Você está na página 1de 19

UNIVERSIDADE FEDERAL

DE MATO GROSSO
Fenômenos dos Transportes I
Prof. Murilo Macedo

AULA 02 – Escoamento interno e externo

Cuiabá – MT, Agosto 2019


Fenômenos dos
Transportes I

Fluidos Viscosos x Não Viscosos


Existem escoamentos onde podem ser desprezados os
efeitos da viscosidade, e esses são chamados de
ESCOAMENTOS INVÍSICIDOS.

Na região adjacente à fronteira, as tensões de cisalhamento


estão presentes, essa região é a camada limite. Fora dela, o
gradiente de velocidade é nulo. Logo, a partir desse ponto,
pode utilizar a teoria do escoamento invíscido.
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
Escoamento Laminar é o que ocorre sem troca
macroscópica de massa entre as camadas paralelas;

Escoamento Turbulento é o que não apresenta


uniformidade na direção do escoamento

 Reynolds avaliou este tipo de escoamento com um experimento


Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
 Experimento de Reynolds (1883)
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
 Experimento de Reynolds (1883)
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
 Número de Reynolds Laminar

𝜌𝑉𝐷
𝑅𝑒 =
𝜇 INTERMEDIÁRIO

Turbulento
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
Escoamento Laminar
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
Escoamento Turbulento
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
 Exemplo 1: Considere a água a 20°C (n=0,000001 m²/s) escoando
através de um tubo de ferro fundido cimentado internamente com
uma vazão de 100 litros por segundo. O tubo tem diâmetro de 300
mm. Qual o regime de escoamento para este caso? Obs.: Re > 2400 –
Turbulento

Resolução:
Dados: Viscosidade cinemática (n), Vazão (Q), Diâmetro (D)
Cálculo da velocidade: V=Q/A
Lembrete: n=m/r 
Re = r VD/m

ou

Re = VD/n
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
 Exemplo 1: Considere a água a 20°C (n=0,000001 m²/s) escoando
através de um tubo de ferro fundido cimentado internamente com
uma vazão de 100 litros por segundo. O tubo tem diâmetro de 300
mm. Qual o regime de escoamento para este caso? Obs.: Re > 2400 –
Turbulento

Re = 423000 (4,23x10 5 )

Turbulento
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
 Exemplos de escoamentos laminares na prática

• Escoamento de fluidos com viscosidade


elevada;

• Viscosímetros de laboratório;

• Fluidos em sistemas de lubrificação


automotiva etc.
Cinemática dos fluidos
Escoamento Laminar e Turbulento
Importância do Número de Reynolds

 Em projetos industriais  Cálculo de fator de atrito

2
LV
hl = f
D 2
 Balanço Energético completo  Determinação do a

 p1 a1V12   p2 a 2V22  hlT


   z1      z2  = = H lT  m
 rg 2g   rg 2g  g
Escoamento Laminar e Turbulento
A Definição de Laminar e Turbulento foi estudada por
Reynolds em um experimento simples (1833).
Escoamento Laminar e Turbulento

O Escoamento laminar é definido com aquele onde


as partículas deslocam-se em lâminas
individualizadas, sem troca de massa entre as
mesmas.

O escoamento turbulento é aquele onde as


partículas apresentam um movimento caótico
macroscópico, isto é, a velocidade apresenta
componentes transversais ao movimento geral do
conjunto do fluido.
Escoamento Laminar e Turbulento
Fenômenos dos
Transportes I
Exercícios: a) Calcule o número de Reynolds para o um
escoamento em um tubo (similar a placas paralelas) com
diâmetro 40mm e com velocidade de 8,5 cm/s e explique
fisicamente o que esse número representa.
Dados: Água a T=60°C
b) Qual o máximo
valor de velocidade para
que o escoamento seja
laminar?
Fenômenos dos
Transportes I
Exercícios: Calcule a velocidade que a placa inferior se move
quando uma força de 40N é aplicada e gera uma velocidade
na placa superior de 5,0 m/s.
Dados: h=3mm; A=2,5m²
Fluidos: (a) Água a 60°C; (b) Óleo SAE 10W a 100°C
Fenômenos dos
Transportes I

REFERÊNCIAS UTILIZADAS
[1] MUNSON, B. R.; YOUNG, D. F.; OKIISHI, T. H.
Fundamentos da Mecânica dos Fluídos. 4ª.
[2] FOX, Robert W.; MCDONALD, Alan T.; PRITCHARD, Philip
J. Introduction to fluid mechanics. New York: John Wiley &
Sons, 1998.
[3] ÇENGEL, Yunus A.; CIMBALA, John M.; SKARINA, Sofía
Fadeeva. Mecánica de fluidos: fundamentos y
aplicaciones. McGraw-Hill, 2006.