Você está na página 1de 7

FILOSOFIA

O que é a filosofia?
Caracterização da filosofia:
 Aproximação etimológica:
 Aproximação simbólica:
A palavra “filosofia” foi criada por Pitágoras (sec.IV
 A Ave de Atena (coruja)
a.C), sabemos isso por Sócrates.
o É o mais antigo símbolo da
Filosofia e da sabedoria. Pitágoras terá respondido a quem lhe chamara sábio,
o Atena, deusa da sabedoria e dizendo que não era sábio, mas tão só filósofo, ou
da fecundidade, aparecia seja, amigo do saber. Pitágoras criou o termo
associada, na mitologia grega, philósophos (filósofo) por oposição a sophos (sábio).
à coruja (mocho), cuja nota
distintiva é a de andar
vigilante e ativa (olhos *O sophos – aquele que se afirma como
grandes e a sua cabeça roda possuidor do conhecimento – dono de
360 graus – perceção de tudo um saber inquestionável.
à sua volta) pela calada da
noite (a coruja vê à noite).
o Simboliza a reflexão filosófica O termo “Filosofia” resulta da aglutinação de dois
e o sábio. termos gregos:
 “Escola de Atenas”, do pintor italiano
Rafael Philos e Sophia
o Figuras centrais são Platão e
Aristóteles.
o Platão, apontando para o O amigo, o que Sabedoria, saber,
alto, parece dizer, que é deseja, o que busca, conhecimento
próprio do ser humano o que ama
elevar-se acima das terrestres
preocupações e comtemplar
valores espirituais, estéticos, A palavra “Filosofia” não designa um conteúdo,
morais, políticos … identifica antes uma atitude: a filosofia é o amor à
o Aristóteles, estendendo o sabedoria.
braço, com a palma da mão
Filósofo (amigo do saber) :
voltada para baixo, parece
indicar que o ser humano é  aquele que assume uma atitude de
daqui. humildade intelectual em relação ao saber
o É símbolo da importância do porque embora existam muitas coisas que
diálogo, da argumentação e a conhece, tem plena consciência do quanto
discussão de ideias. desconhece e do quanto precisa de caminhar
 “O Pensador” (estátua), do escultor para se aproximar do saber/verdade.
francês Rodin
o É símbolo da atitude reflexiva
(posição do homem) que
particulariza a Filosofia.
Para Pitágoras só os deuses eram sábios, o
 homem apenas tendia a aproximar-se e a amar a
sabedoria.
FILOSOFIA
 Homens que se fascinam/espantam e que  Filosofia nasceu na Grécia, no século V a.C
mantêm uma atitude interrogativa face ao (Mileto)
mundo/vida.
Surge de uma forma dispersa, ou seja, em várias
4 elementos a reter e que são constitutivos da atitude colónias gregas.
filosófica:

 Humildade intelectual
 Desejo de saber
 Espanto / admiração Quais são as questões da
 Crítica

Sócrates – filósofo que melhor ilustrou a atitude


Filosofia?
filosófica Lista de questões:

– autor da célebre frase: “só sei que nada A1. Que elementos entram na composição do
sei” – cuja interpretação é a de uma quartzo?
ignorância sábia ou de um saber que se
sabe limitado. A2. Qual o princípio constitutivo último da realidade?

B3. Como se pinta a aguarelas?


Estas questões:
B4. O que é uma obra de arte?
RESUMO:
tem em comum: tema/assunto
C5. Porque é que o arsénio provoca morte imediata?
A palavra Filosofia resulta da junção de dois outros tem de diferente: forma como se pergunta
termos gregos, philos, que significa o amigo e sophia, C6. A vida! Vale a epena vivê-la?
o que se pergunta
cujo o significado é sabedoria. Assim, a Filosofia
significa etimologicamente amor á sabedoria ou ao D7. Quando foi descoberta a energia atómica?
conhecimento. Outro aspeto importante a reter é o D8. É alguma vez legítimo o uso de bomba atómica?
facto de o sophos, o sábio, não ser o mesmo que
Philosophos. Se o segundo é quele que tem E9. O que caracteriza a democracia grega?
consciência do quanto desconhece ou da sua
E10. Qual é o melhor regime político?
ignorância, se é aquele que busca a sabedoria, o
primeiro é o que se julga conhecedor de tudo ou
dono de um saber inquestionável. Quem marcou
claramente a diferença entre eles foi o filósofo pré- Estas questões:
socrático Pitágoras, ao dizer que só os deuses eram
sábios e que os homens apenas se aproximavam da tem em comum: tema/assunto
verdade/realidade.
tem de diferente: forma como se pergunta
e o que se pergunta
Julgar-se ou afirmar-se sábio é sinal de pouca
sabedoria! – foi essa a lição que Sócrates nos
deixou.
Questões não filosóficas (ímpares)
Dogmático – principio fixo; é inquestionável
 Aproximação histórica:  Só possuem 1 resposta específica/única
 São concretas e acerca de aspetos
Pré-socráticos (período cosmológico – estudo da
particulares
natureza)
 São técnicas, científicas ou relativas a
acontecimentos ou factos*
FILOSOFIA
*Facto – algo que se pode observar e para as quais atingir a universalidade – devem abarcar toda
existe uma resposta comprovada. a realidade dos sujeitos humanos.
Questões abertas porque devem possibilitar o
 Têm solução científica ou técnica; são maior número de respostas possível, sendo
questões de facto cada uma delas a expressão de um pensar
 São únicas, indiscutíveis dispensam autónomo. Devem ser colocados de modo a
argumentação favorecer a reflexão pessoal, a autonomia do
Questões filosóficas (pares) pensamento (sem qualquer tipo de
influência). Filosofar é pensar pela própria
 Podem ter respostas com vários pontos de cabeça (liberdade de pensamento).
vista / podem proporcionar respostas  Questões racionais (inteligência)
subjetivas  Não devem ser feitas pela negativa (pode
 São mais gerais e abstratas, racionais, induzir uma resposta)
abertas
 São relativas a valores, a problemas Quanto ao seu conteúdo:
existenciais*, morais, estéticos  Não são questões de facto
Questões de facto são questões que são
*Problemas existenciais – problemas que os seres
técnicas, científicas ou relativas a
humanos colocam no seu dia a dia (“Que sentido tem
acontecimentos e são concretas e acerca de
a vida?”)
aspetos em particular. Dizem respeito e
 Exigem reflexão, autonomia e são subjetivas, resolvem-se por referência a fenómenos
discutíveis, necessitam de argumentação observáveis ou a informações que temos à
 As respostas variam de pessoa para pessoa cerca da realidade. São questões que exigem
 Não podem ter questões pessoais, termos uma resposta positiva, isto é, independente
singulares e mais universais possíveis de qualquer visão pessoal (resposta objetiva).
 São questões relativas a valores éticos,
*Perguntas racionais – perguntas dirigidas à morais, estéticos, políticos e a problemas
inteligência das pessoas fazendo-as pensar existenciais.
criticamente.  São questões existenciais porque nascem da
condição humana, são colocadas por todos
os homens, em virtude de serem
fundamentais para a existência de cada um,
Respostas:
e o tipo de reposta que exigem acarreta
implicações no modo como cada pessoa atua
 O que se pretende compreender/descobrir
na vida.
com estas questões só poderá ser alcançado
pela reflexão e as respostas apresentadas por
diferentes pessoas, não são coincidentes.  São questões que visam a descoberta do
sentido, tentando descobrir o seu significado,
 As respostas só são válidas se estiverem
a sua finalidade ou o seu valor = razão de ser.
fundamentadas com base em argumentos
racionais  Não são questões legais (de Direito).
Questões legais são questões para as quais
Quanto à sua forma: encontramos uma resposta legal instituída
pelo que variar de país para país.
 Questões gerais e abstratas porque os
enunciados filosóficos não devem referir-se a  São questões de legitimidade/éticos/morais,
casos particulares, mas devem ser elaborados isto é, questões que terão de ser resolvidas
a um nível de generalidade que permita pelo próprio sujeito que reflete de acordo
com os seus princípios/valores ético-morais.
FILOSOFIA
Exemplos: Existirá algum tipo de governação singularização das perguntas, ou seja, a referência a
justa? / Deve existir igualdade de género? / sujeitos particulares.
Será aceitável a eutanásia ou aborto?

Domínios de questionamento diverso - questões não


filosóficas Problemas filosóficos

 Cientificas – relativas à física, química,…  Problemas reais


 Históricas – relativas a acontecimentos
históricos Problemas conceptuais e não são problemas empíricos

 Técnicas – relativas ao modo de fazer, (facto)


produzir
 Factuais – relativas a acontecimentos ou
que apenas podem problemas que são
eventos
ser resolvidos resolvidos através
 Económicas – relativas ao preço, à
mediante o de observações ou
produtividade
pensamento (tal por experiências
 De utilidade – relativas ao que é necessário, como a laboratoriais
útil matemática) (ciências)
Áreas temáticas da Filosofia – questões filosóficas

 Ontologia – reflexão sobre o ser (ontos),


sobre as primeiras causas e princípios
 Lógica – reflexão sobre a coerência do
Exigem reflexão pessoal
pensamento
 Filosofia da ciência ou epistemologia – Pensamento filosófico argumentação (base
reflexão sobre a ciência do discurso filosófico)
 Axiologia – reflexão em torno de valores
(ética, estética, religião, …) *A filosofia não despreza a ciência. O Filósofo serve-se
 Estética – reflexão em torno de questões do conhecimento científico para fundamentar a sua
relativas à beleza, à obra de arte resposta.
 Ética – reflexão em torno dos
comportamentos do Homem / os princípios e
valores que condicionam a ação humana
 Filosofia política – reflexão em torno das
formas de organização humana da sociedade.

As perguntas filosóficas e as não filosóficas têm em


Filosofia / Ciência
comum os mesmos temas/problemas
(epistemológicos; ontológicos/metafísicos;
antropológicos …). DIFERENÇAS

Filosofia
Porém, há problemas que são exclusivamente
filosóficos: problemas existenciais e ético-morais ou
axiológicos (mais geral).
Objetivo: compreender (dar sentido/significado)
Formular corretamente questões filosóficas o homem, o mundo e a vida.
A preocupação de generalização das perguntas da Objeto: total ou integral – investiga a totalidade
Filosofia leva a que se tente evitar o máximo de
do real
FILOSOFIA
Pluralidade de métodos Trabalho em equipa

Trabalho individual (filosofar é pensar por si As teorias científicas exigem reconhecimento da


mesmo) comunidade científica.

As teorias não exigem reconhecimento e A validação do conhecimento científico exige


aceitação universais (respostas provas factuais / demonstração experimental;
divergentes/novas interrogações – radicalidade) oferece soluções

A validação do conhecimento filosófico depende Multiplica as áreas do conhecimento e


da qualidade de argumentação, exigindo o uso fragmenta o saber
de conceitos rigorosamente definidos e de
argumentos válidos (método: argumentação);
oferece respostas

Relaciona o saber com tudo o resto

SEMELHANÇAS
- metodologia adequada, justificação e
rigor de conceitos.

- nenhuma teoria pode ser considerada


como solução definitiva e completa para
um problema, pois estão sujeitas a
revisão e correção.

- objetivos complementares.

Racionalidade argumentativa da Filosofia e

a dimensão discursiva do trabalho filosófico

Principais competências do trabalho filosófico

Ciência Ponto de partida para a discussão filosófica

PROBLEMAS
Objetivo: explicar os factos, estabelecendo leis
Competência filosófica: Problematização
(estabelecimento de uma relação quantitativa entre
fenómenos naturais em temos de causa e efeito).

Objeto: particular (diversidade de ciências) Capacidade de formular problemas adequadamente

Métodos específicos
FILOSOFIA
1. A melhor forma de formular um problema é Competência filosófica: Argumentação
apresentá-lo sobre a forma de uma questão
(atendendo à especificidade das questões construção de argumentos bons/ válidos/ sólidos
filosóficas) Argumentar bem Raciocinar bem (fazer
2. Esclarecer o problema, ou seja, explicitar o inferências válidas)
seu conteúdo e a sua relevância/importância

são necessários, de um ponto de vista lógico, os


Ex: Problema do livre-arbítrio (liberdade) seguintes instrumentos:
Formular uma questão: - “Temos livre-
- Conceitos
arbítrio?”
- Juízos
- “Somos livres?”
ou “A nossa liberdade é - Raciocínios
pura ilusão?”
CONCEITO: - instrumento mental que serve para
Explicita o conteúdo: “o problema do livre- pensar e através do qual
arbítrio consiste em representamos diversas realidades na
perceber se a nossa nossa mente
vontade é livre quando
agimos de forma - elemento básico (mínimo) do
intencional …” pensamento

*Sem conceitos não há pensamento. Pensar não é


Este é um problema importante porque... mais do que produzir e lidar mentalmente com
conceitos. Formam redes conceptuais (não existem
isolados).
Uma outra parte também importante no trabalho
filosófico

Elaborar, definir e analisar CONCEITOS DEF: representação mental, abstrata e geral que
reúne as características comuns a uma classe de seres
Competência filosófica: Conceptualização e que os distingue dos seres de uma classe diferente.

Elaborar, definir e analisar um conceito

Tese proposição que exprime uma ideia/posição


que se quer afirmar/defender a propósito de um dado
problema/questão em aberto. Sujeita a discussão.  Porque torna extensível a todos os indivíduos
de uma dada classe as propriedades revelados
Uma tese opõe-se a outra tese, na medida em que por alguns
sejam invocados argumentos de valor comparável Ex: conceito de “cão”; “mesa”
para a justificar. O oposto da tese é a antítese.  Porque o seu significado expressa as
propriedades essenciais comuns a uma classe,
Proposição - afirmação declarativa ignorando o que é próprio e exclusivo de cada
um

ARGUMENTOS: motivos/razões que provam refutam Nota: a definição de conceito como uma
uma tese representação geral/universal não é aplicável aos
conceitos singulares (dos quais temos uma
FILOSOFIA
representação singular, aplica-se a um só indivíduo). Mediante uma sequência de palavras a que se dá o
Ex: Mosteiro da batalha; Tiago; Margarida; Torres dos nome de proposição
Clérigos
Expressão verbal do juízo
Se o conceito é uma representação mental como o
podemos conhecer?

Através das expressões (palavras) que o traduzem

TERMO expressão verbal (linguística) do conceito

 O mesmo conceito pode ser expresso por


termos diferentes.
Ex: Rei (português) – King (inglês)
 O mesmo termo pode traduzir diferentes
conceitos.
Ex: compasso – instrumento de desenho;
visita pascal; divisão do tempo em música
 O conceito exprime-se verbalmente mediante
uma ou mais palavras, mas não podemos
identificar termo e palavra.

Do ponto de vista lógico, devemos distinguir


termo de palavra, uma vez que um termo pode
ser constituído por mais do que uma palavra.

 Ex: “Livro de ponto”; “Meio de transporte”;


“Número primo”; “Ser humana”

4 termos que
exprimem 4 conceitos

Juízo: ao relacionarmos conceitos formamos juízos

- Instrumento de que nos servimos para pensar

- Operação intelectual mediante a qual se estabelece


uma relação de conveniência ou de conveniência
entre conceitos.

Como podemos conhecer os Juízos?