Você está na página 1de 41

Cavidades Ressonantes

Vitaly Esquerre
Em freqüências na faixa de microondas (> 300MHz), elementos
localizados tais como R, L e C têm comportamento bastante
di
diverso d seu comportamento em baixas
de b i f üê i
freqüências.

Isto porque em altas freqüências o efeito pelicular e as perdas


por radiação tornam-se importantes.

Assim, na faixa de microondas os circuitos ressonantes RLC são


substituídos pelas cavidades ressonantes.
As cavidades ressonantes são estruturas completamente fechadas
por paredes metálicas.

Elas confinam a energia eletromagnética e dispõem de grandes


áreas para a circulação de corrente, eliminando radiação e
diminuindo as perdas.
p

A figura mostra a transformação gradual de um circuito


ressonante LC numa cavidade ressonante
Cavidades Retangulares
Cavidades Retangulares
Podemos começar a análise partindo da equação de onda e usar o
método de separação das variáveis para obter os campos
elétricos e magnéticos
g qque satisfazem as condições
ç de contorno
da cavidade.
Porém, fica mais fácil começar com os campos TE e TM do
guia,
i os quais
i já satisfazem
if as condições
di d contorno nas paredes
de d
do guia
x  0, a
y  0, b
Ë necessário apenas inserir as condições de contorno Ex = Ey = 0
nas paredes inicial e final em z = 0
Os campos elétricos transversais (Ex, Ey) dos modos TEmn e
TMmn, do guia de ondas retangular pode ser escrito como:

Et  x, y, z   e  x, y   A e  j mn z  A e j mn z 

e  x, y  Variação transversal do campo


A , A Amplitude dos campos em +z e -z

A constante de propagação mn dos modos m,n (TE ou TM) pode


ser escrita como:
2 2
 m   n 
 mn  k 2
   k   
 a   b 
Impondo
p a condição qque o campo
p tem qque ser nulo em z = 0

Et  x, y, 0   e  x, y   A  A   0
A   A
Que era esperado pelo fato de termos reflexão numa superfície
condutora
Impondo a condição que o campo tem que ser nulo em z = d

Et  x, y, d   e  x, y   A e  j mn d  A e  j mn d   0

 
Et  x, y, d   e  x, y  2 jA sin  mn d  0

l
 mn d  l  mn 
d
O número de onda ressonante da cavidade será

2 2 2
 m   n   l 
kmnl       
 a   b  d 
Modos TEmnl ou TMmnl são os modos ressonantes onde m, n, e l
indicam o numero de meios ciclos da onda estacionária nas
di õ x, y, e z. A frequência
direções f ê i ded ressonância
â i dod modo
d TEmnl ou
TMmnl é dado por
2 2 2
ckmnl c  m   n   l 
f mnl        
2 r  r 2 r  r  a   b  d 
Os campos para o modos TEmnl são dados por:
Amnl  n   m   n   l 
Ex  cos x sin y sin z
  b   a   b   d 
A  m   m   n   l 
E y   mnl  sin
  x  cos  y  sin  z 
  a   a   b  d 

Ez  0
Amnl  m   l   m   n   l 
Hx  j  sin  x  cos  y  cos  z
  a   d   a   b  d 
Amnl  n  l   m   n   l 
Hy  j cos x  sin  y  cos  z
  b 
 d



 a   b  d 
Amnl  2  l  
2
 m   n   l 
Hz   j  k     cos  x  cos  y  sin  z
  d    a   b  d 

m  0,1, 2,3... n  0,1, 2,3... l  1, 2,3.... mn0


2 2
c  m   l 
Modo dominante (d > a > b)  TE101 f101     
2  r  r  a  d 
Após
p algumas
g simplificações,
p os modos TE10l tem as seguintes
g
expressões para os campos:

  x   l z 
E y  E0 sin   sin  
 a   d 
E x   l z 
H x   j 0 sin   cos  
TE  a   d 

 E0   x   l z 
Hz  j cos   sin
i  
k ' a  a   d  d ab

O que
q e claramente demonstra que q e são formadas ondas
estacionárias dentro da cavidade
Fator de Qualidade: Q

Wm  We Energia média armazenada


Q  
P Energia Perdida por segundo

Wm , We Energia média armazenada nos campos magnéticos e


eletricos.

P Potência dissipada no condutor e no dielétrico

Na frequência de ressonância: We = Wm
Cálculo da energia armazenada no campo elétrico

 
 
2
We  E E dv y E*
y y dv
4 4
v v

  x   l z 
E y  E0 sin   sin  
 a   d 
d b a
   x  2  l z 
We 

2 2
E sin 
0  sin   dxdydz
4  a   d 
0 0 0

1 1
sin 2 x   cos 2 x
2 2

 abd
We  E02
16
Cálculo da energia armazenada no campo magnético

Wm 

*
H H dv
4
v

Wm 

4 
 
H x H x*  H z H z* dv 

4 
 2
Hx  Hz
2
 dv
v v

E0 x   l z   E0   x   l z 
Hx   j sin   cos   Hz  j cos   sin  
TE  a   d  k ' a  a   d 


d b a
 E   x   l z 
2
 E0   x   l z  
2

Wm 
4 
0 0
 0
 TE
0 
sin
i 
 a 
 cos  
 d 

k ' a
cos   sin
i 
 a   d  
  dxdydz

d d d

1 1 1 1
sin x   cos 2 x
2
cos x   cos 2 x
2

2 2 2 2
  abd
1  2

Wm  E02  2  2 2 2 
16  TE k  ' a 

k '  
2
TE    10  k 2   
 a 

  2   a 
2
 1  2
1 
 2  2 2 2   2 
 TE k  ' a  k ' ' 
2 2

 abd
Wm  E02
16

Ou seja:
j We = Wm
Perdas nas paredes condutoras: Pc
Rs

2
Pc  H t ds
2 paredes

Onde
O d Rs é a resistência
i ê i superficial
fi i l das
d paredes
d metálicas
áli d d
dada
por:

Rs 
2 c
e Ht é o campo
p magnético
g tangencial
g as superfícies
p das pparedes
metálicas.

A contribuição
ib i ã devido
d id à parede d superior
i é igual
i l á contribuição
ib i ã dad
parede inferior, o mesmo acontece com as contribuições da
parede lateral direita e esquerda e da parede da frente e posterior.
posterior
y
Parede esquerda e direita
H z  x  0 b Parede do fundo e da frente

H x  z  0
x
Parede superior e inferior a
H x  z  0
H z  x  0 z
d

R  b a d b

  H x  z  0  dxdy  2
  H z  x  0  dydz
2 2
Pc  s 2
2  y 0 x 0 z 0 y 0

 H  y  0  2  H  y  0  2  dxdz 
d a
2
 
z 0
 x
x 0 
z
 
2 k ' 2d '
Usando: k TE  
  l

Rs E02  2  l 2 abb bd l 2 a d 
Pc   2  2   
8 '  d
2
a 2d 2a 
Fator de Qualidade considerando apenas perdas nos condutores:
Qc
 abd
E02
Wm  We W 16
Qc    2 m  2
Pc Pc Rs E02  2  l 2 ab bd l 2 a d 
 2  2   
8 '  d
2
a 2d 2a 

k 3 abd '
Qc 
 l 2 ab bd l 2 a d 
4 Rs  2  2 
2
 
 d a 2d 2a 

 kad  b '
3

Qc 

2 2 Rs 2l 2 a 3b  2bd 3  l 2 a 3 d  add 3 
Fator de Qualidade considerando apenas perdas no dielétrico: Qd

   "   r  0 tan     ' j "   r  0 1  j tan  


1  " abd  " E02
 
2
Pd  J .E dv 
*
E dv 
2 2 8
v v

 ' abd
E02
Wm  We W ' 1
Qd    2 m  2 16  
Pd Pd abd  " E02  " tan 
8

Fator de Qualidade considerando perdas no condutor e no


dielétrico: Qtotal
1
 1 1 
Qtotal   
Q
 c Qd 
Exemplo
Considere uma cavidade oca com dimensões; 3cm x 2cm x
7cm feita de cobre (c=5.8 x 107)
Calcular a frequência de ressonância e o fator de qualidade
do modo dominante.

2 2 2
3 10 10
1 0 1
fr           5.43984GHz
2 3  2  7

 kad  b ' 
3

Qc  Rs  k   

2 2 Rs 2l 2 a 3b  2bd 3  l 2 a 3 d  ad 3  2 c

'  

Rs   0,0192424
2 c

k     113,984

 '     376,819

 kad  b '
3

Qc   10086

2 Rs 2l a b  2bd  l a d  ad
2 2 3 3 2 3 3

Exemplo 2
Considere uma cavidade preenchida com polyestireno (εr =
2.56, tan δ = 0,0004) com dimensões; a = 3cm b = 2cm feita
de cobre (c=5.8 x 107) determine o valor de d para
apresentar
t uma frequência
f ê i de
d ressonância
â i de
d 3,4
3 4 GHz.
GH
Determine o fator de qualidade do modo dominante.

2 2 2
3 1010  1   0   1 
fr           3, 4GHz d  7cm
2 56  3   2   d 
2 2.56

 kad  b ' 
3

Qc  Rs  k   

2 2 Rs 2l 2 a 3b  2bd 3  l 2 a 3 d  ad 3  2 c

'  

Rs   0,0152124
2 c

k     113,984

 '     235,512

 kad  b '
3

Qc   7973, 66

2 Rs 2l a b  2bd  l a d  ad
2 2 3 3 2 3 3

1
Qd   2500
tan 
1 1
 1 1   1 1 
Qtotal          1903,
1903 27
 Qc Qd   7973, 66 2500 
Cavidades Cilíndricas
Podemos começar a análise partindo da equação de onda e usar o
método de separação das variáveis para obter os campos
elétricos e magnéticos
g qque satisfazem as condições
ç de contorno
da cavidade.
Porém, fica mais fácil começar com os campos TE e TM do
guia
i circular,
i l os quais i já satisfazem
if as condições
di d contorno nas
de
paredes do guia
 a

Ë necessário apenas inserir as condições de contorno Eρ = Eϕ = 0


nas paredes inicial e final em z = 0 e d
Os campos
p elétricos transversais ((Eρ, Eϕ) dos modos TEnm e
TMnm, do guia de ondas retangular pode ser escrito como:

Et   ,  , z   e   ,    A e
   j  nm z  j  nm z
A e 
e   ,  Variação transversal do campo
 
A ,A Amplitude dos campos em +z e -z

A constante de propagação nm dos modos TEnm e TMnm,


respectivamente,
p ppode ser escrita como:
2 2
  'nm    nm 
 nm  k  2
  nm  k  2

 a   a 

k   
Impondo
p a condição qque o campo
p tem qque ser nulo em z = 0

Et   ,  , 0   e   ,    A  A   0
A   A
Que era esperado pelo fato de termos reflexão numa superfície
condutora
Impondo a condição que o campo tem que ser nulo em z = d

Et   ,  , d   e   ,    A e  j nm d  A e  j nm d   0

 
Et   ,  , d   e   ,   2 jA sin  nm d  0

l
 mn d  l  mn 
d
Modos TEnml ou TMnml são os modos ressonantes onde m, n, e l
i di
indicam o numero ded meiosi ciclos
i l da
d ondad estacionária
t i á i nas
direções ρ, ϕ, e z.
A frequência de ressonância do modo TEnmll é dada por
2 2
c   'nm   l 
f nml   a   d 
2 r  r    
n  0,1,
0 1 22,3...
3 m  11, 22,3...
3 l  11, 22,3....
3

A frequência de ressonância do modo ou TMnml é dado por


2 2
c   nm   l 
f nml   a   d 
2 r  r    
n  0,1, 2,3... m  1, 2,3... l  0,1, 2,3....
O modo dominante TE é o modo TE111, cuja
j freqüência
q de
ressonância é dada por:
2 2
c 8412    
 11.8412
TE
f111     
2 r  r  a  d

O modo dominante TM é o modo TM010 cuja freqüência de


ressonância é dada por:
2
c  2, 4049 
TM
f 010   
2 r  r  a 
As freqüências de ressonância são iguais se d/a = 2,03 (modos
degenerados)

Quando d/a < 2,03, o modo dominante é o TM010 e quando d/a >
2,03 o modo dominante é o modo TE111
Os campos para o modos TEnml são dados por:
jk ' a 2 nH 0   'nm   l 
E  J n   sin  n  sin  z
 nm 
2
 '   a  d 

jk ' aH 0 '   l 


E  J 'n  nm   cos  n  sin  z
 'nm  a  d 

Ez  0
 aH 0 '   l 
H  J 'n  nm   cos  n  cos  z
 'nm  a  d 

 a 2 nH 0   'nm   l 
H   J n   sin  n  cos  z
 nm 
2
 '   a  d 

'   l 
H z  H 0 J n  nm   cos  n  sin  z
 a  d 
n  0,1, 2,3... m  1, 2,3... l  1, 2,3....
2 2
c 
 11   
' 
Modo dominante  TE111 f111     
2 r  r  a   d 
Distribuição do campo
p ppara modos ressonantes com l = 1 e l = 2

O que
q e claramente demonstra que q e são formadas ondas
estacionárias dentro da cavidade
Fator de Qualidade: Q

Wm  We Energia média armazenada


Q  
P Energia Perdida por segundo

Wm , We Energia média armazenada nos campos magnéticos e


eletricos.

P Potência dissipada no condutor e no dielétrico

Na frequência de ressonância: We = Wm
F t de
Fator d Qualidade
Q lid d dos
d Modos
M d TEnml

Cálculo da energia armazenada, como We = Wm


2

  d  d dz
d a

  
2 2
W  2We  E   E
2
z 0  0  0

a 2
 k  ' a  dH   'nm   na  2   'nm 
2 2 2 2

    d 
0 2
J'   Jn 
4   'nm     'nm  
2 n
 0
 a  a 

 k  ' a  dH
2 2  2
 n   2
2
2
 1     J n   'nm 
0

8   'nm     'nm  
2
Perdas nas paredes condutoras: Pc
Rs

2
Pc  H t ds
2 paredes

Onde
O d Rs é a resistência
i ê i superficial
fi i l das
d paredes
d metálicas
áli d d
dada
por:

Rs 
2 c
e Ht é o campo
p magnético
g tangencial
g as superfícies
p das pparedes
metálicas.

A contribuição
ib i ã devido
d id à parede
d superior
i é igual
i l á contribuição
ib i ã da
d
parede inferior.
z
d

Parede superior e inferior Parede lateral


H   z  0 Hz    a

H  z  0  a H    a 

2
R  d
Pc  s 
2    z 0
 H    a  2  H    a  2 ad dz
 0 
  z 
2
 H  z  0  2  H  z  0  2   d  d 
a
2
   0  0 
  
 

   
2
 2
  
R  da  an  2

    a  1  n
2

Pc  s  H 02 J n2   'nm   1    
2 
 2     'nm      'nm     'nm   
    
2
2
 
Fator de Qualidade considerando apenas perdas nos condutores:
Qc
 k  ' a  dH
2 2 2 2   n   2
2

1     J n   'nm 
0

4   'nm     'nm  
2
Wm
Qc  2  2
Pc    
2
 2
  
Rs  da  an  2

    a  1  n
2

 H 02 J n2   'nm   1    
2 
    nm     nm    nm   
     
2
2 2  ' '  '
 

  n 2 
1    
 ka   ' ad    'nm  
3

Qc 
4   'nm  Rs    
2

2
 2
 
 ad   an   a 2
 n 2

 1         1  
2 
    nm     nm    nm   
    
2
2  ' '  '
 
Fator de Qualidade considerando apenas perdas no dielétrico: Qd
   "   r  0 tan     ' j "   r  0 1  j tan  

1  "  2
 
 dv
2
Pd  J .E dv 
*
 E   E 
2 2
v v

 " k  ' a  dH
2 2 2 
2

a
 '   na 
2
  '  
Pd  
      d 
0 2 nm 2 nm
J '  a    J 
4   'nm   'nm  
2 n n
     a  
 0 

 " k  ' a H
2  2
 n   2
4 2
2

Pd  1     J n   'nm 
0

8   'nm     'nm  
2
Fator de Qualidade considerando apenas perdas no dielétrico: Qd

 'k  ' a H
2 2 4 2
 n   2
2

1     J n   'nm 
0

8   'nm     'nm  
2
Wm  We  ' 1
Qd     
Pd  " k 2 '2 a 4 H 02   n   2
2
 " tan 
1     J n   'nm 
8   'nm     'nm  
2

Fator de Qualidade considerando pperdas no condutor e no


dielétrico: Qtotal

1
 1 1 
Qtotal   
Q
 c Qd 
Fator de Qualidade dos Modos TM010

Ë importante quando d / a < 2,03

E  E  H   H   0
2
 01  E0  01 
Ez   j   J0  
 a    a 

  01  E0   01 
Hz    J '0  
 a    a 


2, 4049
Qc  
 a
2  1   Rs
 d
Outras Geometrias