Você está na página 1de 6

A Antropologia Neoplatônica

Prof. Suderlan Tozo Binda


Antropologia Neoplatônica (séc. III – VI d. C.)

• Neoplatonismo:
– Dominação Romana politicamente unificado;
– Cadinho de raças, civilizações e crenças;
– Tudo isso submetido a pax romana;
– A ‘necessidade religiosa’ mostrava-se a mais
poderosa força espiritual dos primeiros séculos da
era cristã.
• Neoplatonismo x Cristianismo:
– Neoplatonismo unindo:
• Filosofia
• Religião Disputa com o cristianismo a direção espiritual
• Antropologia neoplatônica:
– Opõe ao monismo estóico um dualismo psychésôma;
– Plotino, na obra: Enéadas, nos oferece os seguintes
pontos:
• A ideia inteligível do homem compreende a presença da
faculdade sensível (conhecimento é um processo entre ideia
e sensação);
• A estrutura do homem reflete a estrutura triádica da
realidade superior (uno-inteligência-alma) na qual o homem
está inserido:
– Dualismo finalista:
» Alma:
• voltada para o inteligível que é o homem interior e
verdadeiro;
• Voltada para o corpo, que representa a condição inferior
do homem.
• A descida da alma no corpo é um evento natural e implica a
relação da psyché individual com est (seu) corpo.
• Metafísica base para a concepção
antropológica:
– Predicados ‘em si’ do ser humano:
• Unicidade – cada um é uno em si mesmo;
• Individualidade e pluralidade das pessoas;
• Livre:
– Na transcendência da psyché sobre a physis;
– No dualismo finalista que atesta a presença da psyché na
fronteira entre o sensível e o inteligível;
– Na socialidade na vida virtuosa:
» Degrau inferior – a comunhão com os semelhantes;
» Degrau superior – a comunhão com Deus.
• Atividade suprema do homem:
– A contemplação (teoria) é a atividade por
excelência do homem;

• Estrutura ontológica do homem:


– Concepção dual da estrutura ontológica