Você está na página 1de 2

Digitada por Isabela Chaves

Aula 1- Neurologia: Motricidade Reflexa

Os músculos participam de um complexo de programação, controle e comando motor. Eles e


outras várias estruturas em nível de cérebro participam da movimentação, chegando até a parte motora. Ou
seja, para realizar um simples movimento como pegar um lápis, grupos de músculos flexores e extensores
serão acionados, e, além disto, “alguém” mandará uma ordem para o cérebro para que este ato voluntário
possa ser realizado.
O sistema motor é dividido em:
 Órgãos efetuadores: que são os músculos.
 Órgãos operadores/organizadores: são estruturas que captam os estímulos e controlam os
efetuadores. Ex.: neurônios motor inferior.
 Órgãos controladores: vão zelar pela execução do controle motor. Estão na área do tálamo e
gânglios da base
 Órgãos planejadores: comandam os atos complexos que foram planejados. Estão na área do córtex
cerebral.
Os motoneurônios α ou neurônios motores inferiores, distribuídos na medula e tronco
encefálico, são estruturas muito importantes que regulam os efetuadores e avisam aos receptores
musculares, através de sinalizações para os músculos se contraírem, relaxarem, e avisam também, se a
carga está muito pesada ou não, etc.
Os fusos musculares (localizados dentro das células musculares) e os órgãos tendinosos de
golgi (localizados nos tendões) são receptores musculares que agem junto com os motoneurônios α.
Os fusos musculares são acionados em qualquer movimentação muscular, já os órgãos
tendinosos de golgi são acionados quando há uma sobrecarga muito grande de forma que o músculo tenha
que se esticar muito. Ambos os receptores citados participam do movimento de contração muscular.
Caso um estímulo seja recebido e conduzido pela medula e tronco encefálico, porém esta
ordem não volte, ou seja, o músculo não recebeu o estímulo nervoso, diz-se que ele está atrofiado.
A atrofia é um dos sinais clínicos observados em doenças de neurônio motor inferior. Diferente
do que ocorre com o neurônio motor superior em lesões em nível de cérebro, pois o paciente pode ter uma
atrofia ou uma hipertrofia.
A atrofia do neurônio motor inferior é uma atrofia rápida, porque o músculo não está sendo
usado, sendo assim, os reflexos profundos estão diminuídos ou abolidos.
Há duas características importantes em um paciente com lesão em neurônio motor inferior:
atrofia muscular no grupo que está comprometido e abolição dos reflexos.
O reflexo é o movimento mais primitivo que o indivíduo tem, pois independente de sua
vontade, independe também, se o paciente está consciente, orientado (ex.: saber ler e escrever).
O exame clínico dos reflexos é muito importante na semiologia neurológica, pois não é
necessária a colaboração do paciente e é muito difícil o paciente mentir com a resposta reflexa.
Somente do ponto de vista didático é que a motricidade é dividida em reflexa, automática e
voluntária, porque isto funciona como um todo.
O reflexo é uma resposta involuntária do nosso organismo frente a um estímulo específico. Esta
resposta pode ser motora, sensorial ou neuro-vegetativo. Ex.: aumento da secreção gástrica quando o
alimento cai no estômago; contração da pupila quando entra em um ambiente muito claro.
O reflexo motor tem uma base anátomo-fisiológica:
 Via aferente
 Via eferente Arco
 Órgão efetor: músculos. reflexo
 Vias de associação (áreas reflexógenas): na
medula e tronco encefálico.

Classificação de Sherington (baseados na via aferente):


 Exteroceptivos: é o estímulo que será aplicado na pele ou em mucosas.
 Proprioceptivos: estímulo aplicados em músculos e tendões (ambos, principalmente) ou ossículos
do ouvido interno, como sáculo.
 Visceroceptivos: não é pesquisado na prática, mas normalmente é observado. Ex: aumento da
freqüência cardíaca, piloereção, dilatação da pupila.
Os reflexos cutâneos e mucosos (exteroceptivos) são superficiais, enquanto que os reflexos
axiais e apendiculares são profundos.
• Reflexos cutâneos (superficiais):
 Facilitados pelo sistema piramidal: recebem os comandos pelo sistema piramidal e se houver uma
lesão neste sistema, os reflexos seguintes estarão abolidos.
a) Cutâneos-abdominais
b) Cremastéricos: possui diferentes respostas em homens e mulheres.
c) Cutâneo plantar em flexão: realizado em pacientes acima de 1 ano de idade, pois abaixo desta idade,
tanto o recém-nascido como o lactente, são seres automáticos reflexos, ou seja, o trato corticoespinhal não
está desenvolvido, apresentando então, uma resposta diferente (em extensão).

 Inibidos pelo sistema piramidal: só aparecerão quando houver lesão neste sistema.
a) Cutâneo plantar em extensão ou sinal de Babinski: em menores de 1 ano é normal, pois o seu trato
corticoespinhal ainda não está todo mielinizado e assim, o sistema piramidal ainda não evoluiu.
b) Palmo-mentual.

• Reflexos mucosos (superficiais):


a) Córneopalpebral: é um reflexo muito importante, pois é o que fica mais tempo em um paciente em
coma e o que primeiro reaparece quando o paciente está saindo do coma. A pesquisa será feita no limbo da
córnea, e a resposta será o fechamento do músculo orbicular das pálpebras com o fechamento dos olhos.
b) Velopalatino Estão abolidos em lesões progressivas, como
c) Faringeo miastenias e esclerose bilateral miantrófica,
por exemplo.
• Reflexos axiais (profundos):
 Face
a) Nasopalpebral: a percussão com um martelo é realizada na glabela e a resposta é a contração do
músculo orbicular com o fechamento das pálpebras. Não confundir com córneopalpebral.
b) Oro-orbicular
c) Mentoniano e/ou mentual: pois quando se faz a pesquisa do reflexo mentual, há uma resposta
discreta na região do mento. Esta resposta será encontrada nos pacientes senis e pacientes em coma.

 Tronco
a) Costoabdominal: será pesquisado em nível de rebordo, em ambos os lados. Não confundir com o
cutâneo-abdominal.
b) Médio-púbico: será pesquisado na sínfise púbica.

• Reflexos apendiculares (profundos): devem ser demonstrados em ambos os membros, pois um


reflexo assimétrico é sinal de lesão. Ao contrário disto, um reflexo mais ou menos acentuado em um
indivíduo do que no outro não é sinal de patologia.
 MMSS
a) Bicipital: mais evidente.
b) Tricipital: mais evidente.
c) Estilo radial
d) Cúbito pronador
e) Flexor comum profundo dos dedos

 MMII
a) Patelar: mais evidente.
b) Aquileu
c) Adutores da coxa.