Você está na página 1de 157

REVISÃO DA MATÉRIA

HISTÓRIA DA ARTE

REVISÃO: O QUE É ARTE?

Arte

é

a

atividade

humana

ligada a

manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepção, emoções e ideias, com o objetivo de estimular esse interesse de consciência

em um ou mais espectadores, e cada obra de arte

possui um significado único e diferente.

A

arte

está

ligada

à

estética,

porque

é

considerada uma faculdade ou ato pelo qual,

trabalhando uma matéria, a imagem

ou

o

som, o

homem cria beleza ao se esforçar por dar expressão

ao mundo material ou imaterial que o inspira.

REVISÃO: O QUE É ESTÉTICA?

Estética é uma palavra com origem no termo grego aisthetiké, que significa “aquele que nota, que percebe”.

Estética é conhecida como a filosofia da arte, ou

estudo do que é belo nas manifestações artísticas e naturais.

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA PALEOLÍTICO (c. 30 mil a 10 mil a.C. - Paleolitico Superior) (Pedra Lascada) Nômades;

PALEOLÍTICO

(c. 30 mil a 10 mil a.C. - Paleolitico Superior) (Pedra Lascada)

Nômades; vão a procura de manadas.

Pinturas Rupestres e pequenas estatuetas.

A Caverna de Altamira, no município de Santillana

Del Mar, na Espanha e a Caverna de Lascaux, em

Dordonha, na França são grandes exemplos.

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA

PALEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA PALEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA

PALEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA PALEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA

NEOLÍTICO

(c. 10 mil a 5 mil a.C.) (Pedra Polida)

Habitam;

cultivo

manadas.

da

terra

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA NEOLÍTICO (c. 10 mil a 5 mil a.C.) (Pedra Polida) Habitam; cultivo manadas. da

e

domesticação

de

Desenvolve a técnica de tecer panos, de fabricar cerâmicas e construiu as primeiras moradias,

constituindo-se os primeiros arquitetos do mundo e

passou a ser sedentário, fixando-se a terra, criando as primeiras aldeias e cidades.

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA

NEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA NEOLÍTICO
REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA NEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA

NEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA NEOLÍTICO
REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA NEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA

NEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA NEOLÍTICO
REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA NEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA

NEOLÍTICO

REVISÃO: PRÉ-HISTÓRIA NEOLÍTICO

REVISÃO: ANTIGUIDADE

SUMÉRIOS E BABILÔNIOS (séc. V à séc. I ac.)

REVISÃO: ANTIGUIDADE SUMÉRIOS E BABILÔNIOS (séc. V à séc. I ac.)

REVISÃO: ANTIGUIDADE

SUMÉRIOS:

Desenvolveram um importante sistema de

canalização dos rios para melhor armazenar a água

para sua comunidade.

Criaram a escrita cuneiforme, registrando os detalhes

de seus cotidianos através de placas de argila, e os

zigurates, construções piramidais que serviam de

armazenamento de produtos agrícolas e de prática

religiosa.

REVISÃO: ANTIGUIDADE

SUMÉRIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE SUMÉRIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

BABILÔNIOS:

Criaram os primeiros códigos de lei para controlar a sociedade, como O Código de Hamurabi.

Imperador Nabucodonosor II (Segundo Império

Babilônico) Constrói a

Suspensos.

Torre

de

Babel e

os

Jardins

REVISÃO: ANTIGUIDADE

BABILÔNIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE BABILÔNIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

BABILÔNIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE BABILÔNIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

EGIPCIOS:

4000ac. à 30ac. (Conquista dos Romanos)

Arquitetura: solidez e durabilidade; sentimento de

eternidade; aspecto misterioso e impenetrável.

Pintura: ausência de três dimensões; ignorância da

profundidade; colorido a tinta lisa, sem claro-escuro e

sem indicação do relevo; Lei da Frontalidade que

determinava que o tronco da pessoa fosse

representado sempre de frente, enquanto sua cabeça, suas pernas e seus pés eram vistos de perfil.

REVISÃO: ANTIGUIDADE

EGIPCIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE EGIPCIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

EGIPCIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE EGIPCIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

EGIPCIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE EGIPCIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

EGIPCIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE EGIPCIOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

Séc. VIII ac. a II ac. (A Vida da presente)

Mitologia, pensadores, artistas e arquitetos.

Arquitetura de templos e a cidade pensada (Ágora,

espaço de convivência onde os gregos se reuniam

para discutir os mais variados assuntos, principalmente a filosofia).

Ordens Dórica, Jônica e Coríntia.

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:
GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:
REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:
REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:
REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:
GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

Pinturas são encontradas em cerâmicas (Pinturas em telas foram perdidas com o tempo) e tinham caráter

geométrico, séculos VIII e VII a.C., e as figuras

humanas e de animais eram bem estilizadas.

Escultura nos primórdios era ereta, frontal, com

proporções mais realistas; Segundo momento

começam a ter mais movimento, mostrar os esportes,

culto ao corpo e deuses.

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:
REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:
REVISÃO: ANTIGUIDADE GREGOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

Arte

derivada

de

duas

vertentes:

arte

etrusca

(expressão da realidade vivida) e greco-helenística

(ideal de beleza). (séc. II ac. para frente)

Na

arquitetura: Busca do útil imediato

e

senso de

realismo; grandeza material, realçando a ideia de

força, energia e sentimento; predomínio do caráter sobre a beleza;

URBANISMO,

vias

de

comunicação,

termas, instalações sanitárias.

anfiteatro,

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

As sete espécies de construção:

  • 1. Religião (Templos);

  • 2. Comércio e Civismo (Basílica);

  • 3. Higiene (Termas, Saunas);

  • 4. Aquedutos e Pontes;

  • 5. Diversão (Circo, teatro);

  • 6. Monumentos decorativos (Arcos e Colunas);

  • 7. Moradia.

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

Pintura:

REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS: Pintura: Primeiro estilo: as paredes das dalas eram recobertas por uma camada de
REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS: Pintura: Primeiro estilo: as paredes das dalas eram recobertas por uma camada de

Primeiro estilo: as paredes das dalas eram recobertas

por uma camada de gesso pintado, dando a impressão de placas de mármore.

Segundo estilo: os artistas começaram então a pintar

painéis que criavam a ilusão de janelas abertas por

onde eram vistas paisagens com animais, aves e

pessoas, formando um grande mural.

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS: Pintura: Terceiro estilo: eram as representações fiéis da
ROMANOS:
Pintura:
Terceiro
estilo:
eram
as
representações
fiéis
da

realidade e valorizou a delicadeza dos pequenos detalhes.

Quarto estilo: era painel de fundo vermelho, tendo ao centro uma pintura, geralmente cópia de obra

grega, imitando um cenário teatral.

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

Escultura: suas esculturas são uma representação fiel

das pessoas e não a de um ideal de beleza humana,

como fizeram os gregos.

Retratavam os imperadores e

os

homens da

sociedade. Mais realista que idealista, a estatuária

romana teve seu maior êxito nos retratos.

REVISÃO: ANTIGUIDADE

ROMANOS:

REVISÃO: ANTIGUIDADE ROMANOS:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE ROMÂNICA:

Logo após a Idade das Trevas.

Em

476,

com

a

tomada

de

Roma

pelos povos

bárbaros, tem início o período histórico conhecido

por Idade Média. Na Idade

Média a arte

tem suas

raízes na época conhecida como Paleocristã,

trazendo modificações no comportamento humano

e com o Cristianismo a arte se voltou para a

valorização do espírito.

Foram trazidos elementos romanos e germânicos.

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE ROMÂNICA:

ARQUITETURA: abóbadas em substituição ao telhado das basílicas; pilares maciços e paredes espessas;

aberturas raras e estreitas usadas como janelas; torres

que aparecem no cruzamento das naves ou na fachada; arcos em 180 graus; grandes e sólidas.

PINTURA E MOSAICO: Religião para os iletrados.

ESCULTURA: Temas religiosos; Adornam edificações.

ILUMINURAS: "Ctrl+C/Ctrl+V" da vida Real; Monges.

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE ROMÂNICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE GÓTICA:

Última fase da Idade-Média. (séculos XII e XIV)

ARQUITETURA: A catedral simboliza a Cidadela

Celestial. "Coloque-se no seu lugar"; Abóboda de cruzaria ou nervurada e Arco ogival ou agudo; Planta em forma de cruz latina; Monumentais fachadas,

verticalidade, apontar aos céus; aberturas, portais,

janelas rosáceas, arcos; Vazios sobre os cheios (Estátuas e aberturas, escondem a estrutura).

PINTURA: Fé, fé e fé. Menos pinturas (Vazios sobre cheios, muitas janelas) mais vitrais.

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA:
REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA

ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MÉDIA ARTE GÓTICA:

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

Fins do século XIV e o fim do século XVI. Finaliza a Idade-média e inicia a Idade Moderna.

Redescoberta e revalorização das referências culturais da antiguidade clássica, que nortearam as

mudanças deste período em direção a um ideal

humanista e naturalista.

Características gerais: Racionalidade; Dignidade do

Ser Humano; Rigor Científico; Ideal Humanista;

Reutilização das artes greco-romana.

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

ARQUITETURA: Tratada como verdadeira ciência e arte. Geometria, clareza, inteligência.

Principais arquitetos:

Leon Battista Alberti: Primeiro manual sistematizado de

perspectiva, oferecendo aos escultores as normas

das proporções humanas ideais.

Filippo Brunelleschi: Perspectiva matemática; projeto

da igreja em plano central; domo da Catedral de Florença.

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

Principais arquitetos:

Donato Bramante: Tempietto - "Pequeno Templo" em

Roma, local onde São Pedro foi crucificado

Andrea

Palladio:

Arquitetura“.

Tratado

"Quatro

Livros de

Michelangelo Buonarotti: Reconstrução da Basílica de

São Pedro).

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

Ordens Arquitetônicas; Arcos de Volta-Perfeita;

Simplicidade na construção;

A escultura e a pintura se desprendem da arquitetura e passam a ser autônomas;

Construções: palácios, igrejas, vilas

(casa

de

descanso fora da cidade), fortalezas (funções militares) e planejamento urbanístico.

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

PINTURA:

Perspectiva: arte de figura, no desenho ou pintura, as

diversas distâncias e proporções que têm entre si os objetos vistos à distância, segundo os princípios da matemática e da geometria;

Uso do claro-escuro: pintar algumas áreas iluminadas e outras na sombra, esse jogo de contrastes reforça a

sugestão de volume dos corpos;

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

PINTURA:

Realismo: o artista do Renascimento não vê mais o

homem como simples observador do mundo que expressa a grandeza de Deus, mas como a expressão

mais grandiosa do próprio Deus. E o mundo é

pensado como uma realidade a ser compreendida

cientificamente, e não apenas admirada;

Inicia-se o uso da tela e da tinta à óleo;

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

PINTURA:

Tanto

a

pintura

como

a

escultura

que

antes

apareciam

quase

que

exclusivamente

como

detalhes

de

obras

arquitetônicas,

tornam-se

manifestações independentes;

Surgimento de artistas

com

um estilo pessoal,

diferente dos demais, já que o período é marcado

pelo ideal de liberdade e, consequentemente, pelo

individualismo.

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:
REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

ESCULTURA:

Acentuado naturalismo, a procura

de

verossimilhança; Forte interesse pelo homem, pela forma de seu corpo, da sua expressão; Gosto marcado não só pelo conhecimento e técnica,

como pela ostentação de conhecimento; Aspiração

pela monumentalidade; Esquemas compositivos, formas globais, geometricamente simples.

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA

RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA RENASCIMENTO:

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

Século XVII e primeiras décadas do XVIII

Emocional sobre

o

racional;

seu

propósito é

impressionar os sentidos do observador, baseando-se no princípio segundo o qual a fé deveria ser atingida através dos sentidos e da emoção e não apenas

pelo raciocínio.

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

Busca de efeitos decorativos e visuais, através de curvas, contracurvas, colunas retorcidas;

Entrelaçamento entre a arquitetura e escultura;

Violentos contrastes de luz e sombra; Pintura com efeitos ilusionistas, dando-nos às vezes a

impressão de ver o céu, tal a aparência de

profundidade conseguida.

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

ARQUITETURA:

O barroco não renega as formas clássicas colunas, arcos, frontões, frisos mas transforma-os de uma maneira fantasiosa e subjetiva.

Para

a

arquitetura barroca, a luz

fundamental.

é um elemento

Ornamentações.

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

PINTURA:

Composição assimétrica, em diagonal que se revela num estilo grandioso, monumental, retorcido, substituindo a unidade geométrica e o equilíbrio da arte renascentista;

Acentuado contraste de claro-escuro (expressão dos sentimentos) era um recurso que visava a intensificar a sensação de profundidade;

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

PINTURA:

Realista, abrangendo todas as camadas sociais;

Escolha de cenas no seu momento de maior intensidade dramática;

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

ESCULTURA:

Predomino das linhas curvas, dos drapeados das

vestes e do uso do dourado; e os gestos e os rostos das personagens revelam emoções violentas e atingem uma dramaticidade desconhecida no

Renascimento.

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO
REVISÃO: IDADE MODERNA BARROCO

REVISÃO: IDADE MODERNA

NEOCLÁSSICO

Século XVIII e nas três primeiras do século XIX

Edgar Allan Poe: “a glória que foi grandeza que foi Roma”

a

Grécia, e

a

Retorno

ao

passado,

antigos greco-latinos;

pela

imitação

dos

modelos

Academicismo nos temas e nas técnicas, isto é,

sujeição aos modelos e às regras ensinadas nas

escolas ou academias de belas-artes;

REVISÃO: IDADE MODERNA

NEOCLÁSSICO

Arte entendida como imitação da natureza, num

verdadeiro culto à teoria de Aristóteles;

Estilo sóbrio, antidecorativo, linear, antissensual, volta-

se ao desenho, simplicidade da natureza, nobre,

sereno, histórico.

REVISÃO: IDADE MODERNA

NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA

NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA

NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA

NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA

NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA

NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA NEOCLÁSSICO

REVISÃO: IDADE MODERNA

ROMANTISMO

Final do século XVIII, Revolução Industrial (1820 e 1850)

Cultivo da emoção, da fantasia, do sonho, da

originalidade, evasão para mundos exóticos onde se podia fantasiar e imaginar;

Exaltação da natureza;

Gosto pela Idade Média (porque tinha sido o tempo

de formação das nações);

REVISÃO: IDADE MODERNA

ROMANTISMO

Defesa dos ideais nacionalistas (liberdade individual, liberdade do povo);

Panteísmo (doutrina segundo a qual Deus não é um ser pessoal distinto do mundo, Deus e o mundo seriam uma só substância);

Individualismo,

visão

de

sentimentos do indivíduo.

mundo

centrada

nos

REVISÃO: IDADE MODERNA

ROMANTISMO

PINTURA:

Corte com o academicismo neoclássico;

O artista emancipa-se da encomenda e faz a sua

obra baseado nos impulsos da sua

própria inspiração;

alma

e

na

sua

Uma pintura romântica pretende ser contemplada e

o observador terá que dar um significado à pintura

consoante às suas emoções;

REVISÃO: IDADE MODERNA

ROMANTISMO

PINTURA:

"O que se passa naquele momento; Que SENTIMENTO

se passa naquele momento" - O REAL abstrato

REVISÃO: IDADE MODERNA

ROMANTISMO

REVISÃO: IDADE MODERNA ROMANTISMO

REVISÃO: IDADE MODERNA

ROMANTISMO

REVISÃO: IDADE MODERNA ROMANTISMO

REVISÃO: IDADE MODERNA

ROMANTISMO

REVISÃO: IDADE MODERNA

ROMANTISMO

REVISÃO: IDADE MODERNA ROMANTISMO

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

Gravar o momento - "Motion Blur" na fotografia

A pintura deve registrar as tonalidades que os objetos

adquirem ao refletir a luz solar num determinado

momento, pois as cores da natureza se modificam constantemente, dependendo da incidência da luz

do sol.

As figuras não devem ter contornos

nítidos, pois a

linha

é

uma

abstração

do

ser

humano para

representar imagens.

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

As sombras devem ser luminosas e coloridas, tal como

é a impressão visual que nos causam, e não escuras ou pretas, como os pintores costumavam representá-

las no passado.

Os contrastes de luz e sombra devem ser obtidos de

acordo com a lei das cores complementares.

É o observador que, ao admirar a pintura, combina as várias cores, obtendo o resultado final; A mistura deixa de ser técnica para se óptica.

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO

IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO IMPRESSIONISMO

REVISÃO: MODERNISMO

EXPRESSIONISMO ("Pós-Impressionismo")

Pesquisa no domínio psicológico;

Cores

resplandecentes,

separadas;

vibrantes,

fundidas

ou

Dinamismo improvisado, abrupto, inesperado;

Pasta grossa, martelada, áspera;

REVISÃO: MODERNISMO

EXPRESSIONISMO ("Pós-Impressionismo")

Técnica violenta: o pincel ou espátula vai

e vem,

fazendo e refazendo, empastando ou provocando explosões;

Preferência pelo patético, trágico e sombrio;

Grafismo em arte sob papel (Cartazes).

REVISÃO: MODERNISMO

EXPRESSIONISMO ("Pós-Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO EXPRESSIONISMO ("Pós- Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO

EXPRESSIONISMO ("Pós-Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO EXPRESSIONISMO ("Pós- Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO

EXPRESSIONISMO ("Pós-Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO EXPRESSIONISMO ("Pós- Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO

EXPRESSIONISMO ("Pós-Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO EXPRESSIONISMO ("Pós- Impressionismo")
REVISÃO: MODERNISMO EXPRESSIONISMO ("Pós- Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO

EXPRESSIONISMO ("Pós-Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO EXPRESSIONISMO ("Pós- Impressionismo")

REVISÃO: MODERNISMO

FAUVISMO

PRINCIPIOS:

Criar em arte não tem relação com o intelecto e nem com sentimentos;

Criar é seguir os impulsos do instinto, as sensações

primárias;

A cor pura deve ser exaltada;

As linhas e as cores devem nascer impulsivamente e traduzir as sensações elementares, no mesmo estado de graça das crianças e dos selvagens.

REVISÃO: MODERNISMO

FAUVISMO

REVISÃO: MODERNISMO FAUVISMO

REVISÃO: MODERNISMO

FAUVISMO

REVISÃO: MODERNISMO FAUVISMO

REVISÃO: MODERNISMO

FAUVISMO

REVISÃO: MODERNISMO FAUVISMO

REVISÃO: MODERNISMO

FAUVISMO

REVISÃO: MODERNISMO FAUVISMO

REVISÃO: MODERNISMO

CUBISMO

Originou-se na obra de Cézanne (1908)

geometrização das formas e volumes;

renúncia à perspectiva;

o claro-escuro perde sua função;

representação do volume colorido sobre superfícies

planas; sensação de pintura escultórica;

cores austeras, do branco ao negro passando pelo

cinza, por um ocre apagado ou um castanho suave.

REVISÃO: MODERNISMO

CUBISMO

REVISÃO: MODERNISMO CUBISMO

REVISÃO: MODERNISMO

CUBISMO

REVISÃO: MODERNISMO CUBISMO

REVISÃO: MODERNISMO

CUBISMO

REVISÃO: MODERNISMO CUBISMO

REVISÃO: MODERNISMO

CUBISMO

REVISÃO: MODERNISMO CUBISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

DADAISMO

Formado em 1916, em Zurique

Não professa um estilo específico nem defende novos modelos, aliás coloca-se expressamente contra projetos predefinidos e recusa todas as experiências formais anteriores, é possível localizar formas

exemplares da expressão dada.

Nega totalmente a cultura, defende o absurdo, a

incoerência, a desordem, o caos.

REVISÃO: PÓS-MODERNO

DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO DADAISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

SURREALISMO

Início do século XX

Representação do irracional e do subconsciente.

REVISÃO: PÓS-MODERNO

SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO SURREALISMO
REVISÃO: PÓS-MODERNO SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

SURREALISMO

REVISÃO: PÓS-MODERNO

POP-ART

1955

Linguagem

costumes,

figurativa

ideias

e

contemporâneo;

e

realista

referindo-se

aos

aparências

do

mundo

Temática extraída do meio ambiente urbano das

grandes cidades, de seus aspectos sociais e culturais:

história em quadrinhos, revistas, jornais

sensacionalistas, fotografias, anúncios publicitários,

cinema, rádio, televisão, música, espetáculos populares, etc.;

REVISÃO: PÓS-MODERNO

POP-ART

Ausência de planejamento crítico: os temas são concebidos como simples motivos que justificam a realização da pintura;

Representação de

caráter

inexpressivo,

preferencialmente frontal e repetitiva;

Combinação da pintura com objetos reais integrados

na composição da obra como flores de plástico,

garrafas, etc., como uma nova forma dadaísta em

consonância aos novos tempos;

REVISÃO: PÓS-MODERNO

POP-ART

Formas e figuras em escala natural e ampliada (os

formatos

das

Lichtenstein);

imagens

em

quadrinhos de

Uso de matérias como tinta acrílica, poliéster e látex, produzindo cores puras, brilhantes e fosforescentes

inspiradas na indústria e nos objetos de consumo;

Reprodução de objetos do cotidiano em tamanho

consideravelmente grande, transformando o real em

hiper-real.

REVISÃO: PÓS-MODERNO

POP-ART

REVISÃO: PÓS-MODERNO POP -ART

REVISÃO: PÓS-MODERNO

POP-ART

REVISÃO: PÓS-MODERNO POP -ART

REVISÃO: PÓS-MODERNO

POP-ART

REVISÃO: PÓS-MODERNO POP -ART
REVISÃO: PÓS-MODERNO POP -ART

REVISÃO: CONTEMPORÂNEO

VISTO NA SEGUNDA-FEIRA.