Você está na página 1de 2

A ESSENCIA DA ARTE

Em termos conceituais a arte se define como uma forma de criação humana


representada mediante a combinação de determinados valores estéticos, como
a beleza, equilíbrio, harmonia e revolta que sintetizam as suas emoções, sua
historia, seus sentimentos e a sua cultura.

E um conjunto de procedimentos que utilizados para realizar obras, e no qual


aplicamos nossos conhecimentos. Apresenta-se sob variadas formas como: a
plástica, a musica, a escultura, o cinema, o teatro, a dança, a arquitetura, etc.
Pode ser vista ou percebida pelo home de três maneiras: visualizadas, ouvidas
ou mistas (audiovisuais), hoje alguns tipos de arte permitem que o apreciador
participe da obra. A artista precisa da arte e da técnica para comunicar-se:

O Artista e sua criação

O home criou objetos para satisfazer as suas necessidades praticas, como as


ferramentas para cavar a terra e os utensílios de cozinha. Outros objetos são
criados por serem interessantes ou possuírem um caráter instrutivo. O home
cria a arte como meio de vida, para que o mundo saiba o que pensa, para
divulgar as suas crenças (ou as de outros), para estimular e distrair a si mesmo
e aos outros, para explorar novas formas de olhar e interpretar objetos e cenas.

A arte no seu contexto

Porque fazemos arte e para que usamos é aquilo que chamamos de função de
arte que pode ser...feita para decorar o mundo...para espelhar o nosso mundo
(naturalista)... para ajudar no dia-a-dia (utilitária)...para explicar e descrever a
história...para ser usada na cura de doenças...para ajudar a explorar o mundo.

O sentimento que a arte sucinta para cada um de nós depende da nossa


experiência de vida e conhecimentos que adquirimos ao longo de nossa
trajetória. Todavia esse processo também sofre influencia da nossa disposição
no momento, da nossa imaginação e daquilo que o artista pretendeu mostrar.

A definição de estilos

Estilo é como o trabalho se mostra, depois de o artista ter tomado suas


decisões. Cada artista possui um estilo único. Imagine se todas as pecas de
arte feitas até hoje fossem expostas numa sala gigantesca. Nunca
conseguiríamos ver quem fez o que, quando e como. Os artistas e as pessoas
que registram as mudanças na forma de se fazer arte, no caso os críticos e
historiadores, costumam classificá-las por categorias e rotulá-las. É um
procedimento comum na arte ocidental. Ex.: Renascimento, Impressionismo,
Cubismo, Surrealismo, etc.
A partir da definição dos estilos podemos verificar que tipo de arte foi feita,
quando, onde e como, desta maneira estaremos dialogando com a obra de
arte, e assim podemos entender as mudanças que o mundo teve.

DCC – História da Arquitetura


Prof.ª Juliana Cavalaro

14/03/2011