Você está na página 1de 57

NEURODYN

ESTHETIC
Modalidades Terapêuticas

• Corrente Aussie (AUSS)

• Corrente Polarizada (POL)

• Micropolarizada (PMES)

• Microcorrente (MENS)

• Massagem Aura (AURA)

• Alta Frequência (HF)


Indicações

• Corrente Aussie: flacidez muscular, analgesia, drenagem linfática, e eletrolipólise

• Corrente Polarizada: ionização (celulite, gordura localizada, estrias, rejuvenescimento)

• Micropolarizada: estrias, rugas e linha de expressão (eletrolifting)

• Microcorrente: flacidez dérmica, e cicatrização

• Massagem Aura: analgesia, relaxante muscular, melhora da circulação sanguínea e linfática

• Alta Frequência: limpeza de pele, tratamento capilar, e podologia.


CORRENTE AUSSIE

Prof. PhD Alex Ward, University of La


Trobe, Melbourne Australia
Senior Lecturer, Coordinator of
Biophysical Sciences
CORRENTE AUSSIE

• Corrente Interferencial: forma


senoidal (4kHz)

• Corrente Russa: bursts de longa


duração (2,5kHz – 10ms)

• Corrente Aussie: bursts de curta


duração (1kHz – 2ms e 4kHz – 4ms)
CORRENTE AUSSIE
Em 2004, PhD Alex Ward et al. (Austrália) mensuraram a produção de torque
bem como o desconforto produzido por correntes alternadas de frequência
de (500Hz a 20kHz). Os autores encontraram que para a produção de torque
máximo, a frequência de pulso de 1kHz e a duração de Bursts de 2.0-2.5ms
foram as melhores.
CORRENTE AUSSIE
Em 2007, Ward et al. também encontraram após pesquisas que para
um desconforto mínimo, a frequência de 4KHz com duração de Bursts de 4- 5ms
são os melhores parâmetros.
CORRENTE AUSSIE

Flacidez
MUSCULAR

• Atrofia tecidual
DERMICA • Falta de atividade física
• Envelhecimento
Déficit de substâncias dérmicas

Analgesia e drenagem
CORRENTE AUSSIE

FORTALECIMENTO E TONIFICAÇÃO MUSCULAR

• Frequência portadora: 1kHz


• Duração dos Bursts: 2ms
• Frequência de modulação
dos Bursts: 50Hz
CORRENTE AUSSIE
DRENAGEM LINFÁTICA, ANALGESIA E ELETROLIPÓLISE

• Frequência portadora: 4 kHz


• Duração dos Bursts: 4ms
• Frequência de modulação
dos Bursts:
- 10 Hz (drenagem)
- 10 a 30 Hz (eletrolipólise)
- 10 A 30 Hz (dor crônica)
- 100 a 120 Hz (dor aguda)
CORRENTE AUSSIE

PARÂMETROS

•Modo de estimulação (STIM. MODE) - CONT, REC, SINC, SEQ


•Frequência Portadora (CARRIER)
•Duração de burst (DURATION ms)
•Frequência (FREQUENCY Hz)
•Rise, On, Decay, Off
•Tempo de aplicação
•Intensidade
CORRENTE AUSSIE

TÉCNICA DE APLICAÇÃO

FORTALECIMENTO ANALGESIA DRENAGEM

• Mioenergética Área a ser tratada deve Eletrodos posicionados no


• Ponto Motor estar posicionada sentido do sistema linfático
entre os eletrodos de distal para proximal no
membro
CORRENTE AUSSIE

FORTALECIMENTO
Mioenergética
CORRENTE AUSSIE
FORTALECIMENTO
Ponto Motor
• Conhecimento prévio
• Localizar adequadamente os pontos
CORRENTE AUSSIE

ANALGESIA

D
o
r
CORRENTE AUSSIE

DRENAGEM LINFÁTICA
CORRENTE AUSSIE
ELETROESTIMULAÇÃO FACIAL
CORRENTE AUSSIE
ELETROLIPÓLISE
Aplicação de corrente elétrica alternada não específica, mas modulada em baixa
frequência (5-30Hz) a qual atuará diretamente nos adipócitos.
CORRENTE AUSSIE
Celulite
• Predisposição genética
• Sexo feminino
• Alterações no metabolismo do tecido conjuntivo, sistema vascular sanguíneo e
linfático, tecido adiposo

Tecido Saudável Tecido com celulite


CORRENTE AUSSIE
ARQUITETURA TECIDUAL DA HIPODERME EM HOMENS E MULHERES

Homens x Mulheres
CORRENTE AUSSIE

Gordura localizada
• Aumento no número e volume dos adipócitos
• Acúmulo de líquido intercelular
• Fibrose dos septos intercelulares
CORRENTE AUSSIE

ELETROLIPÓLISE

MECANISMO DE AÇÃO

• Produção de calor local (aumento da vascularização)


• Drenagem
• Estimulação do sistema nervoso
autônomo simpático
CORRENTE POLARIZADA

IONTOFORESE (IONIZAÇÃO)

• Corrente pulsada monofásica em milampères (mA)


• Por meio das propriedades da corrente ocorre a migração iônica do medicamento
para o interior dos tecidos.
• Ação através da eletrorepulsão
• Ação local do medicamento

Robertson, Ward, Low, Reed; 2011


CORRENTE POLARIZADA

POL + POL -
CORRENTE POLARIZADA
CORRENTE POLARIZADA

TÉCNICA DE APLICAÇÃO CORPORAL


• Umidificar as esponjas com água.

• O princípio ativo deverá ficar no


POLO ATIVO (jacaré vermelho). O
equipamento deve ser ajustado na
mesma polaridade do ativo.

• Distância entre os eletrodos.

• Intensidade de acordo com a


sensibilidade do paciente.

• Tempo de aplicação de 5 a 10
minutos.
CORRENTE POLARIZADA
TÉCNICA DE APLICAÇÃO CORPORAL/FACIAL
• Umidificar a esponja com água.

• Ajustar no equipamento a mesma


polo ativo polaridade do princípio ativo.

• Intensidade de acordo com a


sensibilidade do paciente.

polo dispersivo • Tempo de aplicação de 5 a 10


minutos.
CORRENTE POLARIZADA

DESINCRUSTE
Saponização

polo ativo
reação eletroquímica
junção de substância alcalina com sebo

eletrólise

polo dispersivo Ponteira gancho com algodão embebido na


solução (a base de carbonato de sódio).
Placa de alumínio e esponja vegetal
posicionado abaixo da região do ombro.
Peixoto,2007
MICROPOLARIZADA - ELETROLIFTING
CARACTERÍSTICAS

• Corrente pulsada monofásica em microampères (µA)

• Técnica de aplicação: caneta com agulha (polo ativo) e polo dispersivo (placa
de alumínio e esponja vegetal)

Estrias Rugas
MICROPOLARIZADA - ELETROLIFTING

MECANISMO DE AÇÃO

• Estímulo físico da agulha e micro


corrente polarizada PROCESSO INFLAMATÓRIO

• Processo inflamatório (P.I – 2 a 7


dias) local

• Vasodilatação e aumento na
permeabilidade do vaso

• Hiperemia e edema
MICROPOLARIZADA - ESTRIAS

Estrias
Perda da capacidade de síntese dos
fibroblastos, do colágeno, da elastina
levando a alterações estruturais do tecido
conjuntivo, comparada com a pele normal.
(Maia, 2009)
MICROPOLARIZADA - ESTRIAS

TÉCNICA DE APLICAÇÃO
• Antissepsia local – clorexidina
alcoólica 0,5%

• Técnica invasiva com


perfuração da
agulha a cada 2mm em todo o
trajeto

• Intensidade 70 a 100 µa

• Tempo de aplicação depende


da extensão e quantidade de
estrias
MICROPOLARIZADA - RUGAS

Rugas
Rugas profundas: não sofrem modificações quando a pele é esticada, rugas
decorrentes da exposição solar
Rugas superficiais: pele não exposta, envelhecimento cronológico

• Rugas de expressão: grau I, sem


alteração dermoepidérmica
• Rugas finas (estáticas): grau II, com
alteração dermoepidérmica
• Rugas gravitacionais (ptose): grau III com
alteração dermoepidérmica e subcutânea

Lapiere e Pierard, 1987


MICROPOLARIZADA - RUGAS

TÉCNICA DE APLICAÇÃO – Invasiva


• Antissepsia local – clorexidina
alcoólica 0,5%

• Técnica invasiva com perfuração


da
agulha dentro da ruga a cada 2mm
em todo o trajeto

• Intensidade 100 a 300 µa

• Tempo de aplicação depende da


extensão e quantidade das rugas
MICROPOLARIZADA - RUGAS

TÉCNICA DE APLICAÇÃO – Não Invasiva


• Antissepsia local – clorexidina
alcoólica 0,5%

• Escarificação: Técnica não


invasiva na qual realiza-se
arranhões sobre todo o trajeto
da ruga. Vai haver a formação
de crosta e o paciente deve ser
orientado a não removê-la.

• Intensidade de 50 µA.

• Tempo de aplicação depende da


extensão e quantidade das
rugas
MICROPOLARIZADA - RUGAS

TÉCNICA DE APLICAÇÃO – Não Invasiva


• Técnica de contato (linhas de
expressão pequenas): Técnica
não invasiva na qual realiza-se
uma pressão contínua por 15
segundos sobre a ruga.

• Intensidade de 300 µA.

• Tempo de aplicação depende da


extensão e quantidade das rugas.
MICROPOLARIZADA – ESTRIAS E RUGAS
ATENÇÃO

• Repetir a técnica no mesmo local após 15 dias para as técnicas invasivas e a técnica
de escarificação.
• Repetir a técnica no mesmo local após 7 dias para a técnica de contato.
• Não utilizar produtos que acalme a pele após o uso da corrente.
• Número de sessões variável.
• Estrias avermelhadas podem responder melhor ao tratamento.
• Pacientes com distúrbios de cicatrização podem não obter o resultado esperado.
Questionar o paciente quanto a predisposição a queloides.
MICROCORRENTE

Corrente pulsada em microampères (µA) com inversão automática de


polaridade positiva e negativa a cada 3 segundos.

INDICAÇÕES

• Processo inflamatório
• P.O - feridas cirúrgicas
• Úlceras de decúbito
• Pós peeling na busca de uma normalização da pele
• Rejuvenescimento facial
MICROCORRENTE

EFEITOS FISIOLÓGICOS

• Restabelecimento da bioeletricidade tecidual


• Incremento à síntese de ATP
• Aumento da oxigenação tecidual
• Aumenta o transporte ativo de aminoácidos
• Aumenta a síntese de proteínas

Ennis et al., 2011


MICROCORRENTE

SOLUÇÃO DE CONTINUIDADE
(Acne, úlceras, pós operatório)

TÉCNICAS:

• Normalização

• Bioestimulação
MICROCORRENTE

NORMALIZAÇÃO EM FERIDAS • Normalizar o PH da pele e o


potencial da membrana celular.
• Utilizada em PO imediato, edema,
cicatrização.

• Eletrodos placas de borracha condutiva para


aplicação.
• Aplicação uma vez por semana ou segundo a
evolução de cada paciente. (enquanto tiver
secreção purulenta)
• Utilizar 100 Hz e 500 µA
• Tempo de aplicação de 30 minutos. 1 2 3 4

1 2 3 4
MICROCORRENTE

BIOESTIMULAÇÃO EM FERIDAS • Estimula a mitocôndria a


produzir ATP, aumenta energia
celular para sintetizar colágeno.
• Pacientes com predisposição a
queloides e acnes graves utilizar
somente normalização.

• Eletrodos placas de borracha condutiva


para aplicação.
• Utilizar 1 Hz e 50 µA
• Tempo de aplicação de 30 minutos.

1 2 3 4

1 2 3 4
MICROCORRENTE

APLICABILIDADE EM REJUVENESCIMENTO

TÉCNICAS:

• Normalização
• Nutrição
• Bioestimulação
MICROCORRENTE

1- NORMALIZAÇÃO PARA • Normalizar o PH da pele e o


REJUVENESCIMENTO potencial da membrana celular.
• MANOBRAS - 3 a 5 movimentos
no mesmo traço
• Eletrodos ponteiras esféricas
(canetas) e gel condutor neutro.
Aplicar as canetas realizando
microalongamentos obedecendo
as linhas da pele e direção das
fibras musculares.
• Aplicação uma vez por semana
• Utilizar 100 Hz e 500 µA
• 5 minutos cada hemiface
MICROCORRENTE

2- NUTRIÇÃO PARA REJUVENESCIMENTO • Atua nas papilas dérmicas, faz


dilatação dos capilares visando
melhora da oxigenação tecidual.
• MANOBRAS – 3 vezes em cada
hemiface.
• Aplicar após a normalização
• Eletrodos ponteiras esféricas (canetas) e
gel condutor neutro. Aplicar as canetas
realizando “cobrinhas” por toda a face.
• Aplicação uma vez por semana
• Utilizar 100 Hz e 100 µA
• 5 minutos cada hemiface
MICROCORRENTE

3- BIOESTIMULAÇÃO PARA • Estimula a mitocôndria a produzir


REJUVENESCIMENTO ATP, aumenta energia celular para
sintetizar colágeno
• MANOBRAS – 3 a 5 movimentos
em cada traço.
• Aplicar após a nutrição
• Eletrodos ponteiras esféricas (canetas) e
gel condutor neutro. Aplicar as canetas
com uma fixa e a outra deslizando,
obedecendo as linhas da pele e direção
das fibras musculares.
• Aplicação uma vez por semana
• Utilizar 1 Hz e 50 µA
• 5 minutos cada hemiface
MASSAGEM AURA

Massagem e drenagem vibracional


Utiliza-se um campo eletrostático produzido naturalmente na superfície da
pele para produzir uma massagem vibracional por repulsão oscilatória de
cargas.

Fricção e atração eletrostática

Vibrações agradáveis no tecido


MASSAGEM AURA

INDICAÇÕES

• Alívio da dor no pós-operatório


• Relaxamento muscular
• Auxilia a drenagem linfática
• Aumenta a circulação sanguínea local
MASSAGEM AURA
Efeitos fisiológicos da drenagem eletrovibracional

266.5 μm² 95.1 μm²

A – grupo controle
B – grupo após a drenagem eletrovibracional – vasoconstrição significativa e efeito anti-inflamatório
com redução na liberação da citocina pró-inflamatória IL8 .
Boisnic et al, 2010
MASSAGEM AURA

TÉCNICA DE APLICAÇÃO
• Terapeuta: eletrodo autoadesivo no braço
ou antebraço e luvas de vinil
• Paciente: segura o bastão metálico
• Talco para deslizamento
• Compressão, coordenação e controle
• Parâmetros:

- Frequência: 10 - 200 Hz
- Tempo de tratamento: 1-60 min
- Intensidade de saída: 0- 100%
ALTA FREQUÊNCIA
• O equipamento gera uma tensão alternada de alguns milhares de volts
(baixa corrente) que é aplicada a eletrodos de vidro.

• O gás dentro do eletrodo de vidro será então excitado produzindo pequenas


“faíscas elétricas” na face externa. Durante este processo de faíscas elétricas
é gerado ozônio.

• Propriedades do ozônio: oxigenante, fungicida e bactericidas.


ALTA FREQUÊNCIA
INDICAÇÕES

• Desinfecção da pele acneica e lesões podais


• Feridas inflamadas pós-extração de cutículas ungueais
• Cauterização da pele pós-extração de pústulas
• Em protocolos de revitalização e hidratação da pele
• Estimulação da circulação sanguínea facial e capilar
• Desinfecção do couro cabeludo no caso de seborréias
• Pós-depilação

• Tratamento facial
• Tratamento capilar
• Podologia
ALTA FREQUÊNCIA
TIPOS DE ELETRODOS

• Eletrodo aplicador de vidro tipo esférico maior e menor – empregado no


modo faiscamento direto e fluxação. Pode ser empregado nos tratamentos de
limpeza de pele e tratamentos podais.

• Eletrodo aplicador de vidro tipo pente – empregado em tratamentos capilares


como alopecia e seborréia utilizando o modo fluxação.
ALTA FREQUÊNCIA
TIPOS DE ELETRODOS

• Eletrodo aplicador de vidro tipo forquilha – pode ser utilizado em mamas e


pescoço no modo faiscamento direto e fluxação.

• Eletrodo aplicador de vidro tipo saturador – utilizado com o modo


faiscamento indireto. Melhora a vascularização e nutrição tecidual em peles
desvitalizadas (estímulos manuais).

• Eletrodo aplicador de vidro tipo cauterizador – empregado no modo


faiscamento direto para homeostasia da pele pós extração (limpeza que pele,
acnes).
CONTRA-INDICAÇÕES
• Uso de toxina botulínica
• Cardiopatia, presença de marcapasso, dispositivos eletrônicos implantados
• Neoplasia
• Gravidez
• HA e diabetes descompensados
• Psoríase
• Alergia à corrente e ao campo elétrico
• Somente para polarizada e micropolarizada: presença de metais internos e
externos
• Somente para micropolarizada: hemofilia, vitiligo, queloides ou propensão a
queloides, lesões abertas, processo inflamatório sistêmico ou paciente que
está fazendo uso de anti-inflamatórios ou corticoides
• Para massagem aura: doenças cutâneas infecciosas, inflamações agudas,
epilepsia, trombose e doenças vasculares não tratadas.
www.conexaocefai.com.br duvidas@ibramed.com.br

Prof.ª Jéssica Helena Franco Dorigatti


Biomédica
MBA em Estética e Cosmética Aplicada - CEFAI
Analista de aperfeiçoamento e apoio técnico - IBRAMED
E-mail: j.dorigatti@ibramed.com.br
.