Você está na página 1de 10

UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ

Alcyr Tiradentes Volpato Junior

Amanda Felix Silva

Francys Landro Teixeira dos Santos

Leonardo Henrique de Oliveira

Moniky Andrade Lyra

Suedy Cabalini da Silva

PLANO DE AULA DE GINÁSTICA AERÓBICA

Cariacica,
2017
Alcyr Tiradentes Volpato Junior

Amanda Felix Silva

Francys Landro Teixeira dos Santos

Leonardo Henrique de Oliveira

Moniky Andrade Lyra

Suedy Cabalini da Silva

PLANO DE AULA DE GINÁSTICA AERÓBICA

Portfólio interdisciplinar apresentado


no curso de Licenciatura em
Educação física, da UNOPAR-
Universidade Norte do Paraná, como
requisito parcial para conclusão do
primeiro semestre de 2017.

Cariacica,
2017 2
Sumário
Introdução a ginástica............................................................................................................................4
Tipos de ginástica aeróbica....................................................................................................................7
Ginástica aeróbica de baixo impacto (low impact):............................................................................7
Ginástica aeróbica de alto impacto (high impact):.............................................................................7
Combo:...............................................................................................................................................7
Cardio Funk:.......................................................................................................................................7
Step Training:.....................................................................................................................................7
Lesões na ginástica aeróbica..................................................................................................................7

3
Introdução a ginástica

O conceito de produção histórica refere-se a um fenômeno que é permanentemente


modificado em função dos contextos sociais, econômicos, políticos e
epistemológicos em determinado período histórico.

A Ginástica desde os gregos, passando pelos mosteiros orientais de artes marciais


ou pelos salões reais egípcios, foi uma prática estudada, uma ‘ciência’ do
movimento humano. E, no decorrer de muitos séculos, ela se desenvolveu
adaptando-se às mudanças sociais e políticas, ao desenvolvimento da ciência, as
diversas formas de guerrear.

Como consequência dessas mudanças, a Ginástica adaptou suas exigências, seus


conteúdos, suas metodologias de ensino e as suas técnicas na tentativa de atender
às necessidades humanas, sejam elas: materiais, espirituais, econômicas, sociais,
culturais, morais e afetivas.

Langlade cita que a Ginástica, compreendida como a prática de atividade física,


consiste em uma manifestação que acompanha o homem desde a sua aparição
sobre a terra.

No período Pré-histórico o homem possuía duas grandes preocupações: atacar e


defender-se.

Tratava-se de uma exercitação espontânea e ocasional. Nas sociedades pré-


históricas a Ginástica possuía um caráter natural, utilitário, guerreiro, ritualístico e
recreativo. Objetivava a luta pela vida, os ritos e cultos, a preparação para a guerra,
as ações competitivas entre tribos e as práticas recreativas. Na Antiguidade, Ramos
cita que a prática de exercícios ocupou um lugar de destaque nas civilizações
orientais e do novo mundo. Egípcios, assírios, babilônios, hititas, persas, chineses,
japoneses e os índios pré-colombianos utilizavam a Ginástica como objeto de culto,
recreação e preparação guerreira. Na Grécia, mais especificamente nas cidades de
Atenas e Esparta, a Ginástica recebia uma finalidade educacional para formar
cidadãos e, também, guerreiros. Em Atenas, buscava-se obter com a Ginástica uma
eficiência educacional, fisiológica, terapêutica, estética e moral sem descuidar da
4
preparação militar. E, em Esparta, o objetivo era a preparação militar, disciplina
cívica, endurecimento do corpo e a energia física e espiritual.

Na Idade Média, com o impacto do cristianismo, os exercícios físicos tiveram a sua


importância relativizada, Neste momento histórico a Ginástica continuou a ter um
caráter de preparação militar, principalmente, devido às cruzadas e defesas
territoriais. Ademais, ela se manifestava no manejo de arco e flecha, na luta, na
marcha, na corrida, no salto, na escalada, na montaria, na pesca, na caça e nos
jogos de cavaleiros (justas e torneios).

Na Idade Moderna houve uma evolução do conhecimento da prática de exercícios


físicos com a publicação de obras relacionadas à pedagogia, à fisiologia e à técnica
de execução. Os jogos populares, as danças folclóricas e o atletismo eram as
formas mais comuns de exercícios físicos nesse período.

Na Idade Contemporânea os primeiros sistemas regulares de educação física


emergiram e foram elaborados com certa ordenação e obedeciam a determinados
princípios pedagógicos, a partir da segunda metade do século XVIII, Rinaldi14
afirma que a Ginástica Científica, do século XIX, foi caracterizada pela procura do
aprimoramento do desempenho e da produtividade do proletariado, podendo-se
observar, com clareza, a quem ela servia e por quais motivos foi aceita pelos
cientistas e pelas famílias burguesas.

Souza cita que a Ginástica nos dias de hoje possui uma grande abrangência e que
no decorrer dos tempos foi direcionada para objetivos diversificados, o que
possibilitou a ampliação de sua aplicação. A autora organiza a ginástica em 5
campos: Ginásticas de Condicionamento, Ginásticas de Competição, Ginásticas de
Conscientização Corporal, Ginásticas Fisioterápicas e Ginástica de Demonstração.

Conforme Rinaldi, as Ginásticas de Condicionamento Físico caracterizam-se,


principalmente, pela busca da manutenção da condição física e a prevenção de
saúde, Em geral, o espaço ocupado por este tipo de ginástica são as academias,
clubes e até mesmo em casa.

As Ginásticas de Competição, como a própria nomenclatura sugere, são aquelas


que envolvem eventos competitivos e, para tanto, seguem regras pré-estabelecidas

5
internacionalmente. Podendo ser citado nomes como Ginástica Artística, Ginástica
Rítmica, Ginástica Acrobática, Ginástica Aeróbica, ginástica no aparelho e Ginástica
de Trampolim.

As Ginásticas de Conscientização Corporal têm sua característica voltada para a


solução de problemas físicos, mas com “novas propostas de abordagem do corpo”.
Estas incluem técnicas alternativas que têm origem no oriente, Europa e Estados
Unidos e objetivam fornecer soluções para problemas de saúde e posturais através
de uma visão integral do ser humano.

As Ginásticas Fisioterápicas têm sua característica relacionada à prevenção e ao


tratamento de doenças. Elas possuem um vínculo muito forte com o caráter médico
que a Ginástica ganhou a partir do século XIX (Ginástica Científica), principalmente,
porque receberam influência da medicina, anatomia e fisiologia

A Ginástica de Demonstração engloba todas as modalidades gímnicas, desde que


tenham somente caráter demonstrativo. Esse campo gímnico tem como seu
principal representante a Ginástica Para Todos.

Ayoub enfatiza que esse tipo de ginástica possui como elementos norteadores o
prazer pela prática, a integração das pessoas e a criatividade.

Assim como no passado, a Ginástica continua a ser utilizada como uma ferramenta
que possibilita ao homem viver o seu corpo, não a sua maneira e vontade, mas, para
buscar uma aprovação social e pela sobrevivência. Por meio dela é possível a
construção de um corpo que atenda aos anseios e normas que são ordenadas não
apenas pelo ambiente, mas por órgãos e classes no poder.

Finalizamos com a reflexão de que a Ginástica vem, no decorrer dos anos,


passando por mudanças importantes, consequência de profundas transformações
socioculturais e políticas ocorridas em vários períodos históricos, e que precisam ser
entendidas para compreender esse conteúdo da cultura corporal no momento atual.

6
.

Tipos de ginástica aeróbica

A ginástica aeróbica é uma atividade física muito completa, pois ajuda a emagrecer,
perder calorias, tonificar o corpo e ajuda a aliviar o stress. Existem diversos tipos de
ginástica aeróbica, seguem alguns:

Ginástica aeróbica de baixo impacto (low impact):


A técnica da ginástica aeróbica de baixo impacto é conhecida por ser uma técnica
feita a partir da ginástica aeróbica para que as pessoas evitem lesões, devido o
grande impacto da ginástica e das técnicas agressivas. Nesse caso os exercícios
físicos são feitos sem nenhum tipo de salto sobre os pés.

Ginástica aeróbica de alto impacto (high impact):


No caso da ginástica aeróbica de alto impacto, prevalece repetidamente o trabalho
cardiovascular, porém nem sempre os pés ficam em contato com o chão e o centro
da gravidade pode subir e descer a todo o momento, assim como as pernas que
fazem movimentos constantes de extensão e flexão.

Combo:
Esse tipo de ginástica aeróbica é feito com técnicas de baixo impacto e alto impacto,
ao mesmo tempo.

Cardio Funk:
Nessa técnica utilizam-se diversos movimentos combinados de braços, pernas e
troncos, sendo misturados com elementos de jazz, músicas afro, disco, salsa e
outras danças, sendo que os movimentos podem vir intercalados, com movimentos
rápidos e curtos.

Step Training:
O step training é um programa criado pela instrutora Gim Miller em parceira com a
Reebook. Eles desenvolveram um programa de atividades que equilibra a alta
intensidade com a baixa intensidade, sendo conhecida através do mundo inteiro.

Lesões na ginástica aeróbica

7
O profissional deve estar pronto para fazer o atendimento de primeiros socorros
referentes a lesões musculares, luxações, torções. Lesões musculares são as mais
comuns, seguidas das articulares e em menor proporção as ósseas.

PLANO DE AULA DE GINÁSTICA AERÓBICA

XX Observação Coparticipação Intervenção

DATA: 12/05 Horário: 19:00h Ano: 2017 Turma: 16 a 40 anos

Nº de alunos: 20

Tema da aula: Ginástica aeróbica

Conteúdos: Exercícios de baixo impacto e alongamento

Objetivo: Melhora do condicionamento cardiovascular

Recursos materiais: Sala de ginástica, colchonetes, caixa de som

Procedimentos didáticos:

Atividade 1:

Aquecimento:
Marcha estacionária.
Marcha estacionária alongando os braços acima da cabeça inspirando e abaixar
expirando.
Toque lateral de pernas elevando os braços na lateral e abaixando-os.
Marcha estacionária elevando os dois braços à frente do corpo e acima da cabeça.
Marcha estacionária socando os braços embaixo.
Marcha estacionária.

Atividade 2:

8
Deslocar para frente marchando em 4 tempos e segurar 4 tempos no lugar com
passo afastado.
Voltar para trás marchando.

Pisar à frente com a perna direita fazendo um contratempo, repetir o movimento 8


vezes e executar o mesmo com a esquerda.
Idem em 4 tempos para cada lado.
Idem em 2 tempos para cada lado.
Pisar à frente com a perna direita, virar de costas e pisar atrás com a perna
esquerda.
Combinar os 3 movimentos.

Atividade 3:

Saltitar 4 tempos no lugar e deslocar 4 tempos para trás executando o movimento de


polichinelo.
Voltar para frente marchando.
Combinar os dois movimentos.
Combinar os dois blocos. Saltitar 4 tempos no lugar e deslocar 4 tempos para trás
executando o movimento de polichinelo.
Voltar para frente marchando.
Combinar os dois movimentos.
Combinar os dois blocos.

Atividade 4:

Parte Localizada:
Deitadas na lateral pernas unidas, joelhos fletidos, elevar e abaixar a perna que está
em cima. Executar 4 séries de 8 tempos.
Repetir o mesmo exercício elevando a perna em 2 tempos e abaixando-a em 2
tempos. Executar 4 séries de 8 tempos.
Idem com o outro lado.
Num colchonete deitadas em decúbito dorsal com as pernas afastadas e joelhos
fletidos, braços estendidos na lateral do corpo elevar o tronco executando
abdominal. Executar 4 séries de 8 tempos.
Com as pernas afastadas e joelhos flexionados mãos apoiadas atrás da nuca, elevar
9
o tronco na lateral D subindo em 2 tempos e descendo em 2 tempos.
Idem para o lado oposto.

Atividade 5:

Relaxamento:
Deitadas no colchonete, elevar os braços atrás da cabeça e alongar com os dedos
entrelaçados.
Abraçar os dois joelhos e soltar as pernas para um dos lados.
Idem para o outro lado.
Sentar devagar elevando os braços acima da cabeça e alongando bem as costas.
Cruzar as duas pernas e elevar os dois braços inspirando e abaixá-los expirando.
Levantar bem devagar e soltar os ombros para trás.

Avaliação:

Observar se durante a aula o aluno conseguiu identificar as várias formas de


manifestações da ginástica aeróbica e os movimentos corporais que permeiam essa
prática. Observar também a participação e o posicionamento correto dos alunos
frente às atividades.

10