Você está na página 1de 19





  

  
 


 
   
 

  
  

 



 
!
∀   
   


  #  ∃ 

 
 
  % &  ∋
(

)
∗& +
!  ,
−      &
 )

.  /)
Autómatos Programáveis Industriais

Curso Profissional de Técnico de Electrónica, Automação e Computadores

Módulo 6

Notas de apoio às aulas

Parte I

António Henriques 1

1
Autómatos Programáveis Industriais

Estrutura e Funcionamento

António Henriques 2
António Henriques

2
Autómatos Programáveis Industriais

Estrutura

António Henriques 3

3
Autómatos Programáveis Industriais

Funcionamento
ON/OFF

INICIALIZAR

LER ENTRADAS

EXECUTAR PROGRAMA

ACTUALIZAR SAÍDAS

António Henriques 4

4
Autómatos Programáveis Industriais

Autómatos Compactos

São constituídos por uma unidade que


congrega todos os elementos
necessários: CPU, entradas e saídas
digitais, interface de comunicação, etc..

Alguns modelos admitem expansões.

Twido
TELEMECANIQUE
SCHNEIDER

António Henriques 5

5
Autómatos Programáveis Industriais

Autómatos Modulares

São constituídos por um conjunto de


módulos interligados através de um
“BUS”.

Incluem a CPU, módulos de entradas e


saídas digitais, módulos de entradas e
saídas analógicas, módulos de
comunicação para ligação a redes
Twido industriais, etc..
TELEMECANIQUE
SCHNEIDER

António Henriques 6

6
Autómatos Programáveis Industriais

Configuração típica de entradas com isolamento galvânico


Autómato Twido de 10 E/S

Entradas não polarizadas:


I0 e I1

Níveis lógicos
Relação tensão / corrente

António Henriques 7

7
Autómatos Programáveis Industriais

Configuração típica de entradas com isolamento galvânico


Autómato Twido de 10 E/S

Entradas não polarizadas:


I2 a I5

Níveis lógicos
Relação tensão / corrente

António Henriques 8

8
Autómatos Programáveis Industriais

Ligação de sensores às entradas de um Autómato Programável Industrial

+24 V 0V

+ -
output output
PNP - NPN +

+24 V 0V DC IN +24 V 0V DC IN
COM 0 1 2 3 4 5 DC OUT COM 0 1 2 3 4 5
DC OUT

António Henriques 9

9
Autómatos Programáveis Industriais

Configuração típica de saídas com isolamento galvânico

Saída a relé

Saída a transístor

António Henriques 10

10
Autómatos Programáveis Industriais

Ligação de pré-accionadores às saídas de um Autómato Programável


Industrial

COM 0 1 2 COM 3

Devem sempre ser previstos aparelhos de protecção adequados ao


tipo de cargas e à alimentação.

António Henriques 11

11
Autómatos Programáveis Industriais

Memória
Nos autómatos é comum encontrarmos dois tipos de memória:
✔ RAM que está dividida em áreas funcionais: uma para os dados, outra para

programas e outra para constantes;


✔ EEPROM que tem duas áreas funcionais: uma para salvaguardar

programa e constantes e outra parta salvaguardar palavras internas

O acesso à memória pode ser feito no formato bit ou palavra (word – 16 bits)

Designação Código Designação Código


Bits de entrada %I Word %MW
Bits de saída %Q Dupla Word %DW
Bits internos %M Word Flutuante %MF
Bits de sistema %S Constante %KW
Bits de temporizadores %TM Dupla Constante %KD
Bits de contadores %C Constante Flutuante %KF
Word de Sistema %SW

António Henriques 12

12
Autómatos Programáveis Industriais

Endereçamento de Entradas/Saídas

% I y. z % Q y. z
Onde:
➔ I e Q representam as imagens dos bits presentes nas entradas e saídas, respectivamente.
➔ y representa o número do módulo. 0 para a CPU e 1 a 7 para as expansões.
➔ z número da entrada ou saída

Exemplos:
● %I0.4 – entrada 4 na CPU
● %I1.6 – entrada 6 no módulo de expansão 1
● %Q0.0 – saída 0 na CPU
● %Q2.7 – saída 7 no módulo de expansão 2

António Henriques 13

13
Autómatos Programáveis Industriais

Endereçamento de bits internos e de sistema

Os bits internos são equivalentes a relés auxiliares, são utilizados para armazenar resultados
intermédios durante a execução dos programas

%Mn %Sn
Onde:
➔ M refere-se a um bit de memória de dados.
➔ S refere-se a um bit de sistema.
➔ n indica o número do bit

António Henriques 14

14
Autómatos Programáveis Industriais

Endereçamento de words internas e de sistema

Os bits internos são equivalentes a relés auxiliares, são utilizados para armazenar resultados
intermédios durante a execução dos programas

%MWn %SWn
Onde:
➔ MW refere-se a uma word de memória de dados.
➔ SW refere-se a uma word de sistema.
➔ n indica o número da word

António Henriques 15

15
Autómatos Programáveis Industriais

Endereçamento de blocos de funções

Cada bloco de função tem um conjunto de endereços associado que


permite aceder à sua parametrização, às entrada(s) e saída(s), etc..

São exemplos comuns de blocos de função:


Temporizadores;
Contadores;
Registos de deslocamento;
RTC (relógio em tempo real);
etc..

António Henriques 16

16
Autómatos Programáveis Industriais

Referências:

Francisco, António, Autómatos Programáveis, 4ª edição, Lisboa, LIDEL

Oliveira, Paulo, Automação Industrial, Lisboa, LIDEL

Documentação técnica de fabricantes de autómatos:

Schneider Electric;

Sites na Internet:

http://www.automatas.org/

http://olmo.pntic.mec.es/jmarti50/portada/index.htm

António Henriques 17

17