Você está na página 1de 74

Zoeneamento Ecológico Econômico do Acre

O Uso da Terra Acreana com Sabedoria

Resumo Educativo

O Resumo Educativo do Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre – “Guia Educativo do ZEE-Acre” é um instrumento

educativo que nasceu a partir de estudos técnicos elaborados por vários autores. Este segundo Resumo Educativo, assim como o primeiro, pretende transformar o conteúdo técnico- científico em um documento didático e de linguagem mais acessível, direcionado a um público, preferencialmente formado por educadores, estudantes e lideranças rurais. Tornar acessível os estudos do Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) a toda a população acreana é o grande desafio.

O ZEE tem como atribuição fornecer subsídios para orientar as políticas públicas relacionadas ao planejamento, uso e ocupação do território, considerando as potencialidades e limitações do meio físico, biótico e socioeconômico, tendo como eixo norteador os princípios do Desenvolvimento Sustentável. É uma ferramenta essencial para a definição de estratégias compartilhadas de gestão do território entre governo e sociedade.

O ZEE do Acre Fase II foi elaborado de forma participativa, envolvendo estudos sobre as potencialidades e limitações para o

uso sustentável dos recursos naturais e as relações entre a sociedade

e o meio ambiente. A integração de informações scontou com a

contribuição de inúmeros especialistas em diferentes campos do conhecimento, cujos subsídios foram incorporados ao Documento Síntese. São estudos inéditos, elaborados especificamente para subsidiar nas decisões a serem tomadas sobre o território do Acre.

O Resumo Educativo, Guia Uso da Terra com Sabedoria, tem um

formato de leitura mais fácil e convidativa, de forma a contribuir com

a reflexão e a aprendizagem, disseminando o conhecimento. Seu

obejtivo é o de estabelecer pacto de construção da sustentabilidade

a partir de uma economia de base florestal, com foco na melhoria da qualidade de vida da população, contribuindo para a construção de um Acre melhor.

Magaly Medeiros e Conceição Marques

Sumário

Como usar o Resumo Educativo

08

Histórico e objetivos do ZEE

11

Conhecendo melhor o Acre

21

As principais características das terras acreanas

31

A

visão integrada dos recursos naturais

53

Como se organizou o domínio e a posse da terra

57

Como a população utiliza os recursos naturais

69

O

uso da terra e os recursos naturais

75

Conhecendo melhor a população

85

Infraestrutura e desenvolvimento socioeconomico

97

Um olhar sobre a cultura do Acre

105

A

gestão do território do Acre

111

O

mapa de gestão territorial do Acre

125

Glossário

142

Bibliografia consultada

148

Como usar o Resumo Educativo ZEE Fase II Este Guia é um resumo educativo do
Como usar o Resumo Educativo ZEE Fase II Este Guia é um resumo educativo do

Como usar

Como usar o Resumo Educativo ZEE Fase II Este Guia é um resumo educativo do Zoneamento

o Resumo Educativo ZEE Fase II

Este Guia é um resumo educativo do Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) doAcre Fase II e faz
Este Guia é um resumo educativo do Zoneamento Ecológico-Econômico
(ZEE) doAcre Fase II e faz parte de umconjunto de material de apoio para
educadores e gestores municipais.A partir dele pode-se ter um melhor
conhecimento sobre o nosso estado.

8

O GUIA RESUMO EDUCATIVO ZEE ACRE FASE II tem como desafio difundir o Zoneamento Ecológico-Econômico e as diretrizes de uso do território, contidas no Mapa de Gestão Territorial do Estado do Acre e na Lei do ZEE, Lei n o 1904/07.

A melhor maneira de ordenar a ocupação de cada parte do território do Acre é conhecendo suas riquezas, compreendendo os cuidados necessários para determinadas atividades econômicas, de acordo com cada região, desenvolvendo uma economia local e contribuindo para melhoria da qualidade de vida das populações que aqui habitam.

Pensando nisso, este Guia faz uso de uma linguagem menos técnica, de modo que pode ser utilizado, tanto na escola quanto na comunidade, como fonte de informação e pesquisa. Mas, se ainda restar qualquer dúvida, pode-se sempre recorrer ao glossário.

O Guia contém as principais informações do Documento Síntese ZEE – Acre Fase II e, também, alguns mapas e tabelas, para facilitar a visualização e localização das informações.

O Guia pode, ainda, ser associado aos Jogos Ambientais do Acre, pois nele, professores e alunos encontrarão as respostas a todas as perguntas contidas nos jogos, desenvolvidos para alunos do ensino infantil e fundamental.

Outro material complementar ao ZEE são as Questões Ambientais, que têm um nível maior de aprofundamento das questões sobre o ZEE Fase II e destina-se a um público com mais escolaridade.

Gestores dos municípios poderão, inicialmente, utilizar o guia para depois aprofundar os conhecimentos com o Documento Síntese e Mapas de Gestão Territorial do Estado do Acre. Poderão, ainda, obter informações mais detalhadas com os Relatórios Técnicos da Coleção Temática do ZEE Fase II.

Estas são apenas algumas das possibilidades de uso para este Guia, entretanto nada impede que você crie outras formas para sua utilização, junto aos grupos em que atua.

Adistribuiçãodesteguiaedosdemaismateriaiscomplementares está integrada a uma estratégia de Educação Ambiental, que envolve educandos, educadores e gestores na implantação do ZEE - Acre Fase II.

9

10

10 Histórico e Objetivos do ZEE esde o final dos anos oitenta, o Zoneamento Ecológico- Econômico
10 Histórico e Objetivos do ZEE esde o final dos anos oitenta, o Zoneamento Ecológico- Econômico
10 Histórico e Objetivos do ZEE esde o final dos anos oitenta, o Zoneamento Ecológico- Econômico
10 Histórico e Objetivos do ZEE esde o final dos anos oitenta, o Zoneamento Ecológico- Econômico
10 Histórico e Objetivos do ZEE esde o final dos anos oitenta, o Zoneamento Ecológico- Econômico

Histórico e Objetivos do ZEE

10 Histórico e Objetivos do ZEE esde o final dos anos oitenta, o Zoneamento Ecológico- Econômico
10 Histórico e Objetivos do ZEE esde o final dos anos oitenta, o Zoneamento Ecológico- Econômico

esde o final dos anos oitenta, o Zoneamento Ecológico- Econômico (ZEE) tem se destacado como uma das principais ferramentas utilizadas para orientar as políticas públicas da

Amazônia, definindo as potencialidades e fragilidades do território, a partir de uma base de conhecimento sobre as características sociais, econômicas, ambientais e culturais.

Atualmente, o Zoneamento Ecológico-Econômico é o principal instrumento de planejamento e gestão territorial do Acre.

Alguns benefícios do ZEE para a sociedade:

Estimula os investimentos públicos e privados para determinadas atividades econômicas, de acordo com as potencialidades e fragilidade do território.

Garante uma melhor aplicação dos recursos financeiros e a sustentabilidade do uso dos recursos naturais a longo prazo.

• Identifica possíveis conflitos socioambientais existentes e recomenda as ações.

• Define as prioridades nas áreas onde ainda não foram definidas atividades.

Orienta o ordenamento territorial, com base nos estudos técnicos.

D

Objetivo do ZEE – ACRE

Contribuir para a construção de um novo modelo de desenvolvimento sustentável local e regional pautado
Contribuir para a construção de um novo modelo de desenvolvimento
sustentável local e regional pautado no combate à pobreza e na
elevação do bem-estar da população, no dinamismo econômico com
a geração de emprego e renda, no fortalecimento da identidade e
respeito à diversidade cultural e no uso dos recursos naturais com
sabedoria e na manutenção do equilíbrio ambiental (Acre, 2006).

O ZEE direciona as ações que podem dar melhores resultados em cada parte do território, a partir de estudos sobre a sociedade e a natureza. Serve como orientador para as tomadas de decisão, entre os órgãos governamentais, o setor privado e a sociedade civil, sobre as políticas públicas voltadas para o Desenvolvimento Sustentável.

11

O ZEE - ACRE nA pRimEiRA fAsE (1999-2000)

O ZEE Fase I - escala 1:1.000.000 - foi elaborado para todo o Estado do Acre compreendendo a elaboração de um diagnóstico com indicativos e recomendações na gestão do território.

A metodologia utilizada envolveu a participação de diversos grupos sociais em todo o processo de elaboração do ZEE, através da Comissão Estadual do Zoneamento Ecológico-Econômico (CEZEE), contando com 35 instituições.

Composição da CEZEE • 7 Representantes da Câmara Pública Estadual • 3 Representantes da Câmara
Composição da CEZEE
• 7 Representantes da Câmara Pública Estadual
• 3 Representantes da Câmara Pública Federal
• 6 Representantes da Câmara de Representantes
de outras esferas governamentais
• 3 Representantes da Câmara dos Trabalhadores
• 7 Representantes da Câmara Empresarial
• 3 Representantes da Câmara Indígena
• 3 Representantes da Câmara da Sociedade Civil
• 3 Representantes da Câmara de Pesquisa

A pactuação de diretrizes de desenvolvimento sustentável entre diversos setores do governo e sociedade orientou a elaboração dos estudos técnicos, priorizando temas para estudos como aptidão agroflorestal, biodiversidade e serviços ambientais, territorialidades

12

de populações tradicionais, conflitos socio-ambientais e poten- cialidades de produtos florestais não-madeireiros.

Implementação do ZEE-Acre Fase I • Elaboração de Programas e Projetos Estratégicos. • Descentralização de
Implementação do ZEE-Acre Fase I
• Elaboração de Programas e Projetos Estratégicos.
• Descentralização de ações governamentais.
• Criação do Instituto Estadual de Terras – ITERACRE.
• Regularização de Terras Indígenas.
• Criação da Lei Estadual Florestal nº 1.426.
• Criação de Unidades de Conservação de Proteção Integral e de
Uso Sustentável.
• Criação da Lei Estadual que estabelece a Política de Recursos
Hídricos nº 1.500.

Os indicativos contidos no ZEE Acre Fase I nortearam o desenvolvimento do Estado, orientando a ocupação do território, quanto ao estabelecimento de Terras Indígenas e Unidades de Conservação e os investimentos da economia do Estado direcionados ao manejo florestal comunitário e empresarial, à agropecuária sustentável e aos negócios florestais sustentáveis.

Produtos do ZEE Fase I:

• Documento técnico contendo 03 volumes: (I) Recursos Naturais e Meio Ambiente; (II) Aspectos Sócio-econômicos
• Documento técnico contendo 03 volumes: (I) Recursos Naturais
e Meio Ambiente; (II) Aspectos Sócio-econômicos e Ocupação
Territorial e (III) Indicativos para a Gestão Territorial do Acre.
• Mapas temáticos do estado na escala 1:1.000.000.
• Vídeo institucional do ZEE.
• CD-ROM do ZEE.
• Vídeo educativo denominado Mapas do Futuro.
• Resumo educativo-Guia para uso da terra acreana com sabedoria.
• Os produtos estão disponíveis em http://www.ac.gov.br

13

O ZEE.

– ACRE nA sEgundA fAsE (2003-2007)

O ZEE Fase II foi construído a partir de um conjunto de estudos e cruzamento das informações sobre recursos naturais, aspectos sócio- econômicos-culturais e organização política da sociedade acreana, com um caráter de atualização e detalhamento da primeira fase.

“Vejo esse estudo como respeito aos trabalhadores e trabalhadoras do estado, que utilizam a terra
“Vejo esse estudo como respeito aos trabalhadores e trabalhadoras
do estado, que utilizam a terra para sobreviver.”
Maria Sebastiana,
Presidente da FETACRE

14

Os principais resultados da segunda fase foram o Mapa de Gestão Territorial do Estado do Acre - escala 1:250.000 e a Lei Estadual nº 1.904. A participação da sociedade, através de reuniões, oficinas participativas e Audiência Pública, foi fundamental no processo de construção das decisões a serem tomadas sobre o uso do território contidas no Mapa de Gestão.

“O Mapa de Gestão será de extrema importância para os gestores nas tomadas de decisões
“O Mapa de Gestão será de extrema
importância para os gestores nas
tomadas de decisões e para os
diferentes setores da sociedade
poderem fazer uso adequado dos
recursos naturais”.
Marcos Del Prette
Coordenador do ZEE Brasil do
Ministério do Meio Ambiente

Maria Sebastiana, Presidente da FETACRE .

Foram realizadas várias reuniões de avaliação da CEZEE, construindo o consenso. Em oficinas ocorridas em todos os municípios do Acre, foi possível ouvir as sugestões de diferentes grupos sociais e de setores econômicos e produtivos. Além disso, também aconteceram discussões técnicas institucionais durante o processo de construção.

74 o 0´0´´W 73 o 0´0´´W 72 o 0´0´´W 71 o 0´0´´W 70 o 0´0´´W
74 o 0´0´´W
73 o 0´0´´W
72 o 0´0´´W
71 o 0´0´´W
70 o 0´0´´W
69 o 0´0´´W
68 o 0´0´´W
67 o 0´0´´W
Mapa de Gestão Territorial do Acre
1:3.300.000
Km
0
25
50
100
150
200
Perú
Bolívia
Elaboração: UCEGEO
Fonte: Base Cartográfica Digital
e ZEE/AC FaseII - SEMA(2007)
11 o 0´0´´S
10 o 0´0´´S
9 o 0´0´´S
8 o 0´0´´S

15

Oficina da CEZEE A versão final do ZEE Fase II foi apresentada à CEZEE e

Oficina da CEZEE

A versão final do ZEE Fase II foi apresentada à CEZEE e aos Conselhos Estaduais, em reunião conjunta, obtendo

aprovação unânime de todos os presentes, e o Projeto de Lei foi aprovado na Assembléia Legislativa do Estado do Acre.

Em 5 de junho de 2007, Dia Mundial do Meio Ambiente, o Governador do Estado do Acre, Arnóbio Marques de Almeida Júnior, sancionou a Lei Estadual do Zoneamento Ecológico- Econômico, Lei n o 1.904.

No âmbito federal, a Comissão Coordenadora do Zoneamento Ecológico-Econômico (CEZEE) busca apoiar os estados na execução de suas iniciativas de trabalho de ZEE, através do Consórcio ZEE Brasil, bem como acompanhar e avaliar os resultados e produtos dos ZEEs Estaduais. O Acre passou a ser o segundo estado do Brasil a ter seu processo de zoneamento aprovado pelo Governo Federal, com o desafio de disseminar a metodologia para os demais estados, conforme recomendação do CONAMA nº 07 de

28/05/2008.

16

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências que
MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE
O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso
das competências que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de
agosto de 1981, regulamentada pelo Decreto nº 99.274, de 6 de junho
de 1990, e tendo em vista o disposto em seu Regimento Interno, anexo
à Portaria nº 168, de 13 de junho de 2005 e no art. 16, inciso I, § 5º,
da Lei no 4.771, de 15 de setembro de 1965, resolve:
Aprovar recomendação ao Poder Executivo Federal autorizar a redução,
para fins de recomposição, da reserva legal dos imóveis situados na
Zona I, definida na Lei Estadual no 1.904, de 5 de junho de 2007, do
Estado do Acre, que institui o Zoneamento Ecológico-Econômico, Fase
II, para até cinqüenta por cento da propriedade, excluídas, em qualquer
caso, as Áreas de Preservação Permanente- APP, os ecótonos, os sítios
e ecossistemas especialmente protegidos, os locais de expressiva
biodiversidade e os corredores ecológicos.
Aprovar recomendação ao Estado do Acre para ampliar a divulgação
do Zoneamento Ecológico-Econômico para os 22 municípios do Estado,
deixando no mínimo uma cópia na prefeitura local,na biblioteca pública,
na Câmara de Vereadores e na Secretaria de Extensão e Produção
Familiar do Estado do Acre-SEAPROF/AC, órgão de extensão rural do
Estado, em meio digital e/ou impresso.
Aprovar recomendação ao Estado do Acre, em articulação com a
Comissão Coordenadorado ZEE do Território Nacional, divulgar a
metodologia de elaboração do ZEE para os entes federados.
IZABELLA MÔNICAVIEIRATEIXEIRA
Presidente do Conselho, Interina

O Governador do Acre Arnobio Marques e autoridades aprovando o ZEE Fase II. foto: Sérgio Vale/SECOM - AC, 2007.

17

Autoridades acreanas e o Presidente Lula validando o ZEE-Acre O Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre foi

Autoridades acreanas e o Presidente Lula validando o ZEE-Acre

O Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre foi oficializado, também, pelo Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, através de

Decreto, após aprovação, da Comissão Coordenadora do Zoneamento Ecológico-Econômico das Políticas Públicas Federais e Resolução aprovada pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA.

O Acre desenvolve uma experiência na Amazônia de gestão pública, municipal e estadual, continuada, voltada para a implementação de um processo que concilia desenvolvimento e meio ambiente, cuja ferramenta para orientar as ações de inclusão social, ordenamento territorial e desenvolvimento sustentável é o Zoneamento Ecológico-Econômico.

“Estamos alcançando um momento fundamental para dirimir conflitos. É muito bom ver que o Acre
“Estamos alcançando um momento fundamental para dirimir conflitos.
É muito bom ver que o Acre não está mais definindo sua política de
forma empírica, mas com base em estudos científicos que apresentam
as potencialidades e as limitações para determinadas ações”.
AssueroVeronez,
Presidente da FAEAC

18

Decreto PresiDencial DECRETO Nº- 6.469, DE 30 DE MAIO DE 2008 Adota a Recomendação nº
Decreto PresiDencial
DECRETO Nº- 6.469, DE 30 DE MAIO DE 2008
Adota a Recomendação nº 007, de 28 de maio de 2008, do
Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição
que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em
vista o disposto no art. 16, § 5º, inciso I, da Lei nº 4.771, de 15
de setembro de 1965, e no Decreto no 4.297, de 10 de julho
de 2002,
D E C R E T A:
Art. 1º Fica adotada a Recomendação no 007, de 28 de maio
de 2008, do Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA,
que autoriza a redução, para fins de recomposição, da área de
reserva legal, para até cinqüenta por cento, das propriedades
situadas na Zona 1, conforme definido no Zoneamento
Ecológico Econômico do Estado do Acre.
Art. 2º Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.
Brasília, 30 de maio de 2008; 187º da Independência e 120º
da República.
LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Izabela MônicaVieiraTeixeira

Solenidades de validação do ZEE-AC, com a presença de diversas autoridades: O Governador Binho Marques, o Prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim, o então presidente da Assembléia Legislativa do Acre, Edvaldo Magalhães, o Governador Jorge Viana, além dos Secretários Edegard de Deus e Eufran Amaral, nos anos de 2006 e 2007.

• 06 de abril de 1999 – o Governador Jorge Viana instituiu o Programa Estadual
• 06 de abril de 1999 – o Governador Jorge Viana instituiu o
Programa Estadual de Zoneamento Ecológico-Econômico do Acre
e criou a CEZEE, através do Decreto nº 503.
• 25 de novembro de1999 – o ZEE Fase I foi aprovado em Plenária
do CEMACT e CEZEE.
• 29 de novembro de 2001 – os produtos do ZEE Fase I foram
aprovados, através da Resolução CEMACT 003.
• 12 de dezembro de 2006 – ZEE Fase II foi aprovado na Plenária
do CEMACT, CEZEE, CEF, CDRFS.
• 13 de dezembro de 2006 – o ZEE Fase II e o Projeto de Lei foram
aprovados na Assembléia Legislativa do Acre.
• 05 de junho de 2007 – a Lei Estadual do ZEE, nº 1904 foi
sancionada pelo Governador Arnóbio Marques de Almeida Júnior.
• 10 de outubro de 2007 – a Comissão Coordenadora do
Zoneamento Ecológico-Econômico (CCZEE) das Políticas Públicas
Federais aprovou por unanimidade o ZEE do Acre.
• 28 de maio de 2008 – a Resolução do CONAMA nº 007/08
recomendou o ZEE Fase II.
• 30 de maio de 2008 – o ZEE é sancionado pelo Presidente Luiz
Inácio Lula da Silva, através do Decreto Federal nº 6.469/08 que
adota a Recomendação do CONAMA, que trata da autorização de
redução, para fins de recomposição, da Reserva Legal dos imóveis
situados na Zona I do ZEE do Acre.
19

Acervo Museu de Arte da UFC-1943.

20

Conhecendo melhor o Acre

1. BREVE HisTÓRiCO dO pROCEssO dE OCupAÇÃO TERRiTORiAL

história do Acre foi construída por A acontecimentos políticos, sociais, culturais e ambientais. Neste breve

relato está descrito como aconteceu a ocupaçãodaterraacreanaparacompreender melhor o Estado hoje e refletir sobre o futuro de

nossa gente.

Os povos

indígenas

A região da Amazônia, onde está situado o Acre, já era ocupada por povos indígenas, muito antes da chegada dos colonizadores. Há mais de cinco mil anos, uma

migração de cerca de 50 grupos indígenas, das famílias linguísticas Aruak e Pano, provenientes da Ásia, ocuparam toda a América do Sul, habitando também o Acre. Segundo registros arqueológicos recentes, o povoamento humano do Acre pode ter iniciado até mesmo entre 20 e 10 mil anos atrás.

Os Povos da família linguística Aruak(Apurinã,Manchineri,Kulina, Canamari, Piros, Ashaninka) se espalharam desde a confluência da localidade Pauini/AM com o rio Purus até a região dos Andes, no Peru.

do

seus afluentes, como também os rios Tarauacá, Muru e Moa, foram ocupados pelos povos da família Pano: Kaxinawa,

Os

espaços

Rio

Juruá

e

21

22

22

Jaminawa, Arara, Xixinawa, Amahuaca e Rununawa.

Na região entre o Purus e o Juruá, habitaram ainda os Katukina, ocupando terras firmes, menos ricas em alimentos que as margens dos grandes rios.

A Economia da Borracha

A seringueira (Hevea Brasiliensis) constituiu uma parte importante da história econômica e social do Brasil e teve o seu centro na

Amazônia, proporcionando grande expansão da colonização, atraindo riqueza e causando transformações culturais e sociais.

A ocupação do território do Acre teve início com o primeiro ciclo econômico da borracha, por volta de 1800, que vinha suprir

a demanda industrial da Europa e dos Estados Unidos da América

(EUA), ligadas à Revolução Industrial. A invenção do automóvel na

Alemanha, a invenção do pneumático e a produção dos automóveis em série nos Estados Unidos acarretaram uma demanda de borracha

em todo o mundo e os seringais nativos da Amazônia representavam

a maior fonte de matéria-prima.

Nessa época, denominada de Ciclo da Borracha, toda a economia da Amazônia encontrava-se dominada por empresas estrangeiras, com sede na Inglaterra, Estados Unidos e Alemanha, que impediam qualquer iniciativa contrária aos seus interesses. O Brasil passou a exportar toneladas de borracha, principalmente para as fábricas de automóveis norte-americanas.

Essa rápida expansão da produção de borracha atraiu grande quantidade de trabalhadores para a região, principalmente nordestinos, que fugiam da seca do sertão e estavam em busca de melhores condições de vida. A presença nordestina formou um dos principais grupos da sociedade acreana e a estrutura dos seringais estabeleceu um novo modo de vida para a região Amazônica e seu povo.

Os seringais foram organizados em um sistema para a circulação de produtos e mercadorias. Esse sistema envolvia desde o seringueiro, os seringalistas até as casas aviadoras, estabelecimentos fixados em Belém e Manaus, que tinham como objetivo receber a produção dos seringais e abastecer os seringalistas com mercadorias para consumo dos seringueiros e, também, recrutar mão-de-obra para trabalhar nos seringais.

Na estrutura que ficava sob o domínio do seringalista havia um grupodepessoasquetrabalhavajuntoaopatrãonobarracãoounúcleo central do seringal, incluindo o comboieiro que levava mercadorias para os seringueiros e recolhia a borracha que eles produziam, utilizando tropa de burros (muares). Além dessa estrutura, tinha os regatões, embarcações que desenvolviam comércio ambulante pelos rios circulando pelos seringais da região. Esta atividade era feita, principalmente, por sírio-libaneses, muitos dos quais estabeleceram residência no Acre.

A maioria dos núcleos urbanos formou-se a partir de povoados organizados em função da atividade extrativista: a borracha saia

23

23

do centro dos seringais para o barracão em lombo de burro, pelos varadouros; em alguns casos descia pelos igarapés até margem do rio

onde ficava a sede do barracão. Pelos rios transitavam navios, lanchas

e batelões levando mercadorias que eram pagas com borracha.

Os núcleos urbanos eram vilas mercantis e não havia uma forte organização político-administrativa.

A disputa pelo território

d urante o Império do Brasil, em1867, com a assinatura do Tratado de Ayacucho, o Brasil concedeu aos bolivianos o direito ao Acre nos limites territoriais.

O Acre era quem mais produzia borracha na época, entretanto,

a distância geográfica natural fez com que o poder político fosse

exercido pelas Casas Aviadoras de Belém ou Manaus, e mesmo pelo próprio Rio de Janeiro, no contexto político formal, de capital do Império.

Havia interesse econômico do Governo do Amazonas em anexar

a região do Acre, rica em seringais, ao seu Estado. Para tanto, apoiou

a Expedição do espanhol Luiz Galvez Rodrigues Arias ao Acre para

encontrar com donos de seringais e comerciantes que se opunham ao domínio boliviano. Galvez proclamou o Acre Estado Independente, acirrando os conflitos entre bolivianos, seringueiros e seringalistas.

Galvez governou o Acre no período de 1899 até a chegada das

24

tropas federais brasileiras, em 1900, que atendendo aos reclamos dos bolivianos o levou de volta para Manaus e, depois, para a Espanha.

A Bolívia queria passar o controle do território do Acre para uma companhia norte-americana, a Anglo-Bolivian Syndicate, de Nova York, por meio de um contrato que concedia não só o monopólio sobre a produção e exportação da borracha, como também os direitos fiscais, mantendo ainda as tarefas de polícia local.

A notícia do contrato com o Bolivian Syndicate gerou uma revolta

do povo acreano, formado quase que integralmente por brasileiros,

um

movimento armado contra a Bolívia, a chamada Revolução Acreana, sob o comando de Plácido de Castro.

seringueiros

nordestinos.

Na

cidade

de

Xapuri,

iniciou-se

Plácido de Castro, militar e agrimensor gaúcho, foi designado para o Norte e acabou no comando da Revolução Acreana, movimento armado contra a Bolívia que culminou com a posse da região pelos brasileiros. Com um exército formado por seringueiros e seringalistas, Plácido de Castro começou em 1902 o levante armado que derrotou as tropas do exército boliviano em janeiro de 1903. O Barão de Rio Branco, Ministro do Exterior do Governo Brasileiro, preocupado com a situação do Acre, estabeleceu relações diplomáticas com a Bolívia e, em 17 de novembro de 1903, foi assinado o Tratado de Petrópolis, pondo fim ao conflito dos dois países em relação ao território do Acre, que passou a pertencer ao Brasil, mediante compensação econômica e pequenas concessões territoriais

25

O Tratado de Petrópolis ampliou as fronteiras do país na Região Norte, com a incorporação
O Tratado de Petrópolis ampliou as fronteiras do país na Região Norte,
com a incorporação de uma extensão de terra com cerca de 181.000
mil km2, entregue aos seringueiros para exercer as funções extrativistas
da borracha.

A incorporação do Acre ao Brasil, entretanto, ocorreu na forma de território e não como um Estado independente, com forte dependência do poder executivo federal. Assim, a autonomia política tornou-se a nova bandeira de luta do povo acreano.

como

Xapuri, Rio Branco e Cruzeiro do Sul. A primeira revolta autonomista foi registrada em Cruzeiro do Sul (1910), seguida por Sena Madureira (1912) e Rio Branco (1918), todas reprimidas pelo Governo Brasileiro.

Surgiram

organizações

políticas

em

diversas

cidades,

O declínio da borracha

O Brasil perde a hegemonia da borracha por volta de 1912, com a concorrência do produto produzido no Oriente. Na segunda metade do século XIX, os ingleses levaram sementes selecionadas das seringueiras brasileiras para suas colônias do sudeste asiático, onde se desenvolveram rapidamente. No início do século XX, começou a chegar ao mercado internacional sua primeira produção, causando uma queda nos preços da borracha nativa brasileira.

26

Kaxinawás no rio Jordão, em 1928, durante uma festa no seringal Revisão

rio Jordão, em 1928, durante uma festa no seringal Revisão Impacto sobre as sociedades indígenas Com
Impacto sobre as sociedades indígenas Com a crise da borracha, ocorrida a partir de 1912,
Impacto sobre as sociedades indígenas
Com a crise da borracha, ocorrida a partir de 1912, diminuiu a busca
da mão-de-obra nordestina e intensificou-se o trabalho indígena. As
populações indígenas que viviam no Acre foram perseguidas com violência
pelos seringalistas e seus capangas. Muitas tribos desapareceram sob
ataques denominados“correrias”; tribos inteiras desapareceram, também,
com as doenças introduzidas pelos não-índios.
A decadência econômica provocada pela queda dos preços

internacionais da borracha deu origem a um novo modelo de ocupação. Alguns seringueiros se deslocarampara as cidades e outros sobreviveram nos seringais. A economia passou a não depender somente da borracha e teve como base atividades de subsistência e comerciais em escala reduzida, dependente diretamente dos recursos naturais disponíveis no local para a coleta e produção de alimentos, como a castanha, a pesca, o comércio de pele de animais silvestres, a madeira, a agricultura e a pecuária em pequena escala.

sírios e Libaneses

A trajetória de migração síria e libanesa foi realizada por conta própria. Eram comerciantes em busca do ouro negro, como também era chamada a borracha, que desenvolviam um comércio ambulante, com o barco conhecido como regatão. Depois, muitos estabeleceram residência no Acre, substituindo as casas aviadoras de Belém e Manaus na função de abastecer os barracões e manter ativos os seringais. A população foi se estabelecendo na beira dos rios, dando origem a um segmento social tradicional do Estado, os ribeirinhos.

A segunda guerra mundial

Na década de 40, com a Segunda Guerra Mundial, houve um novo aumento da demanda externa pela borracha em decorrência dos Acordos de Washington que asseguravam o fornecimento do látex para os países aliados, EUA, França e Inglaterra, em conflito com os países do Eixo Alemanha, Itália e Japão, que detinham o controle dos seringais asiáticos.

A Segunda Guerra Mundial impulsionou o segundo Ciclo da Borracha. Isso se deu após a tomada dos seringais asiáticos pelos japoneses, privando os países aliados do produto. O governo brasileiro, incentivado pelos norte-americanos, promoveu uma política de estímulo à produção da borracha. Surgiu, então, a figura do soldado da borracha, recrutado do nordeste do país para os seringais da Amazônia, objetivando o aumento da

Acervo Museu de Arte da Universidade Federal do Ceará - Foto Aba-Film,1943

produção da seringa para ser utilizada na Guerra.

O fim da guerra causou nova queda nos preços do produto e a consequente falência dos seringais. Os seringalistas falidos abandonaram suas propriedades dando origem a uma nova categoria nas relações de trabalho - o seringueiro autônomo, que passou a viver livre dos laços de dependência com o patrão.

Com o novo período de ascensão da borracha, durante a Segunda Guerra Mundial, a melhoria do contexto econômico permitiu que os Autonomistas ganhassem nova força e, em 1962, depois de longa batalha legislativa, o Acre passou a ser Estado e o povo, a exercer cidadania plena.

27

A expansão da fronteira agrícola

A partir da década de 70, verificamos uma forte mudança produtiva na ocupação do Acre, com as políticas do governo

federal refletindo na situação social e econômica do Estado.

O novo modelo de desenvolvimento para a Amazônia foi orientado para investimentos em pecuária e agricultura, o que alteraria radicalmente a base de recursos naturais e o modo de vida da população do Acre.

Nas décadas de 70 e 80, migrações foram favorecidas pela criação de Projetos de Assentamento Dirigidos – PAD, construção de rodovias e o incentivo à compra de terras por grupos empresariais do centro-sul do país.

Os empresários vieram para o Acre com o objetivo de especular com a compra de grandes seringais, espaços estes ocupados por famílias pobres e sem terras, basicamente seringueiros e posseiros, dando início a uma nova fase na trajetória de lutas das comunidades tradicionais de seringueiros, indígenas e pequenos agricultores.

Os seringais foram desmantelados e os seringueiros abandonados à própria sorte. As florestas com as colocações de seringueiros, principalmente aquelas localizadas ao longo das rodovias, foram sendo derrubadas e transformadas em pastos para criação de bois em grandes fazendas. A mesma lógica de

28

ocupação foi utilizada nos projetos de assentamento, com a floresta dando lugar a lavouras, no primeiro ciclo, e na próxima etapa transformadas em pastagem para a pecuária.

A sociedade acreana começou a se organizar e a desenvolver diferentes estratégias de resistência, apoiada pela Igreja, organizações sindicais e partidos políticos para a defesa de seu território, dos recursos florestais e de seu modo de vida.

A luta pela terra no Acre contra o modelo econômico implantado pelos militares se deu ao custo de muitos conflitos e mortes de lideranças sindicais, como Wilson Pinheiro, Evair Higino e Francisco Alves Mendes Filho, conhecido como Chico Mendes.

Seringueiros, castanheiros, ribeirinhos, índios e demais populações tradicionais conseguiram pressionar o governo federal, através do Conselho Nacional de Seringueiros – CNS e da atuação de suas lideranças, como Chico Mendes, que ficou conhecido mundialmente pela mobilização em favor da preservação do modo de vida das populações tradicionais do Acre e da proposta de criação das Reservas Extrativistas para a regularização dos territórios e acesso aos recursos naturais.

As diferentes trajetórias de vida dos índios, seringueiros, regatões, ribeirinhos e sulistas caracterizam, hoje, a identidade do povo acreano e constitui a base para a construção do novo modelo de desenvolvimento, baseado na valorização dos recursos florestais e da sociobiodiversidade.

29

30

As As principais principais caracteristicas características

das das Terras Terras Acreanas Acreanas

O Acre

natureza rica e

diversificada. Um estudo dos recursos

tem

uma

naturais é fundamental para fazer um

uso inteligente e de longo prazo. O conjunto dos dados de geologia, da geomorfologia, dos solos, das bacias hidrográficas e da vegetação permite um maior detalhamento das paisagens do Acre, contribuindo para uma melhor utilização do uso dos recursos naturais pela população acreana e a garantia da sustentabilidade.

CARACTERísTiCAs gERAis

O Acre está situado no extremo sudoeste da Amazônia brasileira, corresponde a 4% da área amazônica brasileira e a 1,9% do território nacional. O Estado faz fronteiras internacionais com o Peru e a Bolívia e nacionais com os estados do Amazonas e de Rondônia.

31

O Estado do Acre é constituído politicamente de 22 Municípios. Para uma melhor gestão administrativa, divide-se em duas

mesorregiões, Vale do Acre e Vale do Juruá, e em 5 regionais de

desenvolvimento: Alto Acre, Baixo Acre, Purus, Tarauacá/Envira

32

Regionais do Acre

e Juruá, que seguem a distribuição das bacias hidrográficas dos principais rios acreanos. Atualmente, 71% da população concentra-se nas áreas urbanas, predominando na capital, Rio Branco 58% desta população urbana, (Acre, 2009).

Mesorregião, Regionais e Municípios Vale do Acre • Regional Purus - Manoel Urbano, Santa Rosa
Mesorregião, Regionais e Municípios
Vale do Acre
• Regional Purus - Manoel Urbano, Santa Rosa do Purus,
Sena Madureira
• Regional Baixo Acre - Acrelândia, Bujari, Capixaba, Plácido de Castro,
Porto Acre, Rio Branco, Senador Guiomard
• Regional Alto Acre - Assis Brasil, Brasiléia, Epitaciolândia, Xapuri
Vale do Juruá
• Regional Juruá - Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima,
MarechalThaumaturgo, PortoWalter, Rodrigues Alves
• RegionalTarauacá-Envira - Feijó, Jordão,Tarauacá

gEOLOgiA

A formação geológica do Acre é resultado de sucessivas transformações na origem e formação da Terra, dos processos

internos e externos do globo terrestre. O conhecimento da geologia permite identificar as diversas formações que ocorrem no estado, definindo diferentes paisagens e o potencial mineral existente.

A Geologia está voltada tanto para indicar os locais favoráveis a encerrarem depósitos minerais úteis ao homem como para fornecer informações que permitam prevenir catástrofes sejam de causa natural ou atribuída à ação do homem sobre o meio ambiente.

Ocorrem no Acre 16 formações geológicas, predominando no território a Formação Solimões.

A Bacia do Juruá é a de maior diversidade geológica e a de menor diversidade é a Bacia de Tarauacá. Há certa uniformidade no restante da área do Estado, que é modificado apenas pela ocorrência de diferentes níveis de terraços fluviais nas regionais do Purus e Baixo Acre.

Foram identificados, em todo o Acre, sítios arqueológicos, principalmente ao longo dos rios, onde estão depositados materiais de origem fóssil. Os estudos de Paleontologia determinam o valor científico desses materiais, que necessitam ser protegidos para o entendimento da evolução da história do ambiente natural.

Os estudos do material geológico indicam algumas potencialidades de uso e aplicações, principalmente de minerais como: gipsita, caulim, ametista, lateritas, areias e argilas. Todavia, para que haja segurança na sua exploração, é necessário intensificar os estudos e levantamentos para segurança e controle ambiental.

Pequenos tremores de terra ocorrem no Acre, principalmente na regional do Juruá pela proximidade com a Cordilheira dos Andes. Apesar da baixa intensidade pode vir a causar efeitos para a construção civil e obras de infraestrutura.

33

ERA

PERÍODO

ÉPOCA

FORMAÇÃO

CARACTERÍSTICAS LITOLÓGICAS

   

Holoceno

Aluviões

(QHa) depósitos grosseiros a conglomeráticos, representando residuais de canal, arenosos relativos a barra em pontal e pelíticos relacionados a transbordamentos.

holocênicos

Coluviões

(QHc) material grosso disposto no sopé de montanhas em forma de leque aluvial.

holocênicos

Terraços

QHt) depósitos de planície fluvial, cascalhos lenticulares de fundo de canal, areias de barra em pontal e siltes e argilas de transbordamento.

QUATERNÁRIO

holocênicos

CENOZÓICO

Areias quartzosas

(QHaq) areais inconsolidados em interflúvios.

 

Terraços

(QPt) terraços fluvias antigos. Argilas, silte e areias, localmente com intercalações lenticulares de argilitos e conglomerados.

 

Pleistoceno

Pleistocênicos

Coberturas

(QPdl) material argilo-arenoso amarelado, caolinítico, alóctone e autóctone.

 

detrito-lateríticas

Formação Cruzeiro do Sul

(QPcs) terraços, originados através de sedimentação fluvial, flúvio- lacustre e aluvial, constituídos por arenitos finos a médios, friáveis, maciços e argilosos, com intercalações de argilitos.

 

Plioceno Mioceno

Formação

(TNs) sedimentos pelíticos fossilíferos (argilitos com intercalações de siltitos, arenitos, calcários e material carbonoso), de origem fluvial e flúvio-lacustre, com estratificações plano-paralelas e cruzadas tabulares e acanaladas.

TERCIÁRIO

Solimões

34

ERA

PERÍODO

ÉPOCA

FORMAÇÃO

CARACTERÍSTICAS LITOLÓGICAS

   

Maestrichtiano

* Formação

(Kd) arenitos brancos, amarelos e vermelhos, maciços ou com estratificação cruzada, médios, bem selecionados, com intercalação de siltitos.

Divisor

MESOZÓICO

 

CRETÁCEO

 

Campaniano

* Formação

(Kra) compõe-se de arenitos finos, com intercalações de folhelhos e níveis de calcário (na base) e para o topo esses arenitos contêm intercalações de siltitos cinza-esverdeados.

Turoniano

Rio Azul

 

Cenomaniano

* Formação Moa

(Km) conglomerados polimíticos basais encimados por arenitos finos

 

a conglomeráticos com estratificação cruzada. No topo, arenitos finos

a médios, estratificação cruzada e níveis conglomeráticos.

CAMBIEANO

 

PROTEROZÓICO

SUPERIOR

 

Sienito República

(PS(L))r composta por quartzo traquito pórfiro, ultramilonito, microsienito, sienito, traquito pórfiro cataclástico, sienito pórfiro, nordmarkito, quartzo traquito e traquito amigdaloidal, constituem corpos de pequenas dimensões.

Formação

(PSf) quartzitos cinza-escuros, muito duros, camadas de chert cinza- claro e esbranquiçadas, metassiltitos e arenitos quartzíticos. Apresenta metamorfismo de contato devido a intrusão de rocha sienítica.

   

Formosa

PRÉ-CAMBIEANO

INDIFERENCIADO

 

Complexo Jamari

(PIMj) rochas de alto grau de metamorfismo na forma de gnaisses, migmatitos, granitos anatéticos, granulitos, leptitos e charnockitos.

35

A fORmAÇÃO dOs AndEs E dAs TERRAs ACREAnAs

1.
1.

1. Sedimentação da borda continental oesta da placa Sul-Americana (Sanozama).

2. Compressão preliminar

e início do soerguimento dos Andes.

3. Formação de arcos

de ilhas, grandes lagos secundários e do lago amazonas.

4. Paisagem atual:

Cordilheira dos Andes e Formação Solimões.

36

36

2. 3. 4.
2.
3.
4.

Serra do Divisor

Rio Branco

mapa de geologia

37

37

gEOmORfOLOgiA

A Geomorfologia estuda o relevo da superfície terrestre, sua

classificação, descrição, origem e evolução, incluindo análise

dos processos formadores da paisagem (IBGE, 2004).

Altitude Média

38

100

192

208

222

230

232

243

254

270

284

- 192

- 208

- 222

- 230

- 232

- 243

- 254

- 270

- 284

- 316

A distribuição do relevo pode ser verificada pelas diferentes altitudes. No Acre, essa variação não se altera muito, com exceção dos Planaltos Residuais da Serra do Divisor, onde aparecem serras como a da Jaquirana, do Moa, do Juruá-Mirim e do Rio Branco, compreendendo as maiores altitudes da Amazônia Ocidental.

O relevo é importante para avaliação do uso e potencial do ambiente, uma vez que é determinante na ocorrência das espécies animais, vegetais, drenagem das águas e, também, na implantação de projetos de construção civil.

O

Estado

do

Acre

mostra-se

dividido

em

nove

unidades geomorfológicas: a Planície Amazônica, a Depressão do Endimari-Abunã, a Depressão do Iaco- Acre, a Depressão de Rio Branco, a Depressão do Juruá-Iaco, a Depressão do Tarauacá-Itaquaí, a Depressão Marginal à Serra do Divisor, a Superfície Tabular de Cruzeiro do Sul e os Planaltos Residuais da Serra do Divisor, diferentemente das regionais Alto Acre e Baixo Acre.

APlanícieAmazônicaestápresenteemtodasasregionais, sendo áreas utilizadas por populações ribeirinhas.

mapa de geomorfologia

39

• Regional do Juruá – Depressão do Juruá-Iaco e Depressão Marginal à Serra do Divisor,
• Regional do Juruá – Depressão do Juruá-Iaco e Depressão
Marginal à Serra do Divisor, Planície Amazônica, Planaltos Residuais
da Serra do Divisor e a Superfície Tabular de Cruzeiro do Sul.
• Regional Tarauacá - Envira – Depressão do Juruá-Iaco e
Planície Amazônica.
• Regional Purus – Depressão do Juruá-Iaco e Planície Amazônica.
• Regional Alto Acre – Depressões do Rio Branco, Iaco-Acre e
Endimari-Abunã, Planície Amazônica.
• Regional Baixo Acre – Depressões do Rio Branco, Iaco-Acre e
Endimari-Abunã, Planície Amazônica.

A regional Tarauacá-Envira Regional Purus e sudeste da Regional do Juruá apresentam uma capacidade de uso da terra limitado e maior vulnerabilidade, diferentemente das regionais Alto Acre e Baixo Acre.

sOLOs dO ACRE

O s solos exercem um papel fundamental no que se refere à produção de alimentos e de outros bens necessários à vida. A

partir do conhecimento da distribuição dos solos é possível fazer um planejamento do uso da terra e alcançar o desenvolvimento sustentável local, seja municipal ou mesmo no nível comunitário, permitindo aliar o potencial às demandas sociais e culturais estabelecidas.

Os solos do Acre apresentam características próprias, principalmente, por serem de uma região de acúmulo de

40

40

sedimentos vindos da Cordilheira dos Andes. Os principais solos do Acre são: Argissolos, Cambissolos, Luvissolos, Gleissolos, Latossolos, Vertissolos, Plintossolos e Neossolos.

• Cambissolos – solos muito argilosos e ricos quimicamente, com restrição para utilização agrícola e
• Cambissolos – solos muito argilosos e ricos quimicamente, com
restrição para utilização agrícola e construção de estradas.
• Printossolos – solos localizados nas margens dos rios e igarapés,
com boa fertilidade química, mas dificulta o uso agrícola em função
do excesso de umidade.
• Gleissolos – São permanentemente ou periodicamente saturados
por água. Geralmente apresentam argilas de alta atividade e
elevados teores de alumínio trocável. Não apresentam grandes
problemas de fertilidade.
• Argissolos – solos predominantes em todo o Acre, sujeitos à
erosão; em função do aumento da argila em profundidade,
requerem cuidados especiais para uso agrícola.
• Latossolos – solos pobres quimicamente, localizados em relevo
plano a suave ondulado o que facilita o uso agrícola.
• Neossolos – solos muito arenosos, ocorrem nas margens de rios
e grande igarapés, com fertilidade boa, ao longo dos rios de água
barrenta, mas baixa em rios de água escura.
• Luvissolos – solos sujeitos à erosão e drenagem deficiente,
restrição ao uso agrícola, apesar da elevada fertilidade natural.
• Vertissolos – solos muito argilosos, de cor acinzentada na
superfície. De clima árido, apesar da boa carga de nutrientes, os
problemas físicos restringem o uso agrícola.

Na regional do Baixo Acre, ocorrem os Argissolos, em grandes extensões do território associados aos Latossolos. São as áreas que possuem melhor potencial agrícola do território acreano para o cultivo mecanizado e intensivo de arroz, feijão, milho e mandioca.

Na Regional do Alto Acre predominam os Argissolos (90 % do território), mas esses solos requerem um manejo mais delicado em função do relevo na região.

mapa de solos

Na Regional do Purus se destacam os Cambissolos (45% do território), solos argilosos e quimicamente férteis, com certo potencial agrícola, mas sujeitos à erosão e compactação. No município de Sena Madureira ocorrem, principalmente, os Vertissolos e os Argissolos, raros no ambiente Amazônico.

Na Regional do Tarauacá-Envira, predominam os Cambissolos, principalmente, em Feijó (80% do território).

A Regional do Juruá apresenta uma grande diversidade de solos, com predominância dos Argissolos (65%), seguido pelos Luvissolos (19%). Apresentam também os Vertissolos e os Latossolos. Nos municípios de Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima se destacam os Gleissolos e Neossolos Flúvicos.

41

41
41

BACiAs HidROgRáfiCAs

B acias Hidrográficas compreendem divisores de água no qual toda a água precipitada escorre para um ponto mais baixo, ou

seja, podemos dizer que a Bacia Hidrográfica corresponde ao um rio principal e seus afluentes, onde são realizados diversos usos.

O estado do Acre faz parte da Região Hidrográfica do rio Amazonas, da Região Hidrográfica do rio Solimões, das Bacias Hidrográficas do Javari, Juruá, Purus, e da Bacia Hidrográfica do Rio Madeira (Brasil, 2006). Os rios Juruá e Purus pertencem à rede hidrográfica do rio

42

Amazonas e formam a Bacia Hidrográfica do Juruá e a Bacia Hidrográfica do Purus. São rios que nascem no Peru, atravessam o Estado, em paralelo, no sentido sudoeste/nordeste e deságuam em outros rios do Amazonas, ou seja, são rios que apresentam, ao mesmo tempo, caráter internacional e federal.

Bacia do Juruá

A bacia do Rio Juruá tem como principais afluentes, os RiosTarauacá

eEnvira,queformamassub-BaciasTarauacáeEnvira.Estabaciaabrange oito municípios pertencentes às Regionais de Desenvolvimento do Juruá e do Tarauacá-Envira: Mâncio Lima, Rodrigues Alves, Cruzeiro do Sul, Porto Walter, Marechal Thaumaturgo, Jordão, Tarauacá e quase toda a área do município de Feijó, ficando uma pequena porção deste

na Bacia do Rio Purus.

O rio Juruá é navegável por grandes embarcações entre Cruzeiro

do Sul e Marechal Thaumaturgo, durante a cheia e, por embarcações de pequeno e médio porte, na vazante.

O rioTarauacá é o mais importante afluente do rio Juruá, atingindo

esse Rio no estado do Amazonas, é navegável desde a divisa com o Peru até a foz do Jordão. Seus afluentes são os rios Muru, Envira e jurupari. O rio Envira, principal afluente do rio Tarauacá é navegável desde sua foz até o Município de Feijó. É um rio de muita sinuosidade e de grande importância para atividades comerciais e comunicação com localidades isoladas, cujo acesso é somente via fluvial ou aéreo.

mapa de Bacias Hidrográficas

43

Bacia do purus

O rio Purus, junto com os rios Juruá e Javari, são considerados os principais rios da Amazônia Sul-Ocidental brasileira. A Bacia do Purus tem como principais afluentes os rios Iaco, Macauã, Iquiri e o Rio Acre. Os rios Iquiri e Rio Acre formam as Sub-bacias do Rio Iquiri e do Rio Acre.

Os municípios que compõem a Bacia do Rio Purus pertencentes às Regionais de Desenvolvimento do Purus são: Santa Rosa do Purus, Sena Madureira, Manuel Urbano, Assis Brasil e pequenas porções dos territórios de Bujari e Feijó.

44

Os municípios da Regional do Purus que compõem parte da Bacia do Rio Purus apresentam a área de cobertura florestal bem conservada, enquanto que os municípios de Acrelândia e Senador Guiomard que pertencemà sub-bacia do rio Iquiri apresentam mais de 50% de suas áreas desflorestadas (ACRE, 2007a).

Bacia do Rio Acre

O rio Acre e seus afluentes formam a Bacia Hidrográfica do Rio Acre e ocupa parte das regionais de Desenvolvimento do Alto Acre e Baixo Acre. Nasce em território peruano, atravessa os países da Bolívia e do Brasil. No Acre, deságua no rio Purus e tem como principais afluentes os rios Xapuri e Riozinho do Rôla, este último apresentando-se como o maior e mais importante afluente da Bacia Hidrográfica do Rio Acre. Dentre outros afluentes importantes do Rio Acre estão os rios Antimary e Andirá.

Os Municípios formadores da bacia do rio Acre são os que apresentam maior taxa de desmatamento, como Capixaba (42%), Epitaciolândia (42%), Porto Acre (41%), Bujari (34%), Brasiléia (27%), Rio Branco (25%) e Xapuri (20%).

Bacia do Rio Abunã

O rio Abunã nasce na Bolívia, atravessa os estados do Amazonas, Acre e Rondônia e forma, com o rio Mamoré, a Bacia Hidrográfica do rio Madeira; é considerado uma bacia binacional.

Em território acreano, o rio Abunã ocupa áreas dos municípios de Acrelândia, Senador Guiomard, Plácido de Castro, Capixaba, Epitaciolândia e Xapuri. Os municípios brasileiros que compõem esta bacia tiveram, em 2006, alto percentual de desmatamento, destacando Plácido de Castro (71%), Senador Guiomard (68%) e Acrelândia (53%). As águas deste manancial são utilizadas para consumo, recreação e lazer, dentre outros.

A gestão dos recursos hídricos, a partir de bacias hidrográficas, ainda é um grande desafio no Acre, uma vez que nossas principais bacias hidrográficas são formadas por rios fronteiriços, ou seja, aqueles que as águas de um rio são utilizadas por dois ou mais estados da mesma federação ou com outros países.

A Bacia Hidrográfica do rio Madeira em território acreano ocupa uma área de 5.227 km
A Bacia Hidrográfica do rio Madeira em território acreano ocupa
uma área de 5.227 km 2 . Tem cerca de 1.500 pessoas em núcleos
habitacionais nos seus principais afluentes. (Acre, 2007).

45

VEgETAÇÃO

A vegetação

naturais,

inseridas no ambiente da FlorestaTropical e apresenta modificações,

é

caracterizada

por

diferentes

paisagens

também, em função da altitude, do tipo de solo e do relevo.

As tipologias florestais encontradas no Acre permitem compreender a forma de organização natural do espaço bem como as potencialidades desse bem natural. Desse modo, o estudo da vegetação avalia o potencial da floresta e suas limitações para uso dos recursos naturais, visando às áreas possíveis de uso e também de conservação.

No Acre, predominam a Floresta Ombrófila Densa e a Floresta Ombrófila Aberta e se subdividem em 18 tipologias florestais.

campinaranas - vegetação não-florestal de porte baixo e aberto, com árvores pequenas e finas. Ocorre
campinaranas - vegetação não-florestal de porte baixo e aberto,
com árvores pequenas e finas. Ocorre no extremo norte dos municípios
de Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima.
Floresta aberta com Bambu em Áreas aluviais - árvores
de porte médio e alto, com dominância de Bambu e taboca, localizadas
ao longo dos rios, principalmente o Juruá, na região de Cruzeiro do Sul,
Porto Walter, e Marechal Thaumaturgo, e rios Tarauacá, Muru e Envira
na região de Tarauacá e Feijó onde ocorre secundariamente.
Floresta aberta com Bambu + Floresta aberta com
Palmeiras - Ocorre em quase todo o Estado do Acre, com maior
predominância nas áreas próximas aos Rios Purus, Tarauacá, Muru,
Juruá, Liberdade e Antimary.
46
Floresta aberta com Bambu + Floresta aberta com Palmeiras + Floresta Densa - A Floresta
Floresta aberta com Bambu + Floresta aberta com
Palmeiras + Floresta Densa - A Floresta Aberta com Bambu
domina a comunidade e manchas de Floresta Aberta com Palmeiras
e Floresta Densa. Ocorre nos municípios de Tarauacá, Feijó, Sena
Madureira, Bujari, Rio Branco, Xapuri e Assis Brasil.
Floresta aberta com Bambu + Floresta Densa - áreas
com grande concentração de bambus e manchas de Floresta Densa,
podendo apresentar também pequenas manchas de Floresta Aberta
com Palmeiras. Ocorre nos municípios de Tarauacá, Feijó, Mâncio Lima,
Sena Madureira, Rio Branco.
Floresta aberta com Bambu Dominante - grande
concentração de bambus dominando a vegetação.
Floresta aberta com Palmeiras - floresta de dossel aberto com
presença de palmeiras, podendo também ser encontradas áreas com
cipós. Geralmente é encontrada em áreas próximas a planícies aluviais
de rios com grande vazão na época das cheias.
Floresta aberta aluvial com Palmeiras - A Floresta Aberta
com Palmeiras em áreas aluviais ocorre ao longo dos principais rios e
alguns de seus afluentes, estando distribuída por todo o Estado.
Floresta aberta aluvial com Palmeiras + Formações
Pioneiras - Floresta Aberta com Palmeiras dominante apresenta
buritizais nas áreas pioneiras. Ocorre apenas na região de Cruzeiro do
Sul e Mâncio Lima.
Floresta aberta aluvial com Palmeiras + Vegetação
secundária - característica da Floresta Aberta com Palmeiras em
áreas aluviais, com manchas de vegetação secundária e algumas
pequenas áreas antropizadas.

Mapa de Vegetação

47

Floresta aberta com Palmeiras + Floresta aberta com Bambu - Esta tipologia é dominada pela
Floresta aberta com Palmeiras + Floresta aberta com
Bambu - Esta tipologia é dominada pela Floresta Aberta com
Palmeiras onde podem ser encontradas várias espécies de palmeiras
com manchas de floresta com sub-bosque de bambu.
Floresta aberta com Palmeiras + Floresta Densa -
dominância da Floresta Aberta com Palmeiras, bem como manchas de
Floresta Aberta com Bambu e manchas de Floresta Densa.
Floresta aberta com Palmeiras + Floresta Densa +
Floresta aberta com Bambu - ocorre nos municípios de Assis
Brasil, Feijó, MarechalThaumaturgo, Jordão eTarauacá.
Floresta aberta com Palmeiras + Formações Pioneiras
- características de Floresta Aberta com Palmeiras e nas áreas onde
o lençol freático é superficial, onde ocorrem os buritizais, no extremo
oeste do Estado, na região da serra do Moa.
Floresta Densa – ocorre na região do Parque Nacional da Serra
do Divisor nos municípios de Cruzeiro do Sul e de Mâncio Lima e em
Assis Brasil.
Floresta Densa submontana - ocorre na região da Serra do
Divisor nos municípios de Mâncio Lima, Rodrigues Alves e Porto Walter.
Floresta Densa + Floresta aberta com Palmeiras -
apresenta copa das árvores na altura aproximada, de 35 a 40 metros
de altura e aspecto aberto; predominância da espécie breu. vermelho;
parte inferior da floresta com aspecto aberto ou limpo.

48

BiOdiVERsidAdE

O Acre ocupa uma posição de destaque no contexto mundial e em relação aos demais estados da Amazônia, por abrigar uma alta biodiversidade de fauna e flora, em 88% de sua cobertura florestal.

A biodiversidade florística é riquíssima. O estado abriga 70% das espécies de palmeiras de toda a Amazônia Ocidental. Nos últimos sete anos, houve um aumento de 10.047 registros botânicos (74%) em relação à primeira fase do ZEE (1999).

Os registros botânicos correspondem a menos de 8% do total de famílias (207) existente no Acre e reúnem pouco mais de 50% de todas as coletas botânicas já realizadas.

ZEE Fase I (1999) - 13.642 registro de espécies florísticas ZEE Fase II (2006) -
ZEE Fase I (1999) - 13.642 registro de espécies florísticas
ZEE Fase II (2006) - 23.680 registro de espécies florísticas

Foram descobertas e/ou identificadas 72 espécies novas para a ciência, nesta segunda fase do ZEE. A maior parte dos novos registros de gêneros e espécies para o Acre e das espécies novas para a ciência foram documentados na bacia do Alto Juruá, região de Cruzeiro do Sul e Mâncio Lima, onde ocorrem as tipologias florestais Campinaranas e florestas densas.

Novos registros e espécies novas, também, foram catalogadas

na Bacia do rio Acre, região caracterizada como área antropizada.

O Acre possui uma alta diversidade de ambientes e algumas espéciesrestringem-seaumdeterminadotipodeambiente.Portanto, para conservar a máxima proporção da flora, deve-se mapear a ocorrência de certos ambientes e garantir sua representação nas Unidades de Conservação.

Ambientes que possuem uma “flora própria” com relação aos outros ambientes, como por exemplo, as Campinaranas e outras formações sobre areia branca ao longo dos rios, as florestas de encosta localizadas na fronteira com o Peru, precisam de maior atenção que outros tipos de vegetação mais abundantes.

vegetação predominante na região,

necessita ser mais estudada, pelo seu potencial de uso na arquitetura, construção civil e decoração, entre outros.

A floresta com bambu,

Quanto à fauna, é provável que 40% dos mamíferos do Brasil e 4,5% dos mamíferos do mundo existam no Acre. No caso das aves, estes números aumentam para 46% das espécies existentes no Brasil e 8,5% das existentes no mundo.

49

Há um grande desconhecimento sobre a fauna ictiológica da Amazônia. Os peixes catalogados no Estado representam somente 11% desta riqueza do Brasil, pelo fato do reduzido número de coletas realizadas no Acre.

Na Lista de Espécies de Vertebrados do Estado do Acre, foram registradas 1443 espécies e 55 estão classificadas até o nível taxonômico de gênero. O grupo das aves foi o que apresentou a maior diversidade (51,4%), seguido pelos peixes (21,6%), mamíferos (13,6%), anfíbios (7,4%) e répteis (6%).

50

Os dados levantados reforçam a importância da conservação da biodiversidade do Acre.

O Acre possui três espécies de mamíferos na categoria “em perigo”, 14 espécies na categoria “vulnerável”, dentre as quais, o tracajá (Podocnemis unifilis) e jabuti (Geochelone denticulata), répteis que estão nesta categoria por serem muito visados por caçadores clandestinos.

Duas espécies que ocorrem no Acre, ariranha (Pteronura brasiliensis) e Tatu Canastra (Priodontes maximus), estão na Lista das

Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção por terem uma taxa de reprodução relativamente baixa.

• Ameaçadas de extinção - espécies cujo número haja diminuído a um nível crítico ou
• Ameaçadas de extinção - espécies cujo número haja diminuído
a um nível crítico ou cujos hábitats tenham sido tão drasticamente
reduzidos que eles podem vir a desaparecer.
• Em perigo - espécies que em breve estarão extintas, a menos que
sejam tomadas medidas urgentes de proteção.
• Vulnerável – espécies com probabilidade de passarem à categoria
‘Em perigo’ em futuro próximo se os fatores causais continuarem
operando.

O conhecimento atual permite reconhecer a riqueza existente e os riscos de desaparecimento de espécies ainda nem conhecidas pela ciência. Existe a necessidade de mais estudos, pois há lacunas de conhecimento sobre a biodiversidade, principalmente na região do Baixo Acre, onde estão concentradas as áreas mais degradadas e alteradas, decorrentes do uso desordenado e das atividades antrópicas.

É extremamente importante, também, a proteção do entorno das Unidades de Conservação, para a preservação da fauna e flora, principalmente nas regiões em que foram encontradas espécies endêmicas.

51

52

A visão integrada dos recursos naturais

Para se entender as questões ambientais de um território, é preciso compreender como os processos
Para se entender as questões ambientais de um território, é preciso
compreender como os processos acontecem na natureza e suas
interações. O Acre é formado por alguns ambientes mais estáveis e
outros mais frágeis. Esse conhecimento implica no planejamento de
forma eficiente da ocupação do território para, dessa forma, poder
minimizar os impactos ambientais.

Os AMbientes dO Acre

A

s noções de estabilidade e fragilidade de um ambiente estão

relacionadas a dois fatores: resistência e resiliência. As chuvas, os solos, rochas que dão origem aos solos, o relevo e a vegetação

determinam o grau de vulnerabilidade do ambiente à erosão.

A ação da chuva sobre o solo é a principal forma de erosão que ocorre em ambientes tropicais. O solo do Acre apresenta grande instabilidade ambiental, quando exposto às condições climáticas, pois grande parte da superfície é coberta por rochas sedimentares,

mais vulneráveis à erosão, principalmente nas áreas centrais do estado, onde está localizada a Formação Solimões Superior e ao longo dos rios.

Em relação ao relevo, predominam maior resistência e menor vulnerabilidade ambiental nas áreas de relevo menos movimentada, como nos municípios de Acrelândia e Senador Guiomard.

Os Latossolos apresentam um grau de estabilidade elevado na região sudeste do Estado. Os Cambissolos estão numa escala de vulnerabilidade alta e representam o segundo grupo de maior vulnerabilidade, localizados na região central do Estado. Os solos mais vulneráveis são os Neossolos Flúvicos, que acompanham os grandes rios e igarapés.

A vegetação reveste o solo, dando proteção à erosão na época das chuvas, evita o impacto direto das gotas de chuva contra o solo; impede a compactação do solo e aumenta a capacidade de infiltração e absorção de água pelo solo. Assim, as áreas com cobertura florestal apresentam de moderada à alta estabilidade ambiental.

53

As áreas mais estáveis do ponto de vista de recursos naturais estão concentradas nos extremos do Estado, por razões variadas, se analisadas em termos de geologia, geomorfologia, solos e vegetação.

Nos ambientes moderadamente estáveis, os solos têm uma restrição severa de drenagem. É aconselhável apenas o uso de práticas agroflorestais em pequenas áreas, de forma a manter a cobertura do solo e evitar a degradação irreversível.

54

Os ambientes frágeis, ou vulneráveis, são aqueles ambientes de alta sensibilidade à ocupação humana, onde o equilíbrio natural é mantido, principalmente, pela cobertura vegetal. Se a cobertura vegetal é retirada, há rápida degradação dos solos, pelos processos de erosão acelerada e chuvas elevadas, e pela presença de argila de atividade alta.

Os ambientes vulneráveis estão representados, principalmente, pelas áreas ribeirinhas distribuídas no Estado do Acre, como os Cambissolos, de solos jovens e relevo mais movimentado, bem como nas margens dos rios de predominância dos Neossolos Flúvicos, além das áreas antropizadas e com baixa cobertura florestal.

O Acre é constituído de uma diversidade de paisagens. Cada parte do território que possui uma mesma característica, reunindo vegetação, fauna, solo, enfim, diferentes características dos recursos naturais e que interagem com diversos tipos de relevos e rochas é chamada de Unidade de Paisagem Biofísica (UPB).

A distribuição das UPBs ocorre de forma diferenciada no Estado. Nesta segunda fase do ZEE, foram definidas 960 paisagens distribuídas diferentemente nas Regionais do Acre. A regional do Juruá possui o maior índice de diversidade de paisagens.

As Unidades de Paisagem com maior ocorrência nas Regionais do Alto Acre e do Baixo Acre foram representadas por forte ação humana, sendo um indicativo do grau de alteração dessas unidades territoriais.

Mapa de Vulnerabilidade

55

56

Como se organizou o domínio e a posse da terra acreana

A situação das terras do Acre é resultado de uma série de fatores da organização
A situação das terras do Acre é resultado de uma série de fatores da
organização político-administrativa e da ocupação econômica ao longo
dos anos.Vamos mostrar como se configura a situação das terras do Acre,
os conflitos e refletir sobre o ordenamento fundiário de nossa terra.

A REguLARiZAÇÃO fundiáRiA

A situação fundiária da terra acreana é bastante complexa,

pelo fato de terem sido reconhecidos os títulos expedidos

por diferentes administrações nacionais e internacionais.

Esta regularização fundiária teve início com a política de expansão da fronteira agrícola e integração da Amazônia ao território nacional, estimulada pelo Governo Federal.

No período de 1976 a 1985, o Governo deu início a um processo intenso de discriminação das terras, transferindo aos novos donos das terras, seringais vendidos por preços extremamente baixos com reconhecimento da titulação, iniciando um confronto entre os seringueiros e esses donos de terras.

Em meados da década de 80 foram criados os Projetos de

Assentamentos e Reservas Extrativistas e, na década de 90, o

das

reivindicações das lutas dos povos tradicionais e dos apoios nacional e internacional dos movimentos que apontavam para a necessidade de manutenção dos recursos naturais.

reconhecimento

e

demarcação

das

terras

indígenas,

fruto

O INCRA discriminou cerca de dois terços das terras acreanas, mas permaneceu a falta de ordenamento fundiário dessas áreas discriminadas. Mais tarde, foi proibida a obtenção de terras e implantação de assentamentos rurais em áreas de cobertura florestal primária e criadas várias modalidades de Projeto de Assentamento, voltadas para atender a demanda de terras do Programa de Reforma Agrária para populações tradicionais e não-tradicionais, exigindo o compromisso de uso da terra com técnicas adequadas e a proibição do corte raso da vegetação.

As pendências na regularização fundiária são responsáveis pela maior parte dos conflitos existentes. Com o objetivo de promover a

57

regularização, ordenação e reordenação fundiária rural e a mediação de conflitos pela posse da terra, em 2001, o Estado criou o Instituto de Terras do Acre, com a finalidade de apoiar a criação de novas áreas de interesse público tais como Unidades de Conservação, Projetos de Assentamentos e Terras Indígenas, bem como a regularização das demais denominações fundiárias.

mapa político

58

A nOVA LinHA CunHA gOmEs

O Acre aumentou o território em 1.228.936 hectares com a revisão dos limites da Nova
O Acre aumentou o território em 1.228.936 hectares com a revisão
dos limites da Nova Linha Cunha Gomes.
A dimensão territorial do Acre passou por distintas fases até

chegar aos atuais 16.422.136 hectares de área, e o processo teve origem no Tratado de Petrópolis.

Com base nos marcos geodésicos históricos, a revisão dos limites da Nova Linha Cunha Gomes, linha divisória que separa os Estados do Acre, Amazonas e Rondônia, foi definida pelo Instituto Brasileiro de Geologia e Estatística - IBGE e acatado pelo Supremo Tribunal Federal - STF, em 3 de abril de 2008, ampliando o território que tinha 15.193.200ha para 16.422.136ha.

As mudAnÇAs dOs LimiTEs inTERmuniCipAis

A revisão dos limites intermunicipais acreanos foi outra questão

trabalhada em relação à situação fundiária do estado, pois a situação de imprecisão entre as jurisdições causavam transtornos quanto à autonomia e soberania das administrações municipais. Foi criada na Assembléia Legislativa do Acre uma Comissão Parlamentar de Inquérito que aprovou, em 2004, a revisão dos limites para os 22

municípios acreanos que foram definidos pelo IBGE, alterando

o tamanho do território, com ganho de território para alguns municípios e perda para outros.

Estrutura fundiária

Hoje, o Estado do Acre apresenta 55,3% de suas terras protegidas:

32,1% destinadas a Unidades de Conservação, 13,2% em Terras Indígenas e 10% em Projetos de Assentamento. Os imóveis rurais sob domínio de particulares compreendem 31% das terras do estado que, somados às áreas a serem discriminadas (6.9%), terras em discriminação sob júdice (2,5%), terras dominiais estaduais (1,3%) e terras públicas não destinadas (3%), totalizam 44,7% da superfície das terras estaduais.

EspAÇOs TERRiTORiAis - áREAs pROTEgidAs

As áreas protegidas são necessárias para a preservação dos bens naturais e da diversidade biológica, para o equilíbrio climático e para a manutenção da qualidade do ar, além de oferecer lazer e cultura, garantindo qualidade de vida não somente à população que ali vive, mas também aos habitantes das cidades e de todo o planeta.

As áreas protegidas distribuem-se em Unidades de Conservação (UC), terras indígenas (TI), Áreas de Preservação Permanente (APP), Reservas Legais (RL) e algumas áreas militares. Para cada uma delas existem procedimentos normativos para a gestão do território.

A Lei Estadual Florestal

59

nº 1.426, criada em 27 de dezembro de 2001, contempla o Sistema Estadual de Áreas Naturais Protegidas - SEANP e complementa o Sistema Nacional de Unidades de Conservação – SNUC, nas condutas para a preservação dessas áreas.

A área que compõe o SEANP é formada por um mosaico contínuo de 7,5 milhões de hectares, de Unidades de Conservação de Uso Sustentável e Proteção Integral, de jurisdição federal e

Sistema de Áreas Naturais Protegidas do Estado Acre

Terra Indígena Unidade de Conservação de Uso Sustentável Unidade de Conservação de Uso Integral

01-Reserva Extrativista do Alto Juruá

02- Reserva Extrativista Alto Tarauca

03- Área de Proteção Ambiental Amapá 04- Floresta Estadual Antimary 05- Reserva Extrativista Cazumbá- Iracema 06- Parque Estadual Chandles 07- Reserva Extrativista Chico Mendes 08- Área de Proteção Ambiental Irineu Serra

60

09-Reserva Nacional Macauã

10-Floresta Estadual Mogno 11-Estação Ecológica Rio Acre 12-Floresta Estadual Rio Gregório 13-Floresta Estadual Rio Liberdade 14-Res. Extr. Riozinho da Liberdade 15-Floresta Estadual Santa Rosa do Purus 16-Floresta Nacional São Francisco

17-Área de Proteção Ambiental São Francisco 18-Área Relevante Int. Ecológico Seringal Nova Esperança 19-Parque Nacional Serra do Divisor

estadual, e Terras Indígenas, totalizando 45% do território do Acre. Contempla, ainda, as áreas de Reserva Legal das propriedades.

O SEANP é um “corredor ecológico” que age como um sistema de proteção natural para a diversidade existente de animais e plantas, com uma extensão contínua de floresta em toda a fronteira internacional com o Peru e a Bolívia. Este Corredor Ecológico não privilegia somente a fauna e a flora, mas considera também as comunidades que vivem nessas áreas.

É um sistema que facilita a gestão participativa das Unidades de Conservação e o acompanhamento das demais áreas protegidas por meio de programas que envolvem a comunidade, órgãos governamentais e não governamentais e a iniciativa privada.

As unidAdEs dE COnsERVAÇÃO dO ACRE

Para criar, implantar e cuidar das Unidades de Conservação, foi criada uma legislação federal específica, denominada de Sistema Nacional de Unidades de Conservação, que determina os critérios de como vão ser criadas e o que pode ser feito dentro de cada categoria de Unidade de Conservação - UC.

As Unidades de Conservação são definidas em dois grupos principais: UC de Proteção Integral ou UC de Uso Sustentável.Cada UC tem uma característica que depende da região onde se localiza, podendo abrigar cursos de água, vegetações, animais e paisagens bem diferentes. As características apresentadas em estudo para a criação das UCs é que define a categoria mais indicada para a área, dentro do grupo de proteção integral ou de uso sustentável.

As Unidades de Conservação do Acre representam 31% do território. São áreas destinadas à conservação da natureza e uso sustentável dos recursos naturais, reconhecidas pelos governos federal, estadual e municipal, responsáveis pela gestão administrativa dessas áreas.

Gestão administrativa das Unidades de Conservação UCs federais - Instituto Chico Mendes e de Biodiversidade
Gestão administrativa das Unidades de Conservação
UCs federais - Instituto Chico Mendes e de Biodiversidade
UCs Estaduais de Proteção Integral e Áreas de Proteção Ambiental -
Secretaria Estadual de Meio Ambiente
UCs de uso sustentável - Secretaria Estadual de Florestas
UCs municipais - Secretarias Municipais de Meio Ambiente.

No Acre existem três Unidades de Conservação na categoria de Proteção Integral, totalizando 9,9 % do território: o Parque Nacional da Serra do Divisor, o Parque Estadual do Chandless e a Estação Ecológica do Rio Acre. Nestes locais são permitidas apenas atividades que não impliquem na retirada de recursos naturais nem em impacto ambiental, como o turismo ecológico, a pesquisa científica e ações de educação ambiental.

As Unidades de Conservação de Uso Sustentável são 16 e compreendem Reservas Extrativistas, Florestas Estaduais e Floresta Nacional, Área de Relevante Interesse Ecológico e Área de Proteção Ambiental, num total de 22,3% do território acreano.

A criação das Reservas Extrativistas (RESEX) foi uma das principais bandeiras de luta de Chico
A criação das Reservas Extrativistas (RESEX) foi uma das principais
bandeiras de luta de Chico Mendes. Hoje, existem no Acre cinco
Reservas Extrativistas: Alto Juruá, Chico Mendes, Cazumbá-Iracema,
AltoTarauacá e Riozinho da Liberdade.A primeira Reserva Extrativista
criada no Brasil foi a RESEX do Alto Juruá, em 1989.
Em 1990, foi criada a maior Reserva Extrativista do Brasil, a RESEX
Chico Mendes com 931.834 hectares, abrangendo 7 municípios:Assis
Brasil, Brasiléia, Capixaba, Epitaciolândia, Rio Branco, Sena Madureira
e Xapuri.

Nas Unidades de Conservação de Uso Sustentável, o objetivo é a conservação da natureza, mas são permitidas atividades pelos moradores do local para o consumo familiar, coleta e comercialização

61

sustentável dos recursos naturais existentes, de forma a garantir a manutenção da diversidade de animais e plantas para seu uso e, também, para as futuras gerações.

Um dos principais desafios que surgem após a criação das unidades de conservação de uso sustentável é estruturar um modelo de desenvolvimento que permita a permanência dos habitantes nestas áreas com acesso a serviços de saúde, educação, trabalho e renda. Por este motivo é importante a organização dos moradores, a elaboração do plano de manejo em parceria com os gestores das unidades e melhorias das condições de vida para a comunidade.

As Unidades de Conservação criadas no estado, após 2000, foram indicadas no ZEE Fase I,
As Unidades de Conservação criadas no estado, após 2000, foram
indicadas no ZEE Fase I, representando um incremento de 105,8%. São
eles: o Parque Estadual do Chandless; Florestas Estaduais (3) Mogno,
Rio Liberdade e Rio Gregório; Áreas de Proteção Ambiental (3) Lago do
Amapá, São Francisco e Raimundo Irineu Serra; Reservas Extrativistas (3)
AltoTarauacá, Cazumbá-Iracema e Riozinho da Liberdade.

A gestão das Unidades de Conservação compreende uma série de ferramentas de planejamento, organização, normatização, monitoramento e controle visando à conservação e à sustentabilidade dos recursos naturais. Mas a participação das populações locais é fundamental para uma eficiência dos processos de gestão e tem como principais instrumentos o Conselho Gestor e o Plano de Manejo.

62

áreas naturais protegidas no Acre

 

Área (há)

Percentual

Categoria

Estado (%)

I-Unidade de Conservação de Proteção Integral

 

Parque nacional da Serra do Divisor

844.636

5,14

 

84.387

0,51

Estação Ecológica do Rio Acre Parque Estadual Chandess

693.366

4,22

Sub-Total

1.622,389

9,87

II-Unidades de Conservação de Uso Sustentável

 

Floresta Nacional do São Francisco

21.142

0.13

Reserva Extrativista do Alto Tarauacá

151.537

0.92

Reserva Extrativista do Alto Juruá

527.831

3,21

Reserva Extrativista Cazumbá - Iracema

742.410

4,52

Floresta Nacional do Macauã

177.047

1,08

Reserva Extrativista Chico Mendes

931.834

5,67

Floresta Estadual do Mogno

140.624

0,86

 

212.948

1,30

Floresta Estadual do Rio Gregório Floresta Nacional Santa Rosa do Purus

228.861

1,39

Floresta Estadual do Rio Liberdade

125.080

0,76

Resex Riozinho da Liberdade

326.810

1,99

Área de Relevante Interesse Ecológico

2.909

0,02

Seringal Nova Esperança Floresta Estadual do Antimary

65.824

0,40

Sub-Total

3.654,858

22,26

TOTAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

5.277,247

32,13

III - Terras Indígenas

2.167,146

13,20

TOTAL DE AREAS NATURAIS PROTEGIDAS

7.444,393

45,33

ÁREA TOTAL DO ESTADO

16.422,136 ha.

As TERRAs indígEnAs

As Terras Indígenas (TI) do Acre totalizam 14,5% do território acreano distribuídas em 35 terras indígenas reconhecidas pelo governo federal, a maior parte delas já regularizada.

74 o 0´0´´W 73 o 0´0´´W 72 o 0´0´´W 71 o 0´0´´W 70 o 0´0´´W
74 o 0´0´´W
73 o 0´0´´W
72 o 0´0´´W
71 o 0´0´´W
70 o 0´0´´W
69 o 0´0´´W
68 o 0´0´´W
67 o 0´0´´W
mapa das Terras indígenas
1:3.300.000
Km
0
25
50
100
150
200
Terras Indígenas
9. Kaxinawa da Praia do Carapana
18. Alto Tarauacá
27. Kampa Isoladoso do Rio Envira
1. Nukini
10. Rio Gregório
19. Katukina/ Kaxinawa
28. Xinane
2. Nawa
11. Kampa do Igarapé Primavera
20. Kaxinawa Colonia Vinte e Sete
29. Alto Rio Purus
3. Poyanawa
12. Jaminawa Arara do Rio Bagé
21. Igarapé do Gaucho
30. Jaminawa do Rio Caeté
4. Jaminawa do Igarape Preto
13. Kaxinawa do Rio Humaitá
22. Kaxinawa do Seringal Curralinho
31. Manchineri do Seringal Guanabara
5. Campinas Katukina
14. Kaxinawa Seringal Independência
23. Kaxinawa Nova Olinda
32. Mamoadate
6. Arara Ig. Humaitá
15. Kaxinawa do Baixo Rio Jordão
24. Kulina do Igarape do Pau
33. Cabeceira do Rio Acre
7. Arara do Rio Amonia
16. Kaxinawa do Rio Jordao
25. Jaminaua Envira
34. Jaminawa do Guajará
8. Kampa do Rio Amonea
17. Kaxinawa Ashaninka do Rio Breu
26. Kulina do Rio Envira
o 0´0´´S
11 o
100´0´´S
9 o 0´0´´S
8 o 0´0´´S

63

Vivem atualmente no território acreano 15 povos indígenas, falantes de idiomas de três famílias linguísticas. Uma população de pouco mais de 16 mil pessoas (cerca de 2% da população total do estado e 6% da população rural). Outros quatro povos indígenas considerados “isolados” (cerca de 600 pessoas) habitam e têm áreas de uso, no território acreano.

As Terras Indígenas têm como entorno as Unidades de Conservação, sendo que uma parte delas está situada em áreas de influência direta das Rodovias BR 364 e BR 317, e outra parte faz fronteira internacional com o Peru e a Bolívia.

Rápido (PAR), 11 Projetos de Assentamento Agroextrativista (PAE), 13 Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS), 4 Projetos de Assentamento Florestal (PAF), 12 Projetos Estadual Pólo Agroflorestal (PE) e 3 Projetos Casulo (PCA).

O PAD foi criado na década de 70, como parte da política de ocupação da Amazônia com o objetivo de cumprir com as determinações do Estatuto da Terra quanto ao assentamento de pequenos e médios agricultores em regime de propriedade familiar. Depois, em 1982, foi criado o PAR com o objetivo de regularizar a ocupação de áreas devolutas arrecadadas na faixa de fronteira.

A modalidade de PAE ocorreu em 1987, para fazer uma Reforma

Atualmente, existem 34 organizações indígenas legalizadas no

Agrária diferenciada na Amazônia, respeitando e resgatando a forma

estado e responsáveis pela gestão da maioria das Terras Indígenas

e

o modelo de ocupação das populações tradicionais (seringueiros

do Acre. As políticas públicas para os povos indígenas devem ser

e

ribeirinhos). Foram implantados no Acre os PAEs, entretanto, cada

aprofundadas quanto ao planejamento, execução e monitoramento de ações voltadas para a produção, gestão ambiental, educação, saúde e fortalecimento da cultura, com a participação efetiva

projeto necessita ter seu Plano de Utilização da área elaborado pelos moradores e aprovado pelo Incra para dar sustentabilidade jurídica.

das organizações nos processos de decisão de formulação e

A

partir de 1999, foi criado o PDS, de interesse social e ecológico,

implementação das políticas.

destinado às populações que tinham suas atividades baseadas no extrativismo e na agricultura familiar, bem como outras atividades de baixo impacto ambiental.

Os AssEnTAmEnTOs RuRAis

Os Assentamentos Rurais representam 10% das terras do Estado do Acre, distribuídos em 123 Assentamentos Rurais em diferentes modalidades, distribuídos em 74 Projetos de Assentamentos (PA), 5

ProjetosdeAssentamentoDirigido(PAD),1ProjetosdeAssentamento

64

O PAF foi criado em 2003, destinado às áreas com aptidão para a

produção florestal familiar, com o objetivo de desenvolver o manejo florestal de uso múltiplo em base familiar.

A

modalidade

PE

é

de

responsabilidade

do

Estado,

sendo

74 o 0´0´´W 73 o 0´0´´W 72 o 0´0´´W 71 o 0´0´´W 70 o 0´0´´W
74 o 0´0´´W
73 o 0´0´´W
72 o 0´0´´W
71 o 0´0´´W
70 o 0´0´´W
69 o 0´0´´W
68 o 0´0´´W
67 o 0´0´´W
mapa de projetos
de Assentamentos
1:3.300.000
Km
0
25
50
100
150
200
Assentamentos - Modalidade
Projeto de Assentamento- PA
Projeto de Assentamento Dirigido- PAD
Projeto de Assentamento Agro-Extrativista- PAE
Projeto de Assentamento Florestal Sustentável-PAF
Projeto de Assentamento Rápido- PAR
Projeto Casulo – PCA
Projeto de Desenvolvimento Sustentável- PDS
Projeto Estadual Polo AgroFlorestal- PE
o 0´0´´S
11 o
100´0´´S
9 o 0´0´´S
8 o 0´0´´S
7 o 0´0´´S

65

reconhecido pelo Incra, formando “cinturões verdes” em volta das áreas urbanas. Foram implantados com o objetivo de assentar ex- seringueiros e ex-agricultores que se encontram na periferia das cidades e fora do mercado de trabalho.

O PCA foi criado em 1997, destinado à exploração agropecuária

e instalado em áreas de transição no entorno de núcleos urbanos.

É uma modalidade descentralizada de assentamento por meio de convênio do Incra com as prefeituras municipais.

O Projeto de Assentamento é uma área orientada para o uso racional dos espaços físicos
O Projeto de Assentamento é uma área orientada para o uso racional
dos espaços físicos e dos recursos naturais existentes visando à
implementação de sistemas de vivência e produção sustentável, em
cumprimento da função social da terra e da produção econômica,
social e cultural do trabalhador rural e seus familiares.

A agricultura familiar e a agropecuária são atividades de maior impacto econômico, social e ambiental no Estado. As políticas públicas devem estar baseadas no investimento em recursos humanos, infraestrutura, assistência técnica e extensão rural e inovação tecnológica para a mudança dos sistemas agropecuários tradicionais e da agricultura familiar predatória em sistemas de produção sustentáveis.

66

Os COnfLiTOs AgRáRiOs

Os conflitos pela posse da terra, no Acre, tiveram origem na pressão de grandes proprietários sobre áreas de posse de seringueiros, índios e pequenos agricultores familiares.

Atualmente, dentre os conflitos existentes, podemos destacar: (a) conflitos entre proprietários e posseiros; (b) conflitos em pequenas, médias e grandes propriedades; (c) conflitos entre posseiros e o estado; (d) conflitos em Projeto de Assentamento, Unidades de Conservação e Terras Indígenas.

A compra de grandes seringais, com moradia efetiva por populações extrativistas, constitui importante fator de geração de conflitos dos grandes proprietários contra os posseiros tradicionais, principalmente nas áreas destinadas à Reserva Legal.

Apesar das iniciativas do Incra visando à regularização fundiária, os conflitos nas pequenas, médias e grandes propriedades e entre posseiros e Estado aumentaram nos últimos anos.

Outro fator de conflitos são os planos de manejo madeireiro aprovados, que não consideram a presença de populações extrativistas nas áreas, que praticam atividade extrativista não- madeireira.

Muitas vezes, os conflitos gerados nos Projetos de Assentamento com as propriedades particulares estão relacionados aos limites

Empate na estrada de Boca do Acre, em 1979, ou “Mutirão contra a jagunçada”. Foto de José Maria Barbosa.

legais. Nos lotes próximos às rodovias asfaltadas, a especulação pelas terras é bastante acentuada para que os assentados vendam os lotes, sem anuência do Incra.

madeira, devido à falta de fiscalização.

Os problemas de sobreposição de áreas entre as Unidades de

Os maiores conflitos nas Terras Indígenas e Unidades de Conservação são gerados pela caça, pesca e retirada ilegal de

Conservação, as Terras Indígenas e os Projetos de Assentamento estão relacionados à definição dos limites legais de cada área, que precisam ser revistos, visando ao desenvolvimento territorial da região.

67

68

Como a população utiliza os recursos naturais

A floresta oferece uma infinidade de produtos a serem utilizados para consumo e também para
A floresta oferece uma infinidade de produtos a serem utilizados para
consumo e também para serem comercializados.A população rural depende
do uso e manejo desses recursos, que oferece oportunidades de melhoria da
qualidade de vida, de emprego e renda às comunidades locais.

A pROduÇÃO fLOREsTAL mAdEiREiRA

Estado possui 88% do seu território em condição de floresta O e, portanto, capaz de fomentar o crescimento da atividade madeireira, desde que de forma sustentável. A cobertura

florestal varia entre as regionais em função das ações antrópicas. As regionais que tiveram as maiores reduções de cobertura florestal foram a Regional Alto Acre e a Regional Baixo Acre, com 77% e 54% de cobertura florestal, respectivamente. As demais regionais, Purus (97%), Tarauacá/Envira (96%) e Juruá (94%) apresentam um ativo florestal.

forma

responsável e participativa, utilizando os instrumentos legais e

A

gestão

do

patrimônio

florestal

tem

sido

feita

de

e A gestão do patrimônio florestal tem sido feita de econômicos, programas de fomento, bem como

econômicos, programas de fomento, bem como sistemas de controle e monitoramento para reduzir as taxas de desmatamento.

O IMAC é a instituição responsável pela autorização e controle dos Planos de Manejo Florestais,
O IMAC é a instituição responsável pela autorização e controle dos
Planos de Manejo Florestais, em convênio com o IBAMA.

69

Potencial madeireiro

AltoPotencial madeireiro Médio Baixo Sem valor

MédioPotencial madeireiro Alto Baixo Sem valor

BaixoPotencial madeireiro Alto Médio Sem valor

Sem valorPotencial madeireiro Alto Médio Baixo

70

mapa de áreas com potencial florestal do Acre

O Programa de Florestas Estaduais de Produção representa um dos eixos principais da política de desenvolvimento sustentável da economia florestal do estado. Atualmente, a indústria de base florestal no Estado do Acre tem como fonte de suprimento de matéria-prima prioritariamente:

• Os Planos de Manejo Florestais Sustentáveis Empresariais;

• Os Planos de Planejo Florestais Sustentáveis Comunitários;

• Florestas Públicas Estaduais e Federais.

A Regional Baixo Acre apresentou a maior área manejada, em 2009, seguida pelas Regionais do Purus, Alto Acre, Tarauacá/Envira e Juruá.

Regionais do Purus, Alto Acre, Tarauacá/Envira e Juruá. Baixo Acre 13,54 14,43 26,06 44,62 1,35 Purus

Baixo Acre

13,54 14,43 26,06 44,62 1,35 Purus Alto Acre Tarauacá/Envira
13,54
14,43
26,06
44,62
1,35
Purus
Alto Acre
Tarauacá/Envira

Juruá

44,62 1,35 Purus Alto Acre Tarauacá/Envira Juruá A NATEX- Fábrica de Preservativos Masculinos de Xapuri.

A NATEX- Fábrica de Preservativos Masculinos de Xapuri.

OuTROs pROduTOs fLOREsTAis

Os produtos florestais não-madeireiros possibilitam a utilização sustentável da floresta, gerando renda, estimulando a preservação e respeitando tanto a paisagem natural como os habitantes que tradicionalmente vivem na região.

No Acre, entre os inúmeros produtos extrativistas, podemos destacar a borracha e a castanha, que ocupam lugar de destaque na cadeia produtiva. Além desses, temos produtos estratégicos tais como o açaí e copaíba.

Em 1999, o Governo do Acre lançou o Programa de Incentivo ao Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Borracha natural que fortalece todos os segmentos da cadeia produtiva, seringueiros (extrativistas), associações/cooperativas de seringueiros, interme- diários (atravessador), usinas de beneficiamento e indústrias,

71

contribuindo para impulsionar e desenvolver o setor extrativista no Estado, gerando mais ocupações produtivas e renda para os povos da floresta.

O Governo do Estado do Acre assegurou o preço à borracha

nativa, com a Lei Chico Mendes nº 1277 de 03/ 01/1999, que estabelece o pagamento por serviços ambientais aos extrativistas por meio de subsídio no valor da produção de borracha, e agregou valor com a industrialização de preservativos a partir do látex nativo, que está sendo realizada pela NATEX- Fábrica de Preservativos Masculinos de Xapuri, criada através do Decreto no 14.985, em 2006.

O Acre hoje é o maior produtor do país no extrativismo da

castanha no Brasil e está no mercado internacional, sendo exportado para países como Itália, Alemanha, Estados Unidos, Reino Unido e Japão. Ocorre apenas nas regionais do Purus, Baixo Acre e Alto Acre e, os municípios de Brasiléia, Rio Branco, Sena Madureira e Xapuri concentram 71,86% da produção total.

O programa de modernização e industrialização da Castanha-

do-brasil, promovido pelo Governo do Acre, garantiu um impacto positivo no volume de produção, no preço da castanha e melhoria na renda anual do extrativista. Uma das iniciativas promovidas foi a compra antecipada, capitalizando as cooperativas e favorecendo a relação com elas.

O açaí existe em todas as Regionais do Acre, com destaque para

os Municípios de Cruzeiro do Sul e Plácido de Castro que, em 2008 responderam por 36,37% do total produzido.

72

que, em 2008 responderam por 36,37% do total produzido. 72 A extração do óleo da Copaíba

A extração do óleo da Copaíba possui grande potencial comercial e valor econômico. São muito usados como antiinflamatório, mas tem potencial, também, na fabricação de cosméticos.

Além desses produtos, as sementes florestais têm sido uma alternativa para exploração e comercialização do artesanato. Para tanto, devem ser manejadas conforme procedimentos de autorização junto ao órgão ambiental competente, no caso, o Instituto de Meio Ambiente do Acre - IMAC. Os produtos obtidos de áreas autorizadas passam a ser mais valorizados no mercado, pois comprovam responsabilidade social e ambiental na sua produção.

responsabilidade social e ambiental na sua produção. extrAtiVisMO VegetAl períOdO de 2004 A 2007 nO Acre.

extrAtiVisMO VegetAl períOdO de 2004 A 2007 nO Acre.

Produto extrativo

2004

2005

2006

2007

Quantidade Produzida

       

Madeira em tora (m³)

353.861

483.441

397.414

326.138

Lenha (m³)

562.748

627.228

646.002

666.151

Látex coagulado (Ton.)

1.710

2.073

1.407

1.226

Carvão vegetal (Ton.)

1.743

1.744

1.698

1.736

Castanha-do-Brasil (Ton.)

5.859

11.142

10.217

10.378

Açaí (fruto) ( Ton.)

741

907

961

1.459

Copaíba (óleo) (Ton.)

0

0

0

0

Valor da Produção (Mil Reais)

Madeira em tora

10.550

13.040

12.533

11.862

Lenha

3.741

4.003

4.242

4.959

Látex coagulado

3.234

3.617

2.881

2.593

Carvão vegetal

580

612

642

718

Castanha-do-Brasil

4.940

15.376

12.254

12.142

Açaí (fruto)

280

352

393

667

Copaíba (óleo)

3

7

7

4

Fonte: IBGE - Produção Extrativa Vegetal.

73

74

O uso da terra e os recursos naturais

Aqui será discutido como está sendo usado o território acreano no que se refere ao
Aqui será discutido como está sendo usado o território acreano no que se
refere ao uso da terra, quanto ao desmatamento e queimadas, além de
um retrato da situação da ação do homem e do uso dos recursos naturais.

A fLOREsTA E O usO dA TERRA

O território acreano apresentava 12% de desmatamento até

2007. A ação do homem, quanto ao uso intenso da terra

destacam-se nas pastagens (81,2%), capoeiras (13,1%) e

culturas temporárias e permanentes (3,5%), do total desmatado.

As pastagens correspondem a 81,2 % do total desmatado, até 2007. A dinâmica da atividade é muito grande e introduziu mudanças recentes nas características do processo produtivo para criação de gado de corte em grandes fazendas, como o criatório destinado ao corte e leite, em áreas dos projetos de assentamento e mesmo em áreas extrativistas. Atualmente, a concentração do efetivo bovino, está na Regional do Baixo Acre.

Uma preocupação constante, diz respeito à pressão que a pecuária pode exercer sobre os recursos florestais. Os dados indicam que o crescimento deste setor não está impulsionando o processo de desmatamento, mas que esta atividade aumentou sua

QuAnTidAdE pROduZidA dOs pRinCipAis pROduTOs AgRíCOLAs, pERíOdO dE 2004 A 2208 nO ACRE

   

Quantidade Produzida

 

Produtos Agrícolas

2004

2005

2006

2007

2008

Lavoura temporária (Ton.)

         

Mandioca

450.335

563.919

455.581

614.193

730.434

Milho (em grão)

68.252

60.979

56.612

56.763

61.088

Arroz (em casca)

38.717

31.561

32.490

28.099

28.569

Cana-de-açucar

22.977

25.690

35.248

37.138

52.609

Feijão (em grão)

8.914

4.448

6.816

7.900

5.779

Melancia

5.602

5.560

6.713

5.581

9.776

Abacaxi (Mil frutos)

2.801

2.807

2.710

2.664

3.582

Lavoura

         

permanente (Ton.)

Banana

62.503

55.479

75.589

90.786

94.964

Café (beneficiado)

2.533

2.185

1.131

1.370

1.579

Laranja

7.059

5.558

4.434

2.937

3.551

Mamão

2.347

1.795

1.820

2.031

3.054

Borracha (Látex coagulado)

1.329

634

559

553

427

Tangerina

2.422

2.083

2.032

1.468

1.399

Palmito

702

440

483

407

137

Limão

1.190

1.340

1.108

1.208

1.623

Guaraná (semente)

90

90

61

53

15

75

eficiência e produtividade, com melhores tecnologias de pastoreio e aproveitamento de áreas já desmatadas, antes sem utilização.

As culturas agrícolas podem ser divididas em dois grupos, lavouras permanentes e lavouras temporárias.

As lavouras temporárias têm como principais produtos a mandioca, o feijão, o arroz, a melancia, o abacaxi, o milho e a cana- de-açúcar.

O papel da produção de mandioca é muito importante para a geração de renda, com a participação de todos os municípios. Atualmente, o município de Sena Madureira é o maior produtor do Estado seguido de Cruzeiro do Sul. A segunda cultura temporária que mais gera recurso, dentre as demais, é o Milho. Destacamos ainda o crescimento da produção de cana-de-açúcar.

QuEimAdAs

O uso do fogo na Amazônia vem aumentando consideravelmente, dado que o processo de desmatamento é, quase sempre, realizado através desse recurso. Ainda, em decorrência do uso intencional do fogo, a vegetação se torna mais inflamável, o que aumenta o risco de incêndios e, por isso, vastas regiões de florestas tropicais estão sendo queimadas.

No Acre, as queimadas ocorrem com maior frequência entre os meses de agosto e outubro, época mais seca do ano na região.

Os municípios mais afetados pelas queimadas todos os anos são os das Regionais do Baixo e Alto Acre: Acrelândia, Assis Brasil, Brasiléia, Bujari, Capixaba, Epitaciolândia, Plácido de Castro, Porto Acre, Rio Branco, Senador Guiomard e Xapuri.

vez, levar a uma alteração na frequência e severidade das secas nas próximas décadas, tornando este evento mais comum e aumentando a variabilidade climática e a vulnerabilidade da sociedade.

dEsmATAmEnTOs

O acesso às sedes municipais, com a pavimentação das rodovias federais e estaduais, melhorou a comunicação e o desenvolvimento econômico,mascontribuiuparaodesmatamento.Osdesmatamentos cresceram significativamente ao longo das BR-364 e BR-317, com maior concentração nos Projetos de Assentamento e fazendas.

A abertura de estradas, a implantação de atividades agropecuárias, e a extração de madeira, são fatores que agravam os desmatamentos no Acre.

A Unidade Central de Geoprocessamento e Sensoriamento

Remoto (UCEGEO), do Governo do Acre, concluiu, em 2010, estudo

da dinâmica do desmatamento para o Estado do Acre em uma

análise temporal de 22 anos, entre o período de 1988 e 2009. Os dados mostraram que o desmatamento acumulado para o Acre é de

20.678 km², o que representa 12,59 % da área total do estado.

528

Até o ano de 1988, ano base da análise, no Acre havia 6.648 Km²

6.648

DESmATAmENTo ANuAl Do ESTADo Do AcrE (Período de 1988 a 2009)

Quanto às culturas permanentes, a principal contribuição é a produção de Banana, dentre as demais culturas.

No ano de 2005, em que houve uma seca atípica, o Acre foi alvo

Guaraná Limão Palmito

de queimadas e incêndios florestais que danificaram dezenas de milhares de florestas em pé e áreas abertas, causando a morte de árvores e a emissão de milhões de toneladas de gases de efeito estufa para a atmosfera.

Área em Km 2

Tangerina

Os impactos da seca e dos incêndios florestais têm importância

872

528

652

478

590

522

363

1.069

582

539

880

544

641

909

868

843

917

577

640

529

488

Borracha (látex coag.) Mamão Laranja

para as perspectivas futuras das sociedades da Amazônia. Mudanças climáticas induzidas por atividades humanas podem resultar em uma

1988

1989

1990

1991

1992
1993

1994
1995

1996

1997
1998

1999
2000

2001

2002
2003

2004
2005

2006

2007
2008

2009

Café (beneficiado) Banana

alteração da distribuição das chuvas e em um aumento de temperatura, especialmente na época seca. Estas mudanças podem, por sua

Ano

76

77

76

77

74 o 0´0´´W 73 o 0´0´´W 72 o 0´0´´W 71 o 0´0´´W 70 o 0´0´´W
74 o 0´0´´W
73 o 0´0´´W
72 o 0´0´´W
71 o 0´0´´W
70 o 0´0´´W
69 o 0´0´´W
68 o 0´0´´W
67 o 0´0´´W
mapa de desmatemento
1:3.300.000
Km
0
25
50
100
150
200
Áreas Desmatadas
o 0´0´´S
11 o
100´0´´S
9 o 0´0´´S
8 o 0´0´´S
7 o 0´0´´S

78

78

desmatados, o que representava 4,05% da área do Estado. Assim, nos últimos 21 anos, entre 1989 e 2009, houve uma perda total de florestas primárias na ordem de 14.031 Km², representando 8,54% do território acreano, indicando uma taxa média anual de 0,41%.

Analisando-se a distribuição dos dados por ano, constata-se que houve uma redução das taxas de desmatamento nos últimos 4 anos. A taxa media anual de desmatamento é de 558,5Km²/ano (0,34%), sendo que o ano de 2009 apresentou a menor taxa dos últimos 14 anos, 488 km² (0,30%), além de representar a 3ª menor área desmatada entre o período analisado que corresponde a 22 anos.

Os anos de 1996 (1.069 Km²) e 2005 (917 Km²) tiveram os maiores índices de desmatamento, que estão relacionados a intensos e prolongados períodos de seca, que propiciaram grande número de queimadas.

Os municípios que apresentam os maiores índices de desmatamento são Capixaba (51,1%), Acrelândia (58,8%), Senador Guiomard (71,5%) e Plácido de Castro (72,2%), todos com percentuais de desmatamento acima de 50% de sua área. Já os municípios com as menores áreas desmatadas são Santa Rosa do Purus (1,1%), Manuel urbano (2,3%) e Jordão (2,7%), todos com menos de 3% da sua floresta alterada.

A dinâmica do desmatamento está associada à densidade de pessoas e à concentração de estradas. A maior concentração do desmatamento no Acre está nas regionais de desenvolvimento do Alto e Baixo Acre, onde fica a capital Rio Branco e é o ponto de partida para o interior do

79

79

% DE DESmATAmENTO

Marechal Thaumaturgo

Santa Rosa do Purus

Senador Guiomard

Plácido de Castro

Rodrigues Alves

Sena Madureira

Manoel Urbano

Cruzeiro do Sul

Epitacionlândia

Mâncio Lima

Porto Walter

Assis Brasil

Rio Branco

Acrelândia

Porto Acre

Capixaba

Brasiléia

Taraucá

Jordão

Xapuri

Bujari

Feijó

TAXA dE dEsmATAmEnTO pOR muníCipiO E VARiAÇAO pERCEnTuAL:

pERiOdO dE 1988 a 2009

1,06

2,29

2,73

3,09

3,12

4,37

4,77

6,25

6,31

6,73

9,87

13,35

26,83

30,92

32,37

41,48

49,31

49,47

51,1

58,81

71,49

72,16

estado. O histórico da ocupação do território amazônico indica que a abertura de redes de acesso viário exerce pressão de desmatamento. Esta tendência pode ser observada ao longo das principais vias de acesso ( BR-364 e BR-317) que cortam o território acreano.

No Acre as maiores áreas desmatadas encontram-se nas regionais do Alto Acre e Baixo Acre. Nessa região, verifica-se que os desmatamentos guardam as marcas dos grandes empreendimentos realizados pelas fazendas agropecuárias nos anos 80.

Dados do ZEE 2006 indicam que a Regional do Baixo Acre contribui com mais de 40% do desmatamento no Estado do Acre, principalmente em função do acesso privilegiado de transportes por rodovias federais, estaduais e estradas vicinais, da concentração de projetos de assentamento e de solos com topografia suavizada, além de outras características favoráveis à implantação de atividades agropecuárias.

A Regional do Alto Acre contribui em torno de 20% da área total

desmatada, em função de sua ligação rodoviária integral (Rio Branco

- Assis Brasil) ter sido concluída desde 2002. A tendência é que

haja uma maior pressão sobre as florestas que margeiam a BR-317.

Entretanto, as unidades de conservação e áreas indígenas protegem

a expansão do desmatamento nessa região.

Aregional doJuruá, apesar donúmeroconsiderável demunicípios, contribui com 6% da área total desmatada. O isolamento garante a cobertura florestal.

A regional do Tarauacá-Envira contribui com mais de 6% da área

total desmatada. A transformação da floresta nos municípios de Feijó e Tarauacá vem crescendo, podendo ser considerada um novo pólo de desmatamento, mesmo com seu isolamento. Constitui-se numa área prioritária para a implantação de unidades de conservação e manejo florestal sustentável. Por isso, foi criado o Complexo de Florestas Estaduais do Rio Gregório, Mogno e Liberdade, anterior ao asfaltamento da BR-364.

A regional que tem a menor área florestal convertida a outros usos da terra é a do Purus, em torno de 3%. Essa região consegue manter uma pequena área convertida, principalmente em função de condições de solos desfavoráveis, grande número de áreas protegidas e pelo fato da ligação rodoviária entre Sena Madureira e Manuel Urbano não ter sido pavimentada.

Ao longo dos últimos doze anos o governo tem pautado suas ações na busca da sustentabilidade social, econômica, ambiental e política. Um conjunto de políticas públicas, adequadas e integradas, estão sendo implementadas dentro dos princípios de equidade e sustentabilidade, respeitando as tendências vocacionais da região, para alcançar índices satisfatórios de desenvolvimento social e econômico, garantindo o equilíbrio ambiental.

A elaboração e implantação do Zoneamento Ecológico- Econômico – ZEE Fase I, em 2000, e Fase II em 2006, o incentivo ao manejo florestal de uso múltiplo, o programa de valorização do Ativo Florestal, dentre outros, foram instrumentos importantes na redução dos desmatamentos e valorização das nossas florestas.

80

81

80

81

TAXA dE pAssiVO fLOREsTAL

O Código Florestal estabeleceu em maio de 2000, que toda propriedade rural da Amazônia Legal, deveria manter um percentual de 80% de floresta, na forma de Reserva Legal. Anteriormente a essa data, o percentual de Reserva Legal era de 50%, o que levou muitos proprietários a ficarem em situação irregular, ou seja, passaram a ter um passivo florestal.

Reserva legal é a parte da propriedade rural com floresta, de forma a permitir a
Reserva legal é a parte da propriedade rural com floresta, de forma
a permitir a manutenção dos serviços ambientais tais como regulação
do clima, conservação da biodiversidade, abrigo da fauna e flora nativas
e regeneração do solo.

Após a mudança do percentual da Reserva Legal de 50% para 80%, a legislação somente permitia a redução da Reserva Legal em 50% para fins de recomposição, caso indicado pelo ZEE. Portanto, tornou- se estratégico a elaboração do ZEE na expectativa de resolução dos conflitos relacionados aos passivos florestais.

Até o ano de 2007, o Acre possuía aproximadamente 88% do território coberto de floresta. Entretanto, essa floresta não está distribuída igualmente em todo o território.

As regionais do Baixo e Alto Acre, contemplam as áreas as mais críticas em termos de passivos florestais, enquanto que as regionais do Purus, Tarauacá-Envira e Juruá apresentam ativos florestais.

82

A compensação de Reserva Legal pode ser um importante instrumento para regularização dos passivos florestais em propriedades rurais, pois, além de resolver passivos florestais pontuais existentes na região, ajudará na conservação de ativos florestais que, por lei, podem ser desmatados a qualquer momento.

Com a aprovação da Lei do ZEE-AC, foram criados os seguintes programas no Estado:

1- Programa de Recuperação de Áreas Alteradas e Programa

de Florestas Plantadas, e

2- Programa de Regularização do Passivo Ambiental Florestal

e Programa Estadual de Certificação de Unidades Produtivas

Familiares do Estado do Acre.

Esses Programas fazem parte da Política de Valorização do Ativo Florestal e sua aplicação tem como prioridade a Zona 1 do ZEE-AC, onde estão localizados os passivos florestais.

A regularização dos imóveis rurais com base no ZEE-AC poderá ser realizada por meio de uma das seguintes modalidades:

I - recomposição por meio de plantio ou de condução da regeneração natural, dentro de cronograma que respeite os prazos e critérios estabelecidos no Código Florestal e nesta norma;

II - compensação da Reserva Legal por meio de servidão florestal

ou de aquisição de floresta ou demais formas de vegetação nativa existentes em outro imóvel e que sejam excedentes à sua reserva legal, na forma estabelecida no Capítulo III do Decreto que cria e normatiza o programa de regularização dos passivos florestais de imóveis rurais no Estado do Acre.

III - desoneração das obrigações previstas nos itens anteriores, adotando as seguintes medidas, isoladas ou conjuntamente:

a) doação, em favor do Poder Público, de propriedade particular existente em Unidade de Conservação de domínio público cuja área de floresta ou outra forma de vegetação nativa exista em extensão equivalente ao passivo de Reserva Legal, de acordo com o § 6º do artigo 44 da Lei nº 4.771 de 1965, com as alterações introduzidas pelo art. 49 da Lei nº 11.428, de 22 de dezembro de 2006;

b) depósito, em conta específica do Fundo Estadual de

Florestas,previsto na Lei Estadual nº 1.426/2001,de valor correspondente à área de mesma importância ecológica

e extensão, destinando-se estes recursos exclusivamente

à regularização fundiária de Unidade de Conservação.

83

82 83
82
83

84

84

Conhecendo melhor a população

SUA DISTRIBUIÇÃO NO TERRITÓRIO E AS CONDIÇÕES DE VIDA.

A população do Acre deve ser compreendida no contexto histórico do processo de ocupação do
A população do Acre deve ser compreendida no contexto histórico
do processo de ocupação do espaço. Isso significa observarmos com
atenção as migrações, a movimentação dos acreanos dentro do estado
e a diferença entre nascimentos e óbitos. Além disso, as condições de
vida, a partir dos dados de educação, saúde, saneamento nos revelam
um retrato da sociedade e indicam as tendências de inclusão social,
qualidade de vida e necessidades básicas da população.

A pOpuLAÇÃO dO ACRE

A migração no Acre teve como período marcante a expansão da economia da borracha, que atraiu grande quantidade de trabalhadores para a região, a partir do século XIX, até a Segunda Guerra Mundial.

O outro período marcante foi a partir de 1970, com a política de integração da Amazônia. O crescimento populacional do Acre voltou a crescer e, em 1980, atingiu 301.276 habitantes, ressaltando que, nesse período, a taxa de fecundidade era de 9,5 filhos por mulher, a maior taxa de todos os estados brasileiros.

Os núcleos urbanos, nos tempos áureos da borracha, eram vilas mercantis e não havia uma forte organização político-administrativa local. Mais tarde, com as mudanças políticas e históricas ocorridas na Amazônia, a população do Acre foi se estabelecendo nos centros urbanos, verificando-se um crescimento da população urbana, apesar de ser um dos estados brasileiros de menor grau de urbanização em relação ao Brasil.

Crescimento da População do Estado do Acre, total, urbana e rural, no período de 1970 a 2007.

Ano

População

População Urbana

População

 

Total

Rural

   

Absoluto

(%)

Absoluto

(%)

1970

215.299

59.439

65

168.322

35

1980

301.276

131.930

66

186.659

34

1991

417.718

258.520

69

190.101

31

1996

483.593

315.404

65

168.322

35

2000

557.526

370.267

66

187.259

34

2007

655.385

464.680

71

190.705

29

Fonte: IBGE, Censo Demográfico e Contagem Populacional para os anos 1996 e 2007. SEPLANDS/ACRE, (1991/1996).

85

85

A partir de 1980, houve um acelerado crescimento populacional do Acre, com grande concentração populacional nas cidades. Esse movimento foi marcado pelo dinamismo dos setores terciário (comércio e serviços) e industrial, em relação ao setor primário (atividades agrícolas e extrativas). É importante ressaltar, também, o impacto gerado com o asfaltamento da Rodovia BR-364.

A população urbana do Acre, em 2007, representa 71% do total da população do Acre, com grande concentração na capital do Estado, Rio Branco. A população rural (29%) está assim distribuída:

assentados rurais (48%), médios e grandes produtores rurais (20%), extrativistas (16%), ribeirinhos (10%) e indígenas (6%).

Atualmente, com relação à distribuição da população nas Regionais de Desenvolvimento, existe uma concentração da população na Regional do Baixo Acre, abrangendo 56% da população total do estado. A Regional do Juruá, onde se localiza Cruzeiro do Sul, 2º município em termos populacionais detém 18% da população total do estado. A Regional Tarauacá-Envira participa com 11%, a Regional Alto Acre com 8% e a Regional do Purus com 7%.

Regional/ município

PopulaçãoUrbana

População Rural

TOTAL

BAIXO ACRE

303.150

63.835

366.985

Acrelândia

5.470

6.050

11.520

Bujari

3.034

3.509

6.543

Capixaba

3.154

5.292

8.446

Placido de Castro

8.866

8.392

17.258

Porto Acre

1.841

11.875

13.716

Rio Branco

269.505

21.134

290.639

Sen. Guiomard

11.280

7.583

18.863

ALTO ACRE

31.792

20.372

52.164

Assis Brasil

2.956

2.395

5.351

Brasileia

12.243

6.822

19.065

Epitaciolândia

9.227

4.207

13.434

Xapuri

7.366

6.948

14.314

PURUS

26.934

18.392

45.326

Manoel Urbano

4.153

2.995

7.148

Sta. Rosa do Purus

1.425

2.523

3.948

Sena Madureira

21.356

12.874

34.230

TARAUACÁ/ENVIRA

34.069

35.449

69.518

Feijó

15.726

15.562

31.288

Jordão

1.735

4.324

6.059

Tarauacá

16.608

15.563

32.171

JURUÁ

68.735

52.657

121.392

Cruzeiro do Sul

50.950

22.998

73.948

Mâncio Lima

8.164

5.621

13.785

M. Thaumaturgo

3.238

9.823

13.061

Porto Walter

2.709

5.461

8.170

Rodrigues Alves

3.674

8.754

12.428

VALE DO ACRE

361.876

102.599

464.475

VALE DO JURUÁ

102.804

88.106

190.910

TOTAL

464.680

190.705

655.385

86

86

Fonte: IBGE, Censo Demográfico e Contagem Populacional para os anos 1996 e 2007. SEPLANDS/ACRE, (1991/1996).

Fonte: IBGE, Censo Demográfico e Contagem Populacional para os anos 1996 e 2007. SEPLANDS/ACRE, (1991/1996).

87

87

Novos modelos de planejamento do espaço dependem do nível de informação da população e estão ligados à dinâmica de ocupação do território, o movimento da população e a intensidade do processo de urbanização.

EduCAÇÃO, sAúdE E sAnEAmEnTO

Os principais problemas sociais ocorreram com a atração da população rural para os centros urbanos, pela possibilidade de trabalho e de acesso aos benefícios ofertados pelos serviços públicos, saúde e educação, incidindo negativamente nas condições de vida

88

88

dessas populações. Hoje, busca-se melhorar o desempenho desses

serviços, tanto na área rural como urbana, de forma a melhorar

a qualidade de vida do povo acreano, utilizando indicadores previamente definidos e buscando bons resultados.

A Educação, fundamen-tal para o desenvolvimento da cidadania

plena, apresen-tava quadro uma situação crítica até 2000. O estado melhorou a infra-estrutura física das escolas e a formação dos professores da rede de ensino. Também, buscou-se a redução da taxa de analfabetismo, dos índices de abandono e reprovação, além

da distorção idade-série nos primeiros anos do ensino fundamental.

Da mesma forma que na Educação, os investimentos públicos na Saúde, tornavam o atendimento à população precário. Nas últimas décadas, o Acre vem alcançando importantes avanços em relação à saúde da população como a redução da taxa de mortalidade infantil, a melhoria do acesso aos serviços de média e alta complexidade e a implantação de serviços que vêm atender as necessidades da população.

A rede de saúde estadual, atualmente, oferta serviços de atenção básica, média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar, na maioria dos municípios.

Inovou com a implantação do Programa Saúde Itinerante, garantindo aos municípios com insuficiência de

oferta da média complexidade e na atenção básica, o atendimento em diversas especialidades. Além disso, reforçou o investimento no controle e combate à malária, dengue, doenças diarréicas, principais problemas de saúde pública da atualidade.

Com relação aos serviços de saúde de média e alta complexidade, firmou parcerias garantindo o atendimento de um grande percentual de pacientes do Programa de Tratamento fora do Domicílio (PTFD).

Nos últimos anos, o estado aumentou o número de profissionais de saúde, aprovou o Plano de Cargos, Carreiras e Salários e priorizou a realização do Concurso Público.

O Sistema de Abastecimento de água para consumo humano no

Estado, até 2000, apresentava um quadro abaixo da média nacional. Apenas 34% da população tinham acesso à rede geral de água.

A Cobertura da rede de esgoto e fossa séptica apresentava, em

2000, um percentual de cobertura de 29%, muito abaixo da média brasileira (59%) e da Região Norte (33%).

O acesso ao Serviço de coleta de lixo, até 2000, era de 52%, também inferior à média nacional, de 76%.

Com os investimentos realizados nos municípios, sob a responsabilidade do Estado, houve uma mudança dessa realidade. A partir de 2008, 69% dos domicílios passaram a ter acesso à água, 89,5% possuem esgotamento sanitário adequado e 71,6% têm coleta de lixo.

O IDH do Acre, hoje, se aproxima da média da Região Norte, mas existe disparidade entre os municípios. O IDH mais alto está na capital de Rio Branco e os mais baixos estão nos municípios mais isolados: Jordão, Santa Rosa do Purus, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter, Manuel Urbano e Assis Brasil.

O Governo do Acre vem questionando os parâmetros utilizados para o cálculo deste índice, uma vez que ele não distingue satisfatoriamente as populações urbanas das florestais, cujas características são muito diferenciadas.

O Índice de Desenvolvimento Humano - IDH, que mede a qualidade de vida da população,
O Índice de Desenvolvimento Humano - IDH, que mede a qualidade
de vida da população, é composto pela média de três indicadores:
renda, expectativa de vida da população e educação.

89

89

Como se organiza a economia acreana

Uma economia bem desenvolvida de um município, estado ou país, está baseada em três setores produtivos: primário, secundário e terciário que devem possuir um relativo equilíbrio entre eles, sendo que os setores considerados geradores de riqueza são o primário e o secundário.

prOdutO internO brutO

A análise da economia é feita com o estudo do Produto Interno Bruto (PIB) do estado. O PIB é um indicador que mede a expressão monetária dos bens e serviços finais produzidos em um dado período de tempo, dentro dos limites territoriais de um país, estado ou município.

O PIB do Estado vem apresentando uma tendência crescente nos

últimos anos. ATaxa de crescimento do PIB acumulada, em 2007, garantiu

a sétima colocação no Brasil, registrando um crescimento de 6,5%.

O setor privado, graças à construção civil e a indústria da transformação, passou a ser o setor de maior contribuição para o

crescimento do PIB do estado. A participação do Setor Industrial na economia vêm crescendo, o que demonstra que o estado está mudando sua base produtiva, deixando de produzir matéria-prima

e agregando valor aos produtos.

Em relação aos PIB dos municípios, Rio Branco, a capital do Acre,

Taxa de crescimento real acumulada (2002-2007) do PIB do Brasil, Região Norte e Unidades da federação.

concentra a maior parte das atividades econômicas, e o setor de atividade mais importante é o de serviços com 46,4%. Destacamos, também, o Município de Cruzeiro do Sul, a segunda cidade mais importante, que tem como principal atividade setor de serviços; Senador Guiomard, que concentra forte atividade econômica no setor de Agroindústria e, o município de Sena Madureira, por ser um dos maiores beneficiadores de borracha do estado, bem como produtor de grãos.

90

91

90

91

   

ProDuTo INTErNo BruTo muNIcIPAl

 

Municípios

 

Participação (%) no PIB do Estado

 

2003

2004

2005

2006

2007

1

Acre

100

100

100

100

100

Acrelândia

2,1

2,5