo. Em termos de nossa
metáfora de filtragem, poderíamos dizer que os raios vindos de outras partes do mundo
são impedidos, pelas paredes do tubo e o apoio da cúpula, de bater a parte de trás do
tubo onde as fotocélulas estão.

Isso é basicamente como o composto aposição olho funciona. Na prática, cada um dos
pequenos tubos olhos, chamado de omatídeo (plural omma-Tidia), é um pouco mais do
que um tubo. Tem a sua própria lente privada, e sua própria pequena 'retina' de,
normalmente, meia dúzia ou assim fotocélulas. Na medida em que cada omatídeo
produz uma imagem em toda a parte inferior do tubo estreito, que é imagem de cabeça
para baixo: a omatídeo funciona como uma longa, de baixa qualidade, câmara do olho.
Mas as imagens de cabeça para baixo dos omatídeos individuais são ignoradas. O
omatídeo só relata a quantidade de luz vem para baixo seu tubo. A lente serve apenas
para recolher mais raios de luz de direção mira do omatídeo e concentrá-los para a
retina. Quando todos os ommatidia são tomadas em conjunto, a sua resumiu "imagem" é
o caminho certo para cima, como mostrado na Figura 5.20b.

Como sempre, "imagem" não tem de significar o que nós, humanos, pensaria em como
uma imagem:, uma percepção Technicolor precisa de uma cena inteira. Em vez disso,
estamos a falar de qualquer tipo de capacidade de usar os olhos para distinguir o que
está acontecendo em diferentes direções. Alguns insetos podem, por exemplo, utilizar
os seus olhos compostos apenas para rastrear alvos em movimento. Eles podem ser cego
para ainda cenas. A questão de saber se os animais ver as coisas da mesma maneira
como fazemos é em parte uma filosófica e pode ser uma mais do que normalmente
tarefa difícil tentar responder-lhe.

O princípio de olhos composto funciona bem o suficiente para, digamos, uma libélula
zerar dentro em um movimento voar, mas, para um olho composto de ver tanto detalhe
como se vê, ele precisaria ser extremamente maior do que o tipo de câmera simples olho
que possuímos. Aqui é aproximadamente o porquê disso. Obviamente, quanto mais
ommatidia você tem, todos olhando em direções ligeiramente diferentes, o mais fino
detalhe que você pode ver. Uma libélula pode ter 30.000 ommatidia e é muito bom em
falcoaria insetos na asa (Figura 5.21). Mas, a fim de ver o máximo de detalhes {180}

Figura 5.21 grandes olhos compostos em um predador aéreo caça visualmente, a


libélula Aeshna cyanea.

como podemos ver, você precisa de milhões de ommatidia. A única maneira de encaixar
em milhões de ommatidia é torná-los extremamente pequena. E, infelizmente, há um
limite rigoroso sobre quão pequeno um omatídeo pode ser. É o mesmo limite que nos
encontramos em falar muito pequenos furos, e é chamado o limite de difração. A
consequência é que, a fim de fazer um composto olho ver com tanta precisão quanto o
olho humano câmara, o composto do olho teria de ser grande ludicrously: vinte e quatro
metros de diâmetro! O cientista alemão Kuno Kirschfeld dramatizada isso desenhando o
que um homem olharia como se ele pudesse ver, bem como um homem normal pode
ver, mas usando olhos compostos (Figura 5.22). O padrão de favo de mel no desenho é
impressionista, pelo caminho. Cada faceta desenhada está realmente para 10.000
ommatidia. A razão olhos compostos do homem são apenas cerca de um metro de
diâmetro, em vez de vinte e quatro anos é que Kirschfeld fez provisão para o fato de que
nós, seres humanos ver com muita precisão apenas no centro da nossa retina. Ele teve
uma média de nossa visão central preciso e nossa visão muito menos precisa para as
bordas da nossa retina, e veio com o olho um metro mostrado. Se um metro de diâmetro
ou vinte e quatro anos, um olho composto deste grande é impraticável. A moral da
história é que, se você quiser ver imagens precisas e detalhadas sobre o mundo, use um
simples olho da câmera com um {181}

Figura 5,22 Kuno Kirschfelds retrato de


como um homem com olhos compostos
iria
procurar se ele queria ver, bem como um
humano normal.

única, boa lente, não um olho composto. Dan Nilsson até observações de olhos
compostos que «é apenas um pequeno exagero dizer que a evolução parece ser lutando
uma batalha desesperada para melhorar um projeto basicamente desastrosos. '
Por que, então, não insetos e crustáceos abandonar o olho composto e evoluir olhos da
câmera em vez disso? Pode ser um daqueles casos de ficar preso do lado errado de um
vale no maciço do Monte Improvável. Para alterar um olho composto em um olho da
câmera, tem que haver uma série contínua de intermediários viáveis: você não pode
viajar para baixo em um vale como um prelúdio para a montagem de um pico mais
elevado. Então, qual é o problema sobre intermediários entre um olho composto e um
olho câmera?

Pelo menos uma dificuldade notável trata de MMD. Um olho da câmera forma uma
imagem de cabeça para baixo. imagem Um composto de olho é o caminho certo para
cima. Encontrar um intermediário entre os dois é uma proposta difícil, para dizer o
mínimo. Uma possível intermediário é nenhuma imagem em tudo. Há alguns animais,
que vivem no fundo do mar ou de outra forma na escuridão quase total, que têm tão
poucos fótons para brincar com que eles dão{182} -se em imagens completamente.
Tudo o que eles podem esperar é saber se há luz em tudo. Um animal como este poderia
perder o seu aparelho nervoso de processamento de imagem por completo e, portanto,
estar em posição de fazer um novo arranque de uma encosta completamente diferente da
montanha. Pode, portanto, constituir um intermediário no caminho de um olho
composto de um olho da câmera.

Alguns crustáceos de profundidade têm grandes olhos compostos, mas sem lentes ou
aparelhos óptica a todas. Seus ommatidia perderam seus tubos e suas células
fotoeléctricas estão expostos à direita na superfície exterior de onde eles vão pegar o
que alguns fótons existem, independentemente da direção. De lá, ele parece apenas um
pequeno passo para o olho notável da Figura 5.23. Pertence a um crustáceo, chamado
Ampelisca , que não vive particularmente profundo - talvez seja no caminho de volta de
novo a partir de ancestrais de profundidade. Ampelisca olho 's funciona como um olho
da câmera, com uma única lente formando uma posição invertida baixo imagem em um
retina. Mas a retina é claramente derivada de um olho composto e consiste em os restos
de um banco de ommatidia. Um pequeno passo, talvez, mas apenas se, durante o
interregno de cegueira quase total, o cérebro tivesse tempo de evolução suficiente para
"esquecer" tudo sobre o processamento de imagens direito-way-up.

Isso é um exemplo de evolução a partir do composto olho no olho da câmera (ainda


outro exemplo, a propósito, da facilidade com que os olhos parecem evoluir de forma
independente em todo o reino animal). Mas {183}
Figura 5.23 Um
olho da câmera
com um olho
composto em sua
história ancestral. o
notável olho do
Ampelisca.

como é que o olho composto evoluir em primeiro lugar? O que encontramos nas
encostas mais baixas deste pico particular do Monte Improvável?

Mais uma vez, pode ser ajudado por olhando em volta do reino animal moderna. Fora
dos artrópodes (insetos, crustáceos e seus parentes), olhos compostos são encontrados
apenas em alguns vermes Polychaet (ragworms e vermes tubulares) e em alguns
moluscos bivalves (novamente, presumivelmente evoluíram de forma independente). Os
vermes e moluscos são úteis para nós como historiadores evolutivos, porque eles
também incluem entre si, alguns olhos primitivos que se parecem com intermediários
plausíveis espalhadas ao longo das encostas mais baixas do Monte Improvável levando
a um pico de olhos compostos. Os olhos na Figura 5,24 vir de duas espécies de vermes
diferentes. Mais uma vez, estes não são ancestrais, eles são espécies modernas e eles
são, provavelmente, nem mesmo descendentes dos verdadeiros intermediários. Mas eles
poderiam facilmente ser dando-nos um vislumbre do que a progressão evolutiva poderia
ter sido como, a partir de um agrupamento frouxo de fotocélulas à esquerda para um
composto ocular adequada à direita. Esta inclinação é certamente tão delicado como
aquele nós passeamos até atingir o olho da câmera comum.

Ommatidia, como temos até agora discutido eles, dependem, para sua eficácia em ser
isolado de seus vizinhos. O gunsight que está olhando para tailtip do golfinho não deve
pegar os raios de outras partes do golfinho, ou devemos estar de volta com nosso
original {184}
Figura 5.24 olhos compostos Possivelmente primitivos a partir de dois tipos de vermes.

problema de milhões de imagens de golfinhos. A maioria dos ommatidia conseguir o


isolamento por ter um revestimento de pigmento escuro em torno do tubo. Mas há
momentos em que isso tem efeitos colaterais ruins. Algumas criaturas marinhas
dependem de transparência para sua camuflagem. Eles vivem na água do mar e eles se
parecem com água do mar. A essência de sua camuflagem, então, é para evitar parar
fótons. No entanto, todo o ponto de telas escuros ao redor ommatidia é parar de fótons.
Como escapar dessa contradição cruel?

Há alguns crustáceos de profundidade que vieram acima com uma solução parcial
engenhosa (Figura 5.25). Eles não têm pigmento de triagem, e suas ommatidia não são
tubos no sentido comum. Em vez disso, eles são guias de luz transparente, trabalhando
apenas como sistemas de fibra óptica feitos pelo homem. Cada guia de luz incha, na sua
extremidade dianteira, em uma pequena lente, da variação do índice de refração como
um olho de peixe. Lente e todos, o guia de luz, como um todo se concentra uma grande
quantidade de luz para o {185}
Figura 5,25 Olho de um crustáceo em alto-mar com guias de luz de fibra óptica.

fotocélulas na sua base. Mas isto inclui apenas a luz que vem em linha reta na linha da
mira. Feixes provenientes de soslaio para um tubo, em vez de ser protegido por uma tela
de pigmento, são refletidas de volta e não entrar no guia de luz.

Nem todos os olhos compostos, mesmo tentar isolar a sua oferta privada de luz. É
apenas os olhos do tipo aposição que fazer. Há pelo menos três tipos diferentes de
"superposição olho composto que fazer algo mais sutil. Longe de armadilhas raios em
tubos ou guias de luz de fibra óptica, permitem que os raios que passam através da lente
de uma omma-tidium de ser apanhada por fotocélulas um omatídeo vizinho. Há, uma
zona transparente vazio, compartilhada por todos os ommatidia. As lentes de todos os
ommatidia conspiram juntos para formar uma única imagem em uma retina
compartilhado, que é colocado em conjunto em conjunto a partir de células sensíveis à
luz de todo o ommatidia. Figura 5.26 é a imagem de Michael Land of {186}
Figura 5,26 retrato de Charles Darwin, fotografado por Michael Land através da lente
composto de um vaga-lume.

Charles Darwin, visto através das lentes composto de superposição olho composto de
um vaga-lume.

A imagem em um olho composto superposição, como o de olhos compostos de


aposição, mas ao contrário do que os olhos da câmera ou da Figura 5.23 do Ampelisca ,
é o caminho certo para cima. Isto é o que seria de esperar, assumindo que os olhos de
superposição são derivados de ancestrais aposição. Faz sentido histórico, e ele deve ter
feito para uma transição sem esforço, tanto quanto o cérebro estava em causa. Mas
ainda é um fato muito notável. Para considerar os problemas físicos da construção de
uma imagem única direito-way-se desta forma. Cada indivíduo omatídeo num olho
aposição tem uma lente normal em frente do mesmo, que, se faz uma imagem em tudo,
faz com que uma cabeça para baixo um. Para converter um olho aposição em uma
superposição um, portanto, os raios, à medida que passam através de cada lente, de
alguma forma a ser virado para o lado direito para cima. Não só isso, todas as imagens
separadas de diferentes lentes têm de ser cuidadosamente sobrepostas para dar uma
imagem compartilhada. A vantagem de fazer isso é que a imagem partilhada é muito
mais claro. Mas as dificuldades físicas de virar a raios rodada são formidáveis.
Surpreendentemente, não só tem o problema foi resolvido na evolução, que foi
resolvido em pelo menos três maneiras independentes: usar lentes de fantasia, usando
espelhos fantasia e usando circuitos neurais fantasia. Os detalhes são tão intrincado que
explicitá-los iria desequilibrar neste capítulo já bastante complicado, e eu vou lidar com
eles apenas brevemente.

A única lente torna a imagem de cabeça para baixo. Da mesma forma outra lente, uma
distância adequada atrás dele, iria transformá-lo de cabeça para cima novamente. A
combinação é usada em um instrumento chamado um telescópio Kepleriano. O efeito
equivalente pode ser conseguido em uma única lente complexo, usando gradações de
fantasia de índice de refracção. Como vimos, as lentes de vida, ao contrário dos
provocados pelo homem, são bons em conseguir gradações de índice de refração. Este
método de simular o efeito de um telescópio Kepleriano é usado por mayflies,
lacewings, besouros, traças, caddises e membros de cinco grupos diferentes de
crustáceos. A distância do seu parentesco sugere que pelo menos alguns destes grupos
evoluiu a mesma doçura Kepleriano independentemente um do outro. Um truque
equivalente é puxado por três grupos de crustáceos, usando espelhos. Dois destes três
grupos também contêm membros que{187} fazer o truque lente. Na verdade, se você
olhar para os grupos de animais adotaram qual dos vários tipos diferentes de olho
composto, você percebe uma coisa fascinante. As diferentes soluções para os problemas
surgem aqui, ali e em toda parte, sugerindo, mais uma vez, que evoluem rapidamente e
na queda de um chapéu.

'Superposição Neural ou "superposição com fio-up evoluiu no grupo grande e


importante de insetos de duas asas, as moscas (vaga-lumes, pelo caminho, como os
mencionados na Figura 5.26, não são voa em tudo, mas besouros). Um sistema
semelhante ocorre em barqueiros água, onde parece ter evoluído - mais uma vez - de
forma independente. superposição neural é diabolicamente astuto. De certa forma, não
deve ser chamado de superposição em tudo, porque os ommatidia são tubos isolados
apenas como nos olhos aposição. Mas eles conseguir um efeito de sobreposição-like por
fiação engenhosa de células nervosas por trás do ommatidia. Veja como.Você vai se
lembrar que o 'retina' de um único omatídeo é composta de cerca de meia dúzia de
fotocélulas. Aos olhos de aposição comuns, o disparo de todas as seis células
fotoeléctricas é simplesmente somados, é por isso que eu coloquei 'retina' entre aspas:
todos os fótons que abater o tubo são contadas, independentemente de qual fotocélula
batem. O único ponto de ter várias células fotoeléctricas é aumentar a sensibilidade total
a luz. É por isso que não importa que a pequena imagem na parte inferior de um
omatídeo aposição está tecnicamente de cabeça para baixo.

Mas nos olhos de uma mosca as saídas dos seis células não estão agrupados uns com os
outros. Em vez disso, cada um é agrupada com as saídas de determinadas células de
vizinho ommatidia (Figura 5.27). Em uma questão de clareza, a escala está tudo errado
neste diagrama. Pela mesma razão, as setas não representam raios (o que seria dobrada
pelas lentes), mas mapeamentos de pontos no golfinho para pontos no fundo dos tubos.
Agora, veja o engenho quebrando deste regime. A ideia essencial é que essas células
fotoeléctricas que estão olhando para a cabeça do golfinho em um omatídeo são
agrupados juntamente com os fotocélulas que estão olhando para a cabeça do golfinho
na vizinha ommatidia. Esses fotocélulas que estão olhando para a cauda do golfinho em
um omatídeo são ligados juntos com esses fotocélulas que estão olhando para a cauda
do golfinho na vizinha ommatidia. E assim por diante. O resultado é que cada bit do
golfinho está a ser sinalizado por um {188}
Figura 5.27 O
princípio engenhoso
do 'composto
superposição olho
com fio-up.
maior número de fótons do que haveria em um olho aposição comum com um arranjo
simples tubo. É uma espécie de computacional, em vez de uma óptica, solução para o
nosso velho problema de como aumentar o número de fotões que chegam a partir de
qualquer um ponto no nosso golfinho. {189}

Você pode ver porque isso é chamado de superposição, ainda que estritamente não é. Na
verdade superposição, usando lentes de fantasia ou espelhos, luz que vem através
facetas vizinhos é sobreposta para que os fótons da cabeça do golfinho acabar no
mesmo lugar, como outros fótons da cabeça do golfinho; fotões a partir da cauda acaba
no mesmo local como outros fotões a partir da cauda. Em superposição neural, os fótons
ainda acabar em lugares diferentes, como se estivessem em um olho aposição. Mas o
sinal a partir desses fotões acaba no mesmo lugar, devido à entrançar inteligente entre
os fios que conduzem ao cérebro.

Nilssons estimativa para a taxa de evolução de uma câmera olho era, você deve se
lembrar, que era pelos padrões geológicos mais ou menos instantânea. Você seria a
sorte de encontrar fósseis que registraram as fases de transição. estimativas exatas não
foram feitos para os olhos compostos, ou qualquer um dos outros modelos de olho, mas
duvido que eles seriam significativamente mais lento. Um normalmente não esperam
ser capaz de ver os detalhes de olhos em fósseis, porque são demasiado macio para
fossilizar. Os olhos compostos são uma exceção, porque muito do seu detalhe é traído
na matriz elegante de mais ou menos tesão facetas na superfície externa. Figura 5.28
mostra um olho trilobite, da era Devoniana, cerca de 400 milhões de anos atrás. Parece
tão avançados como um composto moderno olho. Isto é o que devemos esperar se o
tempo que leva para desenvolver um olho é insignificante pelos padrões geológicos.

A mensagem central deste capítulo é que os olhos evoluem de forma fácil e rápida, na
queda de um chapéu. Comecei citando a conclusão de uma autoridade que os olhos
evoluíram de forma independente, pelo menos quarenta vezes em diferentes partes do
reino animal. Em face disso, esta mensagem pode parecer desafiado por um conjunto
intrigante de resultados experimentais, informou recentemente por um grupo de
trabalhadores na Suíça associados com o Professor Walter Gehring. Vou explicar
brevemente o que encontraram, e por que ele não se contestar a conclusão deste
capítulo. Antes de começar, eu preciso pedir desculpas por uma convenção
maddeningly tola adotada pelos geneticistas sobre a nomeação de genes. O gene
chamado sem olhos na mosca da fruta Drosophila , na verdade, faz os olhos!
(Maravilhoso, não é?) A razão para esta peça desenfreadamente confusa de contrariness
terminológica é realmente muito simples, e mesmo bastante interessante. Nós
reconhecemos que um gene faz observando o que acontece quando se vai {190}
Figura 5,28 Composto olhos já estavam muito avançadas 400 milhões de anos atrás:
fossilizado olho trilobite.

errado.Há um gene que, quando se der errado (mutação), faz com que voa para não têm
olhos. A posição no cromossomo deste gene é, portanto, chamado de sem olhos loco
(lócus 'é o latim para "lugar" e é usado pelos geneticistas para significar um slot em um
cromossomo onde as formas alternativas de um gene sit). Mas, geralmente, quando
falamos do locus chamado sem olhos na verdade estamos falando de forma normal, não
danificada do gene em que o locus. Daí o paradoxo de que o eyeless gene faz os olhos.
É como chamar um alto-falante um "dispositivo de silêncio ', porque você descobriu
que, quando você toma o alto-falante de rádio, o rádio está em silêncio. Terei nada
disso. Estou tentado a mudar o nome do gene eyemaker , mas isso seria confuso
também. Eu certamente não deve chamá-lo sem olhos e adopta a sigla reconhecida ey.

Agora, é um facto que, embora em geral todos os genes de um animal estão presentes
em todas as suas células, apenas uma minoria dos genes são, na verdade, ligada ou
"expressa" em qualquer parte do corpo. Isso é por que {191} os fígados são diferentes
dos rins, mesmo que ambos contêm o mesmo conjunto completo de genes. No adulto
Drosophila, ey geralmente se expressa apenas na cabeça, o que é por isso que os olhos
se desenvolvem lá. George Haider, Patrick Callaerts e Walter Gehring descobriu uma
manipulação experimental que levou a ey 's sendo expresso em outras partes do corpo.
Por medicar Drosophila larvas de maneiras astutos, eles conseguiram fazer ey
expressar-se nas antenas, as asas e as pernas. Surpreendentemente, as moscas adultas
tratados cresceu com totalmente formado olhos compostos em suas asas, pernas, antenas
e em outros lugares (Figura 5.29), embora ligeiramente menor do que os olhos normais,
estes {192}

Figura 5.29 olhos ectópicos induzida em Drosophila; a inferior foi induzida por um
gene mouse.
olhos 'ectópicas' são olhos compostos adequados com abundância de ommatidia
adequadamente formados. Eles até mesmo trabalhar. Pelo menos, nós não sabem que as
moscas realmente ver nada por eles, mas a gravação elétrica dos nervos na base da
ommatidia mostra que eles são sensíveis à luz.

Isso é notável fato de o número um. Fato número dois é ainda mais notável. Há um gene
em ratos chamados olho pequeno e um em humanos chamada aniridia. Estes, também,
são nomeados usando convenção negativo dos geneticistas: danos causados por
mutação a estes genes provoca redução ou ausência de olhos ou partes de olhos.
Rebecca Quiring e Uwe Waldorf, trabalhando no mesmo laboratório suíço, descobriu
que {193}
estes genes de mamífero em particular são quase idênticos, nas suas sequências de
ADN, para a EY gene em Drosophila. Isto significa que o mesmo gene tem descido de
ancestrais remotos para animais modernas como distantes um do outro como mamíferos
e insectos. Além disso, em ambos os ramos principais do reino animal o gene parece ter
muito a ver com os olhos. Notável fato de número três é quase demasiado
surpreendente. Haider, Callaerts e Gehring conseguiu introduzir o gene de rato em
Drosophila embriões. Dictu Mirabile , o gene do ratinho induzido olhos ectópicas em
Drosophila. Figura 5.29 (em baixo) mostra um pequeno olho composto induzida sobre a
perna de uma mosca da fruta pelo equivalente rato de ey . Note, a propósito, que é um
olho composto de inseto que tenha sido induzida, não um olho mouse. O gene de rato
simplesmente ligou o eyemaking máquinas de desenvolvimento da Drosophila. Genes
com praticamente a mesma sequência de DNA como ey têm sido encontrados também
em moluscos, vermes marinhos chamados nemertines e Sea-esguichos. Ey pode muito
bem ser universal entre os animais, e pode vir a ser uma regra geral de que uma versão
do gene retirado de um doador em uma parte do reino animal pode induzir os olhos para
desenvolver em receptores em uma parte extremamente remota do reino animal.

O que faz desta série espetacular de experimentos significa para a nossa conclusão neste
capítulo? Foram nós errado pensar que os olhos têm desenvolvido quarenta vezes de
forma independente? Acho que não.Pelo menos o espírito da declaração de que os olhos
evoluem de forma fácil e na queda de um chapéu permanece incólume. Estas
experiências provavelmente não significa que o ancestral comum de Drosophila , ratos,
humanos, mar-esguichos e assim por diante tinha olhos. O antepassado remoto comum
tinha uma visão de algum tipo, e seus olhos, independentemente da forma que tenham
tomado, provavelmente, desenvolvido sob a influência de uma sequência de DNA
semelhante ao moderno ey. Mas a forma real dos diferentes tipos de olho, os detalhes
retinas e de lentes ou espelhos, a escolha do composto em relação simples, e se
composto a escolha entre aposição ou vários tipos de superposição, todos estes evoluem
de forma independente e rápida. Sabemos disso, olhando para o esporádica -
distribuição desses vários dispositivos e sistemas, espalhados pelo reino animal - quase
caprichoso. Dentro {194} breve, os animais têm, frequentemente, um olho que se
assemelha a seus primos mais distantes mais do que se assemelha a seus primos mais
próximos. A conclusão permanece inabalável pela demonstração de que o ancestral
comum de todos estes animais provavelmente tinha olhos de algum tipo, e que o
desenvolvimento embrionário de todos os olhos parece ter o suficiente em comum para
ser induzível pela mesma sequência de DNA.

Depois de Michael Land tinha gentilmente ler e criticou o primeiro rascunho deste
capítulo, eu o convidei para tentar uma representação visual da região dos olhos do
monte Improvável e Figura 5.30 mostra o que ele desenhou. É na natureza das
metáforas que eles são bons para alguns propósitos, mas não os outros e temos de estar
preparados para modificá-los, ou mesmo deixá-los por completo, quando necessário.
Esta não é a primeira ocasião em que o leitor deve ter notado que o Monte Improvável,
por tudo o que ele tem um nome singular como o Jungfrau, é realmente um caso mais
complicado, de múltipla repicado. {195}
Figura 5.30 A região dos olhos da gama Improbable Mount: Michael Lands paisagem
da evolução do olho.

Essa outra grande autoridade em olhos de animais, Dan Nilsson, que também leia o
capítulo no projecto, resumiu a mensagem central chamando minha atenção para o que
pode ser o exemplo mais bizarra do ad hoc e evolução oportunista de um olho. Três
vezes de forma independente, em três diferentes grupos de peixes, a chamada condição
de "quatro-olhos" evoluiu. Provavelmente, o mais notável dos peixes de quatro olhos é
bathylychnops exilis (Figura 5.31). Ele tem um olho de peixe típico olhar para o exterior
na direcção normal. Mas um olho secundário evoluiu além disso, alojado na parede do
olho principal e olhando diretamente para baixo. O que olha para, quem sabe? Talvez
Bathylychnops sofre de um predador terrível, com o hábito de se aproximar de baixo.
Do nosso ponto de vista, o que é interessante é isso. O desenvolvimento embryologi-
CAL do olho secundário é completamente diferente da do olho principal, embora
possamos supor que o seu desenvolvimento pode vir a ser induzido na natureza de uma
versão do EY gene. Em particular, como o Dr. Nilsson colocá-lo em sua carta para mim,
'Esta espécie tem re-inventou a lente apesar do fato de que já tinha um. Ele serve como
um bom suporte para a visão de que as lentes não são difíceis de evoluir ".

Nada é tão difícil de evoluir como nós, humanos, imagina que seja. Darwin deu muito
quando ele se inclinou para trás para admitir a dificuldade de evoluir um olho. E sua
esposa tomou muito quando ela sublinhou o seu cepticismo na margem. Darwin sabia o
que era {196}
Figura 5.31 Um olho dupla notável, a dos peixes exilis Bathylychnops.

fazendo.Criacionistas amo a cotação que dei no início deste capítulo, mas eles nunca
completá-lo. Depois de fazer sua concessão retórica, Darwin continuou:

Quando foi dito pela primeira vez que o sol se deteve e o mundo virou-se, o senso
comum da humanidade declarou a doutrina falsa; mas o velho ditado de Vox populi, vox
Dei , como cada filósofo sabe, não se pode confiar na ciência. Razão me diz que, se
numerosas gradações desde um olho imperfeito e simples para um perfeito e complexo,
cada grau de ser útil ao seu possuidor, pode ser mostrado para existir, como é
certamente o caso; Se além disso, o olho varia sempre ligeiramente, e as variações de
ser herdada, como é também certamente o caso; e se tais variações devem sempre ser
útil a qualquer animal sob condições de mudança de vida, então a dificuldade de
acreditar que um olho perfeito e complexo poderia ser formado por seleção natural,
embora insuperável para a nossa imaginação, não pode ser considerado real. {197}

<< >>

CAPÍTULO 6
N atural seleção é a pressão que impulsiona a evolução até as encostas do Monte
Improvável. Pressão realmente é sim uma boa metáfora. Falamos de "pressão de seleção
', e você quase pode sentir isso empurrando uma espécie de evoluir, empurrando-se os
gradientes da montanha. Predadores, dizemos, desde que a pressão de seleção que levou
antílopes a evoluir suas pernas correndo rápido. Mesmo enquanto falamos, porém,
lembramos que isso realmente significa: genes para pernas curtas são mais propensos a
acabar em barrigas dos predadores e, portanto, o mundo torna-se menos cheio deles.
"Pressão" de fêmeas exigentes levou a evolução de penas suntuosos 'faisões masculinos.
O que isto significa é que um gene para uma bela pena é especialmente provável
encontrar-se andar de esperma no corpo de uma mulher. Mas nós pensamos nisso como
uma "pressão" de condução do sexo masculino para uma maior beleza. Sem dúvida
predadores fornecida uma pressão de selecção na direcção oposta, para a plumagem
mais opaco, desde brilhantes machos presumivelmente atrair predador, bem como do
sexo feminino, olhos. Sem a pressão dos predadores os galos seria ainda mais brilhante
e mais extravagante sob a pressão de fêmeas. Pressões de seleção e, em seguida, pode
empurrar em direções opostas, ou na mesma direção, ou mesmo (matemáticos pode
encontrar formas de visualizar isso) em qualquer outro parente "ângulo" um ao outro.
Pressões de seleção, além disso, pode ser "forte" ou "fraco", e os significados da
linguagem ordinária destas palavras se encaixam bem. O caminho particular até{198}
Monte Improvável que uma linhagem leva será influenciado por lotes de diferentes
pressões de seleção, empurrando e puxando em diferentes direções e com diferentes
pontos fortes, às vezes cooperando uns com os outros, às vezes opostas.

Mas a pressão não é o fim da história. O caminho escolhido até o Monte Improvável
dependerá, também, sobre as formas das encostas. Existem pressões de seleção,
empurrando e puxando em uma variedade de direções e pontos fortes, mas também
existem linhas de menor resistência e precipícios insuperáveis. A pressão de seleção
pode empurrar para todos vale a pena em uma determinada direção, mas se nessa
direção é bloqueado por uma falésia intransponível ele virá para nada. A seleção natural
tem que ter alternativas para escolher entre. pressões de seleção, por mais forte, não
pode fazer nada sem a variação genética. Dizer que os predadores fornecem uma
pressão de seleção em favor dos antílopes fast-running é só para dizer que os predadores
comem os antílopes mais lentos. Mas se não há nada para escolher entre os genes de
antílopes rápidas e lentas - ou seja, se as diferenças na velocidade de corrida são
puramente determinado ambiente - nenhum negócio evolutiva irá resultar. Na direção de
maior velocidade, Monte Improvável pode apresentar nenhuma inclinação a subir.

Agora chegamos a um pedaço de uma incerteza genuína e um espectro de opinião entre


os biólogos. Em um extremo estão aqueles que sentem que podemos tomar variação
genética mais ou menos como um dado adquirido. Se existe a pressão de selecção,
sentem-se, haverá sempre a variação genética suficiente para acomodá-lo. A trajetória
de uma linhagem evolutiva no espaço será, na prática, determinada pela briga entre
pressões de seleção sozinho. No outro extremo estão aqueles que sentem que a variação
genética disponível é a consideração importante para determinar a direção da evolução.
Alguns até mesmo ir tão longe como para atribuir a seleção natural um papel menor,
subsidiária. Para levar os nossos dois biólogos, a ponto de caricatura, poderíamos
imaginar-los em desacordo sobre o porquê de os porcos não têm asas. O selectionist
extrema diz que os porcos não têm asas porque não seria uma vantagem para eles ter
asas. O anti-selectionist extrema diz que os porcos puderam beneficiar de ter asas, mas
eles não podem tê-los porque nunca foram topos asa mutantes para a seleção natural
para trabalhar em cima. {199}

A controvérsia é mais sofisticado do que isso, e Monte Improvável, mesmo na sua


versão de múltipla repicado, não é uma metáfora poderosa o suficiente para explorá-lo.
Precisamos de uma nova metáfora, usando o tipo de imaginação que os matemáticos
desfrutar embora nós não deve usar símbolos matemáticos explícitos. Ele vai fazer mais
exigências sobre nós do Monte Improvável, mas vale a pena. Em O relojoeiro cego Fiz
breves excursões para o que eu variadamente chamado "espaço genético ',' biomorfo
terra" e "Fazendo trilhas através do espaço Animal '. Mais recentemente, o filósofo
Daniel Dennett penetrou ainda mais para este país não descoberto que, por alusão
poética à Biblioteca de Babel Borges s, ele chama a Biblioteca de Mendel. Minha
versão neste capítulo é um museu gigantesco da imaginação zoológico.

Imagine um museu com galerias de alongamento para o horizonte em todas as direções,


e, tanto quanto os olhos podem ver cima e para baixo também. Preservado no museu é
todo o tipo de forma animal que já existiu, e cada tipo que poderia ser imaginado. Cada
animal é alojado ao lado esses que mais se assemelha. Cada dimensão no museu - ou
seja, cada direcção ao longo da qual uma galeria estende - corresponde a uma dimensão
na qual morrem animais variar. Por exemplo, como você caminhe para o norte ao longo
de uma galeria especial que você notar um alongamento progressivo dos chifres morrer
de espécimes em armários die. Vire-se e caminhe para o sul e os chifres encurtar. Virar
e ir leste e os chifres permanecer o mesmo, mas algo muda outra coisa, dizem os dentes
ficar mais nítida. Caminhe na direção oeste e os dentes crescem mais direto. Desde
comprimento chifre e nitidez dos dentes são apenas dois dos milhares de maneiras em
que os animais podem variar, as galerias devem cruzar-se um ao outro no espaço many-
dimensional, não apenas o espaço tridimensional comum que nós, com nossas mentes
limitadas, são capazes de visualizar. Isto é o que eu quis dizer quando eu disse que
tínhamos que aprender a pensar como um matemático.
O que significaria para pensar em quatro dimensões? Suponha que estamos a lidar com
antílopes e medimos quatro variáveis: comprimento chifre, nitidez dente, comprimento
intestino e pilosidade casaco. Se ignorarmos uma das dimensões, dizem coat pilosidade,
poderíamos colocar cada um dos nossos antílopes em seu devido lugar em um gráfico
tridimensional - um cubo - de variáveis de matrizes restantes, comprimento chifre,
nitidez dente e comprimento do intestino. Agora, como é que vamos trazer a quarta
dimensão, pilosidade casaco? Nós fazemos {200} todo o exercício de cubo separado
para todos os antílopes de pêlo curto, então nós produzimos outro cubo para todos os
antílopes um pouco de pêlo mais longo e assim por diante. Um determinado antílope
será colocada, em primeiro lugar em qualquer cubo diz respeito ao seu comprimento do
cabelo e, em seguida, dentro desse cubo, à sua devida posição determinada pelos seus
chifres, dentes e intestinos. Brasão pilosidade é a quarta dimensão. Em princípio, você
pode ir sobre a construção de famílias de cubos e cubos de cubos e cubos de cubos de
cubos até que tenha colocado animais no equivalente de espaço many-dimensional.

Para se ter uma ideia do que é suposto estar a pensar quando pensamos do Museu de
todos os animais possíveis, este capítulo vai lidar com um caso particular que pode,
mais ou menos, limitar-se a três dimensões. No próximo capítulo, vou voltar à
controvérsia com o qual este capítulo começou e tentar fazer uma abertura construtiva
para o outro lado (porque eu sou um partidário conhecido). Caso especial tridimensional
deste capítulo é o de conchas de caracol e outras conchas em espiral. A razão pela qual
as galerias de conchas pode ser confinado a três dimensões é que a maioria da variação
importante entre conchas pode ser expressa como a mudança em apenas três números.
No que se segue, vou estar seguindo os passos de David Raup, paleontólogo distinguido
pela Universidade de Chicago. Raup, por sua vez, foi inspirado pelo célebre D'Arcy
Wentworth Thompson, da antiga e ilustre Universidade escocesa de St Andrews, cujo
livro, no crescimento e no Form (publicado em 1919), tem sido uma, se não
completamente dominante persistente , influência sobre zoólogos para a maior parte do
século XX. É um dos menores tragédias da biologia que D'Arcy Thompson morreu
pouco antes da era do computador, para quase todas as páginas do seu grande livro
clama por um computador. Raup escreveu um programa para gerar forma de concha, e
eu escrevi um programa semelhante para ilustrar este capítulo, embora - como seria de
esperar - eu incorporei-lo em um programa de seleção artificial Relojoeiro Cego de
estilo.

As conchas de caracóis e outros moluscos, e também conchas de criaturas chamadas


brachiopods que não têm ligação com moluscos, mas superficialmente se assemelham a
eles, todos crescem no mesmo tipo de forma, que é diferente da forma como nós
crescemos. Nós começar pequeno e crescer em todo (com alguns pedaços crescendo
mais rápido do que outros). Você não pode tomar um homem e dissecar o pouco
daquele que o tinha como um bebê. Com uma concha de molusco que puder {201}
Figura 6.1 Uma seção através da casca de um Nautilus. O próprio animal vive no maior,
mais recente, de câmara.

fazer exatamente isso. Uma concha de molusco começa pequena e cresce nas margens,
de modo que a parte mais interna da bobina adulto é o shell bebê. Cada animal carrega
sua própria forma infantil ao redor com ele, como a parte mais estreita da sua concha. A
concha de Nautilus (já mencionado pelo seu olho pinhole) é dividido em
compartimentos de flutuação cheios de ar, todos, exceto para o maior e mais
recentemente construído compartimento de na margem de crescimento, em que o
próprio animal vive em qualquer momento (Figura 6.1) .
Figura 6.2: Tipos de espirais (a) em espiral de Arquimedes; (b) em espiral logarítmica
com a lenta taxa de abertura; (c) em espiral logarítmica com a rápida taxa de abertura.
{202}

Por causa de seu método de expansão na margem, conchas todos têm a mesma forma
geral. É uma versão sólida da chamada espiral logarítmica ou equiangular. A espiral
logarítmica é diferente da espiral de Arquimedes, que é o que produz um marinheiro
quando ele enrola uma corda no convés. Não importa quantas voltas da corda leva, cada
vez sucessiva ainda é a mesma largura - uma espessura da corda. Em uma espiral
logarítmica, por contraste, a espiral se abre para fora, uma vez que impulsiona-se para
longe do centro. Diferentes espirais abrem-se em taxas diferentes, mas é sempre uma
determinada taxa para qualquer espiral particular. A Figura 6.2 mostra, além de uma
espiral enrolada-corda de Arquimedes, duas espirais logarítmicas, com diferentes taxas
de abertura para fora.

Um escudo cresce, não como uma linha mas como um tubo. O tubo não tem que ser
circular em corte transversal como um chifre francês, mas, apenas para o momento,
vamos assumir que é. Iremos também assumir que a espiral desenhada representa a
margem exterior do tubo. O diâmetro do tubo poderia acontecer a expandir-se apenas a
taxa de direito de manter a margem interna encaixe firmemente contra o whorl anterior
da espiral, como na Figura 6.3a. Mas isso não tem que.Se o diâmetro do tubo expande-
se mais lentamente do que a margem exterior da espiral, uma diferença de tamanho
crescente será deixado entre espiras sucessivas, como na Figura 6.3b. Quanto mais
'gappy' a casca, mais parece adequado para um verme e não para um caracol.

Raup descreveu as espirais de conchas usando três números, que ele chamou W, D e T.
Eu espero que isso não vai ser pensado muito pitoresca se eu
Figura 6.3 Dois tubos com mesma espiral, mas o tamanho do tubo diferente: (a) tubo de
grande o suficiente para preencher a lacuna entre espiras sucessivas da espiral; (b) tubo
estreito o suficiente para deixar ar (ou água aberta) entre espiras sucessivas da espiral .
{203}

renomeá-los incendiar, verm e torre. É mais fácil de lembrar qual é qual que no caso
das cartas matemáticas. alargamento é uma medida da taxa de expansão da espiral. Se o
alargamento é 2, isto significa que, por cada volta completa em torno da espiral, a
espiral se abre para duas vezes o seu tamanho anterior. Isto é verdadeiro da figura 6.2b.
Para cada volta em torno figura 6.2b, a largura da espiral dobra. Figura 6.2c, sendo um
shell muito mais aberto, tem um surto de 10. Para cada circuito completo em torno desta
espiral, a largura aumentaria dez vezes (embora na prática a espiral chega ao fim antes
que ele tenha tempo para completar um circuito todo) . Algo como um berbigão, que se
abre tão rapidamente que você nem sequer pensar nisso como enrolamento, tem um
alargamento valor até aos milhares.

Ao descrever alargamento Tive o cuidado de não dizer que mede a taxa de aumento do
diâmetro do tubo. Este é o lugar onde o segundo número, verm , entra. Precisamos verm
porque o tubo não tem de preencher, confortavelmente, o espaço disponibilizado pela
espiral crescente. A concha pode ser 'gappy', como o mostrado na Figura 6.3b. Verm
recebe o nome de "vermiforme" que significa "em forma de verme '. Figura 6.3a e
figura 6.3b têm idênticas incendiar valores (2), mas a figura 6.3b tem um maior verm
pontuação (0,7) do que a figura 6.3a de 0,5. Um verm de 0,7 significa que a distância a
partir do centro da espiral para a margem interna do tubo é de 70 por cento da distância
a partir do centro da espiral para a margem exterior do tubo. Não importa qual parte do
tubo que você usa para fazer a medição, o verm pontuação é o mesmo (isto não se
logicamente tem que ser verdade, mas parece muitas vezes ser verdadeiro de escudos
reais e vamos assumi-lo salvo indicado). Pode-se ver facilmente que a alta verm como
0,99 contribui para um tubo muito fina, filiforme, porque a margem interna do tubo é de
99 por cento da distância da margem exterior do tubo.

O que verm valor é necessário para garantir confortável montagem, como na Figura
6.3a? Isso depende do flare. Para ser mais preciso, a crítica verm valor para um ajuste
confortável é exatamente o inverso do alargamento valor (isto é, dividido pelo
alargamento ). O alargamento é 2 em ambas as partes da figura 6.3, por isso a crítica
verm para um ajuste confortável é de 0,5, e é isso que figura 6.3a tem. Figura 6.3b tem
um verm que é superior ao seu valor "confortável crítica", razão pela qual o shell
aparece gappy. Se tomarmos uma concha como a Figura 6.2c com um alargamento
valor de 10, a crítica confortável verm pontuação seria 0,1. {204}

E se o verm valor é menor do que o valor crítico apertado? Poderíamos imaginar um


tubo tão gordo que ele vai além ajuste confortável e realmente invade dentro do
território do whorl anterior - por exemplo, uma espiral como aqueles na Figura 6.3, mas
com um verm valor de, digamos, 0,4? Há duas maneiras em que o choque podem ser
resolvidos. Uma é simplesmente permitir que o tubo para incluir voltas anteriores de si
mesmo. Nautilus faz isso. Isso significa que a forma da secção transversal do tubo
disponível já não pode ser um círculo simples, mas tem uma "mordedura" tomada fora
dela. Mas isso não é um desastre, porque, como você vai se lembrar, foi apenas uma
decisão arbitrária supor que o tubo tem uma secção circular em qualquer caso. Muitos
moluscos vivem felizes em um tubo que está longe de circular na seção, e nós virá a
eles. Em alguns casos, a melhor maneira de interpretar a forma não circular da secção
transversal do tubo é como um meio de acomodar voltas anteriores do tubo.

A outra maneira de resolver o aspirante a invasão das voltas anteriores do tubo é mover-
se para fora do avião. Isso nos leva ao terceiro dos nossos números de assinatura
escudo, torre. Pense na espiral crescente como mover para os lados enquanto se
expande, fazendo uma forma cónica como um pião. O terceiro número da assinatura do
escudo, Spire , é a taxa à qual voltas sucessivas da fluência em espiral ao longo do
comprimento do cone. Nautilus passa a ter uma espira valor de 0: todos os seus
enrolamentos sucessivos estão no mesmo plano.

Então, nós temos três números de assinatura do escudo, alargamento, verm e torre
(Figura 6.4). Se ignorarmos um destes, dizem torre , podemos traçar um gráfico dos
outros dois em um pedaço de papel plana. Cada ponto no gráfico tem uma combinação
única de incendiar e verm valores, e podemos programar o computador para desenhar,
nesse ponto, o shell que seria produzida. A Figura 6.5 mostra vinte e cinco pontos
regularmente espaçados sobre o gráfico. Como você se move da esquerda para a direita
através do gráfico, as conchas de computador tornam-se progressivamente mais
"bichado" como verm aumenta. Como você se move de cima para baixo e incendiar
aumenta, as espirais se tornam progressivamente mais aberto até eles não parecem
obviamente espiral em tudo. A fim de obter uma boa difusão enquanto descemos,
fazemos alargamento aumento logarítmica. Isto significa que cada passo igual inferior
da página corresponde a multiplicação por um número (neste caso dez) em vez de,
como em um gráfico como normal e na progressão {205}
Figura 6.4 Shells para ilustrar alargamento, verm e torre de: (a) alta flare. Liconcha
castrensis , um molusco bivalve; (b) alta verm: Spirula; (c) alta torre. Terehra
Turritella.
Figura 6.5 Tabela de conchas gerados por computador sistematicamente variados verm e
flare. Mudanças na terceira dimensão, torre , não seria visível nesta vista. O
alargamento eixo é logarítmica - a igualdade de passos inferior da página representam
uma multiplicação por dez do valor do flare. Nas verm eixo, passos iguais ao longo da
página representam uma adição fixa para a contagem 'worminess'. Alguns animais reais
nomeados são escritos em aproximadamente seus devidos lugares na tabela.

de verm -scores ao longo da página, adicionando um número a cada passo. Isto é


necessário, a fim de acomodar escudos como berbigões e amêijoas, no canto inferior
esquerdo da imagem (que têm o flare valores até aos milhares, onde pequenas mudanças
não fazem muita diferença) no mesmo gráfico como amonites e caracóis (que
tipicamente ter incendiar pontuação em números baixos, único onde as pequenas
mudanças fazem uma grande diferença). Em várias partes do gráfico que você pode ver
formas que se assemelham amonites, Nautilus , moluscos, chifres e vermes tubulares de
carneiros, e eu escrevi rótulos em aproximadamente os lugares certos.

Meu programa de computador pode desenhar conchas em duas vistas. Figura 6.5 mostra
um ponto de vista, enfatizando a forma do próprio espiral. A Figura 6.6 mostra a outro
ponto de vista, 'raios-X' secções transversais, dando uma impressão de forma sólida das
conchas. Figura 6.7 é uma fotografia de raios-X real de escudos reais para explicar a
natureza dessa visão. Os quatro conchas de Figura 6.6 são conchas de computador
escolhido, como os escudos reais da Figura 6.4, para ilustrar diferentes valores de
alargamento, verm e torre.

Figura 6.8 é um gráfico, semelhante à Figura 6.5, exceto que as conchas de computador
são mostrados na opinião do raio X, e os eixos são alargamento e torre em vez de
alargamento e verm.

Pode-se também, naturalmente, lote verm contra torre , mas não terá o espaço para fazer
isso. Em vez disso, eu vou direto para o famoso cubo de Raup (Figura 6.9). Porque três
números suficientes para definir uma casca (deixando de lado a questão de forma
transversal do tubo), você pode colocar cada shell em seu próprio local único em uma
caixa tridimensional. O Museu das Conchas possíveis, ao contrário de, digamos, o
Museu de possíveis ossos da pelve, é um bloco de torre simples. Uma dimensão
corresponde a cada um dos três números de assinatura do escudo. Estar no Museu das
Conchas possíveis e andar, digamos, ao norte, o que vamos designar a verm dimensão.
Como você faz seu caminho ao longo da galeria, as conchas que você passa se tornado
cada vez mais "bichado", mantendo tudo o resto constante. Se em algum momento você
vire à esquerda e caminhe para oeste, as conchas que você passa constantemente
aumentar a sua torre de valor, tornando-se mais, mantendo tudo o resto constante em
forma de cone. Finalmente, se, em qualquer ponto, você parar de se mover tanto oeste /
leste ou norte / sul e subir diretamente para baixo em vez - o alargamento dimensão -
você encontrar conchas com uma taxa crescente de abertura para fora. Você pode obter
a partir de qualquer shell {207}
Figura 6.6 Quatro conchas de computador na opinião de raios-X ', para mostrar
diferentes incendiar, verm e pináculo valores. {208}
Figura
6.7
Fotografi
a
de 0,1
escudo
real de
raios-X
Visão
Figura 6.8 Gráfico de conchas de computador ( "vista de raios-X ') plotagem
alargamento (rotulado W, para baixo da página) versus torre (rotulado T, através da
página). Como na Figura 6.5, o alargamento escala é logarítmica, mas aqui clarões se
limita a valores baixos - nenhuma das conchas se abre para muito longe. {209}

Figura 6.9 Cubo de Raup. David M. Raup desenhou um gráfico tridimensional de


alargamento (que chamou W) para baixo a página, contra a torre (que chamou T)
através da página da direita para a esquerda, contra verm (que chamou D) para trás para
dentro da página . 'Visualizações de raio-X' de conchas desenhado por computador são
recolhidos em pontos estratégicos do cubo. Regiões do cubo em que os reservatórios da
vida real podem ser encontrados são sombreadas. As regiões sombreadas abrigar
conchas teoricamente concebível que na verdade não existem.

a qualquer outro por cavando através do cubo no ângulo apropriado, e você vai passar
por uma série contínua de conchas intermediárias no caminho. As Figuras 6.5 e 6.8
pode ser pensado como duas faces externas de cubo de Raup. No papel bidimensional
poderíamos imprimir qualquer fatia, em qualquer ângulo particular, através do cubo.
Raup escreveu o programa de computador original, que é a inspiração para a minha. Em
seu diagrama publicado, em vez de tentar a tarefa impraticável de desenhar todas as
conchas no cubo, Raup amostrados pontos específicos. As imagens em volta da borda
da Figura 6.9 representam as conchas teóricas que você iria encontrar na
designada{210} pontos do espaço. Alguns deles olhar como conchas reais que você
pode encontrar em uma praia. Outros olham como nada na terra, mas eles ainda
pertencem ao espaço de todas as conchas computáveis. Raup sombreada sobre sua foto
essas regiões do espaço onde conchas reais podem ser encontrados.

Amonitas, essas outrora onipresentes Nautilus -relatives que parecem ter chegado à
mesma triste fim (qualquer que fosse), como os dinossauros, tinha codificado conchas,
mas, ao contrário de caracóis, suas bobinas eram quase sempre limitada a um avião. Sua
torre valor era zero. Pelo menos, isso é verdade de amonites típicos. Agradavelmente,
no entanto, alguns deles, como o género Cretáceo Turrilites desenvolveram uma alta
torre de valor, assim, inventando de forma independente a forma de caracol. Tais
formas excepcionais para além, as amonites estão alojados ao longo da parede leste do
Museu das Conchas (nomes como "leste" e "sul" são, naturalmente, os rótulos
arbitrários para o diagrama). Os cabmets de amonites típicos não ocupam mais do que a
metade sul da parede oriental, e apenas os primeiros poucos andares. Caracóis e sua
espécie sobreposição com o Corredor amonita, mas eles também se espalhou para o
oeste (o pináculo dimensão) e penetrar um pouco mais abaixo em relação aos andares
inferiores da torre bloco. Mas a maioria dos andares inferiores - onde o surto taxa é
grande e conchas abrem-se rapidamente - pertencem a dois grandes grupos de criaturas
dupla casca. Moluscos bivalves esticar um pouco para o oeste - eles têm uma leve
torção sobre eles como caracóis, mas o seu tubo abre-se tão rápido que eles não se
parecem com caracóis. Brachiopods ou «luz de conchas", que, como vimos, não são
moluscos em todos, mas superficialmente se assemelham moluscos bivalves,
compartilhar com amonites uma "bobina" que é inteiramente em um plano. Tal como
acontece com os bivalves moluscos, tubos de braquiópodes normalmente incendiar
completamente aberto antes que eles tenham tempo para construir uma "bobina" digna
desse nome.

Qualquer história evolutiva particular é uma trajetória através do Museu de todos os


shells possível e eu ter representado este incorporando meu procedimento computador
desenho shell na Relojoeiro Cego programa maior,-selecção artificial. Eu simplesmente
removeu a embriologia crescimento da árvore a partir do programa Relojoeiro Cego e
deixou cair um embriologia crescimento shell em seu lugar em vez disso. O programa
combinado é chamado Snailmaker cego. Mutação é equivalente a pequena{211}
movimentos no museu - lembre-se de que todas as conchas são cercados por seus
vizinhos mais similares. No programa, os três números de assinatura do escudo são cada
um representado por um locus de um gene cujo valor numérico pode variar. Portanto,
temos três classes de mutação, pequenas mudanças no alargamento , pequenas
mudanças no verm e pequenas mudanças na torre. Essas mudanças muta-cional pode
ser positivo ou negativo, dentro dos limites. O alargamento do gene tem um valor
mínimo de I (valores menores indicam uma iria diminuir em vez de um processo de
crescimento) e nenhum valor máximo fixo. O verm valor do gene é uma proporção, que
varia de 0 até um pouco abaixo I (a verm de I indicaria um tubo tão fino e wormy a ser
inexistente). Spire não tem limites: os valores negativos indicam trivialmente uma
concha de cabeça para baixo . Seguindo o programa original Relojoeiro Cego, cego
Snailmaker apresenta um shell pai no meio da tela do computador, cercado por uma
ninhada de filhotes assexuada - seus mutantes aleatoriamente vizinhos mais próximos
no Museu de todos os shells. O seletor humana clica o mouse para escolher uma das
conchas para reprodução. Ele desliza para a posição dos pais no centro, ea tela se enche
de uma ninhada de sua prole. O processo recicla enquanto o selector tem paciência.
Lentamente, você se sente rastejando através do Museu de todos os shells possível. Às
vezes você está andando no meio de conchas familiares, do tipo que você pode pegar
em qualquer praia. Em outros momentos, você vaguear fora dos limites da realidade, em
espaços matemáticos, onde há escudos reais já existiram.

I anteriormente explicado que, embora o conjunto de todas as possíveis conchas pode


em grande parte ser descrito com apenas três números, esta não inclui um pressuposto
de que é errado simplificando: a suposição de que a forma da secção transversal do tubo
é sempre um círculo. Parece ser verdade que geralmente, como as chamas de tubo para
fora, permanece a mesma forma, mas é de modo algum certo que esta forma é sempre
um círculo. Pode ser uma forma oval e meu modelo de computador incorpora uma
quarta "gene", chamado forma , cujo valor representa a altura do tubo oval dividido pela
sua largura. Um círculo é o caso especial de uma forma de 1. A incorporação deste gene
adiciona surpreendentemente à potência do modelo para representar escudos reais. Mas
ainda não é suficiente. Muitos escudos reais têm uma variedade de mais complicadas
formas de secção transversal que não são nem circular nem oval, e que não se prestam a
descrição matemática simples. A Figura 6.10 apresenta um intervalo {212}
Figura 6.10 escudos reais com uma variedade de formas transversais: (no sentido
horário do canto inferior esquerdo): salpicado pústula, Cominella aispersa ; canhoto
Neptune, contraria Neptunia ; Shell maravilha japonesa, mirabilis thatcheria ; o Eloise,
Acteon eloisae ; Rapa caracol, Rapa rapa; grande vieira, maximus Pecten ; shell fig
graciosa, Ficus gracilis. {213}

de conchas, que, assim como provenientes de diferentes partes do museu cúbico,


também têm complicado, não circulares secções transversais do seu tubo de base.

Meu programa Cego Snailmaker incorpora esta variação adicional pelo expediente
bastante grosseira de fornecer um repertório de contornos transversais pré-desenhadas.
Cada uma destas linhas é então transformado (achatada verticalmente ou
horizontalmente) pelo valor actual (e mutável) do gene da forma. O programa gera
então um tubo de que o esboço transformado, varrendo-o em torno de e para fora como
se fosse um tubo circular . A melhor maneira de lidar com este problema - e que eu
poderia tentar um dia - seria programar o computador para simular o processo de
crescimento real variando ao redor da borda do tubo e, assim, formar secções
transversais ornamentados. No entanto, para o que vale a pena, a Figura 6.11 é um 'zoo'
de conchas de computador produzidos pelo programa existente, através da seleção
artificial utilizando o olho humano. Eles foram criados para semelhança com conchas
conhecidos, alguns deles de aproximadamente semelhantes aos da Figura 6.10, alguns
deles semelhante a outras conchas que você pode encontrar em uma praia ou durante o
mergulho.

A forma da secção transversal do tubo pode ser considerado como uma dimensão
adicional (ou um conjunto de dimensões) no Museu de Todas as conchas. Definir que
de um lado e revertendo para a nossa hipótese simplificadora de uma secção transversal
circular, uma das belezas de conchas é que eles são fáceis de caber em um Museu de
todas as formas possíveis que podemos realmente desenhar em três dimensões. Mas isso
não significa que todas as peças do museu teórica são tenanted na vida real. Na vida
real, como já vimos, a maior parte do volume do bloco museu torre está vazia. Raup
sombreada as regiões viveram-na (Figura 6.9), e que constituem muito menos do que
metade do volume do cubo. Alongamento longe para o norte e oeste, galeria após
galeria abriga conchas hipotéticos que poderiam existir de acordo com o modelo
matemático, mas que na verdade nunca foram vistos no planeta. Por que não?E por que,
já que estamos fazendo essas perguntas, são as conchas que têm realmente existiu
confinados a este edifício cúbico particular no primeiro lugar? {214}
Figura 6.11 'zoo de conchas de computador de diferentes formas da secção transversal
criados utilizando o programa Snailmalser cego. Eles foram criados por seleção
artificial, o olho escolhê-los para a sua semelhança com escudos reais familiares,
incluindo alguns membros da faixa representada na Figura 6.10. {215}

O que pode um escudo olhar como se ele não se encaixava no bloco de torre de
matemática? Figura 6.12a mostra um caracol gerado por computador que não o faz. Em
vez de ter um fixo torre de valor, seus torre alterações de valor à medida que envelhece.
Mais recentes, mais largas, as partes do reservatório crescer com a menor torre valor do
que developmentally anteriores, mais estreitos, partes do reservatório. É por isso que
todo o shell tem um tal "não natural", e, presumivelmente, vulnerável, apontou superior.
Este caracol é hipotético. Ela existe em somente o computador. O computador shell
'cone' na Figura 6.12b também tem uma parte superior anormalmente apontou. Ele
também foi desenhada pelo programa Snailmaker cego, mas com a espira valor
programado para diminuir, em vez de permanecer constante, como o desenvolvimento
procedeu.

As conchas na Figura 6.13 são reais, e eu suspeito que eles também têm uma torre de
inclinação, o que significa que eles começam a vida com uma alta torre de valor e
diminuir gradualmente à medida que envelhecem. De acordo com Raup, houve algumas
amonites reais que mudaram seus números de assinatura do escudo à medida que
cresciam. Pode-se dizer que à medida que envelhecem essas conchas estranhas passar
de uma parte do museu para outro e que eles ainda permanecer dentro do museu. Mas
também é verdade dizer que, desde que o corpo juvenil é incluído como parte do adulto
um, não há um armário no museu onde todo o corpo pode ser alojado. As pessoas
poderiam discordar sobre se os animais em figura 6.13 deve ser considerado como
verdadeiramente confinados às três dimensões da caixa. Geerat Vermeij, um dos
maiores especialistas de hoje

Figura 6.12 (a) caracol computador e (b) computador cone-shell com pontiagudas torres
produzidos por um "gradiente" na torre gene. {216}
Figura 6.13 escudos reais, cuja semelhança com as conchas de computador da figura
anterior sugere que eles também desenvolvem com pináculo gradientes. Esquerda: tigre
Maurea, Maurea tigris ; direita: cone geral, Conns generalis.

na zoologia de animais em grão, acredita que a tendência para alterar os números de


assinatura que os animais envelhecem pode ser a norma e não a excepção. Ele acredita
que, em outras palavras, que a maioria dos moluscos mudar sua posição no museu
matemática, pelo menos um pouco, à medida que crescem.

Voltemos à questão oposto porque grandes áreas do museu são vazios de escudos reais.
Figura 6.14 mostra uma amostra de conchas gerados por computador do fundo do "no-
go 1 regiões do museu. Alguns deles podem parecer bem na cabeça de um antílope ou
do bisonte, mas como conchas de moluscos que nunca viram a luz do dia. Com a
questão de por que não há escudos como esta, chegamos de volta para a controvérsia
com a qual começamos. Evolução é limitada pela falta de variação disponível, ou é que
a seleção natural nem sequer "querer" de visitar certas áreas do museu? -Se Raup
interpretado as áreas vazias - as zonas sem sombra de seu cubo - em termos
selecionistas. Não há pressão de selecção em moluscos a mover-se em áreas
representadas pelas lacunas. Ou, dito de outra forma, conchas com essas formas
teoricamente possível que, na prática, têm sido maus conchas para se viver: talvez fraco
e facilmente esmagados; ou de outra forma vulnerável, ou antieconômico de material
shell. {217}
Figura 6.14 "conchas" teórico que não existem - exceto talvez como chifres de antílope.

Outros biólogos pensam que as mutações que eram necessários para avançar para essas
áreas do museu foram apenas nunca disponível. Outra maneira de colocar este ponto de
vista é para dizer que o bloco de torre de conchas concebíveis que têm atraído não é, de
fato, uma verdadeira representação do espaço de todas as conchas possíveis. De acordo
com este ponto de vista grandes áreas do bloco de torre não seria possível mesmo que
fossem desejável do ponto de vista da sobrevivência. Meu próprio instinto favorece
interpretação selectionist de Raup mas eu não quero levar o assunto para o momento
porque, em qualquer caso, eu só introduziu conchas como uma ilustração do que
queremos dizer com espaços matemáticos de possíveis animais.

Eu não posso deixar o 'no-go "áreas sem olhar brevemente para algumas esquisitices
que realmente existem no mundo. Spirula é um pequeno, natação molusco cefalópode
(o grupo que inclui lulas e amonites) relativos a Nautilus. A forma abriu-out da casca
prenuncia um alto verm (maior que 1 / alargamento ), e já se reuniu Spirula nesta
capacidade na Figura 6.4. Se ele é sugerido que altos verm escudos como esta
normalmente não sobrevivem porque são estruturalmente fraca, Spirula se encaixa a
sugestão muito bem. Ele não vive dentro da sua concha, mas usa-lo como {218}
Figura 6.15 escudos reais que estão fora em um membro, em partes unfrequented do
Museu de todos os shells. Spirula comum, Spirula Spirula e shell tubo de West Indian,
Vermicularia spirata.

um órgão de flutuação interno. Uma vez que o shell não serve para proteção, natureza
permitiu-lhe seguir uma trajetória evolutiva no que é normalmente uma região não-go
do Museu de todos os shells possível. É ainda firmemente dentro do cubo do museu.
Isso pode ser verdade da concha tubo de West Indian desenhada na figura 6.15. que
assumiu o modo de vida - e da forma - de um verme tubo. Vá para o canto inferior
direito da Figura 6.8 e você vai ser, pelo menos na área geral do museu, onde o shell
tubo de West Indian está alojado. Por outro lado, parentes próximos desta criatura (e
também alguns amonites extinta) têm uma forma muito mais estranho, menos regular e
eles certamente não podem ser alojados em qualquer parte do museu.

Não só o nosso museu tridimensional ignorar o facto de tubo secções transversais não
são necessariamente círculos. Também ignora os padrões ricos na superfície das
conchas: as listras de tigre e leopardo pontos da Figura 6.10, a forma-V caligrafia da
figura 6.4a e todo o repertório de estrias e ridgings para ser encontrado esculpidos e
pintados em outras conchas. Alguns destes padrões podem ser acomodados no nosso
modelo por uma instrução para o computador, como{219} seguinte forma: como você
varrer rodada e volta, construindo-se o tubo de expansão como uma série de anéis, fazer
cada anel enésima mais espessa do que o resto. Dependendo do valor de n esta regra
poderia mostrar-se como faixas verticais com um espaçamento específico na superfície
do reservatório. Regras mais complicadas para o computador pode gerar padrões mais
elaborados. Um cientista alemão chamado Hans Meinhardt fez um estudo especial de
tais regras. A Figura 6.16 mostra os padrões de superfície em duas conchas reais, uma
casca de azeitona e uma voluta, do lado esquerdo. À direita são os padrões notavelmente
semelhantes gerados por regras de computadores implementadas por programa de
computador de Meinhardt. Você pode ver que suas regras produzir resultados
semelhantes aos que crescem biomorfos árvore-como, mas ele pensa deles em termos
não de ramos em crescimento {220}

Figura 6.16 padrões de superfície Shell e equivalentes gerados por computador.


mas de ondas de pigmento secretoras e inibir a actividade varre sobre células. Os
detalhes são encontrados em seu livro, O Algorithmic beleza de escudos do mar , mas
devo deixar este assunto e voltar para o meu tema principal do Museu de Todas as
conchas.

Eu apresentei a ideia do museu devido ao fato singular que - pondo de lado as


complicações da secção transversal do tubo, ornamento e assinaturas de variáveis -
variantes mais conhecidas entre as conchas pode ser aproximada usando apenas três
números conectados a uma regra de desenho. Para acomodar diferentes de conchas
formas animais, que normalmente deve{221} tem que imaginar um museu construído
em um maior número de dimensões que podemos tirar. Por mais difícil que é visualizar
a miríade-dimensionado Museu de todos os animais possíveis, é fácil de manter em
nossas cabeças a simples ideia de que os animais são alojados perto daqueles que mais
se assemelham, e que é possível mover em qualquer direção, não apenas em linha reta
ao longo dos corredores. Uma história evolutiva é uma trajetória serpenteando através
de alguma parte do museu. Como a evolução está acontecendo de forma independente
em todas as partes dos ricamente diversos reinos animal e vegetal, podemos pensar em
milhares de trajetórias, tunneling em diferentes direções através de diferentes regiões do
museu multi-dimensional (notar o quão longe nós viemos do muito diferente metáfora
do Monte Improvável).

Agora a controvérsia com a qual começamos pode ser re-expresso da seguinte forma.
Alguns biólogos acham que como você anda pelos longos corredores do museu que
você vai encontrar é gradações suaves em todas as direções. Grandes porções do museu
nunca são, como uma questão de fato, visitado por carne e osso vivo, mas, de acordo
com este ponto de vista, eles seriam visitados que apenas a seleção natural 'queria' para
o nariz seu caminho para aquelas porções. Um conjunto diferente de biólogos, com
quem eu sou menos em simpatia, mas que pode estar certo, sinto que grandes porções
do museu está impedida para sempre à seleção natural; que a seleção natural pode bater
ansiosamente nas portas de um corredor particular, mas nunca se admitir, porque as
mutações necessárias simplesmente não pode surgir. Outras partes do museu, de acordo
com uma variante imaginativa deste ponto de vista, longe de ser barrado à seleção
natural, agem como ímanes ou pias, sugando animais em relação a eles, quase
independentemente das selecções naturais melhores esforços. De acordo com esta visão
da vida, o Museu de formas animais possíveis não é uma mansão uniformemente
estabelecidas-out de longas galerias e corredores imponentes com qualidades sem
problemas de mudança, mas um conjunto de ímãs bem separados, cada um eriçado com
limalha de ferro. As limalhas de ferro representam animais, e os espaços vazios entre os
ímãs representam formas intermediárias que pode ou não pode sobreviver se eles vieram
a existir, mas não poderia existir em primeiro lugar. Outra, e provavelmente melhor,
maneira de expressar esse ponto de vista é dizer que a nossa percepção do que constitui
uma "intermediário" ou "próximo" no espaço animal é errado. vizinhos verdadeiras são
aquelas formas que, como um{222} De fato, pode ser alcançado em um único passo
mutacional. Estes podem ou não pode parecer, aos nossos olhos, como vizinhos.

Eu tenho uma mente aberta sobre esta controvérsia, embora eu me inclino em uma
direção. Em um ponto, porém, eu insisto. Este é que onde quer que na natureza não é
suficientemente poderosa ilusão de um bom design para algum propósito, a seleção
natural é o único mecanismo conhecido que pode explicá-la. Não insisto que a seleção
natural tem as chaves para todos os corredores do Museu de todos os animais possíveis,
e eu certamente não acho que todas as peças do museu pode ser alcançado a partir de
todas as outras partes. A seleção natural é muito provavelmente não livre para passear
onde ele vai. Pode ser que alguns dos meus colegas estão certos, e as seleções naturais
liberdade de acesso, uma vez que serpenteia, ou mesmo lúpulo, em torno do museu é
bastante limitada. Mas se um engenheiro olha para um animal ou órgão e vê que ela está
bem concebido para executar alguma tarefa, então eu vou levantar e afirmar que a
seleção natural é responsável pela bondade do projeto aparente. 'Imãs "ou" atratores "no
espaço animal não pode, sem a ajuda de seleção, alcançar um bom design funcional.
Mas agora, deixe-me suavizar a minha posição apenas um pouco, introduzindo a ideia
de embriologias 'caleidoscópicas'. {223}
<< >>

CAPÍTULO 7

B ODIES são construídas por processos de crescimento - principalmente no embrião -


para uma mutação, se é para mudar a forma de um corpo, normalmente irá fazê-lo
ajustando os processos de crescimento embrionário. Uma mutação pode, por exemplo,
acelerar o crescimento de uma determinada peça de tecido na cabeça embrionária,
resultando, eventualmente, em um adulto de lanterna de queixo. As alterações que
ocorrem no início do desenvolvimento fetal pode levar a dramática repercussões
posteriores - duas cabeças, talvez, ou um par extra de asas. Tais mutações drásticas, por
razões que vimos no Capítulo 3, não são susceptíveis de ser favorecida pela seleção
natural. Neste capítulo, eu estou fazendo um ponto diferente. Este é que o tipo de
mutações que estão disponíveis para selecção natural trabalhar em dependerá do tipo da
embriologia que a espécie possui. Mamífero embriologia funciona de uma forma muito
diferente da embriologia inseto. Não pode ser análoga, embora menores, as diferenças
nos tipos de embriologia adotadas por diferentes ordens de mamíferos. E o ponto que eu
quero ir para é que alguns tipos de embriologia pode, em certo sentido, ser "melhor" em
evoluir do que outros. Eu não quero dizer mais propensos a sofrer mutações, o que é
outra questão. Quer dizer que os tipos de variações levantadas por alguns tipos de
embriologia pode ser mais evolutivamente promissor do que os tipos de variações
levantadas por outros tipos de embriologia. Além disso, uma forma de seleção de nível
superior - o que eu apelidada anteriormente 'a evolução da capacidade de evoluir' - pode
levar ao mundo tornando-se povoada{224} por tipos de criaturas cuja embriologias fez
bom em evolução.

Vindo de um darwinista tingido-in-the-lã como eu, isso pode soar como heresia rankest.
A seleção natural não é suposto, em Nice círculos neo-darwinista, para escolher entre os
grandes agrupamentos. E não estamos de acordo no Capítulo 3, que a seleção natural
favorece uma taxa de mutação zero (que, felizmente para o futuro da vida, ela nunca
chega)? Como podemos agora afirmar que um determinado tipo de embriologia pode
ser "bom" em mutação? Bem, talvez no seguinte sentido. Certos tipos de embriologia
pode ser propenso a variar em determinadas maneiras; outros tipos de embriologia
tendem a variar em outros aspectos. E algumas dessas formas pode ser, em certo
sentido, mais evolutivamente frutífera do que outros, talvez mais propensos a vomitar
uma grande radiação de novas formas, como os mamíferos fizeram depois que os
dinossauros foram extintos. É isso que eu quis dizer quando eu fiz essa sugestão
bastante estranho sobre alguns embriologias ser "melhor em evolução" do que outros.

Uma analogia feira é o caleidoscópio, exceto que caleidoscópios estão preocupados com
a beleza visual, não design utilitário. Os chips coloridos em um caleidoscópio
estabelecer-se em um amontoado aleatório. Mas, por causa dos espelhos
engenhosamente angulares dentro do instrumento, o que vemos através da ocular é uma
forma simétrica ornately como um floco de neve. torneiras aleatórias ( "mutações") no
barril causar movimentos leves na pilha de fichas. Mas, olhando através da ocular, ver
estes como mudanças que se repetem de forma simétrica em todos os pontos do floco de
neve. Nós toque no tambor mais e mais, e parecem vagar por cave de formas de jóias
gaudily um menor de Aladim.

A essência do caleidoscópio é a repetição espacial. mudanças aleatórias são repetidos


em todos os quatro pontos da bússola. Ou pode ser não quatro, mas algum outro número
de pontos, dependendo do número de espelhos. As mutações também, embora sejam
alterações individuais em si, pode ter os seus efeitos repetido em diferentes partes do
corpo. Podemos considerar este como um outro tipo de não-aleatoriedade da mutação
para adicionar aos que nos ocupámos no Capítulo 3. O número de repetições depende
do tipo de embriologia. Vou falar sobre vários tipos de embriologia caleidoscópica. Foi
a experiência de biomorfos reprodutores, e em particular a experiência de software
colocando{225} 'espelhos' (veja abaixo) no programa Relojoeiro Cego, que me levaram
a aceitar a importância da embriologia caleidoscópica. Portanto, não é por acaso que
para fins de ilustração neste capítulo, dependem fortemente de biomorfos e outros
animais de computador.

Primeiro simetria, e nós vamos começar com a falta dela. Estamos bastante simétrica
nos (embora não totalmente) e por isso são a maioria dos outros animais que se
encontram, por isso foram capazes de esquecer que a simetria não é uma qualidade
óbvio que toda criatura deve ter. Alguns grupos de protozoários (animais unicelulares)
são assimétricas: cortá-los de qualquer maneira que você desejar, e os dois bits não será
imagens idênticas ou espelho um do outro. Qual será o impacto da mutação em um
animal puramente assimétrica? Para explicar isso, é mais fácil de mudar para biomorfos
computadorizados.

Os nove biomorfos da Figura 7.1a estão todas as variantes mutantes da mesma forma, e
todos são produzidos por um embriologia que não tem restrições de simetria. formas
simétricas não são proibidos, mas não há nenhuma vontade especial para produzi-los.
Mutações apenas mudar a forma, e isso é tudo que existe para ela: não há efeitos
"caleidoscópicos 'ou' espelhos 'estão em evidência. Mas olhe para mais alguns
biomorfos (Figura 7.1b). Estes são novamente formas mutantes de um ao outro, mas a
sua embriologia tem uma regra de simetria built-in: o programa foi modificado para
incluir um "espelho software 'abaixo da linha média. As mutações podem alterar todos
os tipos de coisas, assim como o que podiam para os biomorfos assimétricas, mas
qualquer mudança aleatória para o lado esquerdo será espelhado no lado direito
também. Estas formas olhar mais "biológico" do que as formas assimétricas da imagem
anterior.

Você pode pensar em uma regra de simetria na embriologia como uma restrição ou
'restrição'. Por isso, é, em sentido estrito, a embriologia que não constrangida é
teoricamente capaz de produzir formas simétricas, bem como os assimétricos e, por
conseguinte, é mais prolíficos de formas. Mas veremos neste capítulo que a restrição de
simetria pode vir a ser um enriquecimento: o oposto de uma restrição. O problema com
a embriologia irrestrita é que ele precisa ser executado através de uma miríade de
formas antes, por sorte, uma chance vontade simétrica para ocorrer. E mesmo assim, a
simetria muito aguardada será constantemente ameaçado por futuras gerações de
mutação. Se, não importa o que pode variar, a simetria é quase sempre vai ser desejável,
a {226}
Figura 7.1 biomorfos limitados por diferentes números de 'espelhos' caleidoscópicas, e,
portanto, mostrando vários tipos de simetria. {227}

embriologia constrangidos será muito mais "produtivo", assim como é mais bonito aos
nossos olhos. Ao contrário da embriologia irrestrita, não vai perder tempo vomitar
formas assimétricas que são não-iniciantes de qualquer maneira.

Por uma questão de fato, a grande maioria dos animais, incluindo nós mesmos, são em
grande parte, embora não totalmente, simétrico na esquerda - direita avião. Beleza em si
não é importante por isso devemos perguntar por que, em um sentido utilitário, à
esquerda - simetria direito deve ser uma característica desejável. Há alguns zoólogos
casados a uma ideia do século XVIII que, no que diz respeito às principais
características arquitectónicas, como a simetria, os animais são do jeito que são por
causa de alguma lealdade quase mística a um "plano corporal fundamental ou Bauplan .
( Bauplan é apenas a palavra alemã para plano Tipicamente, uma muda línguas para
indicar profundidade -. 'Estas notas da tuba das profundezas do Reno ", como Sir Peter
Medawar sarcasticamente colocá-lo Mas, na verdade, se me é permitido um parentética
no. -joke, há ironia em "plano" uma vez que sugere um "reducionista", one-to-one
relação entre o plano eo edifício que seria em um contexto genético ofender as
sensibilidades ideológicas das próprias pessoas que são mais gosta da palavra Bauplan
.) Eu prefiro a simplicidade anglo-saxónica do meu colega Dr. Henry Bennet-Clark,
com quem tenho discutido estas questões: Todas as perguntas sobre a vida tem a mesma
resposta (embora possa não ser sempre um útil): a seleção natural '. Sem dúvida, os
benefícios detalhados de esquerda - a simetria direita variam em diferentes tipos de
animais, mas ele faz sugestões gerais também, ao longo das seguintes linhas.

A maioria dos animais são ou sem-fim-like, ou são descendentes de ancestrais


semelhantes a vermes. Se você pensar sobre o que é como ser um worm, não faz sentido
ter a boca em uma extremidade - o fim que atinge comida em primeiro lugar - eo ânus
do outro de modo que você pode deixar resíduos de produtos por trás, em vez de,
inadvertidamente, comê-los . Isto define uma parte dianteira e uma traseira. Então, o
mundo geralmente impõe uma diferença significativa entre cima e para baixo. A razão
mínima para isto é a gravidade. Em particular, muitos animais mover sobre uma
superfície tal como o chão ou o fundo do mar. É sensato que, para todos os tipos de
razões detalhadas, o lado do animal mais próximo do solo deve ser diferente do lado
mais próximo do céu. Isto define um dorsal (costas) e uma ventral (barriga){228} lado
e, por isso, uma vez que já temos uma extremidade dianteira e uma extremidade
traseira, que agora também têm um esquerdo e um lado direito. Mas por que a esquerda
e os lados direito ser imagens de espelho um do outro? A resposta curta é, por que não?
Ao contrário da assimetria frente / trás e para cima / baixo assimetria que têm boas
justificativas, não há nenhuma razão geral para supor que a melhor forma para um lado
esquerdo será diferente da melhor forma para um lado direito. De fato, se há uma
melhor maneira para um lado esquerdo para ser, é razoável supor que o melhor lado
direito irá compartilhar as mesmas qualidades. Mais especificamente, qualquer grande
partida de esquerda / direita simetria espelho pode resultar em que o animal andando em
círculos, quando deveria estar perseguindo a distância mais curta entre dois pontos.

Tendo em conta que, por qualquer motivo, é desejável que os lados lados esquerdo e
direito deve evoluir em conjunto, como imagens de espelho um passo-lock,
embriologias que são "caleidoscópica" com um único "espelho" para baixo da linha
média terá uma vantagem. Novas mutações que são qualquer bom será então
automaticamente refletido em ambos os lados. Qual é a alternativa não-caleidoscópica?
Uma linhagem evolutiva pode alcançar primeiro uma alteração benéfica na, por
exemplo, o lado esquerdo do corpo. Em seguida, ele teria que esperar por muitas
gerações de assimetria de uma mutação rightside correspondência de transformar-se. É
fácil ver que a embriologia caleidoscópica poderia muito bem ter uma vantagem.
Talvez, por isso, há uma espécie de seleção natural em favor da embriologias
caleidoscópicas de cada vez mais restritivas - ainda correspondentemente produtiva -
personagem.

Isso não quer dizer que deixou - assimetrias certo nunca pode evoluir. Mutações
ocasionalmente surgir que afecta um lado mais fortemente do que o outro. Há razões
especiais porque mutações assimétricos são por vezes desejável, para atender os
abdomens de ermitões em conchas em espiral, por exemplo, ea seleção natural
acontecer, então favorecê-los. Nós já conheci-fish plana, como a solha, linguado e
linguados, no capítulo 4 (veja a Figura 4.7). Solha se estabeleceram em seu lado
originalmente esquerdo e do olho esquerdo migrou rodada ao ancestralmente bem,
agora superior, lateral. Sole ter feito a mesma coisa, exceto que eles mentir sobre o seu
lado direito que pode, embora não necessariamente, indicam que eles evoluíram o
hábito de forma independente. superfície ancestralmente esquerda da solha se tornou a
pele funcionalmente inferior, abraçando-fundo e,{229} apropriadamente, tornou-se
plana e prateada. A superfície ancestralmente direito tornou-se o funcionalmente
superior,-céu apontando um e tem correspondentemente tornar curvo em forma e
camuflados na cor. O dorsal ancestral (de volta) e os lados (barriga) ventrais tornaram-
se os lados funcionalmente esquerda e direita. Suas respectivas barbatanas, a barbatana
dorsal e a barbatana anal, normalmente tão diferentes, tornaram-se quase exatas
imagens especulares, como barbatanas direito funcionalmente e esquerda. A simetria
redescoberto esquerda-direita da solha e do linguado é, de fato, uma boa propaganda
para o poder da seleção natural em oposição a planos corporais fundamentais
continentalmente. Seria interessante (e possível) para descobrir se as mutações no solha
são automaticamente espelhados nos (novos) os lados esquerdo e direito (isto é, o velho
dorsal e ventral lados). Ou eles são ainda, seguindo o padrão ancestral, espelhado
automaticamente os (antigos) os lados esquerdo e direito (agora inferior e superior)?
Será que a diferença entre o prateado eo lado camuflado de um solha foi vencida nos
dentes de um embriologia caleidoscópica de idade hostil, ou com a ajuda de um, novo
embriologia caleidoscópica amigável? Seja qual for a resposta a estas perguntas, ela
serve para ilustrar o ponto que 'hostil' e 'friendly' (a evolução) são palavras apropriadas
para usar cerca de uma embriologia. Mais uma vez, ousamos sugerir que um tipo de
seleção natural de nível superior pode agir para melhorar a simpatia do embriologias a
certos tipos de evolução?

Do ponto de vista deste capítulo, a coisa importante sobre a esquerda - simetria certo é
que qualquer uma mutação exerce seus efeitos simultaneamente em dois lugares no
animal, em vez de um. Isso é o que eu quero dizer com embriologia caleidoscópica: é
como se as mutações são espelhados. Mas deixou - simetria direito não é o único tipo.
Há outros planos em que os espelhos de mutação pode ser definidas. Os biomorfos na
Figura 7.1c são simétricas não só na esquerda - direita avião mas no plano frente e para
trás também. É como se há dois espelhos fixados em ângulos retos. criaturas reais com
este "embriologia de dois espelho" são mais difíceis de encontrar do que de esquerda -
mais acertadas simétrico. cinto de Venus s, um nadador plâncton em forma de fita do
filo desconhecido da ctenóforos ou geléias pente, é um belo exemplo de espectro. Mais
comumente, embriologias caleidoscópicas podem ser encontrados, que correspondem às
quatro vias simetria, como os biomorfos da Figura 7.1d,{230} Muitos medusas
apresentam esse padrão de simetria. Membros de sua filo quer nadar no mar (como
água-viva em si) ou estão ancorados ao fundo (como anêmonas do mar), então eles não
estão sujeitas às pressões frente-e-ré que discutimos para rastreamento de animais, como
vermes. Eles têm todas as razões para possuir uma parte superior e um lado inferior,
mas eles não têm a pressão por um dianteiro e traseiro, ou para uma esquerda e direita.
Vistos de cima, portanto, não há qualquer razão particular, para qualquer ponto da
bússola para ser favorecida em detrimento de qualquer outra e que são, de facto,
"radialmente simétrico". A água-viva na Figura 7.2 passa a ser de quatro vias
radialmente simétrica, mas outros números de raios são comuns, como veremos. A
imagem, como muitos neste capítulo, foi

Figura 7.2 A quatro vias animais simétrica: uma medusa perseguido. Note-se que cada
um dos quatro eixos, também está à esquerda - direita simétrico em torno de si mesma,
de modo mais variação é realmente espelhado oito vezes. {231}
desenhado pelo célebre zoólogo alemão do século XIX, Ernst Haeckel, que também
passou a ser um ilustrador brilhante.

Animais com esse tipo de simetria são capazes de enorme variedade de forma, mas com
uma limitação que, estou sugerindo novamente, pode vir a ser não tanto uma limitação
como um acessório "caleidoscópica". mudanças aleatórias afetam todos os quatro cantos
simultaneamente. Uma vez que, ao mesmo tempo, as unidades que são quatro vezes
repetidos são frequentemente eles mesmos espelhado, cada mutação é, na verdade,
repetido oito vezes. Isso é muito claro no caso de a água-viva perseguido na Figura 7.2,
que tem oito pequenos tufos, dois por esquina. Presumivelmente, uma mutação na
forma de tufos se manifestaria oito vezes. Para ver o que a simetria radial olharia como
na ausência desta duplicação adicional para cima, olhar para os biomorfos na Figura
7.1e. É muito difícil encontrar animais reais com este tipo de "suástica" ou simetria 'Isle
of Man', mas Figura 7.3 mostra o tipo de coisa que estamos procurando. É o
espermatozóide de um lagostim.

A maioria dos animais com simetria radial, porém muitos raios que possam ter,
adicionar esquerda - simetria espelho direito dentro de cada raio. Portanto, do nosso
ponto de vista da contagem do número de vezes que uma determinada mutação será
"refletidas", é necessário contar o número de raios e, em seguida, dobrá-lo. A estrela do
mar típico, uma vez que cada um dos seus cinco braços é esquerda - direita simétrica,
pode-se dizer que 'refletem' cada mutação dez vezes.

Haeckel foi particularmente gostava de desenhar organismos unicelulares, como as


diatomáceas de Figura 7.4. Aqui vemos caleidoscópica

Figura 7.3 'Isle of Man simetria': o espermatozóide de um lagostim. {232}


Figura 7.4 diatomáceas - plantas unicelulares microscópicas - ilustrando diferentes
números de espelhos caleidoscópicas dentro de um grupo de organismos. {233}

simetrias com dois, três, quatro, cinco ou mais 'espelhos', além de a esquerda - direita
espelho dentro de cada braço. Para cada tipo de simetria, a embriologia é tal que as
mutações não agir em um só lugar, mas em um número fixo de lugares. Por exemplo, a
estrela de cinco pontas perto do topo da Figura 7.4 pode sofrer mutação para produzir
pontos mais nítidas. Neste caso, todos os cinco pontos iria mais nítida simultaneamente.
Nós não teríamos que esperar por cinco mutações separadas. Presumivelmente, os
números diferentes de espelhos são eles próprios (muito mais raro) mutações de uma
outra. Talvez uma estrela de três pontas podem, ocasionalmente, se transformar em uma
estrela de cinco pontas, por exemplo.

Para mim, os campeões de todos os caleidoscópios microscópicos são o Radiolaria,


outro grupo planctônicas ao qual Haeckel especial atenção (Figura 7.5). Eles também
ilustram belas simetrias de várias ordens, o equivalente a caleidoscópios com dois, três,
quatro, cinco, seis ou mais espelhos. Eles têm pequenos esqueletos feitos de giz com
uma beleza e elegância que tem embriologia caleidoscópica escrito tudo sobre ele.

A obra-prima caleidoscópica na Figura 7.6 poderia ter sido desenhado pelo arquitecto
visionário Buckminster Fuller (quem eu era uma vez o privilégio de ouvir, em seus anos
noventa, palestras por hipnotizante três horas sem descanso). Como seus domos
geodésicos ele depende para a sua força sobre a forma geométrica estruturalmente
robusto do triângulo. É claramente o produto de uma embriologia caleidoscópica de
uma ordem elevada. Qualquer dada mutação irá ser reflectido um muito grande número
de vezes. O número exacto não pode ser determinada a partir desta imagem. Outros
Radiolaria desenhada por Haeckel têm sido utilizados por crystallog-raphers químicos
como ilustrações dos sólidos regulares conhecidas desde a antiguidade como o octaedro
(oito facetas triangulares), o dodecaedro (doze faces pentagonais) eo icosaedro (vinte
facetas triangulares). Na verdade D'Arcy Thompson, que conhecemos em conexão com
conchas de caracol, teria argumentado que os embriologias destes Radiolarians
requintados têm mais em comum com o crescimento de cristais do que com o
desenvolvimento embrionário, no sentido normal.

Em qualquer caso, organismos unicelulares, tais como diatomáceas e Radiolarians


necessariamente tem um tipo muito diferente da embriologia desde as multicelulares, e
qualquer semelhança entre os seus caleidoscópios vai {234}
Figura 7.5 Radiolaria. Mais exemplos de diferentes números de espelhos
caleidoscópicas de simetria em um grupo de, organismos unicelulares microscópicos.
{235}

Figura 7.6 Uma grande e espectacular esqueleto Radiolarian.

provavelmente ser coincidência. Nós já vimos um exemplo de um de quatro vias


simétrica animais multicelulares, uma água-viva. Quatro, ou um múltiplo de quatro, é
comum entre essas medusas, e é presumivelmente fácil de conseguir por simples
duplicação de algum processo durante embriologia precoce. Existem também seis vias
medusas simétricas, tais como aqueles a partir do grupo conhecido como hidróide
trachymedusae (Figura 7.7).
Os expoentes mais famosos de cinco vias simetria são os Echino-dermos - a grande filo
de criaturas do mar espinhosos que inclui estrelas do mar, ouriços-do-mar-e frágeis-
estrelas, a Sea-pepinos e mar-lírios (Figura 7.8). Tem sido sugerido que os modernos
cinco vias simétricas Echino-dermos veio de três vias ancestrais remotos simétricas,
mas eles têm sido de cinco forma simétrica por mais de meio bilhão de anos e é tentador
ver cinco vias simetria como uma parte central de um dos {236}
Figura 7.7 seis vias medusae simétricas. {237}

Figura 7.8 Echinoderms de vários grupos: (da esquerda para a direita) frágil estrela,
estrela do mar many-armada (que provavelmente sofreu alguma perda indivíduo braço e
regeneração, daí o seu braços desiguais), lírio do mar, dólar de areia.

aqueles altamente conservada Baupläne que zoólogos continentalmente inspirados são


tão afeiçoado. Infelizmente para este ponto de vista idealista, não só existe uma boa
minoria de espécies estrela do mar com outros de cinco anos, mas mesmo dentro de
mutantes respeitavelmente espécies de cinco pontas da contagem de braço indivíduos
com três, quatro, ou seis vias simetria, por vezes, transformar-se.

Por outro lado, ao contrário do que se poderia esperar de nosso simples análise do que é
preciso para ser um rastreador da fundo-moradia, mesmo equinodermos que rastejam
são geralmente radialmente simétrica. E eles parecem ter sua simetria radial sério no
sentido de que eles não se importam de que maneira eles andam: ninguém braço é
privilegiada. A qualquer momento uma estrela do mar terá um 'braço líder ", mas de vez
em quando ela muda a liderar com um braço diferente. Alguns equinodermes
redescobriram esquerda - simetria direita ao longo do tempo evolutivo. A construção de
galerias ouriços do coração e dólares de areia, a quem a areia deve sujeito a uma pressão
extrema para simplificar, redescobriram uma frente - assimetria traseira e sobreposta à
esquerda superficial - assimetria direita{238} sobre a sua forma, que é
reconhecidamente baseado em que a de um raio de cinco ouriço do mar.
Equinodermos são tais criaturas requintados que, quando eu estava tentando criar
biomorfos realistas com o programa Relojoeiro Cego, eu, naturalmente, aspiravam a
alcançar a sua semelhança. Todas as tentativas para se reproduzem cinco vias simetria
estavam condenados. O Relojoeiro Cego embriologia não era caleidoscópica no
caminho certo. Faltava-lhe o número necessário de 'espelhos'. Na verdade, como já
vimos, alguns equinodermes anormal afastar-se de cinco vias simetria e eu enganado ",
simulando estrelas do mar, ouriços-do-brittlestars e com números pares de raios (Figura
7.9).

Mas não há como fugir do fato - na verdade, ilustra o ponto central deste capítulo - que
a versão atual do programa de computador Relojoeiro Cego é incapaz de vomitar um
cinco-way biomorfo simétrico. A fim de corrigir esta situação eu teria que fazer uma
mudança para o programa em si (um novo "espelho", e não apenas uma mutação
quantitativa a um gene já existente) de modo a permitir uma nova classe de mutações
caleidoscópicas. Se isso fosse feito, eu me sinto confiante de que o comum, se em vez
demorado, processos de mutação aleatória e seleção produziria muito melhores
semelhança da maioria dos principais grupos de equinodermos. A versão original do
programa, conforme descrito em O Relojoeiro Cego , foi capaz de produzir única
esquerda - mutações direito simétricas. O presente, comercialmente disponíveis, a
capacidade do programa para produzir quatro vias biomorfos simétricos, e "Isle of Man '

Figura biomorfos 7.9 de computador pode olhar superficialmente como equinodermes,


mas eles nunca conseguir que a simetria de cinco maneira indescritível. O próprio
programa teria que ser reescritas por isso. {239}

ou biomorfos 'suástica', resulta de uma decisão, da minha parte, para reescrevê-lo de


modo a colocar um repertório de 'espelhos' de software sob controle genético.

Eu tenho falado sobre vários tipos de simetria como exemplos de embriologias


caleidoscópicas. Menos geometricamente espetacular, mas tão importante no mundo
dos animais de verdade, é o fenômeno da segmentação. Segmentação significa repetição
de série como você se move da frente para trás do corpo, geralmente de um
normalmente longo, para a esquerda - animal certo simétrico. Os exemplos mais óbvios
de animais segmentados são anelídeos (minhocas, lugworms, ragworms e vermes
tubulares) e artrópodes (insetos, crustáceos, milípedes, trilobites, etc.), mas nós,
vertebrados são segmentadas também, embora de uma forma bastante diferente. Da
mesma forma que um comboio é uma série de camiões ou de vagões, cada um,
basicamente, como os outros mas diferindo em detalhe, um artrópode é uma série de
segmentos que podem diferir um do outro em detalhe. A centopéia é como um trem de
carga, com todos os seus caminhões muito o mesmo que o outro. Você pode pensar em
outros artrópodes como centopéias glorificados: trens com variadas, caminhões para
fins especiais e treinadores (Figura 7.10).

A maneira centopéia de organizar um corpo é repetitivo de uma forma simples. Não é a


repetição espacial todo o caminho ao longo do trem e esquerda-direita espelhamento
dentro de cada segmento também. Mas, se nos afastamos do centopeias e as suas
espécies, há uma tendência persistente em evolução para os segmentos para se tornar
progressivamente diferentes uns dos outros: nem todas as mutações são simplesmente
repetidas em todos os segmentos. Insetos são como centopeias que perderam as pernas
de todos os segmentos, exceto três: segmentos de sete, oito e nove, contando a partir da
frente. As aranhas têm mantido pernas em quatro segmentos. Na verdade, ambas as
aranhas e insetos têm mantido mais dos seus membros primitivos do que isso. É justo
que eles viraram-los para outros usos, como antenas ou mandíbulas. Lagostas e, mais
ainda, caranguejos, levaram a diferenciação unkaleidoscopic entre os segmentos ainda
mais.

As lagartas têm os habituais três "pernas de insetos adequado" perto da frente, mas eles
também têm reinventado a perna mais para trás. Estas pernas reinventadas são squashier
e de outra forma bastante diferente das típicas pernas armadura articulados que brotam a
partir dos três segmentos torácicos. Insetos também normalmente têm asas em
segmentos de sete e oito. Alguns {240}
Figura 7.10 Artrópodes são construídos a partir de segmentos repetidos, muitas vezes
com variação, de frente para trás: (de cima) crustáceo mystacocarid, Demcheilocaris ;
traça gigante do pavão Lagarta, Saturnia pyri ; camarão dendrobranchiate, Penaeus ;
Symphyla (semelhante ao centopeias), Scutigenlla.

insetos não têm asas, e os seus antepassados nunca teve eles. Outros insetos, pulgas por
exemplo, e formigas operárias, tem ao longo do tempo evolutivo perdido as asas que
seus antepassados tiveram uma vez. formigas operárias têm o equipamento genético
para criar asas: cada trabalhador poderia ter sido uma rainha se ela tinha sido criado de
forma diferente e rainhas têm asas. Curiosamente, uma rainha normalmente perde suas
asas durante a sua própria vida, às vezes mordendo-os a si mesma, quando ela
completou seu acasalamento{241} vôo e está pronto para se estabelecer no subsolo.
Asas ficar no caminho subterrâneo, como eles fazem onde as pulgas ao vivo, na floresta
espessa que é a pele ou as penas do seu hospedeiro.

Considerando pulgas perderam ambos os pares de asas, moscas (há muitos e muitos dos
membros da grande família real, incluindo mosquitos) perderam um par de asas e
manteve o outro par. O segundo par de asas sobreviver em grande forma reduzida como
"halteres", as pequenas baquetas que furam para fora, atrás das asas de trabalho (Figura
7.11). Você não precisa ser um engenheiro para ver que halteres não iria funcionar
como asas. Você precisa ser um bom engenheiro para ver o que eles são realmente para.
Eles parecem ser pequenos instrumentos de estabilização, fazendo um trabalho
semelhante para o inseto como um giroscópio faz para um avião ou foguete. Os halteres
vibrar na frequência wingbeat. pequenos sensores na base do haltere detectar
transformando forças nas três direções conhecidos pilotos como inclinação, rotação e
guinada. É típico da evolução para ser oportunista e fazer uso do que já está lá. Uma
concepção engenheiro

A Figura 7.11 Todos os membros da família têm mosca halteres em lugar do segundo
par de asas. Grandes moscas como estes craneflies mostrar-lhes de forma
particularmente clara: (esquerda) Tipula maxima ; (à direita) Ctenophora ornata (pernas
e direita não mostrado). {242}
uma aeronave iria se sentar em uma mesa de desenho e concepção de um instrumento
de estabilização a partir do zero. Evolução obtém o mesmo resultado através da
modificação que já existe, neste caso, uma asa.

Basta ter segmentos evoluir para ser diferentes um do outro não é caleidoscópica: muito
pelo contrário. Mas há outros modos de mudança que podemos ver como
caleidoscópica, em um sentido mais sofisticado do que temos até agora cumpridas.
Muitas vezes, os organismos artrópodes têm uma estrutura um pouco como uma frase
com suportes arredondados. (Se você colchetes abertos em uma frase [suportes internos
<assim> deve ser adequadamente aninhada] os suportes de eventualmente ter de ser
fechada novamente.) A frase entre parênteses pode ser expandida ou reduzida, mas, não
importa quanto tempo ele é, cada '(' deve ser arredondada com um ')'. O mesmo
'assentamento adequado "aplica-se a aspas. Também, mais interessante, aplica-se à
incorporação de cláusulas subordinadas em frases. 'O homem que estava sentado em um
pino ...' é como um parêntese aberto, exigindo um retorno ao verbo principal. Você pode
dizer: "O homem saltou ', e você pode dizer:" O homem que estava sentado em um pino
saltou', mas você não pode parar em 'O homem que estava sentado em um pino exceto
quando a resposta a uma pergunta ou a legenda para uma imagem, caso em que a
conclusão da frase é implícito. frases gramaticais exigir assentamento adequado. De
forma semelhante, os camarões, lagostas e lagostas têm seis segmentos da cabeça toda
apreendidos juntos na extremidade dianteira e na extremidade traseira um segmento
especial chamada telson. O que acontece no meio é mais variável.

Vimos um tipo de mutação caleidoscópica, a mutação espelhada refletiu sobre vários


planos de simetria. mutações "gramaticais" seria caleidoscópica em outro sentido. Mais
uma vez, a variação que é permitida é limitada, mas neste caso não por simetria, mas
por regras, tais como: "Não importa quanto variação do número de junções lhe
permitem, no meio da perna, a perna tem de terminar com uma garra . ' Ted Kaehler, da
empresa Apple Computer, e eu colaborou para escrever um programa de computador
que contém regras deste tipo. É como o programa Relojoeiro Cego, mas os "animais"
que ela produz são chamados artromorfos e sua embriologia tem regras que estão
faltando embriologia biomorfo. artromorfos de computador são um trem de corpos
segmentados como artrópodes reais. Cada segmento tem um pouco arredondada corpo -
a forma e o tamanho exacto é controlado por "genes" como{243} genes biomorfo. Cada
segmento pode ou não ter uma perna articulada saindo cada lado. Isso também é
controlada por genes, e assim é a espessura da perna, o número de articulações, o
comprimento de cada articulação e o ângulo de cada junta. Não pode ou não ser uma
garra na extremidade de uma perna, e que também, em conjunto com a sua forma, é
controlada por genes.

Se artromorfos tinha o mesmo tipo de embriologia como biomorfos, haveria um gene


chamado NSeg que determinou o número de segmentos. NSeg simplesmente teria um
valor, que pode sofrer mutação. Se NSeg tinha os onze valor, o animal teria onze
segmentos. Haveria outro gene chamado NJoint que controlava o número de juntas em
cada membro. Não importa como variável podem olhar - e sua variedade é meu orgulho
e alegria - todos os biomorfos no "parque safari 'da Figura 1.16 têm exatamente o
mesmo número de genes, dezesseis. Os biomorfos originais de O Relojoeiro Cego tinha
apenas nove genes. Os biomorfos cor têm mais genes (trinta e seis) eo programa teve
que ser totalmente reescrito para acomodá-los. Esses são três programas diferentes.
Artromorfos não funciona assim. Eles não têm um repertório de genes fixo. Eles têm
um sistema genético mais flexível (aficionados de programação são os únicos leitores
que irá desejam saber que os genes de um arthromorph são armazenados como uma lista
ligada com ponteiros, enquanto que aqueles de um biomorfo são armazenados como
Pascal registro fixo). Novos genes podem surgir espontaneamente na evolução
arthromorph por duplicação de genes antigos. Por vezes, os genes são duplicados, um
de cada vez. Às vezes, eles são duplicados em grupos hierarquicamente estruturadas.
Isto significa que, teoricamente, uma criança mutante pode ter o dobro de genes como
seu pai. Quando um novo gene, ou conjunto de genes, é apresentada por duplicação, os
novos genes de começar com os mesmos valores que aqueles a partir dos quais eles
foram duplicadas. A deleção é possível um tipo de mutação, bem como a duplicação, de
modo que o número de genes que podem encolher, bem como crescer. Duplicações e
apagamentos se manifestam como mudanças na forma do corpo e, portanto, estão
expostos a seleção (seleção artificial por olho, como por biomorfos). Muitas vezes, uma
alteração no número de genes mostra-se como uma alteração em número de segmentos
(Figura 7.12). Pode também mostrar-se como uma alteração no número de juntas em um
membro. {244}

Figura 7.12 artromorfos diferindo no número de segmentos. O pai, na parte superior tem
dois filhos mutante.

Em ambos os casos, o que emerge é uma tendência "gramatical" para caminhões médios
para deixar cair dentro e fora do trem, deixando a caminhões dianteiro e traseiro intacta.

Duplicação ou deleção de segmentos podem ocorrer no meio de um animal, e não


apenas na sua extremidade. E duplicação ou deleção de articulações podem ocorrer no
meio de um membro, e não apenas na sua extremidade. Isto é o que dá arthromorph
embriologia sua qualidade "gramatical": a sua capacidade de excluir ou incluir, o
equivalente a uma cláusula relativa todo ou cláusula proposicional, no meio de uma
"sentença" maior. Além de suas propriedades de assentamento "gramatical",
artromorfos têm um sabor adicional de embriologia caleidoscópica. Cada detalhe
quantitativo do corpo de um arthromorph (por exemplo, o ângulo de um determinado
garra, ou a largura do tronco de um determinado segmento) é influenciado por três
genes que multiplicam seus valores numéricos em conjunto de uma forma que eu vou
explicar presentemente. Há um gene específico para o segmento em causa, um gene que
é aplicável a todo o animal, e um gene que se aplica a uma sub-sequência de segmentos
de chamada de tagma. Tagma (plural tagmata) é uma palavra que vem da biologia real.
Exemplos de tagmata em animais reais são o tórax eo abdômen dos insetos.

Para qualquer pormenor particular, tal como o ângulo de garra, os três genes que se
combinam para afectar que são como se segue. Em primeiro lugar, o gene que é peculiar
para o segmento individual. Este não é caleidoscópica em tudo, para quando ele sofre
mutações que afeta apenas o segmento em questão. Figura 7.13a mostra um
arthromorph em que cada segmento tem um valor diferente do {245}

Figura 7.13 artromorfos escolhido para ilustrar vários tipos de efeitos genéticos: (a)
arthromorph com o gene da garra de ângulo diferente para cada segmento; (b) a
mutação do gene de corpo inteiro para o ângulo de garra; (c) arthromorph com nenhuma
variação entre segmentos; (d ) igual a (c) , mas com uma única mutação que afecta o
gene completo do corpo para o ângulo de garra; (e), gradiente de tamanhos de
segmento, não afectando membros; (f) arthromorph com três tagmata, diferindo em
várias características, mas uniforme dentro de cada tagma; (g) igual a (F) , mas com
uma mutação que afecta membros ao nível do (terceiro) tagma; (h) mutação de (f), que
afecta os membros em apenas um segmento.

gene-nível de segmento para o ângulo da garra. O resultado é que cada segmento tem
um ângulo diferente garra. Em todos os artromorfos, a propósito, não é simples
esquerda - simetria direita.

Movendo-se para o segundo dos três genes que afectam, por exemplo, o ângulo de
garra, isto é aquela que influencia todos os segmentos do animal inteiro. Quando se
transforma, as garras em todos os segmentos em simultâneo{246} a mudança, mesmo
ao longo do comprimento do animal. Figura 7.13b mostra uma arthromorph que é o
mesmo que a Figura 7.13a excepto que as garras são ligeiramente puxado - encurtado. O
gene que afecta tamanho da garra ao nível de todo o animal sofreu mutação para um
valor menor. O resultado é que as garras individuais encolher, embora mantendo as suas
peculiaridades de nível de segmento em relação ao outro. Matematicamente, como eu
disse, este efeito é obtido multiplicando o valor numérico de cada gene em nível de
segmento individual para o ângulo garra pelo valor numérico de todo o gene de nível
corpo para o ângulo da garra. Garra ângulo, é claro, é apenas um dos muitos detalhes
quantitativos sendo simultaneamente determinado pelo somas de multiplicação
semelhantes ao longo de todo o 'trem. Existem genes que afetam todo o corpo, por
exemplo, o comprimento da perna, e estes multiplicar seus valores com os genes de
nível de segmento para o comprimento da perna. Figura 7.13c e d mostram artromorfos
que não têm nenhuma variação entre os segmentos, mas que diferem uns dos outros em
nível de todo o gene de organismo para o ângulo de garra.

A terceira classe de gene afecta uma região discreta do corpo, um tagma como o tórax
de um insecto. Considerando os insetos têm três tagmata, artromorfos evoluir para ter
qualquer número, e cada tagma pode ter qualquer número de segmentos: alterações em
ambos os números de segmento e números tagma estejam sujeitos a mutação no
caminho "gramatical" nós já discutimos. Cada tagma tem um conjunto de genes que
afectam a forma do corpo e os membros e garras que tagma dentro. Por exemplo, cada
tagma tem um gene que afecta o ângulo de todas as garras numa distância que tagma. A
Figura mostra um 7.13f arthromorph com três tagmata. A maioria das coisas variam
entre tagmata mais do que em qualquer um tagma. O efeito é conseguido através da
multiplicação dos valores do gene, da mesma maneira como já foi visto para os genes de
corpo inteiro.

Para resumir, o tamanho final de cada atributo, digamos ângulo garra, é obtido pela
multiplicação dos valores numéricos de três genes: o gene segmento para o ângulo
garra, o gene tagma para o ângulo de garra, e todo o gene organismo para o ângulo da
garra. Uma vez que a multiplicação por zero produz zero, segue-se que se, por exemplo,
o valor de um gene para o tamanho de um membro de uma dada tagma fosse zero, os
segmentos de que tagma teria nenhum membro de todo, como segmentos abdominais
uma vespa, independentemente do gene{247} os valores para os outros dois níveis. A
Figura mostra uma filha 7,13 g do arthromorph na Figura 7.13f, que sofreu uma
mutação de um gene para o tamanho do membro ao nível do terceiro tagma. Figura
7.13h é outra filha do arthromorph da Figura 7.13f, mas, neste caso, um gene membro
pertencente a um único segmento sofreu mutação.

Artromorfos, então, ter uma espécie de embriologia caleidoscópica de três camadas.


Eles podem sofrer mutações dentro de um segmento, no caso em que a alteração é
espelhado apenas uma vez, no lado oposto do corpo. Eles também são caleidoscópica ao
nível de todo o organismo "centopeia" ou: uma mutação neste nível é espacialmente
repetido para baixo os segmentos do corpo (e também está à esquerda - direita
espelhado). E são caleidoscópio no intermediário, 'inseto' ou tagma nível: uma mutação
neste nível afecta todos os segmentos de um aglomerado local de segmentos, mas não
no resto do corpo. Imagino que, se artromorfos teve que fazem a sua vida no mundo
real, as suas mutações caleidoscópicas três camadas pode ter benefícios, para o mesmo
tipo de razões fundamentadas na economia evolucionária, como já discutido no caso de
espelhos, de simetria. Se, por exemplo, os membros do tagma meio da função do corpo
como pés de passeio, enquanto os membros do tagma traseira da função corpo como
brânquias, faz sentido que as melhorias evolutivas devem ser repetidas em série ao
longo dos segmentos de um tagma mas não outros: melhorias para caminhar apêndices
não são susceptíveis de beneficiar apêndices respiratórios. Daí pode haver vantagens em
possuir uma classe de mutações que, quando eles aparecem pela primeira vez, já se
refletem em todos os segmentos de uma tagma. Por outro lado, pode haver benefícios
mais particulares em fazer detalhado, ajustes especializados para os membros em
segmentos específicos, em que embriologias caso podem ser favorecidas que têm uma
tendência adicional de vomitar mutações que são apenas à esquerda - direita espelhado.
Finalmente, há às vezes pode haver benefícios em mutações simultaneamente
aparecendo sobre todos os segmentos do corpo, e não substituir completamente a
variação existente entre os segmentos e entre tagmata, mas ponderando-os, por
exemplo, multiplicação.

Como uma reflexão tardia biologicamente inspirado, Ted Kaehler e eu introduzido


genes 'inclinação' para o nosso programa arthromorph. Um gene gradiente cuida para
que uma qualidade particular de um arthromorph, como{248} o ângulo garra, não é fixo
como você se move da frente para trás do animal, mas aumenta progressivamente (ou
diminui). Figura 7.13e mostra um arthromorph sem variação entre os segmentos para
além de um gradiente (negativo) de tamanhos de segmentos. O corpo se afila da frente
para trás.

Artromorfos procriar, e evoluir por seleção artificial, no mesmo tipo de forma que
biomorfos. Um arthromorph mãe fica no centro da tela, rodeada pela sua descendência
aleatoriamente mutados. Como no caso dos biomorfos, o seletor humano não vê genes,
mas apenas as suas consequências - formas do corpo - e escolhe o que vai produzir (e
mais uma vez não há sexo). O arthromorph escolhido desliza para o centro e rodeia-se
de uma ninhada de sua descendência mutante. Como o passar das gerações, a mudança
no número de genes e alterações em valores de genes, ter lugar nos bastidores por
mutação aleatória. Tudo o que o selecionador humano vê é uma sequência evoluindo
gradualmente de artromorfos. Assim como todos os biomorfos computadorizados pode

ser dito ter sido criado a partir de então todos os artromorfos pode ser dito ter
sido criado a partir de .O sombreamento puro dos segmentos do corpo para
torná-los sólidos é um toque de cosméticos que não varia no programa existente, que
poderia facilmente ser trazido sob (três camadas) controle genético em versões futuras
do programa. Comparável à Figura 1.16 da biomorfo safari park, Figura 7.14 é um
zoológico de artromorfos que eu produzi ao longo do tempo por seleção artificial,
normalmente a escolha em favor de algum tipo de realismo biológico.

Este zoológico inclui formas que variam em todos os níveis da embriologia


caleidoscópica. Você pode reconhecer criaturas com corpos afinando como tendo pelo
menos um gene de gradiente. Você pode reconhecer clara divisão em tagmata: grupos
de segmentos vizinhos se assemelham mais do que eles se assemelham a outros
segmentos. Mas você ainda pode reconhecer algumas variações na forma, mesmo entre
os segmentos dentro de um tagma. insetos reais, crustáceos e aranhas variam de formas
caleidoscópicas semelhante em camadas. Especialmente revelador são os chamados
mutações homeóticos de artrópodes reais, mutações que causam um segmento a mudar
de modo que ele segue o padrão de desenvolvimento normal de um segmento diferente.

A Figura 7.15 apresenta exemplos dos chamados mutações homeóticos na mosca da


fruta Drosophila e na lagarta-da-seda. O normal de Drosophila , como todas as moscas,
tem apenas um único par de asas. O segundo {249}
Figura 7,14 Arthromorph zoológico. Uma coleção de artromorfos criados pela seleção
artificial com um olho à sua semelhança, porém vaga, para artrópodes reais. {250}

Figura 7.15 mutações homeóticos: (a) quatro asas de Drosophila. Em condições


normais de Drosophila o segundo par de asas é substituído por halteres, como na Figura
7.11; (b) normal (superior) e mutante (inferior) lagartas de bicho da seda. Normalmente
existem inseto pernas apropriadas somente nos três segmentos torácicos. O mutante tem
nove segmentos 'torácicas'.

par de asas é substituído por halteres, como explicado acima. A imagem mostra um
mutante Drosophila em que não só não existe um segundo par de asas em vez de
halteres, todo o segundo segmento torácico é duplicada em substituição para o terceiro
segmento torácico. Em artromorfos este efeito seria conseguido através de uma
duplicação "gramatical" seguido de eliminação. Figura 7.15b mostra uma lagarta do
bicho-mutante. Lagartas normais têm três pernas articuladas "adequado" como qualquer
outro inseto, embora, como eu disse, os seus segmentos traseiros têm squashier,
"reinventado" pernas. Mas a lagarta mutante na parte inferior da Figura 7.15 tem nove
pares de pernas articuladas "adequado". O que aconteceu é que os segmentos da tagma
torácica foram duplicados,{251} assim como no arthromorph do lado direito da Figura
7.12. O mais famoso mutação homeotic é 'antennapedia' em Drosophila fruitflies.
Moscas com esta mutação têm uma perna de aparência normal que pica para fora do
soquete, onde uma antena deveria ser. A maquinaria legproducing foi ligado no
segmento errado.

Tais mutantes são bastante bizarro e improvável de sobreviver na natureza, que é outra
maneira de dizer que a evolução é improvável incorporar mutações homeóticos. Por
isso, fez um olhar duas vezes quando eu estava andando (em vez rapidamente, porque
eu sou melindroso sobre o alimento) passado uma mesa atulhada de frutos do mar de
pernas longas em um banquete na Austrália. O animal que me chamou a atenção é
conhecido por gourmets australianos como um bug em águas profundas. É um tipo de
lagosta, membro de um grupo conhecido variadamente todo o mundo como lagostas do
deslizador, lagostas espanhóis e lagostas shovelnosed. Figura 7.16 mostra um exemplo
típico, emprestado do Museu de Oxford, do género Scyllarus. O que me impressiona
sobre estes animais é que eles parecem ter duas extremidades traseiras. Os resultados
ilusão do facto de as antenas na parte da frente (estritamente o segundo par de antenas)
assemelham-se a apêndices chamados urópodos que são a característica mais
proeminente da extremidade traseira de qualquer lagosta. Eu não sei por que as antenas
são esta forma. Pode ser que sejam

Figura 7.16 Isso poderia representar um mutante homeotic que tem sido evolutivamente
bem sucedida na natureza? Scyllarus , uma lagosta shovelnosed. {252}

usado como pás, ou pode ser que os predadores são enganados por a mesma ilusão que
me impressionou. Lagostas têm um reflexo de retirada excessivamente rápido, usando
uma célula nervosa gigante dedicada ao propósito. Eles atiram para trás com velocidade
desconcertante quando ameaçado. Um predador pode antecipar esse reflexo apontando
para trás a posição atual lagostas. Isso pode pagar com uma lagosta comum, mas com
Scyllarus a aparente "por trás" poderia muito bem vir a ser a frente, eo segundo-
adivinhando predador teria atacou precisamente na direção errada. Seja ou não essa
especulação especial se justifica, estas lagostas presumivelmente se beneficiar de suas
antenas de forma estranha. O que quer que esse benefício é, vou pressionar esses
animais para o serviço de uma especulação mais imprudente. A minha sugestão é que
Scyllarus pode, na verdade, apresentamos um exemplo na natureza de uma mutação
homeótico, análogo ao antennapedia de Drosophila em laboratório. Ao contrário de
Antennapedia, esta mutação foi incorporada uma mudança evolucionária real na
natureza. Minha conjectura tentativa é que um Scylland ancestral mutado homeotically,
deslizando a sub-rotina adequada de desenvolvimento a um urópode em um segmento
onde uma antena deveria ser, e que a mudança conferido algum benefício. Se estou
certo, constituiria um exemplo raro de um macro-mutação sendo favorecida pela seleção
natural: uma demonstração rara da chamada teoria da "monstro esperançoso" que nós
nos encontramos no Capítulo 3.

Isso é tudo muito especulativo. mutações homeóticos definitivamente ocorrer no


laboratório, e embriologistas tirar partido da sua inspiração para criar uma imagem
detalhada da mecânica do desenvolvimento do plano corporal segmentar de artrópodes.
Fascinante como esses detalhes são, eles estão além do escopo deste capítulo. Vou
concluir convidando o leitor a contemplar alguns artrópodes reais à luz das artromorfos
de computador e suas mutações caleidoscópicas três camadas.

Olhe para os artrópodes reais da Figura 7.17, e imaginar como eles poderiam ter
evoluído sua forma através de genes caleidoscópicas de estilo arthromorph. Fazer
qualquer um deles, por exemplo, têm o padrão afinando que vimos na Figura 7.13e?
Agora, novamente olhando para os artrópodes reais, imaginar uma mutação que altera
uma pequena pormenor das pontas das extremidades, ou de algum detalhe a forma da
região de tronco de segmentos. Primeiro pensar sobre sua mutação imaginado aplicar
somente a um {253}
Figura 7.17 O que pode ser feito com segmentos: uma amostra de artrópodes. No
sentido horário do superior esquerdo: quatro crustáceos, um eurypterid (escorpião
gigante do mar extinto ", que poderia facilmente atingir um comprimento de quase três
metros), e uma palpigrade (parente distante de aranhas e escorpiões).

único segmento. Meu palpite é que você automaticamente imaginado espelhado no lado
esquerdo e direito, mas isso não é inevitável. É, em si mesma, um exemplo da
embriologia caleidoscópica. Agora pense em uma mutação que afeta as pontas dos
galhos, mas desta vez os membros de uma sequência de segmentos adjacentes. Os
animais da Figura 7.17 mostram vários exemplos de sequências de segmentos
adjacentes que se assemelham entre si. Em terceiro lugar, pensar em uma mutação
semelhante, mas que afetam as pontas dos membros em todos os segmentos do corpo
(todos os segmentos que têm membros em tudo, que é). Eu acho que a experiência de
pensar sobre artromorfos e sua embriologia caleidoscópica três níveis me faz ver
artrópodes reais, como os da Figura 7.17, como se através de novos olhos. Além disso,
como no caso de espelhos, de simetria, é fácil imaginar que embriologias com estilo
arthromorph caleidoscópicas «restrições» pode revelar-se, paradoxalmente, mais rico
em evolucionária{254} potencial do que mais, embriologias irrestritos frouxas. As
formas da figura 7.17, e aqueles de inúmeros outros artrópodes não ilustrados aqui,
parecem-me para fazer um tipo especial de sentido à luz desta forma de pensar.
A mensagem central deste capítulo é que embriologias caleidoscópicas, seja trabalhando
através de segmentos e grupos de segmentos dispostos em uma linha da frente para trás
como em um inseto, ou através de 'espelhos' de simetria como em uma água-viva,
paradoxalmente tanto as restrições e melhorias . Eles restringir evolução na medida em
que limita o intervalo de variação disponíveis para seleção para trabalhar em cima. Eles
melhoram a evolução em que - para colocá-lo em uma linguagem que personifica a
seleção forgivably - eles salvar a seleção natural de desperdiçar o seu tempo a explorar
vastas regiões do espaço de busca que nunca vai ser bom de qualquer maneira. O mundo
é povoado por grandes grupos de animais - artrópodes, moluscos, equinodermes,
vertebrados - cada um dos quais tem uma forma de embriologia caleidoscopicamente
restrito que provou ser evolutivamente frutífera. embriologias caleidoscópicas tem que
fazer para herdar a terra. Sempre que uma grande mudança no modo caleidoscópica ou
"espelho" gerou uma radiação evolutiva bem-sucedido, esse novo espelho ou modo será
herdada por todas as linhagens em que a radiação. Esta não é a seleção darwiniana
comum, mas é uma espécie de analogia de alto nível da seleção darwiniana. Não é
muito fantasioso sugerir como consequência que tem havido uma evolução da melhoria
da capacidade de evoluir. {255}

<< >>

CAPÍTULO 8
Euestava dirigindo pela THE E CAMPO ORTUGUÊS com a minha filha Juliet, então
com seis anos, e ela apontou algumas flores no esquecimento. Eu perguntei o que ela
achava flores silvestres eram para. Ela deu uma resposta bastante pensativo. "Duas
coisas", disse ela. "Para tornar o mundo bonito, e para ajudar as abelhas produzem o mel
para nós. ' I foi tocado por isto e desculpe, eu tinha para lhe dizer que não era verdade.

Resposta da minha menina não era muito diferente do que a maioria dos adultos, ao
longo da história, teria dado. Tem sido amplamente acredita-se que criação bruta está
aqui para o nosso benefício. O primeiro capítulo do Gênesis é explícita. O homem tem
"domínio" sobre todas as coisas vivas, e os animais e plantas estão lá para nossa alegria
e nosso uso. Como o historiador documentos Sir Keith Thomas em seu homem eo
mundo natural , esta atitude permeada cristandade medieval e persiste até hoje. No
século XIX, o reverendo William Kirby pensou que o piolho foi um incentivo
indispensável para a limpeza. Feras, de acordo com o elisabetano bispo James
Pilkington, promovida coragem humana e forneceu formação útil para a guerra.
Mutucas, para um escritor do século XVIII, foram criados assim "que os homens devem
exercer seu juízo e da indústria para proteger-se contra eles '. Lagostas foram decorados
com conchas duro para que, antes de comê-los, poderíamos beneficiar da
melhoria{256} exercício de quebrar as suas garras. Outro escritor medieval piedosa
pensou que as ervas daninhas estavam lá para nos beneficiar: é bom para o nosso
espírito tem que trabalhar duro puxando-os para cima.

Os animais têm sido pensado privilégio de compartilhar o nosso castigo por Adams
pecado. Keith Thomas cita um bispo do século XVII no ponto: «Tudo o que mudança
para pior veio sobre eles não é sua punição, mas uma parte da nossa. ' Esta deve, sente-
se, ser um grande consolo para eles. Henry More, em 1653, acreditava que bovinos e
ovinos só tinha sido dado a vida em primeiro lugar, de modo a manter a sua carne fresca
'até teremos necessidade de comê-los ". A conclusão lógica a esta linha de pensamento
do século XVII é que os animais são realmente ansioso para ser comido.

O faisão, perdiz e a cotovia


voou à tua casa, como a Arca.
O boi dispostos de si mesmo veio
Início ao matadouro, com o cordeiro;
e todos os animais que lá trazer
a Si mesmo para ser uma oferta.

Douglas Adams desenvolveu este conceito a uma conclusão futuristically bizarra em O


Restaurante no Fim do Universo , que faz parte do brilhante Guia do Mochileiro das
Galáxias saga. Como o herói e seus amigos se sentar no restaurante, um grande
quadrúpede obsequiously se aproxima de sua mesa e em tons agradáveis, cultivadas
oferece-se como o prato do dia. Ele explica que sua espécie tem sido criado para querer
ser comido e com a capacidade de dizê-lo claramente e sem ambiguidade: "Algo fora do
ombro, talvez? ... Assada em molho de vinho branco? ... Ou a alcatra é muito bom ... Eu
tenho exercê-lo e comer abundância de trigo, então não há muita carne boa lá. ' Arthur
Dent, a menos galactically sofisticada dos clientes, está horrorizado, mas o resto do
grupo encomendar grandes bifes todo o lado e a gentil criatura gratidão trota para a
cozinha para atirar em si (de forma humana, acrescenta, com uma piscadela
tranqüilizadora na Arthur) .
A história de Douglas Adams é declarado comédia, mas, com o melhor de minha
crença, a seguinte discussão sobre a banana, citado na íntegra {257} a partir de um
aparelho moderno gentilmente enviada por um dos meus muitos correspondentes
criacionistas, destina-se a sério.

Note-se que a banana:

1. é moldada por mão humana

2. Tem superfície antiderrapante

3. Tem indicadores externos de conteúdos interiores: Verde - muito cedo; Amarelo -


apenas para a direita; Black - tarde demais

4. Tem um guia para a remoção do invólucro

5. É perfurada no invólucro

6. embalagem biodegradável

7. é em forma de boca

8. Tem um ponto no topo para facilitar a entrada

9. É agradável ao paladar

10. é curvada em direção ao rosto para fazer processo de alimentação fácil.

A atitude que os seres vivos são colocados aqui para nosso benefício ainda domina
nossa cultura, mesmo quando suas bases tenham desaparecido. Precisamos agora, para
fins de compreensão científica, para encontrar uma visão menos centrado no ser
humano do mundo natural. Se os animais e plantas silvestres pode ser dito para ser
colocado no mundo para qualquer finalidade - e não há uma figura respeitável de
discurso pelo qual eles podem - certamente não é para o benefício dos seres humanos.
Devemos aprender a ver as coisas através dos olhos não-humanos. No caso de as flores
com que começamos nossa discussão, é, pelo menos marginalmente mais sensato para
vê-los através dos olhos de abelhas e outras criaturas que as polinizam.

Toda a vida das abelhas gira em torno do, perfumado mundo colorido,-gotejando néctar
das flores. Não estou falando apenas de abelhas, pois existem milhares de diferentes
espécies de abelha e todos eles dependem totalmente em flores. Suas larvas se
alimentam de pólen, enquanto o combustível exclusivo para os seus adultos vôo-
motores é o néctar que é também totalmente fornecida para eles por flores. Quando digo
"fornecida para eles" Quero dizer que em pouco mais de um sentido de marcha lenta.
Pólen, ao contrário de néctar, não é fornecido exclusivamente para eles, porque as
plantas fazem pólen principalmente para seus próprios propósitos. As abelhas são
convidados a comer alguns dos pólen porque eles fornecem um serviço tão valioso na
realização pólen de uma flor para outra. Mas o néctar é um caso mais extremo. isto
{258} não tem qualquer outra razão de ser do que para alimentar as abelhas. Nectar é
fabricado, em grandes quantidades, apenas para subornar abelhas e outros polinizadores.
As abelhas trabalham duro para sua recompensa néctar. Para fazer uma libra de mel de
trevo, abelhas tem que visitar cerca de dez milhões de flores.

'Flores', as abelhas podem dizer, 'estão lá para nos fornecer abelhas com pólen e néctar.
Mesmo as abelhas não tenho isso muito bem. Mas eles são muito mais certo do que nós,
seres humanos estão se pensarmos que as flores estão lá para o nosso benefício.
Podemos até dizer que as flores, pelo menos, os mais brilhantes e vistosas, são
brilhantes e vistosas porque foram 'cultivada' por abelhas, borboletas, beija-flores e
outros polinizadores. A palestra inicial sobre a qual este capítulo é baseado foi chamado
de "O Ultraviolet Garden. Esta foi uma parábola. A luz ultravioleta é um tipo de luz que
não podemos ver. Abelhas podem, e eles vêem isso como uma cor distinta, às vezes
chamado de abelha roxo. Flores são obrigados a olhar muito diferente através dos olhos
de abelhas (Figura 8.1). E exatamente da mesma maneira, a pergunta "Quais são flores
boas para? ' É uma questão que estamos melhor examinando através dos olhos de
abelhas, em vez de através dos olhos humanos.

Figura 8.1 (a) prímula, Oenothra , fotografado usando visível (por seres humanos) de
luz; (b) o mesmo, fotografado por luz ultra-violeta (que insetos pode ver, mas não
podemos) para mostrar o padrão em forma de estrela no o Centro. Presumivelmente,
esse padrão ajuda insetos guia para o néctar e pólen. {259}

'O Ultraviolet Garden joga sobre a estranheza da visão abelha apenas como uma
parábola para mudar o nosso ponto de vista sobre quem ou o que é que as flores - e
todos os outros seres vivos - são "para o bem de. Se flores tinha olhos, sua visão do
mundo pode parecer ainda mais estranho para nós do que as visões ultravioleta exóticas
de abelhas. Como abelhas parece através dos olhos vegetais? Quais são as abelhas bom
para, a partir do ponto de vista das flores? Eles são guiados mísseis para disparar o
pólen de uma flor para outra. O pano de fundo desta precisa de uma explicação.

Em primeiro lugar, não está em boas razões gerais genéticos para preferir a fertilização
cruzada pelo pólen de uma planta diferente. Incestuosa auto-acasalamento perderiam os
benefícios da reprodução sexual (sejam eles quais forem, que é uma questão
interessante em si). Uma árvore que polinizadas suas flores femininas com o pólen de
suas próprias flores masculinas quase tão bem não pode incomodar para polinizar em
tudo. Seria mais eficiente para a produção de um clone de si vegetativo. Muitas plantas
de curso de fazer exatamente isso, e há algo a ser dito para ele. Mas, como vimos
anteriormente, há também condições em que há ainda mais a ser dito para
remanejamento os próprios genes com os de outro indivíduo. Seria necessária uma
digressão enorme para explicar os argumentos detalhados, mas deve haver alguns
benefícios substanciais para jogar roleta sexual, caso contrário, a seleção natural não
permitiria que fosse uma obsessão tal condução entre quase toda a vida animal e
vegetal. O que quer que esses benefícios são, eles seriam em grande parte desaparecer
se, em vez de baralhar os seus genes com os de outra pessoa, você simplesmente
embaralhou-los com um segundo conjunto, idêntico de seus próprios genes.

As flores têm nenhum papel na vida de sua planta que não seja para trocar genes com
uma outra planta que tem um lado diferente de genes. Alguns, como gramíneas, fazê-lo
pelo vento. O ar é ricamente inundado com pólen, uma pequena proporção do que é a
sorte de deriva para as partes do sexo feminino de uma flor da mesma espécie (outra
parte dele deriva para os narizes e olhos de quem sofre de febre dos fenos). Este método
de polinização é aleatório e, a partir de alguns pontos de vista, um desperdício. Muitas
vezes, é mais eficiente para explorar as asas e músculos de insetos (ou outros vetores,
tais como morcegos ou beija-flores). Esta técnica tem como objetivo o pólen muito mais
diretamente no seu alvo, e, consequentemente, muito menos pólen é necessário. Por
outro lado, tem de haver algumas despesas {260}
Figura 8.2 Insect-imitando orquídea.
Ibérica Ophrys, Ophrys vernixia.

em atraindo os insetos. Parte do orçamento vai em publicidade - pétalas de cores vivas e


aromas poderosos. Parte vai em subornos de néctar.

O néctar é de alta qualidade da aviação e combustível para um inseto e é caro para uma
planta para a fabricação. Algumas plantas pato fora da despesa e empregar publicidade
enganosa em seu lugar. Os mais famosos são aquelas orquídeas cujas flores olhar e
cheirar como insetos do sexo feminino. Homem insetos tentativa de (Figura 8.2) copular
com as flores e são inadvertidamente carregado com fardos de pólen, ou, no outro
extremo da pista, aliviado de seus pacotes de pólen. Há orquídeas abelhas que imitam as
abelhas fêmeas, e orquídeas mosca igualmente especializados e orquídeas vespa. Um
dos imita vespa, o martelo wellnamed orquídea, mantém a sua vespa fêmea falsa na
extremidade de uma haste articulada e carregada por mola, levantou uma distância fixa
de distância a partir da parte de suporte de pólen da flor (Figura 8.3). Quando as terras
de vespa macho sobre a fêmea manequim a mola é liberada. A vespa macho é batido,
violenta e repetidamente, contra a bigorna onde os sacos polínicos são mantidos. No
momento em que a vespa macho sacode-se livre, de costas é carregado com dois sacos
polínicos.

Tão engenhosa é o chamado orquídea balde, que funciona um pouco como um planta de
jarro, mas com uma diferença importante. A flor contém uma grande piscina de líquido,
alluringly perfumada a cheirar como o atrativo sexual secretado pelas fêmeas de uma
espécie particular de abelha. {261}
Figura 8.3 Martelo orquídea, Drakaea fitzgeraldii: (a) a vespa pousa sobre a atração; as
fivelas dobradiça, batendo de volta da vespa repetidamente contra o pollinia.

Um macho desta espécie é atraído para o líquido, cai dentro e quase se afoga. A única
saída é através de um túnel estreito. Esta abelha da luta, eventualmente, descobre e ele
rasteja através dele para a salvação. Na outra extremidade do túnel há uma passagem
complicada em que ele está preso por vários minutos antes que ele possa se libertar.
Durante esta luta final no portal do túnel, dois grandes sacos polínicos redondos são
cuidadosamente transferida para as costas. Ele então voa e - mais triste talvez, mas não
mais sábio - cai em outra orquídea balde. Mais uma vez ele quase se afoga, mais uma
vez dolorosamente empurra através da fuga túnel e novamente é mantido por um tempo
na saída para a liberdade. Durante este período, a segunda orquídea alivia-lhe os sacos
polínicos e polinização é completa.

Não importa que "mais triste, mas não mais sábio". Como sempre, a tentação para
imputar intenção consciente deve ser resistida. É, se alguma coisa, mais tentador para o
caso de a planta. Em ambos os lados, a maneira correta de pensar sobre o que está
acontecendo é em termos de máquinas inconscientemente trabalhada. Pólen que contém
genes para a construção de orquídeas balde de manipulação de abelha é realizada por
abelhas. Pólen que contém genes para a construção de orquídeas que são menos
conseguida a controlar o comportamento de abelha é menos susceptível de ser realizada
por abelhas. Assim, como o passar das gerações, orquídeas ficar melhor em manipular
as abelhas (embora, na verdade, tem que se admitir que orquídeas abelhas não são, na
prática espetacularmente bem sucedido em realmente enganando abelhas para copular
com elas).

Estas orquídeas surpreendentes resumem um aspecto importante da estratégia de


polinização. Muitas flores parecem ter grande cuidado para se polinizadas{262} por um
determinado tipo de animal, mas não qualquer outro. Nos trópicos do Novo Mundo,
flores tubulares vermelhas são diagnósticos da polinização beija-flor. O vermelho é uma
cor brilhante e atraente para os olhos de aves (insetos não podem ver o vermelho como
uma cor em tudo). Tubos longos e estreitos excluir todos, mas polinizadores
especializadas com bicos longos e estreitos - beija-flores. Outras flores sair de seu
caminho para ser polinizada por abelhas, e nós já observou que suas flores são muitas
vezes coloridos e estampados na (para os seres humanos) parte ultravioleta invisível do
espectro. No entanto, outros são polinizadas apenas por traças do noite-vôo. Elas são
muitas vezes branco e eles fazem uso de perfumes em detrimento de anúncios visíveis.
Talvez a fase culminante na progressão no sentido de uma parceria polinização
exclusiva é o duo perto mão na luva de figueiras com as suas próprias vespas de figo
particular, o exemplo com o qual nosso livro começa e termina. Mas por que as plantas
ser tão exigente com que os poliniza?

Presumivelmente, a vantagem de cultivar polinizadores especializados é uma versão


mais extrema da vantagem de dispor de polinizadores animais de todo, em vez de vento.
Ele restringe o alvo. polinização pelo vento é extremamente extravagante, wastefuUy
banhando todo o campo, em uma chuva de pólen. Polinização por animais jack-of-all-
trades voadores é melhor, mas ainda assim muito desperdício. A abelha que visita sua
flor pode voar para uma flor de uma espécie bastante diferentes e seu pólen será
desperdiçado. Pólen suportados pelas abelhas comuns não é exatamente choveu sobre o
campo como o de uma grama polinizadas pelo vento, mas é ainda relativamente
indiscriminadamente espirrou aproximadamente. Compare isso com espécies privada da
orquídea balde de abelha ou vespa privada de uma figueira. O inseto voa infalivelmente,
como um pequeno míssil guiado, ou como o que os jornalistas médicos chamam de
"bala mágica", a exatamente o alvo certo do ponto de vista da planta cujo pólen que ela
produz. No caso da vespa, isso significa que, como veremos, não apenas uma outra
figueira, mas outra figueira precisamente das espécies para a direita fora das 900
espécies de figo disponíveis. Empregando polinizadores especializadas deve permitir
enormes poupanças na produção de pólen. Por outro lado, como veremos também,
levanta outras despesas da sua própria, e não é surpreendente que algumas plantas são
liderados por seu modo de vida para ficar com o vento desperdício como seu
polinizador. Outras espécies de plantas são os mais adequados por uma técnica
intermediária ao longo do espectro de dispersão dos bala mágica. Figos são, talvez, o
melhor em dependência da bala mágica{263} de uma espécie particular de
polinizadores e reservamo-los para o nosso clímax, no capítulo final.

Voltando para as abelhas, os serviços de polinização que eles oferecem são


verdadeiramente maciça. Calcula-se que, só na Alemanha, mel-abelhas polinizam cerca
de 10.000.000 milhões flores no curso de um único dia de verão. Também foi calculado
que 30 por cento de todos os alimentos humanos são derivados de plantas polinizadas
por abelhas, e que a economia da Nova Zelândia entraria em colapso se as abelhas
foram aniquilados. Abelhas, flores pode-se dizer, são colocados no mundo para levar a
nossa pólen em torno de nós.

As flores coloridas e perfumadas do mundo, então, embora possa parecer a ser colocado
lá para o nosso benefício, definitivamente não são assim. Flores viver em um inseto
jardim, um jardim ultravioleta misteriosa em que, para todas as nossas vaidades, que são
irrelevantes. Flores sempre foram cultivados e domesticados, mas, até muito
recentemente, os jardineiros foram abelhas e borboletas, não nós. Flores usar abelhas, e
as abelhas usam flores. Ambos os lados na parceria foram moldadas pela outra. Ambos
os lados, de certa forma, foram domesticados, cultivado, pelo outro. O jardim
ultravioleta é um jardim em dois sentidos. As abelhas cultivar as flores para os seus fins.
E as flores domesticar as abelhas porque deles.
Parcerias como esta são bastante comum na evolução. Existem assim chamados jardins
de formigas que consistem em epífitas (plantas que crescem na superfície de outras
plantas), que formigas semeiam trazendo sementes do tipo direito e enterrando-o no
solo de seus ninhos. As plantas crescem para fora da superfície do ninho e suas folhas
servem de alimento para as formigas. Demonstrou-se que algumas plantas crescem
melhor se as suas raízes são em um formigueiro. Outras espécies de formigas e cupins
são especializadas para cultivar fungos subterrâneos, plantando os esporos, capina dos
jardins para livrá-los da espécie de fungo competindo, e fecundá-los com adubo
mulched das folhas mastigadas. No caso dos famosos formiga-cortadeira dos trópicos
do Novo Mundo, todos os esforços de forrageamento de suas colônias de oito milhões
de fortes são direcionados para colheita de folhas frescas de corte. Eles podem devastar
uma área com uma eficiência impiedosa uma reminiscência de uma praga de
gafanhotos. No entanto, as folhas que tomam não são para ser comido pelas formigas ou
suas larvas, mas são recolhidas exclusivamente para fertilizar os jardins de fungos. As
formigas-se comer apenas os fungos, que arco de uma espécie que cresce em nenhum
outro lugar do que nos ninhos de este tipo de{264} formiga. Estes fungos pode-se dizer
que as formigas estão lá apenas para cultivar fungos, e as formigas poderiam dizer que
os fungos existem apenas para alimentar as formigas.

Talvez o mais notável de todas as plantas de formigas-loving são as epífitas do Sudeste


Asiático que crescem um grande inchaço bulboso no tronco chamado de pseudo-bulbo.
O pseudo-lâmpada é escavado com um labirinto de cavidades. Estas cavidades são tão
como as formigas aqueles comumente cavar para si no solo que seria natural suspeitar
de formigas de formar-los. Este não é o caso, no entanto. As cavidades são feitas pela
planta e formigas vivem nelas (Figura 8.4).
Figura 8.4 Uma planta que fornece alojamento feitos sob medida para as formigas, em
troca de proteção. Secção transversal de uma pseudo-bulbo de myrmecodia
pentasperma. {265}
Figura 8.5 Acacia espinho. Outro exemplo de cooperação entre formigas e plantas.
Estes espinhos bulbosas são escavado convenientemente para formigas.

Mais conhecido são as espécies de formigas que vivem apenas em espinhos ocos
especiais de acácias (Figura 8.5). Os espinhos são grossos e bulboso e a planta torna-os
já escavado, aparentemente por nenhum outro propósito além de formigas casa. O que
as plantas ganhar com o arranjo é proteção, fornecido por picadas viciosos das formigas.
Isto tem sido demonstrado por experiências elegantemente simples. Acacias cujas
formigas foram mortos por inseticida em breve sofrer aumentos significativos da
depredação de herbívoros. Formigas, se eles pensam em tudo, acho que os espinhos de
acácia são para o benefício de formigas. Acacias acha que as formigas são para protegê-
los de browsers. Devemos, então, pensar em cada membro de tais parcerias como para o
bem do outro? É melhor pensar de cada um como com o outro por sua própria boa. É
um tipo de exploração mútua em que cada um se beneficia da outra o suficiente para
fazer os custos de ajudando a pena pagar.

Há uma tentação, para o qual foram conhecidos os ecologistas a cair, para ver toda a
vida como uma espécie de-apoio mútuo encontro do grupo. As plantas são
colheitadeiras de energia primária da comunidade. Eles armadilha raios do sol e fazer a
sua energia disponível para toda a comunidade.{266} Eles contribuem para a
comunidade por ser comido. Herbívoros, incluindo os insetos herbívoros muito
abundantes, são o canal pelo qual a energia dos sóis é canalizada a partir dos produtores
primários, as plantas, para estágios mais elevados na cadeia alimentar, os insetívoros,
pequenos carnívoros e grandes carnívoros. Quando os animais defecam ou morrer, seus
produtos químicos vitais são reciclados pelos catadores, como escaravelhos e besouros
enterrando que entregam a carga preciosa sobre a bactérias do solo que eventualmente
torná-lo disponível para as plantas novamente.

Não seria muito errado com esta imagem cosily benigno da circulação de energia e
outros recursos, se apenas que foram claramente entendido que os participantes são não
fazê-lo para o bem do círculo. Eles estão no círculo para o bem de si mesmos. Um
besouro elimina esterco e enterra-lo para o alimento. O fato de que ela e seu tipo, assim,
realizar uma limpeza-up e serviço de reciclagem, que é valioso para os outros habitantes
da área é estritamente incidental.

Grama fornece a dieta básica para toda uma comunidade de herbívoros, e os herbívoros
adubar a grama. É ainda verdade que, se você removeu os herbívoros, muitas das
gramíneas morreriam. Mas isso não significa que existe uma planta grama para ser
comido, ou em quaisquer benefícios sentidos por ser comido. Uma planta grama, se
pudesse expressar seus desejos, seria muito melhor não ser comido. Como, então, é que
vamos resolver o paradoxo de que, se os herbívoros foram removidos as gramíneas
morreriam? A resposta é que, embora nenhuma planta quer ser comido, gramíneas pode
tolerar isso melhor do que muitas outras plantas podem (que é por isso que eles são
usados em gramados que são projetados para ser cortada). Enquanto uma área é
fortemente pastado ou cortada, plantas que competem com gramíneas não pode
estabelecer-se. As árvores não podem obter uma posição porque suas mudas são
destruídos. Grazers, portanto, são indiretamente bom para gramíneas como uma classe.
Mas isso ainda não significa que um indivíduo benefícios grama planta por ser
pastavam. Pode beneficiar de outras gramíneas sendo pastado, incluindo outras plantas
de sua própria espécie, uma vez que este terá dividendos no estrume e para ajudar a
remover as plantas concorrentes. Mas se a planta grama indivíduo pode ir longe com a
não ser em si pastavam, tanto melhor.

Começámos por satirizando a falácia comum que as flores e animais são colocados no
mundo para o benefício dos seres humanos, gado são {267} docilmente ansioso para ser
comido, e assim por diante. Marginalmente mais defensável a ideia de que eles são
colocados no mundo para o benefício de outros com os quais eles têm um mutualismo
evoluiu naturalmente: Flores para o benefício de abelhas, para o benefício de flores,
megafones acácia para o benefício de formigas e sua formigas para o benefício de
acácias. Mas esta noção de criaturas ser "para o bem" de outras criaturas está em perigo
de reductio ad absurdum. Devemos ter nenhum caminhão com falácia do pop ecologista
s, o Graal holisty de todos os indivíduos que se esforçam para o bem da comunidade, o
ecossistema , 'Gaia'. É hora de ficar agitado e aguçar-se o que queremos dizer quando
falamos de uma criatura viva estar lá "para o benefício de qualquer coisa. O que
significa "para o bem de realmente significa? Quais são as flores e abelhas, vespas e
figos, elefantes e pinheiros bristlecone - quais são todas as coisas vivas realmente para?
Que tipo de entidade é cujo "benefício" será servido por um corpo vivo ou de uma parte
de um corpo vivo?

A resposta é DNA. É uma resposta profunda e precisa e o argumento para isso é


estanque, mas precisa de alguma explicação. É esta explicação que eu quero vir para
agora e no próximo capítulo. Vou começar por voltar à minha filha.

Certa vez, ela estava sofrendo de uma febre alta e eu sofreu vicariamente com ela como
eu levei minhas voltas sentado ao lado da cama, limpando-a com água fria. médicos
modernos poderia me assegurar de que ela não estava em perigo grave, mas a mente
privado de sono de um pai amoroso não poderia deixar de recordar as inúmeras mortes
de crianças de séculos anteriores e a agonia de cada perda individual. O próprio Charles
Darwin nunca se recuperou da morte incompreendida de sua amada filha Annie. A
aparente injustiça de sua doença foi dito ter contribuído para a sua perda de fé religiosa.
Se Juliet tinha se virou para mim e perguntou, num eco piteous da nossa conversa
anterior e mais feliz, "Quais são os vírus para? ', Como eu deveria ter respondido?

Quais são os vírus para? Para nos fazer melhor e mais forte através de triunfar sobre a
adversidade? (Como os "benefícios" de Auschwitz, como foi sugerido por um professor
de teologia com quem compartilhou uma plataforma de debate na televisão britânica.)
Para matar o suficiente de nós para evitar a superpopulação do mundo? (Uma benção
especial em países onde a contracepção eficaz foi proibido pela autoridade
teológica.){268} Para nos punir por nossos pecados? (No caso do vírus da Aids, você
vai encontrar muitos dos entusiastas de concordar. Um se sente quase pesaroso para
teólogos medievais que este patógeno admiravelmente moralista não estava por perto
em seu tempo.) Mais uma vez, essas respostas são muito humancentred, embora em um
forma negativa. Vírus, como tudo na natureza, não tem nenhum interesse em seres
humanos, positivas ou negativas. Os vírus são codificadas instruções do programa em
linguagem de DNA, e eles são para o bem das próprias instruções. As instruções dizem
"me copie e Espalhe em torno de mim" e os que são obedecidas são os que
encontramos. Isso é tudo.Esse é o mais próximo que você vai chegar a uma resposta
para a pergunta "Qual é o ponto de vírus? Parece um ponto inútil, e que é precisamente
o que eu agora gostaria de enfatizar. Vou fazê-lo usando o caso paralelo de vírus de
computador. A analogia entre o verdadeiro vírus e os vírus de computador é
extremamente forte e é também esclarecedora.

Um vírus de computador é apenas um programa de computador, escrito no mesmo tipo


de linguagem como qualquer outro programa de computador e viajar através da mesma
gama de meios de comunicação, por exemplo disquetes, ou a rede de computadores, fios
de telefone, modem e software que é chamado a Internet. Qualquer programa de
computador é apenas um conjunto de instruções. Instruções para fazer o que? Pode ser,
essencialmente, qualquer coisa. Alguns programas são conjuntos de instruções para
contarem as contas. processadores de texto são conjuntos de instruções para aceitar as
palavras digitadas, movê-los ao redor da tela e, eventualmente, imprimi-los. No entanto,
outros programas, como o Genius 2, que derrotou recentemente Kasparov, o Grão-
Mestre, são instruções para jogar xadrez muito bem. Um vírus de computador é um
programa que consiste em instruções que dizem algo como: "Toda vez que você se
deparar com um novo disco de computador, faça uma cópia de mim e colocá-lo para
esse disco" É um programa 'Duplicar Me'. Pode aliás dizer mais alguma coisa, por
exemplo, 'apagar todo o disco rígido "Ou pode causar o computador para falar, em tons
robóticos tinny, as palavras" Não entre em pânico ". Mas isso é pelo caminho. A
principal característica de um vírus de computador, a sua característica de identificação,
é que ele contém as instruções «duplicado me ', escritos em uma linguagem que os
computadores vão obedecer.

Os seres humanos podem ver nenhuma razão para obedecer a comandos tais duramente
peremptórias, mas os computadores servilmente obedecer qualquer coisa, desde como
está escrito {269} na sua própria língua particular. 'Duplicar me' será obedecida tão
prontamente como "Inverter esta matriz" ou "itálico presente número" ou "avançar essa
peão dois quadrados". Além disso, há muitas oportunidades para a infecção cruzada.
Computador-usuários profligately trocar disquetes, passando programas de jogos ao
redor para amigos, e programas úteis também. Você pode ver facilmente que, quando há
lotes de discos sendo promiscuamente compartilhados ao redor, um programa que disse
'Copie-me a todos os discos que você encontra' iria se espalhar por todo o mundo como
varicela. Logo haveria centenas de cópias aproximadamente, eo número tende a
aumentar. Hoje em dia, com estradas da informação cruzando ciberespaço, as
oportunidades para a infecção cruzada de alta velocidade por vírus de computador são
ainda melhores.

É tentador expostulate sobre a inutilidade de tais programas parasitas, como eu fiz


quando se fala de vírus da doença. O que na terra é o uso de um programa que não diz
nada, mas 'Duplicar esse programa? É certo que será duplicada, mas não é algo
ridiculamente otiose sobre tais esforços puramente auto-referenciais? Claro que há!É
violentamente fútil. Mas não importa que é fútil e inútil nesse sentido. Ele pode ser
totalmente inútil e ainda se espalhar. Ele se espalha porque se espalha porque se
espalha. O fato de que ele não faz nada útil no caminho - pode até mesmo fazer algo
prejudicial a caminho - não é nem aqui nem lá. No mundo dos computadores e disco de
troca, ele sobrevive simplesmente porque ele sobrevive.

Vírus biológicos são a mesma coisa. Fundamentalmente um vírus é apenas um


programa, escrito em linguagem de DNA, que é muito parecido com uma linguagem de
computador até mesmo ao ponto de ser escrito em um código digital. Como um vírus de
computador, o vírus biológico simplesmente diz 'Copie e me espalhar ". Tal como no
caso de vírus que não são o que sugere que o DNA de um vírus quer para conseguir ser
copiado. É que, de todas as maneiras em que o DNA poderia ser arranjado, apenas os
arranjos que soletram para fora as instruções 'Espalhe me' spread. O mundo quer queira
quer não ficar cheio de tais programas. Mais uma vez, como os vírus de computador,
eles estão aqui porque eles estão aqui porque eles estão aqui. Se eles não incorporam
instruções para garantir que eles existem, eles não existiriam.

A única diferença importante entre os dois tipos de vírus é que os vírus de computador
são projetados pelos esforços criativos da travessa {270} ou seres humanos do mal,
enquanto que os vírus biológicos evoluir por mutação e seleção natural. Se um vírus
biológico tem efeitos ruins, como espirrar ou morte, estes são subprodutos ou sintomas
de seus métodos de propagação. Os maus efeitos de vírus de computador às vezes são
deste tipo. O famoso Internet Worm, que correu em torno das redes dos Estados Unidos
em 2 de novembro de 1988, teve efeitos negativos que foram todos não-deliberada
subprodutos (um worm de computador é tecnicamente diferente de um vírus de
computador, mas a diferença não precisam nos preocupar aqui ). Cópias do programa
expropriados espaço de memória e tempo de processador, e trouxe cerca de 6.000
computadores a um impasse. Os vírus de computador, como vimos, por vezes, têm
efeitos negativos que não são subprodutos ou sintomas necessário, mas manifestações
gratuitas de pura maldade. Longe de ajudar a propagação do parasita estes efeitos
maliciosos, se alguma coisa, retardá-lo. Vírus reais faria nada tão centrado no ser
humano, a menos que eles foram concebidos em um laboratório de guerra biológica.
Vírus evoluiu naturalmente não sair de seu caminho para nos matar ou nos fazer sofrer.
Eles não têm interesse em saber se sofremos ou não. Se sofremos, é um subproduto de
suas atividades de auto-propagação.
«Duplicado me 'instruções, como todas as instruções, não servem a menos que haja
mecanismos estabelecidos obedecê-las. O mundo dos computadores é um lugar bom e
amigável para um programa Duplicate Me. Computadores, ligados pela Internet,
auxiliados por pessoas de empréstimos e discos de crédito, constituem uma espécie de
paraíso para um programa de computador auto-copiar. Há instrução de cópia ready-
made e instrução de obedecer máquinas zumbido e zumbido e, em certo sentido,
implorando para ser explorada por qualquer programa que diz 'Duplicar me'. No caso do
vírus do ADN, a cópia pronto e máquinas obedecendo é a maquinaria de células, toda a
apetrechos elaborada de RNA mensageiro, de Ribosomal RNA e das diferentes RNAs
de transferência, cada um de enganche para a sua própria,-chave codificada aminoácido.
Não importam os detalhes, ou procurá-los em soberbamente clara da JD Watson
Biologia Molecular do Gene. Para os nossos propósitos, é o suficiente para entender,
em primeiro lugar, que cada célula contém um análogo em miniatura de máquinas-
obedecendo a instruções do computador e, em segundo, que o código de máquina de
todas as células, em todas as criaturas na Terra, é idêntico. (Vírus de computador não
têm essa{271} luxo, a propósito: vírus DOS podem não infectar Macs, e vice-versa)
instruções de vírus de computador e instruções de vírus DNA são obedecidas porque
elas são escritas em um código que é servilmente obedeceu nos ambientes em que,
respectivamente, se encontram..

Mas onde é que tudo isto cópia complacente e máquinas para executar a instrução vem?
Isso não acontece por acaso.Tem que ser feita. No caso de vírus de computador, a
máquina é feita pelos seres humanos. No caso do vírus do ADN, a máquina é que as
células de outros animais. E quem fabrica essas outras criaturas, os seres humanos e
elefantes e hipopótamos cujas células tornam a vida tão fácil para os vírus? A resposta
é, outro DNA auto-copiar os fabrica. O DNA que "pertence" aos seres humanos e os
elefantes. Então, o que são criaturas grandes como elefantes e cerejeiras e
camundongos? (Eu digo "grande" porque mesmo um rato, do ponto de vista de um
vírus, é muito, muito grande.) E em benefício de quem são ratos e elefantes e flores
colocado no mundo?

Estamos fechando em uma resposta definitiva para todas as questões desse tipo. Flores e
os elefantes são 'para' a mesma coisa que tudo o resto nos reinos de vida, para espalhar
Duplicar Me programas escritos em linguagem de DNA. As flores são para espalhar
cópias de instruções para fazer mais flores. Os elefantes são para espalhar cópias de
instruções para fazer mais elefantes. As aves são para espalhar cópias de instruções para
fazer mais pássaros. As células de um elefante não pode dizer se as instruções estão
obedecia são instruções de vírus ou instruções de elefante. Como no caso da Light
Brigade de Tennyson quando alguém cometera um erro, 'Deles não fazer resposta, o seu
não é a razão pela qual, suas do mas para fazer e morrer'.

Você vai entender que eu estou usando "elefante" para representar todas as grandes
criaturas, autónomos, para as flores ou abelhas, para seres humanos ou cactos, para as
bactérias mesmo. As instruções de vírus, como vimos, estão dizendo 'Duplicar me'. O
que são as instruções elefante dizendo? Esta é a principal percepção que eu gostaria de
deixá-lo com, no final do capítulo. instruções de elefantes também estão dizendo
'Duplicar me', mas eles estão dizendo isso de uma maneira muito mais rotunda. O ADN
de um elefante constitui um programa gigantesca, análogo a um programa de
computador. Como o DNA do vírus é fundamentalmente um programa Duplicate Me
mas contém quase fantasticamente grande digressão como uma{272} parte essencial da
execução eficiente de sua mensagem fundamental. Essa digressão é um elefante. O
programa diz: "Duplique-me por via indireta de construção de um elefante em primeiro
lugar." O elefante alimenta de forma a crescer; ele cresce para se tornar adulto; torna-se
adulto, de modo a acasalar e reproduzir novos elefantes; reproduz novos elefantes para
propagar novas cópias das instruções originais do programa.

Você pode dizer o mesmo sobre pedaços de criaturas também. O pavões bico, pegando
comida que mantém o pavão vivo, é uma ferramenta para espalhar indiretamente
instruções para fazer bicos de pavão. Fã do pavão masculino é uma ferramenta para
espalhar instruções para fazer os fãs mais "pavões. Ele funciona por ser atraentes para as
fêmeas. É bom em pegar as fêmeas, enquanto o bico é bom em pegar comida. Machos
com as mais belas fãs vão ter a maioria de crianças a passar cópias de genes-
embelezamento do ventilador. É por isso que os fãs de pavão são tão bonitas. O fato de
que eles são muito para nós é um subproduto incidental. Fã do pavão é um espalhador
de gene e funciona através dos olhos dos peahens.

As asas são ferramentas para espalhar instruções genéticas para fazer asas. No caso do
pavão fazem sua marca como preservadores de genes especialmente quando o pássaro é
surpreendido por um predador e atira brevemente no ar. Plantas gerenciar algo
semelhante a órgãos de voo para as suas sementes (Figura 8.6), mas, apesar disso, a
maioria das pessoas provavelmente não ficaria feliz em usar a palavra 'voador', no seu
verdadeiro sentido, para as plantas. Plantas, ao que parece, não voam, e eles não têm
asas.

Mas espere!Do ponto de vista de uma planta, ele não precisa de asas de seu próprio se
ele tem "asas, ou borboletas abelhas asas, para fazer o trabalho para ele. Na verdade, eu
não me importaria de chamar as asas de uma abelha asas de plantas. Eles são órgãos de
voo que são utilizados, pela planta, para transportar seu pólen de uma flor para outra. As
flores são ferramentas para a obtenção de DNA da planta para a próxima geração. Eles
funcionam como os fãs de pavão, mas em vez de atrair as fêmeas atraem abelhas. Caso
contrário, não há diferença. Assim como fã de um pavão funciona, indirectamente,
sobre os músculos da perna do peahen, fazendo-a caminhar em direção ao masculino e
acasalar com ele, então as cores de uma flor e listras, seu aroma e seu néctar, o trabalho
sobre as asas das abelhas e borboletas e beija-flores. As abelhas são atraídas para as
flores. Suas asas batem e levar o pólen de uma flor para {273}
Figura 8.6 DNA com asas: sicômoro e dente de leão sementes.

outro. As asas das abelhas pode realmente ser chamado de asas de flores, para que eles
carregam genes de flores da mesma forma como eles carregam genes de abelhas.

corpos elefante não pode dizer se eles estão trabalhando para espalhar DNA de elefante
ou DNA do vírus, e as asas das abelhas não pode dizer se eles estão trabalhando para
espalhar DNA abelha ou DNA flor. Quando isso acontece, se deixarmos de lado casos
excepcionais, como as abelhas que são enganado em perder o seu tempo copulando com
orquídeas abelhas, eles estão trabalhando para espalhar tanto. A diferença entre "próprio
ADN e ADN de pólen, do ponto de vista das abelhas 'máquinas executivo, não pode ser
percebida. Pavões e abelhas, flores e elefantes, têm a seu próprio DNA em grande parte
da mesma relação que eles têm a DNA de vírus parasitas que infestam-los. DNA do
vírus é um programa que diz: ". Duplique-me de uma forma simples e direta, utilizando
a maquinaria ready-made de células hospedeiras ' DNA de elefante diz: "duplique-me
de uma forma mais complicada e{274} forma indireta que envolve, em primeiro lugar, a
construção de um elefante '. DNA Flor diz: "duplique-me de uma forma ainda mais
complicado e rotunda: em primeiro lugar, construir uma flor e, em segundo, usar essa
flor de manipular, por influências indiretas, como néctar sedutor, as asas de uma abelha
(que já convenientemente sido construídos com as especificações do outro lote de DNA,
DNA "própria" da abelha) para levar muito grande e os grãos de pólen no interior do
qual são as mesmas instruções do DNA. " Vamos abordar esta conclusão novamente, de
outra direção, no próximo capítulo. {275}

<< >>

CAPÍTULO 9

W E acabam de concluir que as flores e os elefantes são, com efeito, os anfitriões para o
seu DNA "próprio" do mesmo tipo da maneira como eles são hospedeiros de DNA do
vírus. Isso é correto, mas deixa perguntas difíceis sem resposta. Não é um passo
importante em falta a partir do argumento. Os vírus de computador têm uma vida fácil,
porque o mundo já está cheio de computadores, poderoso, pronto e esperando para
obedecer as instruções. Mas esses computadores são feitas pelo homem. Eles são
entregues aos programas parasitas em uma placa. Vírus de DNA, também, têm os seus
anfitriões, com toda a sua maquinaria celular-obedecendo instrução elaborada, entregue
a eles em uma placa. Mas, no caso de máquinas de estar, onde é que as máquinas vêm?

Imagine algo como um vírus de computador que, em vez de ter um computador pré-
feito tudo pronto para obedecer suas instruções, teve que começar do zero. Ele não
podia simplesmente dizer 'Duplicar me', porque não há nenhum computador não-
observância das instruções. Para ser verdadeiramente auto-propagação, em um mundo
sem computing ready-fornecidos e duplicação de máquinas, o que seria um programa de
computador auto-duplicar tem que fazer? Teria de começar por dizer: ". Faça a
maquinaria necessária para me duplicar" E, antes disso, ele teria que dizer: 'Faça as
partes com as quais para montar a máquina para mim duplicar.' E antes disso, ele teria
que dizer: "Reunir as matérias-primas necessárias para fazer as peças." Este programa
mais elaborado precisa de um nome. Vamos chamá-lo de 'replicação total instruções do
programa de "ou TRIP. {276}

A TRIP tem que ter controle sobre mais do que apenas um computador comum com um
teclado e uma tela. Tem que ter à sua disposição o equivalente a mãos hábeis, ou agarrar
e manipular dispositivos, acoplada a dispositivos sensores, a fim de modelar as partes e
remendar-los juntos. Os dispositivos de mão-like são necessárias a fim de encontrar e
montar as peças e antes que recolher suas matérias-primas. Um computador pode
simular as coisas em sua tela, mas não pode, por si só, construir um outro computador
como a própria. Para fazer isso ele precisa chegar para o mundo real e manipular real,
metais sólidos, silício e outros materiais.

Vamos olhar um pouco mais de perto os problemas técnicos envolvidos. computadores


modernos pode manipular formas coloridas em telas de raios catódicos, pigmentos
coloridos no papel de impressora e, por vezes, outras coisas como sons em alto-falantes
estéreo. Estes podem ser usados para criar ilusões de solidez tridimensional, mas eles
realmente são ilusões, dependentes de enganar o cérebro humano. Um cubo é desenhado
em perspectiva na tela. Com render superfície apropriada parece convincente sólido,
mas ainda assim você não pode realmente pegá-lo e senti-lo, sólida e pesada, entre o
indicador eo polegar. Com o software adequado, você pode simular o corte do cubo no
meio e visualizar a seção transversal em sua tela. Mas, novamente, não seria realmente
sólida. Computadores do futuro podem enganar outros sentidos de formas semelhantes.
equivalentes futuras do rato do computador podem ser manipuladas para transmitir aos
dedos uma sensação realista de inércia como eles empurrar um objeto "pesado" em
torno da tela. Mas ainda assim o objeto não seria realmente pesado, não seria feita de
coisas tangíveis, sólida.

Nosso computador que executa o TRIP tem para manipular mais do que a imaginação
humana. Tem que ser capaz de lidar com objetos sólidos lá fora no mundo real. Como
pode um computador fazer isso? Seria difícil formidável. Podemos começar a ver isso
tentando criar um novo tipo de uma impressora de computador, uma "impressora 3-D '.
Uma impressora de computador comum manipula tinta sobre uma chapa bidimensional
de papel. Uma forma de aproximar uma representação tridimensional de, por exemplo,
o corpo de um gato, seria um conjunto de secções de série impresso em folhas
transparentes. O computador seria laboriosamente cortar e digitalizar seu caminho
através do gato, do nariz à cauda, imprimindo centenas de folhas de{277} de etilo.
Quando as folhas são empilhadas, eventualmente, em um bloco sólido, uma vista
tridimensional do gato seria visível no interior do bloco.

Isto ainda não é um verdadeiro impressora 3-D, porque o gato, quando impresso, desta
forma, seria incorporada numa matriz de etilo. Podemos melhorar as coisas se substituiu
a tinta por uma resina auto-endurecimento. As folhas seriam empilhadas como antes, e,
em seguida, dissolvido ou gravado distância deixando apenas a resina agora endurecido.
No caso improvável que os problemas técnicos com este projeto poderia ser superado,
teríamos um instrumento capaz de construir qualquer objeto tridimensional: uma
impressora de computador verdadeiramente tridimensional.

Nossa impressora de computador 3-D ainda está profundamente enraizado na


preconceitos bidimensionais. Ele inventa seu resultado tridimensional utilizando o
princípio de cortes seriados ou fatias. Nenhum dispositivo de saída que invocado o
princípio da fatia de série seria adequado para a nossa viagem. Uma máquina útil, tal
como um motor de combustão interna, não poderia ser feita por meio da técnica de fatia
de série. Ele precisa de sub-componentes como cilindros e pistões, volantes e cintos.
Estes componentes são feitos de materiais diferentes umas das outras, e eles têm de ser
livres para se moverem relativamente uns aos outros. O motor não pode ser construída
de fatias empilhados-up: ele deve ser montados , reunindo fabricados anteriormente,
peças disjuntos. As peças fabricados anteriormente si terá montagem de peças menores
da mesma forma. O tipo adequado de dispositivo de saída para a viagem não é uma
impressora 3-D em tudo. É um robô industrial. Tem uma pinça ou algum equivalente a
uma mão, capaz de agarrar objetos. A 'mão' deve estar na extremidade de um braço-
equivalente e deve ter uma junta universal ou um conjunto de articulações capazes de
movê-lo em todos os três planos. Tem o equivalente de órgãos dos sentidos, capaz de
guiar o para o objecto seguinte, que deve ser retirado, e capaz de direcção que objectos
para o seu destino desejado, de modo que ele pode ser fixado em posição através de um
meio adequado.

robôs industriais deste tipo existem em fábricas modernas (Figura 9.1). Eles fazem o
trabalho, desde que cada um tem uma tarefa muito especial para executar em um
determinado ponto em uma linha de montagem. Mas um robô industrial normal ainda
não é adequado para executar o programa TRIP. Ele pode colocar as peças juntas -
montá-los - se essas peças são entregues a ele em um {278}
Figura 9.1 Robô industrial da Nissan fábrica de automóveis. Yokohama.

orientação fixa ou arregimentada passado, em uma linha de produção. Mas todo o ponto
de nosso exercício é para ficar longe de coisas que estão sendo entregues na orientação
fixa, 'em uma placa'. Nosso robô tem alguma forma de encontrar as matérias-primas
para fazer as peças antes que possa começar a montá-los juntos. A fim de fazer isso, ele
tem que se mover ao redor do mundo, buscando matérias-primas, minar-los, reunindo-
los. Tem que ter os meios para viajar - algo como lagartas ou pernas. Existem robôs que
têm pernas, ou outros meios de se mover ao redor do mundo de uma forma quase-
intencional. O da Figura 9.2 passa a ser, em vez de insetos-like, exceto que ele tem
quatro pernas em vez de seis. Ele é equipado com pés de bombeio como uma mosca,
porque o seu truque de magia está subindo superfícies verticais. Um jogo favorito de
seus criadores está provocando-lo, colocando uma mão apenas no lugar onde o robô
quer pisar. O pé robôs detecta a consequente inadequação do terreno e vai para uma
pantomima deliciosamente like-vida de procurar {279}
Figura 9.2 Andando robô com pernas de bombeio de Portsmouth Polytechnic,
Inglaterra.

uma melhor superfície. Mas este é um detalhe de um robô em particular. Um robô


famoso anteriormente, o Machina speculatrix 'tartaruga' construído por W. Grey Walter,
da Universidade de Bristol, usada para conectar-se à rede eléctrica para recarregar suas
baterias. Como suas baterias correu para baixo, ele manifesta um "apetite" cada vez
mais inquieta para a electricidade e intensificou sua busca por uma ficha de rede.
Quando se encontrou um que com encosto para ele e ficou lá até reabastecido. Esses
detalhes não são fundamentais. Estamos a falar de uma máquina que é capaz de se
mover em torno de seus próprios membros e sem descanso em busca de algo sob o
controle de seus próprios órgãos dos sentidos e seu próprio computador de bordo.

Nossa próxima tarefa é juntar os dois tipos de robô juntos. Imagine que a caminhada,
robô otário de pés carrega, em sua parte traseira, algo como o robô industrial,
empunhando mão que vimos anteriormente. A máquina combinada está sob o controlo
de um computador de bordo. O computador de bordo tem um monte de software de
rotina para controlar as pernas e os pés de ventosa, e para controlar o conjunto do braço
e da mão.{280} Mas é sob o controle total de um programa de mestrado Duplicate Me,
que fundamentalmente afirma: "Caminhe ao redor do mundo recolhendo os materiais
necessários para fazer uma cópia de todo o robô. Faça um novo robô, em seguida,
alimentar o mesmo programa TRIP em seu computador de bordo e transformá-lo solto
no mundo para fazer a mesma coisa '. O robô hipotética que agora temos trabalhado no
sentido pode ser chamado de um robô TRIP.

Um robô TRIP, como agora estamos imaginando é uma máquina de grande


engenhosidade técnica e complexidade. O princípio foi discutido pelo matemático
húngaro-americano célebre John von Neumann (um dos dois candidatos ao título
honrado de o pai do computador moderno - o outro foi Alan Turing, o matemático
britânico novo que, através de seu gênio codebreaking, pode ter feito mais do que
qualquer outro indivíduo no lado Aliado a ganhar a segunda guerra Mundial, mas que
foi levado ao suicídio depois da guerra pela perseguição judicial, incluindo injeções de
hormônio forçados, por sua homossexualidade). Mas nenhuma máquina de von
Neumann, nenhuma viagem robô auto-duplicar, ainda não foi construído. Talvez ele
nunca será construído. Talvez seja além dos limites da viabilidade prática.

Mas o que eu estou falando? Que absurdo dizer que um robô auto-duplicar nunca foi
construído. O que na terra que eu acho que eu mesmo sou ? Ou você? Ou uma abelha ou
uma flor ou um canguru? Quais são todos nós, se não tropeçar robôs? Nós não somos
para o propósito feito pelo homem: fomos juntos pelos processos de desenvolvimento
embrionário, sob a direção suprema de genes naturalmente selecionados. Mas o que
realmente fazemos é exatamente o que o robô TRIP hipotética é definido como fazendo.
Nós percorrer o mundo em busca de matérias-primas necessárias para montar as peças
necessárias para manter a nós mesmos e, eventualmente, montar um outro robô capaz de
as mesmas proezas. Essas matérias-primas são moléculas que mina do rico filão de
alimentos.

Algumas pessoas acham que é ofensivo para ser chamado de um robô. Isso geralmente é
porque eles pensam que um robô tem que ser um jerky, zombie imbecil sem controle
fino, sem inteligência e sem flexibilidade. Mas estes não são necessárias ou definir
propriedades de um robô. Eles só acontecerá a ser propriedades de alguns dos robôs que
temos construído com a tecnologia atual. Se eu disser que um camaleão ou um inseto de
vara ou de um ser humano{281} é um robô que carrega suas próprias instruções de
programação cerca de dentro dele, eu não estou dizendo nada sobre o quão inteligente
ela é. Uma entidade pode ser muito inteligente e ainda ser um robô. Também não estou
dizendo nada sobre o quão flexível é, para um robô pode ser muito flexível. As pessoas
do século XX que se opõem a ser chamado de robôs se opõem a uma associação
superficial e irrelevante da palavra (como uma pessoa do século XVIII, que se opõe a
que chama uma carruagem de vapor de um veículo de transporte com o fundamento de
que não envolvem um cavalo ). Um robô é qualquer mecanismo, de complexidade e
inteligência não especificada, que é definido com antecedência para trabalhar no sentido
de cumprir uma determinada tarefa. A tarefa do robô TRIP é de distribuir cópias de seu
próprio programa sobre o país, juntamente com a maquinaria necessária para executar o
programa.

O ponto de nossa discussão de robôs auto-copiar partida foi isso. Decidimos que um
simples programa Duplicate mim, como um vírus de computador ou um vírus DNA de
verdade, foi tudo muito bem, mas dependia de o mundo ser muito confortável - criada
com máquinas capazes de ler e obedecer as instruções. Mas o mundo é confortável
assim só porque alguém, ou algo, outra pessoa já construiu que as máquinas-
obedecendo instruções. Nós já imaginou um robô altamente sofisticado que é, mais uma
vez, uma digressão gigantesca sobre um programa Duplicate Me. Em vez de apenas
dizer 'Duplicar me', o programa diz:. Monte as peças e fazer uma nova versão de todo o
maquinário necessário para me copiar e, em seguida, me carregar em seu computador de
bordo '

Chegamos de volta na conclusão do capítulo anterior. Um elefante é uma enorme


digressão dentro de um programa de computador escrito em linguagem de DNA. Um
avestruz é um outro tipo de digressão, uma árvore de carvalho é outra. E, claro, é um ser
humano outra. Nós somos todos os robôs de viagem, todas as máquinas de von
Neumann. Mas como é que todo o processo começou? Para responder a isso, temos que
voltar um tempo muito longo, mais de 3.000 milhões de anos, provavelmente desde que
4.000 milhões de anos. Naqueles dias o mundo era muito diferente. Não havia vida, não
a biologia, a única física e química, e os detalhes da química da Terra eram muito
diferentes. A maioria, mas não todos, do especulação informado começa no que tem
sido chamado o caldo primitivo, um caldo fraco de produtos químicos orgânicos
simples no mar. Ninguém sabe como isso aconteceu{282} , mas, de alguma forma, sem
violar as leis da física e da química, uma molécula surgiu que só passou a ter a
propriedade de auto-cópia - um replicador.

Isto pode parecer um grande golpe de sorte. Eu quero dizer algumas coisas sobre este
sorte ". Em primeiro lugar, isso tinha que acontecer apenas uma vez. A este respeito, é
um pouco como a sorte envolvida em colonizar uma ilha. A maioria das ilhas ao redor
do mundo, mesmo as muito remotas como a Ilha de Ascensão, têm animais. Alguns
deles, por exemplo, pássaros e morcegos, chegou lá de uma forma que podemos
facilmente compreender, sem postular uma grande dose de sorte. Mas outros animais,
como lagartos, não pode voar. Nós arranhar nossas cabeças e saber como eles chegaram
lá. Pode parecer insatisfatório para postular uma aberração da sorte, como um lagarto
acontecendo a ser agarrado a um manguezal no continente que rompe e flutua através do
mar. Freakish ou não, este tipo de sorte acontecer - há lagartos em ilhas oceânicas. Nós
geralmente não sabem os detalhes, porque não é uma coisa que acontece com freqüência
suficiente para nós ter qualquer risco de vê-lo. O ponto é que isso tinha que acontecer
apenas uma vez. E o mesmo vale para a origem da vida em um planeta.

O que é mais, tanto quanto sabemos, pode ter acontecido em apenas um planeta fora de
um bilhão de bilhões de planetas no universo. É claro que muitas pessoas pensam que
realmente aconteceu em lotes e lotes de planetas, mas só temos provas de que isso
aconteceu em um planeta, após um lapso de meio bilhão a um bilhão de anos. Assim, o
tipo de evento de sorte que estamos olhando poderia ser tão tremendamente improvável
que as chances de sua ocorrência, em algum lugar do universo, poderia ser tão baixo
quanto um em um bilhão de bilhões de bilhões em um ano. Se ele fez acontecer em
apenas um planeta, em qualquer lugar do universo, o planeta tem de ser o nosso planeta
- porque aqui nós estamos falando sobre isso.

Meu palpite é que a vida provavelmente não é tudo o que raro e a origem da vida,
provavelmente não era tão improvável. Mas há argumentos em contrário. Um exemplo
interessante é o "Onde eles estão? ' argumento.Imagine uma corrida de South Pacific,
cuja ilha é tão remota que em toda a história oral da tribo não canoa jamais encontrou
outro pedaço de terra habitado. Os anciãos tribais especular sobre a probabilidade de
que há vida fora da ilha. O 'nós estamos sozinhos' facção tem um argumento poderoso
no fato de que a ilha nunca foi visto. Mesmo se {283} itinerante da tribo s é limitado a
canoa-range, não deve haver outras tribos que evoluíram para barcos mais avançados?
Por que eles nunca vêm?

No caso das ilhas habitadas do planeta, todos eles têm sido visitado por agora, e hoje
deve haver poucas pessoas tão remoto que não tenha visto um avião. Mas nosso planeta
ilha no universo nunca tem, tanto quanto sabemos a partir de contas devidamente
autenticados, foram visitadas. Mais significativamente, para as últimas décadas, foram
equipados para detectar comunicações de rádio de muito longe. Há cerca de um milhão
de estrelas dentro do raio de ondas de rádio poderia chegar em mil anos. Mil anos é um
tempo curto para os padrões de estrelas e geologia. Se civilizações tecnológicas são
comuns, alguns deles terão sido bombear para fora ondas de rádio para milhares de anos
mais do que temos. Não deveríamos ter ouvido algumas sussurro de sua existência até
agora? Este não é um argumento contra a vida de qualquer tipo existente em outras
partes do universo. Mas é um argumento contra a vida inteligente, tecnicamente
sofisticada sendo espaçados densa o suficiente para ser de fácil alcance do rádio de
outras ilhas de vida. Se a vida quando começa tem outra coisa senão uma baixa
probabilidade de dar origem à vida inteligente, podemos tomar isso como evidência de
que a própria vida é raro. Uma conclusão alternativa para essa cadeia de raciocínio é a
proposta sombria que a vida inteligente pode surgir com bastante frequência, mas
normalmente apenas um curto período de tempo decorrido entre a invenção do rádio e
da auto-destruição tecnológica.

A vida pode ser comum no universo, mas também têm a liberdade de especular que é
extremamente raro. Daí resulta que o tipo de evento que estamos buscando, quando nós
especular sobre a origem da vida, poderia ser um evento muito, muito improvável: não
o tipo de evento que podemos esperar para duplicar no laboratório e não o tipo de
evento que um químico irá considerar 'plausível'. Este é um paradoxo interessante,
escrito por extenso em um capítulo de O Relojoeiro Cego chamados de "Origens e
milagres". Poderíamos estar buscando uma teoria com a propriedade específica que,
quando encontrá-lo, vamos julgá-lo altamente improvável! Olhando para o assunto de
uma maneira, que pode até mesmo ser positivamente preocupado se um químico
consegue suportar uma teoria da origem da vida, que, utilizando padrões comuns de
probabilidade, que julgamos ser plausível.{284} Por outro lado, a vida parece ter
surgido durante die primeira metade bilhões das Terras 4,5 bilhões de anos; nós
estivemos aqui por oito peças em nove dos anos Terras e minha intuição ainda que o
surgimento da vida em um planeta é não é tudo o que um evento inesperado.

Uma origem da vida, em qualquer lugar, consiste na possibilidade decorrente de uma


entidade auto-replicante. Hoje em dia, o replicador que importa na Terra é a molécula
de DNA, mas o replicador originais provavelmente não era DNA. Não sabemos o que
era. Ao contrário do DNA, as moléculas replicadoras originais não pode ter invocado
maquinaria complicada para duplicá-los. Embora, em certo sentido, eles devem ter sido
equivalente a «duplicado me 'instruções, a linguagem", no qual estavam escritas as
instruções não era uma língua altamente formalizados. de tal forma que apenas uma
máquina complicada poderia obedecê-las. O replicador original não pode ter necessário
decodificação elaborado, como instruções de DNA e vírus de computador fazem hoje.
Auto-duplicação foi uma propriedade inerente da estrutura da entidade tal como, por
exemplo, a dureza é uma propriedade inerente de um diamante, algo que não tem de ser
'descodificado' e 'obedeceu'. Podemos ter certeza de que os replicadores originais, ao
contrário de seus sucessores mais tarde as moléculas de DNA, não tem decodificação
complicado e máquinas instrução de obedecer, porque maquinaria complicada é o tipo
de coisa que surge no mundo somente depois de muitas gerações de evolução. E a
evolução não começar até que haja replicadores. Nos dentes do chamado "Catch-22 da
origem da vida" (veja abaixo), as entidades auto-duplicar originais deve ter sido simples
o suficiente para surgir pelos acidentes espontâneas da química.

Uma vez que os primeiros replicadores espontâneas existiu, a evolução poderia


prosseguir rapidamente. É a natureza de um replicador que gera uma população de
cópias de si próprio, e isso significa que uma população de entidades que também são
sujeitos a duplicação. Daí a população tenderá a crescer exponencialmente até que seja
inspeccionado pela competição por recursos ou matérias-primas. Vou desenvolver a
idéia de crescimento exponencial em um momento. Resumidamente, a população dobra
em intervalos regulares, e não apenas a adição de um número constante em intervalos
regulares. Isto significa que em breve haverá uma grande população de replicadores e,
portanto, a concorrência entre eles. É na natureza de qualquer processo de cópia que
nunca é muito perfeito: há erros aleatórios em duplicação.{285} Portanto, não surgiria
variedades do replicador na população. Algumas dessas variantes teria perdido a
propriedade de auto-duplicação e sua forma particular não teria sido retido na
população. Outras variantes passou a ter alguma propriedade que lhes causou a ser
duplicado mais rapidamente ou de forma mais eficiente. Tornaram-se,
consequentemente, mais numerosas na população. Uma vez que teria sido competindo
para as mesmas matérias-primas como replicadores rivais, como o tempo passou pela
média, tipo de replicador típica na população seria continuamente foram suplantados
por uma nova e melhor tipo médio. Melhor em quê? Melhor em replicar, é claro. Mais
tarde, esta melhoria poderia assumir a forma de influenciar outras reacções químicas, de
forma a facilitar a auto-replicação. Eventualmente, a influência teria se tornado
suficientemente complicada que um observador, tinha havido um (não havia, é claro,
pois leva bilhões de anos para evoluir qualquer coisa que você poderia chamar de um
observador), poderia ter descrito o processo de como o decodificação e obedecendo de
instruções. E se esse mesmo observador foi perguntado o que as instruções dizer, ele
teria de responder que eles querem dizer 'Duplicar me'.

Há dificuldades indubitáveis nesta história. Entre eles já aludido o chamado Catch-22 da


origem da vida. Quanto maior for o número de componentes em um replicador, o mais
provável é que um deles será miscopied, levando a concluir o mau funcionamento do
conjunto. Isto sugere que os primeiros, replicadores primordiais deve ter tido muito
poucos componentes. Mas moléculas com menos do que um determinado número
mínimo de componentes são susceptíveis de ser muito simples para ser capaz de
engenharia seu próprio duplicação. Engenhosidade tem sido dispendido sobre a
conciliação entre estes dois requisitos aparentemente incompatíveis - com algum
sucesso, mas o argumento torna-se mais matemática do que é adequado para este livro.

As máquinas de replicação originais - os primeiros repetidores robô - deve ter sido


muito mais simples do que as bactérias, mas as bactérias são os exemplos mais simples
de robôs TRIP que conhecemos hoje (Figura 9.3a). Bactérias ganham a vida em uma
grande variedade de formas, a partir de um ponto de vista químico de uma gama muito
maior de formas do que o resto dos reinos de vida juntos. Há bactérias que são mais
estreitamente relacionados para nós do que para outros tipos, estranho de bactérias. tem
{286} bactérias que obtêm seu sustento a partir de enxofre em águas termais, para os
quais o oxigênio é um veneno mortal, bactérias que fermentam açúcar em álcool, na
ausência de oxigênio, as bactérias que vivem sobre o dióxido de carbono e hidrogênio,
dando metano, bactérias que Photosynthesize (usar a luz solar para sintetizar alimentos)
como plantas, bactérias que photosynthesize de maneiras que são muito diferentes de
plantas. Diferentes grupos de bactérias abranger uma gama de radicalmente diferentes
bioquímicas em comparação com o qual todo o resto de nós - animais, plantas, fungos e
algumas bactérias - são uniformes monotonamente.

As bactérias de vários tipos diferentes se juntaram, mais de mil milhões de anos atrás,
para formar a 'célula eucariótica' (figura 9.3b). Este é o nosso tipo de célula, com um
núcleo e outras partes internas complicadas, muitos deles colocados juntos a partir de
membranas internas intrincadamente dobradas, como as mitocôndrias que eu indiquei
brevemente na Figura 5.2. A célula eucariota é agora encarada como derivado a partir
de uma colónia de bactérias. As células eucarióticas-se mais tarde se reuniram em
colônias. Volvox são criaturas modernos (Figura 9.3c). Mas é possível que eles
representam o tipo de coisa que passou mais de mil milhões de anos atrás, quando o
nosso tipo de células começou a se unir em colônias. Este agrupando-se das células
eucarióticas foi comparável ao anterior agrupando-se de bactérias em células
eucarióticas e ainda mais cedo agrupando-se de genes em bactérias. Bandos maiores e
mais densamente de células eucarióticas são chamados organismos metazoários. Figura
9.3d mostra uma parte relativamente pequena, uma tardigrade. Organismos metazoários
próprios, por vezes, gangues-se em colônias que se comportam um pouco como
indivíduos (figura 9.3e).

Eu disse que um elefante foi um enorme digressão sobre um programa Duplicate mim,
mas eu poderia ter dito rato em vez de elefante e enorme ainda teria sido a palavra certa.
Um Volvox tem algumas centenas de células. Um rato é um grande edifício de talvez
um bilhão de células. Um elefante é uma colónia de cerca de 1,000 biliões (10 15 ), as
células, e cada uma das referidas células é por si só uma colónia de bactérias. Se um
elefante é um robô levando seu projeto sobre, é um robô grande quase impensável. É
uma colônia de células, mas, uma vez que essas células carregam cópias das mesmas
instruções de DNA, todos eles cooperar, trabalhando em conjunto para o mesmo fim de
duplicar os seus dados de ADN separadamente idênticos. {287}
Figura 9.3 Aumento dos níveis de organização entre as formas de vida: (a) bateria
individual; (B) avançado - eucariótica - célula com núcleo, originalmente evoluiu a
partir de uma colónia de bactérias; (C) Volvox, uma colónia de células eucarióticas
diferenciadas; (D) uma colônia mais densamente embalado e populosa das células
eucarióticas diferenciadas, uma tardigrade. Um corpo humano é um outro tal colónia -
uma colônia de colónias, uma vez que cada uma de nossas células é uma colônia de
bactérias; (E) uma colônia de organismos individuais: um enxame de abelhas - uma
colônia de colônias de colónias. {289}

É claro que um elefante não é uma coisa particularmente grande, em qualquer escala
absoluta. Em comparação com uma estrela é pequeno. Eu quis dizer grande em
comparação com as moléculas de DNA que o elefante é projetado para preservar e
propagar. Ele é grande em comparação com o elefante decisores replicantes que
montam ao redor no seu interior.

Para se ter uma ideia da escala, imagine que os engenheiros humanos construíram um
robô mecânico gigante em que eles poderiam montar, como os gregos em seu cavalo de
Tróia. Mas o nosso cavalo mecânico vai ser ampliados de modo que cada engenheiro
humano é equivalente a uma das moléculas de DNA do robô de tamanho. Lembre-se
que estamos a pensar de um cavalo real como um robô construído pelos genes que
montam dentro dela. O ponto da imagem é que, se nós construímos um cavalo robô para
nós mesmos para montar dentro, e se o nosso cavalo robô eram tão grandes, em relação
a nós, como um verdadeiro cavalo é grande, em relação aos genes que construíram -lo ,
então a nossa cavalo robô poderia bestride dos Himalaias (Figura 9.4). Um, cavalo vivo
real é feito de trilhões de células. Com exceções sem importância, cada uma dessas
células tem uma tripulação completa de genes
Figura 9.4 Um cavalo é um veículo para moléculas de ADN robô e é muito grande em
comparação com elas. Se os humanos construíram um Cavalo de Tróia para montar no
interior, a uma escala relativa semelhante a nós mesmos, seria anão do Himalaia. Esta
fantasia foi pintada por minha mãe, Jean Dawkins, para uma de minhas Royal
Institution Palestras de Natal. {290}

montando dentro dela, embora a maioria deles, em qualquer tipo de célula, está
dormindo.

Um corpo vivo real consegue ser tão grande (em comparação com os genes que
construíram) porque cresce por um processo muito diferente da forma como uma
máquina feita pelo homem cresce; bastante diferente da forma como este cavalo
mecânico seria construído, se ele nunca foram construídos. O modo especial de
crescimento que as coisas de vida real empregam é o crescimento exponencial. Outra
maneira de dizer isso é que as coisas vivas crescer duplicação local.

Começamos com uma única célula, que é muito pequena. Ou melhor, é apenas sobre o
tamanho certo para os genes que tornam. É dentro da gama que pode lidar com pelo
manipulação bioquímica. As mechas de influência pode atingir todos os cantos de uma
única célula, e eles podem formar única célula que tenha certas propriedades. Talvez a
propriedade mais notável a célula tem é a capacidade de se dividir em duas células
filhas mais ou menos como a própria. Sendo como a célula-mãe, cada um própria célula
filha é capaz de dividir em dois, fazendo quatro células neta. Cada um dos quatro, por
sua vez, pode dobrar, fazendo oito, e assim por diante. Isto é o crescimento exponencial,
ou a dobragem local.

As pessoas que não estão habituados a ele encontrar o poder do crescimento


exponencial surpreendente. Como prometido, eu vou passar um pouco de tempo com
ele, porque é importante. Há muitas maneiras vívidas de ilustrá-lo. Se você dobrar um
pedaço de papel uma vez, você tem duas espessuras. Dobrá-lo novamente e é quatro
vezes mais espesso. Outra vezes e você tem um punhado, oito camadas de espessura.
Mais três dobras é sobre como muitos como você pode sair com, antes do maço torna-se
demasiado duro para dobrar ainda: sessenta e quatro camadas de espessura. Mas
suponha que esta rigidez mecânica não foram um problema e que você poderia ir em
dobrar, diz cinquenta vezes. Qual a espessura que o chumaço de papel seria então? A
resposta é que seria tão espesso que chegaria à direita fora da atmosfera da Terra e para
além da órbita do planeta Marte.

Da mesma forma, pela duplicação local de células de todo o corpo em desenvolvimento,


o número de células obtém-se muito rapidamente para dentro do intervalo astronómicas.
A baleia azul é feita de cerca de cem mil trilhões (10 17 células). Mas, tal é o poder do
crescimento exponencial, só levaria cerca de cinquenta e sete gerações de células, sob
condições ideais, para produzir tal leviatã. Por uma geração de células, quero dizer uma
duplicação.{291} Lembre-se que o número de células subir 1, 2, 4, 8, 16, 32, etc. Por
isso, leva seis gerações de células para atingir trinta e duas células. E, se você vai se
multiplicando por dois assim, ele leva apenas cinquenta e sete gerações de células para
atingir cem mil trilhões, o número de células em uma baleia azul.
Esta forma de cálculo do número de gerações de células é realmente realista porque só
dá uma quantia mínima. Assume-se que, depois de cada geração de células, todas as
células passam a duplicar. Na verdade, muitas linhagens de células cair fora do jogo
duplicação anteriormente, quando acabarem a construção de uma parte específica do
corpo, dizem que o fígado. Outras linhagens celulares ir dobrando por mais tempo.
Assim, uma baleia azul, de facto, consiste de uma série de linhagens celulares de
diferentes comprimentos, a construção de diferentes partes da baleia. Algumas dessas
linhagens continuar dividindo por mais de cinquenta e sete gerações de células. Outros
param de se dividir após menos de cinquenta e sete gerações de células. Na prática,
existem "células-tronco", subconjuntos de células que estão reservados para o propósito
de correr cópias de células como eles.

Você pode calcular aproximadamente o número mínimo de gerações de células que


levaria, em condições ideais de duplicação, para crescer qualquer animal, dado o seu
peso. Você pode supor que grandes animais não têm células especialmente grandes, eles
apenas têm mais os mesmos tipos de células, como pequenos animais. Um cálculo
ingênuo sugere que seria necessário um mínimo de quarenta e sete gerações de
duplicação de células para crescer um apenas cerca de dez mais gerações de células de
seres humanos adultos e crescer uma baleia azul. Estes números são certamente
subestima, pela razão tenho dado. No entanto, continua a ser verdade que, tal é o poder
do crescimento exponencial, você só precisa fazer uma pequena alteração em quanto
tempo uma linhagem particular de células continua dividindo, para obter uma mudança
dramática no tamanho final do grupo de células produzidas. Mutações, por vezes, fazer
isso.

Construir esses corpos colossais - colossal pelos padrões de seus construtores e


passageiros de DNA - pode ser chamado gigatechnology. Gigatechnology significa a
arte de construir coisas, pelo menos, um bilhão de vezes maior do que você é. A arte de
gigatechnology é algo que nossos próprios engenheiros não têm experiência de. As
maiores veículos que construímos para viajar na - navios de grande porte - não são
muito grandes{292} em relação aos seus construtores e podemos andar para a direita em
volta deles em questão de minutos. Quando construímos algo como um navio, não
temos a vantagem de edifício exponencial. Para nós, não há nada a fazer senão enxame
todo a estrutura, rebitagem centenas de placas de aço pré-fabricadas em conjunto.

DNA, construindo seus veículos robô para andar ao redor dentro, tem a ferramenta de
crescimento exponencial em seu comando. O crescimento exponencial coloca grande
poder nas mãos dos genes naturalmente selecionados. Isso significa que um pequeno
ajustamento para um pormenor do controlo do crescimento embrionário pode ter o
efeito mais dramático sobre o resultado. Uma mutação que conta uma determinada sub-
linhagem de células para continuar dividindo apenas mais uma vez - digamos continuar
por vinte e cinco gerações de células em vez de vinte e quatro anos - pode, em princípio,
ter o efeito de dobrar o tamanho de um bit particular de o corpo. A mesma doçura, da
mudança do número de gerações de células, ou as taxas de divisão celular, podem ser
utilizados por genes durante embriologia para alterar a forma de um bit do corpo. Os
seres humanos modernos têm um queixo proeminente em comparação com a nossa
bastante recente ancestral Homo erectus. Tudo o que é preciso para mudar a forma do
queixo é pequenos ajustes no número de gerações de células em determinadas regiões
do crânio embrionário.
De certa forma, o que é notável é que as linhagens de células param de se dividir
quando é suposto, de tal maneira que todos os nossos bits são bem proporcionado em
relação ao outro. Em alguns casos, é claro, linhagens celulares notoriamente não param
de se dividir quando deveriam. Quando isso acontece, nós o chamamos de câncer.
Randolph Nesse e George Williams (em seu brilhante livro que escreveu sob o título
excelente darwiniana Medicina , mas que os editores, em seguida, selados com uma
variedade de títulos imemoráveis e geograficamente variáveis) fazer um ponto sábio
sobre o câncer. Antes de se perguntar por que temos câncer, devemos perguntar por que
não fazê-lo o tempo todo.

Quem sabe se os seres humanos nunca vai tentar construir coisas por gigatechnology?
Mas as pessoas já estão falando sobre nanotecnologia. Assim como 'giga' significa um
bilhão, "nano" significa um bilionésimo. Nanotecnologia significa coisas de engenharia
que são um bilionésimo do tamanho do construtor.

Há pessoas - e os líderes não são todos os seguidores da Nova Era ou {293}

Figura 9.5 Uma fantasia em nanotecnologia. dispositivos robô enviadas para reparar
glóbulos vermelhos do sangue.

fanáticos da seita - que agora estão dizendo que algo como a Figura 9.5 será uma
realidade num futuro não muito distante. Se eles estiverem certos, não há praticamente
uma área da vida humana que não vai ser drasticamente afetado. Doctoring é um
exemplo. cirurgiões modernos são pessoas altamente qualificadas, com delicados,
instrumentos de precisão. Para retirar a lente de um olho quando é nublado com catarata
e substituí-la com uma lente substituto, como cirurgiões modernos fazem, é uma
incrível façanha de habilidade. Os instrumentos que eles usam são impressionantemente
fino e preciso. Mas, em comparação com a escala da nanotecnologia, eles ainda são
imensamente bruto. Ouvir Eric Drexler, o cientista americano que está a emergir como
o sumo sacerdote da nanotecnologia, como ele chama uma visão à escala nanométrica
de bisturis atuais e costura cirúrgica.

bisturis e suturas modernos são simplesmente demasiado grosseira para reparar


capilares, células e moléculas. Considerar a cirurgia "delicado" de uma célula de{294}
perspectiva: uma enorme lâmina varre para baixo, cortando cegamente passado e
através da maquinaria molecular de uma multidão de células, matando milhares de
pessoas. Mais tarde, um grande obelisco mergulha no meio da multidão dividida,
arrastando um cabo tão largo quanto um bonde de carga por trás dele para rope a
multidão juntos novamente. Da perspectiva de um celular, mesmo a cirurgia mais
delicada, realizada com facas requintados e grande habilidade, ainda é um trabalho de
açougueiro. Apenas a capacidade das células de abandonar os seus mortos, reagrupar, e
multiplicam faz a cura possível.

O 'obelisco', é claro, é uma agulha cirúrgica delicado, e o cabo de a largura de um


comboio de mercadorias é o mais fino fio cirúrgico. Nanotecnologia mantém o sonho de
construir instrumentos cirúrgicos pequenos o suficiente para trabalhar na mesma escala
como as próprias células. Tais instrumentos seria demasiado pequena para ser
controlado pelos dedos de um cirurgião. Se um pedaço de fio é a largura de um comboio
de mercadorias na escala das células, pensar como ampla dedos do cirurgião seria. Não
teria que ser pequenas máquinas automáticas, robôs minúsculos, não ao contrário das
versões em miniatura dos robôs industriais que conhecemos anteriormente neste
capítulo.

Agora um robô este pequeno pode ser maravilhoso em reparar, digamos, um glóbulo
vermelho doente. Mas há um exército assustador de células vermelhas do sangue para o
robô para obter rodada, cerca de 30 mil milhões em cada um de nós. Então, como na
terra pode o pequeno robô nanotecnologia lidar com isso? Você já deve ter adivinhado a
resposta: multiplicação exponencial. A esperança é que o robô nanotecnologia seria usar
a mesma técnica de auto-multiplicando como as próprias células do sangue. O robô
seria clonar-se, reproduzir-se. Usando o poder do crescimento exponencial, a população
de robôs deve subir para os bilhões de dólares em apenas da mesma forma que a
população de células vermelhas do sangue subiu casa dos bilhões.

Nanotecnologia deste tipo é tudo no futuro, e isso nunca pode vir a nada. A razão pela
qual os cientistas que estão propondo a nanotecnologia acho que vale a pena tentar é
esta. Eles sabem que, por mais estranho e alheio que possa parecer para nós, o
equivalente a isso já funciona em nossas células. O mundo de moléculas de DNA e
proteínas é um mundo que realmente funciona em uma escala que, se fizéssemos isso,
seria chamado de nanotecnologia. Quando um médico inocula-lo com immunoglobu-
lins para pará-lo contrair a hepatite, o médico está a carregar o seu{295} corrente
sanguínea com o equivalente natural de ferramentas da nanotecnologia. Cada molécula
de imunoglobulina é um objeto complexo que, como qualquer outra molécula de
proteína, depende de sua forma para fazer o seu trabalho (Figura 9.6). Estes pequenos
instrumentos médicos só funcionam porque há milhões deles. Eles têm sido produzidos
em massa - clonado up - usando técnicas de crescimento exponencial da população.
Neste caso, eles são técnicas biológicas: eles são muitas vezes crescido no sangue de um
cavalo, por exemplo. Outras vacinas solicitar própria tendência do corpo para clonar-se
anticorpos, como as imunoglobulinas cavalo. A esperança é que as ferramentas de
nanotecnologia, que olham muito bem como robôs industriais em miniatura, pode ser
clonado até demais por procedimentos artificiais engenhosamente concebido.

Figura 9.6 real nanotecnologia vida: uma molécula de imunoglobulina. {296}


A nanotecnologia nos parece muito estranho, difícil de acreditar. O mundo das
máquinas lá embaixo no nível dos átomos parece um mundo assustadoramente
alienígena, mais estranha do que a vida em outros planetas como imaginadas por
escritores de ficção científica. A nanotecnologia é, para nós, algo que pode acontecer no
futuro. É algo emocionante, talvez um pouco assustador e aparentemente novo. Mas,
longe de nanotecnologia sendo realmente novo e estranho, é velho. É nós grandes coisas
que são novas, estrangeiro, estranho. Nós somos produtos de uma nova chamativos
(apenas algumas centenas de milhões de anos) gigatechnology (giga do ponto de vista
dos nossos genes). Fundamentalmente, a vida é baseada na nanoworld do muito
pequeno (nano, do nosso ponto de vista, um mundo de moléculas de proteína, feita com
as especificações codificadas de moléculas de DNA e controlar as interações de outras
moléculas.

A nanotecnologia é para o futuro. Voltemos à mensagem principal deste capítulo e do


anterior. Os genes de um elefante ou um ser humano, tal como os genes de um vírus,
pode ser visto como um programa de computador duplicado Me. genes de vírus são
instruções que dizem (se acontecer de ser parasitando um elefante) codificado: 'células
elefante, me duplicar.' genes elefante diz: 'células elefante, trabalhar em conjunto para
fazer um novo elefante, que deve ser programado por sua vez, para crescer e fazer mais
elefantes, todos programados para me duplicar.' O princípio é o mesmo. É justo que
alguns programas Duplicate Me são mais indireta e longwinded do que outros. Apenas
programas parasitas pode dar ao luxo de ser shortwinded, porque eles usam máquinas
pronta para obedecer às suas instruções. genes de elefante não são tanto os programas
não-parasitárias como sub-rotinas mutuamente parasitárias. genes de um elefante é
como uma colônia gigantesca de vírus que se apoiam mutuamente. Cada gene elefante
joga uma parte que não é maior do que o papel desempenhado por um gene do vírus.
Cada um desempenha o seu próprio pequena parte na construção cooperativa da
máquina que todos eles necessitam para a sua execução do programa. Cada um floresce
na presença dos outros. genes de vírus também florescem na presença do conjunto de
cooperar genes de elefante, mas eles não contribuem nada de positivo em troca. Se o
fizessem, nós provavelmente não deveria chamá-los de genes de vírus, mas genes de
elefante. Dito de outra forma, cada corpo contém genes sociais e anti-sociais. o {297}
os anti-sociais que chamamos de genes de vírus (e outros tipos de genes do parasita). Os
sociais que chamamos de elefante (humana, canguru, sicômoro, etc.) genes. Mas os
genes em si, sejam eles sociais ou anti-social, se os genes de vírus ou "genes próprios,
são todos apenas instruções do DNA, e todos eles dizem, de uma maneira ou de outra,
por bem ou por mal, brevemente ou longwindedly, 'Duplicar mim.' {298}

<< >>

CAPÍTULO 10

W E já percorreu um longo e está finalmente pronto para voltar ao mais difícil e


complicada de todas as minhas histórias, a da fig. Vamos começar com o seguinte que
parece, à primeira audição, como apenas uma outra provocação literária digna do
professor infeliz quem eu satirizado em meus parágrafos iniciais. Um figo não é uma
fruta, mas um jardim virado do avesso. Parece que uma fruta. Tem gosto de uma fruta.
Ela ocupa um nicho em forma de frutas em nossos menus mentais e nas estruturas
profundas reconhecidos por antropólogos. No entanto, não é uma fruta; é um jardim
fechado, um jardim suspenso e uma das maravilhas do mundo. Eu não vou deixar esta
declaração pendurado como uma profundidade auto-indulgente para ser arrancado pela
"sensível" e confundir todos os outros. Aqui está o que isso significa.

O significado está enraizada na evolução. Figos são descendentes, através de uma


cadeia de intermediários infinitesimally classificados, a partir de ancestrais que foram
superficialmente muito diferente de figos modernos. Imagine um filme de lapso de
tempo construiu-se como se segue. O primeiro quadro é um figo moderno, escolhidos a
partir de hoje a árvore, seccionada pelo meio, colocado sobre uma folha de cartão e
fotografada. Quadro dois é um figo semelhante de um século atrás. Continuar através
dos séculos, figo no figo, quadro a quadro, através de um figo que poderia ter sido
comido por Jesus, ou arrancado por um escravo por Nabucodonosor nos Jardins
Suspensos da Babilônia, um figo da terra de Nod, East of Eden , figos que adoçadas as
vidas curtas, sedentos de açúcar de Homo erectus, o Homo habilis e pouca Lucy da
Afar; {299} de volta antes do tempo de cultivo, de volta para os figos selvagens da
floresta e além. Agora, execute o filme e ver a fig moderna transformar-se em seu
antepassado remoto. Que mudanças veremos?

Sem dúvida, haverá alguns encolhendo à medida que avançamos para trás, para os figos
cultivados foram plumped-se ao longo dos séculos de duras, antepassados menores,
silvestres. Mas esta é uma mudança superficial e, interessante, pois é, tudo vai ser mais
dentro da primeira alguns milênios de nossa jornada para trás. Mais radical e
surpreendente é a mudança que vamos ver como corre-se o filme mais para trás através
de milhões de anos. O "fruto" vai abrir para fora. O furo minúsculo, quase invisível no
ápice da fig vai fazer beicinho, gape, bocejar até que ele não é mais um buraco, mas um
copo. Olhe atentamente para a superfície interna do copo e você verá que ele é forrado
com flores minúsculas. Primeiro, a taça é uma profunda então, à medida que bobina o
filme volta no tempo, torna-se cada vez mais raso. Talvez ele passa por uma etapa plana
como um girassol, para um único girassol também é, na verdade, centenas de pequenas
flores, embalados em uma cama de massas. Pressionando para além da fase de girassol,
nossa taça fig transforma de dentro para fora até que as florzinhas estão no exterior,
como em uma amoreira (o figo é um membro da família de amora). Mais para trás, além
do estágio de amoreira, as florzinhas separar e tornar-se mais reconhecidamente flores
distintas como em um jacinto (embora jacintos não estão intimamente relacionados com
figos).

É talvez um pouco artificial, pretensioso, mesmo, para descrever um único figo como
um "Jardim fechado"? Afinal, você dificilmente descrever um jacinto ou uma amoreira
como um jardim exposto. Minha defesa é um bom e vai além de ser assombrado por
uma frase da canção de Solomon. Olhe para um jardim através dos olhos dos insetos
que polinizam as flores. Um jardim, na escala humana, é uma população de flores que
cobrem muitas jardas quadrados. Os polinizadores de figos são tão pequenos que, para
eles, todo o interior de um único figo pode parecer um jardim, embora
reconhecidamente um pequeno jardim da casa. É plantada com centenas de flores em
miniatura, de ambos os sexos, cada um com suas próprias peças diminutas. Além disso,
o figo é realmente um mundo fechado e praticamente auto-suficiente para os
polinizadores minúsculas.

Os polinizadores são tecnicamente vespas pertencentes a uma família, a Agaonidae, e


eles são minúsculos, muito pequeno para ser visto claramente, sem uma lente. Por
'tecnicamente' vespas, quero dizer que, embora você pode notar nenhuma grande {300}
semelhança com as 'yellowjackets' amarelo-e-preto, que ameaçam a jam jar verão,
vespas de figo compartilham um ancestral vespa com eles. flores do figo são
polinizadas somente por estes minúsculos wasplets (Figura 10.1). Quase todas as
espécies de figueira (e há mais de 900 deles) tem suas próprias espécies particulares de
vespa, que tem sido a sua companheira genética solitário ao longo do tempo evolutivo,
uma vez que os dois se separaram em conjunto dos seus respectivos antecessores. As
vespas dependem totalmente o figo para a sua alimentação e o figo depende totalmente
sobre as vespas para transportar seu pólen. Cada espécie seria prontamente extintos sem
a outra. É somente as vespas fêmeas, que viajam fora do seu figo natal, que carregam o
pólen. Eles são moldados como você pode imaginar altamente miniaturizado vespas
para ser. Os machos por contraste não têm asas, pois eles nascem e morrem no mundo
fechado, escuro de um único figo, e é difícil de acreditar que eles são vespas em tudo,
muito menos vespas da mesma espécie como suas próprias fêmeas.

O problema com que conta a história de vida das vespas de figo é que é um ciclo e não é
óbvio que a nossa descrição deve quebrar. Isso não pode ser ajudado e eu vou começar
com a eclosão de novas larvas de vespa, cada um enrolado em sua pequena cápsula na
base de um dos

Figura 10.1 Interior de figo com vespas de figo masculino e feminino. {301}
flores femininas profundas no interior do jardim fechado. Alimentando-se da semente
em desenvolvimento, que cresce em um adulto e mastiga seu caminho para fora de sua
cápsula, emergindo para a liberdade comparativo de interior escuro da fig. Os machos e
fêmeas, em seguida, siga um tanto diferentes histórias de vida. Os machos chocam
primeiro e cada um percorre a fig procurando a cápsula de uma fêmea em gestação.
Quando ele encontra um, ele mastiga o seu caminho através da parede do óvulo e mates
com a virgem ainda por nascer. Em seguida, ela emerge da sua cápsula de nascimento e
embarca em sua própria viagem através do jardim suspenso em miniatura. Os detalhes
do que acontece em seguida variar um pouco de espécie para espécie. O seguinte é
típico. A fêmea procura por flores masculinas, que são muitas vezes de ser encontrado
perto da entrada para a fig. Usando custom-built de pólen-escovas em suas patas
dianteiras, ela trabalha fora no escuro, pólen sistematicamente pá para os bolsos de
pólen especiais nos recessos de seu peito.

É revelador que ela toma tais dores deliberadas para se abastecer de pólen e que ela tem
receptáculos especiais de transporte de pólen. A maioria dos insectos polinizadores
simplesmente encontrar-se espanou, querendo ou não, com o material. Eles não têm
aparelhos de transporte de pólen dedicado, nem instintos pólen de carregamento. As
abelhas fazem. Eles têm cestas de pólen em suas pernas que protuberância amarela ou
marrom com pólen de pelúcia para eles. Mas as abelhas, ao contrário de vespas de figo,
está transportando o pólen para alimentar suas larvas. vespas de figo não transportam o
pólen para o alimento. Eles deliberadamente levá-la a bordo, usando bolsos especiais de
transporte de pólen, com o único propósito de fertilizar figos (que beneficia as vespas
apenas em uma forma mais indireta). Nós vamos voltar para toda a questão da
cooperação aparentemente amigável entre figos e seus polinizadores.

Laden com pólen precioso, a fêmea deixa o figo para a abertura arejada do mundo
exterior. Exatamente como ela sai varia de espécie para espécie. Em alguns, ela rasteja
através do "portão do jardim ', o pequeno buraco no final do figo (Figura 10.2). Em
outras espécies, é tarefa dos homens para cortar um buraco na parede da fig através do
qual as fêmeas saem, e eles fazê-lo em colaboração, com dezenas de homens
trabalhando juntos. O papel do macho na vida é agora acabou, mas a mulher tem seu
grande momento ainda antes dela. Ela voa no ar pouco habitual, procurando,
provavelmente pelo cheiro, por outro fig de suas próprias espécies único direito. A fig
individual que ela procura também deve estar em {302}
Figura 10.2 O portão do jardim: exterior da figura para mostrar a entrada.
a fase de direita de sua vida, a fase em que flores femininas estão maduras.

Tendo encontrado o tipo certo de figo, a fêmea localiza o buraco minutos na ponta do
mesmo e rastreia através para o interior escuro. A porta é tão estreita que ela é
susceptível de arrancar suas asas pelas raízes como ela aperta completamente. Os
investigadores que examinaram poros figo {303} tê-las encontrado entupidos com asas
desencarnados, antenas e outros fragmentos de vespas. Do ponto de vista do figo, a
vantagem de ter uma entrada tais desconfortavelmente estreita é que ele mantém a
parasitas indesejados. O desafio asa-tearing executado pela fêmea, provavelmente,
também serve para limpar a limpa de sujeira e bactérias prejudiciais. Do ponto de vista
da vespa, mesmo que seja doloroso ter suas asas arrancadas pelas raízes, ela nunca vai
precisar deles de novo e eles provavelmente teriam prejudicado seus movimentos nos
confins de um jardim fechado. Lembre-se que as formigas rainha muitas vezes morder
suas próprias asas quando acabarem o seu vôo nupcial e ter atingido a fase em que as
asas iria ficar no caminho subterrâneo.

Dentro do figo, a vespa fêmea põe a sua missão final antes de ela morrer, e é um dual.
Ela poliniza todas as flores femininas que ela visita no interior do figo, e ela põe os ovos
em alguns deles. Não em todos. Se ela pôs ovos em todas as flores de um figo, que fig
teria falhado como órgão de reprodução para a árvore - todas as suas sementes teria sido
comido por larvas de vespa. Será que isso sparing de algumas flores betoken contenção
altruísta por parte da vespa? Essa é uma questão que precisa de um tratamento
cuidadoso. Existem certas maneiras Darwinistically respeitáveis em que um tipo de
restrição por parte de vespas podem evoluir para a existência. Mas há pelo menos
algumas espécies em que a figueira cuida de seus próprios interesses pelo racionamento
o número de flores em que a vespa está autorizado a pôr ovos. As técnicas são
engenhosos e eu vou desviar-se de minha conta do ciclo de vida normal apenas o tempo
suficiente para descrever dois deles.

Em algumas espécies, o figo contém dois tipos de flores femininas, longo estilo e
brevistilas. (O estilo é a parte feminina espetado que fica no meio de qualquer flor.) A
vespa tenta colocar ovos nas flores de ambos os tipos, mas ela ovipositor é muito curta
para chegar à base das flores longo-denominado para que ela desiste e segue em frente.
Só quando ela se conecta com uma flor pequena de estilo faz o seu ovipositor bateu no
fundo, e ela coloca um ovo. Em outras espécies de figueira que falta a distinção entre
flores longistilas e brevistilas, o método da figueira de policiar o comportamento da
vespa pode ser mais draconianas. Ou assim acredita WD Hamilton, agora o meu colega
de Oxford e um dos principais sucessores hoje de Darwin. Hamilton sugere, com algum
apoio de seu {304} próprias observações no Brasil, que figueiras pode detectar quando
um figo tem sido sobre-explorados por vespas. Figos que têm ovos postos em todas as
suas flores são inúteis do ponto de vista da árvore. As vespas ter sido muito egoísta.
Eles mataram a galinha dos ovos de ouro. Ou melhor, de acordo com Hamilton, o ganso
comete suicídio. A figueira provoca um fig-over explorada para cair no chão, onde
todos os ovos de vespa dentro perecem. É tentador ver isso como vingança, e existem
modelos matemáticos teoricamente respeitáveis que pode nos libertar da suspeita de
antropomorfismo. Mas, neste caso, provavelmente o que a árvore está fazendo não é
tanto causando vingança como cortar suas próprias perdas. Não custa recursos para
amadurecer um figo, e os recursos são desperdiçados se usado para amadurecer um figo
arruinada por vespas gananciosos. Este tipo de linguagem jogo estratégico, aliás, em
que não temos medo de usar palavras como "vingança" e "policiamento", deverá repetir-
se ao longo deste capítulo. É legítimo, se tratada adequadamente, o que muitas vezes
acabam por significar o uso da teoria matemática dos jogos.

Voltando ao ciclo de vida da vespa comum, nossa fêmea tinha acabado de se contorceu
como Alice através da pequena porta, para nunca mais ver o mundo exterior novamente,
e ela começou a aliviar-se do pólen que se reuniram na fig do seu nascimento. O
comportamento polinização das vespas de figo do sexo feminino tem uma forma que faz
parecer deliberada. Longe de deixar o pólen ser acidentalmente escovado fora de seu
corpo, como acontece com a maioria dos insectos polinizadores, a fêmea de pelo menos
algumas espécies de vespa descarrega sua carga com o mesmo setor e atenção que ela
derramou sobre o carregamento para cima. Ela usa novamente as escovas em suas patas
dianteiras, sistematicamente pás pólen fora de seus bolsos feitos sob medida para as
escovas, e vigorosamente sacode-lo para a superfície receptiva da flor fêmea.

Colocando seus ovos em flores femininas da vespa fêmea traz a história do ciclo de vida
para o seu fim. Sua própria vida é longo, também. Ela rastreia a alguma fenda úmida do
jardim e morre fechado. Ela morre, mas ela deixa para trás megabits de informação
genética fielmente registrado em seus ovos, eo ciclo recomeça.

Dar ou tomar alguns detalhes que eu vou ampliar em em um momento, a história que
contei é semelhante para a maioria dos tipos de figos. Ficus, o gênero figo, é uma das
maiores nos reinos de vida. É também um género muito diversificada. Para além das
duas espécies de comestíveis (por nós) figos, do género {305}
Figura 10.3 (a) estrangulador fig; (b) baobá entrelaçado por figo estrangulador.

inclui a seringueira, a figueira sagrada, o Bo Ficus religiosa, sob a qual o Buda


contemplado, vários arbustos e trepadeiras, ea sinistra 'estrangular' figos dos trópicos. A
história dos figos estrangulando vale a pena contar. O chão da floresta é um lugar
escuro, carente de energia solar. É o objetivo de todas as árvores da floresta para
alcançar o céu aberto e do sol. troncos de árvores são folha-elevadores, aparelhos para
elevação de painéis solares - folhas - acima da sombra de árvores rivais. A maioria das
árvores estão fadados a morrer como mudas.Somente quando uma árvore adulta nas
imediações cai para baixo, superado por vendavais e anos, faz um jovem rebento ter a
sua oportunidade. Em qualquer ponto na floresta, este evento sorte pode acontecer
apenas uma vez em cem anos. Quando isso acontece, há uma corrida do ouro ao sol.
Todas as mudas na área, provenientes de muitas espécies, entrar numa corrida
desenfreada para ser o único a preencher a lacuna precioso no dossel. {306}
Mas os figos estrangulando descobriram seu próprio atalho sinistro e sua história iria
ofuscar a serpente do Gênesis (Figura 10.3). Em vez de esperar por uma árvore existente
para morrer, eles maquinam o evento. A figueira estrangulando começa a vida como um
alpinista. Ele envolve-se em torno de uma árvore existente de outra espécie e cresce
como um clematis ou rosa desmedido. Mas, ao contrário de um clematis, gavinhas do
figo estrangulando continuar a crescer mais robusta e mais forte. Ele implacavelmente
aperta o cerco sobre a árvore hospedeira lamentável, impedindo-o de crescer e,
eventualmente, atingir o equivalente botânico de estrangular até a morte. A figueira tem
agora crescido a uma altura respeitável, e é facilmente ganha a corrida para o patch de
luz desocupado pela árvore sufocada. A figueira é uma espécie de estrangulamento figo
com um adicional, notável, recurso. Tendo sufocado seu hospedeiro original, ele envia
raízes aéreas que, quando batem chão,{307} se tornar adequada, raízes de absorção,
mas, acima do solo, servem troncos como adicionais. Assim, a única árvore se torna
uma madeira inteira que pode ser 1.000 pés de diâmetro e pode fornecer abrigo para um
mercado coberto de médio porte na Índia.

Eu estive contando histórias de figo, em parte, para mostrar que os fatos sobre os figos
são pelo menos tão fascinante quanto qualquer coisa que meu professor do Capítulo I
foi capaz de desenterrar na mitologia ou na literatura, mas também para ilustrar uma
forma científica de abordar questões que possam servir como um exemplo salutar que
diletante literário. Os fatos que eu tenho tão brevemente narrados são o produto de
muitos homens-anos de trabalho meticuloso e engenhosa: o trabalho que merece o
prêmio, não porque é empregada aparelho elaborado ou caro "científica", mas porque
foi disciplinado por uma certa atitude de espírito . Grande parte da decifração da história
vespa-polinização simplesmente teria envolvido figos de corte aberto e olhar para
dentro. Mas olhando 'dá muito descontraído uma impressão. Não foi um gawping
passiva, mas uma sessão de gravação cuidadosamente planejado produzindo números
para ser alimentado em cálculos. Não basta arrancar figos e cortá-los. Sistematicamente
Figs amostra a partir de um grande número de árvores, a partir de determinadas alturas,
e em épocas específicas do ano. Não basta olhar para as vespas se contorcendo dentro:
identificá-los, fotografá-los, de forma precisa desenhá-los, contá-los e medi-los.
Classificá-los por espécie, sexo, idade e localização na fig. Enviar espécimes para
museus para a identificação por comparação detalhada com os padrões
internacionalmente reconhecidos. Mas não faça medições e contagens
indiscriminadamente apenas para o bem dela. Fazê-los no serviço de testar hipóteses
estabelecidas. E quando você olha para ver se suas contagens e medições encaixar as
expectativas de sua hipótese, estar ciente, em detalhe calculados, como provável é que
seus resultados poderiam ter sido obtida por acaso e não significam nada.

Mas vamos voltar à fig-se vespas. Eu disse que, no caso de muitas espécies de vespas de
figo, os machos em um figo colaborar para cavar um buraco através do qual todas as
fêmeas pode escapar. Por quê?Por que não um homem, uma vez que os seus colegas
estão indo para fazer o buraco, sentar e deixá-los a isso? Aqui, em microcosmo, é um
enigma que intriga continuamente biólogos: o quebra-cabeça de altruísmo. Um
problema adicional dificulta o biólogo procurando explicar o assunto para não-
especialistas.{308} O senso comum raramente percebe como um quebra-cabeça em
tudo. Assim, o biólogo, antes que ele possa começar a elogiar a criatividade da solução,
tem de começar por convencer sua audiência que já houve um quebra-cabeça que exige
uma solução especial em primeiro lugar. No caso especial das vespas de figo do sexo
masculino, a razão, é um quebra-cabeça é esta. Um macho que se sentar e deixar que
seus colegas fazer o buraco seria capaz de salvar-se toda a sua energia para
acasalamento com as fêmeas, com a certeza de que ele não precisa manter-se de volta
para o esforço de fazer o buraco. Outras coisas sendo iguais, genes por se recusar a
ajudar se espalharia à custa de genes rivais para cooperar na tomada de buraco. Para
dizer que os genes para X vai se espalhar em detrimento da Y é equivalente a dizer que
Y vai desaparecer da cena, suplantado por X. Claro, a consequência disso seria que
nenhum furo seria escavado, e todos os homens seria sofrer. Mas isso não é por si só
uma razão para esperar que os homens para cavar. Pode ser uma razão, se eles tinham
previsão humana, mas, supondo que eles não têm, a seleção natural será sempre
favorecem benefício de curto prazo. Dado que todo o resto dos homens estão cavando,
benefício de curto prazo vai ser apreciado por um indivíduo do sexo masculino que opta
para fora e salva sua energia. Sobre este argumento, escavação deve desaparecer da
população, impulsionada pela seleção natural. O fato de que isso não acontece nos
apresenta um quebra-cabeça. Felizmente é um quebra-cabeça que sabemos que, em
princípio, como resolver.

Parte da solução pode estar no parentesco: na alta probabilidade de que todos os homens
em um determinado fig são irmãos. Irmãos tendem a compartilhar cópias dos mesmos
genes. Uma vespa que ajuda a cavar um buraco estará lançando não só as fêmeas com
quem tem acasalaram mas as fêmeas com quem seus irmãos acasalaram. Cópias dos
genes que cavar cooperativa Foster irá derramar através do buraco, montando nos
corpos de todas estas fêmeas. É por isso que esses genes persistem no mundo, e que é
uma boa explicação para a persistência do comportamento entre os homens.

Mas o parentesco não é provavelmente a resposta completa. Não vou soletrar, mas há
um elemento de jogos de jogo que não tem nenhuma ligação com fraternidade e isso se
aplica à cooperação entre vespa e fig. Toda a história de vespas e figos está impregnado
de duras negociações, de confiança e traição, da tentação de defeito policiada por
retaliação inconsciente. Já tivemos um gosto deste na{309} teoria de Hamilton sobre
figos sobre-exploradas caindo ao chão. Como tantas vezes, eu tenho que dar um aviso
ritual que ele realmente é tudo inconsciente. Este é superficialmente óbvio para a
metade fig da história, uma vez que nenhuma pessoa sã pensa plantas são conscientes.
Vespas pode ou não ser, mas para os fins deste capítulo estamos tratando estratégia
vespa como estando no mesmo plano que a estratégia de uma figueira indubitavelmente
inconsciente.

O jardim fechado é um paraíso cultivada em benefício de pequenos insetos e não


surpreendentemente, é o lar de uma rica e contorcendo fauna liliputianos, e não apenas
as vespas cujos serviços de polinização fazer tudo, em última instância possível.
Miniaturizado besouro, mariposa e larvas de moscas são abundantes, assim como os
ácaros e pequenos vermes. Há predadores à espreita logo no portão do jardim, à espera
de ganhar dinheiro com a rica fauna dentro (Figura 10.4).

Os verdadeiros polinizadores não são os únicos vespas em miniatura que vivem em


figos e são aglomeradas sob o nome genérico de "vespas de figo '. Há aproveitadores,
parentes distantes dos polinizadores de boa fé e parasitárias sobre eles. Em vez de
introduzir o fig através do orifício na parte superior, {310}
Figura 10.4 perigos de ser uma vespa fig. Uma formiga espreita fora do portão do
jardim à espera de vespas a surgir.

estas vespas parasitas são normalmente injetado como os ovos através da parede da fig
via hipodérmica espetacularmente longa e fina que é ovipositor exclusivamente
especializado de sua mãe (Figura 10.5). Profundo dentro do figo, a ponta do
hipodérmica procura as florzinhas em que os ovos de verdadeiros, polinização vespas de
figo tenham sido estabelecidas. Uma vespa parasita fêmea parece e funciona como uma
plataforma de perfuração, eo buraco que ela entedia através da parede do figo é, em sua
própria escala, equivalente a um 100 pés bem. Os machos são, muitas vezes sem asas,
como os verdadeiros homens de vespas (Figura 10.6). Para coroar a história, não são
parasitas de segunda ordem, vespas que se escondem ao lado de uma vespa "perfurar-
rig", esperando por ela para terminar o trabalho. Assim que ela puxa para fora, o
hiperparasitos desliza sua própria ovipositor, mais modesto no furo buracos e insere seu
próprio ovo.

Como as vespas polinizadoras si mesmos, os indivíduos das várias espécies de parasitas


Freeloading estão jogando jogos complicados de estratégia com o outro. Este foi
investigada pelo mesmo WD Hamilton, trabalhando no Brasil com sua esposa Christine.
Ao contrário dos polinizadores, as espécies Freeloader de vespas têm, frequentemente,
os machos alados, bem como as fêmeas aladas. Algumas espécies têm todos os machos
alados, algumas espécies
Figura 10.5 fig seccionado com fêmeas de vespas parasitas que acenam suas
"plataformas de perfuração" no ar. {311}
Figura 10.6 Freeloaders: vespas parasitas, Apocrypta perplexa , que não fazem
polinização, mas o benefício a partir da fig. (A) Feminino; (b) vista em miniatura da
mulher em posição de perfuração "; (c) do sexo masculino, sem asas e aparentemente
nada como uma vespa.

tem todos os machos sem asas e algumas espécies têm uma mistura de alado e machos
sem asas. machos sem asas, como os machos de espécies polinizadoras, nunca deixe o
seu figo natal, onde eles lutam, companheiro e morrer. machos alados são como
mulheres em voar para fora de sua fig natal, onde eles vão acasalar com qualquer
fêmeas que ainda não acasalaram. Assim, há duas formas alternativas de um ser do sexo
masculino, e algumas espécies exibem ambas as formas. Curiosamente, as espécies
mais raras são mais susceptíveis de ser alado e as espécies mais comuns com maior
probabilidade de ser wingless. Isso faz sentido porque um macho de uma espécie
comum é bastante provável que{312} encontrar uma fêmea da sua própria espécie na
mesma fig. Um macho de uma espécie raros, no entanto, é provável que seja o único
membro da sua espécie em sua fig. Sua melhor esperança de encontrar um companheiro
é voar para procurar um. Na verdade, os Hamilton descobriu que os machos alados, na
verdade, se recusam a acasalar até que eles voaram fora de sua fig natal.

De um ponto de vista estratégico, estamos especialmente interessados nas espécies que


têm dois tipos de machos. É quase como ter um terceiro sexo. Na verdade, os machos
alados olhar muito mais como mulheres do que eles se parecem com os machos sem
asas. Machos e fêmeas aladas são quase crível como vespas, embora eles são
minúsculos. Mas os machos sem asas não são nada como vespas para olhar. Muitos têm
mandíbulas pmcer selvagens que os fazem parecer um pouco como tesourinhas
miniatura indo para trás. Eles parecem usar essas mandíbulas única para a luta -
dilacerantes e de corte até a morte outros machos que se deparam à medida que
perseguir o comprimento ea largura do escuro jardim em silêncio, úmido, que é o seu
único mundo. Professor Hamilton nos dá uma descrição memorável.

Sua luta parece ao mesmo tempo cruel e cauteloso - covarde seria a palavra exceto que,
pensando bem, isso parece injusto em uma situação que só pode ser comparada em
termos humanos para uma sala escura cheia de empurrões pessoas entre as quais, ou
então escondido em armários e recessos que se abrem em todos os lados, uma dúzia ou
homicídios tão maníacos armados com facas. Uma mordida é facilmente fatal. Uma
grande Idarnes macho é capaz de morder em outro meio, mas normalmente uma
mordida letal é bastante pequeno furo no corpo. Paralisia segue uma pequena lesão tão
regularmente e rapidamente a ponto de sugerir o uso de veneno ... Se não houver graves
resultados de prejuízo dos primeiro ou segundo tentativas recíprocas para morder, um
dos machos, ferido talvez pela perda de um [pés] ou em algum maneira sentindo-se
derrotado, retiros e tenta esconder ... a partir desta posição, ele pode morder as pernas
do vencedor ou outro macho passagem com muito menos perigo ... um frutificação de
uma grande árvore de Ficus provavelmente envolve vários milhões de mortes devidas
para combater.

O fenômeno de uma espécie que tem dois tipos distintos de machos não é desconhecido
em outros lugares entre os animais, mas nunca é tão pronunciada como no caso das
vespas fig Freeloader. Há veados dos cervos vermelhos individuais chamados Hummels
que não possuem chifres ainda parecem{313} fazer uma exibição respeitável de
reproduzir-se em concorrência com seus rivais de chifres. Teóricos têm distinguido duas
possibilidades para o que está acontecendo em tais casos. Um deles é o "melhor de um
mau trabalho" teoria. Isso provavelmente se aplica a uma espécie de abelha solitária
chamado Centris pallida. Os dois tipos de abelhas macho são chamados de
"patrulheiros" e "hoverers '. Patrulheiros são grandes. Eles procuram activamente para
as mulheres que ainda não eclodiram fora de seus viveiros subterrâneas, cavar e acasalar
com eles subterrâneo. Hoverers são pequenos. Eles não cavar, mas pairar no ar,
esperando o surgimento das poucas mulheres voadores que os patrulheiros perdidas
subterrâneo. A evidência sugere que os patrulheiros fazer melhor do que os hoverers
mas, uma vez que você é um macho pequeno, com pouca chance de sucesso como um
patrulheiro, você pode fazer o melhor de um mau trabalho ao passar em seu lugar.
Como sempre, esta é genética, não consciente, escolha.
A outra teoria sobre como podem coexistir dois tipos de machos em uma espécie é a
teoria equilíbrio estável. Parece que este pode aplicar no caso dos penetras do figo. A
idéia aqui é que ambos os tipos de sexo masculino sucesso igualmente bem quando eles
existem em uma proporção especial, equilibrado na população. O que mantém a
proporção equilibrada é isso. Quando um macho é um membro do tipo mais raro ele faz
bem, especialmente porque ele é raro. Portanto, mais de sua espécie nascem, e eles,
consequentemente, deixam de ser raro. Se tiverem sucesso tão bem que eles tornaram-se
comuns, o outro tipo têm agora a vantagem em virtude de ser relativamente raro e
consequentemente tornar-se mais comum novamente. Assim, a proporção é regulada,
em vez da forma de um termostato. Eu já contei a história como se deu origem a
oscilação selvagem, mas isso não precisa ser, mais do que uma sala com termóstato
oscila descontroladamente na temperatura. a proporção de equilíbrio estável, nem tem
de ser de 50 - 50. Qualquer que seja a proporção de equilíbrio pode ser, selecção natural
continua empurrando a população de volta para ele. A proporção de equilíbrio que é
proporção em que os dois tipos de macho fazer igualmente bem.

Como pode algo como isto próprio trabalho no caso dos penetras do figo? O primeiro
fato que precisamos é que as fêmeas dessas espécies parasitas tendem a colocar apenas
um ou dois ovos em um figo antes de passar para outro (eles picar seu ovipositor, você
vai se lembrar, {314}
Figura 10.7 Um Jardim fechado.

a partir do exterior da FIG). Há boas razões para isto.Se uma fêmea colocou todos os
seus ovos em uma figueira, suas filhas e filhos (sem asas) seria provavelmente para
acasalar com o outro, e isso é bem compreendido que o incesto é uma coisa ruim, para o
mesmo tipo de razão como flores evitar auto polinização. De qualquer forma, é um facto
que as fêmeas se espalham seus descendentes em torno esparsamente entre figos. Uma
consequência é que haverá, por sorte, ser um número de figos que acontecem não ter
todos os ovos de espécies de todo. E haverá um número que acontecer de ter nenhum
ovo do sexo masculino e um número que acontecem não têm óvulos femininos.

Agora pense sobre as possibilidades que possam enfrentar uma vespa macho sem asas.
Se ele escotilhas em um figo com nenhuma mulher, não há nada que ele possa fazer.
Isso é o fim dele, geneticamente falando. Mas se existem fêmeas em tudo em sua figura,
ele tem uma boa chance de acasalar com eles, embora em concorrência com outros
machos da sua espécie - e não é de admirar estas pequenas vespas do sexo masculino
estão entre os melhores armados e mais {315} combatentes implacáveis no reino
animal. Poucas mulheres deixam seus figos unmated se existem machos sem asas
dentro. Alguns figos vai acontecer de ter óvulos femininos, mas sem ovos masculinos.
Estas fêmeas vai deixar o figo unmated, e os únicos homens que podem acasalar com
eles são machos alados fora.

machos alados, então, pode prosperar apenas se houver alguns figos que acontecem ter
vespas fêmeas, mas não os machos sem asas. Qual a probabilidade de isso? Ela depende
de como densamente povoada as vespas são, em relação às Figs. E também depende da
fracção de machos que têm asas. Se as vespas em geral, são raros em comparação com
figos, ovos de vespa serão poucos e distantes entre si, e você pode esperar encontrar
pelo menos alguns figos que têm apenas fêmeas. machos alados vai fazer relativamente
bem sob estas condições. Agora veja o que acontece se a população vespa é alta. A
maioria das Figs terá várias vespas neles, de ambos os sexos. A maioria das mulheres
será acoplado por machos sem asas antes de deixarem seus figos, e os machos alados
vai fazer mal.

Hamilton fez estes cálculos de forma mais precisa. Ele concluiu que, se o número médio
de ovos de acordo com a Fig macho é maior do que cerca de três, machos alados quase
nunca reproduzir. Em todas as densidades mais altas do que esta, a seleção favorecerá
winglessness entre os machos. Se o número médio de ovos de machos por figo é um ou
menos, os machos sem asas vai fazer mal porque eles quase nunca encontram-se a
partilha de um figo com outra vespa, e muito menos uma mulher. A seleção natural
nestas condições vai favorecer asas entre machos. Em densidades populacionais
intermediários, a teoria equilíbrio estável entra em jogo e a seleção natural favorece uma
mistura de machos alados e sem asas na população.

Uma vez que temos a teoria de equilíbrio estável em ação, a seleção natural favorece
qualquer tipo masculino é a minoria, ou melhor, qualquer tipo macho existe a menos do
que a frequência crítica, seja qual for a frequência crítica é. Podemos então dizer como
um atalho que a seleção natural está favorecendo a frequência crítica. Como para o
próprio frequência crítica, que irá variar de espécie para espécie, dependendo da
densidade absoluta de vespas em comparação com as figs. Podemos pensar em
diferentes espécies de vespa, com as suas várias densidades vespa / figo, como por
exemplo os vários quartos com termóstato. Cada quarto tem seu termostato regulado
para um diferente {316} a temperatura. Por exemplo, em uma espécie onde o número
médio de ovos de machos por figo é três, a seleção natural favorece uma mistura de
machos na população com cerca de 90 por cento deles sem asas. Em uma espécie em
que o número médio de machos por figo é dois, a seleção natural favorece uma mistura
de machos com cerca de 80 por cento deles sem asas. Lembre-se que a condição de que
estamos a falar é uma média de dois homens por fig. Isso não significa que cada figo
tem exactamente dois machos. Esta média de dois é composta de alguns figos sem
machos, alguns com um, alguns com dois, alguns com mais do que duas. Os alados de
20 por cento do sexo masculino fazem a sua vida genética não dos figos com dois
machos (cujas fêmeas são susceptíveis de ser pego antes de saírem da fig), mas a partir
dos figos sem machos em todos.

Qual é a evidência, na prática, que a teoria equilíbrio estável está a trabalhar entre esses
vespas, em vez de o melhor de uma teoria mau trabalho? A principal diferença entre as
duas teorias é que na primeira teoria, mas não o segundo, ambos os tipos de vespa
macho deve fazer igualmente bem. Os Hamiltons encontraram evidências sugerindo que
os dois tipos de homem realmente ter sucesso igualmente bem em acasalar com as
fêmeas. Eles olharam para dez espécies diferentes. Eles descobriram que, em todas as
espécies, a proporção de asas de machos sem asas foi aproximadamente igual à
proporção de mulheres que deixaram seus figos natais unmated. Assim uma espécie em
que 80 por cento das fêmeas voou para fora de seus figos natais não acasalados, foi
também uma espécie em que 80 por cento dos machos foram alado. Uma espécie em
que 70 por cento das fêmeas foram acasalados antes de deixar seus figos natal também
foi uma espécie em que 70 por cento dos homens eram sem asas. Ele realmente se
parece como se as proporções dos dois tipos de homens são exatamente o que deve ser o
de assegurar uma participação igual de mulheres em todo redor. Esta é uma evidência
para a teoria de equilíbrio estável e contra o melhor de uma teoria mau trabalho.
Desculpe que era tão complicado, mas que é par para o curso no mundo de figos.

Vamos deixar as vespas Freeloader e voltar para os verdadeiros vespas de figo, a boa-fé,
polinizadores figo especialista. Se você acha que a saga freeloader foi complicado,
prepare-se para isso, minha história final. Eu levar algum orgulho em tentando o meu
melhor para explicar as questões difíceis e complicadas, mas o seguinte pode me
derrotar. Deixe-me fazer o meu melhor e, se eu falhar, {317} culpar os figos e os seus
parceiros as vespas. Ou, não culpá-los ou me mas a evolução do crédito para a
maravilha sutil dessa dança complexa ao longo do tempo evolutivo. É preciso algum
trabalho para seguir estas páginas finais do livro, mas eu gosto de esperar que vale a
pena o esforço.

Os figos em que a seguinte história se passa são "dióico '. Isto significa que, em vez de
ter um tipo de figura que contém flores masculinas e femininas, como as árvores
"monóica 'temos até agora falamos, há árvores do sexo masculino e árvores do sexo
feminino. árvores fêmeas produzem figos contendo apenas flores femininas. árvores
masculinas fazer figos contendo flores masculinas, mas isso não é tudo. Estes chamados
figos masculinos também conter flores pseudo-fêmea e isto é muito importante para as
vespas. Ao contrário das flores femininas reais nos figos femininos, as flores pseudo-
mulher em os figos masculinos não pode definir semente, mesmo se eles são
polinizadas. O que eles são bons em está fornecendo comida para vespas do bebê, e -
assim, irá travar um conto - eles precisam ser polinizadas antes que eles vão fazer isso.
As flores femininas férteis os figos só de mulheres são um cemitério genético para
vespas que eles são vitais para a reprodução fig. vespas fêmeas inseri-los e polinizam-
los, mas os ovos não pode crescer neles.

Aqui temos os elementos de um jogo estratégico ricos que podemos descrever em


termos da "quer" (no sentido darwiniano especial) dos vários jogadores. Ambos
"querer" vespas figos masculinos e femininos para inseri-los, mas as vespas deseja
inserir figos único homem - e então somente por causa das flores nutritivos pseudo-
mulher dentro deles. A árvore do sexo masculino quer ovos serem postos em suas flores
pseudo-mulher para que a jovem fêmea que eclodem irá então carregar-se com o pólen
da fig masculino e voar com ele. A árvore não tem interesse direto em vespas do sexo
masculino para incubação dentro de seus figos porque vespas do sexo masculino não
transportam pólen. Isto pode parecer surpreendente, pois as vespas do sexo masculino
são, afinal, necessário para a continuidade da raça de vespas de figo. Nós, o povo, com a
nossa propensão para olhar para frente e pensar nas conseqüências maiores de nossas
ações, achar que é difícil limpar nossas mentes a idéia de que a seleção natural também
olha para frente. Eu já fiz este ponto em outra ligação. Se a seleção natural eram capazes
de tomar a visão de longo prazo, animais e plantas iria tomar medidas para preservar a
raça - a sua própria e aqueles que dependem de como suas presas e seus polinizadores.
Mas a natureza, ao contrário dos humanos com {318} cérebros, não tem nenhuma
previsão. "Genes egoístas" e benefício de curto prazo são sempre favorecidos em um
mundo onde os outros estão lidando com as necessidades de longo prazo da raça. Se
uma figueira indivíduo poderia fugir com promovendo nada, mas vespas fêmeas que iria
fazê-lo, com base em outras figueiras para produzir os machos necessários para
preservar a raça de vespas. O ponto é que, enquanto as outras árvores estão produzindo
vespas do sexo masculino, uma única árvore rebelde egoísta que descobriu uma maneira
de aumentar a sua produção de vespas fêmeas, e, consequentemente, aumentar a
quantidade de pólen que poderia exportar, teria uma vantagem. À medida que as
gerações se passaram, mais e mais árvores se tornaria egoísta, baseando-se cada vez
menos árvores para produzir as vespas machos necessários. Finalmente, a última árvore
com uma propensão para nutrir vespas do sexo masculino iria morrer, porque ele ainda
estaria fazendo bem menos do que seus rivais que produzem apenas vespas fêmeas.

Felizmente, parece que as figueiras não têm controle sobre a razão sexual das vespas
criados em seus figos. Se eles pudessem controlá-lo, é provável que os figos masculinos
desapareceria ea corrida de vespas de figo morreria. O fato de que a corrida de figueiras,
então, também morrer seria muito ruim. A seleção natural não pode olhar tão longe. As
árvores razão figueiras não têm controle sobre relações de sexo vespa é provavelmente
que as vespas, que também têm interesse em controlar a sua própria razão de sexo, têm
o poder dominante.

A figueira feminina também quer (mais uma vez no sentido darwiniano especial) vespas
fêmeas a entrar os seus figos, caso contrário suas flores femininas não será polinizada.
Uma vespa fêmea quer entrar figos masculinos, porque só lá ela vai encontrar as flores
pseudo-mulher em que ela larvas podem crescer. Ela quer evitar figos femininos como a
peste, porque uma vez que ela entrou que ela é geneticamente mortos. Ela não terá
descendentes. Expressa de forma mais rigorosa, os genes que tornam as vespas entrar
figos femininos não serão transmitidos às gerações futuras. Se a seleção natural estavam
trabalhando em vespas sozinho, o mundo se tornaria cheia de vespas que discriminam
os figos femininos e em favor de figos masculinos com suas encantadoras ovo-cosies
pseudo-mulher.

Mais uma vez, nós, humanos, quer interromper e dizer: 'Mas, certamente, as vespas de
figo deve querer alguns de seus números para entrar figos femininos, porque, embora
estes podem ser cemitérios para genes de vespas individuais, eles {319} são de vital
importância para a continuação da corrida de figueiras. Se a corrida de figueiras se
extingue, a corrida de vespas de figo em breve iria segui-los. ' Esta é a imagem
espelhada exata de nosso argumento anterior. Dado que algumas vespas de figo são
tolos o suficiente, ou altruístas o suficiente, para entrar figos femininos, a seleção
natural favorecerá uma vespa indivíduo egoísta que descobre como evitar figos
femininos e entrar figos único macho. O egoísmo entre vespas é obrigado a ser
favorecidos em detrimento de qualquer tendência de espírito público para trabalhar para
a continuação da corrida. Então, por que não figueiras e vespas de figo se extinguir?
Não por causa de altruísmo ou previsão, mas porque o egoísmo em cada lado da divisão
vespa / figo é impedida por contra-medidas egoístas do outro lado. O que impede vespas
fêmeas de fazer a coisa egoísta e evitando figos femininos é ação direta tomadas pelas
figueiras-se para frustrar would-be vespas egoístas. a seleção natural favoreceu táticas
enganosas por figos femininos, tornando-se tornado tão como figos masculinos que as
vespas não pode dizer a diferença.

Então, o nosso jogo entre vespas e figos tem uma simetria fascinante. Há oportunidades
em ambos os lados para os indivíduos para ser egoísta. Se qualquer um destes dois
impulsos egoístas sucedido, tanto as vespas e as figueiras pode se extinguir. O que
impede que isso aconteça não é contenção altruísta, nem previsão ecologicamente
conscientes. O que impede que isso aconteça é a ação policial direta por jogadores
individuais, por outro lado, em cada caso, agindo em seu próprio interesse egoísta.
figueiras que, se pudessem, abolir vespas do sexo masculino, garantindo, assim, aliás, as
vespas ", e os seus próprios, extinção. Eles estão impedidos de o fazer pelas vespas, que
têm interesse na criação de vespas de ambos os sexos. vespas de figo que, se pudessem,
evitar entrar figos femininos e, incidentalmente, assim, garantir as árvores "e sua própria
extinção. Eles estão impedidos de o fazer pelas árvores, que tornam difícil dizer a
diferença entre os figos masculinos e femininos.

Para resumir, até agora, podemos esperar tanto figueiras masculino e feminino para
fazer tudo em seu poder para atrair vespas em seu próprio tipo de fig. E podemos
esperar que as vespas se esforçar para dizer a diferença entre os figos masculinos e
femininos, para introduzir o primeiro e evitar o segundo. Lembre-se que "luta" significa
que, ao longo do tempo evolutivo, eles virão {320} a possuir genes que conferem uma
predileção para os figos masculinos. Mais contortedly, nós também descobriremos que
ambas as figueiras masculino e feminino deve ter um interesse em promover vespas que
entram figos do outro sexo. Neste argumento difícil, eu estou seguindo um papel
brilhante por dois biólogos britânicos: Alan Grafen, um dos teóricos matemáticos mais
importantes moderna do darwinismo, e Charles Godfray, ecologista líder e
entomologista.

Que armas não figueiras tem em jogar seu jogo de estratégia? árvores do sexo feminino
podem fazer seus figos olhar, e sentir o cheiro, tanto como figos masculinos quanto
possível. Mimetismo, como vimos em capítulos anteriores, é um fenômeno comum nos
reinos de vida. bichos-pau se assemelham a varas não comestíveis e, portanto, são
ignorados por aves. Muitas borboletas palatáveis assemelham borboletas desagradáveis
de uma espécie completamente diferente que as aves aprenderam a evitar. Orquídeas de
várias espécies imitar abelhas, moscas e vespas. Mimetismo deste tipo tem naturalistas
encantado desde o século XIX e tem muitas vezes enganado coletores tão eficazmente
como presumivelmente tolos outros animais. Embora o objeto de espanto e
incompreensão no passado, é agora claro que o mimetismo, de perfeição quase
ilimitado, rapidamente evolui por seleção natural. Mimetismo da (desejável vespas)
figos masculinos por (indesejáveis às vespas) figos femininos é certamente de se
esperar, mas a sequela é - para dizer o mínimo - menos óbvio e precisa de muito mais
pensar fora. Esperamos também que os figos masculinos para sair da sua forma de olhar
e sentir o cheiro, como figos femininos. Aqui está o porquê.

Uma árvore do sexo masculino "quer" vespas fêmeas para entrar seus figos e põem ovos
nas flores pseudo-mulher lá. Mas os ganhos de figo deste apenas na medida em que os
jovens vespas fêmeas que, posteriormente, eclodem continuar a desempenhar o seu
papel atribuído. As novas fêmeas deve carregar-se com pólen, deixar o figo natal e, em
seguida, pelo menos alguns deles devem entrar no cemitério genético de um figo
feminino e polinizam-lo (propagação, assim, os genes do figo, embora não o vespas
'próprio). A fig macho que se parece muito diferente de figos femininos podem ser
muito bem sucedido em ajudar vespas fêmeas para atingir sua meta de entrar apenas
flores masculinas e colocar seus ovos. Mas as filhas dessas vespas tendem a herdar o
gosto de suas mães nas figuras. As vespas filha vai herdar uma tendência a {321} ir
apenas para os figos masculinos e eles serão inúteis a propagar os genes do figo em que
eclodiram (embora boa em propagar seus próprios genes).

Agora, considere uma árvore macho rival cujos figos assemelham figos femininos. Pode
ser mais difícil para ele para atrair vespas fêmeas, que serão adiadas uma vez que eles
estão tentando evitar figos femininos. Mas essas vespas fêmeas que não conseguem
atrair será um subconjunto especialmente selecionadas de vespas fêmeas: eles serão
vespas fêmeas que tenham sido tolo o suficiente (a partir de seu próprio ponto de vista)
para introduzir um figo que se parece com um figo feminino. Estas vespas vai colocar
seus ovos nas flores pseudo-mulher, como antes. Como antes, as suas filhas herdarão
gosto de suas mães nas figuras. E agora, pensar sobre o que o gosto será. Estes jovens
vespas veio de mães que de bom grado e ansiosamente entraram um figo masculino que
parecia uma figura feminina, e suas filhas irão herdar sua propensão (tolo do seu ponto
de vista). Suas filhas vão sair para o mundo, olhando para os figos que se parecem com
figos femininos. E uma proporção saudável vai encontrá-los - matando assim os seus
próprios genes, mas colocando o pólen da fig masculino exatamente onde ele quer.
Estas fêmeas enganados deitar fora os seus próprios genes, mas eles carregam genes de
figo bem sucedidos em suas cestas de pólen, incluindo genes para produzir figos
masculinos figos femininos imitar. genes de figo de árvores rivais, genes que tornam os
figos masculinos muito diferente de figos femininos, vai também ser transportados em
cestas de vespa pólen. Mas esses baixos-ketfuls de pólen são mais propensos a ser
jogado fora - do ponto de vista da fig masculino - no cemitério genético de outros figos
masculinos. Daí figos masculinos vai "conspirar" com figos femininos para tornar mais
difícil para as vespas para discriminar entre eles e evitar a sua cemitério genético. figos
masculinos e figos femininos vai 'concordam' em 'querer' para ser indistinguíveis.

Como Einstein uma vez exultou, sutil é o Senhor! Mas, se você pode suportar, a coisa se
complica. As flores pseudo-mulher, dentro figos masculinos, necessitam de ser
polinizadas se eles estão a fornecer o alimento que uma vespa larva necessidades.
Portanto, não há dificuldade em compreender, do ponto de vista, por que ela
activamente carrega-se para cima com o pólen de uma vespa fêmea; nenhuma
dificuldade em entender por que as fêmeas têm cestas especiais de transporte de pólen
em vez de apenas se tornar acidentalmente polvilhado com pólen. vespas fêmeas têm
tudo a ganhar com a realização de pólen. Eles precisam {322} pólen para provocar
flores pseudo-mulher para fazer comida para suas larvas. Mas Grafen e Godfray
salientar que ainda temos um problema do outro lado desta relação notável. Temos um
problema quando voltar para os figos. Por que as flores pseudo-mulher em um figo
masculino precisam ser polinizadas antes que eles vão alimentar as larvas de vespa?
Não seria mais simples apenas para fornecer alimento para as larvas de vespa se
polinizadas ou não? figos masculinos precisa para alimentar as larvas de vespa de modo
que eles vão levar o pólen afastado para figos femininos. Mas porque é que as flores
pseudo-mulher insistem em ser polinizadas antes que eles vão produzir comida?

Imagine uma árvore masculina mutante que se tornou menos exigente: um esporte que
relaxou esta exigência e larvas de vespa autorizados a desenvolver, mesmo se colocada
em flores unpollinated. Esta árvore mutante parece ter uma vantagem sobre os seus
rivais mais exigente porque iria produzir uma safra maior de jovens vespas. Pense nisso.
Qualquer fig será introduzido por algumas mulheres que, por uma razão ou outra, não
têm qualquer pólen em suas cestas. Na fig exigente, as fêmeas podem pôr ovos, mas as
larvas resultante vai morrer de fome e não há jovens polinizadores irá resultar. Mas
agora olhar para o rival, mutante, figo não exigente. Se ele é inserido por uma mulher
pólen-menos, não importa. Sua larvas vai crescer independentemente e eclodem em
jovens vespas saudáveis. O figo não exigente irá produzir uma safra maior de jovens
vespas porque elevará a descendência não apenas de vespas de transporte de pólen, mas
também de vespas que não conseguiram levar o pólen. Então, o figo masculino não
exigente terá uma clara vantagem sobre o figo masculino exigente, porque ele vai
produzir um exército maior de jovens vespas fêmeas para transportar seu pólen fora e no
futuro genético. não é?

Não, não vai, e aqui é a sutileza quase demasiado complicado que Grafen e Godfray
discernido. Este pequeno grande exército de jovens vespas fêmeas, fervilhando fora da
fig não exigente, vai certamente ser numerosos. Mas - o argumento é como o anterior -
eles vão herdar as tendências de suas mães. Suas mães - especificamente as mães das
vespas excedentes, as vespas que o figo não exigente produz mais e acima de seus rivais
agitados - tinha uma falha. Eles não conseguiram pegar o pólen, ou por algum outro
motivo não para polinizar a flor em que suas larvas cresceu. É por isso que as larvas
extras são extra em tudo. E as larvas extra vai tendem a herdar a falha. Eles tendem a
não pegar pólen, ou de outra forma tenderá a ser maus polinizadores. É quase tão {323}
que o figo masculino exigente deliberadamente impõe um obstáculo para as vespas que
entram nele. Ele testa-los para ver se eles vão fazer às flores pseudo-mulher tudo o que
eles teriam que fazer para uma flor feminina real. Se não o fizerem, suas larvas não
estão autorizados a desenvolver. Ao impor este teste, o figo masculino está
selecionando os genes de vespas que tendem a tornar vespas bom em transmitir genes
de figo. Grafen e Godfray chamá-lo de "seleção vicária. É um pouco como a seleção
artificial, tal como nos conhecemos no Capítulo I, e ainda não completamente como ele.
flores pseudo-mulher são como simuladores usados para eliminar os pilotos não
qualificados para pilotar aviões reais.

seleção vicária é uma idéia nova e fornece as respostas a problemas ainda mais sutis.
genes de figo e genes de vespas são parceiros, presos juntos em uma valsa rápida
através do tempo geológico. A maioria das muitas espécies de figo tem, como vimos, as
suas próprias espécies particulares de vespa. Figos e suas vespas evoluíram juntos - "co-
evoluído» - na etapa com o outro e fora de sintonia com outras espécies de figueira e
vespas. Temos visto a vantagem de este a partir do ponto de vista dos figos. Sua espécie
particular de polinização vespa é a bala mágica final. Ao cultivar um, e apenas um,
espécie de vespa, eles têm como alvo seu pólen estritamente aos figos femininos de sua
própria espécie e nenhum outro. Eles não perdem o pólen da forma que fariam se
tivessem que compartilham as mesmas espécies de vespa, uma espécie que
promiscuamente visita todas as espécies de figueira. Se essa lealdade estrita a uma
espécie de figueira também beneficia as vespas é menos claro, mas eles provavelmente
não têm escolha. Por motivos que não vêm ao caso, as espécies, ocasionalmente evoluir
longe um do outro, dividindo-se em duas espécies. No caso de figueiras, quando
divergem no tempo evolutivo eles podem muito bem alterar as senhas químicos pelos
quais vespas reconhecem figos, e talvez também como bloqueio-e-chave detalhes como
a profundidade de suas flores minúsculas. espécies de vespas são obrigados a seguir o
exemplo. Por exemplo, aprofundando gradualmente flores no lado fig (bloqueio) do co-
evolução impor, gradualmente, alongando ovipositores na vespa lado da (chave) da co-
evolução.

Agora vem um problema peculiar reconhecido por Grafen e Godfray. Vamos expandir a
analogia chave de fechadura e. espécies de figo evoluir longe um do outro, alterando
seus bloqueios e vespas seguir o mesmo caminho com suas chaves. Algo como isso
deve ter ido em orquídeas quando ancestrais {324} divergiu em orquídeas abelhas,
mosca orquídeas e orquídeas vespa. Mas não é fácil ver como a co-evolução ocorreu.
Figos levantar um problema muito especial e muito tentadora, e é o último problema
que deve enfrentar neste livro. Se a história correu de acordo com o plano habitual co-
evolutivo, devemos esperar para ver algo como o seguinte. Genes para flores mais
profundas, por exemplo, seriam selecionados entre os figos femininos. Isto vai criar
uma pressão de seleção em favor dos mais longos ovipositores entre vespas. Mas devido
às circunstâncias ímpares dessas figos, esta história normal da co-evolução não pode
trabalhar. As únicas flores femininas que passam sobre os genes são os verdadeiros os
femininos em figos femininos, e não as florzinhas pseudo-mulher em figos masculinos;
enquanto as únicas vespas fêmeas que passam sobre os genes são os que põem ovos nas
flores pseudo-mulher, não os que põem ovos em flores femininas reais. Então, essas
vespas individuais que acontecem ter ovipositores longos e ter sucesso em chegar ao
fundo das flores femininas longas não vai passar os genes para longas ovipositores.
Essas vespas individuais cuja ovipositores longo chegar ao fundo das flores pseudo-
mulher vai passar seus genes por diante. Mas aqui os genes para fazer flores longas não
serão repassados. Temos um enigma.

Mais uma vez, a resposta parece estar na seleção vicária - simuladores precisos para os
pilotos. figos masculinos "querer" as vespas que eles exportam para ser bom em
polinizadoras verdadeiras flores femininas. Portanto, no nosso exemplo hipotético, eles
querem que eles tenham ovipositores longos. A melhor maneira para um figo masculino
de garantir isso é para permitir que apenas as mães com longos ovipositores a pôr ovos
em suas flores pseudo-mulher.Expressando a idéia em termos desse exemplo em
particular, corre o risco de fazê-lo soar muito proposital, como se os figos masculinos
"sabem" que flores femininas são profundas. A seleção natural iria fazê-lo
automaticamente, favorecendo os figos masculinos cujas pseudo-fêmea flores
assemelhava verdadeiras flores femininas em todos os aspectos, incluindo a
profundidade.

Figos e vespas de figo ocupar o terreno elevado de realização evolutiva: um pináculo


espetacular do Monte Improvável. O relacionamento deles é quase ridiculamente
tortuoso e sutil. Ele clama por interpretação na linguagem da deliberada cálculo,
consciente, maquiavélica. No entanto, é obtido na ausência completa de qualquer tipo
de deliberação, sem o poder do cérebro ou inteligência de qualquer tipo. O ponto é
esfregado casa{325} para nós pelo próprio fato de que os jogadores são uma pequena
vespa com uma muito pequena do cérebro, por um lado, e uma árvore sem cérebro em
tudo no outro. É todo o produto de um ajuste fino darwiniano inconsciente, cuja
perfeição intrincada não devemos acreditar se não fosse diante de nossos olhos. Não é
uma forma de cálculo acontecendo, ou melhor, milhões de cálculos paralelos, de custos
e benefícios. Os cálculos são de uma complexidade de tributar os nossos maiores
computadores. No entanto, o "computador" que está a efectuar-los não é feito de
componentes eletrônicos, nem mesmo feitos de componentes neurais. Ele não está
localizado em um determinado lugar no espaço em tudo. É um computador automático,
distribuídos cujos bits de dados são armazenados no código de DNA, espalhado ao
longo de milhões de corpos individuais, transportando de corpo a corpo, através dos
processos de reprodução.

A famosa Oxford fisiologista Sir Charles Sherrington comparou o cérebro a um tear


encantado em uma passagem famosa:

É como se a Via Láctea iniciasse uma verdadeira dança cósmica. Rapidamente o


cérebro torna-se um tear encantado, onde milhões de agulhas cintilantes tecem um
padrão de dissolução, sempre um padrão significativo embora nunca durável; uma
harmonia de padrões secundários alternantes.

Foi a ascensão do sistema nervoso e cérebro que trouxe projetados objetos no mundo.
próprios sistemas nervosos, e todos os objetos designóides, são os produtos de uma mais
antiga e uma dança cósmica mais lento. A visão de Sherrington o ajudou a se tornar um
dos principais investigadores do sistema nervoso na primeira parte deste século.
Podemos lucrar por meio de empréstimos uma visão paralela. A evolução é um tear
encantado de vaivém códigos de DNA, cujos padrões evanescente, como dançam os
seus parceiros através do tempo geológico profundo, tecer um enorme banco de dados
de sabedoria ancestral, uma descrição digitalmente codificada de mundos ancestrais e
que era necessário para sobreviver neles.

Mas essa é uma linha de pensamento que devem esperar por um outro livro. A principal
lição deste livro é que o terreno elevado evolucionista não pode ser abordado
rapidamente. Até mesmo os problemas mais difíceis podem ser resolvidos, e até mesmo
nas alturas mais íngremes pode ser escalado, se apenas um processo lento, gradual,
passo a passo caminho pode ser encontrado. Monte Improvável não pode ser agredida.
Aos poucos, se não sempre, lentamente, ela deve ser escalado. {326}

<< >>

BIBLIOGRAFIA

LIVROS REFERIDOS E SUGESTÕES PARA LEITURA ADICIONAL

Adams, D. (1989) Os mais de Hitchhiker guia completo. New York: Asas Books.

Attenborough, D. (1979) A vida na Terra. London: Collins.

Attenborough, D. (1984) The Planet Living. London: Collins / BBC Books.

Attenborough, D. (1995) The Private Life of Plants. London: BBC Books.


Basalla, G. (1988) The Evolution of Technology. Cambridge: Cambridge University
Press.

Berry, RJ, e Hallam, A. (1986) (Eds.) Collins Encyclopedia of animal Evolution.


London: Collins.

Bonner, JT (1988) a evolução da complexidade. Princeton, NJ: Princeton University


Press.

Bristowe, WS (1958) The World of Spiders. London: Collins.

Brusca, R. C, e Brusca, GJ (1990) Invertebrados. Sunderland, Mass .: Sinauer.

Carroll, SB (1995) 'genes homeóticos ea evolução dos artrópodes e cordados ". Nature ,
376, 479-85.

Coveney, P., e Highfield, R. (1995) Fronteiras da Complexidade. London: Faber and


Faber.

Cringely, RX (1992) Accidental Empires. London: Viking.

Cronin, H. (1991) A formiga eo Peacock. Cambridge: Cambridge University Press.


{327}

Dance, SP (1992) Sheik Londres: Dorling Kindersley.

Darwin, C. (1859) A Origem das Espécies. Harmondsworth (1968): Penguin.

Darwin, C. (1882) Os vários artifícios pelos quais orquídeas são fertilizado por insetos.
London: John Murray.

Dawkins, R. (1982) O Fenótipo Estendido. Oxford: WH Freeman.

Dawkins, R. (1986) O Relojoeiro Cego. Harlow: Longman.

Dawkins, R. (1989) "A evolução da capacidade de evoluir". Em . Vida Artificial (.. Ed


C. Langton) Santa Fe: Addison-Wesley.

Dawkins, R. (1989) O Gene Egoísta. (2a ed) Oxford: Oxford University Press.

Dawkins, R. (1995) Rio Out of Eden. London: Weidenfeld and Nicolson.

Dennett, DC (1995) . Perigosa idéia de Darwin New York: Simon and Schuster.

Douglas-Hamilton, I. e O. (1992) Battle for the Elephants. London: Doubleday.

Drexler, KE (1986) Engines of Creation. New York: Anchor Imprensa / Doubleday.

Eberhard, WG (1985) Seleção Sexual e genitália Animal. Cambridge, Mass .: Harvard


University Press.
Eldredge, N. (1995) Reinventing Darwin: O grande debate na mesa alta da teoria da
evolução. New York: John Wiley.

Fisher, RA (1958) A Teoria Genética da Seleção Natural. New York: Dover.

Ford, EB (1975) Ecological Genetics. Londres: Chapman and Hall.

Frisch, K. v (1975). Animal Architecture. London: Butterworth.

Fuchs, P., e Krink, T. (1994) 'als Modellierung Mittel zur Analyse raumlichen
Orientierungsverhaltens'. Diplomarbeit, Universitat Hamburg.

Goodwin, B. (1994) Como o Leopard mudou seu Spots. London: Weidenfeld and
Nicolson.

Gould, JL, e Gould, CG (1988) The Honey Bee. New York: Biblioteca Scientific
American.

Gould, SJ (1983) . Os dentes de galinha e dedos do pé do cavalo New York: WW


Norton.

Grafen, A., e Godfray, HCJ (1991) "seleção Vicarious explica alguns paradoxos em
sistemas fig-polinizador dióicas '. Proceedings of the Royal Society of London, B. , 245,
73-6.

Gribbin, J., e Gribbin, M. (1993) Ser Humano. London: JM Dent. Haeckel, E. (1974)
formas de arte na natureza. New York: Dover. {328}

Haldane, JBS (1985) em ser o tamanho certo. (Ed J. Maynard Smith..) Oxford: Oxford
University Press.

Haider, G., Callaerts, P., e Gehring, WJ (1995) 'A indução de olhos ectópicos por
expressão do alvo sem olhos gene em Drosophila. Ciência , 267, 1788-1792.

Hamilton, WD (1996) Estradas estreitas de Gene do terreno: Os artigos recolhidos de


WD Hamilton, Vol. I. Evolução do Comportamento Social. Oxford: WH Freeman /
Spektrum.

Hansell, MH (1984) Animal Arquitetura e Construção Behaviour. London: Longman.

Hayes, B. (1995) "do espaço-tempo em uma concha". American Scientist , 83, 214-18.

Heinrich, B. (1979) Bumblebee Economics. Cambridge, Mass .: Harvard University


Press.

Hölldobler, B., e Wilson, EO (1990) As formigas. Berlin: Springer-Verlag.

Hoyle, F. (1981) Evolução do espaço. London: JM Dent.


Janzen, D. (1979) "Como ser um figo". Revisão Anual de Ecologia e Sistemática , 10,
13-51.

Kauffman, S. (1995) At Home in the Universe. Harmondsworth: Viking.

Kettlewell, HBD (1973) The Evolution of Melanismo. Oxford: Oxford University Press.

Kingdon, J. (1993) Self-made homem e sua ruína. London: Simon and Schuster.

Kingsolver, JG, e Koehl, MAR (1985) Aerodinâmica, termorregulação, ea evolução das


asas dos insetos: dimensionamento diferencial e mudança evolutiva ". Evolução , 39,
488-504.

Terra, MF (1980) 'Óptica e visão em invertebrados ". No Manual de Fisiologia


Sensorial. (Ed. H. Autrum.) VII / 6B, 471-592. Berlin: Springer-Verlag.

Langton, GC (Ed.) (1989) artificial vida. New York: Addison-Wesley.

Lawrence, PA (1992) The Making of a Fly. London: Blackwell Scientific Publications.

Leakey, R. (1994) A Origem da Humanidade. London: Weidenfeld and Nicolson.

Lundell, A. (1989) Virus! O mundo secreto de invasores de computadores que se


reproduzem e destruir. Chicago: livros contemporâneos.

Macdonald, D. (Ed.) (1984) The Encyclopedia of Mammals. (2 vols.) Londres: Allen


and Unwin.

Margulis, L. (1981) Simbiose no celular Evolution. San Francisco: WH Freeman.

Maynard Smith, J. (1988) Did Darwin Get it Right? Harmondsworth: Penguin Books.
{329}

Maynard Smith, J. (1993) a teoria da evolução. Cambridge: Cambridge University


Press.

Maynard Smith, J., e Szathnvry, E. (1995) As transições principal na evolução. Oxford:


Freeman / Spektrum.

Meeuse, B., e Morris, S. (1984) a vida sexual de plantas. London: Faber and Faber.

Meinhardt, H. (1995) O Algorithmic beleza de escudos do mar. Berlin: Springer-Verlag.

Moore, R. C, Lalicker, CG, e Fischer, AG (1952) Fósseis de invertebrados. New York:


MCGRAWHILL.

Nesse, R., e Williams, GC (1995) Evolução e Cura: The New Science of darwiniana
Medicine. London: Weidenfeld and Nicolson. Também publicado como Por que
ficamos doentes por Random House, New York.
Nilsson, D.-E. (1989) 'Vision, óptica e evolução ". Bioscience , 39, 298-307.

Nilsson, D.-E. (1989) 'Óptica e evolução do olho composto'. Em Facetas da Vision.


(Eds DG Stavenga e RC Hardie..) Berlin: Springer-Verlag.

Nilsson, D.-E. e Pelger, S. (1994) Uma estimativa pessimista do tempo necessário para
que um olho para evoluir ". Proceedings of the Royal Society de Londres, B , 256, 53-8.

Orgel, LE (1973) as origens da vida. Londres: Chapman and Hall.

Pennycuick, CJ (1972) animal Flight. London: Edward Arnold.

Pennycuick, CJ (1992) . Regras Newton Biologia Oxford: Oxford University Press.

Pinker, S. (1994) The Language Instinct. Harmondsworth: Viking.

Provine, WB (1986) Sewall Wright e Biologia Evolutiva. Chicago: Chicago University


Press.

Raff, RA, e Kaufman, TC (1983) Embriões, Genes and Evolution. New York:
Macmillan.

Raup, DM (1966) "análise geométrica de shell enrolamento: problemas gerais". Journal


of Paleontology , 40, 1178-1190.

Raup, DM (1967) "análise geométrica de enrolamento shell: enrolando em


ammonóides". Journal of Paleontology , 41, 43-65.

Ridley, Mark (1993) Evolution. Oxford: Blackwell Scientific Publications.

Ridley, Matt (1993) A rainha vermelha:. Sexo e a evolução da natureza humana


Harmondsworth: Viking.

Robinson, MH (1991) 'Niko Tinbergen, estudos comparativos e evolução ". Em O


Tinbergen Legado. (Eds MS Dawkins, TR Halliday, e R. Dawkins..) Londres: Chapman
and Hall. {330}

Ruse, M. (1982) darwinismo defendida. Reading, Mass .: Addison-Wesley.

Sagan, C e Druyan, A. (1992) Sombras de Antepassados Esquecidos. New York:


Random House.

Salvini-Plawen, L. v. E Mayr, E. (1977) "Sobre a evolução dos fotorreceptores e os


olhos '. Em biologia evolutiva. (Eds. MK Hecht, WC Steere e B. Wallace.) 10, 207-63.
New York: Plenum.

Terzopoulos, D., Tu, X., e Grzeszczuk, R. (1995) peixes artificiais: locomoção


autônoma, percepção, comportamento e aprendizagem em um mundo físico simulado '.
Vida Artificial , 1, 327-51.
Thomas, K. (1983) Homem e do mundo natural: a mudança de atitudes na Inglaterra
1500-1800. Harmondsworth: Penguin Books.

Thompson, DA (1942) no crescimento e no formulário. Cambridge: Cambridge


University Press.

Trivers, RL (1985) . A evolução social Menlo Park: Benjamin / Cummings.

Vermeij, GJ (1993) A História Natural das Conchas. Princeton, NJ: Princeton


University Press.

Vollrath, F. (1988) 'Desembaraçando teia de aranha ". Trends in Ecology and Evolution
, 3, 331-5.

Vollrath, F. (1992) "Análise e interpretação de exploração Aranha da esfera e


construção de web comportamento". Avanços no Estudo do Comportamento , 21, 147-
99.

Vollrath, F. (1992) 'teias e sedas de aranha ". Scientific American , 266, 70-76.

Watson, JD, Hopkins, NH, Roberts, J. W, Steitz, JA, e Weiner, AM (1987) Molecular
Biology of the Gene (4 EDN). Menlo Park: Benjamin / Cummings.

Weiner, J. (1994) O Bico do Finch. London: Jonathan Cape.

Williams, GC (1992) Seleção Natural:. Domínios, níveis e Desafios Oxford: Oxford


University Press.

Wilson, EO (1971) As sociedades de insetos. Cambridge, Mass .: The Belknap Press of


Harvard University Press.

Wolpert, L. (1991) The Triumph of the Embryo. Oxford: Oxford University Press.

Wright, S. (1932) "Os papéis de mutação, endogamia, cruzamentos e seleção em


evolução". Proceedings 6º Congresso Internacional de Genética , 1, 356-66. {331}

<<

Índice

acácias, e formigas, 266

acidente e design, 6

Adams, Douglas, 257 - 8


as asas do avião, 127

Agaonidac, 300

altruísmo, vespas de figo do sexo masculino, 308 - 9

Ampelisca , 183 (Fig.)

animais (s)

artefactos, 18

grande, como ampliados pequeno, 111

terra, retorno à água, 130 - 3

voo, problemas de tamanho, 112

pequeno, capacidade de flutuar, 112

"estátuas", 9

formiga (s)

e acácias, 266

acomodação para, 265 (fig.)

'jardins', 264 plantas que gostam de formiga, 265

ant-imitando besouro, 7 - 8 (fig.)

segmentação, 241 - 2

Diadematus Araneus , construção de web, 43 - 4

artefactos, animal, 18

artromorfos

seleção artificial, 249

jardim zoológico, 250 (fig.)

computador, 243 - 4

efeitos genéticos, 246 (fig.)

segmentos, 245 (fig.)


artrópodes

corpos, 243

genes caleidoscópicas, 254

segmentos repetidos, 241 (Fig.)

variação de segmentos, 254 (Fig.)

vida artificial, jornal, 69

Seleção Natural Artificial, 72

seleção artificial

animais, 29 (fig.)

artromorfos, 249

biomorfos computador, 30 de - 4

e seleção natural, 34 - 5

plantas, 27 (Fig.)

conchas, 215 (fig.)

Asimov, Isaac, 78

assimetria, possível evolução, 229

bactérias, como exemplo de robôs de viagem, 286 - 7

banana, de utilidade, 258

Batbylychnops exilis , evolução olho, 196 (fig.)

Bauplan , 228

abelhas

pedreiro, ninhos de pote, 16

néctar, 258 - 9

visão ultravioleta, 259 - 60

besouros, mimetismo, 7 - 8 (fig.)


Bennet-Clark, Henry, 228

'Melhor de um mau trabalho "teoria

abelhas, 314

ea teoria equilíbrio estável, 316 - 7

biomorfos, 30 de - 6 , 239 (Fig.)

seleção artificial, 30 - 2

Programa Relojoeiro Cego, 33 (fig.) {333}

Cor programa Relojoeiro, 34

embriologia, 226

espelhos caleidoscópicas, 227 (fig.)

terra, 200

árvores, 31 (fig.)

pássaros

evoluíram dos dinossauros, 123

grande aterrada, 127 - 8

jornada evolutiva de comprimento, 126

começar de voar, 125

asas, 127

defeitos de nascimento, genética, 97

Biston betularia , evolução de, 87

Cego Snailmaker, 212

Relojoeiro Cego, The

morcegos, 38

espaço genético, 200

muitas maneiras de ser mortos, 99


programa de computador Relojoeiro Cego

'biomorfos computadorizados ", 30 - 4

não cinco vias simetria, 239

Brassica oleracea , a seleção artificial, 27 (fig.), 26 - 8

respiração, ar, em animais da água-moradia, 130

buldogue, Inglês, a seleção artificial, 29

borboletas, presa de aranhas, 52 - 3

repolho, selvagem, a seleção artificial, 27 (fig.), 26 - 8

Califórnia, Universidade de, 113

Callaerts, Patrick, 192

câmera, e os olhos humanos, 19

ver também eye camera

lagarta, segmentação, 240 , 241

células

eucariótica, 287

gerações, 272

sensível à luz, evolução preliminar, 166

código de máquina de, 271

princípios, 287

centopéia, segmentação, 240

acaso, 79 , 101

chihuahua, a seleção artificial, 29 (fig.)

classificação das espécies, 106

co-evolução, vespas e figos, 262 , 301 , 308 - 10 , 324

Cor Relojoeiro, biomorfos criados por, 34 (fig.)


olho composto, ver olho, composto

simulações de computador, 68

artromorfos, segmentação, 243 - 4

peixes, 69 - 72

lente, 153 (fig.)

modelo de seleção natural, 62

criação seletiva, 32

conchas: seleção artificial, 215 (fig.)

semelhança com escudos reais, 217 (fig.)

caracóis, 216 (fig.)

aranhas, 57 - 68

teias, 66 - 7 (fig.)

ver também biomorfos

cone, retina humana, 172

evolução convergente, 19 - 21 (fig.), 21

espermatozóide lagostas, simetria, 232 (fig.)

criacionistas

citação favorita, 197

alvo favorito, 136

classificação das espécies, 106

fertilização cruzada, por pólen, 259 - 60

copo olho, ver o olho , copo

factor de conversão de moeda, voar e proteína da seda, 68

dachshund, a seleção artificial, 29 (fig.)

Darwin, Charles
e modelo de seleção artificial para a seleção natural, 34

no olho, 139

teoria da evolução, 74

darwinismo

dependente de hereditariedade, 90 - 1

incompreendido, 80

a seleção natural não aleatória, 75

problema da improbabilidade, 77

Dennett, Daniel, 200

projeto

acidente vs., 6

ilusão de, 223

objetos designóides

definição, 6

'segunda ordem', 18

armadilhas, 14

diatomáceas, espelhos caleidoscópicas, 233 (fig.)

difração, problemas para os olhos pinhole, 150 - 1

dimensões

quatro, 200

dois, e da física da vida real, 36 - 7

dinossauros, evolução das aves a partir de, 123

DNA, 4

e crescimento exponencial, 292 - 3

e hereditariedade, 90
cavalo como veículo robô para, 290 (fig.)

Living Things sediar a, 268 , 276

empurrados pela evolução, 326

em árvores, 30

virus, 274 {334}

cães, seleção artificial, 29 (fig.)

golfinho, evolução convergente, 21 (fig.)

Douglas-Hamilton, Iain, 92

Douglas-Hamilton, Oria, 92

Drexler, Eric, 294

Drosophila

genes olho, 190

mutação homeotic, 249 - 51

dugongos, história-terra seca, 133

'Duplicar Me' do programa, 269 , 282 , 297

águias, uso de térmicas, 128

Eberhard, William, 53

equinodermes

e biomorfos, 238 , 239 (fig.)

cinco vias simetria, 236

espelhos de simetria, 235 (fig.)

Edmonds, Donald, 58

eficiência

de facas, 11 - 2

medidas de, 11 - 2
do modelo de olho, 161 - 2

de objetos naturais, 10 - 12

de teias de aranha, 38

de asas, 114

Eldredge, Niles, 105 - 6

elefantes, tronco, evolução de, 4 , 92 , 94

embriologia

biomorfos, 226

inseto, 224

caleidoscópica, 224 - 55

mamífero, 224

modelo de evolução, 162

mutações dependentes, 224

embriões, alterações na, 104

enzimas, improbabilidade de, 75

epífitas, 265

células eucarióticas, 287

evolução

rotas alternativas, 135

co-evolução, 324

convergente, 21 (Fig.)

importância da macro-mutação, 103

melhoria, receita de, 136

ingredientes necessários para, 88

nenhuma reversão permitido, 135


voltar a velha forma de vida, 130

vaivém códigos de DNA, 326

crescimento exponencial, 291 , 292

olho, 138 - 97

arranjo das partes, 78

câmera e, 19

composto, 147 , 177

aposição, 179 (Fig.)

sobre o homem, 182 (fig.)

primitivo, 184 (Fig.)

princípio, 180

problemas com detalhe, 180

superposição, 188 , 189 (fig.)

copo, 146 - 9 , 147 (fig.)

direção da luz, 147 - 8 (fig.)

dentro para fora, 179 (Fig.)

problemas com, 149

O exame feito por Darwin, 139

duplo, 196 (fig.)

peixes, modelo de evolução, 163 , 164 (fig.)

foco, mudança, 166 - 7

intermediários entre composto e câmera, 181

invertebrado, 152 (fig.)

espelho, 177

modelo, a avaliação da eficácia, 161


danos mutacional de genes, 193

tamanho necessário, 141

não-formador de imagem, 142

pinhole, ver olho pinhole

problemas para os evolucionistas, 136

caracóis, 141 , 141 (Fig.)

tipos, 139 - 40

câmera olho

aranhas saltadoras, 173

taxa de evolução, 190

cara

ânsia humana de ver, 24

mimetismo, de insetos, 24

penas

isolamento, 124

escalas modificadas, 124

planador pigmeu, 117 (fig.)

fertilização, cruz., por pólen, 260

figos (Pintas spp.), 3 - 4 , 299 , 305 - 6

acordo entre masculino e feminino, 322

co-evolução com vespa, 262 , 301 , 307 - 9 , 320 , 324 - 5

copo, 301

dióico, 318

flores, 301

literário, 3
mimetismo, 321

polinizadores, 301

poros, 303 - 4

dois tipos de flor feminina, 304

estrangulamento, 306

fogo, de reprodução, 88 - 9

peixe

simulação computacional, 69 - 70 {335}

olho, modelo de evolução, 163 , 164 (fig.)

voando, 120 - 3 , 121 (Fig.)

quatro olhos, 196 (fig.)

Fisher, AR, 79 , 104

bater, 127

alargamento (conchas), 204 , 206 (fig.), 207 (fig.)

taxa de expansão de espiral, 204

-peixe liso, posições alternativas, 134 (fig.)

pulgas, segmentação, 242

moscas

halteres, 242 (fig.)

proteína, cálculos de aranha, 65

segmentação, 242

vôo, 108

evolução de, 113 - 30

origem em aves, 129

começando no solo, 120


usos diferentes de aves, 126

bater, 127

e física, 108

problemas de tamanho, 113

flutuantes, no ar, pequenos animais, 113

solha, e patim, 134 (fig.)

flores

figos, 301

polinização estratégia preferida, 262 - 3

finalidade de, 256 - 68

transmissão de ADN, 273

voar, ver voo

foco, olho, 166 , 167

fósseis

classificação, 106 - 7

presas de elefante, 92 - 4

evidência de evolução, 91 - 2

Fuchs, Peter, 58

Gehring, Walter, 192 - 4

tempo de geração, e tamanho, 109 (fig.)

gerações, de células, 292

genes

'limpar' a seguir mutação, 105

o controle da taxa de mutação, 82

Instruções de ADN, 298


'Duplicar Me' do programa, 297 - 8

efeito sobre embrião, 104

gradiente, 248 - 9

para escavação cooperativa, 309

caleidoscópica, 253

os olhos dos mamíferos, 194

modificador de outros, 105

danos causados por mutação para, efeito sobre o olho, 193

convenção de nomenclatura, 190

efeito fenotípico, 104

reorganizados por reprodução sexual, 83 - 4

segmento, 247

tagma, 247

espontânea, evolução arthromorph, 244

climas de sobrevivência, 86

transfusões, 136

variação, 199

espaço genético, 199 - 200

geode, pedras designóides, 10

Gigantocypris , soluções espelho para formação de imagem, 173 - 7 , 175 (Fig.)

girafa

evolução do pescoço longo, 101 - 3 , 102 (fig.)

e okapi, 101

vidro, princípio da refração, 155

planador, pigmeu, 117 (fig.)


delta

fora da superfície de água, 121 (Fig.)

vertebrados, 116 - 23 de , 119 (Fig.)

Deus

controle sobre a natureza, 74 - 5

como alpinista, 77

Godfray, Charles, 321

Goldschmidt, Richard, 98

Gould, Stephen, 105 - 6

Grafen, Alan, 321

grama, 267

Great Dane, a seleção artificial, 29 (fig.)

crescimento, exponencial, 291 - 3

Grzeszczuk, Radek, 69 - 71

Haeckel, Ernst, 232

Número Hemoglobina, 78

Haider, George, 192 - 4

Halley Comet, os fótons de, 144

halteres, 242 (fig.)

Hamilton, WD, 304 , 309 - 10 , 316

Hardy, Alister, 176

ouriços, 20 (fig.)

hereditariedade

Darwinismo em dependentes, 91

diferente de reprodução, 88
e ADN, 90

herdabilidade, 165

teoria "monstro esperançoso ', 98

cavalo, como veículo robô de DNA, 290 (fig.)

Hoyle, Fred, 77 , 100

visão centrada no humano do mundo, 258

Hyptiotes, variável tensão web, 54 - 5

Ibérica Ophrys, 261 (fig.)

imaginação, 19

imunoglobulinas, nanotecnologia, 295 - 6

insetos

métodos de captura, eficiência, 38

olho composto, 147

vôo, 114

Jardim fechado para o benefício de, 310 {336}

lentes, de desenvolvimento diferente, 171 (fig.)

panelas, 15 - 6

trapping, planta de jarro, 12 - 4

Worm Internet, 271

Israel, abelhas de pedreiro, 16

medusa, perseguido, de quatro vias simetria, 231 (fig.)

Juniper, Barrie, 12

Kaehler, Ted, 243 , 248

caleidoscópio, embriões, 224 - 5

Kelvin, Senhor, 76
Telescópio Kepler, 187

Kettlewell, Bernard, 87

Kingdon, Jonathan, 40

Kingsolver, Joel, 113

Kirby, o reverendo William, 256

Kirschfeld, Kuno, 182 (fig.)

Koehl, Mimi, 113

Krink, Thiemo, 58

Escada de teia, 53 (Fig.)

animais terrestres, retornam à água, 130 - 3

Terra, Michael, 172 - 6 , 195

Langton, Christopher, 69

Autoria Laputan, 77

Dragão frondoso do mar, 9 - 10

pernas, lagarta, 240 - 1

lentes

complexo, 160 (Fig.), 159

computadorizada, 153 (fig.)

evolução de, 154 , 160 - 3 , 170 - 2

inseto, desenvolvimento diferente, 171 (Fig.)

improvisada, 157 (fig.)

seixo, 156

princípio da, 149

vida

existência em outros lugares, 283


no mundo nano, 297

de origem, 283 - 4

raridade, 283

leve

detecção de, 146 - 7

princípio de refracção, 155 (Fig.)

raios, flexão, 154 - 5

As células sensíveis à luz, evolução preliminar, 166

Lin, Lorraine, 58

lagostas, mutação homeotic, 253

duplicação local, 291

sorte, "manchando out ', 91

pulmão, origem evolutiva, 96

Machina speculatrix (robot 'tartaruga'), 280

macromutação, 96 , 99

e seleção natural, 97

favorecido pela seleção natural, 253

importância na evolução, 103

nenhuma ligação com equilíbrio pontuado, 105 - 6

machos, dois tipos, 313 - 4

o homem, o domínio sobre os seres vivos, 256

espadim, azul, evolução convergente, 21 (fig.)

planadores marsupial, 116

Mastopbora, single-thread web, 56

Maynard Smith, John, 95


Medawar, Sir Peter, 228

medusas, seis vias simetria, 237 (fig.)

Meinhardt, Hans, 220

membranas, células da retina, 144

mimetismo, 7 - 8

entre o olho humano ea câmera, 19

cara de insetos, 23 - 4

espelho olho, 173 - 5 (Fig.)

Mais, Henry, 257

traças

evolução de, 87 - 8

presa de aranhas, 52 - 3 , 56

Monte Improvável

região do olho, 195 (fig.)

parábola, 73

Mount Rushmore, 3 - 37

Mova Watch, simulação de Aranha, 58 - 60 , 59

Ratchet de Muller, a explicação para o sexo, 85

Museu de todos os animais possíveis, 201

Museum of Todos os reservatórios possíveis, 207 , 211 - 2 , 219

viés de mutação, 81

oportunidade no darwinismo, 80

'limpar' a seguir, 104 - 5

controlada por genes, 83

dirigida, 82
bons e maus, 84 - 5

homeotic, 249 , 251 (fig.)

macromutação, 96 , 97

diferentes tipos, 100

importância na evolução, 103

nenhuma ligação com equilíbrio pontuado, 105 - 6

e seleção natural, 86 , 97 , 224

não aleatória, 80

e estresse, 83

nanotecnologia, 294 (fig.)

imunoglobulinas, 294

nanoworld, a vida em, 297

Museu de História Natural, 4

seleção natural

e seleção artificial, 34 - 5

ilusão de design, 222

e macro-mutação, 97 , 253 {337}

vespas do sexo masculino, 316 - 7

mimetismo em animais, 7 - 8

equívoco, 101

mutação e, 86 , 97 , 224

não aleatória cumulativa, 75

penalizando mutação, 86

pressão sobre evolução, 198

semelhanças com Laputan autoria, 76


simulações, 36 - 7 , 62 , 64 - 5

e variação, 165

pescoço, evolução de, 101 - 3 , 102 (Fig.)

néctar

suborno de abelhas, 258

combustível para inseto, 260

Nesse, Randolph, 293

NetSpinner simulador, 162

evolução durante a noite da web, 63 (fig.)

aranhas teóricas, 60 - 8

Nilsson, Dan, 161 - 5 , 182 , 190 , 196

Noctuidae, presa para aranha bolus, 56

O'Toole, Christopher, 16

okapi, evolução do pescoço, 102 (fig.), 101 - 3

ommatidia, 180 - 1

pigmento escuro, os efeitos colaterais de, 185

orquídea

balde, 261 - 2

martelo, 262 (Fig.)

inseto-imitação, 261 (fig.)

Paecilopachys , horizontal esfera web, 56

parcerias, flores e abelhas, 264

Pasilobus , web triangular, 55 (fig.)

seixo, como a lente, 156

Pelger, Susanne, 161 - 6


pinguim, galápagos, a evolução convergente, 21 (fig.)

Pennycuick, Colin, 128

fotocélula, biológica, 142 , 145 (Fig.)

fótons

economia de, 144

do cometa de Halley, 144

natureza aleatória, 144

tecnologia de sensoriamento remoto, 138

fotossíntese, 142

física

artificial, na simulação da seleção natural, 68 - 9

voo batendo, 127

e voando, 108

da vida real, não bidimensional, 36

Pilkington, James, 256

olho pinhole, 160 - 3

problema com difracção, 151

remédio para deficiências, 173

planta de jarro, relação de economia, 12

veneno, aranhas, 52

pólen

vespas de figo, 301

transmissão de, 259 - 60

polinização, estratégia, 262 - 3

polinizadores
de figos, 301

especialista, 262 - 3

populacional, crescimento exponencial, 291

gambás, voar, 117 (fig.)

jarras

a eficiência de, 10 - 6

inseto, 15 - 6

pré-adaptação, 95

sopa primordial, 282

impressora, 3 -D, 278

pseudo-design, o reconhecimento de, 18

equilíbrio pontuado, nenhuma ligação com macro-mutação, 905 - 6

alunos

alterar o tamanho de, 166

evolução de, 170

forma variável, 169 (fig.), 168

Quiring, Rebecca, 193

Radiolaria, 235 - 6 (fig.)

pingos de chuva, e fótons, 144

Raup, David, 201 - 3 , 206 - 7 , 211

refração, princípio de, 155 (fig.)

índice de refração, 155

relaxamento, na evolução, 135 - 6

reprodução

diferente de hereditariedade, 88
Muller Ratchet, 85

sexuais, genes rearranjando, 83 - 4

retina

como fotocélula biológica, 145 (Fig.)

evolução independente de, 170 - 1

bastonetes e cones, 172

Robinson, Michael, 53

robô (s)

definição, 281

cavalo, como veículo para o DNA, 290 (Fig.)

industrial, 278 - 9

movimento, 279

auto-duplicação, 281

TRIP, 280 - 1

haste, da retina, 145 (Fig.), 172

saltations, defeitos genéticos, 97

vieira, soluções espelho para formar a imagem no, 176 - 7

Scyllarus , mutação homeotic, 252 (fig.)

mar-dragão, frondoso, 9 - 10

mar-vacas, 130 , 131 (fig.) {338}

sementes, com asas, 274 (fig.)

segmentação, 240 - 55

seleção

artificial, ver a seleção artificial

natural, ver a seleção natural


pressão, 198 - 9

vicária, 324

sexo

evolução de, 85

Muller Ratchet, 85

recombinação de ADN, 90

e rearranjo de genes, 84

Reprodução sobre NetSpinner, 63

aranhas, 49

cartuchos

simulação de computador, 201 , 206 (Fig.), 212

seleção artificial, 215 (fig.)

semelhança com escudos reais, 216 - 7 (Fig.)

Visão de raios-X, 209 (fig.)

incendiar, verm e pináculo, 204 , 207 (fig.)

formas, 213 (fig.)

teórica, 218 (Fig.)

tubo, 204 - 5

Visão de raios-X, 209 (fig.)

Sherrington, Sir Charles, 326

seda, aranha, 39 , 68

e sexo, 49

viscosidade, 41

ver também aranhas, teias

patinar, e solha, 134 (fig.)


painéis solares, e asas de insetos, 114

sopa, primitivo, 282

espécies, classificação de, 106

aberração esférica, 173

aranhas

bolas, 55 - 7

do sexo feminino, maiores que os machos, 47

caça, 51

jumping, 173

masculinos: perigos no acasalamento, 48

rosca de acasalamento, 49 (fig.)

amarrar sexo feminino, 50 (fig.)

acasalamento, 49 , 53 , 63

rosca de acasalamento, 49 (fig.)

envenenamento por presa, 52

predadores, 47

problemas para, 43 - 52

solução para 'gol' perigo, 44

teias, 4 , 38 - 72

construção, 43 - 8

simulação computacional, 57 - 69

evolução na NetSpinner, 62 (fig.)

economia, 41

a eficiência de, 38

afinação, de 49 - 50
que estabelece fio, 45

óptima tensão, 54

problemas que coloca fio, 46 - 7

raios que irradiam, 46

simulação de seleção natural, 37

viscosidade, 42 (fig.)

coluna, flexão, mamíferos e peixes, 123

pináculo (conchas), 203 - 6 (fig.)

Spirula, escudo estranho, 219

hare mola, 124 (fig.)

armadilha arqueadas, técnicas de aranha, 54

lulas

voando, 121

olhos evoluíram de forma independente, 145

esquilo, vôo, evolução de, 118

teoria equilíbrio estável

evidência de, 314

dois tipos de machos, 313 - 4

estátuas

animal, 9

designóides, 10

pedras, sem descendência, 26

estresse

aumento das taxas de mutação, 86

e mutação, 83
mutação penalizado pela seleção natural, 86

sol, e tecnologia de orientação remota, 138

superposição, 188 , 189 (fig.)

sobrevivência, animal, contribuições para, 36

simetria, 225 - 40

biomorfos computadorizados, 225 - 7 (Fig.)

equinodermes, 238 (fig.)

cinco vias, 239

de quatro vias, 231 (Fig.)

'Isle of Man', 232 (fig.)

esquerda-direita, 230

radial, 232

seis vias, 236 , 237 (fig.)

alfaiate, ninho, 17 (fig.)

telescópio, Kepler, 187

tenrec, 19 , 20 (fig.)

cupins

bússola, 17

mimetismo, 8 - 9 , 8 (fig.)

Terzopoulos, Demetri, 69 - 71

térmicas, 128

Thomas, Keith, 256

Thompson, D'Arcy Wentworth, 201

Thomson, William, 76

'tartaruga' robot ( speculatrix Machina ), 280


'Replicação total de Instruções "Programa (TRIP), 276 , 286

trachymedusae, seis vias simetria, 237

a transparência, princípio da refração, 155

armadilhas para insectos, 14 {339}

árvores

acácia, e formigas, 266

e evolução de voo em vertebrados, 115

figo, e vespas de figo, 262

real e informatizada, 31 (fig.)

Trivers, Robert, 24

tronco, elefante, 4 , 92 , 94

Tu, Xiaoyuan, 69 - 71

tubo (conchas) 204 - 5 , 206 (fig.)

gerado por Blind Snailmaker, 212

presas, elefante, fossilização de, 94

luz ultravioleta, e visão abelha, 259

Universidade da Califórnia, 113

variação e seleção natural, 165

De Venus mosca armadilha, 14

verm (conchas), 204 - 6 (Fig.), 207 (Fig.)

Vermeij, Geerat, 216

vertebrados

vôo, 115

ver também aves

delta, 119 (fig.)


e calamares, os olhos evoluíram de forma independente, 145

vírus

finalidade biológica de, 268 - 72

computador, 269

DNA, anfitriões, 274

massa vítrea, 159 - 61

Vollrath, Fritz, 41 , 56

Volvox, representando o início da vida, 287

von Frisch, Karl 17

von Neumann, John, 281

abutres, uso de térmicas, 128

Waldorf, Uwe, 193

Walter, W. Grey, 280

vespas

potes designóides, 15 - 6

e figos, co-evolução, 262 , 301 , 307 - 9 , 320 , 324 - 5

espécies Freeloader, 312

parasitária, 311 (Fig.)

oleiro, 16

presa de aranhas, 54

egoísmo, 320

masculino alado, 315 - 6

macho sem asas, 315 - 6

água

vivendo, 130
voltar para, por grandes mamíferos, 130

Watson, JD, 271

weaverbird, ninho, 17 (fig.)

teias, aranha, ver aranhas, baleias mantas, 130 , 131 (fig.)

História-terra seca, 130

whippet, a seleção artificial, 29 (fig.)

Wickramasinghe, Chandra, 75

Williams, George, 293

asas, 4

eficiência aerodinâmica, 113

aves e aviões, 127

vespas de figo, 301

insetos, 241

em sementes, 274 (fig.)

propagação de instruções genéticas, 273

lobo, a seleção artificial, 29 (fig.)

worms, olhos compostos primitivos, 184 (fig.)

Wright, Sewall, 135

Zschokke, Sam, 58 {340}

* Vou estar usando nomes em latim, e eu espero que eu será perdoado uma nota de
rodapé schoolmasterly nas convenções de governá-los porque os números
surpreendentes de pessoas instruídas (talvez as mesmas pessoas que estremecer-
makingly se referem a obra-prima de Darwin como Origem das Espécies ) obtê-los
errado. Nomes latinos têm duas partes: um nome genérico (por exemplo, Homo é um
género) seguido por um nome específico (por exemplo sapiens é a única espécie da
sobrevivência de Homo ), ambos escritos em itálico ou sublinhado. Nomes das unidades
maiores não estão em itálico. O gênero Homo pertence à família Hominidae. Os nomes
genéricos são únicos: há apenas um gênero Homo , apenas um género Vespa. Espécies,
geralmente, têm um nome com espécies de outros gêneros, mas não há confusão por
causa da singularidade do nome genérico: Vespa vulgaris é uma vespa, em nenhum
perigo de ser confundido com Octopus vulgaris. o nome genérico sempre começa com
uma letra maiúscula e o nome específico nunca faz (hoje em dia, embora a convenção
original era de que ele poderia se derivado de um nome próprio. Mesmo darwinii seria
hoje em dia ser escrito darwinii ). Se alguma vez você ver (e muitas vezes você vai)
Homo Sapiens ou homo sapiens é sempre um erro. Note-se, a propósito, que a palavra
"espécie" é singular e plural. O plural de gênero é gêneros.

• Judith Flanders chamou a minha atenção para a seguinte história divertida relevante no
livro de Robert X. Cringely, acidentais Empires. A história diz respeito a Apple III, um
computador desktop da geração entre o famoso Apple II e do ainda mais famoso
Macintosh, lançado em 1980: "... a máquinas automáticas que inserido dezenas de chips
de computador na placa de circuito principal não empurrá-los para as suas bases com
firmeza suficiente. A resposta da Apple foi dizer 90.000 clientes para pegar sua Apple
III com cuidado, segurá-la doze a dezoito polegadas acima de uma superfície plana, e
depois soltá-lo, na esperança de que o acidente resultante seria recolocar todas as fichas.
"

* Depois de escrever isso fui informado por um correspondente, Howard Kleyn,


anteriormente da Companhia Cable and Wireless, que os seres humanos fazem, como
uma questão de fato, fazer algo equivalente a uma lente de índice gradual. Na verdade, é
uma fibra óptica de índice gradual. Por sua descrição, ele funciona como este. Você
começa com um tubo oco de vidro bom, cerca de um metro de comprimento e uns
poucos centímetros de diâmetro, que você aquecer. Em seguida, soprar no tubo fino pó
de vidro. O pó de vidro derrete e funde-se com o revestimento do tubo, engrossando
assim o revestimento ao mesmo tempo reduzindo o furo do tubo. Agora vem a parte
astuto. Como este processo progride, o pó que é soprado no é de mudando gradualmente
qualidade: especificamente, tem sido triturado a partir de vidro de índice de refracção
progressivamente crescente. Até o momento o furo hoEow diminuiu para nada, o tubo
tornou-se uma haste de vidro altamente refracção em seu núcleo central com graduafly
diminuição do índice de refração como você se move em direção a suas camadas
exteriores. A haste é, então, aquecida novamente, e prolongado em um filamento fino.
Este filamento retém o mesmo índice de refracção graduado, do centro para a periferia,
em miniatura, como a haste a partir do qual foi tirado. É tecnicamente uma lente de
índice gradual, embora muito fina longa,. A sua propriedade lente não é utilizado para
focar uma imagem, mas para melhorar a sua qualidade como um guia de luz que não
permite que o seu feixe de luz para dispersar. Vários destes filamentos normalmente
seria usado para a fabricação de um cabo de fibra óptica multi-stranded.

* Esses pequenos animais cativantes, cujo hábito de armar suas cabeças para olhar para
você lhes dá um charme quase humano, perseguir suas presas como um gato e depois
saltar para ele de forma explosiva e sem aviso. Explosivo-lo mais ou menos literalmente
é, por sinal, para eles saltam por hidraulicamente bombear fluido para todas as oito
pernas ao mesmo tempo - um pouco como a maneira que nós (aqueles de nós que os
têm) erigir nossos pênis, mas suas 'ereções perna "são em vez de repentina gradual.

Рекламные ссылки