lLDLRA(AO POR1UGULSA DL CORlLBOL

Comissao 1écnica
Acçao de lormaçao para
1reinadores de Iniciaçao

ACÇÂO DL IORMAÇÂO PARA 1RLI NADORLS DL I NI CI AÇÂO
Regras do Jogo e Lançamentos
lederaçao Portuguesa de Coríebol
Comissao 1écnica


































Índice

¡ntroduçáo 3

8er treinador de Corfebol 4
As regras basicas 5
Gestos Técnicos 6
Passe de ombro 6
Lançamento de Fora 6
Lançamento na passada 8
Lançamento de Penalidade 9
Exercicios analiticos 10
Propostas de trabalho 17



3
¡ntroduçáo

acçao dos treinadores de equipas de iniciaçao é íundamental na íormaçao de jo·ens
praticantes e na melhoria do seu ní·el competiti·o. Apostando na melhoria das
capacidades destes treinadores, deíinimos um conjunto de competências que
julgamos essenciais para o desen·ol·imento do trabalho diario de cada treinador..

Lsta é a primeira de uma série de Acçoes de lormaçao que objecti·am o desen·ol·imento das
capacidades deste grupo de treinadores. Nesta acçao serao al·o de atençao as seguintes
competências:
1. Saber ser e estar enquanto treinador de Coríebol e conhecer as
regras do jogo
2. Conhecer o lançamento de íora, o lançamento de penalidade e
o lançamento na passada
3. Saber ensinar os gestos técnicos reíeridos no ponto 3.

Serao abordados conteúdos reíerentes ao saber ser e estar do treinador de Coríebol,
íundamentais para que este seja sempre um exemplo a seguir e contribuía, com a sua íorma de
estar e agir, para a íormaçao harmoniosa dos jogadores que orienta. Depois de abordados
estes aspectos mais gerais, mas nao menos importantes passaremos aos conteúdos reíerentes
aos gestos técnicos. Neste acçao sera abordada a técnica indi·idual dos três lançamentos
assinalados. Pretendemos apresentar as componentes criticas dos gestos apresentados, tal com
os erros mais comuns e algumas estratégias de correcçao.
Acreditamos que ao participarem nesta acçao, os treinadores de iniciaçao e interessados, terao
os instrumentos que lhes permitirao ensinar as regras basicas do jogo e os gestos técnicos
reíeridos.


A


4
8er Treinador de Corfebol
Sabendo que nem todos os treinadores têm íormaçao inicial em Lducaçao lísica parece-nos
íundamental destacarmos a importancia de serem sempre consideradas, no treino de jo·ens,
as seguintes recomendaçoes:
a, O treino de·e ter sempre uma componente lúdica e as acti·idades propostas
de·em permitir que os jogadores consigam realiza-las com sucesso. Desta
íorma os jogadores ·ao aprender a jogar Coríebol di·ertindo-se e sentirao
moti·açao para continuar a sua aprendizagem.
b, O esíorço e o empenho de·em ser constantemente
·alorizados. Os jogadores de·em sentir que o treinador reconhece o seu
esíorço, mesmo quando a acti·idade nao é executada com sucesso. O
resultado nao de·e ser sobre·alorizado.
c, O treinador de·e transmitir coníiança nos jogadores. As reacçoes as prestaçoes
dos jogadores de·em ser baseadas nas suas acçoes e nao nos jogadores. Procurem
transmitir iníormaçoes positi·as, contribuindo assim para aumentar a coníiança do
jogador nas suas capacidades e para a criaçao de um ambiente de treino agrada·el.
d, Lm todos os exercícios de·e ser exigido aos jogadores que executem
correctamente o passe, que nao andem com a bola na mao e que
procurem ganhar o ressalto da bola, após lançamento, nao a deixando cair no
chao.
e, As regras basicas do jogo de·em ser sempre aplicadas nos exercícios e
jogos. Poderao ser íeitas algumas excepçoes quando existirem
condicionantes relati·as ao género dos jogadores.
í, A demonstraçao da correcta íorma de execuçao dos gestos é
íundamental na aprendizagem. O treinador de·e demonstrar o gesto, ou caso nao o execute
com períeiçao de·e mostrar uma imagem do mesmo ou pedir a um jogador que demonstre.

Reíorçamos a importancia das acti·idades lúdicas na aprendizagem, assim como a obtençao
de sucesso. Numa íase inicial aconselhamos a criaçao de sistemas de pontuaçao que
permitam a obtençao de sucesso, como por exemplo a conquista de pontos quando a bola
toca no cesto. A ·alorizaçao do esíorço é também íundamental, assim como a criaçao de um
ambiente de treino positi·o. O que nao signiíica que nao seja importante exigir rigor na
execuçao dos exercícios. Aconselhamos os treinadores a, desde cedo, habituarem os
jogadores a executarem passes com correcçao, em todas as situaçoes do treino, ganharem o
ressalto sem deixar a bola cair no chao e nao iníringirem a regras dos passos.



5
As regras basicas
O ensino das regras de jogo é íundamental para a manutençao das características tao
especiíicas da modalidade. Consideramos que é essencial ensinar desde cedo as seguintes
regras basicas:
Nao é permitido tirar a bola da mao
Nao é permitido progredir com bola
Nao é permitido deíender um jogador do sexo oposto
Nao é permitido contacto íísico
Nao é permitido lançar de uma posiçao deíendida, quando o deíesa cumpre os
seguintes critérios:
- Lsta entre o atacante e o poste
- Lsta ·irado e a olhar para o atacante
- Lsta com o braço le·antado
- 1enta bloquear a bola
Lm todos os exercícios propostos de·em ser cumpridas as regras basicas reíeridas. De·era
ser dada especial atençao a regras da progressao com bola, contribuindo assim para o correcto
desen·ol·imento técnico dos jogadores. Ao iniciar a pratica da modalidade o jo·em jogador
de Coríebol de·e começar a perceber as suas especiíicidades tao bem traduzidas na regra da
deíesa a jogadores do mesmo sexo, da protecçao de posse de bola e do lançamento
deíendido.
No caso de serem propostos exercícios em que nao é exigido o cumprimento de alguma
destas regras, para íacilitar a aprendizagem ou de·ido as condicionantes dos participantes,
de·e ser explicado aos jogadores que excepcionalmente se permite a ·iolaçao as regras,
explicando também a razao desta permissi·idade.
Sugerimos que desde cedo seja explicado aos jogadores que o arbitro ao ter que decidir em
íracçoes de segundo esta sujeito a errar. Que os jogadores nao se de·em concentrar nas
decisoes do arbitro, mas sim nas suas próprias execuçoes, pois só essas é que conseguem
melhor. A nossa sugestao ·ai no sentido se incenti·ar a aceitaçao das decisoes dos erros,
e·itando contestaçoes.


6
Gestos técnicos
Para treinar uma equipa de iniciaçao consideramos ser essencial o conhecimento dos gestos
técnicos, ou seja das suas componentes criticas e erros mais comuns. L também necessario
saber ensinar esses gestos. Para tal propomos algumas estratégias de correcçao dos erros mais
comuns e por íim uma série de exercícios analíticos e propostas de trabalho, que poderao ser
úteis aos treinadores com pouca experiência de treino.
O desen·ol·imento da técnica indi·idual dos no·os praticantes ·ai permitir-lhes serem mais
oíensi·os por possuírem um leque de recursos técnicos que poderao utilizar em situaçao de
jogo.
asse de ombro é um dos gestos técnicos íundamentais no jogo de Coríebol. Nao
sendo permitida a progressao com bola, a única íorma de criar oportunidades de
íinalizaçao é recorrendo ao passe e a desmarcaçao. A desmarcaçao sera abordada na
próxima acçao de íormaçao, quando íorem apresentados os princípios do jogo.
Regressando ao passe de ombro. Numa íase iniciar, principalmente com jo·ens entre os 10 e
os 13 anos, é íundamental treinar o passe de ombro. Como o passe esta presente na grande
maioria das situaçoes de aprendizagem, consideramos que de·era ser sempre al·o de atençao,
atra·és da exigência constante da correcta execuçao do mesmo. Na parte pratica serao
apresentadas alguma estratégias de ensino do passe de ombro.
ançamento de Iora. Lste tipo de lançamento, parado, é aquele que de·e ser ensinado
em primeiro lugar. Por ser um gesto habitual nas crianças, a sua aprendizagem nao é
diíícil. No entanto ocorrem com alguma írequência alguns erro tipo. Apresentaremos,
depois de enunciadas as componentes criticas do gesto, alguns desses erros e as estratégias de
correcçao que aconselhamos.
Componentes críticas do Lançamento de lora Parado
1. Lnquadramento com o cesto
2. Posiçao equilibrada
3. Pega da bola com as duas maos a altura do peito, com os coto·elos ligeiramente
aíastados do tronco, apontando para o solo
4. Bola agarrada na parte posterior e iníerior, com os dedos bem abertos, nao
tocando com a palma das maos na bola
5. Lxtensao completa dos braços e das pernas
6. 1erminar o lançamento com os braços mais para cima do que para a írente, com
os polegares ·irados para baixo
Apresentamos de seguida os erros mais comuns e algumas estratégias que propomos para a
sua correcçao:
P
L

7
Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Posiçao inicial desenquadrada Usar uma linha no campo para ajudar o
enquadramento e diz que de·e colocar os
pés paralelos e a largura dos ombros
2. Lspetar o rabo Dizer que o mo·imento de·e ser
contínuo e para cima
3. Coice` para tras Colocar a mao atras das pernas do
lançador e dizer para usar a ílexao e
extensao das pernas
4. Saltar para a írente Usar uma linha do campo, um pino ou
um banco sueco e dizer que o
mo·imento de·e ser para cima
5. Nao usar as pernas no
lançamento
Aumentar a distancia do lançamento e
dizer que o mo·imento inicia-se nos pés
6. Pega lateral da bola ,coto·elos
para íora,



Pegar a bola do chao` e lançar de
seguida - Para os jogadores mais no·os.
Lançar após passe para o peito - Para os
jogadores mais ·elhos.
Mostrar a pega correcta
¯. Baixar a bola após recepçao O treinador pode colocar uma mao por
baixo da bola e dizer para nao baixar
abaixo do peito
8. Lançar íazendo mais íorça com
uma mao
Dizer para usar as duas maos
9. Cruzar os braços no íinal do
lançamento
Dizer para lançar para a írente e para
cima e que os polegares de·em acabar
·irados para o chao

ançamento na passada. Lste gesto é de apreensao mais diíícil por nao se tratar de
um mo·imento natural das crianças e jo·ens. Para íacilitar a sua aprendizagem
sugerimos que inicialmente seja trabalho de íorma íaseada. O lançamento de
penalidade é um bom exercício de aprendizagem do lançamento na passada. Ao executarem o
lançamento de penalidade os jogadores trabalham o mo·imento de ele·açao do joelho, o
mo·imento de ele·açao dos braços e lançamento da bola. O treino deste gesto de·e ser
iniciado quando se ·eriíicar que os jogadores ja procuram o corte para o cesto para criar
desequilíbrios.
L

8
Componentes críticas do Lançamento na Passada
1. Corrida enquadrada na direcçao do cesto
2. Pega da bola lateral e simétrica
3. Lle·açao ·ertical com puxada do joelho da perna li·re e ele·açao de braços
4. Bola largada no ponto mais alto, com braços em extensao
Apresentamos de seguida os erros mais comuns e algumas estratégias que propomos para a
sua correcçao:
Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Nao correr enquadrado com o
poste
Corrida para o poste entre duas íilas
paralelas de pinos
Dizer que de·em correr em linha recta
em direcçao ao poste
2. Corrida com tra·agem lazer o seguinte exercício: Recepçao e
passe em corrida para o treinador,
enquadrados com o poste
Dizer que nao de·em tra·ar o
mo·imento, explicando que em situaçao
de jogo têm um ad·ersario a tentar
recuperar
3. Pega da bola Lançar a bola ao ar e agarrar por baixo
Deixar a bola cair pelos braços até as
maos, que nao podem estar unidas
Dizer e demonstrar que a pega de·e ser
por baixo e lateral
4. Nao ele·a o joelho , Nao salta
para cima
lazer o seguinte exercício: corrida com
ele·açao do joelho
Dizer que de·em ele·ar o joelho para
largarem o bola bem la em cima
5. Nao estende os braços , Nao
larga a bola no ponto mais alto
Dizer que de·e estender os braços e
tentar colocar a bola dentro do cesto


9
ançamento de penalidade. Lste gesto corresponde a uma das íases do lançamento
na passado. Assim, como ja reíerimos de·e ser utilizado para o treino do lançamento
na passada.
Componentes críticas do Lançamento de Penalidade
1. Lnquadramento com o cesto com o pé de impulsao ligeiramente a·ançado
2. Pega da bola lateral e simétrica
3. Puxada do joelho da perna li·re e ele·açao de braços
4. Bola largada no ponto mais alto, com braços em extensao
Apresentamos de seguida os erros mais comuns e algumas estratégias que propomos para a
sua correcçao:
Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. lalta de preparaçao e
concentraçao
Dizer Lspera, imagina a bola a entrar e
lança`
2. Pega da bola Lançar a bola ao ar e agarrar por baixo
Deixar a bola cair pelos braços até as
maos, que nao podem estar unidas
Dizer e demonstrar que a pega de·e ser
por baixo e lateral
3. A·ançar o pé de apoio Colocar o pé do proíessor a tra·ar o
a·anço
Dizer que nao pode pisar a linha
4. Nao ele·a o joelho , Nao salta
para cima
lazer o seguinte exercício: ele·açao do
joelho
Dizer que de·em ele·ar o joelho para
largarem o bola bem la em cima
5. Nao estende os braços , Nao
larga a bola no ponto mais alto
Dizer que de·e estender os braços e
tentar colocar a bola dentro do cesto

O treino destes gestos e a sua correcta apreensao permitira aos jogadores a aprendizagem de
outros gestos, mais complexos, e a sua eíicaz aplicaçao em situaçao de jogo. Relembramos
que os treinadores ·erem ser exigir sempre a correcta execuçao dos gestos abordados.
L

10
Exercicios analiticos

Lançamento de Iora Parado
Apresentamos uma série de exercícios analíticos para as seguintes condiçoes: 20 jogadores, 2
postes, 4 bolas e meio campo.

Lxercicio J

Duas colunas de lançadores
aíastados do cesto e duas colunas
de ressaltadores , passadores
junto do cesto. Os lançadores
recebem a bola ·inda do cesto e
lançam. Quem lança ·ai ressaltar
, passar. Quem passa ·ai para o
íim da coluna de lançadores. Lsta
organizaçao sera a partir deste
ponto deíinida como
lança,ressalto,assiste.
















Variantes:
Alterar a distancia do lançamento
Aumentar o n.° de bolas

Lstratégias de moti·açao:
Utilizar jogos de pontuaçao intra-grupo e inter-grupo








11
Lxercicio 2
Uma coluna de alunos em írente
ao cesto. Lançam ao cesto,
respeitando a ordem em que se
encontram. Começa um aluno
perto do cesto para ganhar o
ressalto. Situaçao de
lança,ressalto,assiste. Os
jogadores podem escolher a
distancia de lançamento,
correspondendo a diíerentes
pontos.





1 ponto


2 pontos


3 pontos




Variantes:
Alterar a distancia do lançamento
Alterar a pontuaçao
Permitir 2 ou 3 lançamentos seguidos
Permitir que o lançador continue a lançar até íalhar 2 consecuti·os
Aumentar o n.° de bolas

Lstratégias de moti·açao:
Utilizar jogos de pontuaçao intra-grupo e inter-grupo


Lxercicio 3
Jogo do Papao`.
Os dois grupos começam na
diagonal. L ·ao lançando em
situaçao de lança,
ressalto,assiste. Assim que um
jogador do grupo marcar golo, o
grupo passa para o pino da
direita.
Variantes:
Alterar a distancia do lançamento
N.° de golos marcados antes de
mudar para o pino seguinte
Quanto um grupo ultrapassa o
outro, marca ponto.
















12
Lxercicio 4

Jogo do nariz.
O lançador toca com o nariz no
poste, da um passo atras e depois
lança. Se concretizar da um passo
atras, se íalhar troca com o
colega. Quando ·oltar a lançar
·olta a posiçao onde íicou.
Situaçao de lança,ressalto,assiste.
Variantes:
Alterar a pontuaçao
Permitir 2 ou 3 lançamentos por
jogador
lormar mais uma coluna de
alunos


Lxercicio S

Uma coluna junto de cada cesto.
Quem lança ·ai para o íinal da
íila. A 2' bola é lançada pelo
jogador que ganhou ressalto do
1° lançamento. Cada grupo lança
para um cesto.

Variantes:
Alterar a distancia do lançamento
,·ariando a distancia entre os
cestos,
Aumentar o n.° de bolas
Utilizar jogos de pontuaçao
























13
Lxercicio 6
Cestos colocados em diagonais.
lormam-se colunas de
ressaltadores, passadores junto a
cada cesto com bola e duas
colunas a írente de cada cesto. Os
alunos após lançarem ·ao para o
íinal da íila de ressaltadores do
cesto para onde lançaram. Os
alunos lançam, ressaltam e
passam em sequência.
Variantes:
Alterar a distancia do lançamento
Alterar a distancia entre os cestos
Aumentar o n.° de bolas
Utilizar jogos de pontuaçao
















Lxercicio 7
Duas colunas em írente ao poste.
Os jogadores ·ao passando e
correndo para o cesto, quando
chegarem ao pino, o jogador da
coluna da esquerda lança e o
jogador da coluna da direita ·ai
ganhar o ressalto, passando
depois para a íila da esquerda.
Seguem para o íinal da outra íila.
Variantes:
Distancia entre as colunas
Distancia de partida
Distancia do lançamento
Pontuaçao

















Lm todos estes exercícios sugerimos a utilizaçao de dois postes, colocados na diagonal .


14
Lançamento na Passada
Apresentamos uma série de exercícios analíticos para as seguintes condiçoes: 20 jogadores, 2
postes, 4 bolas e meio campo.
O lançamento de penalidade é um excelente exercício para treinar o lançamento na
passada. Sugerimos a sua utilizaçao.


Lxercicio J

Lxercício Indi·idual
Lançar a bola ao ar e agarrar, dar dois apoios e lançar.


Lxercicio 2

Uma coluna de lançadores e
uma coluna de ressaltadores ,
passadores junto do cesto. O
passador esta parado a 3 metros
do cesto. Após correr para o
cesto o lançador tira a bola da
mao do colega e lança na passada.
Situaçao de lança,ressalto,assiste

Variaçoes:
1reinador segura na bola a írente
do poste
Aumentar distancia de corrida
Jogos de pontuaçao
















Lxercicio 3

Uma coluna de lançadores e
uma coluna de ressaltadores ,
passadores junto do cesto. Após
correr para o cesto o lançador
recebe e lança na passada. Segue
depois para o íinal da coluna de
ressaltadores. Quem passou ·ai
para o íim da coluna de
lançadores
Variaçoes:
O treinador íaz o passe
N.° de colunas por poste
Jogos de pontuaçao
















15
Lxercicio 4


Cestos colocados em diagonais.
lormam-se colunas de
ressaltadores, passadores junto a
cada cesto com bola e duas colunas
a írente de cada cesto. Após correr
para o cesto o lançador recebe e
lança na passada. Segue depois para
o íinal da coluna de ressaltadores.
Quem passou segue para o íinal da
coluna de lançadores .
Variantes:
Alterar a distancia entre os cestos
Utilizar jogos de pontuaçao
















Lxercicio S

Uma coluna de lançadores e
uma coluna de passadores
aíastados do cesto. Após correr
para o cesto o lançador recebe e
lança na passada. Depois de
lançar ganhar o ressalto e passa
para a coluna de passadores.
Segue depois para o íinal da
coluna de passadores.
Variantes:
Distancia do passe
Utilizar jogos de pontuaçao

















Lm todos estes exercícios sugerimos a utilizaçao de dois postes, colocados na diagonal .





16
Lançamento de Penalidade
Apresentamos uma série de exercícios analíticos para as seguintes condiçoes: 20 jogadores, 2
postes, 4 bolas e meio campo.

Lxercicio J
Uma coluna de lançadores em
írente ao cesto e uma coluna de
ressaltadores. O alunos marca a
penalidade ,2,5 m do cesto,,
passando depois para o íinal da
coluna de ressaltadores.

Variantes:
Utilizar jogos de pontuaçao
















Lxercicio 2



Duas colunas de lançadores em
írente ao cesto. O primeiro aluno
de cada coluna marca a
penalidade ,2,5 m do cesto,,
passando depois para o íinal da
sua coluna

Variantes:
Utilizar jogos de pontuaçao

















Lm todos estes exercício, tal como nos exercícios anteriores, sugerimos a utilizaçao de
dois postes, colocados na diagonal .

17
Propostas de trabalho
Lançamento de Iora
Quatro estaçoes para 20 jogadores ,4 grupos, , 2 postes e 4 bolas e treino de 1 hora. Cada
estaçao de·era durar 5 minutos. Nos 35 minutos seguintes ,contabilizamos 5 minutos de
introduçao e rotaçao entre as estaçoes,sugerimos íormas jogadas.

Jogo do nariz



Jogo dos J0 passes
2x2 + Joker (jogador que só ataca)

Passe de ombro (mäo hábil)


Lançamento de Iora
Situaçäo lança/ressalto/assiste


Duas estaçoes para 20 jogadores ,4 grupos, , 2 postes e 4 bolas e treino de 1 hora. Cada
estaçao de·era durar 10 minutos. Nos 35 minutos seguintes sugerimos íormas jogadas.


Lxercicio J (Lançamento de Iora)




Lxercicio J (Lançamento de Iora),
introduzindo corrida antes de
chegar ao local de lançamento














18
Quatro estaçoes para 20 jogadores ,4 grupos, , 4 postes e 4 bolas e treino de 1 hora. Cada
estaçao de·era durar 5 minutos. Nos 35 minutos seguintes sugerimos íormas jogadas.


Lançamento de Iora
Situaçäo lança/ressalto/assiste


Lxercicio 7
(Lançamento de Iora)

Jogo do nariz



Lxercicio 3
(Lançamento de Iora )



Lançamento na Passada
Quatro estaçoes para 20 jogadores ,4 grupos, , 2 postes e 4 bolas e treino de 1 hora. Cada
estaçao de·era durar 5 minutos. Nos 35 minutos seguintes ,contabilizamos 5 minutos de
introduçao e rotaçao entre as estaçoes, sugerimos íormas jogadas.

Lançamento de Penalidade
Situaçäo lança/ressalto/assiste



Jogo dos J0 passes
2x2 + Joker (jogador que só ataca)

Passe de ombro (mäo hábil)


Lançamento na Passada
Situaçäo lança/ressalto/assiste






19
Duas estaçoes para 20 jogadores ,4 grupos, , 2 postes e 4 bolas e treino de 1 hora. Cada
estaçao de·era durar 10 minutos. Nos 35 minutos seguintes sugerimos íormas jogadas.


Lxercicio 3
(Lançamento na Passada)




Lxercicio S
(Lançamento na Passada)









1rês estaçoes para 20 jogadores ,3 grupos, , 4 postes e 4 bolas e treino de 1 hora. Cada
estaçao de·era durar ¯ minutos. Nos 35 minutos seguintes ,contabilizamos 4 minutos de
introduçao e rotaçao entre as estaçoes, sugerimos íormas jogadas.

Lançamento na Passada
Situaçäo lança/ressalto/assiste


Lxercicio 4
(Lançamento na passada)

Lançamento de penalidade
Situaçäo lança/ressalto/assiste














20
Proposta com Lançamento de Iora e na Passada


Quatro estaçoes para 20 jogadores ,4 grupos, , 2 postes e 4 bolas e treino de 1 hora. Cada
estaçao de·era durar 5 minutos. Nos 35 minutos seguintes ,contabilizamos 5 minutos de
introduçao e rotaçao entre as estaçoes, sugerimos íormas jogadas.


Lançamento de Iora
Situaçäo lança/ressalto/assiste



Jogo dos J0 passes
2x2 + Joker (jogador que só ataca)

Passe de ombro (mäo hábil)


Lançamento na Passada
Situaçäo lança/ressalto/assiste




Quatro estaçoes para 20 jogadores ,4 grupos, , 4 postes e 4 bolas e treino de 1 hora. Cada
estaçao de·era durar 5 minutos. Nos 35 minutos seguintes ,contabilizamos 5 minutos de
introduçao e rotaçao entre as estaçoes, sugerimos íormas jogadas.


Lançamento de Iora
Situaçäo lança/ressalto/assiste


Jogo do Nariz

Lxercicio S
(Lançamento na passada)


Lançamento na Passada
Situaçäo lança/ressalto/assiste


21

LLGLNDA







Bola

Jogadores

Cesto

Pino

Lançamento

Deslocamento

Passe










lLDLRA(AO POR1UGULSA DL CORlLBOL
Comissao 1écnica
Acçao de lormaçao para
1reinadores de Iniciaçao 2

ACÇÂO DL IORMAÇÂO PARA 1RLI NADORLS DL I NI CI AÇÂO
Principios do Jogo
lederaçao Portuguesa de Coríebol
Comissao 1écnica
















































Índice

¡ntroduçáo 3

¡mportància do ensino dos Principios do
Jogo 5
Principios do Jogo 6
Desmarcaçáo 6
Finalizaçáo 10
Corte 10
Rea]ustamento 11
Ressalto 12
Defesa 12
Posiçáo Basica Defensiva 13
Jogos de Aplicaçáo 15
Formas Jogadas 16
Bibliografia 19











¡ntroduçáo

acçao dos treinadores de equipas de iniciaçao é íundamental na íormaçao de jo·ens
praticantes e na melhoria do seu ní·el competiti·o. Apostando na melhoria das
capacidades destes treinadores, deíinimos um conjunto de competências que
julgamos essenciais para o desen·ol·imento do trabalho diario de cada treinador.

Lsta é a segunda Acçao de lormaçao de uma série de Acçoes que objecti·am o
desen·ol·imento das capacidades deste grupo de treinadores. Nesta acçao serao al·o de
atençao as seguintes competências:
1. Saber ser e estar enquanto treinador de Coríebol e conhecer as
regras do jogo,
2. Conhecer dos Princípios do Jogo: Desmarcaçao
,deslocamentos, enquadramento oíensi·o, exploraçao do
espaço do jogo,, linalizaçao, Corte, Reajustamento e Deíesa
indi·idual,
3. Saber ensinar os pontos 2. e conhecer situaçoes de
aprendizagem.

Os conteúdos reíerentes ao saber ser e estar do treinador de Coríebol, íundamentais para que
este seja sempre um exemplo a seguir e contribua, com a sua íorma de estar e agir, para a
íormaçao harmoniosa dos jogadores que orienta íoram abordados com mais pormenor na
acçao anterior.
No entanto con·ém perceber o quanto importante é para o jo·em aprendiz de Coríebol
aprender segundo os Princípios do Jogo. Abordado este aspecto mais geral, mas nao menos
importante passaremos aos conteúdos reíerentes aos princípios do jogo. Nesta acçao
pretendemos apresentar os princípios do jogo deíinindo cada um, reíerindo o quando e como
de·em ser introduzidos, tal como os erros mais comuns e algumas estratégias de correcçao.
Acreditamos que ao participarem nesta acçao, os treinadores de iniciaçao e interessados, terao
os instrumentos que lhes permitirao ensinar os princípios do jogo.


A


5
¡mportància do ensino dos
Principios do Jogo
Sabendo que nem todos os treinadores têm íormaçao inicial em Lducaçao lísica parece-nos
íundamental destacarmos a importancia de o treino de jo·ens ser eíectuado seguindo os
princípios do jogo.
Lm primeiro lugar é importante que todos os indi·íduos ,treinadores e atletas, dominem o
mesmo tipo de linguagem. De íacto a uniíormizaçao de termos nao sao o garante do sucesso
na comunicaçao mas torna-a mais perceptí·el.
A diíerença entre um jogador íormado segundo os princípios do jogo e outro que aprendeu o
jogo com base em sistemas tacticos relaciona-se com os argumentos técnico,tacticos que o
primeiro tera íace a no·as situaçoes, tornando-se este, um jogador mais oíensi·o e criati·o. O
jogador íormado com base em sistemas tacticos, íace a no·as situaçoes, pudera íica limitado,
desorientado, sem saber qual a melhor atitude a tomar e, por outro lado torna-se num jogador
mais inibido e principalmente menos oíensi·o.
L indispensa·el que tenhamos a consciência de que os nossos jogadores de·em ser oíensi·os.
Ser oíensi·o signiíica uma maior impre·isibilidade das acçoes técnico-tacticas, uma noçao
muito apurada do timing` correcto para as realizar e a excelência das suas acçoes técnicas.
Quando estas capacidades` sao colocadas ao ser·iço duma estrutura colecti·a, a equipa sera
ía·orecida tornando-se mais íorte.
Acreditamos que este de·e ser o caminho a seguir no trabalho de íormaçao de jo·ens das
equipas e em especial na íormaçao dos nossos jo·ens jogadores.
Reíorçamos a importancia das acti·idades lúdicas na aprendizagem, assim como a obtençao
de sucesso. De·em ser adoptadas preíerencialmente estratégias que impliquem a utilizaçao de
íormas jogadas que íacilitem a transmissao de iníormaçao por parte do treinador e aumentem
o tempo de pratica do jogador. Para tal, de·emos utilizar, por exemplo, situaçoes 4X4 em
meio-campo, 3X3 e de monocoríebol`.

6
Principios do Jogo
O ensino do jogo re·este-se de uma grande diíiculdade por ·arias razoes. Primeiro porque é diíícil ensinar
desportos colecti·os, e porque o Coríebol nao tem junto dos nossos praticantes, um quadro de reíerência que
permita íazer transíers` de outras experiências motoras.
Desmarcaçáo
Acçao íundamental no ensino do jogo. O trabalho de desmarcaçao tem como principal
objecti·o pro·ocar desequilíbrios na deíesa, de íorma que se consigam situaçoes de ·antagem
que permitam a íinalizaçao.
A Desmarcaçao de·era ser introduzida a partir do momento em que o passe é íeito com
sucesso em íormas jogadas.
Consideramos que no ensino da Desmarcaçao de·emos ter atençao a quatro aspectos`
íundamentais:
- Os deslocamentos,
- O enquadramento oíensi·o,
- A exploraçao do espaço de jogo,
- A mo·imentaçao com os olhos sempre na bola.
Iremos a partir deste momento, determo-nos em cada um destes aspectos` com mais
detalhe, íazendo reíerência a alguns erros tipo e propondo algumas estratégias de correcçao
que aconselhamos.

eslocamentos. Acçao que o jogador executa com o objecti·o de se mo·imentar da
íorma mais oíensi·a possí·el, dando origem a írequentes mudanças de direcçao e de
·elocidade, de acordo com a sua leitura do jogo ,posiçao da bola, companheiros,
ad·ersarios e cesto,.

Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. 1rajectórias cur·as Dizer que os deslocamentos de·em ser
em linha recta e que ao mudar de
direcçao de·era mudar de ·elocidade.
2. Correr de costas Dizer que nao pode correr de costas.

D

7

LXLRCÍCIOS DL CORRLCÇÂO
Apresentamos agora, dois de exercícios analíticos para a correcçao dos deslocamentos:
Lxercicio J

Material necessario: 1 poste, 1
bola, 2 pinos.
Os jogadores iniciam o exercício
em írente ao poste, estando um
jogador a assistir, junto ao poste,
com bola. Cortam em direcçao ao
poste, mudam de direcçao junto
ao pino e ao chegarem ao 2° pino
recebem a bola e lançam.








Lxercicio 2
Material necessario: 1 bola, 4
pinos.
O deíesa de·e deíender sempre
entre a bola e o atacante. O
atacante ·ai aproximar de quem
tem bola e depois ·ai desmarcar-
se nas costas do deíesa. Após
receber a bola passa a outro
colega e prossegue o exercício.








D
A









8
nquadramento Ofensivo Acçao que o jogador executa mantendo a orientaçao íacial
para o cesto, o que lhe permitira no momento de recepçao da bola saber o que se
passa no jogo e decidir se lança ou passa a bola - Dupla Ameaça.

Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Nao estar orientado para o cesto. Dizer que os deslocamentos de·em ser
sempre com a íace,tronco orientados
para o cesto.
2. Nao receber a bola com intençao
de lançar.
Dizer que sempre que recebe a bola
de·era ·eriíicar a hipótese de lançar. Para
isso, de·era estar orientado para o cesto e
só depois decidir qual a melhor acçao a
tomar.


Lxercicio 3

Material necessario: 1 poste, 1
bola, 2 pinos.
Os jogadores iniciam o exercício
atras do poste, estando um
jogador a assistir, a írente do
poste, com bola ,·er íigura,.
Aproximam do assistente,
recebem a bola, enquadram-se
com o cesto e lançam. O
assistente ·ai ao ressalto.






xplorar o Lspaço de Jogo Acçao que os jogadores executam de modo a
apro·eitarem toda a area de jogo, quer a írontal ao cesto quer a sua retaguarda,
e·itando a aglomeraçao em torno do portador da bola e,ou cesto e procurando o
espaço ·azio.


L
L

9
Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Circular em torno da bola. Dizer para se aíastar da bola.
2. Ir para tras do portador da bola. Dizer para se colocar a írente da linha da
bola para que o colega o ·eja.
3. Pedir a bola íalando. Nao íalar e mostrar-se.


LXLRCÍCIOS DL CORRLCÇÂO
Apresentamos algumas propostas de exercícios:

Lxercicio 4
Monocoríebol


Lxercicio S
Jogo dos 10 passes

Lxercicio 6
Batata quente`

ovimentar-se com os Olhos na Bola Acçao que os jogadores executam
mantendo-se em deslocaçao, tendo a preocupaçao de nao pararem nem se
esconderem atras do deíesa, mo·imentando-se sempre, dando linhas de passe
claras. Lsta mo·imentaçao de·e ser sempre íeita com os olhos na bola quer ela se encontre
em íase de trajectória aérea ou na posse de um companheiro.

Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Circular sem ·er a bola. Dizer para se mo·imentar olhando
sempre a bola.


M

10
Finalizaçáo
Nesta íase inicial do jogo é muito importante incenti·ar a íinalizaçao, sobretudo atra·és do
lançamento de íora parado, transmitindo a noçao de que o atacante com posse da bola, com
espaço ,sem estar deíendido` de acordo com as regras, e com o cesto ao seu alcance de·e
lançar.
De·emos ter a preocupaçao de utilizar um termo cha·e: com espaço lança.

Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Nao lançar quando tem espaço. Incenti·ar o lançamento ,com espaço
lança,.
Parar o jogo e mandar lançar para o
jogador ganhar coníiança.
Utilizar jogos de pontuaçao em íormas
jogadas.


Corte
O Corte é uma das consequências da desmarcaçao e consiste na acçao que o jogador atacante
executa ultrapassando o seu deíesa directo na direcçao do cesto para íinalizar. Assim sendo, é
necessario que esta acçao tactica elementar seja utilizada, dando uma maior objecti·idade aos
deslocamentos dos jogadores para explorarem de íorma mais oíensi·a os erros da deíesa que
nesta íase do jogo sao muitos.
L muito importante que os jogadores saibam quando` e como` eíectuar esta acçao.
Como` cortar:
• em linha recta, na direcçao e até ao cesto, ·endo sempre a bola.
Quando` cortar:
• quando o deíesa oíerece` as costas, espreitando a bola e,ou ·irando as
costas ao atacante,
• quando o deíesa pressiona em excesso o atacante,

11
• quando o deíesa se encontra desenquadrado, deixando li·re o caminho para o
cesto.
Sempre que esta acçao é precedida de passe, caso o atacante em posse da bola se encontre
demasiado pressionado denominamo-la - passe e corte.

Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Nao cortar quando o deíesa ·ira
as costas.
Dizer que o deíesa ·irou as costas.
1ornar a simular a situaçao
2. Nao cortar quando o deíesa esta
muito perto.
Dizer que o deíesa esta muito perto.
Simular a situaçao.
3. Nao cortar quando o deíesa esta
desenquadrado.
Dizer que o deíesa esta desenquadrado.
Simular a situaçao.
4. Nao cortar em linha recta até ao
cesto.
Dizer que nao esta a cortar em linha
recta. Demonstrar como é cortar em
linha recta. Reíerir que é necessario ir até
ao cesto.
5. Cortar sem olhar para a bola Dizer que quando se corta para o cesto é
necessario ·er sempre a bola.
Demonstrar.

Nas situaçoes analíticas de aprendizagem, inicialmente é necessario que o treinador seja o
deíesa e que cometa os erros, por excesso, para que os jogadores se apercebam melhor quais
sao as situaçoes em que de·em cortar para o cesto.
L muito importante em situaçao de jogo, ao percebermos que o jogador poderia ter eíectuado
o corte, parar o jogo e simular a situaçao e reíerir qual teria sido a melhor acçao a tomar e
repetir a situaçao considerada correcta e adequada. Isto para que os nossos jogadores
comecem a ler melhor os erros do deíesa.

Rea]ustamento
O Reajustamento é a acçao resultante do corte em direcçao ao cesto. Quando o jogador
corta` para o cesto, o espaço deixado li·re pela sua acçao de·e ser imediatamente ocupado
por outro jogador. Isto para que o portador da bola tenha sempre duas linhas primeiras linhas
de passe.


12
Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Interromper o corte e ·oltar para
tras.
Dizer para cortar até ao cesto.
2. O jogador nao reajusta em
íunçao do espaço ·azio.
Dizer ao jogador para ir ocupar o espaço
·azio. Simular a situaçao e demonstrar.


LXLRCÍCIO DL CORRLCÇÂO
Lxercicio 7
Jogo com passe e corte ,sempre que passa a bola corta para o cesto,.

Ressalto
O ressalto é uma acçao que tem como objecti·o garantir a posse de bola sempre que existe
um lançamento, dando deste modo continuidade ao ataque.
Neste momento nao estamos preocupados em ensinar a técnica de ressalto, esta de·eras ser
aprendida numa íase posterior. No entanto achamos importante que os jo·ens jogadores
tenham a noçao que após o lançamento todos de·em estar implicados na recuperaçao da bola.

Defesa
Nao consideramos ser este o momento apropriado para abordarmos a Deíesa de uma íorma
detalhada, entendemos que nesta íase do jogo se de·e pri·ilegiar as acçoes atacantes em
detrimento das deíensi·as.
No entanto nao podemos deixar de reíerir que, numa primeira íase o deíesa de·era marcar o
seu ad·ersario, de·endo colocar-se entre ele e o cesto, tentando opor-se ao lançamento.
Numa segunda íase, é importante, neste processo de aprendizagem, que nao descuremos
alguns íundamentos basicos, que permitirao uma íutura deíesa sólida e eíicaz.


13
Posiçáo Defensiva Basica
Lsta posiçao é caracterizada por uma semi-ílexao das pernas, com os pés aíastados a largura
dos ombros, mantendo um deles mais a·ançado em relaçao ao outro, tronco ligeiramente
inclinado a írente e braços acti·os tentando blocar ou interceptar a bola.

eslocamentos Os deslocamentos de·em ser realizados respeitando a posiçao basica
atras reíerida. De·erao ser rasos, deslizando sem cruzar os apoios e,ou andar aos
pulinhos`,`saltinhos`, nao se de·e perder o contacto com o solo, de íorma a
permitir uma reacçao rapida e ajustada aos mo·imentos do atacante.

Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Cruzar os apoios. Lxercícios de deslocamentos.
2. Andar aos pulinhos`,
saltinhos`.
Dizer para nao saltar. Lxercícios de
deslocamento.

LXLRCÍCIO DL CORRLCÇÂO
Lxercicio 8
Lxercícios de deslocamentos cumprindo as componentes críticas atras apresentadas. Pode ser
utilizada uma situaçao de espelho em que os jogadores seguem os momentos do treinador ou
de um colega.

efesa ao Jogador com Bola Assim que a bola se aproxima e entra na posse do
opositor directo, o deíesa de·e encurtar a distancia que o separa dele. A
aproximaçao nao de·e ser brusca, nem saltando para impedir o lançamento.
A manutençao da posiçao basica permite a reacçao rapida a qualquer acçao do atacante.

Lrros mais comuns Lstratégias de correcçao
1. Aproximaçao brusca e
desequilibrada.
Dizer para aproximar utilizando a
posiçao deíensi·a basicas.
2. Saltar. Dizer para nao saltar e utilizar a posiçao
deíensi·a basica.

D
D

14
LXLRCÍCIO DL CORRLCÇÂO
Lxercicio 9
Lm situaçao de Lança - Ressalta - Assiste, o Assistente passa a bola ao lançador e ·ai
deíender ,aproximando-se ao jogador com bola e e·itando os erros acima apontados,.


15
Jogos de aplicaçáo

ogo 1 - Jogo dos 10 passes
Material: 1 bola, coletes de identiíicaçao
Organizaçao: Di·idem-se os jogadores em duas equipas. O objecti·o de cada equipa é
realizar 10 passes entre os seus elementos. A outra equipa de·e tentar interceptar a bola.

ogo 2 - Bola na linha`
Material: 1 bola, coletes de identiíicaçao
Organizaçao: Di·idem-se os jogadores em duas equipas. O objecti·o de cada equipa é
le·ar a bola, atra·és de passes até a linha de íundo do campo do ad·ersario. A outra
equipa de·e tentar interceptar a bola.

ogo 3 - Apanhada com bola
Material: 1 bola
Organizaçao: Um jogador íoge dos colegas que tentam apanha-lo tocando-lhe com a
bola ,e nao atirando,. Para que consigam apanhar o colega de·em ir passando a bola na
direcçao do al·o, deslocando-se em simultaneo.

ogo 4 - Jogos de íinalizaçao com ataque em superioridade numérica
Material: 1 bola, 1 cesto e coletes de diíerenciaçao
Organizaçao: 1rês atacantes contra dois deíesas num cesto. Os atacantes de·em tentar
marcar o maior número de golos durante 2 minutos. Quando ha intercepçao os deíesas
colocam imediatamente a bola no chao. Os atacantes contam o número de golos que
marcam. Passados os 2 minutos os jogadores trocam de íunçoes.
Variantes: Dois atacantes contra 1 deíesa, Quatro atacantes contra 3 deíesas, Os deíesas
podem contar as intercepçoes que realizam e subtrair depois aos golos marcados.



J
J
J
J

16
Formas ]ogadas
1. MonoCoríebol com 2 cestos e 2 equipas

Material: 1 bola
1 cesto
coletes
Organizaçao: Di·idem-se os
jogadores em duas equipas. O
objecti·o de cada equipa é marcar
golo no cesto do ad·ersario. No
MonoCoríebol nao existe
delimitaçao de zonas podendo
assim os jogadores jogar em todo
o campo.
Variantes: Ataque em
superioridade numérica jogando
um jogador que é sempre atacante
,assinalado com um colete,.




















2. MonoCoríebol com 2 cestos e 3 equipas

Material: 1 bola
1 cesto
coletes
Organizaçao: lormam-se 3
equipas. A equipa A começa a
deíender um cesto e a equipa B
começa a deíender o outro cesto.
A equipa C ·ai atacar para o cesto
deíendido pela equipa A. Se
marcar golo continua a atacar,
mas para o cesto deíendido pela
equipa B. Se perder a bola íica a
espera nesse cesto, passando a
deíesa. Lntretanto a equipa A
como recuperou a bola passa a
atacar no cesto deíendido pela
equipa B.
Variantes: lormar equipas de
2,3,4,5 ou 6 jogadores, Variar a
distancia entre os cestos, Variar o
tamanho do campo.















Lquipa A
Lquipa B
Lquipa C

17

3. MonoCoríebol com 3 ou mais cestos

Material: 1 bola
3 cesto ou mais
coletes
Organizaçao: Di·idem-se os
jogadores em duas equipas. O
objecti·o de cada equipa é marcar
golo, podendo realiza-lo em dois
cestos. A equipa 1 pode marcar
nos cestos A e B e a equipa 2 nos
cestos A e C.
Variantes: lormar equipas de
2,3,4,5 ou 6 jogadores, Variar a
distancia entre os cestos, Variar o
tamanho do campo.


















4. Jogos reduzidos em 1 cesto ,2x2, 3x3,

Material: 1 cesto e 1 bola

Organizaçao: lormam-se duas equipas. O objecti·o de cada equipa é marcar golo.
Utiliza-se somente 1 cesto. Quando a deíesa recupera a bola de·e trazê-la até ao meio
campo 8ou outro local indicado pelo treinador,, passando depois a atacar.

Variantes: lormar equipas de 2 ou 3 elementos, Utilizar jogos de pontuaçao, Nao
permitir que a deíesa ganha a bola no ressalto.


5. Jogo 4x4 em ' campo

Material: 1 cesto e 1 bola

Organizaçao: lormam-se equipas de 4 jogadores que jogam em ' campo. Quando a
deíesa recupera a posse de bola, de·e trazê-la até ao meio campo, podendo depois tentar
íinalizar.

Variantes: Utilizar jogos de pontuaçao, Nao permitir que a deíesa ganhe a bola no
ressalto. Cada equipa ataca durante um certo período tempo ,deíinido pelo treinador,.


6. Jogo 8x8

Material: 1 bola e 2 cestos

Organizaçao: lormam-se 2 equipas de 8 elementos. As duas equipas jogam entre si
utilizando o campo inteiro e as zonas de ataque e deíesa.
A
B
A
C
A

18
LLGLNDA







Bola

Jogadores

Cesto

Pino

Lançamento

Deslocamento

Passe









Sign up to vote on this title
UsefulNot useful