Você está na página 1de 10

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL

Estruturas de Betão Armado II


15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento

A. Ramos Nov. 2006 1


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento

Valor máximo do pré-esforço

A força aplicada à armadura de pré-esforço, Pmax (ou seja, a


força na extremidade activa durante a aplicação do
pré-esforço), não deve exceder o seguinte valor:

Pmax = Ap ⋅ σp,max

Em que:

Ap área da secção transversal da armadura de pré-esforço

σp,max tensão máxima aplicada à armadura de pré-esforço


= min { 0.8· fpk ; 0.9· fp0,1k}

A. Ramos Nov. 2006 2


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento

Valor máximo da força de pré-esforço inicial

O valor da força de pré-esforço inicial Pm0(x) (na idade t = t0),


aplicada ao betão imediatamente após a tracção e a amarração
das armaduras (pós-tensão) ou após a transferência do pré-esforço
(pré-tensão), obtém-se deduzindo à força aplicada, Pmax, as perdas
instantâneas, ∆Pi(x), não devendo exceder o seguinte valor:

Pm0(x) = Ap ⋅ σpm0(x)

Em que:

σpm0(x) tensão na armadura imediatamente após a aplicação ou a


transferência do pré-esforço
= min { 0.75·fpk ; 0.85 fp0,1k}

A. Ramos Nov. 2006 3


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento
Aplicação do pré-esforço e sua evolução
1. Betonagem da viga ................................................ t=0
2. Aplicação do p.e. ................................................... t=7 a 14 dias
- força de puxe ou força na origem do cabo (ancoragem activa)

Pmax < min { 0.8· Ppk ; 0.9· Pp0,1k}

- após perdas instantâneas devidas à deformação elástica do


betão, ao atrito entre o cordão e a bainha e ao deslocamento da
armadura nos dispositivos de ancoragem obtemos Pm0(x).

Pm0(x) < min { 0.75·Ppk ; 0.85 Pp0,1k}

3. Ao longo do tempo devemos considerar as perdas diferidas


de pré-esforço devidas à fluência e retracção do betão, e à
relaxação a longo prazo do aço de pré-esforço:

Pmt(x) < Pm0(x) ................................................. t= t dias

Pm∞(x) ................................................................ t= ∞
A. Ramos Nov. 2006 4
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento

Valores usuais de perdas


( a utilizar no pré-dimensionamento)
1. Perdas instantâneas

∆ Pinst ≈ 0.10 Pmax

Pm0 ≈ 0.90 Pmax

2. Perdas diferidas

∆ Pdif ≈ 0.15 Pm0

Pm∞ ≈ 0.85 Pm0

Pré-Dimemsionamento da secção
A altura de uma viga de betão armado pré-esforçado pode ser
estimada a partir da seguinte relação:
l
h≈
A. Ramos Nov. 2006
15 a 20 5
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento
Pré-dimensionamento do pré-esforço por
controlo das tensões no betão

Tensões devidas ao p.e.

P Pe
− − y
Ac Ic

Tensões devidas às acções exteriores

M
y
Ic
A. Ramos Nov. 2006 6
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento
Pré-dimensionamento do pré-esforço por
controlo das tensões no betão
Situação t=0 (P=Pm0 – pré-esforço incial)
(M= Mg – apenas acções quase-permanentes)

É, em geral,
condicionante
P Pe M
− − y y
Ac Ic Ic

2 w2 + M g
P P e Mg Pm 0 ≤
σ c,2 =− + − ≤ 2 MPa e−
w2
Ac w2 w2 Ac
P P e Mg 0.6 f ck w1 + M g
σ c ,1 = − − + ≥ − 0.6 f ck Pm 0 ≤
Ac w1 w1 w
e+ 1
A. Ramos Nov. 2006 Ac 7
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento
Pré-dimensionamento do pré-esforço por
controlo das tensões no betão
Situação t=∞ (P=Pm∞ – pré-esforço final)
(M= Mcar – para a compressão máxima e M=Mfreq para a
fendilhação)

É, em geral,
condicionante
P Pe M
− − y y
Ac Ic Ic
M freq − 2W1
P P e M freq Pm∞ ≥
σ c ,1 = − − + ≤ 2 MPa e+
w1
Ac w1 w1 Ac
σ c,2 = −
P P e M car
+ − ≥ − 0.6 f ck M car − 0.6 f ck w2
Ac w2 w2 Pm∞ ≥
w
e− 2
A. Ramos Nov. 2006 Ac 8
ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento
Pré-dimensionamento do pré-esforço por
controlo das tensões no betão
Estas equações definem os limites superior e inferior do valor do
pré-esforço. A excentricidade do cabo de pré-esforço deve ser, nas
secções de máximo momento devido às acções exteriores, o
máximo geometricamente possível, tendo em conta:
• A dimensão da bainha;
• O recobrimento (c > Øbainha);
• A excentricidade do cabo dentro da bainha;
• E as tolerâncias de posicionamento.

Exemplo: a≈ 0.15m
para Øbainha≈80mm

A. Ramos Nov. 2006 9


ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO II fct - UNL
15 – Pré-Esforço – Pré-Dimensionamento
Pré-dimensionamento do pré-esforço
(Critério do balanceamento das cargas)

Usar uma força útil de pré-esforço estimada de forma a


balancear cerca de 80% a 100% das cargas quase permanentes.

Pré-dimensionamento do pré-esforço
(Critério da limitação da deformação)

Usar uma força útil de pré-esforço estimada de forma a


contrabalançar cerca de 80% a 100% da flecha provocada pelas
cargas quase permanentes:

ap ≈ 80% a 100% acqp

a∞ ≈ (1+φ) (acqp – ap) < aadm

A. Ramos Nov. 2006 10