Você está na página 1de 2

Mesquita, 03 de maio de 2018

Assunto: Contestação de comunicado de cobrança indevida ,lançamento


indevido do TOI

À LIGHT,

Eu, José Horácio Nazareth, inscrito no CPF sob o no 071.077.467-23,


residente na Rua Inácio Serra, no 336, casa 3, CEP26.587-590, bairro
Chatuba da cidade de Mesquita , estado de Rio de Janeiro,cliente Light sob
o código 0031148711 venho apresentar reclamação e pedido de
cancelamento da cobrança irregular do TOI.

Gostaria de informar que em relação à inspeção realizada no dia


10/04/2018 que gerou o TOI de n° 8588117 referente à nota
1005593132(1). A acusação é totalmente leviana, indevida e sem
fundamento. Além disso, é uma cobrança reputada, indevida e efetuada
por meio abusivo e coativo. Tenho certeza dos meus atos legais como
cidadão e nunca realizei desvio de energia no ramal de ligação para a
minha casa, a número 3, com rede subterrânea. O só registro de consumo
mensal inferior ao que se pode estimar pela carga ativa do imóvel não basta
para caracterizar irregularidade na medição.

Apesar de estar em casa na data que foi determinada a inspeção, não


houve nenhum pronunciamento dos técnicos da Light para que eu
comparecesse ao local ou assinasse algum documento comprovando a
inspeção ou verificação. Repudio veementemente qualquer alegação de que
tive algo a ver com tal irregularidade;

Sobre o medidor, ele está com o lacre, intacto e inviolável, em perfeito


estado. Ou seja, nunca foi danificado. Nunca realizei nada indevido ou
ilegal relacionado ao fornecimento de energia. Caso a empresa substitua o
medidor, terá que assumir tal responsabilidade, afirmando sobre o atual
estado do mesmo.

Em relação à divergência entre o consumo faturado e o previsto, é


importante frisar que os meses em que consumimos mais energia foram em
razão de visitas familiares por um tempo determinado. Isso gerou um
consumo de 240 a 300 kWs em média. Porém, após a visita, o consumo se
normalizou.
Destaco que nesta casa habitam somente duas pessoas. Em janeiro de 2015,
minha esposa passou a cuidar de nossa neta recém- nascida e frequentava
nossa casa somente aos finais de semana (sábado e domingo). A imposição
de confissão de dívida superior a mais que o décuplo do devido, sob
ameaça de interrupção de fornecimento de serviço essencial, constitui
forma de cobrança abusiva, configurando o constrangimento de que trata o
art. 42, caput, do CDC, o que caracteriza o dano moral.

Nota-se que as faturas mensais de consumo foram devidamente emitidas e


pagas, o que desconstitui a tese da empresa quanto à existência de fraude.
Em 2016, separei da minha esposa e fui morar em Minas Gerais, na
residência que possuímos na cidade de Divino, tendo comprovantes dos
gastos e contas de energia da empresa fornecedora de lá.

Ademais, no termo de ocorrência de inspeção (TOI), há uma acusação


ilegal, que não procede e uma cobrança indevida no valor de 6.890,55(seis
mil, oitocentos e noventa reais e cinquenta e cinco centavos) que deve ser
cancelada diante da inexistência mínima de minha participação.

Diante de todos os argumentos acima expendidos, deve ser reconhecida a


ilegalidade do termo de ocorrência(TOI).

Atenciosamente,