Você está na página 1de 8

REVISTA ELETRÔNICA ESTÁCIO SAÚDE

http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617 (on line)

PROTOCOLO DE WILBARGER NA DEFENSIVIDADE TÁTIL DA CRIANÇA COM


TRANSTORNO DO ESPECTRO AUTISTA

RESUMO
O Transtorno do Espectro Autista é uma condição geral para um grupo de desordens
complexas do desenvolvimento do cérebro que se caracterizam pela dificuldade na
comunicação social e estereotipia. O Protocolo de Wilbarger é um método que se baseia no
desenvolvimento da capacidade de organizar sensações com o propósito de executar
atividades autodirigidas e significativas. Este estudo tem como objetivo analisar os benefícios
do Protocolo de Wilbarger na defensividade tátil da criança com Transtorno do Espectro
Autista. Trata-se de um estudo quantitativo, descritivo. Podemos observar os principais efeitos
do protocolo como a modulação dos desconfortos relacionados ao toque e percepção corporal.
A hiperatividade e agressividade foram abolidas, pois ajudando a criança a organizar as
informações recebidas pelos canais táteis, fez com que tais comportamentos ou qualquer
forma de ansiedade fossem amenizados.
Descritores: Transtorno autístico; Agnosia; Criança; Protocolos.

PROTOCOL ON WILBARGER DEFENSIVENESS TOUCH OF CHILDREN WITH AUTISTIC


SPECTRUM DISORDER

ABSTRACT
Disorder Autism Spectrum is a general condition for a group of complex disorders of brain
development that is characterized by difficulties in social communication and stereotyping. The
Wilbarger Protocol is a method that is based on the development of the ability to organize
sensations in order to perform self-directed and meaningful activities. This study aims to
analyze the benefits of Wilbarger Protocol on tactile defensiveness of children with Disorder
Autism Spectrum. It is a study of quantitative, descriptive. We can see the main purpose of the
protocol as the modulation of discomforts related to the touch. Hyperactivity and aggression
were abolished, for helping the child to organize information received by tactile channels, has
made such behavior or any form of anxiety were alleviated.
Descriptors: Autistic Disorder; Agnosia; Child; Protocols.

PROTOCOLO WILBARGER ACTITUD DEFENSIVA TOQUE DE NIÑOS CON TRASTORNO


DEL ESPECTRO AUTISTA

RESUMEN
Trastorno del Espectro Autista es una condición general para un grupo de trastornos complejos
del desarrollo del cerebro que se caracterizan por las dificultades en la comunicación social y
los estereotipos. El Protocolo de Wilbarger es un método que se basa en el desarrollo de la
capacidad de organizar sensaciones con el fin de realizar las actividades de auto-dirigidos y
significativas. Este estudio tiene como objetivo analizar los beneficios del Protocolo Wilbarger
en defensa táctil de los niños con Trastorno del Espectro Autista. Es un estudio de caso
cuantitativo, descriptivo. Podemos ver el objetivo principal del protocolo como la modulación de
las molestias relacionadas con el tacto y la conciencia del cuerpo. La hiperactividad y la
agresión fueron abolidas, para ayudar al niño a organizar la información recibida por los
canales táctiles, ha hecho que este tipo de comportamiento o cualquier forma de ansiedad se
alivió.
Descriptores: Transtorno autístico; Agnosia; Niño; Protocolos.

1
Nathália Gabriele Guedes Brito de Carvalho ,
2 3
Flávia Thereza dos Santos Coelho , Jordana Maia Dias
1
Acadêmica do Curso de Bacharelado em Fisioterapia da Estácio de Sá em Macapá. Macapá/AP/Brasil.
2
Acadêmica do Curso de Bacharelado em Fisioterapia da Estácio de Sá em Macapá. Macapá/AP/Brasil.
3
Docente do Curso de Bacharelado em Fisioterapia da Estácio de Sá em Macapá. Macapá/AP/Brasil.

152 Revista Eletrônica Estácio Saúde - Volume 4, Número 2, 2015


REVISTA ELETRÔNICA ESTÁCIO SAÚDE
http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617 (on line)

INTRODUÇÃO permita o diagnóstico,


consequentemente, a subjetividade
O Transtorno do Espectro que pode interferir na análise
Autista (TEA) foi descrito comportamental, muitas vezes
oficialmente na primeira metade do funciona como uma válvula de
século XX por Leo Kanner, médico escape para aquelas pessoas que
austríaco que observou as têm dificuldades em aceitar a
diferenças clínicas entre as crianças condição do seu familiar(3-4).
com psicose infantil e outras com A descoberta do TEA se dá
algumas características não em torno dos três anos de idade,
descritas até então, que sendo que as crianças com
posteriormente foi identificado como quociente de inteligência (QI) maior,
TEA. Dessas características, que podem comunicar-se
Kanner destacou comportamentos verbalmente, apresentam
disfuncionais e permanentes ao prognóstico mais favorável. Na vida
longo do tempo, isolamento, rotinas adulta, os problemas de
pré-estabelecidas e uma aparente comunicação e socialização tendem
falta de interesse nos pais ou em a persistir e apenas uma pequena
qualquer figura humana(1). parcela alcança a independência.
Atualmente, o TEA é definido por Até o momento, não há cura para o
um conjunto de condutas, que são TEA e seu tratamento visa ajudar os
identificados por prejuízos na pacientes a alcançarem
comunicação social e independência para executar as
comportamentos estereotipados, atividades diárias(5-6).
sendo o diagnóstico exclusivamente As crianças com TEA podem
clínico(²). apresentar dificuldades na
As manifestações do TEA se comunicação, na interação social,
apresentam de forma variada. Não comportamentos repetitivos e
há similaridade nos também demonstrar sinais de
comportamentos no que diz respeito desordens sensoriais. Uma vez
à apresentação, intensidade, forma identificado que a criança apresenta
de manifestação ou duração. Ainda disfunções sensoriais, o profissional
não há um exame específico que pode intervir nos primeiros anos de
153 Revista Eletrônica Estácio Saúde - Volume 4, Número 2, 2015
REVISTA ELETRÔNICA ESTÁCIO SAÚDE
http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617 (on line)

vida e a criança pode ser Levando em consideração o


estimulada por um protocolo de número de casos de crianças com
estimulação desenvolvido por TEA e o seu crescente aumento no
Patricia e Julia Wilbarger(7). Estado do Amapá, este estudo tem
O Protocolo de Wilbarger é como objetivo analisar os benefícios
baseado em uma terapia de do Protocolo de Wilbarger na
escovação sobre todo o corpo defensividade tátil da criança com
seguida pela co-contração articular, Transtorno do Espectro Autista.
tem como objetivo modular os
estímulos que são recebidos pelos METODOLOGIA
canais táteis e proprioceptivos,
devendo ser administrado três Trata-se de um estudo
vezes ao dia durante duas quantitativo, descritivo.
semanas, tempo necessário para a Na primeira etapa da
criança ter a capacidade de pesquisa foi selecionada a escolha
assimilar as informações recebidas. do centro para realização da
Não há horário pré-determinado, pesquisa com a utilização do
podendo ficar a critério do Protocolo de Wilbarger na criança
terapeuta(8). com TEA. Na segunda etapa, foi
Atualmente, o Estado do realizada uma avaliação
Amapá contabiliza um número comportamental, identificando o
aproximado de 7.509 crianças com sujeito de pesquisa, que obedeceu
TEA. Números baseados na média aos critérios de inclusão desta
de 1 para cada 68 nascimentos, pesquisa, os quais são: criança,
parâmetros mundialmente aceitos regularmente matriculada na rede
pela Organização das Nações escolar, diagnosticada com TEA,
Unidas (ONU). A previsão é dada que apresente defensividade tátil e
pelo Instituto Brasileiro de Geografia que seu responsável aceite sua
e Estatística (IBGE), que contabiliza participação na pesquisa e assine o
pessoas com deficiência, TCLE
considerando um amplo número de Na terceira etapa foi
possibilidades, entre elas o TEA(9). apresentado o TCLE ao
responsável da criança, constando
154 Revista Eletrônica Estácio Saúde - Volume 4, Número 2, 2015
REVISTA ELETRÔNICA ESTÁCIO SAÚDE
http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617 (on line)

informações sobre a importância do articulação, atuando em nível mais


estudo e os procedimentos que profundo, estimulando a co-
foram realizados, especificando contração e a propriocepção,
cada etapa da pesquisa, os utilizando cama elástica e bola
benefícios e os riscos que podem suíça.
ocorrer durante esse período. Após O Protocolo de Wilbarger foi
a aceitação, foi realizada a terceira realizado três vezes ao dia, às 14h,
etapa, na qual foi aplicado o 16h e 18h, com duração de duas
Protocolo de Wilbarger em duas semanas e analisada por dois
fases. avaliadores. Cada sessão teve
O sujeito de pesquisa é uma duração de cinco minutos.
criança com TEA, do sexo Na terceira etapa da
masculino, com cinco anos de pesquisa, a criança foi reavaliada
idade, matriculado regularmente em para comparar os dados coletados
uma escola localizada no município no inicio e fim da aplicação do
de Macapá, Estado do Amapá. protocolo, verificando os seus
Estabeleceram-se três etapas possíveis benefícios. Os resultados
para aplicação do Protocolo de foram analisados e tabulados no
Wilbarger, descritas a seguir: programa Graphpad Prisma para
Na primeira fase da aplicação melhor visualização em forma de
do protocolo foi realizada uma tabela.
escovação sobre a pele com uma Com relação aos cuidados
pressão firme, iniciando nos braços éticos e em cumprimento da
e seguindo até os pés. A face, tórax Resolução n° 466/12, esta pesquisa
e abdômen não foram escovados foi submetida à Plataforma Brasil,
por serem áreas mais sensíveis respeitando as normas éticas e
podendo causar reações adversas. direito dos pacientes, garantindo-lhe
Após a escovação, teve início privacidade das informações
à segunda fase composta por pessoais colhidas, através da
compressões articulares suaves nos assinatura do Termo de
ombros, cotovelos, punhos, dedos, Consentimento Livre e Esclarecido
quadril, joelhos e tornozelos. (TCLE).
Realizada 10 escovações em cada
155 Revista Eletrônica Estácio Saúde - Volume 4, Número 2, 2015
REVISTA ELETRÔNICA ESTÁCIO SAÚDE
http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617 (on line)

RESULTADOS média. Somente o pai trabalha, a


mãe fica à disposição do filho e de
Criança PAGM, sexo suas atividades escolares e clínicas,
masculino, nasceu sem apresentar estando sempre está à procura de
nenhuma característica relacionada atualidades sobre o TEA, assim
ao TEA, estabelecia contato visual, como de intervenções de tratamento
agarrava o dedo, olhava na direção para o filho. Dessa forma, a mãe
de onde ouvia uma voz e até ficou sabendo do nosso projeto e
sorria. No entanto, por volta dos três interessou-se para realizarmos com
anos de idade, começou a seu filho.
apresentar estereotipia como o flep, Realizamos uma avaliação
hiperatividade, resistência a comportamental com a criança,
mudanças, ecolalia, falta de composta por 12 itens e com as
interação social e defensividade seguintes opções: AUSENTE (0),
tátil. Qualquer forma de diálogo que MODERADO (1), PRESENTE (2).
tentavam estabelecer com a Os resultados estão comtemplados
criança, a resposta era “não”. na tabela 1.
Os pais após assistirem a Na primeira avaliação, com
uma reportagem sobre TEA resultados apresentados na Tabela
procuraram um neuropediatra, pois 1, destacam-se:
a criança apresentava as mesmas Tópico 1- Não realiza contato
características citadas no programa. físico;
O neuropediatra realizou uma Tópicos 2 e 3- Age segundo
avaliação comportamental e a o repertório básico de conduta com
criança recebeu o diagnóstico pistas e reconhece ambientes que
clínico de TEA. já foram frequentados;
Foi encaminhado para Tópico 4- Realiza atividades
realizar intervenção multidisciplinar em grupos
e principalmente realizar terapia de Tabela 1- Itens avaliados na
integração sensorial. primeira e segunda avaliação
A criança frequenta escola comportamental realizadas antes e
regularmente e pertence a uma depois da aplicação do Protocolo
família de classe socioeconômica Wilbarger. Macapá, 2015.
156 Revista Eletrônica Estácio Saúde - Volume 4, Número 2, 2015
REVISTA ELETRÔNICA ESTÁCIO SAÚDE
http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617 (on line)

Tópico 1- Se relaciona ao
Itens 1ª 2ª
Tópicos contato físico, a criança apresenta
avaliados avaliação avaliação
1 Contato físico 0 2 contato direto.
2 Repertório
básico de 1 1 Tópico 5- Se observa que a
conduta
3 Reconhece
criança começa a se relacionar com
2 2
o ambiente
4 Atividades
a terapeuta, demonstrando
1 1
em grupo
5 Relaciona
interesse aos estímulos, aponta os
com 0 2 locais mais prazerosos;
o terapeuta
6 Relaciona Tópico 6- A criança mantêm
0 1
com colegas
7 Estereotipia 1 1 dificuldades de relacionamento;
8 Agressividade 1 0
Tópico 7- A estereotipia ainda
9 Hiperatividade 1 0
10 Resposta se mantém, em determinações
sensorial 0 2
adequada situações como, por exemplo, na
11 Atenção ao
0 2 frustração;
estímulo
12 Interesse ao
0 2 Tópico 8, 9- A agressividade
estímulo
Fonte: Dados da pesquisa, 2015.
* Ausente (0), Moderado (1), Presente (2).
e hiperatividade foram abolidos
durante a realização da terapia;
Tópico 10- Apresenta
Tópico 5 e 6- Não se
resposta sensorial adequada ao
relaciona com colegas e o
estímulo,
terapeuta;
Tópicos 11, 12- Observado
Tópicos 7, 8, e 9- A criança
que a tem atenção e reposta ao
apresenta estereotipia,
estímulo.
agressividade e hiperatividade em
determinadas situações;
DISCUSSÃO
Tópicos 10, 11 e 12- A
resposta sensorial é inadequada e
A criança inicialmente
não existe atenção, nem interesse a
apresentava aversão ao toque,
estímulos realizados.
isolamento, desinteresse por
Após a aplicação do
brincadeiras adequadas à sua
Protocolo de Wilbarger, os
idade, hiperatividade e
principais benefícios na criança com
agressividade. Com a aplicação do
TEA, foram observados nos tópicos:
Protocolo de Wilbarger, os
157 Revista Eletrônica Estácio Saúde - Volume 4, Número 2, 2015
REVISTA ELETRÔNICA ESTÁCIO SAÚDE
http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617 (on line)

principais resultados observados direcionado a problemas de


foram alterações no comportamento processamento sensorial(13).
da criança como: modulação de Intervenção envolvendo o
desconfortos relacionados ao toque, uso de terapia de integração
auto-regulação e percepção sensorial tem sido
corporal, assim como a atenção e sistematicamente, identificados e
foco. analisados, a fim de resumir a
Comportamentos como pesquisa usando o Protocolo de
hiperatividade e agressividade Wilbarger no tratamento de crianças
foram abolidos, pois ajudando a com TEA e se ele pode ser
criança a organizar informações considerado como uma intervenção
recebidas pelos canais táteis, tais baseada em evidências para a
comportamentos ou qualquer forma população(14).
de ansiedade são amenizados(11). Em geral, os estudos,
Os estudos que utilizam o apresentam falhas ou limitações
Protocolo de Wilbarger, em crianças metodológicas na aplicação do
(14-15)
com TEA, para melhorar as protocolo . Entretanto, no
respostas adaptativas de estudo em questão, ocorreram
experiências sensoriais, relatam que resultados positivos no que diz
encontraram efeitos positivos na respeito a qualidade de vida da
redução de comportamentos criança.
relacionados à defensividade tátil,
uma vez que, com base nas CONCLUSÃO
observações e relatos, houve uma
evolução convergente referente à A aplicação do protocolo de
relação que a criança estabelecia estimulação desenvolvido por
com os ambientes e familiares(12). Wilbarger busca desenvolver na
Outros estudos de criança portadora de TEA, a
intervenções sensoriais sugerem habilidade de receber e modular
que eles não podem ser eficazes, estímulos pelos canais táteis e
no entanto, estes não seguiram um proprioceptivos.
protocolo recomendado ou A intervenção, com
exposições sensoriais intensas,
158 Revista Eletrônica Estácio Saúde - Volume 4, Número 2, 2015
REVISTA ELETRÔNICA ESTÁCIO SAÚDE
http://revistaadmmade.estacio.br/index.php/saudesantacatarina/index - ISSN1983-1617 (on line)

melhorou os níveis de tolerância e Caretakers. Santa Barbara (EUA): Avanti


Educational Programs; 1991.
desconfortos relacionados a 8- Teixeira MCTV, Mecca TP, Velloso RL,
Bravo RB, Ribeiro SHB, Mercadantem MT,
defensividade tátil na criança, et al. Literatura científica brasileira sobre
transtornos do espectro autista. Rev Assoc
auxiliando sua percepção corporal, Med Bras. 2010; 56(5):607-14.
atenção e foco, fazendo com que o 9- Associação de Amigos do Autista.
[Internet]. São Paulo; AMA. [citado 5 ago].
sistema nervoso utilize as Disponível em: www.ama.org.br Acesso
em: 5 de agosto de 2015.
informações sensoriais de forma 10- Lakatos EMM, Marconi MA.
a
Fundamentos de metodologia científica. 5
mais eficaz. ed. rev. e ampl. São Paulo (SP): Atlas;
2013. p.243-52.
Por tratar-se de um estudo de 11- Andrade MP. Autismo e integração
caso, vale ressaltar que os sensorial- intervenção psicomotora como
um instrumento facilitador no atendimento
resultados não podem ser de crianças e adolescentes autistas
[dissertação]. Viçosa (MG): Universidade
generalizados. Federal de Viçosa; 2012.
12- Sanini C, Brum EHM, Bosa CA.
Ressaltamos a necessidade Depressão materna e implicações sobre o
desenvolvimento infantil do autista. Revista
de pesquisas com mais pacientes brasileira de crescimento e
na aplicação do Protocolo de desenvolvimento humano. 2010;20(3):809-
15.
Wilbarger. 13- Case-Smith J, Weaver LL, Fristad, MA.
A systematic review of sensory processing
interventions for children with autism
REFERÊNCIAS spectrum disorders. Autism. 2015(19):133-
48.
14- Bhopti A, Brown T. Examining the
1- Lampreia C. A regressão do Wilbargers’ Deep Pressure and
desenvolvimento no autismo: pesquisa e Proprioceptive Technique for Treating
questões conceituais. Revista Educação Children with Sensory Defensiveness Using
Especial 2013;26(47):573-86. a Multiple-Single-Case Study
2- DSM-V TR. Manual diagnóstico e Approach. Journal of Occupational
a
estatístico de transtornos mentais. 5 ed. Therapy, Schools, & Early Intervention.
Washington D.C.; 2013. 2013;6(2):108-30.
3- Schwartzman JS, Araújo CA. 15- Holgado AM. Teoría de la integración
Transtornos do espectro do autismo. São sensorial en niños con trastorno
Paulo (SP): Memno; 2011. generalizado del desarrollo: una revisión
4- Nunes DRP, Nunes FPS. Comunicação sistemática [trabalho de conclusão de
alternativa e ampliada para educandos com curso]. Cáceres (ES): Universidade de
autismo: considerações Extremadura, Faculdad de Enfermería y
metodológicas. Rev. bras. educ. espec. Terapia Ocupacional; 2014.
2010;16( 2):297-312.
5- Bee H, Boyd D. A criança em
desenvolvimento. Artmed; 2011.
6- Walter C, Almeida MA. Avaliação de um
programa de comunicação alternativa e
ampliada para mães de adolescentes com
autismo. Rev. bras. educ. espec.
2010;16(3): 429-46.
7- Wilbarger P, Wilbarger J. Sensory
Defensiveness in Children Aged 2-12: An
Intervention Guide for Parents and Other

159 Revista Eletrônica Estácio Saúde - Volume 4, Número 2, 2015