Você está na página 1de 77

Gênese de depósitos

minerais

Depósitos vulcano-exalativos e
sedimentares-exalativos
SISTEMAS HIDROTERMAIS SUBMARINOS

DESCARGA DE SOLUÇÕES HIDROTERMAIS NO ASSOALHO OCEÂNICO

• DEPÓSITOS DE SULFETOS MACIÇOS VULCANO-EXALATIVOS


• Depósitos vulcano-associados ou hospedados em vulcânicas
Volcanogenic massive sulfide ou volcanic-exhalative massive sulfide deposits (VMS) ou
volcanic-associated ou volcanic-hosted deposits (VHMS)

Importante fonte de metais base: Cu, Zn, Pb, Ag, Au (Sn, Cd, Sb, Bi)

• DEPÓSITOS SEDIMENTARES-EXALATIVOS ou depósitos de sulfetos


maciços hospedados em sedimentos (SEDEX)

Fonte de metais base: Zn, Pb (Ag)


Exemplos modernos de descarga de soluções hidrotermais no
assoalho oceânico: “black and white smokers”
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS
MAÇICOS (VMS)
•Exemplos de depósitos de metais base VMS
gigantes (> 50 Mt):
Kidd Creek, Flin Flon, Brunswick (Canadá),
Rio Tinto e Neves Corvo (Espanha)

•Os depósitos VMS podem ser:


•Depósitos de Cu-Zn
•Depósitos de Zn-Pb-Cu

•Os depósitos VMS podem ser dividos em:


• Depósitos do tipo Noranda
•Depósitos do tipo Kuroko
•Depósitos do tipo Besshi
•Depósitos do tipo Chipre

•Os depósitos VMS, em geral, apresentam


tamanho médio (8 a 10 Mt) e teores médios
de 5 a 8 % de Cu + Pb + Zn.
Depósito Rio Tinto, Iberian Pyrite Belt, Espanha
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS
MAÇICOS

Tipo Chipre Tipo Besshi Tipo Kuroko


Cu (Zn) Cu-Zn (Au) Cu-Zn-Pb (Ag - Au)

• Associado com rochas •Ocorrem em ambientes Associado com vulcanismo


vulcânicas básicas e mistos, associado com mais félsico (dacítico a
ofiolitos em centros de sedimentos e vulcanismo riolítico) relacionados aos
expansão do assoalho basáltico a dacítico estágios finais extensionais de
oceânico (meso-oceânicas) relacionado ao estágio
e em bacias de retro-arco. evolução de arcos de ilha
inicial de magmatismo (bacias de retro-arco).
• Lentes ou montes de pirita cálcio-alcalino de arcos de
maciça, sobrepostos por Zonas de veios e stokwork são
ilha. sotopostas ao minério que
zonas ricas em cobre
•Ocorrem em ambientes
composta por veios apresenta zonamento
anstomosados de quartzo e estruturais complexos.
geoquímico bem definido (Zn-
sulfetos em basaltos •Zonas mineralizadas são
ricas em pirrotita e pirita: Pb-Ag) verticalmente e
cloritizados lateralmente.
pouco espessas e
lateralmente extensivas.

Galena, esfalerita,
Pirita, calcopirita Pirita, calcopirita e calcopirita
esfalerita (+ pirita, tetraedrita)
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS MAÇICOS

 Idade: variam do Arqueano ao recente

Depósitos VMS fanerozóicos:


tipo Kuroko e tipo Chipre
Zn+Cu+Pb (t):
Paleozóico= 203.104.000
Mesosóico= 64.965.000
Cenozóico= 18.971.000

Depósitos VMS proterozóicos: tipo-


Besshi
Zn+Cu+Pb (t): 51.900.000

Depósitos VMS arqueanos:


relacionados com seqüências
“greenstone belt”
Tipo Noranda (equivalente antigo
do tipo Kuroko).
Ex: Greenstone-belt de Abitibi,
Canadá
Zn+Cu+Pb (t): 50.301.000
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS
MAÇICOS (VMS)
 Ambiente tectônico: complexos ofiolíticos, arco de ilha e bacias intra-placa

Noranda e Kid Creek (Canadá) Sullivan (USA)


Troodos (Chipre)
Oman (Turquia) Kuroko (Japão) Broken Hill (Austrália)

TIPO CHIPRE TIPO BESSHI / TIPO KUROKO

Cu-Zn Pb-Zn (Ag)


Cu
Cu-Zn-Pb (Ag - Au) Ba

Sulfetos Maciços vulcano-exalativos Sulfetos maciços


sedimentar exalativos
(VMS)
(SEDEX)
EVOLUÇÃO DAS CHAMINÉS E PRECIPITAÇÃO
DE SULFETOS
Sistemas hidrotermais
submarinos
Ocorrem em diferentes ambientes
tectônicos:

• Cadeias meso-oceânicas;
• Riftes;
• Bacias de retro-arco

• Os sistemas modernos em ambiente


• Os depósitos VMS do Japão,
de riftes apresentam características
conhecidos como depósitos do tipo intermediárias entre os VMS e os
Kuroko, são os mais similares aos depósitos sedimentares-exalativos
“black smokers” e associam-se (SEDEX), sugerindo uma transição
principalmente a bacias de retro-arco. contínua entre os dois tipos.

• Os sistemas modernos produzem


depósitos muito menores (~ 0,2 Mt)
que seus análogos antigos (~ 10Mt).
• A razão dessa diferença é
desconhecida.
MORFOLOGIA DAS MINERALIZAÇÕES
SISTEMAS VULCANO-EXALATIVOS
SUBMARINOS

http://www.pmel.noaa.gov/vents/chemocean.html
SULFETOS MAÇICOS VULCANO-EXALATIVOS
Halos de Alteração Hidrotermal na Zona de Stockwork

Pipe de
alteração no
footwall -
centenas de mts
abaixo do
depósito

Alteração
regional
propilítica=
epidoto - qtz-
actinolita alta T
(400oC)

Outros tipos de alterações comuns: Mg smectita  zeolita  carbonato  silicificação espilitização


- propilitização com o aumento de T (profundidade) e alumino-silicatos (andaluzita).
SULFETOS MAÇICOS VULCANO-EXALATIVOS

Zonamento Metálico
Maior concentração de
Cu ou de Pb-Zn

pH baixo e altas T

Zonamento relacionado à
solubilidade da cpy e
esfalerita com a T

Cpy deposita-se a T mais


altas que a esfalerita
durante o resfriamento
do fluido, que tende a ser
rápido.
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS
MAÇICOS

INTERAÇÃO ÁGUA DO MAR - CROSTA OCEÂNICA

Tipo Chipre

Vulcanismo
máfico
associado
a expansão
do assoalho
oceânico

Perda de calor
associada com
convecção
(energia para o
sistema
hidrotermal)
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS
MAÇICOS
INTERAÇÃO ÁGUA DO MAR - CROSTA OCEÂNICA

Zona de Recarga

Consumo de Mg+2 do fluido


2NaAlSi3O8 + 5Mg2+ + 8H2O = Mg5Al2Si3O10(OH)2 + 2Na+ + H+ + 3SiO2(aq)
albita clorita
Consumo de Ca+2 e SO42- do fluido
CaAl2Si2O8 + 5Mg2+ + SiO2(aq) + SO42- + 8H2O = Mg5Al2Si3O10(OH)2 + CaSO4 + 8H+
anortita clorita anidrita

Redução de SO42- do fluido


11FeSi2O4 + 2SO42- + 4H+ = FeS2 + 7Fe3O4 + 11SiO2(aq) + 2H2O
olivina pirita magnetita
28FeS + 5SO42- + 10H+ = 16FeS2 + 4Fe3O4 + H2S + 4H2O
INTERAÇÃO ÁGUA DO MAR - CROSTA OCEÂNICA

Zona de Reação

3CaAl2Si2O8 + Ca2+ + 2H2O = 2Ca2Al3Si3O12(OH) + 2H+


anortita epidoto

T> 375°C - 400°C; P= 0,35 kb - 0,5 kb (2,5 km)


baixa razão fluido/rocha e alta concentração de metais
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS
MAÇICOS

Tipo Kuroko

 Rochas vulcânicas formadas em


ambiente de arco de ilha: riolito,
dacito associados a andesitos ou
basaltos

 Proximidade de centros de
vulcanismo félsico: domos
félsicos (riolito ou dacito) com •Yellow ore (> T):
rochas piroclásticas e Da base para o topo:pirita; calcopirita,
vulcanoclásticas associadas. pirita; calcopirita, pirita, quartzo.

 Presença de horizontes de chert • Black ore: (< T)


com pirita Da base para o topo: esfalerita, barita,
pirita, galena e tetraedrita; esfalerita,
barita, pirita, calcopirita, quartzo
 Presença de falhas extensionais
Rochas hospedeiras

Pillow-lavas (Depósito de Noranda, Canadá) Pillow-lavas (Depósito de Eskay, Suiça)

Brecha rioliítica
Rochas
cloritizada
vulcanoclásticas
bandadas (Noranda)
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS
MAÇICOS
VMS: Bathurst Mining Camp, Northern New Brunswick
Wetar Island, Indonesia

Scotney et al.
(2005) The
development of
volcanic hosted
massive sulfide
and barite–gold
Minério orebodies on
Wetar Island,
Indonesia.
Mineralium
Minério Deposita
40(1):76 - 99

Alteração hidrotermal é evidente ao redor dos corpos de sulfetos maciços


Alteração hidrotermal
Cloritização

Clorita xistos derivados da alteração de riólitos (Depósito de Cu-Zn Ártico, Alasca)


Alteração hidrotermal
Cloritização e silicificação
Alteração hidrotermal
Sericitização

Sericita-quartzo-
pirita

Metamorfismo

Muscovita-quartzo xistos
Hydrothermal alteration facies, Brunswick No. 12
deposit.
Photograph of silicified (Qz) and chloritized (Ch)
sedimentary rocks with pyrite (Py) veins and
disseminations beneath the vent complex
(Zone 1 in Figure 12);
Photograph of phengitized (Ser) and silicified
quartz (Qz) phyric pyroclastic volcanic rocks
cut by pyrite (Py) stringers (Zone 2).
Feldspars have been destroyed by
hydrothermal alteration;
Photograph of quartz (Qz)-feldspar (Kfp) phyric
pyroclastic volcanic rocks that have been
altered to Mg-rich chlorite and phengite
(Zone 3);
Photomicrograph of Mg-rich chlorite (Ch) showing
a diagnostic olive green color under polarized
light (Zone 4);
Photomicrograph of chessboard albite (Ab)
alteration of what is was probably a
microcline phenocryst, Nepisiguit Falls
Formation (Zone 4);
Photomicrograph of a quartz mosaic replacing a
K-feldspar phenocryst in the quartz-feldspar
"porphyry", Nepisiguit Falls Formation (Zone
3).
SULFETOS MAÇICOS VULCANO-EXALATIVOS

Halos de Alteração Hidrotermal


Minério Assembléia Assembléia
(VMS) hidrotermal metamórfica

Proximal Cloritização
Cu-Zn (Pb) Clorita fina +
Pirita, quartzo
Calcopirita
Cummingtonita +
antofilita

Sericitização
Distal
sericita fina +
Zn (Pb)
quartzo
Esfalerita
Galena
Muscovita +
quartzo

Outros tipos de alterações comuns: silicificação, carbonatização, epidotização


DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE SULFETOS
MAÇICOS

andesito
riolito - brecha
lavas riolíticas

sulfeto maciço
veios (stringer)
clorita
clorita-sericita

sílica - epidoto

falha sin-
vulcânica

 lentes maciças a bandadas: pirita  veio/disseminado


(90%), esfalerita, galena e (stringer ore)
calcopirita  forma de cogumelo
DEPÓSITOS VULCANO-EXALATIVOS DE
SULFETOS MAÇICOS

 >60% de sulfetos

 fontes de Cu, Zn, e Pb ± Au, Ag, Co,


Cd, Se, barita, gipso
Minério de Cu-Zn

Calcopirita, pirrotita, pirita e


ouro nativo
Minério de Cu-Zn

Depósito de Neves Corvo, Espanha

Minério maciço (> 60% de calcopirita + pirita + esfalerita)


Texturas dos
sulfetos

Finamente
laminados,
maciço

Agnew et al. 2005. Lewis Ponds, a hybrid carbonate and volcanic-hosted polymetallic massive sulphide deposit,
New South Wales, Australia. Mineralium Deposita 39:822 - 844
a Pirita coloforme;
b Sobrecrescimento de
pirita coloforme sobre
pirita euhedral;
c Calcopirita
substituindo pirita;
d Sulfetos
preenchendo fraturas;
e Pirita disseminada;
f Detalhe de e

Scotney et al. (2005) py pyrite; cpy chalcopyrite; sp sphalerite; ba barite; ten tennantite; cov covellite; si silica
Pirita framboidal

Outras texturas comuns nos


sulfetos dos depósitos
vulcanogênicos

Pirita dendrítica

Agnew et al. 2005. Lewis Ponds, a hybrid carbonate and volcanic-hosted polymetallic massive sulphide deposit,
New South Wales, Australia. Mineralium Deposita 39:822 - 844
Photographs of the vent complex
associated with massive sulphide
deposits of the BMC.
Fragments of pyretic sulphides in a
matrix of predominantly pyrrhotite
(Po), chloritized (Ch) host rocks,
quartz (Qz) and chalcopyrite (Cp),
Heath Steele deposit;
Fragments of massive pyrite, one of
which is cut by a quartz vein, in a
matrix of mostly pyrrhotite
containing blebs and
disseminations of chalcopyrite,
Halfmile Lake deposit;
Clasts comprised of pyrite, magnetite
and chalcopyrite in a matrix of
pyrite, quartz and ferroan
carbonate, Caribou deposit;
Clasts of strongly chloritized host rocks
and quartz in a fine grained matrix
of pyrrhotite with blebs and
disseminations of chalcopyrite, Key
Anacon deposit.
Photographs of sulphide stringer zone
samples from massive sulphide
deposits, BMC:
Veins of recrystallized pyrite (Py) cutting
quartz-feldspar "porphyry"
hydrothermally altered to phengite (Ser)
and chlorite (Ch), Nepisiguit Falls
Formation, Brunswick No. 12 deposit;
Pyrrhotite (Po) veins cutting chloritized (Ch)
volcaniclastic rocks underlying the
Brunswick No. 6 deposit. Veins have
been transposed into the penetrative
cleavage planes;
Brecciated host rocks underlying the Key
Anacon deposit infilled and veined by
pyrrhotite (Po) with disseminated
chalcopyrite (Cp);
Breccia fragments of altered and deformed
host rocks infilled by pyrrhotite, Halfmile
Lake deposit;
Breccia fragments of altered volcanic rocks
infilled by pyrrhotite and hydrothermal
quartz, Chester deposit;
Transposed veins of recrystallized pyrite
(Py) and quartz (Qz) cutting intensely
sericitized (Ser) and chloritized (Ch)
felsic volcanic rocks beneath the
Caribou deposit
SISTEMAS HIDROTERMAIS SUBMARINOS

CARACTERÍSTICAS DOS FLUIDOS

 Soluções aquosas de salinidade 2 a 7 vezes a da H2O do mar (3,2


% em peso de NaCl)

 Soluções ácidas, com pH em torno de 3,5

 Soluções redutoras  H2S >> SO42-

 T= 200 - 400°C

 Soluções empobrecidas em Mg2+

 Soluções enriquecidas em SiO2, Ca2+, Na+, metais


base, Cl-
SISTEMAS HIDROTERMAIS SUBMARINOS
CARACTERÍSTICAS DOS FLUIDOS MINERALIZANTES

Temperatura
dos fluidos
mineralizantes
nos depósitos
VMS mais alta
que nos
SEDEX.

Salinidades
menores (2 a
7 vezes a
salinidade da
água do mar)
SULFETOS MAÇICOS VULCANO-EXALATIVOS

MODELO GENÉTICO

Fonte de metais: rochas


vulcânicas

Fonte de enxofre:
Redução da água do mar;
lixiviação das rochas;
Incorporação de enxofre
magmático

Fonte dos fluidos: Água do


mar. Pode ter contribuição
de fluidos magmáticos.

Deposição dos sulfetos:


Resfriamento do fluido
resulta em rápida deposição
de sulfetos no assoalho
oceânico.
SULFETOS MAÇICOS VULCANOGÊNICOS
Exemplo de sistema paleo-hidrotermal

Modelo
esquemático de
sistema paleo-
hidrotermal do
Grupo Serra do
Itaberaba (SP)
(Juliani, 1993;
Pérez-Aguilar,
1996)

(1-2) Rochas metabásicas hidrotermalizadas; (3) Rochas metabásicas; (4)


Intrusões andesíticas a riodacíticas; (8) Formações ferríferas; (9) Sulfetos; (10)
Marunditos; (13) Metapelitos
Mineralizações sin-deposicionais
Grupo Serra do Itaberaba, SP

(Garda et al., 2006)


Grupo Serra do Itaberaba, SP
4 zp1
3 1

2 2
Alterações hidrotermais
5 4 zp1
4 zp2 pré-metamórficas
1

3 2 1

Pérez-Aguilar et al. (2005)


Alterações hidrotermais
pré-metamórficas

Pérez-Aguilar et al. (2000) Cummingtonita


GUIAS DE EXPLORAÇÃO

1. Identificação de rochas
vulcânicas submarinas.
Importante: presença de “pillow
lavas” e sedimentos químicos
(chert, formações ferríferas,
carbonatos)

2. Evidências de falhas sin-


sedimentares que possam ter Depósito de Cu-Zn Ártico, Alasca (Metabasitos e metariólitos)
atuado como zonas de
alimentação (“debris flow”, 4. Atividade exalativa (chert com
mudança de fácies abrupta, concentrações anômalas de Mn,
varições na espessura). Fe, Na, Ba, Zn, Pb). Em terrenos
metamórficos, granada rica em Mn
3. Zonas de reação de alta e estaurolita rica em Zn.
temperatura (quartzo-epidoto-
albita). Podem estar associadas 5. Variações regionais nos valores de
à lixiviação de metais das d18O e assinaturas de isótopos de
rochas vulcânicas. Pb.
DEPÓSITOS DE Zn-Pb SEDIMENTARES EXALATIVOS (SEDEX)
Belt-Purcell Basin

http://gsc.nrcan.gc.ca/mindep/metallogeny/sedex/purcell/index_e.php

Interlayer albitised (white) areanceous part and chlorite-pyrite-albite altered (dark colured) siltite-argillite part of thin bedded
turbidites from 45 Shaft in the hanging wall of the Sullivan deposit. Field of view about two metres. Photo by Cominco.
DEPÓSITOS DE Zn-Pb HOSPEDADOS EM ROCHAS SEDIMENTARES

Atributos gerais importantes: (1) hospedam-se em diversos tipos de


rochas sedimentares carbonáticas e siliciclásticas; (2) sem relação
genética óbvia com atividade ígnea

Os depósitos contêm as maiores reservas mundiais de Pb (50%) e Zn


(60%) - > 25% da produção mundial desses metais

DEPÓSITOS SEDIMENTARES-EXALATIVOS (SEDEX)

DEPÓSITOS DO TIPO MISSISSIPI VALLEY (MVT)


Depósitos SEDEX: teores e reservas

Grade (Pb + Zn wt. %) versus geological resources (million tonnes) for


global, Canadian and Selwyn Basin SEDEX deposits
Tectonic model for the Devono-Mississipian margin of western North America, showing a complex
history of ocean plate subduction, back-arc rifting and the formation of SEDEX and MVT deposits in the
northern Canadian Cordillera (from Nelson et al., 2002).
Block diagram of the rifted Paleozoic continental margin of northwestern Canada showing the
stratigraphic and facies relationships between syn-rift clastic and post-rift or sag basinal and platformal
sequences, magmatism, hydrothermal activity and ambient anoxic conditions (Goodfellow et al., 1993).
DEPÓSITO DE Zn-Pb (Ag) SEDIMENTAR
EXALATIVO - SEDEX

 Depósitos SEDEX representam os maiores depósitos de metais base do


mundo, como: Sullivan (British Columbia); Red Dog (Alaska); Rammelsberg e
Meggen (Alemanha); Broken Hill, Mount Isa, McArthur e HYC (Here is Your Chance)
na Austrália
No Brasil: depósitos de Pb-Zn-Ag de Perau, Canoas, Araçazeiro (PR) (Daitx, 1996;
1998); depósito de Pb-Zn de Boquira (BA) (Misi et al., 1996); depósito de Pb-Zn de
Castelão (GO) (Dardenne & Schobbenhaus, 2001)

 Importantes fontes para Zn e Pb  50% e 60%, respectivamente, das reservas


mundiais

 Produção é baixa  31% Zn e 25% Pb da produção mundial

 Tonelagem média= 15 Mt; 10% dos depósitos contêm > 150 Mt  Zn= 5,6%;
Pb= 2,8%; Ag=30 g/t
DEPÓSITO DE Zn-Pb (Ag) SEDIMENTAR EXALATIVO (SEDEX):
AMBIENTE GEOLÓGICO

Bacias
sedimentares
controladas por
subsidência
tectônica 
sistemas de rifte

Lydon 1996

Sequência basal: sucessão de vulcânicas, sedimentares clásticas +


turbiditos extensão e subsidência ativos

Sequências de topo: folhelhos/siltitos/argilitos carbonosos e rochas


carbonáticas  principais hospedeiras

Ocorrência de falhas sin-sedimentares


Geological cross-section of the Jason deposit showing the relationship between the
synsedimentary Jason Fault and fault scarp breccias, the general stratigraphy and the
different ore facies (Turner, 1990). http://gsc.nrcan.gc.ca/mindep/metallogeny/sedex/selwyn/index_e.php
SEDEX:AMBIENTE TECTÔNICO

Bacias extensionais formadas em zonas de retro-


arco de margens continentais

Bacias extensionais formadas em riftes


intracratônicos com formação de crosta
oceânica e sedimentos clásticos

Bacias extensionais formadas em riftes de


margens continentais passivas

Leach et al. 2005


SEDEX: CARACTERÍSTICAS DA MINERALIZAÇÃO
Corpos estratiformes, lenticulares ou tabulares ricos em sulfeto intercalados a
níveis de sedimentos
Camadas ou lâminas de sulfetos intercaladas com chert, barita, carbonatos e
apatita

Rochas hospedeiras são folhelhos, siltito,


calcário, dolomito, chert com alta
concentração de matéria orgânica

Pirita (dominante), esfalerita e galena;


pirrotita e calcopirita em alguns depósitos

Rochas ígneas com associação espacial ou


genética com a mineralização: ausente ou
muito subordinada

Tonelagem média= 15 Mt; 10% dos depósitos


contêm > 150 Mt  Zn= 5,6%; Pb= 2,8%; Ag=30
g/t
Lentes estratiformes concordantes a semi-concordantes de sulfetos (esfalerita, galena, pirita) bandados e
minerais hidrotermais (“chert”, dolomita, ankerita, siderita, barita, quartzo), intercalados às rochas
hospedeiras

Complexo de escape (feeder zone)  veios irregulares e/ou dissseminações de sulfeto, zonas brechadas,
alteração intensa das rochas sedimentares sotopostas ao minério estratiforme  menos desenvolvidos
que nos depósitos de VMS menos sulfetos, mais carbonato, raramente rico em calcopirita

Alteração hidrotermal varia de bem desenvolvida a inexistente  quartzo, muscovita, clorita, ankerita,
siderita, barita, turmalina e sulfetos
SEDEX

Esfalerita finamente
laminada em rocha
metassedimentar carbonosa.
Century Mine

Pirita finamente laminada


Zona rica em esfalerita  pirita  em rocha metassedimentar
galena. Alaska; 4,8 cm de largura. carbonosa. Alaska; 4,8 cm
de largura.
http://geopubs.wr.usgs.gov/open-file/of98-340/
Geological cross-section of the Jason deposit showing the relationship of the different hydrothermal
facies to the Jason fault (Turner, 1990).

http://gsc.nrcan.gc.ca/mindep/metallogeny/sedex/selwyn/index_e.php
A. interbanded white barite, pink, pale
green and black sphalerite, galena and grey
chert;

B. interbedded white barite, cream


sphalerite, and dark grey mudstone. Galena
occurs finely disseminated in sphalerite
layers;

C. black carbonaceous chert finely


laminated with barite and sphalerite.
Framboidal pyrite and galena also occur
along bedding planes.

D. Distal facies: black carbonaceous


mudstone with blebs of barite and Ba-
feldspar; framboidal pyrite and sphalerite
also disseminated throughout.

E. Vent Complex: mixture of medium-


grained galena and ferroan carbonate with
circular patches of crystalline pyrite.

F. Stringer Zone: black silicified argillite


cut by veins of ferroan carbonate
containing pyrite, pyrrhotite, galena, and
arsenopyrite. Later tectonic quartz veins
also present.
SEDEX: DISTRIBUIÇÃO TEMPORAL

 Idade da mineralização: Proterozóico


são os mais comuns; Paleozóicos
são subordinados (Cambriano –
Siluriano – Carbonífero)

Sullivan (British Columbia); Red Dog


(Alaska); Rammelsberg e Meggen
(Alemanha); Broken Hill, Mount Isa,
McArthur e HYC (Here is Your Chance) -
Austrália

No Brasil: Depósitos de Pb-Zn-Ag de Perau, Canoas, Araçazeiro (PR); Depósito de Pb-Zn de


Boquira (BA); Depósito de Pb-Zn de Castelão (GO)
DEPÓSITO DE Zn-Pb (Ag) SEDIMENTAR
EXALATIVO - SEDEX

Épocas metalogenéticas
Distribuição temporal
dos depósitos SEDEX
no Fanerozóico

Períodos de anoxia e
estagnação nos
oceanos

Importância para
deposição e
conservação
dos sulfetos
SEDEX: MODELO
GENÉTICO
1. Depósitos proximais ao
complexo de escape formados
por pluma hidrotermal (e.g.
Sullivan, B.C.; Tom e Jason,
Yukon; Rammelsberg, Germany)

2. Depósitos distais ao complexo


de escape formados pelo
acúmulo de salmouras (brines)
salinas (e.g. Howards Pass e
Anniv, Yukon; HYC deposit,
Australia)

3. Substituição das rochas


hospedeiras em subsuperfície
http://gsc.nrcan.gc.ca/mindep/metallogeny/sedex/selwyn/index_e.php
SEDEX: MODELO GENÉTICO

Genetic model for the Howards Pass (XY) deposit, MacMillan Pass, Yukon (from Goodfellow, 2004).
http://gsc.nrcan.gc.ca/mindep/metallogeny/sedex/selwyn/index_e.php
Genetic model for theTom deposit, MacMillan Pas, Yukon (from Goodfellow and Rhodes, 1990).
http://gsc.nrcan.gc.ca/mindep/metallogeny/sedex/selwyn/index_e.php
SEDEX: MODELO GENÉTICO
Alta T e salinidade: alto gradiente térmico em áreas de tectônica
extensional (riftes); dissolução de evaporitos na sequência
sedimentar sotoposta ao depósito.

Fonte dos metais: derivados da seqüência sedimentar.

Fonte de enxofre: água do mar e sulfatos presentes. Em geral o


fluido metalífero (T > 250 oC e pH = 5-6) não pode transportar
quantidades significativas de enxofre reduzido juntamente com os
metais. Pelo menos parte do enxofre reduzido, deve ser transportado
por outro fluido ou estar presente no sítio deposicional.

Deposição dos sulfetos: falhas sin-sedimentares associadas a


rifteamento permitem a circulação de fluidos bacinais aquecidos e
sua ascensão ao assoalho oceânico. Os sulfetos podem ser
depositados por rápido resfriamento do fluidos.

Idade da mineralização: tende a ser próxima a da rocha sedimentar


hospedeira ou da diagênese; depósitos de substituição (ex Century) -
20 Ma após sedimentação
 Pirita finamente laminada em rocha metassedimentar carbonosa.
Alaska; 4,8 cm de largura.

 Zona rica em esfalerita  pirita  galena.


Alaska; 4,8 cm de largura.

http://geopubs.wr.usgs.gov/open-file/of98-340/
Interlayered laminated spalerite-galena-pyrrhotite sulphides and argillite
(dark layers) in the Bedded Ores. "A" Band. Note limits of Ore Band are
marked by white chalk, below and above which are the mud flows of the
"A" and "B" Waste Beds respectively. Width of photo about two metres.
Photo by Cominco.

Laminated pyrite interlayered with argillite, and thin layers of coarsely


crystalline magnetite, in the Ramp Extension, Soutjeastern Fringe of the
Sullivan orebody. Some of the pyrite layers have been partially replaced by
pyrrhotite. The small "spots" in the laminated pyrite layers are
porphyroblasts of manganifereous garnet. From Lydon et al., 2000a.
Polished slab from the "B" Band,
3200 SE Crosscut, Sullivan mine,
showing the typically laminated
nature of the Bedded Ores. Note
the layer of durchbewegt pyrrhotite-
rich sulphides which reflects
bedding-parallel tectonic movement
- a common feature of the Bedded
Ores. From Lydon and Reardon,
2000.
Convolute folding of
galena-rich bedded
ore in the Transition
Zone. Dark layers are
argillite. Note
pyrrhotite-rich
sulphides at bottom of
photograph. Width of
photo about two
metres. 4250-P
Scram 3. Photo by
Cominco. From Lydon
et al., (2000a).

Durchbewegt sulphide, basal part


of Main Band, DDH 7246, 136 ft.
Rounded clasts of pyrite, argillite
and coarse-grained calcite in a
pyrrhotite matrix. Durchbewegung
structure is produced by
autogenous milling of the more
mechanically competent fragments
during tectonic flow of the
mechanically incompetent matrix
DEPÓSITO DE Zn-Pb (Ag) SEDIMENTAR
EXALATIVO - SEDEX

 Os corpos estratiformes definem a fácies sedimentar-hidrotermal dos


depósitos

 Complexo de escape (vent facies)  veios irregulares e/ou


disseminações de sulfeto, zonas brechadas, alteração intensa das
rochas sedimentares sotopostas ao minério estratiforme  menos
desenvolvidos que nos depósitos de VMS

 Alteração hidrotermal varia de bem desenvolvida a inexistente 


quartzo, muscovita, clorita, ankerita, siderita, turmalina e sulfetos

 Fluidos aquosos com salinidades variáveis (8 a 30% peso eq. NaCl) e T


entre 200 – 300°C
DEPÓSITO DE Zn-Pb (Ag) SEDIMENTAR
EXALATIVO - SEDEX
CARACTERÍSTICAS DOS FLUIDOS

Maiores
temperaturas e
menores
salinidades em
relação aos
depósitos MVT
GUIAS DE EXPLORAÇÃO
1. Bacias sedimentares de primeira ordem (> 100 km2),
preenchidas com pelo menos 1000 m de sedimentos: presença
de folhelhos, siltitos ou carbonatos de origem marinha

2. Sub-bacias limitadas por falhas sin-sedimentares, que podem


ser identificadas por “debris flow” e mudanças abruptas de
fácies ou de espessura

3. Evidências de precipitação química hidrotermal (sulfetos, chert


rico em Mn, carbonatos de Fe e/ou Mn, barita)

4. Evidências de descarga de fluidos hidrotermais ascendentes


(alteração)

5. geoquímica: > Pb nas zonas proximais e > Zn nas zonas


distais.