Você está na página 1de 8

POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO DO TÓRAX

* Instruções para respiração = Para radiografia de tórax, qualquer movimento torácico ou
pulmonar pode resultar em borramento da imagem radiográfica.

* Apnéia ou segunda respiração = na segunda respiração, pode ser inalado mais oxigênio
em comparação à primeira respiração.

Posição do numerador no filme radiográfico:

* Paciente em ortostática = numerador fica no canto superior.
* Paciente sentado = numerador fica no canto lateral.
* Paciente em decúbito = numerador fica no canto inferior.

Indicações Patológicas:

* Aspiração (obstrução mecânica) = muito comum em crianças pequenas.
* Atelectasia (obstrução brônquica) = colapso de parte do pulmão.
* Bronquiectasia = dilatação irreversível dos bronquíolos.
* Neoplasias de pulmão = câncer ou tumor (câncer é maligno / tumor é benigno).
* Derrame Pleural:
==> hemotórax = presença de líquido sanguíneo por trauma pulmonar.
==> pleurisia = inflamação por contaminação de vírus ou bactérias.
==> pneumonia = acúmulo de líquidos no pulmão, causando inflamação.
==> broncopneumonia = infecção causada por streptococcus ou staphylococcus.
==> pneumotórax = acúmulo de ar no espaço pleural, com colapso parcial do pulmão.

Rotinas de Tórax:

* Rotina de ambulatório = geralmente, o paciente fica em posição ortostática, pronação e
deambulando, posição ereta, perfil e PA.

* Rotina de CTI = geralmente, o paciente encontra-se em impossibilidade de movimentos.
Desta forma, ele fica em decúbito dorsal com o raio central entrando anteriormente e
saindo posteriormente.

* Incidências de Tórax em AP:
= Posição - Decúbito dorsal ou semi-ortostática (portáteis).
= Filme - 35 x 43 (homens) e 35 x 35 (mulheres).
= estruturas - traquéia, contorno do coração, grandes vasos, ápices pulmonares,
costofrênicos.
= Patologia - envolvendo os pulmões.

* Incidências de Tórax em Ápico-Lordótica:

= Posição - Decúbito dorsal ou ortostática.
= Raio Central - ao nível da vértebra T7.
= DFoFi - 1,50 ou 1,80.
= Filme - 35 x 43 (homens) ou 35 x 35 (mulheres).
= Estruturas - campos pulmonares, clavícula.
= Patologias - calcificações ósseas ou massas abaixo das clavículas.

* Incidências de Tórax Oblíquas - OAD e OAE:

= Posição = ereto rodado em 45º.
= Raio Central - ao nível da vértebra T7.
= DFoFi - 1,80.
= Filme - 35 x 43 (homens) e 35 x 35 (mulheres).
= Estruturas - traquéia, pulmões, ápices pulmonares, costofrênicos.
= Patologias - envolve campos pulmonares, traquéia, contorno cardíaco, grandes vasos.

* Incidências de Tórax Oblíquas OPD e OPE:

= Posição - ereto rodado em 45º.
= Raio Central - ao nível da vértebra T7.
= DFoFi - 1,80.
= Filme - 35 x 43 (homens) ou 35 x 35 (mulheres).
= Estruturas - traquéia, pulmões, ápices pulmonares, costofrênicos.
= Patologias - envolve traquéia, campos pulmonares, contorno cardíaco, grandes vasos.

* Incidências Laterais de Vias Aéreas Superiores:

= Posição - Ortostática ou Decúbito dorsal.
= Raio Central - ao nível das vértebras de C6 ou C7.
= DFoFi - 1,80.
= Filme - 24 x 30.
= Estruturas - traquéia, laringe.
= Patologias - envolve timo, esôfago, laringe.

POSICIONAMENTO RADIOLÓGICO DO ABDOME

* Abdome Simples:

Preparo altamente necessário quando a suspeita clínica for de Litíase, Cálculo ou Pedra nos
Rins.
IMPORTANTE: Pacientes com histórico clínico de dor abdominal aguda, e intensa, náuseas
e vômitos não necessitam PREPARO.

Arcos Topográficos:

= Ponta do processo xifóide - nível de T9 e T10: porção mais distal do esterno.
= Margem Costal Inferior - nível de L2 e L3: usado para localizar vesícula biliar e estômago.
= Crista Ilíaca - nível espaço intervertebral L4 eL5: a porção mais alta do ísquio.
= Espinha Ilíaca Ântero-Superior (EIAS): em mulheres, há uma projeção ou saliência na
estrutura pélvica.
= Trocânter Maior.
= Sínfise Púbica.
= Tuberosidade Isquiática.
* Abdome Agudo:

Pode ser definido como uma dor abdominal de aparecimento súbito, não traumático, que
pode necessitar de intervenção cirúrgica ou não. A anamnese detalhada, direcionando o
exame físico, será a base que orientará a condução do tratamento precoce e o
restabelecimento do paciente.

Rotinas de Abdome Agudo:

Para diagnosticar obstrução intestinal ou perfuração intestinal.
IMPORTANTE: Nestes casos, não se aplica contraste se houver suspeita de perfuração
visceral. OBS: Numa incidência de abdome em ortostática, é possível visualizar o nível do
líquido hidroaéreo.

Patologias:

* Ascite = acúmulo anormal de líquidos na cavidade peritoneal do abdome, causada por
cirrose hepática ou doença metastática.
* Pneumoperitôneo = refere-se aos gases livres na cavidade peritoneal, causados por
perfuração visceral, úlcera gástrica ou duodenal.
* Doença de Crohn = inflamação crônica da parede intestinal, que pode resultar em
obstrução do intestino.
* Obstrução não mecânica do intestino = é caracterizada como iliodinâmica (sem força),
causada com mais frequência por peritonite (ílio paralítico), por ausência de motilidade do
intestino, Ocorre frequentemente no período pós-operatório (primeiras 72hs), após a
cirurgia abdominal.
* Colite Ulcerativa = inflamação crônica do cólon. OBS: o enema de bário é extremamente
contra-indicado.

* Incidências de Abdome Simples em AP - Decúbito dorsal:

= Radiografia de abdome simples.
= Raio Central - 1 metro (foco no umbigo).
= Filme - 35 x 43.
= Respiração - ao final da expiração.
= Estruturas - contorno do fígado, baço, rins, estômago cheio de ar.
= Patologias - obstrução intestinal.

Rotina de Abdome Agudo - são em 3 incidências:

* Incidência de Abdome Agudo em AP - Decúbito dorsal
* Incidência de Abdome Agudo em AP - Ortostática
* Incidência de Tórax em PA.

Incidências Clínicas para Abdome Agudo

* Ílio Paralítico = obstrução não mecânica do intestino.
* Ascite = acúmulo anormal de líquido no abdome.
*Perfuração Visceral = intestino, estômago por ar intraperitoneal.
* Massa intra-abdominal = neoplasias benignas ou malignas.
* Pós-operatório = Cirurgia abdominal.

* Abdome Simples em AP:

= Paciente em decúbito dorsal, com o PMS perpendicular sobre a LCM. Plano coronal
paralelo a superfície do exame;
= Braços e pernas estendidas;
= RC perpendicular, no PMS a nível das cristas ilíacas.
= Interromper a respiração.

* Abdome Simples em PA:

= Paciente em decúbito ventral com o PMS do corpo centralizado na LCM.
= Pernas esticadas com apoio sob os tornozelos, braços pra cima ao lado da cabeça.
Fornecer um travesseiro.
= Esta incidência é menos desejável quando os rins são estruturas de interesse, devido ao
aumento da DOF.

* Incidência de Abdome Simples em AP - Decúbito Lateral:

= Paciente em decúbito lateral por no mínimo de 5 min., para permitir a subida do ar ou
acúmulo anormal de líquidos.
= O decúbito lateral direito visualiza melhor o ar livre intraperitoneal na área do fígado no
abdome superior direito, longe de bolhas gástricas.
= RC em torno de 5 cm acima da crista ilíaca.

* Incidência de Abdome Simples em AP Ortostática:

= Paciente em ortostática, com o PMS perpendicular e sobre a LC da superfície de exame.
= Braços estendidos ao longo do corpo.
= RC perpendicular e horizontal, 5 cm acima das critas ilíacas no PMS.
= Exposição deve ser feita ao final da expiração.

* Incidência de Abdome Simples em DD com Raios Horizontais:

= Paciente em decúbito dorsal, com a região lateral em contato com a superfície de exame.
= RC horizontal, 5cm acima das cristas ilíacas.
= Exposição deve ser feita ao final da expiração.

* Incidência de Abdome Simples em DL:

= Paciente em decúbito lateral, com a região lateral em contato com a superfície do exame.
= RC perpendicular, 5cm acima das cristas ilíacas.
= Exposição deve ser feita ao final da expiração.

TÓRAX - CONSIDERAÇÕES FINAIS

• O exame radiológico do tórax é o mais comum de todos os procedimentos
radiográficos.
• O tórax é a parte superior do tronco, situada entre o pescoço e o abdome e divide-
se radiologicamente em: 1) Caixa torácica; 2) Aparelho respiratório; 3) mediastino.
• A caixa torácica é a parte do esqueleto que propicia uma armadura de proteção
das partes do corpo envolvidas na respiração e circulação sanguínea.
• A víscera torácica descreve os pulmões e or órgãos contidos no mediastino.
• Os limites do tórax:

* Anterior = Esterno (manúbrio, corpo, processo xifóide).

* Posterior = as 12 vértebras torácicas.

* Superior = as 2 clavículas unidas ao esterno e as 2 escápulas unidas aos pares costais.

* Ao redor = os 12 pares de costelas.

Referências Topográficas:

• Proeminência vertebral (C7) = utilizada para determinar a localização do raio
central numa incidência PA de tórax.
• Fúrcula Esternal = Fenda na proporção superior do manúbrio que é utilizada para
determinar a localização do raio central numa incidência AP de tórax.
• T7 - Porção média do tórax = utilizada para determinar a posição do raio central
numa incidência PA de tórax.
• T9 e T10 = Utilizada como referência de separação entre a cavidade torácica e a
cavidade abdominal (não muito confiável por causa das variações de postura).
• O Aparelho respiratório é formado pela faringe, traquéia, brônquios e pulmões.
• O diafragma é o músculo chefe da respiração e se chama cúpula diafragmática.
• A cúpula diafragmática se move para baixo, aumentando o volume da cavidade
torácica e diminuindo o volume da cavidade abdominal; E se move para cima,
diminuindo o volume da cavidade torácica e aumentando o volume da cavidade
abdominal.
• As 4 partes importantes na radiografia de tórax: laringe, traquéia, brônquios e
pulmões.
• Laringe = Borda superior = C3; borda inferior = C6; proeminência laríngea = C5.
• Traquéia = Junção com a laringe = C6; junção com os brônquios = T4 e T5.

AP e Perfil de Vias Aéreas Superiores:

• Traquéia e laringe cheias de ar.
• Coluna de ar na porção superior.
• Traquéia na porção anterior e esôfago na porção posterior = T3.
• Brônquios = O brônquio fonte direito é mais largo e mais curto do que o esquerdo.
Essa diferença de tamanho entre os brônquios fonte ocorre porque os corpos
estranhos têm uma tendência maior a se alojar no brônquio direito.
• Carina = T5
• Bronquíolos/Brônquios = T7.
• Pulmões = Formados por substância leve, esponjosa e elástica = parênquima.
• Em cada pulmão, há uma delicada bolsa de parede dupla = pleura.
• Pleura externa = parietal; Pleura interna = visceral; Espaço entre as pleuras =
cavidade pleural.
• Em T10 = É possível visualizar o coração, a aorta descendente o esôfago e os
pulmões.

Por que o esterno e as vértebras não são bem visualizados na radiografia de tórax em PA?
Resposta: Porque estão superpostos com as estruturas mediastinais (coração + grandes
vasos).

• Ápices pulmonares = T1
• Seios costofrênicos = T10
• As 4 estruturas radiologicamente importantes no mediastino: timo, coração e
grandes vasos, traquéia, esôfago.
• Coração e grandes vasos = entre T5 e T8.
• Grandes vasos = veia cava superior e inferior, aorta, artérias e veias pulmonares.

Tipos Físicos:

* hiperestênico = tórax amplo e estreito

* estênico/hipoestênico = tórax padrão

*astênico = tórax estreito e longo

• Colimação = restringir o feixe primário para reduzir a dose de radiação absorvida
pelo paciente e melhorar a qualidade da imagem produzida.

Por que todas as radiografias de tórax devem ser feitas, preferencialmente, com o
paciente de pé? Resposta: Porque permite amplo movimento do diafragma, visualiza
possíveis níveis líquidos no tórax e evita distenção e hiperemia dos grandes vasos.

Critérios Radiográficos:

• Tórax em PA

* PA Verdadeiro = sem rotação (havendo escoliose e cifose, dificulta ou impossibilita o
exame).

* Elevação do queixo = objetivo de não cobrir regiões pulmonares superiores.

* Minimização das sombras mamárias = objetivo de diminuir as sombras sobre os campos
pulmonares inferiores.

• Tórax em Perfil

* Sempre o perfil esquerdo = objetivo de mostrar melhor a área cardíaca.
* Perfil verdadeiro = sem rotação e inclinação

* Braços levantados para o alto = objetivo de evitar a superexposição do campo torácico e
erros na imagem radiográfica.

• Localização do raio central = colocar o raio central no centro dos campos
pulmonares em todos os tipos de pacientes com colimação bem feita, tanto na parte
superior quanto na inferior.
• Pontos Topográficos

* Poeminencia vertebral = nível de T1

* Ângulo inferior da escápula = nível de T7

* Fúrcula esternal = abaixo da cartilagem tireóidea

• Indicações patológicas - radiografia de tórax:

1) Aspiração (obstrução mecânica);

2) Atelectasia (colapso por obstrução brônquica);

3) Bronquiectasia (dilatação irreversível dos brônquios);

4) Bronquite (muco excessivo no interior dos brônquios);

5) Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (obstrução persistente crônica);

6) Fibrose Cística (secreção causando impactação progressiva);

7) Dispnéia (dificuldade de respirar);

8) Enfisema (perda de elasticidade e destruição alveolar);

9) Neoplasia (crescimento de tumor benigno ou maligno);

10) Derrame pleural (acúmulo de líquido na cavidade pleural);

11) Pleurisia (inflamação da pleura);

12) Pneumonia (acúmulo de secreção nos pulmões);

13) Pneumotórax (acúmulo de ar no espaço pleural);

14) Edema (excesso de líquido no interior do pulmão);

15) Embolia (bloqueio súbito de uma artéria);

16) Síndrome da Angústia Respiratória (lesão ou infecção dos capilares ou alvéolos);
17) Tuberculose (BK) (infecção pelo bacilo de Koch);

18) Doença Ocupacional Pulmonar (inalação de pó de carvão, asbesto ou poeira de sílica).

Rotina de Tórax = PA em Ortostática; Perfil em Ortostática.

Radiografia Especial de Tórax = AP em Decúbito Dorsal ou Semi-ereto; AP Lateral; AP
Lordótica; Oblíquas Anterior e Posterior.

Radiografia das Vias Aéreas Superiores = AP em Ortostática; Perfil em Ortostática