O QUE É REFORÇAMENTO?* Fabiane C.

Moraes Burrhus Frederic Skinner (1904-1990) foi o estudioso que desenvolveu experimentos e teorias dentro do universo chamado comportamento humano. Dentre seus experimentos, há que se falar das experiências com ratos em caixas de Condicionamento Operante, denominada Caixa de Skinner, e desenvolvida especialmente para a busca de novos esclarecimentos a respeito de como um organismo funciona. Ratos são animais que têm algumas características que, mesmo que em forma e magnitude diferentes, se assemelham aos seres humanos. Dessa maneira, é possível – e foi no que Skinner investiu – entender alguns princípios que regem o comportamento humano através da manipulação de variáveis com ratos em laboratório. Dentre esses princípios, Skinner escreveu sobre o reforçamento cujo pressuposto, segundo ele, é de que tal fenômeno controla a forma como os seres humanos aprendem a se comportar durante a vida. Em seus experimentos, como por exemplo, ratos privados de água, dentro da Caixa de Skinner, tendiam a aprender, manter e repetir seguidas vezes um comportamento selecionado (selecionava-se, por exemplo, a resposta de pressionar uma barra), quando este era seguido de água. Então, falando simplificadamente, os ratos “aprendiam” que pressão à barra tinha como conseqüência a água, que era o estímulo reforçador. Em outras palavras, o termo reforçamento refere-se a um esquema de aprendizagem, ou um processo, que rege os comportamentos que serão selecionados ao longo da vida de um indivíduo. Dessa forma, só podemos dizer que um comportamento foi reforçado, a partir do momento que se observa suas consequências no ambiente e a freqüência com que o mesmo ato será emitido novamente. Ou seja, o comportamento humano é mantido por suas consequências e se tais aumentarem a probabilidade do comportamento ocorrer novamente, então podemos falar que o comportamento foi selecionado, aprendido e, então, reforçado. Reforço é um termo que deriva do esquema, o qual descreve os estímulos variáveis que estão mantendo um determinado comportamento. Essa análise só pode ser feita individualmente, já que nem tudo o que é “reforço” para uma pessoa, necessariamente é para outras. Grande parte da manutenção de nossos comportamentos provém da nossa história de vida, ou seja, daquilo que ao longo da nossa história foi sendo aprendido e foi ganhando valor reforçador. A família, os amigos, a escola, dentre outras coisas (consideradas como “o ambiente” de um indivíduo) são os que propiciam essa aprendizagem. Um exemplo seria o seguinte: um adolescente que tem como esporte favorito a bocha (normalmente jogado por pessoas mais velhas), pois as conseqüências derivadas desse esporte aumentam a probabilidade dele jogar novamente em outros dias. Apesar de não ser comum que um jovem goste desse tipo de jogo, e sim de outros como o futebol, este indivíduo, especificamente, aprendeu em sua história de vida a gostar dessa atividade. Provavelmente sua família tenha tradição no jogo; sempre que se reuniam, jogavam; quando era pequeno devia ganhar prêmios do avô e do pai por jogar bem, etc. Tudo isso somado e operando no ambiente atual faz com que hoje, para ele, seja “reforçador” jogar bocha.
Moraes, F.C. (2010). O que é reforçamento?. Texto produzido pela autora para fins didáticos. Utilização somente com a devida referência.

Ele pode ser um grande reforçador quando. ditos anteriormente. se não percebem ganhos no comportamento “bom” que emitiram. E se isso não ocorrer. Dessa forma. principalmente com crianças. precisamos levar em consideração também que. Contudo. Outra forma de reconhecermos o que é reforçador para um indivíduo é prestar atenção não apenas nas conseqüências do comportamento. amigos sinalizam e parabenizam aquela amiga que está ativamente empenhada em sua dieta e está de fato emagrecendo. (2010). a se comportar de maneiras diferentes das consideradas “normais”. como por exemplo o escolar. principalmente. O que é reforçamento?. Nesse caso. Eles aumentam a probabilidade de que emitamos comportamentos que possibilitam obtê-los. porém não para todos e nem em todos os momentos. e um dia. F. os que provêm das pessoas com as quais convivemos. dizer: “isso mesmo. por exemplo. se uma criança que tem fama de ser muito agressiva e bater nos colegas. a consequência de emagrecimento por si só fortalece o comportamento de fazer dieta. isto é. é claro. a amizade dos colegas e a brincadeira que desejava. e a criança voltará a se comportar da maneira pela qual obtinha mais reforçadores. mas também Moraes. uma vez que passamos a entender as razões pelas quais os indivíduos se comportam de determinadas maneiras e passamos a não mais apenas rotular as pessoas de “esquisitas” ou “loucas”. dos quais dependem a sobrevivência do organismo.Essa análise faz toda a diferença. temos que o comportamento é fluido e passível de mudança. de alguma forma. Reforços arbitrários devem ser utilizados com cautela. pois entendemos que aprenderam com o seu ambiente (família. há também algumas coisas que são reforçadores para a maioria das pessoas. Por outro lado. é muito melhor você ser bonzinho! Que bonitinho!”). há aqueles que são naturais. Um exemplo é o elogio. o elogio sozinho (ex. contexto social e cultura). Provavelmente aumentará a chance de que ela continue emitindo comportamentos que tenham o emagrecimento como conseqüência. uma vez que. há que se destacar que estímulos reforçadores sociais. dificilmente o comportamento será mantido. . provavelmente este não se sustentará somente com o elogio . ao invés de bater. universais e intrínsecos. conversa normalmente para resolver uma situação de jogo com o colega no intervalo. ou um brinquedo. por ser um tipo de reforço arbitrário. já que estas são muito sensíveis as relações que operam naturalmente no ambiente. Utilização somente com a devida referência. atenção.C. ou seja. e se sim. Estes são. provavelmente. apesar desta análise ser fundamental para quebrar rótulos e estereótipos construídos socialmente. é necessário verificar se alguns comportamentos ditos estranhos estão trazendo prejuízos para o individuo e para as pessoas que com ele convivem. mesmo que não seja a melhor forma de agir. por exemplo. Texto produzido pela autora para fins didáticos. em outro contexto. em geral. que era bater nos colegas para conseguir. principalmente se estivermos sob condição de privação dos mesmos. a consequência diretamente relacionada ao evento: ter a atenção. não tem relação direta com o evento. outras podem ir perdendo esse valor conforme o contexto e os estímulos que vão sendo estabelecidos. ao invés de agredir). da mesma forma que certas coisas vão ganhando valor reforçador ao longo da vida. não terá tanto valor reforçador (aumentar a probabilidade do menino emitir comportamento de conversar. Além dos reforços específicos a cada um. Além disso. a comida e a água. a intervenção se torna imprescindível. Porém. porém. o “reforço” para esse novo comportamento aprendido poderia ser. isto é. têm valor muito alto quanto à emissão ou não de comportamentos por parte de um indivíduo.

o valor reforçador maior se encontra na atenção dos pais. É claro que isso não acontece de maneira intencional ou pensada. pois acredito que. Texto produzido pela autora para fins didáticos. de vez em quando. é preciso analisar muito bem quais estímulos antecedentes estão presentes no ambiente dessa criança e faz com que ela continue “aprontando”. assim. se alguém deseja que seja aumentado algum tipo de comportamento “bom” de uma pessoa. Meu objetivo é que outras pessoas. nessa rotina não sobra tempo para dar atenção. O que é reforçamento?. precisam de muita atenção positiva (carinho. e sente dor? Em casos assim..naquilo que o antecede. brincadeira. cuidados em geral) para se desenvolverem bem. além dos estudantes do meu curso. p. Não quero dizer com isso que os pais devem ser omissos em repreender e conter. gritando. 2002. possam ter contato com esse tipo de conhecimento. dar carinho. Um exemplo disso é uma criança que se comporta de maneira extremamente inadequada em casa com os pais (batendo. suas preocupações envolvem: casa para limpar. Olhando com mais cautela. que os pais passam o dia inteiro fora de casa trabalhando e quando estão presentes. temos em resumo que: Uma compreensão mais adequada do comportamento operante envolve o conhecimento de dois tipos de relações: a relação entre a resposta [componente do comportamento] e sua conseqüência e a relação entre a resposta e os estímulos que a antecedem e que estavam presentes na ocasião em que a resposta foi reforçada” (SÉRIO ET al. cabe perfeitamente a adultos também. deve reforçá-lo positivamente (aí. em muitos casos. prestaremos mais atenção na forma como Moraes. se depois ela sempre apanha. continua a se comportar dessa maneira. (2010). os indivíduos aprendem determinados tipos de comportamento. quebrando objetos da casa e brinquedos) e. F. perceberíamos.C. A atenção positiva gera muito mais resultados benéficos à criança em termos de se comportar bem e ser biológica e psicologicamente saudável. comportamentos inadequados. conversa. mesmo tendo o apanhar e o “sermão” dos pais como consequência de seus maus atos. elas acabam “descobrindo” na atenção negativa (apanhar e ouvir sermão) uma forma de terem algum momento em que os pais se voltem a elas. contas a pagar e os problemas conjugais por resolver. pode-se perguntar: Mas o que será que mantém os comportamentos inadequados da criança. se elogio. 10). ou outra coisa). pois seria uma maneira de incorrer em outro erro: não se comprometer com a responsabilidade. Ou seja. além de que muitos “maus comportamentos” podem ser evitados ou diminuídos de freqüência dessa maneira (aumentando os adequados). Nesse caso. xingando. que são os estímulos antecedentes presentes no ambiente e ocasião da emissão do comportamento. comida por fazer. O que acontece é que todos os indivíduos. Em relação a esse princípio. mas conforme os estímulos que o ambiente propicia. em especial as crianças. Com essa pequena explanação sobre o curioso assunto do reforçamento. conversar ou brincar com a criança. Utilização somente com a devida referência. deverá haver um certo conhecimento sobre a pessoa para saber o que de fato reforçaria seu comportamento. . Todos precisam de atenção positiva para desenvolver comportamentos saudáveis a si próprio e a outros e. carinho. Mas a punição não pode ser a única forma de interagir com o filho. e se falta. Em relação ao que foi dito até aqui. espero ter esclarecido alguns pontos importantes a respeito disso. atenção. Mesmo que uma das conseqüências seja punitiva (a dor pelo apanhar).

P. Além disso. (1953). B. Cirino. Um profissional habilitado e capacitado para auxiliar na promoção dessas mudanças é o psicólogo. A aplicação dos princípios do comportamento em contextos abertos. (2002) Controle de estímulos e comportamento operante: uma introdução. (2006). J. Ciência e Comportamento Humano. basta o primeiro passo. podemos traçar procedimentos para mudar aqueles comportamentos que não estão sendo legais (para si próprio e/ou para outros). outras pessoas ligadas a quem procura a mudança podem ajudar nessa tarefa. Utilização somente com a devida referência. Somente a partir dessa análise. n. M. F. p. S. Skinner. O que é reforçamento?. Sério.D. (2010). A.T.C. Texto produzido pela autora para fins didáticos. et al. . Revista de Ciências Humanas.. Mudar é possível e faz toda a diferença! REFERÊNCIAS Frutuoso.nos comportamos e por quais razões.F. T. São Paulo: EDUC. 339-360. mudando também o ambiente. 40. São Paulo: Martins Fontes Moraes. além de buscar formas de melhorar relacionamentos por meio da mudança de alguns comportamentos particulares e reforço de comportamentos de outros.