Você está na página 1de 64

INSTITUTO BRASILEIRO DE COACHING

CURSO DE FORMAÇÃO EM PROFESSIONAL & SELF COACHING

PROFESSIONAL & SELF COACHING

CERTIFICAÇÃO MÓDULO INTENSIVO

ANTONIO JOSÉ ALBIERO


Piracicaba/SP – Setembro/2014.
ANTONIO JOSÉ ALBIERO

PROFESSIONAL & SELF COACHING

CERTIFICAÇÃO MÓDULO INTENSIVO

Trabalho de conclusão do módulo intensivo


do curso de Formação em Professional & Self
Coaching, apresentado como requisito parcial
para obtenção do título de Professional & Self
Coach, sob orientação do Master Coach
Trainer Irineu Pinheiro.

Piracicaba/SP – Setembro/2014.
Agradeço a Deus (Deus é luz e nele não há
treva alguma) por proporcionar providências
que me levaram a trilhar este extraordinário e
maravilhoso caminho pelo universo do
coaching. Meus agradecimentos e sentimentos
especialíssimos a Marinete, Miguel e Isadora.
Sem o carinho e amor de vocês esta jornada
não teria sentido e nem teria sido possível.
Eu amo muito todos vocês.
Grato, grato, gratíssimo!

“Nosso principal objetivo é encontrar alguém


que nos motive a fazer tudo que somos
capazes” – Ralph Waldo Emerson

Antonio
SUMÁRIO

1. COACHING EDUCATION................................................................................4
1.1 PESQUISA BIBLIOGRÁFICA............................................................................4
1.2CONCLUSÃO PESSOAL....................................................................................5
2. COACHING.......................................................................................................7
2.1 O QUE É NECESSÁRIO NUMA SESSÃO DE COACHING.........................7
2.2 QUAIS OS ELEMENTOS NECESSÁRIOS.....................................................8
2.3 QUAIS AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS......................................................9
2.4 EXPLICAR COM SUAS PALAVRAS COMO É UMA BOA SESSÃO DE
COACHING...............................................................................................................10
3. RESUMO: AS PERGUNTAS SÃO AS RESPOSTAS.....................................11
4. NICHOS DE ATUAÇÃO DE COACHING.......................................................12
5. MEU NICHO DE ATUAÇÃO EM COACHING ......................................................16
6. PEER COACHING..........................................................................................17
7. RESENHA: CINE COACHING.......................................................................23
7.1 Conversando com Deus...........................................................................23
7.2 Poder Além da Vida......................................................................................... 24
7.3 Quem Somos Nós...................................................................................25
7.4 A Corrente do Bem...........................................................................................26
7.5 A Prova de Fogo...............................................................................................27
7.6 A Profecia Celestina.......................................................................................28
7.7 Duas Vidas........................................................................................................ 29
7.8 Mãos Talentosas..............................................................................................30
7.9 Hitch - conselheiro amoroso............................................................................31
7.10 Coach Carter...........................................................................................32
8. AGORA SOU UM PROFESSIONAL & SELF COACH...................................33
9. MISSÃO DE VIDA ....................................................................................................34
10. DIÁRIO DE BORDO ....................................................................................34
11. NÍVEIS NEUROLÓGICOS DE APRENDIZAGEM........................................35
12. MINI CURRÍCULO .......................................................................................36
13. COACHING GROUP MAIL ..........................................................................37
14. BIBLIOGRAFIA ............................................................................................38

[Observação: para atualizar o sumário, clique sobre o texto com o botão direito do

mouse, escolha a opção “atualizar campo” e depois em “atualizar apenas os

números de páginas”. Não se esqueça de apagar os comentários entre colchetes.]


1. COACHING EDUCATION

1.1 PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

Definição de coaching
Considerada a nova tendência em gestão e desenvolvimento de pessoas, a
prática do coaching vem sendo muito utilizada e ampliada nos últimos anos. É um
processo cujo objetivo é melhorar o desempenho de um indivíduo, grupo ou
empresa, bem como acelerar a realização de suas metas e objetivos. Assim o
propósito do coaching é ampliar resultados positivamente e proporcionar mudanças
que tornem o indivíduo no ser que ele quer ser e no melhor ser que possa ser.
O coaching pode ser utilizado para estabelecer estratégias e alcançar
resultados tanto na vida pessoal (saúde, lazer, relacionamentos e espiritualidade)
quanto na profissional (desenvolvimento da carreira, finanças, desenvolvimento de
competências, etc.). O processo de coaching é uma parceria entre o profissional que
conduz o processo e o cliente, possuindo prazo determinado de duração.
Quando o coaching é contratado diretamente por seu cliente, a atividade
acontece no âmbito do coaching de vida e profissional (Professional & Life
Coaching); quando contratado por uma empresa para o desenvolvimento de
competências de seus executivos, líderes e profissionais, é chamado de coaching
executivo e de lideranças (Executive & Leadership Coaching).
O coaching utiliza e baseia-se em diversas áreas do conhecimento humano.
Trata-se de um composto harmonioso de diversas ciências como a Administração, a
Psicologia Tradicional, a Psicologia Positiva, a Antropologia, a Programação
Neurolinguística, para citar apenas algumas como exemplo. O profissional
certificado que conduz o processo de coaching denomina-se coach e o seu cliente,
aquele que passa pelo processo, denomina-se coachee. Coaching é uma jornada,
que inicia-se num ponto inicial – o estado atual do cliente – e chega até um outro
ponto distinto – o estado desejado pelo cliente.
Durante o processo de coaching, entre coach e coachee desenvolve-se uma
parceria sinérgica e dinâmica. O coach utiliza metodologias, ferramentas e técnicas
que proporcionam ao coachee um entendimento ainda maior de si como ser
humano, desenvolvendo suas habilidades por meio de técnicas para estabelecer,
perseguir e alcançar metas e objetivos além de aprimorar suas competências
comportamentais durante o processo, obtendo resultados rápidos e extraordinários.
Origens do coaching
Para conhecermos profundamento algo é fundamental conhecermos as
origens e a evolução daquilo que se pretende estudar. Afinal, a história é o caminho
que nos trouxe até o momento presente.

Se pensarmos na filosofia que a prática do coaching envolve, sem ficarmos


presos às nomenclaturas, podemos dizer que o coaching nasceu na Grécia com a
prática dos filósofos gregos. Destacam-se nesse campo Platão com sua habilidade
de dissecar fatos e situações com indagações criativas e Aristóteles, que orientou
Alexandre, o Grande, a buscar novas formas de enxergar a vida e estabelecer
mudanças de comportamento para alcançar suas vitórias e conquistas.

“Coach” é uma palavra inglesa que não possui tradução direta para o
português. A tradução mais próxima seria “treinador” ou “técnico” (no sentido de ser
o treinador de uma equipe, como por exemplo, o técnico da seleção brasileira de
futebol). Com essa comparação percebe-se que o verbo inglês “to coach” significa
na verdade o ato de treinar alguém para melhorar suas habilidades. A palavra
inglesa originou-se do nome da cidade húngara chamada Kocs, localizada às
margens do rio Danúbio, que liga Viena à Budapeste. No século XV esta cidade
começou a produzir carruagens que se tornaram cobiçadas e muito vendidas por
toda Europa. Assim, as carruagens de Kocs ficaram muito conhecidas em todos os
territórios europeus. Graças á sua popularidade, os veículos ganharam nomes
derivados do nome da sua cidade de origem para designá-los em cada língua.
Alguns exemplos: Kutsche (alemão), koets (holandês), coche (português, espanhol e
francês) e coach (inglês). Em inglês, também o condutor do coche (o cocheiro) era
chamado de coach. O coach (cocheiro) era o profissional que conduzia o coche
levando seus passageiros para os destinos desejados por eles.

Após um longo período mantendo este significado, por volta de 1850 o


mesmo termo foi atribuído a professores e mestres de universidades, principalmente
quando se tratava de um tutor, ou aquele individuo responsável em auxiliar os
estudantes nas preparações de testes e exames diversos. Essa mudança parece
estar relacionada a uma metáfora: o coach era o tutor que guiava as crianças e
jovens pelos diversos campos do conhecimento – em analogia às carruagens da
época que carregavam as famílias pelos campos da Inglaterra. Esta é a explicação
mais aceita. Outra vertente, porém menos aceita, diz que as famílias ricas, quando
em longas viagens pelo interior da Inglaterra a passeio ou a negócios, levavam
servos que liam em voz alta para as crianças no interior das carruagens aquilo que
elas deveriam estudar. Assim, ao se referir a esta forma de aprendizagem dizia-se
que as crianças foram “coached” ou seja, “foram instruídas dentro da carruagem”.
De qualquer forma, nota-se claramente que o significado do termo não se alterou
desde o seu primeiro uso, continuando a ser o mesmo: um individuo que conduzia
seu “passageiro” para um destino previamente desejado.

Nas primeiras décadas do século XX, o termo coach começou a ser usado no
âmbito dos esportes, especialmente pelas universidades americanas, para designar
os instrutores de seus atletas, especialmente os de esportes coletivos.

Nos anos 70, Timothy Gallwey, então um instrutor de tênis na Universidade de


Harvard, nos Estados Unidos, certo dia desistiu de fazer um de seus alunos
empunhar a raquete da maneira considerada correta pelos manuais do esporte. Ao
contrário, recomendou ao aluno que segurasse-a como achasse melhor. O aluno,
então, após algumas tentativas aprimorou seu desempenho de tal forma que suas
jogadas passaram a ser mais fortes e mais precisas. Gallwey, então, ampliou o
método, deixando que os alunos escolhessem como realizar todas as jogadas. Ele
ouvia dos estudantes o que poderiam melhorar nas raquetadas e devolvia-lhes
perguntas sobre o que podia ser feito para atingir o objetivo do jogo. A partir de sua
experiência, Gallwey deduziu que “a principal arte do coach é saber fazer as
perguntas certas”. Em 1974, ele lança o livro “The inner game of tennis” com
conceitos de coaching aplicados ao tênis, mas que podiam ser facilmente
transportados para a vida pessoal e para o desenvolvimento humano como um todo.
Muitos consideram esse livro como o marco inicial do coaching como disciplina e
profissão. Em pouco tempo, nos Estados Unidos, o método proposto por Gallwey
passou a ser aplicado e ampliado no meio corporativo.

Desde então o coaching se espalhou ao redor do mundo com rapidez.


Existem atualmente muitas escolas de coaching em vários países bem como
associações e institutos que congregam coaches e contribuem para divulgar e
propagar os benefícios do coaching bem como preparar e certificar profissionais
para bem exercer a profissão.
O processo de coaching
Durante as sessões de coaching, o coach contribui com observações,
questionamentos, feedback, técnicas e ferramentas para o aprimoramento
intelectual, comportamental e emocional do cliente. Como principais características
desse processo destacam-se: o coachee é ouvido intensamente e convidado a focar
no futuro; processo estruturado com começo, meio e fim e prazo determinado; ação
constante; feedback contínuo; estímulo e desafio para estimular o coachee a ousar ir
além dos seus limites usuais; ausência de julgamento e de respostas prontas por
parte do coach; desenvolvimento de performance e competências; alcance de
objetivos específicos.
A interação entre coach e coachee durante o processo gera um contexto
ambiental de confiança mútua, seguro, confidencial, ético e transformacional para
proporcionar ao coachee clareza de seus valores, definição de suas metas, tomada
de decisões, planejamento de vida e de carreira e principalmente estimulando-o a
realizar ações constantemente. O coachee realiza importantes aprendizados,
investiga, reflete e conscientiza-se de seus pontos fracos e de suas qualidades
pessoais; aprende a assumir a responsabilidade pela própria vida; desenvolve
estrutura e foco; recebe feedback realista e também apoio com patrocínio positivo
por parte do coach. O coachee é estimulado a realizar ações (as tarefas), as quais o
colocarão no caminho para a realização de suas metas e desejos. As ações visam o
desenvolvimento e/ou aprimoramento das próprias competências do cliente
possibilitando ou a percepção ou a geração de oportunidades para se expandir.

Comparativo com abordagens similares


Ao ser comparado a outras abordagens transformacionais (mentoring,
counseling, consultoria, terapia e treinamento), o coaching apresenta algumas
similaridades e/ou complementaridades, porém destaca-se por ter um estilo próprio
e característico de intervenção e influência sobre o indivíduo.
Mentoring ou mentoria é a atividade exercida por um profissional experiente,
que usa a sua experiência em uma determinada área para apoiar e orientar seu
protegido ou mentorando. Já para o sucesso de um processo de coaching não é
requisito que o coach possui experiência na área de atuação profissional do
coachee, podendo ser-lhe totalmente desconhecida. O mentoring envolve
discussões amplas, enquanto no coaching o foco é um dos principais elementos.
No Counseling (aconselhamento), clientes insatisfeitos com seus resultados e
com as suas vidas buscam a orientação e os conselhos de um profissional
(conselheiro). Enquanto o conselheiro dá sugestões e conselhos ao seu cliente, o
coach apresenta perguntas poderosas para despertar e aflorar no coachee as
respostas que ele já possui dentro de si.
Consultoria é o processo através do qual um especialista (experiente em
determinada área de atuação) é contratado para avaliar, diagnosticar, obter
informações e orientar seu cliente. O consultor lida com a organização como um
todo ou com partes dela, e não diretamente com os indivíduos dentro dela.
Consultores fornecem respostas ao passo que os coaches oferecem perguntas.
A Terapia visa a ajudar a corrigir e superar questões de ordem física, psíquica
e emocional que impedem o sujeito de amar, trabalhar e se relacionar, buscando em
eventos do passado as causas para os problemas atuais do paciente. O coaching
não é corretivo, mas criativo, e seu foco é o resultado desejado futuro. No coaching
o passado é honrado e respeitado, mas o convite é para o cliente fixar os olhos na
pessoa que emergirá ao fim do processo. Entretanto o coaching não substitui a
terapia. Conforme o caso, o coach pode recomendar ao seu coachee que busque a
ajuda de um terapeuta para ou complementar o processo de coaching ou como um
pré-requisito para o processo em si.
O treinamento é o processo de adquirir habilidades ou conhecimentos
específicos de uma pessoa que possui tal conhecimento. Por definição, o
treinador/professor é um especialista que passará o seu conhecimento aos
treinandos, na base de “um para muitos” e raramente no sistema “um para um”.
Coaching pode ser considerado treinamento e também pode ser direcionado a um
grupo (coaching group), mas o coach não oferece respostas, soluções ou
conhecimento pronto. É o cliente o especialista em sua área e é ele que tem as
respostas para as suas inquietudes e desejos e não o coach.
Resultados de coaching
Sem dúvida alguma, o processo de coaching gera um sensível aumento de
resultados positivos em diversas áreas da vida do coachee, gerando mais realização
e qualidade de vida.
Na área de felicidade e prosperidade, o coaching proporciona um aumento do
nível de conquistas, desempenho, felicidade e plenitude bem como melhoria nos
resultados financeiros e de prosperidade.
Na área de qualidade de vida, proporciona equilíbrio entre as áreas pessoal,
profissional e de relacionamento; um melhor uso do tempo; a diminuição do estresse
e da preocupação desnecessária; um aumento de disposição, de energia e de
saúde.
Na área de relacionamento: melhoria na comunicação; melhor entendimento e
aceitação das outras pessoas; resolução de conflitos, dúvidas e problemas.
Na área de autoconhecimento e emoções: aumento da autopercepção e
autoconhecimento; melhoria na autoestima e na autoconfiança; aumento de
responsabilização pela mudança e auto-liderança; melhoria no controle das
emoções.
Na área de planejamento e habilidades: melhoria no foco, planejamento e
administração do tempo. Alinhamento de missão, valores e crenças; aumento da
percepção, criatividade e intuição; aumento da flexibilidade e adaptabilidade às
mudanças; melhoria no processo de aprendizado e melhoria contínua.
Coaching como filosofia de liderança
Os princípios mais marcantes do coaching são: ouvir na essência, suspender
todo tipo de julgamento (o jeito do coachee é o jeito certo), focar no positivo,
ressignificar (aprender com o passado), ouvir sua voz interior (o coração tem todas
as respostas), perguntar para estimular respostas e principalmente obter resultados.
Todos esses princípios formam a base de uma nova filosofia de liderança: a
do líder coach. E como disse certa vez o ex-CEO da General Electric, Jack Welch:
“No futuro todos os líderes serão coach. Quem não desenvolver essa habilidade
será automaticamente descartado pelo mercado.”
Segundo José Roberto Marques, master coach sênior e presidente do
Instituto Brasileiro de Coaching, o papel do líder coach dentro de uma organização
não é o de comandar, muito menos de controlar seu liderado, mas de serví-lo,
influenciando positivamente e motivando-o, elevando-o a todo o momento de
patamar tanto pessoal quanto profissionalmente.
Assim, o principal papel de um líder dentro de uma organização, que é o de
atingir resultados através das pessoas, ao ser alicerçada no desenvolvimento de
pessoas pelo coaching, é muito fortalecido e empoderado. E com profissionais
melhores e mais satisfeitos, a saúde global da empresa, o seu desempenho e o seu
posicionamento de mercado é beneficiado.
1.2 CONCLUSÃO PESSOAL

[Escreva uma página sobre a sua conclusão pessoal sobre o processo de


Coaching.]

[Responda as questões abaixo em forma de dissertação. Escrevendo um


mínimo de 1 página para cada uma delas. Pode ser respondida na forma de Sub-
títulos, em em um único texto]
2. COACHING

O QUE É NECESSÁRIO NUMA SESSÃO DE COACHING

O principal elemento, a condição “sine qua non” de uma sessão de coaching


deve ser um alto grau de comprometimento do coach e do coachee com o
processo em si. O compromisso do cliente é de tal forma importante para que o
processo atinja os seus resultados com 100% de sucesso, que a sua ausência
justifica a interrupção do processo e a dispensa do coachee para que ele opte por
uma outra forma de abordagem ou ajuda.
A sessão deve ser realizada em um local seguro, sagrado, que leva em
consideração a psicogeografia (lado direito do coachee – futuro – amplo) com duas
cadeiras exatamente iguais, demonstrando que a relação de coaching é horizontal,
de igual para igual. O coachee deve perceber o acolhimento e a segurança tanto
por parte do coach como do ambiente, para que a sua confiança seja máxima e ele
se sinta protegido para abrir-se a um diálogo sincero e honesto. A ética e a
confidencialidade devem pautar cada sessão. Todos os assuntos trazidos pelo
coachee e tudo o que acontecer durante a sessão é propriedade do cliente e serão
mantidos dentro dos limites da sessão, exceto com sua autorização expressa.
Durante a sessão uma parceria sinérgica é estabelecida entre coach e
coachee, embasada fortemente em confiança mútua e cumplicidade. O coach
confia na capacidade do coachee de resolver o problema com seus recursos e
potenciais internos (talvez ainda desconhecidos e não aflorados). O coachee tem
confiança na capacidade do coach de conduzir o processo com profissionalismo e
competência. O rapport, a conexão alma com alma, o permitir-se entrar no “flow”, a
ausência de julgamento e o ouvir na essência formam o alicerce que o coach usa
para “construir” cada sessão.
As sessões têm proposta e dinâmica próprias mas acordos podem ser
celebrados entre coach e coachee sobre a melhor maneira de conduzir a sessão, de
forma que elas sejam mais significativas e produtivas. O coach utiliza de técnicas e
ferramentas que proporcionam conhecimento, aprendizado, convites e desafios,
ao coachee. Conhecimento e aprendizado de si mesmo e de novas formas de
pensar o mundo e seus relacionamentos. Convite e desafio para ousar ir além e a
mergulhar num processo de descoberta pessoal sobre seus limites atuais, seu estilo
de personalidade, seus talentos, seus pontos fortes, pontos de melhoria e de seus
valores.
Perguntas poderosas encorajam o coachee a fazer sua própria análise e a
trazer à tona pontos novos e importantes, além de descortinar novos caminhos e
possibilidades até então nunca vistas e consideradas pelo cliente.
Elemento também importante da sessão é o feedback realista oferecido pelo
coach a respeito do desempenho e dos resultados obtidos pelo coachee. O coach
orienta o coachee a focar o futuro e a honrar o passado, dá apoio e patrocínio
positivo para que seu coachee desenvolva uma visão clara e definida de seu
estado atual (ponto “A”), de seu estado desejado (ponto “B”) e ponha-se em ação
(inicie a jornada), realizando as tarefas que o ajudarão a chegar à meta desejada. O
acompanhamento (“follow-up”) e a mensuração constante das tarefas por parte do
coach contribui como um elemento motivacional para o coachee pôr-se em
movimento em direção ao seu objetivo.
As sessões contribuem para o empoderamento do cliente, assumir a
responsabilidade pela sua própria vida e a ter flexibilidade para receber as
diversas situações de sua vida, abraçando o que for bom e deixando ir aquilo que
não for.
2.2 QUAIS OS ELEMENTOS NECESSÁRIOS

Para que um processo seja classificado como “coaching” é necessário que ele
possua certos elementos. A ausência de um ou mais destes elementos faz com que
o processo se configure como uma outra coisa, como por exemplo, terapia,
consultoria, ou tão somente um mero e inconsequente bate-papo. Os elementos
necessários para uma sessão configurar-se como coaching são apresentados em
negrito a seguir.
O coaching é uma solução procurada pelo cliente quando ele necessita de
apoio para resolução de seus problemas. E o coaching é um processo apropriado
para isso, uma vez que traz para o cliente altas possibilidades transformacionais,
conduzindo-o ao crescimento pessoal e à mudança de comportamentos
ineficazes, incentivando-o à definição de metas e ao planejando estratégico de
como sair de sua situação atual e chegar ao seu objetivo através de um plano de
ações pessoal. O coaching é personalizado, isto é, o processo é pessoal e visa
atender as necessidades específicas do indivíduo e assim, além de receber
feedback pessoal, cada cliente vivenciará o processo que for mais adequado e
apropriado para ele.
Além disso, o coaching explora as crenças pessoais e proporciona uma
profunda e apurada análise dos valores do cliente. Oferece informações
relevantes, de forma que o cliente forma um quadro claro a respeito de vários
aspectos de sua vida, seus comportamentos e até mesmo de sua personalidade. O
coaching desafia o cliente a ousar ir além de seus limites e lida com as suas
resistências à mudança e a ser flexível frente as mudanças e às situações que se
apresentam, enquanto reforça aquilo que o leva para mais perto de seus objetivos
através do suporte e apoio do coach. Incentiva o cliente a ter foco no resultado
futuro pretendido. Enquanto o processo se desenrola e progride, o cliente
experimenta um intenso aprendizado graças às perguntas, ferramentas e técnicas
que lhe são apresentadas sob condução do coach.
Todo o processo transcorre num ambiente ético onde a confidencialidade a
respeito de tudo o que acontece é garantida. A partir desses elementos, a pessoa
encontra energia e motivação para conseguir efetivamente atingir seus objetivos e
ter resultados. Afinal, coaching sem resultados não é coaching.
Vale citar os elementos principais que têm baixa incidência e significância
num processo de coaching. Aconselhar e fornecer soluções prontas não é coaching,
pois um dos pressupostos do coaching é de que as respostas e soluções estão no
interior do coachee. Basear-se na experiência do coach sobre determinada área
para conduzir o coachee também não é coaching, pois um outro pressuposto
importante é o de que o cliente é o “expert” no assunto em questão e não o coach.

2.3 QUAIS AS PRINCIPAIS FERRAMENTAS

Quais as principais ferramentas?


Todas as ferramentas são importantes para o desenvolvimento de uma sessão de
Coaching, pois o seu uso se fará necessário conforme a necessidade de sua
utilização, o Coach é quem definirá qual o momento adequado e quando usar
determinada ferramenta ou técnica, mas há FERRAMENTAS que se tornam
obrigatórias e indispensáveis em toda sessão, o OUVIR NA ESSÊNCIA testifica
a supremacia do RAPPORT ALMA, essa sensibilidade de entender o que está
por trás das palavras permite IR MAIS ALÉM trazendo o Coachee próximo a
uma realidade até então desconhecida, pois as PERGUNTAS INTELIGENTES
TORNAM-SE AS RESPOSTAS que ele próprio já possuía, essa é toda a
“magia” fascinante do processo, permitir ao cliente ver as possibilidades que não
via. A RESSIGNIFICAÇÃO é outra poderosa ferramenta indispensável em
qualquer avaliação pessoal ou profissional, pois permite ao Coachee rever
passagens de sua vida ou tomadas de decisões com outra ótica, reavaliando
sentidos e transformando algo ruim em fato não tão significativo, absorvendo
apenas o lado POSITIVO de todo o ocorrido, quanto sofrimento pode ser
atenuado e traumas desfeitos quando não pesamos tão rigorosamente nossas
atitudes ou situações vividas, é extraordinário o poder da RESSIGNIFICAÇÃO
em todo o processo de Coaching, ele é capaz por si só de ser o grande
transformador de humor e consequentemente de mudança comportamental, pois
ao observar uma atitude ou um fato por outro ângulo permite-se flexibilizar o
atual estado vivido, justamente proveniente desse acontecimento em específico,
por isso as técnicas e ferramentas que ajudam a extrair essa realidade são tão
importantes, veja que a RECAPITULAÇÃO e a EXPANSÃO dão dentro do
contexto uma lógica clara com as sucessivas aplicações aos argumentos do
Coachee, lhe deixando encurralado em ter de enfrentar sua verdade, muitas
vezes mascaradas por anos a fio. A ESCALA é outra ferramenta poderosa e
indispensável em todas as sessões, pois permite ao Coach ver com clareza o que
o Coachee estar argumentando, bem como fazê-lo entender até que ponto ele
mesmo crê no que responde, uma vez que você quantifica o que fala admite,
nega ou pondera sobre o que deseja, espera, compactua ou aceita, e essa nitidez
de idéia define o êxito da sessão ou não, pois daí surge justamente o
COMPROMETIMENTO tão necessário ao sucesso do COACHING. O foco
apenas nas coisas POSITIVAS, REFRAME, REENQUADRAMENTO, fornece
combustível indispensável para o cliente acreditar no “final feliz” das sessões,
eis porque o PATROCÍNIO POSITIVO foca de forma tão palpável e próxima o
ESTADO DESEJADO do coachee, fazendo-o ver quase que de forma delirante
seu objetivo realizado antes mesmo disso acontecer. Assim, para manter o
cliente com os pés no chão e fazê-lo partir de forma congruente rumo ao seu
desejo, bem como muitas vezes retirar de algum transe de momentos passados o
STROKE o trás de volta a realidade, em fim, usando o APADRINHAMENTO
permite-se ter vida no processo, pois o toque conecta, transmite energia e dá
sentido ao Coachee promovendo coragem e vontade de lutar para alcançar suas
metas, realizar seus sonhos, traçando possibilidades.
Claro que também são indispensáveis o SHAZAN, que vem acompanhado de
poder nas perguntas básicas de três fatos POSITIVOS e três NEGATIVOS, bem
como, qual desses o faria viver novamente para voltar no tempo e ressignificar?
Isso permite ao Coach conhecer já intimamente seu Coachee e começar a
preparar sua estratégia de atuação. O posicionamento também é de suma
importância ( PSICOGEOGRAFIA ) validando e permitindo FLUIR no sentido
certo as sessões, pois é muito importante ter os papéis bem definidos durante o
início e fim do processo.
Essas são as principais ferramentas a serem usadas durante as sessões de
Coaching, pois o conhecimento da importância delas permitirá ao Coach 100%
de sucesso em seu processo, visto que são indispensáveis para a realização
eficaz do Coaching.

----
Algumas das principais ferramentas para um processo de Coaching de Vida
eProfissional:1. Rapport2. Rapport de Alma3. Patrocínio Positivo4. Psicologia
Positiva5. Perguntas Poderosas
2. 6. Swot7. Perdas e Ganhos8. Smart9. Feedback Burger10. Escala11. Técnica
de Relaxamento12. Técnica de Recapitulação13. Reframe14. Orientação para
Resultados ʹPlano de Ação 5W2H15. Âncora16. Identificando Valores, Crenças e
Sonhos e Missão de Vida17. Identificando Fases da Vida18. Perfil de
Personalidade19. Formatando os Objetivos20. Múltiplas Inteligências21. Tríade do
Tempo22. Feedback 360º Externo e Projetivo23. Roda da Vida, Roda da
Abundância, Roda da Inteligência Emocional24. Matriz de Estado Desejado25.
Roda das Competências26. Roda de Atuação e Competência dos Coaches27.
Avaliação de Preferência Cerebral28. FeedForward ( sugestões)29. Processo de
Solução de Problemas

Perguntas poderosas
Shazan
Auto feedback
Roda da vida
Levantamento do sistema representacional
Avaliação do perfil comportamental
T|ríade do tempo
Feedback 360o projetivo
Levantamento de crenças
Diário de bordo
Roda da abundância
Definição de missão e visão
Definição de metas e objetivos:CRIE-PE SMART, Formatar objetivos
As cinco linguagens do amor
Análise de perdas e ganhos
Análise do campo de força
5W2H
Matriz de gestão da mudança
Levantamento de valores
Rota de ação
2.4 EXPLICAR COM SUAS PALAVRAS COMO É UMA BOA SESSÃO DE

COACHING

Uma boa sessão de Coaching?


Uma sessão de Coaching é um PROCESSO de conexão profunda entre Coach e
Coachee ( cliente ), e possui um FOCO e uma AÇÃO, o Coachee quando
procura um Coach assim o faz por querer melhorar seu potencial em
determinada área de sua vida, seja profissional ou pessoal, proporcionando
acelerar suas metas (descobertas durante as sessões) e potencializar seu estado
positivo, mantendo-o sempre próximo de seu ESTADO DESEJADO. Essa
clareza de idéias abre possibilidades infinitas, pois é função do Coach auxiliar o
Coachee descobri-las e traçar um PLANO DE AÇÃO para realizá-las, a jornada
rumo a essa descoberto e o auxílio oferecido até a concretização da meta é o
COACHING. Então para se realizar uma boa sessão de Coaching é necessário
antes de tudo assumir um COMPROMISSO com todo o processo, já que o seu
sucesso depende da participação ativa do Coachee com todo o traçado de planos
feito pelo Coach, sem essa concepção por parte do cliente a MUDANÇA DE
COMPORTAMENTO tão necessário ao processo fica invalidada e não acontece
o Coaching, vejamos, se uma atitude minha mim levou ao atual estado em que
me encontro, ou não consigo atingir meus objetivos, é claro que o repetir
novamente me levará a continuar onde estou. Se abasteço num posto de
combustível que oferece gasolina de péssima qualidade, e meu carro sempre
apresenta problemas, e o mecânico sempre me alerta para o mesmo ponto – é o
combustível adulterado que está prejudicando o motor – e eu continuo a
abastecer no mesmo posto, como posso querer que meu carro melhore ? Por isso
precisa-se de um comprometimento ativo e participante para que o Coaching
tenha seu resultado preciso, sendo este o primeiro e mais importante passo. O
RAPPORT ALMA e o sentir por trás das palavras conecta o Coach intensa e
profundamente com o real desejo do Coachee, e aí tudo é mágico, pois essa
sensibilidade permite ao mesmo fazer as PERGUNTAS certas que levarão o
cliente a dar as RESPOSTAS necessárias para que aconteça todo o PROCESSO.
É o Coachee o grande responsável pelo sucesso da sessão, por isso é tão
importante criar um ambiente ( lugar ) sagrado, confiável, para que o mesmo
sinta-se a vontade para se permitir IR MAIS ALÉM. O Coach apenas
acompanha, torce, vibra, coloca energia, auxilia, para que tudo flua da melhor
forma possível, e ajuda com sua visão externa ao cliente a fazer as TAREFAS
necessárias que o ajudarão a atingir seu ESTADO DESEJADO, e transpor seus
obstáculos.
Uma boa sessão inicia-se com o fazer se sentir a vontade, passar confiabilidade,
cobrar um COMPROMISSO e seriedade com todo o processo e então deixar
FLUIR, com esses pré-requisitos é impossível não se ter uma excelente sessão,
pois a conexão tão importante para o processo ocorrerá impreterivelmente,
juntando a VONTADE de ajudar com a VONTADE de permitir ser ajudado,
cria-se o ambiente necessário para a semente fértil do COACHING. Por isso os
nichos de atuação do Coaching são vários, porque praticamente se aplica em
quase tudo de nossa vida, durante o período do curso vi transformações incríveis
de pessoas, que ao se permitirem serem ajudadas superaram seus problemas e
redefiniram suas prioridades, adquirindo outra forma de ver a vida, em fim, se
encontraram novamente, foi incrível, e mais incrível ainda é saber que você
pode oferecer isso a outras pessoas, possuir uma MISSÃO de vida com um
propósito tão GRANDE me deixa profundamente animado em querer abraçar
essa nova profissão que é mais que um trabalho, é uma possibilidade de FAZER
a diferença ante tanta omissão.
3. RESUMO: AS PERGUNTAS SÃO AS RESPOSTAS

Questões típicas de Coaching


Questões do tipo COMO? (BUSCA PELO PROCESSO)
 Como você pode melhorar essa ação para alcançar melhores resultados?
 Como você abordaria essa situação de maneira totalmente inédita e positiva?

Questões do tipo QUE? (ESPECÍFICA E DIRETA)


 O que você acredita que trouxe esse resultado?
 O que você fará diferente do que você faz atualmente para te impulsionar em
direção ao seu objetivo?

Perguntas para identificação de VALORES


 O que você ganha com isso?
 Pelo que você mata e morre mas não abre mão de jeito nenhum?

Perguntas para verificação de RESPONSABILIDADE pelos RESULTADOS


 O que você poderia fazer hoje para ir em direção a sua meta?
 Quem é o maior interessado pela sua evolução e crescimento?
Perguntas para avaliação do COMPROMETIMENTO
 Estou 1000% comprometido com o seu resultado. E você? O quanto você
está comprometido efetivamente com o seu processo?
 Quem será o maior beneficiado pelo atingimento completo e pleno de sua
meta?

Questões do tipo QUAL?


 Qual grande lição você pode extrair desse acontecimento?
 Qual você supõe seria o conselho especial que a pessoa mais sábia que você
conhece te oferecia para reverter essa situação?

Questões do tipo QUANDO? (ESPECIFICA TEMPO E PRAZO)


 Quando você quer atingir resultados positivos em sua vida?
 Quando você começará a agir de acordo com o comprometimento que a meta
proposta por você merece?

Questões do tipo ONDE? (LOCAL)


 Onde você se vê a médio e longo prazo?
 Até onde já avançamos com esse processo? Onde você está em relação à
meta desejada?

Questões do tipo POR QUÊ?


 Por que as dificuldades estão ganhando esse espaço dentro de você?
 Por que essas opções são as melhores? Por que o resultado dessas opções
seria diferente das demais alternativas?

Questões do Processo de Coaching


Questões para levantamento de NECESSIDADES (RESULTADOS ESPERADOS)
 Se a situação fosse perfeita, como ela seria?
 Como seria para você um 'dia perfeito' em termo de atividades, sentimentos e
relacionamentos?

Questões de CONGRUÊNCIA
(Questões sistêmicas que não afetam alguém ao seu redor)
 Isso realmente vai te trazer sucesso sem ir de encontro aos seus valores?
 Como as pessoas que lhe são queridas se encaixam no seu objetivo/meta?
Qual o impacto sobre elas?

Questões para gerar RESPONSABILIDADE (DEPENDE DE QUEM)


(o cliente precisa se responsabilizar pela vida dele)
 Quem você acredita ser o maior responsável por estas ações e conquistas
dos resultados que você espera?
 Quais são as partes da situação que você tem o controle? Como influenciar
positivamente as partes que você não tem controle direto?

Questões para definir SEGMENTAÇÂO DO OBJETIVO


 O que precisa acontecer efetivamente e na prática para saber que atingiu o
seu objetivo?
 Visualize o seu objetivo no futuro. Quais são os três principais passos a
serem dados para chegar até o seu objetivo?

Questões para LEVANTAMENTO DE RECURSOS


(estímulo para o cliente viajar em um estado emocional fortalecedor)
 Vamos imaginar que você resolveu o seu problema da forma mais satisfatória
possível. Você pode descrever como se sente? O que você fez para chegar
até aqui?
 Quais são os talentos que você já tem e que contribuem para o alcance da
meta proposta? Que outros talentos precisam ser aprimorados para
contribuírem ainda mais para obter o objetivo desejado?

Questões para mudança de ESTADO EMOCIONAL


 Você pode pensar em uma época quando se sentiu completamente capaz e
confiante? Como você estaria sentado ou em pé agora sabendo que é
totalmente capaz e confiante?
 Como as pessoas que lhe são queridas e/ou importantes o parabenizariam
pelo alcance de seus objetivos? Perceba quais são as reações, emoções e
pensamentos que afloram em você ao ter sua conquista validada por aqueles
que lhe são caros.

Questões para ESTIMULAR A AÇÂO


(Criar números e prazos)
 Qual o primeiro passo a ser dado na direção de sua meta?
 Quando você prefere realizar essa ação que te levará mais próximo da meta:
ainda hoje? Na próxima semana?

Questões para GERAR ESCLARECIMENTO


(o coaching entra na cabeça do cliente e questiona-o extremamente)
 Que evidências você pode apresentar em defesa dessa sua conclusão?
 Você se referiu a “X”. Você pode explicar e definir para mim o que é “X”
segundo você?

Questões para GERAR OPÇÕES


(opções mais inteligentes para obter resultados)
 Você tem noção do que precisa mudar para reverter essa situação?
 Qual a opção que ainda não foi considerada e que faria sentido ser posta na
mesa agora?

Questões para desafiar PARADIGMAS


(desafiar crenças limitantes)
 O que o amor faria agora?
 Vamos nos permitir suprimir todas as limitações temporariamente. Como
seria? O que você faria?

Questões para ENCONTRAR LIMITAÇÕES


 Que pedras nesse caminho poderiam ser contornadas ou retiradas?
 O que real e verdadeiramente te limita ou impede de obter os resultados que
você quer obter?

Questões para MANTER APRENDIZAGEM


 Qual foi a maior lição que você aprendeu com todo o processo de Coaching?
 Quais foram as conclusões a que você chegou até este momento de nossa
caminhada?

Questões para AVALIAR O PROGRESSO


(questões que expressam ao cliente o seu zelo com relação ao progresso dele)
 Por que valeu a pena estar aqui hoje?
 Quais são as partes de você e de sua vida que estão sendo fortalecidas
graças ao processo?

Questões para OFERECER APOIO


(participar do processo se mostrando amigo e parceiro)
 O que você acredita que eu poderia fazer, além do que eu estou fazendo,
para que você consiga alcançar sua meta mais rapidamente?
 Sente falta de algo em nossas sessões? Quais são as suas sugestões para
que as sessões sempre obtenham uma nota espetacular?

Questões específicas do processo de Coaching


Questões para ELABORAR PENSAMENTOS
 Outra pessoa nessa mesma situação poderia ter novas compreensões sobre
esse assunto?
 Como você veria essa situação de um ponto de vista elevado e portanto mais
privilegiado?

Questões DESAFIADORAS
(questões que desafiam o cliente a pensar)
 Isto é uma interpretação ou um fato?
 O que você perderá ao ganhar, isto é, ao atingir a meta proposta?

Perguntas para definição de RESULTADOS ESPERADOS


 O que você deseja melhorar, mudar ou conquistar com esse processo?
 Na sua opinião o processo de Coaching vai te transformar em que tipo de
pessoa? E que tipo de pessoa você deixará de ser após o processo de
Coaching?

Perguntas para definição de EVIDÊNCIA de realização


 O que exatamente lhe fará dizer 'consegui'?
 Quais são as cinco coisas que indicarão de verdade para você, sem sombra
de dúvida, que você chegou lá?

Perguntas Socráticas
Esclarecimento
 Você pode me dar um exemplo? Você se sente confortável o suficiente para
aprofundar um pouquinho mais o assunto?
 Que outros detalhes você pode me fornecer sobre isso? O que mais é
importante eu saber?

Sondagem de pressupostos
 O que poderíamos supor ou fazer em vez disso? Tem mais alguma ideia
(ação) no mesmo sentido desta solução?
 O que você acredita serem as reais causas dessa situação?

Sondagem de razões ou evidências


 Por que você acredita que isso é verdade?
 Quais motivos te levam a agir dessa maneira? O que te motivaria a agir
diferentemente?

Pontos de vista e perspectivas


 Que efeito isso teria?
 Que nos diria uma pessoa olhando para essa situação de fora?

Sondando resultados e consequências


 O que você quer dizer com isso?
 Onde você acha que chegará mantendo o seu atual modo de agir?
Perguntas sobre perguntas
 Por que você acredita que eu fiz essa pergunta? Se eu tivesse uma intenção
positiva na minha colocação, qual seria ela?
 Se houvesse uma pergunta que você não quisesse saber a resposta, que
pergunta seria essa?

Mais perguntas poderosas


 Você teve um desempenho espetacular neste período. O que você acha que
foi determinante para isso?
 Imagine por um instante que você se encontra em seu leito de morte. Quais
serão os seus motivos de orgulho? Quais arrependimentos você se
arrependeria de ter em seu leito de morte?

4. DESCREVER NICHOS DE ATUAÇÃO DE COACHING

O mercado de Coaching é basicamente dividido em Personal Coaching (Coaching

Pessoal), Life Coaching (Coaching de Vida) e Executive and Business Coaching.

Coaching Pessoal, Personal Coaching e Life Coaching são modalides similares de


Coaching onde um profissional (coach) atua junto com seu cliente coachee
(coachee). É uma oportunidade poderosa para pessoas que sabem que o sucesso
pessoal ou profissional é que necessita de foco, objetivos bem definidos, motivação,
planejamento, transformação e evolução, superação e excelência.
Executive and Business Coaching está relacionado ao mundo corporativo,
desenvolvimento de empresas, organizações e pessoas em cargos de liderança.
O Coaching é uma ferramenta flexível e pode ser adaptada a qualquer nicho, o
Coach pode atuar como:
Coach de Relacionamentos, Coach de Família, Coach de Atletas, Coach de
Adolescentes, Coach de Crianças, Coach de Sucesso, Coach de Comunicação,
Coach de Vendas, Coach de Liderança, Coach de Energia, Coach de Negócios,
Coach Financeiro, Coach de Aposentadoria, Coach de Crises e Transições, Coach
de Carreira, Coach Espiritual, Coach de Emoções, Coach de Superação, Coach de
Transformação, Coach de Novos Negócios, Coach de Gestores, Coach Financeiro,
Coach de Férias, Coach de Orientação Profissional, Coach de Carreira, Coach de
Planejamento, Coach de Empreendimento, Coach para Emagrecimento e inúmeros
outros….
---
O Coaching possui diversas área de atuação, diante de uma grande variedade de

segmentos, pode citar dois grandes nichos, que são: Life Coaching e Executive

and Busines Coaching. O primeiro é voltado para o desenvolvimento pessoal,

enquanto o segundo visa ao desenvolvimento profissional do indivíduo ou de

um grupo. Em cada uma dessas categorias existem outras subdivisões, que

trabalham áreas mais específicas, como Coaching de Carreiras, Coaching de

Liderança, Coaching de Performance, Coaching Financeiro, Coaching de

Empreendedorismo, Coaching Esportivo, Coaching de Emagrecimento,

Coaching de Relacionamentos e Coaching de Família. Entenda melhor alguma-

vertentes:

Coaching Pessoal
Esse nicho promove o desenvolvimento individual, auxiliando as pessoas a definirem
melhor seus próprios objetivos e a traçar metas eficientes para atingi-los. Essa
vertente do coaching trabalha campos como relacionamento intrapessoal, saúde,
espiritualidade e família. O objetivo é instigar o coachee a conhecer mais a si
mesmo, para que possa identificar suas habilidades e potencializá-las, usando-as
em seu favor.
Coaching Executivo
É o nicho que auxilia os executivos a estabelecerem as melhores metas e propósitos
para a empresa diante de um mercado competitivo e que passa por mudanças
constantes. Além do desenvolvimento profissional, o Coaching Executivo também
contribui para o aperfeiçoamento da performance pessoal, buscando sempre um
equilíbrio entre as necessidades humanas e empresariais.
Coaching de Performance
Também conhecida como Coaching de Desempenho, essa subdivisão
do Coaching tem como principal objetivo a descoberta dos bloqueios internos da
pessoa e ajudá-la a superá-los. A característica principal do Coaching de
Performance é o autoconhecimento e o desenvolvimento das habilidades pessoais e
profissionais para eliminar empecilhos identificados pelo próprio coachee.

Coaching de Liderança
Essa vertente do processo tem o intuito de desenvolver a capacidade de liderar e de
dividir responsabilidades com toda a equipe, tornando-a mais comprometida,
motivada e eficiente. O principal objetivo é criar uma equipe que realmente trabalhe
unida, com a capacidade de dar andamento em projetos, focando na solução e em
obter resultados.
Os benefícios
Esses são apenas alguns dos vários nichos de Coaching, todavia, todos eles têm
como benefícios comuns a melhoria na qualidade de vida, a conquista do equilíbrio
interior, a realização pessoal e profissional, a diminuição do estresse e da
ansiedade, o autoconhecimento e a autorrealização.

Se precisa de Coaching Pessoal (Personal or Life Coaching), você pode procurar

um Coach de:

Noivas
Relacionamentos
Casamento
Família
Crianças
Adolescentes
Emagrecimento
Mudanças (fases de transições)
Luto
Superação
Espiritual
Emoções
Férias
Se precisa de foco Profissional (Professional Coaching), você pode procurar um
Coach de:
Sucesso
Comunicação
Vendas
Liderança
Negócios
Financeiro
Aposentadoria
Crises e Transições
Carreira
Transformação
Gestores
Orientação Profissional
Carreira
Planejamento
Empreendimento
Atletas

5. MEU NICHO DE NEGÓCIO DENTRO DO COACHING


[Escreva a razão e sua conclusão. Obs. A intenção positiva deste pedido é
que você escolha verdadeiramente em que área específica você vai atuar/pretende
atuar como coach ou utilizar o Coaching. Mínimo de 3 páginas]
6. PEER COACHING

[Após ter atendido no mínimo 5 sessões de Peer Coaching, o Coach deverá


anexar um relatório de procedimento e resultado para cada sessão com resumo e
conclusão de cada sessão. Os relatórios que forem preenchidos a mão deverão ser
escaneados como imagem e inseridos neste arquivo um por página.
As sessões realizadas de forma escrita via internet deverão ser salvas e
colocadas no trabalho como anexo,logo após o respectivoRelatório de
Procedimentos e Resultados (um relatório para cada atendimento).
Para facilitar a verificação da prática, preencha a tabela abaixo indicando para
cada sessão realizada os dados de seu coachee e as páginas onde se encontram as
imagens com o Relatório de Procedimento e Resultado e as sessões escritas (se
houver).]

SUMÁRIO DO REGISTRO DE PRÁTICA


Páginas do
Páginas do
Coachee e-mail Anexo
Relatório
(se houver)
1
2
3
4
5

7. RESENHA: CINE COACHING

[Após assistir duas vezes cada filme abaixo, fazer uma resenha com conclusão,
relacionando o filme com o universo do Coaching. Lembre-se que os filmes
podem ser uma importante ferramenta de apoio no intervalo entre as sessões.
(Mínimo de 20 se linhas e máximo de 30 linhas para cada filme).]
7.1 CONVERSANDO COM DEUS

O Cine Coaching CONVERSANDO COM DEUS conta a história do produtor de

rádio Neale, que sofre um acidente de carro, quebra seu pescoço e,

desempregado, não consegue recolocação em nenhum lugar, apesar de ser

bem qualificado.

Sem dinheiro para custear suas despesas, fica sem moradia e se transforma em um
mendigo. Passa fome, frio e várias situações desagradáveis nessa nova condição.
Um dia consegue um novo emprego como DJ e, aos poucos, começa a se reintegrar
a sociedade. Entretanto, a rádio vem à falência, e mais uma vez perde o emprego.

Em depressão, passa a questionar a existência de Deus e sua vida. Começa então a


ouvir uma voz, que parece ser a de Deus, e que passa a revelar-lhe as respostas
que procura. Neal começa a escrever sem parar tudo o que a voz revela. Os
registros são transformados em livros e logo o escritor alcança o sucesso.

Podem-se conferir diversas referências ao processo de coaching. Vê-se a


necessidade de ressignificação, da persistência e, apesar dos revezes da vida,
confiar e seguir em frente. Observam-se no filme as várias coincidências e fatos
sincrônicos ocorrendo. As resistências do personagem Neal e as buscas por
respostas as suas dúvidas sobre sua vida.

Percebe-se que a voz que Neal ouve passa a fazer o papel de seu coach, trazendo
significado a tudo o que ele sempre quis saber. A voz faz alusão ao fato de que
todos têm as respostas de seus problemas dentro de si mesmos. E o processo de
coaching é isso. Apesar do apoio do coach, o coachee trilha sozinho seu caminho,
passa a se ouvir e toma decisões baseado naquilo que é melhor para si mesmo
(autoconhecimento). Todos são fontes de infinito conhecimento, é só saber ativar
essa força.

Outro conceito interessante abordado no filme é a necessidade de fazer aquilo que


se gosta, a vocação de alma, para se tornar próspero. Dessa forma, “para-se de
correr atrás do dinheiro e este passa a correr atrás de você”. E dentro da
prosperidade, saber dividir, compartilhar a abundância com outras pessoas.
Fazendo um paralelo de que a abundância pode não ser o “dinheiro” em si, mas sim,
o conhecimento que Neal adquiriu, ele passa a fazer palestras distribuindo suas
informações para outros, assim como seu livros também o fizeram.

7.2 PODER ALÉM DA VIDA

Dan é um talentoso ginasta adolescente com o sonho de participar das


Olimpíadas. Nascido em uma família rica, ele tem tudo o que um jovem de sua idade
poderia querer: troféus, amigos, motocicletas e namoradas. Porém fora da sua rotina
de treinos intensos, leva uma vida um tanto quanto desregrada, frequentando festas
e recorrendo ao álcool frequentemente. Começa a ser perseguido por um sonho
insistente, onde ele vê sua perna se despedaçar como vidro em muitos pedaços
durante uma apresentação de ginástica. Durante a confusão do sonho, caído no
chão e sofrendo com as dores, consegue ver os pés de alguém, que calça um par
de botas surradas, varrendo e juntando os cacos espalhados pelo chão. Mais tarde o
sonho se realizaria. Certa noite Dan conhece Sócrates, um homem misterioso e
intrigante, num posto de conveniência. Sócrates tem uma maneira diferente e
profunda de ver o mundo. Dan passa a frequentar o local e a ser treinado por
Sócrates nas técnicas para se tornar um guerreiro. Entre idas e vindas e vários
conflitos internos, Dan sofre um acidente de moto que literalmente despedaça a sua
perna, potencialmente afastando-o da carreira esportiva. O treinamento e a
influência de Sócrates passam a ter uma importância e um sentido diferentes na
recuperação de Dan e no seu retorno bem sucedido às competições.
Este filme maravilhoso tem muitas conexões com o universo do coaching e
muitas mensagens poderosas. Destaco a interação de Sócrates (como coach) e de
Dan (como coachee). Todas as mensagens do filme são úteis para a reflexão do
coachee, das quais destaco as seguintes: “a felicidade está na jornada, e não no
destino”; “viver o aqui-agora, pois o aqui-agora é tudo o que temos”; “para aprender
temos que esvaziar a mente e ter foco”; “quem tem dificuldade de amar é o que mais
precisa de amor”; “sempre tem alguma coisa acontecendo, nada é banal”; “Não
existe tristeza na morte, o triste é não aproveitar a vida”. O objetivo de Sócrates, no
seu papel de coach, é o de auxiliar Dan a se responsabilizar pela sua jornada,
convidando-o a olhar para o mundo de um modo diferente e profundo, com
significado e acima de tudo, sendo feliz.
7.3 QUEM SOMOS NÓS

O ser humano não sabe bulhufas. Esse é o ponto de partida de Quem Somos Nós? No
original, o filme se chama: What the Bleep Do We Know? A tradução mais exata seria: O
Que Bleep Nós Sabemos?, sendo que o "Bleep" significa aquele barulhinho usado para
censurar os palavrões.

A própria Física Quântica é, muitas vezes, utilizada para explicar o inexplicável. De modo
que tal ponto de partida nos leva à velha ideia socrática de que eu não sei nada, mas,
pelo menos, sei que não sei nada, isto é, só sei que nada sei.

Deixando essas elucubrações de lado, o filme é uma produção admirável. A participação


dos cientistas é de tirar o chapéu. No intrincado mundo acadêmico, quantas pessoas
levariam a sério um projeto desses? O filme está cheio de conceitos profundos que
deixarão o espectador pensando por um bom tempo. Por exemplo: “O cérebro não faz
nenhuma diferenciação entre o que os olhos veem no ambiente real e uma lembrança”.

Intercalando-se com os depoimentos dos cientistas, há uma curiosa dramatização


protagonizada por uma fotógrafa muda, que é irritadiça e tem baixa auto-estima. O filme
é muitas vezes comparado a O Segredo porque aqui o público também é atiçado a
interferir no Universo, criar a sua própria realidade etc. A isso se deve o sucesso
comercial do projeto. Mas as melhores partes são as animações que apresentam os
conceitos de Física Quântica e a famosa alegoria da Terra Plana (Flatland), de Edwin
Abbott. Esta última só aparece na versão estendida.

É um filme obrigatório para quem tem a mente aberta e gosta de uma longa conversa
filosófica como os amigos, numa mesa de bar ou num café.

-----
Um filme-documentário com esse título, faz grande alusão à nossa capacidade de interferir positiva ou

negativamente em nosso destino, partindo da ideia que nossos pensamentos são o grande dínamo que

nos move. Na realidade, o filme saiu de cartaz e chega em breve às locadoras, e você, caso aprecie a

possibilidade de se conhecer melhor e o mundo que o rodeia, não deve deixar de locá-lo. No entanto,

a ideia não é propagar o filme em si, mas o assunto que lhe serve de base. O título é muito sugestivo.

Afinal, quem somos nós? Quem é você, quem sou eu? A resposta é muito mais profunda que parece,

em uma primeira avaliação.

Quanticamente falando, somos o resultado de nossos pensamentos. Filosoficamente, somos o


resultado de nossas escolhas. Espiritualmente ainda não somos, apenas estamos, pois "ser" é algo
voltado para o que vamos nos tornar um dia, um conceito mais perene, ao passo que "estar"
demonstra mais fielmente nosso estado de mutação contínua. No entanto, independentemente de
palavras, expressões ou escolas intelectuais é inegável que se não sabemos quem somos, nada impede
que saibamos o que desejamos ser, quem desejamos nos tornar um dia.
Para construirmos um ser humano mais próximo de nossas expectativas, sem dúvida, precisaremos
voltar à nossa essência até mesmo para saber quão perto ou longe estamos dessa empreitada.
E é aqui que encontramos nosso maior desafio: queremos realmente saber quem somos nós? Ou
apenas preferimos fingir que sabemos, aceitando "visões prontas" sobre nosso ego, a fim de não
termos que entrar em contato com o que mais nos incomoda?
Você tem o hábito de parar e examinar a sua consciência continuamente? Costuma refletir sobre que
tipo de ser humano está se tornando, se suas escolhas têm lhe conduzindo a um caminho melhor e
mais justo? Eu sei que nem sempre é fácil fazer isso. À primeira vista parece algo simples, mas é muito
mais profundo que imaginamos. Mergulhar em nossa alma exige treino, grande força de vontade e
sabedoria. Talvez dos três itens, a sabedoria seja o mais importante, pois a ideia não é nos enchermos
de culpa, mas de coragem ao fazer essa viagem. E, quem não tomar cuidado, acabará fugindo de si,
seja pela culpa que possa encontrar ou pela vergonha que possa sentir. De qualquer forma, creio que
sempre vale a pena nos recordar que todo dia é dia de recomeçar, de reiniciar, de retomar o caminho
rumo à resposta da pergunta: quem somos nós? E você, o que tem feito para encontrar essa resposta?
- See more at: http://www.institutoricardomelo.com.br/coaching/conteudo.php?
url=artigos&Artigo=42#sthash.14hdHLIm.dpuf
7.4 A CORRENTE DO BEM

O filme relata a história de um menino chamado Trevor, que ao assistir a uma aula
de Estudos Sociais, onde o Professor Eugene Simonet propõe aos seus alunos o
desafio de mudar o mundo, se dispõe a fazer o trabalho de uma forma bem feita. Ao
voltar para casa, Trevor observou alguns mendigos num terreno. Ele olha
especificamente para um deles. Trevor leva Jerry para casa, o alimenta e dá a ele
um pouco de dinheiro. Jerry, com as economias de Trevor, compra roupas novas
para fazer uma entrvista de emprego. Ao chegar do trabalho, a mãe do menino não
desconfia de nada, apenas no outro dia ela encontra o tal homem e entra em
desespero. Arlene, a mãe de Trevor, vai até a escola tomar satisfações com o
professor a respeito do trabalho que levou seu filho a colocar um mendigo dentro de
sua casa.. O professor diz que a intenção não era essa. Era apenas a de fazer com
que eles tentassem. Arlene conta que para Trevor, esse trabalho era mais do que
tentar, ele estava sendo incentivado a mudar o mundo e que se ele não
conseguisse, iria ficar arrasado. O professor não faz nada e Arlene volta para casa.
Trevor sofre muito sempre que vê a mãe bebendo. Arlene é alcoólatra, mas não
assume isso ao filho e sempre faz promessas de que vai mudar. Em outra aula de
Estudos Sociais, o professor pede a apresentação do trabalho de todos os alunos.
Toda a turma fez coisas simples, do nível de aluno de 7 a série. Era o que o professor
esperava, mas o Trevor o surpreendeu. A ideia que o menino teve foi a de uma
corrente do bem, onde ele faria três grandes favores a três pessoas. Cada pessoa
faria mais três favores e aí a corrente ia aumentando rapidamente.
7.5 A PROVA DE FOGO

O Cine Coaching À PROVA DE FOGO conta a história de um capitão do corpo de

bombeiros exemplar, Caleb, que preza a dedicação e o serviço ao próximo, e é

guiado pelo lema dos bombeiros “nunca deixe seu parceiro para trás”. Seu

casamento (sua maior parceria), entretanto, vem passando por vários problemas.

Ele e sua esposa estão prestes a se separar.

Tudo começa a mudar quando seu pai lhe dá de presente um diário que contém um
desafio a ser realizado em 40 dias, no qual cada dia Caleb tem uma tarefa a cumprir
em relação a sua esposa. Durante o desafio, por meio do diário e das atividades
nele sugeridas, o bombeiro começa a entender as situações vividas em um
matrimônio. Ele muda seu entendimento sobre o que é importante em um
casamento e, ao final, compreende verdadeiramente as necessidades de sua
esposa, salvando sua relação.

O filme faz várias referências ao processo de coaching. Caleb é o coachee, seu pai e
outro bombeiro fazem os papéis de seus coaches informais. Percebe-se que os
coaches não dizem o que Caleb deve fazer, pois nesse caso, seria mentoring ou
aconselhamento, mas fazem perguntas que o ajudam a compreender o que é
importante e o que ele realmente quer para sua vida.

O diário que Caleb ganha de seu pai mostra-se uma excelente ferramenta no
processo. Percebe-se no filme a necessidade da persistência, de acreditar no
coaching e de viver um dia após o outro. Vê-se que as atividades propostas pelo
diário são muitas vezes simples, mas que no conjunto promovem uma poderosa
mudança que norteia o bombeiro para o alcance de sua meta. O filme também
mostra como é relevante perdoar e seguir em frente e, se fizer sentido, reconhecer
para o outro que errou. Deve-se estudar o terreno e entender as necessidades
daqueles que fazem parte do alcance de seus resultados, da mesma forma ressalta
que não se deve esperar recompensas ou reconhecimento dos outros. Deve-se
realizar o processo e enfrentar as mudanças por si mesmo.
7.6 A PROFECIA CELESTINA

Um antigo manuscrito é encontrado nas florestas peruanas, contendo nove visões que a
humanidade precisa conhecer. Este foi o ponto de partida do best-seller A Profecia Celestina, de
James Red Field, um romance cheio de ação e revelações, agora em magnífica produção de
Hollywood. No filme, o espectador mergulha na heróica missão do autor, interpretado por Matthew
Settle, em sua aventura para chegar ao alto das montanhas dos Andes e compreender o significado
contido nas nove visões anunciadas em polêmicos manuscritos.

John, de repente se encontra no Peru, à procura de uma antiga lenda conhecida como “Profecia
Celestina”. Não crê logo de início, está cético e inseguro, depois descobre que cada passo que dá,
cada pessoa que encontra, leva-no para um novo nível de conhecimento. É neste despertar para
uma consciência mais elevada que ele descobre o verdadeiro sentido da vida e o seu próprio
destino.

O filme cita uma Nova Era de conhecimento espiritual. Da evolução da história da humanidade
desde o Big Bang, das coisas que estão lá e nós não vemos, das etapas que vamos vivendo até
chegar à compreensão global, de um plano maior de que todos fazem parte. Reporta-se a
coincidências e revelações, fala de atenção e acreditar, de auras e conexões, de abertura e
entrega, de dar e receber, de missões de vida, de amplificação, de plenitude, mas, sobretudo das
leis Universais, baseadas nas energias, na sincronicidade e na evolução das formas de consciência.

Profecias:

I) Estamos descobrindo que vivemos em um mundo misterioso, cheio de coincidências e


encontros sincronizados que parecem destinados.

II) Ao acordarmos para o mistério, criaremos um novo ponto de vista que redefinirá o
universo como energético e sagrado.

III) Descobrimos que tudo à nossa volta, toda a matéria é originária e impulsiona uma
energia divina que estamos começando a ver e a entender.

IV) Deste ponto de vista , vemos que os humanos se sentem inseguros e desconectados
desta fonte sagrada e tentam obter energia, dominando uns aos outros. Essa luta é responsável
por todos os conflitos do mundo.

V) A única solução é cultivar uma conexão pessoal com o Divino, uma transformação
mística que nos enche de energia e amor limitados, aumentando nossa percepção de beleza,
proporcionando o autoconhecimento.

VI) Neste conhecimento, podemos liberar nosso controle e descobrir uma verdade específica,
uma missão. Estamos aqui para levar a humanidade à um novo nível de realidade.

VII) Em busca desta missão, podemos descobrir uma intuição interna que nos mostra onde ir
e o que fazer, e se tivermos apenas interpretações positivas, teremos várias coincidências que
abrirão as portas da nossa missão.

VIII) Quando várias pessoas entrarem nessa corrente evolucionária, sempre dando energia para
as pessoas que encontrarem, construiremos uma nova cultura, onde corpos evoluem para um nível
mais alto de energia e percepção.

IX) Desta forma, participamos desta longa jornada da evolução, desde o Big Bang, até o
último objetivo da vida, para energizar nossos corpos a cada geração até encontrarmos um céu
que possamos ver, finalmente.
O filme traz a mensagem de que todos nós viemos ao mundo, à esta vida para trocarmos
conhecimentos, energias, experiências e vivências com os outros seres humanos, mas o que
acontece frequentemente é que os valores materiais, a disputa pelo poder, a manipulação por
interesse próprio e outras questões pertinentes às falhas humanas, fazem com que se perca o
verdadeiro sentido de viver.

Nos desligamos dos mistérios da vida, nos desconectamos do Sagrado para vivermos o medíocre.
Este comportamento nos cega, cega o mundo e não permite a evolução.

Se todos nós nos permitíssemos abrir os olhos para ver a beleza do mundo, do planeta e da vida,
não enfrentaríamos tantos conflitos e tantas guerras.

O ser humano está perdendo a sua Luz, em busca do TER. Não se preocupam mais em SER
alguém, o que dificulta a visão além do concreto, a visão do que é sagrado e divino.

Nós profissionais do coaching temos a missão de abrir os olhos dos nossos coachees, para que eles
possam enxergar o mundo de outra maneira, como aconteceu na pequena cidade do Peru.

Temos como missão, a troca de energia, oferecemos o que temos de bom ao coachee e ele
retribuirá com a sua felicidade, com a sua energia, formando assim, uma corrente evolucionária.
Afinal, coaching é evolução, quebra de paradigmas e o seu maior objetivo é a FELICIDADE.
7.7 DUAS VIDAS

Com direção de Jon Turteltaulb, lançado em 2000, com os atores Bruce Willis, Spencer
Breslin, Emily Mortimer e Lily Tomlin.

Se você tivesse a chance de encontrar consigo mesmo quando criança, será que gostaria,
enquanto criança, de ver o que você se tornou quando cresceu? Em síntese é a essência deste
filme “Duas vidas”.

Um homem adulto e bem sucedido, estressado, autoritário, não mede conseqüências quando sabe
que aquele é o caminho que seu cliente deve trilhar para sua boa imagem e sucesso profissional,
embora muito inteligente, não é feliz.

Preocupado com seus clientes, em que vejam como querem ser vistos, e não como o são, ele vive
para transformar as vidas dos outros, uma vez que não pode fazer com a dele o que ele gostaria
que fosse. Para isso teve que, às vésperas de seu aniversário de 40 anos de idade, encontrar com
seu passado aos 8 anos de idade. Assim tendo a oportunidade de rever sua vida e descobrir o
que não aconteceu como deveria, ou gostaria que tivesse acontecido. Desta forma ele teve uma
“segunda chance” para realizar coisas e ser feliz.

Comentários: O filme nos mostra a importância de termos consciência de nosso passado e de


ressignificar e perdoar as situações de dor e conflito, para que seja possível nos desenvolvermos
sem nos esquecermos de nossa essência.
Russ se transformou em um adulto frio, intolerante e arrogante. Totalmente voltado para vaidades
e bens materiais. Esqueceu de seu sonho de criança, que era ser piloto e também da criança
generosa e afetuosa que foi.
Isto aconteceu porque Russ, quando criança, passou por algumas situações marcantes como, o
fracasso em uma briga na escola por causa de um cachorro de 3 patas e principalmente, porque
neste mesmo dia sua mãe foi chamada à escola e esta já estava doente. Quando seu pai, um
homem rígido e frio, chegou em casa, acusou o pequeno Russ de querer matar a sua mãe, lhe
causando desgosto e problemas na escola.
Nesta ocasião, enquanto o pai gritava com Russ, ele chorava compulsivamente e o pai ordenava
que ele parasse de chorar, que engolisse o choro, até que ele parou e seu pai secou suas lágrimas
e gritou para ele: “Está na hora de crescer, cresça!”. A partir deste momento Russ não soube mais
o que era ser uma criança espontânea e com o passar dos anos a frieza foi tomando conta de seu
coração e sua alma.
O filme utiliza a técnica que aprendemos como DISSOCIAÇÃO. O adulto Russ começa a visualizar,
fora de si, a sua criança interior. Enxerga o afeto e cuidado de sua mãe por ele, a rigidez de seu
pai e assim, consegue perdoar e ressignificar suas dores.
Um trecho marcante foi a conversa de Russ com a jornalista no bar. Nesta conversa, Russ tem o
seu primeiro insight a respeito do porque esta criança, ou seja, ele mesmo teria sido enviada para
o tempo atual. A jornalista diz à ele que o garoto veio mostrar as coisas à ele, o que poderia ser
diferente e quem ele era de verdade, na essência.
No início do filme, o garoto cita diversas situações da infância para o Russ adulto e ele, totalmente
desligado de seu passado, não conseguia se lembrar de nada.
Quando ele começa aceitar o garoto, ou seja, a si mesmo, começa a relembrar.
O filme nos mostra a possibilidade de construirmos um futuro diferente, sempre que desejamos.
Este fato é comprovado quando as três idades diferentes de Russ se encontram no final do filme e
o Russ garoto e o adulto visualizam o Russ mais velho, piloto de avião, como sonhava desde
criança, com seu cachorro Chester, outro sonho de criança, e finalmente com sua esposa. Ele
agora tinha uma família, um cachorro e era piloto. Tudo que Russ aos 40 anos não havia
conquistado, por não dar importância à sua verdadeira essência.
Com a ressignificação e o perdão a si mesmo e ao seu pai, Russ conseguiu se desenvolver, quebrar
suas crenças limitantes e voltar a sonhar.
Ótimo filme para ser utilizado em sessões de coaching, principalmente quando o coachee for uma
pessoa que, por algum motivo, se desligou do seu passado, esqueceu a sua essência e não
consegue construir um presente e um futuro feliz.
Nós como coaches devemos servir como facilitadores neste processo.
Somos feitos da nossa história e isso não pode ser negado, mas pode sim e deve, muitas vezes,
ser ressignificado.
A construção do futuro só é possível se temos a consciência dos alicerces de nosso passado.
Devemos nos lembrar de nunca nos esquecermos de que todos nós temos uma criança interior,
que sonha, deseja, imagina, fantasia e cria e que por muitas vezes, devemos deixá-la falar mais
alto do que o adulto em que nos transformamos. O adulto é racional, a criança é a mais bela
tradução de nossa essência, de nossa alma.

7.8 MÃOS TALENTOSAS

Este filme retrata a vida de Ben, um menino pobre, negro que se considerava pouco inteligente, pois suas notas

eram muito baixas. Por isso, na escola, os colegas o humilhavam. Isso fez com que ele desenvolvesse um

temperamento agressivo sem muita chance de se tornar um homem bem sucedido na vida. Entretanto,

sua mãe acreditava veementemente em sua capacidade e o incentivava bastante com ações práticas que

mudou a vida dele; substituiu a TV por livros, além depositar dia após dia, alta expectativa em seu
desempenho. Isso despertou sua força de vontade e a crença em si mesmo, que o fez ser o melhor aluno

da sala. O objetivo dele era ser medico e este objetivo foi alcançado com louvor, ele tornou-se o melhor

cirurgião do mundo.

Ben Carson realizou duas grandes operações que atraiu o reconhecimento publico. Em uma delas, realizou pela
primeira vez na história, a separação de dois bebês siameses.

Ele criou um centro de operações neurológicas e pelo seu trabalho foi aplaudido e reconhecido nos Estados
Unidos.

O filme retrata muito bem o poder das crenças expansivas, o quanto desafiar crenças limitantes pode mudar a
vida de um ser humano. Mostra claramente que este desafio deve estar atrelado a ações que levem o indivíduo a
mudar seus comportamentos e ter foco no seu objetivo, fazer coisas diferentes para obter resultados diferentes.
Além disso, comprova a teoria de que altas expectativas levam ao alto desempenho.

----

Mãos Talentosas retrata a vida de Ben, um menino pobre, negro, que não tinha muita chance de

crescer na vida, ou seja, de se tornar um homem bem sucedido. Ben sempre tirava notas muito

baixas na escola e por conta disto era altamente criticado pelos colegas, fazendo com que ele

se sentisse como uma pessoa burra, e assim desenvolvendo um temperamento muito

agressivo.

A mãe de Ben sempre acreditou no potencial de seu filho, incentivando-o a estudar, a trocar a

TV por bons livros, a não desistir, pois acreditava que o filho teria um futuro totalmente

diferente do seu.

Através do esforço, incentivo e dedicação da mãe, Ben chegou a ser o melhor aluno da sala.

Cresceu e conseguiu alcançar o seu objetivo, não só se tornou médico, mas o melhor

neurocirurgião do mundo.

Quando comparamos o filme ao universo do coaching, logo podemos perceber o poder da

Programação Mental Positiva, exercida pela mãe de Ben, que o ensinava todo o tempo a

materialização dos seus pensamentos, ou seja, fazendo com que ele acreditasse que pensar

positivamente o levaria a uma realidade de sucesso, amor e paz.

A mãe de Ben trabalhava em seu filho a Lei da Atenção Concentrada, esta lei dispõe que

quando uma pessoa concentra a sua atenção numa ideia esta se concretiza por si mesma. Ela

fez com que ele acreditasse que podia fazer tudo o que as outras pessoas faziam, mas sempre

de uma forma melhor. Ajudou-o a expandir sua inteligência e sua crença em Deus e em si
mesmo.

Ben foi ajudado por sua mãe a quebrar crenças limitantes e potencializar a sua auto-estima,

despertando e aumentando a consciência do seu poder pessoal. Ben passou a caminhar para

a evolução do seu eu. Sua fé o levou a perseguir e a alcançar o seu sonho de se tornar um dos

mais importantes neurocirurgiões do mundo.


7.9 HITCH - CONSELHEIRO AMOROSO

Neste filme divertido, Alex "Hitch" Hitchens (interpretado pelo ator Will Smith)
é um lendário e bem-sucedido "doutor do amor", que vive em Nova Iorque. Seu
negócio é propagado na base do boca a boca pelos seus clientes. Em troca de uma
determinada taxa, ele se dispõe a ajudar homens a conquistar as mulheres de seus
sonhos. Enquanto trabalha para Albert, um contador que se apaixonou pela socialite
Allegra Cole, Hitch conhece a mulher que acredita ser seu amor: a jornalista Sara.
Apaixonado, Hitch dispõe-se a conquistá-la, mas acaba tendo a sua identidade
desvendada pela jornalista, que ofendida e com base em uma interpretação
incorreta dos fatos (ela pensa que Hitch ensina seus clientes a manipular as
mulheres), acaba publicando sua verdadeira identidade e afetando o relacionamento
de seu cliente Albert com Allegra. Hitch tem que trabalhar duro para desfazer o mal
entendido, salvar seu negócio e o amor de Sara.

Vários princípios do coaching são apresentados e usados neste filme.


Vejamos. Hitch é um coach bem sucedido, atuando no nicho de coaching de
relacionamentos. É um negócio rentoso e baseado em resultados. Ele mantém uma
relação ética e muito profissional com seus coachees. O seu objetivo é o de habilitar
os seus clientes a continuarem por si mesmos após o processo de coaching (três
encontros). Hitch, como coach, estimula seus clientes ir além, a ousar, a sair de sua
zona de conforto. Existem tarefas que seus clientes devem cumprir. Hitch atua até
mesmo como professor, realizando ensaios de situações com seus clientes
(psicodrama).
7.10 COACH CARTER

Richmond, Califórnia, 1999. O dono de uma loja de artigos esportivos, Ken Carter
(Samuel L. Jackson), aceita ser o técnico de basquete de sua antiga escola, onde conseguiu
recordes e que fica em uma área pobre da cidade. Para surpresa de muitos ele impõe um
rígido regime, em que os alunos que queriam participar do time tinham de assinar um contrato
que incluía um comportamento respeitoso, modo adequado de se vestir e ter boas notas em
todas as matérias. A resistência inicial dos jovens acaba e o time sob o comando de Carter vai
se tornando imbatível. Quando o comportamento do time fica muito abaixo do desejável
Carter descobre que muitos dos seus jogadores estão tendo um desempenho muito fraco nas
salas de aula. Assim Carter toma uma atitude que espanta o time, o colégio e a comunidade.
---
Este filme é baseado na história real de Ken Carter, um treinador (coach) de basquete
que deseja transformar a vida de garotos de uma escola da periferia da Califórnia, utilizando o
esporte e a educação.

Carter, proprietário de uma loja de materiais esportivos, se depara com um convite para se tornar
treinador do Colégio Richmond onde havia estudado e jogado basquete com inúmeros recordes
que não haviam sido quebrados.
Mas o desafio era grande, o time na última temporada ganhou apenas 4 jogos e perdeu 22. Os
jogadores eram briguentos, sem nenhuma disciplina e regras, mas Carter acreditava que podia
transformá-los.
O basquete não deveria ser uma desculpa para estar na escola, mas uma conquista obtendo boas
notas e presença nas aulas e assim, Carter decide impor regras que a princípio deixam pais,
professores e alunos inconformados, mas ele não se importa, pois sabe o que precisa fazer para
chegar onde deseja.
Carter faz com que esses garotos comecem a visualizar um mundo diferente, com a possibilidade
de irem para a universidade, de não pertecerem ao mundo que seus pais e amigos fazem parte, o
das drogas e do crime, enfim, podem se tornar verdadeiros cidadãos e profissionais.
Esses meninos descobrem suas potencialidades, sua autoconfiança e auto-estima aumentam,
aprendem o que é ser uma equipe, ajudando uns aos outros. Aprendem a ganhar e a perder, como
ocorre em nossa vida.
Vamos analisar esse filme com foco na liderança nas empresas, principalmente voltado ao
processo de Execução que segundo Ram Charam é um grande problema, pois a maioria dos
executivos estão preocupados com as estratégias, mas não com a execução e por isso os resultados
não aparecem.
1. Carter gostava de desafios, pois como esportista e empresário, isso fazia parte de sua vida. E
assim, é o líder, eternamente movido a desafios, senão sua vida não tem sentido.
2. Carter gostava de pessoas e acreditava que todas podiam desenvolver seu potencial, porém
precisavam se conhecer realmente para que pudessem fazer a diferença em suas vidas, por isso
fazia com que os garotos chegassem ao limite do corpo, da mente, da alma. Era absolutamente
transparente, não ficava com medo de melindrar, de causar uma revolução, de perder os garotos;
trabalhava o processo de feedback de forma brilhante, “o que você faz bem… o que você não faz
e como pode fazer”.
Vejo que várias pessoas que estão exercendo a liderança atualmente não estão preparadas para
isso, pois primeiro, não gostam de pessoas, não se importam com elas, as enxergam apenas como
um objeto para atingirem seus objetivos e por isso, muitas vezes não conseguem. E segundo, não
saber trabalhar o processo de vital importância nas relações pessoais que é o feedback. Alguns
têm muito medo em dar o feedback e serem vistos como “mauzinhos” da empresa, preferindo
ficar “de bem” com todos, outros acreditam que o feedback só é utilizado quando ocorreu algo
errado e aí também o resultado não aparece. Acredito que esse assunto merece um post próprio
que depois escreverei.
3. Carter ao testar os jogadores, começa a colocá-los nas posições mais adequadas. Nas empresas,
muitas pessoas são colocadas em posições que não possuem a competência necessária e por isso,
muitas vezes são descartadas ou discriminadas. Deve-se haver um estudo mais aprofundado das
competências profissionais para termos pessoas certas nos lugares certos.
4. Carter podia exigir resultados, pois sabia que era possível, afinal ele também fora aluno daquela
escola, passou pelas mesmas situações daqueles garotos, foi um brilhante jogador e conseguiu dar
a volta por cima, estudar e se tornar um empresário. Quantos líderes que vemos nas empresas que
elaboram estratégias maravilhosas, mas não sabem como excutá-las e quando questionados
dizem: “eu sou pago para pensar… vocês são pagos para fazer!”. Mas como executar algo que nem
o líder sabe por onde começar? O líder precisa dar a direção, mostrar que é possível e que está
com a equipe em todo o processo, caso contrário, a credibilidade do líder começa a cair e seus
funcionários não o seguem. Imagine o Coach Carter dizendo para seus garotos que eles podem ter
uma vida diferente se a dele não tivesse sido… será que eles o seguiriam? O que você acha de um
médico endocrinologista obeso que te diz que é possível emagrecer de forma natural?
Os líderes precisam ser um exemplo!
5. Existia um garoto (Cruz) que sempre entrava em embate com Carter que sempre o questionava
e desafiava: “Do que você tem medo?”. Após passar por muitas coisas, esse garoto responde a essa
pergunta: “Temos medo do nosso próprio brilho!”.
O verdadeiro líder é um transformador de pessoas e do ambiente em que vive e por isso precisa
buscar seu autoconhecimento e conhecer as pessoas com quem se relaciona para ajudá-las no seu
desenvolvimento e fazer com que elas brilhem e saibam lidar com isso. No momento em que cada
um encontre seu caminho e saiba que para obter um melhor resultado (um brilho maior) precisa
de outras pessoas, o líder conseguiu formar uma verdadeira equipe.
Nosso ativo mais importante na empresa é formado pelas pessoas. Nenhuma estratégia dará
resultado se não conseguir ter pessoas para operacionalizá-las. Por isso, passe a valorizá-las!
8. AGORA SOU UM PROFESSIONAL & SELF COACH

[Fazer uma conclusão geral do aprendizado, de todo o treinamento.


Começar com o título: “Agora sou um Professional & Self Coach... Escrever um
mínimo de 30 linhas.]
9. MISSÃO DE VIDA

Esta é a definição atual da minha missão de vida, a qual foi estimulada,


revelada e nutrida em mim graças à minha vivência recente no universo do
coaching, também pelos aprendizados obtidos no curso Professional & Self
Coaching do IBC e pelo feedback recebido de meus instrutores, colegas coaches e
coachees voluntários. Faz parte de minha missão atualizar esta definição
regularmente para que ela possa refletir cada vez mais perfeitamente a minha
compreensão do papel que me cabe no Universo.
A prioridade de minha vida deve ser acima de tudo procurar me alinhar dia a
dia com a vontade do meu Deus. Permanecer vigilante para reconhecer os dons e
as bênçãos que são dirigidos para mim e manter-me perseverante no estudo, na
reflexão e na análise de meu mundo interior, identificando e mortificando as partes
de mim que não fazem sentido com a minha meta de me tornar a melhor pessoa que
eu possa ser e fortalecendo as partes que contribuem para esse fim.
Dedicarei cada dia de minha vida a auxiliar, apoiar e motivar com o meu
contato, meu amor, minhas palavras e meus exemplos as pessoas próximas a mim
de forma que também elas descubram, nutram e se apaixonem pelo seu melhor
“Eu”. Seja como coach, seja como professor, seja como membro de minha família,
seja como amigo, seja como cidadão de meu país ou como ser humano em tudo
aquilo que eu fizer colocarei a minha intenção positiva mais nobre: servir, doar, ser
amigo, servir como modelo e como uma referência poderosa.
A cada dia usarei os meus talentos, os meus conhecimentos técnicos e a
minha paixão pelo desenvolvimento de software e pela interatividade proporcionada
pelos meios de comunicação atuais para auxiliar, apoiar e motivar com o meu
contato, meu amor, minhas palavras e meus exemplos as pessoas que estão
fisicamente distantes de mim. Também a elas eu desejo auxiliar a descobrir, nutrir e
se apaixonar pelo seu melhor “Eu”. Quer seja pela criação de produtos que
carreguem a minha mensagem, quer seja por um livro ou por um áudio, quer seja
por um artigo, quer seja por uma ferramenta de software ou pelo uso de sistemas de
comunicação e interatividade desenvolvidos por mim, em tudo aquilo que eu fizer
colocarei a minha intenção positiva maior: servir, doar, ser amigo, servir como
modelo e como uma referência poderosa.
Assumo como obrigação e responsabilidade pessoal buscar constantemente
o meu crescimento pessoal, espiritual e profissional por meio do estudo e da
modelagem dos mestres. Sempre pôr em prática constantemente aquilo que for
assimilando baseado no princípio do “já saber o suficiente”.
Busco alcançar a plenitude possível de ser alcançada em uma vida. Busco
deixar um legado para meus filhos e para a humanidade. Busco obter prosperidade
financeira e espiritual. Busco criar oportunidades para que outras pessoas obtenham
o mesmo ou até mesmo mais ainda. Busco entender as leis que regem o Universo.
Busco manter-me feliz, saudável e realizado. Apesar da ambição de ser útil, lembrar
permanentemente de que não sou uma máquina e que tenho limites físicos e
mentais. Por esse motivo, além de reservar tempo apropriado e equilibrado para
cada um dos meus papéis (pai, filho, profissional, coach, cidadão, filho de Deus)
também reservarei tempo apropriado para me recuperar e cuidar de minha saúde.
Como um náufrago numa ilha, esperar serenamente por qualquer coisa que
seja que a maré traga até a minha praia, abraçando o que for bom e também
aprendendo com aquilo que no momento não pareça bom. Saber que tudo é dom de
Deus e que Ele só age motivado pelo amor que nos tem. Por isso não tem sentido
perder a calma, a serenidade e o sorriso nos lábios diante das situações da vida.
Saberei que minha missão está se concretizando através do efeito positivo e
poderoso que a minha influência tiver sobre as pessoas.
Que a Gratidão seja a minha lei maior da minha existência.
Que o Amor seja a lei máxima de minha vida.
AGRADEÇO... AMANDO... AUXILIANDO... APRENDENDO... EVOLUINDO.

Assim seja.

Antonio Albiero
10. DIÁRIO DE BORDO

[Escanear como imagem as páginas do Diário de Bordo. Feedback


Diário/Ressignificação/06 ações para o dia posterior. Caso algum dia não tenha feito
a anotação, tirar apenas dos dias que fizeram. Anexar anotações de no mínimo 21
dias.]
11. NÍVEIS NEUROLÓGICOS DE APRENDIZAGEM

Ao tomar contato com a pirâmide dos níveis neurológicos pela primeira vez
durante o módulo presencial do PSC não pude compreender de imediato a sua
função e importância. Porém, após estudar com mais profundidade o assunto pude
perceber que a mesma é uma ferramenta muito útil para o processo de coaching,
até mesmo pautando a sequência de sessões com o cliente. Trata-se de um modelo
que nos auxilia no entendimento de qual nível o nosso cliente está com problemas e
qual o nível mais apropriado para atuar na solução.

Os níveis neurológicos de aprendizagem são dispostos em uma escala


hierárquica formando uma pirâmide. Os níveis, do mais baixo para o mais alto são
os seguintes: Nível do Ambiente, Nível do Comportamento, Nível da Capacidade e
Habilidades, Nível das Crenças e Valores, Nível da Identidade, Nível da Afiliação e
Nível de Legado.

Os níveis mais altos da escala influenciam os níveis abaixo dele. Quanto mais
alto for o nível influenciado, afetado ou mudado, maior e mais duradouro serão os
efeitos e mudanças na realidade do cliente. Por exemplo, uma mudança no nível de
legado e espiritualidade (digamos que o cliente obtenha uma nova visão do seu
papel no universo) tem grande potencial de mudar seus comportamentos, crenças e
comportamento. Novas estratégias de relacionamento são adotadas devido a essa
mudança.

Segue uma descrição de cada nível, do mais baixo ao mais alto da escala,
mostrando o papel do coach e o seu modo de atuação dentro de cada nível.

Nível do Ambiente – papel do coach: Guia

O nível do ambiente da pirâmide abrange o ambiente físico onde o cliente


está inserido. Também abrange as pessoas com os quais o cliente interage. São os
fatores ambientais a que o indivíduo está exposto, bem como as limitações impostas
pelo contexto ambiental. Também os recursos externos que estão à sua disposição.

Neste nível o coach investiga os limites e as oportunidades presentes no


ambiente do cliente. Neste nível a tarefa do coach é servir como guia, apoiando o
cliente a identificar as oportunidades, a definir metas e objetivos e principalmente a
agir (“TBC”).

Nível do Comportamento – papel do coach: Treinador

O nível do comportamento é composto pelas ações e reações do cliente.


Examina o modo que ele pensa, o que fala, como usa a sua fisiologia, como reage e
como age quando pretende realizar ou obter algo.

Neste nível o coach age como treinador, explorando com o cliente quais são
as melhores ações e reações para que o objetivo pretendido por ele seja alcançado.
Para isso o coach passa conhecimentos e dicas e incentiva o cliente a adotar as
ações identificadas e alinhadas com as metas propostas.

Nível da Capacidade e Habilidade – papel do coach: Professor/Consultor

Este nível refere-se à competência do indivíduo: como ele usa seus


conhecimentos, suas capacidades, seus talentos e habilidades. Explora também
estratégias mentais. Este é um nível da pirâmide que aborda aspectos interiores, isto
é, qualidades que foram desenvolvidas, aprendidas e assimiladas ao longo de sua
vida ou até mesmo lhe são inatas (aprendizado, memória, tomada de decisões e seu
nível de criatividade).
Neste nível o papel do coach é o de ser um professor e consultor, auxiliando o
cliente a identificar e fortalecer as competências e habilidades que ele já possui,
além de ajudá-lo a identificar e desenvolver aquelas que lhe possibilitarão o alcance
de suas metas.

Nível da Crenças e Valores – papel do coach: ser Mentor

Este é o nível do por quê. O cliente faz o que faz porque possui verdades
absolutas (crenças) e princípios (valores) que o guiam na jornada. Crenças e valores
balizam nossa vida, sendo fatores internos que limitam e tolhem ou motivam e
impulsionam o cliente a ir numa determinada direção ou até se permitir “ir além”,
deixando a sua zona de conforto. Nossos valores e crenças, na maioria das vezes
de forma inconsciente e despercebida pelo cliente, reforçam, motivam e permitem
(ou inibem) as suas ações e estratégias mentais.

Neste nível, o coach atua como mentor (isto é, alguém experiente e que serve
como modelo) desafiando e apoiando o cliente na tarefa de reconhecer quais são as
verdades limitantes que afetam sua vida. O cliente é convidado e desafiado a
reconhecer, avaliar e pesar suas crenças e valores, mantendo aqueles que lhe são
úteis e substituindo os prejudiciais por melhores. Isto lhe proporcionará mais poder e
motivação para alcançar suas metas.

Nível da Identidade – papel do coach: ser Patrocinador

Neste nível da pirâmide, aprofunda-se ainda mais a abordagem do coaching


junto ao cliente. Investiga-se aqui o senso de EU do cliente, sua individualidade
humanitária e universal. Como o cliente completa a frase “Eu sou...”? Qual o motivo
de sua existência? Qual o seu papel no todo? Quão importante e único ele é? Os
objetivos propostos podem necessitar uma mudança da autoimagem atual do cliente
para uma identidade mais condizente.

Neste nível o coach atua como patrocinador positivo, honrando e respeitando


a história do cliente e convidando-o a fazer o mesmo. O coach fornece o apoio e o
suporte necessário ao cliente para avaliar se sua identidade o fortalece e empodera
ou, ao contrário, o limita e restringe, até mesmo imobilizando-o. Um resultado
importante deste nível é o senso de missão que o cliente identifica, desenvolve e
aprofunda.

Nível da Afiliação – papel do coach: Aglutinador


Este é o nível dos sensos de relacionamento e da pertença a grupos
(afiliação). O foco é identificar e avaliar qual a qualidade do relacionamento
interpessoal do cliente com os diversos grupos existentes em sua vida como, por
exemplo, sua família, trabalho, igreja, amigos e outras associações. O cliente é
convidado a averiguar seu grau de pertencimento, o quanto ele se julga importante
para os grupos e o quanto ele contribui com os mesmos.

Neste nível o coach faz o papel de aglutinador, apoiando e suportando o


cliente a melhor inserir-se nos grupos, identificando novos grupos e incentivando-o a
manter relações ricas e saudáveis.

Nível de Legado – papel do coach: Despertador/Self Enpowerment

O topo da escala dos níveis neurológicos aborda o nível de legado (isto é, do


sentido da existência, da contribuição maior, do propósito da vida, do fazer a
diferença no mundo) e da espiritualidade (isto é, transcendência, relacionar-se com
algo maior do que nós mesmos, o Universo).

Neste nível, o coach age como aquele auxilia o cliente a “despertar” para uma
realidade e sentido maiores, vendo e inserindo-se com sucesso no quadro maior (eu
– humanidade –universo) empoderando-o para que seja capaz de continuar sua
jornada de vida feliz e realizado, por conta própria.

Coaching “Remediativo”

As mudanças que acontecem nos níveis ambiental e comportamental são


“superficiais” e “externas”. São remediativas por afetarem o lado de fora, o lado
visível do cliente, tendendo a serem temporárias e paliativas. Os próximos níveis da
pirâmide, mais altos, começam a afetar o interior do indivíduo, saindo da influência
meramente rasa e imediata. A analogia aqui, segundo Dilts, é o de arrancar as ervas
daninhas que crescem em um campo.

Coaching “Generativo”

O estilo de coaching que aborda mudanças que acontecem nos níveis de


capacidades/habilidades e das crenças/valores é classificado como “Generativo”. A
analogia aqui, segundo Dilts, é o de plantar novas sementes para que nasçam novas
e desejadas plantas no campo.

Coaching “Evolutivo”
O coaching que aborda mudanças que acontecem nos níveis de identidade,
avaliação e legado é classificado como “Evolutivo”. Este é o coaching praticado pelo
IBC. A analogia deste estilo de coaching, segundo Dilts, é o de mudar a própria
natureza do terreno onde estão as ervas daninhas e as sementes novas.

[Transcreva a pirâmide Coaching e Níveis Neurológicos para o trabalho e faça


alguns comentários, explicando cada nível neurológico com suas palavras.]

12. MINI CURRÍCULO

Antonio Albiero - Professional & Self Coach formado


pelo Instituto Brasileiro de Coaching (IBC), com certificações
internacionais pela European Coaching Association (ECA), Behavioral Coaching
Institute (BCI), Global Coaching Community (GCC) e International Association of
Coaching (IAC).
Possui mais de 25 anos de experiência profissional em desenvolvimento de
produtos, engenharia automotiva, desenvolvimento de software e integração de
equipes multinacionais e multifuncionais, atuando em grandes multinacionais da
área automotiva e de autopeças. É docente em cursos de engenharia na região de
Piracicaba, SP, Apaixonado pelo desenvolvimento de pessoas e equipes, atua como
coach vocacional, coach de vida e coach profissional junto a estudantes formandos
e jovens profissionais, individualmente ou em grupo.
13. COACHING GROUP MAIL

[Enviar email ao grupo toda sexta-feira até a data para entrega final do
trabalho. Anexar no trabalho os emails enviados.]
14. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[Segue abaixo alguns exemplos de como citar as obras consultadas]

ALMEIDA, M. de & VASATA, F. Motivação nas Empresas. Itajaí: Univali, 2003.


AZEVEDO, Maria Jose de. Qual a importância de motivar equipes?, 24 nov. 2007.
Disponível em: http://www.via6.com/topico.php?tid=132085. Acesso em 12
maio 2009.

BERGAMINI, C. W. &Coda, R. Psicodinâmica da Vida Organizacional. Motivação


e Liderança. 2º ed. São Paulo: Editora Atlas, 1997.

BERGAMINI, C. W. Motivação: mitos crenças e mal-entendidos. Revista de


Administração de Empresas. São Paulo, n. 30 (2), p. 23-34, abr./jun.1990.

BERGAMINI, Cecília W. Motivação nas Organizações. 4º ed. São Paulo: Editora


Atlas, 1997.

CLARO, M.M.F. Behavior Coaching. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE


COACHING, 2011, São Paulo. Slides... São Paulo: IBC. 2011.

MARQUES, J.A. Curso de Formação em Personaland Self Coaching: Módulo I.


Goiânia: IBC, 2010, apostila de curso.

http://pnlyexito.com/blog/como-cambiar-cambios-en-la-
vida-y-la-pnl/
===
http://en.wikipedia.org/wiki/Kocs

Coaching Prático
By A. Scotton, C. Salício E F. Gonzalez