Você está na página 1de 17

LAGO, João. Sociologia I – Modulo de Educação à Distancia. Ed.

Da
Universidade Tiradentes. Aracaju, Sergipe. 2005.

A gênese da Sociologia

1 O que é Sociologia

A criação da sociologia não é obra de um só filósofo ou cientista mas o trabalho de


vários pensadores empenhados em compreender as situações novas de
existência que estavam em curso.
As transformações econômicas, políticas e culturas verificadas no século XVII,
foram os elementos desencadeadores da formulação do pensamento sociológico.
Os eventos históricos das revoluções, industrial e francesa patrocinam a
instalação definitiva da sociedade capitalista. Em meio a esses acontecimentos
surge, em 1830, a palavra sociologia.

No início do séc. XVIII já é grande o número de pessoas que migram para os


centros urbanos, deixando o campo em busca de novas formas de sobrevivência.
Durante os séculos XVII e
XVIII aumenta
consideravelmente o numero
de fabricas que se
localizadas dentro e na
periferia das cidades, atraindo
grande parcela dos imigrantes
do campo, modificando a
paisagem urbana, bem como
seu estilo de vida. O
capitalismo dava os seus primeiros passos e já modificava de forma bastante
substancial a característica dos centros urbanos em função do novo modo de
produção1 que estava se gestando naquele momento onde se criava o trabalho
assalariado nas fabricas.

A industrialização da produção gerou um crescimento rápido e desordenado das


cidades e, com isso, uma série de problemas envolvendo as relações, tanto no
convívio social das cidades quanto no interior das fabricas no que diz respeito às
relações de trabalho. Nascia aí um novo estilo de vida baseado no urbanismo, nas
relações sociais e na sociedade de consumo e dependência da produção.

Esse cenário atrai pensadores e estudiosos que começam a


tentar entender sobre o que estava acontecendo, para, com
isso, estabelecer certas regras e ordenar o novo mundo que
nascia e se modificava rapidamente. Esses pensadores
estavam fortemente influenciados pelo Iluminismo2 e já não
podiam e rejeitavam explicações dogmáticas originarias da
igreja e voltavam suas atenções para as possibilidades que a ciência lhes
ofereciam para interpretar os fenômenos que os cercavam e, entre esses
fenômenos, o fenômeno social.
Nasce, portanto a Sociologia que procura dar conta de estudar e explicar todos os
fenômenos que envolvem a sociedade.
A sociologia, portanto, surgiu como uma tentativa de dar respostas
para os acontecimentos relacionados à revolução industrial, como por
exemplo, a condição dos trabalhadores, o surgimento das cidades

1
Modo de se conseguir os vida materiais, necessários para a sobrevivência dos homens e o
desenvolvimento da sociedade. Historicamente os Modos de Produção foram se sucedendo desde
o Tribal, passando pelo Escravista, o Feudal, chegando ao modo de Produção atual que é o
Capitalista.
2
Movimento intelectual que se desenvolveu na Europa, no século XVIII, caracterizado pela ênfase
na razão na ciência e pela desconfiança em relação à religião e às autoridades tradicionais e
ainda, pela emergência gradual do ideal das sociedades liberais, e democráticas.
industriais, os avanços tecnológicos, a organização do trabalho na fábrica, e, mais
importante a formação e uma estrutura social específica – a sociedade capitalista
– que impõe uma nova forma de convívio com todos as vantagens e problemas
envolvendo essa nova sociedade.

O termo “Sociologia foi utilizado pela primeira vez pelo pensador francês Augusto
Comte (1798-1857) em seu curso de Filosofia Positiva, em 1839. Na designação
desse pensador Sociologia significava “Ciência da Sociedade”. No entanto, foi
com Émile Durkheim (1858-1917) que a sociologia ganha o “status” de Ciência,
academicamente reconhecida. Para ele a Sociologia é “a Ciência das instituições
sociais, de sua gênese, de seu funcionamento” . Por sua contribuição significativa
Durkheim passa a ser considerado o pai da Sociologia.

Outras Leituras.
VELHO, Otavio Guilherme. Capitalismo autoritário e campesinato: um estudo
comparativo a partir da fronteira em movimento. São Paulo : DIFEL , 1979.
GOLDMANN, Lucien. Ciências humanas e filosofia: o que e a sociologia. ed.
Publicação: Rio de Janeiro: 1993.
SCHILLING, Kurt. Historia das idéias sociais: indivíduo, comunidade, sociedade.
Tradução de Fausto Guimarães. Rio de Janeiro. Zahar, 1974.

Atividade 01
a) O que desencadeou a criação da sociologia?
b) Por que as pessoas migraram do campo para os centros
urbanos?
c) O que é modo de Produção?
d) A industrialização da produção gerou um crescimento rápido e desordenado
das cidades. Qual a conseqüência disso?

Tema 2
2 O nascimento da Sociologia

A sociologia nasce no bojo da revolução do pensamento humano causado pelo


Iluminismo. Naquele momento parecia que a ciência poderia dar todas as
explicações que o homem necessitava para entender a sua existência. Essas
explicações até então eram dadas pela Filosofia e a Igreja que mantinha seu
domínio através da manutenção de crenças de origem divina. Na Grécia antiga as
primeiras explicações da existência dos homens eram de origem mitológica3. Em
seguida passou-se a explicar através da Filosofia4. Na Idade Média as reflexões
teóricas sobre as relações sociais estavam associadas a pensadores da Igreja
Católica5. Com o nascimento da Sociologia, as questões relativas as relações
entre os homens deixam de ser matéria apenas de discussão filosófica, religiosa e
do senso comum, os cientistas e pensadores passam a se interessar por essas
questões. A partir de então o homem passou a se dedicar e a elaborar métodos de
investigação e avaliação que dessem conta de explicar e interpretar a sociedade
com uma abordagem puramente científica.

Desde sua criação, no século XIX, A Sociologia desenvolveu diversos estudos e


criou ferramentas próprias para desenvolvê-los, além de um jargão específico.
Com isso ela adquire importância e autonomia como campo científico.

Mesmo apontando para o estudo da sociedade, segundo Della Torre (1986)


existem três vertentes para conceituar a sociologia:

1 A primeira vertente considera a sociologia como ciência humana e, dessa


forma seus estudos estão voltados para os fenômenos sociais das sociedades
humanas.
3
Os gregos antigos adotavam o Politeísmo Antropomórfico, ou seja, vários deuses, todos com
formas e atributos humanos. Esses deuses davam conta de explicar e reger toda a vida na terra.
4
A filosofia surge na Grécia Antiga como uma atividade especial do homem sábio, o amigo do
saber (filo + sophia = amor à sabedoria).
5
Os pensadores católicos mais conhecidos são Santo Agostinho e São Tomaz de Aquino.
2 A segunda vertente interpreta a sociologia como o estudo de certas
associações animais que apresentam formas organizadas de vida como: abelhas,
formigas etc.

3 A terceira vertente se apresenta de forma mais


abrangente e procura dar conta de todos os níveis de
organização de vida, seja animal, vegetal e humana. Nessa
vertente a Sociologia ganha o seguinte conceito cunhado por Florestan Fernandes
apud Della Torre (1986): “Ciência que estuda as interações sociais em todos os
níveis de organização de vida”

Outras Leituras

CASSIRER, Ernst. A filosofia do iluminismo. Tradução de Álvaro Cabral.


Campinas: UNICAMP, 1997.
COSTA, Maria Cristina Castilho. Sociologia: introdução à ciência da
sociedade.São Paulo: Moderna, 1997.
QUAGLIA, Vicente Celso. Sociologia: (princípios e problemas). 3. ed., São Paulo:
Juriscréd, 1999.
LAKATOS, Eva Maria Sociologia geral. São Paulo: Atlas, 1982.

Atividade 02

a) Antes do Iluminismo, de onde vinham as explicações para a existência do


homem?
b) Como a Sociologia adquiriu importância no campo científico?
c) Descreva rapidamente as três vertentes para a construção do conceito de
Sociologia e quais as suas definições?
Tema 3

3 A sociologia como Ciência

A etimologia6 da palavra “Sociologia” mostra que sua origem é híbrida, composta


de um elemento latino socius = sócio, companheiro + um elemento grego logia –
estudo, razão, conhecimento racional.
De uma forma geral a Sociologia poderia ser conceituada, segundo Della Torre
(1986) como: “estudo da sociedade”

Para se caracterizar como uma ciência, a sociologia precisou definir o seu objeto
de investigação. Elegeu, portanto o Fato Social. No pensamento de Durkheim Fato
Social seriam “maneiras de agir, pensar e sentir exteriores ao indivíduo, e dotadas
de um poder coercitivo”. Então a Sociologia irá se encarregar do estudo, como
elemento específico, dos “Fatos Sociais” relacionados ao ser humano. o homem
como objeto científico é uma idéia surgida apenas no século XIX. Até então, tudo
quanto se referia ao humano era estudado pela Filosofia ou tratados com base
nos preceitos da Igreja.
O grande problema que acompanhou a Sociologia em seus primórdios foi que, por
não ter definido o seu método de estudo, utilizou-se do método das Ciências
Naturais, que, de uma forma simples demonstramos a seguir;

Estudo objetivo e sistemático de fenômenos


Conceito de ciência: empíricos e o corpo de conhecimento resultante
desses estudos.
6
Etimologia é a parte da gramática que trata da história ou origem das palavras e da explicação do significado
delas através da análise dos elementos que as constituem, ou seja, é o estudo dos elementos que compõem os
vocábulos.
So lu ção
P relim in ar P ro po sições
D edução
↓ ↓
Método Científico ↓

H I P O TE SE + PR E M I SSAS = SI LO G I SM O

Como se pode ver, os estudos de sociologia desenvolvidos


nos primeiros anos de sua criação eram feitos de forma
similar ao estudo de um objeto qualquer na natureza. Tanto é
que o grande expoente dessa área, Durkheim, propôs que a
sociologia fosse tratada como “coisa”.

Como já foi dito a Sociologia inclui-se no rol das Ciências


Humanas porque nelas, de alguma forma inclui o ser
humano em suas observações. No entanto, segundo a celebre pensadora
brasileira, Marilena Chauí, todas as ciências são humanas porque resulta da
atividade humana de conhecimento. Para essa autora as Ciências Humanas e, em
especial a Sociologia herdaram um problema que pode ser visto sob três
aspectos:

1 Em primeiro lugar, porque seu objeto é bastante recente: o homem como objeto
científico é uma idéia surgida apenas no século XIX. Até então, tudo quanto se
referia ao humano era estudado pela Filosofia.

2 surgiram depois que as ciências matemáticas e naturais estavam constituídas e


já haviam definido a idéia de cientificidade, de métodos e conhecimentos
científicos, de modo que as ciências humanas foram levadas a imitar e copiar o
que aquelas ciências haviam estabelecido, tratando o homem como uma coisa
natural matematizável e experimentável.

3 Como não era possível realizar uma transposição integral e perfeita dos
métodos das Ciências Naturais para os estudos dos fatos humanos, as ciências
humanas acabaram trabalhando por analogia com as ciências naturais e seus
resultados tornaram-se muito contestáveis e pouco científicos.

Para poder explicar melhor podemos dizer que as Ciências Naturais lidam com
elementos que podem ser observados, testados e analisados objetivamente. A
grande pergunta é como fazer isso com elementos relacionados aos humanos
com. Por exemplo, o destino de uma sociedade. Se a Ciência busca as leis
objetivas gerais, universais e necessárias dos fatos. Como estabelecer leis
objetivas e gerais para o que essencialmente subjetivo, como a consciência
individual e coletiva de uma sociedade. (Chauí, 2000)

Esses problemas levaram a muitos cientistas a questionarem a validade das


Ciências Humanas com ciência de fato. Nesse Aspecto Chauí (2000), relaciona
algumas objeções de cientistas e filósofos no que diz respeito às Ciências
Humanas, que citamos a seguir:

A ciência lida com fatos observáveis, isto é, com seres e


acontecimentos que, nas condições especiais de
laboratório, são objetos de experimentação. Como
observar-experimentar, por exemplo, a consciência
humana individual, que seria o objeto da psicologia? Ou
uma sociedade, objeto da sociologia? Ou uma época
passada, objeto da história?

Observações Sobre Ciências Humanas.


● A ciência lida com fatos observáveis, isto é, com seres e acontecimentos que, nas
condições especiais de laboratório, são objetos de experimentação. Como observar-
experimentar, por exemplo, a consciência humana individual, que seria o objeto da
psicologia? Ou uma sociedade, objeto da sociologia? Ou uma época passada, objeto da
história?

● A ciência busca as leis objetivas gerais, universais e necessárias dos fatos. Como
estabelecer leis objetivas para o que é essencialmente subjetivo, como o psiquismo
humano? Como estabelecer leis universais para algo que é particular, como é o caso de
uma sociedade humana? Como estabelecer leis necessárias para o que acontece uma
única vez, como é o caso do acontecimento histórico?

● A ciência opera por análise (decomposição de um fato complexo em elementos


simples) e síntese (recomposição do fato complexo por seleção dos elementos simples,
distinguindo os essenciais dos acidentais). Como analisar e sintetizar o psiquismo
humano, uma sociedade, um acontecimento histórico?

● A ciência lida com fatos objetivos, isto é, com os fenômenos, depois que foram
purificados de todos os elementos subjetivos, de todas as qualidades sensíveis, de
todas as opiniões e todos os sentimentos, de todos os dados afetivos e valorativos. Ora,
o humano é justamente o subjetivo, o sensível, o afetivo, o valorativo, o opinativo. Como
transformá-lo em objetividade, sem destruir sua principal característica, a subjetividade?

● A ciência lida com fatos regidos pela necessidade causal ou pelo princípio do
determinismo universal. O homem é dotado de razão, vontade e liberdade, é capaz de
criar fins e valores, de escolher entre várias opções possíveis. Como dar uma
explicação científica necessária àquilo que, por essência, é contingente, pois é livre e
age por liberdade?

Apesar desse problema a Sociologia não deixou de seguir seu caminho na


tentativa, mesmo de forma precária, de decifrar os códigos que regiam uma
sociedade que se gestava juntamente com a Revolução Industrial nos séculos
XVII e XVIII e que iriam revolucionar definitivamente a forma de vida no planeta.
Outras Leituras
BOTTOMORE, T. B. Introdução à Sociologia. Zahar. Rio
de Janeiro, 1973
DELLA TORRE, Maria Benedicta. O homem e a sociedade: uma introdução à
sociologia. Torre São Paulo: Nacional, 1986.
SANTOS, Theobaldo Miranda. Manual de Sociologia. São Paulo: Nacional, 1968.

Atividade 03

a) Qual o significado etimológico da palavra “Sociologia”?


b) O que a Sociologia precisou para se caracterizar como “ciência”?
c) Qual o principal problema que a sociologia enfrentou em seus primórdios?
d) Resuma os três aspectos do problema herdado pelas Ciências Humanas?

4 Os campos de estudo das ciências humanas

Para desenvolver seus estudos, a sociologia interage com outras áreas inseridas
no campo das Ciências Humanas, cujas atuações relacionam-se, como já foi dito,
o ser humano.

Para melhor entender o vasto campo das Ciências Humanas, relacionamos a


seguir as principais áreas de acordo com seus campos de investigação.

Psicologia

● estudo das estruturas, do desenvolvimento das operações da mente humana


(consciência, vontade, percepção, linguagem, memória, imaginação, emoções);
● estudo das estruturas e do desenvolvimento dos comportamentos humanos e
animais;

● estudo das relações intersubjetivas dos indivíduos em grupo e em sociedade;

● estudo das perturbações (patologias) da mente humana e dos comportamentos


humanos e animais.

Sociologia

● estudo das estruturas sociais: origem e forma das sociedades, tipos de


organizações sociais, econômicas e políticas;

● estudo das relações sociais e de suas transformações;

● estudo das instituições sociais (origem, forma, sentido).

Economia

● estudo das condições materiais (naturais e sociais) de produção e reprodução


da riqueza, de suas formas de distribuição, circulação e consumo;

● estudo das estruturas produtivas – relações de produção e forças produtivas –


segundo o critério da divisão social do trabalho, da forma da propriedade, das
regras do mercado e dos ciclos econômicos;

● estudo da origem, do desenvolvimento, das crises, das transformações e da


reprodução das formas econômicas ou modos de produção.

Antropologia

● estudo das estruturas ou formas culturais em sua singularidade ou


particularidade, isto é, como diferentes entre si por seus princípios internos de
funcionamento e transformação. A cultura é entendida como modo de vida global
de uma sociedade, incluindo: religião, formas de poder, formas de parentesco,
formas de comunicação, organização da vida econômica, artes, técnicas,
costumes, crenças, formas de pensamento e de comportamento, etc.;

● estudo das comunidades ditas “primitivas”, isto é, tanto das que desconhecem a
divisão social em classes e recusam organizar-se sob a forma do mercado e do
poder estatal, quanto daquelas que já iniciaram o processo de divisão social e
política.

História

● estudo da gênese e do desenvolvimento das formações sociais em seus


aspectos econômicos, sociais, políticos e culturais;

● estudo das transformações das sociedades e comunidades como resultado e


expressão de conflitos, lutas, contradições internas às formações sociais;

● estudo das transformações das sociedades e comunidades sob o impacto de


acontecimentos políticos (revoluções, guerras civis, conquistas territoriais),
econômicos (crises, inovações técnicas, descobertas de novas formas de
exploração da riqueza ou procedimentos de produção, mudanças na divisão social
do trabalho), sociais (movimentos sociais, movimentos populares, mudanças na
estrutura e organização da família, da educação, da moralidade social, etc.) e
culturais (mudanças científicas, tecnológicas, artísticas, filosóficas, éticas,
religiosas, etc.);

● estudo dos acontecimentos que, em cada caso, determinaram ou determinam a


preservação ou a mudança de uma formação social em seus aspectos
econômicos, políticos, sociais e culturais;

Lingüística
● estudo das estruturas da linguagem como sistema dotado de princípios internos
de funcionamento e transformação;

● estudo das relações entre língua (a estrutura) e fala ou palavra (o uso da língua
pelos falantes);

● estudo das relações entre a linguagem e os outros sistemas de signos e


símbolos ou outros sistemas de comunicação.

Psicanálise

● estudo da estrutura e do funcionamento do inconsciente e de suas relações com


o consciente;

● estudo das patologias ou perturbações inconscientes e suas expressões


conscientes (neuroses e psicoses).

Cada uma das ciências humanas subdivide-se em vários ramos, definidos pela
especificidade crescente de seus objetos e métodos. Assim, podemos falar em
psicologia social, clínica, do desenvolvimento, da aprendizagem, da criança, do
adolescente, etc. Ou em sociologia política, do trabalho, rural, urbana, econômica,
etc. Também podemos falar em história econômica, política, oral, social, etc. Ou
levar em consideração que a antropologia depende de investigações feitas pela
etnografia e pela etnologia ou pela arqueologia, assim como a lingüística trabalha
com a fonologia, a fonética, a gramática, a semântica, a sintaxe, etc.;

Outras Leituras
TOSCANO, Moema, Introdução à Sociologia Educacional.
Petrópolis: Vozes, 2001
COHN, Amélia. Imagem crítica da sociologia Carlo. São
Paulo: Cultrix, 1970.
JACOB, Bazarian. Introdução a sociologia: as bases materiais da sociedade. São
Paulo: Alfa Omega, 1982.
GOLDMANN, Lucien. Ciências Humanas e Filosofia. São Paulo: DEL, 1967.

Atividade 04
Como foi visto, as Ciências Humanas dividem-se em diversas áreas e em todas
elas tem um elemento comum que é o ser humano. Faça um breve resumo
dessas áreas.

5 Antecedente da Sociologia – O Positivismo

A sociologia deu seus primeiros passos a partir do século XIX através, de uma
corrente de pensamento denominada de “Positivismo7”. Essa corrente encarregou-
se de definir o objeto de investigação e a criar uma metodologia de investigação.
Seu primeiro e principal representante foi O Francês Auguste Conte. Conte teve o
pensamento forjado dentro do Cientificismo8. Somente a partir desse pensador é
que são fundadas as bases da sociologia

Comte, cujo nome completo era Isidore-Auguste-


Marie-François-Xavier Comte, nasceu em 19 de
janeiro de 1798, em Montpellier, e faleceu em 5 de
setembro de 1857, em Paris. Filósofo e
autoproclamado líder religioso, deu à ciência da
Sociologia seu nome e estabeleceu a nova disciplina
em uma forma sistemática. Foi aluno da célebre
École Polytechnique, uma escola em Paris fundada
em 1794 onde se ensinava a ciência e o pensamento
mais avançados da época. De família pobre,
7
O Positivismo constitui uma forma de estudar os fatos humanos usando procedimentos, métodos
e técnicas empregados pelas ciências da Natureza.
8
O Cientificismo foi uma valorização exacerbada da ciência, ou seja, uma crença exclusiva e
absoluta na razão humana. De acordo com essa crença a ciência iria produzir todas as soluções
ara todos os problemas do ser humano.
sustentou seus estudos com o ensino ocasional da matemática e oportunidades
no jornalismo.

Comte, que foi o inventor do termo «sociologia», utiliza termos com claras origens
das ciências naturais um deles e “física social” para designar o estudo científico
das questões relativas a sociedade. Isso era uma clara influencia das ciências
naturais e, segundo Conte, o estudo da sociedade poderia atingir num futuro
próximo o rigor das ciências voltadas para a natureza. Baseado nesse
pensamento, apresenta a lei dos três estados, segundo a qual o
desenvolvimento da humanidade passaria por três fases sucessivas.

Ciência positiva

Metafísica

Superstição religiosa

O estado teológico é caracterizado pelo sobrenatural e corresponde


historicamente à Idade Média.

O estado metafísico está marcado pelo aparecimento de princípios abstratos que


enunciam uma idéia geral do homem.
O estado positivo corresponde à fase de maturidade da sociedade e inicia com o
aparecimento da sociedade industrial e pelo surgimento das observações
científicas e dos princípios que irão dar ordem à sociedade.

Do ponto de vista de Conte, os dois primeiros estados, o Teológico e o Metafísico


são caracterizados pelo domínio da imaginação e argumentação, enquanto que o
terceiro, o Positivo pela observação. O estado positivo inicia-se com a idade
Esta ultima etapa
industrial regida pelos interesses econômicos. segundo ele
significava o est 疊
io final do
progresso humano.

Segundo o Positivismo de Comte as leis sociais são fundamentalmente leis


naturais. De acordo com essa pressuposição a sociedade é uma espécie de
organismo vivo e os fenômenos sociais, podem ser analisados com base nas leis
naturais. Da mesma forma que existe a física da natureza, segundo Conte deve
haver uma física para a sociedade que explique o comportamento dos indivíduos
em grupo, e esta física social seria denominada de Sociologia. Comte propõe o
estudo científico da sociedade a partir dos procedimentos, métodos e técnicas
empregados pelas ciências da natureza, da mesma forma como se procede com a
biologia, a química e física, por exemplo.

Atividade 05
a) O que foi o Positivismo?
b) Quais foram as fases da Lei dos 3 estados desenvolvida por Conte?
c) Segundo o Positivismo de Comte as leis sociais são fundamentalmente leis
naturais. De acordo com essa pressuposição o que significa a sociedade para
Conte e como devem ser analisados os fenômenos sociais?

Atividade geral da Unidade


Desenvolva um texto com base nos conteúdos dados e nas leituras propostas,
tratando da sociologia, considerando a sua origem, trajetória e situação atual.
Resumo da Unidade

Caro aluno você concluiu a primeira unidade onde teve a oportunidade de obter
informações sobre a gênese da sociologia. Para isso foi mostrado as contingências em
que se deram o aparecimento de elementos que despertaram a atenção para o inicio de
um estudo da sociedade e como ele pode se desenvolver como ciência. Verificou que a
Sociologia pertence às Ciências Humanas assim como outras áreas apresentadas. Por
fim pode verificar que a Sociologia inicia sua tentativa de se firmar como ciência através
do Positivismo, que dá os primeiros passos para o desenvolvimento do método de
estudo desse campo. Esta primeira unidade teve como objetivo principal apresentar os
principais conceitos que envolvem a Sociologia enquanto disciplina das Ciências
Humanas.