Você está na página 1de 3

Trabalhando a Ancestralidade

Por Maura McHugh

Quando o tema é os Ancestrais, por vezes a imagem que nos vem é a de um de


nossos predecessores megalíticos, dos povos que ergueram grandes
monumentos como Newgrange ou Loughcrew. Imaginamos como eles viviam em
contato com a Natureza, em comunidades tribais e honrando a passagem das
estações do ano. Temos uma predisposição a elevar nossos ancestrais
desconhecidos a posições do mais alto prestígio, e a romancear suas vidas. Em
contraponto, costumamos denegrir nossas vidas presentes e a nós mesmos,
geralmente condenando nosso estilo de vida moderno, o qual é menos trabalhoso,
menos tribal, mais urbano e, claro, mais limpo!

Nossos ancestrais eram pessoas, as quais podem cometer erros e ser


desagradável. Podem ser divertidos e prestativos, ou então sérios e arrogantes.
Eles nem sempre estão certos, e por vezes podem demonstrar uma grande
resistência quanto a como as coisas deveriam ser, simplesmente porque assim lhes
é interessante. Erguê-los ao cimo de um pedestal é um grande erro. O que eles
realmente desejam é estar ao nível do solo, junto conosco, onde possam nos
sentir e tocar! Uma coisa que sempre devemos ter em mente é o fato de que
estamos vivendo esta vida, neste mundo. Não nos é permitido reviver as vidas de
nossos ancestrais - mas nós seguramente podemos desfrutar de sua ajuda e de
seus ensinamentos através de seu conhecimento e sabedoria.

Quando se começa a trabalhar com os Ancestrais, quaisquer problemas não


solucionados com sua família (em especial com pais e irmãos) tendem a se
manifestar. Tais questões, como tudo, podem ser deixadas de lado ou ignoradas,
mas num trabalho espiritual sério tais negligências implicam em um acerto de
contas mais dramático posteriormente. O Trabalho com os Ancestrais nos força
antes a conhecer a nós mesmos, bem como à nossa vida íntima e às relações que
estabelecemos com os que nos rodeiam. Somente após limparmos nosso quintal
poderemos olhar para as casas da vizinhança. Um dos primeiros passos para que
estabeleçamos uma visão mais clara de nós mesmos é reconhecer os padrões de
pensamento e de comportamento decorrentes de nossa criação e
condicionamento. Certamente nem todos esses padrões são destrutivos, mas
hábitos inconscientes fornecem boas pistas sobre o que devemos investigar, e
talvez uma certa reprogramação seja necessária. Nessas ocasiões, nossa
percepção do universo e de nós mesmos pode ser comprometida ou mesmo
destroçada; se por um lado este pode ser um processo doloroso, por outro pode
nos indicar padrões de pensamento complacentes ou acomodados, trazendo com
essa percepção visões antes desconhecidas. As mudanças que processamos em
nosso interior costumam reverberar em nossa família, entre os amigos e por toda
a comunidade, por causa de nossa interconexão básica.
Os Ancestrais podem ser vistos como uma fonte útil a ser abordada quando há
um determinado rito ou cerimônia que deseje pesquisar, seja ela pré-existente,
seja uma que tencione criar. Eles não vão necessariamente fornecer informações
passo-a-passo, mas podem indicar a direção certa, ou até mesmo apresentar outro
Ancestral que conheça melhor o tema.

Nossos ancestrais também atuam muito bem como intermediários entre nós e
outros Espíritos ou Entidades com quem nos deparamos em nosso trabalho.
Eles podem dialogar com um espírito que não seria necessariamente receptivo,
agindo como uma espécie de garantia de nosso valor - dizer "eu vim para ajudar"
por vezes não é o bastante. Com o passar do tempo, e à medida que progredimos
em nosso trabalho com os Ancestrais, mais eles tendem a estar presente
constantemente. Isso fica particularmente claro quando os espíritos menos
amistosos não questionam suas habilidades, uma vez que sua "autoridade"
ancestral lhes é evidente. Algumas entidades vêem não apenas você, mas toda
a sua linhagem ancestral, não criando as mesmas distinções que estabelecemos
entre indivíduos. Isto vale para indivíduos que apreciem trabalhar com uma certa
linhagem genética. Você pode estar lidando com eles, mas eles podem não ver
diferenças entre você e sua avó Maria, que costumava ser a benzedeira da
comunidade. Também a sua percepção de Tempo, do modo como o vemos, pode
ser inexistente. Este tipo de contato com um determinado grupo espiritual é
bastante interessante, e geralmente muito profundo.

Quando estabelecido, deve ser mantido e honrado.

O trabalho com a Ancestralidade geralmente nos leva a um renovado interesse


por nossa genealogia. Pesquisas costumam revelar alguém em nossa família que
lia borras de chá, ou praticava algum tipo de cura, ou que era considerada meio
"estranha". As histórias que descobrimos podem ser bem interessantes se
pesquisarmos nos círculos familiares certos. Esses traços de família são geralmente
abordados com um certo receio, e podem não ser discutido abertamente. Algumas
perguntas discretas podem fornecer ao menos uma dica de alguém na família que
trabalhava da mesma forma. Tais ligações são muito importantes, pois servem
como um forte lembrete de nossa herança. Aqueles que foram adotados também
não estão sozinhos: Jornadas xamânicas nos permitem contatar nosso
ancestral a despeito de que saibamos ou não quem eles sejam.

O Samhain é um período do ano durante o qual as pessoas prestam grandes


homenagens a seus Ancestrais. Há diversas maneiras pelas quais isso pode ser
feito, e cada indivíduo deve optar a forma que deseja adotar. Pode ser um simples
telefonema para um irmão distante, um jantar festivo em honra de seus
ancestrais já mortos, ou uma visita a um cemitério. Nossos Ancestrais estão em
nós, portanto crer que temos de viajar a lugares distantes em jornadas que exijam
grande empenho é um equívoco. Eles se manifestam em nós quando rimos como
nossas mães, quando ouvimos alguém dizer que nossos olhos são idênticos aos do
tio Tommy, quando herdamos uma paixão pela arte que remonta a muitas
gerações, ou ainda através de nossa habilidade em contar estórias. Honrar aos
ancestrais também é homenagear a nós mesmos. A nossa primeira missão, em
qualquer caminho espiritual, é saber quem somos. Essa é a base sólida de que
precisamos ao trabalhar em áreas que nos testam e desafiam. Trabalhar nossa
Herança Ancestral é somente um dos muitos meios de se obter essa
compreensão.

Para mais sobre a filosofia e os pensamentos de Maura, visite o site Three Worlds (textos em inglês).