Você está na página 1de 10

Unidade 03

História da Psicologia

Precursores filosóficos da Psicologia (Parte 1)

Objetivos da Unidade 03:

Apresentar os principais filósofos da Antigüidade que contribuíram para o desenvolvimento da Psicologia moderna.

Relacionar pensadores da Antigüidade a seus principais conceitos, teorias e/ou doutrinas, enfatizando suas contribuições para a Psicologia.

Instruções da Unidade 03:

1. Leia o Texto Introdutório da Unidade 03.

2. Leia o Texto Base da Unidade 03.

3. Responda as questões para orientar a leitura.

4. Procure a professora ou os tutores da disciplina para esclarecer quaisquer dúvidas.

5. Quando se sentir preparado, procure a professora ou os tutores da disciplina para fazer a avaliação referente a esta unidade.

Texto Introdutório da Unidade 03:

Origens do pensamento filosófico ocidental

Fernanda Pingarilho Mendizabal

Instituto de Educação Superior de Brasília Curso de Psicologia

A Psicologia moderna pode ser considerada fruto de uma longa história, que tem seu início na distinção entre mente e corpo discutida por filósofos da Antigüidade. O que afastou, paulatinamente, a Psicologia científica de suas origens filosóficas se refere mais aos métodos utilizados na obtenção do conhecimento acerca do ser humano, do que aos temas estudados por cada disciplina. Por esse motivo, é primordial, para a compreensão da Psicologia contemporânea, o conhecimento de suas raízes no berço da civilização ocidental.

A busca por conhecimento e compreensão da realidade acompanha o ser humano desde o nascimento das primeiras civilizações. O mito é a forma mais antiga empregada pela humanidade na busca de sentido para os fenômenos naturais. O pensamento mítico foi reconhecido por historiadores em diversas civilizações entre os séculos X e VII a.C., como nas culturas grega, romana e nórdica (Carpigiani, 2010).

a.C., como nas culturas grega, romana e nórdica (Carpigiani, 2010). Representação dos deuses no Olimpo. Página

Representação dos deuses no Olimpo.

Unidade 03

História da Psicologia

Homero e Hesíodo foram os primeiros gregos a documentar o pensamento mítico. Ilíada e Odisséia, poemas de Homero, marcaram o nascimento da literatura grega. A Ilíada narra a guerra entre gregos e troianos. Nessa obra, as estratégias de guerra, bem como paixões, emoções, sentimentos e valores humanos são governados por deuses do Olimpo. Na Odisséia, a saga de Ulisses é narrada em meio à descrição dos costumes sociais e do cotidiano das famílias gregas da época. Mais uma vez, fica clara a interferência de forças poderosas e divinas no comando das ações humanas. Hesíodo, que viveu no século VII a.C., apresentou o relato mítico ao descrever a criação do mundo. Um de seus trabalhos mais conhecidos, Teogonia, é considerado pelos historiadores a primeira obra religiosa da Grécia, e descreve a genealogia dos deuses.

religiosa da Grécia, e descreve a genealogia dos deuses. Ilíada e Odisséia de Homero Teogonia de

Ilíada e Odisséia de Homero

a genealogia dos deuses. Ilíada e Odisséia de Homero Teogonia de Hesíodo De acordo com Carpigiani

Teogonia de Hesíodo

De acordo com Carpigiani (2010), no pensamento mítico, as vontades e desejos dos deuses gregos são empregados para explicar o destino dos mortais. Desse modo, os mitos representam uma tentativa de compreender e organizar a realidade. Nesse contexto, o comportamento humano também passou a ser compreendido e explicado a partir dos humores dos deuses e de suas intervenções divinas.

dos humores dos deuses e de suas intervenções divinas. Representação da mitologia grega. Entre os séculos

Representação da mitologia grega.

Entre os séculos VII e VI a.C., conhecido como período pré-socrático, a retórica e a observação da natureza substituíram o pensamento mítico na tentativa de compreender e explicar o mundo e a realidade. O desenvolvimento intelectual é um marco desse período na Grécia antiga, que é considerado, pelos historiadores, o ponto de partida das ciências humanas e naturais (Carpigiani, 2010).

Unidade 03

História da Psicologia

É no período pré-socrático que nasce a Filosofia. Tales, que viveu no século VI a.C., na cidade de Mileto, é considerado por historiadores o primeiro filósofo ocidental. Esse pensador caracterizou-se por construir suas afirmações com base na observação da natureza, e por explicar o mundo em função de eventos naturais (Carpigiani, 2010; Heidbreder, 1981; Marx & Hillix, 2007).

Pitágoras (570-496 a.C.), Heráclito (535- 475 a.C.) e Demócrito (460-370 a.C.) foram pré-socráticos que também influenciaram, de forma direta, a construção do pensamento lógico e racional.

direta, a construção do pensamento lógico e racional. O Pensador (Rodin, 1902). Pitágoras defendeu que a

O Pensador (Rodin, 1902).

Pitágoras defendeu que a realidade pode ser compreendida por meio dos números. Essa visão foi incorporada pela ciência moderna, que prioriza os métodos quantitativos. E a Psicologia não escapa a essa característica da ciência. Métodos quantitativos são amplamente usados por psicólogos das mais diversas áreas, a fim de compreender e explicar a natureza humana (Heidbreder, 1981).

Heráclito, por sua vez, ao defender que nada é permanente, que tudo flui e está em constante transformação, dá origem à noção de processo, que está presente em ciências contemporâneas, como a Física e a Psicologia (Heidbreder, 1981).

Demócrito, a sua maneira, deu origem ao pensamento atomista ou reducionista, que defende uma perspectiva analítica para se compreender o mundo. De acordo com esse pensador grego, o universo seria constituído por átomos e, para compreendê-lo, seria necessário conhecer cada uma dessas unidades indivisíveis. Essa abordagem reducionista é empregada até hoje em diversas ciências, o que inclui a Psicologia contemporânea que, em muitas de suas correntes, defende o estudo do ser humano a partir de unidades, ou elementos básicos (Heidbreder, 1981).

Na Análise Experimental do Comportamento, por exemplo, os cientistas trabalham com unidades comportamentais básicas, compostas por relações entre comportamentos e estímulos ambientais. A partir do estudo sistemático dessas unidades, os psicólogos comportamentais foram capazes de descrever princípios gerais, que servem como base para a intervenção realizada por esses profissionais nos mais diversos contextos, como clínicas, consultórios, organizações, escolas e hospitais.

consultórios, organizações, escolas e hospitais. Os pré-socráticos: Tales de Mileto; Pitágoras de Samos;
consultórios, organizações, escolas e hospitais. Os pré-socráticos: Tales de Mileto; Pitágoras de Samos;
consultórios, organizações, escolas e hospitais. Os pré-socráticos: Tales de Mileto; Pitágoras de Samos;
consultórios, organizações, escolas e hospitais. Os pré-socráticos: Tales de Mileto; Pitágoras de Samos;

Os pré-socráticos: Tales de Mileto; Pitágoras de Samos; Heráclito de Éfeso; Demócrito de Abdera.

Unidade 03

História da Psicologia

Entre os pré-socráticos, um grupo de pensadores se destacou: os sofistas. Esses pensadores foram conhecidos por enfocar questões morais e políticas em suas discussões. O pensamento crítico foi desenvolvido pelos sofistas por meio da retórica em debates públicos. Protágoras foi um famoso sofista que afirmava que “o homem é a medida de todas as coisas”. Com essa afirmação, Protágoras defendia a impossibilidade da formulação de uma visão absoluta da realidade, pois qualquer impressão humana seria subjetiva. Desse modo, haveria uma realidade para cada indivíduo. Isto é, dois observadores, investigando um mesmo evento, em um mesmo instante, poderiam encontrar realidades diferentes. Embora discordantes, ambas poderiam representar a verdade. De acordo com Protágoras, um mesmo observador poderia realizar observações diferentes de um mesmo evento em momentos distintos, e ambos os relatos seriam representativos da realidade. Vale destacar que essa visão de que tudo é relativo, e de que seria impossível conhecer a verdade absoluta em relação ao universo é abraçada por muitos cientistas contemporâneos.

Por esse motivo, ao invés de buscar compreender a natureza fundamental da realidade, os sofistas dedicaram-se ao ensino da filosofia, da retórica e da dialética como habilidades práticas, treinando os jovens de sua época nas artes da persuasão (Heidbreder, 1981).

de sua época nas artes da persuasão (Heidbreder, 1981). Protágoras e seus alunos. O exercício do

Protágoras e seus alunos.

O exercício do pensamento lógico foi, ao lado da observação, característica do período pré-socrático. Os pensadores desse período afastaram-se do pensamento mítico e desenvolveram uma linguagem própria, calcada no pensamento racional. Nesse período, a cultura ocidental adquiriu e desenvolveu princípios de lógica e de ordem na interpretação da natureza (Carpigiani, 2010).

O desenvolvimento da Filosofia clássica no século V a.C. foi marcado pela figura de Sócrates (436-338 a.C.). Aluno dos sofistas Anaxágoras e Protágoras, Sócrates foi um filósofo idealista, e defendeu a alma humana como a sede da consciência e do caráter. Ao considerar a alma como a origem da vida, Sócrates a compreendeu como constituída por uma natureza distinta e superior à natureza que constitui o corpo e a matéria. Defendeu, também, o autoconhecimento como antídoto para a ignorância, a maldade e a doença humana. Sócrates acreditava que, ao conhecer as causas e os resultados dos seus atos, o ser humano seria capaz de fazer escolhas éticas (Carpigiani, 2010; Marx & Hillix, 2007).

Unidade 03

História da Psicologia

O método socrático foi considerado uma alavanca para a evolução do pensamento filosófico. Esse método, também conhecido como inquérito lógico, consistia em, primeiramente, elaborar uma série de questões bem articuladas, no decorrer de um diálogo sobre o tema proposto (e.g., discussão de conceitos como moral e justiça). Essa etapa de seu método, conhecido como “ironia”, caracterizava-se pela desconstrução do saber, isto é, Sócrates mostrava, por meio de sua hábil argumentação, que idéias bem estabelecidas culturalmente eram, na verdade, confusas e contraditórias. Em seguida, na etapa conhecida como “maiêutica”, Sócrates buscava construir novas idéias consistentes, usando a razão na busca da verdade. O método socrático propõe, portanto, a construção de um conhecimento real por meio do processo ironia-maiêutica. Por questionar valores e conceitos defendidos pelos líderes de sua época, Sócrates foi condenado à morte, acusado de corromper a juventude de seu tempo (Carpigiani, 2010; Heidbreder, 1981).

juventude de seu tempo (Carpigiani, 2010; Heidbreder, 1981). O julgamento de Sócrates. Sócrates não produziu suas

O julgamento de Sócrates.

Sócrates não produziu suas próprias obras. Como não deixou registros por escrito, tudo o que sabemos sobre esse pensador, sabemos por meio das obras de seus discípulos, como Platão e Xenofonte. Por esse motivo, não sabemos até que ponto as idéias atribuídas a Platão são suas de fato, e não uma interpretação ou releitura elaborada por seus alunos (Carpigiani, 2010; Marx & Hillix, 2007).

Originários de uma família aristocrática de Atenas, Platão (427-348 a.C.) foi aluno de Sócrates por nove anos. Passou por vários núcleos de estudos filosóficos em diferentes cidades, mas voltou para Atenas e fundou sua própria escola, conhecida como Academia, considerada por historiadores a primeira universidade do mundo ocidental. Suas idéias fundamentaram-se no pensamento e no método socrático. Em sua obra, composta por 36 diálogos, Platão defende, em seus estudos sobre conhecimento, política e relações sociais, o status divino da alma humana, reforçando o dualismo alma versus corpo preconizado por Sócrates (Heidbreder, 1981).

o dualismo alma versus corpo preconizado por Sócrates (Heidbreder, 1981). Academia de Platão. Página 5 de

Academia de Platão.

Unidade 03

História da Psicologia

Platão defendeu a existência de duas fontes de conhecimento: a primeira se daria por meio das sensações; e a segunda, por meio das idéias. Desse modo, o conhecimento poderia ter duas origens: o conhecimento proveniente do corpo; e o conhecimento originário da alma. A teoria dualista de Platão afirma que o conhecimento obtido por meio do corpo (i.e., sensações) seria inferior ao conhecimento adquirido por meio da alma (i.e., idéias). Assim, de acordo com esse pensador, o conhecimento proveniente das sensações seria fugaz, ilusório e passageiro, e dificultaria a aquisição do verdadeiro conhecimento (Carpigiani, 2010; Heidbreder, 1981).

Segundo Platão, o mundo das idéias, das essências imutáveis, estaria acima do mundo sensível aos sentidos. Somente por meio da contemplação e do raciocínio lógico o homem seria capaz de conhecer a verdade. A alma, para Platão, possui a verdade em si mesma, não se decompõe, é eterna, universal, e independente do corpo. A alegoria da caverna ilustra muito bem esse constructo teórico elaborado por Platão, que pressupõe que o mundo concreto e sensível seria apenas uma representação imperfeita do mundo das idéias (Heidbreder, 1981).

imperfeita do mundo das idéias (Heidbreder, 1981). Ilustração da Alegoria da Caverna proposta por Platão.

Ilustração da Alegoria da Caverna proposta por Platão.

Quando Aristóteles (384-322 a.C.) chegou a Atenas, aos 18 anos de idade, ingressou na Academia de Platão, onde estudou por 20 anos. Com a morte de Platão, Aristóteles viajou pela Ásia e, ao retornar a Atenas, fundou sua própria escola, conhecida como Liceu.

Seu pensamento divergiu de alguns dos principais postulados platônicos, como o dualismo alma-corpo. Para Aristóteles, a alma faria parte do corpo, isto é, seria uma função do organismo, e não uma entidade separada, constituída por natureza distinta.

Nesse contexto, Aristóteles resgatou o valor do conhecimento proveniente dos sentidos. Isto é, ao contrário de Sócrates e Platão, que defenderam com furor a abordagem Racionalista, Aristóteles deu os primeiros passos em direção à doutrina Empirista. Enquanto os racionalistas defendem que o conhecimento é proveniente da razão, os empiristas acreditam que todo e qualquer conhecimento se origina dos sentidos. Aristóteles defendeu que ambos, razão e observação, seriam responsáveis pelo conhecimento do mundo e da alma humana.

Unidade 03

História da Psicologia

Além disso, por ser sistemático, Aristóteles semeou o alicerce do pensamento científico, pois, como vimos, alinhou ao método racionalista o método observacional.

Ele registrava seus experimentos, suas observações, e as aulas que ministrava. Sua obra é técnica e classificatória, e deu origem à trajetória da Filosofia na direção do naturalismo, do empirismo e da ciência.

Aristóteles foi o último dos grandes filósofos da Antigüidade. Sua morte, no último quarto do século IV a.C., marcou o fim do período mais original e produtivo da Grécia antiga (Heidbreder,

1981).

original e produtivo da Grécia antiga (Heidbreder, 1981). Aristóteles Com a expansão do império romano, entre

Aristóteles

Com a expansão do império romano, entre os séculos III a.C. e III d.C., novas ordens sociais abalaram a cultura e as tradições gregas. Nesse período, novos núcleos filosóficos emergiram e desenvolveram-se, diversificando ainda mais as concepções existentes acerca do ser humano e sua natureza. Desse modo, despertam o Epicurismo, o Estoicismo, o Ceticismo e o Neoplatonismo. As concepções de ser humano tornaram-se múltiplas e, em muitos aspectos, divergentes. Assim como os métodos propostos para estudá-lo.

Referências Carpigiani, B. (2010). Psicologia: Das raízes aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Cengage Learning. Ferreira, A. B. H. (2004). Dicionário Aurélio da língua portuguesa. Curitiba: Positivo. Heidbreder, E. (1981). Psicologias do século XX. São Paulo: Mestre Jou. Houaiss, A., Villar, M. S., & Franco, F. M. M. (2009). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva. Marx, M. H., & Hillix, W. A. (2007). Sistemas e teorias em psicologia. São Paulo:

Cultrix.

Texto Base da Unidade 03:

Carpigiani, B. (2010). Psicologia: Das raízes aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Cengage Learning.

Ler o capítulo 2: O pensamento psicológico em Sócrates, Platão e Aristóteles, pp. 21-

35.

Glossário da Unidade 03

Atomismo. Doutrina filosófica elaborada pelos pensadores gregos Leucipo e Demócrito segundo a qual toda a matéria é formada por átomos, partículas eternas e indivisíveis, que se comportam de acordo com princípios mecânicos. Conjunto de teorias que utilizam-se do conceito originalmente filosófico de átomo na explicação dos fenômenos da natureza (Houaiss & Franco, 2009).

Dialética. Processo de diálogo ou debate entre interlocutores comprometidos com a busca da verdade (Houaiss & Franco, 2009). A arte do diálogo ou da discussão

Unidade 03

História da Psicologia

(Ferreira, 2004).

Dualismo. Padrão recorrente de pensamento que busca compreender a realidade e a condição humana dividindo-as em dois princípios básicos, antagônicos e dessemelhantes (e.g., alma e matéria, mente e corpo, aparência e realidade) (Houaiss & Franco, 2009). Doutrina que admite a coexistência de dois princípios, geralmente opostos, como bem e mal, alma e corpo, espírito e matéria (Ferreira, 2004).

Empirismo. Doutrina segundo a qual todo conhecimento provém unicamente da experiência, limitando-se ao que pode ser captado do mundo externo pelos sentidos (Houaiss & Franco, 2009).

Mito. Relato fantástico sobre seres e acontecimentos imaginários; lenda; narrativa acerca de tempos heróicos; relato simbólico, passado de geração em geração dentro de um grupo, que narra e explica a origem de determinado fenômeno ou costume (Ferreira, 2004; Houaiss & Franco, 2009).

Mitologia. Conjunto dos mitos de determinado povo; estudo dos mitos, suas origens, evolução e significado (Houaiss & Franco, 2009).

Naturalismo. Estado do que é produzido pela natureza (Ferreira, 2004). Doutrina que nega a existência de esferas transcendentes ou metafísicas (Houaiss & Franco, 2009).

Racionalismo. Doutrina que privilegia a razão (i.e., pensamento lógico) como meio de conhecimento e explicação da realidade; conjunto de teorias filosóficas fundamentadas na suposição de que a investigação da verdade, conduzida pelo pensamento puro, ultrapassa, em grande medida os dados imediatos oferecidos pelos sentidos e pela experiência (Ferreira, 2004; Houaiss & Franco, 2009).

Retórica. A arte da eloqüência, a arte de bem argumentar, a arte da palavra; oratória; capacidade de falar e expressar-se com desenvoltura (Houaiss & Franco, 2009).

Sofista. Mestre da retórica na Grécia antiga, que tomava para si a tarefa de ensinar conhecimentos gerais, gramática, e a arte da eloqüência para os cidadãos gregos postulantes à participação ativa na vida política (Houaiss & Franco, 2009).

Questões para orientar a leitura:

1.

Faça uma pesquisa na internet para compreender melhor e definir os conceitos/doutrinas listados abaixo:

- Atomismo

- Dualismo

- Empirismo

- Racionalismo

Você deve buscar nos sites encontrados pelo menos uma definição para cada conceito/doutrina. Anote as definições escolhidas, especificando o autor e o ano da publicação citada. Anote também o endereço da página eletrônica da qual você retirou a citação.

Atomismo:

Unidade 03

História da Psicologia

Autor(a):

Ano:

Site:

Dualismo:

Autor(a):

Ano:

Site:

Empirismo:

Autor(a):

Ano:

Site:

Racionalismo:

Autor(a):

Ano:

Site:

2. O que você entende por (1) atomismo, (2) dualismo, (3) empirismo e (4)

Não copie as definições pesquisadas acima, elabore a

resposta com suas próprias palavras, de forma coerente e objetiva, baseado na pesquisa do item anterior e na leitura dos textos indicados nesta unidade.

racionalismo?

3. Diferencie o pensamento mítico do pensamento produzido por filósofos pré- socráticos.

4. Descreva, em suas palavras, o método socrático.

5. Relacione as diferentes concepções de alma defendidas pelos filósofos (1) Platão e (2) Aristóteles.

Unidade 03

História da Psicologia

6. Questão para reflexão Divergências de pensamento a respeito do ser humano têm origem na antiguidade. A diversidade de abordagens em Psicologia reflete essa diversidade de concepções sobre questões humanas. Atomistas, materialistas, deterministas e dualistas foram criticados, e essas críticas originaram novas formas de compreender o mundo. Até hoje não há uma visão de homem, mas várias. Não há um método para estudá-lo, mas vários. Discuta sobre essa diversidade: quais são seus pontos positivos e negativos?

7. Questão para organizar idéias e conceitos relevantes Faça uma tabela relacionando, de forma resumida, os filósofos da Antigüidade citados no texto e suas principais contribuições para a Psicologia. Para isso, utilize o quadro abaixo.

Filósofo

Principais conceitos e contribuições para a Psicologia

Sócrates

Platão

Aristóteles