Você está na página 1de 13

ALUBRAT – CAMPINAS

ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOLOGIA TRANSPESSOAL


TURMA VIII

MÓDULO: 1

PSICOLOGIA TRANSPESSOAL E A.I.T.

MARIA CLARA NOGUEIRA DE SÁ CALDEIRA

Campinas/SP
Março / 2018

..............................................................................................................................

PROTOCOLO DE ENTREGA DE TRABALHO


TURMA VIII – 2018

Trabalho do Módulo 1 – Psicologia Transpessoal e AIT

Aluno: Maria Clara Nogueira de Sá Caldeira

Recebido por __________________________ em_________________


2

TRABALHO DO MÓDULO 1
Psicologia Transpessoal e AIT

1) Conceitue o que é Psicologia Transpessoal?

Psicologia Transpessoal, como nova abordagem em Psicologia, foi anunciada em


1968, pelo psicólogo Maslow, considerando uma preparação para a Quarta
Psicologia, ainda mais elevada, transpessoal, transhumana, centrada mais no cosmo
do que nas necessidades e interesses humanos, indo além do humanismo, da
identidade e da individuação.
Segundo Sutich, a Psic. Transpessoal ou Quarta força é o título dado à uma força
que está emergindo no campo da Psicologia, que estão interessados naquelas
capacidades e potencialidades últimas que não têm lugar sistemático na teoria
positivista e behaviorista (primeira força), nem na psicanálise clássica (segunda força)
nem na psicologia humanista (terceira força). A psicologia transpessoal se relaciona
especialmente com o estudo empírico e a implementação das vastas descobertas
emergentes das metanecessidades individuais e da espécie, valores últimos,
consciência unitiva, experiências culminantes, valores do ser, êxtase, experiência
mística, arrebatamento, último sentido, transcendência de si, espírito, unidade,
consciência cósmica, vasta sinergia individual e da espécie, encontro supremo
interpessoal, sacralização do cotidiano, fenômeno transcendental, consciência
sensorial, responsividade, conceitos experenciais e atividades relacionadas.
Este conceito evoluiu com a contribuição de vários autores. Para Weil, é o estudo
dos estados de consciência, particularmente, o estado transpessoal. Walsh e
Vaughan afirmam que é o estudo psicológico das experiências transpessoais e seus
correlatos: natureza, variedade, causas e efeitos. Almendro, destaca que o prefixo
“trans” significa ir mais além, acrescentando que o transpessoal busca através de
práticas em estados que transcendem o ego, integrar o transcendental ou espiritual
nas dimensões pessoais, realizando nossa dimensão profunda, fluindo na
transformação, mas sendo sensível às faíscas do eterno. Wilber traz o aspecto da
complementariedade dos diversos pontos de vista, sendo a transpessoal como
integradora do chamado “três olhos do conhecimento”: sensorial, introspectivo-
racional e contemplativo.
3

Desde sua origem até sua visão mais recente, as definições de Psicologia
Transpessoal observam os postulados de Maslow, e sua posição de que a ciência
deve agregar valores. Estes mantêm estreitas correlações com a educação, princípios
éticos e necessidade de se favorecer uma psicologia que contemple não só as
deficiências, mas também aspectos saudáveis que podem ser estimulados e
desenvolvidos na natureza humana, e que são fundamentais para a continuidade de
nossa espécie e, do próprio planeta.

2) Conceitue a Abordagem Integrativa Transpessoal?

Por meio de profunda e extensa aplicação teórica e prática em Psicologia


Transpessoal, Saldanha, passou a construir uma sistematização com seus principais
conceitos, ampliando-os e apresentando-os de forma estrutural e dinâmica, com a
finalidade de facilitar a aplicação deste referencial na educação, saúde e nas
instituições. Denominando a elaboração desse conhecimento em Psicologia, como
“Abordagem Integrativa Transpessoal” e sua forma de ensiná-la de “Didática
Transpessoal”.
Essa sistematização permite ainda esclarecer quais conceitos subsidiam a fala, a
escuta, o emprego dos recursos técnicos e a habilidade, as quais compõem essa
didática.
Vera Saldanha privilegiou um corpo teórico coerente e lógico, constituído por meio
da extensa pesquisa bibliográfica, somada à experiência de sua formação e aplicação
da Psicologia Transpessoal na educação e na saúde.
A Abordagem Integrativa Transpessoal, desenvolvida por Vera Saldanha, é o
estudo e aplicação dos diferentes níveis de expressão da consciência no plano
pessoal, relacional e além do pessoal. É um método que traz um embasamento teórico
consistente e uma metodologia de aplicação prática da Psicologia Transpessoal. A
Abordagem Integrativa Transpessoal traz em si um convite para um caminho real na
abordagem espiritual dentro da psicologia neste novo milênio

3) Quais são os aspectos básicos da Abordagem Integrativa Transpessoal?

A AIT caracteriza-se como um conhecimento Transdisciplinar na área das ciências


humanas. A integração em psicoterapia significa um esforço para olhar além das
4

fronteiras que demarcam as diferentes abordagens na tentativa de observar o que


pode ser aprendido de outras perspectivas.
Classifica-se a AIT como integrativa no sentido da integração teórica na qual duas
ou mais abordagens teóricas são integradas com a finalidade de obter um melhor
desempenho. A história deste movimento é, sobretudo, a tentativa de combinar a
abordagem psicanalítica e comportamental. Sendo um continuum da psicanálise,
psicologia analítica, junguiana, psicodrama, humanismo, transpessoal e psicologia
positiva.
Outro conceito pertinente é o da integração assimilativa, na qual a AIT se mantém;
porém aberta a assimilações de outras ideias e técnicas as quais podem sofrer
mudanças em relação àquela abordagem ampliando o conhecimento e amplas
leituras sobre o homem.
Outra denominação pertinente à referência da AIT, é a de fatores, no qual se busca
os ingredientes básicos compartilhados por diferentes psicoterapias que podem
representar aspectos teóricos ou práticos. Alguns fatores são importantes em todas
as psicoterapias, tais como a habilidade do terapeuta para inspirar confiança e a
importância de prover ao paciente com visões alternativas e mais razoáveis acerca do
eu e do mundo.
A AIT contempla teórica e tecnicamente a integração do homem, a visão do ser
integral, busca a experiência e dialoga com todos os elementos da psique, inserindo
no contexto da subjetividade individual, uma escuta sem julgamento das experiências
vividas, com os elementos trazidos pelo próprio sujeito.
Existem dois aspectos básicos da AIT que dão embasamento teórico e aplicação
na prática, são eles: Aspecto Estrutural e Aspecto Dinâmico.

Classifique e cite os elementos de cada aspecto:


A Didática Transpessoal é baseada nestes elementos fundamentais (aspecto
estrutural = corpo teórico e aspecto dinâmico = eixos dinâmicos eixo experiencial
e eixo evolutivo), juntamente com as técnicas que formam a linha de base em
Psicologia Transpessoal, a qual permite uma compreensão acessível ao
entendimento e à prática dessa vertente teórica, de forma simples, mas, ao mesmo
tempo, profunda.
5

a) Caracterize/descreva os elementos do aspecto estrutural.


O aspecto estrutural que permite dar embasamento teórico transpessoal é
constituído por cinco conceitos que formam o que se denominou de Corpo Teórico da
Psicologia Transpessoal (Conceito de Unidade / Conceito de Vida / Conceito de Ego
/ Estados de Consciência / Cartografia da consciência).

 Conceito de Unidade: a cabeça seria a orientação da estruturação e


sustentação. Em torno da qual convergem os demais aspectos. Conceito de
unidade representa o ápice da dimensão superior de consciência, no qual há
síntese das polaridades (feminino e masculino) e a convergência dos
processos dos diferentes níveis de consciência, da cartografia, de conceito
de ego e conceito de vida, o aspecto necessário ao nosso desenvolvimento
mais pleno, o Ser Transpessoal.

 Conceito de Vida: É a dimensão atemporal. Tudo é vida, energia, formas


diversas de existência, algo que não é definido, nem se sabe, quando
começou ou quando terminará. Pulsar contínuo do qual nascer, morrer e
renascer fazem parte de um processo. Possibilita mudar, ou ainda, rever
valores e crenças do indivíduo, o qual é um ser transformador de energia em
um sistema evolutivo com eterna continuidade.

 Conceito de Ego: Se caracteriza como um construto mental, ilusório, que tem


a tendência de solidificar a energia mental em uma barreira, a qual separa o
espaço em duas partes: eu e o outro. É necessário para operacionalizar a
vida no cotidiano: instrumenta a realidade da psique tal como a psicanálise,
é responsável pelo princípio da realidade. No entanto, não representa a
totalidade das experiências humanas; em algumas delas, essa instância
6

psíquica precisa dissolver-se circunstancialmente, a fim de que o indivíduo


se torne uno com tudo o que existe, sentindo seu Ser essencial, sua natureza
de sabedoria e luz.

 Estados de Consciência: Simbolizam o caminhar através das dimensões da


consciência. São passos que norteiam o processo, ampliam e favorecem a
percepção de diferentes níveis de realidade. É o caminho através do qual se
dá essa prática na área clínica, na educação, em grupos e em outras páreas
nas quais se queira dar uma orientação transpessoal. É um dos elementos
que a diferencia de outras abordagens. É a expressão e reflexo de uma
inteligência cósmica que permeia o Universo. Os principais estados de
consciência são:

 Estado de Consciência de Vigília: No EEG do cérebro, teremos ondas


Beta de 14 a 26 ciclos por segundo. Predominam as funções do ego,
a relação do indivíduo com o ambiente, a mente, as emoções e os 5
sentidos. Ocorre a separação nítida entre o eu e o mundo exterior.
Aquele no qual nos encontramos quando estamos acordados,
trabalhando e planejando.

 Estado de Consciência de Devaneio: No EEG, registram-se ondas


Alfa de 9 a 13 ciclos/segundo e pode-se alcança-lo através de
relaxamento. Traz imagens e ideias desconexas, ou mesmo, criativas,
literárias, artísticas e científicas. Propicia a associação livre e tais
ideias precisam ser anotadas imediatamente, pois tendem a
desaparecer no estado de vigília.

 Estado de Consciência de Sonho: Conhecido como sono REM,


verificou-se que todos sonhos, em média ciclos de 4 sonhos por noite.
Na transpessoal, além do conteúdo latente freudiano (pulsões,
desejos do inconsciente e impulsos), inclui também acontecimentos
ontogenéticos, filogênese; inconsciente coletivo; arquetípico e a
dimensão supraconsciente. São as pulsões de vida, de morte e
transcendência.
7

 Estado de Consciência de Sono Profundo: Corresponde, no senso


comum, à inconsciência total, quando um véu separa o indivíduo do
mundo externo. No EGG, emite ondas Delta em média de 1 a 4
ciclos/segundo.

 Estado de Consciência de Despertar: Situa-se entre a consciência


individual e a consciência cósmica. É a saída do torpor, do
automatismo. O indivíduo desenvolve, gradualmente, um nível de
reflexão, consciência e percepção mais ampla de sua existência.
Equivale a despertar um observador de si próprio. Mantendo a
atenção sustentada e direciona, conscientemente, seus pensamentos
e motivações. Os recursos que podem induzir o indivíduo a tal estado
são relaxamento, concentração, meditação, exercícios de orientação
transpessoal quando é estimulada a REIS.

 Estado de Consciência Cósmica: Ou plena consciência, quando


existe uma vivência da vacuidade plena, de uma luz que impregna o
espaço, amor indescritível, desaparecimento do medo da morte,
vivência da eternidade, descoberta do verdadeiro sentido da vida e
sentido do sagrado, com o fim do sofrimento psicológico. O afeto
positivo é de paz e serenidade.

Os estados de consciência favorecem distintas vivências ao indivíduo, para


melhor compreende-las, alguns autores estabeleceram um mapeamento,
classificaram as informações de outros níveis além da vigília e definiram diferentes
cartografias ou mapas da consciência, os quais serão explicados abaixo.

 Cartografia da Consciência: Indica e nomeia a experiência vivenciada para


um melhor entendimento do psicoterapeuta em relação ao passo que estão
sendo dados e revelados pelo inconsciente. 3 níveis ou dimensões da mente:
conteúdos autobiográficos (desde o nascimento até o momento atual da
existência), conteúdos que abrangem as vivências intra-uterinas e um último
nível que antecede o nível intra-uterino e vai além da experiência biológica.
8

*Contribuição Freudiana

*Contribuição Junguiana
* Ressaltando o inconsciente coletivo como sendo a experiência com a Humanidade.
Registro que foi sendo criado e está presente na vida de todos nós.
9

*Na Transpessoal, elaborou-se o mapa da consciência, na qual podemos relacionar


os diferentes conteúdos experienciais a uma ou mais de suas regiões.

Vigília: É formada de conteúdos usuais do cotidiano, presentes na consciência e


regidos pelo tempo linear passado, presente e futuro lógico, pensamento analítico,
causal.

Pré-Consciente: São conteúdos facilmente acessados a partir de uma simples


evocação direta. Estão parcialmente ligados à vigília.

Inconsciente Psicodinâmico: = Inconsciente freudiano. São conteúdos ligados a


experiências, sentimentos, pulsões, desde o nascimento até o momento da vida atual.
Difíceis de serem acessados e podem vir à tona sob forma de sintomas.

Inconsciente Ontogenético: São as vivências intra-uterinas, representando uma zona


de transição do nível pessoal para o transpessoal, incluindo experiências de
morte/nascimento.
10

Inconsciente Transindividual: Envolve experiências ancestrais, experiências


paligenéticas, experiências coletivas, raciais e arquetípicas, tais como:
- Ancestrais = explorações da própria linhagem genética, pois ao reviver
episódios das vidas de seus ancestrais, o sujeito sente estar explorando sua própria
história individual, seu código genético.
- Paligenéticas = transcendem os limites do próprio indivíduo e são constituídas
por experiências dramáticas de outros tempos e lugares, acompanhadas de emoções
muito fortes, que gera compreensão intuitiva da lei do carma.
- Coletivas e Raciais = são as que ocorrem provenientes de várias culturas que
já existiram, como se houvesse um inconsciente coletivo ou racial que contém toda a
história da humanidade.
- Arquetípicas = são correlacionadas com a ideia de inconsciente coletivo de
Jung, constituindo-se por símbolos universais da experiência humana, arquétipos ou
imagens primordiais.

Inconsciente Filogenético: Envolve experiências além das formas humanas, da própria


sequência evolutiva do planeta Terra, tanto orgânicas como inorgânicas. Podem ser
acompanhadas por mudanças nos reflexos neurológicos e por fenômenos motores
anormais, que parecem relacionados à ativação das redes nervosas arcaicas.

Inconsciente Extraterreno: Domínio da consciência que se entende para além do


nosso planeta. Experiência de estar fora do corpo, relatos de encontro com entidades
espirituais e chamados guias. Fenômenos mediúnicos.

Superconsciente: Ocorre profundo êxtase existencial. Há uma percepção ampla da


realidade, sentimentos de compaixão. É um nível diferenciado da consciência, quando
o indivíduo tem uma apreensão intuitiva do fenômeno da unidade e da relação
homem-cosmo.

Vácuo: Estado além de qualquer conteúdo, correspondente ao nirvana na filosofia


budista. É um estado de puro ser, quando a consciência se funde à mente Universal
e não há palavras que possam expressar esse momento.
11

Na prática, não existe uma delimitação tão rígida entre esses diferentes níveis
de consciência. Muitas vezes, interpenetram-se ou são experienciados em frações de
segundo, demonstrando que consciente e inconsciente são dimensões de uma
mesma e única realidade.

A Psicologia Transpessoal diferencia-se das escolas que a antecederam por


integrar esses níveis no contexto clínico e educacional, como pertinentes ao processo
do desenvolvimento natural do Ser Humano.

b) Caracterize/descreva os elementos do aspecto dinâmico.


O aspecto dinâmico é formado por dois elementos: Eixo experiencial e Eixo Evolutivo.

EIXO EVOLUTIVO
EIXO EXPRIENCIAL (REIS)

E. Experiencial = simboliza uma integração da REIS, a qual leva à ampliação da


percepção da realidade e à manifestação natural do eixo evolutivo ou nível superior
da consciência, do qual emergem os valores positivos e construtivos, inerentes ao ser
humano. As funções psíquicas são os recursos por meio dos quais a consciência
obtém orientação para a experiência.

E. Evolutivo = Traz a apreensão do sentido da experiência no plano pessoal e coletivo.


Através do próprio experienciar efetua-se a real aprendizagem, agregando valores à
expressão do indivíduo. Ao percorrer o eixo evolutivo, o sujeito percebe a totalidade,
desenvolve sua unidade e sua especificidade. É a evolução de sua própria
consciência por meio do saber, ao mesmo tempo que há um profundo sentimento de
comunhão com o todo e com todos.

Ao mesmo tempo em que o todo ou Unidade é a meta, a plena consciência das


partes que compõem sua articulação é necessária para a compreensão desse todo
12

em um constante intercâmbio das partes no todo e do todo nas partes e mais além
dessas.

Tal integração ocorre por meio dos aspectos dinâmicos, eixo experiencial e
evolutivo, integrados ao corpo teórico do eixo estrutural.

Todas as “etapas” fizeram parte e são necessárias neste processo. A unidade


sempre existiu, porém não estava consciente, nunca deixou de ser aquilo que sempre
foi. Apenas agora se manifesta com consciência plena.

O resultado da síntese entre os Eixos é a integração na dimensão existencial


do Ser, trazendo-lhe o refinamento da experiência vivenciada, proporcionando sentido
à vivência e apropria vida. É como se essa dinâmica possibilitasse reconectar o eixo
evolutivo em sua extensão mais plena, em sua essência, podendo também
retroalimentá-lo no processo saudável do Ser, como se o indivíduo se tornasse cada
vez mais capaz, caminhando juntos seu interesse pessoal, profissional, o
conhecimento e a ética. Ao se conhecer melhor, desenvolve o potencial que lhe é
inerente e dá sentido à existência pessoal e cósmica. Resgatando sua unidade e
integrando-se na totalidade, porque se sente em profunda comunhão com o Universo.
13