Você está na página 1de 20

CAPÍTULO 46

MAGNETI MARELLI G6/G7

APLICATIVO DA FIAT

ELBA 1.5/1.6 FIORINO 1.5/1.6 PRÊMIO 1.5/1.6 TEMPRA 2.0 ie TEMPRA 16V após 95

COMO FUNCIONA INJEÇÃO MAGNETI MARELLI IAW G6/G7.

realiza a injeção do combustível. Um computador analisa as informações vendas dos vários sensores distribuidor pelo motor, processa e retorna ações de controle nos diversos atuadores como injetor de combustível, eletroválvulas de controle de ar da marcha lenta e bobina de ignição, modo a manter em condições ótimas de consumo e emissão de poluentes, adequadas a mistura ar/combustivel.

Este sistema de injeção possui autodiagnose de defeitos capacidade de identificar defeitos. Identificando um eventual problema, um sinal visual lâmpada é aceso no painel de instrumentos mostrando que existe um problema e a centralina adota valores preestabelecidos armazenados em sua memória para o sensor, atuado que estiver defeituoso, permitindo que o veiculo tenha condições mínimas de dirigibilidade. Este modo de emergência não atua para todos os sensores, apenas para alguns sensores considerado vitais para alguns sensores considerados vitais para o funcionamento do motor. O sistema possui ainda estratégia auto- adaptativa, permitindo a correção automáticas dos principais parâmetros tempo de injeção, avanço, marcha lenta, etc. devido a variações como, envelhecimento do motor, Qualidade do combustível, etc.

Vantagens do sistema

Melhor otomização do combustivel Redução do efeito retorno de chama no coletor de admissão Controle da mistura Redução da emissão de gases poluentes pelo motor Eliminação de ajustes de marcha lenta e mistura. Maior economia de combustivel Eliminação do sistema afogador Facilidade de partidas a quente e frio do motor Melhor dirigibilidade Eliminação do distribuidor

PLANO DE BUSCA DE FALHA PELO SINTOMA

1- Válvula Injetora 2 -Sensor da pressâo absoluta MOTOR FALHA NA ACELERAÇÃO 3-Verificar bomba de
1- Válvula Injetora
2 -Sensor da pressâo absoluta
MOTOR FALHA
NA
ACELERAÇÃO
3-Verificar bomba de combustivel,
mangueira etc.
Ver roteiro de
como testar
neste mesmo
capitulo
4-Ver Bateria
5-Ver ignição.
1- Ver Bateria
2- Centralina
BAIXA POTÊNCIA
DO MOTOR
3- Sensor da pressâo absoluta
4- Verificar bomba de combustivel,
mangueira etc.
Ver roteiro de
como testar
neste mesmo
capitulo
5-Ver ignição.
 

1- Sonda Lambda.

 

2- Sensor da pressâo absoluta

3- Verificar bomba de combustivel, mangueira etc.

4- Atuador da Marcha Lenta.

Ver roteiro de como testar neste mesmo capitulo

MARCHA LENTA IRREGULAR

5- Entrada falsa de ar no Coletor de Admissão

6- Sensor da temperatura do ar.

 

7- Sensor da temperatura da Água.

 

1- Relés e fusiveis

 

2 - Centralina ou unidade central

3- Verificar bomba de combustivel, mangueira etc.

MOTOR DE PARTIDA VIRA MAS NÃO PEGA

4- Escapamento entupido.

Ver roteiro de como testar neste mesmo capitulo

5- Ver Ignição

 

6- Filtro de ar e sua tubulação entupida.

 

7- Ver Bateria

 

1- Atuador da Marcha Lenta.

 

2- Sensor da temperatura do ar.

Ver roteiro de como testar neste mesmo capitulo

MARCHA LENTA ELEVADA

3- Sensor da temperatura da Água.

4- Ver Bateria

 
 

1-

Ver Bateria

2 - Centralina ou unidade central

3- Verificar bomba de combustivel, mangueira etc.

Ver roteiro de como testar neste mesmo capitulo

CONSUMO ELEVADO DE COMBUSTIVEL

4- Sensor da temperatura da Água.

5- Escapamento entupido.

6- Filtro de ar e sua tubulação entupida.

 

7- Sensor da temperatura do ar.

8- Sonda Lambda. 1- Ver Bateria 2 - Sensor da temperatura do ar. 3- Sensor
8- Sonda Lambda.
1- Ver Bateria
2 - Sensor da temperatura do ar.
3- Sensor da temperatura da Água.
4- Sensor de Rotação
MOTOR COM
DIFICULDADE
PARA PEGAR
5- Verificar bomba de combustivel,
mangueira etc.
Ver roteiro de
como testar
neste mesmo
capitulo
6- Ver Ignição
7- Escapamento entupido.
8-Filtro de ar e sua tubulação
entupida.

ESQUEMA ELÈTRICO SPI FIAT

ESQUEMA ELÈTRICO DO TEMPRA 16V após 1995.

MEDIDAS E VALORES DO SISTEMA.

SENSOR DE TEMPERATURA DA ÁGUA. Tensão de alimentação 5V + ou - 5% Tempo de
SENSOR DE TEMPERATURA DA ÁGUA.
Tensão de alimentação
5V + ou - 5%
Tempo de resposta
40 s
Resistência a temperatura ambiente 25 o C
3.6KΩΩΩΩ + ou - 15%
SENSOR DE PRESSÃO ABSOLUTA. Pressão de trabalho até 100 Kpa. Temperatura de trabalho 40 a
SENSOR DE PRESSÃO ABSOLUTA.
Pressão de trabalho
até 100 Kpa.
Temperatura de trabalho
40 a 125 o C
Tensão de Alimentação
5,0 + ou - 0,35V.
BOBINA DE IGNIÇÃO. Modelo bae 800 ae Tensão de saia 20 K V Tensão de
BOBINA DE IGNIÇÃO.
Modelo
bae 800 ae
Tensão de saia
20 K V
Tensão de alimentação
12V cc
Resistência do enrolamento primário
0,55 ΩΩΩΩ + ou - 10%
Resistência do Enrolamento secundário
7,4K ΩΩΩΩ + ou - 10%
INJETOR DE COMBUSTIVEL Resistência do enrolamento 2,4 ΩΩΩΩ + ou - 15% Durabilidade 150.000 Km
INJETOR DE COMBUSTIVEL
Resistência do enrolamento
2,4 ΩΩΩΩ + ou - 15%
Durabilidade
150.000 Km
Tempo de Injeção
0.8 a 1.5 ms
SONDA LAMBDA Modelo zicôrnio ZRO2 Resistência de aquecimento 6 ΩΩΩΩ + ou - 20%
SONDA LAMBDA
Modelo
zicôrnio ZRO2
Resistência de aquecimento
6 ΩΩΩΩ + ou - 20%

ELETROVÁLVULAS.

Resistência do enrolamento 25 ΩΩΩΩ + ou - 15%
Resistência do enrolamento
25 ΩΩΩΩ + ou - 15%

SENSOR DE DETONAÇÃO.

SENSOR DE TEMPERATURA DA AR Tensão de alimentação 5 V + ou - 5% Tempo
SENSOR DE TEMPERATURA DA AR
Tensão de alimentação
5 V + ou - 5%
Tempo de resposta
< 10 s
Resistencia a temperatura ambiente
3,5 KΩΩΩΩ

SENSOR DE POSIÇÃODA BORBOLETA

Tensão de alimentação 5 V + ou - 5% Curso mecânico 105 graus ATUADOR DE
Tensão de alimentação
5 V + ou - 5%
Curso mecânico
105 graus
ATUADOR DE MARCHA LENTA
Resolução
0,4 mm/passo
Curso útil
8
mm = 200 passos
Alimentação
6
a 16V bateria

A - Como testar sistema de alimentação de combustível

Antes de iniciar qualquer teste no sistema de alimentação de combustível, verifique: Verificar se tem
Antes de iniciar qualquer teste no sistema de alimentação de combustível, verifique:
Verificar se tem combustível no reservatório de combustível (tanque).
Verificar se a bomba de combustível está funcionando (ao ligar a chave de
ignição, sem dar a partida, a bomba é acionada pôr cerca de 3 segundos - seu
ruído de funcionamento é perceptível);
Verificar tubulação, conexões e filtro de combustível (obstrução e vazamento);
Verificar fios e conexões elétricas (continuidade).
A bomba de combustível é comandada pêlos relés de alimentação e de potência. A
bomba é ligada pela centralina, através do relé de potência, durante a partida e
enquanto o motor estiver funcionando normalmente, gerando uma pressão de 1,0
bar. Se depois de ser ligada a chave, não for dada a partida, a centralina desliga a
bomba. A bomba elétrica, localizada no interior do tanque de combustível, está
equipada com um filtro primário e é integrada ao sistema indicador de quantidade de
combustível. A pressão (do tipo mecânico à membrana) montado a tampa do corpo
de borboleta. A regulagem da pressão é feita na fábrica durante a montagem do
regulador:
1. Eletrobomba localizada no interior do tanque (submersa)
2. Reservatório de combustível
3. Filtro de combustível
4. Tubo de envio de combustível
5. Eletroinjetor (válvula injetora) montado no corpo da borboleta
6. Regulador de pressão de combustível montado na tampa do corpo de
borboleta
7. Tubo de retorno de combustível
1- Como testar verificação da válvula injetora
OBS - No caso doTempra 16V Possui 4 Válvulas injetoras repetir o teste e cada
OBS - No caso doTempra 16V Possui 4 Válvulas injetoras repetir o teste e cada
OBS - No caso doTempra 16V Possui 4 Válvulas injetoras repetir o
teste e cada válvula os valores encontram-se coloridos abaixo.
TESTANDO 1- Retire o conjunto do filtro de ar, ligue a chave de ignição sem
TESTANDO
1- Retire o conjunto do filtro de ar, ligue a chave de ignição sem dar a partida e
observe o injetor dentro do corpo de borboleta > Não deve gotejar.
2- PONTA DE PROVA no fio ligado no fio ligado ao terminal 51 da válvula injetora
> Durante a partida deve positivo (+).
3- PONTA DE PROVA no fio que vai ligado ao pino 18 da válvula injetora ou pino
18 da centralina. Dar a partida no motor > Os leds deverão piscar enquanto o
motor estiver girando.

4- Com um MULTITESTE DIGITAL no modo Ohmimetro medir a resistênçia das válvulas Injetoras. Aresistência devera ser de Monoponto pino 18 e 51 de 1,66 a 1,84 - Multiponto isolado 15,4 a 17,0ΩΩΩΩ e no pino 18 e 51 de 3,85 a 4,25Ω.Ω.Ω.Ω.

Como testar o tempo de Injeção

5-Com um MULTITESTE DIGITAL no modo Milisegundos medir o tempo de Injeção da Válvula de Injeção que devrá ser de 0,8 a 1,5 ms em marcha

lenta

2- Como testar a pressão e vazão do sistema de combustível

TESTANDO 1 -Teste de pressão da bomba: Despressurização do sistema: com a chave desligada, desligue
TESTANDO 1 -Teste de pressão da bomba: Despressurização do sistema: com a chave desligada, desligue
TESTANDO
1 -Teste de pressão da bomba:
Despressurização do sistema: com a chave desligada, desligue o conector da bomba de
combustível (junto ao tanque de combustível) e dê partida no motor. Espere o motor parar
de funcionar e desligue a ignição. Ligue novamente o conector da bomba. O sistema
estará despressurizado até que se acione novamente a ignição.
Coloque o manômetro como o indicado na figura e feche a válvula de esfera. Para acionar
a bomba, retire o relé de potência 9 e faça uma ligação com o fio entre os terminais 87
(do meio) e 30 do soquete do relé pôr aproximadamente 2 segundos > Deve indicar pôr
volta de 4 bar e não deve cair rapidamente depois de desligada.
Observação: Não faça obstração na linha de retorno, para não danificar o regulador de
pressão.
2- Com o manômetro na mesma situação anterior, abra a válvula de esfera e acione a
bomba da mesma maneira que a anterior > Monoponto deve indicar uma pressão pôr
volta de 1 bar para veículos a gasolina e 1,5 bar a veículos a álcool. Multiponto deve
indicar uma pressão pôr volta de 2,8 a 3,2 bar para veículos a gasolina.
3- Ainda com o manômetro ligado, recoloque o relé, dê a partida no motor e acelere até
aproximadamente 2000 rpm >Monoponto A pressão deve ficar estabilizada em 1,0 bar
ou 1,5 bar álcool. Multiponto deve indicar uma pressão pôr volta de 2,8 a 3,2 bar para
veículos a gasolina.

Observação: O veículos apartir de 94 foram equipados com bomba de combustível tipo Sending Unit.Neste sistema a bomba fica dentro de um pequeno reservatório de plástico com a finalidade de evitar a falta de combustível quando o nível do tanque estiver baixo e o veiculo em movimento principalmente em curvas.

3- Como testar relé de potência

O relé de potência é acionado pela centralina através de um sinal negativo do terminal
O relé de potência é acionado pela centralina através de um sinal negativo do
terminal 25 aplicando ao terminal 85 do relé. É acionado pôr alguns segundos
quando a ignição é ligada ou quando existir sinal de rotação (vindo do sensor de
rotação - motor girando).
TESTANDO
1- Retire o relé de potência e coloque a PONTA DE PROVA no terminal 30 do conector do
relé > Positivo (+).
2- Recoloque o relé, coloque a PONTA DE PROVA no fio do terminal 85 do relé e dê
partida > Deve ter negativo (-) durante partida
3- PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 87 do conector de relé. Com o motor ligado
ou durante a partida > Positivo (+).
4- Como testar eletro válvula interceptora do canister
TESTANDO 1- Desconecte o conector com o MULTITESTE DIGITAL ligado aos terminais 22 e 51
TESTANDO
1- Desconecte o conector com o MULTITESTE DIGITAL ligado aos terminais 22 e 51 meça a
resistência >Deve ter 25 ΩΩΩΩ + ou - 15%.
5- Como testar atuador de marcha lenta
+ ou - 15%. 5- Como testar atuador de marcha lenta A centralina controla a marcha

A centralina controla a marcha lenta através do desvio de ar

controlado pelo LBA, que ajuda também e reduzir a emissão de poluentes, aumentando o fluxo de ar durante o fechamento repetitivo

da

borboleta numa desaceleração.

Se

a marcha lenta não estiver redonda, o defeito pode no LBA ou pode

haver obstrução no filtro de ar ou uma entrada de ar falsa.

A agulha de marcha lenta é comandada pelo motor de passo que

recebe sinais da centralina pêlos terminais 1 "3", 2, 20, 3 "2" e 4 "21".

Os números entre aspas indica os pinos da centralina ligados no LBA

TESTANDO 1- Com a chave ligada e motor parado conecte a ponta de prova em
TESTANDO
1- Com a chave ligada e motor parado conecte a ponta de prova em cada um dos fios ligados
aos terminais> Os leds deverão piscar alternadamente quando for dada a partida. Logo que o
motor pegar ou quando acorre variação na marcha lenta.
2- Com a chave ligada e motor parado desconecte os terminais do conectar do motor e com
o MULTISTE DIGITAL na posição ohmimetro meça as resistências dos enrolamentos > Deve
estar de acordo com a tabela abaixo.
Medidas entre terminais 1 e 4 2 e 3 1 e 2 3 e 4
Medidas entre terminais
1 e 4
2 e 3
1 e 2
3 e 4
Com
carcaça
Valor medido ΩΩΩΩ 40 a 60 ΩΩΩΩ 40 a 60 ΩΩΩΩ EEE EEE EEE (isolado)
Valor medido ΩΩΩΩ
40 a 60 ΩΩΩΩ
40 a 60 ΩΩΩΩ
EEE
EEE
EEE
(isolado)
(isolado)
(isolado)

B - Como testar sistema de ignição

Ao iniciar este teste, não se esqueça de verificar

Cabos de velas Velas Fios e conexões elétricas Baterias Alternador e regulador de voltagem

6- Como testar as bobinas de ignição

regulador de voltagem 6- Como testar as bobinas de ignição Os veículos equipados com o sistema

Os veículos equipados com o sistema de injeção eletrônica G6/G7 têm duas bobinas de ignição, cada uma com duas saídas para os cabos de velas. Estes teste verifica se há centelha (faísca0 nas bobinas e nas velas, dando também condições de avaliar a qualidade da centelha; verificar também se a resistência do enrolamento primário e do secundário estão dentro do valor especificado.

TESTANDO 1- Coloque o centelhador em uma saída de uma das bobinas e dê partida
TESTANDO
1- Coloque o centelhador em uma saída de uma das bobinas e dê partida no motor > a faísca
deve ser forte e uniforme. Fazer este teste para a outra bobina.
2- Com o motor desligado e a ignição desligada, desligue o conector da bobina de ignição e
coloque o MULTITESTE DIGITAL no modo ohmímetro entre os terminais 19 e 51 da bobina 1
e meça a resistência > deve apresentar um valor próximo a 0,55 ΩΩΩΩ. Repita o procedimento
acima para a bobina 2 ( terminais 1 e 51).
3- Com o motor desligado e ignição desligada, coloque o MULTITESTE DIGITAL no modo
ohmímetro na escala KΩΩΩΩ , coloque o fio verde em uma das saídas da bobina e o fio preto na

outra saída e meça a resistência do enrolamento secundário das bobinas (cada bobina tem 2 saídas para os cabos de velas) > deve apresentar cerca de 7,4 KΩΩΩΩ + ou - 15%.

7- Como testar alimentação de centralina

+ ou - 15%. 7- Como testar alimentação de centralina TESTANDO 1- PONTA DE PROVA no
TESTANDO 1- PONTA DE PROVA no terminal 29 do conector da centralina > Positivo (+).
TESTANDO
1- PONTA DE PROVA no terminal 29 do conector da centralina > Positivo (+).
2- PONTA DE PROVA nos terminais 13,16 e 17 da centralina > Negativo (-).
3- PONTA DE PROVA no pino 35 da centralina e ligue a ignição > Positivo (+).

8- Como testar o relé de proteção.

> Positivo (+). 8- Como testar o relé de proteção. TESTANDO 1- PONTA DE PROVA no
TESTANDO 1- PONTA DE PROVA no fio vermelho branco (pino 87) do relé > Positivo
TESTANDO
1- PONTA DE PROVA no fio vermelho branco (pino 87) do relé > Positivo (+) com a ignição
ligada.
2. Retire o relé, coloque a PONTA DE PROVA no conector do relé:

85

> deve ter negativo (-)

86

> deve ter positivo (+)

30

> deve ter positivo (+)

C - Como testar sensores

9- Como testar sensor de temperatura da água

sensores 9- Como testar sensor de temperatura da água TESTANDO 1- Com a chave ligada e
TESTANDO 1- Com a chave ligada e com motor parado coloque a PONTA DE PROVA
TESTANDO
1- Com a chave ligada e com motor parado coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao
pino 31 do sensor > Deve ter massa (-)
2- Com a chave ligada e com motor parado coloque o gafanhoto do MULTITESTE
DIGITAL no modo voltimetro no fio ligado ao pino 14 do sensor> Deve estar de acordo
com os dados abaixo.

Dados de valores aproximados

Temperatura graus 100 90 80 60 30 0 200 250 300 600 2500 10 000
Temperatura graus
100
90
80
60
30
0
200
250
300
600
2500
10 000
Resistência ΩΩΩΩ
Tensão V
0,3
0,4
0,5
1,7
2,5
4,1

10- Como testar sensor de pressão absoluta

 
 
TESTANDO 1- PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 31> Negativo (-) com ignição
TESTANDO 1- PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 31> Negativo (-) com ignição
TESTANDO
1- PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 31> Negativo (-) com ignição ligada ou
desligada.
2- Gafanhoto com a ponta verde MULTITESTE DIGITAL (no modo voltímetro) no fio
ligado ao terminal 15 > Deve ter aproximadamente 5V com a ignição ligada.
3- Gafanhoto com a ponta verde MULTITESTE DIGITAL no terminal 10. Coloque a
bomba de vácuo no sensor > A resposta do sensor deve estar de acordo com os dados
abaixo. Obs: Estes dados poderão ter pequena diferença nos valores, dependendo da
altitude do local.
4- Se os dados forem verificados e a lâmpada de advertência continua acesa, verifique
entradas falsas de ar, mangueira, obstruções, vácuo no coletor de admissão

Obs: Estes valores podem apresentar uma pequena variação dependendo da altitude do local.Medições feitas a cerda de 800 m de altitude.

Vácuo (mmHg 0 100 200 300 400 500 600 Tensão (V) 4,9 4,2 3,6 2,8
Vácuo (mmHg
0
100
200
300
400
500
600
Tensão (V)
4,9
4,2
3,6
2,8
2,1
1,7
1,0
11- Como testar sensor de temperatura do ar
TESTANDO 1- Com a chave ligada e motor parado coloque a PONTA DE PROVA no
TESTANDO 1- Com a chave ligada e motor parado coloque a PONTA DE PROVA no
TESTANDO
1- Com a chave ligada e motor parado coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao
pino 31 do sensor > Deve ter massa (-).
2- Com a chave ligada e motor parado coloque o gafanhoto com a ponta verde do
MULTISTESTE DIGITAL no modo voltimetro no fio ligado ao pino 14 do sensor> Deve
estar de acordo com os dados abaixo. Em temperatura normal de funcionamento
deverá ter aproximadamente 2,5 V.
Dados de valores aproximados Temperatura graus 80 60 50 30 20 0 400 700 1250
Dados de valores aproximados
Temperatura graus
80
60
50
30
20
0
400
700
1250
2500
4000
10 000
Resistência ΩΩΩΩ
Tensão V
0,8
1,3
1,7
2,5
3,2
4

12- Como testar sensor de rotação

10 000 Resistência ΩΩΩΩ Tensão V 0,8 1,3 1,7 2,5 3,2 4 12- Como testar sensor
TESTANDO
TESTANDO
Desconecte o conector do sensor, com a ignição desligada com o MULTITESTE DIGITAL ligada entre

Desconecte o conector do sensor, com a ignição desligada com o MULTITESTE DIGITAL ligada entre os terminais 5 e 24: meça a resistência > Deve ter 680 15%.

13- Como testar sensor de posição da borboleta

Ω 15%. 13- Como testar sensor de posição da borboleta TESTANDO 1- Com a chave ligada
TESTANDO
TESTANDO

1- Com a chave ligada e o motor parado coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao terminal 31 > Deve ter massa (-).

2- Com a chave ligada e o motor parado coloque a ponta verde no MULTITESTE DIGITAL no fio ligado ao terminal 33> Deve ter aproximadamente 5V.

3- Com a chave ligada e motor parado coloque o gafanhoto com ponta verde do MULTITESTE DIGITAL no fio ligado ai terminal 11 > Deve estar de acordo com dados abaixo.

Dados

Posição da borboleta Tensão Borboleta fechada 0.25 a 1.25V Meia borboleta 2 a 3V Borboleta
Posição da borboleta
Tensão
Borboleta fechada
0.25 a 1.25V
Meia borboleta
2 a 3V
Borboleta totalmente aberta
4 a 5V

14- Como testar sonda lambda

fechada 0.25 a 1.25V Meia borboleta 2 a 3V Borboleta totalmente aberta 4 a 5V 14-
TESTANDO 1- Com a ignição ligada e motor parado coloque a PONTA DE PROVA no
TESTANDO
1- Com a ignição ligada e motor parado coloque a PONTA DE PROVA no fio ligado ao
terminal 13> Deve ter massa (-)
2- Com a ignição ligada e motor parado coloque o gafanhoto com a ponta verde do
MULTITESTE DIGITAL no modo voltímetro no fio que liga ao terminal 51. Ligar o motor>
Deve ter 12V.
3- Com a ignição ligada e motor parado coloque o gafanhoto com a [ponta verde do
MULTITESTE DIGITAL
no modo voltimetro no fio que liga ao terminal 30. Ligar o motor; acelerar varias vezes o
motor. A tensão deve variar ligeiramente entre 0 e 0,8V com motor parado.
Observação: em alguns modelos o negativo é feito próprio escapamento. A oxidação
da rosca do sensor ou do parafuso do escapamento pode causar falha de negativo
na sonda.
15- Como testar partida a frio
Os sistemas SPI a álcool possuem um sistema auxiliar de partida a frio, que
pode ser visualizar mais adiante
O relé de partida a frio é acionado pela centralina em função da temperatura
do motor.
Quando a temperatura do motor está baixa, a centralina comanda o
acionamento do relé, permitindo que ocorra a injeção de gasolina pela
borboleta de partida a frio.