Você está na página 1de 6

Escola Secundária de São João do Estoril

ÁREA DE PROJECTO

CATARINA ALMEIDA
A questão do incesto

Projecto de Investigação
1. Tema geral: Ética
2. Tema específico: Tabu / Incesto
3. Título do trabalho: A questão do incesto
4. Pergunta a que o trabalho responde: Será legitimo dois familiares
terem uma relação amorosa?
5. Programa: para elaborar este trabalho pretendo investigar e analisar
os argumentos que respondem à questão e entrevistar pessoas para
saber as suas opiniões.

Catarina Machado Almeida


12º. 3, nº. 4

Estoril, 12 de Dezembro 2009

1
1. Introdução
A questão do incesto (do latim incestu, união sexual ilícita entre parentes
consanguíneos, afins ou adoptivos) é um tabu universal. Tem diversas variantes
e está presente em todas as épocas, religiões e culturas. A proibição do incesto
é discutida a nível biológico, social e psicologico. No antigo Egipto era visto
quase como uma obrigação para os familiares reais, mas hoje em dia a
maioria das pessoas considera imoral ou eticamente incorrecto. Entendo
naturalmente que seja visto por esses olhos, em casos de incesto onde
podemos encontrar factos evidentes de violação e/ou pedofilia. Mas quando
se trata de dois primos ou irmãos que estão apaixonados um pelo outro, têm
uma relação saudável e estável custa-me a aceitar as condenações de prisão,
a pena de morte (em alguns países do mundo) ou a privação ao casamento.

Decidi fazer este trabalho para mudar a visão das pessoas acerca deste tema.
Não vou falar de todas as variáveis do incesto, centrei-me apenas na relação
amorosa entre primos e irmãos. Também vou falar das proibições das religiões e
sobre as opiniãos/teorias de Sigmund Freud e de Claude Lévi-Strauss.

2. Relações amorosas
A ciência defende que ninguém escolhe por quem se apaixona. Pode ser por
uma mulher, homem, primo/a, irmão/irmã ou mesmo pela mãe ou pai. Não
conseguimos controlar as reações químicas que ocorrem no nosso corpo
(produção de dopina, norepinefrina e feniletilamina).

As relações incestuosas podem ocorrer involuntariamente, se nenhuma das


duas pessoas tiver conhecimento que são parentes, ou voluntariamente. A
maioria destes casais vivem juntos sem qualquer problema, como duas pessoas
que não têm qualquer tipo de parentesco.

2.1 Entre primos


As relações amorosas entre primos são as que ocorrem com mais frequência
em terras com poucos habitantes ou em famílias numerosas e são as mais
socialmente aceites, pois como os primos nao costumam viver na mesma casa
e são vistos mais como amigos do que familiares.

2.2 Entre irmãos


Muitos sentem “impressão” e repugnância ao ouvir falar desta variável de
relação incestuosa. Dizem ser dificil imaginar um amor entre irmãos. Não
acreditam que possa existir paixão entre pessoas que vivam na mesma casa
desde a nascença.

No entanto, se esta acontecer involuntariamente é considerada aceitável. No


livro Os Maias de Eça de Queiroz, Carlos e Maria Eduarda vivem um amor pleno
e intenso mas involuntariamente incestuoso. As pessoas que leram o livro
afirmam que se ocorresse actualmente estariam à vontade com a situação.

2
3. Sigmund Freud e o complexo de Édipo
Na mitologia grega existem diversos casos de incesto, como o de Zeus com a
sua irmã Deméter ou o de rei Tias com a filha Mirra. Mas a mais conhecida de
todas as histórias é a de rei Édipo com a sua mãe Jocasta. Sigmund Freud ao
estudar esta história tentou provar a importância do complexo de Édipo na
formação do sujeito.

Freud não percebia a razão da proibição do incesto. Não seria por razões
biológicas, pois se a possibilidade de ocorrência de relações incestuosas fosse
biologicamente negada, estas não precisariam de ser proibidas por leis sociais,
mostrando que a questão passa apenas por aspectos socio-culturais.

Ele estudou que, no período da Pré-História, a rivalidade pela posse das


mulheres levava os machos jovens a matarem e comerem o pai. O sentimento
de culpa subsequente a este crime teria levado à criação das leis contra o
assassinio e o incesto.

4. Claude Lévi-Strauss e o incesto


Tal como Freud, para Strauss o tabu do incesto estaria ligado às regras sociais e
não biológicas, pois se houvesse um horror natural ao incesto ou falta de desejo
de praticá-lo, não seria preciso proibi-lo.

Os seus argumentos são de dificil compreensão e aceitação, devido a sua


originalidade e estranheza. Ele afirma que a proibição do incesto é
universalmente imposta a fim de estabelecer a "troca de mulheres entre
homens". Ele recusa-se a enfocar a proibição do incesto em termos biológicos
ou psíquicos, pois o que realmente importa, são as razões que fazem do incesto
algo socialmente inconcebível:

Nada existe na irmã, na mãe, nem na filha que as desqualifique enquanto tais.
O incesto é socialmente absurdo antes de ser moralmente condenável (LÉVI-
STRAUSS. 1976)

5. Religiões
5.1 Cristã / Católica
Segundo o Catecismo da Igreja Católica, incesto designa relações íntimas
entre parentes ou pessoas afins, corrompe as relações familiares e indica
regressão à animalidade.

5.2 Budismo
As sociedades budistas têm fortes posições acerca dos assuntos humanos e
comportamentos sexuais. Na maioria dessas sociedades, o incesto é
considerado repugnante, mas não é mencionada em nenhuma das escrituras
religiosas. Ao contrário da maioria das outras religiões do mundo, o budismo
não entra em detalhes sobre o que é certo ou errado em termos absolutos
sobre actividades mundanas da vida.

3
5.3 Hindu
Hinduísmo defende que o incesto é altamente repugnante. Os hindus proibem
o casamento entre pessoas do mesmo sangue ou família. No entanto, os hindus
SriLankan têm uma metodologia diferente, os primos de sexos opostos (prima e
primo) têm permissão para casar.

5.4 Islâmica
O Alcorão estabelece regras específicas sobre o incesto, proibindo um homem
de se casar ou ter relações sexuais com a sua mãe ou madrasta, pai, irmãos,
sobrinhas, filhas, tias e enteadas.

6. O único problema biológico... reprodução


Foi provado, cientificamente, que relações entre irmãos tem consequências
nefastas na gravidez. Mas, actualmente, a razão do casamento ou do namoro
não é procriar, pode ser apenas a de partilhar a nossa vida com alguém de
quem gostamos.

7. O caso da Alemanha
O Código Penal germânico pune as relações sexuais entre irmãos e irmãs
adultos com uma pena máxima de três anos de prisão. Um caso de um irmão e
uma irmã que vivem uma relação sexual e da qual já nasceram quatro filhos
foram condenados a uma pena de dois anos e meio de prisão. Não se
conformando com a condenação recorreram ao Tribunal Constituicional
alemão por considerarem que esse artigo do Código Penal constitui uma
violação do direito à liberdade de cada cidadão escolher livremente o seu
parceiro sexual.

8. Filmes e reações do povo


“Starcrossed” é uma curta-metragem independente sobre dois irmãos
adolescentes que se apaixonam, escrita e dirigida por James Burkhammer e
produzida pela Power Up em 2005. A maioria das pessoas fica mais chocada
com o final trágico do que do facto de as personagens serem irmãos.

“Do começo ao fim” é uma longa-


metragem brasileira produzida em 2009
sobre uma história amorosa entre dois
meio-irmãos. Pretende contar um amor
incondicional como uma possibilidade,
como um contraponto para um mundo
cheio de violência, medo e intolerância.
Segundo o director, o seu objectivo foi
contar uma história sobre irmãos que
vivem num ambiente familiar cheio de
amor.
O filme trata assunto de forma feliz. “Por que toda vez que se fala de incesto é
de forma trágica?”, questionou o director. Apesar de tudo ser contado de
maneira bem suave e carinhosa no drama, o director revela que teve muita
dificuldade em encontrar patrocinadores. Alguns chegaram a sugerir que os
protagonistas fossem trocados por dois primos. Mas acabou por conseguir o

4
patrocínio de dois empresários, que impuseram uma condição:-’ficar no
anonimato’.

Conclusão
Os valores culturais e morais de cada sociedade sofreram profundas alterações
em quase todos os países e as questões que no passado eram consideradas
tabu passaram a ser motivo de discussão pública e de controvérsia.

Espero que com este trabalho consiga mudar preconceitos e ideias feitas
acerca de relações amorosas entre familiares.

Caracteres 7595

5
Bibliografia

Anónimo 1 (2007) “O incesto” Online in


http://sol.sapo.pt/blogs/boogie/archive/2007/03/07/140580.aspx
consultado em 6.12.2009

Dani (2009) “Filme: Do Começo Ao Fim” Online in


http://vidasdiferentespessoasiguais.wordpress.com/2009/10/29/filme-do-comeco-ao-fim/
consultado em 8.12.2009

Anónimo 2 (2009) “Do Começo ao Fim: mais um filme com temática gay” Online in
http://dentrodoarmario.wordpress.com/2009/05/08/do-comeco-ao-fim-mais-um-filme-com-
tematica-gay/ consultado em 8.12.2009

Freire, Emerson (2008) “Édipo, a Esfinge e o incesto” Online in


http://emeric.wordpress.com/2008/03/10/edipo-a-esfinge-e-o-incesto/ consultado em
8.12.2009

Lobato, Josefina (1999) “A proibição de incesto em Lévi-Strauss” in Família, seus conflitos e


perspectivas sociais. Brasil, Belo Horizonte, pp. 14 a 20

Moreira, Jacqueline (2004) “Édipo in Freud: the movement of a theory” Online in


http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722004000200008
consultado em 10.12.2009

Lévi-Strauss, Claude (s.d.) “Levy -Strauss e o Incesto” Online in


http://www.scribd.com/doc/19773203/Levy-Strauss-e-o-Incesto
consultado em 10.12.2009

Pontes, Andrea (2004) “O tabu do incesto e os olhares de Freud e Levi-Strauss” in Trilhas,


Belém, pp. 7 a 14

Cohen, Claudio; Gobbetti, Gisele (s.d.) “O incesto: o abuso sexual intrafamiliar” Online in
http://www.cedeca.org.br/PDF/incesto_cohen.pdf
consultado em 11.12.2009