Você está na página 1de 2

Vinte ideias sobre o homem

1. Bíblia: “Então Deus disse: Façamos o homem à nossa imagem e semelhança. Todos
pecaram e todos são privados da glória de Deus. É nesse Filho, pelo seu sangue, que temos
a redenção, a remissão dos pecados, segundo as riquezas da sua graça que derramou
profusamente sobre nós uma plenitude de sabedoria e prudência”. Portanto, inocência
original, pecado e redenção em Cristo.
2. Homero: “Como as folhas na floresta são as gerações dos homens, Veja, a uns o vento
dispersa e a outros O madeiro vicejante faz brotar no tempo da primavera: Assim são as
gerações dos homens, esta cresce, aquela desaparece”.
3. Aristóteles: Zóon logikón, animal racional. A ideia de que a característica essencial do
home é a razão perpassa toda a história da filosofia, pelo menos até o Idealismo Alemão.
4. Agostinho: “Fizeste-nos para Vós, Senhor. Inquieto está o nosso coração, enquanto não
repousar em Vós”.
5. Giordano Bruno: O homem se situa no limite entre eternidade e tempo, participando de
ambos. Igualmente para Kant o homem é ‘cidadão de dois mundos’.
6. Blaise Pascal: “Caniço pensante”. Mesmo se o universo aniquilasse o homem, este ainda
seria mais nobre do que aquilo que o mata, porque sabe que morre; o universo não o
sabe. O pensamento é, portanto, a nossa suprema dignidade. “O homem transcende
infinitamente o homem”.
7. Hobbes: Homo homini lupus. O homem é um lobo para o homem.
8. Lamettrie: o homem é uma máquina, “l’homme machine”.
9. Rousseau: “Tudo é bom, quando sai das mãos do Criador, tudo degenera sob as mão do
homem”. O homem de si mesmo é bom, a sociedade o corrompe.
10. Goethe: “O homem não pode permanecer por muito tempo na consciência ou no estado
consciente; deve refugiar-se novamente ao inconsciente, pois nele vive a sua raiz”.
“Mantém-te puro na tranquilidade e deixa trovejar ao teu redor; quanto mais sentes ser
um homem, tanto mais semelhante és aos deuses”.
11. Fichte: “O sentido da espécie humana não consiste apenas em ser racional, mas em
tornar-se racional”.
12. Kierkegaard: O homem é uma “relação que se relaciona consigo mesmo”.
13. Karl Marx: o homem não passa dum “conjunto de relações sociais”.
14. Benjamin Franklin: Homo faber, “the tool making animal”.
15. Haeckel, discípulo de Darwin: O homem é um animal como os outros animais, pertence ao
ramo dos mamíferos, só que é mais evoluído – postura ereta, desenvolvimento do cérebro
etc.
16. Nietzsche: “O homem é o animal doente, o animal ainda não fixado. Percorrestes os
caminhos, do verme ao homem e muita coisa em vós ainda é verme. Outrora éreis macaco
e mesmo agora o homem é mais macaco do que qualquer macaco... O homem é um cabo,
preso entre o animal e o super-homem, - um cabo sobre um abismo”.
17. Max Scheller: Biologicamente o homem é um erro da vida; metafisicamente, é alguém que
é capaz de dizer ‘não’, um asceta da vida.
18. J. P. Sartre: “A existência precede a essência”. O traço fundamental do ser humano é ser
para-si, liberdade, criador de valores. Mas, no fundo, tudo é absurdo e o home é uma
“paixão inútil”.
19. Heidegger: O homem é ‘o ente, em cujo ser se trata dele mesmo’. É o “pastor do ser”.

 Procure fazer a distinção das diferentes concepções antropológicas:


o Quantas concepções têm nestas citações?
o Qual metafísica ou ontologia as sustentam?
o Quais são as consequências para:
 A teoria do conhecimento, ética, política, religião, estética?
 Em sua opinião:
 Qual destas concepções é a melhor?
 Todas correspondem à realidade, ou algumas são falsas?
 Pode-se deixa-las aí, justapostas, desconexas, ou é preciso
partir para uma síntese?
 Qual é o princípio que possibilita a síntese, de modo que cada
concepção seja válida, quando é integrada no todo?