Você está na página 1de 11

INSTITUTO SUPERIOR DE TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

_________________________________________________________________________

Engenharia de Tráfego

Aula 5

Dimensionamento de
Intersecções semaforizadas simples

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 1 de 11


1. Introdução

 Intersecções são zonas onde duas ou mais linhas de movimentos de veículos


ou peões se cruzam e entram em conflito por terem de partilhar o mesmo espaço.

 Factores críticos da rede viária (em especial da rede urbana)


 Capacidade
 Segurança / Sinistralidade

 Objectivos
 Redução do número e gravidade dos acidentes (aumento de
segurança)
 Garantir a máxima comodidade e conveniência aos utilizadores
 Rapidez / Capacidade (mobilidade)
 Alternativas (acessibilidade)
 Facilidade de utilização

Sistema de controlo de tráfego utilizado em muitos cruzamentos de nível com os


seguintes objectivos:
 Aumento da segurança, separando as correntes de tráfego em conflito;
 Diminuição do tempo de atravessamento;
 Aumento da capacidade;
 Equilíbrio do nível de serviço nas correntes de tráfego.

Vantagens
 Maior controle sobre as decisões dos utilizadores - nomeadamente as
erradas
 Permite alterar comportamentos - por exemplo velocidades ou itinerários
 Permite a progressão ininterrupta de um pelotão / viatura prioritária / TP
 Permite coordenar o tráfego de um itinerário/rede

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 2 de 11


1.1. Cruzamento semaforizado vs cruzamento prioritário

1.1. Definições

Ciclo - Sequência total de indicações de um semáforo (suposta repetitiva);


Tempo de ciclo (TC) - Tempo necessário para completar um ciclo, medido em
segundos;
Fase - Parte do ciclo destinada a uma qualquer combinação de movimentos que
recebem permissão para avançar. Uma fase pode acomodar um movimento
protegido ou permitido. (Um movimento permitido é aquele que tem lugar em conflito
com um fluxo de veículos ou peões, os movimentos protegidos são aqueles que se
executam sem esses conflitos);
Intervalo - Período de tempo em que todos os sinais se mantêm constantes;

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 3 de 11


Tudo vermelho (TV)- Intervalo em que o vermelho se encontra aceso para todas as
fases;
Tempo perdido (TP) - Tempo em que a intersecção não está a ser utilizada por
nenhum dos movimentos;

Tempo de mudança (Y) - Soma dos tempos de ‘amarelo’ e ‘tudo vermelho’ que
ocorrem entre fases e que existem para permitir a limpeza do cruzamento, medido
em segundos;
Tempo de verde - tempo em que, durante uma dada fase, a luz verde aparece.
Medido em segundos e identificado como Gi (para a fase i);
Tempo de verde efectivo - Tempo, durante uma fase, que é efectivamente utilizado
pelos movimentos, é geralmente igual ao tempo de verde mais o tempo adicional de
passagem menos o tempo perdido no arranque para a fase i, medido em segundos
e designado pela letra gi (para a fase i);
Rácio de verde - Relação entre o tempo verde efectivo e o tempo de ciclo gi/TC
(para a fase i);
Vermelho efectivo - Tempo, durante um ciclo, em que um movimento (ou conjunto
de movimentos) não tem permissão para avançar. É medido em segundos e
identificado por ri (para a fase i);

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 4 de 11


1.2. Movimento protegido vs movimento permitido

Fase para peões


 A semaforização melhora as condições de atravessamento dos peões
 Condição para atribuição de uma fase exclusiva (movimento protegido) ou
uma fase combinada com o tráfego automóvel (movimento protegido para os peões)
– Reino Unido:
 Se o fluxo de peões cruzando qualquer dos braços do cruzamento for
superior a 300 peões/hora;
 Se o tráfego que vira para um determinado braço tem uma separação
de menos de 5 seg. durante o tempo de viragem e conflito de 50 peões /hora.

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 5 de 11


Fase exclusiva para viragem à esquerda
Função de: Volume de conflito, n.º de pistas e velocidade, na via a cruzar

Capacidade

 Condições de tráfego - Volumes, distribuídos por movimentos tipo;


localização e utilização de paragens de autocarro que possam existir na área da
intersecção; fluxos de atravessamento de peões; condições de estacionamento.
 Características geométricas - Número e utilização das pistas, inclinações
longitudinais.
 Características de sinalização - Definição das fases (tempos e sequências) e
modo de operação do comando.

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 6 de 11


A capacidade de um grupo de pistas pode ser definida por:

sendo:
ci - capacidade do grupo de pistas i
si - fluxo de saturação para o grupo de pistas i
gi/TC - rácio de verde para o grupo de pistas i (tempo de verde/tempo de ciclo)

Fluxo de saturação: fluxo máximo que pode atravessar uma dada intersecção, sob
as condições existentes, admitindo que aquele grupo de pistas dispõe de 100% de
tempo de verde.

Grau de saturação: consiste no rácio volume/capacidade (v/c) para cada pista do


cruzamento.

S S

Rácio Crítico (Xc).- consiste no rácio volume/capacidade (v/c) para a intersecção


como
um todo, mas, considerando apenas o movimento com maior rácio v/s em cada uma
das fases.

∑( ) [ ]
S

sendo:
XC - rácio crítico (v/c) para a intersecção como um todo
∑( ) - somatório de todos os grupos de pistas consideradas críticas

TC - tempo de ciclo em segundos


Tp - total de tempo perdido por ciclo,

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 7 de 11


Baseando-nos no conceito de rácio crítico, podemos concluir que se
, então é possível acomodar todos os movimentos na sequência de fases e
tempos de ciclo definidos.

Tempo de ciclo óptimo é o tempo mínimo necessário para acomodar os


movimentos.
Segundo Webster1 (formulação baseada na minimização dos tempos de atraso da
intersecção),
(1) Webster, F. V. - Traffic Signal Settings, Road Research, Technical Paper N. 39 - Road Research
Laboratory, 1958, pp 1-44.

pt mo
∑m
Sendo:
yj – Índice de carga (v/s) da fase j (crítico)

A partir da fórmula de Xc,

pt mo
∑( )
S

Cálculo do tempo perdido

Tempo perdido por ciclo:

∑l ∑

l pa - ap (tempo perdido)

(tempo de mudança)

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 8 de 11


Sendo:
Tpa – tempo perdido no arranque;
Tap – tempo adicional de passagem;
TV – tempo “tudo vermelho”;
A – tempo de amarelo

Valores típicos:

V(Km/h) Tpa(seg.) Tap(seg.) A (seg.)


30 2,5 2,5 3
40 3,5 2,5 3
50 4,5 2,5 4
60 5,5 2,5 4

O tempo médio de atraso por veículo pode ser calculado pela seguinte expressão
(admitindo chegadas aleatórias):

d d d

[ ( ⁄ )]
d
[ ( ⁄ ) ( ⁄ )]

( ⁄ )
d ( ⁄ ) (( ⁄ ) ) √(( ⁄ ) ) ( )
[ ]

d - tempo médio de atraso por veículo, para um grupo de pistas, em seg/veíc.


C - tempo de ciclo, em segundos
g/C - rácio de verde para um grupo de pistas
c - capacidade do grupo de pistas
v/c - rácio de v/c para o grupo de pistas

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 9 de 11


d1- representa o atraso uniforme (o atraso que surgia se as chegadas acontecessem
de uma forma uniforme)
d2- entra em conta com o atraso incremental (o atraso que surge de as chegadas
não serem uniformes mas sim aleatórias e ainda das quebras de ciclo que possam
suceder)

Com base neste tempo de atraso podem ser calculados tempos médios de atraso
para cada aproximação e para a intersecção como um todo

Nível de serviço

O nível de serviço é definido em termos de tempo médio de atraso o qual é uma


medida do desconforto do condutor, consumo de combustível e tempo perdido na
viagem.
Assim, o nível de serviço é definido a partir dos tempos médios de atraso para um
período de ponta de 15 minutos, podendo este ser medido no campo ou calculado.
Este atraso refere-se ao tempo gasto para atravessar esta intersecção, em excesso
relativamente à situação de atravessamento livre da intersecção (como se esta
fosse desnivelada ou não existisse). Inclui portanto os tempos de paragem no
vermelho assim como filas de espera, caso existam.

Definição dos níveis de serviço


(Fonte: Highway Capacity Manual)

Nível de serviço Tempo de atraso (seg./veic.)


A 5,0
B 5,1-15,0
C 15,1-25,0
D 25,1-40,0
E 40,1-60,0
F 60,0

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 10 de 11


Exercicio 1

Considere a intersecção esquematizada, constituída por uma estrada principal, via


colectora com duas pistas (uma para cada sentido de circulação), existindo mais
uma pista exclusiva para viragens à esquerda, e uma estrada secundária que
consiste numa via local composta de duas pistas. Não existem quaisquer
alargamentos das vias na zona da intersecção e o raio das curvas é de 6 m.
Prevendo-se a instalação de sinalização luminosa, determine, para os dados
geométricos e de tráfego apresentados, a duração do ciclo óptimo, de acordo com o
método de Webster, e respectiva repartição pelas fases.

Dados:
o Fluxo de saturação = 1600 uvl/h/pista;
o Fluxo de Saturação de V4, se apenas permitido = 1200 uvl/h;
o Velocidade Média = 40 km/h;
o Tempo de amarelo = 3 seg.; Tap = 2,5 seg.; Tpa = 3,5 seg.
o Tempo Tudo Vermelho (TV) = 2 seg.

Engenharia de tráfego – Aula 5 – 2º semestre - 2014 11 de 11