Você está na página 1de 23

Ensinar para administrar.

Administrar para ensinar.


E crescermos juntos!

www.chiavenato.com
Parte V
Execução da Estratégia

Capítulo 13
Governança Corporativa,
Responsabilidade Social e
Desenvolvimento Sustentável
Governança Corporativa, Responsabilidade Social e Desenvolvimento Sustentável

O que você verá neste capítulo :


• Governança corporativa.
• Relacionamento com os stakeholders.
• Ética empresarial.
• Responsabilidade social.
• Desenvolvimento sustentável.

Objetivos de aprendizagem :
• Mostrar a importância da governança corporativa nos assuntos
estratégicos.
• Indicar os mecanismos de governança corporativa mais utilizados.
• Mostrar os tipos de relacionamentos com os stakeholders no
processo estratégico.
• Ressaltar a importância da ética empresarial.
• Mostrar como incrementar e impulsionar a responsabilidade social
da organização.
Governança Corporativa
A governança corporativa significa o relacionamento
que a organização pretende ter com seus acionistas e
investidores para determinar e controlar a direção
estratégica e o seu desempenho diante de suas
expectativas.

Em um sentido mais específico, a governança


corporativa envolve as práticas e os relacionamentos
entre acionistas, conselho de administração,
diretoria, auditoria independente e conselho fiscal
com a finalidade de otimizar o desempenho da
organização e facilitar o acesso ao capital.
Conceitos sobre Governança Corporativa
A governança corporativa é conceituada de várias maneiras.
Contudo, Andrade e Rossetti observam que as definições de
governança corporativa em geral envolvem basicamente os
seguintes aspectos:
• Direitos dos acionistas (shareholders).
• Direitos de outras partes interessadas (stakeholders).
• Conflitos de agência (diretores e executivos como agentes
dos acionistas).
• Sistema de relações.
• Sistema de valores.
• Sistema de governo.
• Estrutura de poder.
• Estrutura de regulação.
• Padrões de comportamento.
O Esquema Abrangente de Governança Corporativa
Elementos Básicos do Processo de Governança Corporativa
Sistema de Valores da Governança Corporativa

1. Fairness, ou seja, senso de justiça, equidade no tratamento


dos acionistas, respeito aos direitos dos acionistas
minoritários por participação equânime com a dos
majoritários, tanto no aumento
da riqueza corporativa quanto nos resultados das operações,
quanto ainda na presença ativa em assembléias gerais.
2. Disclosure: Transparência das informações, especialmente
das de alta relevância, que impactam os negócios e que
envolvem riscos.
3. Accountability: Prestação responsável de contas,
fundamentada nas melhores práticas contábeis e de
auditoria.
4. Compliance: Conformidade no cumprimento de normas
reguladoras, expressas nos estatutos sociais, nos regimentos
internos e nas instituições legais do país.
Concentração da Propriedade
A concentração de propriedade depende do número de acionistas
portadores de grandes lotes de ações e da porcentagem total de
ações que eles possuem ou conseguem reunir. A concentração de
propriedade ocorre quando os acionistas portadores de grandes
lotes de ações possuem 5% ou mais das ações da organização.
Quanto maior a concentração, tanto maior a pressão para que a
organização adote mecanismos de governança para controlar as
decisões administrativas.
Ao contrário, a propriedade difusa ocorre quando um grande
número de acionistas possui um número pequeno de ações e
quando há poucos acionistas portadores de grandes lotes. A
propriedade difusa leva a uma fraca monitoração das decisões
administrativas.
E os acionistas perdem totalmente a condição de monitorar e
avaliar o desempenho organizacional.
Conselho de Administração
O conselho de administração é um grupo de pessoas que são
eleitas e cuja principal responsabilidade é agir no interesse
dos proprietários monitorando e controlando formalmente os
executivos de alto nível da organização. Sua função principal é
proteger os proprietários do oportunismo administrativo.
Em geral, o presidente e a diretoria da organização seguem as
diretrizes e decisões tomadas pelos conselheiros
componentes do conselho de administração.
Estes se reúnem periodicamente para analisar os resultados
organizacionais e definir as decisões globais a serem tomadas
pela presidência e diretoria da organização. No fundo, o
conselho de administração fornece o balizamento necessário
para que os dirigentes da organização possam trabalhar da
maneira estratégica e global.
Modelos de Governança Corporativa e seus Públicos de Interesse (stakeholders).

A Fundação Nacional da Qualidade (FNQ) leva em consideração os seguintes


públicos de interesse numa gestão da Governança Corporativa :
Envolvimento dos Gestores no Processo de Planejamento Estratégico

A figura mostra os graus de envolvimento da alta direção em um continuum que


vai desde uma atitude passiva e reativa até uma posição ativa e catalisadora:
Ética Empresarial na Prática
Na prática, as questões éticas e morais se escondem em muitas
decisões e ações do cotidiano empresarial, ainda que os
dirigentes não tenham plena consciência disso.
A mídia e a opinião pública mostram extremo desejo de
transparência, probidade, decência, retidão, idoneidade,
respeito pelos outros nas questões empresariais. Cada vez mais,
as organizações estão procurando passar aos seus stakeholders
a imagem de organizações éticas.
Afinal, organizações éticas são organizações moralmente
inatacáveis porque subordinam suas atividades e estratégias a
uma prévia reflexão ética e agem de forma socialmente
responsável. Contudo, nem sempre as organizações se dedicam
a tal tipo de reflexão e adotam posições que levam em conta
apenas interesses imediatos que estão em jogo. E aí está o
perigo.
Responsabilidade Social
A responsabilidade social significa o grau de obrigações
que uma organização assume através de ações que
protejam e melhorem o bem-estar da sociedade à
medida que procura atingir seus próprios interesses.

A responsabilidade social representa a obrigação da


organização de adotar políticas e assumir decisões e
ações que beneficiem a sociedade.

Em outras palavras, representa a obrigação gerencial de


tomar ações que protejam e melhorem o bem-estar da
sociedade como um todo e os interesses organizacionais
especificamente.
O Papel Social das Organizações
Além de produtoras de bens e serviços, as organizações
estão assumindo também o papel de responsáveis pelo
bem-estar de seus stakeholders e esse papel está se
estendendo cada vez mais a outros aspectos que vão
além de suas tradicionais fronteiras, como a própria
sociedade, envolvendo comunidades carentes e
atividades assistenciais.
Todavia, os diferentes stakeholders se manifestam por
interesses específicos em um jogo de forças em que
nenhuma das partes se considera totalmente satisfeita
com os ganhos que retira nos objetivos que persegue. A
figura abaixo dá uma idéia das diferentes forças externas
que pressionam uma organização:
O Papel Social das Organizações
Níveis de Sensibilidade Social
Pode-se apontar três diferentes graus de envolvimento organizacional em
atividades e obras sociais, conforme mostrado pela figura abaixo:
Desenvolvimento Sustentável
Desenvolvimento sustentável corresponde a um padrão
de uso de recursos que ao mesmo tempo que atenda às
demandas humanas e organizacionais, preserva o
ambiente de uma maneira que não comprometa os
recursos e a habilidade das futuras gerações de atender
suas próprias demandas e necessidades.

A discussão sobre o desenvolvimento sustentável


embasa-se na concepção de que há três tipos de capitais
– econômico, social e natural – que devem ser
gerenciados, considerando que talvez eles não sejam
substituíveis ou renováveis, dependendo da maneira
como serão utilizados e consumidos.
Conclusões
A governança corporativa significa o relacionamento com os
investidores (shareholders) para determinar e controlar a direção
estratégica e o desempenho da organização.
Quase sempre, ela é utilizada pelas organizações como um meio
para estabelecer uma ordem entre as partes – os proprietários da
organização e seus executivos de alto nível –, cujos interesses
possam eventualmente estar em conflito.
Os mecanismos internos de governança corporativa são utilizados
para garantir que os agentes dos proprietários da organização – os
altos executivos – tomem decisões estratégicas que atendam melhor
aos interesses dos acionistas. O foco desses mecanismos é o controle
das decisões administrativas para assegurar que os interesses dos
acionistas sejam plenamente atendidos. Ocorre que os interesses
dos stakeholders são igualmente importantes. Assim, os interesses
dos stakeholders também devem ser atendidos através das ações
que a organização pratica.
Conclusões
Além disso, existem outras expectativas que pesam
sobre a organização. Ela precisa atender aos requisitos
impostos pelos padrões de responsabilidade social
empresarial e garantir um desenvolvimento sustentável
que privilegie não somente a perenidade da organização,
mas igualmente do seu entorno social e ecológico.
Todas essas múltiplas pressões e compromissos estão
fazendo com que as organizações adotem certas
posturas e políticas que deixam de lado a velha e antiga
introversão administrativa para levar em conta aspectos
externos e existentes fora de suas tradicionais fronteiras
organizacionais ou geográficas.
Passeio pela Internet:
Identificação de sites interessantes para consulta dos temas tratados:

Sites de projetos de responsabilidade social:


www.voluntarios.com.br
www.uol.com.br/voluntarios
www.amigosdaescola.com.br
www.gife.org.br
www.campanhadoagasalho.com.br
www.aacd.org.br
www.fcc-brasil.org.br
www.theunger-site.com
www.clickfome.com.br
www.redpuentes.org

Para conhecer o Código das melhores práticas de governança corporativa:


www.ibgc.org.br