Você está na página 1de 10

Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

As problemáticas teóricas da comunicação.

De acordo com John Fiske, a comunicação só pode ser estudada exaustivamente


mediante várias abordagens disciplinares. O seu estudo assenta — segundo o mesmo
autor – em três pressupostos básicos:
1. Toda a comunicação envolve signos e códigos. «Os signos são artefactos ou actos que
se referem a algo que não eles próprios, ou seja, são construções significantes. Os
códigos são os sistemas nos quais os signos se organizam e que determinam a forma
como os signos se podem relacionar uns com os outros».
2. Os signos e os códigos são transmitidos ou tornados acessíveis a outros e transmitir
ou receber signos/códigos/comunicação é a prática das relações sociais.
3. A comunicação é central para a vida da nossa cultura: sem ela, toda e qualquer
cultura morrerá. Consequentemente, o estudo da comunicação implica o estudo da
cultura na qual ela se integra.
Subjacente a estes pressupostos está uma definição geral de comunicação: a
comunicação como «interacção social através de mensagens».

A problemática processual da comunicação.

O instrumental conceptual da problemática processual da comunicação estrutura-


se e organiza-se em torno do conceito de comunicação como processo de transmissão de
mensagens. Desta problemática teórica decorrem muitas teorias e modelos da
comunicação. Estes modelos da comunicação são, por definição, tentativas de explicar
novas leis em termos de leis antigas que já foram testadas e decorrem necessariamente
da problemática processual da comunicação. Um modelo é como um mapa. Representa
as características seleccionadas do seu território: nenhum mapa ou modelo pode ser
exaustivo. Apresentam as características básicas da comunicação em geral e, a partir
daí, procuram alargar o seu domínio de aplicação a níveis mais complexos de
comunicação, em particular à comunicação colectiva e aos mass media. Assim, o
modelo de Gerbner pretende ser universalmente aplicável: pode explicar qualquer
exemplo de comunicação e destaca os elementos-chave que são comuns a todo e
qualquer acto de comunicação. O modelo de Lasswell verbaliza o modelo de Shannon e
Weaver e aplica-o seguidamente aos mass media. Os restantes modelos derivam
basicamente do modelo de Shannon e Weaver e, socorrendo-se de conceitos
cibernéticos e sistémicos, procuram explicar detalhadamente a comunicação de massas.

Modelos de base linear

Modelo de Base Linear de Lasswell

Com este modelo o autor pretendia de forma rápida e prática descrever o acto de
comunicar.
Após uma primeira versão nos anos 30, o modelo final foi proposto em 1948.
Para Lasswell, descrever um acto de comunicação é necessário responder às seguintes
questões:

Quem → Diz o quê → Através de que meio → A quem → Com que efeito

O “quem?” é o emissor, ou seja, a origem, a fonte de toda a comunicação. Lasswell


inclui nesta definição todas as categorias de emissores, desde o simples jornalista que
escreve uma notícia até às agências internacionais de informação ou publicitárias.

-1-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

O “diz o quê?” refere-se à mensagem. Lasswell centra-se principalmente na análise da


informação contida na mensagem em termos estatísticos, isto é, procedendo a uma
classificação sistemática e quantitativa dos dados informativos da mesma.

O “através de que meio?” refere-se ao canal pelo qual a mensagem é transmitida.


Lasswell introduziu a noção de análise dos meios, ou seja, a investigação dele ou dos
melhores meios capazes de transmitir a mensagem aos receptores.

O “a quem?” refere-se ao receptor da mensagem. Para Lasswell a análise dos


receptores deve ser feita de forma quantitativa. Preconiza medir em termos de
quantidade o universo total a quem a mensagem vai chegar.

O “com que efeito?” refere-se ao impacto do público em relação à mensagem.


Demonstrado da seguinte forma: O estímulo contido numa mensagem, transmitida por
uma meio, dirigida a uma população ou segmento de mercado causará um determinado
resultado. Por exemplo, a análise do impacto de uma campanha publicitária numa
determinada região, e qual o volume de vendas do produto publicitado.

Quem? Diz o quê?


(Emissor) → (Mensagem) → Por que canal?
(Meio) → A quem?
(Receptor) → Com que efeito?
(Efeito)

(Fórmula de Lasswell com os elementos correspondente do processo de comunicação, 1948)

Modelo Linear de Shannon e Weaver

Shannon e Weaver, que em 1949 publicaram uma teoria de comunicação


intitulada “Teoria Matemática da Comunicação” que tinha como objectivo medir a
quantidade de informação contida numa mensagem e a capacidade de informação de um
dado canal, quer a comunicação se efectue entre duas máquinas, dois seres humanos ou
entre uma máquina e um ser humano.
A fonte é vista como detentora do poder de decisão, isto é, decide qual a
mensagem a enviar, seleccionando uma de entre um conjunto de mensagens possíveis;
esta mensagem seleccionada é depois transformada pelo transmissor num sinal, que é
enviado ao receptor através do canal.
Com estes autores, aparece um novo termo: o ruído. O ruído é algo que é
acrescentado ao sinal, entre a sua transmissão e a sua recepção e que não é pretendido
pela fonte. Inicialmente situado no quadro técnico do canal (pode ser uma distorção do
som, interferências nas linhas telefónicas, etc.), foi alargado por Weaver ao nível
semântico pelos problemas da interpretação do significado pretendido numa mensagem.
O autor sugere que se adicione ao esquema base deste modelo um codificador e um
descodificador semântico.
Outra inovação deste modelo trata-se da tentativa de medir o conteúdo ou
novidade informática. Essa quantidade mensurável que caracteriza a mensagem está
ligada à sua extensão, ás dimensões no espaço e no tempo, do seu suporte ou do seu
canal de transferência mas sobretudo à imprevisibilidade da sua ocorrência. Esta
medição da informação é útil no desenvolvimento do computador moderno e que dá
uma grande ajuda ao media pois facilita bastante na transmissão de informação.
Desta teoria informacional, surgem ainda dois importantes conceitos: a entropia e
a redundância. A entropia define-se como a medida do grau de desordem de um dado
sistema de comunicação, a falta de previsibilidade numa situação, resultando em

-2-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

incerteza. A redundância é o oposto da entropia, resulta de uma previsibilidade elevada.


Assim, numa mensagem de baixa previsibilidade é entrópica e com muita informação,
inversamente, uma mensagem de elevada previsibilidade é redundante e com pouca
informação. A redundância desempenha um papel vital na comunicação para organizar
e manter a compreensibilidade da mensagem, ajudando a estabelecer um valor optimum
para a compreensão da mensagem, apresentado como um jogo dialéctico entre a
originalidade (imprevisibilidade) e a inteligibilidade.

Sinal m de
Transmissor
Receptor
Fonte
Mensage Canal
Fonte Destinoo
Ruído

“Modelo matemático” de Shannon e Weaver, 1949

Fonte – é o elemento emissor inicial do processo de comunicação; produz um certo


número de palavras ou signos que formam a mensagem a transmitir. Por exemplo, pode
ser a pessoa que levanta o telefone, marca um número e começa a falar.

Transmissor – é o emissor técnico, isto é o que transforma a mensagem transmitida


num conjunto de sinais ou códigos que serão adequados ao canal encarregue de os

-3-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

transmitir. Assim no exemplo anterior do telefone, o transmissor transforma a voz em


impulsos eléctricos que serão transmitidos pelo canal.

Canal – é o meio técnico que deve transportar os sinais codificados pelo transmissor.
Este meio será, no caso do telefone, os cabos telefónicos utilizado pela empresa de
telecomunicações.

Receptor – é o sentido inverso do transmissor. A sua função consiste em descodificar a


mensagem transmitida e veiculada pelo canal, para transcreve-la numa linguagem
compreensível pelo verdadeiro receptor, que é chamado de destino.

Destino – Constitui o verdadeiro receptor a quem está destinada a mensagem. Neste


caso será então a pessoa a quem de destina a mensagem telefónica.

Ruído – é um elemento que prejudica a transmissão perfeita da mensagem, pode ser


uma interferência na chamada telefónica, a voz demasiado baixa, ou encoberta por uma
música de fundo.

Modelos de Base Cibernética

Modelo de comunicação interpessoal de Schramm

Beltrán Apud Gomes, definiu a comunicação como: “compartilhar informações,


ideias ou atitudes, e reforçando com diversos termos o princípio aristotélico de que a
comunicação requer sempre pelo menos três elementos (fonte, mensagem e
destinatário).”
Schramm da mesma forma que Lasswell, acrescentou à sua teoria na base
proposta por Aristóteles incluindo os componentes codificador e descodificador.
Schramm ao efectuar os seus estudos na comunicação, reconheceu a
complexidade do campo da comunicação chegando a diversas conclusões, das quais se
destacam as seguintes:

· Pelo facto de constituir um processo social, pertencente a disciplinas que lidam com a
sociedade e a conduta dos seres humanos, a Comunicação oferece resistência a uma
teorização que se queira consequente;
· Essa constatação explica as dificuldades experimentadas sempre que se pretende
propor uma teoria unificada e sistemática da Comunicação;
· Em vez de ser pensada como ‘alguma coisa que alguém faz a alguém mais’, a
Comunicação deve ser entendida como uma ‘relação interactiva, pela qual ‘se comparte
alguma coisa’;
· Para se entender o que é Comunicação, deve-se antes compreender como as pessoas
habitualmente interactuam.

Modelo Circular de Jean Cloutier

-4-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

Jean Cloutier, através da sua ideia de "Emerec" (Emissor – Receptor)


examina a comunicação não em termos de tecnologia ou de "sistema", mas
tomando como centro de interesse o “homo communicans”, o homem que entra na era
da “comunicação individual”.
Jean Cloutier, aborda os problemas da comunicação a partir da perspectiva
cibernética, pois "os esquemas lineares que separam as funções de E (emissor) e R
(receptor) não são suficientes para explicar o processo completo da comunicação”.
Para Cloutier, a comunicação tem excedido o estatuto de fenómeno de massas para
retornar ao individual. Os self-media ultrapassaram os mass media.
EMEREC personifica o carácter E-R de cada homem. É o homo communicans,
que tem cinco sentidos, “muita criatividade, uma imaginação que ele despreza e uma
inteligência da qual está muito orgulhoso”. É uma personificação do homem moderno
que dispõem de múltiplas linguagens que raramente utiliza.
A mensagem-linguagem é formada por elementos inseparáveis. A linguagem
permite “encarnar” uma mensagem: o contorno é a linguagem; a superfície a
mensagem.
Estes são sistemas de signos que estabelecem os laços de comunicação entre os
que emitem (por meio da palavra, um gesto, grafismos) e os que recebem (através da
audição, visão, a leitura) num quadro sócio-cultural necessariamente comum.
Cloutier apresenta um método de classificação: o áudio-scripto-visual.
Distingue, então três linguagens de base, as quais se fundem para “produzir as
linguagens sintéticas que são o audiovisual e o scripto-visual, que se combinam num
sistema.
Os meios são intermediários que permitem o transporte de mensagens no espaço
e no tempo. Transmitem, conservam e amplificam as mensagens. Do mesmo modo que
EMEREC são ambos emissores e receptores.
Cloutier classifica os meios em três categorias: os mass-media, dirigidos à
difusão de mensagens que são produtos culturais colectivos; os self-media baseados
sobre o registo de mensagens individuais; os tele-media sistemas neutros que
transmitem, amplificam e favorecem as comunicações directas.

Modelos de Comunicação de Massas


Modelo Geral de Comunicação - Gerbner

George Gerbner elaborou um modelo de comunicação, tendo em vista a sua


aplicação universal: explicar qualquer exemplo de comunicação e mostrar os elementos-
chave que são comuns a todo e qualquer acto de comunicação.
Em relação ao modelo de Shannon e Weaver, Gerbner introduz duas alterações
significativas:
— relaciona a mensagem com a «realidade» a que ela se refere, permitindo-nos assim
tratar questões de percepção e de significação; e
— vê no processo de comunicação duas dimensões que se alternam: a perceptiva ou
receptiva e a dimensão comunicante ou de meios e controlo.
De acordo com o seu modelo, o processo de comunicação começa com um
acontecimento A, com algo da realidade externa que é percebido por M (pessoa ou
máquina). A percepção que M tem de A é a percepção A1. Esta é a dimensão perceptiva
que se encontra no início do processo de comunicação. A relação entre A e A1 envolve
uma selecção, na medida em que M não pode possivelmente perceber toda a
complexidade de A. A percepção humana não é uma simples recepção de estímulos,
mas um processo de interacção ou negociação. Os estímulos externos são enquadrados

-5-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

em conceitos ou padrões internos do pensamento. Este enquadramento permite-nos


perceber algo e conferir-lhe um significado. Isto significa que o significado deriva do
enquadramento de estímulos externos em conceitos internos. Este enquadramento é
controlado pela nossa cultura, na medida em que os nossos conceitos internos (ou
padrões de pensamento) se desenvolveram como resultado da nossa experiência
cultural. Assim, pessoas de diferentes culturas perceberão a realidade de maneira
diferente. A percepção não é somente um processo psicológico, mas também uma
questão cultural.
A dimensão vertical verifica-se quando a percepção A1 é convertida num sinal
sobre A — SA. A mensagem mais não é que um sinal ou uma afirmação sobre o
acontecimento. O círculo que representa esta mensagem divide-se em dois: o S refere-se
à mensagem como um sinal, à forma que ele assume e o A refere-se ao seu conteúdo.
Um dado conteúdo (ou A) pode ser comunicado de maneiras diferentes — há vários Ss
potenciais por onde escolher e encontrar o melhor S para um determinado A é uma das
preocupações cruciais do comunicador. Nesta dimensão vertical, a selecção é tão
importante como na dimensão horizontal. Primeiro, há a selecção dos meios — meio e
canal de comunicação. Depois há a selecção a partir da percepção A1. Da mesma forma
que A1 nunca pode ser uma reacção completa e abrangente a A, também um sinal sobre
A1 nunca pode atingir a plenitude ou globalidade. Tem que haver selecção e distorção.
O conceito de acesso aos meios e canais de comunicação permite-nos estudar e
determinar quem tem especificamente acesso aos meios de comunicação de massas. A
dimensão horizontal diz-nos que A1 é uma selecção de A. Esta selecção é feita por
alguém (Quem faz a selecção?), que a transmite como SA, na qual está subjacente uma
determinada imagem do mundo (Qual a imagem do mundo que é transmitida como
SA?). O acesso aos meios é uma forma de exercer poder e controlo social.
Na terceira fase do processo — e ainda na dimensão horizontal —, aquilo que está a ser
percebido pelo receptor M2 não é um acontecimento A, mas sim um sinal ou afirmação
sobre um acontecimento ou SA. O significado de uma mensagem não está contido na
própria mensagem, sendo, antes, o resultado de uma interacção ou negociação entre o
receptor e a mensagem. M2 leva a SA um conjunto de necessidades e conceitos
derivados da sua cultura ou subcultura e, na medida em que conseguir relacionar SA
com eles, pode dizer-se que encontra significado na mensagem. A mensagem
propriamente dita deve ser vista como um potencial de muitos significados. Este
potencial nunca se realiza completamente e a forma que assume só é determinada
depois de ocorrer uma interacção ou uma negociação entre M2 e SA: o significado
resultante é SA1.
Na dimensão horizontal, o factor disponibilidade é equivalente a acesso. O
conceito de disponibilidade, tal como o de selectividade, ajuda a determinar o que
realmente é percebido. É outra forma de selectividade, só que neste caso a selecção não
é efectuada por aquele que percepciona, mas pelo comunicador. Aquilo que é
seleccionado pelo comunicador é como e, consequentemente, a quem a mensagem deve
ser disponibilizada. Acesso e disponibilidade são duas fases da mesma moeda.
O modelo de Gerbner possibilita extensões múltiplas e permite-nos incluir agentes
humanos e mecânicos no processo.

Modelo da comunicação de massas de Schramm

Este modelo constitui uma adaptação do modelo de comunicação interpessoal do


mesmo autor. Neste novo modelo o emissor ou a fonte de comunicação é colectivo, são
ao mesmo tempo o organismo e os mediadores que dele fazem parte.

-6-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

Para Schramm, o meio de comunicação de massas é um sujeito comunicador


que, como uma pessoa, é um descodificador, intérprete e codificador. Quer dizer, um
mass media é um receptor de acontecimentos que codifica e interpreta, de acordo com
as lógicas produtivas do jornalismo. Os inputs que recebe a organização produtiva são
acontecimentos provenientes de diferentes fontes, inclusivamente o feedback da própria
audiência. De seguida, dá-se forma ao acontecimento convertendo-o em notícia. Assim,
o comunicador codifica a mensagem que vai transmitir. A organização comunicativa
transmite uma variedade de mensagens idênticas. Na recepção destas mensagens têm
que se distinguir três níveis. Em primeiro lugar, estas mensagens são recebidas por uma
audiência massiva. Quando falamos de meios de comunicação de massas, as massas são
a audiência. Em segundo lugar, cada receptor individual, ainda que seja parte da
audiência massiva, vai descodificar, interpretar e codificar as mensagens que recebe.
Quer dizer, a interpretação destas mensagens é um acto individual feito por cada
um dos leitores/ouvintes/telespectadores dos mass media. Por último, temos que
recordar que esta pessoa tem múltiplos contactos sociais na sua vida quotidiana. Os
indivíduos relacionam-se com diferentes grupos nos quais comentam as mensagens
transmitidas pelos mass media. Terá de se ter em conta que muitos dos temas que
comentamos nos nossos diferentes grupos sociais (família, amigos, colegas de trabalho,
etc.) nos foram apresentados pelos meios de comunicação, mas é precisamente nestes
grupos que se reinterpretam as mensagens mediáticas. Nos grupos há que destacar a
existência dos líderes de opinião. Os líderes de opinião têm um maior contacto com os
meios ou um nível de educação mais alto; isto permite-lhes actuar como um filtro entre
os meios de comunicação e os outros membros do grupo. A eficácia da sua
reinterpretação deve-se a vários factores: a) tem uma competência reconhecida pelo
grupo, b) são dignos de confiança, por serem membros do grupo e não representarem
nenhum interesse externo c) no contacto cara a cara podem adaptar a sua mensagem às
características de cada destinatário e d) pode recompensar de forma pessoal e imediata
os que concordam com ele.
A influência do líder de opinião e de grupo, sobre os seus membros, é muito
importante. O grupo actua como: a) canal de informação, b) fonte de pressão para se
adaptar ao modo de pensar e actuar do grupo e c) base de apoio social ao indivíduo.
Assim se considera que a influência interpessoal é um dos fenómenos chave para
estudar, em última instância, a influência dos mass media.
A importância deste modelo baseia-se no facto de se ter feito eco das teorias
dominantes sobre os efeitos da comunicação dos anos 50 aos 70. Assim, achava-se que
a influência dos meios de comunicação estava muito condicionada pela diversidade de
variáveis que intervinham no processo comunicativo, que o comunicador só controlava
a mensagem e a sua distribuição, mas não a interpretação, a recepção nem a
reinterpretação por parte do grupo. Por isso, acreditava-se que, salvo casos muito
específicos, os meios de comunicação não podiam por si mesmos conseguir uma
mudança de atitude ou de opinião nos membros da audiência.
À sociologia da comunicação, a partir dos anos 70, junta-se uma nova disciplina:
a semiótica. No entanto, temos que destacar que as preocupações que incitava a
comunicação de massas também não mudaram com a nova perspectiva.

Modelo do processo de comunicação de massas - Maletzke

Em 1963 Maletzke, publicou o seu estudo sobre a psicologia da comunicação de


massas através do qual estudou os processos de comunicação colectivos e desenvolveu
um modelo partindo dos elementos tradicionais da comunicação. Tentou explicar,
basicamente, as influências que se geram sobre o processo de comunicação em especial

-7-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

as exercidas pelas condições psico-sociais sobre o emissor, destinatário, mensagem e


meio. Maletzke parte do entendimento de comunicação dizer que: Sob o conceito de
comunicação no seu sentido mais amplo deve compreender o facto fundamental de que
os seres vivos estão em união com o mundo. Mas, em geral, em linguagem científica, é
muitas vezes mais próximo do conceito de que os seres vivos estão em relação uns com
os outros, que se possam comunicar e são capazes de expressar o processo e situações
internas e dar a conhecer, a outras criaturas, circunstâncias ou mesmo a estimular um
comportamento específico. De que aborda a comunicação interpessoal, a reciprocidade
na comunicação de massa, as diferenças entre comunicação pública e privada, meios de
comunicação, mensagens, grupos para obter a sua ideia dos efeitos. A este respeito,
sugere que eles ocorrem no campo do comportamento, conhecimentos, opiniões e
atitudes, a órbita emocional e áreas profundas do psíquico.
Maletzke para o desenvolvimento deste modelo é fornecido no campo
postulados dos processos de comunicação social sobre o qual afirma: "Deve ser o
domínio das relações com a media como um sistema complexo e dinâmico das
dependências e interdependências dos factores envolvidos. Um modelo esquemático,
portanto, representa visivelmente a estrutura fundamental deste campo para servir, então
a nossa investigação posterior da base sistémica”.
Nos termos desta proposta, o receptor determina a mensagem de acordo com sua
auto-imagem e de acordo com a estrutura de sua personalidade. Isto gera, em princípio,
uma determinação como determinados valores, atitudes e padrões de comportamento, da
mesma forma, segundo a inclinação pessoal de ser influenciado de acordo com o
conceito que ele tem de si mesmo. Na mesma linha de recepção, o sujeito é
condicionado por seu papel como parte de um público e um ambiente social. O receptor
funciona como um membro da sociedade, comunidade, família e outros grupos. Como
membro de uma audiência, o sujeito age de maneira tão diferente do que faria num
processo de comunicação interpessoal directa, mas também afecta as acções do receptor
na comunicação de massa.
Assim como o receptor, o comunicador também age em conformidade com as
condições específicas: a sua auto-imagem e estrutura de personalidade, em primeira
instância. Mas também o fracasso do emitente pertence a uma força-tarefa que
influencia as suas acções e, por sua vez, pode integrar uma organização maior com os
interesses e condições. As condições do ambiente social do comunicador da mesma
forma que o receptor. Por seu lado, o comunicador está sujeito a outras pressões e
constrangimentos produzidos pela natureza pública do conteúdo de media, como o seu
desempenho terá conotação psicológica, jurídica e social.
A construção da mensagem, o comunicador é também devido à pressão de sua
própria mensagem e as características de conteúdo, bem como as exigências ambientais.
Para Maletzke são três os elementos que compõem o modelo: a imagem inversa entre o
receptor e o comunicador, o grau de credibilidade e de feedback espontâneo do receptor.
O primeiro surge um receptor imaginário ou receptor modelo construído pelo
comunicador e um emitente ou conhecido que constrói o receptor imaginário. O
segundo factor está ligado ao meio ambiente e de identificação do receptor com o
comunicador. O terceiro elemento decorre da dificuldade de feedback que ocorre na
comunicação de massa.
Em geral, este modelo gera a impossibilidade de se estudar os processos de
comunicação de massa a partir de elementos fragmentados e sugere, em vez disso, uma
análise da comunicação como um complexo processo psicossocial.

-8-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

Modelos Culturais ou Socioculturais

Modelo cultural de Edgar Morin

Edgar Morin desenvolve uma tese na qual a cultura de massas é o produto de um


processo dialéctico entre criação, produção e consumo. O sucesso junto do grande
público depende do grau de eficácia da resposta ás aspirações e necessidades
individuais.

Modelo cultural de Abraham Moles

Segundo Abraham Moles, o mundo da cultura é uma imensa rede de circuitos


mais ou menos fechados de produtos culturais, relacionados uns com os outros,
interferindo uns nos outros, prodigiosamente complexos e estatisticamente
determinados. Moles esboça uma teoria geral da cultura, concebida no contexto da
sociedade de massas, — conhecida pela designação de sócio-dinâmica da cultura —,
baseada precisamente neste aspecto cíclico que intervém como factor de ordem a grande
escala. De acordo com esta teoria, os meios de comunicação social são tanto suportes de
mensagens culturais como amplificadores da própria cultura. Na sociedade de massas,
os novos instrumentos difusores postos ao serviço da cultura e as enormes necessidades
culturais de uma massa de público progressivamente interessado aceleraram o declínio
da cultura tradicional, minoritária e elitista, e exigiram uma verdadeira programação do
uso cultural dos instrumentos de comunicação de massas. Esta teoria analisa
previamente as fases técnicas de produção, transmissão e difusão da cultura que circula
nestes meios.

Bibliografia:

Freixo, M. (2006), Teorias e Modelos de Comunicação, Instituto Piaget, Lisboa

Sites:

http://cyberself-cyberphilosophy.blogspot.com/2007/09/cyberfilosofia-e-teoria-da-
informao-i.html

http://comunicacionycultura.espacioblog.com/post/2008/10/25/modelo-general-gerbner

-9-
Teorias e Modelos de Comunicação Modelos de Comunicação

http://comunicacionycultura.espacioblog.com/post/2008/12/04/el-modelo-maletzke-
comunicacion-colectiva

http://bemisacaru.blogs.sapo.pt/2894.html

Trabalho realizado por: João Macedo


Nº 44610
Disciplina: Teorias e Modelos de Comunicação
Instituto Piaget – Macedo de Cavaleiros
2010

- 10 -